SlideShare uma empresa Scribd logo
Infecções FúngicasInfecções Fúngicas
Alessandra de Cássia Gonçalves Moreira
Unidade de Neonatologia do Hospital Regional da Asa Sul(HRAS)/SES/DF
www.paulomargotto.com.br 5/1/2009
Infecções FúngicasInfecções Fúngicas
 Estima-se que ocorra em 1,2% dos RNEstima-se que ocorra em 1,2% dos RN
que ficam internados na UTI por mais deque ficam internados na UTI por mais de
3 dias( RN <1500g: 4-15%) e a Taxa de3 dias( RN <1500g: 4-15%) e a Taxa de
Mortalidade seja de 30-75%. A nívelMortalidade seja de 30-75%. A nível
mundial, 10% dos recém-nascidos (RN)mundial, 10% dos recém-nascidos (RN)
com peso ao nascer < 1000g apresentamcom peso ao nascer < 1000g apresentam
infecção fúngica.infecção fúngica.
 Elas podem estar presentes aoElas podem estar presentes ao
nascimento ou serem adquiridas maisnascimento ou serem adquiridas mais
tardiamente.tardiamente.
Transmissão verticalTransmissão vertical
 Forma sistêmica: grave nosForma sistêmica: grave nos
menores de 1000g com mortalidademenores de 1000g com mortalidade
superior a 60%superior a 60%
 Forma cutânea comForma cutânea com rashrash
eritematoso máculo-papulareritematoso máculo-papular
 Fatores de risco:Fatores de risco:
 presença de dispositivo intra-presença de dispositivo intra-
uterinouterino
 cerclagem do colo uterinocerclagem do colo uterino
Transmissão HorizontalTransmissão Horizontal
 Diagnosticada em geral por volta daDiagnosticada em geral por volta da
segunda ou terceira semana desegunda ou terceira semana de
vidavida
Fatores predisponentes:Fatores predisponentes:
 RN com menos de 32 semanas de idadeRN com menos de 32 semanas de idade
gestacionalgestacional
 Colonização fúngica préviaColonização fúngica prévia
 Uso prolongado de antibiótico de largoUso prolongado de antibiótico de largo
espectro (> 7 dias)espectro (> 7 dias)
 Uso de cateter venoso central ouUso de cateter venoso central ou
arterialarterial
 Entubação prolongada (> ou = 7 dias)Entubação prolongada (> ou = 7 dias)
 Nutrição parenteral total: soluçõesNutrição parenteral total: soluções
hipertônicas de glicose e lipídeoshipertônicas de glicose e lipídeos
Fatores predisponentes:Fatores predisponentes:
 Drogas: Corticóides, Bloqueadores H2,Drogas: Corticóides, Bloqueadores H2,
Aminofilina, HeparinaAminofilina, Heparina
 Cirurgias gastrintestinais: o intestino é oCirurgias gastrintestinais: o intestino é o
reservatório dareservatório da CandidaCandida..
 Anomalias congênitas: onfalocele,Anomalias congênitas: onfalocele,
cardiopatias congênitas.cardiopatias congênitas.
 Derivações ventrículo-peritonaisDerivações ventrículo-peritonais
 Jejum prolongadoJejum prolongado
Manifestações clínicasManifestações clínicas
 Instabilidade térmica (ficar atento àInstabilidade térmica (ficar atento à
hipertermia em pré-termo de risco)hipertermia em pré-termo de risco)
Febre em pré-termo (> 38º C):Febre em pré-termo (> 38º C):
42,8% X 1% Infecção bacteriana42,8% X 1% Infecção bacteriana
 Hiperglicemia/glicosúriaHiperglicemia/glicosúria
 ApnéiaApnéia
 HipotensãoHipotensão
 Bradi ou taquicardiaBradi ou taquicardia
 Insuficiência respiratóriaInsuficiência respiratória
 Resíduo GástricoResíduo Gástrico
 Distensão abdominalDistensão abdominal
 HipoatividadeHipoatividade
DiagnósticoDiagnóstico
 HemogramaHemograma (59,1% com alterações):(59,1% com alterações):
plaquetopeniaplaquetopenia, leucocitose e aumento das, leucocitose e aumento das
formas jovens -formas jovens -  I/TI/T
 LíquorLíquor ****: realizar PL mesmo p/ Terapia: realizar PL mesmo p/ Terapia
Empírica. Alterações em 33% dos casos:Empírica. Alterações em 33% dos casos:
meningite (pleiocitose, hipoglicorraquia),meningite (pleiocitose, hipoglicorraquia),
ventriculite e abscessos cerebraisventriculite e abscessos cerebrais
**** Contra-indicado se PaquetasContra-indicado se Paquetas ≤≤ 50.00050.000
 Pesquisa de possíveis focos profundosPesquisa de possíveis focos profundos ::
Ultra-som (renal, hepático, cardíaco e doUltra-som (renal, hepático, cardíaco e do
sistema nervoso central), Tomografiasistema nervoso central), Tomografia
computadorizada, Fundo de olhocomputadorizada, Fundo de olho
 Pesquisa direta do fungo no líquor ePesquisa direta do fungo no líquor e
DiagnósticoDiagnóstico
 A confirmação diagnóstica baseia-se noA confirmação diagnóstica baseia-se no
isolamento do fungo em cultura:isolamento do fungo em cultura:
 Sangue periféricoSangue periférico – positividade ≤ 65%. Se +,– positividade ≤ 65%. Se +,
colher hemocultura a cada 2 dias até que ascolher hemocultura a cada 2 dias até que as
mesmas tornem-se negativasmesmas tornem-se negativas
 Sangue do CateterSangue do Cateter - se houver suspeita de- se houver suspeita de
infecção relacionada a esse dispositivo.infecção relacionada a esse dispositivo.
 LíquorLíquor: mais de 2/3 dos Rn que falecem por: mais de 2/3 dos Rn que falecem por
sepse fúngica têm cultura + p/ Candida. Índicesepse fúngica têm cultura + p/ Candida. Índice
geral de positividade de 52%geral de positividade de 52%
 UrinaUrina: por punção supra púbica ou sonda: por punção supra púbica ou sonda
vesical (14,87% fungo isolado)vesical (14,87% fungo isolado)
PORTANTO....PORTANTO....
A positividade das culturas éA positividade das culturas é
relativamente baixa e os resultadosrelativamente baixa e os resultados
demoram, não se devendo esperardemoram, não se devendo esperar
exames para que o tratamento sejaexames para que o tratamento seja
iniciado, principalmente quando háiniciado, principalmente quando há
forte suspeita clínica.forte suspeita clínica.
TRATAMENTOTRATAMENTO
Tratamento Empírico PrecoceTratamento Empírico Precoce
1.1. Peso ao nascerPeso ao nascer << 1500g ou RN muito doente1500g ou RN muito doente
2.2. Sinais clínicos de infecção e/ou neutropeniaSinais clínicos de infecção e/ou neutropenia
e trombocitopeniae trombocitopenia
3.3. Uso de antibióticos de amplo espectroUso de antibióticos de amplo espectro
(vancomicina, carbapenêmicos e/ ou(vancomicina, carbapenêmicos e/ ou
cefalosporina 3cefalosporina 3aa
ou 4ou 4 aa
geração) por 7dias ougeração) por 7dias ou
mais associado a um dos seguintes fatores:mais associado a um dos seguintes fatores:
– nutrição parenteralnutrição parenteral
– ventilação mecânicaventilação mecânica
– uso de corticosteróide pós natal,uso de corticosteróide pós natal,
– uso de bloqueadores H2uso de bloqueadores H2
– candidíase mucocutânea.candidíase mucocutânea.
Procianoy, Eur J Pediatr
Procianoy, Eur J Pediatr
Hemocultura +
p = 0,027
Mortalidade
p = 0,016
Tratamento Empírico PrecoceTratamento Empírico Precoce
Iniciar ANFOTERICINA B naIniciar ANFOTERICINA B na
dose de 1 mg/Kg/dia após adose de 1 mg/Kg/dia após a
coleta de hemocultura e líquor.coleta de hemocultura e líquor.
ÉÉ mandatóriamandatória a retirada do catétera retirada do catéter
profundo após o diagnóstico deprofundo após o diagnóstico de
infecção fúngica, pois sua manutençãoinfecção fúngica, pois sua manutenção
está associada a candidemiaestá associada a candidemia
persistente, altas taxas de falhapersistente, altas taxas de falha
terapêutica, além do risco deterapêutica, além do risco de
complicações metastáticas e morte.complicações metastáticas e morte.
Mortalidade : 36% x 0% (retirada)
Sítio da Infecção X DuraçãoSítio da Infecção X Duração
do Tratamentodo Tratamento
Infections Disease Society ofInfections Disease Society of
AméricaAmérica (IDSA)(IDSA)
Fonte: IDSA Guidelines for treatment of
candidiasis. Pappas et al - Clin Infect Dis. 2004
SÍTIO DASÍTIO DA
INFECÇÃOINFECÇÃO
DURAÇÃO DO TRATAMENTODURAÇÃO DO TRATAMENTO
CandidemiaCandidemia 14 dias após a última hemocultura +14 dias após a última hemocultura +
MeningiteMeningite
No mínimo 4 semanas após aNo mínimo 4 semanas após a
resolução de todos os sinais eresolução de todos os sinais e
sintomas. Usar Anfotericina B +sintomas. Usar Anfotericina B +
Fluconazol. Retirar válvula deFluconazol. Retirar válvula de
derivação se houver.derivação se houver.
EndocarditeEndocardite
Anfotericina BAnfotericina B no mínimono mínimo 6 semanas.6 semanas.
Requer seguimento cuidadoso porRequer seguimento cuidadoso por
período prolongado (> 1ano).período prolongado (> 1ano).
Fluconazol pode ser empregadoFluconazol pode ser empregado
como terapêutica de longo prazocomo terapêutica de longo prazo
após o tratamento inicial. Oapós o tratamento inicial. O
tratamento clínico isolado, semtratamento clínico isolado, sem
cirurgia, tem se mostrado efetivo emcirurgia, tem se mostrado efetivo em
SÍTIO DASÍTIO DA
INFECÇÃOINFECÇÃO
DURAÇÃO DO TRATAMENTODURAÇÃO DO TRATAMENTO
EndoftalmiteEndoftalmite
Anfotericina B até a completaAnfotericina B até a completa
resolução da doença ou estabilização -resolução da doença ou estabilização -
6 a 12 semanas. O fluconazol pode6 a 12 semanas. O fluconazol pode
ser usado para completar tempo deser usado para completar tempo de
tto.tto.
Osteomielite eOsteomielite e
artriteartrite
Debridamento cirúrgico + Anf. B por 2-Debridamento cirúrgico + Anf. B por 2-
3 semanas, seguida de fluconazol p/ 63 semanas, seguida de fluconazol p/ 6
- 12 meses- 12 meses
CandidíaseCandidíase
cutâneacutânea
congênitacongênita
RN MBP e PT= terapia sistêmicaRN MBP e PT= terapia sistêmica
(Anfotericina B ou Fluconazol). RNT(Anfotericina B ou Fluconazol). RNT
sem evidências de candidemia,sem evidências de candidemia,
somente tto tópicosomente tto tópico
Infecção urináriaInfecção urinária RN BPRN BP  valorizar candidúria. ITUvalorizar candidúria. ITU
isolada = Anfotericina B ou Fluconazolisolada = Anfotericina B ou Fluconazol
AGENTES ANTIFÚNGICOSAGENTES ANTIFÚNGICOS
Anfotericina BAnfotericina B
 Ação fungicida ou fungostática aAção fungicida ou fungostática a
depender da concentração sérica edepender da concentração sérica e
padrão de sensibilidade do fungopadrão de sensibilidade do fungo
 Fármaco de escolha no tratamento daFármaco de escolha no tratamento da
sepse fúngicasepse fúngica
 É melhor tolerado pelo RN que pelo adultoÉ melhor tolerado pelo RN que pelo adulto
 Baixa penetração no líquor, vítreo eBaixa penetração no líquor, vítreo e
líquido amniótico.líquido amniótico.
Anfotericina BAnfotericina B
 Indicações ao uso dos preparados lipídicos deIndicações ao uso dos preparados lipídicos de
anfotericina:anfotericina:
 Pacientes refratários ao tratamento comPacientes refratários ao tratamento com
anfotericina B originalanfotericina B original
 Pacientes com insuficiência renal prévia ePacientes com insuficiência renal prévia e
naqueles que apresentam alterações renaisnaqueles que apresentam alterações renais
(aumento da creatinina) durante o tratamento(aumento da creatinina) durante o tratamento
com a anfotericina convencionalcom a anfotericina convencional
 Associação de drogas nefrotóxicas, como osAssociação de drogas nefrotóxicas, como os
aminoglicosídeos que apresentam sinergismoaminoglicosídeos que apresentam sinergismo
na ação tóxicana ação tóxica
Anfotericina BAnfotericina B
 Interage com o colesterol da membranaInterage com o colesterol da membrana
celular nos mamíferos, causa efeitoscelular nos mamíferos, causa efeitos
adversos em 80% dos pacientes.adversos em 80% dos pacientes.
 A alteração da função glomerularA alteração da função glomerular 
oligúria eoligúria e da uréia e creatininada uréia e creatinina
 Lesão tubularLesão tubular   KK++
(perda urinária de(perda urinária de
potássio conseqüente à injúria no epitéliopotássio conseqüente à injúria no epitélio
tubular),tubular),  NaNa++
,,  MgMg++
e acidose tubulare acidose tubular
renalrenal
Anfotericina BAnfotericina B
 Efeitos colaterais:Efeitos colaterais:
 HepatotoxicidadeHepatotoxicidade
 Mielotoxicidade (anemia e plaquetopenia)Mielotoxicidade (anemia e plaquetopenia)
 Cardiotoxicidade em dosesCardiotoxicidade em doses 
 Febre, náuseas, vômitos, cefaléia, calafriosFebre, náuseas, vômitos, cefaléia, calafrios
 Flebite no sítio de infusãoFlebite no sítio de infusão
 Convulsões e arritmia podem ocorrer se a drogaConvulsões e arritmia podem ocorrer se a droga
for administrada rapidamente ou se afor administrada rapidamente ou se a
concentração exceder 0,1mg/ml da diluiçãoconcentração exceder 0,1mg/ml da diluição
Anfotericina BAnfotericina B
 Controles:Controles:
 Eletrólitos e função renalEletrólitos e função renal  2 a 3 vezes por2 a 3 vezes por
semana inicialmente, e, depois, semanalmentesemana inicialmente, e, depois, semanalmente
 Enzimas hepáticas 15/15 diasEnzimas hepáticas 15/15 dias
 Dose acumulativa recomendada = 30mg/KgDose acumulativa recomendada = 30mg/Kg
 Infecção fúngica com cultura positivaInfecção fúngica com cultura positiva  realizarrealizar
hemocultura a cada 2 dias até negativarem.hemocultura a cada 2 dias até negativarem.
Manter o tratamento até 14 dias após a últimaManter o tratamento até 14 dias após a última
cultura negativacultura negativa
Anfotericina BAnfotericina B
 Resistência a Anfotericina = HemoculturaResistência a Anfotericina = Hemocultura
para fungo positiva após 10-14 dias depara fungo positiva após 10-14 dias de
tratamentotratamento
 Para a espéciePara a espécie lusitaniaelusitaniae, o fluconazol é, o fluconazol é
a droga de escolha devido à resistênciaa droga de escolha devido à resistência
deste fungo a Anfotericina Bdeste fungo a Anfotericina B
FluconazolFluconazol
 Antifúngico de ação fungostáticaAntifúngico de ação fungostática
 Metabolismo renalMetabolismo renal
 Dose:Dose:
RN ≤ 29 semanas até 14 diasRN ≤ 29 semanas até 14 dias  a cada 72 horas ea cada 72 horas e
acima de 14 diasacima de 14 dias  a cada 48 horasa cada 48 horas
Manter o tratamento até que as culturasManter o tratamento até que as culturas
mantenham-se negativas por 1 semana e atémantenham-se negativas por 1 semana e até
constatar evidência clínica e laboratorial deconstatar evidência clínica e laboratorial de
resolução da infecçãoresolução da infecção
12mg/kg/dia (ataque) e 6mg/kg/dose12mg/kg/dia (ataque) e 6mg/kg/dose
1 vez ao dia1 vez ao dia
FluconazolFluconazol
 Monitorizar durante o tratamento: funçõesMonitorizar durante o tratamento: funções
hepática e renal e hemogramahepática e renal e hemograma
 Vantagens: menor toxicidade, possibilidade deVantagens: menor toxicidade, possibilidade de
administração por via oral e atinge bom nível emadministração por via oral e atinge bom nível em
vários tecidos e fluidos (inclusive sistemavários tecidos e fluidos (inclusive sistema
nervoso central e globo ocular)nervoso central e globo ocular)
 Limitante: espécies deLimitante: espécies de CandidaCandida não-albicansnão-albicans
como acomo a CandidaCandida glabrataglabrata ee Candida KruseiCandida Krusei
que possuem resistência intrínseca aoque possuem resistência intrínseca ao
fluconazol. Há relato de resistência também àsfluconazol. Há relato de resistência também às
espéciesespécies tropicalistropicalis ee guillermondiguillermondi
NOVOS ANTIFÚNGICOSNOVOS ANTIFÚNGICOS
VoriconazolVoriconazol (V Fend®)(V Fend®)
 Derivado sintético do fluconazol,é um agenteDerivado sintético do fluconazol,é um agente
triazólico antifúngico de segunda geração, a adiçãotriazólico antifúngico de segunda geração, a adição
de um grupo α-metil confere maior potência ede um grupo α-metil confere maior potência e
atividade antifúngicaatividade antifúngica
 Ativo contra fungos filamentosos comoAtivo contra fungos filamentosos como AspergillusAspergillus
sp, Candidasp, Candida com resistência intrínseca aocom resistência intrínseca ao
fluconazol efluconazol e Cryptococcus neoformansCryptococcus neoformans
 Ele tem até 60 vezes a concentração inibitóriaEle tem até 60 vezes a concentração inibitória
mínima paramínima para CandidaCandida
 Fungistático para leveduras e fungicida aos fungosFungistático para leveduras e fungicida aos fungos
filamentososfilamentosos
 Metabolizado pelo fígado através do complexoMetabolizado pelo fígado através do complexo
enzimático P 450enzimático P 450
VoriconazolVoriconazol (V Fend®)(V Fend®)
 É o único antifúngico efetivo no tratamento deÉ o único antifúngico efetivo no tratamento de
infecções fúngicas invasivas eminfecções fúngicas invasivas em
imunocomprometidos pediátricos e adultos, comimunocomprometidos pediátricos e adultos, com
relato de resolução de casos graves de infecçãorelato de resolução de casos graves de infecção
porpor AspergillusAspergillus resistente a Anfotericina Bresistente a Anfotericina B
 Vantagens:Vantagens:
 possibilidade de uso por via oralpossibilidade de uso por via oral
 ausência de efeitos colaterais renais e noausência de efeitos colaterais renais e no
número de plaquetasnúmero de plaquetas
 menor custo em relação a Anfotericina Bmenor custo em relação a Anfotericina B
LipossomalLipossomal
VoriconazolVoriconazol (V Fend®)(V Fend®)
 Dose:Dose:
 Efeitos Colaterais:Efeitos Colaterais:
Distúrbios visuaisDistúrbios visuais
Rash cutâneoRash cutâneo
Reações de fotossensibilidadeReações de fotossensibilidade
 das transaminases (2 a 3 vezes)das transaminases (2 a 3 vezes)
AlucinaçõesAlucinações
Náuseas, vômitosNáuseas, vômitos
4 a 6mg/kg/dose de 12/12 horas
por 2 a 3 semanas
Fonte: Kohli V et al - 2008
EQUINOCANDINASEQUINOCANDINAS
 Lipopeptideo semi-sintético derivado doLipopeptideo semi-sintético derivado do
fungofungo Glarea lozoyensisGlarea lozoyensis que inibe aque inibe a
síntese do 1,3-β- D-glucano que é umsíntese do 1,3-β- D-glucano que é um
componente da parede celularcomponente da parede celular
 Fungicidas contra muitasFungicidas contra muitas CandidasCandidas sppspp ee
fungistática contrafungistática contra Aspergillus sppAspergillus spp
 Boa distribuição em todos os grandesBoa distribuição em todos os grandes
órgãos, incluindo o cérebro, porémórgãos, incluindo o cérebro, porém 
concentração no LCR não infectadoconcentração no LCR não infectado
EQUINOCANDINASEQUINOCANDINAS
 Caspofungina (Cancidas®):Caspofungina (Cancidas®):
 Única equinocandina aprovada nos EUAÚnica equinocandina aprovada nos EUA
 Indicada no tratamento de candidíaseIndicada no tratamento de candidíase
 Ação discutível apenas naAção discutível apenas na CandidaCandida
parapsilosisparapsilosis
 Eficácia semelhante a Anfotericina B, masEficácia semelhante a Anfotericina B, mas
com menor incidência de efeitos tóxicoscom menor incidência de efeitos tóxicos
Caspofungina (Cancidas®)Caspofungina (Cancidas®)
 Dose:Dose:
 Efeitos colaterais: Febre, náuseas,Efeitos colaterais: Febre, náuseas,
vômitos, rubefação e complicaçõesvômitos, rubefação e complicações
associadas à administração EV, flebites/associadas à administração EV, flebites/
tromboflebites. Há relato na literatura detromboflebites. Há relato na literatura de
hipercalemia.hipercalemia.
Ataque = 8mg/kg (100mg/m2)
seguido de 6mg/kg/dia (70mg/m2/dia)
Fonte: Smith PB et al - 2007
""Grandes descobertas e progressos
invariavelmente envolvem a cooperação de
várias mentes."
(Alexander Graham Bell)
Boa Noite!
Nota do Editor do site, Dr. Paulo R.Nota do Editor do site, Dr. Paulo R.
MargottoMargotto
www.paulomargotto.com.brwww.paulomargotto.com.br
 Consultem:Consultem:
Updated! Novos antifúngicos (VoriconazUpdated! Novos antifúngicos (Voriconaz
Autor(es):Autor(es): Paulo R. MargottoPaulo R. Margotto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Instituto Consciência GO
 
Hsv na gestação
Hsv na gestaçãoHsv na gestação
Hsv na gestação
tvf
 
Seminário de manejo clínico da tuberculose
Seminário de manejo clínico da tuberculoseSeminário de manejo clínico da tuberculose
Seminário de manejo clínico da tuberculose
Professor Robson
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
Flávia Salame
 
Herpes simples genital e gestação
Herpes simples genital e gestaçãoHerpes simples genital e gestação
Herpes simples genital e gestação
Clayton Cardoso
 
Condiloma acuminado
Condiloma acuminadoCondiloma acuminado
Condiloma acuminado
Isadora Ribeiro
 
Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P)
Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P)Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P)
Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017
Mgfamiliar Net
 
Imunização
Imunização Imunização
Imunização
Ismael Costa
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Gustavo Henrique
 
Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. finalProtocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
Artur Matavele Júnior
 
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
itsufpr
 
Toxoplasmose na Gestação
Toxoplasmose na GestaçãoToxoplasmose na Gestação
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
tvf
 
COVID-19 UpToDate: Condutas de Diagnostico e Manejo Ambulatorial Hospitalar
COVID-19 UpToDate: Condutas de Diagnostico e Manejo Ambulatorial HospitalarCOVID-19 UpToDate: Condutas de Diagnostico e Manejo Ambulatorial Hospitalar
COVID-19 UpToDate: Condutas de Diagnostico e Manejo Ambulatorial Hospitalar
Alexandre Naime Barbosa
 
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidezAbordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
chirlei ferreira
 
Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
Isadora Ribeiro
 
Pp sobre imunização 2
Pp sobre imunização 2Pp sobre imunização 2
Pp sobre imunização 2
Norton Fontella
 
Polio inativada
Polio inativadaPolio inativada
Polio inativada
Liene Campos
 

Mais procurados (19)

Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
 
Hsv na gestação
Hsv na gestaçãoHsv na gestação
Hsv na gestação
 
Seminário de manejo clínico da tuberculose
Seminário de manejo clínico da tuberculoseSeminário de manejo clínico da tuberculose
Seminário de manejo clínico da tuberculose
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
 
Herpes simples genital e gestação
Herpes simples genital e gestaçãoHerpes simples genital e gestação
Herpes simples genital e gestação
 
Condiloma acuminado
Condiloma acuminadoCondiloma acuminado
Condiloma acuminado
 
Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P)
Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P)Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P)
Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P)
 
Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017
 
Imunização
Imunização Imunização
Imunização
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
 
Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. finalProtocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
 
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
 
Toxoplasmose na Gestação
Toxoplasmose na GestaçãoToxoplasmose na Gestação
Toxoplasmose na Gestação
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
COVID-19 UpToDate: Condutas de Diagnostico e Manejo Ambulatorial Hospitalar
COVID-19 UpToDate: Condutas de Diagnostico e Manejo Ambulatorial HospitalarCOVID-19 UpToDate: Condutas de Diagnostico e Manejo Ambulatorial Hospitalar
COVID-19 UpToDate: Condutas de Diagnostico e Manejo Ambulatorial Hospitalar
 
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidezAbordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
 
Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
 
Pp sobre imunização 2
Pp sobre imunização 2Pp sobre imunização 2
Pp sobre imunização 2
 
Polio inativada
Polio inativadaPolio inativada
Polio inativada
 

Destaque

Antifúngicos
AntifúngicosAntifúngicos
Antifúngicos
Pedro Panzetta
 
9. antifúngicos turma - 13 e 14 mai
9. antifúngicos   turma  - 13 e 14 mai9. antifúngicos   turma  - 13 e 14 mai
9. antifúngicos turma - 13 e 14 mai
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
Ricardo Portela
 
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºanoSistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Cátia Teixeira
 
Antifúngicos
Antifúngicos Antifúngicos
Antifúngicos
Thiara Cerqueira
 
A resposta imune
A resposta imuneA resposta imune
A resposta imune
Annie Oliveira
 

Destaque (6)

Antifúngicos
AntifúngicosAntifúngicos
Antifúngicos
 
9. antifúngicos turma - 13 e 14 mai
9. antifúngicos   turma  - 13 e 14 mai9. antifúngicos   turma  - 13 e 14 mai
9. antifúngicos turma - 13 e 14 mai
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
 
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºanoSistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºano
 
Antifúngicos
Antifúngicos Antifúngicos
Antifúngicos
 
A resposta imune
A resposta imuneA resposta imune
A resposta imune
 

Semelhante a slide Infec fung capitulo

Hepatites
HepatitesHepatites
Hepatites
andreia cs
 
Apresentação h1 n1
Apresentação h1 n1Apresentação h1 n1
Apresentação h1 n1
Cinthia13Lima
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
Sheyla Amorim
 
Doença trofoblastica gestacional
Doença trofoblastica gestacionalDoença trofoblastica gestacional
Doença trofoblastica gestacional
bia26
 
1 apresentação influenza paracatu
1 apresentação influenza paracatu1 apresentação influenza paracatu
1 apresentação influenza paracatu
Cínthia Lima
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
Dessa Reis
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
arymurilo123
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
arymurilo123
 
Coqueluche
Coqueluche  Coqueluche
Coqueluche
blogped1
 
Herpes its 2011atualizado
Herpes its 2011atualizadoHerpes its 2011atualizado
Herpes its 2011atualizado
itsufpr
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Luciane Santana
 
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquiteA sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
Sarinha Sousa
 
Exposição Profissional a Material Biológico
Exposição Profissional a Material BiológicoExposição Profissional a Material Biológico
Exposição Profissional a Material Biológico
Marcos Matheus
 
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções GenitourinariasApresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
BlackPhoenix12
 
Caso Clinico NR pré-termo
Caso Clinico NR pré-termoCaso Clinico NR pré-termo
Caso Clinico NR pré-termo
Osmarino Gomes Pereira
 
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na InfânciaManejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
Professor Robson
 
Hepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junioHepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junio
BeatrisMaria
 
Doenças do aparelho digestivo na gestação xp2
Doenças do aparelho digestivo na gestação xp2Doenças do aparelho digestivo na gestação xp2
Doenças do aparelho digestivo na gestação xp2
tvf
 
Meningite - Liga de Pediatria UNICID
Meningite - Liga de Pediatria UNICIDMeningite - Liga de Pediatria UNICID
Meningite - Liga de Pediatria UNICID
Liga De Pediatria Med Unicid
 
Chikungunya.pptx
Chikungunya.pptxChikungunya.pptx
Chikungunya.pptx
LucianoFontelles
 

Semelhante a slide Infec fung capitulo (20)

Hepatites
HepatitesHepatites
Hepatites
 
Apresentação h1 n1
Apresentação h1 n1Apresentação h1 n1
Apresentação h1 n1
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
 
Doença trofoblastica gestacional
Doença trofoblastica gestacionalDoença trofoblastica gestacional
Doença trofoblastica gestacional
 
1 apresentação influenza paracatu
1 apresentação influenza paracatu1 apresentação influenza paracatu
1 apresentação influenza paracatu
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
 
Coqueluche
Coqueluche  Coqueluche
Coqueluche
 
Herpes its 2011atualizado
Herpes its 2011atualizadoHerpes its 2011atualizado
Herpes its 2011atualizado
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
 
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquiteA sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
 
Exposição Profissional a Material Biológico
Exposição Profissional a Material BiológicoExposição Profissional a Material Biológico
Exposição Profissional a Material Biológico
 
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções GenitourinariasApresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
 
Caso Clinico NR pré-termo
Caso Clinico NR pré-termoCaso Clinico NR pré-termo
Caso Clinico NR pré-termo
 
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na InfânciaManejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
 
Hepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junioHepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junio
 
Doenças do aparelho digestivo na gestação xp2
Doenças do aparelho digestivo na gestação xp2Doenças do aparelho digestivo na gestação xp2
Doenças do aparelho digestivo na gestação xp2
 
Meningite - Liga de Pediatria UNICID
Meningite - Liga de Pediatria UNICIDMeningite - Liga de Pediatria UNICID
Meningite - Liga de Pediatria UNICID
 
Chikungunya.pptx
Chikungunya.pptxChikungunya.pptx
Chikungunya.pptx
 

slide Infec fung capitulo

  • 1. Infecções FúngicasInfecções Fúngicas Alessandra de Cássia Gonçalves Moreira Unidade de Neonatologia do Hospital Regional da Asa Sul(HRAS)/SES/DF www.paulomargotto.com.br 5/1/2009
  • 2. Infecções FúngicasInfecções Fúngicas  Estima-se que ocorra em 1,2% dos RNEstima-se que ocorra em 1,2% dos RN que ficam internados na UTI por mais deque ficam internados na UTI por mais de 3 dias( RN <1500g: 4-15%) e a Taxa de3 dias( RN <1500g: 4-15%) e a Taxa de Mortalidade seja de 30-75%. A nívelMortalidade seja de 30-75%. A nível mundial, 10% dos recém-nascidos (RN)mundial, 10% dos recém-nascidos (RN) com peso ao nascer < 1000g apresentamcom peso ao nascer < 1000g apresentam infecção fúngica.infecção fúngica.  Elas podem estar presentes aoElas podem estar presentes ao nascimento ou serem adquiridas maisnascimento ou serem adquiridas mais tardiamente.tardiamente.
  • 3. Transmissão verticalTransmissão vertical  Forma sistêmica: grave nosForma sistêmica: grave nos menores de 1000g com mortalidademenores de 1000g com mortalidade superior a 60%superior a 60%  Forma cutânea comForma cutânea com rashrash eritematoso máculo-papulareritematoso máculo-papular  Fatores de risco:Fatores de risco:  presença de dispositivo intra-presença de dispositivo intra- uterinouterino  cerclagem do colo uterinocerclagem do colo uterino
  • 4. Transmissão HorizontalTransmissão Horizontal  Diagnosticada em geral por volta daDiagnosticada em geral por volta da segunda ou terceira semana desegunda ou terceira semana de vidavida
  • 5. Fatores predisponentes:Fatores predisponentes:  RN com menos de 32 semanas de idadeRN com menos de 32 semanas de idade gestacionalgestacional  Colonização fúngica préviaColonização fúngica prévia  Uso prolongado de antibiótico de largoUso prolongado de antibiótico de largo espectro (> 7 dias)espectro (> 7 dias)  Uso de cateter venoso central ouUso de cateter venoso central ou arterialarterial  Entubação prolongada (> ou = 7 dias)Entubação prolongada (> ou = 7 dias)  Nutrição parenteral total: soluçõesNutrição parenteral total: soluções hipertônicas de glicose e lipídeoshipertônicas de glicose e lipídeos
  • 6. Fatores predisponentes:Fatores predisponentes:  Drogas: Corticóides, Bloqueadores H2,Drogas: Corticóides, Bloqueadores H2, Aminofilina, HeparinaAminofilina, Heparina  Cirurgias gastrintestinais: o intestino é oCirurgias gastrintestinais: o intestino é o reservatório dareservatório da CandidaCandida..  Anomalias congênitas: onfalocele,Anomalias congênitas: onfalocele, cardiopatias congênitas.cardiopatias congênitas.  Derivações ventrículo-peritonaisDerivações ventrículo-peritonais  Jejum prolongadoJejum prolongado
  • 7. Manifestações clínicasManifestações clínicas  Instabilidade térmica (ficar atento àInstabilidade térmica (ficar atento à hipertermia em pré-termo de risco)hipertermia em pré-termo de risco) Febre em pré-termo (> 38º C):Febre em pré-termo (> 38º C): 42,8% X 1% Infecção bacteriana42,8% X 1% Infecção bacteriana  Hiperglicemia/glicosúriaHiperglicemia/glicosúria  ApnéiaApnéia  HipotensãoHipotensão  Bradi ou taquicardiaBradi ou taquicardia  Insuficiência respiratóriaInsuficiência respiratória  Resíduo GástricoResíduo Gástrico  Distensão abdominalDistensão abdominal  HipoatividadeHipoatividade
  • 8. DiagnósticoDiagnóstico  HemogramaHemograma (59,1% com alterações):(59,1% com alterações): plaquetopeniaplaquetopenia, leucocitose e aumento das, leucocitose e aumento das formas jovens -formas jovens -  I/TI/T  LíquorLíquor ****: realizar PL mesmo p/ Terapia: realizar PL mesmo p/ Terapia Empírica. Alterações em 33% dos casos:Empírica. Alterações em 33% dos casos: meningite (pleiocitose, hipoglicorraquia),meningite (pleiocitose, hipoglicorraquia), ventriculite e abscessos cerebraisventriculite e abscessos cerebrais **** Contra-indicado se PaquetasContra-indicado se Paquetas ≤≤ 50.00050.000  Pesquisa de possíveis focos profundosPesquisa de possíveis focos profundos :: Ultra-som (renal, hepático, cardíaco e doUltra-som (renal, hepático, cardíaco e do sistema nervoso central), Tomografiasistema nervoso central), Tomografia computadorizada, Fundo de olhocomputadorizada, Fundo de olho  Pesquisa direta do fungo no líquor ePesquisa direta do fungo no líquor e
  • 9. DiagnósticoDiagnóstico  A confirmação diagnóstica baseia-se noA confirmação diagnóstica baseia-se no isolamento do fungo em cultura:isolamento do fungo em cultura:  Sangue periféricoSangue periférico – positividade ≤ 65%. Se +,– positividade ≤ 65%. Se +, colher hemocultura a cada 2 dias até que ascolher hemocultura a cada 2 dias até que as mesmas tornem-se negativasmesmas tornem-se negativas  Sangue do CateterSangue do Cateter - se houver suspeita de- se houver suspeita de infecção relacionada a esse dispositivo.infecção relacionada a esse dispositivo.  LíquorLíquor: mais de 2/3 dos Rn que falecem por: mais de 2/3 dos Rn que falecem por sepse fúngica têm cultura + p/ Candida. Índicesepse fúngica têm cultura + p/ Candida. Índice geral de positividade de 52%geral de positividade de 52%  UrinaUrina: por punção supra púbica ou sonda: por punção supra púbica ou sonda vesical (14,87% fungo isolado)vesical (14,87% fungo isolado)
  • 10. PORTANTO....PORTANTO.... A positividade das culturas éA positividade das culturas é relativamente baixa e os resultadosrelativamente baixa e os resultados demoram, não se devendo esperardemoram, não se devendo esperar exames para que o tratamento sejaexames para que o tratamento seja iniciado, principalmente quando háiniciado, principalmente quando há forte suspeita clínica.forte suspeita clínica.
  • 12. Tratamento Empírico PrecoceTratamento Empírico Precoce 1.1. Peso ao nascerPeso ao nascer << 1500g ou RN muito doente1500g ou RN muito doente 2.2. Sinais clínicos de infecção e/ou neutropeniaSinais clínicos de infecção e/ou neutropenia e trombocitopeniae trombocitopenia 3.3. Uso de antibióticos de amplo espectroUso de antibióticos de amplo espectro (vancomicina, carbapenêmicos e/ ou(vancomicina, carbapenêmicos e/ ou cefalosporina 3cefalosporina 3aa ou 4ou 4 aa geração) por 7dias ougeração) por 7dias ou mais associado a um dos seguintes fatores:mais associado a um dos seguintes fatores: – nutrição parenteralnutrição parenteral – ventilação mecânicaventilação mecânica – uso de corticosteróide pós natal,uso de corticosteróide pós natal, – uso de bloqueadores H2uso de bloqueadores H2 – candidíase mucocutânea.candidíase mucocutânea. Procianoy, Eur J Pediatr
  • 13. Procianoy, Eur J Pediatr Hemocultura + p = 0,027 Mortalidade p = 0,016
  • 14. Tratamento Empírico PrecoceTratamento Empírico Precoce Iniciar ANFOTERICINA B naIniciar ANFOTERICINA B na dose de 1 mg/Kg/dia após adose de 1 mg/Kg/dia após a coleta de hemocultura e líquor.coleta de hemocultura e líquor.
  • 15. ÉÉ mandatóriamandatória a retirada do catétera retirada do catéter profundo após o diagnóstico deprofundo após o diagnóstico de infecção fúngica, pois sua manutençãoinfecção fúngica, pois sua manutenção está associada a candidemiaestá associada a candidemia persistente, altas taxas de falhapersistente, altas taxas de falha terapêutica, além do risco deterapêutica, além do risco de complicações metastáticas e morte.complicações metastáticas e morte. Mortalidade : 36% x 0% (retirada)
  • 16. Sítio da Infecção X DuraçãoSítio da Infecção X Duração do Tratamentodo Tratamento Infections Disease Society ofInfections Disease Society of AméricaAmérica (IDSA)(IDSA) Fonte: IDSA Guidelines for treatment of candidiasis. Pappas et al - Clin Infect Dis. 2004
  • 17. SÍTIO DASÍTIO DA INFECÇÃOINFECÇÃO DURAÇÃO DO TRATAMENTODURAÇÃO DO TRATAMENTO CandidemiaCandidemia 14 dias após a última hemocultura +14 dias após a última hemocultura + MeningiteMeningite No mínimo 4 semanas após aNo mínimo 4 semanas após a resolução de todos os sinais eresolução de todos os sinais e sintomas. Usar Anfotericina B +sintomas. Usar Anfotericina B + Fluconazol. Retirar válvula deFluconazol. Retirar válvula de derivação se houver.derivação se houver. EndocarditeEndocardite Anfotericina BAnfotericina B no mínimono mínimo 6 semanas.6 semanas. Requer seguimento cuidadoso porRequer seguimento cuidadoso por período prolongado (> 1ano).período prolongado (> 1ano). Fluconazol pode ser empregadoFluconazol pode ser empregado como terapêutica de longo prazocomo terapêutica de longo prazo após o tratamento inicial. Oapós o tratamento inicial. O tratamento clínico isolado, semtratamento clínico isolado, sem cirurgia, tem se mostrado efetivo emcirurgia, tem se mostrado efetivo em
  • 18. SÍTIO DASÍTIO DA INFECÇÃOINFECÇÃO DURAÇÃO DO TRATAMENTODURAÇÃO DO TRATAMENTO EndoftalmiteEndoftalmite Anfotericina B até a completaAnfotericina B até a completa resolução da doença ou estabilização -resolução da doença ou estabilização - 6 a 12 semanas. O fluconazol pode6 a 12 semanas. O fluconazol pode ser usado para completar tempo deser usado para completar tempo de tto.tto. Osteomielite eOsteomielite e artriteartrite Debridamento cirúrgico + Anf. B por 2-Debridamento cirúrgico + Anf. B por 2- 3 semanas, seguida de fluconazol p/ 63 semanas, seguida de fluconazol p/ 6 - 12 meses- 12 meses CandidíaseCandidíase cutâneacutânea congênitacongênita RN MBP e PT= terapia sistêmicaRN MBP e PT= terapia sistêmica (Anfotericina B ou Fluconazol). RNT(Anfotericina B ou Fluconazol). RNT sem evidências de candidemia,sem evidências de candidemia, somente tto tópicosomente tto tópico Infecção urináriaInfecção urinária RN BPRN BP  valorizar candidúria. ITUvalorizar candidúria. ITU isolada = Anfotericina B ou Fluconazolisolada = Anfotericina B ou Fluconazol
  • 20. Anfotericina BAnfotericina B  Ação fungicida ou fungostática aAção fungicida ou fungostática a depender da concentração sérica edepender da concentração sérica e padrão de sensibilidade do fungopadrão de sensibilidade do fungo  Fármaco de escolha no tratamento daFármaco de escolha no tratamento da sepse fúngicasepse fúngica  É melhor tolerado pelo RN que pelo adultoÉ melhor tolerado pelo RN que pelo adulto  Baixa penetração no líquor, vítreo eBaixa penetração no líquor, vítreo e líquido amniótico.líquido amniótico.
  • 21. Anfotericina BAnfotericina B  Indicações ao uso dos preparados lipídicos deIndicações ao uso dos preparados lipídicos de anfotericina:anfotericina:  Pacientes refratários ao tratamento comPacientes refratários ao tratamento com anfotericina B originalanfotericina B original  Pacientes com insuficiência renal prévia ePacientes com insuficiência renal prévia e naqueles que apresentam alterações renaisnaqueles que apresentam alterações renais (aumento da creatinina) durante o tratamento(aumento da creatinina) durante o tratamento com a anfotericina convencionalcom a anfotericina convencional  Associação de drogas nefrotóxicas, como osAssociação de drogas nefrotóxicas, como os aminoglicosídeos que apresentam sinergismoaminoglicosídeos que apresentam sinergismo na ação tóxicana ação tóxica
  • 22. Anfotericina BAnfotericina B  Interage com o colesterol da membranaInterage com o colesterol da membrana celular nos mamíferos, causa efeitoscelular nos mamíferos, causa efeitos adversos em 80% dos pacientes.adversos em 80% dos pacientes.  A alteração da função glomerularA alteração da função glomerular  oligúria eoligúria e da uréia e creatininada uréia e creatinina  Lesão tubularLesão tubular   KK++ (perda urinária de(perda urinária de potássio conseqüente à injúria no epitéliopotássio conseqüente à injúria no epitélio tubular),tubular),  NaNa++ ,,  MgMg++ e acidose tubulare acidose tubular renalrenal
  • 23. Anfotericina BAnfotericina B  Efeitos colaterais:Efeitos colaterais:  HepatotoxicidadeHepatotoxicidade  Mielotoxicidade (anemia e plaquetopenia)Mielotoxicidade (anemia e plaquetopenia)  Cardiotoxicidade em dosesCardiotoxicidade em doses   Febre, náuseas, vômitos, cefaléia, calafriosFebre, náuseas, vômitos, cefaléia, calafrios  Flebite no sítio de infusãoFlebite no sítio de infusão  Convulsões e arritmia podem ocorrer se a drogaConvulsões e arritmia podem ocorrer se a droga for administrada rapidamente ou se afor administrada rapidamente ou se a concentração exceder 0,1mg/ml da diluiçãoconcentração exceder 0,1mg/ml da diluição
  • 24. Anfotericina BAnfotericina B  Controles:Controles:  Eletrólitos e função renalEletrólitos e função renal  2 a 3 vezes por2 a 3 vezes por semana inicialmente, e, depois, semanalmentesemana inicialmente, e, depois, semanalmente  Enzimas hepáticas 15/15 diasEnzimas hepáticas 15/15 dias  Dose acumulativa recomendada = 30mg/KgDose acumulativa recomendada = 30mg/Kg  Infecção fúngica com cultura positivaInfecção fúngica com cultura positiva  realizarrealizar hemocultura a cada 2 dias até negativarem.hemocultura a cada 2 dias até negativarem. Manter o tratamento até 14 dias após a últimaManter o tratamento até 14 dias após a última cultura negativacultura negativa
  • 25. Anfotericina BAnfotericina B  Resistência a Anfotericina = HemoculturaResistência a Anfotericina = Hemocultura para fungo positiva após 10-14 dias depara fungo positiva após 10-14 dias de tratamentotratamento  Para a espéciePara a espécie lusitaniaelusitaniae, o fluconazol é, o fluconazol é a droga de escolha devido à resistênciaa droga de escolha devido à resistência deste fungo a Anfotericina Bdeste fungo a Anfotericina B
  • 26. FluconazolFluconazol  Antifúngico de ação fungostáticaAntifúngico de ação fungostática  Metabolismo renalMetabolismo renal  Dose:Dose: RN ≤ 29 semanas até 14 diasRN ≤ 29 semanas até 14 dias  a cada 72 horas ea cada 72 horas e acima de 14 diasacima de 14 dias  a cada 48 horasa cada 48 horas Manter o tratamento até que as culturasManter o tratamento até que as culturas mantenham-se negativas por 1 semana e atémantenham-se negativas por 1 semana e até constatar evidência clínica e laboratorial deconstatar evidência clínica e laboratorial de resolução da infecçãoresolução da infecção 12mg/kg/dia (ataque) e 6mg/kg/dose12mg/kg/dia (ataque) e 6mg/kg/dose 1 vez ao dia1 vez ao dia
  • 27. FluconazolFluconazol  Monitorizar durante o tratamento: funçõesMonitorizar durante o tratamento: funções hepática e renal e hemogramahepática e renal e hemograma  Vantagens: menor toxicidade, possibilidade deVantagens: menor toxicidade, possibilidade de administração por via oral e atinge bom nível emadministração por via oral e atinge bom nível em vários tecidos e fluidos (inclusive sistemavários tecidos e fluidos (inclusive sistema nervoso central e globo ocular)nervoso central e globo ocular)  Limitante: espécies deLimitante: espécies de CandidaCandida não-albicansnão-albicans como acomo a CandidaCandida glabrataglabrata ee Candida KruseiCandida Krusei que possuem resistência intrínseca aoque possuem resistência intrínseca ao fluconazol. Há relato de resistência também àsfluconazol. Há relato de resistência também às espéciesespécies tropicalistropicalis ee guillermondiguillermondi
  • 29. VoriconazolVoriconazol (V Fend®)(V Fend®)  Derivado sintético do fluconazol,é um agenteDerivado sintético do fluconazol,é um agente triazólico antifúngico de segunda geração, a adiçãotriazólico antifúngico de segunda geração, a adição de um grupo α-metil confere maior potência ede um grupo α-metil confere maior potência e atividade antifúngicaatividade antifúngica  Ativo contra fungos filamentosos comoAtivo contra fungos filamentosos como AspergillusAspergillus sp, Candidasp, Candida com resistência intrínseca aocom resistência intrínseca ao fluconazol efluconazol e Cryptococcus neoformansCryptococcus neoformans  Ele tem até 60 vezes a concentração inibitóriaEle tem até 60 vezes a concentração inibitória mínima paramínima para CandidaCandida  Fungistático para leveduras e fungicida aos fungosFungistático para leveduras e fungicida aos fungos filamentososfilamentosos  Metabolizado pelo fígado através do complexoMetabolizado pelo fígado através do complexo enzimático P 450enzimático P 450
  • 30. VoriconazolVoriconazol (V Fend®)(V Fend®)  É o único antifúngico efetivo no tratamento deÉ o único antifúngico efetivo no tratamento de infecções fúngicas invasivas eminfecções fúngicas invasivas em imunocomprometidos pediátricos e adultos, comimunocomprometidos pediátricos e adultos, com relato de resolução de casos graves de infecçãorelato de resolução de casos graves de infecção porpor AspergillusAspergillus resistente a Anfotericina Bresistente a Anfotericina B  Vantagens:Vantagens:  possibilidade de uso por via oralpossibilidade de uso por via oral  ausência de efeitos colaterais renais e noausência de efeitos colaterais renais e no número de plaquetasnúmero de plaquetas  menor custo em relação a Anfotericina Bmenor custo em relação a Anfotericina B LipossomalLipossomal
  • 31. VoriconazolVoriconazol (V Fend®)(V Fend®)  Dose:Dose:  Efeitos Colaterais:Efeitos Colaterais: Distúrbios visuaisDistúrbios visuais Rash cutâneoRash cutâneo Reações de fotossensibilidadeReações de fotossensibilidade  das transaminases (2 a 3 vezes)das transaminases (2 a 3 vezes) AlucinaçõesAlucinações Náuseas, vômitosNáuseas, vômitos 4 a 6mg/kg/dose de 12/12 horas por 2 a 3 semanas Fonte: Kohli V et al - 2008
  • 32. EQUINOCANDINASEQUINOCANDINAS  Lipopeptideo semi-sintético derivado doLipopeptideo semi-sintético derivado do fungofungo Glarea lozoyensisGlarea lozoyensis que inibe aque inibe a síntese do 1,3-β- D-glucano que é umsíntese do 1,3-β- D-glucano que é um componente da parede celularcomponente da parede celular  Fungicidas contra muitasFungicidas contra muitas CandidasCandidas sppspp ee fungistática contrafungistática contra Aspergillus sppAspergillus spp  Boa distribuição em todos os grandesBoa distribuição em todos os grandes órgãos, incluindo o cérebro, porémórgãos, incluindo o cérebro, porém  concentração no LCR não infectadoconcentração no LCR não infectado
  • 33. EQUINOCANDINASEQUINOCANDINAS  Caspofungina (Cancidas®):Caspofungina (Cancidas®):  Única equinocandina aprovada nos EUAÚnica equinocandina aprovada nos EUA  Indicada no tratamento de candidíaseIndicada no tratamento de candidíase  Ação discutível apenas naAção discutível apenas na CandidaCandida parapsilosisparapsilosis  Eficácia semelhante a Anfotericina B, masEficácia semelhante a Anfotericina B, mas com menor incidência de efeitos tóxicoscom menor incidência de efeitos tóxicos
  • 34. Caspofungina (Cancidas®)Caspofungina (Cancidas®)  Dose:Dose:  Efeitos colaterais: Febre, náuseas,Efeitos colaterais: Febre, náuseas, vômitos, rubefação e complicaçõesvômitos, rubefação e complicações associadas à administração EV, flebites/associadas à administração EV, flebites/ tromboflebites. Há relato na literatura detromboflebites. Há relato na literatura de hipercalemia.hipercalemia. Ataque = 8mg/kg (100mg/m2) seguido de 6mg/kg/dia (70mg/m2/dia) Fonte: Smith PB et al - 2007
  • 35. ""Grandes descobertas e progressos invariavelmente envolvem a cooperação de várias mentes." (Alexander Graham Bell) Boa Noite!
  • 36. Nota do Editor do site, Dr. Paulo R.Nota do Editor do site, Dr. Paulo R. MargottoMargotto www.paulomargotto.com.brwww.paulomargotto.com.br  Consultem:Consultem: Updated! Novos antifúngicos (VoriconazUpdated! Novos antifúngicos (Voriconaz Autor(es):Autor(es): Paulo R. MargottoPaulo R. Margotto