SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA - UEPB
            CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - CCSA
          DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - DECOM
CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL - JORNALISMO - TURMA: 2011.2 - 1º PERÍODO
        COMPONENTE CURRICULAR: HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO
                     PROFESSORA: FÁTIMA LUNA
                           ALUNOS (AS):
                  DIEGO HENRIQUE GOMES SILVEIRA
                       ELAINE DE LIMA SILVA
                    FRANKLIN JOSÉ PEREIRA LEITE
                   GEORGIA EUGÊNIO DOS SANTOS
                     ROSÂNGELA SILVA FERREIRA
           TAYSE ERYSLAINE DE MORAIS SANTOS FRANKLIN
                   WELLINGTON SERGIO DE SOUSA
   Os Primórdios


   O aspecto mais fascinante da história das revistas é que toda
    essa indústria repousa em apenas algumas poucas idéias de
    revistas que foram se reproduzindo ao longo do tempo, no
    mundo inteiro.

   Vamos então a essa história de idéias de revistas.
   A primeira revista nasceu em Hamburgo na Alemanha em 1663
    século XVII, chamava-se Erbauliche Monaths-Unterredungen
    (Edificantes Discussões Mensais).
                          Criada por um teólogo e poeta
                           chamado Johann Rist.

                          Foi publicada até 1668.
   E como a idéia deu certo, logo a novidade da revista
    monotemática foi copiada.

   Em 1665, surgiram a francesa ”Jornal dos Sábios” sobre
    ciências e a inglesa “Transações Filosóficas”.

   Em 1668, apareceu a italiana “Jornal dos Literatos”.

   O passo seguinte foi a invenção da revista multimemática.
   Le Mercure ou Le Mercure Galant

              A revista foi publicada de 1672-1724 na França (com
               uma interrupção em 1674-1677) sob o título Mercure
               galant.

              Mercure galant Nouveau (1677-1724). O título foi
               mudado para Mercure de France em 1724.

              A revista publicava crônicas sobre a Corte, anedotas
               elegantes, poesia.
   The Athenian Gazette ou The Athenian Mercury

                 Foi um periódico publicado em Londres duas
                  vezes por semana ( 1690 – 1697).

                 A revista tinha um anúncio no final
                  encorajando os leitores a enviar suas
                  perguntas, chamado de coluna de conselhos.

                 Incrementou novas seções como informações
                  de serviços, notas ou matérias e desenhos que
                  representavam a sociedade.
   Primeira revista feminina da história

                   Surgiu em Londres no ano 1693 , e chamava-se The
                    Ladie’s Mercury (Mercúrio das Senhoras).

                   Com publicação semanal, a revista foi promissora
                    em responder a todas as questões mais agradáveis
                    e curiosas sobre amor, casamento, vestido,
                    comportamento e humor do sexo feminino.
                   Também tinha a crônica da Corte e poesia, mas
                    mostrava desenhos de roupas, moldes para vestidos
                    e bordados.
   The Gentleman’s Magazine

                          Publicada na Inglaterra em 1731 por
                           Edward Cave, considerada a primeira
                           revista moderna.
                          Dedicada     ao     entretenimento,
                           incluindo ensaios, textos de ficção,
                           poemas, comentários políticos e
                           críticas.
                          Foi a primeira vez que a palavra
                           magazine foi usada para esse tipo de
                           publicação.
   O número de novas revistas se multiplicou pela Europa, onde
    o analfabetismo diminuía e o interesse por novas idéias
    crescia.

   O aparecimento das revistas nos Estados Unidos começou
    com uma história de concorrência.

   Era 1741, e Benjamim Franklin estava para lançar no dia 13 de
    fevereiro a primeira revista do novo continente,
    chamada General Magazine and Historical Chronicle.
   Só que o Benjamim Franklin tinha um concorrente nos
    negócios que ouviu falar na novidade.
   E foi assim que Andrew Bradford lançou o American
    Magazine, or Monthly View, três dias antes.
   General Magazine   and   Historical
    Chronicle
                                American Magazine, or Monthly View
   As revistas brasileiras também começaram com a mesma
    dúvida sobre quem teria sido a primeira.
   Em 1808 saiu o Correio Brazilense ou Armazém Literário.
   Quatro anos depois surgiu As Variedades ou Ensaios de
    Literatura.
   Como ambos tinham aparência de livro, o Correio passou a
    ser o primeiro jornal, porque alguns historiadores acharam
    que As Variedades obedecia mais a um espírito editorial de
    revista, e ela virou oficialmente a número um da categoria.
   Correio Brazilense ou      As Variedades ou
    Armazém Literário           Ensaios de Literatura
   As Variedades ou Ensaios de Literatura, nasceu em
    Salvador no ano de 1812.
   Discursos sobre os costumes e as virtudes morais e sociais.

   Algumas novelas de escolhido gosto e moral.

   Extratos de história antiga e moderna.

   Autores clássicos, cuja leitura tendia a formar gosto e pureza
    na linguagem.
   Revista O Patriota, nasceu no Rio de Janeiro no ano de 1813.

                        Trazendo       expressiva     contribuição
                         iconográfica (gravuras, tabelas e quadros).

                        Tratando de temas como Botânica, Zoologia,
                         Mineralogia, Cartografia, Filosofia, Viagens,
                         Literatura, História, Medicina, Matemática,
                         Química,     Topografia,     Hidráulica    e
                         Navegação, entre outros.
O negócio nasceu quando um inglês decidiu fazer uma revista com preço de capa baixo, barato.




            As revistas como negócio

            Até 1830, revistas eram um produto caro, de elite,
             consumido pelas classes mais altas, de formação escolar
             avançada.

            O negócio nasceu quando um inglês decidiu fazer uma
             revista com preço de capa baixo, barato.

            Sabe-se que essa primeira revista popular tinha matérias
             leves de entretenimento, informação variada, era quase um
             almanaque.
   A revolução seguinte viria em Londres, no ano de 1842, com
    uma novidade fascinante no visual das revistas: a primeira
    revista ilustrada.
   The Illustrated London News

                        Tinha 16 páginas de texto e 32 de
                         gravuras, feitas por artistas conhecidos.

                        Reproduziam    os   acontecimentos   em
                         desenho.
   Revistas femininas se multiplicaram no século 19.

   Quatro grandes revistas femininas americanas são dessa
    época e já comemoraram mais de 100 anos de vida.

   Harper’s Bazaar é de 1867;
   Ladies Home Journal, de 1883;
   Good Housekeeping, de 1885;
   Vogue, de 1892.
   A primeira revista feminina brasileira teve um nome
    comprido e uma vida curta: nasceu em 1827 e morreu em
    1828.
   O Espelho Diamantino
                    Tinha como subtítulo: Periódico de Política,
                     Literatura, Bellas Artes, Theatro e Modas
                     Dedicado às Senhoras Brasileiras.
   Em 3 de março de 1923, dois jovens senhores chamados
    Briton Hadden e Henry Luce lançaram nos Estados Unidos
    uma revista chamada Time, The Weekly News-Magazine.

                        "sumarizava as notícias da semana no
                         menor espaço possível"

                        O estilo em que o texto era escrito
                         também fez parte da novidade: frases
                         curtas, em forma de narrativa, com
                         informações pesquisadas e checadas.
   A invenção e o sucesso do "newsweekly“ (semanário)
    geraram dois concorrentes nos Estados Unidos.
   Em 1933 nasceram Newsweek e U.S News and World Report.
   A fórmula atravessou o Atlântico.
       Revista Der Spiegel           Revista L’Express




   Nasceu na Alemanha em 1947  Nasceu na França em 1953
   Revista Panorama               Revista Veja




   Nasceu na Itália em 1962          Nasceu no Brasil em 1968
   Em 1936, Henry Luce surpreendeu mais uma vez o
    jornalismo de revistas, lançando Life, a primeira revista
    ilustrada no mundo a usar a reportagem fotográfica como
    fórmula básica.
   Na França, Vu e Match vendiam, quase dois milhões de
    exemplares por semana.
   O ano de 1948 marcou também o lançamento da alemã
    Stern.
   Mas Assis Chateaubriand já tivera a idéia de lançar uma revista
    ilustrada muito antes dos norte-americanos e dos europeus: O
    Cruzeiro em 1927-1975, mas o jornalismo fotográfico só foi
    incorporado depois do aparecimento de Life.

                            Campanha que levou Getúlio Vargas ao
                             poder, com linguagem política e
                             empresarial, maior vendagem no país.
                             Início: 50 mil exemplares e passando dos
                             700 mil, com a cobertura do suicídio de
                             Getúlio Vargas em 1954.
   Revista Manchete surgiu em 1952-2000, inspirada no modelo
    francês.

                            Criada por Adolpho         Bloch   e
                             editora Bloch Editores.
                            Empregando        uma     concepção
                             moderna, a revista tinha como fonte
                             de      inspiração    a     ilustrada
                             parisiense Paris Match e utilizava,
                             como principal forma de linguagem,
                             o fotojornalismo.
   A Veja é uma revista semanal, publicada pela Editora Abril.
    Foi criada em 1968, pelos Jornalistas Victor Civita e Mino
    Carta.
                         A revista trata de temas do cotidiano da
                          sociedade brasileira e do mundo, como
                          política,     ecomonia,    cultura     e
                          comportamento.
                       Influenciada pela Time, linha editorial
                        libertária .
                       Em 1970 teve melhoria nas vendas. As
                        assinaturas     impulsionaram.     Tornou-se
                        revista de magnitude nacional pela atuação
                        política e a mais vendida do país.
   Seleções e outras publicações

   As revistas em quadrinhos nasceram das tiras publicadas
    diariamente nos jornais americanos, quando alguém teve a
    idéia de juntá-las numa revista.
   Em 1934, surgiram as primeiras revistas com histórias
    inéditas, entre elas a de um pato falante, batizado de
    Donald.
   Só depois é que vieram os super-heróis. O Superman,
    primeiro deles, é de 1938.
   No Brasil, a história em quadrinhos começou antes:

   Em 1905 comTico Tico            Em 1939 com Gibi
   Nessa mesma época, anos trinta, a já poderosa indústria
    cinematográfica americana gerou as primeiras revistas de fãs, que
    desapareceram com o advento da televisão.
   Para se ter idéia do poder dos estúdios, diz a história que uma
    revista brasileira chamada Cinelândia chegou a vender 250 mil
    exemplares, e isso na década de 50.
   Na Itália, os estúdios de Cinecittá produziam as obras-primas do
    cinema italiano de pós-guerra, e nos intervalos serviam de cenário
    para as fotonovelas, romances fotografados que só fizeram
    sucesso no mundo latino.
   Só no Brasil dos anos 57, Capricho chegou a vender meio milhão
    de exemplares, com o slogan de "a maior revista da América do
    Sul".
   Na França uma senhora chamada Hélène Gordon-Lazareff,
    criou uma revista semanal feminina que acabou restituindo à
    mulher francesa o gosto pela vida.
   Surgiu então a revista Elle em novembro de 1945.

                         É uma       revista de moda, beleza,
                          cultura e saúde feminina
                         A edição brasileira chegou às bancas
                          com uma capa verde-amarela, em maio
                          de 1988.
   Em 1953, surgiu a Playboy, criada por um ex-funcionário do
    departamento de promoções da revista Esquire, chamado Hugh
    Hefner. A idéia era simples e ousada.
   Ele usou a mesma fórmula da sofisticada Esquire: bom jornalismo,
    contos de grandes escritores, cartuns de humor fino, requintada
    gastronomia, ilustradores que eram os mais conhecidos artistas
    plásticos da arte americana naquele momento, e lições de
    elegância com os segredos dos melhores alfaiates da época.
   E aí veio a ousadia: a esse pacote de sofisticado jornalismo, Hefner
    acrescentou fotos de quem ele chamava de "a garota da porta ao
    lado", a vizinha, inteiramente nua, mas sempre com muito bom
    gosto, com muita classe.
   Ele usou Marilyn Monroe nua para vender a primeira edição.

                            A novidade era fotografar moças de
                             família, que ninguém poderia imaginar
                             que apareceriam daquele jeito numa
                             revista masculina.

                            Playboy    tem     hoje   17     edições
                             internacionais, uma das quais é a nossa,
                             que só perde em circulação para a
                             americana.
   Cinco idéias importantes

   A primeira, por ordem cronológica, nasceu de uma
    associação científica. Fundada para "fomentar e difundir o
    conhecimento da geografia", a "National Geographic
    Society“ . Era janeiro de 1888.
   O primeiro número teve 200 exemplares, equivalente ao
    número de sócios, que Hubard endereçou a mão, um a um.

   Primeira revista usar fotos pintadas à mão, em 1910; e a
    primeira, a usar fotos coloridas, em 1914.
   A revista The National Geographic Magazine não teve
    periodicidade fixa até janeiro de 1896, quando se tornou
    mensal.
   A grande idéia seguinte foi The New Yorker, criada por Harold
    Ross em 1925. Nasceu com grande vocação literária.

   Tinha um time quase fixo de grandes escritores, entre os
    quais John O'Hara, John Updike e J.D.Salinger.

   Com Ross, e com seu sucessor William Shawn, The New
    Yorker estabeleceu um patamar de estilo e de reportagem
    inigualável.
   Até hoje, The New Yorker é uma das poucas revistas que
    continua a publicar ficção e poesia em todas as edições.
   A terceira é Esquire, lançada em Nova York no ano de 1933,
    por um senhor muito elegante chamado Arnold Gingrich.

   Arnold fez muito mais do que uma revista de moda para
    cavalheiros. Ele decidiu que a revista tinha que ter ficção, e
    publicou os melhores escritores americanos da época.

   Fez mais ainda: tornou a revista o padrão de elegância não
    só em roupa, mas o referencial de estilo de vida e de bom
    gosto.
   Esquire passou por diversas fases em sua longa existência de
    mais de 70 anos de vida.
   A quarta é a espanhola Hola! , nascida em 1944 como uma
    revista de amenidades, idealizada por um jornalista
    chamado Antonio Sanchez Gomez.

   Transformou-se na revista que durante muito tempo foi a
    mais vendida na Espanha, mostrando histórias de famílias
    reais européias e das celebridades internacionais.

   Foi de Hola!, hoje dirigida pelo filho do fundador, Eduardo, a
    idéia de mostrar a intimidade das casas das celebridades.
   Publicada pelas editora Siquini, a revista integra o time de 70
    países no qual a Hola! A edição brasileira é a 14ª a ser
    lançada no mundo.
   People, lançada em março de 1974, inaugurou o jornalismo
    de personalidades nos Estados Unidos.
   Só que, ao mesmo tempo, publicava também histórias
    humanas de personagens desconhecidos.

   Segundo sua fórmula editorial, a revista contaria "feitos
    ordinários de pessoas extraordinárias, e feitos
    extraordinários de pessoas ordinárias".
   People inovou na maneira respeitosa com quem tratava as
    personalidades, o que era essencial para se diferenciar das
    revistas escandalosas da época.
   No Brasil, quais foram as idéias realmente inovadoras?
   A primeira, se chamou Senhor, surgiu em 1959-1964 seu
    inventor foi o editor Nahum Sirotsky.
                       Chamou os melhores textos, ilustradores,
                        fotógrafos e artistas gráficos do Rio de Janeiro
                        daquela época.
                       Fez uma revista com gosto de uma Ipanema
                        que ainda não havia virado internacional.
                       Onde a vida boêmia nos bares e botequins
                        juntava músicos, escritores, jornalistas, artistas
                        plásticos.
   A segunda revista nasceu quase por acaso em 1966. Roberto
    Civita queria fazer uma revista para ser encartada em jornais
    de domingo.
                            Realidade era uma revista de grandes
                             reportagens, tratando de temas que eram
                             tabus no Brasil dos anos 60.
                            Desapareceu quando os temas deixaram
                             de ser tabus, e passaram a ser tratados
                             normalmente pela imprensa brasileira.
   "Todos os dias Deus nos dá um momento em
       que é possível mudar tudo que nos deixa
    infelizes. O instante mágico é o momento em
    que um "sim" ou um "não" pode mudar toda a
                   nossa existência.“
   Referências

   http://mundoestranho.abril.com.br/materia/como-surgiram-as-
    revistas
   http://www.revistapronews.com.br/edicoes/47/historia_da_comun
    icacao.html
   http://cursoabril.abril.com.br/coluna/materia_84318.shtml
   http://www.youtube.com/watch?v=HJc7MMlGGeA
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Revista
   http://www.slideshare.net/adrianacontemporanea/aula-2-redao-
    em-revista-uepb

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A teoria do agendamento ou agenda
A teoria do agendamento ou agendaA teoria do agendamento ou agenda
A teoria do agendamento ou agenda
Joana Sousa Fernandes
 
Jornalismo científico
Jornalismo científicoJornalismo científico
Jornalismo científico
Laércio Góes
 
Jornalismo de revista capas 1
Jornalismo de revista  capas 1Jornalismo de revista  capas 1
Jornalismo de revista capas 1
Barreto
 
Aula 2 jornalismo impresso
Aula 2   jornalismo impressoAula 2   jornalismo impresso
Aula 2 jornalismo impresso
Alexandro de Souza
 
Aula 5 - Elementos Gráficos
Aula 5 - Elementos GráficosAula 5 - Elementos Gráficos
Aula 5 - Elementos Gráficos
aulasdejornalismo
 
Assessoria de imprensa - Produtos e Serviços
Assessoria de imprensa - Produtos e ServiçosAssessoria de imprensa - Produtos e Serviços
Assessoria de imprensa - Produtos e Serviços
Laércio Góes
 
Trabalho de sociologia sobrer habitus
Trabalho de sociologia sobrer habitus Trabalho de sociologia sobrer habitus
Trabalho de sociologia sobrer habitus
Guilherme Ortiz Martins
 
Jornalismo de revista - projeto editorial
Jornalismo de revista - projeto editorialJornalismo de revista - projeto editorial
Jornalismo de revista - projeto editorial
Barreto
 
Jornalismo cultural
Jornalismo culturalJornalismo cultural
Jornalismo cultural
Laércio Góes
 
Efeitos a longo prazo
Efeitos a longo prazoEfeitos a longo prazo
Efeitos a longo prazo
aulasdejornalismo
 
Estudos culturais - teorias da comunicação
Estudos culturais - teorias da comunicaçãoEstudos culturais - teorias da comunicação
Estudos culturais - teorias da comunicação
Laércio Góes
 
As três gerações do jornalismo na internet
As três gerações do jornalismo na internetAs três gerações do jornalismo na internet
As três gerações do jornalismo na internet
Claudio Toldo
 
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Aula 1 GÊNEROS
Aula 1  GÊNEROSAula 1  GÊNEROS
Aula 1 GÊNEROS
aulasdejornalismo
 
Assessoria de imprensa - Release
Assessoria de imprensa - ReleaseAssessoria de imprensa - Release
Assessoria de imprensa - Release
Laércio Góes
 
opinião pública
opinião públicaopinião pública
opinião pública
kyzinha
 
Teoria funcionalista
Teoria funcionalistaTeoria funcionalista
Teoria funcionalista
rodcassio
 
Aula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornal
Aula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornalAula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornal
Aula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornal
Artur Araujo
 
Assessoria de imprensa - O que é e como funciona
Assessoria de imprensa - O que é e como funcionaAssessoria de imprensa - O que é e como funciona
Assessoria de imprensa - O que é e como funciona
Happy Hour Comunicação
 
Ética e Publicitária
Ética e PublicitáriaÉtica e Publicitária
Ética e Publicitária
guest23d358
 

Mais procurados (20)

A teoria do agendamento ou agenda
A teoria do agendamento ou agendaA teoria do agendamento ou agenda
A teoria do agendamento ou agenda
 
Jornalismo científico
Jornalismo científicoJornalismo científico
Jornalismo científico
 
Jornalismo de revista capas 1
Jornalismo de revista  capas 1Jornalismo de revista  capas 1
Jornalismo de revista capas 1
 
Aula 2 jornalismo impresso
Aula 2   jornalismo impressoAula 2   jornalismo impresso
Aula 2 jornalismo impresso
 
Aula 5 - Elementos Gráficos
Aula 5 - Elementos GráficosAula 5 - Elementos Gráficos
Aula 5 - Elementos Gráficos
 
Assessoria de imprensa - Produtos e Serviços
Assessoria de imprensa - Produtos e ServiçosAssessoria de imprensa - Produtos e Serviços
Assessoria de imprensa - Produtos e Serviços
 
Trabalho de sociologia sobrer habitus
Trabalho de sociologia sobrer habitus Trabalho de sociologia sobrer habitus
Trabalho de sociologia sobrer habitus
 
Jornalismo de revista - projeto editorial
Jornalismo de revista - projeto editorialJornalismo de revista - projeto editorial
Jornalismo de revista - projeto editorial
 
Jornalismo cultural
Jornalismo culturalJornalismo cultural
Jornalismo cultural
 
Efeitos a longo prazo
Efeitos a longo prazoEfeitos a longo prazo
Efeitos a longo prazo
 
Estudos culturais - teorias da comunicação
Estudos culturais - teorias da comunicaçãoEstudos culturais - teorias da comunicação
Estudos culturais - teorias da comunicação
 
As três gerações do jornalismo na internet
As três gerações do jornalismo na internetAs três gerações do jornalismo na internet
As três gerações do jornalismo na internet
 
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
 
Aula 1 GÊNEROS
Aula 1  GÊNEROSAula 1  GÊNEROS
Aula 1 GÊNEROS
 
Assessoria de imprensa - Release
Assessoria de imprensa - ReleaseAssessoria de imprensa - Release
Assessoria de imprensa - Release
 
opinião pública
opinião públicaopinião pública
opinião pública
 
Teoria funcionalista
Teoria funcionalistaTeoria funcionalista
Teoria funcionalista
 
Aula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornal
Aula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornalAula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornal
Aula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornal
 
Assessoria de imprensa - O que é e como funciona
Assessoria de imprensa - O que é e como funcionaAssessoria de imprensa - O que é e como funciona
Assessoria de imprensa - O que é e como funciona
 
Ética e Publicitária
Ética e PublicitáriaÉtica e Publicitária
Ética e Publicitária
 

Destaque

Apresentacao da Revista O QUE É?
Apresentacao da Revista O QUE É?Apresentacao da Revista O QUE É?
Apresentacao da Revista O QUE É?
Michel Chagas
 
A historia-das-revistas-no-brasil
A historia-das-revistas-no-brasilA historia-das-revistas-no-brasil
A historia-das-revistas-no-brasil
Maracy Guimaraes
 
Jornal e revista
Jornal e revistaJornal e revista
Jornal e revista
Bruno Mastrocolla
 
Jornais e revistas( trabalho do paulo da terra)
Jornais e revistas( trabalho do paulo da terra)Jornais e revistas( trabalho do paulo da terra)
Jornais e revistas( trabalho do paulo da terra)
ivanilton21
 
O Meio Revista
O Meio RevistaO Meio Revista
Meios vantagens e desvantagens 01
Meios   vantagens e desvantagens 01Meios   vantagens e desvantagens 01
Meios vantagens e desvantagens 01
Ana Cristina D Assumpcão
 
Características de Meios e Veículos de Comunicação
Características de Meios e Veículos de ComunicaçãoCaracterísticas de Meios e Veículos de Comunicação
Características de Meios e Veículos de Comunicação
kalledonian
 
A História da Imprensa
A História da ImprensaA História da Imprensa
A História da Imprensa
UAlg
 
Jornalismo revista
Jornalismo revistaJornalismo revista
Jornalismo revista
Joseline Pippi
 
Artigo - Comunicação digital e revistas online
Artigo - Comunicação digital e revistas onlineArtigo - Comunicação digital e revistas online
Artigo - Comunicação digital e revistas online
Gestão de Comunicação
 
50 Anos Propaganda
50 Anos Propaganda50 Anos Propaganda
50 Anos Propaganda
FURB / IELUSC / Exit
 
O que é fanzine henrique magalhães - coleção primeiros passos
O que é fanzine   henrique magalhães - coleção primeiros passosO que é fanzine   henrique magalhães - coleção primeiros passos
O que é fanzine henrique magalhães - coleção primeiros passos
Luara Schamó
 
A estética simbolista
A estética simbolistaA estética simbolista
A estética simbolista
CamileBMoura
 
O jornal
O jornalO jornal
O jornal
Jacket25
 
A história do jornal e revista gabriel
A história do jornal e revista   gabrielA história do jornal e revista   gabriel
A história do jornal e revista gabriel
ledubowski
 
Fotonovelas
FotonovelasFotonovelas
Fotonovelas
Ipsun
 
Jornalismo Econômico
Jornalismo EconômicoJornalismo Econômico
Colleague education hurdle
Colleague education hurdleColleague education hurdle
Colleague education hurdle
Lynstar1
 
O Estilo Magazine
O Estilo MagazineO Estilo Magazine
O Estilo Magazine
Jocasta Luiza
 
Jornalismo de revista capas
Jornalismo de revista  capasJornalismo de revista  capas
Jornalismo de revista capas
Barreto
 

Destaque (20)

Apresentacao da Revista O QUE É?
Apresentacao da Revista O QUE É?Apresentacao da Revista O QUE É?
Apresentacao da Revista O QUE É?
 
A historia-das-revistas-no-brasil
A historia-das-revistas-no-brasilA historia-das-revistas-no-brasil
A historia-das-revistas-no-brasil
 
Jornal e revista
Jornal e revistaJornal e revista
Jornal e revista
 
Jornais e revistas( trabalho do paulo da terra)
Jornais e revistas( trabalho do paulo da terra)Jornais e revistas( trabalho do paulo da terra)
Jornais e revistas( trabalho do paulo da terra)
 
O Meio Revista
O Meio RevistaO Meio Revista
O Meio Revista
 
Meios vantagens e desvantagens 01
Meios   vantagens e desvantagens 01Meios   vantagens e desvantagens 01
Meios vantagens e desvantagens 01
 
Características de Meios e Veículos de Comunicação
Características de Meios e Veículos de ComunicaçãoCaracterísticas de Meios e Veículos de Comunicação
Características de Meios e Veículos de Comunicação
 
A História da Imprensa
A História da ImprensaA História da Imprensa
A História da Imprensa
 
Jornalismo revista
Jornalismo revistaJornalismo revista
Jornalismo revista
 
Artigo - Comunicação digital e revistas online
Artigo - Comunicação digital e revistas onlineArtigo - Comunicação digital e revistas online
Artigo - Comunicação digital e revistas online
 
50 Anos Propaganda
50 Anos Propaganda50 Anos Propaganda
50 Anos Propaganda
 
O que é fanzine henrique magalhães - coleção primeiros passos
O que é fanzine   henrique magalhães - coleção primeiros passosO que é fanzine   henrique magalhães - coleção primeiros passos
O que é fanzine henrique magalhães - coleção primeiros passos
 
A estética simbolista
A estética simbolistaA estética simbolista
A estética simbolista
 
O jornal
O jornalO jornal
O jornal
 
A história do jornal e revista gabriel
A história do jornal e revista   gabrielA história do jornal e revista   gabriel
A história do jornal e revista gabriel
 
Fotonovelas
FotonovelasFotonovelas
Fotonovelas
 
Jornalismo Econômico
Jornalismo EconômicoJornalismo Econômico
Jornalismo Econômico
 
Colleague education hurdle
Colleague education hurdleColleague education hurdle
Colleague education hurdle
 
O Estilo Magazine
O Estilo MagazineO Estilo Magazine
O Estilo Magazine
 
Jornalismo de revista capas
Jornalismo de revista  capasJornalismo de revista  capas
Jornalismo de revista capas
 

Semelhante a História das revistas no Brasil e no Mundo

Revista pronews 47
Revista pronews 47Revista pronews 47
Revista pronews 47
Gestão de Comunicação
 
Revista aula 1
Revista aula 1Revista aula 1
Revista aula 1
Flavia Gabriela
 
Destaques Enciclopédia 01-03-2015 a 08-03-2015
Destaques Enciclopédia 01-03-2015 a 08-03-2015Destaques Enciclopédia 01-03-2015 a 08-03-2015
Destaques Enciclopédia 01-03-2015 a 08-03-2015
Umberto Neves
 
Primeiras fotografias de moda (1)
Primeiras fotografias de moda (1)Primeiras fotografias de moda (1)
Primeiras fotografias de moda (1)
Katiuscia Gonçalves
 
Ilu2 editorial primeiras-fotos-de-moda
Ilu2 editorial primeiras-fotos-de-modaIlu2 editorial primeiras-fotos-de-moda
Ilu2 editorial primeiras-fotos-de-moda
Jakson Eliezer Horlle
 
Primeiras fotos de Moda
Primeiras fotos de ModaPrimeiras fotos de Moda
Primeiras fotos de Moda
bibiana henke cioato
 
Fotografia Editorial - Primeiras Fotografias de Moda
Fotografia Editorial - Primeiras Fotografias de ModaFotografia Editorial - Primeiras Fotografias de Moda
Fotografia Editorial - Primeiras Fotografias de Moda
Amanda Petry
 
Vanguardas Europeias: Dadaísmo
Vanguardas Europeias: DadaísmoVanguardas Europeias: Dadaísmo
Vanguardas Europeias: Dadaísmo
Luiz Felipe
 
A cultura do século XIX
A cultura do século XIXA cultura do século XIX
A cultura do século XIX
Ângela Almeida
 
Ciência e Literatura: A ficção cientifica como uma forma de pensar e divulgar...
Ciência e Literatura: A ficção cientifica como uma forma de pensar e divulgar...Ciência e Literatura: A ficção cientifica como uma forma de pensar e divulgar...
Ciência e Literatura: A ficção cientifica como uma forma de pensar e divulgar...
Rafael Nascimento dos Santos
 
Editorial primeiras-fotos-de-moda
Editorial primeiras-fotos-de-modaEditorial primeiras-fotos-de-moda
Editorial primeiras-fotos-de-moda
Jakson Eliezer Horlle
 
Alexandre Herculano Obras e Biografia
Alexandre Herculano Obras e BiografiaAlexandre Herculano Obras e Biografia
Alexandre Herculano Obras e Biografia
Michelly Alves
 
Fotografia de moda no pós guerra
Fotografia de moda no pós guerraFotografia de moda no pós guerra
Fotografia de moda no pós guerra
Anali Teixeira
 
A crônica e os cronistas capixabas
A crônica e os cronistas capixabasA crônica e os cronistas capixabas
A crônica e os cronistas capixabas
Welnecker Janio
 
Texto Introdutório - Extra! Extra! O Jornal na Revolução Francesa
Texto Introdutório - Extra! Extra! O Jornal na Revolução FrancesaTexto Introdutório - Extra! Extra! O Jornal na Revolução Francesa
Texto Introdutório - Extra! Extra! O Jornal na Revolução Francesa
Leonardo Lira
 
Destaques Enciclopédia 13-10-2014 a 19-10-2014
Destaques Enciclopédia 13-10-2014 a 19-10-2014Destaques Enciclopédia 13-10-2014 a 19-10-2014
Destaques Enciclopédia 13-10-2014 a 19-10-2014
Umberto Neves
 
O romantismo olha o mundo de forma!!!
O romantismo olha o mundo de forma!!!O romantismo olha o mundo de forma!!!
O romantismo olha o mundo de forma!!!
Rrom Martins
 
O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!
O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!
O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!
Rrom Martins
 
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Umberto Neves
 
O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!
O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!
O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!
Rrom Martins
 

Semelhante a História das revistas no Brasil e no Mundo (20)

Revista pronews 47
Revista pronews 47Revista pronews 47
Revista pronews 47
 
Revista aula 1
Revista aula 1Revista aula 1
Revista aula 1
 
Destaques Enciclopédia 01-03-2015 a 08-03-2015
Destaques Enciclopédia 01-03-2015 a 08-03-2015Destaques Enciclopédia 01-03-2015 a 08-03-2015
Destaques Enciclopédia 01-03-2015 a 08-03-2015
 
Primeiras fotografias de moda (1)
Primeiras fotografias de moda (1)Primeiras fotografias de moda (1)
Primeiras fotografias de moda (1)
 
Ilu2 editorial primeiras-fotos-de-moda
Ilu2 editorial primeiras-fotos-de-modaIlu2 editorial primeiras-fotos-de-moda
Ilu2 editorial primeiras-fotos-de-moda
 
Primeiras fotos de Moda
Primeiras fotos de ModaPrimeiras fotos de Moda
Primeiras fotos de Moda
 
Fotografia Editorial - Primeiras Fotografias de Moda
Fotografia Editorial - Primeiras Fotografias de ModaFotografia Editorial - Primeiras Fotografias de Moda
Fotografia Editorial - Primeiras Fotografias de Moda
 
Vanguardas Europeias: Dadaísmo
Vanguardas Europeias: DadaísmoVanguardas Europeias: Dadaísmo
Vanguardas Europeias: Dadaísmo
 
A cultura do século XIX
A cultura do século XIXA cultura do século XIX
A cultura do século XIX
 
Ciência e Literatura: A ficção cientifica como uma forma de pensar e divulgar...
Ciência e Literatura: A ficção cientifica como uma forma de pensar e divulgar...Ciência e Literatura: A ficção cientifica como uma forma de pensar e divulgar...
Ciência e Literatura: A ficção cientifica como uma forma de pensar e divulgar...
 
Editorial primeiras-fotos-de-moda
Editorial primeiras-fotos-de-modaEditorial primeiras-fotos-de-moda
Editorial primeiras-fotos-de-moda
 
Alexandre Herculano Obras e Biografia
Alexandre Herculano Obras e BiografiaAlexandre Herculano Obras e Biografia
Alexandre Herculano Obras e Biografia
 
Fotografia de moda no pós guerra
Fotografia de moda no pós guerraFotografia de moda no pós guerra
Fotografia de moda no pós guerra
 
A crônica e os cronistas capixabas
A crônica e os cronistas capixabasA crônica e os cronistas capixabas
A crônica e os cronistas capixabas
 
Texto Introdutório - Extra! Extra! O Jornal na Revolução Francesa
Texto Introdutório - Extra! Extra! O Jornal na Revolução FrancesaTexto Introdutório - Extra! Extra! O Jornal na Revolução Francesa
Texto Introdutório - Extra! Extra! O Jornal na Revolução Francesa
 
Destaques Enciclopédia 13-10-2014 a 19-10-2014
Destaques Enciclopédia 13-10-2014 a 19-10-2014Destaques Enciclopédia 13-10-2014 a 19-10-2014
Destaques Enciclopédia 13-10-2014 a 19-10-2014
 
O romantismo olha o mundo de forma!!!
O romantismo olha o mundo de forma!!!O romantismo olha o mundo de forma!!!
O romantismo olha o mundo de forma!!!
 
O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!
O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!
O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!
 
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
 
O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!
O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!
O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!
 

Último

- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 

História das revistas no Brasil e no Mundo

  • 1.
  • 2. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA - UEPB CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - CCSA DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - DECOM CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL - JORNALISMO - TURMA: 2011.2 - 1º PERÍODO COMPONENTE CURRICULAR: HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO PROFESSORA: FÁTIMA LUNA ALUNOS (AS): DIEGO HENRIQUE GOMES SILVEIRA ELAINE DE LIMA SILVA FRANKLIN JOSÉ PEREIRA LEITE GEORGIA EUGÊNIO DOS SANTOS ROSÂNGELA SILVA FERREIRA TAYSE ERYSLAINE DE MORAIS SANTOS FRANKLIN WELLINGTON SERGIO DE SOUSA
  • 3. Os Primórdios  O aspecto mais fascinante da história das revistas é que toda essa indústria repousa em apenas algumas poucas idéias de revistas que foram se reproduzindo ao longo do tempo, no mundo inteiro.  Vamos então a essa história de idéias de revistas.
  • 4. A primeira revista nasceu em Hamburgo na Alemanha em 1663 século XVII, chamava-se Erbauliche Monaths-Unterredungen (Edificantes Discussões Mensais).  Criada por um teólogo e poeta chamado Johann Rist.  Foi publicada até 1668.
  • 5. E como a idéia deu certo, logo a novidade da revista monotemática foi copiada.  Em 1665, surgiram a francesa ”Jornal dos Sábios” sobre ciências e a inglesa “Transações Filosóficas”.  Em 1668, apareceu a italiana “Jornal dos Literatos”.  O passo seguinte foi a invenção da revista multimemática.
  • 6. Le Mercure ou Le Mercure Galant  A revista foi publicada de 1672-1724 na França (com uma interrupção em 1674-1677) sob o título Mercure galant.  Mercure galant Nouveau (1677-1724). O título foi mudado para Mercure de France em 1724.  A revista publicava crônicas sobre a Corte, anedotas elegantes, poesia.
  • 7. The Athenian Gazette ou The Athenian Mercury  Foi um periódico publicado em Londres duas vezes por semana ( 1690 – 1697).  A revista tinha um anúncio no final encorajando os leitores a enviar suas perguntas, chamado de coluna de conselhos.  Incrementou novas seções como informações de serviços, notas ou matérias e desenhos que representavam a sociedade.
  • 8. Primeira revista feminina da história  Surgiu em Londres no ano 1693 , e chamava-se The Ladie’s Mercury (Mercúrio das Senhoras).  Com publicação semanal, a revista foi promissora em responder a todas as questões mais agradáveis e curiosas sobre amor, casamento, vestido, comportamento e humor do sexo feminino.  Também tinha a crônica da Corte e poesia, mas mostrava desenhos de roupas, moldes para vestidos e bordados.
  • 9. The Gentleman’s Magazine  Publicada na Inglaterra em 1731 por Edward Cave, considerada a primeira revista moderna.  Dedicada ao entretenimento, incluindo ensaios, textos de ficção, poemas, comentários políticos e críticas.  Foi a primeira vez que a palavra magazine foi usada para esse tipo de publicação.
  • 10. O número de novas revistas se multiplicou pela Europa, onde o analfabetismo diminuía e o interesse por novas idéias crescia.  O aparecimento das revistas nos Estados Unidos começou com uma história de concorrência.  Era 1741, e Benjamim Franklin estava para lançar no dia 13 de fevereiro a primeira revista do novo continente, chamada General Magazine and Historical Chronicle.
  • 11. Só que o Benjamim Franklin tinha um concorrente nos negócios que ouviu falar na novidade.  E foi assim que Andrew Bradford lançou o American Magazine, or Monthly View, três dias antes.  General Magazine and Historical Chronicle  American Magazine, or Monthly View
  • 12. As revistas brasileiras também começaram com a mesma dúvida sobre quem teria sido a primeira.  Em 1808 saiu o Correio Brazilense ou Armazém Literário.  Quatro anos depois surgiu As Variedades ou Ensaios de Literatura.  Como ambos tinham aparência de livro, o Correio passou a ser o primeiro jornal, porque alguns historiadores acharam que As Variedades obedecia mais a um espírito editorial de revista, e ela virou oficialmente a número um da categoria.
  • 13. Correio Brazilense ou  As Variedades ou Armazém Literário Ensaios de Literatura
  • 14. As Variedades ou Ensaios de Literatura, nasceu em Salvador no ano de 1812.  Discursos sobre os costumes e as virtudes morais e sociais.  Algumas novelas de escolhido gosto e moral.  Extratos de história antiga e moderna.  Autores clássicos, cuja leitura tendia a formar gosto e pureza na linguagem.
  • 15. Revista O Patriota, nasceu no Rio de Janeiro no ano de 1813.  Trazendo expressiva contribuição iconográfica (gravuras, tabelas e quadros).  Tratando de temas como Botânica, Zoologia, Mineralogia, Cartografia, Filosofia, Viagens, Literatura, História, Medicina, Matemática, Química, Topografia, Hidráulica e Navegação, entre outros.
  • 16. O negócio nasceu quando um inglês decidiu fazer uma revista com preço de capa baixo, barato.  As revistas como negócio  Até 1830, revistas eram um produto caro, de elite, consumido pelas classes mais altas, de formação escolar avançada.  O negócio nasceu quando um inglês decidiu fazer uma revista com preço de capa baixo, barato.  Sabe-se que essa primeira revista popular tinha matérias leves de entretenimento, informação variada, era quase um almanaque.
  • 17. A revolução seguinte viria em Londres, no ano de 1842, com uma novidade fascinante no visual das revistas: a primeira revista ilustrada.  The Illustrated London News  Tinha 16 páginas de texto e 32 de gravuras, feitas por artistas conhecidos.  Reproduziam os acontecimentos em desenho.
  • 18. Revistas femininas se multiplicaram no século 19.  Quatro grandes revistas femininas americanas são dessa época e já comemoraram mais de 100 anos de vida.  Harper’s Bazaar é de 1867;  Ladies Home Journal, de 1883;  Good Housekeeping, de 1885;  Vogue, de 1892.
  • 19.
  • 20. A primeira revista feminina brasileira teve um nome comprido e uma vida curta: nasceu em 1827 e morreu em 1828.  O Espelho Diamantino  Tinha como subtítulo: Periódico de Política, Literatura, Bellas Artes, Theatro e Modas Dedicado às Senhoras Brasileiras.
  • 21. Em 3 de março de 1923, dois jovens senhores chamados Briton Hadden e Henry Luce lançaram nos Estados Unidos uma revista chamada Time, The Weekly News-Magazine.  "sumarizava as notícias da semana no menor espaço possível"  O estilo em que o texto era escrito também fez parte da novidade: frases curtas, em forma de narrativa, com informações pesquisadas e checadas.
  • 22. A invenção e o sucesso do "newsweekly“ (semanário) geraram dois concorrentes nos Estados Unidos.  Em 1933 nasceram Newsweek e U.S News and World Report.
  • 23. A fórmula atravessou o Atlântico.  Revista Der Spiegel  Revista L’Express  Nasceu na Alemanha em 1947  Nasceu na França em 1953
  • 24. Revista Panorama  Revista Veja  Nasceu na Itália em 1962  Nasceu no Brasil em 1968
  • 25. Em 1936, Henry Luce surpreendeu mais uma vez o jornalismo de revistas, lançando Life, a primeira revista ilustrada no mundo a usar a reportagem fotográfica como fórmula básica.
  • 26. Na França, Vu e Match vendiam, quase dois milhões de exemplares por semana.  O ano de 1948 marcou também o lançamento da alemã Stern.
  • 27. Mas Assis Chateaubriand já tivera a idéia de lançar uma revista ilustrada muito antes dos norte-americanos e dos europeus: O Cruzeiro em 1927-1975, mas o jornalismo fotográfico só foi incorporado depois do aparecimento de Life.  Campanha que levou Getúlio Vargas ao poder, com linguagem política e empresarial, maior vendagem no país. Início: 50 mil exemplares e passando dos 700 mil, com a cobertura do suicídio de Getúlio Vargas em 1954.
  • 28. Revista Manchete surgiu em 1952-2000, inspirada no modelo francês.  Criada por Adolpho Bloch e editora Bloch Editores.  Empregando uma concepção moderna, a revista tinha como fonte de inspiração a ilustrada parisiense Paris Match e utilizava, como principal forma de linguagem, o fotojornalismo.
  • 29. A Veja é uma revista semanal, publicada pela Editora Abril. Foi criada em 1968, pelos Jornalistas Victor Civita e Mino Carta.  A revista trata de temas do cotidiano da sociedade brasileira e do mundo, como política, ecomonia, cultura e comportamento.  Influenciada pela Time, linha editorial libertária .  Em 1970 teve melhoria nas vendas. As assinaturas impulsionaram. Tornou-se revista de magnitude nacional pela atuação política e a mais vendida do país.
  • 30. Seleções e outras publicações  As revistas em quadrinhos nasceram das tiras publicadas diariamente nos jornais americanos, quando alguém teve a idéia de juntá-las numa revista.  Em 1934, surgiram as primeiras revistas com histórias inéditas, entre elas a de um pato falante, batizado de Donald.  Só depois é que vieram os super-heróis. O Superman, primeiro deles, é de 1938.
  • 31. No Brasil, a história em quadrinhos começou antes:  Em 1905 comTico Tico  Em 1939 com Gibi
  • 32. Nessa mesma época, anos trinta, a já poderosa indústria cinematográfica americana gerou as primeiras revistas de fãs, que desapareceram com o advento da televisão.  Para se ter idéia do poder dos estúdios, diz a história que uma revista brasileira chamada Cinelândia chegou a vender 250 mil exemplares, e isso na década de 50.  Na Itália, os estúdios de Cinecittá produziam as obras-primas do cinema italiano de pós-guerra, e nos intervalos serviam de cenário para as fotonovelas, romances fotografados que só fizeram sucesso no mundo latino.  Só no Brasil dos anos 57, Capricho chegou a vender meio milhão de exemplares, com o slogan de "a maior revista da América do Sul".
  • 33. Na França uma senhora chamada Hélène Gordon-Lazareff, criou uma revista semanal feminina que acabou restituindo à mulher francesa o gosto pela vida.  Surgiu então a revista Elle em novembro de 1945.  É uma revista de moda, beleza, cultura e saúde feminina  A edição brasileira chegou às bancas com uma capa verde-amarela, em maio de 1988.
  • 34. Em 1953, surgiu a Playboy, criada por um ex-funcionário do departamento de promoções da revista Esquire, chamado Hugh Hefner. A idéia era simples e ousada.  Ele usou a mesma fórmula da sofisticada Esquire: bom jornalismo, contos de grandes escritores, cartuns de humor fino, requintada gastronomia, ilustradores que eram os mais conhecidos artistas plásticos da arte americana naquele momento, e lições de elegância com os segredos dos melhores alfaiates da época.  E aí veio a ousadia: a esse pacote de sofisticado jornalismo, Hefner acrescentou fotos de quem ele chamava de "a garota da porta ao lado", a vizinha, inteiramente nua, mas sempre com muito bom gosto, com muita classe.
  • 35. Ele usou Marilyn Monroe nua para vender a primeira edição.  A novidade era fotografar moças de família, que ninguém poderia imaginar que apareceriam daquele jeito numa revista masculina.  Playboy tem hoje 17 edições internacionais, uma das quais é a nossa, que só perde em circulação para a americana.
  • 36. Cinco idéias importantes  A primeira, por ordem cronológica, nasceu de uma associação científica. Fundada para "fomentar e difundir o conhecimento da geografia", a "National Geographic Society“ . Era janeiro de 1888.  O primeiro número teve 200 exemplares, equivalente ao número de sócios, que Hubard endereçou a mão, um a um.  Primeira revista usar fotos pintadas à mão, em 1910; e a primeira, a usar fotos coloridas, em 1914.
  • 37. A revista The National Geographic Magazine não teve periodicidade fixa até janeiro de 1896, quando se tornou mensal.
  • 38. A grande idéia seguinte foi The New Yorker, criada por Harold Ross em 1925. Nasceu com grande vocação literária.  Tinha um time quase fixo de grandes escritores, entre os quais John O'Hara, John Updike e J.D.Salinger.  Com Ross, e com seu sucessor William Shawn, The New Yorker estabeleceu um patamar de estilo e de reportagem inigualável.
  • 39. Até hoje, The New Yorker é uma das poucas revistas que continua a publicar ficção e poesia em todas as edições.
  • 40. A terceira é Esquire, lançada em Nova York no ano de 1933, por um senhor muito elegante chamado Arnold Gingrich.  Arnold fez muito mais do que uma revista de moda para cavalheiros. Ele decidiu que a revista tinha que ter ficção, e publicou os melhores escritores americanos da época.  Fez mais ainda: tornou a revista o padrão de elegância não só em roupa, mas o referencial de estilo de vida e de bom gosto.
  • 41. Esquire passou por diversas fases em sua longa existência de mais de 70 anos de vida.
  • 42. A quarta é a espanhola Hola! , nascida em 1944 como uma revista de amenidades, idealizada por um jornalista chamado Antonio Sanchez Gomez.  Transformou-se na revista que durante muito tempo foi a mais vendida na Espanha, mostrando histórias de famílias reais européias e das celebridades internacionais.  Foi de Hola!, hoje dirigida pelo filho do fundador, Eduardo, a idéia de mostrar a intimidade das casas das celebridades.
  • 43. Publicada pelas editora Siquini, a revista integra o time de 70 países no qual a Hola! A edição brasileira é a 14ª a ser lançada no mundo.
  • 44. People, lançada em março de 1974, inaugurou o jornalismo de personalidades nos Estados Unidos.  Só que, ao mesmo tempo, publicava também histórias humanas de personagens desconhecidos.  Segundo sua fórmula editorial, a revista contaria "feitos ordinários de pessoas extraordinárias, e feitos extraordinários de pessoas ordinárias".
  • 45. People inovou na maneira respeitosa com quem tratava as personalidades, o que era essencial para se diferenciar das revistas escandalosas da época.
  • 46. No Brasil, quais foram as idéias realmente inovadoras?  A primeira, se chamou Senhor, surgiu em 1959-1964 seu inventor foi o editor Nahum Sirotsky.  Chamou os melhores textos, ilustradores, fotógrafos e artistas gráficos do Rio de Janeiro daquela época.  Fez uma revista com gosto de uma Ipanema que ainda não havia virado internacional.  Onde a vida boêmia nos bares e botequins juntava músicos, escritores, jornalistas, artistas plásticos.
  • 47. A segunda revista nasceu quase por acaso em 1966. Roberto Civita queria fazer uma revista para ser encartada em jornais de domingo.  Realidade era uma revista de grandes reportagens, tratando de temas que eram tabus no Brasil dos anos 60.  Desapareceu quando os temas deixaram de ser tabus, e passaram a ser tratados normalmente pela imprensa brasileira.
  • 48.
  • 49. "Todos os dias Deus nos dá um momento em que é possível mudar tudo que nos deixa infelizes. O instante mágico é o momento em que um "sim" ou um "não" pode mudar toda a nossa existência.“
  • 50. Referências  http://mundoestranho.abril.com.br/materia/como-surgiram-as- revistas  http://www.revistapronews.com.br/edicoes/47/historia_da_comun icacao.html  http://cursoabril.abril.com.br/coluna/materia_84318.shtml  http://www.youtube.com/watch?v=HJc7MMlGGeA  http://pt.wikipedia.org/wiki/Revista  http://www.slideshare.net/adrianacontemporanea/aula-2-redao- em-revista-uepb