SlideShare uma empresa Scribd logo
História da Música I
       2ª e 3ª aula

              CANTOCHÃO
   LITURGIA CATÓLICA NA IDADE MÉDIA
               NOTAÇÃO
   MONODIA NÃO-LITÚRGICA E SECULAR
INSTRUMENTOS MUSICAIS DA IDADE MÉDIA
Cantochão

 Era cantado em latim;
 Monofônico;
 Essencialmente vocal;
 Modal;
 Ritmo ligado à palavra;
 Predomínio de graus conjuntos;
 Música litúrgica e popular;
 Melodias geralmente com o contorno em forma de
  arco;
 Não se sabe ao certo quando surgiu o canto gregoriano;
Tipos de Cantochão

 Eram cantados de três formas:
a) Antifonal (coros alterados);
b) Responsorial (alternância entre solista e coro);
c) Direto (sem alternação).


   De acordo com o texto o cantochão era dividido em
    bíblicos e não-bíblicos (poesia e prosa).
   Textos bíblicos: salmos, hinos;
   Textos não-bíblicos: Te Deum
Tipos de Cantochão

    Silábico: uma nota para cada sílaba;
    Melismático: passagens melódicas para uma mesma sílaba;
    Cantochão Neumático: alterna o silábico com o melisma.
    Categorias de cantochão:

a)    Salmodia (cantadas ou recitadas);
b)    Antífonas (responsório – solista e coro);
c)    Tratos (cantos longos com melismas);
d)    Graduais;
e)    Aleluia (solista e coro – aleluia, solista – versículo, coro -
      aleluia ;
f)    Hinos;
g)    Cantos ligados à liturgia.
A liturgia católica na Idade Média

 Dividida em 2 momentos distintos:
1) Os ofícios: realizados todos os dias e não era aberto ao público.
    Eram compostos por:
-   MATINAS* (antes do nascer do sol);
-   LAUDAS* (ao nascer do sol);
-   PRIMA (6 da manhã);
-   TERÇA (9 da manhã);
-   SEXTA (ao meio dia);
-   NONAS (3 da tarde);
-   VÉSPERAS* (ao pôr do sol);
-   COMPLETAS (logo após as vésperas).

•   (*) partes mais musicais: canto de salmos, hinos, entonação de
    passagens das escrituras etc)
A Missa

 A missa: o serviço religioso mais importante da Igreja
 Católica;

 A palavra missa vem da expressão ITE, MISSA EST (Ide-
 vos, a congregação pode dispersar).

 A estrutura da missa até 1570 (Concílio de Trento):


 A missa se divide em duas partes: o próprio (o texto
 poderia variar conforme a época do ano) e o ordinário (o
 texto não varia).
Próprio         Ordinário
                          Intróito
Introdução                                  Kirie
                                            Glória
                          Coleta


Liturgia da palavra       Epístola
                          Gradual
                          Aleluia
                         Evangelho
                         [homilia]          Credo


Liturgia da Eucaristia   Ofertório
                          Prefácio
                                     Sanctus e Benedictus
                                          Agnus Dei
                         Comunhão
                                        Ite, missa est
A Missa

 Missa de Finados: Requiem.

 Requiem: Requiem aeternam dona eis domine (Dai-lhes,
  Senhor, o eterno repouso).

 Graduale: livro que contém o repertório para a missa (próprio
  e o ordinário);

 Liber usualis: (livro com o repertório mais utilizado na missa);

 Missal (missale): livro com os textos da missa;

 Breviário (breviarium): livro com os textos dos ofícios.
A Missa

 O ordinário é cantado pelo coro e a partir do século XIV ele se
  estabelece como um gênero musical feito por diferentes
  compositores de diferentes períodos.

 Textos dos cantos do ordinário:

1)Kyrie eleison (Senhor, tende piedade);
2) Glória in excelsis Deo (Glória a Deus nas alturas);
3)Sanctus, sanctus, sanctus (santo, santo, santo)
  Pleni sunt caeli et terra (os céus e a terra estão cheios)
  Benedictus qui venit (Bendito seja o que vem);
4) Agnus Dei, misere nobis (Cordeiro de Deus tende piedade de nós)
  Agnus Dei, dona nobis pacem (Cordeiro de Deus, concedei-nos a
  paz).
Notação

 A busca da uniformidade na interpretação do
    cantochão;
   Notação: consequência da uniformidade (meio de
    perpetuação da escrita);
   A notação mais antiga encontrada: mosteiro de
    Sankt Gallen (Suíça) – século IX;
   Neumas: sinais acima do texto para indicar o
    movimento da melodia;
   A palavra nota só irá aparecer a partir do século XI
    como sinônimo de Neuma (Candé, 2001: 206).
História da Música I: 2ª e 3ª aulas
Notação

 Séc. XI: Guido d ’Arezzo (990-1050) adicionou à
    notação duas linhas de referência. A linha que situa a
    nota fá (vermelho) e a linha correspondente a nota
    dó (amarelo).
   No fim do século XI: a adoção da pauta de 4 linhas;
   A partir do século XIV: a adoção das 5 linhas e uma
    clave como conhecemos hoje.
   Até o séc. XVIII os monastérios foram os principais
    centros de estudos musicais.
   Com a revolução francesa (1789) surgem as
    primeiras escolas de música.
História da Música I: 2ª e 3ª aulas
História da Música I: 2ª e 3ª aulas
História da Música I: 2ª e 3ª aulas
Notação

 Outra contribuição de Guido d’Arezzo é o nome das notas
  musicais a partir do texto de um Hino a S. João Batista
  (séc. XI);

Ut queant laxis (depois passou a se chamar dó por uma questão de fonética)
Resonare fibris
Mira gestorum
Famuli tuorum
Solve polluti
Labii reatum
Sancte Ioannes
"Para que teus servos, possam ressoar claramente
 a maravilha dos teus feitos, limpe nossos lábios
 impuros, ó São João”.

• Outra contribuição de Guido d’Arezzo: a Mão
 Guidoniana (um método de leitura musical em que
 as notas correspondiam as partes da mão).
História da Música I: 2ª e 3ª aulas
Monodia não litúrgica e secular

 Goliardos (séc XI – XIII): estudantes ou clérigos errantes que migravam de lugar
  em lugar (universidades, tabernas e outros lugares públicos).

 Tema de suas canções (em latim): vinho, mulheres e sátira (muitas vezes
  denunciando os abusos e a corrupção da igreja).

 Uma pequena parte do repertório ficou registrada em manuscritos (textos com
  neumas sem pauta).

 Alguns manuscritos foram encontrados no mosteiro de Benediktbeuren
  (Alemanha). Em 1847 J. A. Schemeller publicou a coletânea e o chamou de Carmina
  Burana ( em latim: canções de Benediktbeuren).

 São no total 315 poemas, nem todos são dos Goliardos. Atualmente se encontram na
  Biblioteca Nacional de Munique na Alemanha.

 Carl Orff teve acesso e musicou 24 poemas (Carmina Burana – 1935-36).
Monodia secular em língua vernácula

 Chanson de Geste (canções de feitos): poemas cantados
  que contavam histórias de heróis e heroínas. No início
  eram transmitidos oralmente, depois passaram a ser
  escritos.

 Música das Cruzadas


 Pastourele


 Menestréis ou jograis (séc. X): artistas nômades (teatro,
  música, dança, marabalismos etc)
Monodia secular em língua vernácula

   Trovadores (Trobadours): séc XII
-   Sul da França (Provença);
-   Langue d’oc;
-   Posição social;
-   Herança: aproximadamente 2600 poemas e 260
    melodias

•   Trouveiros (Trouvéres)
-   Norte da França;
-   Langue d’oil (francês medieval);
-   Posição social (burgueses, artesãos);
-   Herança: 2130 poemas e 1420 melodias
Monodia secular em língua vernácula

 Minnesinger e Meistersinger (séc XIII): Alemanha.


 Espanha: cantigas sacras
- Cantigas de Santa Maria: Alfonso X “el sábio” (427
  melodias compostas entre aproximadamente 1250-
  80).
- Repertório foi preservado.


- Dois tipos de cantigas: as que narram os milagres e as
  que louvam a santa.
Instrumentos Musicais da Idade Média

 Harpa;
 Vielle (Fiedel) = ancestral da viola e do violino;
 Organistrum (ancestral da sanfona);
 Saltério;
 Alaúde;
 Flautas (retas e transversais);
 Charamela (ancestral do oboé);
 Trombetas;
 Cornamusas (Gaita de fole);
 Orgão portativo (portátil) e positivo.
Vielle
Organistrum
Saltério
Alaúde
Orgão Portativo
Flautas retas e transversais
Cornamusa (gaita de foles)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Musica
MusicaMusica
Musica
Anitaguedes
 
História da música 1
História da música 1História da música 1
História da música 1
Deborah Oliver
 
O Violino
O ViolinoO Violino
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
BE/CRE
 
[Danca]gabarito
[Danca]gabarito[Danca]gabarito
[Danca]gabarito
ocileideribeirodasilva
 
Dança moderna - Fraçois Delsarte, Loie Fuller e Isadora Duncan
Dança moderna - Fraçois Delsarte, Loie Fuller e Isadora DuncanDança moderna - Fraçois Delsarte, Loie Fuller e Isadora Duncan
Dança moderna - Fraçois Delsarte, Loie Fuller e Isadora Duncan
Marcos Ramon
 
Cinema
CinemaCinema
GV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do TeatroGV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do Teatro
Susana Sobrenome
 
Hip hop
Hip hopHip hop
Hip hop
DeaaSouza
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
Meire Falco
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
Carlos Pinheiro
 
Trabalho de artes danças
Trabalho de artes dançasTrabalho de artes danças
Trabalho de artes danças
ingrid limah
 
Dança moderna
Dança modernaDança moderna
Dança moderna
pagodes
 
Música trabalho completo
Música trabalho completoMúsica trabalho completo
Música trabalho completo
dfis1997
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Linguagem e estrutura musical by sidnei
Linguagem e estrutura musical by sidneiLinguagem e estrutura musical by sidnei
Linguagem e estrutura musical by sidnei
sidtkt
 
Teatro
TeatroTeatro
Slide música – estilos e gêneros musicais diversos
Slide música – estilos e gêneros musicais diversosSlide música – estilos e gêneros musicais diversos
Slide música – estilos e gêneros musicais diversos
Natália Matos
 
Estilos Musicais
Estilos MusicaisEstilos Musicais
Estilos Musicais
Marilia
 
Historia da musica renascimento e barroco
Historia da musica renascimento e barrocoHistoria da musica renascimento e barroco
Historia da musica renascimento e barroco
Carlos Elson Cunha
 

Mais procurados (20)

Musica
MusicaMusica
Musica
 
História da música 1
História da música 1História da música 1
História da música 1
 
O Violino
O ViolinoO Violino
O Violino
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 
[Danca]gabarito
[Danca]gabarito[Danca]gabarito
[Danca]gabarito
 
Dança moderna - Fraçois Delsarte, Loie Fuller e Isadora Duncan
Dança moderna - Fraçois Delsarte, Loie Fuller e Isadora DuncanDança moderna - Fraçois Delsarte, Loie Fuller e Isadora Duncan
Dança moderna - Fraçois Delsarte, Loie Fuller e Isadora Duncan
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 
GV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do TeatroGV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do Teatro
 
Hip hop
Hip hopHip hop
Hip hop
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Trabalho de artes danças
Trabalho de artes dançasTrabalho de artes danças
Trabalho de artes danças
 
Dança moderna
Dança modernaDança moderna
Dança moderna
 
Música trabalho completo
Música trabalho completoMúsica trabalho completo
Música trabalho completo
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Linguagem e estrutura musical by sidnei
Linguagem e estrutura musical by sidneiLinguagem e estrutura musical by sidnei
Linguagem e estrutura musical by sidnei
 
Teatro
TeatroTeatro
Teatro
 
Slide música – estilos e gêneros musicais diversos
Slide música – estilos e gêneros musicais diversosSlide música – estilos e gêneros musicais diversos
Slide música – estilos e gêneros musicais diversos
 
Estilos Musicais
Estilos MusicaisEstilos Musicais
Estilos Musicais
 
Historia da musica renascimento e barroco
Historia da musica renascimento e barrocoHistoria da musica renascimento e barroco
Historia da musica renascimento e barroco
 

Semelhante a História da Música I: 2ª e 3ª aulas

História da Música I: aula inaugural
História da Música I:   aula inauguralHistória da Música I:   aula inaugural
História da Música I: aula inaugural
Leonardo Brum
 
História da música i – 12ª aula
História da música i – 12ª aulaHistória da música i – 12ª aula
História da música i – 12ª aula
Leonardo Brum
 
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
Leonardo Brum
 
História da Música I - 5ª aula
História da Música I - 5ª aulaHistória da Música I - 5ª aula
História da Música I - 5ª aula
Leonardo Brum
 
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoA Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
Jofran Lirio
 
Módulo 3 - Caso Prático 1 Canto Gregoriano
Módulo 3 - Caso Prático 1 Canto GregorianoMódulo 3 - Caso Prático 1 Canto Gregoriano
Módulo 3 - Caso Prático 1 Canto Gregoriano
Carla Freitas
 
Os Instrumentos na Idade Média
Os Instrumentos na Idade MédiaOs Instrumentos na Idade Média
Os Instrumentos na Idade Média
rcarvalho83
 
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e BarrocoMúsica, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Gabriel Resende
 
Forma Musical Missa
Forma Musical MissaForma Musical Missa
Forma Musical Missa
Rique1590
 
Musica barroca
Musica barrocaMusica barroca
Musica barroca
Junior Onildo
 
1 dia cópia
1 dia   cópia1 dia   cópia
1 dia cópia
trilusofona
 
O canto-e-a-evolução-litúrgica
O canto-e-a-evolução-litúrgicaO canto-e-a-evolução-litúrgica
O canto-e-a-evolução-litúrgica
Taciano do Nascimento Rolim
 
Histriadamsicai5 aula-120422125754-phpapp02
Histriadamsicai5 aula-120422125754-phpapp02Histriadamsicai5 aula-120422125754-phpapp02
Histriadamsicai5 aula-120422125754-phpapp02
Fabio Novaes
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Debora Batista
 
Breve HistóRia Da MúSica Erudita
Breve HistóRia Da MúSica EruditaBreve HistóRia Da MúSica Erudita
Breve HistóRia Da MúSica Erudita
HOME
 
Canto na história
Canto na históriaCanto na história
Canto na história
Katya Oliveira
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
Meire Falco
 
Música Medieval - Prof.Altair Aguilar
Música Medieval -  Prof.Altair AguilarMúsica Medieval -  Prof.Altair Aguilar
Música Medieval - Prof.Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
A música na Idade Média, por Marcos Filho
A música na Idade Média, por Marcos FilhoA música na Idade Média, por Marcos Filho
A música na Idade Média, por Marcos Filho
Marcos Filho
 
Musica e liturgia
Musica e liturgiaMusica e liturgia
Musica e liturgia
Blog VALDERI
 

Semelhante a História da Música I: 2ª e 3ª aulas (20)

História da Música I: aula inaugural
História da Música I:   aula inauguralHistória da Música I:   aula inaugural
História da Música I: aula inaugural
 
História da música i – 12ª aula
História da música i – 12ª aulaHistória da música i – 12ª aula
História da música i – 12ª aula
 
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
 
História da Música I - 5ª aula
História da Música I - 5ª aulaHistória da Música I - 5ª aula
História da Música I - 5ª aula
 
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoA Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
 
Módulo 3 - Caso Prático 1 Canto Gregoriano
Módulo 3 - Caso Prático 1 Canto GregorianoMódulo 3 - Caso Prático 1 Canto Gregoriano
Módulo 3 - Caso Prático 1 Canto Gregoriano
 
Os Instrumentos na Idade Média
Os Instrumentos na Idade MédiaOs Instrumentos na Idade Média
Os Instrumentos na Idade Média
 
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e BarrocoMúsica, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
 
Forma Musical Missa
Forma Musical MissaForma Musical Missa
Forma Musical Missa
 
Musica barroca
Musica barrocaMusica barroca
Musica barroca
 
1 dia cópia
1 dia   cópia1 dia   cópia
1 dia cópia
 
O canto-e-a-evolução-litúrgica
O canto-e-a-evolução-litúrgicaO canto-e-a-evolução-litúrgica
O canto-e-a-evolução-litúrgica
 
Histriadamsicai5 aula-120422125754-phpapp02
Histriadamsicai5 aula-120422125754-phpapp02Histriadamsicai5 aula-120422125754-phpapp02
Histriadamsicai5 aula-120422125754-phpapp02
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Breve HistóRia Da MúSica Erudita
Breve HistóRia Da MúSica EruditaBreve HistóRia Da MúSica Erudita
Breve HistóRia Da MúSica Erudita
 
Canto na história
Canto na históriaCanto na história
Canto na história
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
 
Música Medieval - Prof.Altair Aguilar
Música Medieval -  Prof.Altair AguilarMúsica Medieval -  Prof.Altair Aguilar
Música Medieval - Prof.Altair Aguilar
 
A música na Idade Média, por Marcos Filho
A música na Idade Média, por Marcos FilhoA música na Idade Média, por Marcos Filho
A música na Idade Média, por Marcos Filho
 
Musica e liturgia
Musica e liturgiaMusica e liturgia
Musica e liturgia
 

Mais de Leonardo Brum

Protótipo de sintetizador de voz cantada
Protótipo de sintetizador de voz cantadaProtótipo de sintetizador de voz cantada
Protótipo de sintetizador de voz cantada
Leonardo Brum
 
História da música i – 11ª aula
História da música i – 11ª aulaHistória da música i – 11ª aula
História da música i – 11ª aula
Leonardo Brum
 
História da música i – 10ª aula
História da música i – 10ª aulaHistória da música i – 10ª aula
História da música i – 10ª aula
Leonardo Brum
 
O Acorde Tristão
O Acorde TristãoO Acorde Tristão
O Acorde Tristão
Leonardo Brum
 
"Ensaio sobre a Música Brasileira", por Mário de Andrade
"Ensaio sobre a Música Brasileira", por Mário de Andrade"Ensaio sobre a Música Brasileira", por Mário de Andrade
"Ensaio sobre a Música Brasileira", por Mário de Andrade
Leonardo Brum
 
História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915
História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915
História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915
Leonardo Brum
 
História da Música I - 6ª aula
História da Música I - 6ª aulaHistória da Música I - 6ª aula
História da Música I - 6ª aula
Leonardo Brum
 
História da Música no Brasil
História da Música no BrasilHistória da Música no Brasil
História da Música no Brasil
Leonardo Brum
 
Período Romântico
Período RomânticoPeríodo Romântico
Período Romântico
Leonardo Brum
 
Um seqüenciador alternativo para o doodle "Les Paul", da Google
Um seqüenciador alternativo para o doodle "Les Paul", da GoogleUm seqüenciador alternativo para o doodle "Les Paul", da Google
Um seqüenciador alternativo para o doodle "Les Paul", da Google
Leonardo Brum
 

Mais de Leonardo Brum (10)

Protótipo de sintetizador de voz cantada
Protótipo de sintetizador de voz cantadaProtótipo de sintetizador de voz cantada
Protótipo de sintetizador de voz cantada
 
História da música i – 11ª aula
História da música i – 11ª aulaHistória da música i – 11ª aula
História da música i – 11ª aula
 
História da música i – 10ª aula
História da música i – 10ª aulaHistória da música i – 10ª aula
História da música i – 10ª aula
 
O Acorde Tristão
O Acorde TristãoO Acorde Tristão
O Acorde Tristão
 
"Ensaio sobre a Música Brasileira", por Mário de Andrade
"Ensaio sobre a Música Brasileira", por Mário de Andrade"Ensaio sobre a Música Brasileira", por Mário de Andrade
"Ensaio sobre a Música Brasileira", por Mário de Andrade
 
História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915
História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915
História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915
 
História da Música I - 6ª aula
História da Música I - 6ª aulaHistória da Música I - 6ª aula
História da Música I - 6ª aula
 
História da Música no Brasil
História da Música no BrasilHistória da Música no Brasil
História da Música no Brasil
 
Período Romântico
Período RomânticoPeríodo Romântico
Período Romântico
 
Um seqüenciador alternativo para o doodle "Les Paul", da Google
Um seqüenciador alternativo para o doodle "Les Paul", da GoogleUm seqüenciador alternativo para o doodle "Les Paul", da Google
Um seqüenciador alternativo para o doodle "Les Paul", da Google
 

Último

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 

História da Música I: 2ª e 3ª aulas

  • 1. História da Música I 2ª e 3ª aula CANTOCHÃO LITURGIA CATÓLICA NA IDADE MÉDIA NOTAÇÃO MONODIA NÃO-LITÚRGICA E SECULAR INSTRUMENTOS MUSICAIS DA IDADE MÉDIA
  • 2. Cantochão  Era cantado em latim;  Monofônico;  Essencialmente vocal;  Modal;  Ritmo ligado à palavra;  Predomínio de graus conjuntos;  Música litúrgica e popular;  Melodias geralmente com o contorno em forma de arco;  Não se sabe ao certo quando surgiu o canto gregoriano;
  • 3. Tipos de Cantochão  Eram cantados de três formas: a) Antifonal (coros alterados); b) Responsorial (alternância entre solista e coro); c) Direto (sem alternação).  De acordo com o texto o cantochão era dividido em bíblicos e não-bíblicos (poesia e prosa).  Textos bíblicos: salmos, hinos;  Textos não-bíblicos: Te Deum
  • 4. Tipos de Cantochão  Silábico: uma nota para cada sílaba;  Melismático: passagens melódicas para uma mesma sílaba;  Cantochão Neumático: alterna o silábico com o melisma.  Categorias de cantochão: a) Salmodia (cantadas ou recitadas); b) Antífonas (responsório – solista e coro); c) Tratos (cantos longos com melismas); d) Graduais; e) Aleluia (solista e coro – aleluia, solista – versículo, coro - aleluia ; f) Hinos; g) Cantos ligados à liturgia.
  • 5. A liturgia católica na Idade Média  Dividida em 2 momentos distintos: 1) Os ofícios: realizados todos os dias e não era aberto ao público. Eram compostos por: - MATINAS* (antes do nascer do sol); - LAUDAS* (ao nascer do sol); - PRIMA (6 da manhã); - TERÇA (9 da manhã); - SEXTA (ao meio dia); - NONAS (3 da tarde); - VÉSPERAS* (ao pôr do sol); - COMPLETAS (logo após as vésperas). • (*) partes mais musicais: canto de salmos, hinos, entonação de passagens das escrituras etc)
  • 6. A Missa  A missa: o serviço religioso mais importante da Igreja Católica;  A palavra missa vem da expressão ITE, MISSA EST (Ide- vos, a congregação pode dispersar).  A estrutura da missa até 1570 (Concílio de Trento):  A missa se divide em duas partes: o próprio (o texto poderia variar conforme a época do ano) e o ordinário (o texto não varia).
  • 7. Próprio Ordinário Intróito Introdução Kirie Glória Coleta Liturgia da palavra Epístola Gradual Aleluia Evangelho [homilia] Credo Liturgia da Eucaristia Ofertório Prefácio Sanctus e Benedictus Agnus Dei Comunhão Ite, missa est
  • 8. A Missa  Missa de Finados: Requiem.  Requiem: Requiem aeternam dona eis domine (Dai-lhes, Senhor, o eterno repouso).  Graduale: livro que contém o repertório para a missa (próprio e o ordinário);  Liber usualis: (livro com o repertório mais utilizado na missa);  Missal (missale): livro com os textos da missa;  Breviário (breviarium): livro com os textos dos ofícios.
  • 9. A Missa  O ordinário é cantado pelo coro e a partir do século XIV ele se estabelece como um gênero musical feito por diferentes compositores de diferentes períodos.  Textos dos cantos do ordinário: 1)Kyrie eleison (Senhor, tende piedade); 2) Glória in excelsis Deo (Glória a Deus nas alturas); 3)Sanctus, sanctus, sanctus (santo, santo, santo) Pleni sunt caeli et terra (os céus e a terra estão cheios) Benedictus qui venit (Bendito seja o que vem); 4) Agnus Dei, misere nobis (Cordeiro de Deus tende piedade de nós) Agnus Dei, dona nobis pacem (Cordeiro de Deus, concedei-nos a paz).
  • 10. Notação  A busca da uniformidade na interpretação do cantochão;  Notação: consequência da uniformidade (meio de perpetuação da escrita);  A notação mais antiga encontrada: mosteiro de Sankt Gallen (Suíça) – século IX;  Neumas: sinais acima do texto para indicar o movimento da melodia;  A palavra nota só irá aparecer a partir do século XI como sinônimo de Neuma (Candé, 2001: 206).
  • 12. Notação  Séc. XI: Guido d ’Arezzo (990-1050) adicionou à notação duas linhas de referência. A linha que situa a nota fá (vermelho) e a linha correspondente a nota dó (amarelo).  No fim do século XI: a adoção da pauta de 4 linhas;  A partir do século XIV: a adoção das 5 linhas e uma clave como conhecemos hoje.  Até o séc. XVIII os monastérios foram os principais centros de estudos musicais.  Com a revolução francesa (1789) surgem as primeiras escolas de música.
  • 16. Notação  Outra contribuição de Guido d’Arezzo é o nome das notas musicais a partir do texto de um Hino a S. João Batista (séc. XI); Ut queant laxis (depois passou a se chamar dó por uma questão de fonética) Resonare fibris Mira gestorum Famuli tuorum Solve polluti Labii reatum Sancte Ioannes
  • 17. "Para que teus servos, possam ressoar claramente a maravilha dos teus feitos, limpe nossos lábios impuros, ó São João”. • Outra contribuição de Guido d’Arezzo: a Mão Guidoniana (um método de leitura musical em que as notas correspondiam as partes da mão).
  • 19. Monodia não litúrgica e secular  Goliardos (séc XI – XIII): estudantes ou clérigos errantes que migravam de lugar em lugar (universidades, tabernas e outros lugares públicos).  Tema de suas canções (em latim): vinho, mulheres e sátira (muitas vezes denunciando os abusos e a corrupção da igreja).  Uma pequena parte do repertório ficou registrada em manuscritos (textos com neumas sem pauta).  Alguns manuscritos foram encontrados no mosteiro de Benediktbeuren (Alemanha). Em 1847 J. A. Schemeller publicou a coletânea e o chamou de Carmina Burana ( em latim: canções de Benediktbeuren).  São no total 315 poemas, nem todos são dos Goliardos. Atualmente se encontram na Biblioteca Nacional de Munique na Alemanha.  Carl Orff teve acesso e musicou 24 poemas (Carmina Burana – 1935-36).
  • 20. Monodia secular em língua vernácula  Chanson de Geste (canções de feitos): poemas cantados que contavam histórias de heróis e heroínas. No início eram transmitidos oralmente, depois passaram a ser escritos.  Música das Cruzadas  Pastourele  Menestréis ou jograis (séc. X): artistas nômades (teatro, música, dança, marabalismos etc)
  • 21. Monodia secular em língua vernácula  Trovadores (Trobadours): séc XII - Sul da França (Provença); - Langue d’oc; - Posição social; - Herança: aproximadamente 2600 poemas e 260 melodias • Trouveiros (Trouvéres) - Norte da França; - Langue d’oil (francês medieval); - Posição social (burgueses, artesãos); - Herança: 2130 poemas e 1420 melodias
  • 22. Monodia secular em língua vernácula  Minnesinger e Meistersinger (séc XIII): Alemanha.  Espanha: cantigas sacras - Cantigas de Santa Maria: Alfonso X “el sábio” (427 melodias compostas entre aproximadamente 1250- 80). - Repertório foi preservado. - Dois tipos de cantigas: as que narram os milagres e as que louvam a santa.
  • 23. Instrumentos Musicais da Idade Média  Harpa;  Vielle (Fiedel) = ancestral da viola e do violino;  Organistrum (ancestral da sanfona);  Saltério;  Alaúde;  Flautas (retas e transversais);  Charamela (ancestral do oboé);  Trombetas;  Cornamusas (Gaita de fole);  Orgão portativo (portátil) e positivo.
  • 29. Flautas retas e transversais