SlideShare uma empresa Scribd logo
1 pré-vestibular extensivo | caderno 2
gABARITo
geografa
Módulo 8
1 C
2 D
3 B
4 D
5 C
6 C
7 A
8 B
9 Duas das características a seguir:
	 •	ênfase	nas	indústrias	de	bens	de	consumo.
	 •	associação	entre	gasto	público	e	capital	privado.
	 •	obtenção	de	recursos	financeiros	externos	por	meio	de	
empréstimos.
	 •	produção	industrial	voltada	para	o	mercado	interno,	di-
minuindo as importações.
Dois dos motivos a seguir:
	 •	controle	da	inflação.
	 •	incentivo	ao	desenvolvimento	de	uma	forte	poupança	
interna.
	 •	implantação	de	um	modelo	de	gestão	do	Estado	mais	
eficiente.
	 •	melhor	distribuição	de	renda,	em	relação	aos	países	
latino-americanos.
	 •	investimentos	em	educação	permitindo	a	formação	de	
um amplo mercado interno.
10 O aluno poderá explicar duas consequências econômicas
do Plano Collor, dentre as quais: o bloqueio da liquidez dos
haveres financeiros (contas correntes, poupança e outras
aplicações), a redução da inflação e a recuperação, por
parte do Estado, do controle sobre a moeda nacional.
Módulo 9
1 D
2 A
3 E
4 D
5 D
6 C
7 A
8 a) Bioeletricidade é a energia obtida do uso de elementos
da biomassa. Um exemplo de geração biolétrica é o uso
da folha da cana-de-açúcar em pequenas termoelétri-
cas no interior paulista. Outro exemplo é a utilização do
etanol como fonte energética no setor de transportes.
b) Vantagens: redução de emissão de gases estufa; fonte
renovável de energia; desenvolvimento local de tec-
nologia, fomento de parcerias do tipo universidade/
empresa.
Desvantagens: necessidade de extensas áreas para cul-
tivo e extração da biomassa; desmatamento; contami-
nação de lagos, rios e lençóis freáticos, exploração de
mão de obra.
9 a) Caracterizando as fontes de energia limpa como de ori-
gem renovável a produção termoelétrica, seja a carvão,
petróleo ou nuclear, é considerada mais suja, gerando
resíduos como gás carbônico ou lixo atômico. Por outro
lado hidroelétricas são consideradas geradoras limpas,
pois tratam do uso de fontes renováveis (água a partir
de seu ciclo natura) não poluindo o ambiente.
b) Das vantagens econômicas possíveis da produção ter-
moelétrica sobre a hidroelétrica, podem ser destacadas:
1) os custos de construção de barragens hidroelétricas
são muito mais elevados do que a construção das usinas
termoelétricas; 2) a variação dos materiais não renová-
veis utilizados na produção energética, o que possibilita
ao investidor desse tipo de usina escolher os recursos
mais baratos para a geração de energia.
Das limitações físicas possíveis da produção hidroelétri-
ca em relação à termoeletricidade, deve-se destacar a
barreira climática imposta à construção de barragens, já
que estas só poderão ser construídas em regiões onde
o rigor climático não afete a regularidade dos fluxos de
águas fluviais que abastecem a usina geradora de ener-
gia; já as usinas termoelétricas podem ser construídas
em qualquer região independentemente da presença
ou não dos recursos fósseis necessários para a geração
de energia.
10 B
Módulo 10
1 A
2 D
3 C
4 E
5 B
6 A
7 C
8 B
9 B
10 C
Módulo 11
1 E
A cana-de-açúcar é um dos produtos mais conhecidos da
agronomia brasileira, podendo ser plantada em várias loca-
lidades sob diversas condições naturais e com diversidade
de espécies. A utilização de rotação de culturas é sobeja-
mente conhecida como forma de preservar as propriedades
ecológicas e produtivas do solo e neste caso reverte-se em
benefício econômico para os produtores.
2 D
A aração do solo no topo do vale expõe o solo ao pro-
cesso de erosão onde a declividade ajudada pela ação da
gravidade acelera o processo de degeneração do solo em
erosão.
001-056_PH_MP_GEO_C2.indd 1 2/28/14 9:45 AM
2Pré-vestibular extensivo | caderno 2 | manual do Professor
geografiageografia
2Pré-vestibular extensivo | caderno 2 | manual do Professor
GABARITO
2pré-vestibular extensivo | caderno 2
3 C
A expansão do agronegócio trouxe ganhos de produção
inegáveis em relação a demandas constantes e crescentes
das massas populacionais urbanas. O agronegócio, com
suas soluções técnicas que aumentam a produtividade
e a produção rural trouxe também ganhos de capital ao
processo. Mas não resolveu questões básicas no campo
com reflexos sobre a população rural. Em vários países
da América do Sul os latifúndios improdutivos estão entre
as estruturas mais arcaicas. Grandes extensões de terra
ficam imobilizadas como capital de reserva especulativa
com baixa ou nenhuma produção.
4 B
Apesar da política de subsídios à produção rural, tem ha-
vido uma tendência à concentração fundiária em países da
União Europeia, associada à especialização de cultivos.
5 A
Os investimentos tecnológicos na produção em geral e na
agricultura, sempre implicam em alta nos custos materiais –
máquinas, adubos e outros insumos – resultando em maior
produtividade. Por outro lado, diminui a oferta de mão de
obra, caem os custos com a terra e despesas de capital em
geral.
6 B
Os estados do Nordeste apresentam os maiores números
de produtores rurais sem terras.
7 A
As safras que mais cresceram têm forte relação com o setor
agroindustrial e com o de exportações.
8 C
O avanço da safra de soja se relaciona à elevação do pa-
drão de produção de insumos e equipamentos que tornam
vantajosa sua produção em larga escala.
9 B
O período considerado na tabela se relaciona à expansão
inicial do setor industrial brasileiro.
10 B
Módulo 12
1 C
O Sertão semiárido nordestino é um domínio morfoclimá-
tico rico em fauna e flora e ao mesmo tempo muito frágil.
As ações antrópicas mais recentes relacionadas à expansão
econômica na base agropecuária causam impactos am-
bientais significativos sobre o Sertão.
2 A
Apesar dos avanços no campo do agronegócio, o país
ainda mantém níveis variados de exclusão, com déficits
sociais em áreas sensíveis como saúde e educação. A con-
centração de renda e de terras ainda é notável no país e
está entre as principais causas dos déficits sociais.
3 B
Um dos aspectos mais importantes da agricultura no Brasil
a partir da década de 1980 foram os avanços registrados
no agronegócio. Não só do ponto de vista tecnológico
com a incorporação de áreas agrícolas consideradas infér-
teis, como também em gestão, financiamento e crédito.
As mudanças socioespaciais no campo são notáveis: novas
formas e arranjos socioeconômicos além de novos agen-
ciamentos como turismo, acesso à energia elétrica, ciclos
econômicos mais dinâmicos ajudam a mudar a paisagem
e modificam a fama das zonas rurais outrora consideradas
lugares pacatos e bucólicos.
4 A
A modernização por que passa a zona rural brasileira traz
avanços e dinamismo ao setor, demandando, no entanto,
mão de obra cada vez mais qualificada. A mecanização,
automação e outras práticas técnicas necessitam cada vez
menos mão de obra o que favorece correntes migratórias
do campo para as cidades, entre outros aspectos.
5 B
O Bico do Papagaio localiza-se no norte do estado do To-
cantins, fazendo divisa com os estados do Pará e do Ma-
ranhão, uma região de afluxo de migrantes e populações
rurais de sem-terras que acabam entrando em atrito com
fazendeiros e grileiros.
6 D
Em países capitalistas, a população trabalhadora normal-
mente se localiza entre o Capital e o Estado. Para mediar
cada vez mais o complexo diálogo entre as partes, surgiram
organizações da sociedade civil como formas ordenadas e
expressivas, de apoio as demandas civis de quem não tem
formas de expressão em defesa de seus interesses. Orga-
nizações não governamentais e grupos como a Pastoral da
Terra, entre outras formas de auxílio, encaminham denún-
cias e promovem ações de conscientização e organização
de trabalhadores.
7 E
A Amazônia é uma das grandes reservas naturais, conside-
rada uma das últimas áreas de vegetação florestal tropical
úmida remanescente do planeta. Trata-se de uma região
muito observada por autoridades e centros de pesquisa
de todo o mundo. A criação de políticas públicas a partir
do governo federal que garantam a sua preservação, colo-
cariam o Brasil como país com capacidade suficiente para
gerenciar e manter suas áreas naturais com seu potencial
de utilização de recursos para garantir a sustentabilidade
desse importante ambiente natural.
8 B
A afirmativa II está errada pois apesar do déficit hídrico
ser um limitante, vem sendo superado com bastante su-
cesso no oeste da Bahia e sul do Piauí. Em IV, são as gran-
des e médias propriedades empresariais que respondem
pelo avanço da modernização dos cultivos no centro-sul
do país.
Módulo 13
1 C
2 E
3 D
4 C
5 D
6 E
7 D
8 A
9 C
10 A
Módulo 14
1 C
2 B
001-056_PH_MP_GEO_C2.indd 2 2/28/14 9:45 AM
3 pré-vestibular extensivo | caderno 2
3 Os espaços urbanos com elevada população são áreas
onde diversos problemas ambientais são gerados e se ex-
pandem, acarretando consequências negativas tanto para
a natureza como para as sociedades que ali se estabele-
cem. No caso de países pobres, um dos principais proble-
mas ambientais das grandes cidades está relacionado ao
recolhimento e à deposição de resíduos sólidos.
A região metropolitana do Rio de Janeiro ainda não alcan-
çou uma eficiência na gestão desses resíduos, de modo
que não comprometa a qualidade de vida da população
envolvida. Podem ser apontados como problemas relacio-
nados à coleta e à deposição de lixo nessa área urbana:
insignificância da coleta seletiva; existência de depósitos de
lixo a céu aberto, os chamados “lixões”; coleta insuficiente
do lixo domiciliar; acúmulo de materiais não biodegradá-
veis; contaminação do solo e do lençol freático por cho-
rume, assim como a  contaminação do solo e de pessoas
por produtos tóxicos; proliferação de insetos, roedores e
outros vetores de doenças nos lixões.
4 E
5 A implantação de um fixo espacial importante, como é o
caso do Porto do Açu, resulta em impactos territoriais de
grande relevância. Entre as possíveis consequências positi-
vas desse investimento para a economia do Norte Fluminen-
se, destacam-se a melhoria da rede escolar, a diversificação
do comércio, o aumento da oferta de emprego/postos de
trabalho e da arrecadação de impostos, a melhoria da in-
fraestrutura viária e de telecomunicações, o estímulo ao
surgimento e ao crescimento de pequenas empresas.
Por outro lado, o crescimento econômico acelerado e os
processos socioespaciais a ele relacionados podem resultar
também em problemas urbanos para São João da Barra,
como, por exemplo, favelização, aumento da criminalida-
de, sobrecarga dos serviços públicos urbanos, elevação
do preço dos imóveis e dos aluguéis e agravamento de
processos de degradação ambiental.
6 a) Considerando a região portuária do Rio de Janeiro, que
sofreu uma deterioração nas últimas décadas, uma das
formas de revitalização com a manutenção da forma,
mas com mudança na função, é o uso de armazéns
antigos outrora usados para depósitos de mercadorias,
para novos empreendimentos do setor terciário, ou seja,
comércio, serviços e atividades artísticas.
b) Em muitas cidades ocorreram processos de gentrifica-
ção, ou seja, de “enobrecimento” social provocada pela
revitalização urbana de áreas que estavam desvalori-
zadas e ocupadas por grupos sociais mais pobres. O
processo acontece pela ação do Estado e por agentes
privados responsáveis pela especulação imobiliária. Por
exemplo, a compra de terrenos e imóveis antigos, sua
demolição ou requalificação, o aumento do preço dos
imóveis e dos aluguéis estimula a saída dos moradores
mais pobres e a chegada de moradores das classes mé-
dia e alta. Portanto, o grande desafio seria conciliar a
valorização da região portuária com a inclusão social.  
7 Dois dentre os processos:
– favelização.
– territorialização pelo tráfico.
– rodoviarismo/vias congestionadas.
– formação de subcentros espontâneos.
– formação de subcentros planejados (shopping centers).
– estratégias de autossegregação (condomínios fechados).
Dois dentre os elementos:
– transporte ferroviário.
– menor nível de verticalização.
– padrão irregular dos arruamentos.
– nível médio de renda inferior ao da Zona Sul.
– menor custo do solo urbano em relação as áreas nobres
da cidade.
8 Os custos de produção ficaram muito elevados na metró-
pole fluminense, o que vem estimulando as indústrias a
buscarem custos mais baixos no interior do Estado, incen-
tivadas por políticas públicas estaduais e municipais.
Uma dentre as regiões e seu respectivo setor industrial:
– Médio Vale do Paraíba – metal-mecânico / automobilís-
tico / siderúrgico.
– Serrana – têxtil / indústria alimentícia / software.
– Costa Verde – siderurgia / indústria naval.
– Periferia da Região Metropolitana – polo gás químico de
Caxias / indústria de transformação.
9 O subcentro de Copacabana, justifica-se no período onde
a descentralização deve ser acompanhada de unidades
de prestação de serviços para a população que começa a
ocupar o bairro e o seu entorno ou novos bairros, como
a Barra da Tijuca. Os shoppings, são fenômenos urbanos
mais recentes e acompanham a tendência de expansão
de enclaves fortificados, em vista do colapso dos serviços
de segurança pública e empobrecimento generalizado da
população com degeneração de bairros e relocação de
população de alta renda em bairros fechados (edge cities).
10 a) Macaé e Rio das Ostras se beneficiaram da expansão
dos serviços de apoio à prospecção e exploração de
petróleo na Bacia de Campos. A vinda de técnicos qua-
lificados fomentou a expansão urbana, estimulando a
construção civil e atraindo mão de obra para toda sorte
de serviços urbanos.
b) O crescimento demográfico dos municípios de Resende
e Porto Real se deve à instalação de indústrias monta-
doras de automóveis e caminhões na década de 1990,
favorecendo as migrações para a região em busca de
postos de trabalho.
Módulo 15
1 E
2 D
3 E
4 a) Itaqui e Tubarão caracterizam-se, sobretudo, pela ex-
portação de minério de ferro, o primeiro extraído em
Carajás, no estado do Pará e o segundo no Quadrilátero
Ferrífero, no estado de Minas Gerais.
b) O porto de Santos escoa uma produção diversificada
(agrícola e industrial) do Centro-sul do Brasil. É também
um grande porto importador de bens diversificados
destinados ao mercado interno de bens de consumo,
assim como de equipamentos para o parque industrial
brasileiro.
5 a) O GPS funciona acoplado a um ou mais satélites
artificiais, que substituem o Sol e as estrelas na deter-
minação de coordenadas geográficas.
b) Múltiplos são os usos do GPS no mundo atual.
O aparelho indica com precisão a localização de pontos
fixos no espaço. Indica também a localização de obje-
tos em movimento, o que permite acompanhar rotas,
direções e velocidades. Esses usos servem tanto para a
paz como para a guerra.
6 B
7 A
8 D
001-056_PH_MP_GEO_C2.indd 3 2/28/14 9:45 AM
4Pré-vestibular extensivo | caderno 2 | manual do Professor
geografiageografia
4Pré-vestibular extensivo | caderno 2 | manual do Professor
GABARITO
4pré-vestibular extensivo | caderno 2
9 a) Um dos seguintes fatores:
– inexistência ou insuficiência de ciclovias;
– a falta de trajetos integrados a outras modalidades de
transporte;
– as grandes distâncias a serem percorridas;
– a cultura e a preferência do transporte automotor em
detrimento dos transportes alternativos;
– a ausência de políticas que estimulem a consciência
do trânsito como espaço público, e não individual;
– o grau de periculosidade do fluxo do transporte e da
violência urbana.
b) A intermodalidade concebe a integração de diferentes
modais na mobilidade, e, nesse caso, a implantação de
ciclovias integrando bairros, zonas comerciais ou turís-
ticas e subcentros, até as unidades de transporte cole-
tivo, reduziria o número de automóveis e motocicletas,
reduzindo o fluxo e os congestionamentos, otimizando
a mobilidade na cidade.
10 a) A implantação do Arco Metropolitano resultará em be-
nefícios, como a redução dos custos dos transportes e
a dinamização da logística da produção, que, por sua
vez, resultará em atração de investimentos de grandes
empresas, como a Petrobras, a CSN e a Gerdau, na
instalação de terminais portuários em Itaguaí e na im-
plantação ou modernização de unidades de produção.
A alavancagem de investimentos feita pelo Arco Metro-
politano, por sua vez, elevará a arrecadação tributária
dos municípios, além de gerar mais empregos.
b) O Arco Metropolitano foi projetado para desviar o tráfe-
go dos veículos comerciais de longa distância, aliviando
os principais corredores metropolitanos, tais como a
Ponte Rio-Niterói, a BR-101 e a Avenida Brasil, elimi-
nando os gargalos de mobilidade da cidade.
Módulo 16
1 D
2 A
3 Rotação de culturas, plantio em curvas de nível, terracea-
mento, plantio direto, adubação orgânica, implementos
agrícolas mais leves, redução das queimadas, redução de
uso de agrotóxico.
b) O principal objetivo desse desmatamento é a abertu-
ra de clareiras para atividade agropecuária, extração
de madeira, áreas de produção mineral, infraestrutura
de transporte e hidroeletricidade. As principais conse-
quências são: redução da biodiversidade, degradação
do solo, erosão, assoreamento dos rios, alteração de
microclima, alteração do ciclo hidrológico, aquecimento
global, emissão de gás carbônico.
4 B
5 a) Há uma relação direta entre o padrão médio de saúde
em uma sociedade e as condições ambientais nas quais
vivem os membros dessa coletividade. A qualidade do
ar, da água, da habitação, do sistema de saneamento e
da rede de saúde tem impacto direto sobre a incidência
de doenças ambientais o que, por sua vez, influencia a
quantidade maior ou menor de dias de vida com boa
saúde perdidos pelos indivíduos. A análise do mapa re-
força essa correlação. Nele, é possível identificar que os
países com menor perda desses dias de vida, são, em
grande parte, nações desenvolvidas, tais como Canadá,
E. U. A., Chile, Cuba, Costa Rica, Austrália, Nova Zelân-
dia, Japão e os países da Europa Ocidental.
b) O continente com maiores perdas é a África, es-
pecialmente a África Subsaariana. Nessa por-
ção do mundo, encontra-se grande parte das na-
ções com mais de 100 dias de vida com boa saúde
perdidos, para cada grupo de 1000 habitantes.
A gestão territorial feita pelo Estado é o grande fator
explicativo para compreender essa variação na qualida-
de da saúde entre as sociedades.
c) Por meio de políticas públicas relacionadas à qualida-
de ambiental, é possível reduzir os efeitos negativos
de um ambiente degradado sobre a saúde pública.
Dentre essas ações, podem-se destacar: ampliação da
rede de esgoto; ampliação da oferta de água trata-
da; investimento em programas de habitação popular;
implantação de legislação restritiva à poluição atmos-
férica; aumento da fiscalização relativa à observância
das leis ambientais; investimento em programas de
amparo à gestante e ao recém-nascido; melhoria da
oferta de atendimento e da qualidade da rede pública
de saúde.
6 D
7 C
8 B
9 A
10 E
001-056_PH_MP_GEO_C2.indd 4 2/28/14 9:45 AM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Prova 9ºanos 1 bi silvana 2014
Prova 9ºanos 1 bi   silvana 2014Prova 9ºanos 1 bi   silvana 2014
Prova 9ºanos 1 bi silvana 2014
Íris Ferreira
 
A REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL EM QUESTÃO: UM DEBATE FORA DAS PAUTAS?
A REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL EM QUESTÃO:  UM DEBATE FORA DAS PAUTAS?A REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL EM QUESTÃO:  UM DEBATE FORA DAS PAUTAS?
A REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL EM QUESTÃO: UM DEBATE FORA DAS PAUTAS?
UFPB
 
Correção teste 3 dez-07
Correção teste 3 dez-07Correção teste 3 dez-07
Correção teste 3 dez-07
manjosp
 
Geografia1
Geografia1Geografia1
Revisão enem 2011
Revisão enem 2011Revisão enem 2011
Revisão enem 2011
elves0927
 
Lista Enem comentada_2017
Lista Enem comentada_2017Lista Enem comentada_2017
Lista Enem comentada_2017
caduatualidades
 
Geopolitica da amazonia bertha becker
Geopolitica da amazonia   bertha beckerGeopolitica da amazonia   bertha becker
Geopolitica da amazonia bertha becker
Filipe Carvalho
 
GEOGRAFIA POLÍTICA - Geopolítica da Amazônia
GEOGRAFIA POLÍTICA - Geopolítica da AmazôniaGEOGRAFIA POLÍTICA - Geopolítica da Amazônia
GEOGRAFIA POLÍTICA - Geopolítica da Amazônia
Jean Carlos Louzeiro dos Santos
 
Geografia - Professor Adriano Ramalho
Geografia - Professor Adriano Ramalho Geografia - Professor Adriano Ramalho
Geografia - Professor Adriano Ramalho
Pré-Enem Seduc
 
Geografia globalização e desenvolvimento 01 – 2013 – ifba
Geografia   globalização e desenvolvimento 01 – 2013 – ifbaGeografia   globalização e desenvolvimento 01 – 2013 – ifba
Geografia globalização e desenvolvimento 01 – 2013 – ifba
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Microdistillery Feasibility Study Brazil
Microdistillery Feasibility Study BrazilMicrodistillery Feasibility Study Brazil
Microdistillery Feasibility Study Brazil
guest5b121
 
Simulado 2
Simulado 2Simulado 2
Simulado 2
Gesiel Oliveira
 
Deputada federal Marina Sant’Anna faz palestra de abertura do III Congresso B...
Deputada federal Marina Sant’Anna faz palestra de abertura do III Congresso B...Deputada federal Marina Sant’Anna faz palestra de abertura do III Congresso B...
Deputada federal Marina Sant’Anna faz palestra de abertura do III Congresso B...
deputadamarina
 
Fuvest 1º fase - 1999 - 2º dia
Fuvest   1º fase - 1999 - 2º diaFuvest   1º fase - 1999 - 2º dia
Fuvest 1º fase - 1999 - 2º dia
Simone Rocha
 
Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013
Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013
Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013
Wendel Vasconcelos
 
Questões PR
Questões PRQuestões PR
Questões PR
mahmoudpoa
 
Desafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiro
Desafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiroDesafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiro
Desafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiro
Gabriel Pereira
 
Biocombustíveis: energia do século XXI
Biocombustíveis: energia do século XXIBiocombustíveis: energia do século XXI
Biocombustíveis: energia do século XXI
Rafael Nunan
 
Etanol e Bioeletricidade (UNICA)
Etanol e Bioeletricidade (UNICA)Etanol e Bioeletricidade (UNICA)
Etanol e Bioeletricidade (UNICA)
António Oliveira
 

Mais procurados (19)

Prova 9ºanos 1 bi silvana 2014
Prova 9ºanos 1 bi   silvana 2014Prova 9ºanos 1 bi   silvana 2014
Prova 9ºanos 1 bi silvana 2014
 
A REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL EM QUESTÃO: UM DEBATE FORA DAS PAUTAS?
A REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL EM QUESTÃO:  UM DEBATE FORA DAS PAUTAS?A REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL EM QUESTÃO:  UM DEBATE FORA DAS PAUTAS?
A REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL EM QUESTÃO: UM DEBATE FORA DAS PAUTAS?
 
Correção teste 3 dez-07
Correção teste 3 dez-07Correção teste 3 dez-07
Correção teste 3 dez-07
 
Geografia1
Geografia1Geografia1
Geografia1
 
Revisão enem 2011
Revisão enem 2011Revisão enem 2011
Revisão enem 2011
 
Lista Enem comentada_2017
Lista Enem comentada_2017Lista Enem comentada_2017
Lista Enem comentada_2017
 
Geopolitica da amazonia bertha becker
Geopolitica da amazonia   bertha beckerGeopolitica da amazonia   bertha becker
Geopolitica da amazonia bertha becker
 
GEOGRAFIA POLÍTICA - Geopolítica da Amazônia
GEOGRAFIA POLÍTICA - Geopolítica da AmazôniaGEOGRAFIA POLÍTICA - Geopolítica da Amazônia
GEOGRAFIA POLÍTICA - Geopolítica da Amazônia
 
Geografia - Professor Adriano Ramalho
Geografia - Professor Adriano Ramalho Geografia - Professor Adriano Ramalho
Geografia - Professor Adriano Ramalho
 
Geografia globalização e desenvolvimento 01 – 2013 – ifba
Geografia   globalização e desenvolvimento 01 – 2013 – ifbaGeografia   globalização e desenvolvimento 01 – 2013 – ifba
Geografia globalização e desenvolvimento 01 – 2013 – ifba
 
Microdistillery Feasibility Study Brazil
Microdistillery Feasibility Study BrazilMicrodistillery Feasibility Study Brazil
Microdistillery Feasibility Study Brazil
 
Simulado 2
Simulado 2Simulado 2
Simulado 2
 
Deputada federal Marina Sant’Anna faz palestra de abertura do III Congresso B...
Deputada federal Marina Sant’Anna faz palestra de abertura do III Congresso B...Deputada federal Marina Sant’Anna faz palestra de abertura do III Congresso B...
Deputada federal Marina Sant’Anna faz palestra de abertura do III Congresso B...
 
Fuvest 1º fase - 1999 - 2º dia
Fuvest   1º fase - 1999 - 2º diaFuvest   1º fase - 1999 - 2º dia
Fuvest 1º fase - 1999 - 2º dia
 
Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013
Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013
Gabarito - Ciências Humanas e da Natureza - I Simulado 2013
 
Questões PR
Questões PRQuestões PR
Questões PR
 
Desafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiro
Desafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiroDesafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiro
Desafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiro
 
Biocombustíveis: energia do século XXI
Biocombustíveis: energia do século XXIBiocombustíveis: energia do século XXI
Biocombustíveis: energia do século XXI
 
Etanol e Bioeletricidade (UNICA)
Etanol e Bioeletricidade (UNICA)Etanol e Bioeletricidade (UNICA)
Etanol e Bioeletricidade (UNICA)
 

Destaque

Gabarito 3o. ano inglês - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   inglês - 2o. bimGabarito 3o. ano   inglês - 2o. bim
Gabarito 3o. ano inglês - 2o. bim
stjamesmkt
 
Gabarito 3o. ano matemática 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   matemática 1 - 2o. bimGabarito 3o. ano   matemática 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano matemática 1 - 2o. bim
stjamesmkt
 
Lista de exercícios 1a fase - história geral - uel
Lista de exercícios   1a fase - história geral - uelLista de exercícios   1a fase - história geral - uel
Lista de exercícios 1a fase - história geral - uel
stjamesmkt
 
Resolução prova ph p4
Resolução prova ph   p4Resolução prova ph   p4
Resolução prova ph p4
Ligia Amaral
 
Simulado uerj gb (1)
Simulado uerj gb (1)Simulado uerj gb (1)
Simulado uerj gb (1)
stjamesmkt
 
Gabarito 3o. ano história - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   história - 2o. bimGabarito 3o. ano   história - 2o. bim
Gabarito 3o. ano história - 2o. bim
stjamesmkt
 
Gabarito 1o. bim física
Gabarito 1o. bim   físicaGabarito 1o. bim   física
Gabarito 1o. bim física
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim matemática i
Gabarito 1o. bim   matemática iGabarito 1o. bim   matemática i
Gabarito 1o. bim matemática i
Ligia Amaral
 
Reginaldo enem geo 2011
Reginaldo   enem geo 2011Reginaldo   enem geo 2011
Reginaldo enem geo 2011
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim português ii
Gabarito 1o. bim   português iiGabarito 1o. bim   português ii
Gabarito 1o. bim português ii
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim matemática ii
Gabarito 1o. bim   matemática iiGabarito 1o. bim   matemática ii
Gabarito 1o. bim matemática ii
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim português i
Gabarito 1o. bim   português iGabarito 1o. bim   português i
Gabarito 1o. bim português i
Ligia Amaral
 
Gabarito 3o. ano matemática 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   matemática 2 - 2o. bimGabarito 3o. ano   matemática 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano matemática 2 - 2o. bim
stjamesmkt
 
Gabarito 1o. bim química
Gabarito 1o. bim   químicaGabarito 1o. bim   química
Gabarito 1o. bim química
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim biologia
Gabarito 1o. bim   biologiaGabarito 1o. bim   biologia
Gabarito 1o. bim biologia
Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim história
Gabarito 1o. bim   históriaGabarito 1o. bim   história
Gabarito 1o. bim história
Ligia Amaral
 
Gabarito 3o. ano física - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   física - 2o. bimGabarito 3o. ano   física - 2o. bim
Gabarito 3o. ano física - 2o. bim
stjamesmkt
 
Gabarito 1o. bim inglês
Gabarito 1o. bim   inglêsGabarito 1o. bim   inglês
Gabarito 1o. bim inglês
Ligia Amaral
 
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   língua portuguesa 2 - 2o. bimGabarito 3o. ano   língua portuguesa 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 2 - 2o. bim
stjamesmkt
 
Gabarito 3o. ano biologia - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   biologia - 2o. bimGabarito 3o. ano   biologia - 2o. bim
Gabarito 3o. ano biologia - 2o. bim
stjamesmkt
 

Destaque (20)

Gabarito 3o. ano inglês - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   inglês - 2o. bimGabarito 3o. ano   inglês - 2o. bim
Gabarito 3o. ano inglês - 2o. bim
 
Gabarito 3o. ano matemática 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   matemática 1 - 2o. bimGabarito 3o. ano   matemática 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano matemática 1 - 2o. bim
 
Lista de exercícios 1a fase - história geral - uel
Lista de exercícios   1a fase - história geral - uelLista de exercícios   1a fase - história geral - uel
Lista de exercícios 1a fase - história geral - uel
 
Resolução prova ph p4
Resolução prova ph   p4Resolução prova ph   p4
Resolução prova ph p4
 
Simulado uerj gb (1)
Simulado uerj gb (1)Simulado uerj gb (1)
Simulado uerj gb (1)
 
Gabarito 3o. ano história - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   história - 2o. bimGabarito 3o. ano   história - 2o. bim
Gabarito 3o. ano história - 2o. bim
 
Gabarito 1o. bim física
Gabarito 1o. bim   físicaGabarito 1o. bim   física
Gabarito 1o. bim física
 
Gabarito 1o. bim matemática i
Gabarito 1o. bim   matemática iGabarito 1o. bim   matemática i
Gabarito 1o. bim matemática i
 
Reginaldo enem geo 2011
Reginaldo   enem geo 2011Reginaldo   enem geo 2011
Reginaldo enem geo 2011
 
Gabarito 1o. bim português ii
Gabarito 1o. bim   português iiGabarito 1o. bim   português ii
Gabarito 1o. bim português ii
 
Gabarito 1o. bim matemática ii
Gabarito 1o. bim   matemática iiGabarito 1o. bim   matemática ii
Gabarito 1o. bim matemática ii
 
Gabarito 1o. bim português i
Gabarito 1o. bim   português iGabarito 1o. bim   português i
Gabarito 1o. bim português i
 
Gabarito 3o. ano matemática 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   matemática 2 - 2o. bimGabarito 3o. ano   matemática 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano matemática 2 - 2o. bim
 
Gabarito 1o. bim química
Gabarito 1o. bim   químicaGabarito 1o. bim   química
Gabarito 1o. bim química
 
Gabarito 1o. bim biologia
Gabarito 1o. bim   biologiaGabarito 1o. bim   biologia
Gabarito 1o. bim biologia
 
Gabarito 1o. bim história
Gabarito 1o. bim   históriaGabarito 1o. bim   história
Gabarito 1o. bim história
 
Gabarito 3o. ano física - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   física - 2o. bimGabarito 3o. ano   física - 2o. bim
Gabarito 3o. ano física - 2o. bim
 
Gabarito 1o. bim inglês
Gabarito 1o. bim   inglêsGabarito 1o. bim   inglês
Gabarito 1o. bim inglês
 
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   língua portuguesa 2 - 2o. bimGabarito 3o. ano   língua portuguesa 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 2 - 2o. bim
 
Gabarito 3o. ano biologia - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   biologia - 2o. bimGabarito 3o. ano   biologia - 2o. bim
Gabarito 3o. ano biologia - 2o. bim
 

Semelhante a Gabarito 3o. ano geografia - 2o. bim

A energia renovada pela ética social
A energia renovada pela ética socialA energia renovada pela ética social
A energia renovada pela ética social
Antonio Carlos Porto Araujo
 
Prova estado cs geo tanto
Prova estado cs geo tantoProva estado cs geo tanto
Prova estado cs geo tanto
Atividades Diversas Cláudia
 
Mariana meirelles 09 20
Mariana meirelles 09 20Mariana meirelles 09 20
Mariana meirelles 09 20
forumsustentar
 
Radix geo 7ano_42a44_respostas
Radix geo 7ano_42a44_respostasRadix geo 7ano_42a44_respostas
Radix geo 7ano_42a44_respostas
Giselda morais rodrigues do
 
Trabalho de geo 19/10/2015
Trabalho de geo 19/10/2015Trabalho de geo 19/10/2015
Trabalho de geo 19/10/2015
viniciusvieira123
 
Geografia Adriano Ramalho
Geografia Adriano RamalhoGeografia Adriano Ramalho
Geografia Adriano Ramalho
Pré-Enem Seduc
 
Unidade 4
Unidade 4Unidade 4
Unidade 4
Christie Freitas
 
Quem sustenta tanto_desenvolvi
Quem sustenta tanto_desenvolviQuem sustenta tanto_desenvolvi
Quem sustenta tanto_desenvolvi
Rute Cristina
 
Economia circular abramovay
Economia circular abramovayEconomia circular abramovay
Economia circular abramovay
ClaudiaBarboza19
 
Geografia trabalho do power point.pptx gabriel souza gabriela - stefany joyc...
Geografia trabalho do power point.pptx gabriel souza  gabriela - stefany joyc...Geografia trabalho do power point.pptx gabriel souza  gabriela - stefany joyc...
Geografia trabalho do power point.pptx gabriel souza gabriela - stefany joyc...
norivalfp
 
1 4909307155888210207
1 49093071558882102071 4909307155888210207
1 4909307155888210207
Professora sonhadora
 
Prova.diagnostica.2 em.geografia
Prova.diagnostica.2 em.geografiaProva.diagnostica.2 em.geografia
Prova.diagnostica.2 em.geografia
Camila Brito
 
Revisão Comentada Enem 2016
Revisão Comentada Enem 2016Revisão Comentada Enem 2016
Revisão Comentada Enem 2016
joao paulo
 
Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12
Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12
Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12
Atividades Diversas Cláudia
 
Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...
Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...
Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...
EUROsociAL II
 
Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12
Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12
Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12
Atividades Diversas Cláudia
 
O PLANO SAFRA 2012/2013 PARA A AGRICULTURA FAMILIAR E CAMPONESA AS DESIGUALDA...
O PLANO SAFRA 2012/2013 PARA A AGRICULTURA FAMILIAR E CAMPONESA AS DESIGUALDA...O PLANO SAFRA 2012/2013 PARA A AGRICULTURA FAMILIAR E CAMPONESA AS DESIGUALDA...
O PLANO SAFRA 2012/2013 PARA A AGRICULTURA FAMILIAR E CAMPONESA AS DESIGUALDA...
UFPB
 
Innovation with Suatainablity - Geraldo Eugênio - CGEE - Brazil
Innovation with Suatainablity - Geraldo Eugênio - CGEE - BrazilInnovation with Suatainablity - Geraldo Eugênio - CGEE - Brazil
Innovation with Suatainablity - Geraldo Eugênio - CGEE - Brazil
Geraldo Eugenio
 
Why Investing in Brasil
Why Investing in BrasilWhy Investing in Brasil
Why Investing in Brasil
Ademir Sousa
 
A21 cbcta
A21 cbctaA21 cbcta

Semelhante a Gabarito 3o. ano geografia - 2o. bim (20)

A energia renovada pela ética social
A energia renovada pela ética socialA energia renovada pela ética social
A energia renovada pela ética social
 
Prova estado cs geo tanto
Prova estado cs geo tantoProva estado cs geo tanto
Prova estado cs geo tanto
 
Mariana meirelles 09 20
Mariana meirelles 09 20Mariana meirelles 09 20
Mariana meirelles 09 20
 
Radix geo 7ano_42a44_respostas
Radix geo 7ano_42a44_respostasRadix geo 7ano_42a44_respostas
Radix geo 7ano_42a44_respostas
 
Trabalho de geo 19/10/2015
Trabalho de geo 19/10/2015Trabalho de geo 19/10/2015
Trabalho de geo 19/10/2015
 
Geografia Adriano Ramalho
Geografia Adriano RamalhoGeografia Adriano Ramalho
Geografia Adriano Ramalho
 
Unidade 4
Unidade 4Unidade 4
Unidade 4
 
Quem sustenta tanto_desenvolvi
Quem sustenta tanto_desenvolviQuem sustenta tanto_desenvolvi
Quem sustenta tanto_desenvolvi
 
Economia circular abramovay
Economia circular abramovayEconomia circular abramovay
Economia circular abramovay
 
Geografia trabalho do power point.pptx gabriel souza gabriela - stefany joyc...
Geografia trabalho do power point.pptx gabriel souza  gabriela - stefany joyc...Geografia trabalho do power point.pptx gabriel souza  gabriela - stefany joyc...
Geografia trabalho do power point.pptx gabriel souza gabriela - stefany joyc...
 
1 4909307155888210207
1 49093071558882102071 4909307155888210207
1 4909307155888210207
 
Prova.diagnostica.2 em.geografia
Prova.diagnostica.2 em.geografiaProva.diagnostica.2 em.geografia
Prova.diagnostica.2 em.geografia
 
Revisão Comentada Enem 2016
Revisão Comentada Enem 2016Revisão Comentada Enem 2016
Revisão Comentada Enem 2016
 
Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12
Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12
Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12
 
Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...
Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...
Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...
 
Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12
Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12
Prova 4 bimestre geografia 8 ano topicos 9,11,12
 
O PLANO SAFRA 2012/2013 PARA A AGRICULTURA FAMILIAR E CAMPONESA AS DESIGUALDA...
O PLANO SAFRA 2012/2013 PARA A AGRICULTURA FAMILIAR E CAMPONESA AS DESIGUALDA...O PLANO SAFRA 2012/2013 PARA A AGRICULTURA FAMILIAR E CAMPONESA AS DESIGUALDA...
O PLANO SAFRA 2012/2013 PARA A AGRICULTURA FAMILIAR E CAMPONESA AS DESIGUALDA...
 
Innovation with Suatainablity - Geraldo Eugênio - CGEE - Brazil
Innovation with Suatainablity - Geraldo Eugênio - CGEE - BrazilInnovation with Suatainablity - Geraldo Eugênio - CGEE - Brazil
Innovation with Suatainablity - Geraldo Eugênio - CGEE - Brazil
 
Why Investing in Brasil
Why Investing in BrasilWhy Investing in Brasil
Why Investing in Brasil
 
A21 cbcta
A21 cbctaA21 cbcta
A21 cbcta
 

Mais de stjamesmkt

Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bimGabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bim
stjamesmkt
 
Gabarito 3o. ano química - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   química - 2o. bimGabarito 3o. ano   química - 2o. bim
Gabarito 3o. ano química - 2o. bim
stjamesmkt
 
Reino animalia poríferos e cnidários
Reino animalia   poríferos e cnidáriosReino animalia   poríferos e cnidários
Reino animalia poríferos e cnidários
stjamesmkt
 
Mineração na amazônia 1 ano
Mineração na amazônia  1 anoMineração na amazônia  1 ano
Mineração na amazônia 1 ano
stjamesmkt
 
Quadro climatobotânico do brasil reginaldo 3 o ano
Quadro climatobotânico do brasil  reginaldo 3 o anoQuadro climatobotânico do brasil  reginaldo 3 o ano
Quadro climatobotânico do brasil reginaldo 3 o ano
stjamesmkt
 
Lista de exercícios 1a fase - história do brasil - uel
Lista de exercícios   1a fase - história do brasil - uelLista de exercícios   1a fase - história do brasil - uel
Lista de exercícios 1a fase - história do brasil - uel
stjamesmkt
 
Estrutura fundiária roberto
Estrutura fundiária robertoEstrutura fundiária roberto
Estrutura fundiária roberto
stjamesmkt
 
Agricultura geral roberto
Agricultura geral  robertoAgricultura geral  roberto
Agricultura geral roberto
stjamesmkt
 
Biodiversidade 3 ano- prof reginaldo
Biodiversidade  3 ano- prof reginaldoBiodiversidade  3 ano- prof reginaldo
Biodiversidade 3 ano- prof reginaldo
stjamesmkt
 

Mais de stjamesmkt (9)

Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bimGabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bim
 
Gabarito 3o. ano química - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   química - 2o. bimGabarito 3o. ano   química - 2o. bim
Gabarito 3o. ano química - 2o. bim
 
Reino animalia poríferos e cnidários
Reino animalia   poríferos e cnidáriosReino animalia   poríferos e cnidários
Reino animalia poríferos e cnidários
 
Mineração na amazônia 1 ano
Mineração na amazônia  1 anoMineração na amazônia  1 ano
Mineração na amazônia 1 ano
 
Quadro climatobotânico do brasil reginaldo 3 o ano
Quadro climatobotânico do brasil  reginaldo 3 o anoQuadro climatobotânico do brasil  reginaldo 3 o ano
Quadro climatobotânico do brasil reginaldo 3 o ano
 
Lista de exercícios 1a fase - história do brasil - uel
Lista de exercícios   1a fase - história do brasil - uelLista de exercícios   1a fase - história do brasil - uel
Lista de exercícios 1a fase - história do brasil - uel
 
Estrutura fundiária roberto
Estrutura fundiária robertoEstrutura fundiária roberto
Estrutura fundiária roberto
 
Agricultura geral roberto
Agricultura geral  robertoAgricultura geral  roberto
Agricultura geral roberto
 
Biodiversidade 3 ano- prof reginaldo
Biodiversidade  3 ano- prof reginaldoBiodiversidade  3 ano- prof reginaldo
Biodiversidade 3 ano- prof reginaldo
 

Gabarito 3o. ano geografia - 2o. bim

  • 1. 1 pré-vestibular extensivo | caderno 2 gABARITo geografa Módulo 8 1 C 2 D 3 B 4 D 5 C 6 C 7 A 8 B 9 Duas das características a seguir: • ênfase nas indústrias de bens de consumo. • associação entre gasto público e capital privado. • obtenção de recursos financeiros externos por meio de empréstimos. • produção industrial voltada para o mercado interno, di- minuindo as importações. Dois dos motivos a seguir: • controle da inflação. • incentivo ao desenvolvimento de uma forte poupança interna. • implantação de um modelo de gestão do Estado mais eficiente. • melhor distribuição de renda, em relação aos países latino-americanos. • investimentos em educação permitindo a formação de um amplo mercado interno. 10 O aluno poderá explicar duas consequências econômicas do Plano Collor, dentre as quais: o bloqueio da liquidez dos haveres financeiros (contas correntes, poupança e outras aplicações), a redução da inflação e a recuperação, por parte do Estado, do controle sobre a moeda nacional. Módulo 9 1 D 2 A 3 E 4 D 5 D 6 C 7 A 8 a) Bioeletricidade é a energia obtida do uso de elementos da biomassa. Um exemplo de geração biolétrica é o uso da folha da cana-de-açúcar em pequenas termoelétri- cas no interior paulista. Outro exemplo é a utilização do etanol como fonte energética no setor de transportes. b) Vantagens: redução de emissão de gases estufa; fonte renovável de energia; desenvolvimento local de tec- nologia, fomento de parcerias do tipo universidade/ empresa. Desvantagens: necessidade de extensas áreas para cul- tivo e extração da biomassa; desmatamento; contami- nação de lagos, rios e lençóis freáticos, exploração de mão de obra. 9 a) Caracterizando as fontes de energia limpa como de ori- gem renovável a produção termoelétrica, seja a carvão, petróleo ou nuclear, é considerada mais suja, gerando resíduos como gás carbônico ou lixo atômico. Por outro lado hidroelétricas são consideradas geradoras limpas, pois tratam do uso de fontes renováveis (água a partir de seu ciclo natura) não poluindo o ambiente. b) Das vantagens econômicas possíveis da produção ter- moelétrica sobre a hidroelétrica, podem ser destacadas: 1) os custos de construção de barragens hidroelétricas são muito mais elevados do que a construção das usinas termoelétricas; 2) a variação dos materiais não renová- veis utilizados na produção energética, o que possibilita ao investidor desse tipo de usina escolher os recursos mais baratos para a geração de energia. Das limitações físicas possíveis da produção hidroelétri- ca em relação à termoeletricidade, deve-se destacar a barreira climática imposta à construção de barragens, já que estas só poderão ser construídas em regiões onde o rigor climático não afete a regularidade dos fluxos de águas fluviais que abastecem a usina geradora de ener- gia; já as usinas termoelétricas podem ser construídas em qualquer região independentemente da presença ou não dos recursos fósseis necessários para a geração de energia. 10 B Módulo 10 1 A 2 D 3 C 4 E 5 B 6 A 7 C 8 B 9 B 10 C Módulo 11 1 E A cana-de-açúcar é um dos produtos mais conhecidos da agronomia brasileira, podendo ser plantada em várias loca- lidades sob diversas condições naturais e com diversidade de espécies. A utilização de rotação de culturas é sobeja- mente conhecida como forma de preservar as propriedades ecológicas e produtivas do solo e neste caso reverte-se em benefício econômico para os produtores. 2 D A aração do solo no topo do vale expõe o solo ao pro- cesso de erosão onde a declividade ajudada pela ação da gravidade acelera o processo de degeneração do solo em erosão. 001-056_PH_MP_GEO_C2.indd 1 2/28/14 9:45 AM
  • 2. 2Pré-vestibular extensivo | caderno 2 | manual do Professor geografiageografia 2Pré-vestibular extensivo | caderno 2 | manual do Professor GABARITO 2pré-vestibular extensivo | caderno 2 3 C A expansão do agronegócio trouxe ganhos de produção inegáveis em relação a demandas constantes e crescentes das massas populacionais urbanas. O agronegócio, com suas soluções técnicas que aumentam a produtividade e a produção rural trouxe também ganhos de capital ao processo. Mas não resolveu questões básicas no campo com reflexos sobre a população rural. Em vários países da América do Sul os latifúndios improdutivos estão entre as estruturas mais arcaicas. Grandes extensões de terra ficam imobilizadas como capital de reserva especulativa com baixa ou nenhuma produção. 4 B Apesar da política de subsídios à produção rural, tem ha- vido uma tendência à concentração fundiária em países da União Europeia, associada à especialização de cultivos. 5 A Os investimentos tecnológicos na produção em geral e na agricultura, sempre implicam em alta nos custos materiais – máquinas, adubos e outros insumos – resultando em maior produtividade. Por outro lado, diminui a oferta de mão de obra, caem os custos com a terra e despesas de capital em geral. 6 B Os estados do Nordeste apresentam os maiores números de produtores rurais sem terras. 7 A As safras que mais cresceram têm forte relação com o setor agroindustrial e com o de exportações. 8 C O avanço da safra de soja se relaciona à elevação do pa- drão de produção de insumos e equipamentos que tornam vantajosa sua produção em larga escala. 9 B O período considerado na tabela se relaciona à expansão inicial do setor industrial brasileiro. 10 B Módulo 12 1 C O Sertão semiárido nordestino é um domínio morfoclimá- tico rico em fauna e flora e ao mesmo tempo muito frágil. As ações antrópicas mais recentes relacionadas à expansão econômica na base agropecuária causam impactos am- bientais significativos sobre o Sertão. 2 A Apesar dos avanços no campo do agronegócio, o país ainda mantém níveis variados de exclusão, com déficits sociais em áreas sensíveis como saúde e educação. A con- centração de renda e de terras ainda é notável no país e está entre as principais causas dos déficits sociais. 3 B Um dos aspectos mais importantes da agricultura no Brasil a partir da década de 1980 foram os avanços registrados no agronegócio. Não só do ponto de vista tecnológico com a incorporação de áreas agrícolas consideradas infér- teis, como também em gestão, financiamento e crédito. As mudanças socioespaciais no campo são notáveis: novas formas e arranjos socioeconômicos além de novos agen- ciamentos como turismo, acesso à energia elétrica, ciclos econômicos mais dinâmicos ajudam a mudar a paisagem e modificam a fama das zonas rurais outrora consideradas lugares pacatos e bucólicos. 4 A A modernização por que passa a zona rural brasileira traz avanços e dinamismo ao setor, demandando, no entanto, mão de obra cada vez mais qualificada. A mecanização, automação e outras práticas técnicas necessitam cada vez menos mão de obra o que favorece correntes migratórias do campo para as cidades, entre outros aspectos. 5 B O Bico do Papagaio localiza-se no norte do estado do To- cantins, fazendo divisa com os estados do Pará e do Ma- ranhão, uma região de afluxo de migrantes e populações rurais de sem-terras que acabam entrando em atrito com fazendeiros e grileiros. 6 D Em países capitalistas, a população trabalhadora normal- mente se localiza entre o Capital e o Estado. Para mediar cada vez mais o complexo diálogo entre as partes, surgiram organizações da sociedade civil como formas ordenadas e expressivas, de apoio as demandas civis de quem não tem formas de expressão em defesa de seus interesses. Orga- nizações não governamentais e grupos como a Pastoral da Terra, entre outras formas de auxílio, encaminham denún- cias e promovem ações de conscientização e organização de trabalhadores. 7 E A Amazônia é uma das grandes reservas naturais, conside- rada uma das últimas áreas de vegetação florestal tropical úmida remanescente do planeta. Trata-se de uma região muito observada por autoridades e centros de pesquisa de todo o mundo. A criação de políticas públicas a partir do governo federal que garantam a sua preservação, colo- cariam o Brasil como país com capacidade suficiente para gerenciar e manter suas áreas naturais com seu potencial de utilização de recursos para garantir a sustentabilidade desse importante ambiente natural. 8 B A afirmativa II está errada pois apesar do déficit hídrico ser um limitante, vem sendo superado com bastante su- cesso no oeste da Bahia e sul do Piauí. Em IV, são as gran- des e médias propriedades empresariais que respondem pelo avanço da modernização dos cultivos no centro-sul do país. Módulo 13 1 C 2 E 3 D 4 C 5 D 6 E 7 D 8 A 9 C 10 A Módulo 14 1 C 2 B 001-056_PH_MP_GEO_C2.indd 2 2/28/14 9:45 AM
  • 3. 3 pré-vestibular extensivo | caderno 2 3 Os espaços urbanos com elevada população são áreas onde diversos problemas ambientais são gerados e se ex- pandem, acarretando consequências negativas tanto para a natureza como para as sociedades que ali se estabele- cem. No caso de países pobres, um dos principais proble- mas ambientais das grandes cidades está relacionado ao recolhimento e à deposição de resíduos sólidos. A região metropolitana do Rio de Janeiro ainda não alcan- çou uma eficiência na gestão desses resíduos, de modo que não comprometa a qualidade de vida da população envolvida. Podem ser apontados como problemas relacio- nados à coleta e à deposição de lixo nessa área urbana: insignificância da coleta seletiva; existência de depósitos de lixo a céu aberto, os chamados “lixões”; coleta insuficiente do lixo domiciliar; acúmulo de materiais não biodegradá- veis; contaminação do solo e do lençol freático por cho- rume, assim como a  contaminação do solo e de pessoas por produtos tóxicos; proliferação de insetos, roedores e outros vetores de doenças nos lixões. 4 E 5 A implantação de um fixo espacial importante, como é o caso do Porto do Açu, resulta em impactos territoriais de grande relevância. Entre as possíveis consequências positi- vas desse investimento para a economia do Norte Fluminen- se, destacam-se a melhoria da rede escolar, a diversificação do comércio, o aumento da oferta de emprego/postos de trabalho e da arrecadação de impostos, a melhoria da in- fraestrutura viária e de telecomunicações, o estímulo ao surgimento e ao crescimento de pequenas empresas. Por outro lado, o crescimento econômico acelerado e os processos socioespaciais a ele relacionados podem resultar também em problemas urbanos para São João da Barra, como, por exemplo, favelização, aumento da criminalida- de, sobrecarga dos serviços públicos urbanos, elevação do preço dos imóveis e dos aluguéis e agravamento de processos de degradação ambiental. 6 a) Considerando a região portuária do Rio de Janeiro, que sofreu uma deterioração nas últimas décadas, uma das formas de revitalização com a manutenção da forma, mas com mudança na função, é o uso de armazéns antigos outrora usados para depósitos de mercadorias, para novos empreendimentos do setor terciário, ou seja, comércio, serviços e atividades artísticas. b) Em muitas cidades ocorreram processos de gentrifica- ção, ou seja, de “enobrecimento” social provocada pela revitalização urbana de áreas que estavam desvalori- zadas e ocupadas por grupos sociais mais pobres. O processo acontece pela ação do Estado e por agentes privados responsáveis pela especulação imobiliária. Por exemplo, a compra de terrenos e imóveis antigos, sua demolição ou requalificação, o aumento do preço dos imóveis e dos aluguéis estimula a saída dos moradores mais pobres e a chegada de moradores das classes mé- dia e alta. Portanto, o grande desafio seria conciliar a valorização da região portuária com a inclusão social.   7 Dois dentre os processos: – favelização. – territorialização pelo tráfico. – rodoviarismo/vias congestionadas. – formação de subcentros espontâneos. – formação de subcentros planejados (shopping centers). – estratégias de autossegregação (condomínios fechados). Dois dentre os elementos: – transporte ferroviário. – menor nível de verticalização. – padrão irregular dos arruamentos. – nível médio de renda inferior ao da Zona Sul. – menor custo do solo urbano em relação as áreas nobres da cidade. 8 Os custos de produção ficaram muito elevados na metró- pole fluminense, o que vem estimulando as indústrias a buscarem custos mais baixos no interior do Estado, incen- tivadas por políticas públicas estaduais e municipais. Uma dentre as regiões e seu respectivo setor industrial: – Médio Vale do Paraíba – metal-mecânico / automobilís- tico / siderúrgico. – Serrana – têxtil / indústria alimentícia / software. – Costa Verde – siderurgia / indústria naval. – Periferia da Região Metropolitana – polo gás químico de Caxias / indústria de transformação. 9 O subcentro de Copacabana, justifica-se no período onde a descentralização deve ser acompanhada de unidades de prestação de serviços para a população que começa a ocupar o bairro e o seu entorno ou novos bairros, como a Barra da Tijuca. Os shoppings, são fenômenos urbanos mais recentes e acompanham a tendência de expansão de enclaves fortificados, em vista do colapso dos serviços de segurança pública e empobrecimento generalizado da população com degeneração de bairros e relocação de população de alta renda em bairros fechados (edge cities). 10 a) Macaé e Rio das Ostras se beneficiaram da expansão dos serviços de apoio à prospecção e exploração de petróleo na Bacia de Campos. A vinda de técnicos qua- lificados fomentou a expansão urbana, estimulando a construção civil e atraindo mão de obra para toda sorte de serviços urbanos. b) O crescimento demográfico dos municípios de Resende e Porto Real se deve à instalação de indústrias monta- doras de automóveis e caminhões na década de 1990, favorecendo as migrações para a região em busca de postos de trabalho. Módulo 15 1 E 2 D 3 E 4 a) Itaqui e Tubarão caracterizam-se, sobretudo, pela ex- portação de minério de ferro, o primeiro extraído em Carajás, no estado do Pará e o segundo no Quadrilátero Ferrífero, no estado de Minas Gerais. b) O porto de Santos escoa uma produção diversificada (agrícola e industrial) do Centro-sul do Brasil. É também um grande porto importador de bens diversificados destinados ao mercado interno de bens de consumo, assim como de equipamentos para o parque industrial brasileiro. 5 a) O GPS funciona acoplado a um ou mais satélites artificiais, que substituem o Sol e as estrelas na deter- minação de coordenadas geográficas. b) Múltiplos são os usos do GPS no mundo atual. O aparelho indica com precisão a localização de pontos fixos no espaço. Indica também a localização de obje- tos em movimento, o que permite acompanhar rotas, direções e velocidades. Esses usos servem tanto para a paz como para a guerra. 6 B 7 A 8 D 001-056_PH_MP_GEO_C2.indd 3 2/28/14 9:45 AM
  • 4. 4Pré-vestibular extensivo | caderno 2 | manual do Professor geografiageografia 4Pré-vestibular extensivo | caderno 2 | manual do Professor GABARITO 4pré-vestibular extensivo | caderno 2 9 a) Um dos seguintes fatores: – inexistência ou insuficiência de ciclovias; – a falta de trajetos integrados a outras modalidades de transporte; – as grandes distâncias a serem percorridas; – a cultura e a preferência do transporte automotor em detrimento dos transportes alternativos; – a ausência de políticas que estimulem a consciência do trânsito como espaço público, e não individual; – o grau de periculosidade do fluxo do transporte e da violência urbana. b) A intermodalidade concebe a integração de diferentes modais na mobilidade, e, nesse caso, a implantação de ciclovias integrando bairros, zonas comerciais ou turís- ticas e subcentros, até as unidades de transporte cole- tivo, reduziria o número de automóveis e motocicletas, reduzindo o fluxo e os congestionamentos, otimizando a mobilidade na cidade. 10 a) A implantação do Arco Metropolitano resultará em be- nefícios, como a redução dos custos dos transportes e a dinamização da logística da produção, que, por sua vez, resultará em atração de investimentos de grandes empresas, como a Petrobras, a CSN e a Gerdau, na instalação de terminais portuários em Itaguaí e na im- plantação ou modernização de unidades de produção. A alavancagem de investimentos feita pelo Arco Metro- politano, por sua vez, elevará a arrecadação tributária dos municípios, além de gerar mais empregos. b) O Arco Metropolitano foi projetado para desviar o tráfe- go dos veículos comerciais de longa distância, aliviando os principais corredores metropolitanos, tais como a Ponte Rio-Niterói, a BR-101 e a Avenida Brasil, elimi- nando os gargalos de mobilidade da cidade. Módulo 16 1 D 2 A 3 Rotação de culturas, plantio em curvas de nível, terracea- mento, plantio direto, adubação orgânica, implementos agrícolas mais leves, redução das queimadas, redução de uso de agrotóxico. b) O principal objetivo desse desmatamento é a abertu- ra de clareiras para atividade agropecuária, extração de madeira, áreas de produção mineral, infraestrutura de transporte e hidroeletricidade. As principais conse- quências são: redução da biodiversidade, degradação do solo, erosão, assoreamento dos rios, alteração de microclima, alteração do ciclo hidrológico, aquecimento global, emissão de gás carbônico. 4 B 5 a) Há uma relação direta entre o padrão médio de saúde em uma sociedade e as condições ambientais nas quais vivem os membros dessa coletividade. A qualidade do ar, da água, da habitação, do sistema de saneamento e da rede de saúde tem impacto direto sobre a incidência de doenças ambientais o que, por sua vez, influencia a quantidade maior ou menor de dias de vida com boa saúde perdidos pelos indivíduos. A análise do mapa re- força essa correlação. Nele, é possível identificar que os países com menor perda desses dias de vida, são, em grande parte, nações desenvolvidas, tais como Canadá, E. U. A., Chile, Cuba, Costa Rica, Austrália, Nova Zelân- dia, Japão e os países da Europa Ocidental. b) O continente com maiores perdas é a África, es- pecialmente a África Subsaariana. Nessa por- ção do mundo, encontra-se grande parte das na- ções com mais de 100 dias de vida com boa saúde perdidos, para cada grupo de 1000 habitantes. A gestão territorial feita pelo Estado é o grande fator explicativo para compreender essa variação na qualida- de da saúde entre as sociedades. c) Por meio de políticas públicas relacionadas à qualida- de ambiental, é possível reduzir os efeitos negativos de um ambiente degradado sobre a saúde pública. Dentre essas ações, podem-se destacar: ampliação da rede de esgoto; ampliação da oferta de água trata- da; investimento em programas de habitação popular; implantação de legislação restritiva à poluição atmos- férica; aumento da fiscalização relativa à observância das leis ambientais; investimento em programas de amparo à gestante e ao recém-nascido; melhoria da oferta de atendimento e da qualidade da rede pública de saúde. 6 D 7 C 8 B 9 A 10 E 001-056_PH_MP_GEO_C2.indd 4 2/28/14 9:45 AM