SlideShare uma empresa Scribd logo
GRANDES ACHADOS ARQUEOLÓGICOS – Parte II
Colméias de 3 mil anos são descobertas em Israel
Escavações arqueológicas no norte de Israel
revelaram evidências de apicultura praticada há 3 mil
anos, incluindo restos de antigos favos de mel, cera
de abelhas e o que os pesquisadores envolvidos
acreditam ser as mais antigas colméias intactas já
descobertas.
O achado, nas ruínas da cidade de Rehov, inclui 30
colméias intactas datando de cerca de 8900 a.C.,
disse o arqueólogo Amihai Mazar, da Universidade
Hebraica de Jerusalém. Ele diz que esta é uma
evidência sem precedentes da existência da apicultura
avançada na Terra Santa em tempos bíblicos.
A apicultura era amplamente praticada na Antiguidade, onde o mel tinha aplicações religiosas e
medicinais, além de como alimento, e a cera era usada na fabricação de moldes e como superfície de
escrita.
As colméias, de palha e barro cru, têm um orifício em uma extremidade, para permitir a entrada e
saída de abelhas, e uma tampa, que dava aos apicultores acesso aos favos.
A Bíblia se refere repetidamente ao território onde hoje está Israel como "terra do leite e do mel", mas
acreditava-se que o mel seria um doce feito de tâmaras e figos - não há menção a mel de abelha. Mas a
descoberta mostra uma indústria bem desenvolvida de apicultura na área há 3 mil anos.
"Dá para dizer que esta era uma indústria organizada, parte de uma economia organizada, numa cidade
ultra-organizada", disse Mazar.
(O Estado de São Paulo, Setembro/2007)
Pesquisadora identifica carimbo de Jezabel
Na Bíblia, ela ganhou fama de manipuladora, inescrupulosa e até devassa. A rainha Jezabel é uma das
piores vilãs do Antigo Testamento, sem dúvida. Mas pelo menos tinha um bocado de estilo, a julgar
pelo sinete (uma espécie de carimbo pessoal) que uma pesquisadora holandesa acaba de identificar
como pertencente a ela - um dos raros [sic] casos em que um personagem bíblico deixa traços diretos
de sua existência.
P á g i n a | 2
A análise que confirmou a associação de Jezabel com o
sinete, que é feito de opala e está repleto de desenhos e
inscrições, foi feita por Marjo Korpel, especialista da
Universidade de Utrecht. Com o trabalho de Korpel, que
será publicado numa revista científica especializada em
estudos lingüísticos, parece chegar ao fim um mistério de
quatro décadas. Isso porque já se suspeitava que o artefato,
obtido nos anos 1960 por um arqueólogo israelense no
mercado de antigüidades, tivesse pertencido a Jezabel. Mas
havia um problema bizarro: o suposto nome da rainha,
gravado na opala, estava escrito errado - o que levou muita
gente a achar que se tratasse de uma outra pessoa, embora
de nome parecido.
Com paciência de detetive, Korpel analisou o sinete e o comparou com outros objetos do mesmo tipo e
da mesma época, ou seja, produzidos por volta do ano 850 a.C., quando viveram Jezabel e seu marido
Acabe, rei de Israel. Pela distribuição das letras e pela presença de uma pequena área quebrada no
objeto, a pesquisadora holandesa estimou que originalmente havia mais duas letras hebraicas no sinete
- o suficiente para "corrigir" o nome de Jezabel.
Além disso, o objeto era muito maior que os outros da mesma época e repleto de símbolos associados
à realeza e ao sexo feminino, como uma esfinge com coroa de rainha, serpentes e falcões. Para
Morjen, tudo isso torna altíssima a probabilidade de que o sinete realmente tenha pertencido a Jezabel.
Jezabel (de origem fenícia, segundo a Bíblia) e seu marido Acabe reinaram numa época em que o
antigo reino israelita estava dividido em duas partes rivais: Judá, no sul, cuja capital era Jerusalém e
cujo povo deu origem aos atuais judeus; e Israel, no norte, onde o casal governava e cuja capital era
Samaria.
No Primeiro Livro dos Reis, na Bíblia, Jezabel é retratada como uma mulher corrupta, que faz os
habitantes de Israel adorarem deuses pagãos e ainda induz seu marido Acabe a tomar injustamente as
terras de seus súditos. Juízos de valor à parte, o sinete parece mostrar que a rainha de fato era muito
influente: ele era usado para ratificar documentos, o que significa que ela podia "despachar" por conta
própria em seu palácio.
(G1 Notícias, Outubro/2007)
Arqueólogos encontram palácio da rainha de Sabá
Arqueólogos alemães encontraram os restos do palácio da lendária rainha de Sabá na localidade de
Axum, na Etiópia, e revelaram assim um dos maiores mistérios da Antigüidade, segundo anunciou a
P á g i n a | 3
Universidade de Hamburgo. "Um grupo de
cientistas sob direção do professor Helmut
Ziegert encontrou durante uma pesquisa de
campo realizada nesta primavera européia o
palácio da rainha de Sabá, datado do século
X antes de nossa era, em Axum-Dungur",
destaca o comunicado da universidade.
A nota diz que "nesse palácio pode ter ficado
durante um tempo a Arca da Aliança", onde,
segundo fontes históricas e religiosas, foram
guardadas as tábuas com os Dez
Mandamentos, que Moisés recebeu de Deus
no Monte Sinai. Os restos da casa da rainha
de Sabá foram achados sob o palácio de um
rei cristão.
"As investigações revelaram que o primeiro
palácio da rainha de Sabá foi transferido
pouco após sua construção, e levantado de novo orientado para a estrela Sirius", dizem os cientistas.
Os arqueólogos acreditam que Menelik I, rei da Etiópia e filho da rainha de Sabá e do rei Salomão, foi
quem mandou construir o palácio em seu lugar definitivo.
Os arqueólogos alemães disseram que havia um altar no palácio, onde provavelmente ficou a Arca da
Aliança, que, segundo a tradição, era um cofre de madeira de acácia recoberto de ouro.
Palácio foi encontrado em Axum, na Etiópia (Foto: Universidade de Hamburgo/Divulgação)
P á g i n a | 4
Estrutura está orientada em direção à estrela Sirius
Pesquisadores propõem que lugar poderia ter abrigado a Arca da Aliança
(Foto: Universidade de Hamburgo/Divulgação)
P á g i n a | 5
As várias oferendas que os cientistas alemães encontraram no lugar onde provavelmente ficava o altar
foram interpretadas pelos pesquisadores como um claro sinal de que a relevância especial do lugar foi
transmitida ao longo dos séculos.
A equipe do professor Ziegert estuda desde 1999, em Axum, a história do início do reino da Etiópia e
da Igreja Ortodoxa Etíope.
"Os resultados atuais indicam que, com a Arca da Aliança e o judaísmo, chegou à Etiópia o culto a
Sothis, que foi mantido até o século VI de nossa era", afirmam os arqueólogos.
O culto, relacionado à deusa egípcia Sopdet e à estrela Sirius, trazia a mensagem de que "todos os
edifícios de culto fossem orientados para o nascimento da constelação", explica a nota.
O comunicado também diz que "os restos achados de sacrifícios de vacas também são uma
característica" do culto a Sirius praticado pelos descendentes da rainha de Sabá.
(G1 Notícias, Maio/2008)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

HISTÓRIA DA CIÊNCIA - PARTE 1
HISTÓRIA DA CIÊNCIA - PARTE 1HISTÓRIA DA CIÊNCIA - PARTE 1
HISTÓRIA DA CIÊNCIA - PARTE 1
CARLOS A HARMITT
 
Egito
EgitoEgito
A arte no egito
A arte no egitoA arte no egito
A arte no egito
Artedoiscmb Cmb
 
Arte egipcía
Arte egipcíaArte egipcía
Arte egipcía
rolim mendes
 
Arquitetura Egito Antigo
Arquitetura Egito AntigoArquitetura Egito Antigo
Arquitetura Egito Antigo
Isis Magalhães
 
A Arte Egípcia
A Arte EgípciaA Arte Egípcia
As PirâMides Do Egito
As PirâMides Do EgitoAs PirâMides Do Egito
As PirâMides Do Egito
José Roberto Cordeiro
 
A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.
A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.
A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.
Mike Piece
 
Arte Arte egípcia: não conhecia o preconceito. Parte 4
Arte Arte egípcia: não conhecia o preconceito. Parte 4Arte Arte egípcia: não conhecia o preconceito. Parte 4
Arte Arte egípcia: não conhecia o preconceito. Parte 4
Professor Gilson Nunes
 
A Arte Egípcia
A Arte EgípciaA Arte Egípcia
A Arte Egípcia
jorgefmsilva
 
26 187-1-pb
26 187-1-pb26 187-1-pb
26 187-1-pb
marcosgmaciel1
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
Patrícia Morais
 
Arquitetura egípcia
Arquitetura egípciaArquitetura egípcia
Arquitetura egípcia
Cris Chaves
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
Andresavaz
 
A lenda de osíris
A lenda de osírisA lenda de osíris
A lenda de osíris
Lirih Valéria
 
Arte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com Tut
Arte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com TutArte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com Tut
Arte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com Tut
Antonio Ribeiro
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
Maria Gomes
 
Arqueologia biblica
Arqueologia biblicaArqueologia biblica
Arqueologia biblica
INOVAR CLUB
 
Arte Egípcia
Arte Egípcia Arte Egípcia
Arte Egípcia
Andrea Dressler
 
Arquitetura da antiguidade
Arquitetura da antiguidade Arquitetura da antiguidade
Arquitetura da antiguidade
Iala Almeida
 

Mais procurados (20)

HISTÓRIA DA CIÊNCIA - PARTE 1
HISTÓRIA DA CIÊNCIA - PARTE 1HISTÓRIA DA CIÊNCIA - PARTE 1
HISTÓRIA DA CIÊNCIA - PARTE 1
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
A arte no egito
A arte no egitoA arte no egito
A arte no egito
 
Arte egipcía
Arte egipcíaArte egipcía
Arte egipcía
 
Arquitetura Egito Antigo
Arquitetura Egito AntigoArquitetura Egito Antigo
Arquitetura Egito Antigo
 
A Arte Egípcia
A Arte EgípciaA Arte Egípcia
A Arte Egípcia
 
As PirâMides Do Egito
As PirâMides Do EgitoAs PirâMides Do Egito
As PirâMides Do Egito
 
A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.
A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.
A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.
 
Arte Arte egípcia: não conhecia o preconceito. Parte 4
Arte Arte egípcia: não conhecia o preconceito. Parte 4Arte Arte egípcia: não conhecia o preconceito. Parte 4
Arte Arte egípcia: não conhecia o preconceito. Parte 4
 
A Arte Egípcia
A Arte EgípciaA Arte Egípcia
A Arte Egípcia
 
26 187-1-pb
26 187-1-pb26 187-1-pb
26 187-1-pb
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
 
Arquitetura egípcia
Arquitetura egípciaArquitetura egípcia
Arquitetura egípcia
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
 
A lenda de osíris
A lenda de osírisA lenda de osíris
A lenda de osíris
 
Arte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com Tut
Arte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com TutArte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com Tut
Arte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com Tut
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
 
Arqueologia biblica
Arqueologia biblicaArqueologia biblica
Arqueologia biblica
 
Arte Egípcia
Arte Egípcia Arte Egípcia
Arte Egípcia
 
Arquitetura da antiguidade
Arquitetura da antiguidade Arquitetura da antiguidade
Arquitetura da antiguidade
 

Semelhante a Grandes achados arqueologicos_-_parte_ii

ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
DaddizinhaRodrigues
 
Arqueologia
ArqueologiaArqueologia
Arqueologia
LÊNIO GRAVAÇÕES
 
Bíblia_201111_195430.pptx
Bíblia_201111_195430.pptxBíblia_201111_195430.pptx
Bíblia_201111_195430.pptx
JosimarFarias3
 
Suméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru o que realmente é
Suméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru   o que realmente éSuméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru   o que realmente é
Suméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru o que realmente é
REPRESENTANTE COMERCIAL NA AREA DE IMOBILIARIA
 
12 os manuscritos do mar morto
12   os manuscritos do mar morto12   os manuscritos do mar morto
12 os manuscritos do mar morto
Luiz Gonzaga Scalzitti
 
ARQUEOLOGIA AULA 1.ppt
ARQUEOLOGIA AULA 1.pptARQUEOLOGIA AULA 1.ppt
ARQUEOLOGIA AULA 1.ppt
LuizAdell1
 
Museu egipcio
Museu egipcioMuseu egipcio
Museu egipcio
Joãozinho Wolff
 
Nos manuscritos do mar morto
Nos manuscritos do mar mortoNos manuscritos do mar morto
Nos manuscritos do mar morto
Francisco Kaupa
 
Manuscritos do mar morto
Manuscritos do mar mortoManuscritos do mar morto
Manuscritos do mar morto
Instituto Teológico Gamaliel
 
Arqueologia da bíblia
Arqueologia da bíbliaArqueologia da bíblia
Arqueologia da bíblia
LÊNIO GRAVAÇÕES
 
Conhecendo a biblia lição 8 - 18-06-17
Conhecendo a biblia   lição 8 - 18-06-17Conhecendo a biblia   lição 8 - 18-06-17
Conhecendo a biblia lição 8 - 18-06-17
PIB Penha
 
Arqueologia bíblica
Arqueologia bíblicaArqueologia bíblica
Arqueologia bíblica
gluglucan90
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
Profadriano01
 
A EpopéIa De Gilgamesh (Rev) Anonimo
A EpopéIa De Gilgamesh (Rev)   AnonimoA EpopéIa De Gilgamesh (Rev)   Anonimo
A EpopéIa De Gilgamesh (Rev) Anonimo
Willian Papp
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
Profadriano01
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
Profadriano01
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
Profadriano01
 
Os Manuscritos do Mar Morto
Os Manuscritos do Mar MortoOs Manuscritos do Mar Morto
Os Manuscritos do Mar Morto
Amor pela EBD
 
Mesopotâmia cópia
Mesopotâmia   cópiaMesopotâmia   cópia
Mesopotâmia cópia
Silvana Schuler Pineda
 
Institutogamaliel.com o irmão de jesus
Institutogamaliel.com o irmão de jesusInstitutogamaliel.com o irmão de jesus
Institutogamaliel.com o irmão de jesus
Instituto Teológico Gamaliel
 

Semelhante a Grandes achados arqueologicos_-_parte_ii (20)

ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 
Arqueologia
ArqueologiaArqueologia
Arqueologia
 
Bíblia_201111_195430.pptx
Bíblia_201111_195430.pptxBíblia_201111_195430.pptx
Bíblia_201111_195430.pptx
 
Suméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru o que realmente é
Suméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru   o que realmente éSuméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru   o que realmente é
Suméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru o que realmente é
 
12 os manuscritos do mar morto
12   os manuscritos do mar morto12   os manuscritos do mar morto
12 os manuscritos do mar morto
 
ARQUEOLOGIA AULA 1.ppt
ARQUEOLOGIA AULA 1.pptARQUEOLOGIA AULA 1.ppt
ARQUEOLOGIA AULA 1.ppt
 
Museu egipcio
Museu egipcioMuseu egipcio
Museu egipcio
 
Nos manuscritos do mar morto
Nos manuscritos do mar mortoNos manuscritos do mar morto
Nos manuscritos do mar morto
 
Manuscritos do mar morto
Manuscritos do mar mortoManuscritos do mar morto
Manuscritos do mar morto
 
Arqueologia da bíblia
Arqueologia da bíbliaArqueologia da bíblia
Arqueologia da bíblia
 
Conhecendo a biblia lição 8 - 18-06-17
Conhecendo a biblia   lição 8 - 18-06-17Conhecendo a biblia   lição 8 - 18-06-17
Conhecendo a biblia lição 8 - 18-06-17
 
Arqueologia bíblica
Arqueologia bíblicaArqueologia bíblica
Arqueologia bíblica
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
 
A EpopéIa De Gilgamesh (Rev) Anonimo
A EpopéIa De Gilgamesh (Rev)   AnonimoA EpopéIa De Gilgamesh (Rev)   Anonimo
A EpopéIa De Gilgamesh (Rev) Anonimo
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
 
Os Manuscritos do Mar Morto
Os Manuscritos do Mar MortoOs Manuscritos do Mar Morto
Os Manuscritos do Mar Morto
 
Mesopotâmia cópia
Mesopotâmia   cópiaMesopotâmia   cópia
Mesopotâmia cópia
 
Institutogamaliel.com o irmão de jesus
Institutogamaliel.com o irmão de jesusInstitutogamaliel.com o irmão de jesus
Institutogamaliel.com o irmão de jesus
 

Mais de Carlos Alberto Monteiro da Silva

Diversidade de scolitynae ENTOMORIO
Diversidade de scolitynae   ENTOMORIODiversidade de scolitynae   ENTOMORIO
Diversidade de scolitynae ENTOMORIO
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Resumo ENTOMORIO
Resumo ENTOMORIOResumo ENTOMORIO
Ecologia da paisagem sob o ponto de vista de restauração ambiental
Ecologia da paisagem sob o ponto de vista de restauração ambientalEcologia da paisagem sob o ponto de vista de restauração ambiental
Ecologia da paisagem sob o ponto de vista de restauração ambiental
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Parametros fitossociológicos
Parametros fitossociológicosParametros fitossociológicos
Parametros fitossociológicos
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Grandes achados arqueologicos_-_parte_i
Grandes achados arqueologicos_-_parte_iGrandes achados arqueologicos_-_parte_i
Grandes achados arqueologicos_-_parte_i
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Caio fábio nephilim
Caio fábio   nephilimCaio fábio   nephilim
Caio fábio nephilim
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Caio fábio confissões do pastor
Caio fábio   confissões do pastorCaio fábio   confissões do pastor
Caio fábio confissões do pastor
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Objetivos ciencia
Objetivos cienciaObjetivos ciencia
Teoria e pratica em recuperao de áreas degradadas
Teoria e pratica em recuperao de áreas degradadasTeoria e pratica em recuperao de áreas degradadas
Teoria e pratica em recuperao de áreas degradadas
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Teologia brasileira
Teologia brasileiraTeologia brasileira
Historia concisa da_filosofia
Historia concisa da_filosofiaHistoria concisa da_filosofia
Historia concisa da_filosofia
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Louis Berkhof teologia-sistematica
Louis Berkhof teologia-sistematicaLouis Berkhof teologia-sistematica
Louis Berkhof teologia-sistematica
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Formalismo e interpretacao
Formalismo e interpretacaoFormalismo e interpretacao
Formalismo e interpretacao
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Ciencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundoCiencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundo
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Reflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgar
Reflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgarReflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgar
Reflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgar
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Atitude critica
Atitude criticaAtitude critica
Imparcialidade e ética
Imparcialidade e éticaImparcialidade e ética
Imparcialidade e ética
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
O que é e o que não é ciência,
O que é e o que não é ciência,O que é e o que não é ciência,
O que é e o que não é ciência,
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundoDilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
A ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologiaA ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologia
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 

Mais de Carlos Alberto Monteiro da Silva (20)

Diversidade de scolitynae ENTOMORIO
Diversidade de scolitynae   ENTOMORIODiversidade de scolitynae   ENTOMORIO
Diversidade de scolitynae ENTOMORIO
 
Resumo ENTOMORIO
Resumo ENTOMORIOResumo ENTOMORIO
Resumo ENTOMORIO
 
Ecologia da paisagem sob o ponto de vista de restauração ambiental
Ecologia da paisagem sob o ponto de vista de restauração ambientalEcologia da paisagem sob o ponto de vista de restauração ambiental
Ecologia da paisagem sob o ponto de vista de restauração ambiental
 
Parametros fitossociológicos
Parametros fitossociológicosParametros fitossociológicos
Parametros fitossociológicos
 
Grandes achados arqueologicos_-_parte_i
Grandes achados arqueologicos_-_parte_iGrandes achados arqueologicos_-_parte_i
Grandes achados arqueologicos_-_parte_i
 
Caio fábio nephilim
Caio fábio   nephilimCaio fábio   nephilim
Caio fábio nephilim
 
Caio fábio confissões do pastor
Caio fábio   confissões do pastorCaio fábio   confissões do pastor
Caio fábio confissões do pastor
 
Objetivos ciencia
Objetivos cienciaObjetivos ciencia
Objetivos ciencia
 
Teoria e pratica em recuperao de áreas degradadas
Teoria e pratica em recuperao de áreas degradadasTeoria e pratica em recuperao de áreas degradadas
Teoria e pratica em recuperao de áreas degradadas
 
Teologia brasileira
Teologia brasileiraTeologia brasileira
Teologia brasileira
 
Historia concisa da_filosofia
Historia concisa da_filosofiaHistoria concisa da_filosofia
Historia concisa da_filosofia
 
Louis Berkhof teologia-sistematica
Louis Berkhof teologia-sistematicaLouis Berkhof teologia-sistematica
Louis Berkhof teologia-sistematica
 
Formalismo e interpretacao
Formalismo e interpretacaoFormalismo e interpretacao
Formalismo e interpretacao
 
Ciencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundoCiencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundo
 
Reflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgar
Reflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgarReflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgar
Reflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgar
 
Atitude critica
Atitude criticaAtitude critica
Atitude critica
 
Imparcialidade e ética
Imparcialidade e éticaImparcialidade e ética
Imparcialidade e ética
 
O que é e o que não é ciência,
O que é e o que não é ciência,O que é e o que não é ciência,
O que é e o que não é ciência,
 
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundoDilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundo
 
A ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologiaA ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologia
 

Grandes achados arqueologicos_-_parte_ii

  • 1. GRANDES ACHADOS ARQUEOLÓGICOS – Parte II Colméias de 3 mil anos são descobertas em Israel Escavações arqueológicas no norte de Israel revelaram evidências de apicultura praticada há 3 mil anos, incluindo restos de antigos favos de mel, cera de abelhas e o que os pesquisadores envolvidos acreditam ser as mais antigas colméias intactas já descobertas. O achado, nas ruínas da cidade de Rehov, inclui 30 colméias intactas datando de cerca de 8900 a.C., disse o arqueólogo Amihai Mazar, da Universidade Hebraica de Jerusalém. Ele diz que esta é uma evidência sem precedentes da existência da apicultura avançada na Terra Santa em tempos bíblicos. A apicultura era amplamente praticada na Antiguidade, onde o mel tinha aplicações religiosas e medicinais, além de como alimento, e a cera era usada na fabricação de moldes e como superfície de escrita. As colméias, de palha e barro cru, têm um orifício em uma extremidade, para permitir a entrada e saída de abelhas, e uma tampa, que dava aos apicultores acesso aos favos. A Bíblia se refere repetidamente ao território onde hoje está Israel como "terra do leite e do mel", mas acreditava-se que o mel seria um doce feito de tâmaras e figos - não há menção a mel de abelha. Mas a descoberta mostra uma indústria bem desenvolvida de apicultura na área há 3 mil anos. "Dá para dizer que esta era uma indústria organizada, parte de uma economia organizada, numa cidade ultra-organizada", disse Mazar. (O Estado de São Paulo, Setembro/2007) Pesquisadora identifica carimbo de Jezabel Na Bíblia, ela ganhou fama de manipuladora, inescrupulosa e até devassa. A rainha Jezabel é uma das piores vilãs do Antigo Testamento, sem dúvida. Mas pelo menos tinha um bocado de estilo, a julgar pelo sinete (uma espécie de carimbo pessoal) que uma pesquisadora holandesa acaba de identificar como pertencente a ela - um dos raros [sic] casos em que um personagem bíblico deixa traços diretos de sua existência.
  • 2. P á g i n a | 2 A análise que confirmou a associação de Jezabel com o sinete, que é feito de opala e está repleto de desenhos e inscrições, foi feita por Marjo Korpel, especialista da Universidade de Utrecht. Com o trabalho de Korpel, que será publicado numa revista científica especializada em estudos lingüísticos, parece chegar ao fim um mistério de quatro décadas. Isso porque já se suspeitava que o artefato, obtido nos anos 1960 por um arqueólogo israelense no mercado de antigüidades, tivesse pertencido a Jezabel. Mas havia um problema bizarro: o suposto nome da rainha, gravado na opala, estava escrito errado - o que levou muita gente a achar que se tratasse de uma outra pessoa, embora de nome parecido. Com paciência de detetive, Korpel analisou o sinete e o comparou com outros objetos do mesmo tipo e da mesma época, ou seja, produzidos por volta do ano 850 a.C., quando viveram Jezabel e seu marido Acabe, rei de Israel. Pela distribuição das letras e pela presença de uma pequena área quebrada no objeto, a pesquisadora holandesa estimou que originalmente havia mais duas letras hebraicas no sinete - o suficiente para "corrigir" o nome de Jezabel. Além disso, o objeto era muito maior que os outros da mesma época e repleto de símbolos associados à realeza e ao sexo feminino, como uma esfinge com coroa de rainha, serpentes e falcões. Para Morjen, tudo isso torna altíssima a probabilidade de que o sinete realmente tenha pertencido a Jezabel. Jezabel (de origem fenícia, segundo a Bíblia) e seu marido Acabe reinaram numa época em que o antigo reino israelita estava dividido em duas partes rivais: Judá, no sul, cuja capital era Jerusalém e cujo povo deu origem aos atuais judeus; e Israel, no norte, onde o casal governava e cuja capital era Samaria. No Primeiro Livro dos Reis, na Bíblia, Jezabel é retratada como uma mulher corrupta, que faz os habitantes de Israel adorarem deuses pagãos e ainda induz seu marido Acabe a tomar injustamente as terras de seus súditos. Juízos de valor à parte, o sinete parece mostrar que a rainha de fato era muito influente: ele era usado para ratificar documentos, o que significa que ela podia "despachar" por conta própria em seu palácio. (G1 Notícias, Outubro/2007) Arqueólogos encontram palácio da rainha de Sabá Arqueólogos alemães encontraram os restos do palácio da lendária rainha de Sabá na localidade de Axum, na Etiópia, e revelaram assim um dos maiores mistérios da Antigüidade, segundo anunciou a
  • 3. P á g i n a | 3 Universidade de Hamburgo. "Um grupo de cientistas sob direção do professor Helmut Ziegert encontrou durante uma pesquisa de campo realizada nesta primavera européia o palácio da rainha de Sabá, datado do século X antes de nossa era, em Axum-Dungur", destaca o comunicado da universidade. A nota diz que "nesse palácio pode ter ficado durante um tempo a Arca da Aliança", onde, segundo fontes históricas e religiosas, foram guardadas as tábuas com os Dez Mandamentos, que Moisés recebeu de Deus no Monte Sinai. Os restos da casa da rainha de Sabá foram achados sob o palácio de um rei cristão. "As investigações revelaram que o primeiro palácio da rainha de Sabá foi transferido pouco após sua construção, e levantado de novo orientado para a estrela Sirius", dizem os cientistas. Os arqueólogos acreditam que Menelik I, rei da Etiópia e filho da rainha de Sabá e do rei Salomão, foi quem mandou construir o palácio em seu lugar definitivo. Os arqueólogos alemães disseram que havia um altar no palácio, onde provavelmente ficou a Arca da Aliança, que, segundo a tradição, era um cofre de madeira de acácia recoberto de ouro. Palácio foi encontrado em Axum, na Etiópia (Foto: Universidade de Hamburgo/Divulgação)
  • 4. P á g i n a | 4 Estrutura está orientada em direção à estrela Sirius Pesquisadores propõem que lugar poderia ter abrigado a Arca da Aliança (Foto: Universidade de Hamburgo/Divulgação)
  • 5. P á g i n a | 5 As várias oferendas que os cientistas alemães encontraram no lugar onde provavelmente ficava o altar foram interpretadas pelos pesquisadores como um claro sinal de que a relevância especial do lugar foi transmitida ao longo dos séculos. A equipe do professor Ziegert estuda desde 1999, em Axum, a história do início do reino da Etiópia e da Igreja Ortodoxa Etíope. "Os resultados atuais indicam que, com a Arca da Aliança e o judaísmo, chegou à Etiópia o culto a Sothis, que foi mantido até o século VI de nossa era", afirmam os arqueólogos. O culto, relacionado à deusa egípcia Sopdet e à estrela Sirius, trazia a mensagem de que "todos os edifícios de culto fossem orientados para o nascimento da constelação", explica a nota. O comunicado também diz que "os restos achados de sacrifícios de vacas também são uma característica" do culto a Sirius praticado pelos descendentes da rainha de Sabá. (G1 Notícias, Maio/2008)