SlideShare uma empresa Scribd logo
D
1.º CICLO
GRAMÁTICA
p rá t i c a
2
ÍNDICE
COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM 7
1.1. Linguagem verbal e linguagem não verbal 8
1.2. Língua falada e língua escrita 10
1.3. Registo formal e registo informal –
formas de tratamento 12
SONS E LETRAS 15
2.1. As vogais e as consoantes 16
2.2. O alfabeto 18
2.3. A relação som – letra 20
2.4. Os ditongos 22
2.5. Os dígrafos 24
2.6. Os grupos consonânticos 25
2.7. A sílaba e a constituição da sílaba 26
2.7.1. Classificação das palavras quanto
ao número de sílabas 29
2.7.2. Sílaba tónica e sílaba átona 30
2.7.3. Classificação das palavras quanto
à posição da sílaba tónica 31
REGRAS DE ESCRITA 33
3.1. O acento gráfico 34
3.1.1. Regras de acentuação gráfica –
Palavras agudas, graves e
esdrúxulas 35
3.2. O til, a cedilha e o hífen 38
3.3. Regras de translineação 40
3.4. Regras de ortografia 42
CLASSES DE PALAVRAS 47
4.1. Palavras variáveis e palavras invariáveis 48
4.2. O nome 49
4.2.1. Nomes próprios e nomes comuns 51
4.2.2. Nomes comuns coletivos 54
4.2.3. Variação em género: masculino
e feminino 55
4.2.4. Variação em número: singular
e plural 58
4.2.5. Variação em grau: diminutivo,
normal e aumentativo 63
4.3. O determinante 64
4.3.1. Determinantes artigos definidos
e indefinidos 64
4.3.2. Determinantes possessivos 65
4.3.3. Determinantes demonstrativos 67
4.3.4. Determinantes interrogativos 68
4.4. O quantificador numeral 69
4.5. O pronome 71
4.5.1. Pronomes pessoais 71
4.5.2. Pronomes possessivos 74
4.5.3. Pronomes demonstrativos 76
4.6. O adjetivo 78
4.6.1. Adjetivos qualificativos 78
4.6.2. Adjetivos numerais 79
4.6.3. Variação em género: masculino
e feminino 80
4.6.4. Variação em número: singular
e plural 81
4.6.5. Variação em grau: normal,
comparativo e superlativo 82
4.7. O verbo 84
4.7.1. As três conjugações:
1.ª (-ar), 2.ª (-er) e 3.ª (-ir) 85
4.7.2. Variação em pessoa e número:
1.ª, 2.ª e 3.ª pessoas, singular e
plural 87
1 6
3
2 4 5 7
2 6
3
1 4 5 7
3 6
2
1 4 5 7
4 6
3
2
1 5 7
I S B N 9 7 8 - 9 8 9 - 76 7- 3 5 7- 3
3
ÍNDICE
4.7.3. Variação em tempo 88
4.7.3.1. Presente do indicativo 88
4.7.3.2. Pretérito perfeito do indicativo 90
4.7.3.3. Pretérito imperfeito do indicativo 93
4.7.3.4. Futuro do indicativo 94
4.7.4. Variação em modo: indicativo
e imperativo 96
4.7.5. Verbos regulares e verbos irregulares 97
4.8. O advérbio 100
4.9. A preposição 102
4.10. A interjeição 104
A PALAVRA 105
5.1. Formação de palavras 106
5.1.1. Constituintes da palavra:
radicais e afixos 106
5.1.2. Palavras simples e palavras
complexas 107
5.1.3. Palavras derivadas 108
5.1.4. Família de palavras 110
5.1.5. Onomatopeias 112
5.2. Relações entre palavras 114
5.2.1. Sinónimos 114
5.2.2. Antónimos 115
A FRASE 117
6.1. Tipos de frase 118
6.2. Frase afirmativa / frase negativa 121
6.3. O grupo nominal e o grupo verbal 123
6.4. Funções sintáticas do grupo nominal
e do grupo verbal 125
6.4.1. O sujeito 125
6.4.2. O predicado 127
6.5. Expansão e redução de frases 130
O TEXTO ESCRITO 133
7.1. A construção do texto 134
7.1.1. Parágrafo 134
7.1.2. Sinais de pontuação 137
7.1.3. Sinais auxiliares da escrita 141
7.1.4. Coerência do texto 142
7.1.5. Coesão do texto 143
7.1.6. Discurso direto e discurso indireto 146
7.2. Tipos de texto 149
7.2.1. Texto expositivo (ou informativo) 149
7.2.2. Texto narrativo 151
7.2.3. Texto descritivo 154
7.2.4. Texto conversacional (ou dialogal) 157
7.2.5. Texto poético 159
7.2.6. Texto dramático 161
7.3. Géneros de textos 162
7.3.1. Banda desenhada 162
7.3.2. Notícia 164
7.3.3. Convite 166
7.3.4. Carta e correio eletrónico (e-mail) 167
AFINAL, PARA QUE SERVE TUDO ISTO? 169
APÊNDICE 173
7
6
3 4
2
1 5
5 6
3 4
2
1 7
6
3 4
2
1 5 7
18
1 3
2 4 5 7
6
SONS E LETRAS
a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z
a@ flb£ c@ d@ æe@ f@ g@ flh@ @i@ €j@ flk@ fll@ µ@ ø@ o£ €p@ q@ flr@ €ß flt@ @u@ ∆£ ∂£ x@ y@ flz@
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
A B C D E F Gfi H I Jfi K L M N O P Q R S T U V W X Yfi Z
Na escrita, os sons que produzimos quando falamos são
representados por letras. O conjunto de letras é o alfabeto.
O alfabeto português é formado por 26 letras.
2.2. O ALFABETO
Aplica
1 Legenda as imagens que se seguem.
• Exercício
As letras
p/t/d
19
SONS E LETRAS
2 Escreve as palavras das legendas por ordem alfabética.
3 Escreve os nomes dos rios por ordem alfabética.
Ave Cávado Mondego Tejo
Douro Lima Sado Zêzere
4 Lê o poema que se segue e sublinha todas as palavras que começam pela letra p.
4.1. Escreve por ordem alfabética as palavras que sublinhaste na 3.ª estrofe.
Poema em P
A Paula
pede a paz.
Os pardais
os peixes
os pandas
as plantas
as pedras
pedem a paz.
Os palhaços
os polícias
os pintores
os padeiros
os poetas
pedem a paz.
Os prédios
as praias
os pastos
as pontes
as piscinas
pedem a paz.
O planeta
pede a paz.
Políticos,
nãoponhamnapanela
a pomba da paz.
Luísa Ducla Soares,
Poemas da Mentira
e da Verdade,
Livros Horizonte, 2005
• Exercício
Ordem alfa-
bética
20
1 3
2 4 5 7
6
SONS E LETRAS
Observa
Lê as palavras em voz alta.
Descobre
1 Faz um círculo em volta das letras que representam o som [s].
2 Relê as palavras em voz alta, tendo em atenção a letra destacada.
a. Assinala com V (verdadeiro) ou F (falso) a afirmação.
A letra e representa sempre o mesmo som.
2.3. A RELAÇÃO SOM – LETRA
Vogais
Letra Som Exemplos
a
• aberto [a]
• fechado [á]
alto, chá
amanhecer, mesa
e
• aberto [È]
• fechado [e]
• [i]
• quase não
se diz [Y]
erva, pé
ler, medo
egoísta
regador, pente
o
• aberto [ó]
• fechado [o]
• [u]
pó, escola
bolo, avô
carro, cortina
Consoantes
Letra Som Exemplos
c
[k]
[s] – antes de e ou de i lê-se s
caracol, cabelo
cereja, cinema
g
[g]
[Z] – antes de e ou de i lê-se j
gato, lego
geleia, girafa
r
• forte [R]
• fraco [P] – entre vogais e no
final da sílaba
rato, enrolar
caro, dardo, cor
s
[s]
[z] – entre vogais
[S] – no final da palavra
sapato, penso
asa, mesa
cadeiras
x
[S]
[ks]
[s]
[z]
xaile, texto
reflexo
próximo
exemplo
Como já vimos, os sons da língua falada são representados na escrita pelas
26 letras do alfabeto. No entanto, a língua portuguesa tem mais de 26 sons,
por isso há letras que representam mais de um som.
Vamos ver as letras que representam mais de um som. Usamos no quadro o
mesmo tipo de símbolos que encontras no teu dicionário de inglês.
cedo sela mensal aproximar sorte
cæe@d@o£
€sæe€l@a@
€s@o£r€tæe@
• Exercício
s, ss ou c?
• Exercício
r ou rr?
21
SONS E LETRAS
Atenção, a letra h não representa nenhum som quando está
no início da palavra: herói, homem
Tal como a mesma letra pode representar sons diferentes, também o
mesmo som pode ser representado por letras diferentes. Ora observa:
Sino, começou, cedo, aproximar – todas as letras destacadas representam
o som [s].
Aplica
1 Liga as palavras em que as letras destacadas representam o mesmo som.
rápido • • mercado
peixe • • auxílio
atleta • • mar
joia • • honra
arte • • pontes
ensinar • • relógio
estante • • bebé
2 Escreve na coluna adequada as palavras do quadro.
azelha garra viga frágil trouxe esquecer próximo
consolo jiboia caranguejo gema zumbir gaivota vaidoso
exército sapo desejo pagar cigarra girassol executar
Som [g]
Som [s] Som [Z]
Som [z]
• Exercício
Como se
escreve?
• Vídeo
Pares de
vogais
30
1 3
2 4 5 7
6
SONS E LETRAS
Aplica
1 Sublinha a sílaba tónica das palavras que se seguem.
pincel laranja avó mochila régua secretária
pétala espelho hipopótamo cartolina sofá chuva
Observa
Lê o texto.
2.7.2. SÍLABA TÓNICA E SÍLABA ÁTONA
Descobre
1 Nas palavras longe e nuvem há uma sílaba que se pronuncia de forma mais prolongada.
Escreve essas sílabas.
a. Essas sílabas são pronunciadas com
mais força do que as restantes
menos força do que as restantes
Mas, dum momento para o outro, tudo ficou terrivelmente escuro. Aquele sol
radiante, triunfante, tinha desaparecido. […]
Então o caracol, que já não estava friorento nem tinha medo do vento, decidiu:
– Eu vou falar com a nuvem e pedir-lhe que deixe brilhar o sol.
E foi…
Da terra ao céu é looooonge… looooonge… mas sempre devagar e esforçada-
mente o caracol chegou ao alto duma pedra cinzenta alisada pelo vento e disse à
nuvem num lamento:
– Nuuuuuvem… nuuuuuvem… sombria… fria… fria… porque escondeste o
sol que faz falta às árvores, que faz falta aos bichos, que faz falta aos rios? […]
Maria Conceição Campos, A Guerra do Sol e da Nuvem, Editorial Diferença, 1999 (adaptado)
Quando dizemos uma palavra, há sempre uma sílaba que é pronunciada
com mais força ou intensidade. Chama-se sílaba tónica.
Ex.: ma•pa, te•le•vi•são, fu•te•bol, fo•to•gra•fi•a, fri•go•rí•fi•co
As restantes sílabas da palavra chamam-se sílabas átonas.
ma•pa, te•le•vi•são, fu•te•bol, fo•to•gra•fi•a, fri•go•rí•fi•co
• Vídeo
Sílaba
tónica
31
SONS E LETRAS
Observa
Lê em voz alta as palavras que se seguem.
nuvem árvore trenó
Descobre
1 Divide as palavras em sílabas e rodeia a sílaba tónica.
2 Completa as frases.
a. Na palavra trenó, a sílaba que se pronuncia com mais força é a .
b. Na palavra nuvem, a sílaba que se pronuncia com mais força é a .
c. Na palavra árvore, a sílaba que se pronuncia com mais força é a .
2.7.3. CLASSIFICAÇÃO DAS PALAVRAS QUANTO À POSIÇÃO DA SÍLABA TÓNICA
a‰n€tæe€pæe‰n@ú€l€t@i‰m@a@
As palavras podem classificar-se de acordo com a posição da sílaba tónica:
• Palavra aguda – a sílaba tónica é a última sílaba da palavra.
Exemplos: carrossel, estudar, mãe, herói, cor
• Palavra grave – a sílaba tónica é a penúltima sílaba da palavra.
Exemplos: gato, escola, olho, lua, chinelo
• Palavra esdrúxula – a sílaba tónica é a antepenúltima sílaba da palavra.
Exemplos: árvore, círculo, relâmpago, rápido, sílaba
Para memorizares, podes usar a palavra EGA:
E G A
Esdrúxula Grave Aguda
(antepenúltima sílaba) (penúltima sílaba) (última sílaba)
• Vídeo
Sílaba
tónica
32
1 3
2 4 5 7
6
SONS E LETRAS
Aplica
1 Sublinha a sílaba tónica de cada palavra.
casa chafariz almofada pincel casebre lâmpada
2 Faz um círculo em volta das sílabas átonas de cada palavra.
vaso mangueira sofá comer límpido mesa
3 Completa os quadros com as palavras que se seguem.
fácil sino campainha leão cronómetro açúcar órgão
raiz líquido gelado lençol anel óculos aquário
Esdrúxulas Graves Agudas
Sílaba tónica Classificação da palavra
antepenúltima penúltima última esdrúxula grave aguda
automóvel
pulgas
pardal ✗ ✗
chafariz
rápido
pai
esdrúxula
irmão
ninho
pássaro
dinossauro
4 Preenche o quadro, seguindo o exemplo.
• Exercício
Aguda,
grave ou
esdrúxula?
33
REGRAS DE ESCRITA
3
O acento grave e o acento agudo moravam na mesma linha
do caderno de capa azul da Carolina. Costumavam conversar
um com o outro sobre coisas que lhes vinham à cabeça, umas
mais importantes outras menos, mas todas elas relacionadas
com os sons que têm nas palavras.
– Eu sou mais importante porque sou mais usado – dizia o
acento agudo.
– Desculpa, mas mais importante sou eu, precisamente por
ser mais raro – respondia, com voz aguda, o acento grave.
Quem gostava muito de assistir a estas discussões sem
grande importância era o ponto de exclamação, que se metia
pelo meio sempre que não percebia alguma das afirmações ou
ficava aborrecido com o tom que elas tomavam.
Comportamento diferente tinha o ponto de interrogação,
com a sua mania de se meter no meio das conversas, mesmo
das mais graves e agudas, para fazer perguntas por tudo e por
nada. Coisas do género: “Que horas são?” ou “Será que está a
chover?” ou ainda “Que havemos nós de fazer para matar o
tempo enquanto a Carolina não começa a fazer os exercícios de
Português?” Quase nunca lhe respondiam.
Uma vez, o caderno da Carolina caiu ao chão num dia chu-
voso e triste e todos aqueles que entram nesta história só não
apanharam uma grande molha porque a vírgula foi a correr
chamar o acento circunflexo e ficaram todos muito abrigados
debaixo do seu chapéu.
José Jorge Letria, “Histórias de Pontos e Acentos”
in Histórias do Sono e do Sonho, Desabrochar, 1990
GREUR1C_03
150
1 3
2 4 5 6 7
O TEXTO ESCRITO
O texto expositivo organiza-se geralmente em três partes:
• introdução: apresentação do assunto de que se vai tratar;
• desenvolvimento: informações sobre o assunto;
• conclusão: parágrafo que termina o texto.
Aplica
1 Lê o texto que se segue.
1.1. Indica qual é a finalidade do texto.
2 Liga corretamente as informações das três colunas.
• Introdução • •
Apresentação do assunto de
que vai tratar o texto: Capoeira
•
Desenvolvimento
• •
Características da Capoeira
Conclusão
Informação que mostra a
importância da Capoeira
• • •
4.º parágrafo •
1.º parágrafo •
•
3.º parágrafo
2.º parágrafo •
A capoeira ou capoeiragem é uma expressão cultural brasi-
leira que mistura arte marcial, desporto, cultura popular e
música.
Desenvolvida no Brasil a partir de finais do século XVI por des-
cendentes de escravos africanos, é caracterizada por golpes e
movimentos ágeis e complexos, utilizando primariamente chu-
tos e rasteiras, além de cabeçadas, joelhadas, cotoveladas, acro-
bacias em solo ou aéreas.
Uma característica que distingue a capoeira da maioria das
outras artes marciais é a sua musicalidade. Praticantes desta arte
marcial brasileira aprendem não apenas a lutar e a jogar, mas
também a tocar os instrumentos típicos e a cantar. Um capoei-
rista que ignora a musicalidade é considerado incompleto.
Em novembro de 2014, a Roda de Capoeira recebeu o título de
Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO.
Adaptado de https://pt.wikipedia.org/wiki/Capoeira, consultado em 1-6-2018
151
O TEXTO ESCRITO
7.2.2. TEXTO NARRATIVO
Observa
Lê o texto que se segue.
Apareceu de madrugada e ninguém sabia de onde vinha. Era um cavalo tão preto,
tão preto que parecia azul, da cor das noites profundas.
Tinha corrido sem destino pelas planícies do Alentejo. Quando avistou a brancura
do nosso “monte”, parou. Veio depois bater com a pata à porta grande da cozinha.
Fui eu que o ouvi primeiro e pus-me em bicos de pés para lhe abrir a porta. Ele viu
que eu era pequeno, relinchou, aproximou de mim o focinho e lambeu-me a testa e os
cabelos. Tinha nos olhos muito pretos uma água de amizade. […]
Urbano Tavares Rodrigues, “O Cavalo da Noite”, in A Última Colina, D. Quixote, 2008
Descobre
1 Assinala com V (verdadeiro) ou F (falso) as seguintes
afirmações sobre o texto.
a. Este texto conta uma história.
b. Este texto descreve uma paisagem.
c. Este texto transcreve uma conversa.
d. Este texto explica conceitos.
2 Assinala com ✗ as opções corretas.
a. Os acontecimentos do texto passam-se:
na praia
na cidade
no campo
de madrugada
ao meio-dia
à noite
b. Participam nos acontecimentos do texto:
um cão
um homem
uma criança
um cavalo
• Vídeo
Estrutura
do texto
narrativo
152
1 3
2 4 5 6 7
O TEXTO ESCRITO
Comodescobriste,otextoquelestenarra(conta)factosouacontecimentos,
localizados no espaço e no tempo. É um texto narrativo.
No texto narrativo, um narrador narra (conta) acontecimentos reais ou
imaginários. Apresenta as seguintes características:
• personagens que realizam ações localizadas num determinado espaço e
tempo;
• um narrador que conta a história;
• verbos que indicam ações (ex.: correr, bater, fugir, aproximar, lamber…)
no pretérito perfeito do indicativo (ou presente).
A narrativa apresenta a seguinte estrutura:
• princípio: situação inicial (são apresentadas as personagens, o tempo e o
espaço onde se vai desenrolar a ação).
• meio: os acontecimentos vividos pelas personagens são narrados.
• fim: apresenta o desfecho dos acontecimentos.
Aplica
1 Lê o texto que se segue.
O Senhor Túlio foi ao Brasil de avião. Ele, que
nunca tinha saído lá da sua aldeia, aventurar-se a
uma viagem tamanha era de espantar. Mas o
Senhor Túlio tinha uma filha no Rio de Janeiro,
filha essa que lhe dera uma neta, neta essa que ia
a batizar, batizado esse a que o Senhor Túlio nem
por nada podia faltar.
Na grande cidade do Rio de Janeiro, tudo o
espantou: o tamanho dos prédios, a largueza das
avenidas, a extensão das praias, a bicheza de
gente.
– É tudo maior do que na minha terra – dizia
ele constantemente. – Até a lua daqui é mais
gorda do que a nossa.
A filha indignava-se:
– Ó pai, não ande sempre de boca aberta que parece mal e, por favor, não diga que
esta lua é maior do que a de lá da aldeia, porque a lua é só uma.
• Vídeo
Elementos
do texto
narrativo
153
O TEXTO ESCRITO
1.1. Completa as frases que se seguem.
2 Lê o início do conto tradicional português que se segue.
O Senhor Túlio engolia e calava-se, mas, à cautela, pôs-se a medir aos palmos, de
longe, a lua cheia sobre o Pão de Açúcar. “Um palmo bem medido” – memorizou ele.
Quando, com muita pena, teve de voltar para Portugal e regressou à aldeia, não se
esqueceu do que matutara. Numa noite de lua bem redonda, estendeu a palma da mão
para o céu e mediu:
– Um palmo e nem mais um niquito.
Ficou-se a pensar e concluiu:
– Ai que tu engordaste, magana, enquanto eu andei lá por fora!
António Torrado, “Duas Luas”, in 100 Histórias Bem-Dispostas, Edições Asa, 2005
No princípio do texto, é apresentada a situação inicial e a personagem principal:
o foi ao , para o batizado da .
No desenvolvimento do texto, são apresentados os acontecimentos no Brasil: o senhor
Túlio fica com a grandeza do Rio de Janeiro e pensa que até a é
maior do que a da sua aldeia, por isso -a, para poder comparar.
No fim do texto, o senhor Túlio descobre que a da sua aldeia tem o mesmo
tamanho, por isso acha que a lua enquanto ele esteve fora.
Era uma vez um rei que gostava muito de ir à caça. Um dia, perdeu-se da sua gente,
e encontrou-se num grande bosque onde vivia um carvoeiro. […]
Teófilo Braga, “O Carvoeiro”, in Contos Tradicionais do Povo Português, 2017
2.1. No teu caderno diário, continua a história, usando as informações que já tens e imaginando
o que irá acontecer:
• personagens: rei, carvoeiro…;
• situação inicial: o rei perde-se;
• desenvolvimento: imagina o que irá acontecer (exs.: o rei e o carvoeiro ficam amigos, o rei
passa uns dias na casa do carvoeiro, o carvoeiro vai viver com o rei para o castelo, os escu-
deiros procuram o rei e encontram-no, o carvoeiro ensina ao rei como se faz o carvão…);
• desfecho: imagina o final deste conto.
154
1 3
2 4 5 6 7
O TEXTO ESCRITO
Descobre
1 Assinala com V (Verdadeiro) ou F (Falso) as seguintes afirmações.
a. Este excerto conta uma história.
b. Este excerto descreve um espaço.
c. Este excerto transcreve uma conversa.
d. Este excerto explica conceitos.
2 Indica o tempo verbal que predomina no texto.
7.2.3. TEXTO DESCRITIVO
Observa
Lê o excerto que se segue.
Lá estava um grupo de carriças ou estrelinhas, com a sua crista em poupa, ao lado
de um bando de tentilhões, de larga capa azul, colete rosado e pintinhas brancas, afi-
nando uma frase musical toda viveza; ao lado do melro estridente, a trepadeira no seu
fato azul arruivado, enquanto mais abaixo num galho desfolhado, o pisco pipilava
muito humilde no seu peitilho de púrpura, e a coruja, soturna, piava do alto de um
eucalipto.
Alves Redol, História Mágica da Sementinha, Editorial Caminho, 2012
Como verificaste, o texto que leste descreve um espaço. É um texto descritivo.
O texto descritivo é usado para descrever (dizer como é) um ser, objeto,
espaço ou situação. Apresenta as seguintes características:
• utilizam-se muito verbos que indicam qualidades ou características de
seres e coisas (Ex.: ser, estar, parecer, ter…);
• usa-se o pretérito imperfeito do indicativo (ou o presente do indicativo);
• utilizam-se nomes e adjetivos para caracterizar espaços, objetos,
personagens ou situações.
Lembra-te de que, geralmente, as descrições aparecem integradas em
textos narrativos.
• Áudio
O que é
um texto
descritivo?
155
O TEXTO ESCRITO
1.1. Sublinha os adjetivos presentes em ambos os textos.
1.2. Rodeia os verbos de ambos os textos.
1.3. Completa as frases que se seguem.
Aplica
1 Lê os excertos que se seguem.
TEXTO B
Peguei no pão e pu-lo num cestinho. Depois abri o frigorífico para tirar a manteiga.
Mas devo ter inclinado o cestinho do pão um pouco de mais e o pão que era arredon-
dado rebolou para o chão.
Baixei-me para o apanhar e bati com a cabeça na esquina do frigorífico mas não
doeu quase nada. […]
Maria Alberta Menéres, “Antes de Adormecer”, in De Que São Feitos os Sonhos,
Luísa Ducla Soares (coord.), Areal Editores, 1985
No excerto A, faz-se uma de uma e
de um . Neste texto, há muitos / poucos adjetivos e os verbos
encontram-se no pretérito do indicativo. Trata-se de um texto
.
No excerto B, é feita a de acontecimentos. Neste texto,
há muitos / poucos adjetivos e a maior parte dos verbos encontra-se no pretérito
do indicativo. Trata-se de um texto .
TEXTO A
A tia Luciana, uma velhota de rosto tisnado e cheio
de rugas, de corpo magro e curvado com o peso dos
muitos anos que carregava consigo, tinha também um
bicho que muito estimava – um galo.
Sim, um galo. Um bicho esplêndido, em tudo igual
aos outros galos. Tinha um par de patas e outro de asas,
penas, bico e crista.
António Mota,”O Galo da Tia Luciana”, in De Que São Feitos os
Sonhos, Luísa Ducla Soares (coord.), Areal Editores, 1985
174
APÊNDICE
ALFABETO (PÁGINA 18)
Alfabeto a, b, c, d, e, f, g, h, i, j, k, l, m, n, o, p, q, r, s, t, u, v, w, x, y, z
Vogais a, e, i, o, u
Consoantes b, c, d, f, g, h, j, k, l, m, n, p, q, r, s, t, v, w, x, y, z
SONS E LETRAS (PÁGINA 20)
Vogais Consoantes
Letra Som Exemplos
a
aberto [a]
fechado [á]
pá, pata
patinha
e
aberto [È]
fechado [e]
[i]
quase não se diz [Y]
pé, hera
ver, cedo
exato
ponte
o
aberto [ó]
fechado [o]
[u]
pó, cola
lobo, avô
cortinado
Letra Som Exemplos
c
[k]
[s] – antes de e ou de i lê-se s
casaco
cegonha, cinto
g
[g]
[Z] – antes de e ou de i lê-se j
golo,
geleia, girafa
r
forte [R]
fraco [P] – entre vogais e no final da sílaba
riso, tenro
coro, fardo, amor
s
[s]
[z] – entre vogais
[S] – no final da palavra lê-se x
sapato
casa
casas
x
[S]
[ks]
[s]
[z]
xilofone, texto
reflexo
próximo
exemplo
DITONGOS (PÁGINA 22)
Ditongos Exemplos
Orais ai, au, ao, ei, eu, iu, oi, ou, ui pai, pau, ao, lei, meu, viu, boi, louro, fui
Nasais ão, ãe, õe cão, cães, leões
DÍGRAFOS (PÁGINA 24)
Dígrafos Exemplos
gu, qu (seguido de e ou i) guelra, guizo, aquecededor, quinta
rr, ss corrida, passadeira
ch, nh, lh concha, pinha, rolha
175
APÊNDICE
Classificação Exemplos
Número de sílabas
CONSTITUIÇÃO DA SÍLABA (PÁGINA 26)
Constituição da sílaba Exemplos
uma vogal a•marelo, sa•ú•de, ba•ú
um ditongo au•la, Eu•ropa, ou•ro, ui•var
vogal ou ditongo + consoante ir•mão, úl•timo, es•pelho, Aus•trália
consoante + vogal ou ditongo pá, li•vro, de•zoi•to, cara•pau
consoante + vogal ou ditongo + consoante res•taurante, co•lher, pin•céis, cães
consoante + consoante + vogal ou ditongo fri•tar, gru•ta, trei•no
consoante + consoante + vogal ou ditongo + consoante plás•tico, graus
Grupos consonânticos Exemplos
bl, cl, fl, gl, pl, tl blogue, cliente, flecha, globo, planta, atletismo
br, cr, dr, fr, gr, pr, tr, vr abraço, cravo, dragão, frio, grande, prego, atrás, livro
gn, mn, pn, ps, pt, tm gnomo, amnistia, pneu, psicólogo, apto, ritmo
GRUPOS CONSONÂNTICOS (PÁGINA 25)
CLASSIFICAÇÃO DAS PALAVRAS QUANTO AO NÚMERO DE SÍLABAS
(PÁGINA 29)
Monossílabo Palavra com uma só sílaba chá, sol, mar, mãe, três
Dissílabo Palavra com duas sílabas su•mo, sel•va, a•trás, cha•ve
Trissílabo Palavra com três sílabas cor•ti•na, ra•i•nha, es•quer•do
Polissílabo Palavra com quatro ou mais sílabas te•le•vi•são, hi•po•pó•ta•mo
176
APÊNDICE
SÍLABA TÓNICA E SÍLABA ÁTONA (PÁGINA 30)
Classificação Exemplos
Definição
Tónica Sílaba da palavra que se pronuncia com mais força. sofá, mesa, avental
Átona
Sílaba (ou sílabas) da palavra que se pronuncia com
menos força.
livro, lençol, computador, rápido
CLASSIFICAÇÃO DAS PALAVRAS QUANTO À POSIÇÃO DA SÍLABA
TÓNICA (PÁGINA 31)
Classificação Exemplos
Definição
Aguda A sílaba tónica é a última sílaba da palavra. lençol, nariz, pai, café
Grave A sílaba tónica é a penúltima sílaba da palavra. palha, caderno, camisola
Esdrúxula A sílaba tónica é a antepenúltima sílaba da palavra. sílaba, esdrúxula, gramática
TIL, CEDILHA, HÍFEN (PÁGINA 38)
Sinal Exemplos
Utilização
Til Assinala uma vogal ou um ditongo nasal. lã, órgão, limões
Cedilha
Coloca-se na letra c antes das vogais a, o, u,
para representar o som [s].
raça, caroço, açúcar
Hífen
Usa-se em palavras compostas,
na translineação,
na ligação de pronomes a verbos.
guarda-redes, sofá-cama
tele-/visão, cor-/rida
chamou-me, falar-lhe
ACENTOS GRÁFICOS (PÁGINA 34)
Classificação Exemplos
Utilização
Agudo (´)
Assinala as vogais ou os ditongos abertos
sílaba tónica acentuada graficamente.
avó, rápido, lápis, anéis
Circunflexo (^)
Assinala as vogais ou os ditongos fechados da
sílaba tónica acentuada graficamente.
lâmina, pêssego, avô, inglês
Grave (`)
Assinala a contração da preposição a com
outra palavra.
à, àquela, àquilo
177
APÊNDICE
Classificação Exemplos
Definição
Próprios
Usam-se para seres ou coisas individualizados,
como nomes de pessoas e de lugares.
Escrevem-se sempre com letra maiúscula.
Ronaldo, Ana, Portugal, Braga,
Mondego
Comuns Designam seres ou coisas de uma forma geral.
jogador, menina, país, cidade, rio, cão,
casa, amizade, alegria
Comuns
coletivos
Designam um conjunto de seres ou coisas com as
mesmas características.
baralho, resma, turma, multidão,
matilha, cardume
NOME: GÉNERO (PÁGINA 55)
Masculino
Geralmente terminam em -o e podem ser
antecedidos do artigo o(s), um/uns.
(o) gato, (o) livro, (o) mapa, (o) sol
Feminino
Geralmente terminam em -a e podem ser
antecedidos do artigo a(s), uma/umas.
(a) gata, (a) lapiseira, (a) ave, (a) lua
NOME: SUBCLASSES (PÁGINA 51)
NOMES COMUNS COLETIVOS (PÁGINA 54)
Nome coletivo Conjunto de
alcateia
arquipélago
atlas
banda
bando
cacho
cáfila
cambada
caravana
cardume
cordilheira
constelação
corja
coro
elenco
lobos
ilhas
mapas
música
aves, malfeitores…
bananas, uvas…
camelos
malandros
viajantes, peregrinos…
peixes
serras
estrelas
vadios, ladrões…
anjos, de cantores
atores
Nome coletivo Conjunto de
enxame
feixe
frota
junta
legião
magote
manada
matilha
molho
multidão
ninhada
pomar
rebanho
souto
vara
abelhas
lenha
navios mercantes, de autocarros
bois, médicos, examinadores…
soldados…
pessoas, coisas
animais de grande porte
cães
chaves, verduras
pessoas
pintainhos ou crias
árvores de fruto
ovelhas
castanheiros
porcos
GREUR1C_12
NOME: NÚMERO (PÁGINA 58)
Singular
Refere-se a um elemento apenas e pode ser antecedido
dos artigos o/a, um/uma.
(uma) folha, (o) cão,
(um) rebanho
Plural
Refere-se a mais de um elemento e pode ser antecedido
dos artigos os/as, uns/umas.
(as) aulas, (uns) meninos,
(os) rebanhos
192
APÊNDICE
TIPOS E GÉNEROS DE TEXTO (PÁGINA 149)
Texto Definição Características
Expositivo
(ou
informativo)
Informa,apresentandouma
síntesedeideias,conceitos
ouconhecimentos.
• uso do presente do indicativo;
• utilização dos verbos ser e ter;
• uso predominante de nomes.
Narrativo
Narra acontecimentos
reais ou imaginários
• personagens que realizam ações localizadas num determinado
espaço e tempo;
• um narrador que conta a história;
• verbosqueindicamações(exemplo:correr,bater,fugir,aproximar,
lamber…)nopretéritoperfeitodoindicativo(oupresente).
Descritivo
Descreve um ser, objeto,
espaço ou situação.
• predomínio de verbos que indicam qualidades ou
características de seres e coisas (ex.: ser, estar, parecer, ter…);
• uso do pretérito imperfeito do indicativo (ou o presente do
indicativo);
• utilização de nomes e adjetivos para caracterizar espaços,
objetos, personagens ou situações.
Conversacional
(ou dialogal)
Diálogo entre duas ou
mais pessoas que trocam
ideias, fazem perguntas e
dão respostas.
• utilização de travessão antes da fala de cada interveniente.
Poético
Texto com musicalidade
e ritmo que transmite
emoções e sentimentos.
• escrito em verso (cada verso é uma linha do poema);
• formado por estrofes (cada estrofe é um conjunto de versos);
• apresenta rima;
• possui musicalidade e ritmo.
Dramático
Texto que se destina a ser
representado em palco.
• diálogo entre as personagens;
• indicação das personagens no início do texto e antes de cada fala;
• presença de indicações dadas pelo autor sobre o cenário,
sobre as personagens ou sobre a forma de representar.
Banda
desenhada
Conta uma história numa
sequência de imagens
associadas ao texto
escrito.
• apresentação das imagens em tiras (linhas) de vinhetas
(quadradinhos);
• apresentação das falas e dos pensamentos das personagens
em balões;
• as intervenções do narrador aparecem em legendas.
Notícia
Texto curto que tem
como objetivo informar
os leitores.
• linguagem clara e objetiva;
• organizado em parágrafos que respondem às perguntas:
O Quê?, Quem?, Quando?, Onde?, Como? e Porquê?
Convite
Texto curto escrito para
convidar alguém a estar
presente num evento.
• linguagem clara e objetiva;
• deve conter os seguintes elementos: destinatário, motivo do
convite, local e data / hora do evento, identificação de quem
organiza ou promove o evento (ou assinatura).
Carta e
correio
eletrónico
(e-mail)
Textos que se escrevem a
um destinatário para dar
informações, fazer
pedidos, reclamar,
exprimir sentimentos, etc.
A carta é enviada por
correio, enquanto o e-mail
é enviado pela internet.
• local e data (apenas nas cartas);
• saudação inicial;
• assunto;
• despedida;
• assinatura.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Gramatica Pratica 1 Ciclo.pdf

Caderno_Ditados 1º - 2º.pdf
Caderno_Ditados 1º - 2º.pdfCaderno_Ditados 1º - 2º.pdf
Caderno_Ditados 1º - 2º.pdf
ExpliKando Centro de Explicações
 
01_Portugues.pdf
01_Portugues.pdf01_Portugues.pdf
01_Portugues.pdf
waltermoreira
 
1. fonologia acentuação e ortografia
1. fonologia acentuação e ortografia1. fonologia acentuação e ortografia
1. fonologia acentuação e ortografia
Ivana Mayrink
 
alfa34_fichas_reforco.pdf
alfa34_fichas_reforco.pdfalfa34_fichas_reforco.pdf
alfa34_fichas_reforco.pdf
MariaCarmen49
 
alfa34_fichas_reforco.pdf
alfa34_fichas_reforco.pdfalfa34_fichas_reforco.pdf
alfa34_fichas_reforco.pdf
MariaCarmen49
 
Oficina de ortografia 3 ano
Oficina de ortografia 3 anoOficina de ortografia 3 ano
Oficina de ortografia 3 ano
pedagogicosjdelrei
 
Ortografia Slides da Aula
Ortografia Slides da AulaOrtografia Slides da Aula
Ortografia Slides da Aula
ClaudiaDemolin
 
1 ciclo leitura_escrita
1 ciclo leitura_escrita1 ciclo leitura_escrita
1 ciclo leitura_escrita
Cristiana Lemos
 
ACENTUAÇÃO.pptx
ACENTUAÇÃO.pptxACENTUAÇÃO.pptx
ACENTUAÇÃO.pptx
JessicaFlorentino4
 
Oficina de ortografia 9 ano
Oficina de ortografia 9 anoOficina de ortografia 9 ano
Oficina de ortografia 9 ano
pedagogicosjdelrei
 
Apostila Câmara Ribeirão Bonito 2016
Apostila Câmara Ribeirão Bonito 2016Apostila Câmara Ribeirão Bonito 2016
Apostila Câmara Ribeirão Bonito 2016
Juliane Cristine
 
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verboswww.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - Verbos
ApoioAulas ParticularesCom
 
LP - ACENTUAÇÃO.pptx
LP - ACENTUAÇÃO.pptxLP - ACENTUAÇÃO.pptx
LP - ACENTUAÇÃO.pptx
BerlaPaiva
 
Fonologia
FonologiaFonologia
Acentuacao
AcentuacaoAcentuacao
Acentuacao
Flávio Ferreira
 
Apostila De Portugues Especifico Concurso
Apostila De Portugues Especifico ConcursoApostila De Portugues Especifico Concurso
Apostila De Portugues Especifico Concurso
mauricio souza
 
atividades de fonemas.docx
atividades de fonemas.docxatividades de fonemas.docx
atividades de fonemas.docx
LisianeAntunes3
 
vocalico consonantal digrafo.pptx
vocalico consonantal digrafo.pptxvocalico consonantal digrafo.pptx
vocalico consonantal digrafo.pptx
Dani Malta
 
Sons e letra 1
Sons e letra 1Sons e letra 1
Sons e letra 1
nixsonmachado
 
Fonologia
FonologiaFonologia

Semelhante a Gramatica Pratica 1 Ciclo.pdf (20)

Caderno_Ditados 1º - 2º.pdf
Caderno_Ditados 1º - 2º.pdfCaderno_Ditados 1º - 2º.pdf
Caderno_Ditados 1º - 2º.pdf
 
01_Portugues.pdf
01_Portugues.pdf01_Portugues.pdf
01_Portugues.pdf
 
1. fonologia acentuação e ortografia
1. fonologia acentuação e ortografia1. fonologia acentuação e ortografia
1. fonologia acentuação e ortografia
 
alfa34_fichas_reforco.pdf
alfa34_fichas_reforco.pdfalfa34_fichas_reforco.pdf
alfa34_fichas_reforco.pdf
 
alfa34_fichas_reforco.pdf
alfa34_fichas_reforco.pdfalfa34_fichas_reforco.pdf
alfa34_fichas_reforco.pdf
 
Oficina de ortografia 3 ano
Oficina de ortografia 3 anoOficina de ortografia 3 ano
Oficina de ortografia 3 ano
 
Ortografia Slides da Aula
Ortografia Slides da AulaOrtografia Slides da Aula
Ortografia Slides da Aula
 
1 ciclo leitura_escrita
1 ciclo leitura_escrita1 ciclo leitura_escrita
1 ciclo leitura_escrita
 
ACENTUAÇÃO.pptx
ACENTUAÇÃO.pptxACENTUAÇÃO.pptx
ACENTUAÇÃO.pptx
 
Oficina de ortografia 9 ano
Oficina de ortografia 9 anoOficina de ortografia 9 ano
Oficina de ortografia 9 ano
 
Apostila Câmara Ribeirão Bonito 2016
Apostila Câmara Ribeirão Bonito 2016Apostila Câmara Ribeirão Bonito 2016
Apostila Câmara Ribeirão Bonito 2016
 
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verboswww.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - Verbos
 
LP - ACENTUAÇÃO.pptx
LP - ACENTUAÇÃO.pptxLP - ACENTUAÇÃO.pptx
LP - ACENTUAÇÃO.pptx
 
Fonologia
FonologiaFonologia
Fonologia
 
Acentuacao
AcentuacaoAcentuacao
Acentuacao
 
Apostila De Portugues Especifico Concurso
Apostila De Portugues Especifico ConcursoApostila De Portugues Especifico Concurso
Apostila De Portugues Especifico Concurso
 
atividades de fonemas.docx
atividades de fonemas.docxatividades de fonemas.docx
atividades de fonemas.docx
 
vocalico consonantal digrafo.pptx
vocalico consonantal digrafo.pptxvocalico consonantal digrafo.pptx
vocalico consonantal digrafo.pptx
 
Sons e letra 1
Sons e letra 1Sons e letra 1
Sons e letra 1
 
Fonologia
FonologiaFonologia
Fonologia
 

Mais de AnaTeles31

Números de 10 até 99 (fichas de trabalho) (1).pptx
Números de 10 até 99 (fichas de trabalho) (1).pptxNúmeros de 10 até 99 (fichas de trabalho) (1).pptx
Números de 10 até 99 (fichas de trabalho) (1).pptx
AnaTeles31
 
Resumos Conteúdos das áreas curriculares 1 ano 1 trimestre
Resumos Conteúdos das áreas curriculares 1 ano 1 trimestreResumos Conteúdos das áreas curriculares 1 ano 1 trimestre
Resumos Conteúdos das áreas curriculares 1 ano 1 trimestre
AnaTeles31
 
Sistema organização de sala A minha vez
Sistema organização de sala  A minha vezSistema organização de sala  A minha vez
Sistema organização de sala A minha vez
AnaTeles31
 
Método de leitura v Victoria Trancoso
Método de leitura   v  Victoria TrancosoMétodo de leitura   v  Victoria Trancoso
Método de leitura v Victoria Trancoso
AnaTeles31
 
Busca do regresso às aulas.pptx
Busca do regresso às aulas.pptxBusca do regresso às aulas.pptx
Busca do regresso às aulas.pptx
AnaTeles31
 
tempos_verbais.pptx
tempos_verbais.pptxtempos_verbais.pptx
tempos_verbais.pptx
AnaTeles31
 
HISTORIAs de LETRAS.pdf
HISTORIAs de LETRAS.pdfHISTORIAs de LETRAS.pdf
HISTORIAs de LETRAS.pdf
AnaTeles31
 
PLAQUINHAS DA PORTA DE SALA DE AULA.pdf
PLAQUINHAS DA PORTA DE SALA DE AULA.pdfPLAQUINHAS DA PORTA DE SALA DE AULA.pdf
PLAQUINHAS DA PORTA DE SALA DE AULA.pdf
AnaTeles31
 
Stop palavras
Stop palavrasStop palavras
Stop palavras
AnaTeles31
 
Placa wc
Placa wcPlaca wc
Placa wc
AnaTeles31
 

Mais de AnaTeles31 (10)

Números de 10 até 99 (fichas de trabalho) (1).pptx
Números de 10 até 99 (fichas de trabalho) (1).pptxNúmeros de 10 até 99 (fichas de trabalho) (1).pptx
Números de 10 até 99 (fichas de trabalho) (1).pptx
 
Resumos Conteúdos das áreas curriculares 1 ano 1 trimestre
Resumos Conteúdos das áreas curriculares 1 ano 1 trimestreResumos Conteúdos das áreas curriculares 1 ano 1 trimestre
Resumos Conteúdos das áreas curriculares 1 ano 1 trimestre
 
Sistema organização de sala A minha vez
Sistema organização de sala  A minha vezSistema organização de sala  A minha vez
Sistema organização de sala A minha vez
 
Método de leitura v Victoria Trancoso
Método de leitura   v  Victoria TrancosoMétodo de leitura   v  Victoria Trancoso
Método de leitura v Victoria Trancoso
 
Busca do regresso às aulas.pptx
Busca do regresso às aulas.pptxBusca do regresso às aulas.pptx
Busca do regresso às aulas.pptx
 
tempos_verbais.pptx
tempos_verbais.pptxtempos_verbais.pptx
tempos_verbais.pptx
 
HISTORIAs de LETRAS.pdf
HISTORIAs de LETRAS.pdfHISTORIAs de LETRAS.pdf
HISTORIAs de LETRAS.pdf
 
PLAQUINHAS DA PORTA DE SALA DE AULA.pdf
PLAQUINHAS DA PORTA DE SALA DE AULA.pdfPLAQUINHAS DA PORTA DE SALA DE AULA.pdf
PLAQUINHAS DA PORTA DE SALA DE AULA.pdf
 
Stop palavras
Stop palavrasStop palavras
Stop palavras
 
Placa wc
Placa wcPlaca wc
Placa wc
 

Último

LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 

Último (20)

LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 

Gramatica Pratica 1 Ciclo.pdf

  • 2. 2 ÍNDICE COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM 7 1.1. Linguagem verbal e linguagem não verbal 8 1.2. Língua falada e língua escrita 10 1.3. Registo formal e registo informal – formas de tratamento 12 SONS E LETRAS 15 2.1. As vogais e as consoantes 16 2.2. O alfabeto 18 2.3. A relação som – letra 20 2.4. Os ditongos 22 2.5. Os dígrafos 24 2.6. Os grupos consonânticos 25 2.7. A sílaba e a constituição da sílaba 26 2.7.1. Classificação das palavras quanto ao número de sílabas 29 2.7.2. Sílaba tónica e sílaba átona 30 2.7.3. Classificação das palavras quanto à posição da sílaba tónica 31 REGRAS DE ESCRITA 33 3.1. O acento gráfico 34 3.1.1. Regras de acentuação gráfica – Palavras agudas, graves e esdrúxulas 35 3.2. O til, a cedilha e o hífen 38 3.3. Regras de translineação 40 3.4. Regras de ortografia 42 CLASSES DE PALAVRAS 47 4.1. Palavras variáveis e palavras invariáveis 48 4.2. O nome 49 4.2.1. Nomes próprios e nomes comuns 51 4.2.2. Nomes comuns coletivos 54 4.2.3. Variação em género: masculino e feminino 55 4.2.4. Variação em número: singular e plural 58 4.2.5. Variação em grau: diminutivo, normal e aumentativo 63 4.3. O determinante 64 4.3.1. Determinantes artigos definidos e indefinidos 64 4.3.2. Determinantes possessivos 65 4.3.3. Determinantes demonstrativos 67 4.3.4. Determinantes interrogativos 68 4.4. O quantificador numeral 69 4.5. O pronome 71 4.5.1. Pronomes pessoais 71 4.5.2. Pronomes possessivos 74 4.5.3. Pronomes demonstrativos 76 4.6. O adjetivo 78 4.6.1. Adjetivos qualificativos 78 4.6.2. Adjetivos numerais 79 4.6.3. Variação em género: masculino e feminino 80 4.6.4. Variação em número: singular e plural 81 4.6.5. Variação em grau: normal, comparativo e superlativo 82 4.7. O verbo 84 4.7.1. As três conjugações: 1.ª (-ar), 2.ª (-er) e 3.ª (-ir) 85 4.7.2. Variação em pessoa e número: 1.ª, 2.ª e 3.ª pessoas, singular e plural 87 1 6 3 2 4 5 7 2 6 3 1 4 5 7 3 6 2 1 4 5 7 4 6 3 2 1 5 7 I S B N 9 7 8 - 9 8 9 - 76 7- 3 5 7- 3
  • 3. 3 ÍNDICE 4.7.3. Variação em tempo 88 4.7.3.1. Presente do indicativo 88 4.7.3.2. Pretérito perfeito do indicativo 90 4.7.3.3. Pretérito imperfeito do indicativo 93 4.7.3.4. Futuro do indicativo 94 4.7.4. Variação em modo: indicativo e imperativo 96 4.7.5. Verbos regulares e verbos irregulares 97 4.8. O advérbio 100 4.9. A preposição 102 4.10. A interjeição 104 A PALAVRA 105 5.1. Formação de palavras 106 5.1.1. Constituintes da palavra: radicais e afixos 106 5.1.2. Palavras simples e palavras complexas 107 5.1.3. Palavras derivadas 108 5.1.4. Família de palavras 110 5.1.5. Onomatopeias 112 5.2. Relações entre palavras 114 5.2.1. Sinónimos 114 5.2.2. Antónimos 115 A FRASE 117 6.1. Tipos de frase 118 6.2. Frase afirmativa / frase negativa 121 6.3. O grupo nominal e o grupo verbal 123 6.4. Funções sintáticas do grupo nominal e do grupo verbal 125 6.4.1. O sujeito 125 6.4.2. O predicado 127 6.5. Expansão e redução de frases 130 O TEXTO ESCRITO 133 7.1. A construção do texto 134 7.1.1. Parágrafo 134 7.1.2. Sinais de pontuação 137 7.1.3. Sinais auxiliares da escrita 141 7.1.4. Coerência do texto 142 7.1.5. Coesão do texto 143 7.1.6. Discurso direto e discurso indireto 146 7.2. Tipos de texto 149 7.2.1. Texto expositivo (ou informativo) 149 7.2.2. Texto narrativo 151 7.2.3. Texto descritivo 154 7.2.4. Texto conversacional (ou dialogal) 157 7.2.5. Texto poético 159 7.2.6. Texto dramático 161 7.3. Géneros de textos 162 7.3.1. Banda desenhada 162 7.3.2. Notícia 164 7.3.3. Convite 166 7.3.4. Carta e correio eletrónico (e-mail) 167 AFINAL, PARA QUE SERVE TUDO ISTO? 169 APÊNDICE 173 7 6 3 4 2 1 5 5 6 3 4 2 1 7 6 3 4 2 1 5 7
  • 4. 18 1 3 2 4 5 7 6 SONS E LETRAS a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z a@ flb£ c@ d@ æe@ f@ g@ flh@ @i@ €j@ flk@ fll@ µ@ ø@ o£ €p@ q@ flr@ €ß flt@ @u@ ∆£ ∂£ x@ y@ flz@ A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z A B C D E F Gfi H I Jfi K L M N O P Q R S T U V W X Yfi Z Na escrita, os sons que produzimos quando falamos são representados por letras. O conjunto de letras é o alfabeto. O alfabeto português é formado por 26 letras. 2.2. O ALFABETO Aplica 1 Legenda as imagens que se seguem. • Exercício As letras p/t/d
  • 5. 19 SONS E LETRAS 2 Escreve as palavras das legendas por ordem alfabética. 3 Escreve os nomes dos rios por ordem alfabética. Ave Cávado Mondego Tejo Douro Lima Sado Zêzere 4 Lê o poema que se segue e sublinha todas as palavras que começam pela letra p. 4.1. Escreve por ordem alfabética as palavras que sublinhaste na 3.ª estrofe. Poema em P A Paula pede a paz. Os pardais os peixes os pandas as plantas as pedras pedem a paz. Os palhaços os polícias os pintores os padeiros os poetas pedem a paz. Os prédios as praias os pastos as pontes as piscinas pedem a paz. O planeta pede a paz. Políticos, nãoponhamnapanela a pomba da paz. Luísa Ducla Soares, Poemas da Mentira e da Verdade, Livros Horizonte, 2005 • Exercício Ordem alfa- bética
  • 6. 20 1 3 2 4 5 7 6 SONS E LETRAS Observa Lê as palavras em voz alta. Descobre 1 Faz um círculo em volta das letras que representam o som [s]. 2 Relê as palavras em voz alta, tendo em atenção a letra destacada. a. Assinala com V (verdadeiro) ou F (falso) a afirmação. A letra e representa sempre o mesmo som. 2.3. A RELAÇÃO SOM – LETRA Vogais Letra Som Exemplos a • aberto [a] • fechado [á] alto, chá amanhecer, mesa e • aberto [È] • fechado [e] • [i] • quase não se diz [Y] erva, pé ler, medo egoísta regador, pente o • aberto [ó] • fechado [o] • [u] pó, escola bolo, avô carro, cortina Consoantes Letra Som Exemplos c [k] [s] – antes de e ou de i lê-se s caracol, cabelo cereja, cinema g [g] [Z] – antes de e ou de i lê-se j gato, lego geleia, girafa r • forte [R] • fraco [P] – entre vogais e no final da sílaba rato, enrolar caro, dardo, cor s [s] [z] – entre vogais [S] – no final da palavra sapato, penso asa, mesa cadeiras x [S] [ks] [s] [z] xaile, texto reflexo próximo exemplo Como já vimos, os sons da língua falada são representados na escrita pelas 26 letras do alfabeto. No entanto, a língua portuguesa tem mais de 26 sons, por isso há letras que representam mais de um som. Vamos ver as letras que representam mais de um som. Usamos no quadro o mesmo tipo de símbolos que encontras no teu dicionário de inglês. cedo sela mensal aproximar sorte cæe@d@o£ €sæe€l@a@ €s@o£r€tæe@ • Exercício s, ss ou c? • Exercício r ou rr?
  • 7. 21 SONS E LETRAS Atenção, a letra h não representa nenhum som quando está no início da palavra: herói, homem Tal como a mesma letra pode representar sons diferentes, também o mesmo som pode ser representado por letras diferentes. Ora observa: Sino, começou, cedo, aproximar – todas as letras destacadas representam o som [s]. Aplica 1 Liga as palavras em que as letras destacadas representam o mesmo som. rápido • • mercado peixe • • auxílio atleta • • mar joia • • honra arte • • pontes ensinar • • relógio estante • • bebé 2 Escreve na coluna adequada as palavras do quadro. azelha garra viga frágil trouxe esquecer próximo consolo jiboia caranguejo gema zumbir gaivota vaidoso exército sapo desejo pagar cigarra girassol executar Som [g] Som [s] Som [Z] Som [z] • Exercício Como se escreve? • Vídeo Pares de vogais
  • 8. 30 1 3 2 4 5 7 6 SONS E LETRAS Aplica 1 Sublinha a sílaba tónica das palavras que se seguem. pincel laranja avó mochila régua secretária pétala espelho hipopótamo cartolina sofá chuva Observa Lê o texto. 2.7.2. SÍLABA TÓNICA E SÍLABA ÁTONA Descobre 1 Nas palavras longe e nuvem há uma sílaba que se pronuncia de forma mais prolongada. Escreve essas sílabas. a. Essas sílabas são pronunciadas com mais força do que as restantes menos força do que as restantes Mas, dum momento para o outro, tudo ficou terrivelmente escuro. Aquele sol radiante, triunfante, tinha desaparecido. […] Então o caracol, que já não estava friorento nem tinha medo do vento, decidiu: – Eu vou falar com a nuvem e pedir-lhe que deixe brilhar o sol. E foi… Da terra ao céu é looooonge… looooonge… mas sempre devagar e esforçada- mente o caracol chegou ao alto duma pedra cinzenta alisada pelo vento e disse à nuvem num lamento: – Nuuuuuvem… nuuuuuvem… sombria… fria… fria… porque escondeste o sol que faz falta às árvores, que faz falta aos bichos, que faz falta aos rios? […] Maria Conceição Campos, A Guerra do Sol e da Nuvem, Editorial Diferença, 1999 (adaptado) Quando dizemos uma palavra, há sempre uma sílaba que é pronunciada com mais força ou intensidade. Chama-se sílaba tónica. Ex.: ma•pa, te•le•vi•são, fu•te•bol, fo•to•gra•fi•a, fri•go•rí•fi•co As restantes sílabas da palavra chamam-se sílabas átonas. ma•pa, te•le•vi•são, fu•te•bol, fo•to•gra•fi•a, fri•go•rí•fi•co • Vídeo Sílaba tónica
  • 9. 31 SONS E LETRAS Observa Lê em voz alta as palavras que se seguem. nuvem árvore trenó Descobre 1 Divide as palavras em sílabas e rodeia a sílaba tónica. 2 Completa as frases. a. Na palavra trenó, a sílaba que se pronuncia com mais força é a . b. Na palavra nuvem, a sílaba que se pronuncia com mais força é a . c. Na palavra árvore, a sílaba que se pronuncia com mais força é a . 2.7.3. CLASSIFICAÇÃO DAS PALAVRAS QUANTO À POSIÇÃO DA SÍLABA TÓNICA a‰n€tæe€pæe‰n@ú€l€t@i‰m@a@ As palavras podem classificar-se de acordo com a posição da sílaba tónica: • Palavra aguda – a sílaba tónica é a última sílaba da palavra. Exemplos: carrossel, estudar, mãe, herói, cor • Palavra grave – a sílaba tónica é a penúltima sílaba da palavra. Exemplos: gato, escola, olho, lua, chinelo • Palavra esdrúxula – a sílaba tónica é a antepenúltima sílaba da palavra. Exemplos: árvore, círculo, relâmpago, rápido, sílaba Para memorizares, podes usar a palavra EGA: E G A Esdrúxula Grave Aguda (antepenúltima sílaba) (penúltima sílaba) (última sílaba) • Vídeo Sílaba tónica
  • 10. 32 1 3 2 4 5 7 6 SONS E LETRAS Aplica 1 Sublinha a sílaba tónica de cada palavra. casa chafariz almofada pincel casebre lâmpada 2 Faz um círculo em volta das sílabas átonas de cada palavra. vaso mangueira sofá comer límpido mesa 3 Completa os quadros com as palavras que se seguem. fácil sino campainha leão cronómetro açúcar órgão raiz líquido gelado lençol anel óculos aquário Esdrúxulas Graves Agudas Sílaba tónica Classificação da palavra antepenúltima penúltima última esdrúxula grave aguda automóvel pulgas pardal ✗ ✗ chafariz rápido pai esdrúxula irmão ninho pássaro dinossauro 4 Preenche o quadro, seguindo o exemplo. • Exercício Aguda, grave ou esdrúxula?
  • 11. 33 REGRAS DE ESCRITA 3 O acento grave e o acento agudo moravam na mesma linha do caderno de capa azul da Carolina. Costumavam conversar um com o outro sobre coisas que lhes vinham à cabeça, umas mais importantes outras menos, mas todas elas relacionadas com os sons que têm nas palavras. – Eu sou mais importante porque sou mais usado – dizia o acento agudo. – Desculpa, mas mais importante sou eu, precisamente por ser mais raro – respondia, com voz aguda, o acento grave. Quem gostava muito de assistir a estas discussões sem grande importância era o ponto de exclamação, que se metia pelo meio sempre que não percebia alguma das afirmações ou ficava aborrecido com o tom que elas tomavam. Comportamento diferente tinha o ponto de interrogação, com a sua mania de se meter no meio das conversas, mesmo das mais graves e agudas, para fazer perguntas por tudo e por nada. Coisas do género: “Que horas são?” ou “Será que está a chover?” ou ainda “Que havemos nós de fazer para matar o tempo enquanto a Carolina não começa a fazer os exercícios de Português?” Quase nunca lhe respondiam. Uma vez, o caderno da Carolina caiu ao chão num dia chu- voso e triste e todos aqueles que entram nesta história só não apanharam uma grande molha porque a vírgula foi a correr chamar o acento circunflexo e ficaram todos muito abrigados debaixo do seu chapéu. José Jorge Letria, “Histórias de Pontos e Acentos” in Histórias do Sono e do Sonho, Desabrochar, 1990 GREUR1C_03
  • 12. 150 1 3 2 4 5 6 7 O TEXTO ESCRITO O texto expositivo organiza-se geralmente em três partes: • introdução: apresentação do assunto de que se vai tratar; • desenvolvimento: informações sobre o assunto; • conclusão: parágrafo que termina o texto. Aplica 1 Lê o texto que se segue. 1.1. Indica qual é a finalidade do texto. 2 Liga corretamente as informações das três colunas. • Introdução • • Apresentação do assunto de que vai tratar o texto: Capoeira • Desenvolvimento • • Características da Capoeira Conclusão Informação que mostra a importância da Capoeira • • • 4.º parágrafo • 1.º parágrafo • • 3.º parágrafo 2.º parágrafo • A capoeira ou capoeiragem é uma expressão cultural brasi- leira que mistura arte marcial, desporto, cultura popular e música. Desenvolvida no Brasil a partir de finais do século XVI por des- cendentes de escravos africanos, é caracterizada por golpes e movimentos ágeis e complexos, utilizando primariamente chu- tos e rasteiras, além de cabeçadas, joelhadas, cotoveladas, acro- bacias em solo ou aéreas. Uma característica que distingue a capoeira da maioria das outras artes marciais é a sua musicalidade. Praticantes desta arte marcial brasileira aprendem não apenas a lutar e a jogar, mas também a tocar os instrumentos típicos e a cantar. Um capoei- rista que ignora a musicalidade é considerado incompleto. Em novembro de 2014, a Roda de Capoeira recebeu o título de Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO. Adaptado de https://pt.wikipedia.org/wiki/Capoeira, consultado em 1-6-2018
  • 13. 151 O TEXTO ESCRITO 7.2.2. TEXTO NARRATIVO Observa Lê o texto que se segue. Apareceu de madrugada e ninguém sabia de onde vinha. Era um cavalo tão preto, tão preto que parecia azul, da cor das noites profundas. Tinha corrido sem destino pelas planícies do Alentejo. Quando avistou a brancura do nosso “monte”, parou. Veio depois bater com a pata à porta grande da cozinha. Fui eu que o ouvi primeiro e pus-me em bicos de pés para lhe abrir a porta. Ele viu que eu era pequeno, relinchou, aproximou de mim o focinho e lambeu-me a testa e os cabelos. Tinha nos olhos muito pretos uma água de amizade. […] Urbano Tavares Rodrigues, “O Cavalo da Noite”, in A Última Colina, D. Quixote, 2008 Descobre 1 Assinala com V (verdadeiro) ou F (falso) as seguintes afirmações sobre o texto. a. Este texto conta uma história. b. Este texto descreve uma paisagem. c. Este texto transcreve uma conversa. d. Este texto explica conceitos. 2 Assinala com ✗ as opções corretas. a. Os acontecimentos do texto passam-se: na praia na cidade no campo de madrugada ao meio-dia à noite b. Participam nos acontecimentos do texto: um cão um homem uma criança um cavalo • Vídeo Estrutura do texto narrativo
  • 14. 152 1 3 2 4 5 6 7 O TEXTO ESCRITO Comodescobriste,otextoquelestenarra(conta)factosouacontecimentos, localizados no espaço e no tempo. É um texto narrativo. No texto narrativo, um narrador narra (conta) acontecimentos reais ou imaginários. Apresenta as seguintes características: • personagens que realizam ações localizadas num determinado espaço e tempo; • um narrador que conta a história; • verbos que indicam ações (ex.: correr, bater, fugir, aproximar, lamber…) no pretérito perfeito do indicativo (ou presente). A narrativa apresenta a seguinte estrutura: • princípio: situação inicial (são apresentadas as personagens, o tempo e o espaço onde se vai desenrolar a ação). • meio: os acontecimentos vividos pelas personagens são narrados. • fim: apresenta o desfecho dos acontecimentos. Aplica 1 Lê o texto que se segue. O Senhor Túlio foi ao Brasil de avião. Ele, que nunca tinha saído lá da sua aldeia, aventurar-se a uma viagem tamanha era de espantar. Mas o Senhor Túlio tinha uma filha no Rio de Janeiro, filha essa que lhe dera uma neta, neta essa que ia a batizar, batizado esse a que o Senhor Túlio nem por nada podia faltar. Na grande cidade do Rio de Janeiro, tudo o espantou: o tamanho dos prédios, a largueza das avenidas, a extensão das praias, a bicheza de gente. – É tudo maior do que na minha terra – dizia ele constantemente. – Até a lua daqui é mais gorda do que a nossa. A filha indignava-se: – Ó pai, não ande sempre de boca aberta que parece mal e, por favor, não diga que esta lua é maior do que a de lá da aldeia, porque a lua é só uma. • Vídeo Elementos do texto narrativo
  • 15. 153 O TEXTO ESCRITO 1.1. Completa as frases que se seguem. 2 Lê o início do conto tradicional português que se segue. O Senhor Túlio engolia e calava-se, mas, à cautela, pôs-se a medir aos palmos, de longe, a lua cheia sobre o Pão de Açúcar. “Um palmo bem medido” – memorizou ele. Quando, com muita pena, teve de voltar para Portugal e regressou à aldeia, não se esqueceu do que matutara. Numa noite de lua bem redonda, estendeu a palma da mão para o céu e mediu: – Um palmo e nem mais um niquito. Ficou-se a pensar e concluiu: – Ai que tu engordaste, magana, enquanto eu andei lá por fora! António Torrado, “Duas Luas”, in 100 Histórias Bem-Dispostas, Edições Asa, 2005 No princípio do texto, é apresentada a situação inicial e a personagem principal: o foi ao , para o batizado da . No desenvolvimento do texto, são apresentados os acontecimentos no Brasil: o senhor Túlio fica com a grandeza do Rio de Janeiro e pensa que até a é maior do que a da sua aldeia, por isso -a, para poder comparar. No fim do texto, o senhor Túlio descobre que a da sua aldeia tem o mesmo tamanho, por isso acha que a lua enquanto ele esteve fora. Era uma vez um rei que gostava muito de ir à caça. Um dia, perdeu-se da sua gente, e encontrou-se num grande bosque onde vivia um carvoeiro. […] Teófilo Braga, “O Carvoeiro”, in Contos Tradicionais do Povo Português, 2017 2.1. No teu caderno diário, continua a história, usando as informações que já tens e imaginando o que irá acontecer: • personagens: rei, carvoeiro…; • situação inicial: o rei perde-se; • desenvolvimento: imagina o que irá acontecer (exs.: o rei e o carvoeiro ficam amigos, o rei passa uns dias na casa do carvoeiro, o carvoeiro vai viver com o rei para o castelo, os escu- deiros procuram o rei e encontram-no, o carvoeiro ensina ao rei como se faz o carvão…); • desfecho: imagina o final deste conto.
  • 16. 154 1 3 2 4 5 6 7 O TEXTO ESCRITO Descobre 1 Assinala com V (Verdadeiro) ou F (Falso) as seguintes afirmações. a. Este excerto conta uma história. b. Este excerto descreve um espaço. c. Este excerto transcreve uma conversa. d. Este excerto explica conceitos. 2 Indica o tempo verbal que predomina no texto. 7.2.3. TEXTO DESCRITIVO Observa Lê o excerto que se segue. Lá estava um grupo de carriças ou estrelinhas, com a sua crista em poupa, ao lado de um bando de tentilhões, de larga capa azul, colete rosado e pintinhas brancas, afi- nando uma frase musical toda viveza; ao lado do melro estridente, a trepadeira no seu fato azul arruivado, enquanto mais abaixo num galho desfolhado, o pisco pipilava muito humilde no seu peitilho de púrpura, e a coruja, soturna, piava do alto de um eucalipto. Alves Redol, História Mágica da Sementinha, Editorial Caminho, 2012 Como verificaste, o texto que leste descreve um espaço. É um texto descritivo. O texto descritivo é usado para descrever (dizer como é) um ser, objeto, espaço ou situação. Apresenta as seguintes características: • utilizam-se muito verbos que indicam qualidades ou características de seres e coisas (Ex.: ser, estar, parecer, ter…); • usa-se o pretérito imperfeito do indicativo (ou o presente do indicativo); • utilizam-se nomes e adjetivos para caracterizar espaços, objetos, personagens ou situações. Lembra-te de que, geralmente, as descrições aparecem integradas em textos narrativos. • Áudio O que é um texto descritivo?
  • 17. 155 O TEXTO ESCRITO 1.1. Sublinha os adjetivos presentes em ambos os textos. 1.2. Rodeia os verbos de ambos os textos. 1.3. Completa as frases que se seguem. Aplica 1 Lê os excertos que se seguem. TEXTO B Peguei no pão e pu-lo num cestinho. Depois abri o frigorífico para tirar a manteiga. Mas devo ter inclinado o cestinho do pão um pouco de mais e o pão que era arredon- dado rebolou para o chão. Baixei-me para o apanhar e bati com a cabeça na esquina do frigorífico mas não doeu quase nada. […] Maria Alberta Menéres, “Antes de Adormecer”, in De Que São Feitos os Sonhos, Luísa Ducla Soares (coord.), Areal Editores, 1985 No excerto A, faz-se uma de uma e de um . Neste texto, há muitos / poucos adjetivos e os verbos encontram-se no pretérito do indicativo. Trata-se de um texto . No excerto B, é feita a de acontecimentos. Neste texto, há muitos / poucos adjetivos e a maior parte dos verbos encontra-se no pretérito do indicativo. Trata-se de um texto . TEXTO A A tia Luciana, uma velhota de rosto tisnado e cheio de rugas, de corpo magro e curvado com o peso dos muitos anos que carregava consigo, tinha também um bicho que muito estimava – um galo. Sim, um galo. Um bicho esplêndido, em tudo igual aos outros galos. Tinha um par de patas e outro de asas, penas, bico e crista. António Mota,”O Galo da Tia Luciana”, in De Que São Feitos os Sonhos, Luísa Ducla Soares (coord.), Areal Editores, 1985
  • 18. 174 APÊNDICE ALFABETO (PÁGINA 18) Alfabeto a, b, c, d, e, f, g, h, i, j, k, l, m, n, o, p, q, r, s, t, u, v, w, x, y, z Vogais a, e, i, o, u Consoantes b, c, d, f, g, h, j, k, l, m, n, p, q, r, s, t, v, w, x, y, z SONS E LETRAS (PÁGINA 20) Vogais Consoantes Letra Som Exemplos a aberto [a] fechado [á] pá, pata patinha e aberto [È] fechado [e] [i] quase não se diz [Y] pé, hera ver, cedo exato ponte o aberto [ó] fechado [o] [u] pó, cola lobo, avô cortinado Letra Som Exemplos c [k] [s] – antes de e ou de i lê-se s casaco cegonha, cinto g [g] [Z] – antes de e ou de i lê-se j golo, geleia, girafa r forte [R] fraco [P] – entre vogais e no final da sílaba riso, tenro coro, fardo, amor s [s] [z] – entre vogais [S] – no final da palavra lê-se x sapato casa casas x [S] [ks] [s] [z] xilofone, texto reflexo próximo exemplo DITONGOS (PÁGINA 22) Ditongos Exemplos Orais ai, au, ao, ei, eu, iu, oi, ou, ui pai, pau, ao, lei, meu, viu, boi, louro, fui Nasais ão, ãe, õe cão, cães, leões DÍGRAFOS (PÁGINA 24) Dígrafos Exemplos gu, qu (seguido de e ou i) guelra, guizo, aquecededor, quinta rr, ss corrida, passadeira ch, nh, lh concha, pinha, rolha
  • 19. 175 APÊNDICE Classificação Exemplos Número de sílabas CONSTITUIÇÃO DA SÍLABA (PÁGINA 26) Constituição da sílaba Exemplos uma vogal a•marelo, sa•ú•de, ba•ú um ditongo au•la, Eu•ropa, ou•ro, ui•var vogal ou ditongo + consoante ir•mão, úl•timo, es•pelho, Aus•trália consoante + vogal ou ditongo pá, li•vro, de•zoi•to, cara•pau consoante + vogal ou ditongo + consoante res•taurante, co•lher, pin•céis, cães consoante + consoante + vogal ou ditongo fri•tar, gru•ta, trei•no consoante + consoante + vogal ou ditongo + consoante plás•tico, graus Grupos consonânticos Exemplos bl, cl, fl, gl, pl, tl blogue, cliente, flecha, globo, planta, atletismo br, cr, dr, fr, gr, pr, tr, vr abraço, cravo, dragão, frio, grande, prego, atrás, livro gn, mn, pn, ps, pt, tm gnomo, amnistia, pneu, psicólogo, apto, ritmo GRUPOS CONSONÂNTICOS (PÁGINA 25) CLASSIFICAÇÃO DAS PALAVRAS QUANTO AO NÚMERO DE SÍLABAS (PÁGINA 29) Monossílabo Palavra com uma só sílaba chá, sol, mar, mãe, três Dissílabo Palavra com duas sílabas su•mo, sel•va, a•trás, cha•ve Trissílabo Palavra com três sílabas cor•ti•na, ra•i•nha, es•quer•do Polissílabo Palavra com quatro ou mais sílabas te•le•vi•são, hi•po•pó•ta•mo
  • 20. 176 APÊNDICE SÍLABA TÓNICA E SÍLABA ÁTONA (PÁGINA 30) Classificação Exemplos Definição Tónica Sílaba da palavra que se pronuncia com mais força. sofá, mesa, avental Átona Sílaba (ou sílabas) da palavra que se pronuncia com menos força. livro, lençol, computador, rápido CLASSIFICAÇÃO DAS PALAVRAS QUANTO À POSIÇÃO DA SÍLABA TÓNICA (PÁGINA 31) Classificação Exemplos Definição Aguda A sílaba tónica é a última sílaba da palavra. lençol, nariz, pai, café Grave A sílaba tónica é a penúltima sílaba da palavra. palha, caderno, camisola Esdrúxula A sílaba tónica é a antepenúltima sílaba da palavra. sílaba, esdrúxula, gramática TIL, CEDILHA, HÍFEN (PÁGINA 38) Sinal Exemplos Utilização Til Assinala uma vogal ou um ditongo nasal. lã, órgão, limões Cedilha Coloca-se na letra c antes das vogais a, o, u, para representar o som [s]. raça, caroço, açúcar Hífen Usa-se em palavras compostas, na translineação, na ligação de pronomes a verbos. guarda-redes, sofá-cama tele-/visão, cor-/rida chamou-me, falar-lhe ACENTOS GRÁFICOS (PÁGINA 34) Classificação Exemplos Utilização Agudo (´) Assinala as vogais ou os ditongos abertos sílaba tónica acentuada graficamente. avó, rápido, lápis, anéis Circunflexo (^) Assinala as vogais ou os ditongos fechados da sílaba tónica acentuada graficamente. lâmina, pêssego, avô, inglês Grave (`) Assinala a contração da preposição a com outra palavra. à, àquela, àquilo
  • 21. 177 APÊNDICE Classificação Exemplos Definição Próprios Usam-se para seres ou coisas individualizados, como nomes de pessoas e de lugares. Escrevem-se sempre com letra maiúscula. Ronaldo, Ana, Portugal, Braga, Mondego Comuns Designam seres ou coisas de uma forma geral. jogador, menina, país, cidade, rio, cão, casa, amizade, alegria Comuns coletivos Designam um conjunto de seres ou coisas com as mesmas características. baralho, resma, turma, multidão, matilha, cardume NOME: GÉNERO (PÁGINA 55) Masculino Geralmente terminam em -o e podem ser antecedidos do artigo o(s), um/uns. (o) gato, (o) livro, (o) mapa, (o) sol Feminino Geralmente terminam em -a e podem ser antecedidos do artigo a(s), uma/umas. (a) gata, (a) lapiseira, (a) ave, (a) lua NOME: SUBCLASSES (PÁGINA 51) NOMES COMUNS COLETIVOS (PÁGINA 54) Nome coletivo Conjunto de alcateia arquipélago atlas banda bando cacho cáfila cambada caravana cardume cordilheira constelação corja coro elenco lobos ilhas mapas música aves, malfeitores… bananas, uvas… camelos malandros viajantes, peregrinos… peixes serras estrelas vadios, ladrões… anjos, de cantores atores Nome coletivo Conjunto de enxame feixe frota junta legião magote manada matilha molho multidão ninhada pomar rebanho souto vara abelhas lenha navios mercantes, de autocarros bois, médicos, examinadores… soldados… pessoas, coisas animais de grande porte cães chaves, verduras pessoas pintainhos ou crias árvores de fruto ovelhas castanheiros porcos GREUR1C_12 NOME: NÚMERO (PÁGINA 58) Singular Refere-se a um elemento apenas e pode ser antecedido dos artigos o/a, um/uma. (uma) folha, (o) cão, (um) rebanho Plural Refere-se a mais de um elemento e pode ser antecedido dos artigos os/as, uns/umas. (as) aulas, (uns) meninos, (os) rebanhos
  • 22. 192 APÊNDICE TIPOS E GÉNEROS DE TEXTO (PÁGINA 149) Texto Definição Características Expositivo (ou informativo) Informa,apresentandouma síntesedeideias,conceitos ouconhecimentos. • uso do presente do indicativo; • utilização dos verbos ser e ter; • uso predominante de nomes. Narrativo Narra acontecimentos reais ou imaginários • personagens que realizam ações localizadas num determinado espaço e tempo; • um narrador que conta a história; • verbosqueindicamações(exemplo:correr,bater,fugir,aproximar, lamber…)nopretéritoperfeitodoindicativo(oupresente). Descritivo Descreve um ser, objeto, espaço ou situação. • predomínio de verbos que indicam qualidades ou características de seres e coisas (ex.: ser, estar, parecer, ter…); • uso do pretérito imperfeito do indicativo (ou o presente do indicativo); • utilização de nomes e adjetivos para caracterizar espaços, objetos, personagens ou situações. Conversacional (ou dialogal) Diálogo entre duas ou mais pessoas que trocam ideias, fazem perguntas e dão respostas. • utilização de travessão antes da fala de cada interveniente. Poético Texto com musicalidade e ritmo que transmite emoções e sentimentos. • escrito em verso (cada verso é uma linha do poema); • formado por estrofes (cada estrofe é um conjunto de versos); • apresenta rima; • possui musicalidade e ritmo. Dramático Texto que se destina a ser representado em palco. • diálogo entre as personagens; • indicação das personagens no início do texto e antes de cada fala; • presença de indicações dadas pelo autor sobre o cenário, sobre as personagens ou sobre a forma de representar. Banda desenhada Conta uma história numa sequência de imagens associadas ao texto escrito. • apresentação das imagens em tiras (linhas) de vinhetas (quadradinhos); • apresentação das falas e dos pensamentos das personagens em balões; • as intervenções do narrador aparecem em legendas. Notícia Texto curto que tem como objetivo informar os leitores. • linguagem clara e objetiva; • organizado em parágrafos que respondem às perguntas: O Quê?, Quem?, Quando?, Onde?, Como? e Porquê? Convite Texto curto escrito para convidar alguém a estar presente num evento. • linguagem clara e objetiva; • deve conter os seguintes elementos: destinatário, motivo do convite, local e data / hora do evento, identificação de quem organiza ou promove o evento (ou assinatura). Carta e correio eletrónico (e-mail) Textos que se escrevem a um destinatário para dar informações, fazer pedidos, reclamar, exprimir sentimentos, etc. A carta é enviada por correio, enquanto o e-mail é enviado pela internet. • local e data (apenas nas cartas); • saudação inicial; • assunto; • despedida; • assinatura.