SlideShare uma empresa Scribd logo
Ideias Sociais e Políticas do
Século XIX.
Ana Paula Silva.
Introdução.
 O século XIX é o século da burguesia. A posição social era determinada pela renda. A nova
camada social que surgia com a industrialização – o proletariado – não possuía condições
para uma ação política eficiente.
 Em 1830 e 1848, as populações de diversas regiões da Europa enfrentavam uma difícil
situação social e econômica, como por exemplo:
 Diminuição de colheitas;
 Miséria do Operariado;
 Ausência de garantias e direitos fundamentais para o trabalhador;
 Repressão à liberdade de expressão.
 Essa situação de crise e insatisfação social possibilitou a aliança temporária entre setores da
pequena e média burguesia e o operariado, cada vez mais consciente de seus interesses. Da
aliança instável entre esses setores, surgiram diversos movimentos revolucionários de
contestação às estruturas de poder vigentes em grande parte da Europa.
O século das ideologias.
 Três foram as principais tendências políticas do século XIX:
Liberalismo, Nacionalismo e Socialismo.
LIBERALISMO.
 Política: governo de caráter
democrático. Onde o Estado deve
servir o cidadão, respeitando sua
liberdade e dignidade.
 Economia: A intervenção do
Estado na Economia deve ser a
menos possível. As atividades
econômicas ficam a cargo da
iniciativa privada.
 Religião: O Estado deve ficar
completamente separado da
Igreja, e cada cidadão pode
praticar livremente sua crença
religiosa.
NACIONALISMO
O nacionalismo é o movimento
que está baseado na noção de
vínculos étnicos, linguísticos e
históricos existentes entre
pessoas, que constituem, assim,
uma nacionalidade. Sobre o
fundamento da nacionalidade, os
grupos nacionais passam a
reivindicar o direito de formar
uma nação autônoma. Onde se
expressa os seguintes ideais:
Independência
Nacional
Cultura Autodeterminação
SOCIALISMO.
Considerado a expressão ideológica do
proletariado, consistindo na busca da
busca de igualdade social por meio da
igualdade econômica.Assim temos:
 Utópico: Conhecido como reformista,
pregava a igualdade social através de
medidas como o cooperativismo,
participação nos lucros das empresas,
oficinas nacionais, direito ao voto....
 Científico: Assim chamado por buscar
nas sociedade capitalista as leis que a
regiam e encontrar nela as forças
necessárias para promover a
transformação radical. Karl Marx e
Frederich Engels são seus principais
expoentes.
ANARQUISMO.
 Teve como precursor P.J.
Proudhon, que concluiu em uma
de suas obras “a propriedade é um
roubo”. Seus principais expoentes
foram os russos: Bakunin e
Kropotkin. Pregava a eliminação
de toda e qualquer forma de
poder, portanto do Estado e da
igreja. O Anarquismo pregava a
destruição pura e simples do
Estado Capitalista e sua imediata
substituição por pequenas
comunidades autossuficientes.
DOUTRINA SOCIAL CATÓLICA.
 A igreja procurou posicionar-se
diante da questão social e
editou várias encíclicas para
condenar o materialismo
marxista e a ganância
capitalista, propondo como
solução a caridade e a
solidariedade cristãs.
POSITIVISMO E CIENTIFICISMO.
 O positivismo foi formulado
por Auguste Comte, insistia no
uso da razão como guia
fundamental para se chegar ao
conhecimento e a
compreensão dos fatos
verificados e experimentados
afastando as especulações
teóricas...
Revoluções de 1830 e 1848.
Primavera dos Povos.
Introdução.
 O congresso de Viena e a Santa Aliança –
Contrariando algumas das conquistas da
Revolução Francesa e do Período
Napoleônico – haviam promovido a
restauração das monarquias absolutistas
em países europeus ocidentais. Assim, por
volta de 1830, uma nova onda
revolucionária abalou a Europa. E em
1848, uma nova onda voltou a agitar a
Europa, atingindo a França, Alemanha,
Áustria e Itália.
Rebelião 1830.
A revolta repercutiu e,
várias regiões como
Itália, Bélgica, Prússia,
Espanha, Portugal e a
atual Polônia.
O poder foi substituído
por Luís Felipe de
Orleans.
 Após a queda de Napoleão Bonaparte, foi
acertado o Congresso de Viena o retorno
da Dinastia Bourbon ao trono francês com
Luís XVIII. Com a morte de Luís XVIII, em
1824, assumiu o trono Carlos X, que foi
obrigado a abdicar, uma vez que as
colheitas de 1827, agravou a situação
econômica do país... E as forças liberais
burguesas, lideradas pela alta burguesia.
Organizaram-se e deflagraram a
Revolução de 1830 contra o governo de
Carlos X.
Governo de Luís Felipe, o “rei burguês”.
 No seu governo observou-se um grande
desenvolvimento nos setores financeiro e
industrial da França. Seu principal objetivo
era garantir uma ordem social interna que
não atrapalhasse a liberdade econômica
das industrias, banqueiros e grandes
comerciantes favorecendo o
desenvolvimento capitalista Francês.
 Essa política, causou um enorme
empobrecimento dos trabalhadores,
sobretudo dos numerosos operários
franceses.
Revoluções de 1848.
Conhecida como
Primavera dos Povos.
Essas revoluções foram
influenciadas pelos
ideais do liberalismo,
nacionalismo e pela
estreia do socialismo.
 A partir de 1946, uma sucessão de
problemas econômicos e dificuldades
políticas fizeram desmoronar as forças de
sustentação do governo de Luís Filipe. A
crise se fez sentir por exemplo, no
aumento da miséria, nas más colheitas, na
queda da produção industrial... Foi então
que a burguesia liberal e o operariado
uniram-se temporariamente contra o
governo.
Governo Provisório e Segunda República.
Com a queda de Luís
Felipe, organizou-se em
fevereiro de 1848, um
governo provisório, que
tomou as seguintes
medidas:
 Proclamou a segunda república – (1848-
1852);
 Promoveu a liberdade de imprensa;
 Aboliu a escravidão nas colônias
francesas;
 Estabeleceu o sufrágio universal
masculino.
O massacre do movimento socialista.
 Desse governo participaram
políticos socialistas como Louis
Blanc, e representantes da
burguesia liberal, como Alfonse
Lamartine. Uma vez no poder
esses dois grupos não chegaram a
um acordo sobre os grandes
rumos do governo.
 Assim, em 23 de abril, realizaram-
se eleições parlamentares em
todo país.
 Derrotados nas eleições os
socialistas passaram a comandar
várias lutas de trabalhadores
contra as decisões da Assembleia
Constituinte. Numerosas
rebeliões operarias eclodiram em
Paris e em outras cidades
francesas de grande concentração
industrial.
 O governo burguês decidiu pôr
fim as rebeliões dos trabalhadores
e impor ordem no país. Em julho
de 1848, tropas comandadas pelo
general Eugène Cavaignac,
provocou a morte de mais de mil
pessoas.
Volta da Monarquia.
Em novembro de 1848,
foi promulgada uma
nova Constituição, um
mês depois, realizaram-
se eleições para
presidente. O candidato
vitorioso, foi Luís
Napoleão Bonaparte.
 Em seu governo conquistou a confiança de
boa parte do exercito, dos eclesiásticos,
de boa parcela dos funcionários
administrativos, da classe média urbana e
da população rural.
 Desse modo, pouco antes do fim de seu
mandato, em 2 de dezembro de 1852,
Promoveu um golpe de estado para
continuar no poder. Em dezembro de
1852, foi coroado “imperador dos
franceses pela graça de Deus e vontade
geral da nação”.
Enquanto isso, na Itália.
 Submetidos aos Austríacos desde o
Congresso de Viena, muitos italianos
estavam descontentes e rebelaram-se sob
a liderança do rei Carlos Alberto de
Piemonte, iniciando a guerra.
 A Áustria venceu a guerra, e o rei Carlos
Alberto teve de abdicar em favor de seu
filho,Vitor Emanuel.
Alemanha...
A Alemanha depois do
congresso de Viena passou a
constituir uma Confederação.
A Prússia e a Áustria liderava
essa Confederação. Visando à
maior integração entre os
Estados Germânicos, foi
criada a Zollverein. Política
econômica que estimulou o
nacionalismo germânico, o
desejo de independência e de
união política
 Fato que levou na Prússia o rei Guilherme
a ceder à pressão popular por uma
constituição, e em vários outros estados
houve adesão ao movimento. A reunião
dos constituintes foi marcadas por
divergências, o que facilitou a repressão e
o esvaziamento do movimento.
Áustria...
 O império Austríaco que era formado por
várias nacionalidades, se rebelaram,
procurando autonomia política. Contudo o
Império organizou-se e reprimiu
duramente o movimento.
Luís Napoleão.
Unificação Alemã e Italiana.
Ana Paula Silva
Introdução
 A Itália e Alemanha, não tinham o seu território unificado, o que prejudicava
os interesses econômicos da burguesia destas regiões.
 No século XIX, a maior parte dos territórios europeus já eram estados-nação,
ou seja, países unificados.
 Depois do Congresso de Viena, em 1815, a Itália foi dividida em vários reinos,
ducados e estados pontifícios, ou seja, que pertenciam à igreja católica.
 A Alemanha, por sua vez, foi dividida em 39 estados, a Confederação
Germânica. O poder era disputado entre os católicos da Áustria e os
protestantes da Prússia.
 Uma serie de guerras e medidas, cada uma à sua maneira, acabou levando
estas duas regiões à unificação e a criação de estados fortes e centralizados.
Unificação Alemã.
 Depois da queda de Napoleão, as monarquias europeias passaram a se reorganizar. E
dessa reorganização surgiu a Confederação Alemã, que era composta por 39 Estados
independentes, onde cada Estado era responsável por defender a soberania da
monarquia do outro.
 Nesta confederação se destacavam dois Estados a Áustria e a Prússia ambos Estados
desenvolvidos porém com objetivos opostos.
 A Áustria era desenvolvida graças ao seu forte setor agrícola, e muito influente na
confederação. Um dos motivos da sua grande influencia foi graças a seu grande
território , porém não era a favor da unificação pois perderia seu poder sobre os outros
Estados.
 Já a Prússia também possuía um grande território e uma economia bem desenvolvida
além de sua grande influencia, porém via a unificação como um modo de fazer a
confederação se tornar forte e desenvolvida, já que um Estado completaria o outro e
com esse intuito de unificação a Prússia desenvolveu um acordo chamado Zollverein.
Acordo Zollverein.
O acordo Zollverein é nada mais do que a quebra
das barreiras alfandegárias entre os Estados
envolvidos, ou seja livre comércio.
O acordo foi bem sucedido, através dele foram
construídas novas estradas de ferro, novas
industrias e etc.
 Com o acordo sendo bem sucedido nacionalistas e
intelectuais passaram a defender o
pangermanismo.
 Pangermanismo: Ideologia e movimento que visa agrupar as etnias
germânicas.
 Assim, em 1850 houve a primeira tentativa de unificação mas que foi
impedida pela Áustria .
 Porém em 1862 o rei prussiano nomeou como seu chanceler ( primeiro
ministro) Otto Von Bismarck que liderou as batalhas contra a Dinamarca,
Áustria e França. Onde a Guerra contra a Áustria causada por uma quebra
de acordo levou a expulsão da Áustria da confederação Alemã.
 E ao fim dessas batalhas no dia 18 de Janeiro de 1871 foi declarado
Guilherme I Kaiser (imperador) da Alemanha.
Consequencias
 Grande Desenvolvimento Econômico da
Alemanha que se torna uma nova potência. E
primeiras tenções que levaram a primeira
Guerra Mundial, já que a potência da época a
Inglaterra passa a ter concorrência e não fica
satisfeita com isso.
Unificação Italiana
 A Itália, além de estar dividida entre várias monarquias autônomas, sofria a dominação da
Áustria, que dominava a região da Lombardia e a cidade de Veneza.
 O norte da Itália, onde ficava o reino de Piemonte-Sardenha, concentrava a maior parte da
burguesia, que desejava a unificação para formar um mercado nacional para os seus
produtos
 Assim, foi no reino de Piemonte-Sardenha que teve início o movimento pela unificação da
Itália, em 1848. Os italianos tiveram apoio da França na luta contra a Áustria.
 A guerra contra a Áustria começou em 1859, com apoio de Napoleão III, imperador da
França. Os Camisas Vermelhas, movimento popular liderado por Giuseppe Garibaldi,
também foram decisivos.
 A Áustria acabou derrotada, cedendo o território da Lombardia.
 A vitória sobre a Áustria mobilizou os italianos de várias regiões, como Toscana,
Parma e Modena. Estes estados, seguidos de outros, se uniram ao Piemonte no
projeto de unificação.
 Os últimos territórios conquistados pelos piemonteses foram Veneza e Roma.
Veneza foi conquistada em 1866. Roma foi conquistada em 1870 e se tornou
capital da Itália unificada.
 No processo de unificação, a Igreja Católica perdeu vários estados pontifícios,
ou seja, territórios sob seu domínio e influência. Assim, acabou sofrendo
grande prejuízos.
 Em 1929, através do Tratado de Latrão, Benito Mussolini indenizou a Igreja,
cedendo a praça de São Pedro e possibilitando a criação do Estado do Vaticano,
dentro de Roma.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIXRevoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Marcos Mamute
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Claudenilson da Silva
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817
Fabiana Tonsis
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
Paulo Alexandre
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
Edenilson Morais
 
Independência das 13 Colônias Inglesas na América
Independência das 13 Colônias Inglesas na AméricaIndependência das 13 Colônias Inglesas na América
Independência das 13 Colônias Inglesas na América
eiprofessor
 
Ideologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xixIdeologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xix
Privada
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Portal do Vestibulando
 
A UNIFICAÇÃO ALEMÃ E A COMUNA DE PARIS
A UNIFICAÇÃO ALEMÃ E A COMUNA DE PARISA UNIFICAÇÃO ALEMÃ E A COMUNA DE PARIS
A UNIFICAÇÃO ALEMÃ E A COMUNA DE PARIS
Jorge Miklos
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
edna2
 
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra MundialImperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
Douglas Barraqui
 
Os povos africanos e a origem do mundo
Os povos africanos e a origem do mundoOs povos africanos e a origem do mundo
Os povos africanos e a origem do mundo
PROFºWILTONREIS
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
henrique.jay
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados Unidos
Slides de Tudo
 
Revoluções Liberais Séc XIX
Revoluções Liberais Séc XIXRevoluções Liberais Séc XIX
Revoluções Liberais Séc XIX
dmflores21
 
Século xx
Século xxSéculo xx
Século xx
Privada
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Portal do Vestibulando
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
Independência da américa
Independência da américaIndependência da américa
Independência da américa
harlissoncarvalho
 

Mais procurados (20)

Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIXRevoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
 
Independência das 13 Colônias Inglesas na América
Independência das 13 Colônias Inglesas na AméricaIndependência das 13 Colônias Inglesas na América
Independência das 13 Colônias Inglesas na América
 
Ideologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xixIdeologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xix
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
A UNIFICAÇÃO ALEMÃ E A COMUNA DE PARIS
A UNIFICAÇÃO ALEMÃ E A COMUNA DE PARISA UNIFICAÇÃO ALEMÃ E A COMUNA DE PARIS
A UNIFICAÇÃO ALEMÃ E A COMUNA DE PARIS
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra MundialImperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
 
Os povos africanos e a origem do mundo
Os povos africanos e a origem do mundoOs povos africanos e a origem do mundo
Os povos africanos e a origem do mundo
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados Unidos
 
Revoluções Liberais Séc XIX
Revoluções Liberais Séc XIXRevoluções Liberais Séc XIX
Revoluções Liberais Séc XIX
 
Século xx
Século xxSéculo xx
Século xx
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Independência da américa
Independência da américaIndependência da américa
Independência da américa
 

Destaque

Arte Bizantina
Arte BizantinaArte Bizantina
Arte Bizantina
Rodrigo Retka
 
Arte bizantina-Resumo
Arte bizantina-ResumoArte bizantina-Resumo
Arte bizantina-Resumo
Taynan Weslley
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
Bruna Tiago
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
Silmara Nogueira
 
Reforma protestante slide
Reforma protestante slideReforma protestante slide
Reforma protestante slide
Eduardo Gomes
 
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINAHISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
Carlos Benjoino Bidu
 

Destaque (6)

Arte Bizantina
Arte BizantinaArte Bizantina
Arte Bizantina
 
Arte bizantina-Resumo
Arte bizantina-ResumoArte bizantina-Resumo
Arte bizantina-Resumo
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Reforma protestante slide
Reforma protestante slideReforma protestante slide
Reforma protestante slide
 
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINAHISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
 

Semelhante a Ideias sociais e políticas do século xix

Primavera dos Povos
Primavera dos PovosPrimavera dos Povos
Primavera dos Povos
Raphaelly Fernandes
 
Evolução democrática, nacionalismo e imperialismo
Evolução democrática, nacionalismo e imperialismoEvolução democrática, nacionalismo e imperialismo
Evolução democrática, nacionalismo e imperialismo
Carla Teixeira
 
Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Revoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptx
Revoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptxRevoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptx
Revoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptx
Marsellus Cardousous
 
As revoluções burguesas
As revoluções burguesasAs revoluções burguesas
As revoluções burguesas
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
Revoluções liberais de 1830 e 1848
Revoluções liberais de 1830 e 1848Revoluções liberais de 1830 e 1848
Revoluções liberais de 1830 e 1848
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
A miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileiraA miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileira
CIRINEU COSTA
 
RevoluçãO Industrial Teorias Sociais E RevoluçãO Francesa
RevoluçãO Industrial Teorias Sociais E RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Industrial Teorias Sociais E RevoluçãO Francesa
RevoluçãO Industrial Teorias Sociais E RevoluçãO Francesa
secretaria estadual de educação
 
1.1.a europa do século xix
1.1.a europa do século xix1.1.a europa do século xix
1.1.a europa do século xix
valdeck1
 
Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...
Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...
Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...
missaodiplomatica
 
3ºano - Revoluções na França
3ºano - Revoluções na França3ºano - Revoluções na França
3ºano - Revoluções na França
Daniel Alves Bronstrup
 
Socialismo e revolução russa 9 ano
Socialismo e revolução russa 9 anoSocialismo e revolução russa 9 ano
Socialismo e revolução russa 9 ano
AEDFL
 
O embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix ppt
O embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix pptO embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix ppt
O embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix ppt
AliceLani
 
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
Daniel Alves Bronstrup
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 02 (1815 a 1848)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 02 (1815 a 1848)Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 02 (1815 a 1848)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 02 (1815 a 1848)
missaodiplomatica
 
As revoluções burguesas do século XIX
As revoluções burguesas do século XIXAs revoluções burguesas do século XIX
As revoluções burguesas do século XIX
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
Europa durante o século XIX
Europa durante o século XIX Europa durante o século XIX
Europa durante o século XIX
DealdyPony
 
Web aula1
Web aula1Web aula1
Web aula1
Jessica Silva
 
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução FrancesaIluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Carlos Glufke
 
Ilumijsdifixicvhuxchvucx
IlumijsdifixicvhuxchvucxIlumijsdifixicvhuxchvucx
Ilumijsdifixicvhuxchvucx
joaotavares
 

Semelhante a Ideias sociais e políticas do século xix (20)

Primavera dos Povos
Primavera dos PovosPrimavera dos Povos
Primavera dos Povos
 
Evolução democrática, nacionalismo e imperialismo
Evolução democrática, nacionalismo e imperialismoEvolução democrática, nacionalismo e imperialismo
Evolução democrática, nacionalismo e imperialismo
 
Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020
 
Revoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptx
Revoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptxRevoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptx
Revoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptx
 
As revoluções burguesas
As revoluções burguesasAs revoluções burguesas
As revoluções burguesas
 
Revoluções liberais de 1830 e 1848
Revoluções liberais de 1830 e 1848Revoluções liberais de 1830 e 1848
Revoluções liberais de 1830 e 1848
 
A miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileiraA miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileira
 
RevoluçãO Industrial Teorias Sociais E RevoluçãO Francesa
RevoluçãO Industrial Teorias Sociais E RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Industrial Teorias Sociais E RevoluçãO Francesa
RevoluçãO Industrial Teorias Sociais E RevoluçãO Francesa
 
1.1.a europa do século xix
1.1.a europa do século xix1.1.a europa do século xix
1.1.a europa do século xix
 
Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...
Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...
Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...
 
3ºano - Revoluções na França
3ºano - Revoluções na França3ºano - Revoluções na França
3ºano - Revoluções na França
 
Socialismo e revolução russa 9 ano
Socialismo e revolução russa 9 anoSocialismo e revolução russa 9 ano
Socialismo e revolução russa 9 ano
 
O embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix ppt
O embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix pptO embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix ppt
O embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix ppt
 
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 02 (1815 a 1848)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 02 (1815 a 1848)Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 02 (1815 a 1848)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 02 (1815 a 1848)
 
As revoluções burguesas do século XIX
As revoluções burguesas do século XIXAs revoluções burguesas do século XIX
As revoluções burguesas do século XIX
 
Europa durante o século XIX
Europa durante o século XIX Europa durante o século XIX
Europa durante o século XIX
 
Web aula1
Web aula1Web aula1
Web aula1
 
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução FrancesaIluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
 
Ilumijsdifixicvhuxchvucx
IlumijsdifixicvhuxchvucxIlumijsdifixicvhuxchvucx
Ilumijsdifixicvhuxchvucx
 

Último

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 

Ideias sociais e políticas do século xix

  • 1. Ideias Sociais e Políticas do Século XIX. Ana Paula Silva.
  • 2. Introdução.  O século XIX é o século da burguesia. A posição social era determinada pela renda. A nova camada social que surgia com a industrialização – o proletariado – não possuía condições para uma ação política eficiente.  Em 1830 e 1848, as populações de diversas regiões da Europa enfrentavam uma difícil situação social e econômica, como por exemplo:  Diminuição de colheitas;  Miséria do Operariado;  Ausência de garantias e direitos fundamentais para o trabalhador;  Repressão à liberdade de expressão.  Essa situação de crise e insatisfação social possibilitou a aliança temporária entre setores da pequena e média burguesia e o operariado, cada vez mais consciente de seus interesses. Da aliança instável entre esses setores, surgiram diversos movimentos revolucionários de contestação às estruturas de poder vigentes em grande parte da Europa.
  • 3. O século das ideologias.  Três foram as principais tendências políticas do século XIX: Liberalismo, Nacionalismo e Socialismo.
  • 4. LIBERALISMO.  Política: governo de caráter democrático. Onde o Estado deve servir o cidadão, respeitando sua liberdade e dignidade.  Economia: A intervenção do Estado na Economia deve ser a menos possível. As atividades econômicas ficam a cargo da iniciativa privada.  Religião: O Estado deve ficar completamente separado da Igreja, e cada cidadão pode praticar livremente sua crença religiosa.
  • 5. NACIONALISMO O nacionalismo é o movimento que está baseado na noção de vínculos étnicos, linguísticos e históricos existentes entre pessoas, que constituem, assim, uma nacionalidade. Sobre o fundamento da nacionalidade, os grupos nacionais passam a reivindicar o direito de formar uma nação autônoma. Onde se expressa os seguintes ideais: Independência Nacional Cultura Autodeterminação
  • 6. SOCIALISMO. Considerado a expressão ideológica do proletariado, consistindo na busca da busca de igualdade social por meio da igualdade econômica.Assim temos:  Utópico: Conhecido como reformista, pregava a igualdade social através de medidas como o cooperativismo, participação nos lucros das empresas, oficinas nacionais, direito ao voto....  Científico: Assim chamado por buscar nas sociedade capitalista as leis que a regiam e encontrar nela as forças necessárias para promover a transformação radical. Karl Marx e Frederich Engels são seus principais expoentes.
  • 7. ANARQUISMO.  Teve como precursor P.J. Proudhon, que concluiu em uma de suas obras “a propriedade é um roubo”. Seus principais expoentes foram os russos: Bakunin e Kropotkin. Pregava a eliminação de toda e qualquer forma de poder, portanto do Estado e da igreja. O Anarquismo pregava a destruição pura e simples do Estado Capitalista e sua imediata substituição por pequenas comunidades autossuficientes.
  • 8. DOUTRINA SOCIAL CATÓLICA.  A igreja procurou posicionar-se diante da questão social e editou várias encíclicas para condenar o materialismo marxista e a ganância capitalista, propondo como solução a caridade e a solidariedade cristãs.
  • 9. POSITIVISMO E CIENTIFICISMO.  O positivismo foi formulado por Auguste Comte, insistia no uso da razão como guia fundamental para se chegar ao conhecimento e a compreensão dos fatos verificados e experimentados afastando as especulações teóricas...
  • 10. Revoluções de 1830 e 1848. Primavera dos Povos.
  • 11. Introdução.  O congresso de Viena e a Santa Aliança – Contrariando algumas das conquistas da Revolução Francesa e do Período Napoleônico – haviam promovido a restauração das monarquias absolutistas em países europeus ocidentais. Assim, por volta de 1830, uma nova onda revolucionária abalou a Europa. E em 1848, uma nova onda voltou a agitar a Europa, atingindo a França, Alemanha, Áustria e Itália.
  • 12. Rebelião 1830. A revolta repercutiu e, várias regiões como Itália, Bélgica, Prússia, Espanha, Portugal e a atual Polônia. O poder foi substituído por Luís Felipe de Orleans.  Após a queda de Napoleão Bonaparte, foi acertado o Congresso de Viena o retorno da Dinastia Bourbon ao trono francês com Luís XVIII. Com a morte de Luís XVIII, em 1824, assumiu o trono Carlos X, que foi obrigado a abdicar, uma vez que as colheitas de 1827, agravou a situação econômica do país... E as forças liberais burguesas, lideradas pela alta burguesia. Organizaram-se e deflagraram a Revolução de 1830 contra o governo de Carlos X.
  • 13. Governo de Luís Felipe, o “rei burguês”.  No seu governo observou-se um grande desenvolvimento nos setores financeiro e industrial da França. Seu principal objetivo era garantir uma ordem social interna que não atrapalhasse a liberdade econômica das industrias, banqueiros e grandes comerciantes favorecendo o desenvolvimento capitalista Francês.  Essa política, causou um enorme empobrecimento dos trabalhadores, sobretudo dos numerosos operários franceses.
  • 14. Revoluções de 1848. Conhecida como Primavera dos Povos. Essas revoluções foram influenciadas pelos ideais do liberalismo, nacionalismo e pela estreia do socialismo.  A partir de 1946, uma sucessão de problemas econômicos e dificuldades políticas fizeram desmoronar as forças de sustentação do governo de Luís Filipe. A crise se fez sentir por exemplo, no aumento da miséria, nas más colheitas, na queda da produção industrial... Foi então que a burguesia liberal e o operariado uniram-se temporariamente contra o governo.
  • 15. Governo Provisório e Segunda República. Com a queda de Luís Felipe, organizou-se em fevereiro de 1848, um governo provisório, que tomou as seguintes medidas:  Proclamou a segunda república – (1848- 1852);  Promoveu a liberdade de imprensa;  Aboliu a escravidão nas colônias francesas;  Estabeleceu o sufrágio universal masculino.
  • 16. O massacre do movimento socialista.  Desse governo participaram políticos socialistas como Louis Blanc, e representantes da burguesia liberal, como Alfonse Lamartine. Uma vez no poder esses dois grupos não chegaram a um acordo sobre os grandes rumos do governo.  Assim, em 23 de abril, realizaram- se eleições parlamentares em todo país.  Derrotados nas eleições os socialistas passaram a comandar várias lutas de trabalhadores contra as decisões da Assembleia Constituinte. Numerosas rebeliões operarias eclodiram em Paris e em outras cidades francesas de grande concentração industrial.  O governo burguês decidiu pôr fim as rebeliões dos trabalhadores e impor ordem no país. Em julho de 1848, tropas comandadas pelo general Eugène Cavaignac, provocou a morte de mais de mil pessoas.
  • 17. Volta da Monarquia. Em novembro de 1848, foi promulgada uma nova Constituição, um mês depois, realizaram- se eleições para presidente. O candidato vitorioso, foi Luís Napoleão Bonaparte.  Em seu governo conquistou a confiança de boa parte do exercito, dos eclesiásticos, de boa parcela dos funcionários administrativos, da classe média urbana e da população rural.  Desse modo, pouco antes do fim de seu mandato, em 2 de dezembro de 1852, Promoveu um golpe de estado para continuar no poder. Em dezembro de 1852, foi coroado “imperador dos franceses pela graça de Deus e vontade geral da nação”.
  • 18. Enquanto isso, na Itália.  Submetidos aos Austríacos desde o Congresso de Viena, muitos italianos estavam descontentes e rebelaram-se sob a liderança do rei Carlos Alberto de Piemonte, iniciando a guerra.  A Áustria venceu a guerra, e o rei Carlos Alberto teve de abdicar em favor de seu filho,Vitor Emanuel.
  • 19. Alemanha... A Alemanha depois do congresso de Viena passou a constituir uma Confederação. A Prússia e a Áustria liderava essa Confederação. Visando à maior integração entre os Estados Germânicos, foi criada a Zollverein. Política econômica que estimulou o nacionalismo germânico, o desejo de independência e de união política  Fato que levou na Prússia o rei Guilherme a ceder à pressão popular por uma constituição, e em vários outros estados houve adesão ao movimento. A reunião dos constituintes foi marcadas por divergências, o que facilitou a repressão e o esvaziamento do movimento.
  • 20. Áustria...  O império Austríaco que era formado por várias nacionalidades, se rebelaram, procurando autonomia política. Contudo o Império organizou-se e reprimiu duramente o movimento.
  • 22. Unificação Alemã e Italiana. Ana Paula Silva
  • 23. Introdução  A Itália e Alemanha, não tinham o seu território unificado, o que prejudicava os interesses econômicos da burguesia destas regiões.  No século XIX, a maior parte dos territórios europeus já eram estados-nação, ou seja, países unificados.  Depois do Congresso de Viena, em 1815, a Itália foi dividida em vários reinos, ducados e estados pontifícios, ou seja, que pertenciam à igreja católica.  A Alemanha, por sua vez, foi dividida em 39 estados, a Confederação Germânica. O poder era disputado entre os católicos da Áustria e os protestantes da Prússia.  Uma serie de guerras e medidas, cada uma à sua maneira, acabou levando estas duas regiões à unificação e a criação de estados fortes e centralizados.
  • 24. Unificação Alemã.  Depois da queda de Napoleão, as monarquias europeias passaram a se reorganizar. E dessa reorganização surgiu a Confederação Alemã, que era composta por 39 Estados independentes, onde cada Estado era responsável por defender a soberania da monarquia do outro.  Nesta confederação se destacavam dois Estados a Áustria e a Prússia ambos Estados desenvolvidos porém com objetivos opostos.  A Áustria era desenvolvida graças ao seu forte setor agrícola, e muito influente na confederação. Um dos motivos da sua grande influencia foi graças a seu grande território , porém não era a favor da unificação pois perderia seu poder sobre os outros Estados.  Já a Prússia também possuía um grande território e uma economia bem desenvolvida além de sua grande influencia, porém via a unificação como um modo de fazer a confederação se tornar forte e desenvolvida, já que um Estado completaria o outro e com esse intuito de unificação a Prússia desenvolveu um acordo chamado Zollverein.
  • 25. Acordo Zollverein. O acordo Zollverein é nada mais do que a quebra das barreiras alfandegárias entre os Estados envolvidos, ou seja livre comércio. O acordo foi bem sucedido, através dele foram construídas novas estradas de ferro, novas industrias e etc.  Com o acordo sendo bem sucedido nacionalistas e intelectuais passaram a defender o pangermanismo.
  • 26.  Pangermanismo: Ideologia e movimento que visa agrupar as etnias germânicas.  Assim, em 1850 houve a primeira tentativa de unificação mas que foi impedida pela Áustria .  Porém em 1862 o rei prussiano nomeou como seu chanceler ( primeiro ministro) Otto Von Bismarck que liderou as batalhas contra a Dinamarca, Áustria e França. Onde a Guerra contra a Áustria causada por uma quebra de acordo levou a expulsão da Áustria da confederação Alemã.  E ao fim dessas batalhas no dia 18 de Janeiro de 1871 foi declarado Guilherme I Kaiser (imperador) da Alemanha.
  • 27. Consequencias  Grande Desenvolvimento Econômico da Alemanha que se torna uma nova potência. E primeiras tenções que levaram a primeira Guerra Mundial, já que a potência da época a Inglaterra passa a ter concorrência e não fica satisfeita com isso.
  • 28. Unificação Italiana  A Itália, além de estar dividida entre várias monarquias autônomas, sofria a dominação da Áustria, que dominava a região da Lombardia e a cidade de Veneza.  O norte da Itália, onde ficava o reino de Piemonte-Sardenha, concentrava a maior parte da burguesia, que desejava a unificação para formar um mercado nacional para os seus produtos  Assim, foi no reino de Piemonte-Sardenha que teve início o movimento pela unificação da Itália, em 1848. Os italianos tiveram apoio da França na luta contra a Áustria.  A guerra contra a Áustria começou em 1859, com apoio de Napoleão III, imperador da França. Os Camisas Vermelhas, movimento popular liderado por Giuseppe Garibaldi, também foram decisivos.  A Áustria acabou derrotada, cedendo o território da Lombardia.
  • 29.  A vitória sobre a Áustria mobilizou os italianos de várias regiões, como Toscana, Parma e Modena. Estes estados, seguidos de outros, se uniram ao Piemonte no projeto de unificação.  Os últimos territórios conquistados pelos piemonteses foram Veneza e Roma. Veneza foi conquistada em 1866. Roma foi conquistada em 1870 e se tornou capital da Itália unificada.  No processo de unificação, a Igreja Católica perdeu vários estados pontifícios, ou seja, territórios sob seu domínio e influência. Assim, acabou sofrendo grande prejuízos.  Em 1929, através do Tratado de Latrão, Benito Mussolini indenizou a Igreja, cedendo a praça de São Pedro e possibilitando a criação do Estado do Vaticano, dentro de Roma.