SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DO
    MARANHÃO – UFMA
      PROFEBPAR



   CURSO DE PEDAGOGIA

          Grajaú
           2012
BENILDA ARAÚJO DOS SANTOS
CORACI DUARTE BELÉM
DILVANE INÊS M. ALVES DE SALES
ELISÂNGELA FERREIRA
ERBENE DE MELO ARAÚJO
ÉRICA LIMA
FRANCISCA M. DE CARVALHO
MEMORIAL DOS GARIMPEIROS DE
          GRAJAÚ
Local onde se fazia

 SERRA      as prospecções,
          vista a partir da Vila
           dos Garimpeiros.
PELADA   Altitude máxima   503 m



         Comprimento
                           5.800 há


         Localização
                           Curionópolis
                           Pará
         País(es)
                           Brasil
Brasília, abril de 1998.




Aos garimpeiros da nossa cidade e do
      Brasil nossa mais sincera
            homenagem!
PRIMEIROS GARIMPEIROS AQUE ENTRARAM NA SERRA
                    PELADA:

      1º Zé Baixinho ( Camisaria Chaves)
       2º E 3º Francisco Sales da Rocha
( Chico Rocha) e Raimundo Periquito em 16 de
                maio de 1980.
  O grajauense que ganhou mais dinheiro no
garimpo ficou conhecido como Adão Soldado.
   Ele “banburrou” com 102 kg de ouro, no
   entanto, morreu pobre, muito pobre.
     A 1ª mulher a entrar no garimpo era
    maranhense ,em 24 de junho de 1986.
EM GRAJAÚ...

 São 333 garimpeiros associados na Cooperativa dos
 Garimpeiros da Serra pelada – COOMIGASP;

Em torno de 10% são mulheres;

Outros 10% aproximadamente são herdeiros.

       “Todos compartilham o mesmo sonho:
  Receber uma indenização que varia de valor de
  acordo com o tamanho do sonho”.
José Agostinho Franclin
     Sales, assim como
   tantos outros, se foi
    sem levar nenhum
 proveito do seu sonho,
  porém, deixou muito
  de si, principalmente
     seu carinho e sua
 bondade, um exemplo
       a ser seguido.
• Quantos pais de família
  deixaram seus filhos e suas
 esposas e foram em busca de
uma vida melhor! Quantos deles
  voltaram? Quantos deles ao
 chegar em casa não tiveram o
  prazer de reencontrar seus
        entes-querido...
• Pensou-se nessa pesquisa a partir de
  relatos orais e escritos de amigos e
  parentes que viveram e vivem um
  sonho: Ganhar dinheiro, ficar rico,
  ou apenas conseguir o sustento de
  suas famílias, educar seus filhos,
  comprar um carro, enfim, ter uma
  vida digna e, por considerar
  interessante a forma de luta desta
  classe de trabalhadores do Brasil.
No início era assim... Tronco de árvores serviam de
 pontes para os carregadores de cascalho passar.
  Essas pontes mediam em média 200 metros.
Os garimpeiros
 carregavam em
média 50 sacos de
cascalhos por dia.
   Subindo essa
     serra eles
 formavam uma
  multidão, que
 ficou conhecida
       como
   “formigueiro
     humano”.
•    Ao observar algumas imagens é
    possível imaginar o sofrimento, a
    angústia, a saudade, mas também, a
    esperança depositada em cada saco
    de cascalho, em cada passo forçado
    na subida daquela imponente ladeira.
Alguns homens aventuravam a sorte e matavam a fome lavando
pequenas porções de terra que ganhavam dos barranqueiros de
    bom coração. Essas porções eram chamadas de REQUE.
• Falar sobre a Serra Pelada é
muito difícil, especialmente para
quem não esteve lá, vivenciando
o dia-a-dia dos garimpeiros: suas
lutas, tristezas, mazelas e muitas,
         muitas alegrias.
Garimpeiro em
 plena atividade
 no garimpo. O
    melechete
   (lama) fazia
 parte do dia-a-
    dia desses
homens valentes
  e corajosos...
Esta fotografia retrata a luta
 entre os trabalhadores de Serra
    Pelada e a polícia militar. A
    posição e a fisionomia dos
personagens principais mostram,
  apesar do conhecido poder da
 guarda, a imponência da figura
   do trabalhador, que segura o
cano da arma sem medo de levar
             um tiro.

O trabalhador, vítima da política
econômica e social, é forte e está
em destaque na imagem.. Todos
 aguardam o desenrolar da cena
 – um, com os braços cruzados,
 ainda olha com deboche para a
              arma.
Em sua parte mais profunda, este lago
   da Serra Pelada formado a partir das
escavações manuais, possui 120 metros
    de profundidade. Acima d'água não
       difere muito de um lago comum,
exceto pela montanha recortada que se
        projeta morro acima. Abaixo da
         superfície, depositadas no solo
        envenenado de mercúrio, estão
   sobrepostas camadas de ouro, lama,
             sangue e ganância humana.
Garimpeiros grajaú ma -

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Chapada Diamantina - Brasil
Chapada Diamantina - BrasilChapada Diamantina - Brasil
Chapada Diamantina - Brasil
José Antonio Cardoso
 
Pirassununga cidade simpatia
Pirassununga  cidade simpatiaPirassununga  cidade simpatia
Pirassununga cidade simpatia
Marli Caron
 
BonitoWay - 15 coisas que todo viajante precisa saber
BonitoWay - 15 coisas que todo viajante precisa saberBonitoWay - 15 coisas que todo viajante precisa saber
BonitoWay - 15 coisas que todo viajante precisa saber
Rodrigo Motta
 
Semana farroupilha
Semana farroupilhaSemana farroupilha
Semana farroupilha
emefjbonifacio
 
Um olhar sobre a história de São João do Caru e seus Contrastes
Um olhar sobre a história de São João do Caru e seus ContrastesUm olhar sobre a história de São João do Caru e seus Contrastes
Um olhar sobre a história de São João do Caru e seus Contrastes
Adilson P Motta Motta
 
Cancao do exilio
Cancao do exilioCancao do exilio
Cancao do exilio
Mensagens Virtuais
 
Escolha seu Pacote para Férias de Julho
 Escolha seu Pacote para Férias de Julho Escolha seu Pacote para Férias de Julho
Escolha seu Pacote para Férias de Julho
Hora Viagem
 
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua históriaCabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
Teresa Cristina
 
Canção do exílio intertextualidade
Canção do exílio   intertextualidadeCanção do exílio   intertextualidade
Canção do exílio intertextualidade
jasonrplima
 
Momento leitura por Ferreira de Castro
Momento leitura por Ferreira de CastroMomento leitura por Ferreira de Castro
Momento leitura por Ferreira de Castro
AELPB
 
Era uma vez, em cabo frio
Era uma vez, em cabo frioEra uma vez, em cabo frio
Era uma vez, em cabo frio
adrianahp2
 
Canção do exílio
Canção do exílioCanção do exílio
Canção do exílio
Newltemberg Santos
 
Caderno Pedagógico Cabo Frio
Caderno Pedagógico Cabo FrioCaderno Pedagógico Cabo Frio
Caderno Pedagógico Cabo Frio
jaquecgsouza
 
Momento de leitura por Ferreira de Castro
Momento de leitura por Ferreira de CastroMomento de leitura por Ferreira de Castro
Momento de leitura por Ferreira de Castro
AELPB
 
News spiridon nº 17
News spiridon nº 17News spiridon nº 17
News spiridon nº 17
Carlos Sá
 
Macae e sua História 3º encontro
Macae e sua História   3º encontroMacae e sua História   3º encontro
Macae e sua História 3º encontro
Marcelo Abreu Gomes
 
CANÇÃO DO EXÍLIO
CANÇÃO DO EXÍLIOCANÇÃO DO EXÍLIO
CANÇÃO DO EXÍLIO
Jacira Ribeiro
 

Mais procurados (17)

Chapada Diamantina - Brasil
Chapada Diamantina - BrasilChapada Diamantina - Brasil
Chapada Diamantina - Brasil
 
Pirassununga cidade simpatia
Pirassununga  cidade simpatiaPirassununga  cidade simpatia
Pirassununga cidade simpatia
 
BonitoWay - 15 coisas que todo viajante precisa saber
BonitoWay - 15 coisas que todo viajante precisa saberBonitoWay - 15 coisas que todo viajante precisa saber
BonitoWay - 15 coisas que todo viajante precisa saber
 
Semana farroupilha
Semana farroupilhaSemana farroupilha
Semana farroupilha
 
Um olhar sobre a história de São João do Caru e seus Contrastes
Um olhar sobre a história de São João do Caru e seus ContrastesUm olhar sobre a história de São João do Caru e seus Contrastes
Um olhar sobre a história de São João do Caru e seus Contrastes
 
Cancao do exilio
Cancao do exilioCancao do exilio
Cancao do exilio
 
Escolha seu Pacote para Férias de Julho
 Escolha seu Pacote para Férias de Julho Escolha seu Pacote para Férias de Julho
Escolha seu Pacote para Férias de Julho
 
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua históriaCabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
 
Canção do exílio intertextualidade
Canção do exílio   intertextualidadeCanção do exílio   intertextualidade
Canção do exílio intertextualidade
 
Momento leitura por Ferreira de Castro
Momento leitura por Ferreira de CastroMomento leitura por Ferreira de Castro
Momento leitura por Ferreira de Castro
 
Era uma vez, em cabo frio
Era uma vez, em cabo frioEra uma vez, em cabo frio
Era uma vez, em cabo frio
 
Canção do exílio
Canção do exílioCanção do exílio
Canção do exílio
 
Caderno Pedagógico Cabo Frio
Caderno Pedagógico Cabo FrioCaderno Pedagógico Cabo Frio
Caderno Pedagógico Cabo Frio
 
Momento de leitura por Ferreira de Castro
Momento de leitura por Ferreira de CastroMomento de leitura por Ferreira de Castro
Momento de leitura por Ferreira de Castro
 
News spiridon nº 17
News spiridon nº 17News spiridon nº 17
News spiridon nº 17
 
Macae e sua História 3º encontro
Macae e sua História   3º encontroMacae e sua História   3º encontro
Macae e sua História 3º encontro
 
CANÇÃO DO EXÍLIO
CANÇÃO DO EXÍLIOCANÇÃO DO EXÍLIO
CANÇÃO DO EXÍLIO
 

Semelhante a Garimpeiros grajaú ma -

1 ciclo da borracha
1 ciclo da borracha1 ciclo da borracha
1 ciclo da borracha
Raquel Almeida
 
Brasil sertanejo
Brasil sertanejoBrasil sertanejo
Brasil sertanejo
Renato Carvalho
 
Breve Histórico de São João do Caru
Breve Histórico de São João do CaruBreve Histórico de São João do Caru
Breve Histórico de São João do Caru
Adilson P Motta Motta
 
O Que A Cidade Cg Tem
O Que A Cidade Cg TemO Que A Cidade Cg Tem
O Que A Cidade Cg Tem
Amelia Rodrigues de Lima
 
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Estrada real
Estrada realEstrada real
Estrada real
André Schetino
 
História de Mato Grosso - Prof Medeiros
História de Mato Grosso - Prof MedeirosHistória de Mato Grosso - Prof Medeiros
História de Mato Grosso - Prof Medeiros
João Medeiros
 
Minhas Escolas Parceiras E.E.E.F Ary Parreiras Cariacica Es
Minhas Escolas Parceiras E.E.E.F Ary Parreiras   Cariacica EsMinhas Escolas Parceiras E.E.E.F Ary Parreiras   Cariacica Es
Minhas Escolas Parceiras E.E.E.F Ary Parreiras Cariacica Es
Vera Laporta
 
E.E.E.F Ary Parreiras Cariacica ES
E.E.E.F Ary Parreiras   Cariacica ESE.E.E.F Ary Parreiras   Cariacica ES
E.E.E.F Ary Parreiras Cariacica ES
cpfilho03professor
 
Livro do projeto bairros de Porto Alegre
Livro do projeto bairros de Porto AlegreLivro do projeto bairros de Porto Alegre
Livro do projeto bairros de Porto Alegre
escolaevarista
 
TRAÇOS MARAJOARAS E TAPAJONICOS
TRAÇOS MARAJOARAS E TAPAJONICOSTRAÇOS MARAJOARAS E TAPAJONICOS
TRAÇOS MARAJOARAS E TAPAJONICOS
arliscoimbra
 

Semelhante a Garimpeiros grajaú ma - (11)

1 ciclo da borracha
1 ciclo da borracha1 ciclo da borracha
1 ciclo da borracha
 
Brasil sertanejo
Brasil sertanejoBrasil sertanejo
Brasil sertanejo
 
Breve Histórico de São João do Caru
Breve Histórico de São João do CaruBreve Histórico de São João do Caru
Breve Histórico de São João do Caru
 
O Que A Cidade Cg Tem
O Que A Cidade Cg TemO Que A Cidade Cg Tem
O Que A Cidade Cg Tem
 
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
 
Estrada real
Estrada realEstrada real
Estrada real
 
História de Mato Grosso - Prof Medeiros
História de Mato Grosso - Prof MedeirosHistória de Mato Grosso - Prof Medeiros
História de Mato Grosso - Prof Medeiros
 
Minhas Escolas Parceiras E.E.E.F Ary Parreiras Cariacica Es
Minhas Escolas Parceiras E.E.E.F Ary Parreiras   Cariacica EsMinhas Escolas Parceiras E.E.E.F Ary Parreiras   Cariacica Es
Minhas Escolas Parceiras E.E.E.F Ary Parreiras Cariacica Es
 
E.E.E.F Ary Parreiras Cariacica ES
E.E.E.F Ary Parreiras   Cariacica ESE.E.E.F Ary Parreiras   Cariacica ES
E.E.E.F Ary Parreiras Cariacica ES
 
Livro do projeto bairros de Porto Alegre
Livro do projeto bairros de Porto AlegreLivro do projeto bairros de Porto Alegre
Livro do projeto bairros de Porto Alegre
 
TRAÇOS MARAJOARAS E TAPAJONICOS
TRAÇOS MARAJOARAS E TAPAJONICOSTRAÇOS MARAJOARAS E TAPAJONICOS
TRAÇOS MARAJOARAS E TAPAJONICOS
 

Mais de CRIS TORRES

Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...
Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...
Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...
CRIS TORRES
 
Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...
Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...
Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...
CRIS TORRES
 
Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2
Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2 Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2
Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2
CRIS TORRES
 
Palestra aula da saudade Curso PEDAGOGIA
Palestra aula da saudade Curso PEDAGOGIAPalestra aula da saudade Curso PEDAGOGIA
Palestra aula da saudade Curso PEDAGOGIA
CRIS TORRES
 
Aula da saudade pedagogia
Aula da saudade pedagogiaAula da saudade pedagogia
Aula da saudade pedagogia
CRIS TORRES
 
DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE”
DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE” DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE”
DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE”
CRIS TORRES
 
50 dicas para 2014
50 dicas para 201450 dicas para 2014
50 dicas para 2014
CRIS TORRES
 
Reflexão e atitude
Reflexão e atitudeReflexão e atitude
Reflexão e atitude
CRIS TORRES
 
Orientações para projeto de pesquisa
Orientações para projeto de pesquisaOrientações para projeto de pesquisa
Orientações para projeto de pesquisa
CRIS TORRES
 
As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...
As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...
As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...
CRIS TORRES
 
Aula da saudade Ed.Física Grajaú - MA
Aula da saudade Ed.Física   Grajaú - MA Aula da saudade Ed.Física   Grajaú - MA
Aula da saudade Ed.Física Grajaú - MA
CRIS TORRES
 
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
CRIS TORRES
 
Dicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalhoDicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalho
CRIS TORRES
 
O PARFOR no Estado do Maranhão
O PARFOR  no Estado do MaranhãoO PARFOR  no Estado do Maranhão
O PARFOR no Estado do Maranhão
CRIS TORRES
 
SALVE O LIVRO
SALVE O LIVROSALVE O LIVRO
SALVE O LIVRO
CRIS TORRES
 
História e politica educacional percurso
História e politica educacional   percursoHistória e politica educacional   percurso
História e politica educacional percurso
CRIS TORRES
 
COMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRE
COMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRECOMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRE
COMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRE
CRIS TORRES
 
Psicologia genética piaget
Psicologia genética   piagetPsicologia genética   piaget
Psicologia genética piaget
CRIS TORRES
 
Não há docência sem discência
Não há docência sem discênciaNão há docência sem discência
Não há docência sem discência
CRIS TORRES
 
Parâmetros curriculares nacionais
Parâmetros curriculares nacionaisParâmetros curriculares nacionais
Parâmetros curriculares nacionais
CRIS TORRES
 

Mais de CRIS TORRES (20)

Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...
Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...
Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...
 
Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...
Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...
Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...
 
Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2
Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2 Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2
Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2
 
Palestra aula da saudade Curso PEDAGOGIA
Palestra aula da saudade Curso PEDAGOGIAPalestra aula da saudade Curso PEDAGOGIA
Palestra aula da saudade Curso PEDAGOGIA
 
Aula da saudade pedagogia
Aula da saudade pedagogiaAula da saudade pedagogia
Aula da saudade pedagogia
 
DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE”
DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE” DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE”
DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE”
 
50 dicas para 2014
50 dicas para 201450 dicas para 2014
50 dicas para 2014
 
Reflexão e atitude
Reflexão e atitudeReflexão e atitude
Reflexão e atitude
 
Orientações para projeto de pesquisa
Orientações para projeto de pesquisaOrientações para projeto de pesquisa
Orientações para projeto de pesquisa
 
As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...
As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...
As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...
 
Aula da saudade Ed.Física Grajaú - MA
Aula da saudade Ed.Física   Grajaú - MA Aula da saudade Ed.Física   Grajaú - MA
Aula da saudade Ed.Física Grajaú - MA
 
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
 
Dicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalhoDicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalho
 
O PARFOR no Estado do Maranhão
O PARFOR  no Estado do MaranhãoO PARFOR  no Estado do Maranhão
O PARFOR no Estado do Maranhão
 
SALVE O LIVRO
SALVE O LIVROSALVE O LIVRO
SALVE O LIVRO
 
História e politica educacional percurso
História e politica educacional   percursoHistória e politica educacional   percurso
História e politica educacional percurso
 
COMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRE
COMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRECOMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRE
COMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRE
 
Psicologia genética piaget
Psicologia genética   piagetPsicologia genética   piaget
Psicologia genética piaget
 
Não há docência sem discência
Não há docência sem discênciaNão há docência sem discência
Não há docência sem discência
 
Parâmetros curriculares nacionais
Parâmetros curriculares nacionaisParâmetros curriculares nacionais
Parâmetros curriculares nacionais
 

Último

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 

Último (20)

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 

Garimpeiros grajaú ma -

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO – UFMA PROFEBPAR CURSO DE PEDAGOGIA Grajaú 2012
  • 2. BENILDA ARAÚJO DOS SANTOS CORACI DUARTE BELÉM DILVANE INÊS M. ALVES DE SALES ELISÂNGELA FERREIRA ERBENE DE MELO ARAÚJO ÉRICA LIMA FRANCISCA M. DE CARVALHO
  • 4. Local onde se fazia SERRA as prospecções, vista a partir da Vila dos Garimpeiros. PELADA Altitude máxima 503 m Comprimento 5.800 há Localização Curionópolis Pará País(es) Brasil
  • 5. Brasília, abril de 1998. Aos garimpeiros da nossa cidade e do Brasil nossa mais sincera homenagem!
  • 6.
  • 7. PRIMEIROS GARIMPEIROS AQUE ENTRARAM NA SERRA PELADA: 1º Zé Baixinho ( Camisaria Chaves) 2º E 3º Francisco Sales da Rocha ( Chico Rocha) e Raimundo Periquito em 16 de maio de 1980. O grajauense que ganhou mais dinheiro no garimpo ficou conhecido como Adão Soldado. Ele “banburrou” com 102 kg de ouro, no entanto, morreu pobre, muito pobre. A 1ª mulher a entrar no garimpo era maranhense ,em 24 de junho de 1986.
  • 8. EM GRAJAÚ...  São 333 garimpeiros associados na Cooperativa dos Garimpeiros da Serra pelada – COOMIGASP; Em torno de 10% são mulheres; Outros 10% aproximadamente são herdeiros. “Todos compartilham o mesmo sonho: Receber uma indenização que varia de valor de acordo com o tamanho do sonho”.
  • 9.
  • 10. José Agostinho Franclin Sales, assim como tantos outros, se foi sem levar nenhum proveito do seu sonho, porém, deixou muito de si, principalmente seu carinho e sua bondade, um exemplo a ser seguido.
  • 11. • Quantos pais de família deixaram seus filhos e suas esposas e foram em busca de uma vida melhor! Quantos deles voltaram? Quantos deles ao chegar em casa não tiveram o prazer de reencontrar seus entes-querido...
  • 12. • Pensou-se nessa pesquisa a partir de relatos orais e escritos de amigos e parentes que viveram e vivem um sonho: Ganhar dinheiro, ficar rico, ou apenas conseguir o sustento de suas famílias, educar seus filhos, comprar um carro, enfim, ter uma vida digna e, por considerar interessante a forma de luta desta classe de trabalhadores do Brasil.
  • 13.
  • 14. No início era assim... Tronco de árvores serviam de pontes para os carregadores de cascalho passar. Essas pontes mediam em média 200 metros.
  • 15. Os garimpeiros carregavam em média 50 sacos de cascalhos por dia. Subindo essa serra eles formavam uma multidão, que ficou conhecida como “formigueiro humano”.
  • 16. Ao observar algumas imagens é possível imaginar o sofrimento, a angústia, a saudade, mas também, a esperança depositada em cada saco de cascalho, em cada passo forçado na subida daquela imponente ladeira.
  • 17.
  • 18. Alguns homens aventuravam a sorte e matavam a fome lavando pequenas porções de terra que ganhavam dos barranqueiros de bom coração. Essas porções eram chamadas de REQUE.
  • 19. • Falar sobre a Serra Pelada é muito difícil, especialmente para quem não esteve lá, vivenciando o dia-a-dia dos garimpeiros: suas lutas, tristezas, mazelas e muitas, muitas alegrias.
  • 20. Garimpeiro em plena atividade no garimpo. O melechete (lama) fazia parte do dia-a- dia desses homens valentes e corajosos...
  • 21. Esta fotografia retrata a luta entre os trabalhadores de Serra Pelada e a polícia militar. A posição e a fisionomia dos personagens principais mostram, apesar do conhecido poder da guarda, a imponência da figura do trabalhador, que segura o cano da arma sem medo de levar um tiro. O trabalhador, vítima da política econômica e social, é forte e está em destaque na imagem.. Todos aguardam o desenrolar da cena – um, com os braços cruzados, ainda olha com deboche para a arma.
  • 22. Em sua parte mais profunda, este lago da Serra Pelada formado a partir das escavações manuais, possui 120 metros de profundidade. Acima d'água não difere muito de um lago comum, exceto pela montanha recortada que se projeta morro acima. Abaixo da superfície, depositadas no solo envenenado de mercúrio, estão sobrepostas camadas de ouro, lama, sangue e ganância humana.