SlideShare uma empresa Scribd logo
[object Object],[object Object]
[object Object],Aquecimento: 1) Qual o nome completo de Allan Kardec? 2) Em qual cidade ele nasceu? 3) Em que dia, mês e ano ele nasceu? 4) Qual era sua profissão? 5) Ele foi casado? Em caso positivo, qual o nome de sua esposa? 6) Quando ele começou a se envolver com os fenômenos espíritas? ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Aquecimento - respostas: 1) Hyppolite Léon Denizard Rivail.  2) Em Lyon, na França. 3) Em 03 de outubro de 1804. 4) Bacharelou-se em Ciências e Letras (em 1818). 5) Sim. Amélie Boudet. 6) Em 1854, mas somente em maio de 1855, em casa de Mme Plainemaison, que ele assistiu ao fenômeno das mesas girantes.   ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Pai:  Jean Baptiste-Antoine Rivail (juiz) Mãe:  Jeane Louise Duhamel (dona de casa) ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Em 1814, com 10 anos, seus pais o enviam a Yverdon. ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Pestalozzi ->  Internato de Yverdon Influências de Rousseau Educação como salvação do homem Potencialidade se encontra na criança Internato: desenho, escrita, canto, educação física, modelagem, cartografia e excursões ao ar livre "[...] a melhor escola ainda é o lar, onde a criatura deve receber as bases do sentimento e do caráter" e que "[...] a universidade pode fazer o cidadão, mas somente o lar pode edificar o homem". ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],A jornada escolar tinha inicio às 6h da manhã até às 20h ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Em janeiro de  1823 Rivail já vivia em Paris à rue de la Harpe . Com apenas dezoito anos de idade, o jovem professor colocara em prática sua vocação para o magistério e a de tradutor de livros. No final deste mesmo ano, em 6 de dezembro, a bibliografia da França registrava o aparecimento do seu primeiro livro: o  Curso prático e teórico de aritmética - por H.-L.-D. Rivail Ainda no mesmo ano de 1823, interessado pelo magnetismo animal, Rivail começa a freqüentar os trabalhos da Sociedade de Magnetismo de Paris, vindo a ser, ele próprio, um magnetizador. ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Em 1826, fundou o Instituto Técnico Rivail, financiado pelos tios maternos, modelado no recém-extinto Instituto de Yverdon.  “ A educação é a arte de formar os homens; isto é, a arte de fazer eclodir neles os germes da virtude e abafar os do vício; de desenvolver sua inteligência e lhes dar instrução própria às suas necessidades; enfim, de formar o corpo e de lhe dar força e saúde. Numa palavra, a meta da educação consiste no desenvolvimento simultâneo das faculdades morais, físicas e intelectuais. Eis o que todos repetem, mas o que não se pratica .” (Rivail - Textos pedagógicos. Editora Comenius, 1998 - p.15). Professor Rivail dedicou sua vida à educação, convencido de que, só através dela, poderemos melhorar o ser humano. ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Tableau de 2004 représentant Allan Kardec et Amélie Boudet, réalisé à l'occasion du congrès spirite mondial. No ano de 1831, Rivail conheceu aquela que seria sua companheira e principal colaboradora, a professora de letras e belas-artes Amélie-Gabrielle Boudet. No dia 9 de fevereiro de 1832, Rivail e Amélie se casaram e passaram a residir no Instituto Técnico Rivail, que se situava na rua de Sèvres nº35. ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Em 1834, Rivail é forçado a vender os Instituto Técnico Rivail, pois, seu tio e sócio capitalista, perdidamente apaixonado pelo jogo, endividado requer sua parte do investimento. O professor e sua esposa ficaram sem um níquel. Longe de desanimar, o Sr. e Sra. Rivail lançaram corajosamente no trabalho. Fez a contabilidade de três empresas e à noite escrevia gramáticas, aritméticas e traduzia livros. - Plano para o Melhoramento da Instrução Pública(1828); - Curso Prático e Teórico de Aritmética, segundo o Método de Pestalozzi e para uso dos professores e das mães de família(1829); - Gramática Clássica Francesa(1831); - Manual para Exames de Capacidade; Soluções Racionais de Questões e Problemas de Aritmética e Geometria(1846); - Programas dos Cursos ordinários e Física, Química, Astronomia e Fisiologia(que Kardec fazia no Liceu Plimático); - Pontos para os Exames do Hotel de Ville e da Sorbone, acompanhados de Instruções Especiais sobre as dificuldades Ortográficas(1849).   ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],“ A minha primeira iniciação no espiritismo foi em 1854 que pela primeira vez ouvi falar das mesas girantes” dizia Rivail; “encontrei um dia o magnetizador, Senhor Fortier, a quem eu conhecia desde muito tempo e que me disse: - Já sabe da singular propriedade que se acaba de descobrir no Magnetismo? Parece que já não são somente as pessoas que se podem magnetizar, mas também as mesas, conseguindo-se que elas girem e caminhem à vontade. (...) “Algum tempo depois, encontrei-me novamente com o Sr. Fortier, que me disse: - Temos uma coisa muito mais extraordinária; não só se consegue que uma mesa se mova, magnetizando-a, como também que fale. Interrogada, ela responde. - Isto agora, repliquei-lhe, é outra questão.” (Rivail) ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Durante este período, também tomou conhecimento do fenômeno da escrita mediúnica - ou  psicografia , e assim passou a se comunicar com os espíritos. Um desses espíritos, conhecido como um "espírito familiar", passa a orientar os seus trabalhos. Mais tarde, este espírito iria lhe informar que já o conhecia no tempo das Gálias, com o nome de Allan Kardec. Assim, Rivail passa a adotar este  pseudônimo , sob o qual publicou as obras que sintetizam as leis da Doutrina Espírita. ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Aplicação do método científico. 1- Que o espíritos, sendo as almas dos homens, não tinham nem a soberana sabedoria ,  nem a soberana ciência. 2-Que o seu saber era limitado ao grau de seu adiantamento, e que sua opinião não tinha senão o valor de uma opinião pessoal. Isto preservou Kardec de formular teorias prematuras, apenas com a comunicação de um só de alguns espíritas.  Primeiras conclusõe s ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Srs. Carlotti, René Taillandier, Thiedman-Mantêse Sardau e o editor Didier Entregaram a Kardec 50 cadernos de comunicações recebidas em 5 anos, pois conheciam bastante o seu poder de síntese e de ordenação. As sessões então passaram a ter um objetivo determinado e Kardec, propunha aos Espíritos uma série de perguntas já preparadas e metódicamente dispostas. As perguntas versavam sobre Filosofia, Psicologia e natureza do mundo invisível ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Além do pentateuco, Kardec publicou mais cinco obras complementares: - Revista Espírita (periódico de estudos psicológicos), publicada mensalmente de 1 de janeiro de 1858 a 1869; - O que é o Espiritismo (resumo sob a forma de perguntas e respostas), em 1859; - Instrução prática sobre as manifestações espíritas (substituída pelo Livro dos Médiuns; publicada no Brasil pela editora O Pensamento) - O Espiritismo em sua expressão mais simples, em 1862; Viagem Espírita de 1862 (publicada no Brasil pela editora O Clarim). As sessões então passaram a ter um objetivo determinado e Kardec, propunha aos Espíritos uma série de perguntas já preparadas e metódicamente dispostas. As perguntas versavam sobre Filosofia, Psicologia e natureza do mundo invisível ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Após o seu falecimento, viria à luz: - Obras Póstumas, em 1890. Outras obras menos conhecidas foram também publicadas no Brasil: - O principiante espírita (pela editora O Pensamento) - A Obsessão (pela editora O Clarim) As sessões então passaram a ter um objetivo determinado e Kardec, propunha aos Espíritos uma série de perguntas já preparadas e metódicamente dispostas. As perguntas versavam sobre Filosofia, Psicologia e natureza do mundo invisível ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Em 31 de março de 1869, Allan Kardec desencarna e seu corpo foi enterrado no cemitério de Montmartre, em Paris, no dia 2 de abril de 1869.  “ Até à vista, meu caro Allan Kardec, até à vista!” foram as últimas palavras de Camille Flamamarion em seu discurso pronunciado junto ao túmulo de Allan Kardec. Em março de 1870, os despojos mortais de Allan Kardec foram transferidos para o cemitério do Père-Lachaise, em Paris, ao lado de Balzac, Chopin, Molière, Lafontaine, Proust, Delacroix ,[object Object],[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Grandes transições
Grandes transiçõesGrandes transições
Grandes transições
TomSlick
 
Allan Kardec, Sua Vida E Sua Obra.Ppsx
Allan Kardec, Sua Vida E Sua Obra.PpsxAllan Kardec, Sua Vida E Sua Obra.Ppsx
Allan Kardec, Sua Vida E Sua Obra.Ppsx
Roque Souza
 
Rene Descartes, por Jeff
Rene Descartes, por JeffRene Descartes, por Jeff
Rene Descartes, por Jeff
Jefferson Baptista Macedo
 
02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte
Denise Aguiar
 
D 03 Doutrina Espirita
D 03   Doutrina EspiritaD 03   Doutrina Espirita
D 03 Doutrina Espirita
JPS Junior
 
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - allan kardec e a codificacao do espi...
( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - allan kardec e a codificacao do espi...( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - allan kardec e a codificacao do espi...
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - allan kardec e a codificacao do espi...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
René descartes
René descartesRené descartes
René descartes
edmildo
 
Descartes
DescartesDescartes
07 Perguntas para você conhecer René Descartes melhor.
07 Perguntas para você conhecer René Descartes melhor.07 Perguntas para você conhecer René Descartes melhor.
07 Perguntas para você conhecer René Descartes melhor.
Gabriel Andrade
 
A codificação espírita (sef)
A codificação espírita (sef)A codificação espírita (sef)
A codificação espírita (sef)
Ricardo Akerman
 
A vida e obra de René Descartes
A vida e obra de René DescartesA vida e obra de René Descartes
A vida e obra de René Descartes
marquitocamisa9
 
René Descartes - Roteiro de aula
René Descartes - Roteiro de aulaRené Descartes - Roteiro de aula
René Descartes - Roteiro de aula
Rafael Oliveira
 
História do Espiritismo no Brasil
História do Espiritismo no BrasilHistória do Espiritismo no Brasil
História do Espiritismo no Brasil
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
BIOGRAFIA RENÉ DESCARTES
BIOGRAFIA RENÉ DESCARTESBIOGRAFIA RENÉ DESCARTES
BIOGRAFIA RENÉ DESCARTES
Nayara Lopes
 
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_penseAndre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
A vida, obra e contribuição do filósofo Descartes
A vida, obra e contribuição do filósofo DescartesA vida, obra e contribuição do filósofo Descartes
A vida, obra e contribuição do filósofo Descartes
Franciele Florentino
 
Contribuições de René Descartes
Contribuições de René DescartesContribuições de René Descartes
Contribuições de René Descartes
Beatriz De Menezes Corrêa
 
Allan kardec - A Missão
Allan kardec - A MissãoAllan kardec - A Missão
Allan kardec - A Missão
Antonino Silva
 
Fenômenos Hydesville Mesas Girantes
Fenômenos Hydesville Mesas GirantesFenômenos Hydesville Mesas Girantes
Fenômenos Hydesville Mesas Girantes
Fatima Carvalho
 
René Descartes e JohnLocke
René Descartes e JohnLockeRené Descartes e JohnLocke
René Descartes e JohnLocke
Gaabi0
 

Mais procurados (20)

Grandes transições
Grandes transiçõesGrandes transições
Grandes transições
 
Allan Kardec, Sua Vida E Sua Obra.Ppsx
Allan Kardec, Sua Vida E Sua Obra.PpsxAllan Kardec, Sua Vida E Sua Obra.Ppsx
Allan Kardec, Sua Vida E Sua Obra.Ppsx
 
Rene Descartes, por Jeff
Rene Descartes, por JeffRene Descartes, por Jeff
Rene Descartes, por Jeff
 
02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte
 
D 03 Doutrina Espirita
D 03   Doutrina EspiritaD 03   Doutrina Espirita
D 03 Doutrina Espirita
 
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - allan kardec e a codificacao do espi...
( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - allan kardec e a codificacao do espi...( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - allan kardec e a codificacao do espi...
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - allan kardec e a codificacao do espi...
 
René descartes
René descartesRené descartes
René descartes
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
07 Perguntas para você conhecer René Descartes melhor.
07 Perguntas para você conhecer René Descartes melhor.07 Perguntas para você conhecer René Descartes melhor.
07 Perguntas para você conhecer René Descartes melhor.
 
A codificação espírita (sef)
A codificação espírita (sef)A codificação espírita (sef)
A codificação espírita (sef)
 
A vida e obra de René Descartes
A vida e obra de René DescartesA vida e obra de René Descartes
A vida e obra de René Descartes
 
René Descartes - Roteiro de aula
René Descartes - Roteiro de aulaRené Descartes - Roteiro de aula
René Descartes - Roteiro de aula
 
História do Espiritismo no Brasil
História do Espiritismo no BrasilHistória do Espiritismo no Brasil
História do Espiritismo no Brasil
 
BIOGRAFIA RENÉ DESCARTES
BIOGRAFIA RENÉ DESCARTESBIOGRAFIA RENÉ DESCARTES
BIOGRAFIA RENÉ DESCARTES
 
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_penseAndre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
 
A vida, obra e contribuição do filósofo Descartes
A vida, obra e contribuição do filósofo DescartesA vida, obra e contribuição do filósofo Descartes
A vida, obra e contribuição do filósofo Descartes
 
Contribuições de René Descartes
Contribuições de René DescartesContribuições de René Descartes
Contribuições de René Descartes
 
Allan kardec - A Missão
Allan kardec - A MissãoAllan kardec - A Missão
Allan kardec - A Missão
 
Fenômenos Hydesville Mesas Girantes
Fenômenos Hydesville Mesas GirantesFenômenos Hydesville Mesas Girantes
Fenômenos Hydesville Mesas Girantes
 
René Descartes e JohnLocke
René Descartes e JohnLockeRené Descartes e JohnLocke
René Descartes e JohnLocke
 

Destaque

Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
Power Point
 
O KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO
O KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMOO KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO
O KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
O ESPÍRITA ALLAN KARDEC
O ESPÍRITA ALLAN KARDECO ESPÍRITA ALLAN KARDEC
O ESPÍRITA ALLAN KARDEC
Jorge Luiz dos Santos
 
Aula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na Europa
Aula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na EuropaAula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na Europa
Aula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na Europa
contatodoutrina2013
 
O livro dos médiuns - Sistemas
O livro dos médiuns -  SistemasO livro dos médiuns -  Sistemas
O livro dos médiuns - Sistemas
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Allan kardec e o espiritismo
Allan kardec e o espiritismoAllan kardec e o espiritismo
Allan kardec e o espiritismo
Leonardo Pereira
 
Biografia Allan Kardec - Estudando: livro o que é o espiritismo n.2
Biografia Allan Kardec - Estudando: livro o que é o espiritismo n.2Biografia Allan Kardec - Estudando: livro o que é o espiritismo n.2
Biografia Allan Kardec - Estudando: livro o que é o espiritismo n.2
Graça Maciel
 
Resumo o livro dos espíritos - item 10 - 16
Resumo o livro dos espíritos - item 10 - 16Resumo o livro dos espíritos - item 10 - 16
Resumo o livro dos espíritos - item 10 - 16
Graça Maciel
 
Os fenômenos de Hydesville e as mesas girantes - ESDE - 2
Os fenômenos de Hydesville e as mesas girantes - ESDE - 2Os fenômenos de Hydesville e as mesas girantes - ESDE - 2
Os fenômenos de Hydesville e as mesas girantes - ESDE - 2
Graça Maciel
 
Palestra Allan Kardec
Palestra Allan KardecPalestra Allan Kardec
Palestra Allan Kardec
The Fraternity Spiritist Group
 
Consolador prometido
Consolador prometidoConsolador prometido
Consolador prometido
Luciane Belchior
 
Cristo Consolador
Cristo ConsoladorCristo Consolador
Cristo Consolador
Sergio Menezes
 
Capítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo ConsoladorCapítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo Consolador
grupodepaisceb
 
Aula 06 - Introdução do Livro dos Espíritos
Aula 06 - Introdução do Livro dos EspíritosAula 06 - Introdução do Livro dos Espíritos
Aula 06 - Introdução do Livro dos Espíritos
contatodoutrina2013
 
O Livro dos Espíritos
O Livro dos EspíritosO Livro dos Espíritos
O Livro dos Espíritos
Instituto Espírita de Educação
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6
Graça Maciel
 
Apostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina Espirita
Apostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina EspiritaApostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina Espirita
Apostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina Espirita
Gevluz de Luz
 
Estudos do evangelho - Bem Aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - Bem Aventurados os Aflitos Estudos do evangelho - Bem Aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - Bem Aventurados os Aflitos
Leonardo Pereira
 
Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
guest6d35e1
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Clair Bianchini
 

Destaque (20)

Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
 
O KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO
O KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMOO KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO
O KARDEC E O TRABALHO DE CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO
 
O ESPÍRITA ALLAN KARDEC
O ESPÍRITA ALLAN KARDECO ESPÍRITA ALLAN KARDEC
O ESPÍRITA ALLAN KARDEC
 
Aula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na Europa
Aula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na EuropaAula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na Europa
Aula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na Europa
 
O livro dos médiuns - Sistemas
O livro dos médiuns -  SistemasO livro dos médiuns -  Sistemas
O livro dos médiuns - Sistemas
 
Allan kardec e o espiritismo
Allan kardec e o espiritismoAllan kardec e o espiritismo
Allan kardec e o espiritismo
 
Biografia Allan Kardec - Estudando: livro o que é o espiritismo n.2
Biografia Allan Kardec - Estudando: livro o que é o espiritismo n.2Biografia Allan Kardec - Estudando: livro o que é o espiritismo n.2
Biografia Allan Kardec - Estudando: livro o que é o espiritismo n.2
 
Resumo o livro dos espíritos - item 10 - 16
Resumo o livro dos espíritos - item 10 - 16Resumo o livro dos espíritos - item 10 - 16
Resumo o livro dos espíritos - item 10 - 16
 
Os fenômenos de Hydesville e as mesas girantes - ESDE - 2
Os fenômenos de Hydesville e as mesas girantes - ESDE - 2Os fenômenos de Hydesville e as mesas girantes - ESDE - 2
Os fenômenos de Hydesville e as mesas girantes - ESDE - 2
 
Palestra Allan Kardec
Palestra Allan KardecPalestra Allan Kardec
Palestra Allan Kardec
 
Consolador prometido
Consolador prometidoConsolador prometido
Consolador prometido
 
Cristo Consolador
Cristo ConsoladorCristo Consolador
Cristo Consolador
 
Capítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo ConsoladorCapítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo Consolador
 
Aula 06 - Introdução do Livro dos Espíritos
Aula 06 - Introdução do Livro dos EspíritosAula 06 - Introdução do Livro dos Espíritos
Aula 06 - Introdução do Livro dos Espíritos
 
O Livro dos Espíritos
O Livro dos EspíritosO Livro dos Espíritos
O Livro dos Espíritos
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6
 
Apostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina Espirita
Apostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina EspiritaApostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina Espirita
Apostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina Espirita
 
Estudos do evangelho - Bem Aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - Bem Aventurados os Aflitos Estudos do evangelho - Bem Aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - Bem Aventurados os Aflitos
 
Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 

Semelhante a Geead 2011_06_22: Allan Kardec - o professor e o codificador

allan-kardec.ppt
allan-kardec.pptallan-kardec.ppt
allan-kardec.ppt
LuizEdmundoSilva1
 
Excertos biográficos de Allan Kardec
Excertos biográficos de Allan KardecExcertos biográficos de Allan Kardec
Excertos biográficos de Allan Kardec
Osvaldo Brascher
 
ELIZETH CORONA - Conhecer Jesus, Estudando Kardec
ELIZETH CORONA - Conhecer Jesus, Estudando  Kardec ELIZETH CORONA - Conhecer Jesus, Estudando  Kardec
ELIZETH CORONA - Conhecer Jesus, Estudando Kardec
guest9002b0
 
A Codificação Espírita.ppt
A Codificação Espírita.pptA Codificação Espírita.ppt
A Codificação Espírita.ppt
Lucas Leal
 
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãOKardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
Sergio Menezes
 
150 anos de O Livro dos Médiuns
150 anos de O Livro dos Médiuns150 anos de O Livro dos Médiuns
150 anos de O Livro dos Médiuns
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
( Espiritismo) # - biografias # allan kardec
( Espiritismo)   # - biografias # allan kardec( Espiritismo)   # - biografias # allan kardec
( Espiritismo) # - biografias # allan kardec
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - biografias # allan kardec (2)
( Espiritismo)   # - biografias # allan kardec (2)( Espiritismo)   # - biografias # allan kardec (2)
( Espiritismo) # - biografias # allan kardec (2)
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Módulo II - Aula II - Mansão Espírita
Módulo II - Aula II - Mansão EspíritaMódulo II - Aula II - Mansão Espírita
Módulo II - Aula II - Mansão Espírita
brunoquadros
 
O Livro dos Médiuns
O Livro dos MédiunsO Livro dos Médiuns
O Livro dos Médiuns
Eduardo Henrique Marçal
 
( Espiritismo) # - andreia azevedo - allan kardec
( Espiritismo)   # - andreia azevedo - allan kardec( Espiritismo)   # - andreia azevedo - allan kardec
( Espiritismo) # - andreia azevedo - allan kardec
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Apresentacao_Historia_do_Espiritismo_Telma_Lima.pdf
Apresentacao_Historia_do_Espiritismo_Telma_Lima.pdfApresentacao_Historia_do_Espiritismo_Telma_Lima.pdf
Apresentacao_Historia_do_Espiritismo_Telma_Lima.pdf
TelmaLima40
 
O livro-dos-mediuns - book pdf
O livro-dos-mediuns - book pdfO livro-dos-mediuns - book pdf
O livro-dos-mediuns - book pdf
Altibano Ortenzi
 
O Livro dos Espíritos
O Livro dos EspíritosO Livro dos Espíritos
O Livro dos Espíritos
Wilma Badan C.G.
 
# Ide jf - curso de introducao a doutrina espirita - [ espiritismo]
#   Ide jf - curso de introducao a doutrina espirita - [ espiritismo]#   Ide jf - curso de introducao a doutrina espirita - [ espiritismo]
# Ide jf - curso de introducao a doutrina espirita - [ espiritismo]
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
2016 01-17-ce-biografia allan-kardec_e_leon_diniz-sandra_b
2016 01-17-ce-biografia allan-kardec_e_leon_diniz-sandra_b2016 01-17-ce-biografia allan-kardec_e_leon_diniz-sandra_b
2016 01-17-ce-biografia allan-kardec_e_leon_diniz-sandra_b
carlos freire
 
De rivail a kardec
De rivail a kardecDe rivail a kardec
De rivail a kardec
Helio Cruz
 
De rivail a kardec
De rivail a kardecDe rivail a kardec
De rivail a kardec
Helio Cruz
 
De Rivail a Kardec
De Rivail a KardecDe Rivail a Kardec
De Rivail a Kardec
Helio Cruz
 
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espíritaO Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
Anderson Santos
 

Semelhante a Geead 2011_06_22: Allan Kardec - o professor e o codificador (20)

allan-kardec.ppt
allan-kardec.pptallan-kardec.ppt
allan-kardec.ppt
 
Excertos biográficos de Allan Kardec
Excertos biográficos de Allan KardecExcertos biográficos de Allan Kardec
Excertos biográficos de Allan Kardec
 
ELIZETH CORONA - Conhecer Jesus, Estudando Kardec
ELIZETH CORONA - Conhecer Jesus, Estudando  Kardec ELIZETH CORONA - Conhecer Jesus, Estudando  Kardec
ELIZETH CORONA - Conhecer Jesus, Estudando Kardec
 
A Codificação Espírita.ppt
A Codificação Espírita.pptA Codificação Espírita.ppt
A Codificação Espírita.ppt
 
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãOKardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
 
150 anos de O Livro dos Médiuns
150 anos de O Livro dos Médiuns150 anos de O Livro dos Médiuns
150 anos de O Livro dos Médiuns
 
( Espiritismo) # - biografias # allan kardec
( Espiritismo)   # - biografias # allan kardec( Espiritismo)   # - biografias # allan kardec
( Espiritismo) # - biografias # allan kardec
 
( Espiritismo) # - biografias # allan kardec (2)
( Espiritismo)   # - biografias # allan kardec (2)( Espiritismo)   # - biografias # allan kardec (2)
( Espiritismo) # - biografias # allan kardec (2)
 
Módulo II - Aula II - Mansão Espírita
Módulo II - Aula II - Mansão EspíritaMódulo II - Aula II - Mansão Espírita
Módulo II - Aula II - Mansão Espírita
 
O Livro dos Médiuns
O Livro dos MédiunsO Livro dos Médiuns
O Livro dos Médiuns
 
( Espiritismo) # - andreia azevedo - allan kardec
( Espiritismo)   # - andreia azevedo - allan kardec( Espiritismo)   # - andreia azevedo - allan kardec
( Espiritismo) # - andreia azevedo - allan kardec
 
Apresentacao_Historia_do_Espiritismo_Telma_Lima.pdf
Apresentacao_Historia_do_Espiritismo_Telma_Lima.pdfApresentacao_Historia_do_Espiritismo_Telma_Lima.pdf
Apresentacao_Historia_do_Espiritismo_Telma_Lima.pdf
 
O livro-dos-mediuns - book pdf
O livro-dos-mediuns - book pdfO livro-dos-mediuns - book pdf
O livro-dos-mediuns - book pdf
 
O Livro dos Espíritos
O Livro dos EspíritosO Livro dos Espíritos
O Livro dos Espíritos
 
# Ide jf - curso de introducao a doutrina espirita - [ espiritismo]
#   Ide jf - curso de introducao a doutrina espirita - [ espiritismo]#   Ide jf - curso de introducao a doutrina espirita - [ espiritismo]
# Ide jf - curso de introducao a doutrina espirita - [ espiritismo]
 
2016 01-17-ce-biografia allan-kardec_e_leon_diniz-sandra_b
2016 01-17-ce-biografia allan-kardec_e_leon_diniz-sandra_b2016 01-17-ce-biografia allan-kardec_e_leon_diniz-sandra_b
2016 01-17-ce-biografia allan-kardec_e_leon_diniz-sandra_b
 
De rivail a kardec
De rivail a kardecDe rivail a kardec
De rivail a kardec
 
De rivail a kardec
De rivail a kardecDe rivail a kardec
De rivail a kardec
 
De Rivail a Kardec
De Rivail a KardecDe Rivail a Kardec
De Rivail a Kardec
 
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espíritaO Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
 

Mais de Geead Abu Dhabi

GEEAD_2012_02_08
GEEAD_2012_02_08GEEAD_2012_02_08
GEEAD_2012_02_08
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2012_02_01
GEEAD_2012_02_01GEEAD_2012_02_01
GEEAD_2012_02_01
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2012_01_18
GEEAD_2012_01_18GEEAD_2012_01_18
GEEAD_2012_01_18
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2012_01_11
GEEAD_2012_01_11GEEAD_2012_01_11
GEEAD_2012_01_11
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2012_01_04
GEEAD_2012_01_04GEEAD_2012_01_04
GEEAD_2012_01_04
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_11_30
GEEAD_2011_11_30GEEAD_2011_11_30
GEEAD_2011_11_30
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_11_16
GEEAD_2011_11_16GEEAD_2011_11_16
GEEAD_2011_11_16
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_11_02
GEEAD_2011_11_02GEEAD_2011_11_02
GEEAD_2011_11_02
Geead Abu Dhabi
 
OqueFazesDeEspecial
OqueFazesDeEspecialOqueFazesDeEspecial
OqueFazesDeEspecial
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_11_23
GEEAD_2011_11_23GEEAD_2011_11_23
GEEAD_2011_11_23
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_10_26
GEEAD_2011_10_26GEEAD_2011_10_26
GEEAD_2011_10_26
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorioGEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
Geead Abu Dhabi
 
Geead 2011 10_19
Geead 2011 10_19Geead 2011 10_19
Geead 2011 10_19
Geead Abu Dhabi
 
Geead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnação
Geead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnaçãoGeead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnação
Geead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnação
Geead Abu Dhabi
 
Geead 19-10-2011: A mediunidade com Jesus
Geead 19-10-2011: A mediunidade com JesusGeead 19-10-2011: A mediunidade com Jesus
Geead 19-10-2011: A mediunidade com Jesus
Geead Abu Dhabi
 
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espíritoGeead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead Abu Dhabi
 
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espíritoGeead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead Abu Dhabi
 
Geead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atos
Geead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atosGeead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atos
Geead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atos
Geead Abu Dhabi
 

Mais de Geead Abu Dhabi (20)

GEEAD_2012_02_08
GEEAD_2012_02_08GEEAD_2012_02_08
GEEAD_2012_02_08
 
GEEAD_2012_02_01
GEEAD_2012_02_01GEEAD_2012_02_01
GEEAD_2012_02_01
 
GEEAD_2012_01_18
GEEAD_2012_01_18GEEAD_2012_01_18
GEEAD_2012_01_18
 
GEEAD_2012_01_11
GEEAD_2012_01_11GEEAD_2012_01_11
GEEAD_2012_01_11
 
GEEAD_2012_01_04
GEEAD_2012_01_04GEEAD_2012_01_04
GEEAD_2012_01_04
 
GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14
 
GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14
 
GEEAD_2011_11_30
GEEAD_2011_11_30GEEAD_2011_11_30
GEEAD_2011_11_30
 
GEEAD_2011_11_16
GEEAD_2011_11_16GEEAD_2011_11_16
GEEAD_2011_11_16
 
GEEAD_2011_11_02
GEEAD_2011_11_02GEEAD_2011_11_02
GEEAD_2011_11_02
 
OqueFazesDeEspecial
OqueFazesDeEspecialOqueFazesDeEspecial
OqueFazesDeEspecial
 
GEEAD_2011_11_23
GEEAD_2011_11_23GEEAD_2011_11_23
GEEAD_2011_11_23
 
GEEAD_2011_10_26
GEEAD_2011_10_26GEEAD_2011_10_26
GEEAD_2011_10_26
 
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorioGEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
 
Geead 2011 10_19
Geead 2011 10_19Geead 2011 10_19
Geead 2011 10_19
 
Geead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnação
Geead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnaçãoGeead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnação
Geead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnação
 
Geead 19-10-2011: A mediunidade com Jesus
Geead 19-10-2011: A mediunidade com JesusGeead 19-10-2011: A mediunidade com Jesus
Geead 19-10-2011: A mediunidade com Jesus
 
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espíritoGeead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
 
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espíritoGeead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
 
Geead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atos
Geead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atosGeead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atos
Geead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atos
 

Último

CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
MasaCalixto2
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (18)

CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 

Geead 2011_06_22: Allan Kardec - o professor e o codificador

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.

Notas do Editor

  1. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  2. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  3. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  4. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  5. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  6. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  7. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  8. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  9. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  10. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  11. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  12. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  13. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  14. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  15. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  16. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  17. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).