SlideShare uma empresa Scribd logo
ILUMINISMO
(Séc. XVII – XVIII)
Profº Viegas Fernandes da Costa
 Crença no progresso e na civilização por meio da ciência.
Um sistema universal de regras e normas de comportamento moral:
vida, liberdade, igualdade.
Difundiu-se a partir da Inglaterra e da Holanda.
 Levou a burguesia a adotar uma postura crítica em relação à tradição
cultural e ao Estado absolutista.
Defesa de um Estado Constitucional, ou seja, uma autoridade central
com poderes definidos e limitados e ampla liberdade civil.
Projeto civilizatório
3 princípios básicos:
universalidade (atingir a todos, sem distinção)
individualidade (o ser humano deve ser visto como uma
pessoa concreta e não apenas como um ser coletivo)
autonomia (as pessoas estão aptas a pensar por si mesmas
sem tutela da religião ou ideologias)
JOHN LOCKE (1632 – 1704)
“Pai” do liberalismo.
Desenvolveu uma teoria do poder limitado, na
qual o poder monárquico era um contrato entre
governo e governados, regido por uma
constituição.
Para Locke, os governados possuíam o direito de
substituir, rebelar-se ou derrubar um governo
tirânico.
Condenava o absolutismo e entendia o executivo
como mero agente do Legislativo, este sim o poder
supremo.
Sua teoria visava proteger principalmente as
liberdades individuais, e não o progresso social.
DENIS DIDEROT (1713 – 1784)
Crítico do absolutismo real e um dos precursores da
democracia moderna.
Organizou a Enciclopédia Das Ciências Artes e
Ofícios, que fez uma crítica às concepções científicas,
intelectuais, políticas e sociais vigentes na Europa à
época.
Trecho: “Nenhum homem recebeu da natureza o
direito de comandar os outros. A liberdade é um
presente do céu, e cada indivíduo da mesma espécie
tem o direito de gozar dela logo que goze da razão.
(...) O poder que se adquire pela violência não é mais
que uma usurpação e não dura senão pelo tempo por
que a força daquele que comanda prevalece sobre
aqueles que obedecem. (...) O poder que vem do
consentimento dos povos supõe necessariamente
condições que tornem o seu uso legítimo útil à
sociedade, vantajoso para a República, e que o fixem e
restrinjam entre limites; pois o homem não pode nem
deve dar-se inteiramente e sem reserva a outro
homem.” (Autoridade política).
VOLTAIRE (1694 – 1778)
Afirmava que todos os homens são
dotados pela natureza do direito à
liberdade, à propriedade e à proteção das
leis.
Tinha reservas quanto à participação do
povo na política, e defendia o despotismo
esclarecido.
MONTESQUIEU (1689 – 1755)
Para ele, os homens têm a tendência
natural de abusar de qualquer parcela de
poder que lhes seja confiada. Por isso, para
evitar governos despóticos, a ação do
governo deveria ser dividida em três
poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário.
Assim, cada poder serviria de freio ao outro.
Trecho: “Nas democracias o povo parece
fazer o que quer, mas liberdade política não
consiste nisso. A liberdade é o direito de
fazer tudo o que as leis permitem; se um
cidadão pudesse fazer tudo o que elas
proíbem, não teriam mais liberdade, porque
os outros também teriam tal poder.” (O
espírito das leis)
ROUSSEAU (1712 – 1778)
Defendia a tese de que os homens viviam
primordialmente em estado natural (ou estado
da natureza), já que não existia a propriedade
privada e todos eram iguais entre si.
Para ele, a bondade natural dos homens foi
pervertida pela civilização.
A única forma dos indivíduos garantirem
seus direitos seria a organização de uma
sociedade civil capaz de assegurar os direitos
daqueles pertencentes à comunidade. Isto se
realizaria por meio de um contrato social em
que cada indivíduo estaria de acordo em se
submeter à vontade da maioria.
“O verdadeiro fundador da sociedade civil foi o primeiro
que, tendo cercado um terreno, disse 'isto é meu' e
encontrou pessoas suficientemente simples para
respeitá-lo. Quantos crimes, guerras, assassinatos,
misérias e horrores teria evitado à humanidade aquele
que, arrancando as estacas desta cerca (...), tivesse
gritado: 'não escutem esse impostores, pois os frutos são
de todos e a terra é de ninguém‘.“
(J. J. Rousseau. Discurso sobre a origem e os fundamentos da
desigualdade entre os homens)
LIBERALISMO ECONÔMICO (SÉCULO XVIII)
“Deixai fazer, deixai passar e o mundo marcha sozinho”.
Fisiocratas: criticam o mercantilismo (que previa a intervenção do Estado) e
defendiam as atividades econômicas naturais (agricultura, mineração e
extrativismo) como as principais fontes de riqueza.
Adam Smith afirmava que o trabalho produtivo, e não a agricultura, era a
verdadeira fonte de riqueza.
David Ricardo, Thomas Malthus, John Stuart Mill etc...
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS
Adotada e proclamada pela resolução 217
da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948
Artigo I
Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas
de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de
fraternidade.
Artigo II
Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades
estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça,
cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional
ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição.
Artigo III
Toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.
(...)
INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA
Campus São José
ILUMINISMO
Professor Viegas Fernandes da Costa
Referência básica:
- Mota, Myriam Becho & Braick, Patrícia Ramos.
História: das cavernas ao terceiro milênio. 2ª ed.
São Paulo: Moderna, 2002.
14/04/2014.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
isameucci
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
joana71
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Professor de História
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
Isaquel Silva
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
João Medeiros
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Valéria Shoujofan
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
Edenilson Morais
 
Iluminismo e a indepedência dos eua
Iluminismo e a indepedência dos euaIluminismo e a indepedência dos eua
Iluminismo e a indepedência dos eua
Profdaltonjunior
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
Priscila Azeredo
 
Teóricos do Absolutismo
Teóricos do AbsolutismoTeóricos do Absolutismo
Teóricos do Absolutismo
Edenilson Morais
 
Ascensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismoAscensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismo
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
A crise do sistema colonial e a independência
A crise do sistema colonial e a independênciaA crise do sistema colonial e a independência
A crise do sistema colonial e a independência
Andreia Regina Moura Mendes
 
O Iluminismo ppt
O Iluminismo pptO Iluminismo ppt
O Iluminismo ppt
eugeni0
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
José Augusto Fiorin
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
Fernando Fagundes
 
A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
Gilmar Rodrigues
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas - InglaterraRevoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Daniel Alves Bronstrup
 
INDEPENDÊNCIA DO EUA
INDEPENDÊNCIA DO EUAINDEPENDÊNCIA DO EUA
INDEPENDÊNCIA DO EUA
Marcos Mororó
 
Reforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaReforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reforma
Fatima Freitas
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
Daniel Alves Bronstrup
 

Mais procurados (20)

Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo e a indepedência dos eua
Iluminismo e a indepedência dos euaIluminismo e a indepedência dos eua
Iluminismo e a indepedência dos eua
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Teóricos do Absolutismo
Teóricos do AbsolutismoTeóricos do Absolutismo
Teóricos do Absolutismo
 
Ascensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismoAscensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismo
 
A crise do sistema colonial e a independência
A crise do sistema colonial e a independênciaA crise do sistema colonial e a independência
A crise do sistema colonial e a independência
 
O Iluminismo ppt
O Iluminismo pptO Iluminismo ppt
O Iluminismo ppt
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
 
A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas - InglaterraRevoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
 
INDEPENDÊNCIA DO EUA
INDEPENDÊNCIA DO EUAINDEPENDÊNCIA DO EUA
INDEPENDÊNCIA DO EUA
 
Reforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaReforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reforma
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 

Semelhante a Iluminismo

Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
isameucci
 
O iiLUMINISMO
O iiLUMINISMOO iiLUMINISMO
Maquiavel1
Maquiavel1Maquiavel1
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Alexandroca Simões
 
Iluminismo 2021
Iluminismo 2021Iluminismo 2021
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
Alex Macedo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Walquiria Dutra
 
Iluminismo
 Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Adrielle Itaparica
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Laboratório de História
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
Delziene Jesus
 
iluminismo, seus pensadores e influências
iluminismo, seus pensadores e influênciasiluminismo, seus pensadores e influências
iluminismo, seus pensadores e influências
KleginaldoPaz2
 
20061024093250 iluminismo
20061024093250 iluminismo20061024093250 iluminismo
20061024093250 iluminismo
Lemos de Castro
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
Carla Freitas
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
historiamurialdo
 
ILUMINISMO
ILUMINISMOILUMINISMO
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Catedral Curso
 
Direitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptx
Direitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptxDireitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptx
Direitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptx
Fernanda Castello
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
eduardodemiranda
 

Semelhante a Iluminismo (20)

Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
O iiLUMINISMO
O iiLUMINISMOO iiLUMINISMO
O iiLUMINISMO
 
Maquiavel1
Maquiavel1Maquiavel1
Maquiavel1
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Iluminismo 2021
Iluminismo 2021Iluminismo 2021
Iluminismo 2021
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo
 Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
 
iluminismo, seus pensadores e influências
iluminismo, seus pensadores e influênciasiluminismo, seus pensadores e influências
iluminismo, seus pensadores e influências
 
20061024093250 iluminismo
20061024093250 iluminismo20061024093250 iluminismo
20061024093250 iluminismo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
ILUMINISMO
ILUMINISMOILUMINISMO
ILUMINISMO
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Direitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptx
Direitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptxDireitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptx
Direitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptx
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Viegas Fernandes da Costa
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
Viegas Fernandes da Costa
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
Viegas Fernandes da Costa
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Viegas Fernandes da Costa
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Viegas Fernandes da Costa
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Viegas Fernandes da Costa
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
Viegas Fernandes da Costa
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Viegas Fernandes da Costa
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
Viegas Fernandes da Costa
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Viegas Fernandes da Costa
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Viegas Fernandes da Costa
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
Viegas Fernandes da Costa
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa (20)

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
Tarde.
 
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
 

Último

A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 

Último (20)

A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 

Iluminismo

  • 1. ILUMINISMO (Séc. XVII – XVIII) Profº Viegas Fernandes da Costa
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.  Crença no progresso e na civilização por meio da ciência. Um sistema universal de regras e normas de comportamento moral: vida, liberdade, igualdade. Difundiu-se a partir da Inglaterra e da Holanda.  Levou a burguesia a adotar uma postura crítica em relação à tradição cultural e ao Estado absolutista. Defesa de um Estado Constitucional, ou seja, uma autoridade central com poderes definidos e limitados e ampla liberdade civil.
  • 7. Projeto civilizatório 3 princípios básicos: universalidade (atingir a todos, sem distinção) individualidade (o ser humano deve ser visto como uma pessoa concreta e não apenas como um ser coletivo) autonomia (as pessoas estão aptas a pensar por si mesmas sem tutela da religião ou ideologias)
  • 8. JOHN LOCKE (1632 – 1704) “Pai” do liberalismo. Desenvolveu uma teoria do poder limitado, na qual o poder monárquico era um contrato entre governo e governados, regido por uma constituição. Para Locke, os governados possuíam o direito de substituir, rebelar-se ou derrubar um governo tirânico. Condenava o absolutismo e entendia o executivo como mero agente do Legislativo, este sim o poder supremo. Sua teoria visava proteger principalmente as liberdades individuais, e não o progresso social.
  • 9. DENIS DIDEROT (1713 – 1784) Crítico do absolutismo real e um dos precursores da democracia moderna. Organizou a Enciclopédia Das Ciências Artes e Ofícios, que fez uma crítica às concepções científicas, intelectuais, políticas e sociais vigentes na Europa à época. Trecho: “Nenhum homem recebeu da natureza o direito de comandar os outros. A liberdade é um presente do céu, e cada indivíduo da mesma espécie tem o direito de gozar dela logo que goze da razão. (...) O poder que se adquire pela violência não é mais que uma usurpação e não dura senão pelo tempo por que a força daquele que comanda prevalece sobre aqueles que obedecem. (...) O poder que vem do consentimento dos povos supõe necessariamente condições que tornem o seu uso legítimo útil à sociedade, vantajoso para a República, e que o fixem e restrinjam entre limites; pois o homem não pode nem deve dar-se inteiramente e sem reserva a outro homem.” (Autoridade política).
  • 10.
  • 11. VOLTAIRE (1694 – 1778) Afirmava que todos os homens são dotados pela natureza do direito à liberdade, à propriedade e à proteção das leis. Tinha reservas quanto à participação do povo na política, e defendia o despotismo esclarecido.
  • 12. MONTESQUIEU (1689 – 1755) Para ele, os homens têm a tendência natural de abusar de qualquer parcela de poder que lhes seja confiada. Por isso, para evitar governos despóticos, a ação do governo deveria ser dividida em três poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário. Assim, cada poder serviria de freio ao outro. Trecho: “Nas democracias o povo parece fazer o que quer, mas liberdade política não consiste nisso. A liberdade é o direito de fazer tudo o que as leis permitem; se um cidadão pudesse fazer tudo o que elas proíbem, não teriam mais liberdade, porque os outros também teriam tal poder.” (O espírito das leis)
  • 13. ROUSSEAU (1712 – 1778) Defendia a tese de que os homens viviam primordialmente em estado natural (ou estado da natureza), já que não existia a propriedade privada e todos eram iguais entre si. Para ele, a bondade natural dos homens foi pervertida pela civilização. A única forma dos indivíduos garantirem seus direitos seria a organização de uma sociedade civil capaz de assegurar os direitos daqueles pertencentes à comunidade. Isto se realizaria por meio de um contrato social em que cada indivíduo estaria de acordo em se submeter à vontade da maioria.
  • 14.
  • 15. “O verdadeiro fundador da sociedade civil foi o primeiro que, tendo cercado um terreno, disse 'isto é meu' e encontrou pessoas suficientemente simples para respeitá-lo. Quantos crimes, guerras, assassinatos, misérias e horrores teria evitado à humanidade aquele que, arrancando as estacas desta cerca (...), tivesse gritado: 'não escutem esse impostores, pois os frutos são de todos e a terra é de ninguém‘.“ (J. J. Rousseau. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens)
  • 16. LIBERALISMO ECONÔMICO (SÉCULO XVIII) “Deixai fazer, deixai passar e o mundo marcha sozinho”. Fisiocratas: criticam o mercantilismo (que previa a intervenção do Estado) e defendiam as atividades econômicas naturais (agricultura, mineração e extrativismo) como as principais fontes de riqueza. Adam Smith afirmava que o trabalho produtivo, e não a agricultura, era a verdadeira fonte de riqueza. David Ricardo, Thomas Malthus, John Stuart Mill etc...
  • 17. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Artigo I Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade. Artigo II Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição. Artigo III Toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. (...)
  • 18. INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus São José ILUMINISMO Professor Viegas Fernandes da Costa Referência básica: - Mota, Myriam Becho & Braick, Patrícia Ramos. História: das cavernas ao terceiro milênio. 2ª ed. São Paulo: Moderna, 2002. 14/04/2014.