SlideShare uma empresa Scribd logo
GEOGRAFIA
PROFESSORA SUELY TAKAHASHI
Industrialização
A atividade industrial
manifesta-se não só em
sua ocorrência no espaço
físico, mas também nos
produtos cosumidos pela
população local, nos meios
de comunicação e nos
meios de transporte.
A indústria e as transformações no
espaço geográfico
A indústria é a atividade por meio
da qual os seres humanos transformam
matéria prima em produtos acabados ou
semi-acabados.
A indústria consiste em um processo
de produção dentro de instalações e
fábricas, usando máquinas e o trabalho
humano, que transformam e combinam as
matérias-primas para produzir uma
mercadoria.
Nos dias atuais a indústria utiliza
tecnologias cada vez mais sofisticadas,
como robôs (em trabalhos que eram
realizados pelo ser humano) e
equipamentos de grande precisão.
A indústria foi responsável pelas
grandes transformações urbanas, pela
multiplicação de diversos ramos de serviços
que caracterizam a cidade moderna e pelo
desenvolvimento dos meios de transportes
e comunicação que atualmente interligam
todo o espaço mundial.
Ela também foi responsável pelo
aumento da produção agrícola, graças a
mecanização das atividades de criação,
plantio e colheita, além do uso de insumos
de origem industrial.
Estágios
Três estágios fundamentais:
Artesanato = o produtor executa sozinho
todas as fases de produção e até mesmo
comercialização. Predominou até meados
do sec. XVII.
Manufatura = neste estágio já ocorre a
divisão do trabalho, mas a produção ainda
depende do trabalho manual apesar da
utilização de algumas maquinas. Sec. XVII
e XVIII.
Maquinofatura = iniciou-se no séc. XVIII
com a revolução industrial e caracteriza-se
pelo emprego maciço de máquinas e fontes
de energia modernas.
Classificação das industriais
Quanto a maneira de produzir:
Indústria extrativa: extração de recursos
naturais de origem diversas, principalmente de
minerais;
Industria de beneficiamento ou
processamento: beneficiam ou refinam os
produtos, ex.: refinarias de petróleo e
beneficiamento de cereais.
Industria de construção: construção civil.
Indústria de transformação: produção de
bens a partir da transformação de matérias-
primas, ex.: calçados, computadores.
Quanto a quantidade de matéria prima e
de energia empregadas:
Industrias leves = consome menos
energia e matéria prima. Ex.: bebidas,
produtos farmacêuticos,etc.
Industrias pesadas = exigem vultosos
investimentos em energia e matéria prima.
Ex.: maquinas, navios, etc.
Quanto ao destino dos produtos:
Bens de produção = produzem bens para
outras industrias. Subdivide-se em bens
intermediários ( petroquímica, siderúrgica,
extrativismo mineral) e bens de capital ou
de equipamentos (maquinas, motores)
Bens de consumo: produzem bens para
consumo da população. Ex.: têxtil,
alimentícia, móveis. Subdivide-se em: bens
duráveis ( automóveis, eletrodomésticos) e
não duráveis ( alimentos , calçados, roupas,
remédios).
Evolução
Primeira Revolução Industrial (1750-
1870);
Segunda Revolução Industrial (1870-
1945);
Terceira Revolução Industrial (1945).
Primeira Revolução Industrial (1750-
1870): Revolução Industrial introduziu uma
forma mais eficiente de produzir
mercadorias: maior quantidade em menor
tempo e com menores custos. Isso foi
possível com o agrupamento dos
trabalhadores nas fábricas e com a divisão
do trabalho, de modo que cada trabalhador
realizasse uma etapa do processo
produtivo. Essas mudanças foram
introduzidas em meados do século XVIII, na
Inglaterra, e logo se difundiram para outros
países da Europa.
A primeira mudança foi a máquina a
vapor que utilizava a energia produzida pela
queima de carvão mineral, abundantes em
vários países da Europa. Com a máquina a
vapor as fábricas puderam se localizar perto
das cidades.
Segunda Revolução Industrial (1870-
1945): Novas tecnologias, novas fontes de
energia e a expansão da atividade industrial
marcaram uma nova etapa do
desenvolvimento capitalista, na segunda
metade do século XIX. É o início da
Segunda Revolução Industrial.
As hidrelétricas e o petróleo ampliaram
a capacidade de geração de energia e
acrescentaram novas possibilidades à
tecnologia de produção e, portanto, ao
aparecimento de novos produtos.
Surgiram as grandes siderúrgicas e as
indústrias químicas. A marinha mercante
multiplicou a sua frota em diversos países
europeus, nos Estados Unidos e no Japão.
As ferrovias se espalharam por todo
mundo,como meio de transporte e como
atividade empresarial.
A evolução e a
ampliação dos sistemas
de transporte estimularam
o desenvolvimento da
atividade industrial e
criaram novas
possibilidades em relação
à localização geográfica
de alguns setores
industriais.
Terceira Revolução Industrial (1945): A
Terceira Revolução Industrial ou Técnico-
científica começou a tomar forma no final da
Segunda Guerra Mundial, mas os seus
efeitos têm se manifestado em todo o
mundo, de forma mais intensa, há cerca de
duas décadas. Esse processo de
desenvolvimento da atividade industrial vem
repercutindo fortemente nos demais
setores econômicos, nas relações sociais e
nas relações sociedade-natureza.
Uma das suas características mais
importantes é a integração entre a
informática e as telecomunicações.
O desenvolvimento da microeletrônica,
da robótica, da engenharia genética.
A Revolução Técnico-científica, ao
mesmo tempo em que gera riquezas e
amplia as taxas de lucros, responde
também pelo desemprego de milhões de
pessoas em todo o mundo, pois vem
permitindo produzir mais mercadorias e
gerar mais serviços com menor número de
trabalhadores. E isso é válido para a
indústria, a agropecuária, o extrativismo, o
comércio e os serviços.
Principais centros industriais
Nos Estados Unidos, estão as sedes
das maiores indústrias do planeta. No início
do século XXI, das dez empresas de maior
faturamento no mundo, nove eram de
origem exclusivamente norte-americana.
Os países da União Européia
apresentam diferença significativa do ponto
de vista industrial. Alemanha, França, Itália
têm participação industrial absoluta elevada.
No Japão, os principais parques
industriais situam-se junto ao litoral do
Pacífico, na costa leste, como resultado do
intenso comércio externo japonês, que inclui
volumosas exportações industriais
(automóveis, eletroeletrônicos, etc.)
Referências
COELHO, Marcos Amorim & TERRA, Ligia. Geografia
Geral: o espaço natural e socioeconômico. 5ª Ed.
São Paulo, Ed. Moderna,2005
SLIDE SHARE. Disponivel em:
<http://www.slideshare.net/karolpoa/savedfiles?
s_title=industria-
25419330&user_login=debora_saleshttp://www.slide
share.net/karolpoa/savedfiles?s_title=industria-
25419330&user_login=debora_sales> . Acessado
em: 08/11/13.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRAINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
Bruno Lima
 
Conceitos geográficos
Conceitos geográficosConceitos geográficos
Conceitos geográficos
Professor
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
Professor
 
Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.
Camila Brito
 
Industrialização mundial
Industrialização mundialIndustrialização mundial
Industrialização mundial
Artur Lara
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Cristina Gouveia
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
Uilson Pereira da Silva
 
Conceitos geograficos
Conceitos geograficosConceitos geograficos
Conceitos geograficos
João José Ferreira Tojal
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
edsonluz
 
Espaço urbano
Espaço urbano  Espaço urbano
Espaço urbano
Salageo Cristina
 
Divisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalhoDivisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalho
Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais
 
Relação sociedade natureza
Relação sociedade naturezaRelação sociedade natureza
Relação sociedade natureza
wilson mousinho
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrial
Professor
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasil
Professor
 
O espaço geográfico rural
O espaço geográfico ruralO espaço geográfico rural
O espaço geográfico rural
Professor
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
Anderson Silva
 
America latina
America latina America latina
America latina
Christie Freitas
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
Prof. Francesco Torres
 
População da Europa
População da EuropaPopulação da Europa
População da Europa
Prof.Marcio LHP
 

Mais procurados (20)

INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRAINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
 
Conceitos geográficos
Conceitos geográficosConceitos geográficos
Conceitos geográficos
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.
 
Industrialização mundial
Industrialização mundialIndustrialização mundial
Industrialização mundial
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Conceitos geograficos
Conceitos geograficosConceitos geograficos
Conceitos geograficos
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
 
Espaço urbano
Espaço urbano  Espaço urbano
Espaço urbano
 
Divisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalhoDivisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalho
 
Relação sociedade natureza
Relação sociedade naturezaRelação sociedade natureza
Relação sociedade natureza
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrial
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasil
 
O espaço geográfico rural
O espaço geográfico ruralO espaço geográfico rural
O espaço geográfico rural
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
 
America latina
America latina America latina
America latina
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
População da Europa
População da EuropaPopulação da Europa
População da Europa
 

Destaque

A industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerraA industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerra
Suely Takahashi
 
Dit
DitDit
Da cafeicultura ao brasil urbano industrial
Da cafeicultura ao brasil urbano industrialDa cafeicultura ao brasil urbano industrial
Da cafeicultura ao brasil urbano industrial
Suely Takahashi
 
Energia
EnergiaEnergia
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
Suely Takahashi
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
Suely Takahashi
 
Coordenadas geográficas_1ano
Coordenadas geográficas_1anoCoordenadas geográficas_1ano
Coordenadas geográficas_1ano
Suely Takahashi
 
Destruição da natureza
Destruição da naturezaDestruição da natureza
Destruição da natureza
BLOG's REI
 
Corredores ecológicos - Uma Ligação Necessária
Corredores ecológicos - Uma Ligação NecessáriaCorredores ecológicos - Uma Ligação Necessária
Corredores ecológicos - Uma Ligação Necessária
Diego de Oliveira Francisco
 
Mata atlântica e sua história- 5º A
Mata atlântica e sua história- 5º AMata atlântica e sua história- 5º A
Mata atlântica e sua história- 5º A
emefelza
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
flornomandacaru
 
Lição 8 o cristão e o meio ambiente
Lição 8 o cristão e o meio ambienteLição 8 o cristão e o meio ambiente
Lição 8 o cristão e o meio ambiente
hebersantos_pe
 
O cristão e a ecologia
O cristão e a ecologiaO cristão e a ecologia
O cristão e a ecologia
Luciana Lisboa
 
A natureza e_a_cultura_do_homem
A natureza e_a_cultura_do_homemA natureza e_a_cultura_do_homem
A natureza e_a_cultura_do_homem
AnaCaroline123456
 
A história da devastação da mata atlântica
A história da devastação da mata atlânticaA história da devastação da mata atlântica
A história da devastação da mata atlântica
Verde Mais Verde
 
Lição 11 os discípulos de jesus e a questão ambiental ebd
Lição 11   os discípulos de jesus e a questão ambiental  ebdLição 11   os discípulos de jesus e a questão ambiental  ebd
Lição 11 os discípulos de jesus e a questão ambiental ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Mata atlântica
Mata atlânticaMata atlântica
Mata atlântica
Sandra Barros
 
Mata Atlântica - Biomas
Mata Atlântica - BiomasMata Atlântica - Biomas
Mata Atlântica - Biomas
Beatriz Monteiro
 
Aula de geografia 6º ano
Aula de geografia 6º anoAula de geografia 6º ano
Aula de geografia 6º ano
Gilberto Pires
 
Mata AtlâNtica
Mata AtlâNticaMata AtlâNtica
Mata AtlâNtica
diegovicari
 

Destaque (20)

A industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerraA industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerra
 
Dit
DitDit
Dit
 
Da cafeicultura ao brasil urbano industrial
Da cafeicultura ao brasil urbano industrialDa cafeicultura ao brasil urbano industrial
Da cafeicultura ao brasil urbano industrial
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
Coordenadas geográficas_1ano
Coordenadas geográficas_1anoCoordenadas geográficas_1ano
Coordenadas geográficas_1ano
 
Destruição da natureza
Destruição da naturezaDestruição da natureza
Destruição da natureza
 
Corredores ecológicos - Uma Ligação Necessária
Corredores ecológicos - Uma Ligação NecessáriaCorredores ecológicos - Uma Ligação Necessária
Corredores ecológicos - Uma Ligação Necessária
 
Mata atlântica e sua história- 5º A
Mata atlântica e sua história- 5º AMata atlântica e sua história- 5º A
Mata atlântica e sua história- 5º A
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
Lição 8 o cristão e o meio ambiente
Lição 8 o cristão e o meio ambienteLição 8 o cristão e o meio ambiente
Lição 8 o cristão e o meio ambiente
 
O cristão e a ecologia
O cristão e a ecologiaO cristão e a ecologia
O cristão e a ecologia
 
A natureza e_a_cultura_do_homem
A natureza e_a_cultura_do_homemA natureza e_a_cultura_do_homem
A natureza e_a_cultura_do_homem
 
A história da devastação da mata atlântica
A história da devastação da mata atlânticaA história da devastação da mata atlântica
A história da devastação da mata atlântica
 
Lição 11 os discípulos de jesus e a questão ambiental ebd
Lição 11   os discípulos de jesus e a questão ambiental  ebdLição 11   os discípulos de jesus e a questão ambiental  ebd
Lição 11 os discípulos de jesus e a questão ambiental ebd
 
Mata atlântica
Mata atlânticaMata atlântica
Mata atlântica
 
Mata Atlântica - Biomas
Mata Atlântica - BiomasMata Atlântica - Biomas
Mata Atlântica - Biomas
 
Aula de geografia 6º ano
Aula de geografia 6º anoAula de geografia 6º ano
Aula de geografia 6º ano
 
Mata AtlâNtica
Mata AtlâNticaMata AtlâNtica
Mata AtlâNtica
 

Semelhante a Industrialização

Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
karolpoa
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mb
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º MbA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mb
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mb
ProfMario De Mori
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
Débora Sales
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
Débora Sales
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
Débora Sales
 
A tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I Unidade
A tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I UnidadeA tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I Unidade
A tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I Unidade
Nazael Araujo Pessoa
 
Industria 2° ano
Industria 2° anoIndustria 2° ano
Industria 2° ano
Débora Sales
 
Indústria, Capitalismo e Socialismo
Indústria, Capitalismo e SocialismoIndústria, Capitalismo e Socialismo
Indústria, Capitalismo e Socialismo
aroudus
 
As revoluções industriais
As revoluções industriaisAs revoluções industriais
As revoluções industriais
vdailce
 
A revolução informacional ou pós industrial
A revolução informacional ou pós industrialA revolução informacional ou pós industrial
A revolução informacional ou pós industrial
Fernando Alcoforado
 
Processo da industrialização no mundo
Processo da industrialização no mundoProcesso da industrialização no mundo
Processo da industrialização no mundo
Erika Renata
 
Industrialização.pdf
Industrialização.pdfIndustrialização.pdf
Industrialização.pdf
MeninoMimoso
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mc
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º McA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mc
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mc
ProfMario De Mori
 
Geografia Henrique37 Semi Geo A Caderno 3
Geografia Henrique37 Semi Geo A Caderno 3Geografia Henrique37 Semi Geo A Caderno 3
Geografia Henrique37 Semi Geo A Caderno 3
merciclaud
 
Globalização e revolução técnico científica
Globalização e revolução técnico científicaGlobalização e revolução técnico científica
Globalização e revolução técnico científica
Atividades Diversas Cláudia
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Josias Vitor
 
3 a vida-num_mundo_globalizado
3 a vida-num_mundo_globalizado3 a vida-num_mundo_globalizado
3 a vida-num_mundo_globalizado
Lucas Cechinel
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Mariana Carniel
 
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA UTILIZADAS APENAS PARA...
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA UTILIZADAS APENAS PARA...COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA UTILIZADAS APENAS PARA...
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA UTILIZADAS APENAS PARA...
Faga1939
 
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.docA INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
AlfredoFilho18
 

Semelhante a Industrialização (20)

Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mb
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º MbA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mb
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mb
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
 
A tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I Unidade
A tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I UnidadeA tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I Unidade
A tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I Unidade
 
Industria 2° ano
Industria 2° anoIndustria 2° ano
Industria 2° ano
 
Indústria, Capitalismo e Socialismo
Indústria, Capitalismo e SocialismoIndústria, Capitalismo e Socialismo
Indústria, Capitalismo e Socialismo
 
As revoluções industriais
As revoluções industriaisAs revoluções industriais
As revoluções industriais
 
A revolução informacional ou pós industrial
A revolução informacional ou pós industrialA revolução informacional ou pós industrial
A revolução informacional ou pós industrial
 
Processo da industrialização no mundo
Processo da industrialização no mundoProcesso da industrialização no mundo
Processo da industrialização no mundo
 
Industrialização.pdf
Industrialização.pdfIndustrialização.pdf
Industrialização.pdf
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mc
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º McA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mc
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mc
 
Geografia Henrique37 Semi Geo A Caderno 3
Geografia Henrique37 Semi Geo A Caderno 3Geografia Henrique37 Semi Geo A Caderno 3
Geografia Henrique37 Semi Geo A Caderno 3
 
Globalização e revolução técnico científica
Globalização e revolução técnico científicaGlobalização e revolução técnico científica
Globalização e revolução técnico científica
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
3 a vida-num_mundo_globalizado
3 a vida-num_mundo_globalizado3 a vida-num_mundo_globalizado
3 a vida-num_mundo_globalizado
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA UTILIZADAS APENAS PARA...
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA UTILIZADAS APENAS PARA...COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA UTILIZADAS APENAS PARA...
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA UTILIZADAS APENAS PARA...
 
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.docA INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
 

Mais de Suely Takahashi

Energia
EnergiaEnergia
Cartografia tipos de mapas
Cartografia   tipos de mapasCartografia   tipos de mapas
Cartografia tipos de mapas
Suely Takahashi
 
Cartografia 3 escala
Cartografia 3   escalaCartografia 3   escala
Cartografia 3 escala
Suely Takahashi
 
Cartografia o planeta terra - cap. 1
Cartografia   o planeta terra - cap. 1Cartografia   o planeta terra - cap. 1
Cartografia o planeta terra - cap. 1
Suely Takahashi
 
Aula vulcanismo para suki
Aula vulcanismo para sukiAula vulcanismo para suki
Aula vulcanismo para suki
Suely Takahashi
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
Suely Takahashi
 
Questionario censo
Questionario censoQuestionario censo
Questionario censo
Suely Takahashi
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
Suely Takahashi
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
Suely Takahashi
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
Suely Takahashi
 
Irlanda e suas relações geopolíticas
Irlanda e suas relações geopolíticasIrlanda e suas relações geopolíticas
Irlanda e suas relações geopolíticas
Suely Takahashi
 
Classificação dos solos
Classificação dos solosClassificação dos solos
Classificação dos solos
Suely Takahashi
 
Origem dos solos
Origem dos solosOrigem dos solos
Origem dos solos
Suely Takahashi
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Suely Takahashi
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
Suely Takahashi
 
Demografia mundial
Demografia mundialDemografia mundial
Demografia mundial
Suely Takahashi
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
Suely Takahashi
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
Suely Takahashi
 
Indústria gabarito 05.02
Indústria gabarito 05.02Indústria gabarito 05.02
Indústria gabarito 05.02
Suely Takahashi
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundial
Suely Takahashi
 

Mais de Suely Takahashi (20)

Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
Cartografia tipos de mapas
Cartografia   tipos de mapasCartografia   tipos de mapas
Cartografia tipos de mapas
 
Cartografia 3 escala
Cartografia 3   escalaCartografia 3   escala
Cartografia 3 escala
 
Cartografia o planeta terra - cap. 1
Cartografia   o planeta terra - cap. 1Cartografia   o planeta terra - cap. 1
Cartografia o planeta terra - cap. 1
 
Aula vulcanismo para suki
Aula vulcanismo para sukiAula vulcanismo para suki
Aula vulcanismo para suki
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
Questionario censo
Questionario censoQuestionario censo
Questionario censo
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Irlanda e suas relações geopolíticas
Irlanda e suas relações geopolíticasIrlanda e suas relações geopolíticas
Irlanda e suas relações geopolíticas
 
Classificação dos solos
Classificação dos solosClassificação dos solos
Classificação dos solos
 
Origem dos solos
Origem dos solosOrigem dos solos
Origem dos solos
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Demografia mundial
Demografia mundialDemografia mundial
Demografia mundial
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Indústria gabarito 05.02
Indústria gabarito 05.02Indústria gabarito 05.02
Indústria gabarito 05.02
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundial
 

Último

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 

Último (20)

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 

Industrialização

  • 2. Industrialização A atividade industrial manifesta-se não só em sua ocorrência no espaço físico, mas também nos produtos cosumidos pela população local, nos meios de comunicação e nos meios de transporte.
  • 3. A indústria e as transformações no espaço geográfico A indústria é a atividade por meio da qual os seres humanos transformam matéria prima em produtos acabados ou semi-acabados.
  • 4. A indústria consiste em um processo de produção dentro de instalações e fábricas, usando máquinas e o trabalho humano, que transformam e combinam as matérias-primas para produzir uma mercadoria.
  • 5. Nos dias atuais a indústria utiliza tecnologias cada vez mais sofisticadas, como robôs (em trabalhos que eram realizados pelo ser humano) e equipamentos de grande precisão.
  • 6. A indústria foi responsável pelas grandes transformações urbanas, pela multiplicação de diversos ramos de serviços que caracterizam a cidade moderna e pelo desenvolvimento dos meios de transportes e comunicação que atualmente interligam todo o espaço mundial.
  • 7. Ela também foi responsável pelo aumento da produção agrícola, graças a mecanização das atividades de criação, plantio e colheita, além do uso de insumos de origem industrial.
  • 8. Estágios Três estágios fundamentais: Artesanato = o produtor executa sozinho todas as fases de produção e até mesmo comercialização. Predominou até meados do sec. XVII.
  • 9. Manufatura = neste estágio já ocorre a divisão do trabalho, mas a produção ainda depende do trabalho manual apesar da utilização de algumas maquinas. Sec. XVII e XVIII. Maquinofatura = iniciou-se no séc. XVIII com a revolução industrial e caracteriza-se pelo emprego maciço de máquinas e fontes de energia modernas.
  • 10. Classificação das industriais Quanto a maneira de produzir: Indústria extrativa: extração de recursos naturais de origem diversas, principalmente de minerais; Industria de beneficiamento ou processamento: beneficiam ou refinam os produtos, ex.: refinarias de petróleo e beneficiamento de cereais.
  • 11. Industria de construção: construção civil. Indústria de transformação: produção de bens a partir da transformação de matérias- primas, ex.: calçados, computadores.
  • 12. Quanto a quantidade de matéria prima e de energia empregadas: Industrias leves = consome menos energia e matéria prima. Ex.: bebidas, produtos farmacêuticos,etc. Industrias pesadas = exigem vultosos investimentos em energia e matéria prima. Ex.: maquinas, navios, etc.
  • 13. Quanto ao destino dos produtos: Bens de produção = produzem bens para outras industrias. Subdivide-se em bens intermediários ( petroquímica, siderúrgica, extrativismo mineral) e bens de capital ou de equipamentos (maquinas, motores)
  • 14. Bens de consumo: produzem bens para consumo da população. Ex.: têxtil, alimentícia, móveis. Subdivide-se em: bens duráveis ( automóveis, eletrodomésticos) e não duráveis ( alimentos , calçados, roupas, remédios).
  • 15. Evolução Primeira Revolução Industrial (1750- 1870); Segunda Revolução Industrial (1870- 1945); Terceira Revolução Industrial (1945).
  • 16. Primeira Revolução Industrial (1750- 1870): Revolução Industrial introduziu uma forma mais eficiente de produzir mercadorias: maior quantidade em menor tempo e com menores custos. Isso foi possível com o agrupamento dos trabalhadores nas fábricas e com a divisão do trabalho, de modo que cada trabalhador realizasse uma etapa do processo produtivo. Essas mudanças foram introduzidas em meados do século XVIII, na Inglaterra, e logo se difundiram para outros países da Europa.
  • 17. A primeira mudança foi a máquina a vapor que utilizava a energia produzida pela queima de carvão mineral, abundantes em vários países da Europa. Com a máquina a vapor as fábricas puderam se localizar perto das cidades.
  • 18. Segunda Revolução Industrial (1870- 1945): Novas tecnologias, novas fontes de energia e a expansão da atividade industrial marcaram uma nova etapa do desenvolvimento capitalista, na segunda metade do século XIX. É o início da Segunda Revolução Industrial.
  • 19. As hidrelétricas e o petróleo ampliaram a capacidade de geração de energia e acrescentaram novas possibilidades à tecnologia de produção e, portanto, ao aparecimento de novos produtos.
  • 20. Surgiram as grandes siderúrgicas e as indústrias químicas. A marinha mercante multiplicou a sua frota em diversos países europeus, nos Estados Unidos e no Japão. As ferrovias se espalharam por todo mundo,como meio de transporte e como atividade empresarial.
  • 21. A evolução e a ampliação dos sistemas de transporte estimularam o desenvolvimento da atividade industrial e criaram novas possibilidades em relação à localização geográfica de alguns setores industriais.
  • 22. Terceira Revolução Industrial (1945): A Terceira Revolução Industrial ou Técnico- científica começou a tomar forma no final da Segunda Guerra Mundial, mas os seus efeitos têm se manifestado em todo o mundo, de forma mais intensa, há cerca de duas décadas. Esse processo de desenvolvimento da atividade industrial vem repercutindo fortemente nos demais setores econômicos, nas relações sociais e nas relações sociedade-natureza.
  • 23. Uma das suas características mais importantes é a integração entre a informática e as telecomunicações. O desenvolvimento da microeletrônica, da robótica, da engenharia genética.
  • 24. A Revolução Técnico-científica, ao mesmo tempo em que gera riquezas e amplia as taxas de lucros, responde também pelo desemprego de milhões de pessoas em todo o mundo, pois vem permitindo produzir mais mercadorias e gerar mais serviços com menor número de trabalhadores. E isso é válido para a indústria, a agropecuária, o extrativismo, o comércio e os serviços.
  • 25. Principais centros industriais Nos Estados Unidos, estão as sedes das maiores indústrias do planeta. No início do século XXI, das dez empresas de maior faturamento no mundo, nove eram de origem exclusivamente norte-americana.
  • 26. Os países da União Européia apresentam diferença significativa do ponto de vista industrial. Alemanha, França, Itália têm participação industrial absoluta elevada. No Japão, os principais parques industriais situam-se junto ao litoral do Pacífico, na costa leste, como resultado do intenso comércio externo japonês, que inclui volumosas exportações industriais (automóveis, eletroeletrônicos, etc.)
  • 27. Referências COELHO, Marcos Amorim & TERRA, Ligia. Geografia Geral: o espaço natural e socioeconômico. 5ª Ed. São Paulo, Ed. Moderna,2005 SLIDE SHARE. Disponivel em: <http://www.slideshare.net/karolpoa/savedfiles? s_title=industria- 25419330&user_login=debora_saleshttp://www.slide share.net/karolpoa/savedfiles?s_title=industria- 25419330&user_login=debora_sales> . Acessado em: 08/11/13.

Notas do Editor

  1. Isto significa que para um país ser industrializado não basta ter muitas industrias.