SlideShare uma empresa Scribd logo
Escrita das Américas: a
literatura como fonte
Ensino de História e Linguagens: da graduação à
educação básica, práticas de leitura documental
Coordenadora: Adriane Vidal Costa
Bárbara Munaier
Isadora Vivacqua
José Antônio
História e Literatura
Representações latino-americanas
nas obras de Júlio Cortázar, Pablo
Neruda, Gabriel García Márquez e
Isabel Allende
Literatura como fonte
• Qualquer tipo de documento é uma representação
do real;
• Segundo Chartier, a distinção entre história e ficção é
vacilante. A primeira pretende realizar uma
representação adequada do real que foi e não é
mais, e a segunda, em todas as suas formas, “é um
discurso que ‘informa’ do real, mas não pretende
abonar-se nele”;
• O literato insere-se na realidade sociocultural do
tempo em que vive, do qual faz parte, com ela
dialogando ao produzir sua representação;
“Isolar da ficção, fragmentos da realidade”
“A ficção não seria *...+ o avesso do real, mas uma
outra forma de captá-la, onde os limites da criação e
fantasia são mais amplos do que aqueles permitidos
ao historiador *...+ (PESAVENTO, 1995)”
“A proposta é historicizar a obra literária – seja ela
conto, crônica, poesia ou romance -, inseri-la no
movimento da sociedade, investigar as suas redes de
interlocução social, destrinchar não a sua suposta
autonomia em relação à sociedade, mas sim a forma
como constrói ou representa a sua relação com a
realidade social – algo que faz mesmo ao negar fazê-
lo.”
• A produção historiográfica não pode prescindir da
imaginação, da subjetividade, assim como a produção da
narrativa ficcional esta embutida de doses de realidade.
• Não devemos, em hipótese alguma, imaginar que os
fatos estão soltos por aí e que basta catalogá-los para
que a verdade se faça, límpida e indiscutível, diante de
nós.
• Devemos buscar as diferentes representações que se
podem encontrar sobre o real, já que a sua descrição
costuma envolver uma conseqüente e imediata
interpretação.
O intelectual latino-americano
“Durante três décadas, 1960 a 1990, revolução e
socialismo foram componentes centrais do debate
político-intelectual latino-americano. Os principais
eventos que propiciaram e balizaram esse debate
decorreram da Revolução Cubana e da Revolução
Sandinista na Nicarágua” (VIDAL, Adriane).
“Consideramos que o debate sobre revolução e
socialismo, propiciado sobretudo pelo clima político
gerado pela Revolução Cubana — que atravessou a
década de sessenta chegando até a experiência
revolucionária sandinista — possibilitou a formação
de um espaço comum revistas, jornais, conselhos
editoriais, editoras, reuniões, encontros,
conferências, correspondências de intervenção
intelectual para os escritores latinoamericanos”
(VIDAL, Adriane).
Pablo Neruda (1904 – 1973)
Vida e Obra
• Pablo Neruda nasceu em Parral, em de 1904, como
Neftalí Ricardo Reyes Basoalto. Era filho de um operário
ferroviário e uma professora primária, morta quando
Neruda tinha apenas um mês de vida.
• Ainda adolescente adotou o pseudônimo de Pablo
Neruda, pois tinha uma relação conflituosa com o pai
que não aceitava sua condição de poeta.
• Com vinte anos, publica “Vinte poemas de amor e uma
canção desesperada”.
• Em 1927, começa sua longa carreia diplomática. Isso
possibilitou ao poeta vasta experiência cultural.
• Em 1936, eclode a Guerra Civil espanhola; Neruda é
destituído do cargo consular e escreve Espanha no
coração.
• Pablo Neruda esteve presente no palco dos
acontecimentos da Guerra Civil Espanhola, o que
mudou o rumo de sua poesia, despertando no poeta
o compromisso político-social.
• Com o fim da Guerra Civil Espanhola e a derrota das
forças republicanas, em 1939, ocorreu um acelerado
êxodo de cidadãos espanhóis em busca de exílio.
Neruda estava em Paris, mandado pelo presidente
chileno Pedro Aguirre Cerdae tinha a missão de
reunir um grande número desses espanhóis e
mandá-los para o Chile.
• Para a realização desse trabalho, Neruda contou com
a ajuda do governo republicano no exílio, que lhe
conseguiu um barco, o Winnipeg. O poeta embarcou
mais de dois mil espanhóis refugiados, que a bordo
do Winnipeg chegaram a Valparaíso em fins de 1939.
• Em 1945 é eleito senador. No mesmo ano, lê para mais
de 100 mil pessoas no Estádio do Pacaembu em
homenagem ao líder comunista Luís Carlos Prestes.
• Em 1950 publica Canto General, uma de suas obras mais
importantes.
• Em outubro de 1971 recebeu o Nobel de Literatura. Após
o prêmio, Neruda é convidado por Salvador Allende para
ler para mais de 70 mil pessoas no Estádio Nacional de
Chile.
• De acordo com Isabel Allende, em seu livro Paula,
Neruda teria morrido de "tristeza" em setembro de
1973, ao ver dissolvido o governo de Allende.
• Morre em 1973, poucos dias depois do Golpe de
Estado. Sua morte ainda hoje é uma questão
polêmica.
• Durante as eleições presidenciais do Chile nos anos
70, Neruda abriu mão de sua candidatura para que
Salvador Allende vencesse, pois ambos eram
marxistas.
Júlio Cortázar (1914 – 1984)
Vida e Obra
• Filho de argentinos, nasceu na embaixada da Argentina
em Ixelles, distrito de Bruxelas, na Bélgica, e voltou a sua
terra natal aos quatro anos de idade.
• Em 1935, forma-se professor em Letras, na Argentina.
Lecionou em algumas faculdades no interior do país.
• Em 1951, aos 37 anos, Cortázar, por não concordar com a
ditadura na Argentina, partiu para Paris, pois havia
recebido uma bolsa do governo francês para ali estudar
por dez meses, e acabou se instalando definitivamente.
• Em 1963 visitou Cuba enviado pela Casa de las
Américas, para ser jurado em um concurso. Foi a
época de intensificação do seu fascínio pela política.
• Nesse mesmo ano lançou Rayuela, uma de suas
principais obras.
• A partir daí, engajou-se politicamente contra os
regimes autoritários latino-americanos.
• Em novembro de 1970 viaja ao Chile, onde se
solidarizou com o governo de Salvador Allende.
• Em 1971, foi "excomungado" por Fidel Castro, assim
como outros escritores, por pedir informações sobre
o desparecimento do poeta Heberto Padilla.
• Apesar de sua desilusão com a atitude de Castro,
continuou acompanhando a situação política da
América Latina.
• Em 1973, recebeu o Prêmio Médicis por seu Libro de
Manuel e destinou seus direitos à ajuda dos presos
políticos na Argentina.
• Em 1974, foi membro do Tribunal Bertrand Russell II,
reunido em Roma para examinar a situação política
na América Latina, em particular as violações dos
Direitos Humanos.
• Em 1976, viajou para Costa Rica, onde se encontrou
com Sergio Ramírez e Ernesto Cardenal, e fez uma
viagem clandestina até Solentiname, na Nicarágua.
• Esta viagem o marcaria para sempre e seria o
começo de uma série de visitas a este país.
• Em 1983, volta a democracia na Argentina, e
Cortázar fez uma última viagem à sua pátria, onde foi
recebido calorosamente por seus admiradores.
• Morre de leucemia, em 1984.
Júlio Cortázar em Cuba
Principais Obras
• Todos los fuegos el fuego, 1966;
• La vuelta al día en ochenta
mundos, 1967 (cuentos);
• Libro de Manuel, 1973 (novela);
• Octaedro, 1974 (cuentos);
• Nicaragua tan violentamente
dulce, 1983;
• Bestiario, 1951 (cuentos);
• Final del juego, 1956 (cuentos);
• Las armas secretas, 1959
(cuentos);
• Los premios, 1960 (novela);
• Rayuela, 1963 (novela);
• La autopista del Sur, 1964;
Gabriel García Márquez (1927)
Vida e Obra
• Gabriel José García Márquez nasceu em 6 de março de
1927, em Aracataca (Colômbia), e após seus pais irem
para Barranquilla, em 1929, foi criado por seus avós
maternos, que posteriormente viriam a influenciar suas
narrativas, a partir das histórias que contavam.
• O avô, coronel Nicolas Márquez, veterano da guerra civil
colombiana (que se estendeu de 1899-1902), narrava-lhe
suas aventuras militares, e a avó, Tranquilina Iguarán,
relatava fábulas e lendas que transmitiam sua visão
mágica e supersticiosa da realidade.
• García Márquez, também conhecido como Gabo,
completou os primeiros estudos em Barranquilla e
Zipaquirá, onde teve um professor de literatura, Carlos
Julia Calderón Hermida, que desempenhou papel
marcante em sua decisão de se tornar escritor e a quem
dedicaria seu romance "O Enterro do Diabo" (1955).
• Por insistência dos pais, Márquez chegou a iniciar o curso
de direito na Universidade Nacional, em Bogotá, mas
logo enveredou para o jornalismo, assumindo uma
coluna diária no recém-fundado jornal "El Universal".
Contudo, não chegou a concluir a graduação.
• Nessa época, final da década de 1940, publicou seus
primeiros contos, "La Tercera Resignación" e "Eva Está
Dentro de su Gato". Consagrou-se na carreira jornalística
ao ingressar na redação de "El Espectador", onde se
tornou o primeiro crítico de cinema do jornalismo
colombiano e depois um brilhante cronista e repórter,
que exerceu influência na vida cultural do país.
• No final dos anos 50, de volta às Américas, trabalhou
em Caracas (Venezuela), em Cuba, onde passou seis
meses, e em Nova York, dirigindo a agência de
notícias cubana Prensa Latina. Em 1960, García
Márquez mudou-se para a Cidade do México e
começou a escrever roteiros para cinema. No ano
seguinte, publicou "Ninguém Escreve ao Coronel" e,
em 1962, "O Veneno da Madrugada", que ganhou o
Prêmio Esso de Romance, na Colômbia.
Cem Anos de Solidão
• Em 1966, segundo depoimento do escritor mexicano Carlos
Fuentes, quando voltava do balneário de Acapulco para a
Cidade do México, García Márquez teve o momento de
inspiração para escrever o romance que ruminava há mais de
uma década. Largou o emprego, deixando o sustento da casa
e dos dois filhos a cargo da mulher, Mercedes Barcha. Isolou-
se pelos próximos 18 meses, trabalhando diariamente por
mais de oito horas. No ano seguinte, publicou aquela que
seria sua obra mais conhecida e um dos fatores que
colocaram em evidencia a literatura latino-americana, “Cem
anos de solidão” em 1967.
• Com esta narrativa, mesclada de realismo e anedotas
fantásticas associadas aos seus personagens, o autor teceu
uma representação de uma cidade cuja história tanto lembra
sua cidade natal quanto seu próprio país e até mesmo a
América Latina, outrora isolados das grandes novidades
científicas e políticas, posteriormente submetidos à
dependência de estranhos (o governo federal e suas forças
militares, a força econômica estrangeira), representando
portanto, a formação de um estado moderno no âmbito das
próprias nações latino-americanas.
Prêmio Nobel
• Em 1982, recebeu o Prêmio Nobel de Literatura, pelo
conjunto de sua obra. Foi o primeiro colombiano e o quarto
latino-americano a receber o prêmio. Diante da Academia
Sueca e de quatrocentos convidados, pronunciou o discurso
"A Solidão da América Latina", refletindo sobre aspectos
políticos e sociais que permeiam a história da América Latina
e retratam sua complexidade, e assim, ajudam a identificar
traços de sua identidade e da própria ideia de América Latina.
Atividade Política
• García Márquez teve seu engajamento político evidenciado
principalmente nas décadas de 1960 e 1970, e participou
intensamente dos debates políticos e sociais acerca de revolução e
socialismo na América Latina. Esse engajamento foi fomentado,
assim como em outros escritores e intelectuais, a partir da
Revolução Cubana. Sua obra literária foi permeada por suas crenças
políticas e ideológicas, e serviu como expoente de seu
posicionamento em relação aos debates políticos e as questões
sociais da América Latina.
• Apoiou a Revolução Cubana e tornou-se amigo pessoal de
Fidel Castro. A revolução configurava a oportunidade de uma
experiência socialista na América, em um contexto de
desencantamento por parte dos intelectuais com a URSS, e
por isso foi tão importante no que se refere ao impulso para
esse engajamento político dos escritores.
• Devido as suas tendências e posturas esquerdistas, García
Márquez foi para o exílio, em países como México e Espanha,
por causa de enfrentamentos e atritos com o governo de seu
país em diversos momentos.
Isabel Allende (1942)
• Isabel Allende nasceu em 2 de Agosto de 1942,
em Lima, Peru. É filha do diplomata Tomás
Allende (primo-irmão de Salvador Allende) e de
Francisca Llona, conhecida como Doña
Panchita.
• Em 1945, Francisa decide anular seu
matrimônio com Tomás e regressa ao Chile
com seus filhos, para viverem na casa de seu pai,
em Santiago. Isabel Allende cresce, então, aos
cuidados de sua mãe e de seu avô.
• Em 1953, Panchita casa-se novamente com o
diplomata Ramón Huidoro, amigo íntimo de
Salvador Allende, o que estreita a relação entre
Allende e sua sobrinha. Por conta da profissão de
Ramón, Panchita decide mudar novamente com
seus filhos, vivem um tempo na Bolívia e depois
em Beirute (Líbano).
• Em 1958, Isabel retorna ao Chile, onde termina
seus estudos secundário. Posteriormente, conhece
seu futuro esposo – Miguel Frías, estudante de
engenharia. Casam-se em 1962 e um ano depois
tem a sua primeira filha, Paula. Em 1966 nasce o
segundo filho do casal, Nicolás.
• Em 1967, Isabel Allende é convidada a escrever
na revista Paula, a primeira revista feminina a ser
publicada no Chile.
“Era una periodista muy poco objetiva. Tengo opiniones
fuertes y me resulta muy difícil disimularlas. Cuando
entrevistaba a alguien, ponía en su boca las cosas que me
interesaba que dijera. Cuando no tenía una noticia
importante, o cuando el entrevistado era poco hablador,
le echaba imaginación. Siempre usaba el humor como
instrumento periodístico, y cuando hay humor hay más
flexibilidad, las personas son más tolerantes. Iba a las
entrevistas con una idea concreta sobre lo que quería que
me dijera el personaje. El periodismo objetivo es la
mentira más grande”.
“Eu te dar uma entrevista? Você é a pior jornalista deste
país! Pedi para que viesse aqui para lhe dizer que você
inventa coisas demais nas suas matérias. Sempre termina
falando de si mesma. Tudo isso são virtudes na
literatura. Porque não escreve um romance?”.
Pablo Neruda sobre Isabel Allende
O Golpe militar e a vida na Venezuela
• No dia 11 de Setembro de 1973, o general
Augusto Pinochet põe fim à democracia do
Chile, e o tio de Isabel, Salvador Allende, se
suicida. Pinochet instala uma ditadura cruel,
que vitimou mais de 40.000 pessoas.
• O sobrenome famoso passa a tornar-se um
problema para Isabel: “En aquella época mi
nombre era muy llamativo. Fuera de Chile me di
cuenta de que llamarse Allende era como tener un
título de nobleza, era más o menos como llamarse
Kennedy”.
• Isabel se exila na Venezuela. Junto com seus pais e seus
filhos, permanece em Caracas por treze anos.
• Agravando a situação, a família recebe notícias de que o
avô de Isabel estava gravemente doente e ela não podia
visitá-lo por conta da ditadura. Exatamente nesse difícil
contexto, Isabel começa a escrever uma carta de
despedida a seu avô, usando uma maquina de escrever
apoiada na mesa da cozinha, contendo todas as histórias
da família que ele narrava em sua infância. O avô falece,
mas Isabel continua a escrever.. e assim nasce “A Casa
dos Espíritos” (1982), inspirada em sua própria família.
• Ainda em 1978, diversos jornais divulgaram uma
notícia que também impressionou Isabel Allende: a
descoberta de uma mina abandonada que continha
cadáveres de 15 pessoas. Inspirada e impressionada por
tal informação, Allende lança, anos mais tarde, “De
Amor e de Sombra” (1984). Este livro tem início
exatamente onde “A Casa dos Espíritos” termina,
durante o gole militar e a queda de Salvador Allende,
em 1973.
• Após o sucesso destes dois livros, e o lançamento da sua
terceira obra “Eva Luna”, Isabel Allende decida largar
tudo para se dedicar somente à literatura.
• Em 1990, com a restauração do regime democrático no
Chile, Isabel regressa ao país para receber o prêmio
“Gabriela Mistral”, das mãos do presidente Patricio
Aylwin.
• Em dezembro de 1991, Paula, filha de Isabel, é
internada no hospital, vítima de um ataque de porfiría.
A escritora acompanha o sofrimento da filha que se
prolonga durante meses, em um coma irreversível, e
escreve a história de sua família para a jovem
inconsciente, na esperança de que algum dia ela
desperte. Assim surge seu livro “Paula” (1996),
considerado como o mais comovente, pessoal e
revelador de seus livros.
• Depois da fase de luto, Isabel busca um tema
que fosse o mais distante possível da morte e da
dor, e publica “Afrodite”, uma mistura de livro
de culinária e de romances.
• O último livro até então escrito por Isabel,
chama-se “Amor”, publicado em 2012.
Influências literárias
• Isabel nunca estudou literatura, mas confessa que sua obra
recebe a influência de grandes escritores latino-americanos,
como Mario Vargas Llosa, Pablo Neruda e Gabriel García
Márquez. Suas obras são consideradas parte do Realismo
Mágico.
• Suas temáticas fantásticas, dramáticas, românticas,
aventureiras ou passionais se desenvolvem em cenários muito
variados, misturando situações reais, históricas, místicas,
entre outras. Isabel sempre inclui em suas narrativas,
pinceladas autobiográficas, declarando: “Mi vida es lo que
escribo”.
Uma realidade fantástica
Discursos de Pablo Neruda e Gabriel
García Marquez ao ganharem o
Prêmio Nobel de Literatura.
Pablo Neruda, 1971
“E penso com não menor fé que tudo está sustentado
– o homem e sua sombra, o homem e sua atitude, o
homem e sua poesia – numa comunidade cada vez
mais extensa, num exercício que integrará para
sempre em nós a realidade e os sonhos porque de tal
maneira os une e confunde (...) Não sei se vivi aquilo
ou se o escrevi, não sei se foram verdade ou poesia,
transição ou eternidade, os versos que experimentei
naquele momento, as experiências que cantei mais
tarde”
“Ampliando estes deveres do poeta, na verdade ou
no erro, até as suas últimas conseqüências, decidi
que a minha atitude dentro da sociedade e perante a
vida devia ser também humildemente partidária. (...)
Compreendi, imerso no cenário das lutas da América,
que minha missão humana era a de unir-me à
extensa força do povo organizado, unir-me com
sangue e alma, com paixão e esperança, porque
somente desta torrente impetuosa podem nascer as
mudanças necessárias para os escritores e para os
povos”
“Venho de uma obscura província, de um país
separado de todos os outros pela sua talhante
geografia. Fui o mais abandonado dos poetas e
minha poesia foi regional, dolorosa e chuvosa. Mas
sempre tive confiança no homem. Jamais perdi a
esperança. Por isso talvez tenha chegado até aqui
com a minha poesia, e também com a minha
bandeira”
“Assim a poesia não terá cantado em vão”
Gabriel García Márquez, 1982
“Nossa independência da dominação dos espanhóis
não nos pôs fora do alcance da loucura. O general
Antonio López de Santana, três vezes ditador do
México, providenciou um magnífico funeral para a
perna direita que ele perdera na chamada Guerra
dos Pastéis. O general Gabriel García Moreno
governou o Equador por 16 anos como um monarca
absoluto; em seu velório, o corpo ficou sentado na
cadeira presidencial, vestido com o uniforme
completo e decorado com uma camada protetora de
medalhas”
“Não temos tido sequer um minuto de sossego. Um
prometéico presidente, entrincheirado em seu
palácio em chamas, morreu lutando contra um
exército inteiro, sozinho; e dois suspeitos acidentes
de avião, ainda por explicar, abreviaram a vida de
um grande presidente e a de um militar democrata
que tinha ressuscitado a dignidade de seu povo”
“Ouso dizer que é esta desproporcional realidade, e
não apenas sua expressão literária, que mereceu a
atenção da Academia Sueca de Letras. Uma
realidade não de papel, mas que vive dentro de nós e
determina cada instante de nossas incontáveis
mortes de todos os dias, e que nutre uma fonte de
criatividade insaciável, cheia de tristeza e beleza, da
qual este errante e nostálgico colombiano não passa
de mais um, escolhido pelo acaso”
“Poetas e mendigos, músicos e profetas, guerreiros e
canalhas, todas as criaturas desta indomável
realidade, temos pedido muito pouco da imaginação,
porque nosso problema crucial tem sido a falta de
meios concretos para tornar nossas vidas mais reais.
Este, meus amigos, é o cerne da nossa solidão”
“Cara a cara com esta realidade horrenda que pode
ter parecido uma mera utopia em toda a existência
humana, nós, os inventores das fábulas, que
acreditamos em qualquer coisa, nos sentimos
inclinados a acreditar que ainda não é tarde demais
para nos engajarmos na criação da utopia oposta”
Reflexões sobre o conceito de América
Latina
• Concepções sobre a origem do conceito;
• O “pertencimento” do Brasil na América Latina;
• Por uma identidade latino-americana;
Calle 13 - Latinoamerica
Fim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRiosCronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
História da Literatura Brasileira
História da Literatura BrasileiraHistória da Literatura Brasileira
História da Literatura Brasileira
Sérgio Amaral
 
Literatura no ENEM
Literatura no ENEMLiteratura no ENEM
Literatura no ENEM
Yasmin Matos
 
Revisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercíciosRevisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercícios
Robson Bertoldo
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
CrisBiagio
 
A literatura brasileira ppt ok
A literatura brasileira   ppt okA literatura brasileira   ppt ok
A literatura brasileira ppt ok
Sabrina Gomes
 
Origens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesaOrigens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesa
diegopla
 
Literatura - Era Nacional
Literatura - Era Nacional  Literatura - Era Nacional
Literatura - Era Nacional
CrisBiagio
 
Síntese de história da literatura
Síntese de história da literaturaSíntese de história da literatura
Síntese de história da literatura
Miguel D' Amorim
 
Literatura ( Sônia Guedes)
Literatura   ( Sônia Guedes)Literatura   ( Sônia Guedes)
Literatura ( Sônia Guedes)
Sônia Guedes
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
5. Romantismo
5. Romantismo5. Romantismo
5. Romantismo
Ivana Mayrink
 
Estilo De éPoca
Estilo De éPocaEstilo De éPoca
Estilo De éPoca
Mara Virginia
 
Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)
Joselma Mendes
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
Ademir Teixeira de Freitas
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
Sinziana Socol
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
John Joseph
 
A literatura
A literaturaA literatura
A literatura
Marisa Paço
 
A literatura do século xix
A literatura do século xixA literatura do século xix
A literatura do século xix
José Alexandre Dos Santos
 
Literatura Era Colonial
Literatura   Era Colonial Literatura   Era Colonial
Literatura Era Colonial
CrisBiagio
 

Mais procurados (20)

Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRiosCronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
 
História da Literatura Brasileira
História da Literatura BrasileiraHistória da Literatura Brasileira
História da Literatura Brasileira
 
Literatura no ENEM
Literatura no ENEMLiteratura no ENEM
Literatura no ENEM
 
Revisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercíciosRevisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercícios
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
 
A literatura brasileira ppt ok
A literatura brasileira   ppt okA literatura brasileira   ppt ok
A literatura brasileira ppt ok
 
Origens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesaOrigens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesa
 
Literatura - Era Nacional
Literatura - Era Nacional  Literatura - Era Nacional
Literatura - Era Nacional
 
Síntese de história da literatura
Síntese de história da literaturaSíntese de história da literatura
Síntese de história da literatura
 
Literatura ( Sônia Guedes)
Literatura   ( Sônia Guedes)Literatura   ( Sônia Guedes)
Literatura ( Sônia Guedes)
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
5. Romantismo
5. Romantismo5. Romantismo
5. Romantismo
 
Estilo De éPoca
Estilo De éPocaEstilo De éPoca
Estilo De éPoca
 
Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
A literatura
A literaturaA literatura
A literatura
 
A literatura do século xix
A literatura do século xixA literatura do século xix
A literatura do século xix
 
Literatura Era Colonial
Literatura   Era Colonial Literatura   Era Colonial
Literatura Era Colonial
 

Destaque

Teoria da literatura
Teoria da literaturaTeoria da literatura
Teoria da literatura
Mário Júnior Silva
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
Claudia Ribeiro
 
Literatura e Estudos Culturais
Literatura e Estudos CulturaisLiteratura e Estudos Culturais
Literatura e Estudos Culturais
Angela Ritt
 
A literatura e a história
A literatura e a históriaA literatura e a história
A literatura e a história
Adelaide Soares Sodré
 
Literatura e Estudos Culturais
Literatura e Estudos CulturaisLiteratura e Estudos Culturais
Literatura e Estudos Culturais
Angela Ritt
 
Literatura, história e memória nas crônicas de A. Tito Filho
Literatura, história e memória nas crônicas de A. Tito  FilhoLiteratura, história e memória nas crônicas de A. Tito  Filho
Literatura, história e memória nas crônicas de A. Tito Filho
Jordan Bruno
 
Historia e literatura e ensino 2010
Historia e literatura e ensino 2010Historia e literatura e ensino 2010
Historia e literatura e ensino 2010
adriano braun
 
Seca: História, Geografia e Literatura
Seca: História, Geografia e LiteraturaSeca: História, Geografia e Literatura
Seca: História, Geografia e Literatura
Isabel Aguiar
 
História e Literatura do AT faifa
História e Literatura do AT faifaHistória e Literatura do AT faifa
História e Literatura do AT faifa
israelfaifa
 
Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...
Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...
Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...
UNEB
 
Rute em Destaque
Rute em DestaqueRute em Destaque
Rute em Destaque
Marcos Macedo Cunha
 
Projeto de Vida - Simplificado
Projeto de Vida - SimplificadoProjeto de Vida - Simplificado
Projeto de Vida - Simplificado
Daniel Santos
 
Estudo da Literatura, História e Arte Brasileira
Estudo da Literatura, História e Arte BrasileiraEstudo da Literatura, História e Arte Brasileira
Estudo da Literatura, História e Arte Brasileira
portunhol
 
O Ensino de História nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental
O Ensino de História nos Anos Iniciais do Ensino FundamentalO Ensino de História nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental
O Ensino de História nos Anos Iniciais do Ensino FundamentalemefMateAmargo
 
Institucional 2012
Institucional 2012Institucional 2012
Institucional 2012
Erní Seibert
 
Monteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima BarretoMonteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima Barreto
CristhianeGuimaraes
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
Andreza Oliveira
 
Slide lima barreto
Slide lima barretoSlide lima barreto
Slide lima barreto
Maria De Lourdes Ramos
 
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barretoEuclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Marcílio Marinho
 
Autoconhecimento e projeto de vida
Autoconhecimento e projeto de vidaAutoconhecimento e projeto de vida
Autoconhecimento e projeto de vida
Nadini de Sousa
 

Destaque (20)

Teoria da literatura
Teoria da literaturaTeoria da literatura
Teoria da literatura
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
 
Literatura e Estudos Culturais
Literatura e Estudos CulturaisLiteratura e Estudos Culturais
Literatura e Estudos Culturais
 
A literatura e a história
A literatura e a históriaA literatura e a história
A literatura e a história
 
Literatura e Estudos Culturais
Literatura e Estudos CulturaisLiteratura e Estudos Culturais
Literatura e Estudos Culturais
 
Literatura, história e memória nas crônicas de A. Tito Filho
Literatura, história e memória nas crônicas de A. Tito  FilhoLiteratura, história e memória nas crônicas de A. Tito  Filho
Literatura, história e memória nas crônicas de A. Tito Filho
 
Historia e literatura e ensino 2010
Historia e literatura e ensino 2010Historia e literatura e ensino 2010
Historia e literatura e ensino 2010
 
Seca: História, Geografia e Literatura
Seca: História, Geografia e LiteraturaSeca: História, Geografia e Literatura
Seca: História, Geografia e Literatura
 
História e Literatura do AT faifa
História e Literatura do AT faifaHistória e Literatura do AT faifa
História e Literatura do AT faifa
 
Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...
Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...
Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...
 
Rute em Destaque
Rute em DestaqueRute em Destaque
Rute em Destaque
 
Projeto de Vida - Simplificado
Projeto de Vida - SimplificadoProjeto de Vida - Simplificado
Projeto de Vida - Simplificado
 
Estudo da Literatura, História e Arte Brasileira
Estudo da Literatura, História e Arte BrasileiraEstudo da Literatura, História e Arte Brasileira
Estudo da Literatura, História e Arte Brasileira
 
O Ensino de História nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental
O Ensino de História nos Anos Iniciais do Ensino FundamentalO Ensino de História nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental
O Ensino de História nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental
 
Institucional 2012
Institucional 2012Institucional 2012
Institucional 2012
 
Monteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima BarretoMonteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima Barreto
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
 
Slide lima barreto
Slide lima barretoSlide lima barreto
Slide lima barreto
 
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barretoEuclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
 
Autoconhecimento e projeto de vida
Autoconhecimento e projeto de vidaAutoconhecimento e projeto de vida
Autoconhecimento e projeto de vida
 

Semelhante a História e Literatura

Personalidades latino-americanas (Gabreil García Marquéz e Pablo Neruda)
Personalidades latino-americanas (Gabreil García Marquéz e Pablo Neruda)Personalidades latino-americanas (Gabreil García Marquéz e Pablo Neruda)
Personalidades latino-americanas (Gabreil García Marquéz e Pablo Neruda)
Sarah Reinoso
 
A hora da estrela
A hora da estrelaA hora da estrela
A hora da estrela
Angelica Moreira
 
Pablo Neruda - Coletanea
Pablo Neruda - ColetaneaPablo Neruda - Coletanea
Pablo Neruda - Coletanea
Zanah
 
A hora da estrela, de Clarice Lispector - análise
A hora da estrela, de Clarice Lispector - análiseA hora da estrela, de Clarice Lispector - análise
A hora da estrela, de Clarice Lispector - análise
jasonrplima
 
Pablo neruda
Pablo nerudaPablo neruda
Pablo neruda
Matheus Natan
 
Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)
Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)
Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)
Thiago Pereira
 
Ideologia mais escolas literarias
Ideologia mais  escolas literariasIdeologia mais  escolas literarias
Ideologia mais escolas literarias
Uniesp
 
O homem cuja orelha cresceu - Inácio de Loyola Brandão
O homem cuja orelha cresceu - Inácio de Loyola BrandãoO homem cuja orelha cresceu - Inácio de Loyola Brandão
O homem cuja orelha cresceu - Inácio de Loyola Brandão
Joselaine
 
Primeira Geração Modernista
Primeira Geração ModernistaPrimeira Geração Modernista
Primeira Geração Modernista
Thiago Rodrigues
 
Aula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García MárquezAula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García Márquez
isadoravivacqua
 
Gabriel García Márquez
Gabriel García MárquezGabriel García Márquez
Gabriel García Márquez
Deo Almeida
 
Pablo neruda biografia
Pablo neruda biografiaPablo neruda biografia
Pablo neruda biografia
Luzia Gabriele
 
A crônica e os cronistas capixabas
A crônica e os cronistas capixabasA crônica e os cronistas capixabas
A crônica e os cronistas capixabas
Welnecker Janio
 
CóPia De ApresentaçãO
CóPia De ApresentaçãOCóPia De ApresentaçãO
CóPia De ApresentaçãO
Rita Pereira
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Sugestões da tua biblioteca 2010 11
Sugestões da tua biblioteca 2010 11Sugestões da tua biblioteca 2010 11
Sugestões da tua biblioteca 2010 11
bibliotecaesla
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
Lourdinas
 
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Umberto Neves
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
Colégio Santa Luzia
 
Jorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo BrasilJorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo Brasil
Escola Estadual Joaquim Abarca -
 

Semelhante a História e Literatura (20)

Personalidades latino-americanas (Gabreil García Marquéz e Pablo Neruda)
Personalidades latino-americanas (Gabreil García Marquéz e Pablo Neruda)Personalidades latino-americanas (Gabreil García Marquéz e Pablo Neruda)
Personalidades latino-americanas (Gabreil García Marquéz e Pablo Neruda)
 
A hora da estrela
A hora da estrelaA hora da estrela
A hora da estrela
 
Pablo Neruda - Coletanea
Pablo Neruda - ColetaneaPablo Neruda - Coletanea
Pablo Neruda - Coletanea
 
A hora da estrela, de Clarice Lispector - análise
A hora da estrela, de Clarice Lispector - análiseA hora da estrela, de Clarice Lispector - análise
A hora da estrela, de Clarice Lispector - análise
 
Pablo neruda
Pablo nerudaPablo neruda
Pablo neruda
 
Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)
Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)
Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)
 
Ideologia mais escolas literarias
Ideologia mais  escolas literariasIdeologia mais  escolas literarias
Ideologia mais escolas literarias
 
O homem cuja orelha cresceu - Inácio de Loyola Brandão
O homem cuja orelha cresceu - Inácio de Loyola BrandãoO homem cuja orelha cresceu - Inácio de Loyola Brandão
O homem cuja orelha cresceu - Inácio de Loyola Brandão
 
Primeira Geração Modernista
Primeira Geração ModernistaPrimeira Geração Modernista
Primeira Geração Modernista
 
Aula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García MárquezAula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García Márquez
 
Gabriel García Márquez
Gabriel García MárquezGabriel García Márquez
Gabriel García Márquez
 
Pablo neruda biografia
Pablo neruda biografiaPablo neruda biografia
Pablo neruda biografia
 
A crônica e os cronistas capixabas
A crônica e os cronistas capixabasA crônica e os cronistas capixabas
A crônica e os cronistas capixabas
 
CóPia De ApresentaçãO
CóPia De ApresentaçãOCóPia De ApresentaçãO
CóPia De ApresentaçãO
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Sugestões da tua biblioteca 2010 11
Sugestões da tua biblioteca 2010 11Sugestões da tua biblioteca 2010 11
Sugestões da tua biblioteca 2010 11
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
 
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
 
Jorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo BrasilJorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo Brasil
 

História e Literatura

  • 1. Escrita das Américas: a literatura como fonte Ensino de História e Linguagens: da graduação à educação básica, práticas de leitura documental Coordenadora: Adriane Vidal Costa Bárbara Munaier Isadora Vivacqua José Antônio
  • 2. História e Literatura Representações latino-americanas nas obras de Júlio Cortázar, Pablo Neruda, Gabriel García Márquez e Isabel Allende
  • 3. Literatura como fonte • Qualquer tipo de documento é uma representação do real; • Segundo Chartier, a distinção entre história e ficção é vacilante. A primeira pretende realizar uma representação adequada do real que foi e não é mais, e a segunda, em todas as suas formas, “é um discurso que ‘informa’ do real, mas não pretende abonar-se nele”;
  • 4. • O literato insere-se na realidade sociocultural do tempo em que vive, do qual faz parte, com ela dialogando ao produzir sua representação; “Isolar da ficção, fragmentos da realidade” “A ficção não seria *...+ o avesso do real, mas uma outra forma de captá-la, onde os limites da criação e fantasia são mais amplos do que aqueles permitidos ao historiador *...+ (PESAVENTO, 1995)”
  • 5. “A proposta é historicizar a obra literária – seja ela conto, crônica, poesia ou romance -, inseri-la no movimento da sociedade, investigar as suas redes de interlocução social, destrinchar não a sua suposta autonomia em relação à sociedade, mas sim a forma como constrói ou representa a sua relação com a realidade social – algo que faz mesmo ao negar fazê- lo.”
  • 6. • A produção historiográfica não pode prescindir da imaginação, da subjetividade, assim como a produção da narrativa ficcional esta embutida de doses de realidade. • Não devemos, em hipótese alguma, imaginar que os fatos estão soltos por aí e que basta catalogá-los para que a verdade se faça, límpida e indiscutível, diante de nós. • Devemos buscar as diferentes representações que se podem encontrar sobre o real, já que a sua descrição costuma envolver uma conseqüente e imediata interpretação.
  • 7. O intelectual latino-americano “Durante três décadas, 1960 a 1990, revolução e socialismo foram componentes centrais do debate político-intelectual latino-americano. Os principais eventos que propiciaram e balizaram esse debate decorreram da Revolução Cubana e da Revolução Sandinista na Nicarágua” (VIDAL, Adriane).
  • 8. “Consideramos que o debate sobre revolução e socialismo, propiciado sobretudo pelo clima político gerado pela Revolução Cubana — que atravessou a década de sessenta chegando até a experiência revolucionária sandinista — possibilitou a formação de um espaço comum revistas, jornais, conselhos editoriais, editoras, reuniões, encontros, conferências, correspondências de intervenção intelectual para os escritores latinoamericanos” (VIDAL, Adriane).
  • 9. Pablo Neruda (1904 – 1973)
  • 10. Vida e Obra • Pablo Neruda nasceu em Parral, em de 1904, como Neftalí Ricardo Reyes Basoalto. Era filho de um operário ferroviário e uma professora primária, morta quando Neruda tinha apenas um mês de vida. • Ainda adolescente adotou o pseudônimo de Pablo Neruda, pois tinha uma relação conflituosa com o pai que não aceitava sua condição de poeta. • Com vinte anos, publica “Vinte poemas de amor e uma canção desesperada”.
  • 11. • Em 1927, começa sua longa carreia diplomática. Isso possibilitou ao poeta vasta experiência cultural. • Em 1936, eclode a Guerra Civil espanhola; Neruda é destituído do cargo consular e escreve Espanha no coração. • Pablo Neruda esteve presente no palco dos acontecimentos da Guerra Civil Espanhola, o que mudou o rumo de sua poesia, despertando no poeta o compromisso político-social.
  • 12. • Com o fim da Guerra Civil Espanhola e a derrota das forças republicanas, em 1939, ocorreu um acelerado êxodo de cidadãos espanhóis em busca de exílio. Neruda estava em Paris, mandado pelo presidente chileno Pedro Aguirre Cerdae tinha a missão de reunir um grande número desses espanhóis e mandá-los para o Chile. • Para a realização desse trabalho, Neruda contou com a ajuda do governo republicano no exílio, que lhe conseguiu um barco, o Winnipeg. O poeta embarcou mais de dois mil espanhóis refugiados, que a bordo do Winnipeg chegaram a Valparaíso em fins de 1939.
  • 13. • Em 1945 é eleito senador. No mesmo ano, lê para mais de 100 mil pessoas no Estádio do Pacaembu em homenagem ao líder comunista Luís Carlos Prestes. • Em 1950 publica Canto General, uma de suas obras mais importantes. • Em outubro de 1971 recebeu o Nobel de Literatura. Após o prêmio, Neruda é convidado por Salvador Allende para ler para mais de 70 mil pessoas no Estádio Nacional de Chile. • De acordo com Isabel Allende, em seu livro Paula, Neruda teria morrido de "tristeza" em setembro de 1973, ao ver dissolvido o governo de Allende.
  • 14.
  • 15. • Morre em 1973, poucos dias depois do Golpe de Estado. Sua morte ainda hoje é uma questão polêmica. • Durante as eleições presidenciais do Chile nos anos 70, Neruda abriu mão de sua candidatura para que Salvador Allende vencesse, pois ambos eram marxistas.
  • 16.
  • 17.
  • 19. Vida e Obra • Filho de argentinos, nasceu na embaixada da Argentina em Ixelles, distrito de Bruxelas, na Bélgica, e voltou a sua terra natal aos quatro anos de idade. • Em 1935, forma-se professor em Letras, na Argentina. Lecionou em algumas faculdades no interior do país. • Em 1951, aos 37 anos, Cortázar, por não concordar com a ditadura na Argentina, partiu para Paris, pois havia recebido uma bolsa do governo francês para ali estudar por dez meses, e acabou se instalando definitivamente.
  • 20. • Em 1963 visitou Cuba enviado pela Casa de las Américas, para ser jurado em um concurso. Foi a época de intensificação do seu fascínio pela política. • Nesse mesmo ano lançou Rayuela, uma de suas principais obras. • A partir daí, engajou-se politicamente contra os regimes autoritários latino-americanos.
  • 21.
  • 22. • Em novembro de 1970 viaja ao Chile, onde se solidarizou com o governo de Salvador Allende. • Em 1971, foi "excomungado" por Fidel Castro, assim como outros escritores, por pedir informações sobre o desparecimento do poeta Heberto Padilla. • Apesar de sua desilusão com a atitude de Castro, continuou acompanhando a situação política da América Latina.
  • 23. • Em 1973, recebeu o Prêmio Médicis por seu Libro de Manuel e destinou seus direitos à ajuda dos presos políticos na Argentina. • Em 1974, foi membro do Tribunal Bertrand Russell II, reunido em Roma para examinar a situação política na América Latina, em particular as violações dos Direitos Humanos.
  • 24. • Em 1976, viajou para Costa Rica, onde se encontrou com Sergio Ramírez e Ernesto Cardenal, e fez uma viagem clandestina até Solentiname, na Nicarágua. • Esta viagem o marcaria para sempre e seria o começo de uma série de visitas a este país. • Em 1983, volta a democracia na Argentina, e Cortázar fez uma última viagem à sua pátria, onde foi recebido calorosamente por seus admiradores. • Morre de leucemia, em 1984.
  • 26.
  • 27. Principais Obras • Todos los fuegos el fuego, 1966; • La vuelta al día en ochenta mundos, 1967 (cuentos); • Libro de Manuel, 1973 (novela); • Octaedro, 1974 (cuentos); • Nicaragua tan violentamente dulce, 1983; • Bestiario, 1951 (cuentos); • Final del juego, 1956 (cuentos); • Las armas secretas, 1959 (cuentos); • Los premios, 1960 (novela); • Rayuela, 1963 (novela); • La autopista del Sur, 1964;
  • 29. Vida e Obra • Gabriel José García Márquez nasceu em 6 de março de 1927, em Aracataca (Colômbia), e após seus pais irem para Barranquilla, em 1929, foi criado por seus avós maternos, que posteriormente viriam a influenciar suas narrativas, a partir das histórias que contavam. • O avô, coronel Nicolas Márquez, veterano da guerra civil colombiana (que se estendeu de 1899-1902), narrava-lhe suas aventuras militares, e a avó, Tranquilina Iguarán, relatava fábulas e lendas que transmitiam sua visão mágica e supersticiosa da realidade.
  • 30. • García Márquez, também conhecido como Gabo, completou os primeiros estudos em Barranquilla e Zipaquirá, onde teve um professor de literatura, Carlos Julia Calderón Hermida, que desempenhou papel marcante em sua decisão de se tornar escritor e a quem dedicaria seu romance "O Enterro do Diabo" (1955). • Por insistência dos pais, Márquez chegou a iniciar o curso de direito na Universidade Nacional, em Bogotá, mas logo enveredou para o jornalismo, assumindo uma coluna diária no recém-fundado jornal "El Universal". Contudo, não chegou a concluir a graduação.
  • 31. • Nessa época, final da década de 1940, publicou seus primeiros contos, "La Tercera Resignación" e "Eva Está Dentro de su Gato". Consagrou-se na carreira jornalística ao ingressar na redação de "El Espectador", onde se tornou o primeiro crítico de cinema do jornalismo colombiano e depois um brilhante cronista e repórter, que exerceu influência na vida cultural do país.
  • 32. • No final dos anos 50, de volta às Américas, trabalhou em Caracas (Venezuela), em Cuba, onde passou seis meses, e em Nova York, dirigindo a agência de notícias cubana Prensa Latina. Em 1960, García Márquez mudou-se para a Cidade do México e começou a escrever roteiros para cinema. No ano seguinte, publicou "Ninguém Escreve ao Coronel" e, em 1962, "O Veneno da Madrugada", que ganhou o Prêmio Esso de Romance, na Colômbia.
  • 33. Cem Anos de Solidão • Em 1966, segundo depoimento do escritor mexicano Carlos Fuentes, quando voltava do balneário de Acapulco para a Cidade do México, García Márquez teve o momento de inspiração para escrever o romance que ruminava há mais de uma década. Largou o emprego, deixando o sustento da casa e dos dois filhos a cargo da mulher, Mercedes Barcha. Isolou- se pelos próximos 18 meses, trabalhando diariamente por mais de oito horas. No ano seguinte, publicou aquela que seria sua obra mais conhecida e um dos fatores que colocaram em evidencia a literatura latino-americana, “Cem anos de solidão” em 1967.
  • 34. • Com esta narrativa, mesclada de realismo e anedotas fantásticas associadas aos seus personagens, o autor teceu uma representação de uma cidade cuja história tanto lembra sua cidade natal quanto seu próprio país e até mesmo a América Latina, outrora isolados das grandes novidades científicas e políticas, posteriormente submetidos à dependência de estranhos (o governo federal e suas forças militares, a força econômica estrangeira), representando portanto, a formação de um estado moderno no âmbito das próprias nações latino-americanas.
  • 35. Prêmio Nobel • Em 1982, recebeu o Prêmio Nobel de Literatura, pelo conjunto de sua obra. Foi o primeiro colombiano e o quarto latino-americano a receber o prêmio. Diante da Academia Sueca e de quatrocentos convidados, pronunciou o discurso "A Solidão da América Latina", refletindo sobre aspectos políticos e sociais que permeiam a história da América Latina e retratam sua complexidade, e assim, ajudam a identificar traços de sua identidade e da própria ideia de América Latina.
  • 36. Atividade Política • García Márquez teve seu engajamento político evidenciado principalmente nas décadas de 1960 e 1970, e participou intensamente dos debates políticos e sociais acerca de revolução e socialismo na América Latina. Esse engajamento foi fomentado, assim como em outros escritores e intelectuais, a partir da Revolução Cubana. Sua obra literária foi permeada por suas crenças políticas e ideológicas, e serviu como expoente de seu posicionamento em relação aos debates políticos e as questões sociais da América Latina.
  • 37. • Apoiou a Revolução Cubana e tornou-se amigo pessoal de Fidel Castro. A revolução configurava a oportunidade de uma experiência socialista na América, em um contexto de desencantamento por parte dos intelectuais com a URSS, e por isso foi tão importante no que se refere ao impulso para esse engajamento político dos escritores. • Devido as suas tendências e posturas esquerdistas, García Márquez foi para o exílio, em países como México e Espanha, por causa de enfrentamentos e atritos com o governo de seu país em diversos momentos.
  • 38.
  • 40. • Isabel Allende nasceu em 2 de Agosto de 1942, em Lima, Peru. É filha do diplomata Tomás Allende (primo-irmão de Salvador Allende) e de Francisca Llona, conhecida como Doña Panchita. • Em 1945, Francisa decide anular seu matrimônio com Tomás e regressa ao Chile com seus filhos, para viverem na casa de seu pai, em Santiago. Isabel Allende cresce, então, aos cuidados de sua mãe e de seu avô.
  • 41. • Em 1953, Panchita casa-se novamente com o diplomata Ramón Huidoro, amigo íntimo de Salvador Allende, o que estreita a relação entre Allende e sua sobrinha. Por conta da profissão de Ramón, Panchita decide mudar novamente com seus filhos, vivem um tempo na Bolívia e depois em Beirute (Líbano).
  • 42. • Em 1958, Isabel retorna ao Chile, onde termina seus estudos secundário. Posteriormente, conhece seu futuro esposo – Miguel Frías, estudante de engenharia. Casam-se em 1962 e um ano depois tem a sua primeira filha, Paula. Em 1966 nasce o segundo filho do casal, Nicolás. • Em 1967, Isabel Allende é convidada a escrever na revista Paula, a primeira revista feminina a ser publicada no Chile.
  • 43. “Era una periodista muy poco objetiva. Tengo opiniones fuertes y me resulta muy difícil disimularlas. Cuando entrevistaba a alguien, ponía en su boca las cosas que me interesaba que dijera. Cuando no tenía una noticia importante, o cuando el entrevistado era poco hablador, le echaba imaginación. Siempre usaba el humor como instrumento periodístico, y cuando hay humor hay más flexibilidad, las personas son más tolerantes. Iba a las entrevistas con una idea concreta sobre lo que quería que me dijera el personaje. El periodismo objetivo es la mentira más grande”.
  • 44. “Eu te dar uma entrevista? Você é a pior jornalista deste país! Pedi para que viesse aqui para lhe dizer que você inventa coisas demais nas suas matérias. Sempre termina falando de si mesma. Tudo isso são virtudes na literatura. Porque não escreve um romance?”. Pablo Neruda sobre Isabel Allende
  • 45.
  • 46. O Golpe militar e a vida na Venezuela • No dia 11 de Setembro de 1973, o general Augusto Pinochet põe fim à democracia do Chile, e o tio de Isabel, Salvador Allende, se suicida. Pinochet instala uma ditadura cruel, que vitimou mais de 40.000 pessoas. • O sobrenome famoso passa a tornar-se um problema para Isabel: “En aquella época mi nombre era muy llamativo. Fuera de Chile me di cuenta de que llamarse Allende era como tener un título de nobleza, era más o menos como llamarse Kennedy”.
  • 47.
  • 48. • Isabel se exila na Venezuela. Junto com seus pais e seus filhos, permanece em Caracas por treze anos. • Agravando a situação, a família recebe notícias de que o avô de Isabel estava gravemente doente e ela não podia visitá-lo por conta da ditadura. Exatamente nesse difícil contexto, Isabel começa a escrever uma carta de despedida a seu avô, usando uma maquina de escrever apoiada na mesa da cozinha, contendo todas as histórias da família que ele narrava em sua infância. O avô falece, mas Isabel continua a escrever.. e assim nasce “A Casa dos Espíritos” (1982), inspirada em sua própria família.
  • 49. • Ainda em 1978, diversos jornais divulgaram uma notícia que também impressionou Isabel Allende: a descoberta de uma mina abandonada que continha cadáveres de 15 pessoas. Inspirada e impressionada por tal informação, Allende lança, anos mais tarde, “De Amor e de Sombra” (1984). Este livro tem início exatamente onde “A Casa dos Espíritos” termina, durante o gole militar e a queda de Salvador Allende, em 1973. • Após o sucesso destes dois livros, e o lançamento da sua terceira obra “Eva Luna”, Isabel Allende decida largar tudo para se dedicar somente à literatura.
  • 50. • Em 1990, com a restauração do regime democrático no Chile, Isabel regressa ao país para receber o prêmio “Gabriela Mistral”, das mãos do presidente Patricio Aylwin. • Em dezembro de 1991, Paula, filha de Isabel, é internada no hospital, vítima de um ataque de porfiría. A escritora acompanha o sofrimento da filha que se prolonga durante meses, em um coma irreversível, e escreve a história de sua família para a jovem inconsciente, na esperança de que algum dia ela desperte. Assim surge seu livro “Paula” (1996), considerado como o mais comovente, pessoal e revelador de seus livros.
  • 51. • Depois da fase de luto, Isabel busca um tema que fosse o mais distante possível da morte e da dor, e publica “Afrodite”, uma mistura de livro de culinária e de romances. • O último livro até então escrito por Isabel, chama-se “Amor”, publicado em 2012.
  • 52. Influências literárias • Isabel nunca estudou literatura, mas confessa que sua obra recebe a influência de grandes escritores latino-americanos, como Mario Vargas Llosa, Pablo Neruda e Gabriel García Márquez. Suas obras são consideradas parte do Realismo Mágico. • Suas temáticas fantásticas, dramáticas, românticas, aventureiras ou passionais se desenvolvem em cenários muito variados, misturando situações reais, históricas, místicas, entre outras. Isabel sempre inclui em suas narrativas, pinceladas autobiográficas, declarando: “Mi vida es lo que escribo”.
  • 53. Uma realidade fantástica Discursos de Pablo Neruda e Gabriel García Marquez ao ganharem o Prêmio Nobel de Literatura.
  • 54. Pablo Neruda, 1971 “E penso com não menor fé que tudo está sustentado – o homem e sua sombra, o homem e sua atitude, o homem e sua poesia – numa comunidade cada vez mais extensa, num exercício que integrará para sempre em nós a realidade e os sonhos porque de tal maneira os une e confunde (...) Não sei se vivi aquilo ou se o escrevi, não sei se foram verdade ou poesia, transição ou eternidade, os versos que experimentei naquele momento, as experiências que cantei mais tarde”
  • 55. “Ampliando estes deveres do poeta, na verdade ou no erro, até as suas últimas conseqüências, decidi que a minha atitude dentro da sociedade e perante a vida devia ser também humildemente partidária. (...) Compreendi, imerso no cenário das lutas da América, que minha missão humana era a de unir-me à extensa força do povo organizado, unir-me com sangue e alma, com paixão e esperança, porque somente desta torrente impetuosa podem nascer as mudanças necessárias para os escritores e para os povos”
  • 56. “Venho de uma obscura província, de um país separado de todos os outros pela sua talhante geografia. Fui o mais abandonado dos poetas e minha poesia foi regional, dolorosa e chuvosa. Mas sempre tive confiança no homem. Jamais perdi a esperança. Por isso talvez tenha chegado até aqui com a minha poesia, e também com a minha bandeira” “Assim a poesia não terá cantado em vão”
  • 57. Gabriel García Márquez, 1982 “Nossa independência da dominação dos espanhóis não nos pôs fora do alcance da loucura. O general Antonio López de Santana, três vezes ditador do México, providenciou um magnífico funeral para a perna direita que ele perdera na chamada Guerra dos Pastéis. O general Gabriel García Moreno governou o Equador por 16 anos como um monarca absoluto; em seu velório, o corpo ficou sentado na cadeira presidencial, vestido com o uniforme completo e decorado com uma camada protetora de medalhas”
  • 58. “Não temos tido sequer um minuto de sossego. Um prometéico presidente, entrincheirado em seu palácio em chamas, morreu lutando contra um exército inteiro, sozinho; e dois suspeitos acidentes de avião, ainda por explicar, abreviaram a vida de um grande presidente e a de um militar democrata que tinha ressuscitado a dignidade de seu povo”
  • 59. “Ouso dizer que é esta desproporcional realidade, e não apenas sua expressão literária, que mereceu a atenção da Academia Sueca de Letras. Uma realidade não de papel, mas que vive dentro de nós e determina cada instante de nossas incontáveis mortes de todos os dias, e que nutre uma fonte de criatividade insaciável, cheia de tristeza e beleza, da qual este errante e nostálgico colombiano não passa de mais um, escolhido pelo acaso”
  • 60. “Poetas e mendigos, músicos e profetas, guerreiros e canalhas, todas as criaturas desta indomável realidade, temos pedido muito pouco da imaginação, porque nosso problema crucial tem sido a falta de meios concretos para tornar nossas vidas mais reais. Este, meus amigos, é o cerne da nossa solidão”
  • 61. “Cara a cara com esta realidade horrenda que pode ter parecido uma mera utopia em toda a existência humana, nós, os inventores das fábulas, que acreditamos em qualquer coisa, nos sentimos inclinados a acreditar que ainda não é tarde demais para nos engajarmos na criação da utopia oposta”
  • 62. Reflexões sobre o conceito de América Latina • Concepções sobre a origem do conceito; • O “pertencimento” do Brasil na América Latina; • Por uma identidade latino-americana;
  • 63. Calle 13 - Latinoamerica
  • 64. Fim