SlideShare uma empresa Scribd logo
República de Moçambique
Ministério da Saúde
Programa Nacional de Cirurgia
TÉCNICAS
CIRÚRGICAS
BÁSICAS
Infecções da mão
Dr. Manuel Rodrigues Simão
Número 3 Outubro de 2001
TÉCNICAS
CIRÚRGICAS BÁSICAS
Infecções da mão
Número 3 Outubro de 2001
Dr. Manuel Rodrigues Simão
TÉCNICAS
CIRÚRGICAS
BÁSICAS
Ano 2 Nº 3 Outubro de 2001
Programa Nacional de Cirurgia
Título: INFECÇÕES DA MÃO
Autor: Dr. Manuel Rodrigues Simão
Editor: Consejo Interhospitalario de Cooperación-CIC
Número de registo: 1995/RLINLD/2001
Maquetização: Elográfico
Financiador: Cooperação Espanhola
Tiragem: 1000 exemplares
Outubro de 2001
Maputo, Moçambique
Infeccoes da mao
Infeccoes da mao
5
INFECÇÕES DA MÃO
CONSIDERAÇÕES GERAIS
A mão é uma estrutura anatómica muito importante, utilizada para a realização da
maior parte das actividades do dia-a-dia. Pelas suas actividades alguns indivíduos
precisam de uma mão com dedos ágeis (cirurgiões, costureiros, pianistas...) e
outros de uma mão com muita força (carregadores, pugilistas...).
A mão está sujeita a muitos tipos de lesões, entre traumatismos (abordados no
nº 1 destas brochuras) e infecções.
As infecções podem incapacitar a mão tão sériamente como um traumatismo
grave, embora sejam quase sempre provocadas por um ferimento vulgar como
uma escoriação, uma vesícula ou uma pequena picada de alfinete ou barba
de camarão. Quando não ou mal tratadas estas pequenas lesões podem
transformar-se em infecções graves, muito debilitantes e de evolução rápida.
As infecções da mão são muito frequentes nos Serviços de Urgência, por
isso é indispensável que os técnicos de saúde saibam bem como elas devem
ser abordadas e tratadas.
Fig. 1
ANATOMIA DA MÃO
Para uma boa compreensão das infecções da mão é indispensável conhecer
satisfatóriamente a sua anatomia. Abaixo se descrevem sumáriamente os
aspectos fundamentais da anatomia da mão.
A mão constitui a parte mais distal dos membros superiores, possui 5 dedos,
uma face palmar e outra dorsal. Tem um lado radial e um lado ulnar(cubital),
possuindo uma parte proximal (o punho) e outra distal (a polpa dos dedos).
Palmar Dorsal
6
A mão tem também muitas articulações, nomeadamente interfalângicas
(proximais e distais), metacarpofalângicas e carpometacárpicas.
Apesar de pequena a mão tem muitos ossos, subdivididos pelas suas 3 partes:
carpo, metacarpo e falanges.
Fig. 2
Fig. 3
Distal
Proximal
RADIAL
I.F. Distais
I.F. Proximais
Metacarpo
falangicas
Carpo
metacárpica
7
A mão é muito rica em músculos e
tendões, nomeadamente:
• Intrínsecos: tenar, hipotenar,
interósseos e lumbricais.
• Extrínsecos: músculos do ante-
braço e tendões para a mão.
Os nervos da mão incluem os
seguintes:
• Radial:- motor: flexores.
- sensitivo: lado dorso-radial.
• Mediano:- motor: flexores.
- sensitivo: superfícies tácteis do
polegar, indicador, médio e parte
do anelar.
Fig. 4
• Ulnar (cubital): motor: músculos intrínsecos e flexores extrínsecos do
lado ulnar.
- sensitivo: superfícies tácteis do mínimo e metade do anelar e o terço
ulnar da palma.
Fig. 5
Falanges
Metacarpo
Carpo
NERVO RADIAL
NERVO UNLAR OU CUBITAL
NERVO MEBIANO
8
A mão é muito rica em vasos sanguíneos, dos quais se destacam as seguintes
artérias:
• radial e cubital
• das arcadas palmar superficial e profunda
• digitais
A unha é uma parte importante da mão, sendo indispensável o conhecimento
da sua anatomia pela grande relação com as infecções.
PATOLOGIA
As infecções da mão frequentemente se desenvolvem e disseminam em
consequência de uma incapacidade de preservar ou restabelecer uma boa
drenagem venosa e linfática após os traumatismos.
Para prevenir e tratar correctamente as infecções da mão é necessário:
• Um adequado controle do edema e congestão dos tecidos.
• Evitar-se qualquer espaço morto preenchido de sangue ou soro estagnado.
O traumatismo e a infecção causam tensão tecidual por sequestro de
líquido do edema, levando à compressão dos vasos sanguíneos,
diminuição da oxigenação e necrose tecidual.
O edema agudo predispõe à infecção, especialmente se houver contaminação
através de uma ferida aberta de qualquer espécie.
A rica anatomia da mão (já descrita atrás) também facilita a rápida
disseminação das infecções.
Fig. 6
UNHA
Camada
germinativa
Leito da unha
Cutícula
Leito da unha
Camada
germinativa
UNHA
Camada Malpighiana
9
EXAME CLÍNICO
Na maior parte das vezes, quando o doente chega à Unidade Sanitária já há
necessidade de se proceder a uma incisão e drenagem cirúrgica.
Se a infecção se iniciou hà mais de 48 horas ou não deixou o doente
dormir durante a noite devido à dor, então já há pús e é preciso fazer-se
uma incisão e drenagem cirúrgica.
A definição atempada do estadio da infecção vai facilitar o técnico de saúde
na tomada de decisões quanto à conduta a seguir. Para isso, o técnico de
saúde deve fazer uma história clínica cuidadosa, na qual a anam–
nese(interrogatório) e o exame físico têm uma grande importância.
Na anamnese têm grande importância para a conduta e o prognóstico os
aspectos seguintes:
• O mecanismo da lesão (pequena laceração, picada...).
• A localização anatómica.
• O tempo de evolução.
• As principais queixas do doente à chegada (dor, febre, edema, diminuição
da função...).
• A existência de doenças debilitantes associadas (diabetes
mellitus, HIV/SIDA, subnutrição...).
• A toma de medicamentos (corticóides...).
No exame físico devem ser rotineiramente investigados os seguintes aspectos:
• A presença de tumefacção localizada (extremidade do dedo, todo o dedo,
espaço interdigital...) ou generalizada (toda a mão).
• A presença de brilho na pele.
• A presença de vesícula ou ponto de drenagem de pús.
• a presença de dor à palpação.
• A presença de calor local.
• A presença de dor com o movimento das articulações adjacentes.
• A presença de flutuação (se a infecção abcedou).
• A presença de uma pequena laceração ou ferida penetrante.
• A presença de linfangite com cordões (estendendo-se ao antebraço).
• A presença de gânglios axilares ou epitrocleares aumentados de volume e
dolorosos.
• A presença de febre baixa (a febre alta normalmente significa envolvimento
linfático).
10
A REDUÇÃO DO EDEMA FACILITA O PROCEDIMENTO
CIRÚRGICO!
PRINCÍPIOS GERAIS DOTRATAMENTO
O objectivo último do tratamento é restaurar a integridade e a função da
mão sem deixar sequelas.
Para tal o técnico de saúde apoia-se nas seguintes medidas:
1. Antibióticos:
• O uso de antibióticos apenas nunca é um tratamento adequado.
• A Cloxacilina é o antibiótico ideal (mas é muito cara e mais difícil de obter).
• As Tetraciclinas (Tetraciclina, Doxiciclina) são a primeira escolha
e as alternativas são a Eritromicina,o Cloranfenicol e a Penicilina.
• É recomendável iniciar-se a antibióticoterapia imediatamente antes da
incisão e drenagem.
• Recomenda-se a cultura do pús e o antibiograma sempre que seja
possível.
2. Incisão e drenagem cirúrgica:
• É indispensável desde que se confirme a presença de pús.
• Muitas vezes é melhor internar o doente, manter o membro
elevado, iniciar a antibióticoterapia e fazer a incisão e drenagem
cirúrgica na manhã seguinte.
• A incisão cirúrgica é sempre recomendada quando o doente não
melhora após 3 a 5 dias de tratamento médico,mesmo não havendo
evidência clara de presença de pús.
3. Imobilização da mão:
• A imobilização da mão na posição de função é muito importante
para a recuperação da função e evita a difusão de bactérias.
NÃO UTILIZE ANTIBIÓTICOS APENAS!
A INCISÃO E DRENAGEM CIRÚRGICA É
EXTREMAMENTE IMPORTANTE!
11
Fig. 7
4. Elevação do membro:
• A elevação do membro é muito importante para diminuir o edema
e evitar a rigidez articular.
NUNCA SE ESQUEÇA DE IMOBILIZAR A MÃO NA
POSIÇÃO DE FUNÇÃO E DE ELEVAR O MEMBRO!
5. Analgésicos:
• São muito importantes dada a presença de dor forte.
• Recomenda-se a utilização de Paracetamol ou Diclofenac.
• A utilização de analgésicos fortes (Petidina, Morfina, Codeína,...)
só é recomendada nos casos severos.
6. Profilaxia do tétano:
• Se o doente estiver vacinado hà menos de 5 anos, reactiva-se com
vacina anti-tetânica (VAT).
• Se o doente não estiver vacinado ou se tiver sido vacinado hà mais
de 5 anos, (re)inicia-se a vacinação anti-tetânica (VAT) e, noutra
região, administra-se o soro anti-tetânico (SAT).
7. Seguimento e pensos:
• O seguimento deve ser cuidadoso, com observações frequentes e
pensos diários ou em dias alternados.
• O penso é feito com camadas volumosas de compressas e algodão
para manter a mão na posição de função.
30º
60º 10º
5º
12
ESTADIO DAS INFECÇÕES DA MÃO
As infecções da mão evoluem em duas fases, nomeadamente:
a) Infecções em fase precoce:
• Com sinais inflamatórios presentes.
• Com edema acentuado.
• Com dor suportável.
• Sem flutuação.
• Tratamento:
Medidas gerais:
- Fazer incisão cirúrgica logo que ocorra flutuação(presença
de pús).
- Indicada incisão cirúrgica se o doente não melhorar após 3 a
5 dias de tratamento médico, mesmo não havendo evidência
de pús.
b) Infecções estabelecidas:
• Com sinais inflamatórios presentes.
• Com edema acentuado.
• Com dor insuportável.
• Com flutuação.
• Tratamento:
Medidas gerais:
- Iniciar antibiótico(s) antes da drenagem cirúrgica.
(a drenagem cirúrgica é sempre recomendada).
- A anestesia geral é preferêncial (Quetamina...),
podendo também fazer-se o bloqueio do plexo braquial.
- Elevar o membro por 3 minutos e aplicar um garrote ao nível
do braço antes de se fazer a incisão.
- Recomenda-se o internamento do doente por 2 a 3 dias para
um seguimento cuidadoso.
13
Fig. 9
Fig. 8
INFECÇÕES ESPECÍFICAS DA MÃO
2. Paroníquias:
• São as infecções na base ou nos bordos laterais da unha.
• Se não houver pús debaixo da unha,só se faz uma incisão e drenagem
sobre o ponto de flutuação.
• Se houver pús debaixo de um lado da unha, procede-se à incisão e
drenagem excisando a base da unha desse lado.
• Se houver pús debaixo do dois lados da unha, faz-se a drenagem
com duas incisões longitudinais na sua base e excisa-se a parte da unha
não aderente.
1. Infecção apical:
• Há presença de pús entre a
parte distal da unha e a falange
distal.
• Recomenda-se uma drenagem
após secção da unha em
triângulo.
Fig. 10
REMOÇÃO
EM
CUNHA
14
Fig. 11
• Nas paroníquias crónicas(geralmente causadas por fungos), não se
faz drenagem e recomenda-se a utilização prolongada de anti-fungicos
locais (Clotrimazol...) e sistémicos (Giseofulvina, Ketoconazol...) e o
eventual envio ao especialista (dermatologista).
3. Panarícios:
• São as infecções da mão mais comuns.
• Apresentam-se de várias formas:
a) Panarício da polpa do dedo:
• Há pús profundo na polpa do dedo.
• Existe um grande risco de necrose dos tecidos (músculos, tendões,
articulações e ossos) por compressão.
• Não se deve incisar a pele palmar.
• Recomenda-se a drenagem lateral.
NÃO!
Não lese a
falange Incisão perto
da unha
Vasos e
nervos
digitais
Se necessário
atravessar o canivete
para o outro lado
Evitar o nervo
digital
3mm
15
Fig. 12
c) Abcessos palmares das falanges proximal e média:
• Há pús na superfície palmar do dedo,nas falanges proximal e média.
• Recomenda-se a incisão e drenagem transversal sobre o ponto de
maior flutuação e dor.
Fig . 13
b) Abcesso lateral subcutâneo:
• Há pús na superfície lateral do dedo.
• Recomenda-se a incisão e drenagem lateral, unindo as extremidades
das pregas dos dedos.
Incisão ao nível da ponta
da prega dos dedos
Evite os nervos digitais que passam à
frente das extremidades das pregas
Local de incisão
4. Abcessos interdigitais:
• Há pús entre as bases dos
dedos.
• O dorso da mão está muito
edemaciado.
• Recomenda-se a incisão e
drenagem em “V” e a retirada
de todos os tecidos desvita-
lizados.
16
6. Abcessos palmares:
• Há pús localizado profundamente em relação à fáscia palmar.
• São vulgarmente chamados “fleimões da mão”.
• A mão está muito tumefeita, com edema da face dorsal, os dedos estão
imóveis na posição flectida e não há dor importante à extensão dos
dedos (em contraste com a tenosinovite aguda).
• Recomenda-se uma incisão na zona de flutuação máxima ou no 1/3
médio das pregas palmares proximal e distal.
Fig. 14
Fig. 15
5. Tenosinovite aguda:
• É a infecção aguda da bainha
tendinosa.
• Há tumefacção uniforme e
flexão ligeira do dedo afectado.
• Há dor intensa à extensão
passiva do dedo atingido.
• Há um risco de extensão da
infecção para a palma da mão
e punho.
• Se não houver pús, faz-se um
tratamento conservativo.
• Se houver pús, faz-se a incisão,
drenagem e irrigação das bainhas
tendinosas com antibiótico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Entendendo a espondilite
Entendendo a espondiliteEntendendo a espondilite
Entendendo a espondilite
Reumatoguia
 
Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)
Potencial Empresário
 
Introduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergenciaIntroduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergencia
jorge luiz dos santos de souza
 
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o AnoMétodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Carlos Andrade
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassio
Viviane da Silva
 
Choque
Choque Choque
Choque
resenfe2013
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
Enayad
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Semiologia da dor
Semiologia da dorSemiologia da dor
Semiologia da dor
pauloalambert
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Fixador Externo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fixador Externo Dr Omar Mohamad M. AbdallahFixador Externo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fixador Externo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
Wesla Campos
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
dapab
 
Pé Diabético
Pé DiabéticoPé Diabético
Pé Diabético
Professor Robson
 
Interpretação de ECG
Interpretação de ECGInterpretação de ECG
Interpretação de ECG
HIURYGOMES
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Mauricio Fabiani
 
Métodos de Estabilização de Fraturas 2
Métodos de Estabilização de Fraturas 2Métodos de Estabilização de Fraturas 2
Métodos de Estabilização de Fraturas 2
Carlos Andrade
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
dapab
 
Choque hipovolemico aula1_2
Choque hipovolemico aula1_2Choque hipovolemico aula1_2
Choque hipovolemico aula1_2
Luciana Maria Nascimento
 
urgencia-e-emergencia-mapa-mental-1.pdf
urgencia-e-emergencia-mapa-mental-1.pdfurgencia-e-emergencia-mapa-mental-1.pdf
urgencia-e-emergencia-mapa-mental-1.pdf
RickAugusto1
 

Mais procurados (20)

Entendendo a espondilite
Entendendo a espondiliteEntendendo a espondilite
Entendendo a espondilite
 
Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)
 
Introduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergenciaIntroduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergencia
 
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o AnoMétodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassio
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
 
Semiologia da dor
Semiologia da dorSemiologia da dor
Semiologia da dor
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Fixador Externo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fixador Externo Dr Omar Mohamad M. AbdallahFixador Externo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fixador Externo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Pé Diabético
Pé DiabéticoPé Diabético
Pé Diabético
 
Interpretação de ECG
Interpretação de ECGInterpretação de ECG
Interpretação de ECG
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
 
Métodos de Estabilização de Fraturas 2
Métodos de Estabilização de Fraturas 2Métodos de Estabilização de Fraturas 2
Métodos de Estabilização de Fraturas 2
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
 
Choque hipovolemico aula1_2
Choque hipovolemico aula1_2Choque hipovolemico aula1_2
Choque hipovolemico aula1_2
 
urgencia-e-emergencia-mapa-mental-1.pdf
urgencia-e-emergencia-mapa-mental-1.pdfurgencia-e-emergencia-mapa-mental-1.pdf
urgencia-e-emergencia-mapa-mental-1.pdf
 

Semelhante a Infeccoes da mao

Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
Rocha Neto
 
Mastectomia retirada de gânglios linfáticos
Mastectomia retirada de gânglios linfáticosMastectomia retirada de gânglios linfáticos
Mastectomia retirada de gânglios linfáticos
Carla Patricia
 
Amputações
Amputações Amputações
Amputações
Brunno Rosique
 
ID, SC, IM (4).pptx
ID, SC, IM (4).pptxID, SC, IM (4).pptx
ID, SC, IM (4).pptx
bianca375788
 
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptxtrabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
HildomarSouza
 
Hiperidrose primária
Hiperidrose primáriaHiperidrose primária
trabalho IM ENF 23.pptx
trabalho IM ENF 23.pptxtrabalho IM ENF 23.pptx
trabalho IM ENF 23.pptx
RaissaMarySilva1
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
guest1a4e97
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
CFCParaty
 
Linfedema pós mastectomia
Linfedema pós mastectomiaLinfedema pós mastectomia
Linfedema pós mastectomia
Natasha Freitas
 
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Guilherme Terra
 
CCIH
CCIH CCIH
A (complex) decision making in critical patient with wound
A (complex) decision making in critical patient with woundA (complex) decision making in critical patient with wound
A (complex) decision making in critical patient with wound
António José Lopes de Almeida
 
Contratura de Dupuytren.doc
Contratura de Dupuytren.docContratura de Dupuytren.doc
Contratura de Dupuytren.doc
thiagopennachaves
 
Primeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IVPrimeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IV
emanueltstegeon
 
Complicações cirurgicass.pptx
Complicações cirurgicass.pptxComplicações cirurgicass.pptx
Complicações cirurgicass.pptx
MeysonSantosSilva
 
Catarina cirurgia
Catarina cirurgiaCatarina cirurgia
Catarina cirurgia
Regis Valentim
 
Procedimentos medicos
Procedimentos medicosProcedimentos medicos
Procedimentos medicos
Seta Trevisan
 
Adm med via intramuscular
Adm med via intramuscularAdm med via intramuscular
Adm med via intramuscular
Viviane da Silva
 
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptxAssistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
vaniceandrade1
 

Semelhante a Infeccoes da mao (20)

Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
 
Mastectomia retirada de gânglios linfáticos
Mastectomia retirada de gânglios linfáticosMastectomia retirada de gânglios linfáticos
Mastectomia retirada de gânglios linfáticos
 
Amputações
Amputações Amputações
Amputações
 
ID, SC, IM (4).pptx
ID, SC, IM (4).pptxID, SC, IM (4).pptx
ID, SC, IM (4).pptx
 
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptxtrabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
 
Hiperidrose primária
Hiperidrose primáriaHiperidrose primária
Hiperidrose primária
 
trabalho IM ENF 23.pptx
trabalho IM ENF 23.pptxtrabalho IM ENF 23.pptx
trabalho IM ENF 23.pptx
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Linfedema pós mastectomia
Linfedema pós mastectomiaLinfedema pós mastectomia
Linfedema pós mastectomia
 
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
 
CCIH
CCIH CCIH
CCIH
 
A (complex) decision making in critical patient with wound
A (complex) decision making in critical patient with woundA (complex) decision making in critical patient with wound
A (complex) decision making in critical patient with wound
 
Contratura de Dupuytren.doc
Contratura de Dupuytren.docContratura de Dupuytren.doc
Contratura de Dupuytren.doc
 
Primeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IVPrimeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IV
 
Complicações cirurgicass.pptx
Complicações cirurgicass.pptxComplicações cirurgicass.pptx
Complicações cirurgicass.pptx
 
Catarina cirurgia
Catarina cirurgiaCatarina cirurgia
Catarina cirurgia
 
Procedimentos medicos
Procedimentos medicosProcedimentos medicos
Procedimentos medicos
 
Adm med via intramuscular
Adm med via intramuscularAdm med via intramuscular
Adm med via intramuscular
 
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptxAssistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
 

Mais de Artur Matavele Júnior

Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. finalProtocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
Artur Matavele Júnior
 
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Artur Matavele Júnior
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
Artur Matavele Júnior
 
Monografia 5 - Sarcoma Kaposi
Monografia 5 - Sarcoma KaposiMonografia 5 - Sarcoma Kaposi
Monografia 5 - Sarcoma Kaposi
Artur Matavele Júnior
 
Monografia 14 t h digestiva
Monografia 14 t h digestivaMonografia 14 t h digestiva
Monografia 14 t h digestiva
Artur Matavele Júnior
 
Numero 2 feridas agudas
Numero 2 feridas agudasNumero 2 feridas agudas
Numero 2 feridas agudas
Artur Matavele Júnior
 
Monografia 9 p diabetico
Monografia 9 p diabeticoMonografia 9 p diabetico
Monografia 9 p diabetico
Artur Matavele Júnior
 
Manejo de casos de Malaria
Manejo de casos de MalariaManejo de casos de Malaria
Manejo de casos de Malaria
Artur Matavele Júnior
 
Protocolo nacional tuberculose 2018 mocambique
Protocolo nacional tuberculose 2018  mocambiqueProtocolo nacional tuberculose 2018  mocambique
Protocolo nacional tuberculose 2018 mocambique
Artur Matavele Júnior
 

Mais de Artur Matavele Júnior (9)

Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. finalProtocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
 
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
 
Monografia 5 - Sarcoma Kaposi
Monografia 5 - Sarcoma KaposiMonografia 5 - Sarcoma Kaposi
Monografia 5 - Sarcoma Kaposi
 
Monografia 14 t h digestiva
Monografia 14 t h digestivaMonografia 14 t h digestiva
Monografia 14 t h digestiva
 
Numero 2 feridas agudas
Numero 2 feridas agudasNumero 2 feridas agudas
Numero 2 feridas agudas
 
Monografia 9 p diabetico
Monografia 9 p diabeticoMonografia 9 p diabetico
Monografia 9 p diabetico
 
Manejo de casos de Malaria
Manejo de casos de MalariaManejo de casos de Malaria
Manejo de casos de Malaria
 
Protocolo nacional tuberculose 2018 mocambique
Protocolo nacional tuberculose 2018  mocambiqueProtocolo nacional tuberculose 2018  mocambique
Protocolo nacional tuberculose 2018 mocambique
 

Infeccoes da mao

  • 1. República de Moçambique Ministério da Saúde Programa Nacional de Cirurgia TÉCNICAS CIRÚRGICAS BÁSICAS Infecções da mão Dr. Manuel Rodrigues Simão Número 3 Outubro de 2001
  • 2. TÉCNICAS CIRÚRGICAS BÁSICAS Infecções da mão Número 3 Outubro de 2001 Dr. Manuel Rodrigues Simão
  • 3. TÉCNICAS CIRÚRGICAS BÁSICAS Ano 2 Nº 3 Outubro de 2001 Programa Nacional de Cirurgia Título: INFECÇÕES DA MÃO Autor: Dr. Manuel Rodrigues Simão Editor: Consejo Interhospitalario de Cooperación-CIC Número de registo: 1995/RLINLD/2001 Maquetização: Elográfico Financiador: Cooperação Espanhola Tiragem: 1000 exemplares Outubro de 2001 Maputo, Moçambique
  • 6. 5 INFECÇÕES DA MÃO CONSIDERAÇÕES GERAIS A mão é uma estrutura anatómica muito importante, utilizada para a realização da maior parte das actividades do dia-a-dia. Pelas suas actividades alguns indivíduos precisam de uma mão com dedos ágeis (cirurgiões, costureiros, pianistas...) e outros de uma mão com muita força (carregadores, pugilistas...). A mão está sujeita a muitos tipos de lesões, entre traumatismos (abordados no nº 1 destas brochuras) e infecções. As infecções podem incapacitar a mão tão sériamente como um traumatismo grave, embora sejam quase sempre provocadas por um ferimento vulgar como uma escoriação, uma vesícula ou uma pequena picada de alfinete ou barba de camarão. Quando não ou mal tratadas estas pequenas lesões podem transformar-se em infecções graves, muito debilitantes e de evolução rápida. As infecções da mão são muito frequentes nos Serviços de Urgência, por isso é indispensável que os técnicos de saúde saibam bem como elas devem ser abordadas e tratadas. Fig. 1 ANATOMIA DA MÃO Para uma boa compreensão das infecções da mão é indispensável conhecer satisfatóriamente a sua anatomia. Abaixo se descrevem sumáriamente os aspectos fundamentais da anatomia da mão. A mão constitui a parte mais distal dos membros superiores, possui 5 dedos, uma face palmar e outra dorsal. Tem um lado radial e um lado ulnar(cubital), possuindo uma parte proximal (o punho) e outra distal (a polpa dos dedos). Palmar Dorsal
  • 7. 6 A mão tem também muitas articulações, nomeadamente interfalângicas (proximais e distais), metacarpofalângicas e carpometacárpicas. Apesar de pequena a mão tem muitos ossos, subdivididos pelas suas 3 partes: carpo, metacarpo e falanges. Fig. 2 Fig. 3 Distal Proximal RADIAL I.F. Distais I.F. Proximais Metacarpo falangicas Carpo metacárpica
  • 8. 7 A mão é muito rica em músculos e tendões, nomeadamente: • Intrínsecos: tenar, hipotenar, interósseos e lumbricais. • Extrínsecos: músculos do ante- braço e tendões para a mão. Os nervos da mão incluem os seguintes: • Radial:- motor: flexores. - sensitivo: lado dorso-radial. • Mediano:- motor: flexores. - sensitivo: superfícies tácteis do polegar, indicador, médio e parte do anelar. Fig. 4 • Ulnar (cubital): motor: músculos intrínsecos e flexores extrínsecos do lado ulnar. - sensitivo: superfícies tácteis do mínimo e metade do anelar e o terço ulnar da palma. Fig. 5 Falanges Metacarpo Carpo NERVO RADIAL NERVO UNLAR OU CUBITAL NERVO MEBIANO
  • 9. 8 A mão é muito rica em vasos sanguíneos, dos quais se destacam as seguintes artérias: • radial e cubital • das arcadas palmar superficial e profunda • digitais A unha é uma parte importante da mão, sendo indispensável o conhecimento da sua anatomia pela grande relação com as infecções. PATOLOGIA As infecções da mão frequentemente se desenvolvem e disseminam em consequência de uma incapacidade de preservar ou restabelecer uma boa drenagem venosa e linfática após os traumatismos. Para prevenir e tratar correctamente as infecções da mão é necessário: • Um adequado controle do edema e congestão dos tecidos. • Evitar-se qualquer espaço morto preenchido de sangue ou soro estagnado. O traumatismo e a infecção causam tensão tecidual por sequestro de líquido do edema, levando à compressão dos vasos sanguíneos, diminuição da oxigenação e necrose tecidual. O edema agudo predispõe à infecção, especialmente se houver contaminação através de uma ferida aberta de qualquer espécie. A rica anatomia da mão (já descrita atrás) também facilita a rápida disseminação das infecções. Fig. 6 UNHA Camada germinativa Leito da unha Cutícula Leito da unha Camada germinativa UNHA Camada Malpighiana
  • 10. 9 EXAME CLÍNICO Na maior parte das vezes, quando o doente chega à Unidade Sanitária já há necessidade de se proceder a uma incisão e drenagem cirúrgica. Se a infecção se iniciou hà mais de 48 horas ou não deixou o doente dormir durante a noite devido à dor, então já há pús e é preciso fazer-se uma incisão e drenagem cirúrgica. A definição atempada do estadio da infecção vai facilitar o técnico de saúde na tomada de decisões quanto à conduta a seguir. Para isso, o técnico de saúde deve fazer uma história clínica cuidadosa, na qual a anam– nese(interrogatório) e o exame físico têm uma grande importância. Na anamnese têm grande importância para a conduta e o prognóstico os aspectos seguintes: • O mecanismo da lesão (pequena laceração, picada...). • A localização anatómica. • O tempo de evolução. • As principais queixas do doente à chegada (dor, febre, edema, diminuição da função...). • A existência de doenças debilitantes associadas (diabetes mellitus, HIV/SIDA, subnutrição...). • A toma de medicamentos (corticóides...). No exame físico devem ser rotineiramente investigados os seguintes aspectos: • A presença de tumefacção localizada (extremidade do dedo, todo o dedo, espaço interdigital...) ou generalizada (toda a mão). • A presença de brilho na pele. • A presença de vesícula ou ponto de drenagem de pús. • a presença de dor à palpação. • A presença de calor local. • A presença de dor com o movimento das articulações adjacentes. • A presença de flutuação (se a infecção abcedou). • A presença de uma pequena laceração ou ferida penetrante. • A presença de linfangite com cordões (estendendo-se ao antebraço). • A presença de gânglios axilares ou epitrocleares aumentados de volume e dolorosos. • A presença de febre baixa (a febre alta normalmente significa envolvimento linfático).
  • 11. 10 A REDUÇÃO DO EDEMA FACILITA O PROCEDIMENTO CIRÚRGICO! PRINCÍPIOS GERAIS DOTRATAMENTO O objectivo último do tratamento é restaurar a integridade e a função da mão sem deixar sequelas. Para tal o técnico de saúde apoia-se nas seguintes medidas: 1. Antibióticos: • O uso de antibióticos apenas nunca é um tratamento adequado. • A Cloxacilina é o antibiótico ideal (mas é muito cara e mais difícil de obter). • As Tetraciclinas (Tetraciclina, Doxiciclina) são a primeira escolha e as alternativas são a Eritromicina,o Cloranfenicol e a Penicilina. • É recomendável iniciar-se a antibióticoterapia imediatamente antes da incisão e drenagem. • Recomenda-se a cultura do pús e o antibiograma sempre que seja possível. 2. Incisão e drenagem cirúrgica: • É indispensável desde que se confirme a presença de pús. • Muitas vezes é melhor internar o doente, manter o membro elevado, iniciar a antibióticoterapia e fazer a incisão e drenagem cirúrgica na manhã seguinte. • A incisão cirúrgica é sempre recomendada quando o doente não melhora após 3 a 5 dias de tratamento médico,mesmo não havendo evidência clara de presença de pús. 3. Imobilização da mão: • A imobilização da mão na posição de função é muito importante para a recuperação da função e evita a difusão de bactérias. NÃO UTILIZE ANTIBIÓTICOS APENAS! A INCISÃO E DRENAGEM CIRÚRGICA É EXTREMAMENTE IMPORTANTE!
  • 12. 11 Fig. 7 4. Elevação do membro: • A elevação do membro é muito importante para diminuir o edema e evitar a rigidez articular. NUNCA SE ESQUEÇA DE IMOBILIZAR A MÃO NA POSIÇÃO DE FUNÇÃO E DE ELEVAR O MEMBRO! 5. Analgésicos: • São muito importantes dada a presença de dor forte. • Recomenda-se a utilização de Paracetamol ou Diclofenac. • A utilização de analgésicos fortes (Petidina, Morfina, Codeína,...) só é recomendada nos casos severos. 6. Profilaxia do tétano: • Se o doente estiver vacinado hà menos de 5 anos, reactiva-se com vacina anti-tetânica (VAT). • Se o doente não estiver vacinado ou se tiver sido vacinado hà mais de 5 anos, (re)inicia-se a vacinação anti-tetânica (VAT) e, noutra região, administra-se o soro anti-tetânico (SAT). 7. Seguimento e pensos: • O seguimento deve ser cuidadoso, com observações frequentes e pensos diários ou em dias alternados. • O penso é feito com camadas volumosas de compressas e algodão para manter a mão na posição de função. 30º 60º 10º 5º
  • 13. 12 ESTADIO DAS INFECÇÕES DA MÃO As infecções da mão evoluem em duas fases, nomeadamente: a) Infecções em fase precoce: • Com sinais inflamatórios presentes. • Com edema acentuado. • Com dor suportável. • Sem flutuação. • Tratamento: Medidas gerais: - Fazer incisão cirúrgica logo que ocorra flutuação(presença de pús). - Indicada incisão cirúrgica se o doente não melhorar após 3 a 5 dias de tratamento médico, mesmo não havendo evidência de pús. b) Infecções estabelecidas: • Com sinais inflamatórios presentes. • Com edema acentuado. • Com dor insuportável. • Com flutuação. • Tratamento: Medidas gerais: - Iniciar antibiótico(s) antes da drenagem cirúrgica. (a drenagem cirúrgica é sempre recomendada). - A anestesia geral é preferêncial (Quetamina...), podendo também fazer-se o bloqueio do plexo braquial. - Elevar o membro por 3 minutos e aplicar um garrote ao nível do braço antes de se fazer a incisão. - Recomenda-se o internamento do doente por 2 a 3 dias para um seguimento cuidadoso.
  • 14. 13 Fig. 9 Fig. 8 INFECÇÕES ESPECÍFICAS DA MÃO 2. Paroníquias: • São as infecções na base ou nos bordos laterais da unha. • Se não houver pús debaixo da unha,só se faz uma incisão e drenagem sobre o ponto de flutuação. • Se houver pús debaixo de um lado da unha, procede-se à incisão e drenagem excisando a base da unha desse lado. • Se houver pús debaixo do dois lados da unha, faz-se a drenagem com duas incisões longitudinais na sua base e excisa-se a parte da unha não aderente. 1. Infecção apical: • Há presença de pús entre a parte distal da unha e a falange distal. • Recomenda-se uma drenagem após secção da unha em triângulo. Fig. 10 REMOÇÃO EM CUNHA
  • 15. 14 Fig. 11 • Nas paroníquias crónicas(geralmente causadas por fungos), não se faz drenagem e recomenda-se a utilização prolongada de anti-fungicos locais (Clotrimazol...) e sistémicos (Giseofulvina, Ketoconazol...) e o eventual envio ao especialista (dermatologista). 3. Panarícios: • São as infecções da mão mais comuns. • Apresentam-se de várias formas: a) Panarício da polpa do dedo: • Há pús profundo na polpa do dedo. • Existe um grande risco de necrose dos tecidos (músculos, tendões, articulações e ossos) por compressão. • Não se deve incisar a pele palmar. • Recomenda-se a drenagem lateral. NÃO! Não lese a falange Incisão perto da unha Vasos e nervos digitais Se necessário atravessar o canivete para o outro lado Evitar o nervo digital 3mm
  • 16. 15 Fig. 12 c) Abcessos palmares das falanges proximal e média: • Há pús na superfície palmar do dedo,nas falanges proximal e média. • Recomenda-se a incisão e drenagem transversal sobre o ponto de maior flutuação e dor. Fig . 13 b) Abcesso lateral subcutâneo: • Há pús na superfície lateral do dedo. • Recomenda-se a incisão e drenagem lateral, unindo as extremidades das pregas dos dedos. Incisão ao nível da ponta da prega dos dedos Evite os nervos digitais que passam à frente das extremidades das pregas Local de incisão 4. Abcessos interdigitais: • Há pús entre as bases dos dedos. • O dorso da mão está muito edemaciado. • Recomenda-se a incisão e drenagem em “V” e a retirada de todos os tecidos desvita- lizados.
  • 17. 16 6. Abcessos palmares: • Há pús localizado profundamente em relação à fáscia palmar. • São vulgarmente chamados “fleimões da mão”. • A mão está muito tumefeita, com edema da face dorsal, os dedos estão imóveis na posição flectida e não há dor importante à extensão dos dedos (em contraste com a tenosinovite aguda). • Recomenda-se uma incisão na zona de flutuação máxima ou no 1/3 médio das pregas palmares proximal e distal. Fig. 14 Fig. 15 5. Tenosinovite aguda: • É a infecção aguda da bainha tendinosa. • Há tumefacção uniforme e flexão ligeira do dedo afectado. • Há dor intensa à extensão passiva do dedo atingido. • Há um risco de extensão da infecção para a palma da mão e punho. • Se não houver pús, faz-se um tratamento conservativo. • Se houver pús, faz-se a incisão, drenagem e irrigação das bainhas tendinosas com antibiótico.