SlideShare uma empresa Scribd logo
1. Saúde Individual e Comunitária
1.1. Indicadores do estado de
saúde de uma população
Saúde
• Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saúde é o
  estado de completo bem-estar físico, mental e social e não
  apenas a ausência de doenças ou enfermidades.

• Atualmente o conceito de saúde está relacionado com os
  conceitos de qualidade de vida, fatores de risco e esperança
  de vida.
Qualidade de vida
• O conceito qualidade de vida encontra-se directamente
  relacionado com cada indivíduo, dependendo do seu
  carácter, sexo, idade, profissão, padrões culturais e religiosos.
Fatores de risco
• Fatores de risco são comportamentos ou situações que
  podem comprometer a saúde de um indivíduo.
Indicadores do estado de saúde de uma
população
•   Taxa de mortalidade infantil;
•   Esperança de vida à nascença;
•   Taxa de doenças infecciosas;
•   Percentagem de doenças cardiovasculares;
•   Percentagem de obesos;
•   Percentagem de diabéticos tipo 2
•   Percentagem de gravidez na adolescência;
•   Percentagem de grávidas vigiadas.
Taxa de mortalidade infantil
• A taxa de mortalidade infantil (TMI) é a relação existente
  entre o número de mortes ocorridas no primeiro ano de vida de
  um ser humano e o número de nascimentos, no mesmo intervalo
  de tempo.

• A taxa de mortalidade infantil diminui com o desenvolvimento
  das populações.
Taxa de mortalidade infantil
• É o número de crianças que morrem no primeiro ano de vida, por
  cada mil que nascem vivas (nados - vivos)

• Diminui com o desenvolvimento das populações
Taxa de mortalidade infantil
A diminuição da TMI em Portugal deve-se a uma melhoria das
  condições de vida a nível de:

•   Assistência médica materno-infantil;
•   Melhoria das condições de higiene e habitação;
•   Melhoria na alimentação;
•   Informação aos pais;
•   Evolução da medicina e da tecnologia;
•   Novos medicamentos.
Esperança de vida
• A esperança de vida à nascença é o número de anos que um ser
  humano tem probabilidade de viver, no momento do nascimento.

• A esperança de vida à nascença aumenta com o grau de
  desenvolvimento das populações.
Esperança de vida
• A esperança de vida é o número de anos que um ser humano tem
  probabilidade de viver a partir do momento que nasce.

• É maior nos países desenvolvidos e nas mulheres do que nos
  homens.
Taxa de doenças infecciosas
• A taxa de doenças infecciosas calcula-se relacionando o número
  de ocorrências de doenças infecciosas, com o efectivo da
  população em estudo, no decurso de um ano.

• Neste indicador, consideram-se dois grupos de doenças:
  Doenças que se podem prevenir através da vacinação
  Doenças para as quais não existem vacinas

• Designam-se por infecciosas as doenças de causa
  microbiana, transmissíveis através de qualquer forma de
  contágio. Na sua prevenção, são fundamentais as vacinas(quando
  existem) e a higiene.
Taxa de doenças infecciosas
• É o numero de indivíduos com doenças infecciosas numa
  população, no decurso de um ano.

• Doenças infecciosas – são doenças de causa microbiana
  (provocadas por vírus, bactérias e outros agentes
  infecciosos), transmissíveis por qualquer forma de contágio.

• Prevenção de doenças infecciosas – vacinação (quando
  existente), higiene, alimentação saudável,…
Percentagem de doenças cardiovasculares
• A percentagem de doenças cardiovasculares calcula-se
  relacionando o número de ocorrências de doenças
  cardiovasculares com o efectivo da população em estudo. As
  doenças cardiovasculares afectam o coração e/ou os vasos
  sanguíneos e são a primeira causa de morte nos países
  desenvolvidos.

• O consumo de gorduras e bebidas alcoólicas, a hipertensão
  arterial, o tabagismo, o stress físico e emocional, a obesidade e
  a diabetes são fatores de risco destas doenças.
Percentagem de doenças cardiovasculares
• Doenças cardiovasculares: são doenças que afetam o coração e
  os vasos sanguíneos. Constituem a 1ª causa de morte em Portugal
  e nos países desenvolvidos, por exemplo, o enfarte
  miocárdio, AVC, aterosclerose, trombose,…
Fatores de risco de doenças cardiovasculares:
•   Obesidade;
•   Abuso de bebidas alcoólicas;
•   Diabetes;
•   Hipertensão;
•   Vida sedentária;
•   Falta de exercício físico;
•   Colesterol elevado;
•   Tabagismo;
•   Stress;
•   Abuso de consumo de gorduras saturadas;
•   Consumo de sal.
Percentagem de obesos
• A obesidade, isto é, o excesso de peso, é uma doença
  característica dos países desenvolvidos.

• A percentagem de obesos acompanha o desenvolvimento
  económico dos países. Mas, dentro dos países desenvolvidos, a
  obesidade é um indicador de pobreza, o que se explica pelo facto
  de os alimentos pobres em vitaminas, sais minerais e fibras, mais
  ricos em sal gorduras e açúcar serem baratos e, portanto, de
  fácil acesso.
Percentagem de obesos
• Causas da obesidade – excessos alimentares, vida
  sedentária, falta de exercício físico, alterações
  hormonais, fatores genéticos, medicação,…

• Factos:
  ▫   EUA – 70% da população é obesa
  ▫   Portugal tem 1 milhão de obesos
  ▫   30% das crianças portuguesas são obesas
  ▫   Índice de massa corporal (IMC) = peso/altura2
Percentagem de diabéticos tipo 2
• Insulina – substância hormonal produzida pelo pâncreas
   Diabetes – é uma doença crónica caracterizada pelo aumento
  que regula os níveis de açúcar no sangue. devido a uma
   dos níveis de açúcar (glicose) no sangue
   insuficiência de produção de insulina pelo pâncreas.
  Glicemia – é o nível de açúcar no sangue.

  Diabetes tipo 1 – existe dependência de insulina.
  Diabetes tipo 2 – o organismo produz insulina em
  quantidade insuficiente ou que não é eficaz.
Percentagem de grávidas adolescentes e grávidas vigiadas

• A percentagem de gravidezes na adolescência (isto é, entre os 10 e os 19 anos)
  e de grávidas vigiadas são indicadores que apenas têm expressão nos países
  europeus, EUA e Canadá, já que, nos restantes povos do Mundo a gravidez, por
  nós considerada precoce, é um acontecimento habitual, sendo a vigilância das
  mulheres grávidas de um privilégio de alguns estratos mais favorecidos da
  população.

• Nos países desenvolvidos, a percentagem de gravidezes na adolescência e de
  grávidas não vigiadas aumenta em função da pobreza e da falta de informação.
Percentagem de grávidas adolescentes
• Portugal é o segundo país da Europa com maior número de mães
  adolescentes (logo a seguir ao Reino Unido).

• Em 2007 registaram-se 7000 mães adolescentes

• Nos países desenvolvidos a percentagem de gravidez na adolescência
  aumenta coma pobreza e a falta de informação.

• Existem métodos de prevenção:
  ▫ Informação
  ▫ Consultas de planeamento familiar
  ▫ Diálogo com os pais.
Causas de morte em Portugal

• 1ª - Doenças cardiovasculares (40%) – 40000 mortes por ano –
  AVC (36%)




• 2ª - Cancro (20-25%)
Fatores de risco do cancro
•   Envelhecimento
•   Tabaco
•   Luz solar
•   Radiação ionizante
•   Determinados químicos e outras substancias
•   Alguns vírus e bactérias
•   Determinadas hormonas
•   Álcool
•   Dieta pobre
•   Falta de actividade física
•   Excesso de peso
Fatores que influenciam a saúde individual e comunitária

   •   Assistência médica
   •   Vacinação
   •   Rastreios
   •   Combate ao stress
   •   Ordenamento do território
   •   etc.
Vacinação
• Vacinas – são substâncias preparadas a partir de
  microrganismos patogénicos (tornados inofensivos em
  laboratório) que desencadeiam imunidade quando introduzidas no
  organismo.

• Imunidade – é o conjunto de processos que permitem ao
  organismo reconhecer certos agentes, estranhos ou
  arnomais, neutralizá-los e destruí-los.
Programa nacional de vacinação (PNV)
• Implementado desde 1965;

• Principal medida de prevenção do Plano Nacional de Saúde;

• É universal e gratuito

• Tem como principal objetivo obter a melhor proteção na idade
  mais adequada e o mais precocemente possíveis.
O PNV abrange 12 doenças:
•   Tuberculose
•   Tosse convulsa
•   Diftenia
•   Tétano
•   Sarampo
•   Paratidite (papeira)
•   Rubéde
•   Hepatite B
•   Menigite C
•   Haemophilas influnzae B (bactéria)
•   Papiloma humano (cancro do colo do útero)
•   Poliomiclita (paralisia infantil)
Rastreios
• São estudos de saúde normalmente gratuitos, de carácter
  voluntários, promovidos por instituições de saúde, que incidem
  sobre determinado grupo de uma população e têm como objetivo
  a prevenção ou o diagnóstico precoce de doenças.
STRESSE
• Fatores de risco:
  ▫   Execução repetitiva de tarefa/excesso de trabalho
  ▫   Falta de horas de sono e repouso
  ▫   Faltas de exercício físico
  ▫   Falta de férias
  ▫   Ver televisão ou jogar computador ou consolas por longos tempos
  ▫   Alimentação desequilibrada
Ordenamento do território
• Os fatores a considerar são inúmeros:
  ▫   Distribuição de água potável
  ▫   Saneamento básico
  ▫   Recolha de lixo
  ▫   Indústrias
  ▫   Habitação
  ▫   Vias de acesso
  ▫   Zonas de lazer
  ▫   outros

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente TransmissíveisInfecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveis
eborges
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
Rosária Zamith
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saudeTarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
Lurdesmartins17
 
Saúde individual e comunitaria
Saúde individual e comunitariaSaúde individual e comunitaria
Saúde individual e comunitaria
Nuno Pinto
 
Promoção da saúde
Promoção da saúdePromoção da saúde
Promoção da saúde
marco :)
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Cláudia Sofia
 
Saúde e indicadores
Saúde e indicadoresSaúde e indicadores
Saúde e indicadores
Ana Castro
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
Edvaldo S. Júnior
 
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
Fernanda Gonçalves
 
UFCD_6582_Cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
UFCD_6582_Cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índiceUFCD_6582_Cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
UFCD_6582_Cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
Manuais Formação
 
Efeitos da poluição atmosférica na saúde
Efeitos da poluição atmosférica na saúde  Efeitos da poluição atmosférica na saúde
Efeitos da poluição atmosférica na saúde
Vereador Serjão
 
I - SAÚDE
I - SAÚDEI - SAÚDE
I - SAÚDE
sandranascimento
 
Sarampo
SarampoSarampo
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
António Matias
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
Mariana Cordeiro
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
Indicadores de saúde
Indicadores de saúdeIndicadores de saúde
Indicadores de saúde
Kênia Paula
 
UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...
UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...
UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...
Manualis
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
Laboratório Sérgio Franco
 

Mais procurados (20)

Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente TransmissíveisInfecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveis
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saudeTarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
 
Saúde individual e comunitaria
Saúde individual e comunitariaSaúde individual e comunitaria
Saúde individual e comunitaria
 
Promoção da saúde
Promoção da saúdePromoção da saúde
Promoção da saúde
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Saúde e indicadores
Saúde e indicadoresSaúde e indicadores
Saúde e indicadores
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
 
UFCD_6582_Cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
UFCD_6582_Cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índiceUFCD_6582_Cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
UFCD_6582_Cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
 
Efeitos da poluição atmosférica na saúde
Efeitos da poluição atmosférica na saúde  Efeitos da poluição atmosférica na saúde
Efeitos da poluição atmosférica na saúde
 
I - SAÚDE
I - SAÚDEI - SAÚDE
I - SAÚDE
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Indicadores de saúde
Indicadores de saúdeIndicadores de saúde
Indicadores de saúde
 
UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...
UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...
UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 

Destaque

Indicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãO
Indicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãOIndicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãO
Indicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãO
DAVIDbeatriz
 
Saúde individual e comunitária
Saúde individual e comunitáriaSaúde individual e comunitária
Saúde individual e comunitária
Tânia Reis
 
Grandes Epidemias A Febre TifóIde E A Antraz
Grandes Epidemias   A Febre TifóIde E A AntrazGrandes Epidemias   A Febre TifóIde E A Antraz
Grandes Epidemias A Febre TifóIde E A Antraz
cnaturais9
 
EvoluçãO Do Conhecimento Sobre O Sida
EvoluçãO Do Conhecimento Sobre O  SidaEvoluçãO Do Conhecimento Sobre O  Sida
EvoluçãO Do Conhecimento Sobre O Sida
cnaturais9
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
comunidadedepraticas
 
Benefícios relacionados à atividade física
Benefícios relacionados à atividade físicaBenefícios relacionados à atividade física
Benefícios relacionados à atividade física
Romero Vitor
 
Cn9 como melhorar a saúde da população
Cn9   como melhorar a saúde da populaçãoCn9   como melhorar a saúde da população
Cn9 como melhorar a saúde da população
Nuno Correia
 
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDECN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
Luís Ferreira
 
Saude individual e comunitária
Saude individual e comunitáriaSaude individual e comunitária
Saude individual e comunitária
Deolinda Silva
 
Gravidez e pele
Gravidez e peleGravidez e pele
Gravidez e pele
Tatiana Cruz
 
Grávidas, Puérperas e Lactantes
Grávidas, Puérperas e LactantesGrávidas, Puérperas e Lactantes
Grávidas, Puérperas e Lactantes
José Cruz
 
Bem Estar
Bem EstarBem Estar
Estética do bem estar - Diferencial para atendimento a gestantes e 3 idade
Estética do bem estar - Diferencial para atendimento a gestantes e 3 idadeEstética do bem estar - Diferencial para atendimento a gestantes e 3 idade
Estética do bem estar - Diferencial para atendimento a gestantes e 3 idade
Lupe Bello Cuerpo
 
Bem estar qualidadedevida
Bem estar qualidadedevidaBem estar qualidadedevida
Bem estar qualidadedevida
Geografias Geo
 
Apresentacao gestante01
Apresentacao gestante01Apresentacao gestante01
Apresentacao gestante01
devydrochacarneiro
 
3 a impotância da qualidade de vida
3  a impotância da qualidade de vida3  a impotância da qualidade de vida
3 a impotância da qualidade de vida
Mayjö .
 
O analfabetismo é coisa séria!
O analfabetismo é coisa séria!O analfabetismo é coisa séria!
O analfabetismo é coisa séria!
rafaelrpg
 
5 exercícios práticos que ajudam a facilitar o parto
5 exercícios práticos que ajudam a facilitar o parto5 exercícios práticos que ajudam a facilitar o parto
5 exercícios práticos que ajudam a facilitar o parto
Lupercio Yaohu
 
Medidas de ação para a promoção da saúde
Medidas de ação para a promoção da saúdeMedidas de ação para a promoção da saúde
Medidas de ação para a promoção da saúde
novaisdias
 
Medidas de Promoção da Saúde
Medidas de Promoção da SaúdeMedidas de Promoção da Saúde
Medidas de Promoção da Saúde
Gabriela Bruno
 

Destaque (20)

Indicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãO
Indicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãOIndicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãO
Indicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãO
 
Saúde individual e comunitária
Saúde individual e comunitáriaSaúde individual e comunitária
Saúde individual e comunitária
 
Grandes Epidemias A Febre TifóIde E A Antraz
Grandes Epidemias   A Febre TifóIde E A AntrazGrandes Epidemias   A Febre TifóIde E A Antraz
Grandes Epidemias A Febre TifóIde E A Antraz
 
EvoluçãO Do Conhecimento Sobre O Sida
EvoluçãO Do Conhecimento Sobre O  SidaEvoluçãO Do Conhecimento Sobre O  Sida
EvoluçãO Do Conhecimento Sobre O Sida
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
 
Benefícios relacionados à atividade física
Benefícios relacionados à atividade físicaBenefícios relacionados à atividade física
Benefícios relacionados à atividade física
 
Cn9 como melhorar a saúde da população
Cn9   como melhorar a saúde da populaçãoCn9   como melhorar a saúde da população
Cn9 como melhorar a saúde da população
 
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDECN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
 
Saude individual e comunitária
Saude individual e comunitáriaSaude individual e comunitária
Saude individual e comunitária
 
Gravidez e pele
Gravidez e peleGravidez e pele
Gravidez e pele
 
Grávidas, Puérperas e Lactantes
Grávidas, Puérperas e LactantesGrávidas, Puérperas e Lactantes
Grávidas, Puérperas e Lactantes
 
Bem Estar
Bem EstarBem Estar
Bem Estar
 
Estética do bem estar - Diferencial para atendimento a gestantes e 3 idade
Estética do bem estar - Diferencial para atendimento a gestantes e 3 idadeEstética do bem estar - Diferencial para atendimento a gestantes e 3 idade
Estética do bem estar - Diferencial para atendimento a gestantes e 3 idade
 
Bem estar qualidadedevida
Bem estar qualidadedevidaBem estar qualidadedevida
Bem estar qualidadedevida
 
Apresentacao gestante01
Apresentacao gestante01Apresentacao gestante01
Apresentacao gestante01
 
3 a impotância da qualidade de vida
3  a impotância da qualidade de vida3  a impotância da qualidade de vida
3 a impotância da qualidade de vida
 
O analfabetismo é coisa séria!
O analfabetismo é coisa séria!O analfabetismo é coisa séria!
O analfabetismo é coisa séria!
 
5 exercícios práticos que ajudam a facilitar o parto
5 exercícios práticos que ajudam a facilitar o parto5 exercícios práticos que ajudam a facilitar o parto
5 exercícios práticos que ajudam a facilitar o parto
 
Medidas de ação para a promoção da saúde
Medidas de ação para a promoção da saúdeMedidas de ação para a promoção da saúde
Medidas de ação para a promoção da saúde
 
Medidas de Promoção da Saúde
Medidas de Promoção da SaúdeMedidas de Promoção da Saúde
Medidas de Promoção da Saúde
 

Semelhante a Indicadores do estado de saude de uma população

Indicadores do Estado de Saúde da População
Indicadores do Estado de Saúde da PopulaçãoIndicadores do Estado de Saúde da População
Indicadores do Estado de Saúde da População
Marcos Cruz
 
Fatores de saude de uma populacao
Fatores de saude de uma populacaoFatores de saude de uma populacao
Fatores de saude de uma populacao
ANA EMILIA FORMIGA MARQUES
 
Ciências 9º ano - saúde individual e comunitária
Ciências 9º ano - saúde individual e comunitáriaCiências 9º ano - saúde individual e comunitária
Ciências 9º ano - saúde individual e comunitária
Patrícia Silva
 
Saúde trabalho geo
Saúde   trabalho geoSaúde   trabalho geo
Saúde trabalho geo
Mayjö .
 
1-Saúde individual e saúde comunitária.ppsx
1-Saúde individual e saúde comunitária.ppsx1-Saúde individual e saúde comunitária.ppsx
1-Saúde individual e saúde comunitária.ppsx
SniaRodrigues98
 
sa_de_individual_e_sa_de_comunit_ria.ppt
sa_de_individual_e_sa_de_comunit_ria.pptsa_de_individual_e_sa_de_comunit_ria.ppt
sa_de_individual_e_sa_de_comunit_ria.ppt
mariagrave
 
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_2011201202_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
Teresa Monteiro
 
Aula nº1
Aula nº1Aula nº1
Aula nº1
Ana Conceição
 
Aula 15
Aula 15Aula 15
Saúde
SaúdeSaúde
Saúde
Mayjö .
 
Saúde
SaúdeSaúde
Saúde
Mayjö .
 
Programas de atendimento na atenção básica
Programas de atendimento na atenção básicaProgramas de atendimento na atenção básica
Programas de atendimento na atenção básica
Gabriela Amorim
 
Saúde para todos
Saúde para todosSaúde para todos
Saúde para todos
Jony Alves
 
Transição Epidemiológica
Transição EpidemiológicaTransição Epidemiológica
Transição Epidemiológica
Luis Gerk de Azevedo Quadros
 
Joaomachado9.3
Joaomachado9.3Joaomachado9.3
Joaomachado9.3
Mayjö .
 
Trabalho de geografia sobre os indicadores de saúde [guardado automaticamente]
Trabalho de geografia sobre os indicadores de saúde [guardado automaticamente]Trabalho de geografia sobre os indicadores de saúde [guardado automaticamente]
Trabalho de geografia sobre os indicadores de saúde [guardado automaticamente]
Mayjö .
 
16996275 sistema-de-saude-em-cuba
16996275 sistema-de-saude-em-cuba16996275 sistema-de-saude-em-cuba
16996275 sistema-de-saude-em-cuba
Caroline Augusta
 
Tabagismo cartilha crianca
Tabagismo cartilha criancaTabagismo cartilha crianca
Tabagismo cartilha crianca
Jornal do Commercio
 
Trabalho feito por casimiro vaz e helder afonso
Trabalho feito por casimiro vaz e helder afonsoTrabalho feito por casimiro vaz e helder afonso
Trabalho feito por casimiro vaz e helder afonso
Mayjö .
 
1.1. saúde indicadores
1.1. saúde indicadores1.1. saúde indicadores
1.1. saúde indicadores
Maria Rocha R
 

Semelhante a Indicadores do estado de saude de uma população (20)

Indicadores do Estado de Saúde da População
Indicadores do Estado de Saúde da PopulaçãoIndicadores do Estado de Saúde da População
Indicadores do Estado de Saúde da População
 
Fatores de saude de uma populacao
Fatores de saude de uma populacaoFatores de saude de uma populacao
Fatores de saude de uma populacao
 
Ciências 9º ano - saúde individual e comunitária
Ciências 9º ano - saúde individual e comunitáriaCiências 9º ano - saúde individual e comunitária
Ciências 9º ano - saúde individual e comunitária
 
Saúde trabalho geo
Saúde   trabalho geoSaúde   trabalho geo
Saúde trabalho geo
 
1-Saúde individual e saúde comunitária.ppsx
1-Saúde individual e saúde comunitária.ppsx1-Saúde individual e saúde comunitária.ppsx
1-Saúde individual e saúde comunitária.ppsx
 
sa_de_individual_e_sa_de_comunit_ria.ppt
sa_de_individual_e_sa_de_comunit_ria.pptsa_de_individual_e_sa_de_comunit_ria.ppt
sa_de_individual_e_sa_de_comunit_ria.ppt
 
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_2011201202_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
 
Aula nº1
Aula nº1Aula nº1
Aula nº1
 
Aula 15
Aula 15Aula 15
Aula 15
 
Saúde
SaúdeSaúde
Saúde
 
Saúde
SaúdeSaúde
Saúde
 
Programas de atendimento na atenção básica
Programas de atendimento na atenção básicaProgramas de atendimento na atenção básica
Programas de atendimento na atenção básica
 
Saúde para todos
Saúde para todosSaúde para todos
Saúde para todos
 
Transição Epidemiológica
Transição EpidemiológicaTransição Epidemiológica
Transição Epidemiológica
 
Joaomachado9.3
Joaomachado9.3Joaomachado9.3
Joaomachado9.3
 
Trabalho de geografia sobre os indicadores de saúde [guardado automaticamente]
Trabalho de geografia sobre os indicadores de saúde [guardado automaticamente]Trabalho de geografia sobre os indicadores de saúde [guardado automaticamente]
Trabalho de geografia sobre os indicadores de saúde [guardado automaticamente]
 
16996275 sistema-de-saude-em-cuba
16996275 sistema-de-saude-em-cuba16996275 sistema-de-saude-em-cuba
16996275 sistema-de-saude-em-cuba
 
Tabagismo cartilha crianca
Tabagismo cartilha criancaTabagismo cartilha crianca
Tabagismo cartilha crianca
 
Trabalho feito por casimiro vaz e helder afonso
Trabalho feito por casimiro vaz e helder afonsoTrabalho feito por casimiro vaz e helder afonso
Trabalho feito por casimiro vaz e helder afonso
 
1.1. saúde indicadores
1.1. saúde indicadores1.1. saúde indicadores
1.1. saúde indicadores
 

Último

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 

Último (20)

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 

Indicadores do estado de saude de uma população

  • 1. 1. Saúde Individual e Comunitária 1.1. Indicadores do estado de saúde de uma população
  • 2. Saúde • Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doenças ou enfermidades. • Atualmente o conceito de saúde está relacionado com os conceitos de qualidade de vida, fatores de risco e esperança de vida.
  • 3. Qualidade de vida • O conceito qualidade de vida encontra-se directamente relacionado com cada indivíduo, dependendo do seu carácter, sexo, idade, profissão, padrões culturais e religiosos.
  • 4.
  • 5. Fatores de risco • Fatores de risco são comportamentos ou situações que podem comprometer a saúde de um indivíduo.
  • 6. Indicadores do estado de saúde de uma população • Taxa de mortalidade infantil; • Esperança de vida à nascença; • Taxa de doenças infecciosas; • Percentagem de doenças cardiovasculares; • Percentagem de obesos; • Percentagem de diabéticos tipo 2 • Percentagem de gravidez na adolescência; • Percentagem de grávidas vigiadas.
  • 7.
  • 8. Taxa de mortalidade infantil • A taxa de mortalidade infantil (TMI) é a relação existente entre o número de mortes ocorridas no primeiro ano de vida de um ser humano e o número de nascimentos, no mesmo intervalo de tempo. • A taxa de mortalidade infantil diminui com o desenvolvimento das populações.
  • 9. Taxa de mortalidade infantil • É o número de crianças que morrem no primeiro ano de vida, por cada mil que nascem vivas (nados - vivos) • Diminui com o desenvolvimento das populações
  • 10.
  • 11. Taxa de mortalidade infantil A diminuição da TMI em Portugal deve-se a uma melhoria das condições de vida a nível de: • Assistência médica materno-infantil; • Melhoria das condições de higiene e habitação; • Melhoria na alimentação; • Informação aos pais; • Evolução da medicina e da tecnologia; • Novos medicamentos.
  • 12. Esperança de vida • A esperança de vida à nascença é o número de anos que um ser humano tem probabilidade de viver, no momento do nascimento. • A esperança de vida à nascença aumenta com o grau de desenvolvimento das populações.
  • 13.
  • 14. Esperança de vida • A esperança de vida é o número de anos que um ser humano tem probabilidade de viver a partir do momento que nasce. • É maior nos países desenvolvidos e nas mulheres do que nos homens.
  • 15. Taxa de doenças infecciosas • A taxa de doenças infecciosas calcula-se relacionando o número de ocorrências de doenças infecciosas, com o efectivo da população em estudo, no decurso de um ano. • Neste indicador, consideram-se dois grupos de doenças: Doenças que se podem prevenir através da vacinação Doenças para as quais não existem vacinas • Designam-se por infecciosas as doenças de causa microbiana, transmissíveis através de qualquer forma de contágio. Na sua prevenção, são fundamentais as vacinas(quando existem) e a higiene.
  • 16. Taxa de doenças infecciosas • É o numero de indivíduos com doenças infecciosas numa população, no decurso de um ano. • Doenças infecciosas – são doenças de causa microbiana (provocadas por vírus, bactérias e outros agentes infecciosos), transmissíveis por qualquer forma de contágio. • Prevenção de doenças infecciosas – vacinação (quando existente), higiene, alimentação saudável,…
  • 17. Percentagem de doenças cardiovasculares • A percentagem de doenças cardiovasculares calcula-se relacionando o número de ocorrências de doenças cardiovasculares com o efectivo da população em estudo. As doenças cardiovasculares afectam o coração e/ou os vasos sanguíneos e são a primeira causa de morte nos países desenvolvidos. • O consumo de gorduras e bebidas alcoólicas, a hipertensão arterial, o tabagismo, o stress físico e emocional, a obesidade e a diabetes são fatores de risco destas doenças.
  • 18. Percentagem de doenças cardiovasculares • Doenças cardiovasculares: são doenças que afetam o coração e os vasos sanguíneos. Constituem a 1ª causa de morte em Portugal e nos países desenvolvidos, por exemplo, o enfarte miocárdio, AVC, aterosclerose, trombose,…
  • 19. Fatores de risco de doenças cardiovasculares: • Obesidade; • Abuso de bebidas alcoólicas; • Diabetes; • Hipertensão; • Vida sedentária; • Falta de exercício físico; • Colesterol elevado; • Tabagismo; • Stress; • Abuso de consumo de gorduras saturadas; • Consumo de sal.
  • 20. Percentagem de obesos • A obesidade, isto é, o excesso de peso, é uma doença característica dos países desenvolvidos. • A percentagem de obesos acompanha o desenvolvimento económico dos países. Mas, dentro dos países desenvolvidos, a obesidade é um indicador de pobreza, o que se explica pelo facto de os alimentos pobres em vitaminas, sais minerais e fibras, mais ricos em sal gorduras e açúcar serem baratos e, portanto, de fácil acesso.
  • 21. Percentagem de obesos • Causas da obesidade – excessos alimentares, vida sedentária, falta de exercício físico, alterações hormonais, fatores genéticos, medicação,… • Factos: ▫ EUA – 70% da população é obesa ▫ Portugal tem 1 milhão de obesos ▫ 30% das crianças portuguesas são obesas ▫ Índice de massa corporal (IMC) = peso/altura2
  • 22.
  • 23. Percentagem de diabéticos tipo 2 • Insulina – substância hormonal produzida pelo pâncreas Diabetes – é uma doença crónica caracterizada pelo aumento que regula os níveis de açúcar no sangue. devido a uma dos níveis de açúcar (glicose) no sangue insuficiência de produção de insulina pelo pâncreas. Glicemia – é o nível de açúcar no sangue. Diabetes tipo 1 – existe dependência de insulina. Diabetes tipo 2 – o organismo produz insulina em quantidade insuficiente ou que não é eficaz.
  • 24. Percentagem de grávidas adolescentes e grávidas vigiadas • A percentagem de gravidezes na adolescência (isto é, entre os 10 e os 19 anos) e de grávidas vigiadas são indicadores que apenas têm expressão nos países europeus, EUA e Canadá, já que, nos restantes povos do Mundo a gravidez, por nós considerada precoce, é um acontecimento habitual, sendo a vigilância das mulheres grávidas de um privilégio de alguns estratos mais favorecidos da população. • Nos países desenvolvidos, a percentagem de gravidezes na adolescência e de grávidas não vigiadas aumenta em função da pobreza e da falta de informação.
  • 25. Percentagem de grávidas adolescentes • Portugal é o segundo país da Europa com maior número de mães adolescentes (logo a seguir ao Reino Unido). • Em 2007 registaram-se 7000 mães adolescentes • Nos países desenvolvidos a percentagem de gravidez na adolescência aumenta coma pobreza e a falta de informação. • Existem métodos de prevenção: ▫ Informação ▫ Consultas de planeamento familiar ▫ Diálogo com os pais.
  • 26. Causas de morte em Portugal • 1ª - Doenças cardiovasculares (40%) – 40000 mortes por ano – AVC (36%) • 2ª - Cancro (20-25%)
  • 27. Fatores de risco do cancro • Envelhecimento • Tabaco • Luz solar • Radiação ionizante • Determinados químicos e outras substancias • Alguns vírus e bactérias • Determinadas hormonas • Álcool • Dieta pobre • Falta de actividade física • Excesso de peso
  • 28.
  • 29. Fatores que influenciam a saúde individual e comunitária • Assistência médica • Vacinação • Rastreios • Combate ao stress • Ordenamento do território • etc.
  • 30. Vacinação • Vacinas – são substâncias preparadas a partir de microrganismos patogénicos (tornados inofensivos em laboratório) que desencadeiam imunidade quando introduzidas no organismo. • Imunidade – é o conjunto de processos que permitem ao organismo reconhecer certos agentes, estranhos ou arnomais, neutralizá-los e destruí-los.
  • 31. Programa nacional de vacinação (PNV) • Implementado desde 1965; • Principal medida de prevenção do Plano Nacional de Saúde; • É universal e gratuito • Tem como principal objetivo obter a melhor proteção na idade mais adequada e o mais precocemente possíveis.
  • 32. O PNV abrange 12 doenças: • Tuberculose • Tosse convulsa • Diftenia • Tétano • Sarampo • Paratidite (papeira) • Rubéde • Hepatite B • Menigite C • Haemophilas influnzae B (bactéria) • Papiloma humano (cancro do colo do útero) • Poliomiclita (paralisia infantil)
  • 33. Rastreios • São estudos de saúde normalmente gratuitos, de carácter voluntários, promovidos por instituições de saúde, que incidem sobre determinado grupo de uma população e têm como objetivo a prevenção ou o diagnóstico precoce de doenças.
  • 34. STRESSE • Fatores de risco: ▫ Execução repetitiva de tarefa/excesso de trabalho ▫ Falta de horas de sono e repouso ▫ Faltas de exercício físico ▫ Falta de férias ▫ Ver televisão ou jogar computador ou consolas por longos tempos ▫ Alimentação desequilibrada
  • 35. Ordenamento do território • Os fatores a considerar são inúmeros: ▫ Distribuição de água potável ▫ Saneamento básico ▫ Recolha de lixo ▫ Indústrias ▫ Habitação ▫ Vias de acesso ▫ Zonas de lazer ▫ outros