SlideShare uma empresa Scribd logo
Dalila e Laís
Ditadura Militar




Em 1964 a Ditadura Militar foi instalada no Brasil.
Suas principais características foram a censura de todos os meios
de comunicação, suspensão dos direitos constitucionais, e a
perseguição a todos contrários ao regime militar.
Os Opositores
Principalmente os jovens que participavam da UNE
(União Nacional dos Estudantes), e que tinham estudo,
por isso podiam perceber como toda a situação era
errada.
A maior parte da população ainda sofria com o governo
de Vargas, onde sua doutrina era o populismo, deixando
uma marca de ignorância na sociedade brasileira.
AI
Os atos inconstitucionais eram mecanismos que driblavam
a Constituição do Brasil, estabelecia para os militares
diversos poderes para como o povo e legalizava seu
domínio.
O AI- 5 ocorreu em 1968 e teve maior reação porque
significou o endurecimento do Regime Militar.
Ela suspendeu o direito do habeas corpus e todos os direitos
políticos, e fechou o Congresso Nacional.
AI

Após o AI-5 a repressão dos militares para com aqueles que não
concordavam com o Regime ficaram mais drásticas. Os militares
começaram a prender, torturar e matar qualquer suspeito de
subversão.
Os jovens também ficaram mais violentos. Começaram a
assaltar bancos para conseguir recursos e comprar armamentos,
praticavam passeatas onde revidavam violentamente contra os
militares, e sequestraram embaixadores a fim de troca-los por
prisioneiros.
A Lei da Anistia

Para evitar oposições mais drásticas do povo, o Regime
Militar suspendeu a AI-5 em 1978.
Após mais pressões, o governo impôs a Lei da Anistia. Esta
consistia no perdão de todos os presos e ou exilados por
qualquer crime político. Ao mesmo tempo que a lei
favoreceu a população, favoreceu também os militares, pois
todos os seus crimes cometidos foram perdoados.
“A Anistia não pode converter-se em Amnésia”.
Enfim o Fim

A Ditadura já estava estagnada em seus últimos anos. A
opressão contra o governo nunca foi tão forte pois contavam
com os sindicatos e o fortalecimento de novos partidos
políticos contrários a Ditadura.
Em 1984 a população tentou, em vão, o movimento “Diretas
Já”, que garantia eleições diretas para presidente, mas, para
decepção do povo o movimento não foi aprovado pela
Câmara dos Deputados.
Enfim o Fim

Finalmente em 1985, o Colégio Eleitoral escolheu o deputado
Tancredo Neves, como novo presidente da República. Ele, porém
veio a falecer antes de tomar o poder e seu vice José Sarney
assumiu o poder.
A Constituição de 1988 apagou os rastros da Ditadura Militar e
estabeleceu princípios democráticos no país.
Nunca na história do Brasil uma constituição abordou de forma
tão abrangente os direitos do povo nos aspectos sociais e
políticos, todos queriam garantir a permanência de uma
democracia no país.
Justiça de Transição


Nos governos que se seguiram, não se falou muito do período
da Ditadura. Porém muitas famílias ainda sofriam e sofrem por
seus filhos desaparecidos e ou mortos brutalmente pelas mãos
dos militares.
No ano de 2007 iniciou-se um debate no Brasil sobre a “Justiça
de Transição” , esta ocorre no contexto da transição entre um
regime autoritário e o regime que o sucede, no caso do Brasil,
um regime com princípios democráticos.
Historia
Comissão da Verdade

Em dezembro de 2009, constituiu-se em Brasília um Grupo
de Trabalho que teve a missão de elaborar um projeto de lei
que instituísse a Comissão Nacional da Verdade, composta
com mandato e prazos definidos, para examinar as violações
de Direitos Humanos praticados no contexto da repressão
política no período fixado da Constituição Federal, de 18 de
setembro de 1946 até 5 de outubro de 1988.
A tarefa foi finalizada em abril de 2010, e depois do projeto
ter sido assinado pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva,
foi enviado em maio ao Congresso Nacional, onde esperava
sua análise e discussão em plenário, tanto na Câmara de
Deputados como no Senado Federal.
Brasil

A primeira Comissão da Verdade que se conhece foi a
que estabeleceu o governo de Uganda em 1974. Até
2010, 39 Comissões se formaram nos quatro
continentes.
No Brasil a Comissão da Verdade foi instalada desde
maio de 2012 no Centro Cultural Banco do Brasil, em
Brasília, local onde ocorrem suas reuniões.
Os membros da Comissão foram escolhidos pela
atual presidente Dilma Rousseffe, eles têm 2 anos
para cumprir suas missões.
O que são?

São órgãos temporários de assessoramento
do governos e seus membros são oficialmente investidos de
poderes para identificar e reconhecer todos os fatos ocorridos e
as pessoas que desse processo participaram, tanto as que
sofreram com as violências como as que participaram de forma
ativa na promoção dessas violências.
São criadas a partir das decisões de governos que decidem
que o momento é propício para que se inicie uma
profunda e real investigação sobre as violações ocorridas
em determinado período histórico.
Objetivo
O principal objetivo de uma Comissão da
Verdade é DESCOBRIR, ESCLARECER
e RECONHECER ABUSOS DO
PASSADO, DANDO VOZ ÀS VÍTIMAS.
A Comissão da Verdade permite reinserir
no debate social a questão do
autoritarismo e suas nefastas
consequências, promovendo a reflexão e
principalmente prevenindo a
eventualidade de políticas públicas que
sigam escondendo a verdade e ou
permitindo a continuação de abusos e de
violações dos Direitos Humanos.
Objetivos
Colaborar com todas as instâncias do Poder
Público para a apuração de violações de
Direitos Humanos ocorridas nesse período.

                                  Promover, com base em seus informes, a reconstrução
                                  histórica dessas violações e incentivar a revelação de
                                  informações e documentos.


Identificar e tornar públicas as estruturas e locais
utilizados para a prática dessas violações.


                        Divulgar os procedimentos oficiais utilizados,
                        contribuindo, dessa maneira, para o esclarecimento das
                        circunstâncias nas quais ocorreram casos de tortura,
                        mortes e desaparecimentos.
Objetivos

“Por que queremos uma Comissão da Verdade?”. Em
outubro de 2009, eu estava falando com uma mulher que tinha
perdido um de seus familiares na luta contra a ditadura no Brasil.
Ela pareceu estranhar minha pergunta e a repetiu para mim. Sua
resposta foi clara e praticamente esgotou o assunto:
“Para mobilizar as forças políticas, promover uma investigação
que tenha amplos e definitivos poderes e assim chegar às muitas
verdades que ainda são escondidas”. (p.19, tradução M.P.)
Economicamente

Parte da Comissão se ocupa de tentar descobrir desvios
de dinheiro público feito pelos militares no período da
Ditadura. O planejamento de dinheiro inicial destinado a
obras publicas, quase triplicava quando esta era
construída. Assim, pode-se dizer que há algo estranho.
Contudo a Comissão da Verdade dá mais enfoque nas
pessoas mortas e desaparecidas no período do regime.
Seus Membros

Os membros das Comissões devem ser pessoas de prestígio,
de reconhecida integridade e com autoridade moral e intelectual.
Podem requisitar testemunhas, documentos e informações,
visitar locais onde violações foram cometidas e ter a possibilidade
de apurar fatos, depois que vítimas revelem aspectos até então
desconhecidos.
Segundo especialistas os 21 membros serão insuficientes para
o volume de tarefas e responsabilidade previstas para essa
comissão. Como argumento, eles afirmam que, no Uruguai,
por exemplo, comissão formada para a execução de um
trabalho semelhante, contava com a cerca de 200 membros.
Seus Membros


Os membros são: Cláudio Fonteles, foi Procurador-Geral da
República e é advogado, Gilson Dipp é vice-presidente do
Superior Tribunal de Justiça, José Carlos Dias é advogado
criminalista, José Paulo Cavalcanti Filho é advogado, Paulo Sérgio
Pinheiro é professor de Ciência Política e pesquisador associado
ao Núcleo de Estudos da Violência, e Rosa Maria Cardoso da
Cunha é advogada e professora universitária.
Relatório

As Comissões da Verdade têm como missão final a produção de um
relatório que permita à sociedade o conhecimento dos detalhes do regime
que oprimiu e violou, assim como apresentam recomendações que visam
aprimorar as instituições do Estado, notadamente aquelas que lidam com
a segurança pública, e contribuir para uma política de não repetição.
O relatório pode ser utilizado pelo Poder Judiciário, como instrumento para
desencadear as ações civis e ou penais conta os perpetradores. Já que as
comissões tem menos poder do que as cortes, não podem colocar ninguém na
cadeia, nem obrigar ninguém a testemunhar, se esse não for o desejo da pessoa.
Deverá constituir-se em ferramenta de proteção dos Direitos Humanos no
futuro e na garantia da não impunidade para os que violaram esses direitos.
Cientificamente
Estudos e pesquisas realizados por acadêmicos mostram
que sociedades que teimam em não jogar luz sobre os fatos
ocorridos no passado correm mais perigo que as demais na
repetição das mesmas violências e arbitrariedades cometidas.
O que já foi feito?
 Já colheu depoimentos de legistas e delegados. Tem se reunido com
  familiares dos mortos e desaparecidos para pegar depoimentos.
 Requereu uma série de informações ao Ministério da Defesa sobre a
  guarda de documentos secretos, especialmente sobre a destruição de
  documentos.
 Fez um levantamento sobre as operações militares e as mortes na
  Guerrilha do Araguaia. A pesquisa, entre outros dados, já levantou
  registros sobre 83 centros de tortura, espalhados pelas cinco regiões
  brasileiras.
 Segundo o site oficial, toda a documentação do período, conseguida
  até agora é composta por 132 caixas, contendo 4 toneladas de
  documentos, foi entregue ao Arquivo Nacional entre 2006 e 2007.
 A Comissão da Verdade criou um grupo de trabalho para apurar as violações
  de direitos humanos sofridas pelos militares que se opuseram ao golpe militar.
O Caso Herzog


A comissão solicitou ao Juízo de Registros Públicos de São
Paulo que no documento conste que a morte dele decorreu de
lesões e maus-tratos sofridos durante interrogatório em
dependência do 2º Exercito e não por asfixia mecânica como
está escrito.
O requerimento foi pedido pela viúva do jornalista, Clarice
Herzog, que pediu a retificação do assento de óbito e a
reabertura da investigação para apurar as responsabilidades
do caso.
O Caso Herzog

Na sentença, de 1978, o juiz federal Márcio José de Moraes,
determinou a abertura de um inquérito policial militar para
apurar as circunstâncias e os autores da morte do jornalista da
TV Cultura. A sentença afirmava também que os laudos da
causa da morte de Herzog eram imprestáveis e que a União não
havia conseguido provar a alegada tese do suicídio da vítima
na prisão.
O entendimento da Comissão é o de que a sentença assim deve
ser cumprida nos seus exatos termos e que os registros
públicos ou particulares que contêm a informação incorreta do
suicídio devem ser retificados.
O Caso Herzog

“Quando a sentença rejeita a tese do suicídio exclui
logicamente a tese do enforcamento e, então, a afirmação de
enforcamento – que se transportou para o atestado e para a
certidão de óbito – encobre a real causa da morte, a qual,
segundo os depoimentos colhidos em juízo indicam que foi
decorrente de maus tratos durante o interrogatório no DOI-
Codi”, diz o parecer da comissão.
Por Que é tão difícil?
Muitos dos militares participantes do Regime Militar, foram
torturadores e assassinos frios de muitos jovens. A descrição continua
pois muitos dele, atualmente ocupam grandes cargos no exercito
brasileiro.
Perguntas
A Ditadura Militar do Brasil começou em 1964 e durou até 1985. Ela foi
marcada pela censura de todos os meios de comunicação, suspensão dos
direitos constitucionais, e a perseguição a todos contrários ao regime militar.
Os militares torturaram e assassinaram cruelmente centenas de jovens, ou
qualquer opositor ao regime. Até hoje muitas famílias sofrem pelo
desaparecimento e morte de seus entes queridos.

1) Quais são os principais objetivos de uma Comissão da Verdade? Aponte
   pelo menos dois.

A Comissão da Verdade não tem como objetivo prender militares que
torturaram ou assassinaram alguma pessoa no período da Ditadura. O
relatório final pode servir como instrumento para o poder judicial propor um
julgamento contra estes militares, mas será muito difícil achar provas
concretas que incriminem eles.

2) Você achar certo que, depois de tudo o que fizeram os militares saiam
impunes? Isso mostra o que sobre a justiça do Brasil?
Bibliografia
http://www.jb.com.br/antonio-campos/noticias/2011/11/09/comissao-da-
verdade-no-brasil/
http://www.torturanuncamais-rj.org.br/jornal/gtnm_80/projeto_memoria.html
http://amarnatureza.org.br/site/comissao-da-verdade-pede-a-justica-retificacao-de-
atestado-de-obito-de-vladimir-herzog,83182/
http://www.revistabrasileiros.com.br/2012/10/20/expondo-torturadores-a-sociedade/
http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/jobim-defende-criacao-comissao-da-verdade
http://www.revistadehistoria.com.br/secao/na-rhbn/a-lista-de-prestes
http://www.portalmemoriasreveladas.arquivonacional.gov.br/media/Cartilha%20Comi
ss%C3%A3o%20da%20Verdade%20-%20N%C3%BAcleo%20Mem%C3%B3ria.pdf
http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/militares-criticam-divulgacao-de-lista-de-
torturadores
http://averdade.org.br/2012/08/a-comissao-da-verdade-deve-apurar-quem-torturou-e-
quem-usufruiu-economicamente-do-golpe/
 http://www.jb.com.br/antonio-campos/noticias/2011/11/09/comissao-da-
 verdade-no-brasil/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Abolicionismo penal
Abolicionismo penalAbolicionismo penal
Abolicionismo penal
Urbano Felix Pugliese
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Comissão da Verdade
Comissão da VerdadeComissão da Verdade
Comissão da Verdade
GUILHERME FRANÇA
 
Governo Geisel (1974 – 1979); Olavo de Carvalho
Governo Geisel (1974 – 1979); Olavo de CarvalhoGoverno Geisel (1974 – 1979); Olavo de Carvalho
Governo Geisel (1974 – 1979); Olavo de Carvalho
Professor Belinaso
 
140827 jornalismo politico-o_diaadiadojornalismopolitico
140827 jornalismo politico-o_diaadiadojornalismopolitico140827 jornalismo politico-o_diaadiadojornalismopolitico
140827 jornalismo politico-o_diaadiadojornalismopolitico
UNIP-jornalismo2013
 
Teoria geral de Direitos Humanos - apresentação
Teoria geral de Direitos Humanos - apresentaçãoTeoria geral de Direitos Humanos - apresentação
Teoria geral de Direitos Humanos - apresentação
Olimpio Oliveira
 
Garantismo penal
Garantismo penalGarantismo penal
Garantismo penal
Urbano Felix Pugliese
 
Liberdade de expressão e assessoria de imprensa –
Liberdade de expressão e assessoria de imprensa –Liberdade de expressão e assessoria de imprensa –
Liberdade de expressão e assessoria de imprensa –
Marcio Ferreira
 
Limites Legais Para o Jornalismo Investigativo
Limites Legais Para o Jornalismo InvestigativoLimites Legais Para o Jornalismo Investigativo
Limites Legais Para o Jornalismo Investigativo
Lorena Vieira
 
A ConstituiçãO Da RepúBlica Portuguesa
A ConstituiçãO Da RepúBlica PortuguesaA ConstituiçãO Da RepúBlica Portuguesa
A ConstituiçãO Da RepúBlica Portuguesa
abarros
 
#Corrupçãonão
#Corrupçãonão#Corrupçãonão
#Corrupçãonão
Rodrigo Tenorio
 
Carta Capital
Carta CapitalCarta Capital
Carta Capital
Vinícius Celso
 
Aula 1 curso direitos humanos - evolução histórica dos direitos humanos
Aula 1 curso direitos humanos -  evolução histórica dos direitos humanosAula 1 curso direitos humanos -  evolução histórica dos direitos humanos
Aula 1 curso direitos humanos - evolução histórica dos direitos humanos
Rodrigo Tenorio
 
Direitos humanos e cidadania brigada militar. material + questões
Direitos humanos e cidadania   brigada militar. material + questõesDireitos humanos e cidadania   brigada militar. material + questões
Direitos humanos e cidadania brigada militar. material + questões
Fabio Lucio
 
Constituição da República Portuguesa
Constituição da República Portuguesa Constituição da República Portuguesa
Constituição da República Portuguesa
eb23ja
 
Evolucao historica dos direitos humanos
Evolucao historica dos direitos humanosEvolucao historica dos direitos humanos
Evolucao historica dos direitos humanos
amanda cristina
 
Cnv
CnvCnv
A proteção dos direitos humanos na liberdade de expressão nas paradas lLGBTs ts
A proteção dos direitos humanos na liberdade de expressão nas paradas lLGBTs tsA proteção dos direitos humanos na liberdade de expressão nas paradas lLGBTs ts
A proteção dos direitos humanos na liberdade de expressão nas paradas lLGBTs ts
Sérgio Henrique da Silva Pereira
 
O processo democratico do brasil desde o fim da ditadura militar 2 semestre dp
O processo democratico do brasil desde o fim da ditadura  militar 2 semestre dpO processo democratico do brasil desde o fim da ditadura  militar 2 semestre dp
O processo democratico do brasil desde o fim da ditadura militar 2 semestre dp
Lany Macedo
 
Direitos fundamentais...choque e colisões, como decidir.
Direitos fundamentais...choque e colisões, como decidir.Direitos fundamentais...choque e colisões, como decidir.
Direitos fundamentais...choque e colisões, como decidir.
MatheusFagundes20
 

Mais procurados (20)

Abolicionismo penal
Abolicionismo penalAbolicionismo penal
Abolicionismo penal
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
Comissão da Verdade
Comissão da VerdadeComissão da Verdade
Comissão da Verdade
 
Governo Geisel (1974 – 1979); Olavo de Carvalho
Governo Geisel (1974 – 1979); Olavo de CarvalhoGoverno Geisel (1974 – 1979); Olavo de Carvalho
Governo Geisel (1974 – 1979); Olavo de Carvalho
 
140827 jornalismo politico-o_diaadiadojornalismopolitico
140827 jornalismo politico-o_diaadiadojornalismopolitico140827 jornalismo politico-o_diaadiadojornalismopolitico
140827 jornalismo politico-o_diaadiadojornalismopolitico
 
Teoria geral de Direitos Humanos - apresentação
Teoria geral de Direitos Humanos - apresentaçãoTeoria geral de Direitos Humanos - apresentação
Teoria geral de Direitos Humanos - apresentação
 
Garantismo penal
Garantismo penalGarantismo penal
Garantismo penal
 
Liberdade de expressão e assessoria de imprensa –
Liberdade de expressão e assessoria de imprensa –Liberdade de expressão e assessoria de imprensa –
Liberdade de expressão e assessoria de imprensa –
 
Limites Legais Para o Jornalismo Investigativo
Limites Legais Para o Jornalismo InvestigativoLimites Legais Para o Jornalismo Investigativo
Limites Legais Para o Jornalismo Investigativo
 
A ConstituiçãO Da RepúBlica Portuguesa
A ConstituiçãO Da RepúBlica PortuguesaA ConstituiçãO Da RepúBlica Portuguesa
A ConstituiçãO Da RepúBlica Portuguesa
 
#Corrupçãonão
#Corrupçãonão#Corrupçãonão
#Corrupçãonão
 
Carta Capital
Carta CapitalCarta Capital
Carta Capital
 
Aula 1 curso direitos humanos - evolução histórica dos direitos humanos
Aula 1 curso direitos humanos -  evolução histórica dos direitos humanosAula 1 curso direitos humanos -  evolução histórica dos direitos humanos
Aula 1 curso direitos humanos - evolução histórica dos direitos humanos
 
Direitos humanos e cidadania brigada militar. material + questões
Direitos humanos e cidadania   brigada militar. material + questõesDireitos humanos e cidadania   brigada militar. material + questões
Direitos humanos e cidadania brigada militar. material + questões
 
Constituição da República Portuguesa
Constituição da República Portuguesa Constituição da República Portuguesa
Constituição da República Portuguesa
 
Evolucao historica dos direitos humanos
Evolucao historica dos direitos humanosEvolucao historica dos direitos humanos
Evolucao historica dos direitos humanos
 
Cnv
CnvCnv
Cnv
 
A proteção dos direitos humanos na liberdade de expressão nas paradas lLGBTs ts
A proteção dos direitos humanos na liberdade de expressão nas paradas lLGBTs tsA proteção dos direitos humanos na liberdade de expressão nas paradas lLGBTs ts
A proteção dos direitos humanos na liberdade de expressão nas paradas lLGBTs ts
 
O processo democratico do brasil desde o fim da ditadura militar 2 semestre dp
O processo democratico do brasil desde o fim da ditadura  militar 2 semestre dpO processo democratico do brasil desde o fim da ditadura  militar 2 semestre dp
O processo democratico do brasil desde o fim da ditadura militar 2 semestre dp
 
Direitos fundamentais...choque e colisões, como decidir.
Direitos fundamentais...choque e colisões, como decidir.Direitos fundamentais...choque e colisões, como decidir.
Direitos fundamentais...choque e colisões, como decidir.
 

Destaque

2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial
Kerol Brombal
 
Eleições de 2006
Eleições de 2006Eleições de 2006
Eleições de 2006
Kerol Brombal
 
Um a historia da maconaria
Um a historia da maconariaUm a historia da maconaria
Um a historia da maconaria
Jose Renato Dos Santos
 
O que eh a maconaria ppt
O que eh a maconaria   pptO que eh a maconaria   ppt
O que eh a maconaria ppt
Roberto Rabat Chame
 
Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)
Janaína Tavares
 
Aula propostas do governo lula.2006
Aula propostas do governo lula.2006Aula propostas do governo lula.2006
Aula propostas do governo lula.2006
Kerol Brombal
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Kerol Brombal
 
Eleições de 2006
Eleições de 2006Eleições de 2006
Eleições de 2006
Kerol Brombal
 
A monarquia de julho
A monarquia de julhoA monarquia de julho
A monarquia de julho
Kerol Brombal
 
Elições de 2006
Elições de 2006Elições de 2006
Elições de 2006
Kerol Brombal
 
Cruzada
CruzadaCruzada
Cruzada
edsonfgodoy
 
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
Kerol Brombal
 
Governo lula
Governo lulaGoverno lula
Governo lula
Kerol Brombal
 
Apogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismoApogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismo
Kerol Brombal
 
Roteiro para criar empreendimento inovador
Roteiro para criar empreendimento inovadorRoteiro para criar empreendimento inovador
Roteiro para criar empreendimento inovador
Rogerio Terra
 
O Muro de Berlim
O Muro de BerlimO Muro de Berlim
O Muro de Berlim
Kerol Brombal
 
Ditadura Militar
Ditadura MilitarDitadura Militar
Ditadura Militar
edsonfgodoy
 
Eleições de 2006
Eleições de 2006Eleições de 2006
Eleições de 2006
Kerol Brombal
 
O mensalão!
O mensalão!O mensalão!
O mensalão!
Kerol Brombal
 
Em egito
Em egitoEm egito
Em egito
Kerol Brombal
 

Destaque (20)

2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial
 
Eleições de 2006
Eleições de 2006Eleições de 2006
Eleições de 2006
 
Um a historia da maconaria
Um a historia da maconariaUm a historia da maconaria
Um a historia da maconaria
 
O que eh a maconaria ppt
O que eh a maconaria   pptO que eh a maconaria   ppt
O que eh a maconaria ppt
 
Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)
 
Aula propostas do governo lula.2006
Aula propostas do governo lula.2006Aula propostas do governo lula.2006
Aula propostas do governo lula.2006
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Eleições de 2006
Eleições de 2006Eleições de 2006
Eleições de 2006
 
A monarquia de julho
A monarquia de julhoA monarquia de julho
A monarquia de julho
 
Elições de 2006
Elições de 2006Elições de 2006
Elições de 2006
 
Cruzada
CruzadaCruzada
Cruzada
 
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
 
Governo lula
Governo lulaGoverno lula
Governo lula
 
Apogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismoApogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismo
 
Roteiro para criar empreendimento inovador
Roteiro para criar empreendimento inovadorRoteiro para criar empreendimento inovador
Roteiro para criar empreendimento inovador
 
O Muro de Berlim
O Muro de BerlimO Muro de Berlim
O Muro de Berlim
 
Ditadura Militar
Ditadura MilitarDitadura Militar
Ditadura Militar
 
Eleições de 2006
Eleições de 2006Eleições de 2006
Eleições de 2006
 
O mensalão!
O mensalão!O mensalão!
O mensalão!
 
Em egito
Em egitoEm egito
Em egito
 

Semelhante a Historia

Ditadura militar no Brasil
Ditadura militar no BrasilDitadura militar no Brasil
Ditadura militar no Brasil
Fábio Luiz de Souza
 
Luciana Santos na tribuna
Luciana Santos na tribuna Luciana Santos na tribuna
Luciana Santos na tribuna
Jamildo Melo
 
Revisão de filosofia politica
Revisão de filosofia politicaRevisão de filosofia politica
Revisão de filosofia politica
Felipe Serra
 
DIREITOS-HUMANOS.pdf
DIREITOS-HUMANOS.pdfDIREITOS-HUMANOS.pdf
DIREITOS-HUMANOS.pdf
Maria Dolores Maia Oliveira
 
ESTADO DE DIREITO - 38 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 38 EDIÇÃOESTADO DE DIREITO - 38 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 38 EDIÇÃO
Estadodedireito
 
capitulos-19-20.pptx
capitulos-19-20.pptxcapitulos-19-20.pptx
capitulos-19-20.pptx
LetciaAlmeida99
 
Geografia vol10
Geografia vol10Geografia vol10
Geografia vol10
Blaunier Matheus
 
Direitosegarantiasfundamentais1
Direitosegarantiasfundamentais1Direitosegarantiasfundamentais1
Direitosegarantiasfundamentais1
direitounimonte
 
Democracia participativa
Democracia participativaDemocracia participativa
Democracia participativa
Eliene Alves
 
Democracia - História (Esquadrão VIP 2013)
Democracia - História (Esquadrão VIP 2013)Democracia - História (Esquadrão VIP 2013)
Democracia - História (Esquadrão VIP 2013)
Esquadrão Do Conhecimento
 
Material de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o Golpe
Material de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o GolpeMaterial de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o Golpe
Material de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o Golpe
Miguel Rosario
 
DIREITOS HUMANOS: UM PASSO RUMO À CIDADANIA
DIREITOS HUMANOS: UM PASSO RUMO À CIDADANIADIREITOS HUMANOS: UM PASSO RUMO À CIDADANIA
DIREITOS HUMANOS: UM PASSO RUMO À CIDADANIA
OAB (Brazilian Order of Advocates)
 
Direitos humanos Concurso SEE/MG
Direitos humanos Concurso SEE/MGDireitos humanos Concurso SEE/MG
Direitos humanos Concurso SEE/MG
Moacyr Anício
 
Apresentaçãosocdir14
Apresentaçãosocdir14Apresentaçãosocdir14
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
Ana Carolina Martins
 
O pedido de perdão do estado brasileiro à Anivaldo Padilha
O pedido de perdão do estado brasileiro à Anivaldo PadilhaO pedido de perdão do estado brasileiro à Anivaldo Padilha
O pedido de perdão do estado brasileiro à Anivaldo Padilha
Carolina Maciel
 
Depoimentomalhaes
DepoimentomalhaesDepoimentomalhaes
Depoimentomalhaes
Daniel Reis Duarte Pousa
 
ESTADO DE DIREITO - 36 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 36 EDIÇÃOESTADO DE DIREITO - 36 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 36 EDIÇÃO
Estadodedireito
 
A guinada dos dh no brasil1
A guinada dos dh no brasil1A guinada dos dh no brasil1
A guinada dos dh no brasil1
vania morales sierra
 
Resumo constituicao v6 ec73
Resumo constituicao v6 ec73Resumo constituicao v6 ec73
Resumo constituicao v6 ec73
Elton Júnio
 

Semelhante a Historia (20)

Ditadura militar no Brasil
Ditadura militar no BrasilDitadura militar no Brasil
Ditadura militar no Brasil
 
Luciana Santos na tribuna
Luciana Santos na tribuna Luciana Santos na tribuna
Luciana Santos na tribuna
 
Revisão de filosofia politica
Revisão de filosofia politicaRevisão de filosofia politica
Revisão de filosofia politica
 
DIREITOS-HUMANOS.pdf
DIREITOS-HUMANOS.pdfDIREITOS-HUMANOS.pdf
DIREITOS-HUMANOS.pdf
 
ESTADO DE DIREITO - 38 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 38 EDIÇÃOESTADO DE DIREITO - 38 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 38 EDIÇÃO
 
capitulos-19-20.pptx
capitulos-19-20.pptxcapitulos-19-20.pptx
capitulos-19-20.pptx
 
Geografia vol10
Geografia vol10Geografia vol10
Geografia vol10
 
Direitosegarantiasfundamentais1
Direitosegarantiasfundamentais1Direitosegarantiasfundamentais1
Direitosegarantiasfundamentais1
 
Democracia participativa
Democracia participativaDemocracia participativa
Democracia participativa
 
Democracia - História (Esquadrão VIP 2013)
Democracia - História (Esquadrão VIP 2013)Democracia - História (Esquadrão VIP 2013)
Democracia - História (Esquadrão VIP 2013)
 
Material de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o Golpe
Material de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o GolpeMaterial de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o Golpe
Material de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o Golpe
 
DIREITOS HUMANOS: UM PASSO RUMO À CIDADANIA
DIREITOS HUMANOS: UM PASSO RUMO À CIDADANIADIREITOS HUMANOS: UM PASSO RUMO À CIDADANIA
DIREITOS HUMANOS: UM PASSO RUMO À CIDADANIA
 
Direitos humanos Concurso SEE/MG
Direitos humanos Concurso SEE/MGDireitos humanos Concurso SEE/MG
Direitos humanos Concurso SEE/MG
 
Apresentaçãosocdir14
Apresentaçãosocdir14Apresentaçãosocdir14
Apresentaçãosocdir14
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
O pedido de perdão do estado brasileiro à Anivaldo Padilha
O pedido de perdão do estado brasileiro à Anivaldo PadilhaO pedido de perdão do estado brasileiro à Anivaldo Padilha
O pedido de perdão do estado brasileiro à Anivaldo Padilha
 
Depoimentomalhaes
DepoimentomalhaesDepoimentomalhaes
Depoimentomalhaes
 
ESTADO DE DIREITO - 36 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 36 EDIÇÃOESTADO DE DIREITO - 36 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 36 EDIÇÃO
 
A guinada dos dh no brasil1
A guinada dos dh no brasil1A guinada dos dh no brasil1
A guinada dos dh no brasil1
 
Resumo constituicao v6 ec73
Resumo constituicao v6 ec73Resumo constituicao v6 ec73
Resumo constituicao v6 ec73
 

Mais de Kerol Brombal

Cidadania - Pensar Crítico
Cidadania - Pensar CríticoCidadania - Pensar Crítico
Cidadania - Pensar Crítico
Kerol Brombal
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
Kerol Brombal
 
3˚ano 9 a 10 a baixa idade média
3˚ano 9 a 10  a baixa idade média3˚ano 9 a 10  a baixa idade média
3˚ano 9 a 10 a baixa idade média
Kerol Brombal
 
Pré história (completo)
Pré história (completo)Pré história (completo)
Pré história (completo)
Kerol Brombal
 
Livro Ser ou Crescer: Afinal, o que passa na cabeça desses jovens?
Livro Ser ou Crescer: Afinal, o que passa na cabeça desses jovens? Livro Ser ou Crescer: Afinal, o que passa na cabeça desses jovens?
Livro Ser ou Crescer: Afinal, o que passa na cabeça desses jovens?
Kerol Brombal
 
Bomba Hiroshima Gabi
Bomba Hiroshima GabiBomba Hiroshima Gabi
Bomba Hiroshima Gabi
Kerol Brombal
 
Heranças culturais latinas giovanna
Heranças culturais latinas giovannaHeranças culturais latinas giovanna
Heranças culturais latinas giovanna
Kerol Brombal
 
Pracinhas marcos
Pracinhas marcosPracinhas marcos
Pracinhas marcos
Kerol Brombal
 
Pão e circo Projeto Individual
Pão e circo Projeto IndividualPão e circo Projeto Individual
Pão e circo Projeto Individual
Kerol Brombal
 
Roteiro de estudos grécia
Roteiro de estudos gréciaRoteiro de estudos grécia
Roteiro de estudos grécia
Kerol Brombal
 
9 ano ficha de observação de um edifício histórico
9 ano ficha de observação de um edifício histórico9 ano ficha de observação de um edifício histórico
9 ano ficha de observação de um edifício histórico
Kerol Brombal
 
1 hebreusfenciosepersas
1 hebreusfenciosepersas1 hebreusfenciosepersas
1 hebreusfenciosepersas
Kerol Brombal
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
Kerol Brombal
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Kerol Brombal
 
Pré história
Pré históriaPré história
Pré história
Kerol Brombal
 
1 ano lista 1: Pré-História
1 ano  lista 1: Pré-História1 ano  lista 1: Pré-História
1 ano lista 1: Pré-História
Kerol Brombal
 
Palácio de versalhes
Palácio de versalhesPalácio de versalhes
Palácio de versalhes
Kerol Brombal
 
Comércio e navegações
Comércio e navegaçõesComércio e navegações
Comércio e navegações
Kerol Brombal
 
I gm
I gm I gm
Apogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismoApogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismo
Kerol Brombal
 

Mais de Kerol Brombal (20)

Cidadania - Pensar Crítico
Cidadania - Pensar CríticoCidadania - Pensar Crítico
Cidadania - Pensar Crítico
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
3˚ano 9 a 10 a baixa idade média
3˚ano 9 a 10  a baixa idade média3˚ano 9 a 10  a baixa idade média
3˚ano 9 a 10 a baixa idade média
 
Pré história (completo)
Pré história (completo)Pré história (completo)
Pré história (completo)
 
Livro Ser ou Crescer: Afinal, o que passa na cabeça desses jovens?
Livro Ser ou Crescer: Afinal, o que passa na cabeça desses jovens? Livro Ser ou Crescer: Afinal, o que passa na cabeça desses jovens?
Livro Ser ou Crescer: Afinal, o que passa na cabeça desses jovens?
 
Bomba Hiroshima Gabi
Bomba Hiroshima GabiBomba Hiroshima Gabi
Bomba Hiroshima Gabi
 
Heranças culturais latinas giovanna
Heranças culturais latinas giovannaHeranças culturais latinas giovanna
Heranças culturais latinas giovanna
 
Pracinhas marcos
Pracinhas marcosPracinhas marcos
Pracinhas marcos
 
Pão e circo Projeto Individual
Pão e circo Projeto IndividualPão e circo Projeto Individual
Pão e circo Projeto Individual
 
Roteiro de estudos grécia
Roteiro de estudos gréciaRoteiro de estudos grécia
Roteiro de estudos grécia
 
9 ano ficha de observação de um edifício histórico
9 ano ficha de observação de um edifício histórico9 ano ficha de observação de um edifício histórico
9 ano ficha de observação de um edifício histórico
 
1 hebreusfenciosepersas
1 hebreusfenciosepersas1 hebreusfenciosepersas
1 hebreusfenciosepersas
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Pré história
Pré históriaPré história
Pré história
 
1 ano lista 1: Pré-História
1 ano  lista 1: Pré-História1 ano  lista 1: Pré-História
1 ano lista 1: Pré-História
 
Palácio de versalhes
Palácio de versalhesPalácio de versalhes
Palácio de versalhes
 
Comércio e navegações
Comércio e navegaçõesComércio e navegações
Comércio e navegações
 
I gm
I gm I gm
I gm
 
Apogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismoApogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismo
 

Historia

  • 2. Ditadura Militar Em 1964 a Ditadura Militar foi instalada no Brasil. Suas principais características foram a censura de todos os meios de comunicação, suspensão dos direitos constitucionais, e a perseguição a todos contrários ao regime militar.
  • 3. Os Opositores Principalmente os jovens que participavam da UNE (União Nacional dos Estudantes), e que tinham estudo, por isso podiam perceber como toda a situação era errada. A maior parte da população ainda sofria com o governo de Vargas, onde sua doutrina era o populismo, deixando uma marca de ignorância na sociedade brasileira.
  • 4. AI Os atos inconstitucionais eram mecanismos que driblavam a Constituição do Brasil, estabelecia para os militares diversos poderes para como o povo e legalizava seu domínio. O AI- 5 ocorreu em 1968 e teve maior reação porque significou o endurecimento do Regime Militar. Ela suspendeu o direito do habeas corpus e todos os direitos políticos, e fechou o Congresso Nacional.
  • 5. AI Após o AI-5 a repressão dos militares para com aqueles que não concordavam com o Regime ficaram mais drásticas. Os militares começaram a prender, torturar e matar qualquer suspeito de subversão. Os jovens também ficaram mais violentos. Começaram a assaltar bancos para conseguir recursos e comprar armamentos, praticavam passeatas onde revidavam violentamente contra os militares, e sequestraram embaixadores a fim de troca-los por prisioneiros.
  • 6. A Lei da Anistia Para evitar oposições mais drásticas do povo, o Regime Militar suspendeu a AI-5 em 1978. Após mais pressões, o governo impôs a Lei da Anistia. Esta consistia no perdão de todos os presos e ou exilados por qualquer crime político. Ao mesmo tempo que a lei favoreceu a população, favoreceu também os militares, pois todos os seus crimes cometidos foram perdoados. “A Anistia não pode converter-se em Amnésia”.
  • 7. Enfim o Fim A Ditadura já estava estagnada em seus últimos anos. A opressão contra o governo nunca foi tão forte pois contavam com os sindicatos e o fortalecimento de novos partidos políticos contrários a Ditadura. Em 1984 a população tentou, em vão, o movimento “Diretas Já”, que garantia eleições diretas para presidente, mas, para decepção do povo o movimento não foi aprovado pela Câmara dos Deputados.
  • 8. Enfim o Fim Finalmente em 1985, o Colégio Eleitoral escolheu o deputado Tancredo Neves, como novo presidente da República. Ele, porém veio a falecer antes de tomar o poder e seu vice José Sarney assumiu o poder. A Constituição de 1988 apagou os rastros da Ditadura Militar e estabeleceu princípios democráticos no país. Nunca na história do Brasil uma constituição abordou de forma tão abrangente os direitos do povo nos aspectos sociais e políticos, todos queriam garantir a permanência de uma democracia no país.
  • 9. Justiça de Transição Nos governos que se seguiram, não se falou muito do período da Ditadura. Porém muitas famílias ainda sofriam e sofrem por seus filhos desaparecidos e ou mortos brutalmente pelas mãos dos militares. No ano de 2007 iniciou-se um debate no Brasil sobre a “Justiça de Transição” , esta ocorre no contexto da transição entre um regime autoritário e o regime que o sucede, no caso do Brasil, um regime com princípios democráticos.
  • 11. Comissão da Verdade Em dezembro de 2009, constituiu-se em Brasília um Grupo de Trabalho que teve a missão de elaborar um projeto de lei que instituísse a Comissão Nacional da Verdade, composta com mandato e prazos definidos, para examinar as violações de Direitos Humanos praticados no contexto da repressão política no período fixado da Constituição Federal, de 18 de setembro de 1946 até 5 de outubro de 1988. A tarefa foi finalizada em abril de 2010, e depois do projeto ter sido assinado pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva, foi enviado em maio ao Congresso Nacional, onde esperava sua análise e discussão em plenário, tanto na Câmara de Deputados como no Senado Federal.
  • 12. Brasil A primeira Comissão da Verdade que se conhece foi a que estabeleceu o governo de Uganda em 1974. Até 2010, 39 Comissões se formaram nos quatro continentes. No Brasil a Comissão da Verdade foi instalada desde maio de 2012 no Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília, local onde ocorrem suas reuniões. Os membros da Comissão foram escolhidos pela atual presidente Dilma Rousseffe, eles têm 2 anos para cumprir suas missões.
  • 13. O que são? São órgãos temporários de assessoramento do governos e seus membros são oficialmente investidos de poderes para identificar e reconhecer todos os fatos ocorridos e as pessoas que desse processo participaram, tanto as que sofreram com as violências como as que participaram de forma ativa na promoção dessas violências. São criadas a partir das decisões de governos que decidem que o momento é propício para que se inicie uma profunda e real investigação sobre as violações ocorridas em determinado período histórico.
  • 14. Objetivo O principal objetivo de uma Comissão da Verdade é DESCOBRIR, ESCLARECER e RECONHECER ABUSOS DO PASSADO, DANDO VOZ ÀS VÍTIMAS. A Comissão da Verdade permite reinserir no debate social a questão do autoritarismo e suas nefastas consequências, promovendo a reflexão e principalmente prevenindo a eventualidade de políticas públicas que sigam escondendo a verdade e ou permitindo a continuação de abusos e de violações dos Direitos Humanos.
  • 15. Objetivos Colaborar com todas as instâncias do Poder Público para a apuração de violações de Direitos Humanos ocorridas nesse período. Promover, com base em seus informes, a reconstrução histórica dessas violações e incentivar a revelação de informações e documentos. Identificar e tornar públicas as estruturas e locais utilizados para a prática dessas violações. Divulgar os procedimentos oficiais utilizados, contribuindo, dessa maneira, para o esclarecimento das circunstâncias nas quais ocorreram casos de tortura, mortes e desaparecimentos.
  • 16. Objetivos “Por que queremos uma Comissão da Verdade?”. Em outubro de 2009, eu estava falando com uma mulher que tinha perdido um de seus familiares na luta contra a ditadura no Brasil. Ela pareceu estranhar minha pergunta e a repetiu para mim. Sua resposta foi clara e praticamente esgotou o assunto: “Para mobilizar as forças políticas, promover uma investigação que tenha amplos e definitivos poderes e assim chegar às muitas verdades que ainda são escondidas”. (p.19, tradução M.P.)
  • 17. Economicamente Parte da Comissão se ocupa de tentar descobrir desvios de dinheiro público feito pelos militares no período da Ditadura. O planejamento de dinheiro inicial destinado a obras publicas, quase triplicava quando esta era construída. Assim, pode-se dizer que há algo estranho. Contudo a Comissão da Verdade dá mais enfoque nas pessoas mortas e desaparecidas no período do regime.
  • 18. Seus Membros Os membros das Comissões devem ser pessoas de prestígio, de reconhecida integridade e com autoridade moral e intelectual. Podem requisitar testemunhas, documentos e informações, visitar locais onde violações foram cometidas e ter a possibilidade de apurar fatos, depois que vítimas revelem aspectos até então desconhecidos. Segundo especialistas os 21 membros serão insuficientes para o volume de tarefas e responsabilidade previstas para essa comissão. Como argumento, eles afirmam que, no Uruguai, por exemplo, comissão formada para a execução de um trabalho semelhante, contava com a cerca de 200 membros.
  • 19. Seus Membros Os membros são: Cláudio Fonteles, foi Procurador-Geral da República e é advogado, Gilson Dipp é vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça, José Carlos Dias é advogado criminalista, José Paulo Cavalcanti Filho é advogado, Paulo Sérgio Pinheiro é professor de Ciência Política e pesquisador associado ao Núcleo de Estudos da Violência, e Rosa Maria Cardoso da Cunha é advogada e professora universitária.
  • 20. Relatório As Comissões da Verdade têm como missão final a produção de um relatório que permita à sociedade o conhecimento dos detalhes do regime que oprimiu e violou, assim como apresentam recomendações que visam aprimorar as instituições do Estado, notadamente aquelas que lidam com a segurança pública, e contribuir para uma política de não repetição. O relatório pode ser utilizado pelo Poder Judiciário, como instrumento para desencadear as ações civis e ou penais conta os perpetradores. Já que as comissões tem menos poder do que as cortes, não podem colocar ninguém na cadeia, nem obrigar ninguém a testemunhar, se esse não for o desejo da pessoa. Deverá constituir-se em ferramenta de proteção dos Direitos Humanos no futuro e na garantia da não impunidade para os que violaram esses direitos.
  • 21. Cientificamente Estudos e pesquisas realizados por acadêmicos mostram que sociedades que teimam em não jogar luz sobre os fatos ocorridos no passado correm mais perigo que as demais na repetição das mesmas violências e arbitrariedades cometidas.
  • 22. O que já foi feito?  Já colheu depoimentos de legistas e delegados. Tem se reunido com familiares dos mortos e desaparecidos para pegar depoimentos.  Requereu uma série de informações ao Ministério da Defesa sobre a guarda de documentos secretos, especialmente sobre a destruição de documentos.  Fez um levantamento sobre as operações militares e as mortes na Guerrilha do Araguaia. A pesquisa, entre outros dados, já levantou registros sobre 83 centros de tortura, espalhados pelas cinco regiões brasileiras.  Segundo o site oficial, toda a documentação do período, conseguida até agora é composta por 132 caixas, contendo 4 toneladas de documentos, foi entregue ao Arquivo Nacional entre 2006 e 2007.  A Comissão da Verdade criou um grupo de trabalho para apurar as violações de direitos humanos sofridas pelos militares que se opuseram ao golpe militar.
  • 23. O Caso Herzog A comissão solicitou ao Juízo de Registros Públicos de São Paulo que no documento conste que a morte dele decorreu de lesões e maus-tratos sofridos durante interrogatório em dependência do 2º Exercito e não por asfixia mecânica como está escrito. O requerimento foi pedido pela viúva do jornalista, Clarice Herzog, que pediu a retificação do assento de óbito e a reabertura da investigação para apurar as responsabilidades do caso.
  • 24. O Caso Herzog Na sentença, de 1978, o juiz federal Márcio José de Moraes, determinou a abertura de um inquérito policial militar para apurar as circunstâncias e os autores da morte do jornalista da TV Cultura. A sentença afirmava também que os laudos da causa da morte de Herzog eram imprestáveis e que a União não havia conseguido provar a alegada tese do suicídio da vítima na prisão. O entendimento da Comissão é o de que a sentença assim deve ser cumprida nos seus exatos termos e que os registros públicos ou particulares que contêm a informação incorreta do suicídio devem ser retificados.
  • 25. O Caso Herzog “Quando a sentença rejeita a tese do suicídio exclui logicamente a tese do enforcamento e, então, a afirmação de enforcamento – que se transportou para o atestado e para a certidão de óbito – encobre a real causa da morte, a qual, segundo os depoimentos colhidos em juízo indicam que foi decorrente de maus tratos durante o interrogatório no DOI- Codi”, diz o parecer da comissão.
  • 26. Por Que é tão difícil? Muitos dos militares participantes do Regime Militar, foram torturadores e assassinos frios de muitos jovens. A descrição continua pois muitos dele, atualmente ocupam grandes cargos no exercito brasileiro.
  • 27. Perguntas A Ditadura Militar do Brasil começou em 1964 e durou até 1985. Ela foi marcada pela censura de todos os meios de comunicação, suspensão dos direitos constitucionais, e a perseguição a todos contrários ao regime militar. Os militares torturaram e assassinaram cruelmente centenas de jovens, ou qualquer opositor ao regime. Até hoje muitas famílias sofrem pelo desaparecimento e morte de seus entes queridos. 1) Quais são os principais objetivos de uma Comissão da Verdade? Aponte pelo menos dois. A Comissão da Verdade não tem como objetivo prender militares que torturaram ou assassinaram alguma pessoa no período da Ditadura. O relatório final pode servir como instrumento para o poder judicial propor um julgamento contra estes militares, mas será muito difícil achar provas concretas que incriminem eles. 2) Você achar certo que, depois de tudo o que fizeram os militares saiam impunes? Isso mostra o que sobre a justiça do Brasil?
  • 28. Bibliografia http://www.jb.com.br/antonio-campos/noticias/2011/11/09/comissao-da- verdade-no-brasil/ http://www.torturanuncamais-rj.org.br/jornal/gtnm_80/projeto_memoria.html http://amarnatureza.org.br/site/comissao-da-verdade-pede-a-justica-retificacao-de- atestado-de-obito-de-vladimir-herzog,83182/ http://www.revistabrasileiros.com.br/2012/10/20/expondo-torturadores-a-sociedade/ http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/jobim-defende-criacao-comissao-da-verdade http://www.revistadehistoria.com.br/secao/na-rhbn/a-lista-de-prestes http://www.portalmemoriasreveladas.arquivonacional.gov.br/media/Cartilha%20Comi ss%C3%A3o%20da%20Verdade%20-%20N%C3%BAcleo%20Mem%C3%B3ria.pdf http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/militares-criticam-divulgacao-de-lista-de- torturadores http://averdade.org.br/2012/08/a-comissao-da-verdade-deve-apurar-quem-torturou-e- quem-usufruiu-economicamente-do-golpe/ http://www.jb.com.br/antonio-campos/noticias/2011/11/09/comissao-da- verdade-no-brasil/