SlideShare uma empresa Scribd logo
Importância da Regulamentação de Profissões   Dra. Amiracy Carvalho Advogada
“ Educação é o passaporte para a cidadania ” Amiracy
A dignidade da pessoa humana veicula, entre  outros, o valor de que todo ser humano é uma pessoa, dotado de personalidade, com direitos e deveres, membro da sociedade em que vive e merecedor de uma existência humana, e não sub-humana .
Perfil do  P rofissional de Secretariado tomar decisões; solucionar conflitos; trabalhar em equipe; separar fatos de opiniões, pensamentos de sentimentos e aplicá-los, levando em conta as conseqüências das ações escolhidas; desenvolver habilidades de comunicação, como saber ouvir e perguntar, expressar-se de forma oral e escrita corretamente.
Regularização da Profissão Lei 7.377 em 30/09/85 e ratificada pela Lei 9261(*), de 10/01/96
PROFISSÃO e não FUNÇÃO Exercício somente com a obtenção do registro  profissional que é adquirido com a conclusão de curso Técnico em Secretariado ou Curso de Graduação de Secretariado Executivo .
Novo Perfil do Profissional do Secretariado habilidades de tomada de decisões; proatividade; flexibilidade às mudanças; capacidade de gerenciamento; entendimento do negócio, bem como as estratégias da empresa
Importância Moral da Regularização O profissional adquiriu consciência da sua capacidade de progredir profissionalmente, não se conformando com os limites da profissão, bem como na quebra de paradigma de que Secretários são para servir.
Artigos da Lei Art. 1º. O exercício da profissão de secretário é regulado pela presente Lei. Art. 2º. Para os efeitos desta Lei, é considerado: I - Secretário Executivo a) o profissional diplomado no Brasil por curso superior de Secretariado, reconhecido na forma da Lei, ou diplomado no exterior por curso de Secretariado, cujo diploma seja revalidado no Brasil, na forma da Lei. b) portador de qualquer diploma de nível superior que, na data de início da vigência desta Lei, houver comprovado, através de declarações de empregadores, o exercício efetivo, durante pelo menos trinta e seis meses, das atribuições mencionadas no Art. 4º. desta Lei (Red. Lei 9261 D.O.U. 11/01/96).
II - Técnico em Secretariado a) o profissional portador de certificado de conclusão de curso de Secretariado em nível de 2º grau. b) portador de certificado de conclusão do 2º grau que, na data de início da vigência desta Lei, houver comprovado, através de declarações de empregadores, o exercício efetivo, durante pelo menos trinta e seis meses, das atribuições mencionadas no Art. 5º desta Lei (Red. Lei 9261 D.O.U 11/01/96). Art. 3º. É assegurado o direito ao exercício da profissão aos que, embora não habilitados nos termos do artigo anterior, contém pelo menos cinco anos ininterruptos ou dez anos intercalados de exercício de atividades próprias de secretária, na data de vigência desta Lei (Red. Lei 9261 D.O.U. 11/01/96).
Art. 4º. São atribuições do Secretário Executivo: I - planejamento, organização e direção de serviços de secretaria; II - assistência e assessoramento direto a executivos; III - coleta de informações para consecução de objetivos e metas de empresas; IV - redação de textos profissionais especializados, inclusive em idioma estrangeiro; V - interpretação e sintetização de textos e documentos;
VI - taquigrafia de ditados, discursos, conferências, palestras de explanações, inclusive em idioma estrangeiro; VII - versão e tradução em idioma estrangeiro, para atender às necessidades de comunicação da empresa; VIII - registro e distribuição de expediente e outras tarefas correlatas; IX - orientação da avaliação e seleção da correspondência para fins de encaminhamento a chefia; X - conhecimentos protocolares.
Art. 5º. São atribuições do Técnico em Secretariado: I - organização e manutenção dos arquivos da secretaria; II - classificação, registro e distribuição de correspondência; III - redação e datilografia de correspondência e documentos de rotina, inclusive em idioma estrangeiro; IV - execução de serviços típicos de escritório, tais como recepção, registro de compromissos, informações e atendimento telefônico.
Art. 6º. O exercício da profissão de Secretário requer prévio registro na Delegacia Regional do Trabalho do Ministério do Trabalho e far-se-á mediante a apresentação de documento comprobatório de conclusão dos cursos previstos nos incisos I e II do Art.2º. desta Lei e da Carteira de Trabalho e Previdência Social - CTPS. * legalização Parágrafo Único - No caso dos profissionais incluídos no Art.3º., a prova da atuação será feita por meio de anotações na Carteira de Trabalho e Previdência Social e através de declarações das empresas nas quais os profissionais tenham desenvolvido suas respectivas atividades, discriminando as atribuições a serem confrontadas com os elencos especificados nos Arts. 4º. e 5º. (Red. Lei 9261 D.O.U. 11/01/96).
Art. 7º. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. * não há o “vacatio legis” ou seja, lapso temporal para que a lei seja de conhecimento de toda a sociedade.  Art. 8º. Revogam-se as disposições em contrário.
SECRETARIADO é profissão, reconhecida por Lei Federal. Isso tem a ver com valores morais.
No que diz respeito à cidadania, ela está intimamente relacionada com a questão da ética. Só se pode falar de "espaço possibilitador da presença da diversidade humana" se o sujeito é reconhecido como tal.
ÉTICA O que é ser ético? O que é ética? Como ser ético no âmbito profissional?
A primeira conotação de Ética parece ficar distante do cotidiano e ser mais um assunto complexo, cujo mérito só filósofos e especialistas podem discutir. Ignorando a situação, agimos como não partícipes do processo e sentimo-nos no direito de ficar imunes a qualquer tipo de responsabilidade.
Ser ético é sempre pensar no bem comum. É sair do discurso e incorporar no cotidiano atitudes pautadas nesse princípio, que vale tanto para a forma como agimos em casa, no nosso condomínio, no trânsito, na fila do banco, na escola dos filhos, na empresa, como na sociedade.
Ética nas relações de trabalho prevê uma relação saudável entre capital e trabalho. Envolve um compartilhar coletivo pelo sucesso e pelos erros. Pressupõe um participar holístico e uma realização pessoal e profissional. A modernidade que queremos para o país e para as relações de trabalho só será consistente se for embasada em princípios Éticos.
E como fica a existência de um Código de Ética se as promessas de cumprimento deste Código não representarem necessariamente uma tomada de consciência, quer seja profissional, grupal ou mesmo empresarial?
E no caso dos profissionais de secretariado ?
Competência, comportamento ético, boa interrelação pessoal, aliadas a uma incrível competência para realizar suas atividades, sem perder o humor, e gerenciar com sucesso imprevistos que lhe surgirem, são características requeridas ao profissional de Secretário Executivo, e indispensáveis ao sucesso de qualquer líder e/ou empresa.
São muitas as questões que irão exigir do profissional Secretário(a) Executivo(a), a distinção entre o bem e o mal. O sujeito moral ao se perguntar como deve agir em determinada situação, certamente se aproxima de questões teóricas e abstratas tais como: em que consiste o bem? Qual o fundamento da ação moral?
Moral e ética Ética é princípio; Moral é aspecto de conduta específica; Ética é permanente, moral é temporal; Ética é universal, moral é cultural; Ética é regra, moral é conduta da regra; Ética é teoria, moral é prática.
Ética, Ciência da Moral? A moral, enquanto norma de conduta, refere-se às situações particulares e quotidianas, não chegando à superação desse nível. A Ética, destituída do papel normatizador, ao menos no que diz respeito aos atos isolados, torna-se examinadora da moral.  Podemos dizer que a moral normatiza e direciona a prática das pessoas, e a ética teoriza sobre as condutas, estudando as concepções que dão suporte à moral. São, pois, dois caminhos diferentes que resultam em status também diferentes; o primeiro, de objeto, e o segundo, de ciência.
Comportamento Ético do Profissional do Secretariado Edifica-se através da conjunção de uma série de fatores, iniciando pelo conhecimento profundo dos regulamentos da empresa, sob sua responsabilidade.  A consciência do ambiente organizacional, suas normas, seu modelo de comunicação e tramitação dos assuntos são aspectos que exigirão especial atenção na atuação responsáveldesse profissional.
O conhecimento e as virtudes, como a lealdade, a responsabilidade e a integridade, têm que caminhar juntas, interligadas, como se fossem uma só. Assim sendo, do(a) Secretário(a) Executivo(a) se espera sólidos princípios éticos, pois está exposto, a todo o momento, a situações que o leve a cometer deslizes éticos, em função de eventuais pressões internas e externas, inerentes ao seu mundo de trabalho.
Teste Ético É legal?  Estarei violando a lei civil ou a política da companhia? É imparcial?  É justa com todos os interessados, tanto a curto como em longo prazo?  Promove relacionamentos em que todos saiam ganhando? Vou me sentir bem comigo mesmo? Posso me orgulhar de minha decisão? Eu me sentiria bem se ela fosse publicada nos jornais? Como me sentiria se minha família soubesse?
Código de Ética Surge para orientar os profissionais a agir dentro da ética; contém um conjunto de deveres e regras a que chamamos de Ética Profissional .
Código de Ética dos Profissionais do Secretariado Art.1º. - Considera-se Secretário ou Secretária, com direito ao exercício da profissão, a pessoa legalmente credenciada nos termos da lei em vigor. Art.2º. - O presente Código de Ética Profissional tem por objetivo fixar normas de procedimentos dos Profissionais quando no exercício de sua profissão, regulando-lhes as relações com a própria categoria, com os poderes públicos e com a sociedade. Art.3º. - Cabe ao profissional zelar pelo prestígio e responsabilidade de sua profissão, tratando-a sempre como um dos bens mais nobres, contribuindo, através do exemplo de seus atos, para elevar a categoria, obedecendo aos preceitos morais e legais.
Art.4º. - Constituem-se direitos dos Secretários e Secretárias:  a) garantir e defender as atribuições estabelecidas na Lei de Regulamentação; b) participar de entidades representativas da categoria;  c) participar de atividades públicas ou não, que visem defender os direitos da categoria;  d) defender a integridade moral e social da profissão, denunciando às entidades da categoria qualquer tipo de alusão desmoralizadora;  e) receber remuneração equiparada à dos profissionais de seu nível de escolaridade;  f) ter acesso a cursos de treinamento e a outros eventos cuja finalidade seja o aprimoramento profissional;  g) jornada de trabalho compatível com a legislação trabalhista em vigor.
Art.5º. - Constituem-se deveres fundamentais das Secretárias e Secretários:  a) considerar a profissão como um fim para a realização profissional;  b) direcionar seu comportamento profissional, sempre a bem da verdade, da moral e da ética;  c) respeitar sua profissão e exercer suas atividades, sempre procurando aperfeiçoamento;  d) operacionalizar e canalizar adequadamente o processo de comunicação com o público;  e) ser positivo em seus pronunciamentos e tomadas de decisões, sabendo colocar e expressar suas atividades;
f) procurar informar-se de todos os assuntos a respeito de sua profissão e dos avanços tecnológicos, que poderão facilitar o desempenho de suas atividades; g) lutar pelo progresso da profissão;  h) combater o exercício ilegal da profissão;  i) colaborar com as instituições que ministram cursos específicos, oferecendo-lhes subsídios e orientações.
Art.6º. - A Secretária e o Secretário, no exercício de sua profissão, deve guardar absoluto sigilo sobre assuntos e documentos que lhe são confiados. Art.7º. - É vedado ao Profissional assinar documentos que possam resultar no comprometimento da dignidade profissional da categoria.
Art.8º. - Compete às Secretárias e Secretários:  a) manter entre si a solidariedade e o intercâmbio, como forma de fortalecimento da categoria;  b) estabelecer e manter um clima profissional cortês, no ambiente de trabalho, não alimentando discórdia e desentendimento profissionais;  c) respeitar a capacidade e as limitações individuais, sem preconceito de cor, religião, cunho político ou posição social;  d) estabelecer um clima de respeito à hierarquia com liderança e competência.
Art.9º. - É vedado aos profissionais:  a) usar de amizades, posição e influências obtidas no exercício de sua função, para conseguir qualquer tipo de favoritismo pessoal ou facilidades, em detrimento de outros profissionais;  b) prejudicar deliberadamente a reputação profissional de outro secretário;  c) ser, em função de seu espírito de solidariedade, conivente com erro, contravenção penal ou infração a este Código de Ética.
Art.10º. - Compete ao Profissional, no pleno exercício de suas atividades:  a) identificar-se com a filosofia empresarial, sendo um agente facilitador e colaborador na implantação de mudanças administrativas e políticas;  b) agir como elemento facilitador das relações interpessoais na sua área de atuação;  c) atuar como figura-chave no fluxo de informações desenvolvendo e mantendo de forma dinâmica e contínua os sistemas de comunicação.
Art.11º. - É vedado aos Profissionais:  a) utilizar-se da proximidade com o superior imediato para obter favores pessoais ou estabelecer uma rotina de trabalho diferenciada em relação aos demais;  b) prejudicar deliberadamente outros profissionais, no ambiente de trabalho.
Art.12º. - A Secretária e o Secretário devem participar ativamente de suas entidades representativas, colaborando e apoiando os movimentos que tenham por finalidade defender os direitos profissionais. Art.13º. - Acatar as resoluções aprovadas pelas entidades de classe. Art.14º. - Quando no desempenho de qualquer cargo diretivo, em entidades da categoria, não se utilizar dessa posição em proveito próprio.
Art.15º. - Participar dos movimentos sociais e/ou estudos que se relacionem com o seu campo de atividade profissional. Art.16º. - As Secretárias e Secretários deverão cumprir suas obrigações, tais como mensalidades e taxas, legalmente estabelecidas, junto às entidades de classes a que pertencem.
Art.17º. - Cumprir e fazer cumprir este Código é dever de todo Secretário. Art.18º. - Cabe aos Secretários docentes informar, esclarecer e orientar os estudantes, quanto aos princípios e normas contidas neste Código. Art.19º. - As infrações deste Código de Ética Profissional acarretarão penalidades, desde a advertência à cassação do Registro Profissional na forma dos dispositivos legais e/ou regimentais, através da Federação Nacional das Secretárias e Secretários.
Art.20º. - Constituem infrações:  a) transgredir preceitos deste Código;  b) exercer a profissão sem que esteja devidamente habilitado nos termos da legislação específica;  c) utilizar o nome da Categoria Profissional das Secretárias e/ou Secretários para quaisquer fins, sem o endosso dos Sindicatos de Classe, em nível Estadual e da Federação Nacional nas localidades inorganizadas em Sindicatos e/ou em nível Nacional.
Valores que Caracterizam o Comportamento Ético Respeito ao funcionário e ao consumidor Destino social do lucro Visão de futuro Diálogo e negociação Diálogo e negociação Transparência de ações Atuação a nível político Administração participativa Busca do bem comum Empresa Empresário

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica MarcoFicha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
mega
 
ética e deontologia profissional (apresentação)
ética e deontologia profissional  (apresentação)ética e deontologia profissional  (apresentação)
ética e deontologia profissional (apresentação)
Sérgio Rocha
 
57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade
57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade
57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade
UNIPE
 
Etica Profissional E Codigo Deontologico
Etica Profissional E Codigo DeontologicoEtica Profissional E Codigo Deontologico
Etica Profissional E Codigo Deontologico
tozefialho
 
O abc-do-bom-profissional
O abc-do-bom-profissionalO abc-do-bom-profissional
O abc-do-bom-profissional
Ramiro Cabanda
 
ética e deontologia- Curso TAG
ética e deontologia- Curso TAGética e deontologia- Curso TAG
ética e deontologia- Curso TAG
Maria Raimundo
 
Reflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFEReflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFE
mega
 
Dr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CPDr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CP
mega
 
Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das Proibições
Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das ProibiçõesCódigo de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das Proibições
Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das Proibições
Marynara Barros
 
Filosofia e ética empresarial
Filosofia e ética empresarialFilosofia e ética empresarial
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas ProfissionaisTrabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
Quirino Vieira
 
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza ÉticaReflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
mega
 
Princípios para uma deontologia profissional
Princípios para uma deontologia profissionalPrincípios para uma deontologia profissional
Princípios para uma deontologia profissional
Paulo Rui
 
Deontologia
DeontologiaDeontologia
Deontologia
efacabreiross4
 
Código de Ética do Administrador
Código de Ética do AdministradorCódigo de Ética do Administrador
Código de Ética do Administrador
Vanderlei Moraes
 
Curso assistente administrativo 3 modulo
Curso assistente administrativo 3 moduloCurso assistente administrativo 3 modulo
Curso assistente administrativo 3 modulo
Luiz Sérgio Fontes Avelar
 
Etica deontologia manual formacao
Etica deontologia manual formacaoEtica deontologia manual formacao
Etica deontologia manual formacao
vicassiodsv
 
12 etica individ.-institu.-prof.rodrigo-ovídio
12 etica individ.-institu.-prof.rodrigo-ovídio12 etica individ.-institu.-prof.rodrigo-ovídio
12 etica individ.-institu.-prof.rodrigo-ovídio
OvidioMauricio
 

Mais procurados (18)

Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica MarcoFicha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
 
ética e deontologia profissional (apresentação)
ética e deontologia profissional  (apresentação)ética e deontologia profissional  (apresentação)
ética e deontologia profissional (apresentação)
 
57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade
57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade
57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade
 
Etica Profissional E Codigo Deontologico
Etica Profissional E Codigo DeontologicoEtica Profissional E Codigo Deontologico
Etica Profissional E Codigo Deontologico
 
O abc-do-bom-profissional
O abc-do-bom-profissionalO abc-do-bom-profissional
O abc-do-bom-profissional
 
ética e deontologia- Curso TAG
ética e deontologia- Curso TAGética e deontologia- Curso TAG
ética e deontologia- Curso TAG
 
Reflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFEReflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFE
 
Dr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CPDr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CP
 
Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das Proibições
Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das ProibiçõesCódigo de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das Proibições
Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das Proibições
 
Filosofia e ética empresarial
Filosofia e ética empresarialFilosofia e ética empresarial
Filosofia e ética empresarial
 
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas ProfissionaisTrabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
 
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza ÉticaReflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
 
Princípios para uma deontologia profissional
Princípios para uma deontologia profissionalPrincípios para uma deontologia profissional
Princípios para uma deontologia profissional
 
Deontologia
DeontologiaDeontologia
Deontologia
 
Código de Ética do Administrador
Código de Ética do AdministradorCódigo de Ética do Administrador
Código de Ética do Administrador
 
Curso assistente administrativo 3 modulo
Curso assistente administrativo 3 moduloCurso assistente administrativo 3 modulo
Curso assistente administrativo 3 modulo
 
Etica deontologia manual formacao
Etica deontologia manual formacaoEtica deontologia manual formacao
Etica deontologia manual formacao
 
12 etica individ.-institu.-prof.rodrigo-ovídio
12 etica individ.-institu.-prof.rodrigo-ovídio12 etica individ.-institu.-prof.rodrigo-ovídio
12 etica individ.-institu.-prof.rodrigo-ovídio
 

Semelhante a ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs

Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de condutaCp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
SILVIA G. FERNANDES
 
Trabalho ética
Trabalho éticaTrabalho ética
Trabalho ética
thaiscristinabrandao
 
Trabalho de etica e deontologia profissional
Trabalho de etica e deontologia profissionalTrabalho de etica e deontologia profissional
Trabalho de etica e deontologia profissional
Osvaldo Gimo
 
A conduta +ëtica do contador
A conduta +ëtica do contadorA conduta +ëtica do contador
A conduta +ëtica do contador
Andria Duarte
 
Filosofia do direito ética e moral - filosofia - âmbito jurídico
Filosofia do direito   ética e moral - filosofia - âmbito jurídicoFilosofia do direito   ética e moral - filosofia - âmbito jurídico
Filosofia do direito ética e moral - filosofia - âmbito jurídico
DARLANA GODOI
 
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de JesusEtica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Práticas Administrativas
Práticas AdministrativasPráticas Administrativas
Práticas Administrativas
Wandick Rocha de Aquino
 
Trabalho sobre Ética
Trabalho sobre  ÉticaTrabalho sobre  Ética
Trabalho sobre Ética
Mattxaviier
 
2 DEONTOLOGIA.pptx
2 DEONTOLOGIA.pptx2 DEONTOLOGIA.pptx
2 DEONTOLOGIA.pptx
AugustoFukanaga
 
Escriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - Ética
Escriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - ÉticaEscriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - Ética
Escriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - Ética
Jailma Gomez
 
Slaid rotinas administrativas
Slaid rotinas administrativasSlaid rotinas administrativas
Slaid rotinas administrativas
marcelo borges
 
éTica e profissão
éTica e profissãoéTica e profissão
éTica e profissão
StafConsultoria
 
A ética na profissão contábil trabalho do téo
A ética na profissão contábil trabalho do téoA ética na profissão contábil trabalho do téo
A ética na profissão contábil trabalho do téo
Weidila Siqueira de Miranda
 
éTica
éTicaéTica
Secretariado - Aula 7
Secretariado - Aula 7Secretariado - Aula 7
Secretariado - Aula 7
Professor Cristiano Barreto
 
A psicologia rx
A psicologia rxA psicologia rx
A psicologia rx
Jessica Franciele
 
A psicologia rx
A psicologia rxA psicologia rx
A psicologia rx
Jessica Franciele
 
Codigo etica
Codigo eticaCodigo etica
Codigo etica
psi-fca
 
Codigo etica
Codigo eticaCodigo etica
Codigo etica
José Cavalcante
 
cnce-palestra-para-estudantes-2015.ppt
cnce-palestra-para-estudantes-2015.pptcnce-palestra-para-estudantes-2015.ppt
cnce-palestra-para-estudantes-2015.ppt
Universidade Federal do Ceará
 

Semelhante a ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs (20)

Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de condutaCp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
 
Trabalho ética
Trabalho éticaTrabalho ética
Trabalho ética
 
Trabalho de etica e deontologia profissional
Trabalho de etica e deontologia profissionalTrabalho de etica e deontologia profissional
Trabalho de etica e deontologia profissional
 
A conduta +ëtica do contador
A conduta +ëtica do contadorA conduta +ëtica do contador
A conduta +ëtica do contador
 
Filosofia do direito ética e moral - filosofia - âmbito jurídico
Filosofia do direito   ética e moral - filosofia - âmbito jurídicoFilosofia do direito   ética e moral - filosofia - âmbito jurídico
Filosofia do direito ética e moral - filosofia - âmbito jurídico
 
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de JesusEtica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
 
Práticas Administrativas
Práticas AdministrativasPráticas Administrativas
Práticas Administrativas
 
Trabalho sobre Ética
Trabalho sobre  ÉticaTrabalho sobre  Ética
Trabalho sobre Ética
 
2 DEONTOLOGIA.pptx
2 DEONTOLOGIA.pptx2 DEONTOLOGIA.pptx
2 DEONTOLOGIA.pptx
 
Escriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - Ética
Escriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - ÉticaEscriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - Ética
Escriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - Ética
 
Slaid rotinas administrativas
Slaid rotinas administrativasSlaid rotinas administrativas
Slaid rotinas administrativas
 
éTica e profissão
éTica e profissãoéTica e profissão
éTica e profissão
 
A ética na profissão contábil trabalho do téo
A ética na profissão contábil trabalho do téoA ética na profissão contábil trabalho do téo
A ética na profissão contábil trabalho do téo
 
éTica
éTicaéTica
éTica
 
Secretariado - Aula 7
Secretariado - Aula 7Secretariado - Aula 7
Secretariado - Aula 7
 
A psicologia rx
A psicologia rxA psicologia rx
A psicologia rx
 
A psicologia rx
A psicologia rxA psicologia rx
A psicologia rx
 
Codigo etica
Codigo eticaCodigo etica
Codigo etica
 
Codigo etica
Codigo eticaCodigo etica
Codigo etica
 
cnce-palestra-para-estudantes-2015.ppt
cnce-palestra-para-estudantes-2015.pptcnce-palestra-para-estudantes-2015.ppt
cnce-palestra-para-estudantes-2015.ppt
 

ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs

  • 1. Importância da Regulamentação de Profissões Dra. Amiracy Carvalho Advogada
  • 2. “ Educação é o passaporte para a cidadania ” Amiracy
  • 3. A dignidade da pessoa humana veicula, entre outros, o valor de que todo ser humano é uma pessoa, dotado de personalidade, com direitos e deveres, membro da sociedade em que vive e merecedor de uma existência humana, e não sub-humana .
  • 4. Perfil do P rofissional de Secretariado tomar decisões; solucionar conflitos; trabalhar em equipe; separar fatos de opiniões, pensamentos de sentimentos e aplicá-los, levando em conta as conseqüências das ações escolhidas; desenvolver habilidades de comunicação, como saber ouvir e perguntar, expressar-se de forma oral e escrita corretamente.
  • 5. Regularização da Profissão Lei 7.377 em 30/09/85 e ratificada pela Lei 9261(*), de 10/01/96
  • 6. PROFISSÃO e não FUNÇÃO Exercício somente com a obtenção do registro profissional que é adquirido com a conclusão de curso Técnico em Secretariado ou Curso de Graduação de Secretariado Executivo .
  • 7. Novo Perfil do Profissional do Secretariado habilidades de tomada de decisões; proatividade; flexibilidade às mudanças; capacidade de gerenciamento; entendimento do negócio, bem como as estratégias da empresa
  • 8. Importância Moral da Regularização O profissional adquiriu consciência da sua capacidade de progredir profissionalmente, não se conformando com os limites da profissão, bem como na quebra de paradigma de que Secretários são para servir.
  • 9. Artigos da Lei Art. 1º. O exercício da profissão de secretário é regulado pela presente Lei. Art. 2º. Para os efeitos desta Lei, é considerado: I - Secretário Executivo a) o profissional diplomado no Brasil por curso superior de Secretariado, reconhecido na forma da Lei, ou diplomado no exterior por curso de Secretariado, cujo diploma seja revalidado no Brasil, na forma da Lei. b) portador de qualquer diploma de nível superior que, na data de início da vigência desta Lei, houver comprovado, através de declarações de empregadores, o exercício efetivo, durante pelo menos trinta e seis meses, das atribuições mencionadas no Art. 4º. desta Lei (Red. Lei 9261 D.O.U. 11/01/96).
  • 10. II - Técnico em Secretariado a) o profissional portador de certificado de conclusão de curso de Secretariado em nível de 2º grau. b) portador de certificado de conclusão do 2º grau que, na data de início da vigência desta Lei, houver comprovado, através de declarações de empregadores, o exercício efetivo, durante pelo menos trinta e seis meses, das atribuições mencionadas no Art. 5º desta Lei (Red. Lei 9261 D.O.U 11/01/96). Art. 3º. É assegurado o direito ao exercício da profissão aos que, embora não habilitados nos termos do artigo anterior, contém pelo menos cinco anos ininterruptos ou dez anos intercalados de exercício de atividades próprias de secretária, na data de vigência desta Lei (Red. Lei 9261 D.O.U. 11/01/96).
  • 11. Art. 4º. São atribuições do Secretário Executivo: I - planejamento, organização e direção de serviços de secretaria; II - assistência e assessoramento direto a executivos; III - coleta de informações para consecução de objetivos e metas de empresas; IV - redação de textos profissionais especializados, inclusive em idioma estrangeiro; V - interpretação e sintetização de textos e documentos;
  • 12. VI - taquigrafia de ditados, discursos, conferências, palestras de explanações, inclusive em idioma estrangeiro; VII - versão e tradução em idioma estrangeiro, para atender às necessidades de comunicação da empresa; VIII - registro e distribuição de expediente e outras tarefas correlatas; IX - orientação da avaliação e seleção da correspondência para fins de encaminhamento a chefia; X - conhecimentos protocolares.
  • 13. Art. 5º. São atribuições do Técnico em Secretariado: I - organização e manutenção dos arquivos da secretaria; II - classificação, registro e distribuição de correspondência; III - redação e datilografia de correspondência e documentos de rotina, inclusive em idioma estrangeiro; IV - execução de serviços típicos de escritório, tais como recepção, registro de compromissos, informações e atendimento telefônico.
  • 14. Art. 6º. O exercício da profissão de Secretário requer prévio registro na Delegacia Regional do Trabalho do Ministério do Trabalho e far-se-á mediante a apresentação de documento comprobatório de conclusão dos cursos previstos nos incisos I e II do Art.2º. desta Lei e da Carteira de Trabalho e Previdência Social - CTPS. * legalização Parágrafo Único - No caso dos profissionais incluídos no Art.3º., a prova da atuação será feita por meio de anotações na Carteira de Trabalho e Previdência Social e através de declarações das empresas nas quais os profissionais tenham desenvolvido suas respectivas atividades, discriminando as atribuições a serem confrontadas com os elencos especificados nos Arts. 4º. e 5º. (Red. Lei 9261 D.O.U. 11/01/96).
  • 15. Art. 7º. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. * não há o “vacatio legis” ou seja, lapso temporal para que a lei seja de conhecimento de toda a sociedade. Art. 8º. Revogam-se as disposições em contrário.
  • 16. SECRETARIADO é profissão, reconhecida por Lei Federal. Isso tem a ver com valores morais.
  • 17. No que diz respeito à cidadania, ela está intimamente relacionada com a questão da ética. Só se pode falar de "espaço possibilitador da presença da diversidade humana" se o sujeito é reconhecido como tal.
  • 18. ÉTICA O que é ser ético? O que é ética? Como ser ético no âmbito profissional?
  • 19. A primeira conotação de Ética parece ficar distante do cotidiano e ser mais um assunto complexo, cujo mérito só filósofos e especialistas podem discutir. Ignorando a situação, agimos como não partícipes do processo e sentimo-nos no direito de ficar imunes a qualquer tipo de responsabilidade.
  • 20. Ser ético é sempre pensar no bem comum. É sair do discurso e incorporar no cotidiano atitudes pautadas nesse princípio, que vale tanto para a forma como agimos em casa, no nosso condomínio, no trânsito, na fila do banco, na escola dos filhos, na empresa, como na sociedade.
  • 21. Ética nas relações de trabalho prevê uma relação saudável entre capital e trabalho. Envolve um compartilhar coletivo pelo sucesso e pelos erros. Pressupõe um participar holístico e uma realização pessoal e profissional. A modernidade que queremos para o país e para as relações de trabalho só será consistente se for embasada em princípios Éticos.
  • 22. E como fica a existência de um Código de Ética se as promessas de cumprimento deste Código não representarem necessariamente uma tomada de consciência, quer seja profissional, grupal ou mesmo empresarial?
  • 23. E no caso dos profissionais de secretariado ?
  • 24. Competência, comportamento ético, boa interrelação pessoal, aliadas a uma incrível competência para realizar suas atividades, sem perder o humor, e gerenciar com sucesso imprevistos que lhe surgirem, são características requeridas ao profissional de Secretário Executivo, e indispensáveis ao sucesso de qualquer líder e/ou empresa.
  • 25. São muitas as questões que irão exigir do profissional Secretário(a) Executivo(a), a distinção entre o bem e o mal. O sujeito moral ao se perguntar como deve agir em determinada situação, certamente se aproxima de questões teóricas e abstratas tais como: em que consiste o bem? Qual o fundamento da ação moral?
  • 26. Moral e ética Ética é princípio; Moral é aspecto de conduta específica; Ética é permanente, moral é temporal; Ética é universal, moral é cultural; Ética é regra, moral é conduta da regra; Ética é teoria, moral é prática.
  • 27. Ética, Ciência da Moral? A moral, enquanto norma de conduta, refere-se às situações particulares e quotidianas, não chegando à superação desse nível. A Ética, destituída do papel normatizador, ao menos no que diz respeito aos atos isolados, torna-se examinadora da moral. Podemos dizer que a moral normatiza e direciona a prática das pessoas, e a ética teoriza sobre as condutas, estudando as concepções que dão suporte à moral. São, pois, dois caminhos diferentes que resultam em status também diferentes; o primeiro, de objeto, e o segundo, de ciência.
  • 28. Comportamento Ético do Profissional do Secretariado Edifica-se através da conjunção de uma série de fatores, iniciando pelo conhecimento profundo dos regulamentos da empresa, sob sua responsabilidade. A consciência do ambiente organizacional, suas normas, seu modelo de comunicação e tramitação dos assuntos são aspectos que exigirão especial atenção na atuação responsáveldesse profissional.
  • 29. O conhecimento e as virtudes, como a lealdade, a responsabilidade e a integridade, têm que caminhar juntas, interligadas, como se fossem uma só. Assim sendo, do(a) Secretário(a) Executivo(a) se espera sólidos princípios éticos, pois está exposto, a todo o momento, a situações que o leve a cometer deslizes éticos, em função de eventuais pressões internas e externas, inerentes ao seu mundo de trabalho.
  • 30. Teste Ético É legal? Estarei violando a lei civil ou a política da companhia? É imparcial? É justa com todos os interessados, tanto a curto como em longo prazo? Promove relacionamentos em que todos saiam ganhando? Vou me sentir bem comigo mesmo? Posso me orgulhar de minha decisão? Eu me sentiria bem se ela fosse publicada nos jornais? Como me sentiria se minha família soubesse?
  • 31. Código de Ética Surge para orientar os profissionais a agir dentro da ética; contém um conjunto de deveres e regras a que chamamos de Ética Profissional .
  • 32. Código de Ética dos Profissionais do Secretariado Art.1º. - Considera-se Secretário ou Secretária, com direito ao exercício da profissão, a pessoa legalmente credenciada nos termos da lei em vigor. Art.2º. - O presente Código de Ética Profissional tem por objetivo fixar normas de procedimentos dos Profissionais quando no exercício de sua profissão, regulando-lhes as relações com a própria categoria, com os poderes públicos e com a sociedade. Art.3º. - Cabe ao profissional zelar pelo prestígio e responsabilidade de sua profissão, tratando-a sempre como um dos bens mais nobres, contribuindo, através do exemplo de seus atos, para elevar a categoria, obedecendo aos preceitos morais e legais.
  • 33. Art.4º. - Constituem-se direitos dos Secretários e Secretárias: a) garantir e defender as atribuições estabelecidas na Lei de Regulamentação; b) participar de entidades representativas da categoria; c) participar de atividades públicas ou não, que visem defender os direitos da categoria; d) defender a integridade moral e social da profissão, denunciando às entidades da categoria qualquer tipo de alusão desmoralizadora; e) receber remuneração equiparada à dos profissionais de seu nível de escolaridade; f) ter acesso a cursos de treinamento e a outros eventos cuja finalidade seja o aprimoramento profissional; g) jornada de trabalho compatível com a legislação trabalhista em vigor.
  • 34. Art.5º. - Constituem-se deveres fundamentais das Secretárias e Secretários: a) considerar a profissão como um fim para a realização profissional; b) direcionar seu comportamento profissional, sempre a bem da verdade, da moral e da ética; c) respeitar sua profissão e exercer suas atividades, sempre procurando aperfeiçoamento; d) operacionalizar e canalizar adequadamente o processo de comunicação com o público; e) ser positivo em seus pronunciamentos e tomadas de decisões, sabendo colocar e expressar suas atividades;
  • 35. f) procurar informar-se de todos os assuntos a respeito de sua profissão e dos avanços tecnológicos, que poderão facilitar o desempenho de suas atividades; g) lutar pelo progresso da profissão; h) combater o exercício ilegal da profissão; i) colaborar com as instituições que ministram cursos específicos, oferecendo-lhes subsídios e orientações.
  • 36. Art.6º. - A Secretária e o Secretário, no exercício de sua profissão, deve guardar absoluto sigilo sobre assuntos e documentos que lhe são confiados. Art.7º. - É vedado ao Profissional assinar documentos que possam resultar no comprometimento da dignidade profissional da categoria.
  • 37. Art.8º. - Compete às Secretárias e Secretários: a) manter entre si a solidariedade e o intercâmbio, como forma de fortalecimento da categoria; b) estabelecer e manter um clima profissional cortês, no ambiente de trabalho, não alimentando discórdia e desentendimento profissionais; c) respeitar a capacidade e as limitações individuais, sem preconceito de cor, religião, cunho político ou posição social; d) estabelecer um clima de respeito à hierarquia com liderança e competência.
  • 38. Art.9º. - É vedado aos profissionais: a) usar de amizades, posição e influências obtidas no exercício de sua função, para conseguir qualquer tipo de favoritismo pessoal ou facilidades, em detrimento de outros profissionais; b) prejudicar deliberadamente a reputação profissional de outro secretário; c) ser, em função de seu espírito de solidariedade, conivente com erro, contravenção penal ou infração a este Código de Ética.
  • 39. Art.10º. - Compete ao Profissional, no pleno exercício de suas atividades: a) identificar-se com a filosofia empresarial, sendo um agente facilitador e colaborador na implantação de mudanças administrativas e políticas; b) agir como elemento facilitador das relações interpessoais na sua área de atuação; c) atuar como figura-chave no fluxo de informações desenvolvendo e mantendo de forma dinâmica e contínua os sistemas de comunicação.
  • 40. Art.11º. - É vedado aos Profissionais: a) utilizar-se da proximidade com o superior imediato para obter favores pessoais ou estabelecer uma rotina de trabalho diferenciada em relação aos demais; b) prejudicar deliberadamente outros profissionais, no ambiente de trabalho.
  • 41. Art.12º. - A Secretária e o Secretário devem participar ativamente de suas entidades representativas, colaborando e apoiando os movimentos que tenham por finalidade defender os direitos profissionais. Art.13º. - Acatar as resoluções aprovadas pelas entidades de classe. Art.14º. - Quando no desempenho de qualquer cargo diretivo, em entidades da categoria, não se utilizar dessa posição em proveito próprio.
  • 42. Art.15º. - Participar dos movimentos sociais e/ou estudos que se relacionem com o seu campo de atividade profissional. Art.16º. - As Secretárias e Secretários deverão cumprir suas obrigações, tais como mensalidades e taxas, legalmente estabelecidas, junto às entidades de classes a que pertencem.
  • 43. Art.17º. - Cumprir e fazer cumprir este Código é dever de todo Secretário. Art.18º. - Cabe aos Secretários docentes informar, esclarecer e orientar os estudantes, quanto aos princípios e normas contidas neste Código. Art.19º. - As infrações deste Código de Ética Profissional acarretarão penalidades, desde a advertência à cassação do Registro Profissional na forma dos dispositivos legais e/ou regimentais, através da Federação Nacional das Secretárias e Secretários.
  • 44. Art.20º. - Constituem infrações: a) transgredir preceitos deste Código; b) exercer a profissão sem que esteja devidamente habilitado nos termos da legislação específica; c) utilizar o nome da Categoria Profissional das Secretárias e/ou Secretários para quaisquer fins, sem o endosso dos Sindicatos de Classe, em nível Estadual e da Federação Nacional nas localidades inorganizadas em Sindicatos e/ou em nível Nacional.
  • 45. Valores que Caracterizam o Comportamento Ético Respeito ao funcionário e ao consumidor Destino social do lucro Visão de futuro Diálogo e negociação Diálogo e negociação Transparência de ações Atuação a nível político Administração participativa Busca do bem comum Empresa Empresário