SlideShare uma empresa Scribd logo
A GUERRA FRIA E A AMÉRICA LATINA
 
"A Guerra Fria fornece um arcabouço onde cada uma das superpotências pode usar a força e a violência para controlar seus próprios domínios contra os que buscam um grau de independência no interior dos blocos - apelando à ameaça da superpotência inimiga, para mobilizar sua própria população e a de seus aliados.“ Noam Chomsky
 
Os primeiros anos da Guerra Fria Os anos de 1945 a 1953 foram um período de gestação e apogeu da Guerra Fria. Os Estados Unidos e a União Soviética estabeleceram suas respectivas zonas de influência, firmaram pactos econômicos e militares para garantir maior coesão interna dentro dos respectivos blocos que se formavam e criaram a infra-estrutura para o desenvolvimento e construção de vastos arsenais de armas nucleares. As explicações dadas pelos governos dos Estados Unidos e da União Soviética para justificar as origens da Guerra Fria foram bastante semelhantes. Ambos caracterizaram o conflito como um luta entre o bem e o mal, sendo que o outro era sempre retratado como um pérfido vilão. Os dois diziam agir em nome da liberdade, da democracia e da paz. Para cada um deles o outro era uma potência imperialista e antidemocrática empenhada na conquista do mundo.
A Doutrina Truman O receio norte-americano de ver destruído todo o sistema capitalista no continente europeu levou à criação da  Doutrina Truman , em 1947. Os Estados Unidos assumiram plenamente seu papel de guardiões do que denominavam o "mundo livre", empregando a sua força econômica e militar para evitar uma expansão do império soviético. A desmobilização das tropas foi suspensa e o rearmamento intensificou-se. Os gastos militares voltaram a crescer. O serviço militar permanente em tempo de paz foi estabelecido. Nas áreas sob o seu controle, mesmo que teoricamente as democracias ainda fossem preferíveis às ditaduras, se as últimas fossem mais eficientes no combate ao comunismo não eram molestadas. Na ótica de Washington, era rotulado de comunismo tudo aquilo que se opunha aos interesses das elites empresariais ou não atendesse aos desejos geopolíticos dos estrategistas norte-americanos.
Plano Marshall
O  Plano Marshall  completou, na esfera econômica, a política de contenção comunista. Com o lema: "A Europa precisa de ajuda para ajudar-se a si mesma”, o plano americano buscava acelerar a recuperação do continente devastado, e assim diminuir as crises sociais que favoreciam os partidos de esquerda. O Plano Marshall também ia de encontro às necessidades norte-americanas, pois evitava uma queda brusca das atividades econômicas e das exportações do país, em função da diminuta capacidade de absorção dos mercados europeus. A preocupação das autoridades e dos economistas era como fazer a reconversão de uma economia de guerra em economia de paz. O temor era de que, com o fim do estímulo gerado pela guerra, o país entrasse em crise e o desemprego crescesse rapidamente. Enfim, que a Grande Depressão dos anos 30 retornasse.
OTAN   e Pacto de Varsóvia
A criação da  OTAN , em 1949, completou, na esfera militar, o Plano Marshall, reforçando a influência norte-americana na Europa Ocidental. O compromisso assumido entre os seus signatários era o de assistência mútua na eventualidade de um ataque.  Para assegurar um cinturão de segurança em torno do Bloco Socialista,   entre 1945 e 1955, outros pactos militares foram firmados: o  ANZUS  (Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos), a  OTASE  (Nova Zelândia, Austrália, Filipinas e Tailândia) e o  CENTO  (Turquia, Iraque, Irã e Paquistão). Em maio de 1955, foi criado o  Pacto de Varsóvia .   O organismo militar do Bloco Socialista integrava as forças militares da União Soviética, Alemanha Oriental, Bulgária, Hungria, Polônia, Romênia, Albânia e Tchecoslováquia. O acordo militar estreitava ainda mais as relações entre os Estados-satélites da Europa Oriental e o governo de Moscou.
REVOLUÇÃO CHINESA  (1949) “ O poder nasce do cano de um fuzil” Mao Tse-tung
GUERRA DA CORÉIA  (1950-1953) Com a capitulação do Japão, em 1945, ficou estabelecido que as tropas japonesas que ocupavam a península coreana se renderiam aos soviéticos ao Norte do paralelo 38 e aos estadunidenses ao Sul desse marco. O acordo visava facilitar o trabalho dos dois exércitos aliados. Porém, com o início da Guerra Fria, acabou fixando a linha demarcatória entre duas zonas de ocupação. A unificação do país, proposta pela ONU, não se realizou. Quando em 1949, as tropas de ocupação soviéticas e norte-americanas deixaram a região, a população coreana já estava dividida em dois países.
Em junho de 1950, os norte-coreanos invadiram a Coréia do Sul, pretendendo unificar todo o país. Procurando manter sua autoridade na região, a resposta norte-americana foi rápida. O presidente Trumam ordenou o envio de tropas para socorrer o exército sul-coreano. Endossando a ajuda norte-americana, o Conselho de Segurança da ONU aprovou o envio de uma força militar internacional para socorrer a Coréia do Sul. Atendendo a orientação das Nações Unidas, quinze países enviaram tropas para lutar na Coréia, a maior parte delas formada por aliados da OTAN. Na época, os representantes soviéticos, que tinham direito de veto, boicotavam as reuniões do Conselho de Segurança, em função da negativa do ONU em reconhecer a República Popular da China como membro.  A ofensiva norte-coreana foi detida depois de intensos combates. O poderio bélico norte-americano reverteu a situação, com as tropas comunistas sendo empurradas para dentro do seu território. Porém, quando as tropas norte-americanas aproximaram-se da fronteira da Manchúria, Mao Tsé-tung, temendo um ataque a China, ordenou que meio milhão de soldados chineses socorressem a Coréia do Norte. Os reforços, apesar de serem tropas regulares, eram chamados de "Voluntários do Povo Chinês". A intervenção da China aumentou ainda mais as tensões. O temor da eclosão da Terceira Guerra Mundial ficou mais forte.
Territory changed hands in the early part of the war until the front stabilized.
O ANTICOMUNISMO NOS ESTADOS UNIDOS No início da década de 1950, um vagalhão nacionalista e reacionário espraiou-se pelo país, qualquer idéia progressista passou a ser tachada de comunista e, portanto, de contrária aos verdadeiros ideais estadunidenses.  A vitória da Revolução Chinesa liderada por Mao Tsé-tung, a explosão da primeira bomba atômica soviética e o início da Guerra da Coréia, acirraram a intolerância. As liberdades civis nos Estados Unidos sofreram novos e devastadores ataques.  President Truman signs the National Security Act Amendment of 1949 with guests in the Oval Office.
Senador J. McCarthy O senador Joseph McCarthy - um político oportunista que ocupava a presidência do Subcomitê Permanente de Investigações do Senado - conseguiu com sua imaginação doentia atrair multidões para o seu credo anticomunista.  A América também tinha a sua face intolerante, e ela não era pequena. No seu fanatismo, McCarthy não possuía escrúpulos em adulterar provas e fazer acusações levianas e falsas contra pessoas e instituições progressistas, ou até mesmo contra membros do governo e militares.  Aqueles que fossem acusados de “comunistas” ou de “simpatizantes da Rússia” ficavam quase sempre impossibilitados de conseguir emprego e perdiam o direito de deixar o país legalmente, já que os passaportes eram negados. Muitos dos acusados, após terem suas vidas destroçadas, cometeram suicídio..
 
AMÉRICA LATINA: A MARGINALIZAÇÃO RELATIVA Nos primeiros anos da Guerra Fria, as ações da diplomacia norte-americana não estavam voltadas preferencialmente para a América Latina. A prioridade era salvar o mundo para a democracia. O anticomunismo militante dava a tônica nas relações entre os países do bloco Ocidental. A preocupação maior estava voltada para a Europa e para os países asiáticos. A situação só mudou com a vitória da revolução liderada por Fidel Castro e a aproximação do Cuba em direção ao bloco socialista. A definição da Europa como principal cenário da Guerra Fria afetou os investimentos e créditos para a América Latina. Para Truman, a região sofrera menos com a guerra, dela, até se beneficiando com o aumento das exportações de matérias primas. Além do que, a recuperação econômica da Europa traria efeitos positivos para a economia latino-americana. Em conseqüência disso, no início da década de 1950, não havia nenhum programa de ajuda dos Estados Unidos para a América Latina, exceto um modesto plano de assistência técnica (o “Ponto Quatro’). Enquanto, no período de 1945-1950, a Europa Ocidental recebeu 19 bilhões de dólares, foram repassados à América Latina apenas 400 milhões (menos de 2% da ajuda total norte-americana).
AMÉRICA LATINA: A MARGINALIZAÇÃO RELATIVA A opção prioritária pela Europa não significou que o Departamento de Estado norte-americano não se preocupasse com os destinos dos países da América Latina. Para as autoridades em Washington, era importante manter o controle na região. A credibilidade e o poderio dos Estados Unidos não poderiam ser desafiados numa região reconhecidamente vista como sua área de influência, isso abalaria seriamente o seu prestígio de superpotência. Afinal, se os norte-americanos não eram capazes de se defender em seu próprio continente como poderiam prevalecer em outros lugares. No pan-americanismo do pós-guerra, no qual a hegemonia norte-americana era incontestável, a ideologia política e os aspectos estratégicos tornaram-se questões preponderantes. A política externa dos Estados Unidos foi pautada pela preocupação em impedir a ascensão e consolidação de governos nacionalistas na região. O objetivo era ampliar sua hegemonia e assegurar um clima de estabilidade e segurança para os investimentos privados.
Com o início da Guerra Fria, as denúncias dos “horrores soviéticos”, que haviam sido sensivelmente atenuadas durante os anos finais da Segunda Guerra, retornaram com impacto ainda maior. O delicado consenso obtido na luta contra o nazismo durou pouquíssimo tempo. Logo revelou seu caráter ilusório. Os governos do mundo ocidental voltaram, com todo o vigor, a apresentar o comunismo como uma ameaça aos valores estabelecidos. Nessa época, não se pode esquecer, a presidência da República do   Brasil era ocupada por um resoluto anticomunista, o general Eurico Gaspar Dutra.
Os ventos iniciais da Guerra Fria provocavam marolas na política interna brasileira. Em agosto de 1946, o Rio Janeiro recebeu a visita do general Eisenhower - chefe militar das forças aliadas durante a Segunda Guerra e, mais tarde, presidente dos Estados Unidos. Como sinal emblemático do servilismo de alguns setores da política brasileira, Otávio Mangabeira, líder da UDN e ex-chanceler, beijou publicamente a mão do general americano. O gesto provocou ríspidos protestos dos agrupamentos nacionalistas e de esquerda.
Somos contra o COMUNISMO, porque lutamos pela liberdade. Sentimos repulsa pelo COMUNISMO, porque somos brasileiros e sempre estivemos a serviço do Brasil. Detestamos o regime de Moscou, porque não temos a alma de escravo. Condenamos o bolchevismo, por abominarmos seus métodos e sua mística, demolidora e humilhante.  Batemo-nos pela DEMOCRACIA, síntese de emancipação política e independência de pensamento e de vontade, porque só compreendemos a vida e o objetivo de viver num clima de plenas franquias, com o mais amplo direito de querer, de sentir, de pensar e de agir. Somos contra a escravidão imposta pelo totalitarismo, venha da esquerda, ou se origine da direita. Proscrevemos o Estado capitalista, porque somos pela distribuição das riquezas – produto do trabalho organizado, - entre os próprios trabalhadores que as produziram. Não admitimos a existência do “homem providencial”, como não aceitamos fetiches embasbacados ingênuos e exercendo fascínio sobre ignorantes de todos os matizes. Não podem brasileiros de boa vontade ou mediana cultura tolerar, ao menos, o que se não enquadre nos postulados da crença pura, da fé verdadeira, ou dentro nos sentimentos que se distanciam da moral cristã ou da razão que se ausenta quando fixada em nome de uma escravidão espiritual – a mais abominável das escravidões, – que atenta contra Deus e procura destruir a Humanidade. Eis o que somos e como pensamos .  [1] [1]   Pedro Luís.  Agonia do Comunismo: greves, lágrimas, miséria e sangue . São Paulo - Rio de Janeiro . Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais, 1946, p. 199.
Os anticomunistas enfatizavam a defesa da ordem, da tradição e da integração nacional. O nacionalismo de viés conservador reforçou a visão maniqueísta que opõe “nós/brasileiros” a “comunistas/pessoas ao soldo de Moscou”. A nação e a unidade nacional deveriam se sobrepor a qualquer argumento que pregasse a desunião. Os valores nacionais não poderiam jamais ser suplantados por uma ordem internacional. Os comunistas eram acusados de instigar a divisão e a destruição do “corpo nacional”, já que enfatizavam as lutas opondo grupos sociais. Além disso, eram denunciados como agentes da União Soviética, o que significava que eram traidores do Brasil. Para os preocupados anticomunistas, era necessário restabelecer a verdade, já que os comunistas mentiam. Em pouco tempo, proliferaram grupos dispostos a barrar o avanço dos perigosos discípulos brasileiros de Stalin. Com esse objetivo, editaram uma grande gama de material impresso (panfletos, cartazes, livros, revistas etc.).
Quando Stalin e Truman começaram a disparar ofensas e ameaças mútuas, a propaganda anticomunista já tinha estabelecido uma forte tradição no Brasil. Ela já podia ser encontrada logo após a divulgação das primeiras notícias sobre a Revolução Russa de 1917, embora, naquele momento, não tenha provocado maiores inquietações. Na República Velha  foram os grupos anarquistas  os responsáveis pelas maiores mobilizações do movimento operário. Os discípulos brasileiros de Lênin só começaram a ganhar maior visibilidade na década de 1930, quando participaram da criação da Aliança Nacional Libertadora (ANL) e, principalmente, com a entrada de Prestes em suas fileiras. A expansão do PCB e o crescimento da participação popular promovido pelos aliancistas assustaram as elites. O comunismo tornou-se de fato um inimigo a ser combatido com vigor.  Foi inegavelmente com o Levante de novembro de 1935 que o anticomunismo entrou de vez no rol de preocupações das elites. Os tiros disparados nos quartéis ecoaram fortemente nos ouvidos dos grupos privilegiados. A comoção cresceu á medida que os jornais passaram a comentar sobre a descoberta pela polícia da presença de agentes estrangeiros do Comintern na frustrada rebelião.
As tensões originadas pela Guerra Fria influenciaram os debates políticos nacionais. A conjuntura mundial de polarização ideológica reforçou o anticomunismo latente de boa parte das elites brasileiras. As campanhas contra o “perigo vermelho” voltaram com toda  a força. Como afirmou Rodrigo Patto Sá Motta: “O anticomunismo brasileiro foi bastante marcado por influências internacionais, tanto no que respeita as representações quanto às ações. Mas isso não impediu que existisse dinâmica própria e elaborações originais no campo das representações. Na realidade, o anticomunismo no Brasil resultou da interação de fatores endógenos e exógenos, e os elementos dessa combinação variaram dependendo da conjuntura histórica”.  [ 1 ] Rodrigo Patto Sá Motta.  Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil (1917-1964).  São Paulo, Perspectiva - FAPESP, 2002, p. 4.
CONFERÊNCIA INTERAMERICANA PARA A MANUTENÇÃO DA PAZ - 1947 A crescente influência dos Estados Unidos nos negócios da América Latina consolidou-se com a realização da Conferência Interamericana para a Manutenção da Paz e da Segurança no Continente, realizada em Petrópolis, entre 15 de agosto e 17 de setembro de 1947. As reuniões contaram com a presença de representantes de todos os países do continente, destacando-se o comparecimento do presidente norte-americano, Harry Truman. Durante a conferência, foi assinado o  Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) , que pode ser considerado o primeiro pacto militar da Guerra Fria. De acordo com o TIAR, todos os países do continente concordaram que “um ataque armado por parte de qualquer Estado, contra um Estado Americano, será considerado um ataque contra todos os Estados Americanos.” .  Na prática, como havia uma enorme diferença de poder bélico entre as nações signatárias, o TIAR assegurava a hegemonia militar norte-americana no continente. No contexto da Guerra Fria, o possível Estado agressor era obviamente a União Soviética.
TIAR - Rio pact members in dark blue, nations that left in cyan
A criação da  Organização dos Estados Americanos (OEA) , em 1948, está inserida em uma concepção geral da diplomacia norte-americana que buscava a formação de várias redes de alianças. O principal objetivo era garantir a segurança coletiva do continente, entendida como ameaça de agressão ou infiltração comunista. A fundação da OEA era mais um elemento no processo de aglutinação das Américas sob a hegemonia norte-americana
MORTE DE STALIN E A BOMBA DE HIDROGÊNIO A morte de Stalin, em 1953, modificou as concepções soviéticas nas relações internacionais. Embora os padrões de disputa ainda tenham persistido, assim como a acelerada corrida armamentista, os sucessores de “Guia Genial dos Povos” buscaram relaxar as tensões entre as superpotências, dando ênfase à coexistência pacífica entre capitalismo e socialismo. Mas, acima de tudo, foi a capacidade de ambos os lados em construírem artefatos termonucleares, muito mais poderosos que as bombas atômicas que destruíram Hiroshima e Nagasaki, que obrigou os líderes soviéticos e estadunidenses a compreenderem o quão terrível seria uma guerra nuclear.
... A bomba tem um clube fechadíssimo A bomba pondera com olho neocrítico o Prêmio Nobel A bomba é russamericanenglish mas agradam-lhe eflúvios de Paris A bomba oferece na bandeja de urânio puro, a título de bonificação, átomos de paz ...   Carlos Drumond de Andrade  
1956 - Húngaros reunidos em torno da cabeça do Monumento de Stálin derrubado em Budapeste
Un grupo de residentes en Uruguay esgrimiendo carteles contra la Unión Soviética en 1956, después de que las tropas del Pacto de Varsovia comandadas por los soviéticos ingresaron con tanques en Budapest para terminar con los intentos húngaros de liberarse del dominio de la URSS.
 
HOLLYWOOD: AS DELÍCIAS DO AMERICAN WAY OF LIFE Para a divulgação do  american way of life  e das vantagens do regime democrático, os Estados Unidos dispunham da mais eficiente máquina de persuasão coletiva do planeta: Hollywood. Dirigida às massas e permeada por fortes antagonismos simbólicos e maniqueístas, os filmes promoviam a exaltação, entre outros elementos, dos valores da democracia e do “mundo livre”.
 
A mídia norte-americana, o cinema, as séries de televisão mostravam uma imagem ameaçadora do comunista e ‘vendiam’ para os próprios norte-americanos uma imagem da qualidade moral dos Estados Unidos. Criou-se um ambiente cultural, onde o comunista era o oposto àquilo que o ‘norte-americano médio’ havia aprendido a respeitar: o comunista era conspirador, terrorista, ateu, desumano e antidemocrático. Enquanto a ‘América Virtuosa’, construída por um povo eleito desde a colonização, era interpretada como democrática, cristã, bem intencionada, humana, justa, simples, movida pelas melhores intenções. Mary Anne Junqueira.  Ao Sul do Rio Grande – imaginado a América Latina em Seleções: oeste, wilderness e fronteira (1942-1970) .   Bragança Paulista, EDUSF, 2000. p. 197.
Reader’s Digest não pode ser considerada uma mera revista de entretenimento. Ela foi, desde a sua origem, pensada como divulgadora de um ideal de mundo e valores: os da classe média branca norte-americana. Nas suas páginas era propagado o modo de vida cristã, anglo-saxão e capitalista. As narrativas legitimavam a poder instituído e as divisões estabelecidas na sociedade. Eram enaltecidos os empreendedores e todos aqueles que com seu esforço pessoal e conduta moral conseguiram prosperar. As matérias reforçavam uma visão de mundo que pregava a o american way of life como paradigma universal. “Seleções posicionava e legitimava os Estados Unidos como poder central, de onde tudo deveria partir e ser organizado.”    . Mary Anne Junqueira. Ao Sul do Rio Grande – imaginado a América Latina em Seleções: oeste, wilderness e fronteira (1942-1970). Bragança Paulista, EDUSF, 2000. p. 196.
O caso mais clamoroso de intervenção norte-americana da década de 1950 ocorreu na Guatemala.   Esse pequeno país da América Central passou, a partir de 1944, quando foi derrubada uma longa ditadura, por uma década de políticas reformistas. Inicialmente, com Juan José Arévalo durante o seu mandato de seis anos e, depois, com  Jacobo Arbenz , eleito num processo democrático em novembro de 1950. Ambos procuraram modernizar o Estado e promover melhorias nas condições de vida da população. As mudanças sociais, educacionais, trabalhistas e econômicas assustaram os funcionários da embaixada dos Estados Unidos, que começaram a enviar relatórios cada vez mais alarmistas para Washington afirmando que os dirigentes guatemaltecos estavam promovendo a luta de classes e favorecendo a infiltração comunista no país. O que não era verdade. As reformas de fato ameaçavam alguns privilégios, mas estavam longe de serem comunistas e era impossível apresentar qualquer prova da ligação entre o governo da Guatemala e Moscou. Além do temor da suposta infiltração comunista, havia a presença de uma poderosa
Além do temor da suposta infiltração comunista, havia a presença de uma poderosa corporação norte-americana na Guatemala que passou a ter os seus interesses ameaçados. A United Fruit Company (ou Mamita Yunai, como era chamada pelos guatemaltecos) era a maior proprietária de terra e a maior empregadora do país, com cerca de 15.000 pessoas trabalhando para ela. A segunda maior empregadora era uma subsidiária sua, a International Railways of Central America, que tinha 5.000 funcionários e detinha o controle sobre praticamente toda a rede ferroviária. A corporação sediada em Boston sentiu-se prejudicada quando foram criados os primeiros sindicatos na Guatemala e promulgado um novo Código Trabalhista. No início de 1953, os executivos norte-americanos da United Fruit ficaram ainda mais furiosos. O governo da Guatemala aprovou uma legislação estabelecendo a reforma agrária e promoveu a expropriação de cerca de 40% das terras da companhia. Descontente com a indenização, calculada sobre os impostos que pagava, a companhia acionou seus poderosos lobistas em Washington. Uma vigorosa campanha contra o governo da Guatemala ganhou as páginas dos jornais norte-americanos. No Congresso, parlamentares pediam providências para isolar o “foco de infecção vermelha na América Central”.  Em 17 de junho de 1954, tropas lideradas pelo coronel Carlos Castillo Armas, procedendo de Honduras e apoiadas pelos Estados Unidos, invadiram a Guatemala. Dez dias depois, Arbenz, alegando querer evitar derramamento de sangue, renunciou e seguiu para o exílio. Os militares golpistas promoveram um simulacro de eleições (todos os partidos foram proibidos de participar, soldados ocuparam os locais de votação e o sufrágio não era secreto). A apuração obviamente deu a vitória para Castillo Armas. Jacobo Arbenz
FIDEL CASTRO EM SIERRA MAESTRA
1959  – a vitória dos barbudos De vitória em vitória, as forças rebeldes chegaram a Palma Soriano, próximo a Santiago de Cuba, em 31 de dezembro. Lá estavam Fidel Castro e a Rádio Rebelde. Do centro da ilha, Che Guevara, que havia ocupado a cidade de Santa Clara, dirigia-se para Santiago. As forças da segunda frente oriental haviam tomado 14 quartéis e se dirigiam, também, para Guantânamo e Santiago. A vitória estava certa.  O  reveillon  de 1959 foi diferente em Cuba. Primeiro de janeiro foi o dia em que Fulgêncio Batista fugiu para não mais voltar. Sem capacidade de resistir, o ditador abandonou a capital cubana, deixando ordens para seus discípulos enfrentarem os rebeldes. Foi fácil ocupar a capital e derrotar o semi-exército acéfalo. No dia 2 de janeiro proclama­va-se o novo governo na Universidade de Santiago: Urrutia era o presidente e, logo em seguida, em 10 de fevereiro, Fidel Castro se tornaria o primeiro-ministro.
1961  – CUBA SOCIALISTA No dia 14 de abril de 1961, um grupo de exilados cubanos, armados pela CIA, desembarcava na Baía dos Porcos, em Cuba, para iniciar um levante contra Fidel Castro. Foram derrotados pelo exército e pela resistência popular. Foi nesse momento que Fidel Castro proclamou uma "revolução socialista" no país e o alinhamento oficial com a URSS. Em 1962, Cuba foi expulsa da OEA e os Estados da América Latina rompiam relações com a ilha. O único país socialista do continente americano estava totalmente isolado.
1962  -  A Crise dos Mísseis   Em outubro de 1962, a URSS inicia a instalação de mísseis em Cuba (o seu disparo não demoraria mais que 15 minutos para atingir Washington). Os EUA pedem a imediata retirada de tais instalações, e impõem um bloqueio naval à ilha, para evitar novos envios soviéticos. O governo de Moscou, então, recua em troca do compromisso americano de não invadir a ilha. Dessa forma, consolidava-se a passagem de Cuba para a órbita soviética.
President Kennedy signs Cuba quarantine proclamation 23 October 1962
Navios soviéticos  com armas
 
caricatura de um jornal britânico - 26 de outubro de 1962
A incorporação de Cuba ao bloco socialista provocou mudanças na política norte-americana em relação à América Latina. Era necessário evitar, a qualquer custo, que outros países da região seguissem o caminho trilhado por Havana. Era a chamada teoria do efeito dominó. As autoridades na Casa Branca temiam que a emergência de um país socialista numa região pudesse contaminar os vizinhos. Esse mesmo argumento foi utilizado para justificar o aumento da presença militar norte-americana em um pequeno país do sudeste asiático. Em pouco tempo, as tropas ianques estavam mergulhadas na guerra do Vietnã.  TEORIA DO EFEITO DOMINÓ
Fidel envia comunismo a conta-gotas  -  Fonte:  Correio da Manhã , 31/1/1963
Fidel sugere Revolução para o Brasil  Fonte:  O Globo   8/05/1962
“ PAZ IMPOSSÍVEL, GUERRA IMPROVÁVEL” Raymond Aron
 
El presidente John F. Kennedy junto a la Primera Dama Jackie Kennedy en La Morita, Barinas, durante la primera visita oficial de un presidente de los Estados Unidos a Venezuela (Dic, 1961). En la ocasión Kennedy y Rómulo Betancourt  firmaron el acuerdo de " Alianza para el Progreso ”.
ALIANÇA PARA O PROGRESSO Portanto, eu conclamo todos os povos do hemisfério a juntar-se em uma nova Aliança para o Progresso – Alianza para o Progreso - um vasto esforço cooperativo, sem paralelo em sua magnitude e nobreza de propósitos, para satisfazer as necessidades básicas dos povos americanos por casa, trabalho e terra, saúde e escolas – techo, trabajo y tierra, salud y escuela... Eu proponho que a República Americana dê início a um plano de 10 anos para as Américas, um plano para transformar os anos 60 na década do desenvolvimento. No dia  13 de março de 1961 , o Corpo Diplomático Latino-Americano, juntamente com líderes do Congresso e a alta burocracia do Departamento de Estado, foram convidados para o já esperado lançamento oficial da Aliança para o Progresso. Kennedy evitou falar de comunismo, preferindo reportar-se às ações de Castro e dos soviéticos, vistas como parte de uma agressão imperialista que era, não somente um perigo militar, como também, uma ameaça às identidades nacionais de todos os países do hemisfério, a qual ele opunha uma “revolução pacífica”, na qual norte e sul estivessem unidos por um único processo de transformação econômica, social e política. A ALIANÇA PARA O PROGRESSO E AS RELAÇÕES BRASIL-ESTADOS UNIDOS / RICARDO ALAGGIO RIBEIRO / Tese UNICAMP-IFCH -  2006
ALIANÇA PARA O PROGRESSO El grupo de la OEA para la Alianza para el Progreso, con el presidente Kennedy, al centro, en la Casa Blanca, el 15 de febrero de 1962
Placa conmemorativa de construcción de gimnasio, en Frutillar, Chile aportado por la "alianza para el progreso" para ayudar en el terremoto de Chile en 1960
 
 
Aliança para o Progresso  Marcelo Nitsche - 1965
 
 
 
Organização de Solidariedade com os Povos de África, Ásia e América Latina   “ Toda a nossa ação é um berro de guerra contra o imperialismo e um clamor pela unidade dos povos contra o grande inimigo do gênero humanos: os Estados Unidos de Norte América”. Mensagem aos Povos do Mundo Através da Tricontinental Ernesto 'Che' Guevara - 1967
Organização Latino-Americana de Solidariedade  (OLAS) - 1967 Entre 31 de julho e 10 de agosto de 1967, ocorreu em Havana a conferência que deu origem a Organização Latino-Americana de Solidariedade (OLAS). A reunião contou com a presença de setecentos delegados representando movimentos revolucionários de 22 países latino-americanos.  O lema adotado pelos participantes  - “ O dever de todo revolucionário é fazer a revolução " -  era uma dura crítica ao imobilismo e burocratismo de muitos partidos comunistas. O governo cubano assumia abertamente o papel de estimulador de novas revoluções em outros países do continente americano. Milhares de revolucionários latino-americanos, de diferentes organizações, realizaram treinamentos de guerrilha urbana e rural na Ilha. O projeto de exportar  a revolução era,  para Fidel Castro, uma tentativa de romper com o isolamento imposto pelos Estados Unidos e assegurar a sobrevivência e consolidação do regime surgido em 1959.
 
 
1962-1968  Golpes na América Latina De acordo com o historiador Luiz Fernando Ayerbe, entre 1962 e 1968, o panorama político na América Latina refletia a opção clara pelo militarismo com golpes na Argentina, Guatemala, República Dominicana, Honduras, Haiti, Bolívia, Brasil e Peru. No plano internacional, os Estados Unidos também se envolvem cada vez mais no conflito do Vietnã. E é nesse contexto político que ocorre a morte de Ernesto “Che” Guevara, em 9 de outubro de 1967, na Bolívia, onde tentou criar um foco guerrilheiro com o objetivo de exportar a Revolução para os demais países da América Latina.
GUERRILHA A palavra guerrilha é um diminutivo de guerra em espanhol. A palavra adquiriu tal conotação no início do século XIX, quando pequenos grupos armados resistiram as tropas invasoras de Napoleão que haviam ocupado a Espanha. No século XX, essa técnica de guerra foi utilizada com sucesso por vários grupos.  Na China de Mao tsé-Tung contra as tropas direitistas do Kuomintang de Chiang Kai-shek. Por Tito, durante a Segunda Guerra, na Iugoslávia, contra as tropas nazistas.  Em Cuba, por Fidel e Guevara, na luta contra a ditadura de Fulgêncio Batista. Também esteve presente no processo de descolonização, ocorrido pós Segunda Guerra, em quase todos os países que se libertaram.
GUERRILHA A guerrilha parte do princípio que os bandos guerrilheiros quando bem coordenados e contando com apoio das populações locais são capazes de imobilizar ou mesmo derrotar tropas regulares e melhor equipadas.  A partir da segunda metade do século XX, em muitos países latino-americanos, foram formados grupos de guerrilha com o intento de combater as ditaduras costumasses na região. Apenas em dois países -Cuba e Nicarágua - os guerrilheiros conseguiram chegar ao poder.
 
Ditaduras Militares  na  América Latina
As décadas de 1960 e 1970, na América Latina, foram marcadas pelo crescente confronto entre setores nacionalistas e progressistas, por um lado, e, por outro, forças conservadores e vinculadas aos interesses político-militares norte-americanos. A vitória nesse embate quase sempre ficou para os setores conservadores. Além de Cuba, as raras exceções, e mesmo assim não duradouras, foram a do Chile durante o governo socialista do presidente Allende e a experiência popular do governo sandinista na Nicarágua após a derrota de Somoza. Em vários países, em particular no Cone Sul, a derrota dos projetos reformistas-nacionalistas gerou a instalação de uma série de brutais ditaduras militares. Os golpistas foram sempre apoiados pelo Departamento de Estado norte-americano, fiel à política de contenção de insurreições por qualquer meio. Os manuais do Pentágono para treinamento de militares latino-americanos aconselhavam como método eficaz para conseguir informações de insurgentes a utilização de tortura, execuções e extorsão. Eles, como bons alunos, aplicaram e aprimoraram as lições recebidas. Além do Brasil (1964-1985), regimes ditatoriais foram implantadas na Argentina (1966-1972 e 1976-1983), Chile (1973-1989) e Uruguai (1976-1984).
 
 
A culpa é do Fidel a Revolução Cubana fez desencadear o mais violento ciclo de ditaduras militares da história contemporânea da América Latina, com a conseqüente formação dos regimes de Estado de Segurança Nacional inaugurados pelo golpe militar de 31 de março de 1964 no Brasil, e que, depois, foi imitado em quase todos os países da América do Sul. Desta maneira, o projeto kennedyano que visava estabelecer um Estado Reformista e Democrático na América Latina, redundou em pouco tempo na institucionalização de um Estado Policial Autoritário.
A Revolução Armada A idéia de revolução armada conquistou corações e mentes, influenciados pelo movimento cultural da época e pelas revoluções que pipocavam no mundo. A vitória da Revolução Cubana (1959), a independência da Argélia (1962) e a resistência que os guerrilheiros vietcongs (comunistas ligados ao Vietnã do Norte) faziam ao poderoso Exército dos Estados Unidos serviram de exemplo para todos que estavam dispostos a mudar radicalmente a sociedade. O êxito militar desses movimentos animava os espíritos de multidões de jovens pelo mundo todo. Nas residências estudantis, jovens pregavam nas paredes dos seus quartos retratos de Che Guevarra e de Ho chi minh (heróis de Cuba e do Vietnã) e sonhavam com uma ação organizada das pessoas como sendo capaz de mudar a história. Nas manifestações, gritavam de maneira desafiadora o slogan dos revolucionários de todo o mundo: “Criar um, dois, três, mil Vietnãs”.
 
 
A Doutrina de Segurança Nacional Na década de 1950, numa conjuntura internacional marcada pela Guerra Fria, surgiu na América Latina a Doutrina de Segurança Nacional. No Brasil, os seus principais teóricos eram oriundos da Escola Superior de Guerra (ESG) -fundada em 1949, no Rio de Janeiro, e inspirada no National War College estadunidense. Nela se defendia o alinhamento do Brasil ao Bloco Ocidental, liderado pelos Estados Unidos, contra a União Soviética, pátria do comunismo ateu.  O fato de as superpotências serem capazes de produzir poderosos artefatos nucleares modificou o papel a ser desempenhado pelos militares latino-americanos. Para defender o continente de um ataque atômico, havia a presença do poderoso aliado capitalista. Porém, a União Soviética poderia promover uma agressão indireta ao Brasil e aos seus vizinhos. Por isso, cabia aos militares nativos combater a subversão interna, que era apoiada e dirigida pelo comunismo mundial.
A Doutrina de Segurança Nacional A Doutrina de Segurança Nacional, formulada pela ESG, estava assentada em três pilares: segurança interna (o combate ao inimigo oculto, a solerte infiltração comunista); o Brasil como potência mundial (a defesa de que o Brasil tinha que ocupar um lugar de maior destaque no contexto internacional) e o projeto de promoção de um acelerado crescimento econômico (crença de que não é possível existir segurança sem um alto grau de desenvolvimento econômico). A Doutrina de Segurança Nacional, com algumas variações, serviu de justificativa para várias intervenções dos militares nas lutas políticas da América Latina.
 
A Escola das Américas Foi um dos principais símbolos da aliança entre Washington e os governos ditatoriais da América Latina durante a Guerra Fria. A escola foi aberta em 1946 pelos Estados Unidos no Panamá, sua função inicial era treinar a divisão militar do Caribe. Em 1948, com a criação da Organização dos Estados Americanos (OEA), ela foi aberta para os militares de outros países do hemisfério. Freqüentaram seus cursos ditadores e torturadores latino-americanos como Manuel Noriega, do Panamá, Raoul Cedras, do Haiti, e Vladimiro Montesinos, braço direito do presidente peruano Fujimori. A instituição, que treinou notórios violadores dos direitos humanos, ficou conhecida como “Escola de Assassinos”. Cerca de 60 mil militares latino-americanos lá estudaram técnicas para uma eficiente repressão política. No currículo constavam cursos ensinando práticas de tortura e várias outras violações das liberdades civis.
A Escola das Américas (SOA), em 2001, rebatizada de Instituto Western do Hemisfério para a Cooperação da Segurança.
Na América do Sul, durante as décadas de 1970 e 1980, funcionou a Operação Condor – uma coordenação dos serviços de informação e de repressão das ditaduras militares sul-americanas.
Operação Condor Na América do Sul, durante as décadas de 1970 e 1980, funcionou a Operação Condor – uma coordenação dos serviços de informação e de repressão das ditaduras militares sul-americanas. - Brasil, Argentina, Chile, Bolívia, Paraguai e Uruguai
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Guerra fria e a cultura
Guerra fria e a culturaGuerra fria e a cultura
Guerra fria e a cultura
Vagner Roberto
 
Guerra fria e globalização
Guerra fria e globalizaçãoGuerra fria e globalização
Guerra fria e globalização
Portal do Vestibulando
 
GUERRA FRIA - a nova ordem mundial
GUERRA FRIA - a nova ordem mundialGUERRA FRIA - a nova ordem mundial
GUERRA FRIA - a nova ordem mundial
ElvisJohnR
 
Brasil república populista 1946 a 1964 - pdf
Brasil república populista   1946 a 1964 - pdfBrasil república populista   1946 a 1964 - pdf
Brasil república populista 1946 a 1964 - pdf
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Cap 61 0 mundo do pós guerra
Cap 61 0 mundo do pós guerraCap 61 0 mundo do pós guerra
Cap 61 0 mundo do pós guerra
Auxiliadora
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
Edenilson Morais
 
A ditadura militar no Brasil
A ditadura militar no BrasilA ditadura militar no Brasil
A ditadura militar no Brasil
Matheus Kielek
 
Guerra fria
Guerra fria  Guerra fria
Guerra fria
Zeze Silva
 
A I GUERRA MUNDIAL 1914-1918_versão 2010.ppt
A I GUERRA MUNDIAL  1914-1918_versão 2010.pptA I GUERRA MUNDIAL  1914-1918_versão 2010.ppt
A I GUERRA MUNDIAL 1914-1918_versão 2010.ppt
Karen Assis
 
Ditadura militar anos de chumbo (1964-1985)
Ditadura militar   anos de chumbo (1964-1985)Ditadura militar   anos de chumbo (1964-1985)
Ditadura militar anos de chumbo (1964-1985)
Portal do Vestibulando
 
Aula guerra fria
Aula guerra friaAula guerra fria
Aula guerra fria
Alexandre Elias
 
Guerra fria e Conflitos
Guerra fria e ConflitosGuerra fria e Conflitos
Guerra fria e Conflitos
drikalima
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
guest39d69919
 
Estados unidos hegemonia politica e economica
Estados unidos hegemonia politica e economicaEstados unidos hegemonia politica e economica
Estados unidos hegemonia politica e economica
Fernanda Lopes
 
Ditadura chilena e a redemocratização
Ditadura chilena e a redemocratizaçãoDitadura chilena e a redemocratização
Ditadura chilena e a redemocratização
soniawanderley
 
Ditadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilDitadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no Brasil
Emanuel Leite
 
3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria
Daniel Alves Bronstrup
 
Or médio américa e nova ordem
Or médio américa e nova ordemOr médio américa e nova ordem
Or médio américa e nova ordem
Carlos Glufke
 
Mundo pos guerra guerra fria
Mundo pos guerra guerra friaMundo pos guerra guerra fria
Mundo pos guerra guerra fria
Adriana Gomes Messias
 
Guerra Fria (1)- Formação de tensões
Guerra Fria (1)- Formação de tensõesGuerra Fria (1)- Formação de tensões
Guerra Fria (1)- Formação de tensões
Paulo Alexandre
 

Mais procurados (20)

Guerra fria e a cultura
Guerra fria e a culturaGuerra fria e a cultura
Guerra fria e a cultura
 
Guerra fria e globalização
Guerra fria e globalizaçãoGuerra fria e globalização
Guerra fria e globalização
 
GUERRA FRIA - a nova ordem mundial
GUERRA FRIA - a nova ordem mundialGUERRA FRIA - a nova ordem mundial
GUERRA FRIA - a nova ordem mundial
 
Brasil república populista 1946 a 1964 - pdf
Brasil república populista   1946 a 1964 - pdfBrasil república populista   1946 a 1964 - pdf
Brasil república populista 1946 a 1964 - pdf
 
Cap 61 0 mundo do pós guerra
Cap 61 0 mundo do pós guerraCap 61 0 mundo do pós guerra
Cap 61 0 mundo do pós guerra
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
 
A ditadura militar no Brasil
A ditadura militar no BrasilA ditadura militar no Brasil
A ditadura militar no Brasil
 
Guerra fria
Guerra fria  Guerra fria
Guerra fria
 
A I GUERRA MUNDIAL 1914-1918_versão 2010.ppt
A I GUERRA MUNDIAL  1914-1918_versão 2010.pptA I GUERRA MUNDIAL  1914-1918_versão 2010.ppt
A I GUERRA MUNDIAL 1914-1918_versão 2010.ppt
 
Ditadura militar anos de chumbo (1964-1985)
Ditadura militar   anos de chumbo (1964-1985)Ditadura militar   anos de chumbo (1964-1985)
Ditadura militar anos de chumbo (1964-1985)
 
Aula guerra fria
Aula guerra friaAula guerra fria
Aula guerra fria
 
Guerra fria e Conflitos
Guerra fria e ConflitosGuerra fria e Conflitos
Guerra fria e Conflitos
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Estados unidos hegemonia politica e economica
Estados unidos hegemonia politica e economicaEstados unidos hegemonia politica e economica
Estados unidos hegemonia politica e economica
 
Ditadura chilena e a redemocratização
Ditadura chilena e a redemocratizaçãoDitadura chilena e a redemocratização
Ditadura chilena e a redemocratização
 
Ditadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilDitadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no Brasil
 
3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria
 
Or médio américa e nova ordem
Or médio américa e nova ordemOr médio américa e nova ordem
Or médio américa e nova ordem
 
Mundo pos guerra guerra fria
Mundo pos guerra guerra friaMundo pos guerra guerra fria
Mundo pos guerra guerra fria
 
Guerra Fria (1)- Formação de tensões
Guerra Fria (1)- Formação de tensõesGuerra Fria (1)- Formação de tensões
Guerra Fria (1)- Formação de tensões
 

Semelhante a Guerra Fria e Am. Latina

A guerra fria
A guerra friaA guerra fria
A guerra fria
Joana Melo
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Alexandre Rodrigues
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
gdfsabc
 
História 9º ano slide Guerra Fria
História   9º ano slide Guerra FriaHistória   9º ano slide Guerra Fria
História 9º ano slide Guerra Fria
Janaína Bindá
 
HISTORIA
HISTORIAHISTORIA
HISTORIA
Thais29Mendis
 
Dinâmica esic
Dinâmica esicDinâmica esic
Dinâmica esic
Raíssa Botelho
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
deboralorena_
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Atkinson Junior
 
A ordem internacional.pptx
A ordem internacional.pptxA ordem internacional.pptx
A ordem internacional.pptx
MarcoTlioAbreu1
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Jerônimo Matias
 
Guerra Fria (1945-1989)
Guerra Fria (1945-1989)Guerra Fria (1945-1989)
Guerra Fria (1945-1989)
Privada
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
eiprofessor
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Lucas Pires
 
Guerra fria - O mundo bipolar
Guerra fria - O mundo bipolar Guerra fria - O mundo bipolar
Guerra fria - O mundo bipolar
Elizangela Silva
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
echechurry
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
echechurry
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Wendel Sousa
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
alex01166
 
51 - mundo bipolar
51 -  mundo bipolar51 -  mundo bipolar
51 - mundo bipolar
Carla Freitas
 
A Guerra fria (ppt)
A Guerra fria (ppt)A Guerra fria (ppt)
A Guerra fria (ppt)
Janayna Lira
 

Semelhante a Guerra Fria e Am. Latina (20)

A guerra fria
A guerra friaA guerra fria
A guerra fria
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
História 9º ano slide Guerra Fria
História   9º ano slide Guerra FriaHistória   9º ano slide Guerra Fria
História 9º ano slide Guerra Fria
 
HISTORIA
HISTORIAHISTORIA
HISTORIA
 
Dinâmica esic
Dinâmica esicDinâmica esic
Dinâmica esic
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
A ordem internacional.pptx
A ordem internacional.pptxA ordem internacional.pptx
A ordem internacional.pptx
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Guerra Fria (1945-1989)
Guerra Fria (1945-1989)Guerra Fria (1945-1989)
Guerra Fria (1945-1989)
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Guerra fria - O mundo bipolar
Guerra fria - O mundo bipolar Guerra fria - O mundo bipolar
Guerra fria - O mundo bipolar
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
51 - mundo bipolar
51 -  mundo bipolar51 -  mundo bipolar
51 - mundo bipolar
 
A Guerra fria (ppt)
A Guerra fria (ppt)A Guerra fria (ppt)
A Guerra fria (ppt)
 

Mais de Lais Kerry

Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
Lais Kerry
 
Ditadura Militar Argentina
Ditadura Militar ArgentinaDitadura Militar Argentina
Ditadura Militar Argentina
Lais Kerry
 
EUA x Am. Latina 2
EUA x Am. Latina 2EUA x Am. Latina 2
EUA x Am. Latina 2
Lais Kerry
 
EUA x Am. Latina 1
EUA x Am. Latina 1EUA x Am. Latina 1
EUA x Am. Latina 1
Lais Kerry
 
Revolução Nicaraguense
Revolução NicaraguenseRevolução Nicaraguense
Revolução Nicaraguense
Lais Kerry
 
Chile: Allende e golpe Pinochet
Chile: Allende e golpe PinochetChile: Allende e golpe Pinochet
Chile: Allende e golpe Pinochet
Lais Kerry
 
Públicos / Stakeholders
Públicos / StakeholdersPúblicos / Stakeholders
Públicos / Stakeholders
Lais Kerry
 

Mais de Lais Kerry (7)

Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
Ditadura Militar Argentina
Ditadura Militar ArgentinaDitadura Militar Argentina
Ditadura Militar Argentina
 
EUA x Am. Latina 2
EUA x Am. Latina 2EUA x Am. Latina 2
EUA x Am. Latina 2
 
EUA x Am. Latina 1
EUA x Am. Latina 1EUA x Am. Latina 1
EUA x Am. Latina 1
 
Revolução Nicaraguense
Revolução NicaraguenseRevolução Nicaraguense
Revolução Nicaraguense
 
Chile: Allende e golpe Pinochet
Chile: Allende e golpe PinochetChile: Allende e golpe Pinochet
Chile: Allende e golpe Pinochet
 
Públicos / Stakeholders
Públicos / StakeholdersPúblicos / Stakeholders
Públicos / Stakeholders
 

Último

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

Guerra Fria e Am. Latina

  • 1. A GUERRA FRIA E A AMÉRICA LATINA
  • 2.  
  • 3. "A Guerra Fria fornece um arcabouço onde cada uma das superpotências pode usar a força e a violência para controlar seus próprios domínios contra os que buscam um grau de independência no interior dos blocos - apelando à ameaça da superpotência inimiga, para mobilizar sua própria população e a de seus aliados.“ Noam Chomsky
  • 4.  
  • 5. Os primeiros anos da Guerra Fria Os anos de 1945 a 1953 foram um período de gestação e apogeu da Guerra Fria. Os Estados Unidos e a União Soviética estabeleceram suas respectivas zonas de influência, firmaram pactos econômicos e militares para garantir maior coesão interna dentro dos respectivos blocos que se formavam e criaram a infra-estrutura para o desenvolvimento e construção de vastos arsenais de armas nucleares. As explicações dadas pelos governos dos Estados Unidos e da União Soviética para justificar as origens da Guerra Fria foram bastante semelhantes. Ambos caracterizaram o conflito como um luta entre o bem e o mal, sendo que o outro era sempre retratado como um pérfido vilão. Os dois diziam agir em nome da liberdade, da democracia e da paz. Para cada um deles o outro era uma potência imperialista e antidemocrática empenhada na conquista do mundo.
  • 6. A Doutrina Truman O receio norte-americano de ver destruído todo o sistema capitalista no continente europeu levou à criação da Doutrina Truman , em 1947. Os Estados Unidos assumiram plenamente seu papel de guardiões do que denominavam o "mundo livre", empregando a sua força econômica e militar para evitar uma expansão do império soviético. A desmobilização das tropas foi suspensa e o rearmamento intensificou-se. Os gastos militares voltaram a crescer. O serviço militar permanente em tempo de paz foi estabelecido. Nas áreas sob o seu controle, mesmo que teoricamente as democracias ainda fossem preferíveis às ditaduras, se as últimas fossem mais eficientes no combate ao comunismo não eram molestadas. Na ótica de Washington, era rotulado de comunismo tudo aquilo que se opunha aos interesses das elites empresariais ou não atendesse aos desejos geopolíticos dos estrategistas norte-americanos.
  • 8. O Plano Marshall completou, na esfera econômica, a política de contenção comunista. Com o lema: "A Europa precisa de ajuda para ajudar-se a si mesma”, o plano americano buscava acelerar a recuperação do continente devastado, e assim diminuir as crises sociais que favoreciam os partidos de esquerda. O Plano Marshall também ia de encontro às necessidades norte-americanas, pois evitava uma queda brusca das atividades econômicas e das exportações do país, em função da diminuta capacidade de absorção dos mercados europeus. A preocupação das autoridades e dos economistas era como fazer a reconversão de uma economia de guerra em economia de paz. O temor era de que, com o fim do estímulo gerado pela guerra, o país entrasse em crise e o desemprego crescesse rapidamente. Enfim, que a Grande Depressão dos anos 30 retornasse.
  • 9. OTAN e Pacto de Varsóvia
  • 10. A criação da OTAN , em 1949, completou, na esfera militar, o Plano Marshall, reforçando a influência norte-americana na Europa Ocidental. O compromisso assumido entre os seus signatários era o de assistência mútua na eventualidade de um ataque. Para assegurar um cinturão de segurança em torno do Bloco Socialista, entre 1945 e 1955, outros pactos militares foram firmados: o ANZUS (Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos), a OTASE (Nova Zelândia, Austrália, Filipinas e Tailândia) e o CENTO (Turquia, Iraque, Irã e Paquistão). Em maio de 1955, foi criado o Pacto de Varsóvia . O organismo militar do Bloco Socialista integrava as forças militares da União Soviética, Alemanha Oriental, Bulgária, Hungria, Polônia, Romênia, Albânia e Tchecoslováquia. O acordo militar estreitava ainda mais as relações entre os Estados-satélites da Europa Oriental e o governo de Moscou.
  • 11. REVOLUÇÃO CHINESA (1949) “ O poder nasce do cano de um fuzil” Mao Tse-tung
  • 12. GUERRA DA CORÉIA (1950-1953) Com a capitulação do Japão, em 1945, ficou estabelecido que as tropas japonesas que ocupavam a península coreana se renderiam aos soviéticos ao Norte do paralelo 38 e aos estadunidenses ao Sul desse marco. O acordo visava facilitar o trabalho dos dois exércitos aliados. Porém, com o início da Guerra Fria, acabou fixando a linha demarcatória entre duas zonas de ocupação. A unificação do país, proposta pela ONU, não se realizou. Quando em 1949, as tropas de ocupação soviéticas e norte-americanas deixaram a região, a população coreana já estava dividida em dois países.
  • 13. Em junho de 1950, os norte-coreanos invadiram a Coréia do Sul, pretendendo unificar todo o país. Procurando manter sua autoridade na região, a resposta norte-americana foi rápida. O presidente Trumam ordenou o envio de tropas para socorrer o exército sul-coreano. Endossando a ajuda norte-americana, o Conselho de Segurança da ONU aprovou o envio de uma força militar internacional para socorrer a Coréia do Sul. Atendendo a orientação das Nações Unidas, quinze países enviaram tropas para lutar na Coréia, a maior parte delas formada por aliados da OTAN. Na época, os representantes soviéticos, que tinham direito de veto, boicotavam as reuniões do Conselho de Segurança, em função da negativa do ONU em reconhecer a República Popular da China como membro. A ofensiva norte-coreana foi detida depois de intensos combates. O poderio bélico norte-americano reverteu a situação, com as tropas comunistas sendo empurradas para dentro do seu território. Porém, quando as tropas norte-americanas aproximaram-se da fronteira da Manchúria, Mao Tsé-tung, temendo um ataque a China, ordenou que meio milhão de soldados chineses socorressem a Coréia do Norte. Os reforços, apesar de serem tropas regulares, eram chamados de "Voluntários do Povo Chinês". A intervenção da China aumentou ainda mais as tensões. O temor da eclosão da Terceira Guerra Mundial ficou mais forte.
  • 14. Territory changed hands in the early part of the war until the front stabilized.
  • 15. O ANTICOMUNISMO NOS ESTADOS UNIDOS No início da década de 1950, um vagalhão nacionalista e reacionário espraiou-se pelo país, qualquer idéia progressista passou a ser tachada de comunista e, portanto, de contrária aos verdadeiros ideais estadunidenses. A vitória da Revolução Chinesa liderada por Mao Tsé-tung, a explosão da primeira bomba atômica soviética e o início da Guerra da Coréia, acirraram a intolerância. As liberdades civis nos Estados Unidos sofreram novos e devastadores ataques. President Truman signs the National Security Act Amendment of 1949 with guests in the Oval Office.
  • 16. Senador J. McCarthy O senador Joseph McCarthy - um político oportunista que ocupava a presidência do Subcomitê Permanente de Investigações do Senado - conseguiu com sua imaginação doentia atrair multidões para o seu credo anticomunista. A América também tinha a sua face intolerante, e ela não era pequena. No seu fanatismo, McCarthy não possuía escrúpulos em adulterar provas e fazer acusações levianas e falsas contra pessoas e instituições progressistas, ou até mesmo contra membros do governo e militares. Aqueles que fossem acusados de “comunistas” ou de “simpatizantes da Rússia” ficavam quase sempre impossibilitados de conseguir emprego e perdiam o direito de deixar o país legalmente, já que os passaportes eram negados. Muitos dos acusados, após terem suas vidas destroçadas, cometeram suicídio..
  • 17.  
  • 18. AMÉRICA LATINA: A MARGINALIZAÇÃO RELATIVA Nos primeiros anos da Guerra Fria, as ações da diplomacia norte-americana não estavam voltadas preferencialmente para a América Latina. A prioridade era salvar o mundo para a democracia. O anticomunismo militante dava a tônica nas relações entre os países do bloco Ocidental. A preocupação maior estava voltada para a Europa e para os países asiáticos. A situação só mudou com a vitória da revolução liderada por Fidel Castro e a aproximação do Cuba em direção ao bloco socialista. A definição da Europa como principal cenário da Guerra Fria afetou os investimentos e créditos para a América Latina. Para Truman, a região sofrera menos com a guerra, dela, até se beneficiando com o aumento das exportações de matérias primas. Além do que, a recuperação econômica da Europa traria efeitos positivos para a economia latino-americana. Em conseqüência disso, no início da década de 1950, não havia nenhum programa de ajuda dos Estados Unidos para a América Latina, exceto um modesto plano de assistência técnica (o “Ponto Quatro’). Enquanto, no período de 1945-1950, a Europa Ocidental recebeu 19 bilhões de dólares, foram repassados à América Latina apenas 400 milhões (menos de 2% da ajuda total norte-americana).
  • 19. AMÉRICA LATINA: A MARGINALIZAÇÃO RELATIVA A opção prioritária pela Europa não significou que o Departamento de Estado norte-americano não se preocupasse com os destinos dos países da América Latina. Para as autoridades em Washington, era importante manter o controle na região. A credibilidade e o poderio dos Estados Unidos não poderiam ser desafiados numa região reconhecidamente vista como sua área de influência, isso abalaria seriamente o seu prestígio de superpotência. Afinal, se os norte-americanos não eram capazes de se defender em seu próprio continente como poderiam prevalecer em outros lugares. No pan-americanismo do pós-guerra, no qual a hegemonia norte-americana era incontestável, a ideologia política e os aspectos estratégicos tornaram-se questões preponderantes. A política externa dos Estados Unidos foi pautada pela preocupação em impedir a ascensão e consolidação de governos nacionalistas na região. O objetivo era ampliar sua hegemonia e assegurar um clima de estabilidade e segurança para os investimentos privados.
  • 20. Com o início da Guerra Fria, as denúncias dos “horrores soviéticos”, que haviam sido sensivelmente atenuadas durante os anos finais da Segunda Guerra, retornaram com impacto ainda maior. O delicado consenso obtido na luta contra o nazismo durou pouquíssimo tempo. Logo revelou seu caráter ilusório. Os governos do mundo ocidental voltaram, com todo o vigor, a apresentar o comunismo como uma ameaça aos valores estabelecidos. Nessa época, não se pode esquecer, a presidência da República do Brasil era ocupada por um resoluto anticomunista, o general Eurico Gaspar Dutra.
  • 21. Os ventos iniciais da Guerra Fria provocavam marolas na política interna brasileira. Em agosto de 1946, o Rio Janeiro recebeu a visita do general Eisenhower - chefe militar das forças aliadas durante a Segunda Guerra e, mais tarde, presidente dos Estados Unidos. Como sinal emblemático do servilismo de alguns setores da política brasileira, Otávio Mangabeira, líder da UDN e ex-chanceler, beijou publicamente a mão do general americano. O gesto provocou ríspidos protestos dos agrupamentos nacionalistas e de esquerda.
  • 22. Somos contra o COMUNISMO, porque lutamos pela liberdade. Sentimos repulsa pelo COMUNISMO, porque somos brasileiros e sempre estivemos a serviço do Brasil. Detestamos o regime de Moscou, porque não temos a alma de escravo. Condenamos o bolchevismo, por abominarmos seus métodos e sua mística, demolidora e humilhante. Batemo-nos pela DEMOCRACIA, síntese de emancipação política e independência de pensamento e de vontade, porque só compreendemos a vida e o objetivo de viver num clima de plenas franquias, com o mais amplo direito de querer, de sentir, de pensar e de agir. Somos contra a escravidão imposta pelo totalitarismo, venha da esquerda, ou se origine da direita. Proscrevemos o Estado capitalista, porque somos pela distribuição das riquezas – produto do trabalho organizado, - entre os próprios trabalhadores que as produziram. Não admitimos a existência do “homem providencial”, como não aceitamos fetiches embasbacados ingênuos e exercendo fascínio sobre ignorantes de todos os matizes. Não podem brasileiros de boa vontade ou mediana cultura tolerar, ao menos, o que se não enquadre nos postulados da crença pura, da fé verdadeira, ou dentro nos sentimentos que se distanciam da moral cristã ou da razão que se ausenta quando fixada em nome de uma escravidão espiritual – a mais abominável das escravidões, – que atenta contra Deus e procura destruir a Humanidade. Eis o que somos e como pensamos . [1] [1] Pedro Luís. Agonia do Comunismo: greves, lágrimas, miséria e sangue . São Paulo - Rio de Janeiro . Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais, 1946, p. 199.
  • 23. Os anticomunistas enfatizavam a defesa da ordem, da tradição e da integração nacional. O nacionalismo de viés conservador reforçou a visão maniqueísta que opõe “nós/brasileiros” a “comunistas/pessoas ao soldo de Moscou”. A nação e a unidade nacional deveriam se sobrepor a qualquer argumento que pregasse a desunião. Os valores nacionais não poderiam jamais ser suplantados por uma ordem internacional. Os comunistas eram acusados de instigar a divisão e a destruição do “corpo nacional”, já que enfatizavam as lutas opondo grupos sociais. Além disso, eram denunciados como agentes da União Soviética, o que significava que eram traidores do Brasil. Para os preocupados anticomunistas, era necessário restabelecer a verdade, já que os comunistas mentiam. Em pouco tempo, proliferaram grupos dispostos a barrar o avanço dos perigosos discípulos brasileiros de Stalin. Com esse objetivo, editaram uma grande gama de material impresso (panfletos, cartazes, livros, revistas etc.).
  • 24. Quando Stalin e Truman começaram a disparar ofensas e ameaças mútuas, a propaganda anticomunista já tinha estabelecido uma forte tradição no Brasil. Ela já podia ser encontrada logo após a divulgação das primeiras notícias sobre a Revolução Russa de 1917, embora, naquele momento, não tenha provocado maiores inquietações. Na República Velha foram os grupos anarquistas os responsáveis pelas maiores mobilizações do movimento operário. Os discípulos brasileiros de Lênin só começaram a ganhar maior visibilidade na década de 1930, quando participaram da criação da Aliança Nacional Libertadora (ANL) e, principalmente, com a entrada de Prestes em suas fileiras. A expansão do PCB e o crescimento da participação popular promovido pelos aliancistas assustaram as elites. O comunismo tornou-se de fato um inimigo a ser combatido com vigor. Foi inegavelmente com o Levante de novembro de 1935 que o anticomunismo entrou de vez no rol de preocupações das elites. Os tiros disparados nos quartéis ecoaram fortemente nos ouvidos dos grupos privilegiados. A comoção cresceu á medida que os jornais passaram a comentar sobre a descoberta pela polícia da presença de agentes estrangeiros do Comintern na frustrada rebelião.
  • 25. As tensões originadas pela Guerra Fria influenciaram os debates políticos nacionais. A conjuntura mundial de polarização ideológica reforçou o anticomunismo latente de boa parte das elites brasileiras. As campanhas contra o “perigo vermelho” voltaram com toda a força. Como afirmou Rodrigo Patto Sá Motta: “O anticomunismo brasileiro foi bastante marcado por influências internacionais, tanto no que respeita as representações quanto às ações. Mas isso não impediu que existisse dinâmica própria e elaborações originais no campo das representações. Na realidade, o anticomunismo no Brasil resultou da interação de fatores endógenos e exógenos, e os elementos dessa combinação variaram dependendo da conjuntura histórica”. [ 1 ] Rodrigo Patto Sá Motta. Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo, Perspectiva - FAPESP, 2002, p. 4.
  • 26. CONFERÊNCIA INTERAMERICANA PARA A MANUTENÇÃO DA PAZ - 1947 A crescente influência dos Estados Unidos nos negócios da América Latina consolidou-se com a realização da Conferência Interamericana para a Manutenção da Paz e da Segurança no Continente, realizada em Petrópolis, entre 15 de agosto e 17 de setembro de 1947. As reuniões contaram com a presença de representantes de todos os países do continente, destacando-se o comparecimento do presidente norte-americano, Harry Truman. Durante a conferência, foi assinado o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) , que pode ser considerado o primeiro pacto militar da Guerra Fria. De acordo com o TIAR, todos os países do continente concordaram que “um ataque armado por parte de qualquer Estado, contra um Estado Americano, será considerado um ataque contra todos os Estados Americanos.” . Na prática, como havia uma enorme diferença de poder bélico entre as nações signatárias, o TIAR assegurava a hegemonia militar norte-americana no continente. No contexto da Guerra Fria, o possível Estado agressor era obviamente a União Soviética.
  • 27. TIAR - Rio pact members in dark blue, nations that left in cyan
  • 28. A criação da Organização dos Estados Americanos (OEA) , em 1948, está inserida em uma concepção geral da diplomacia norte-americana que buscava a formação de várias redes de alianças. O principal objetivo era garantir a segurança coletiva do continente, entendida como ameaça de agressão ou infiltração comunista. A fundação da OEA era mais um elemento no processo de aglutinação das Américas sob a hegemonia norte-americana
  • 29. MORTE DE STALIN E A BOMBA DE HIDROGÊNIO A morte de Stalin, em 1953, modificou as concepções soviéticas nas relações internacionais. Embora os padrões de disputa ainda tenham persistido, assim como a acelerada corrida armamentista, os sucessores de “Guia Genial dos Povos” buscaram relaxar as tensões entre as superpotências, dando ênfase à coexistência pacífica entre capitalismo e socialismo. Mas, acima de tudo, foi a capacidade de ambos os lados em construírem artefatos termonucleares, muito mais poderosos que as bombas atômicas que destruíram Hiroshima e Nagasaki, que obrigou os líderes soviéticos e estadunidenses a compreenderem o quão terrível seria uma guerra nuclear.
  • 30. ... A bomba tem um clube fechadíssimo A bomba pondera com olho neocrítico o Prêmio Nobel A bomba é russamericanenglish mas agradam-lhe eflúvios de Paris A bomba oferece na bandeja de urânio puro, a título de bonificação, átomos de paz ...   Carlos Drumond de Andrade  
  • 31. 1956 - Húngaros reunidos em torno da cabeça do Monumento de Stálin derrubado em Budapeste
  • 32. Un grupo de residentes en Uruguay esgrimiendo carteles contra la Unión Soviética en 1956, después de que las tropas del Pacto de Varsovia comandadas por los soviéticos ingresaron con tanques en Budapest para terminar con los intentos húngaros de liberarse del dominio de la URSS.
  • 33.  
  • 34. HOLLYWOOD: AS DELÍCIAS DO AMERICAN WAY OF LIFE Para a divulgação do american way of life e das vantagens do regime democrático, os Estados Unidos dispunham da mais eficiente máquina de persuasão coletiva do planeta: Hollywood. Dirigida às massas e permeada por fortes antagonismos simbólicos e maniqueístas, os filmes promoviam a exaltação, entre outros elementos, dos valores da democracia e do “mundo livre”.
  • 35.  
  • 36. A mídia norte-americana, o cinema, as séries de televisão mostravam uma imagem ameaçadora do comunista e ‘vendiam’ para os próprios norte-americanos uma imagem da qualidade moral dos Estados Unidos. Criou-se um ambiente cultural, onde o comunista era o oposto àquilo que o ‘norte-americano médio’ havia aprendido a respeitar: o comunista era conspirador, terrorista, ateu, desumano e antidemocrático. Enquanto a ‘América Virtuosa’, construída por um povo eleito desde a colonização, era interpretada como democrática, cristã, bem intencionada, humana, justa, simples, movida pelas melhores intenções. Mary Anne Junqueira. Ao Sul do Rio Grande – imaginado a América Latina em Seleções: oeste, wilderness e fronteira (1942-1970) . Bragança Paulista, EDUSF, 2000. p. 197.
  • 37. Reader’s Digest não pode ser considerada uma mera revista de entretenimento. Ela foi, desde a sua origem, pensada como divulgadora de um ideal de mundo e valores: os da classe média branca norte-americana. Nas suas páginas era propagado o modo de vida cristã, anglo-saxão e capitalista. As narrativas legitimavam a poder instituído e as divisões estabelecidas na sociedade. Eram enaltecidos os empreendedores e todos aqueles que com seu esforço pessoal e conduta moral conseguiram prosperar. As matérias reforçavam uma visão de mundo que pregava a o american way of life como paradigma universal. “Seleções posicionava e legitimava os Estados Unidos como poder central, de onde tudo deveria partir e ser organizado.”   . Mary Anne Junqueira. Ao Sul do Rio Grande – imaginado a América Latina em Seleções: oeste, wilderness e fronteira (1942-1970). Bragança Paulista, EDUSF, 2000. p. 196.
  • 38. O caso mais clamoroso de intervenção norte-americana da década de 1950 ocorreu na Guatemala. Esse pequeno país da América Central passou, a partir de 1944, quando foi derrubada uma longa ditadura, por uma década de políticas reformistas. Inicialmente, com Juan José Arévalo durante o seu mandato de seis anos e, depois, com Jacobo Arbenz , eleito num processo democrático em novembro de 1950. Ambos procuraram modernizar o Estado e promover melhorias nas condições de vida da população. As mudanças sociais, educacionais, trabalhistas e econômicas assustaram os funcionários da embaixada dos Estados Unidos, que começaram a enviar relatórios cada vez mais alarmistas para Washington afirmando que os dirigentes guatemaltecos estavam promovendo a luta de classes e favorecendo a infiltração comunista no país. O que não era verdade. As reformas de fato ameaçavam alguns privilégios, mas estavam longe de serem comunistas e era impossível apresentar qualquer prova da ligação entre o governo da Guatemala e Moscou. Além do temor da suposta infiltração comunista, havia a presença de uma poderosa
  • 39. Além do temor da suposta infiltração comunista, havia a presença de uma poderosa corporação norte-americana na Guatemala que passou a ter os seus interesses ameaçados. A United Fruit Company (ou Mamita Yunai, como era chamada pelos guatemaltecos) era a maior proprietária de terra e a maior empregadora do país, com cerca de 15.000 pessoas trabalhando para ela. A segunda maior empregadora era uma subsidiária sua, a International Railways of Central America, que tinha 5.000 funcionários e detinha o controle sobre praticamente toda a rede ferroviária. A corporação sediada em Boston sentiu-se prejudicada quando foram criados os primeiros sindicatos na Guatemala e promulgado um novo Código Trabalhista. No início de 1953, os executivos norte-americanos da United Fruit ficaram ainda mais furiosos. O governo da Guatemala aprovou uma legislação estabelecendo a reforma agrária e promoveu a expropriação de cerca de 40% das terras da companhia. Descontente com a indenização, calculada sobre os impostos que pagava, a companhia acionou seus poderosos lobistas em Washington. Uma vigorosa campanha contra o governo da Guatemala ganhou as páginas dos jornais norte-americanos. No Congresso, parlamentares pediam providências para isolar o “foco de infecção vermelha na América Central”. Em 17 de junho de 1954, tropas lideradas pelo coronel Carlos Castillo Armas, procedendo de Honduras e apoiadas pelos Estados Unidos, invadiram a Guatemala. Dez dias depois, Arbenz, alegando querer evitar derramamento de sangue, renunciou e seguiu para o exílio. Os militares golpistas promoveram um simulacro de eleições (todos os partidos foram proibidos de participar, soldados ocuparam os locais de votação e o sufrágio não era secreto). A apuração obviamente deu a vitória para Castillo Armas. Jacobo Arbenz
  • 40. FIDEL CASTRO EM SIERRA MAESTRA
  • 41. 1959 – a vitória dos barbudos De vitória em vitória, as forças rebeldes chegaram a Palma Soriano, próximo a Santiago de Cuba, em 31 de dezembro. Lá estavam Fidel Castro e a Rádio Rebelde. Do centro da ilha, Che Guevara, que havia ocupado a cidade de Santa Clara, dirigia-se para Santiago. As forças da segunda frente oriental haviam tomado 14 quartéis e se dirigiam, também, para Guantânamo e Santiago. A vitória estava certa. O reveillon de 1959 foi diferente em Cuba. Primeiro de janeiro foi o dia em que Fulgêncio Batista fugiu para não mais voltar. Sem capacidade de resistir, o ditador abandonou a capital cubana, deixando ordens para seus discípulos enfrentarem os rebeldes. Foi fácil ocupar a capital e derrotar o semi-exército acéfalo. No dia 2 de janeiro proclama­va-se o novo governo na Universidade de Santiago: Urrutia era o presidente e, logo em seguida, em 10 de fevereiro, Fidel Castro se tornaria o primeiro-ministro.
  • 42. 1961 – CUBA SOCIALISTA No dia 14 de abril de 1961, um grupo de exilados cubanos, armados pela CIA, desembarcava na Baía dos Porcos, em Cuba, para iniciar um levante contra Fidel Castro. Foram derrotados pelo exército e pela resistência popular. Foi nesse momento que Fidel Castro proclamou uma "revolução socialista" no país e o alinhamento oficial com a URSS. Em 1962, Cuba foi expulsa da OEA e os Estados da América Latina rompiam relações com a ilha. O único país socialista do continente americano estava totalmente isolado.
  • 43. 1962 - A Crise dos Mísseis Em outubro de 1962, a URSS inicia a instalação de mísseis em Cuba (o seu disparo não demoraria mais que 15 minutos para atingir Washington). Os EUA pedem a imediata retirada de tais instalações, e impõem um bloqueio naval à ilha, para evitar novos envios soviéticos. O governo de Moscou, então, recua em troca do compromisso americano de não invadir a ilha. Dessa forma, consolidava-se a passagem de Cuba para a órbita soviética.
  • 44. President Kennedy signs Cuba quarantine proclamation 23 October 1962
  • 45. Navios soviéticos com armas
  • 46.  
  • 47. caricatura de um jornal britânico - 26 de outubro de 1962
  • 48. A incorporação de Cuba ao bloco socialista provocou mudanças na política norte-americana em relação à América Latina. Era necessário evitar, a qualquer custo, que outros países da região seguissem o caminho trilhado por Havana. Era a chamada teoria do efeito dominó. As autoridades na Casa Branca temiam que a emergência de um país socialista numa região pudesse contaminar os vizinhos. Esse mesmo argumento foi utilizado para justificar o aumento da presença militar norte-americana em um pequeno país do sudeste asiático. Em pouco tempo, as tropas ianques estavam mergulhadas na guerra do Vietnã. TEORIA DO EFEITO DOMINÓ
  • 49. Fidel envia comunismo a conta-gotas - Fonte: Correio da Manhã , 31/1/1963
  • 50. Fidel sugere Revolução para o Brasil Fonte: O Globo 8/05/1962
  • 51. “ PAZ IMPOSSÍVEL, GUERRA IMPROVÁVEL” Raymond Aron
  • 52.  
  • 53. El presidente John F. Kennedy junto a la Primera Dama Jackie Kennedy en La Morita, Barinas, durante la primera visita oficial de un presidente de los Estados Unidos a Venezuela (Dic, 1961). En la ocasión Kennedy y Rómulo Betancourt firmaron el acuerdo de " Alianza para el Progreso ”.
  • 54. ALIANÇA PARA O PROGRESSO Portanto, eu conclamo todos os povos do hemisfério a juntar-se em uma nova Aliança para o Progresso – Alianza para o Progreso - um vasto esforço cooperativo, sem paralelo em sua magnitude e nobreza de propósitos, para satisfazer as necessidades básicas dos povos americanos por casa, trabalho e terra, saúde e escolas – techo, trabajo y tierra, salud y escuela... Eu proponho que a República Americana dê início a um plano de 10 anos para as Américas, um plano para transformar os anos 60 na década do desenvolvimento. No dia 13 de março de 1961 , o Corpo Diplomático Latino-Americano, juntamente com líderes do Congresso e a alta burocracia do Departamento de Estado, foram convidados para o já esperado lançamento oficial da Aliança para o Progresso. Kennedy evitou falar de comunismo, preferindo reportar-se às ações de Castro e dos soviéticos, vistas como parte de uma agressão imperialista que era, não somente um perigo militar, como também, uma ameaça às identidades nacionais de todos os países do hemisfério, a qual ele opunha uma “revolução pacífica”, na qual norte e sul estivessem unidos por um único processo de transformação econômica, social e política. A ALIANÇA PARA O PROGRESSO E AS RELAÇÕES BRASIL-ESTADOS UNIDOS / RICARDO ALAGGIO RIBEIRO / Tese UNICAMP-IFCH - 2006
  • 55. ALIANÇA PARA O PROGRESSO El grupo de la OEA para la Alianza para el Progreso, con el presidente Kennedy, al centro, en la Casa Blanca, el 15 de febrero de 1962
  • 56. Placa conmemorativa de construcción de gimnasio, en Frutillar, Chile aportado por la "alianza para el progreso" para ayudar en el terremoto de Chile en 1960
  • 57.  
  • 58.  
  • 59. Aliança para o Progresso Marcelo Nitsche - 1965
  • 60.  
  • 61.  
  • 62.  
  • 63. Organização de Solidariedade com os Povos de África, Ásia e América Latina “ Toda a nossa ação é um berro de guerra contra o imperialismo e um clamor pela unidade dos povos contra o grande inimigo do gênero humanos: os Estados Unidos de Norte América”. Mensagem aos Povos do Mundo Através da Tricontinental Ernesto 'Che' Guevara - 1967
  • 64. Organização Latino-Americana de Solidariedade (OLAS) - 1967 Entre 31 de julho e 10 de agosto de 1967, ocorreu em Havana a conferência que deu origem a Organização Latino-Americana de Solidariedade (OLAS). A reunião contou com a presença de setecentos delegados representando movimentos revolucionários de 22 países latino-americanos. O lema adotado pelos participantes - “ O dever de todo revolucionário é fazer a revolução " - era uma dura crítica ao imobilismo e burocratismo de muitos partidos comunistas. O governo cubano assumia abertamente o papel de estimulador de novas revoluções em outros países do continente americano. Milhares de revolucionários latino-americanos, de diferentes organizações, realizaram treinamentos de guerrilha urbana e rural na Ilha. O projeto de exportar a revolução era, para Fidel Castro, uma tentativa de romper com o isolamento imposto pelos Estados Unidos e assegurar a sobrevivência e consolidação do regime surgido em 1959.
  • 65.  
  • 66.  
  • 67. 1962-1968 Golpes na América Latina De acordo com o historiador Luiz Fernando Ayerbe, entre 1962 e 1968, o panorama político na América Latina refletia a opção clara pelo militarismo com golpes na Argentina, Guatemala, República Dominicana, Honduras, Haiti, Bolívia, Brasil e Peru. No plano internacional, os Estados Unidos também se envolvem cada vez mais no conflito do Vietnã. E é nesse contexto político que ocorre a morte de Ernesto “Che” Guevara, em 9 de outubro de 1967, na Bolívia, onde tentou criar um foco guerrilheiro com o objetivo de exportar a Revolução para os demais países da América Latina.
  • 68. GUERRILHA A palavra guerrilha é um diminutivo de guerra em espanhol. A palavra adquiriu tal conotação no início do século XIX, quando pequenos grupos armados resistiram as tropas invasoras de Napoleão que haviam ocupado a Espanha. No século XX, essa técnica de guerra foi utilizada com sucesso por vários grupos. Na China de Mao tsé-Tung contra as tropas direitistas do Kuomintang de Chiang Kai-shek. Por Tito, durante a Segunda Guerra, na Iugoslávia, contra as tropas nazistas. Em Cuba, por Fidel e Guevara, na luta contra a ditadura de Fulgêncio Batista. Também esteve presente no processo de descolonização, ocorrido pós Segunda Guerra, em quase todos os países que se libertaram.
  • 69. GUERRILHA A guerrilha parte do princípio que os bandos guerrilheiros quando bem coordenados e contando com apoio das populações locais são capazes de imobilizar ou mesmo derrotar tropas regulares e melhor equipadas. A partir da segunda metade do século XX, em muitos países latino-americanos, foram formados grupos de guerrilha com o intento de combater as ditaduras costumasses na região. Apenas em dois países -Cuba e Nicarágua - os guerrilheiros conseguiram chegar ao poder.
  • 70.  
  • 71. Ditaduras Militares na América Latina
  • 72. As décadas de 1960 e 1970, na América Latina, foram marcadas pelo crescente confronto entre setores nacionalistas e progressistas, por um lado, e, por outro, forças conservadores e vinculadas aos interesses político-militares norte-americanos. A vitória nesse embate quase sempre ficou para os setores conservadores. Além de Cuba, as raras exceções, e mesmo assim não duradouras, foram a do Chile durante o governo socialista do presidente Allende e a experiência popular do governo sandinista na Nicarágua após a derrota de Somoza. Em vários países, em particular no Cone Sul, a derrota dos projetos reformistas-nacionalistas gerou a instalação de uma série de brutais ditaduras militares. Os golpistas foram sempre apoiados pelo Departamento de Estado norte-americano, fiel à política de contenção de insurreições por qualquer meio. Os manuais do Pentágono para treinamento de militares latino-americanos aconselhavam como método eficaz para conseguir informações de insurgentes a utilização de tortura, execuções e extorsão. Eles, como bons alunos, aplicaram e aprimoraram as lições recebidas. Além do Brasil (1964-1985), regimes ditatoriais foram implantadas na Argentina (1966-1972 e 1976-1983), Chile (1973-1989) e Uruguai (1976-1984).
  • 73.  
  • 74.  
  • 75. A culpa é do Fidel a Revolução Cubana fez desencadear o mais violento ciclo de ditaduras militares da história contemporânea da América Latina, com a conseqüente formação dos regimes de Estado de Segurança Nacional inaugurados pelo golpe militar de 31 de março de 1964 no Brasil, e que, depois, foi imitado em quase todos os países da América do Sul. Desta maneira, o projeto kennedyano que visava estabelecer um Estado Reformista e Democrático na América Latina, redundou em pouco tempo na institucionalização de um Estado Policial Autoritário.
  • 76. A Revolução Armada A idéia de revolução armada conquistou corações e mentes, influenciados pelo movimento cultural da época e pelas revoluções que pipocavam no mundo. A vitória da Revolução Cubana (1959), a independência da Argélia (1962) e a resistência que os guerrilheiros vietcongs (comunistas ligados ao Vietnã do Norte) faziam ao poderoso Exército dos Estados Unidos serviram de exemplo para todos que estavam dispostos a mudar radicalmente a sociedade. O êxito militar desses movimentos animava os espíritos de multidões de jovens pelo mundo todo. Nas residências estudantis, jovens pregavam nas paredes dos seus quartos retratos de Che Guevarra e de Ho chi minh (heróis de Cuba e do Vietnã) e sonhavam com uma ação organizada das pessoas como sendo capaz de mudar a história. Nas manifestações, gritavam de maneira desafiadora o slogan dos revolucionários de todo o mundo: “Criar um, dois, três, mil Vietnãs”.
  • 77.  
  • 78.  
  • 79. A Doutrina de Segurança Nacional Na década de 1950, numa conjuntura internacional marcada pela Guerra Fria, surgiu na América Latina a Doutrina de Segurança Nacional. No Brasil, os seus principais teóricos eram oriundos da Escola Superior de Guerra (ESG) -fundada em 1949, no Rio de Janeiro, e inspirada no National War College estadunidense. Nela se defendia o alinhamento do Brasil ao Bloco Ocidental, liderado pelos Estados Unidos, contra a União Soviética, pátria do comunismo ateu. O fato de as superpotências serem capazes de produzir poderosos artefatos nucleares modificou o papel a ser desempenhado pelos militares latino-americanos. Para defender o continente de um ataque atômico, havia a presença do poderoso aliado capitalista. Porém, a União Soviética poderia promover uma agressão indireta ao Brasil e aos seus vizinhos. Por isso, cabia aos militares nativos combater a subversão interna, que era apoiada e dirigida pelo comunismo mundial.
  • 80. A Doutrina de Segurança Nacional A Doutrina de Segurança Nacional, formulada pela ESG, estava assentada em três pilares: segurança interna (o combate ao inimigo oculto, a solerte infiltração comunista); o Brasil como potência mundial (a defesa de que o Brasil tinha que ocupar um lugar de maior destaque no contexto internacional) e o projeto de promoção de um acelerado crescimento econômico (crença de que não é possível existir segurança sem um alto grau de desenvolvimento econômico). A Doutrina de Segurança Nacional, com algumas variações, serviu de justificativa para várias intervenções dos militares nas lutas políticas da América Latina.
  • 81.  
  • 82. A Escola das Américas Foi um dos principais símbolos da aliança entre Washington e os governos ditatoriais da América Latina durante a Guerra Fria. A escola foi aberta em 1946 pelos Estados Unidos no Panamá, sua função inicial era treinar a divisão militar do Caribe. Em 1948, com a criação da Organização dos Estados Americanos (OEA), ela foi aberta para os militares de outros países do hemisfério. Freqüentaram seus cursos ditadores e torturadores latino-americanos como Manuel Noriega, do Panamá, Raoul Cedras, do Haiti, e Vladimiro Montesinos, braço direito do presidente peruano Fujimori. A instituição, que treinou notórios violadores dos direitos humanos, ficou conhecida como “Escola de Assassinos”. Cerca de 60 mil militares latino-americanos lá estudaram técnicas para uma eficiente repressão política. No currículo constavam cursos ensinando práticas de tortura e várias outras violações das liberdades civis.
  • 83. A Escola das Américas (SOA), em 2001, rebatizada de Instituto Western do Hemisfério para a Cooperação da Segurança.
  • 84. Na América do Sul, durante as décadas de 1970 e 1980, funcionou a Operação Condor – uma coordenação dos serviços de informação e de repressão das ditaduras militares sul-americanas.
  • 85. Operação Condor Na América do Sul, durante as décadas de 1970 e 1980, funcionou a Operação Condor – uma coordenação dos serviços de informação e de repressão das ditaduras militares sul-americanas. - Brasil, Argentina, Chile, Bolívia, Paraguai e Uruguai
  • 86.