SlideShare uma empresa Scribd logo
 
I Mostra Cultural Africana da EMEF Dr. Nelson Paim Terra Cronograma I Mostra Cultural Africana da EJA Filme Palestra Janta Africana Preparação Exposição Pagode Capoeira Janta Africana Pintura  Das Máscaras Janta Africana Confecção das Máscaras por turma Labin Máscaras, Lendas, Pensamentos de Mandela Biblioteca Leitura Cultura Negra Sábado (19/11) Sexta-feira (18/11) Quinta-feira (17/11) Quarta-feira (16/11) Sexta-feira (11/11) Quinta-feira (10/11) Quarta-feira (09/11)
EMEF Dr. NELSON PAIM TERRA EJA – 2011 CARDÁPIO DA I MOSTRA CULTURAL AFRICANA  DE 16 A 19 DE NOVEMBRO DE 2011. Arroz de hauçá:  arroz cozido em água pode ser servido com carne-seca, charque ou carne normal. Cozinha-se no molho de pimenta  ou sem, comida oferecida ao orixá oxalá. Mungunzá: Esse alimento utiliza o milho debulhado (ou farinha de milho média) cozido no leite-de-vaca ou no leite-de-coco, adoçado ou temperado com sal e condimentos. Quibebe:  prato típico do Nordeste, de origem africana, feito de carne-de-sol, charque ou carne cozida, desfiada e refogada com abóbora. Tem a consistência de uma papa grossa e pode ser temperado com azeite-de-dendê e cheiro verde. Quibebe: papa ou purê de abóbora (jerimum) com leite. Carne frita de porco.  Feijoada, couve refogada e farofa de legumes. Carne à Tanzânia:  carne (acém) temperada com limão, sal, pimenta, leite-de-coco e curry (ou cominho).  A carne é fritada, desfiada e refogada com cubos de legumes como cebola, batata, tomates, nabos, etc.
Moqueca de frango:  a carne é temperada com coentro, sal, azeite-de-dendê. Doura-se o frango com cebola ou alho, acrescentando-se leite de coco (ou creme de leite) e azeite-de-dendê. Galinha desfiada: tempera-se o frango com sal, coentro (em semente) e curry (ou cominho). A carne é cozida, fritada e desfiada. Servida com bastante tempero verde e coentro (folha) picados. Em todas as refeições o suco de frutas (abacaxi, laranja, limão, etc.) está presente Sobremesas: salada de fruta, pé-de-moleque ou quindins. Moqueca de frango, arroz hauçá, feijão, salada verde Arroz de hauçá, carne frita de porco, lentilha, e farofa de legumes Carne à Tanzânia, Arroz de hauçá, feijoada, couve refogada, salada de tomate Sexta-feira 18/11/11 Quinta-feira 17/11/11 Quarta-feira 16/11/11
ANEMIA FALCIFORME ANEMIA FALCIFORME Anemia falciforme  é uma doença hereditária (passa dos pais para os filhos) caracterizada pela alteração dos glóbulos vermelhos do sangue, tornando-os parecidos com uma foice, daí o nome falciforme. Essas células têm sua membrana alterada e rompem-se mais facilmente, causando anemia. A hemoglobina, que transporta o oxigênio e dá a cor aos glóbulos vermelhos, é essencial para a saúde de todos os órgãos do corpo. Essa condição é mais comum em indivíduos da raça negra. No Brasil, representam cerca de 8% dos negros, mas devido à intensa miscigenação historicamente ocorrida no país, pode ser observada também em pessoas de raça branca ou parda. SINTOMAS A anemia falciforme pode se manifestar de forma diferente em cada indivíduo. Uns têm apenas alguns sintomas leves, outros apresentam um ou mais sinais. Os sintomas geralmente aparecem na segunda metade do primeiro ano de vida da criança. Crise de dor: é o sintoma mais freqüente da doença falciforme causado pela obstrução de pequenos vasos sanguíneos pelos glóbulos vermelhos em forma de foice. A dor é mais freqüente nos ossos e nas articulações, podendo, porém atingir qualquer parte do corpo. Essas crises têm duração variável e podem ocorrer várias vezes ao ano. Geralmente são associadas ao tempo frio, infecções, período pré-menstrual, problemas emocionais, gravidez ou desidratação; I ecterícia (cor amarela nos olhos e pele): é o sinal mais freqüente da doença. O quadro não é contagioso e não deve ser confundido com hepatite. Quando o glóbulo vermelho se rompe, aparece um pigmento amarelo no sangue que se chama bilirrubina, fazendo com que o branco dos olhos e a pele fiquem amarelos; Síndrome mão-pé: nas crianças pequenas as crises de dor podem ocorrer nos pequenos vasos sangüíneos das mãos e dos pés, causando inchaço, dor e vermelhidão no local; Infecções: as pessoas com doença falciforme têm maior propensão a infecções e, principalmente as crianças podem ter mais pneumonias e meningites. Por isso elas devem receber vacinas especiais para prevenir estas complicações. Ao primeiro sinal de febre deve-se procurar o hospital onde é feito o acompanhamento da doença. Isto certamente fará com que a infecção seja controlada com mais facilidade;
Úlcera (ferida) de Perna: ocorre mais freqüentemente próximo aos tornozelos, a partir da adolescência. As úlceras podem levar anos para a cicatrização completa, se não forem bem cuidadas no início do seu aparecimento. Para prevenir o aparecimento das úlceras, os pacientes devem usar meias grossas e sapatos; Seqüestro do Sangue no Baço: o baço é o órgão que filtra o sangue. Em crianças com anemia falciforme, o baço pode aumentar rapidamente por seqüestrar todo o sangue e isso pode levar rapidamente à morte por falta de sangue para os outros órgãos, como o cérebro e o coração. É uma complicação da doença que envolve risco de vida e exige tratamento emergencial. DIAGNÓSTICO A detecção é feita através do exame eletroforese de hemoglobina. O teste do pezinho, realizado gratuitamente antes do bebê receber alta da maternidade, proporciona a detecção precoce de hemoglobinopatias, como a anemia falciforme. TRATAMENTO Quando descoberta a doença, o bebê deve ter acompanhamento médico adequado baseado num programa de atenção integral. Nesse programa, os pacientes devem ser acompanhados por toda a vida por uma equipe com vários profissionais treinados no tratamento da anemia falciforme para orientar a família e o doente a descobrir rapidamente os sinais de gravidade da doença, a tratar adequadamente as crises e a praticar medidas para sua prevenção. A equipe é formada por médicos, enfermeiras, assistentes sociais, nutricionistas, psicólogos, dentistas, etc. Além disso, as crianças devem ter seu crescimento e desenvolvimento acompanhados, como normalmente é feito com todas as outras crianças que não têm a doença. *Manual da Anemia Falciforme - Ministério da Saúde 2011

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a I Mostra Cultura Africana - Apresentação

2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde
2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde
2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde
bibliotecasaude
 
Alexandra Simeaao - Anemia Falciforme, DW Debate 2014/12/12
Alexandra Simeaao - Anemia Falciforme, DW Debate 2014/12/12Alexandra Simeaao - Anemia Falciforme, DW Debate 2014/12/12
Alexandra Simeaao - Anemia Falciforme, DW Debate 2014/12/12
Development Workshop Angola
 
Anemia na Infância
Anemia na InfânciaAnemia na Infância
Anemia na Infância
blogped1
 
Apres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.ppt
Apres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.pptApres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.ppt
Apres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.ppt
Paty Xavier
 
ANEMIA FALCIFORME
ANEMIA FALCIFORMEANEMIA FALCIFORME
ANEMIA FALCIFORME
Juliana Barbosa
 
Apres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.ppt
Apres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.pptApres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.ppt
Apres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.ppt
sergio_chumbinho
 
anemia falciforme
anemia falciformeanemia falciforme
anemia falciforme
Paula Saraiva
 
Anemia completo
Anemia completoAnemia completo
Anemia completo
MarryFts
 
Faciforme doença ilustrativo informativo
Faciforme doença ilustrativo informativoFaciforme doença ilustrativo informativo
Faciforme doença ilustrativo informativo
DressinhaAparecida1
 
Doença Falciforme - Manual do Agente
Doença Falciforme - Manual do AgenteDoença Falciforme - Manual do Agente
Doença Falciforme - Manual do Agente
cipasap
 
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anosDoenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
KarineRibeiro57
 
Trabalho anemia
Trabalho anemiaTrabalho anemia
Trabalho anemia
Allison Azevedo
 
Herança autossômica recessiva (1)
Herança autossômica recessiva (1)Herança autossômica recessiva (1)
Herança autossômica recessiva (1)
Kelvia Dias
 
Herança autossômica recessiva
Herança autossômica recessiva Herança autossômica recessiva
Herança autossômica recessiva
Kelvia Dias
 
Helmintíases
HelmintíasesHelmintíases
Helmintíases
letyap
 
1227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 2008
1227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 20081227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 2008
1227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 2008
Pierre Wagner Santos Silva
 
anemiafalciforme-150911070504-lva1-app6891.pdf
anemiafalciforme-150911070504-lva1-app6891.pdfanemiafalciforme-150911070504-lva1-app6891.pdf
anemiafalciforme-150911070504-lva1-app6891.pdf
sergio_chumbinho
 
Anemia Falciforme
Anemia FalciformeAnemia Falciforme
Anemia Falciforme
Samuel Cevidanes
 
Doença Falciforme - Manual do Professor
Doença Falciforme - Manual do ProfessorDoença Falciforme - Manual do Professor
Doença Falciforme - Manual do Professor
cipasap
 
Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme
luzienne moraes
 

Semelhante a I Mostra Cultura Africana - Apresentação (20)

2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde
2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde
2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde
 
Alexandra Simeaao - Anemia Falciforme, DW Debate 2014/12/12
Alexandra Simeaao - Anemia Falciforme, DW Debate 2014/12/12Alexandra Simeaao - Anemia Falciforme, DW Debate 2014/12/12
Alexandra Simeaao - Anemia Falciforme, DW Debate 2014/12/12
 
Anemia na Infância
Anemia na InfânciaAnemia na Infância
Anemia na Infância
 
Apres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.ppt
Apres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.pptApres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.ppt
Apres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.ppt
 
ANEMIA FALCIFORME
ANEMIA FALCIFORMEANEMIA FALCIFORME
ANEMIA FALCIFORME
 
Apres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.ppt
Apres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.pptApres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.ppt
Apres-a12.m12.d12-Neusa-Agafal-Anemia-Falciforme.ppt
 
anemia falciforme
anemia falciformeanemia falciforme
anemia falciforme
 
Anemia completo
Anemia completoAnemia completo
Anemia completo
 
Faciforme doença ilustrativo informativo
Faciforme doença ilustrativo informativoFaciforme doença ilustrativo informativo
Faciforme doença ilustrativo informativo
 
Doença Falciforme - Manual do Agente
Doença Falciforme - Manual do AgenteDoença Falciforme - Manual do Agente
Doença Falciforme - Manual do Agente
 
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anosDoenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
 
Trabalho anemia
Trabalho anemiaTrabalho anemia
Trabalho anemia
 
Herança autossômica recessiva (1)
Herança autossômica recessiva (1)Herança autossômica recessiva (1)
Herança autossômica recessiva (1)
 
Herança autossômica recessiva
Herança autossômica recessiva Herança autossômica recessiva
Herança autossômica recessiva
 
Helmintíases
HelmintíasesHelmintíases
Helmintíases
 
1227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 2008
1227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 20081227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 2008
1227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 2008
 
anemiafalciforme-150911070504-lva1-app6891.pdf
anemiafalciforme-150911070504-lva1-app6891.pdfanemiafalciforme-150911070504-lva1-app6891.pdf
anemiafalciforme-150911070504-lva1-app6891.pdf
 
Anemia Falciforme
Anemia FalciformeAnemia Falciforme
Anemia Falciforme
 
Doença Falciforme - Manual do Professor
Doença Falciforme - Manual do ProfessorDoença Falciforme - Manual do Professor
Doença Falciforme - Manual do Professor
 
Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme
 

Mais de alexrrosaueja

Platão
PlatãoPlatão
Platão
alexrrosaueja
 
Projeto Conhecendo Nossas Origens - EMEF Rio Grande do Sul
Projeto Conhecendo Nossas Origens - EMEF Rio Grande do SulProjeto Conhecendo Nossas Origens - EMEF Rio Grande do Sul
Projeto Conhecendo Nossas Origens - EMEF Rio Grande do Sul
alexrrosaueja
 
Projeto Educação Física para a EJA
Projeto Educação Física para a EJAProjeto Educação Física para a EJA
Projeto Educação Física para a EJA
alexrrosaueja
 
Regimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela Trentin
Regimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela TrentinRegimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela Trentin
Regimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela Trentin
alexrrosaueja
 
Prof. Danilo - Curso da Diversidade - Indígenas - Mapas
Prof. Danilo - Curso da Diversidade - Indígenas - MapasProf. Danilo - Curso da Diversidade - Indígenas - Mapas
Prof. Danilo - Curso da Diversidade - Indígenas - Mapas
alexrrosaueja
 
Prof. Christiane Oliveira - EMEF Santos Dumont
Prof. Christiane Oliveira - EMEF Santos DumontProf. Christiane Oliveira - EMEF Santos Dumont
Prof. Christiane Oliveira - EMEF Santos Dumont
alexrrosaueja
 
Prof. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação Ambiental
Prof. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação AmbientalProf. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação Ambiental
Prof. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação Ambiental
alexrrosaueja
 
Jorge Floriano - MP/RS - Direitos Humanos
Jorge Floriano - MP/RS - Direitos HumanosJorge Floriano - MP/RS - Direitos Humanos
Jorge Floriano - MP/RS - Direitos Humanos
alexrrosaueja
 
Joiran M. da Silva - MEC - Educação Inclusiva
Joiran M. da Silva - MEC - Educação InclusivaJoiran M. da Silva - MEC - Educação Inclusiva
Joiran M. da Silva - MEC - Educação Inclusiva
alexrrosaueja
 
Gládis Kaercher - UFRGS - Diversidade
Gládis Kaercher - UFRGS - DiversidadeGládis Kaercher - UFRGS - Diversidade
Gládis Kaercher - UFRGS - Diversidade
alexrrosaueja
 
Carmen Gatto - MEC - EJA
Carmen Gatto - MEC - EJACarmen Gatto - MEC - EJA
Carmen Gatto - MEC - EJA
alexrrosaueja
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
alexrrosaueja
 
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa AvanciniQuilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
alexrrosaueja
 
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa AvanciniAula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
alexrrosaueja
 
XII ENEJA - Apresentação SECADI-MEC - Mauro José da Silva
XII ENEJA - Apresentação SECADI-MEC - Mauro José da SilvaXII ENEJA - Apresentação SECADI-MEC - Mauro José da Silva
XII ENEJA - Apresentação SECADI-MEC - Mauro José da Silva
alexrrosaueja
 
Xii eneja cátedra unesco - prof. timothy ireland
Xii eneja   cátedra unesco - prof. timothy irelandXii eneja   cátedra unesco - prof. timothy ireland
Xii eneja cátedra unesco - prof. timothy ireland
alexrrosaueja
 
Xii eneja daniel cara
Xii eneja   daniel caraXii eneja   daniel cara
Xii eneja daniel cara
alexrrosaueja
 
Xii eneja maria luiza
Xii eneja   maria luizaXii eneja   maria luiza
Xii eneja maria luiza
alexrrosaueja
 
Xii eneja prof. maria margarida machado
Xii eneja   prof. maria margarida machadoXii eneja   prof. maria margarida machado
Xii eneja prof. maria margarida machado
alexrrosaueja
 

Mais de alexrrosaueja (20)

Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Projeto Conhecendo Nossas Origens - EMEF Rio Grande do Sul
Projeto Conhecendo Nossas Origens - EMEF Rio Grande do SulProjeto Conhecendo Nossas Origens - EMEF Rio Grande do Sul
Projeto Conhecendo Nossas Origens - EMEF Rio Grande do Sul
 
Projeto Educação Física para a EJA
Projeto Educação Física para a EJAProjeto Educação Física para a EJA
Projeto Educação Física para a EJA
 
Regimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela Trentin
Regimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela TrentinRegimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela Trentin
Regimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela Trentin
 
Prof. Danilo - Curso da Diversidade - Indígenas - Mapas
Prof. Danilo - Curso da Diversidade - Indígenas - MapasProf. Danilo - Curso da Diversidade - Indígenas - Mapas
Prof. Danilo - Curso da Diversidade - Indígenas - Mapas
 
Prof. Christiane Oliveira - EMEF Santos Dumont
Prof. Christiane Oliveira - EMEF Santos DumontProf. Christiane Oliveira - EMEF Santos Dumont
Prof. Christiane Oliveira - EMEF Santos Dumont
 
Prof. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação Ambiental
Prof. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação AmbientalProf. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação Ambiental
Prof. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação Ambiental
 
Jorge Floriano - MP/RS - Direitos Humanos
Jorge Floriano - MP/RS - Direitos HumanosJorge Floriano - MP/RS - Direitos Humanos
Jorge Floriano - MP/RS - Direitos Humanos
 
Joiran M. da Silva - MEC - Educação Inclusiva
Joiran M. da Silva - MEC - Educação InclusivaJoiran M. da Silva - MEC - Educação Inclusiva
Joiran M. da Silva - MEC - Educação Inclusiva
 
Gládis Kaercher - UFRGS - Diversidade
Gládis Kaercher - UFRGS - DiversidadeGládis Kaercher - UFRGS - Diversidade
Gládis Kaercher - UFRGS - Diversidade
 
Carmen Gatto - MEC - EJA
Carmen Gatto - MEC - EJACarmen Gatto - MEC - EJA
Carmen Gatto - MEC - EJA
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa AvanciniQuilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
 
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa AvanciniAula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
 
XII ENEJA - Apresentação SECADI-MEC - Mauro José da Silva
XII ENEJA - Apresentação SECADI-MEC - Mauro José da SilvaXII ENEJA - Apresentação SECADI-MEC - Mauro José da Silva
XII ENEJA - Apresentação SECADI-MEC - Mauro José da Silva
 
Xii eneja cátedra unesco - prof. timothy ireland
Xii eneja   cátedra unesco - prof. timothy irelandXii eneja   cátedra unesco - prof. timothy ireland
Xii eneja cátedra unesco - prof. timothy ireland
 
Xii eneja daniel cara
Xii eneja   daniel caraXii eneja   daniel cara
Xii eneja daniel cara
 
Xii eneja maria luiza
Xii eneja   maria luizaXii eneja   maria luiza
Xii eneja maria luiza
 
Xii eneja prof. maria margarida machado
Xii eneja   prof. maria margarida machadoXii eneja   prof. maria margarida machado
Xii eneja prof. maria margarida machado
 

Último

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 

Último (20)

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 

I Mostra Cultura Africana - Apresentação

  • 1.  
  • 2. I Mostra Cultural Africana da EMEF Dr. Nelson Paim Terra Cronograma I Mostra Cultural Africana da EJA Filme Palestra Janta Africana Preparação Exposição Pagode Capoeira Janta Africana Pintura Das Máscaras Janta Africana Confecção das Máscaras por turma Labin Máscaras, Lendas, Pensamentos de Mandela Biblioteca Leitura Cultura Negra Sábado (19/11) Sexta-feira (18/11) Quinta-feira (17/11) Quarta-feira (16/11) Sexta-feira (11/11) Quinta-feira (10/11) Quarta-feira (09/11)
  • 3. EMEF Dr. NELSON PAIM TERRA EJA – 2011 CARDÁPIO DA I MOSTRA CULTURAL AFRICANA DE 16 A 19 DE NOVEMBRO DE 2011. Arroz de hauçá: arroz cozido em água pode ser servido com carne-seca, charque ou carne normal. Cozinha-se no molho de pimenta ou sem, comida oferecida ao orixá oxalá. Mungunzá: Esse alimento utiliza o milho debulhado (ou farinha de milho média) cozido no leite-de-vaca ou no leite-de-coco, adoçado ou temperado com sal e condimentos. Quibebe: prato típico do Nordeste, de origem africana, feito de carne-de-sol, charque ou carne cozida, desfiada e refogada com abóbora. Tem a consistência de uma papa grossa e pode ser temperado com azeite-de-dendê e cheiro verde. Quibebe: papa ou purê de abóbora (jerimum) com leite. Carne frita de porco. Feijoada, couve refogada e farofa de legumes. Carne à Tanzânia: carne (acém) temperada com limão, sal, pimenta, leite-de-coco e curry (ou cominho). A carne é fritada, desfiada e refogada com cubos de legumes como cebola, batata, tomates, nabos, etc.
  • 4. Moqueca de frango: a carne é temperada com coentro, sal, azeite-de-dendê. Doura-se o frango com cebola ou alho, acrescentando-se leite de coco (ou creme de leite) e azeite-de-dendê. Galinha desfiada: tempera-se o frango com sal, coentro (em semente) e curry (ou cominho). A carne é cozida, fritada e desfiada. Servida com bastante tempero verde e coentro (folha) picados. Em todas as refeições o suco de frutas (abacaxi, laranja, limão, etc.) está presente Sobremesas: salada de fruta, pé-de-moleque ou quindins. Moqueca de frango, arroz hauçá, feijão, salada verde Arroz de hauçá, carne frita de porco, lentilha, e farofa de legumes Carne à Tanzânia, Arroz de hauçá, feijoada, couve refogada, salada de tomate Sexta-feira 18/11/11 Quinta-feira 17/11/11 Quarta-feira 16/11/11
  • 5. ANEMIA FALCIFORME ANEMIA FALCIFORME Anemia falciforme é uma doença hereditária (passa dos pais para os filhos) caracterizada pela alteração dos glóbulos vermelhos do sangue, tornando-os parecidos com uma foice, daí o nome falciforme. Essas células têm sua membrana alterada e rompem-se mais facilmente, causando anemia. A hemoglobina, que transporta o oxigênio e dá a cor aos glóbulos vermelhos, é essencial para a saúde de todos os órgãos do corpo. Essa condição é mais comum em indivíduos da raça negra. No Brasil, representam cerca de 8% dos negros, mas devido à intensa miscigenação historicamente ocorrida no país, pode ser observada também em pessoas de raça branca ou parda. SINTOMAS A anemia falciforme pode se manifestar de forma diferente em cada indivíduo. Uns têm apenas alguns sintomas leves, outros apresentam um ou mais sinais. Os sintomas geralmente aparecem na segunda metade do primeiro ano de vida da criança. Crise de dor: é o sintoma mais freqüente da doença falciforme causado pela obstrução de pequenos vasos sanguíneos pelos glóbulos vermelhos em forma de foice. A dor é mais freqüente nos ossos e nas articulações, podendo, porém atingir qualquer parte do corpo. Essas crises têm duração variável e podem ocorrer várias vezes ao ano. Geralmente são associadas ao tempo frio, infecções, período pré-menstrual, problemas emocionais, gravidez ou desidratação; I ecterícia (cor amarela nos olhos e pele): é o sinal mais freqüente da doença. O quadro não é contagioso e não deve ser confundido com hepatite. Quando o glóbulo vermelho se rompe, aparece um pigmento amarelo no sangue que se chama bilirrubina, fazendo com que o branco dos olhos e a pele fiquem amarelos; Síndrome mão-pé: nas crianças pequenas as crises de dor podem ocorrer nos pequenos vasos sangüíneos das mãos e dos pés, causando inchaço, dor e vermelhidão no local; Infecções: as pessoas com doença falciforme têm maior propensão a infecções e, principalmente as crianças podem ter mais pneumonias e meningites. Por isso elas devem receber vacinas especiais para prevenir estas complicações. Ao primeiro sinal de febre deve-se procurar o hospital onde é feito o acompanhamento da doença. Isto certamente fará com que a infecção seja controlada com mais facilidade;
  • 6. Úlcera (ferida) de Perna: ocorre mais freqüentemente próximo aos tornozelos, a partir da adolescência. As úlceras podem levar anos para a cicatrização completa, se não forem bem cuidadas no início do seu aparecimento. Para prevenir o aparecimento das úlceras, os pacientes devem usar meias grossas e sapatos; Seqüestro do Sangue no Baço: o baço é o órgão que filtra o sangue. Em crianças com anemia falciforme, o baço pode aumentar rapidamente por seqüestrar todo o sangue e isso pode levar rapidamente à morte por falta de sangue para os outros órgãos, como o cérebro e o coração. É uma complicação da doença que envolve risco de vida e exige tratamento emergencial. DIAGNÓSTICO A detecção é feita através do exame eletroforese de hemoglobina. O teste do pezinho, realizado gratuitamente antes do bebê receber alta da maternidade, proporciona a detecção precoce de hemoglobinopatias, como a anemia falciforme. TRATAMENTO Quando descoberta a doença, o bebê deve ter acompanhamento médico adequado baseado num programa de atenção integral. Nesse programa, os pacientes devem ser acompanhados por toda a vida por uma equipe com vários profissionais treinados no tratamento da anemia falciforme para orientar a família e o doente a descobrir rapidamente os sinais de gravidade da doença, a tratar adequadamente as crises e a praticar medidas para sua prevenção. A equipe é formada por médicos, enfermeiras, assistentes sociais, nutricionistas, psicólogos, dentistas, etc. Além disso, as crianças devem ter seu crescimento e desenvolvimento acompanhados, como normalmente é feito com todas as outras crianças que não têm a doença. *Manual da Anemia Falciforme - Ministério da Saúde 2011