SlideShare uma empresa Scribd logo
DIREITO DO SEGURO
Prof. Fábio Frederico F. Rocha
Capítulo 1 – Os Fundamentos do Direito
Sociedade condutas/comportamentos Estado
Imposição de regras PROIBIÇÃO
PERMISSÃO
Direitos e Obrigações Normas Jurídicas Convivência Social
Normas de comportamento: JURÍDICAS e MORAIS
Obrigatórias
+
Coercibilidade
Incoercível
Repercussão
íntima
Direito é o conjunto de normas que regula a vida social, é o respeito à
propriedade, à vida e à liberdade de outrem.
Divisão: Direito Público e Direito Privado
- Direito Público:
Regula as atividades do Estado que figurará em um dos pólos da
relação com terceiros , visando a regulação dos interesses gerais da
coletividade (Ex.Liberdade – Direito Constitucional Imposto de
Renda – Dir. Tributário).
- Direito Privado:
Regula a relação entre particulares ( Direito do Consumidor, Direito
Civil, etc.)
Fontes do Direito:
Lei: É a ordem, ou regra geral obrigatória que, emanando de uma
autoridade competente e reconhecida, é imposta coativamente à
obediência de todos.
Costumes: A prática de uma forma de conduta, repetida de maneira
uniforme e constante pelos membros de uma comunidade, podem
originar uma lei.
Doutrina: Agrupamento de trabalhos forenses, pareceres, obras literárias.
Jurisprudência: conjunto de decisões similares dos tribunais sobre a
mesma matéria.
A importância da Jurisprudência para o Setor de Seguros:
- auxiliar não só o corretor de seguros, como também os demais
profissionais da área, na proteção de direitos e interesses próprios
ou de terceiros.
- surgimento de súmulas ( STJ e STF ).
Ex. Súmula 101 do STJ: prescrição em 1 ano ( seguro individual ou
coletivo). Art. 206 CC.
Súmula 229 do STJ: pedido de indenização suspende o prazo da
prescrição.
Hierarquia das Leis:
ART. 59 CF.
- Hierarquia organizada;
- Processo legislativo;
- Evitar contradições.
- Constituição Federal:
É a “ Carta Magna”, Lei maior da nossa nação conjunto de normas
presentes no topo da pirâmide jurídica.
É a principal fonte de todos os ramos do Direito uma vez que nela
estão fixados os princípios básicos e as normas nucleares, não
podendo ser contrariada por nenhuma norma infra-constitucional.
Emenda Constitucional:
A CF reflete a realidade social do país e acompanha sua evolução,
portanto a CF prevê expressamente em seu texto a possibilidade de
alteração do texto constitucional.
Lei Complementar:
Visa complementar alguma norma constitucional já existente,
porém carente de eficácia por depender exclusivamente de
complementação. ( ART. 146, CF).
Lei Ordinária:
São as Leis comuns de formulação cotidiana do Congresso, das
Assembléias e das Câmaras Municipais.
Leis Delegadas:
A Lei Delegada é equiparada a Lei Ordinária, porém é criada pelo
Pres. da República que pede autorização ( delegação ) ao Congresso
Nacional. ( art. 68 CF )
Medida Provisória:
Adotada pelo Pres. da República (Poder Executivo) em casos de
emergência e relevância nacional. Dotada de força legal. Submete-
se ao Congresso. Devem ser convertidas em Lei no prazo de 60 dias
com prorrogação de + 60 dias.
Ex. CPMF
Decretos e Resoluções:
Elaborados por autoridades administrativas competentes, úteis para
regulamentar leis já existentes.
O Código Civil e o Código de Defesa do
Consumidor .
- Código Civil ( CC ): Lei 10.406/2002
Regula a atividade entre particulares, incluindo o ramo de
seguros (arts. 757 a 802).
- Código de Defesa do Consumidor (CDC):
Estabelece normas de proteção aos consumidores de
produtos e serviços.
Art.3º, par. 2º Serviço – atividade fornecida mediante
remuneração..., incluindo a de natureza securitária.
Capítulo 2 – A Relação Jurídica
• Relação entre pessoas (particulares), reguladas por normas, por isso
são chamadas de relações jurídicas.
• Elementos da relação:
a) sujeito;
b) objeto;
c) fato jurídico.
Pessoa Natural
A) Sujeito
Pessoa Jurídica
Pessoa Natural:
- Nascimento com vida até a morte;
- Nascituro, ainda não nasceu, mas a lei garante a expectativa
de seus direitos.
- Personalidade Jurídica: aptidão para exercer direitos e
contrair obrigações,.
- Capacidade de direito ou de gozo: decorre da personalidade
jurídica, ninguém pode ser privada de tal capacidade (adquirir
direitos e contrair obrigações.
- Capacidade de fato: consciência e vontade de exercer o seu
direito, respeitando limitações absolutas ou relativas.
Incapacidade Absoluta:
- Proibição total do exercício do direito pelo incapaz;
- Gozam de direitos porém não podem exercê-los diretamente,
cabendo a representação;
Art. 3o São absolutamente incapazes de exercer pessoalmente os atos
da vida civil:
I - os menores de dezesseis anos;
II - os que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o
necessário discernimento para a prática desses atos; (causa
patológica, congênita, adquirida, ou acidental). (representados por
curadores).
III - os que, mesmo por causa transitória, não puderem exprimir sua
vontade ( perda de memória, estado de coma, etc).
ATENÇÃO: TODOS OS ATOS PRATICADOS POR ELES SERÃO
CONSIDERADOS NULOS, OU SEJA, SEM EFEITO.
Incapacidade Relativa:
• Atos da vida civil praticados, desde que assistidos;
• Atos poderão ser anulados;
Art. 4º, CC - São incapazes, relativamente a certos atos, ou à maneira de os
exercer:
I - os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos(representados por
tutores);
II - os ébrios habituais, os viciados em tóxicos, e os que, por deficiência mental,
tenham o discernimento reduzido;
III - os excepcionais, sem desenvolvimento mental completo;
IV - os pródigos.
(representados por curadores)
Aquisição da Capacidade Civil:
• Completa 18 anos;
• Emancipação;
• Casamento;
• Emprego público;
• Colação de grau em curso superior;
Pessoa Jurídica:
- Realização de um fim e reconhecida pela ordem jurídica como
sujeito de direito;
- Espécies: Direito Público Interno ou Externo e de Direito Privado;
a) Direito Público Interno: União, Estados, Municípios, DF,
autarquias ( ex. SUSEP), associações públicas.
b) Direito Público Externo: Estados estrangeiros, além das pessoas
regidas pelo Direito Internacional Público. Ex: nações estrangeiras,
ONU, Vaticano.
c) Direito Privado: instituídas por iniciativa de particulares,
associações- não visam lucro; fundações- fins religiosos, culturais ou
de assistência; partidos políticos, sociedades simples ou
empresárias (objetiva atividade econômica ou comercial para
circulação de mercadorias ou serviços).
Obs: as pessoas jurídicas são registradas nas juntas comerciais,
já as sociedades simples ( advogados, médicos, engenheiros,
são registradas no registro civil das Pessoas Jurídicas.
Domicílio da PJ: local onde funciona a diretoria e administração,
havendo filiais, cada local será considerado domicílio para fins de
responsabilidade sobre os atos praticados. ( ART.75, CC).
2) Objeto:
- bens e prestações;
- bens materiais ou imateriais (havendo ou não apreciação
pecuniária).
- Classificação dos bens pelo CC: móveis, imóveis, bens públicos,
bens particulares, reciprocamente considerados (principal e
acessórios, bens fungíveis, infungíveis.
- A doutrina acrescenta: bens corpóreos e incorpóreos.
3) Fatos Jurídicos:
-Criação, conservação, modificação ou extinção das relações
jurídicas;
Fato Jurídico em sentido amplo: Decorrentes da atividade
humana (ato jurídico) ou fatos naturais (fatos jurídicos em
sentido estrito);
Fato Jurídico em sentido estrito: fatos naturais como a morte,
maioridade,queda de um raio causando danos, etc;
3.1 Atos Jurídicos: acontecimentos decorrentes da vontade
humana produzindo efeitos jurídicos (lícitos ou ilícitos);
Classificação dos atos jurídicos:
a) Negócio jurídico:
- objetiva-se a obtenção de um efeito jurídico através da
manifestação da vontade. Ex: contrato de seguro, testamento,
etc.
b) Atos ilícitos: atos contrários à lei (ilícito penal e ilícito civil);
c) Ato jurídico em sentido estrito: são voluntários e lícitos, os
efeitos estão previstos na lei. Ex: constituição em mora,
aviso prévio do empregado, etc.
Negócios Jurídicos:
Para serem válidos:
a) Agente capaz;
b) Objeto lícito, possível, determinado ou determinável
(passível de nulidade);
c) Forma prescrita ou não defesa em lei ( passível de nulidade);
ex. casamento.
Invalidade do Negócio Jurídico:
a) Nulidade: sanção imposta pela lei ao ato praticado com
infração de preceito legal da ordem pública. Ineficácia do
negócio, sem produção de efeitos.
Art. 166. É nulo o negócio jurídico quando:
I - celebrado por pessoa absolutamente incapaz;
II - for ilícito, impossível ou indeterminável o seu objeto;
III - o motivo determinante, comum a ambas as partes, for ilícito;
IV - não revestir a forma prescrita em lei;
V - for preterida alguma solenidade que a lei considere essencial
para a sua validade;
VI - tiver por objetivo fraudar lei imperativa;
VII - a lei taxativamente o declarar nulo, ou proibir-lhe a prática.
Obs: É insanável.
b) anulabilidade:
- Não há preceito de ordem pública;
- Efeitos entre as partes;
Art. 171. Além dos casos expressamente declarados na lei, é
anulável o negócio jurídico:
I - por incapacidade relativa do agente;
II - por vício resultante de erro, dolo, coação, estado de
perigo, lesão ou fraude contra credores.
Art. 172. O negócio anulável pode ser confirmado pelas
partes. (é sanável).
Vícios ou Defeitos dos Negócios Jurídicos:
- Desequilíbrio entre vontade e declaração;
- Negócio viciado > torna-se anulável.
- Vícios: erro, dolo,coação, estado de perigo e lesão.
Vícios de Consentimento:
ERRO: deve ser substancial ou essencial,causa determinante.
- Noção inexata sobre alguma coisa;
- Pode recair sobre a natureza do ato. Ex: doação – venda;
- .................. ......... o objeto. Ex: Quadro de Portinari;
- ............................ as qualidades . Ex: colar de coral – plástico;
- ............................ qualidades essenciais de uma pessoa. Ex:
testamento para pessoa que achava ser filho.
DOLO:
- Provocação intencional de um erro; uso de artifício.
Ex. a omissão de um segurado ao contratar um seguro.
COAÇÃO:
- Pressão física ou moral, temor de dano iminente à sua pessoa;
ESTADO DE PERIGO:
- Assume obrigação excessivamente onerosa para salvar a si ou
pessoa de sua família.
FRAUDE CONTRA CREDORES:
- Prática maliciosa, pelo devedor, desfalca o patrimônio para
evitar execução.
Capítulo 3 – As Fontes de Obrigações
a) Contrato: convenção entre as partes, duas ou mais pessoas;
b) Ato ilícito: (Art.186 CC) não há acordo entre as parte e sim o dever legal de
reparação em decorrência de ofensa a direito alheio; (ação,omissão,
negligência e imprudência).
c) Atos unilaterais de vontade: obrigações decorrentes da manifestação de
vontade de uma parte. Ex: promessa de recompensa.
Dolo: intenção do agente.
Culpa: ausência de diligência em sua conduta.
- negligência: desídia, descaso. Ex: trafegar com pneu gasto.
-Imprudência: agente precipitado, sem temor. [
Ex. dirigir em alta velocidade.
- Imperícia: não há habilidade técnica: pilotar avião sem ser piloto
profissional.
Dano: produzido por qualquer ato lesivo (ilícito) que cause
prejuízo material, pessoal ou moral a outrem.
Nexo Causal: relação causa-efeito, entre a ação do agente e o
dano originado.
As Hipóteses de Exclusão de Ilicitude
- praticados em legítima defesa – autodefesa- injusta agressão.
- exercício regular de um direito - Ex. exercer sua atividade
profissional;
- estado de necessidade – ofensa ao direito alheio para afastar
um perigo iminente.
Responsabilidade Contratual :
- advém da obrigação contratual;
-Independe de prova de culpa;
-Responsabilidade é objetiva.
Responsabilidade Extracontratual:(aquiliana):
- Não há relação contratual;
- Decorre de ato ilícito;
- Responsabilidade é subjetiva, depende da prova de culpa.
O CONTRATO
Requisitos Gerais de Validade:
• Capacidade dos contratantes;
• Objeto lícito, possível, determinado ou determinável;
• Respeito a forma;
• Consentimento ou acordo de vontades.
Princípios Fundamentais dos Contratos
a) Princípio da função social ( art.421,CC):
Interesse individual em consonância com os interesses sociais;
Interesse social = probidade, boa-fé, moralidade.
b) Princípio da boa-fé objetiva: (art.422,CC):
Conduta honesta durante a execução e conclusão do contrato.
c) Princípio da equivalência material: (arts. 423 e 424, CC):
Visa manter o equilíbrio entre direitos e obrigações no contrato.
* cláusulas ambíguas ou contraditórias = interpretação mais
favorável ao aderente.
Contrato de Seguro
• Conceito:
Art. 757: “Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento
do prêmio, a garantir interesse legítimo do segurado, relativo a pessoa ou a coisa,
contra riscos predeterminados.”
Elementos do Contrato de Seguro
- Risco deve ser um evento futuro, possível e incerto;
- Interesse Segurável: interesse legítimo relativo a bens móveis e imóveis; a relação
existente entre o segurado e a coisa ou pessoa sujeita ao risco.
- Garantia = obrigação.
- Prêmio ( contributário, parcialmente contributário e não contributário).
Partes do Contrato de Seguro
• Seguradora : Empresa legalmente constituída.
• Segurado: PF ou PJ que possui interesse legítimo relativo à
pessoa ou coisa.
• Estipulante: Circ. Susep nº267. Nos seguros coletivos, é o
representante do grupo segurado perante o segurador.
- administra o seguro;
- poderá assumir certas obrigações do segurado.
• Beneficiários: é a pessoa indicada para o recebimento da
indenização. Obs: art. 793 – indicação do companheiro como
beneficiário.
Obrigações das Partes
Pagar o prêmio do seguro – Art. 763 do CC. A falta do pagamento do
prêmio pelo segurado desobriga a seguradora do pagamento da sua
indenização. obs: estipulante tem o dever de repassar o prêmio à Cia.
Concessão da Garantia = cumprimento da obrigação = pagamento ou
reposição da coisa (no seguro de dano).
Art. 781,CC - a indenização não pode ultrapassar o valor máximo do interesse
segurado no momento do sinistro...e limite máximo da garantia.
Obs: exceção seguro auto ( de 90% a 110% da tabela FIPE).
Seguro de Pessoa = liberdade para fixar o valor e contratar mais de um
seguro.
Instrumentos Contratuais:
A Lei exige a instrumentalização ou a formalização do contrato de seguro.
Art. 758. O contrato de seguro prova-se com a exibição da apólice ou do
bilhete do seguro, e, na falta deles, por documento comprobatório do
pagamento do respectivo prêmio.
Art. 759. A emissão da apólice deverá ser precedida de proposta escrita
com a declaração dos elementos essenciais do interesse a ser garantido e
do risco.
- Proposta de Seguro (não é ato jurídico contratual): manifestação de
vontade;
- Apólice (nominativa ; à ordem = endosso em preto)
- Endosso ou aditivos: utilizados na alteração dispositivos contratuais.
- Averbação = apólices abertas. Ex: transportes
- Bilhete: dispensa proposta e apólice. Ex. APP, DPVAT, incêndio residencial.
O SEGURO E O CÓDIGO CIVIL
• Cobertura apenas para os riscos predeterminados (art. 757 do CC).
• Boa-Fé na conclusão e na execução do contrato de seguroDe acordo
com o art. 776, o segurador é obrigado a pagar em dinheiro o prejuízo
resultante do risco assumido, salvo se convencionada a reposição da
coisa.
• Agir na mais estrita boa-fé ( art. 765 do CC), qualquer ato de má-fé
praticado pela seguradora, se vier a prejudicar o segurado, torna o
contrato anulável e possibilita futura demanda judicial.
Omissão / inexatidão/ agravamento de risco
• Mora O art.772 do CC dispõe que “ a mora do segurador em pagar o
sinistro obriga à atualização monetária da indenização devida, segundo
índices oficiais, sem prejuízo dos juros moratórios”.
Obs: Art. 763 do CC. A falta do pagamento do prêmio pelo segurado
desobriga a seguradora do pagamento da sua indenização.
SUB-ROGAÇÃO ( art. 786 do CC)= substituição de um credor por
outro = pedido de ressarcimento.
 Não aplicável quando o dano é causado por cônjuge,
ascedentes, descendentes, consanguíneos, exceto se por dolo.
 Não aplicável aos seguros de pessoas pois não possui caráter
indenitário ou indenizatório.
SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL
 O segurador garante o pgto de perdas e danos devidos pelo
segurado a terceiro.
 Comunicar imediatamente ao segurador o fato ou qualquer ação judicial;
 Não assumir a responsabilidade, acordo ou pagamento sem anuência da Cia.
• Instituição do(a) Companheiro(a) como beneficiário(a):
 necessário ser separado de fato ou judicialmente.
 vedado o concubinato.
• Seguro sobre a vida de terceiro:
 é possível desde que o proponente declare o interesse segurável =
legítimo e econômico = há dependência econômica / obrigação do
segurado com o proponente.
 Indicação e substituição do beneficiário:
 por ato entre vivos (endosso) ou de última vontade (testamento).
 Exceção: garantir obrigação assumida – seguro prestamista; Renúncia:
seguro de sucessão empresarial.
• Da não indicação de beneficiário ou da invalidade da cláusula
beneficiária:
 metade ao cônjuge não separado judicialmente e o
restante aos herdeiros dos segurado... (art. 792 do CC).
 Vale para a companheira.
 SUICÍDIO: (art. 798 do CC).
 carência 2 anos. Atenção súmulas 105 do STF e 61 do STJ –
Cia só poderá negar se comprovar que o segurado
planejava se matar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativoCola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativo
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Apostila de Nocões de Direito Constitucional
Apostila de Nocões de Direito ConstitucionalApostila de Nocões de Direito Constitucional
Apostila de Nocões de Direito Constitucional
Vitor Carvalho
 
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação PopularMapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Xis da Questão
 
Direito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização AdministrativaDireito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização Administrativa
PreOnline
 
Apostila 1
Apostila 1Apostila 1
Apostila 1
Luiz Guilherme
 
Fichamento de direito constitucional i primeira parte. pdf
Fichamento de direito constitucional i primeira parte. pdfFichamento de direito constitucional i primeira parte. pdf
Fichamento de direito constitucional i primeira parte. pdf
Henrique Araújo
 
Dualismo Jurídico
Dualismo JurídicoDualismo Jurídico
Dualismo Jurídico
Joao Antonio
 
Breve Resumo de Direito Constitucional
Breve Resumo de Direito Constitucional Breve Resumo de Direito Constitucional
Breve Resumo de Direito Constitucional
Dayane Barros
 
Principios da administracao_publica
Principios da administracao_publicaPrincipios da administracao_publica
Principios da administracao_publica
Cláudio Chasmil
 
Direito constitucional
Direito constitucionalDireito constitucional
Direito constitucional
andersonadv
 
2012.1 semana 1 o código civil
2012.1  semana 1   o código civil2012.1  semana 1   o código civil
2012.1 semana 1 o código civil
Nilo Tavares
 
REVISÃO ESTRATÉGIA PARA OAB XXI Direito constitucional-RICARDO VALE
REVISÃO ESTRATÉGIA PARA OAB XXI Direito constitucional-RICARDO VALEREVISÃO ESTRATÉGIA PARA OAB XXI Direito constitucional-RICARDO VALE
REVISÃO ESTRATÉGIA PARA OAB XXI Direito constitucional-RICARDO VALE
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Idpp
IdppIdpp
Civil apresentação 1
Civil apresentação 1Civil apresentação 1
Civil apresentação 1
Lucas Guerreiro
 
Direito civil parte Geral.
Direito civil parte Geral.Direito civil parte Geral.
Direito civil parte Geral.
Kleper Gomes
 
Direito administrativo 2
Direito administrativo 2Direito administrativo 2
Direito administrativo 2
Sd jurisadv - Sandra Dobjenski
 
Unip InstituiçõEs De Direito 100223b
Unip   InstituiçõEs De Direito   100223bUnip   InstituiçõEs De Direito   100223b
Unip InstituiçõEs De Direito 100223b
Pedro Kurbhi
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
A. Rui Teixeira Santos
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
Antônio Luís Filho
 
Direito Constitucional
Direito ConstitucionalDireito Constitucional
Direito Constitucional
Maximiliano Barroso Bonfá
 

Mais procurados (20)

Cola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativoCola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativo
 
Apostila de Nocões de Direito Constitucional
Apostila de Nocões de Direito ConstitucionalApostila de Nocões de Direito Constitucional
Apostila de Nocões de Direito Constitucional
 
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação PopularMapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
 
Direito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização AdministrativaDireito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização Administrativa
 
Apostila 1
Apostila 1Apostila 1
Apostila 1
 
Fichamento de direito constitucional i primeira parte. pdf
Fichamento de direito constitucional i primeira parte. pdfFichamento de direito constitucional i primeira parte. pdf
Fichamento de direito constitucional i primeira parte. pdf
 
Dualismo Jurídico
Dualismo JurídicoDualismo Jurídico
Dualismo Jurídico
 
Breve Resumo de Direito Constitucional
Breve Resumo de Direito Constitucional Breve Resumo de Direito Constitucional
Breve Resumo de Direito Constitucional
 
Principios da administracao_publica
Principios da administracao_publicaPrincipios da administracao_publica
Principios da administracao_publica
 
Direito constitucional
Direito constitucionalDireito constitucional
Direito constitucional
 
2012.1 semana 1 o código civil
2012.1  semana 1   o código civil2012.1  semana 1   o código civil
2012.1 semana 1 o código civil
 
REVISÃO ESTRATÉGIA PARA OAB XXI Direito constitucional-RICARDO VALE
REVISÃO ESTRATÉGIA PARA OAB XXI Direito constitucional-RICARDO VALEREVISÃO ESTRATÉGIA PARA OAB XXI Direito constitucional-RICARDO VALE
REVISÃO ESTRATÉGIA PARA OAB XXI Direito constitucional-RICARDO VALE
 
Idpp
IdppIdpp
Idpp
 
Civil apresentação 1
Civil apresentação 1Civil apresentação 1
Civil apresentação 1
 
Direito civil parte Geral.
Direito civil parte Geral.Direito civil parte Geral.
Direito civil parte Geral.
 
Direito administrativo 2
Direito administrativo 2Direito administrativo 2
Direito administrativo 2
 
Unip InstituiçõEs De Direito 100223b
Unip   InstituiçõEs De Direito   100223bUnip   InstituiçõEs De Direito   100223b
Unip InstituiçõEs De Direito 100223b
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Direito Constitucional
Direito ConstitucionalDireito Constitucional
Direito Constitucional
 

Destaque

Direito Constitucional - Atribuições do Congresso Nacional
Direito Constitucional - Atribuições do Congresso NacionalDireito Constitucional - Atribuições do Congresso Nacional
Direito Constitucional - Atribuições do Congresso Nacional
Mentor Concursos
 
2. claudio contador acsp seguro 08 2010-crc
2. claudio contador acsp seguro 08 2010-crc2. claudio contador acsp seguro 08 2010-crc
2. claudio contador acsp seguro 08 2010-crc
Associação Comercial de São Paulo
 
Nota técnica dieese
Nota técnica dieeseNota técnica dieese
Nota técnica dieese
Fabio Motta
 
Bradesco saude-spg_hospitalar_compulsorio_30-99_vidas
Bradesco saude-spg_hospitalar_compulsorio_30-99_vidasBradesco saude-spg_hospitalar_compulsorio_30-99_vidas
Bradesco saude-spg_hospitalar_compulsorio_30-99_vidas
saudeimportante
 
Compreendendo os riscos e seguros
Compreendendo os riscos e segurosCompreendendo os riscos e seguros
Compreendendo os riscos e seguros
Universidade Federal Fluminense
 
História do seguro livro base - capítulo 1 (1)
História do seguro  livro base - capítulo 1 (1)História do seguro  livro base - capítulo 1 (1)
História do seguro livro base - capítulo 1 (1)
Bruno Gazzinelli
 
O Crescimento do Mercado de Seguros e sua Importância
O Crescimento do Mercado de Seguros e sua ImportânciaO Crescimento do Mercado de Seguros e sua Importância
O Crescimento do Mercado de Seguros e sua Importância
Escola Nacional de Seguros
 
Apresentação jacometo seguros
Apresentação jacometo segurosApresentação jacometo seguros
Apresentação jacometo seguros
Jacometo Corretora de Seguros Ltda
 
Cartilha Brasil Mais Seguro
Cartilha Brasil Mais SeguroCartilha Brasil Mais Seguro
Cartilha Brasil Mais Seguro
Ministério da Justiça
 
O Mercado de Seguros e o Brasil do Século XXI
O Mercado de Seguros e o Brasil do Século XXIO Mercado de Seguros e o Brasil do Século XXI
O Mercado de Seguros e o Brasil do Século XXI
Gilton Paiva
 
Introducao seguros
Introducao segurosIntroducao seguros
Introducao seguros
Gil Gameiro
 
Apresentação MultSeg Corretora de Seguros
Apresentação MultSeg Corretora de SegurosApresentação MultSeg Corretora de Seguros
Apresentação MultSeg Corretora de Seguros
Multlinks Mídia Digital
 
Contrato de aluguel de quarto
Contrato de aluguel de quartoContrato de aluguel de quarto
Contrato de aluguel de quarto
Alug Quartos
 
Apresentação seguro
Apresentação seguroApresentação seguro
Apresentação seguro
Caique Telles
 
Apresentacao Seminario
Apresentacao SeminarioApresentacao Seminario
Apresentacao Seminario
Reginaldo Avelino
 
NOÇÕES DE DIREITO
NOÇÕES DE DIREITONOÇÕES DE DIREITO
NOÇÕES DE DIREITO
URCAMP
 

Destaque (16)

Direito Constitucional - Atribuições do Congresso Nacional
Direito Constitucional - Atribuições do Congresso NacionalDireito Constitucional - Atribuições do Congresso Nacional
Direito Constitucional - Atribuições do Congresso Nacional
 
2. claudio contador acsp seguro 08 2010-crc
2. claudio contador acsp seguro 08 2010-crc2. claudio contador acsp seguro 08 2010-crc
2. claudio contador acsp seguro 08 2010-crc
 
Nota técnica dieese
Nota técnica dieeseNota técnica dieese
Nota técnica dieese
 
Bradesco saude-spg_hospitalar_compulsorio_30-99_vidas
Bradesco saude-spg_hospitalar_compulsorio_30-99_vidasBradesco saude-spg_hospitalar_compulsorio_30-99_vidas
Bradesco saude-spg_hospitalar_compulsorio_30-99_vidas
 
Compreendendo os riscos e seguros
Compreendendo os riscos e segurosCompreendendo os riscos e seguros
Compreendendo os riscos e seguros
 
História do seguro livro base - capítulo 1 (1)
História do seguro  livro base - capítulo 1 (1)História do seguro  livro base - capítulo 1 (1)
História do seguro livro base - capítulo 1 (1)
 
O Crescimento do Mercado de Seguros e sua Importância
O Crescimento do Mercado de Seguros e sua ImportânciaO Crescimento do Mercado de Seguros e sua Importância
O Crescimento do Mercado de Seguros e sua Importância
 
Apresentação jacometo seguros
Apresentação jacometo segurosApresentação jacometo seguros
Apresentação jacometo seguros
 
Cartilha Brasil Mais Seguro
Cartilha Brasil Mais SeguroCartilha Brasil Mais Seguro
Cartilha Brasil Mais Seguro
 
O Mercado de Seguros e o Brasil do Século XXI
O Mercado de Seguros e o Brasil do Século XXIO Mercado de Seguros e o Brasil do Século XXI
O Mercado de Seguros e o Brasil do Século XXI
 
Introducao seguros
Introducao segurosIntroducao seguros
Introducao seguros
 
Apresentação MultSeg Corretora de Seguros
Apresentação MultSeg Corretora de SegurosApresentação MultSeg Corretora de Seguros
Apresentação MultSeg Corretora de Seguros
 
Contrato de aluguel de quarto
Contrato de aluguel de quartoContrato de aluguel de quarto
Contrato de aluguel de quarto
 
Apresentação seguro
Apresentação seguroApresentação seguro
Apresentação seguro
 
Apresentacao Seminario
Apresentacao SeminarioApresentacao Seminario
Apresentacao Seminario
 
NOÇÕES DE DIREITO
NOÇÕES DE DIREITONOÇÕES DE DIREITO
NOÇÕES DE DIREITO
 

Semelhante a Funenseg apresentação noções de direito do seguro

Civil
CivilCivil
Idpp0
Idpp0Idpp0
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Elder Leite
 
Noções Básica de Legislação (1).pdf
Noções Básica de Legislação (1).pdfNoções Básica de Legislação (1).pdf
Noções Básica de Legislação (1).pdf
RogrioSantiago7
 
Contrato de trabalho de atleta profissional de futebol
Contrato de trabalho de atleta profissional de futebolContrato de trabalho de atleta profissional de futebol
Contrato de trabalho de atleta profissional de futebol
Henrique Araújo
 
Direito Empresarial
Direito EmpresarialDireito Empresarial
Direito Empresarial
Márcio Rodrigues
 
Direito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton Valadares
Direito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton ValadaresDireito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton Valadares
Direito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton Valadares
Adenilton Valadares
 
Apresentação sobre Direito Civil.pptx
Apresentação sobre Direito Civil.pptxApresentação sobre Direito Civil.pptx
Apresentação sobre Direito Civil.pptx
SheilaCortes2
 
introducao ao direito
introducao ao direitointroducao ao direito
introducao ao direito
N C
 
Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...
Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...
Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...
A. Rui Teixeira Santos
 
Fontes do direito
Fontes do direitoFontes do direito
Fontes do direito
Vitor Carvalho
 
Teoria geral do direito
Teoria geral do direitoTeoria geral do direito
Teoria geral do direito
Thiago José de Souza Oliveira
 
1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral
1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral
1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral
fcams
 
Cola direitoadministrativo ( Profa GABRIELA )
Cola direitoadministrativo ( Profa GABRIELA )Cola direitoadministrativo ( Profa GABRIELA )
Cola direitoadministrativo ( Profa GABRIELA )
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Unidade 2
Unidade 2Unidade 2
Unidade 2
Daniele Moura
 
antonio inacio ferraz_nocoes_direito
antonio inacio ferraz_nocoes_direitoantonio inacio ferraz_nocoes_direito
antonio inacio ferraz_nocoes_direito
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
02. Princípios Fundamentais da República
02. Princípios Fundamentais da República02. Princípios Fundamentais da República
02. Princípios Fundamentais da República
Cláudio Colnago
 
Aula Direito Objetivo Subjetivo
Aula   Direito Objetivo   SubjetivoAula   Direito Objetivo   Subjetivo
Aula Direito Objetivo Subjetivo
Grupo VAHALI
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
Antonio Inácio Ferraz
 

Semelhante a Funenseg apresentação noções de direito do seguro (20)

Civil
CivilCivil
Civil
 
Idpp0
Idpp0Idpp0
Idpp0
 
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
 
Noções Básica de Legislação (1).pdf
Noções Básica de Legislação (1).pdfNoções Básica de Legislação (1).pdf
Noções Básica de Legislação (1).pdf
 
Contrato de trabalho de atleta profissional de futebol
Contrato de trabalho de atleta profissional de futebolContrato de trabalho de atleta profissional de futebol
Contrato de trabalho de atleta profissional de futebol
 
Direito Empresarial
Direito EmpresarialDireito Empresarial
Direito Empresarial
 
Direito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton Valadares
Direito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton ValadaresDireito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton Valadares
Direito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton Valadares
 
Apresentação sobre Direito Civil.pptx
Apresentação sobre Direito Civil.pptxApresentação sobre Direito Civil.pptx
Apresentação sobre Direito Civil.pptx
 
introducao ao direito
introducao ao direitointroducao ao direito
introducao ao direito
 
Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...
Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...
Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...
 
Fontes do direito
Fontes do direitoFontes do direito
Fontes do direito
 
Teoria geral do direito
Teoria geral do direitoTeoria geral do direito
Teoria geral do direito
 
1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral
1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral
1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral
 
Cola direitoadministrativo ( Profa GABRIELA )
Cola direitoadministrativo ( Profa GABRIELA )Cola direitoadministrativo ( Profa GABRIELA )
Cola direitoadministrativo ( Profa GABRIELA )
 
Unidade 2
Unidade 2Unidade 2
Unidade 2
 
antonio inacio ferraz_nocoes_direito
antonio inacio ferraz_nocoes_direitoantonio inacio ferraz_nocoes_direito
antonio inacio ferraz_nocoes_direito
 
02. Princípios Fundamentais da República
02. Princípios Fundamentais da República02. Princípios Fundamentais da República
02. Princípios Fundamentais da República
 
Aula Direito Objetivo Subjetivo
Aula   Direito Objetivo   SubjetivoAula   Direito Objetivo   Subjetivo
Aula Direito Objetivo Subjetivo
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
 

Funenseg apresentação noções de direito do seguro

  • 1. DIREITO DO SEGURO Prof. Fábio Frederico F. Rocha
  • 2. Capítulo 1 – Os Fundamentos do Direito Sociedade condutas/comportamentos Estado Imposição de regras PROIBIÇÃO PERMISSÃO Direitos e Obrigações Normas Jurídicas Convivência Social Normas de comportamento: JURÍDICAS e MORAIS Obrigatórias + Coercibilidade Incoercível Repercussão íntima
  • 3. Direito é o conjunto de normas que regula a vida social, é o respeito à propriedade, à vida e à liberdade de outrem. Divisão: Direito Público e Direito Privado - Direito Público: Regula as atividades do Estado que figurará em um dos pólos da relação com terceiros , visando a regulação dos interesses gerais da coletividade (Ex.Liberdade – Direito Constitucional Imposto de Renda – Dir. Tributário). - Direito Privado: Regula a relação entre particulares ( Direito do Consumidor, Direito Civil, etc.)
  • 4. Fontes do Direito: Lei: É a ordem, ou regra geral obrigatória que, emanando de uma autoridade competente e reconhecida, é imposta coativamente à obediência de todos. Costumes: A prática de uma forma de conduta, repetida de maneira uniforme e constante pelos membros de uma comunidade, podem originar uma lei. Doutrina: Agrupamento de trabalhos forenses, pareceres, obras literárias. Jurisprudência: conjunto de decisões similares dos tribunais sobre a mesma matéria.
  • 5. A importância da Jurisprudência para o Setor de Seguros: - auxiliar não só o corretor de seguros, como também os demais profissionais da área, na proteção de direitos e interesses próprios ou de terceiros. - surgimento de súmulas ( STJ e STF ). Ex. Súmula 101 do STJ: prescrição em 1 ano ( seguro individual ou coletivo). Art. 206 CC. Súmula 229 do STJ: pedido de indenização suspende o prazo da prescrição.
  • 6. Hierarquia das Leis: ART. 59 CF. - Hierarquia organizada; - Processo legislativo; - Evitar contradições. - Constituição Federal: É a “ Carta Magna”, Lei maior da nossa nação conjunto de normas presentes no topo da pirâmide jurídica. É a principal fonte de todos os ramos do Direito uma vez que nela estão fixados os princípios básicos e as normas nucleares, não podendo ser contrariada por nenhuma norma infra-constitucional.
  • 7. Emenda Constitucional: A CF reflete a realidade social do país e acompanha sua evolução, portanto a CF prevê expressamente em seu texto a possibilidade de alteração do texto constitucional. Lei Complementar: Visa complementar alguma norma constitucional já existente, porém carente de eficácia por depender exclusivamente de complementação. ( ART. 146, CF). Lei Ordinária: São as Leis comuns de formulação cotidiana do Congresso, das Assembléias e das Câmaras Municipais.
  • 8. Leis Delegadas: A Lei Delegada é equiparada a Lei Ordinária, porém é criada pelo Pres. da República que pede autorização ( delegação ) ao Congresso Nacional. ( art. 68 CF ) Medida Provisória: Adotada pelo Pres. da República (Poder Executivo) em casos de emergência e relevância nacional. Dotada de força legal. Submete- se ao Congresso. Devem ser convertidas em Lei no prazo de 60 dias com prorrogação de + 60 dias. Ex. CPMF Decretos e Resoluções: Elaborados por autoridades administrativas competentes, úteis para regulamentar leis já existentes.
  • 9. O Código Civil e o Código de Defesa do Consumidor . - Código Civil ( CC ): Lei 10.406/2002 Regula a atividade entre particulares, incluindo o ramo de seguros (arts. 757 a 802). - Código de Defesa do Consumidor (CDC): Estabelece normas de proteção aos consumidores de produtos e serviços. Art.3º, par. 2º Serviço – atividade fornecida mediante remuneração..., incluindo a de natureza securitária.
  • 10. Capítulo 2 – A Relação Jurídica • Relação entre pessoas (particulares), reguladas por normas, por isso são chamadas de relações jurídicas. • Elementos da relação: a) sujeito; b) objeto; c) fato jurídico. Pessoa Natural A) Sujeito Pessoa Jurídica
  • 11. Pessoa Natural: - Nascimento com vida até a morte; - Nascituro, ainda não nasceu, mas a lei garante a expectativa de seus direitos. - Personalidade Jurídica: aptidão para exercer direitos e contrair obrigações,. - Capacidade de direito ou de gozo: decorre da personalidade jurídica, ninguém pode ser privada de tal capacidade (adquirir direitos e contrair obrigações. - Capacidade de fato: consciência e vontade de exercer o seu direito, respeitando limitações absolutas ou relativas.
  • 12. Incapacidade Absoluta: - Proibição total do exercício do direito pelo incapaz; - Gozam de direitos porém não podem exercê-los diretamente, cabendo a representação; Art. 3o São absolutamente incapazes de exercer pessoalmente os atos da vida civil: I - os menores de dezesseis anos; II - os que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário discernimento para a prática desses atos; (causa patológica, congênita, adquirida, ou acidental). (representados por curadores). III - os que, mesmo por causa transitória, não puderem exprimir sua vontade ( perda de memória, estado de coma, etc). ATENÇÃO: TODOS OS ATOS PRATICADOS POR ELES SERÃO CONSIDERADOS NULOS, OU SEJA, SEM EFEITO.
  • 13. Incapacidade Relativa: • Atos da vida civil praticados, desde que assistidos; • Atos poderão ser anulados; Art. 4º, CC - São incapazes, relativamente a certos atos, ou à maneira de os exercer: I - os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos(representados por tutores); II - os ébrios habituais, os viciados em tóxicos, e os que, por deficiência mental, tenham o discernimento reduzido; III - os excepcionais, sem desenvolvimento mental completo; IV - os pródigos. (representados por curadores)
  • 14. Aquisição da Capacidade Civil: • Completa 18 anos; • Emancipação; • Casamento; • Emprego público; • Colação de grau em curso superior;
  • 15. Pessoa Jurídica: - Realização de um fim e reconhecida pela ordem jurídica como sujeito de direito; - Espécies: Direito Público Interno ou Externo e de Direito Privado; a) Direito Público Interno: União, Estados, Municípios, DF, autarquias ( ex. SUSEP), associações públicas. b) Direito Público Externo: Estados estrangeiros, além das pessoas regidas pelo Direito Internacional Público. Ex: nações estrangeiras, ONU, Vaticano. c) Direito Privado: instituídas por iniciativa de particulares, associações- não visam lucro; fundações- fins religiosos, culturais ou de assistência; partidos políticos, sociedades simples ou empresárias (objetiva atividade econômica ou comercial para circulação de mercadorias ou serviços).
  • 16. Obs: as pessoas jurídicas são registradas nas juntas comerciais, já as sociedades simples ( advogados, médicos, engenheiros, são registradas no registro civil das Pessoas Jurídicas. Domicílio da PJ: local onde funciona a diretoria e administração, havendo filiais, cada local será considerado domicílio para fins de responsabilidade sobre os atos praticados. ( ART.75, CC). 2) Objeto: - bens e prestações; - bens materiais ou imateriais (havendo ou não apreciação pecuniária). - Classificação dos bens pelo CC: móveis, imóveis, bens públicos, bens particulares, reciprocamente considerados (principal e acessórios, bens fungíveis, infungíveis. - A doutrina acrescenta: bens corpóreos e incorpóreos.
  • 17. 3) Fatos Jurídicos: -Criação, conservação, modificação ou extinção das relações jurídicas; Fato Jurídico em sentido amplo: Decorrentes da atividade humana (ato jurídico) ou fatos naturais (fatos jurídicos em sentido estrito); Fato Jurídico em sentido estrito: fatos naturais como a morte, maioridade,queda de um raio causando danos, etc; 3.1 Atos Jurídicos: acontecimentos decorrentes da vontade humana produzindo efeitos jurídicos (lícitos ou ilícitos);
  • 18. Classificação dos atos jurídicos: a) Negócio jurídico: - objetiva-se a obtenção de um efeito jurídico através da manifestação da vontade. Ex: contrato de seguro, testamento, etc. b) Atos ilícitos: atos contrários à lei (ilícito penal e ilícito civil); c) Ato jurídico em sentido estrito: são voluntários e lícitos, os efeitos estão previstos na lei. Ex: constituição em mora, aviso prévio do empregado, etc.
  • 19. Negócios Jurídicos: Para serem válidos: a) Agente capaz; b) Objeto lícito, possível, determinado ou determinável (passível de nulidade); c) Forma prescrita ou não defesa em lei ( passível de nulidade); ex. casamento. Invalidade do Negócio Jurídico: a) Nulidade: sanção imposta pela lei ao ato praticado com infração de preceito legal da ordem pública. Ineficácia do negócio, sem produção de efeitos.
  • 20. Art. 166. É nulo o negócio jurídico quando: I - celebrado por pessoa absolutamente incapaz; II - for ilícito, impossível ou indeterminável o seu objeto; III - o motivo determinante, comum a ambas as partes, for ilícito; IV - não revestir a forma prescrita em lei; V - for preterida alguma solenidade que a lei considere essencial para a sua validade; VI - tiver por objetivo fraudar lei imperativa; VII - a lei taxativamente o declarar nulo, ou proibir-lhe a prática. Obs: É insanável.
  • 21. b) anulabilidade: - Não há preceito de ordem pública; - Efeitos entre as partes; Art. 171. Além dos casos expressamente declarados na lei, é anulável o negócio jurídico: I - por incapacidade relativa do agente; II - por vício resultante de erro, dolo, coação, estado de perigo, lesão ou fraude contra credores. Art. 172. O negócio anulável pode ser confirmado pelas partes. (é sanável).
  • 22. Vícios ou Defeitos dos Negócios Jurídicos: - Desequilíbrio entre vontade e declaração; - Negócio viciado > torna-se anulável. - Vícios: erro, dolo,coação, estado de perigo e lesão. Vícios de Consentimento: ERRO: deve ser substancial ou essencial,causa determinante. - Noção inexata sobre alguma coisa; - Pode recair sobre a natureza do ato. Ex: doação – venda; - .................. ......... o objeto. Ex: Quadro de Portinari; - ............................ as qualidades . Ex: colar de coral – plástico; - ............................ qualidades essenciais de uma pessoa. Ex: testamento para pessoa que achava ser filho.
  • 23. DOLO: - Provocação intencional de um erro; uso de artifício. Ex. a omissão de um segurado ao contratar um seguro. COAÇÃO: - Pressão física ou moral, temor de dano iminente à sua pessoa; ESTADO DE PERIGO: - Assume obrigação excessivamente onerosa para salvar a si ou pessoa de sua família. FRAUDE CONTRA CREDORES: - Prática maliciosa, pelo devedor, desfalca o patrimônio para evitar execução.
  • 24. Capítulo 3 – As Fontes de Obrigações a) Contrato: convenção entre as partes, duas ou mais pessoas; b) Ato ilícito: (Art.186 CC) não há acordo entre as parte e sim o dever legal de reparação em decorrência de ofensa a direito alheio; (ação,omissão, negligência e imprudência). c) Atos unilaterais de vontade: obrigações decorrentes da manifestação de vontade de uma parte. Ex: promessa de recompensa. Dolo: intenção do agente. Culpa: ausência de diligência em sua conduta. - negligência: desídia, descaso. Ex: trafegar com pneu gasto. -Imprudência: agente precipitado, sem temor. [ Ex. dirigir em alta velocidade. - Imperícia: não há habilidade técnica: pilotar avião sem ser piloto profissional.
  • 25. Dano: produzido por qualquer ato lesivo (ilícito) que cause prejuízo material, pessoal ou moral a outrem. Nexo Causal: relação causa-efeito, entre a ação do agente e o dano originado. As Hipóteses de Exclusão de Ilicitude - praticados em legítima defesa – autodefesa- injusta agressão. - exercício regular de um direito - Ex. exercer sua atividade profissional; - estado de necessidade – ofensa ao direito alheio para afastar um perigo iminente.
  • 26. Responsabilidade Contratual : - advém da obrigação contratual; -Independe de prova de culpa; -Responsabilidade é objetiva. Responsabilidade Extracontratual:(aquiliana): - Não há relação contratual; - Decorre de ato ilícito; - Responsabilidade é subjetiva, depende da prova de culpa. O CONTRATO Requisitos Gerais de Validade: • Capacidade dos contratantes; • Objeto lícito, possível, determinado ou determinável; • Respeito a forma; • Consentimento ou acordo de vontades.
  • 27. Princípios Fundamentais dos Contratos a) Princípio da função social ( art.421,CC): Interesse individual em consonância com os interesses sociais; Interesse social = probidade, boa-fé, moralidade. b) Princípio da boa-fé objetiva: (art.422,CC): Conduta honesta durante a execução e conclusão do contrato. c) Princípio da equivalência material: (arts. 423 e 424, CC): Visa manter o equilíbrio entre direitos e obrigações no contrato. * cláusulas ambíguas ou contraditórias = interpretação mais favorável ao aderente.
  • 28. Contrato de Seguro • Conceito: Art. 757: “Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do segurado, relativo a pessoa ou a coisa, contra riscos predeterminados.” Elementos do Contrato de Seguro - Risco deve ser um evento futuro, possível e incerto; - Interesse Segurável: interesse legítimo relativo a bens móveis e imóveis; a relação existente entre o segurado e a coisa ou pessoa sujeita ao risco. - Garantia = obrigação. - Prêmio ( contributário, parcialmente contributário e não contributário).
  • 29. Partes do Contrato de Seguro • Seguradora : Empresa legalmente constituída. • Segurado: PF ou PJ que possui interesse legítimo relativo à pessoa ou coisa. • Estipulante: Circ. Susep nº267. Nos seguros coletivos, é o representante do grupo segurado perante o segurador. - administra o seguro; - poderá assumir certas obrigações do segurado. • Beneficiários: é a pessoa indicada para o recebimento da indenização. Obs: art. 793 – indicação do companheiro como beneficiário.
  • 30. Obrigações das Partes Pagar o prêmio do seguro – Art. 763 do CC. A falta do pagamento do prêmio pelo segurado desobriga a seguradora do pagamento da sua indenização. obs: estipulante tem o dever de repassar o prêmio à Cia. Concessão da Garantia = cumprimento da obrigação = pagamento ou reposição da coisa (no seguro de dano). Art. 781,CC - a indenização não pode ultrapassar o valor máximo do interesse segurado no momento do sinistro...e limite máximo da garantia. Obs: exceção seguro auto ( de 90% a 110% da tabela FIPE). Seguro de Pessoa = liberdade para fixar o valor e contratar mais de um seguro.
  • 31. Instrumentos Contratuais: A Lei exige a instrumentalização ou a formalização do contrato de seguro. Art. 758. O contrato de seguro prova-se com a exibição da apólice ou do bilhete do seguro, e, na falta deles, por documento comprobatório do pagamento do respectivo prêmio. Art. 759. A emissão da apólice deverá ser precedida de proposta escrita com a declaração dos elementos essenciais do interesse a ser garantido e do risco. - Proposta de Seguro (não é ato jurídico contratual): manifestação de vontade; - Apólice (nominativa ; à ordem = endosso em preto) - Endosso ou aditivos: utilizados na alteração dispositivos contratuais. - Averbação = apólices abertas. Ex: transportes - Bilhete: dispensa proposta e apólice. Ex. APP, DPVAT, incêndio residencial.
  • 32. O SEGURO E O CÓDIGO CIVIL • Cobertura apenas para os riscos predeterminados (art. 757 do CC). • Boa-Fé na conclusão e na execução do contrato de seguroDe acordo com o art. 776, o segurador é obrigado a pagar em dinheiro o prejuízo resultante do risco assumido, salvo se convencionada a reposição da coisa. • Agir na mais estrita boa-fé ( art. 765 do CC), qualquer ato de má-fé praticado pela seguradora, se vier a prejudicar o segurado, torna o contrato anulável e possibilita futura demanda judicial. Omissão / inexatidão/ agravamento de risco • Mora O art.772 do CC dispõe que “ a mora do segurador em pagar o sinistro obriga à atualização monetária da indenização devida, segundo índices oficiais, sem prejuízo dos juros moratórios”.
  • 33. Obs: Art. 763 do CC. A falta do pagamento do prêmio pelo segurado desobriga a seguradora do pagamento da sua indenização. SUB-ROGAÇÃO ( art. 786 do CC)= substituição de um credor por outro = pedido de ressarcimento.  Não aplicável quando o dano é causado por cônjuge, ascedentes, descendentes, consanguíneos, exceto se por dolo.  Não aplicável aos seguros de pessoas pois não possui caráter indenitário ou indenizatório. SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL  O segurador garante o pgto de perdas e danos devidos pelo segurado a terceiro.  Comunicar imediatamente ao segurador o fato ou qualquer ação judicial;  Não assumir a responsabilidade, acordo ou pagamento sem anuência da Cia.
  • 34. • Instituição do(a) Companheiro(a) como beneficiário(a):  necessário ser separado de fato ou judicialmente.  vedado o concubinato. • Seguro sobre a vida de terceiro:  é possível desde que o proponente declare o interesse segurável = legítimo e econômico = há dependência econômica / obrigação do segurado com o proponente.  Indicação e substituição do beneficiário:  por ato entre vivos (endosso) ou de última vontade (testamento).  Exceção: garantir obrigação assumida – seguro prestamista; Renúncia: seguro de sucessão empresarial.
  • 35. • Da não indicação de beneficiário ou da invalidade da cláusula beneficiária:  metade ao cônjuge não separado judicialmente e o restante aos herdeiros dos segurado... (art. 792 do CC).  Vale para a companheira.  SUICÍDIO: (art. 798 do CC).  carência 2 anos. Atenção súmulas 105 do STF e 61 do STJ – Cia só poderá negar se comprovar que o segurado planejava se matar.