SlideShare uma empresa Scribd logo
Governança de TI
Fabrício Costa Santana
prof.fabricio@outlook.com
http://professorfabricio.net
Apresentação da disciplina
 Ementa
◦ Governança e gestão de TI e a
importância do alinhamento entre TI e
negócio. Planejamento estratégico.
Gestão do desempenho. Apresentação
dos principais modelos de melhores
práticas usados na atualidade (Balanced
Scorecard, CobiT e ITIL)
Apresentação da disciplina
 OBJETIVO GERAL
◦ O propósito desta disciplina é apresentar aos alunos os aspectos
da governança e gestão de TI, conceituando-os acerca dos
principais modelos de melhores práticas usados na atualidade
(Balanced Scorecard, CobiT e ITIL).
 OBJETIVOS ESPECÍFICOS (Competências/Habilidades –
aprendizagens que serão consolidadas pelos estudantes)
◦ Capacitar os alunos a aplicar os modelos atualizados de gestão
de tecnologia da informação;
◦ Demonstrar, através de estudos de caso, a importância do
alinhamento entre a TI e
◦ Ampliar a capacidade de percepção dos alunos para as principais
tendências mundiais, nacionais e locais na área de Gestão da
Tecnologia da Informação.
◦ Apresentar conceitos dos modelos Balanced Score Card, CobIT
e ITIL.
Referências
 FERNANDES, Aguinaldo Aragon; ABREU, Vladimir Ferraz –
Implantando a Governança de TI – da Estratégia à Gestão
dos Processos e Serviços. Brasport, 2ª Edição, 2011
 SILVA, Pedro Tavares; TORRES, Catarina Botelho – Gestão
e Liderança para Profissionais de TI. FCA, 1ª Edição, 2010
 CobiT 4.1
 ITIL V3
 Todos os estudantes de áreas relacionadas
aos negócios, independentemente da
especialidade, precisam:
◦ Entender como os sistemas de informação são
usados pelas empresas para atingir os objetivos
corporativos: excelência operacional,
desenvolvimento de novos produtos e serviços e
relacionamento estreito com o cliente;
◦ Ser capazes de trabalhar com os especialistas e
desenvolvedores que projetam e implantam
sistemas de informação. Só assim será possível
garantir que os sistemas desenvolvidos de fato
atendam aos propósitos da empresa e forneçam
informações e entendimento úteis a
administradores e funcionários.
Cenário de negócios
 Competição mais intensa;
 Inteligência competitiva;
 Concorrência global;
 Ciclo de vida curto de produtos e
serviços;
 Internacionalização da economia;
 Clientes mais conscientes e
exigentes;
 O negócio depende da TI (redes,
internet, telecomunicações...).
Goiás está a milhares de quilômetros da Grécia e os
comerciantes do Planalto Central do Brasil não
teriam, à primeira vista, motivos para perder o sono
com o calote do governo grego. Pois teriam.
“Hoje cai a ficha que a gente vai colocando cada vez mais
na internet e quando acontece um desastre desses, as
pessoas se dão conta de como são dependentes”. Os
custos imprevistos que foram gerados, e o isolamento
das empresas, só reforçaram o pensamento de Barros.
“Quando propomos uma alternativa, as empresas se
recusam, pois o custo fica um pouco mais pesado, hoje elas
entendem que essas perdas que o comércio está tendo,
justificaria com apenas um ano de contingência”, explica.
Os avanços na integração
tecnológica
 Integração das cadeias de
suprimentos;
 Aplicações de integração de gestão
(ERP, MRP, WMS);
 Integração através de infra-estrutura
de redes e comunicação;
 Aplicações de gestão de clientes
(CRM);
 Inteligência de negócio e mineração
de dados (Datawarehouse,
Fonte: SANTOS, Luis Claudio; BARUQUE, Lúcia Blondet - Governança em Tecnologia da Informação
O que os clientes
esperam da TI
?
GOVERNANÇA
DE TI
Rapidez na
resolução de
incidentes e
serviços
Capacidade de
expansão do
negócio
Disponibilidade da
infra-estrutura
Disponibilidade
das
aplicações
Projetos dentro
do prazo e
orçamento
Alinhamento
com o
negócio
Conceito
“Governança de TI é um conjunto de
práticas, padrões e relacionamentos
estruturados, assumidos por executivos,
gestores, técnicos e usuários de TI de uma
organização, com a finalidade de garantir
controles efetivos, ampliar os processos de
segurança, minimizar os riscos, ampliar o
desempenho, otimizar a aplicação de
recursos, reduzir os custos, suportar as
melhores decisões e consequentemente
alinhar TI aos negócios.” (PERES, João
R.)
Mas afinal, o que a Governança
de TI deve garantir?
 Alinhamento ao negócio;
 Continuidade do negócio;
 Alinhamento a marcos de regulação
externos.
Principais Frameworks
Ferramenta/Framework Utilização
BSC (Balanced Scorecard) Planejamento e desempenho.
COBIT Governança e controle.
ITIL e ISO 20000 Serviço.
PMBOK Projeto.
CMMI e MPS BR Engenharia de software.
Val IT Investimentos em TI.
TOGAF Framework de arquitetura de negócio, aplicações e tecnologia.
NBR ISO/IEC 38500 Governança Corporativa de Tecnologia da Informação.
SIX SIGMA Qualidade.
Fonte: Prof. André Moura (Universidade Estácio de Sá)
O ciclo da Governança de TI
Alinhamento
estratégico e
Compliance
Decisão,
compromisso,
priorização e
alocação de
recursos
Estrutura,
processos,
operações e
gestão
Medição de
desempenho
Domínios e Componentes da
Governança de TI
ALINHAMENTO
ESTRATÉGICO E
COMPLIANCE
Alinhamento Estratégico
 Conceito
 Alinhamento estático e dinâmico
◦ Exemplos
Compliance
Princípios de TI
 Segundo Weil & Ross (2004) e
Boadbent & Kitzis (2005), os
princípios de TI tratam de:
◦ Papel da TI para a empresa
◦ Informação e Dados
◦ Padrão de arquiteturas e serviços
◦ Comunicações
◦ Ativos de TI
Necessidade de Aplicações
 Novas aplicações
 Melhorias em aplicações existentes
 Reestruturação de aplicações
existentes
 Substituição de aplicações existentes
 Descarte de aplicações existentes
Análise da Necessidade de
Aplicações
Arquitetura de TI
 Conceito
 Foco da arquitetura de TI
◦ Padronização de dados e processos
◦ Compartilhamento da Infra-estrutura
◦ Como implementar aplicações considerando
a arquitetura de dados e processos padrões
◦ Como as novas aplicações devem ser
integradas ao legado
◦ Padrões de acesso e saídas dos usuários
◦ Reutilização dos componentes de serviços
da arquitetura
Objetivos de Desempenho
 Conceito
 “Se você não mede não gerencia”
 Definição dos Objetivos de
Desempenho
 Acordos de Níveis de Serviço
Capacidade de Atendimento
 Quantidade de Recursos Humanos
necessários para atender a demanda
de sistemas e serviços
Estratégias de Outsourcing
 Conceito
 Decisões:
◦ O que passar
◦ Como fazer
◦ Como escolher a melhor parceria
◦ Como gerenciar os serviços
◦ Como gerar o desempenho de fornecedores
e prestadores de serviços
◦ Como fazer a transição de um modelo de
operação para outro
◦ Como fazer transferência de um fornecedor
para outro
Política de Segurança da
Informação
 Documento de diretrizes e ações
relacionadas à segurança da
informação e continuidade do negócio
Competências
 Habilidades e conhecimento
necessários para o desenvolvimento e
implantação das iniciativas de TI
Processos e Organização
 apresentam a forma de como os
produtos e serviços de TI serão
desenvolvidos, gerenciados e
entregues aos usuários e clientes
Plano de Tecnologia da
Informação
 Documento que define todas as
etapas do alinhamento estratégico
DECISÃO, COMPROMISSO,
PRIORIZAÇÃO E
ALOCAÇÃO DE RECURSOS
Mecanismos de Decisão
 Quem são os responsáveis por cada
sub-área da TI:
◦ Princípios de TI;
◦ Arquitetura da informação;
◦ Infra-estrutura da TI;
◦ Prioridade das aplicações;
◦ Investimentos em aplicações e infra-
estrutura;
◦ Política de segurança da informação;
◦ Outsourcing (terceirização).
Portfólio de TI
 Instrumento para a priorização e aplicação de
investimentos, usado para determinar os tipos de
negócios viáveis. É composto por projetos, serviços e
ativos. Engloba todos os investimentos e custeio das
atividades de TI, dentro ou fora de TI
 Objetivos:
◦ Comunicar as prioridades de investimentos de TI na
organização
◦ Eliminar as redundâncias de projetos de TI
◦ Mostrar os riscos dos investimentos de TI
◦ Criar sinergia no uso dos recursos de TI
◦ Acompanhar a execução dos projetos de TI
◦ Alinhar as prioridades de TI com as prioridades da
organização
◦ Ser a ponte entre a estratégia e os objetivos do negócio
com TI
ESTRUTURA,
PROCESSOS,
OPERAÇÃO E GESTÃO
Operações de Serviços
 Atendimento dos serviços de TI
 Principais operações:
◦ Sistemas;
◦ Suporte técnico;
◦ Infra-estrutura;
◦ Segurança da informação;
◦ Suporte ao CIO (Chief Information Officer.
Gestor de TI);
◦ Processos;
◦ Outras operações.
Relacionamento Com o
Cliente
 Interação com os usuários internos e
externos:
◦ Como o cliente solicita o serviço;
◦ Quem pode solicitar o serviço;
◦ Como os serviços são avaliados;
◦ Quais os canais de comunicação;
◦ Atribuição de responsabilidades em projetos
entre os clientes e a TI;
◦ Capacitação da TI e dos usuários;
◦ Como os projetos são desenvolvidos em
conjunto com o cliente.
Relacionamento Com
Fornecedores
 Como as solicitações são encaminhadas
para os fornecedores;
 Como o fornecedor responde a
solicitação;
 Como os ANO (Acordos de Nível
Operacional) e contratos de apoio são
controlados;
 Como a qualidade de serviços é
avaliada e melhorada;
 Como o desempenho do fornecedor é
controlado.
MEDIÇÃO DO
DESEMPENHO
Gestão do Desempenho
 Monitoramento dos objetivos de
desempenho
◦ Suporte a serviços;
◦ Entrega de serviços;
◦ Segurança da informação;
◦ Acordos de Nível de Serviço;
◦ Acordos de Nível Operacional.
MELHORES PRÁTICAS
NA ÁREA DE
GOVERNANÇA DE TI
Balanced Scorecard (BSC)
 Histórico:
◦ Metodologia desenvolvida por Robert
Kaplan e David Norton em meados da
década de 1990;
◦ “A estratégia de uma organização
descreve como ela pretende criar valor
para seus acionistas, clientes e cidadãos”
(KAPLAN; NORTON, 2000).
Gráfico Representativo do
BSC
Perspectiva Clientes
 Proporciona uma qualificação para
que o objetivo tenha resultado
satisfatório em aspectos como:
satisfação, fidelização, retenção,
captação e lucratividade. Também
pode ter foco na consolidação da
marca no mercado.
Perspectiva Financeira
 Promove alinhamento dos custos e
receita. Foco em resultados
financeiros propiciando aos acionistas
uma visão de lucratividade.
Perspectiva Processos
Internos
 Proporciona mitigar riscos e possíveis
desvios de workflow que prejudique a
eficiência e a eficácia dos processos
operacionais como: retrabalho,
desperdício, perda dentre outros
fatores. Pode-se utilizar de
metodologias BPM ou PDCA para
auxiliar na gestão de processos.
Perspectiva Aprendizado e
Crescimento
 Dentre as quatro essa é que se
caracteriza por ser intangível, porém
tem alto grau de importância no
contexto organizacional. Tem como
objetivo a formação e disseminação
da cultura e do aprendizado interno da
organização. Serve como termômetro
para as outras três perspectivas do
BSC.
Princípios da Organização
Focalizada na Estratégia
 Traduzir a estratégia em termos
operacionais;
 Alinhamento da organização à
estratégia;
 Transformar a estratégia em tarefa
para todos;
 Converter a estratégia em processo
contínuo;
 Mobilizar a mudança por meio da
liderança executiva.
Fatores Críticos Para o Sucesso
do BSC
 Definir objetivos com base na Estratégia
Empresarial.
 Definir metas financeiras.
 Definir metas de mercado com foco em
clientes.
 Alinhar processos internos (uso de BPM
ou PDCA).
 Identificar processos críticos.
 Promover capacitação aos
colaboradores (disseminar cultura).
Ciclo PDCA
 O modelo PDCA (ou ciclo de Deming)
é usado para controlar uma série de
ações, com o objetivo de controlar
algum processo. Este modelo é
baseado em quatro etapas:
◦ Planejar (Plan)
◦ Executar (Do)
◦ Verificar (Check)
◦ Agir (Act)
BSC na Prática: Exemplo de
Modelo
 BSC aplicado a um setor de
atendimento de chamados de TI
(Service Desk, Help Desk)
 As seguintes perspectivas são
consideradas:
◦ Perspectiva da Satisfação do Cliente;
◦ Perspectiva da Satisfação do Empregado;
◦ Perspectiva do Custo e Produtividade;
◦ Perspectiva da Maturidade
Organizacional.
Balanced Scorecard (BSC)
 KPI – Key Performance Indicator –
indicador chave de desempenho
Perspectiva da Satisfação do
Cliente
KPI Projetado Realizado GAP
Total de chamadas recebidas/mês 1500 1750 250
Total de chamadas atendidas/mês 1470 1100 -370
Nível de satisfação 90% 72% -18%
Pesquisas de satisfação respondidas 2300 1980 -320
Tempo médio de atendimento (TMA) 2min 6,3min -4,25
Chamadas abandonadas 125 373 -248
% de chamadas abandonadas 2% 13% 11%
Perspectiva da Satisfação do
Empregado
KPI Projetado Realizado GAP
Total de funcionários diretos 30 25 -5
% Satisfação de funcionário 87% 69% -18%
No. rotatividade de funcionários 2 2 0
Horas de treinamento (FTE) 64 16 -48
Pesquisas de satisfação respondidas (funcionários) 50 45 -5
Perspectiva do Custo e
Produtividade
KPI Projetado Realizado GAP
Usuários atendidos 250 290 40
SS - Solicitações de Serviço atendidas 1000 950 -50
Custo unitário por Solicitação de Serviço 150 175 25
Horas trabalhadas em atendimento 5000 4590 -410
Média dê SS por usuário 3 4 1
Custo por usuário 250 290 40
Média de usuários atendidos por profissional 8 10 2
SS atendidas por profissional 34 35 1
Perspectiva da Maturidade
Organizacional
KPI Projetado Realizado GAP
Tempo para resolução das lacunas de conhecimento
(# dias) 4 7 -3
Tempo de proficiência dos novos profissionais (#
dias) 27 32 5
Tempo de proficiência em novos produtos (# dias) 12 14 2
Eliminação do trabalho que não agrega valor (Escala
de 1 a 10) 8 6 -2
Formalização dos Processos de TI (Escala de 1 a 10) 8 7 -1
Certificação do Service Desk 85 70 -15
Exemplo de PDCA
O QUE CAUSA QUEM COMO QUANDO STATUS
Volume elevado
de chamadas no
Service Desk
Falta de
treinamento
adequado das
ferramentas de TI
para com os
usuários
Setor de
Treinamentos
Introduzindo um
treinamento na
primeira semana
de contratação
dos novos
funcionários
jun/13
Em
andamento
CobiT
 Control Objectives for Information and
related Technology - Objetivos de
Controle para Informação e Tecnologia
relacionada
 Histórico
◦ Criado em 1994 pela ISACF (Information
Systems Audit and Control Foundation –
Ligado à ISACA
◦ 2ª Edição em 1998
◦ 3ª Edição em 2000
◦ Versão 4.0 em 2005
◦ Versão 4.1 em 2007
CobiT
 Segundo o ITGI (IT Governance
Institute), as informações corporativas
e a tecnologia necessária para
suportá-las não podem ser tratadas
isoladamente, devendo a TI ser
considerada uma parte integrante da
estratégia corporativa, em vez de
simplesmente um meio para torná-la
viável. (FERNANDES, A. A.; ABREU,
V. F.)
Objetivos do Modelo CobiT
 Estabelece relacionamentos com os
requisitos do negócio;
 Organiza as atividades da TI em um
modelo de processo genérico;
 Identifica os principais recursos de TI,
nos quais deve haver mais
investimento;
 Define os objetivos de controle que
devem ser considerados para a
gestão.
Áreas-foco da Governança de
TI
Critérios de Controle do
CobiT
 Eficiência;
 Eficácia;
 Confidencialidade;
 Integridade;
 Disponibilidade;
 Conformidade com regulações
(Compliance);
 Confiabilidade.
Recursos de TI
 Pessoas:
◦ Habilidades, conhecimentos, índices de
produtividade...
 Infra-estrutura:
◦ Hardware, sistemas operacionais, bancos
de dados, redes, facilidades...)
 Aplicações
 Informações
Princípios Básicos do CobiT
Questões gerenciais típicas X
Processos de cada domínio do
CobiT
Fonte: FERNANDES, A. A.; ABREU, V. F. Implantando a Governança de TI
Questões gerenciais típicas X
Processos de cada domínio do
CobiT
Fonte: FERNANDES, A. A.; ABREU, V. F. Implantando a Governança de TI
Questões gerenciais típicas X
Processos de cada domínio do
CobiT
Fonte: FERNANDES, A. A.; ABREU, V. F. Implantando a Governança de TI
Questões gerenciais típicas X
Processos de cada domínio do
CobiT
Fonte: FERNANDES, A. A.; ABREU, V. F. Implantando a Governança de TI
Características do CobiT
 Modelo abrangente aplicável para a
auditoria e controle de processo de TI,
desde o planejamento até a
monitoração e auditoria de todos os
processos.
 Baseado sempre na documentação e
evidência.
Níveis de Maturidade das
Organizações de TI
 Nível 0 - Inexistente
◦ Não existem processos na TI
 Nível 1 - Inicial / Ad Hoc
◦ Inicial. Os processos são criados de acordo com
a necessidade de uma situação ou evento
específico.
 Nível 2 - Repetitivo mas intuitivo
◦ Processos um pouco mais definidos, porém
ainda dependente do conhecimento das pessoas
(se um detentor de conhecimento sair da
empresa, aquela área sofre comprometimento).
 Nível 3 - Definido
◦ Processos definidos, padronizados,
documentados e comunicados aos envolvidos
nos processos.
Níveis de Maturidade das
Organizações de TI
 Nível 4 - Gerenciado e mensurável
◦ Processos definidos, padronizados, documentados e
comunicados aos envolvidos nos processos. Além
disso os processos são medidos e ações são
tomadas quando os resultados não são efetivos.
 Nível 5 - Otimizado
◦ Processos definidos, padronizados, documentados e
comunicados aos envolvidos nos processos. Além
disso os processos são medidos e ações são
tomadas quando os resultados não são efetivos.
Mais ainda, os processos são automatizados e novas
ações de modelagem são criadas a partir dos
resultados de melhoria contínua.
CobiT na Prática
Um estudo de caso da implementação do CobiT
RODRIGUES, José Geraldo Loureiro -
Implantação do COBIT na CGU (Controladoria
Geral da União)
Contratação de Consultoria
externa
 Prós
◦ Experiência e capacidade reconhecida;
◦ Metodologias sedimentadas;
◦ Ritmo acelerado.
 Contras
◦ Custo e dificuldade ara contratação;
◦ Pouco conhecimento da cultura da
organização;
◦ Dificuldades de aceitação pelos líderes.
Recursos próprios (nossa opção)
 Prós
◦ Sem dispêndio adicional;
◦ Conhecimento da situação e da cultura da
organização;
◦ Ritmo apropriado à maturidade do pessoal;
◦ Internalização do conhecimento;
◦ Aceitação e envolvimento.
 Contras
◦ Demora para estruturação e capacitação da
equipe responsável pela implantação;
◦ Riscos decorrentes da experiência restrita.
Montagem da Equipe Inicial
 Identificação de representantes com
perfil:
◦ Conhecimento dos conceitos de Governança
de TI
◦ Iniciativas de implantação de melhores
práticas
◦ Motivação para participação no projeto
◦ Líderes de equipe
 Investimento em capacitação da equipe
inicial
 Estabelecimento da estratégia de
implantação
 Preparação do material de apoio
A Introdução do Distúrbio
 Reunião da administração com todos
líderes de equipe e seus substitutos;
 Temas:
◦ Importância de serem os agentes da
mudança;
◦ Os benefícios da mudança;
◦ Oportunidade de aprendizado para todos;
◦ Participação na elaboração do plano de
trabalho.
 Responsabilidade pelo repasse das
informações para suas equipes;
 Transparência e envolvimento de todos.
Diagnóstico da Situação Atual
 Elaboração de questionários segundo IT
Assurance Guide e IT Governance
Implementation Guide:
◦ Um questionário para cada Processo;
◦ Questões para os níveis de maturidade 1, 2
e 3;
◦ Média de cinco questões para cada nível.
 Reuniões semanais para equalização de
conhecimentos e esclarecimentos de
dúvidas:
◦ Uma ou duas reuniões para cada Domínio.
 Preenchimento de todos os
questionários pelos líderes das 13
equipes.
Diagnóstico da Situação Atual
– Números –
 34 questionários;
 527 questões para avaliação;
 13 equipes;
 6851 respostas.
Análise das Respostas
- Momento Atual -
 Consolidação e análise das respostas;
 Discussão das discrepâncias com os
líderes;
 Estabelecimento de prioridades,
trabalho conjunto da Administração e
Líderes.
Próximos Passos
 Elaboração dos planos de ação;
 Aprovação dos planos;
 Implementação;
 Meta: todos os processos críticos, no
mínimo no nível de maturidade 2, até
junho de 2008;
 Avaliação geral do processo;
 Planejamento de nova iteração para o
2ºsemestre de 2008.
ITIL®
Information Technology Infrastructure Library
ITIL®
 Histórico do modelo
◦ Insatisfação com a qualidade do serviço
de TI;
◦ CCTA (Central Computer and Technology
Agency);
◦ CCTA  OGC (Office Government
Commerce);
◦ ITIL V3 - última versão lançada.
Objetivos do Modelo
 Prover conjunto de práticas
amplamente testadas e comprovadas;
 Aumentar o nível de maturidade;
 Uso eficiente e eficaz dos ativos
estratégicos de TI;
 Foco na integração com as
necessidades dos clientes (usuários);
 Prover uma abordagem baseada no
ciclo de vida do serviço.
Estrutura do Modelo
 Núcleo da ITIL
◦ 5 livros:
 Estratégia de Serviço;
 Desenho de Serviço;
 Transição de Serviço;
 Operação de Serviço;
 Melhoria de Serviço Continuada.
Estratégia de Serviço
 Novidade em relação ao ITIL V2;
 Serviço:
◦ Conceito;
◦ Criação do valor de um serviço:
 Utilidade;
 Garantia.
 Encapsulamento;
 ROI (Return of Investiment);
Estratégia de Serviço
 Processos:
◦ Gerenciamento Financeiro;
◦ Gerenciamento do Portfolio de Serviços;
◦ Gerenciamento da Demanda.
Desenho de Serviço
 Definição dos serviços, sistemas e
ferramentas de apoio, arquiteturas
tecnológicas, processo envolvidos e
métricas.
Desenho de Serviço
 Visa assegurar:
◦ A qualidade da entrega do serviço;
◦ A satisfação do cliente;
◦ A eficiência dos custos;
◦ A facilidade de colocar o serviço em
produção.
Desenho de Serviço
 Aspectos básicos:
◦ Cada novo serviço deve ser encarado
como um projeto de solução completa;
◦ Desenhar sistemas e ferramentas do
gerenciamento de serviços;
◦ Desenhar a arquitetura e os sistemas de
gestão;
◦ Desenhar os processos associados, as
habilidades relacionadas e as devidas
responsabilidades;
◦ Desenhar as métricas e métodos de
medição.
Desenho de Serviço
 Processos
◦ Gerenciamento do Catálogo de Serviços;
 Catálogo de Serviços de Negócio;
 Catálogo de Serviços Técnicos.
◦ Gerenciamento do Nível de Serviço;
◦ Gerenciamento da Capacidade;
◦ Gerenciamento da Disponibilidade;
◦ Gerenciamento da Continuidade de Serviços
de TI;
◦ Gerenciamento da Segurança da
Informação;
◦ Gerenciamento de Fornecedor.
Transição de Serviço
 Processos:
◦ Gerenciamento da Mudança;
◦ Gerenciamento da Configuração e de
Ativo de Serviço;
◦ Gerenciamento de Liberação e
Implantação;
◦ Validação e Teste de Serviço;
◦ Avaliação;
◦ Gerenciamento do Conhecimento.
Solicitante: Número:
Assunto: Data
Criação:
Grupo Responsável por Avaliar e Aprovar a Mudança Proposta
Nome / Função Nome / Função Nome / Função Nome / Função
Objetivos da Mudança:
IMPACTOS - Ambiente e clientes afetados:
Cenário Atual:
Cenário proposto
Plano de Ação MACRO
Tarefa Responsável
Data
Inicio/Fim
(Planejada)
Data
Inicio/Fim
(Realizada)
Identificação dos RISCOS e ações
Plano de Comunicação
Resultados Obtidos pós mudanças
Transição de Serviço
 Ferramentas de Apoio à Transição
◦ Sistema de Gerenciamento da
Configuração;
◦ Ferramentas de Colaboração e Workflow;
◦ Sistemas de Gerenciamento de Massas
de Testes;
◦ Ferramentas de Gestão do
Conhecimento.
Operação de Serviço
 Estágio crítico;
 Ponto de Equilíbrio entre atividades
conflitantes:
◦ Comportamento:
 Estabilidade X Responsividade.
◦ Foco:
 Custo X Qualidade.
◦ Atuação:
 Reatividade X Proatividade.
Operação de Serviço
 Processos
◦ Gerenciamento de Evento;
◦ Gerenciamento de Incidente;
◦ Gerenciamento de Problema;
◦ Cumprimento de Requisição;
◦ Gerenciamento de Acesso.
Funções da Operação de
Serviços
 Central de Serviço
◦ Call Center;
◦ Help Desk;
◦ Service Desk.
 Gerenciamento Técnico
 Gerenciamento de Operações de TI
 Gerenciamento de Aplicativo
Atividades Comuns da Operação
de Serviços
 Monitoração e controle;
 Operações de TI (backup e restauração,
impressão);
 Gerenciamento do Data Center;
 Gerenciamento e suporte a servidores;
 Gerenciamento de redes;
 Armazenamento de dados;
 Administração de bancos de dados;
 Gerenciamento de serviço de diretório;
 Suporte a desktops;
 Gerenciamento de middleware;
 Gerenciamento da Internet;
Ferramentas de Apoio à
Operação de Serviços
 Ferramentas de auto-ajuda para os
usuário;
 Sistemas de acesso remoto;
 Ferramentas de diagnóstico;
 Elaboração de relatórios e sistemas
de dashboard de indicadores.
Melhoria de Serviço
Continuada
 Princípios:
◦ Atenção às oportunidades de melhorias;
◦ Benchmarkings ou análise de dados
históricos;
◦ Medição do serviço.
Melhoria de Serviço
Continuada
 Processos:
◦ Melhoria em 7 Passos;
◦ Relatório de Serviço;
◦ Medição de Serviço:
 Componente;
 Serviço;
 Processos;
 Scorecards de Serviços;
 Dashboard de Serviços;
 Scorecard de TI ou Balanced Scorecard.
Avaliação de Desempenho
da TI
Uma Abordagem Baseada na Obtenção e
Tratamento de Indicadores de Desempenho
Avaliação de Desempenho
 “Se você não mede não gerencia”
 Estabelecimento de Metas;
 Monitoramento dos objetivos de
desempenho:
◦ Suporte a serviços;
◦ Entrega de serviços;
◦ Segurança da informação;
◦ Acordos de Nível de Serviço;
◦ Acordos de Nível Operacional.
A Avaliação de Desempenho em
Modelos de Melhores Práticas
 Balanced Scorecard;
 Cobit;
 ITIL;
 Administração Por Objetivos (APO);
Cobit
Cobit
ITIL
Administração Por Objetivos
(APO)
 Segundo CHIAVENATO (2001) a APO
“é um processo pelo qual gerentes e
subordinados identificam objetivos
comuns, definem as áreas de
responsabilidade de cada um em
termos de resultados esperados e
utilizam esses objetivos como guias
para suas atividades”
Administração Por Objetivos
(APO)
Estabelecimento de metas entre
os gestores e os subordinados
Mensuração e controle de
resultados
Análise conjunta dos resultados
obtidos
Revisão e reciclagem dos
objetivos
Sugestão de Indicadores de
Desempenho Por Área de TI
 Suporte Técnico;
 Telefonia;
 Administração de Redes e Segurança
da Informação;
Obtenção de Indicadores do
Suporte Técnico
 Ocomon
Sugestão de KPIs de Suporte
Técnico
 Comparativo de incidentes abertos e
incidentes atendidos dentro do prazo
(SLA);
 Tempo médio de resposta aos
chamados;
 Tempo médio de atendimento dos
chamados;
 Relação dos 10 equipamentos que mais
sofreram intervenções no mês;
 Relação dos 10 serviços que mais
sofreram intervenções no mês;
 Total de reabertura de incidentes.
Obtenção de Indicadores de
Telefonia
 Linhas fixas:
◦ Software de Tarifação (Bilhetagem).
 Linhas móveis:
◦ Sistema Web das Operadoras.
 Outros serviços:
◦ Relatórios e sistemas Web.
Sugestão de KPIs de
Telefonia
 Evolutivo de custos de telefonia mês a
mês – valor orçado versus valor
realizado;
 Custo por departamento mensal;
 Evolutivo de custos de telefonia mês a
mês – por departamento;
 Evolutivo de custos por tipo de serviço
de telefonia – fixo, móvel, VoIP,
comunicação de dados (se possuir),
DDG (Discagem Direta Gratuita, serviço
de 0800, se possuir), serviço de
teleconferência;
Sugestão de KPIs de
Telefonia
 Média de custos por ramal (ou linha
telefônica) – ramais fixos e celulares
corporativos;
 Extrato de custos por linha de celular –
classificação decrescente de custos por
linha de celular com nome do titular;
 Extrato de custos por ramal fixo –
classificação decrescente de custos por
ramal fixo com nome do titular;
 Comparativo de custos – faturas versus
relatórios de tarifação.
Obtenção de Indicadores Para a
Adm. de Redes e Seg. da
Informação
 Cacti:
◦ Protocolo SNMP (Simple Network
Management Protocol, ou Protocolo
Simplificado de Gerenciamento de Rede)
Cacti
Obtenção de Indicadores Para a
Adm. de Redes e Seg. da
Informação
 Nagios:
◦ Dashboards de serviços (relatórios
gráficos em tempo real);
Nagios
Sugestão de KPIs de Adm. de
Redes
 Evolutivo de disponibilidade de
equipamentos ativos (hosts) em
percentual;
 Evolutivo de disponibilidade de
serviços em percentual;
 Percentual de disponibilidade de hosts
e serviços por área;
 Evolutivo mensal de velocidade de
rede LAN por área da organização;
Sugestão de KPIs de Adm. de
Redes
 Evolutivo mensal de velocidade da
rede de dados;
 Relatório mensal da disponibilidade
da rede de dados;
 Relatório de download (recebimento
de dados) e upload (envio de dados)
da rede de dados total e por
estabelecimento (caso a organização
possua mais de uma unidade);
A Apresentação dos
Resultados
 Segundo KIYAN (2001), “no próprio
conceito de medição de desempenho
(MD) está inserido a ideia de
melhoria”.
 Reunião de Apresentação dos
Resultados;
◦ Segundo CHIAVENATO (2003), a reunião
é uma das etapas do esquema de Gestão
por Resultados: “Periodicamente, gerente
e subordinado se reúnem para uma
avaliação conjunta dos resultados e do
A Apresentação de
Resultados
 Etapas:
◦ Definição das metas e indicadores;
◦ Comunicação e identificação dos
responsáveis por cada área;
◦ Medição dos indicadores;
◦ Apresentação periódica dos indicadores;
◦ Apresentação de planos de ação para cada
meta não atingida, distorções ou
oportunidades de melhoria;
◦ Aplicação das ações propostas;
◦ Verificação dos resultados obtidos com as
ações propostas, na próxima apresentação
de resultados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano Diretor de Tecnologia da Informação
Plano Diretor de Tecnologia da InformaçãoPlano Diretor de Tecnologia da Informação
Plano Diretor de Tecnologia da Informação
Helio Rebouças
 
Gestao De Projetos
Gestao De ProjetosGestao De Projetos
Aula 5 Governança de TI
Aula 5   Governança de TIAula 5   Governança de TI
Aula 5 Governança de TI
Alexandre Afonso
 
Aula - Sistemas de Informação Gerencial
Aula - Sistemas de Informação GerencialAula - Sistemas de Informação Gerencial
Aula - Sistemas de Informação Gerencial
Anderson Simão
 
Curso completo COBIT 4.1
Curso completo COBIT 4.1Curso completo COBIT 4.1
Curso completo COBIT 4.1
Fernando Palma
 
Ebook Governança de TI na Prática
Ebook Governança de TI na PráticaEbook Governança de TI na Prática
Ebook Governança de TI na Prática
Fernando Palma
 
Aula 1 - Gestão de Projetos
Aula 1 - Gestão de ProjetosAula 1 - Gestão de Projetos
Aula 1 - Gestão de Projetos
Fernando Dantas
 
Governança de TI - Aula 6 - intro cobit
Governança de TI - Aula 6 - intro cobitGovernança de TI - Aula 6 - intro cobit
Governança de TI - Aula 6 - intro cobit
CEULJI/ULBRA Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná
 
Governança de TI - Aula01 Apresentação da disciplina
Governança de TI - Aula01 Apresentação da disciplinaGovernança de TI - Aula01 Apresentação da disciplina
Governança de TI - Aula01 Apresentação da disciplina
CEULJI/ULBRA Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná
 
Implantando a governança de ti
Implantando a governança de tiImplantando a governança de ti
Implantando a governança de ti
Silvino Neto
 
Gestão da Tecnologia da Informação - Aula 1
Gestão da Tecnologia da Informação - Aula 1Gestão da Tecnologia da Informação - Aula 1
Gestão da Tecnologia da Informação - Aula 1
Alessandro Almeida
 
Aula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias ÁgeisAula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias Ágeis
Mauricio Cesar Santos da Purificação
 
Fundamentos de sistemas de informação
Fundamentos de sistemas de informaçãoFundamentos de sistemas de informação
Fundamentos de sistemas de informação
Leonardo Melo Santos
 
Alinhamento Estratégico em TI
Alinhamento Estratégico em TIAlinhamento Estratégico em TI
Alinhamento Estratégico em TI
Marcus Vinícius
 
Indústria 4.0 - Um guia para Transformacão Digital
Indústria 4.0 - Um guia para Transformacão DigitalIndústria 4.0 - Um guia para Transformacão Digital
Indústria 4.0 - Um guia para Transformacão Digital
MJV Technology & Innovation Brasil
 
Governança de TI - Aula04 - Planejamento Estratégico, Governança de TI e alin...
Governança de TI - Aula04 - Planejamento Estratégico, Governança de TI e alin...Governança de TI - Aula04 - Planejamento Estratégico, Governança de TI e alin...
Governança de TI - Aula04 - Planejamento Estratégico, Governança de TI e alin...
CEULJI/ULBRA Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná
 
Administração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de InformaçãoAdministração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de Informação
Denise Maria Cotoman
 
O erp e o seu papel na gestão das empresas
O erp e o seu papel na gestão das empresasO erp e o seu papel na gestão das empresas
O erp e o seu papel na gestão das empresas
Edilberto Souza
 
Gráfico de gantt
Gráfico de ganttGráfico de gantt
Gráfico de gantt
Edesio Silva Alves
 
Apresentação maven
Apresentação mavenApresentação maven
Apresentação maven
André Justi
 

Mais procurados (20)

Plano Diretor de Tecnologia da Informação
Plano Diretor de Tecnologia da InformaçãoPlano Diretor de Tecnologia da Informação
Plano Diretor de Tecnologia da Informação
 
Gestao De Projetos
Gestao De ProjetosGestao De Projetos
Gestao De Projetos
 
Aula 5 Governança de TI
Aula 5   Governança de TIAula 5   Governança de TI
Aula 5 Governança de TI
 
Aula - Sistemas de Informação Gerencial
Aula - Sistemas de Informação GerencialAula - Sistemas de Informação Gerencial
Aula - Sistemas de Informação Gerencial
 
Curso completo COBIT 4.1
Curso completo COBIT 4.1Curso completo COBIT 4.1
Curso completo COBIT 4.1
 
Ebook Governança de TI na Prática
Ebook Governança de TI na PráticaEbook Governança de TI na Prática
Ebook Governança de TI na Prática
 
Aula 1 - Gestão de Projetos
Aula 1 - Gestão de ProjetosAula 1 - Gestão de Projetos
Aula 1 - Gestão de Projetos
 
Governança de TI - Aula 6 - intro cobit
Governança de TI - Aula 6 - intro cobitGovernança de TI - Aula 6 - intro cobit
Governança de TI - Aula 6 - intro cobit
 
Governança de TI - Aula01 Apresentação da disciplina
Governança de TI - Aula01 Apresentação da disciplinaGovernança de TI - Aula01 Apresentação da disciplina
Governança de TI - Aula01 Apresentação da disciplina
 
Implantando a governança de ti
Implantando a governança de tiImplantando a governança de ti
Implantando a governança de ti
 
Gestão da Tecnologia da Informação - Aula 1
Gestão da Tecnologia da Informação - Aula 1Gestão da Tecnologia da Informação - Aula 1
Gestão da Tecnologia da Informação - Aula 1
 
Aula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias ÁgeisAula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias Ágeis
 
Fundamentos de sistemas de informação
Fundamentos de sistemas de informaçãoFundamentos de sistemas de informação
Fundamentos de sistemas de informação
 
Alinhamento Estratégico em TI
Alinhamento Estratégico em TIAlinhamento Estratégico em TI
Alinhamento Estratégico em TI
 
Indústria 4.0 - Um guia para Transformacão Digital
Indústria 4.0 - Um guia para Transformacão DigitalIndústria 4.0 - Um guia para Transformacão Digital
Indústria 4.0 - Um guia para Transformacão Digital
 
Governança de TI - Aula04 - Planejamento Estratégico, Governança de TI e alin...
Governança de TI - Aula04 - Planejamento Estratégico, Governança de TI e alin...Governança de TI - Aula04 - Planejamento Estratégico, Governança de TI e alin...
Governança de TI - Aula04 - Planejamento Estratégico, Governança de TI e alin...
 
Administração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de InformaçãoAdministração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de Informação
 
O erp e o seu papel na gestão das empresas
O erp e o seu papel na gestão das empresasO erp e o seu papel na gestão das empresas
O erp e o seu papel na gestão das empresas
 
Gráfico de gantt
Gráfico de ganttGráfico de gantt
Gráfico de gantt
 
Apresentação maven
Apresentação mavenApresentação maven
Apresentação maven
 

Semelhante a Governança de TI.pptx

governanc3a7a-de-ti.pptx
governanc3a7a-de-ti.pptxgovernanc3a7a-de-ti.pptx
governanc3a7a-de-ti.pptx
ValbertoSilva5
 
Mtis consultoria - Apresentação Institucional
Mtis consultoria - Apresentação InstitucionalMtis consultoria - Apresentação Institucional
Mtis consultoria - Apresentação Institucional
Edson Marinho
 
Aula 2.0 governança de ti
Aula 2.0 governança de tiAula 2.0 governança de ti
Aula 2.0 governança de ti
lcumaio
 
Técnicas de sistemas de informação aplicadas ti
Técnicas de sistemas de informação aplicadas   tiTécnicas de sistemas de informação aplicadas   ti
Técnicas de sistemas de informação aplicadas ti
AdrianoHenriqueVieir
 
Escritório do CIO x Governança de TI
Escritório do CIO x Governança de TIEscritório do CIO x Governança de TI
Escritório do CIO x Governança de TI
Cesar Monteiro
 
Apresentacao Aula Parte1
Apresentacao Aula Parte1Apresentacao Aula Parte1
Apresentacao Aula Parte1
Humberto Fontes
 
Managed services
Managed servicesManaged services
Managed services
InformaGroup
 
Apresentacao it
Apresentacao itApresentacao it
Apresentacao it
Caiuá França
 
Governança de TIC
Governança de TICGovernança de TIC
Governança de TIC
Eduardo Fagundes
 
Termo De ReferêNcia Fdc & Invit
Termo De ReferêNcia   Fdc & InvitTermo De ReferêNcia   Fdc & Invit
Termo De ReferêNcia Fdc & Invit
minasinvest
 
Artigo - CSTI com Maturidade em Projetos
Artigo - CSTI com Maturidade em ProjetosArtigo - CSTI com Maturidade em Projetos
Artigo - CSTI com Maturidade em Projetos
Edgar Augusto
 
Alex batista(cscbrasil) apresentacao-cmg_2008
Alex batista(cscbrasil) apresentacao-cmg_2008Alex batista(cscbrasil) apresentacao-cmg_2008
Alex batista(cscbrasil) apresentacao-cmg_2008
Joao Galdino Mello de Souza
 
governançadeti-cobit-itil--completo.pptx
governançadeti-cobit-itil--completo.pptxgovernançadeti-cobit-itil--completo.pptx
governançadeti-cobit-itil--completo.pptx
ssuserb49297
 
Apresentação institucional 2010
Apresentação institucional 2010Apresentação institucional 2010
Apresentação institucional 2010
Microlog
 
Premissas estratégicas para gestão de ti no século xxi
Premissas estratégicas para gestão de ti no século xxiPremissas estratégicas para gestão de ti no século xxi
Premissas estratégicas para gestão de ti no século xxi
Paulo Henrique Pinhão
 
Investimento e Custeio em Tecnologia da Informação
Investimento e Custeio em Tecnologia da InformaçãoInvestimento e Custeio em Tecnologia da Informação
Investimento e Custeio em Tecnologia da Informação
Marcus Vinícius
 
Governança de-ti-na-pratica
Governança de-ti-na-praticaGovernança de-ti-na-pratica
Governança de-ti-na-pratica
Brodrigues28
 
TI para o CxO
TI para o CxOTI para o CxO
TI para o CxO
PMO Fast Track
 
Tendências para o Mercado de GTI para 2011
Tendências para o Mercado de GTI para 2011Tendências para o Mercado de GTI para 2011
Tendências para o Mercado de GTI para 2011
rayfranrocha
 
Gestão da Tecnologia da Informação (06/03/2013)
Gestão da Tecnologia da Informação (06/03/2013)Gestão da Tecnologia da Informação (06/03/2013)
Gestão da Tecnologia da Informação (06/03/2013)
Alessandro Almeida
 

Semelhante a Governança de TI.pptx (20)

governanc3a7a-de-ti.pptx
governanc3a7a-de-ti.pptxgovernanc3a7a-de-ti.pptx
governanc3a7a-de-ti.pptx
 
Mtis consultoria - Apresentação Institucional
Mtis consultoria - Apresentação InstitucionalMtis consultoria - Apresentação Institucional
Mtis consultoria - Apresentação Institucional
 
Aula 2.0 governança de ti
Aula 2.0 governança de tiAula 2.0 governança de ti
Aula 2.0 governança de ti
 
Técnicas de sistemas de informação aplicadas ti
Técnicas de sistemas de informação aplicadas   tiTécnicas de sistemas de informação aplicadas   ti
Técnicas de sistemas de informação aplicadas ti
 
Escritório do CIO x Governança de TI
Escritório do CIO x Governança de TIEscritório do CIO x Governança de TI
Escritório do CIO x Governança de TI
 
Apresentacao Aula Parte1
Apresentacao Aula Parte1Apresentacao Aula Parte1
Apresentacao Aula Parte1
 
Managed services
Managed servicesManaged services
Managed services
 
Apresentacao it
Apresentacao itApresentacao it
Apresentacao it
 
Governança de TIC
Governança de TICGovernança de TIC
Governança de TIC
 
Termo De ReferêNcia Fdc & Invit
Termo De ReferêNcia   Fdc & InvitTermo De ReferêNcia   Fdc & Invit
Termo De ReferêNcia Fdc & Invit
 
Artigo - CSTI com Maturidade em Projetos
Artigo - CSTI com Maturidade em ProjetosArtigo - CSTI com Maturidade em Projetos
Artigo - CSTI com Maturidade em Projetos
 
Alex batista(cscbrasil) apresentacao-cmg_2008
Alex batista(cscbrasil) apresentacao-cmg_2008Alex batista(cscbrasil) apresentacao-cmg_2008
Alex batista(cscbrasil) apresentacao-cmg_2008
 
governançadeti-cobit-itil--completo.pptx
governançadeti-cobit-itil--completo.pptxgovernançadeti-cobit-itil--completo.pptx
governançadeti-cobit-itil--completo.pptx
 
Apresentação institucional 2010
Apresentação institucional 2010Apresentação institucional 2010
Apresentação institucional 2010
 
Premissas estratégicas para gestão de ti no século xxi
Premissas estratégicas para gestão de ti no século xxiPremissas estratégicas para gestão de ti no século xxi
Premissas estratégicas para gestão de ti no século xxi
 
Investimento e Custeio em Tecnologia da Informação
Investimento e Custeio em Tecnologia da InformaçãoInvestimento e Custeio em Tecnologia da Informação
Investimento e Custeio em Tecnologia da Informação
 
Governança de-ti-na-pratica
Governança de-ti-na-praticaGovernança de-ti-na-pratica
Governança de-ti-na-pratica
 
TI para o CxO
TI para o CxOTI para o CxO
TI para o CxO
 
Tendências para o Mercado de GTI para 2011
Tendências para o Mercado de GTI para 2011Tendências para o Mercado de GTI para 2011
Tendências para o Mercado de GTI para 2011
 
Gestão da Tecnologia da Informação (06/03/2013)
Gestão da Tecnologia da Informação (06/03/2013)Gestão da Tecnologia da Informação (06/03/2013)
Gestão da Tecnologia da Informação (06/03/2013)
 

Último

Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 

Último (7)

Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 

Governança de TI.pptx

  • 1. Governança de TI Fabrício Costa Santana prof.fabricio@outlook.com http://professorfabricio.net
  • 2. Apresentação da disciplina  Ementa ◦ Governança e gestão de TI e a importância do alinhamento entre TI e negócio. Planejamento estratégico. Gestão do desempenho. Apresentação dos principais modelos de melhores práticas usados na atualidade (Balanced Scorecard, CobiT e ITIL)
  • 3. Apresentação da disciplina  OBJETIVO GERAL ◦ O propósito desta disciplina é apresentar aos alunos os aspectos da governança e gestão de TI, conceituando-os acerca dos principais modelos de melhores práticas usados na atualidade (Balanced Scorecard, CobiT e ITIL).  OBJETIVOS ESPECÍFICOS (Competências/Habilidades – aprendizagens que serão consolidadas pelos estudantes) ◦ Capacitar os alunos a aplicar os modelos atualizados de gestão de tecnologia da informação; ◦ Demonstrar, através de estudos de caso, a importância do alinhamento entre a TI e ◦ Ampliar a capacidade de percepção dos alunos para as principais tendências mundiais, nacionais e locais na área de Gestão da Tecnologia da Informação. ◦ Apresentar conceitos dos modelos Balanced Score Card, CobIT e ITIL.
  • 4. Referências  FERNANDES, Aguinaldo Aragon; ABREU, Vladimir Ferraz – Implantando a Governança de TI – da Estratégia à Gestão dos Processos e Serviços. Brasport, 2ª Edição, 2011  SILVA, Pedro Tavares; TORRES, Catarina Botelho – Gestão e Liderança para Profissionais de TI. FCA, 1ª Edição, 2010  CobiT 4.1  ITIL V3
  • 5.
  • 6.  Todos os estudantes de áreas relacionadas aos negócios, independentemente da especialidade, precisam: ◦ Entender como os sistemas de informação são usados pelas empresas para atingir os objetivos corporativos: excelência operacional, desenvolvimento de novos produtos e serviços e relacionamento estreito com o cliente; ◦ Ser capazes de trabalhar com os especialistas e desenvolvedores que projetam e implantam sistemas de informação. Só assim será possível garantir que os sistemas desenvolvidos de fato atendam aos propósitos da empresa e forneçam informações e entendimento úteis a administradores e funcionários.
  • 7. Cenário de negócios  Competição mais intensa;  Inteligência competitiva;  Concorrência global;  Ciclo de vida curto de produtos e serviços;  Internacionalização da economia;  Clientes mais conscientes e exigentes;  O negócio depende da TI (redes, internet, telecomunicações...).
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Goiás está a milhares de quilômetros da Grécia e os comerciantes do Planalto Central do Brasil não teriam, à primeira vista, motivos para perder o sono com o calote do governo grego. Pois teriam.
  • 13.
  • 14. “Hoje cai a ficha que a gente vai colocando cada vez mais na internet e quando acontece um desastre desses, as pessoas se dão conta de como são dependentes”. Os custos imprevistos que foram gerados, e o isolamento das empresas, só reforçaram o pensamento de Barros. “Quando propomos uma alternativa, as empresas se recusam, pois o custo fica um pouco mais pesado, hoje elas entendem que essas perdas que o comércio está tendo, justificaria com apenas um ano de contingência”, explica.
  • 15. Os avanços na integração tecnológica  Integração das cadeias de suprimentos;  Aplicações de integração de gestão (ERP, MRP, WMS);  Integração através de infra-estrutura de redes e comunicação;  Aplicações de gestão de clientes (CRM);  Inteligência de negócio e mineração de dados (Datawarehouse,
  • 16. Fonte: SANTOS, Luis Claudio; BARUQUE, Lúcia Blondet - Governança em Tecnologia da Informação
  • 17. O que os clientes esperam da TI ? GOVERNANÇA DE TI Rapidez na resolução de incidentes e serviços Capacidade de expansão do negócio Disponibilidade da infra-estrutura Disponibilidade das aplicações Projetos dentro do prazo e orçamento Alinhamento com o negócio
  • 18. Conceito “Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a finalidade de garantir controles efetivos, ampliar os processos de segurança, minimizar os riscos, ampliar o desempenho, otimizar a aplicação de recursos, reduzir os custos, suportar as melhores decisões e consequentemente alinhar TI aos negócios.” (PERES, João R.)
  • 19.
  • 20. Mas afinal, o que a Governança de TI deve garantir?  Alinhamento ao negócio;  Continuidade do negócio;  Alinhamento a marcos de regulação externos.
  • 21. Principais Frameworks Ferramenta/Framework Utilização BSC (Balanced Scorecard) Planejamento e desempenho. COBIT Governança e controle. ITIL e ISO 20000 Serviço. PMBOK Projeto. CMMI e MPS BR Engenharia de software. Val IT Investimentos em TI. TOGAF Framework de arquitetura de negócio, aplicações e tecnologia. NBR ISO/IEC 38500 Governança Corporativa de Tecnologia da Informação. SIX SIGMA Qualidade. Fonte: Prof. André Moura (Universidade Estácio de Sá)
  • 22. O ciclo da Governança de TI Alinhamento estratégico e Compliance Decisão, compromisso, priorização e alocação de recursos Estrutura, processos, operações e gestão Medição de desempenho
  • 23. Domínios e Componentes da Governança de TI
  • 25. Alinhamento Estratégico  Conceito  Alinhamento estático e dinâmico ◦ Exemplos
  • 27. Princípios de TI  Segundo Weil & Ross (2004) e Boadbent & Kitzis (2005), os princípios de TI tratam de: ◦ Papel da TI para a empresa ◦ Informação e Dados ◦ Padrão de arquiteturas e serviços ◦ Comunicações ◦ Ativos de TI
  • 28. Necessidade de Aplicações  Novas aplicações  Melhorias em aplicações existentes  Reestruturação de aplicações existentes  Substituição de aplicações existentes  Descarte de aplicações existentes
  • 29. Análise da Necessidade de Aplicações
  • 30. Arquitetura de TI  Conceito  Foco da arquitetura de TI ◦ Padronização de dados e processos ◦ Compartilhamento da Infra-estrutura ◦ Como implementar aplicações considerando a arquitetura de dados e processos padrões ◦ Como as novas aplicações devem ser integradas ao legado ◦ Padrões de acesso e saídas dos usuários ◦ Reutilização dos componentes de serviços da arquitetura
  • 31. Objetivos de Desempenho  Conceito  “Se você não mede não gerencia”  Definição dos Objetivos de Desempenho  Acordos de Níveis de Serviço
  • 32. Capacidade de Atendimento  Quantidade de Recursos Humanos necessários para atender a demanda de sistemas e serviços
  • 33. Estratégias de Outsourcing  Conceito  Decisões: ◦ O que passar ◦ Como fazer ◦ Como escolher a melhor parceria ◦ Como gerenciar os serviços ◦ Como gerar o desempenho de fornecedores e prestadores de serviços ◦ Como fazer a transição de um modelo de operação para outro ◦ Como fazer transferência de um fornecedor para outro
  • 34. Política de Segurança da Informação  Documento de diretrizes e ações relacionadas à segurança da informação e continuidade do negócio
  • 35. Competências  Habilidades e conhecimento necessários para o desenvolvimento e implantação das iniciativas de TI
  • 36. Processos e Organização  apresentam a forma de como os produtos e serviços de TI serão desenvolvidos, gerenciados e entregues aos usuários e clientes
  • 37. Plano de Tecnologia da Informação  Documento que define todas as etapas do alinhamento estratégico
  • 39. Mecanismos de Decisão  Quem são os responsáveis por cada sub-área da TI: ◦ Princípios de TI; ◦ Arquitetura da informação; ◦ Infra-estrutura da TI; ◦ Prioridade das aplicações; ◦ Investimentos em aplicações e infra- estrutura; ◦ Política de segurança da informação; ◦ Outsourcing (terceirização).
  • 40. Portfólio de TI  Instrumento para a priorização e aplicação de investimentos, usado para determinar os tipos de negócios viáveis. É composto por projetos, serviços e ativos. Engloba todos os investimentos e custeio das atividades de TI, dentro ou fora de TI  Objetivos: ◦ Comunicar as prioridades de investimentos de TI na organização ◦ Eliminar as redundâncias de projetos de TI ◦ Mostrar os riscos dos investimentos de TI ◦ Criar sinergia no uso dos recursos de TI ◦ Acompanhar a execução dos projetos de TI ◦ Alinhar as prioridades de TI com as prioridades da organização ◦ Ser a ponte entre a estratégia e os objetivos do negócio com TI
  • 42. Operações de Serviços  Atendimento dos serviços de TI  Principais operações: ◦ Sistemas; ◦ Suporte técnico; ◦ Infra-estrutura; ◦ Segurança da informação; ◦ Suporte ao CIO (Chief Information Officer. Gestor de TI); ◦ Processos; ◦ Outras operações.
  • 43. Relacionamento Com o Cliente  Interação com os usuários internos e externos: ◦ Como o cliente solicita o serviço; ◦ Quem pode solicitar o serviço; ◦ Como os serviços são avaliados; ◦ Quais os canais de comunicação; ◦ Atribuição de responsabilidades em projetos entre os clientes e a TI; ◦ Capacitação da TI e dos usuários; ◦ Como os projetos são desenvolvidos em conjunto com o cliente.
  • 44. Relacionamento Com Fornecedores  Como as solicitações são encaminhadas para os fornecedores;  Como o fornecedor responde a solicitação;  Como os ANO (Acordos de Nível Operacional) e contratos de apoio são controlados;  Como a qualidade de serviços é avaliada e melhorada;  Como o desempenho do fornecedor é controlado.
  • 46. Gestão do Desempenho  Monitoramento dos objetivos de desempenho ◦ Suporte a serviços; ◦ Entrega de serviços; ◦ Segurança da informação; ◦ Acordos de Nível de Serviço; ◦ Acordos de Nível Operacional.
  • 47. MELHORES PRÁTICAS NA ÁREA DE GOVERNANÇA DE TI
  • 48. Balanced Scorecard (BSC)  Histórico: ◦ Metodologia desenvolvida por Robert Kaplan e David Norton em meados da década de 1990; ◦ “A estratégia de uma organização descreve como ela pretende criar valor para seus acionistas, clientes e cidadãos” (KAPLAN; NORTON, 2000).
  • 50. Perspectiva Clientes  Proporciona uma qualificação para que o objetivo tenha resultado satisfatório em aspectos como: satisfação, fidelização, retenção, captação e lucratividade. Também pode ter foco na consolidação da marca no mercado.
  • 51. Perspectiva Financeira  Promove alinhamento dos custos e receita. Foco em resultados financeiros propiciando aos acionistas uma visão de lucratividade.
  • 52. Perspectiva Processos Internos  Proporciona mitigar riscos e possíveis desvios de workflow que prejudique a eficiência e a eficácia dos processos operacionais como: retrabalho, desperdício, perda dentre outros fatores. Pode-se utilizar de metodologias BPM ou PDCA para auxiliar na gestão de processos.
  • 53. Perspectiva Aprendizado e Crescimento  Dentre as quatro essa é que se caracteriza por ser intangível, porém tem alto grau de importância no contexto organizacional. Tem como objetivo a formação e disseminação da cultura e do aprendizado interno da organização. Serve como termômetro para as outras três perspectivas do BSC.
  • 54. Princípios da Organização Focalizada na Estratégia  Traduzir a estratégia em termos operacionais;  Alinhamento da organização à estratégia;  Transformar a estratégia em tarefa para todos;  Converter a estratégia em processo contínuo;  Mobilizar a mudança por meio da liderança executiva.
  • 55. Fatores Críticos Para o Sucesso do BSC  Definir objetivos com base na Estratégia Empresarial.  Definir metas financeiras.  Definir metas de mercado com foco em clientes.  Alinhar processos internos (uso de BPM ou PDCA).  Identificar processos críticos.  Promover capacitação aos colaboradores (disseminar cultura).
  • 56. Ciclo PDCA  O modelo PDCA (ou ciclo de Deming) é usado para controlar uma série de ações, com o objetivo de controlar algum processo. Este modelo é baseado em quatro etapas: ◦ Planejar (Plan) ◦ Executar (Do) ◦ Verificar (Check) ◦ Agir (Act)
  • 57.
  • 58. BSC na Prática: Exemplo de Modelo  BSC aplicado a um setor de atendimento de chamados de TI (Service Desk, Help Desk)  As seguintes perspectivas são consideradas: ◦ Perspectiva da Satisfação do Cliente; ◦ Perspectiva da Satisfação do Empregado; ◦ Perspectiva do Custo e Produtividade; ◦ Perspectiva da Maturidade Organizacional.
  • 59. Balanced Scorecard (BSC)  KPI – Key Performance Indicator – indicador chave de desempenho
  • 60. Perspectiva da Satisfação do Cliente KPI Projetado Realizado GAP Total de chamadas recebidas/mês 1500 1750 250 Total de chamadas atendidas/mês 1470 1100 -370 Nível de satisfação 90% 72% -18% Pesquisas de satisfação respondidas 2300 1980 -320 Tempo médio de atendimento (TMA) 2min 6,3min -4,25 Chamadas abandonadas 125 373 -248 % de chamadas abandonadas 2% 13% 11%
  • 61. Perspectiva da Satisfação do Empregado KPI Projetado Realizado GAP Total de funcionários diretos 30 25 -5 % Satisfação de funcionário 87% 69% -18% No. rotatividade de funcionários 2 2 0 Horas de treinamento (FTE) 64 16 -48 Pesquisas de satisfação respondidas (funcionários) 50 45 -5
  • 62. Perspectiva do Custo e Produtividade KPI Projetado Realizado GAP Usuários atendidos 250 290 40 SS - Solicitações de Serviço atendidas 1000 950 -50 Custo unitário por Solicitação de Serviço 150 175 25 Horas trabalhadas em atendimento 5000 4590 -410 Média dê SS por usuário 3 4 1 Custo por usuário 250 290 40 Média de usuários atendidos por profissional 8 10 2 SS atendidas por profissional 34 35 1
  • 63. Perspectiva da Maturidade Organizacional KPI Projetado Realizado GAP Tempo para resolução das lacunas de conhecimento (# dias) 4 7 -3 Tempo de proficiência dos novos profissionais (# dias) 27 32 5 Tempo de proficiência em novos produtos (# dias) 12 14 2 Eliminação do trabalho que não agrega valor (Escala de 1 a 10) 8 6 -2 Formalização dos Processos de TI (Escala de 1 a 10) 8 7 -1 Certificação do Service Desk 85 70 -15
  • 64. Exemplo de PDCA O QUE CAUSA QUEM COMO QUANDO STATUS Volume elevado de chamadas no Service Desk Falta de treinamento adequado das ferramentas de TI para com os usuários Setor de Treinamentos Introduzindo um treinamento na primeira semana de contratação dos novos funcionários jun/13 Em andamento
  • 65. CobiT  Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos de Controle para Informação e Tecnologia relacionada  Histórico ◦ Criado em 1994 pela ISACF (Information Systems Audit and Control Foundation – Ligado à ISACA ◦ 2ª Edição em 1998 ◦ 3ª Edição em 2000 ◦ Versão 4.0 em 2005 ◦ Versão 4.1 em 2007
  • 66. CobiT  Segundo o ITGI (IT Governance Institute), as informações corporativas e a tecnologia necessária para suportá-las não podem ser tratadas isoladamente, devendo a TI ser considerada uma parte integrante da estratégia corporativa, em vez de simplesmente um meio para torná-la viável. (FERNANDES, A. A.; ABREU, V. F.)
  • 67. Objetivos do Modelo CobiT  Estabelece relacionamentos com os requisitos do negócio;  Organiza as atividades da TI em um modelo de processo genérico;  Identifica os principais recursos de TI, nos quais deve haver mais investimento;  Define os objetivos de controle que devem ser considerados para a gestão.
  • 69. Critérios de Controle do CobiT  Eficiência;  Eficácia;  Confidencialidade;  Integridade;  Disponibilidade;  Conformidade com regulações (Compliance);  Confiabilidade.
  • 70. Recursos de TI  Pessoas: ◦ Habilidades, conhecimentos, índices de produtividade...  Infra-estrutura: ◦ Hardware, sistemas operacionais, bancos de dados, redes, facilidades...)  Aplicações  Informações
  • 72.
  • 73. Questões gerenciais típicas X Processos de cada domínio do CobiT Fonte: FERNANDES, A. A.; ABREU, V. F. Implantando a Governança de TI
  • 74. Questões gerenciais típicas X Processos de cada domínio do CobiT Fonte: FERNANDES, A. A.; ABREU, V. F. Implantando a Governança de TI
  • 75. Questões gerenciais típicas X Processos de cada domínio do CobiT Fonte: FERNANDES, A. A.; ABREU, V. F. Implantando a Governança de TI
  • 76. Questões gerenciais típicas X Processos de cada domínio do CobiT Fonte: FERNANDES, A. A.; ABREU, V. F. Implantando a Governança de TI
  • 77. Características do CobiT  Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento até a monitoração e auditoria de todos os processos.  Baseado sempre na documentação e evidência.
  • 78. Níveis de Maturidade das Organizações de TI  Nível 0 - Inexistente ◦ Não existem processos na TI  Nível 1 - Inicial / Ad Hoc ◦ Inicial. Os processos são criados de acordo com a necessidade de uma situação ou evento específico.  Nível 2 - Repetitivo mas intuitivo ◦ Processos um pouco mais definidos, porém ainda dependente do conhecimento das pessoas (se um detentor de conhecimento sair da empresa, aquela área sofre comprometimento).  Nível 3 - Definido ◦ Processos definidos, padronizados, documentados e comunicados aos envolvidos nos processos.
  • 79. Níveis de Maturidade das Organizações de TI  Nível 4 - Gerenciado e mensurável ◦ Processos definidos, padronizados, documentados e comunicados aos envolvidos nos processos. Além disso os processos são medidos e ações são tomadas quando os resultados não são efetivos.  Nível 5 - Otimizado ◦ Processos definidos, padronizados, documentados e comunicados aos envolvidos nos processos. Além disso os processos são medidos e ações são tomadas quando os resultados não são efetivos. Mais ainda, os processos são automatizados e novas ações de modelagem são criadas a partir dos resultados de melhoria contínua.
  • 80. CobiT na Prática Um estudo de caso da implementação do CobiT RODRIGUES, José Geraldo Loureiro - Implantação do COBIT na CGU (Controladoria Geral da União)
  • 81. Contratação de Consultoria externa  Prós ◦ Experiência e capacidade reconhecida; ◦ Metodologias sedimentadas; ◦ Ritmo acelerado.  Contras ◦ Custo e dificuldade ara contratação; ◦ Pouco conhecimento da cultura da organização; ◦ Dificuldades de aceitação pelos líderes.
  • 82. Recursos próprios (nossa opção)  Prós ◦ Sem dispêndio adicional; ◦ Conhecimento da situação e da cultura da organização; ◦ Ritmo apropriado à maturidade do pessoal; ◦ Internalização do conhecimento; ◦ Aceitação e envolvimento.  Contras ◦ Demora para estruturação e capacitação da equipe responsável pela implantação; ◦ Riscos decorrentes da experiência restrita.
  • 83. Montagem da Equipe Inicial  Identificação de representantes com perfil: ◦ Conhecimento dos conceitos de Governança de TI ◦ Iniciativas de implantação de melhores práticas ◦ Motivação para participação no projeto ◦ Líderes de equipe  Investimento em capacitação da equipe inicial  Estabelecimento da estratégia de implantação  Preparação do material de apoio
  • 84. A Introdução do Distúrbio  Reunião da administração com todos líderes de equipe e seus substitutos;  Temas: ◦ Importância de serem os agentes da mudança; ◦ Os benefícios da mudança; ◦ Oportunidade de aprendizado para todos; ◦ Participação na elaboração do plano de trabalho.  Responsabilidade pelo repasse das informações para suas equipes;  Transparência e envolvimento de todos.
  • 85. Diagnóstico da Situação Atual  Elaboração de questionários segundo IT Assurance Guide e IT Governance Implementation Guide: ◦ Um questionário para cada Processo; ◦ Questões para os níveis de maturidade 1, 2 e 3; ◦ Média de cinco questões para cada nível.  Reuniões semanais para equalização de conhecimentos e esclarecimentos de dúvidas: ◦ Uma ou duas reuniões para cada Domínio.  Preenchimento de todos os questionários pelos líderes das 13 equipes.
  • 86. Diagnóstico da Situação Atual – Números –  34 questionários;  527 questões para avaliação;  13 equipes;  6851 respostas.
  • 87. Análise das Respostas - Momento Atual -  Consolidação e análise das respostas;  Discussão das discrepâncias com os líderes;  Estabelecimento de prioridades, trabalho conjunto da Administração e Líderes.
  • 88. Próximos Passos  Elaboração dos planos de ação;  Aprovação dos planos;  Implementação;  Meta: todos os processos críticos, no mínimo no nível de maturidade 2, até junho de 2008;  Avaliação geral do processo;  Planejamento de nova iteração para o 2ºsemestre de 2008.
  • 89.
  • 90.
  • 91.
  • 92.
  • 93.
  • 95. ITIL®  Histórico do modelo ◦ Insatisfação com a qualidade do serviço de TI; ◦ CCTA (Central Computer and Technology Agency); ◦ CCTA  OGC (Office Government Commerce); ◦ ITIL V3 - última versão lançada.
  • 96. Objetivos do Modelo  Prover conjunto de práticas amplamente testadas e comprovadas;  Aumentar o nível de maturidade;  Uso eficiente e eficaz dos ativos estratégicos de TI;  Foco na integração com as necessidades dos clientes (usuários);  Prover uma abordagem baseada no ciclo de vida do serviço.
  • 97. Estrutura do Modelo  Núcleo da ITIL ◦ 5 livros:  Estratégia de Serviço;  Desenho de Serviço;  Transição de Serviço;  Operação de Serviço;  Melhoria de Serviço Continuada.
  • 98.
  • 99. Estratégia de Serviço  Novidade em relação ao ITIL V2;  Serviço: ◦ Conceito; ◦ Criação do valor de um serviço:  Utilidade;  Garantia.  Encapsulamento;  ROI (Return of Investiment);
  • 100. Estratégia de Serviço  Processos: ◦ Gerenciamento Financeiro; ◦ Gerenciamento do Portfolio de Serviços; ◦ Gerenciamento da Demanda.
  • 101. Desenho de Serviço  Definição dos serviços, sistemas e ferramentas de apoio, arquiteturas tecnológicas, processo envolvidos e métricas.
  • 102. Desenho de Serviço  Visa assegurar: ◦ A qualidade da entrega do serviço; ◦ A satisfação do cliente; ◦ A eficiência dos custos; ◦ A facilidade de colocar o serviço em produção.
  • 103. Desenho de Serviço  Aspectos básicos: ◦ Cada novo serviço deve ser encarado como um projeto de solução completa; ◦ Desenhar sistemas e ferramentas do gerenciamento de serviços; ◦ Desenhar a arquitetura e os sistemas de gestão; ◦ Desenhar os processos associados, as habilidades relacionadas e as devidas responsabilidades; ◦ Desenhar as métricas e métodos de medição.
  • 104. Desenho de Serviço  Processos ◦ Gerenciamento do Catálogo de Serviços;  Catálogo de Serviços de Negócio;  Catálogo de Serviços Técnicos. ◦ Gerenciamento do Nível de Serviço; ◦ Gerenciamento da Capacidade; ◦ Gerenciamento da Disponibilidade; ◦ Gerenciamento da Continuidade de Serviços de TI; ◦ Gerenciamento da Segurança da Informação; ◦ Gerenciamento de Fornecedor.
  • 105. Transição de Serviço  Processos: ◦ Gerenciamento da Mudança; ◦ Gerenciamento da Configuração e de Ativo de Serviço; ◦ Gerenciamento de Liberação e Implantação; ◦ Validação e Teste de Serviço; ◦ Avaliação; ◦ Gerenciamento do Conhecimento.
  • 106. Solicitante: Número: Assunto: Data Criação: Grupo Responsável por Avaliar e Aprovar a Mudança Proposta Nome / Função Nome / Função Nome / Função Nome / Função Objetivos da Mudança: IMPACTOS - Ambiente e clientes afetados: Cenário Atual: Cenário proposto
  • 107. Plano de Ação MACRO Tarefa Responsável Data Inicio/Fim (Planejada) Data Inicio/Fim (Realizada) Identificação dos RISCOS e ações Plano de Comunicação Resultados Obtidos pós mudanças
  • 108. Transição de Serviço  Ferramentas de Apoio à Transição ◦ Sistema de Gerenciamento da Configuração; ◦ Ferramentas de Colaboração e Workflow; ◦ Sistemas de Gerenciamento de Massas de Testes; ◦ Ferramentas de Gestão do Conhecimento.
  • 109. Operação de Serviço  Estágio crítico;  Ponto de Equilíbrio entre atividades conflitantes: ◦ Comportamento:  Estabilidade X Responsividade. ◦ Foco:  Custo X Qualidade. ◦ Atuação:  Reatividade X Proatividade.
  • 110. Operação de Serviço  Processos ◦ Gerenciamento de Evento; ◦ Gerenciamento de Incidente; ◦ Gerenciamento de Problema; ◦ Cumprimento de Requisição; ◦ Gerenciamento de Acesso.
  • 111. Funções da Operação de Serviços  Central de Serviço ◦ Call Center; ◦ Help Desk; ◦ Service Desk.  Gerenciamento Técnico  Gerenciamento de Operações de TI  Gerenciamento de Aplicativo
  • 112. Atividades Comuns da Operação de Serviços  Monitoração e controle;  Operações de TI (backup e restauração, impressão);  Gerenciamento do Data Center;  Gerenciamento e suporte a servidores;  Gerenciamento de redes;  Armazenamento de dados;  Administração de bancos de dados;  Gerenciamento de serviço de diretório;  Suporte a desktops;  Gerenciamento de middleware;  Gerenciamento da Internet;
  • 113. Ferramentas de Apoio à Operação de Serviços  Ferramentas de auto-ajuda para os usuário;  Sistemas de acesso remoto;  Ferramentas de diagnóstico;  Elaboração de relatórios e sistemas de dashboard de indicadores.
  • 114. Melhoria de Serviço Continuada  Princípios: ◦ Atenção às oportunidades de melhorias; ◦ Benchmarkings ou análise de dados históricos; ◦ Medição do serviço.
  • 115. Melhoria de Serviço Continuada  Processos: ◦ Melhoria em 7 Passos; ◦ Relatório de Serviço; ◦ Medição de Serviço:  Componente;  Serviço;  Processos;  Scorecards de Serviços;  Dashboard de Serviços;  Scorecard de TI ou Balanced Scorecard.
  • 116. Avaliação de Desempenho da TI Uma Abordagem Baseada na Obtenção e Tratamento de Indicadores de Desempenho
  • 117. Avaliação de Desempenho  “Se você não mede não gerencia”  Estabelecimento de Metas;  Monitoramento dos objetivos de desempenho: ◦ Suporte a serviços; ◦ Entrega de serviços; ◦ Segurança da informação; ◦ Acordos de Nível de Serviço; ◦ Acordos de Nível Operacional.
  • 118. A Avaliação de Desempenho em Modelos de Melhores Práticas  Balanced Scorecard;  Cobit;  ITIL;  Administração Por Objetivos (APO);
  • 119. Cobit
  • 120. Cobit
  • 121. ITIL
  • 122. Administração Por Objetivos (APO)  Segundo CHIAVENATO (2001) a APO “é um processo pelo qual gerentes e subordinados identificam objetivos comuns, definem as áreas de responsabilidade de cada um em termos de resultados esperados e utilizam esses objetivos como guias para suas atividades”
  • 123. Administração Por Objetivos (APO) Estabelecimento de metas entre os gestores e os subordinados Mensuração e controle de resultados Análise conjunta dos resultados obtidos Revisão e reciclagem dos objetivos
  • 124. Sugestão de Indicadores de Desempenho Por Área de TI  Suporte Técnico;  Telefonia;  Administração de Redes e Segurança da Informação;
  • 125. Obtenção de Indicadores do Suporte Técnico  Ocomon
  • 126. Sugestão de KPIs de Suporte Técnico  Comparativo de incidentes abertos e incidentes atendidos dentro do prazo (SLA);  Tempo médio de resposta aos chamados;  Tempo médio de atendimento dos chamados;  Relação dos 10 equipamentos que mais sofreram intervenções no mês;  Relação dos 10 serviços que mais sofreram intervenções no mês;  Total de reabertura de incidentes.
  • 127. Obtenção de Indicadores de Telefonia  Linhas fixas: ◦ Software de Tarifação (Bilhetagem).  Linhas móveis: ◦ Sistema Web das Operadoras.  Outros serviços: ◦ Relatórios e sistemas Web.
  • 128. Sugestão de KPIs de Telefonia  Evolutivo de custos de telefonia mês a mês – valor orçado versus valor realizado;  Custo por departamento mensal;  Evolutivo de custos de telefonia mês a mês – por departamento;  Evolutivo de custos por tipo de serviço de telefonia – fixo, móvel, VoIP, comunicação de dados (se possuir), DDG (Discagem Direta Gratuita, serviço de 0800, se possuir), serviço de teleconferência;
  • 129. Sugestão de KPIs de Telefonia  Média de custos por ramal (ou linha telefônica) – ramais fixos e celulares corporativos;  Extrato de custos por linha de celular – classificação decrescente de custos por linha de celular com nome do titular;  Extrato de custos por ramal fixo – classificação decrescente de custos por ramal fixo com nome do titular;  Comparativo de custos – faturas versus relatórios de tarifação.
  • 130. Obtenção de Indicadores Para a Adm. de Redes e Seg. da Informação  Cacti: ◦ Protocolo SNMP (Simple Network Management Protocol, ou Protocolo Simplificado de Gerenciamento de Rede)
  • 131. Cacti
  • 132. Obtenção de Indicadores Para a Adm. de Redes e Seg. da Informação  Nagios: ◦ Dashboards de serviços (relatórios gráficos em tempo real);
  • 133. Nagios
  • 134. Sugestão de KPIs de Adm. de Redes  Evolutivo de disponibilidade de equipamentos ativos (hosts) em percentual;  Evolutivo de disponibilidade de serviços em percentual;  Percentual de disponibilidade de hosts e serviços por área;  Evolutivo mensal de velocidade de rede LAN por área da organização;
  • 135. Sugestão de KPIs de Adm. de Redes  Evolutivo mensal de velocidade da rede de dados;  Relatório mensal da disponibilidade da rede de dados;  Relatório de download (recebimento de dados) e upload (envio de dados) da rede de dados total e por estabelecimento (caso a organização possua mais de uma unidade);
  • 136. A Apresentação dos Resultados  Segundo KIYAN (2001), “no próprio conceito de medição de desempenho (MD) está inserido a ideia de melhoria”.  Reunião de Apresentação dos Resultados; ◦ Segundo CHIAVENATO (2003), a reunião é uma das etapas do esquema de Gestão por Resultados: “Periodicamente, gerente e subordinado se reúnem para uma avaliação conjunta dos resultados e do
  • 137. A Apresentação de Resultados  Etapas: ◦ Definição das metas e indicadores; ◦ Comunicação e identificação dos responsáveis por cada área; ◦ Medição dos indicadores; ◦ Apresentação periódica dos indicadores; ◦ Apresentação de planos de ação para cada meta não atingida, distorções ou oportunidades de melhoria; ◦ Aplicação das ações propostas; ◦ Verificação dos resultados obtidos com as ações propostas, na próxima apresentação de resultados.