SlideShare uma empresa Scribd logo
Federação Espírita BrasileiraFederação Espírita Brasileira
Estudo Sistematizado da Doutrina EspíritaEstudo Sistematizado da Doutrina Espírita
Programa Fundamental – Tomo IPrograma Fundamental – Tomo I
MóduloMódulo
II
Introdução ao Estudo doIntrodução ao Estudo do
Espiritismo.Espiritismo.
Propiciar conhecimentos geraisPropiciar conhecimentos gerais
sobre a Doutrina Espírita.sobre a Doutrina Espírita.
Objetivo GeralObjetivo Geral
RoteiroRoteiro 3 : Tríplice aspecto da3 : Tríplice aspecto da
doutrina espírita.doutrina espírita.
Objetivo específico do estudoObjetivo específico do estudo
Identificar os aspectos científico,Identificar os aspectos científico,
filosófico e religioso do Espiritismo.filosófico e religioso do Espiritismo.
FilosofiaFilosofia
ReligiãoReligião
TRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITATRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITA
CiênciaCiência
1)1) Técnicas de investigação foram usadasTécnicas de investigação foram usadas
para comprovar a veracidade dospara comprovar a veracidade dos
fenômenos espíritas (fenômenos espíritas (ciênciaciência););
O tríplice aspecto no estudo ...O tríplice aspecto no estudo ...
2)2) Com base na revelação dos resultadosCom base na revelação dos resultados
(verdades), foram formuladas questões de(verdades), foram formuladas questões de
elevado teor filosófico (elevado teor filosófico (filosofiafilosofia););
3)3) Verificou-se que a aplicação daquelasVerificou-se que a aplicação daquelas
verdades podem ser utilizadas naverdades podem ser utilizadas na
transformação moral do Homem (transformação moral do Homem (religiãoreligião););
Segundo, Emmanuel, "Podemos tomar oSegundo, Emmanuel, "Podemos tomar o
Espiritismo, simbolizado como umEspiritismo, simbolizado como um
triângulo de forças espirituais. Atriângulo de forças espirituais. A
ciênciaciência e ae a filosofiafilosofia vinculam à Terravinculam à Terra
essa figura simbólica, porém, aessa figura simbólica, porém, a religiãoreligião
é o ângulo divino que a liga ao céu.“é o ângulo divino que a liga ao céu.“
Triângulo de forças espirituais...Triângulo de forças espirituais...
XAVIER, F.C.XAVIER, F.C. O consoladorO consolador. Pelo Espírito Emmanuel. 26. ed. Rio de. Pelo Espírito Emmanuel. 26. ed. Rio de
Janeiro: FEB, 2006. Definição, p 19-20.Janeiro: FEB, 2006. Definição, p 19-20.
(estuda)(estuda)
CiênciaCiência
(esclarece)(esclarece)
FilosofiaFilosofia
(sublima)(sublima)
ReligiãoReligião
TRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITATRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITA
CONHECIMENTOCONHECIMENTO
M
ORAL
M
ORAL
MORAL
MORAL
Fund1Mod01Rot3-[2008]euzebio
NoNo aspecto científicoaspecto científico, o Espiritismo, o Espiritismo
demonstra a existência da alma e ademonstra a existência da alma e a
sua imortalidade, por meio,sua imortalidade, por meio,
principalmente, do intercâmbioprincipalmente, do intercâmbio
mediúnico entre encarnados emediúnico entre encarnados e
desencarnados.desencarnados.
Espiritismo como ciênciaEspiritismo como ciência
DELANE, Gabriel.DELANE, Gabriel. O fenômeno espíritaO fenômeno espírita. Tradução de F. R. E. Quadros.. Tradução de F. R. E. Quadros.
8. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Prefácio, p 13.8. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Prefácio, p 13.
O Espiritismo preocupa-se em estudar aO Espiritismo preocupa-se em estudar a
intimidade do fenômeno mediúnico, asintimidade do fenômeno mediúnico, as
suas conseqüências na vida das pessoas,suas conseqüências na vida das pessoas,
bem como as características do serbem como as características do ser
espiritual, a sua origem, a sua naturezaespiritual, a sua origem, a sua natureza
e o seu destino. Isso gera material dee o seu destino. Isso gera material de
aplicação moral e filosófica.aplicação moral e filosófica.
Espiritismo como ciência (cont.)Espiritismo como ciência (cont.)
O aspecto científico do EspiritismoO aspecto científico do Espiritismo
desenvolve-se em duas obras de Allandesenvolve-se em duas obras de Allan
Kardec: oKardec: o Livro dos MédiunsLivro dos Médiuns ee A GêneseA Gênese..
Espiritismo como ciência (cont.)Espiritismo como ciência (cont.)
(janeiro de(janeiro de (janeiro de(janeiro de
Fund1Mod01Rot3-[2008]euzebio
Quando o Homem pergunta, interroga,Quando o Homem pergunta, interroga,
cogita, quer saber o “como” e ocogita, quer saber o “como” e o
“porquê” das coisas, dos fatos, dos“porquê” das coisas, dos fatos, dos
acontecimentos, nasce a FILOSOFIAacontecimentos, nasce a FILOSOFIA
que mostra o que são as coisas eque mostra o que são as coisas e
porque são as coisas.porque são as coisas.
Espiritismo como FilosofiaEspiritismo como Filosofia
DEOLINDO, A.DEOLINDO, A. Doutrina EspíritaDoutrina Espírita. 2. ed. Salvador: CIRCULUS, 2002.. 2. ed. Salvador: CIRCULUS, 2002.
Filosofia Geral, p. 7-24.Filosofia Geral, p. 7-24.
ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa
fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.
  O nome filosofia vem do grego eO nome filosofia vem do grego e
significa “amor à sabedoria”. Asignifica “amor à sabedoria”. A
Filosofia, segundo o novo DicionárioFilosofia, segundo o novo Dicionário
Aurélio, “é um estudo que seAurélio, “é um estudo que se
caracteriza pela intenção de ampliarcaracteriza pela intenção de ampliar
incessantemente a compreensão daincessantemente a compreensão da
realidade (...)”.realidade (...)”.
Espiritismo como FilosofiaEspiritismo como Filosofia
No aspecto filosófico, o EspiritismoNo aspecto filosófico, o Espiritismo
preocupa-se com os problemas dopreocupa-se com os problemas do
Homem, com as suas dúvidas, as suasHomem, com as suas dúvidas, as suas
questões, a sua condição de ser eternoquestões, a sua condição de ser eterno
em busca da Divindade, através deem busca da Divindade, através de
múltiplas existências físicas.múltiplas existências físicas.
Espiritismo como Filosofia (cont.)Espiritismo como Filosofia (cont.)
ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa
fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.
Examina os atributos de DEUS, suasExamina os atributos de DEUS, suas
relações com o Homem e apresenta umrelações com o Homem e apresenta um
código moral, por meio do qual a criaturacódigo moral, por meio do qual a criatura
vai de encontro ao seu Criador.vai de encontro ao seu Criador.
Espiritismo como Filosofia (cont.)Espiritismo como Filosofia (cont.)
ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa
fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.
O aspecto filosóficoO aspecto filosófico
encontra-se abordadoencontra-se abordado
em O Livro dosem O Livro dos
Espíritos.Espíritos. (abril de 1857)(abril de 1857)(abril de 1857)(abril de 1857)
Fund1Mod01Rot3-[2008]euzebio
Como Religião, o Espiritismo seComo Religião, o Espiritismo se
preocupa com as consequênciaspreocupa com as consequências
morais do ensino científico-morais do ensino científico-
filosófico, buscando, na éticafilosófico, buscando, na ética
pregada por Jesus, os elementospregada por Jesus, os elementos
que deverão nortear a conduta doque deverão nortear a conduta do
Homem rumo ao Criador.Homem rumo ao Criador.
Espiritismo como ReligiãoEspiritismo como Religião
No entanto, o Espiritismo não se trata deNo entanto, o Espiritismo não se trata de
uma Religião constituída, tradicional,uma Religião constituída, tradicional,
estruturada com base em rituais,estruturada com base em rituais,
sacramentos, dogmas e classessacramentos, dogmas e classes
sacerdotais. Mas uma religião comosacerdotais. Mas uma religião como
atitude de vida, como modo de proceder,atitude de vida, como modo de proceder,
buscando uma identificação com Deus, porbuscando uma identificação com Deus, por
meio de uma vida reta, digna e fraterna emeio de uma vida reta, digna e fraterna e
não através de atitudes exteriores,não através de atitudes exteriores,
artificiais, mecanizadas...artificiais, mecanizadas...
Espiritismo como ReligiãoEspiritismo como Religião
O aspecto religioso da Doutrina EspíritaO aspecto religioso da Doutrina Espírita
é desenvolvido por Allan Kardec nasé desenvolvido por Allan Kardec nas
obras básicas: Oobras básicas: O Evangelho Segundo oEvangelho Segundo o
EspiritismoEspiritismo e oe o Céu e InfernoCéu e Inferno..
Espiritismo como ReligiãoEspiritismo como Religião
(abril de 1864)(abril de 1864)(abril de 1864)(abril de 1864) (agosto de 1865)(agosto de 1865)(agosto de 1865)(agosto de 1865)
Identificar e analisar osIdentificar e analisar os
aspectos científico, filosófico easpectos científico, filosófico e
religioso que caracterizam areligioso que caracterizam a
Doutrina Espírita.Doutrina Espírita.
O desafio de nossoO desafio de nosso
estudo de hoje ...estudo de hoje ...
AtividadesAtividades
Em 6Em 6
GruposGrupos
TarefasTarefas
a)a) Ler os subsídios do Roteiro 1 “TrípliceLer os subsídios do Roteiro 1 “Tríplice
Aspecto da Doutrina Espírita”, doAspecto da Doutrina Espírita”, do
Módulo I “Introdução ao Estudo doMódulo I “Introdução ao Estudo do
Espiritismo”;Espiritismo”;
b)b) Analisar, responder e comentar aAnalisar, responder e comentar a
questão proposta para o grupo.questão proposta para o grupo.
Leitura do Item 6 da Introdução doLeitura do Item 6 da Introdução do
Livro dos Espíritos para o próximoLivro dos Espíritos para o próximo
Roteiro 4.Roteiro 4.
Fazer resumo por escrito dosFazer resumo por escrito dos
princípios espíritas assinalados porprincípios espíritas assinalados por
Kardec.Kardec.
ATIVIDADE EXTRACLASSEATIVIDADE EXTRACLASSE
ResultadosResultados
do estudodo estudo
O tríplice aspecto da DoutrinaO tríplice aspecto da Doutrina
Espírita decorre da própriaEspírita decorre da própria
conceituação dada por Allan Kardecconceituação dada por Allan Kardec
para o Espiritismo. Apresente parapara o Espiritismo. Apresente para
a turma essa conceituação ea turma essa conceituação e
identifique e comente esses trêsidentifique e comente esses três
aspectos básicos da Doutrina.aspectos básicos da Doutrina.
G.1G.1
Questão proposta – Grupo 1Questão proposta – Grupo 1
O Espiritismo é, ao mesmo tempo, uma ciênciaO Espiritismo é, ao mesmo tempo, uma ciência
de observação e uma doutrina filosófica comde observação e uma doutrina filosófica com
conseqüências morais-religiosas para o Homem.conseqüências morais-religiosas para o Homem.
ComoComo ciência práticaciência prática, ele consiste nas relações, ele consiste nas relações
que se estabelecem entre nós e os Espíritos;que se estabelecem entre nós e os Espíritos;
comocomo filosofiafilosofia, ele compreende todas os, ele compreende todas os
resultados morais que decorrem dessasresultados morais que decorrem dessas
relações; e comorelações; e como religiãoreligião, ele consiste na, ele consiste na
aplicação de seus princípios para oaplicação de seus princípios para o
aperfeiçoamento ético-moral da Humanidade.aperfeiçoamento ético-moral da Humanidade.
G.1G.1KARDEC, Allan. O que é o espiritismo. 53. ed. Rio de Janeiro: FEB,KARDEC, Allan. O que é o espiritismo. 53. ed. Rio de Janeiro: FEB,
2005. Preâmbulo, p. 50.2005. Preâmbulo, p. 50.
Resposta – Grupo 1Resposta – Grupo 1
Explique porque os fatos ouExplique porque os fatos ou
fenômenos espíritas sãofenômenos espíritas são
importantes nos estudos doimportantes nos estudos do
Espiritismo e identifique que tipoEspiritismo e identifique que tipo
de resultado se pode obter porde resultado se pode obter por
meio desses estudos.meio desses estudos.
G.2
Questão proposta – Grupo 2Questão proposta – Grupo 2
Os fatos ou fenômenos espíritas são oOs fatos ou fenômenos espíritas são o
objeto de estudo da ciência espírita. É porobjeto de estudo da ciência espírita. É por
meio desse tipo de estudo, o Espiritismomeio desse tipo de estudo, o Espiritismo
demonstra, experimentalmente, pordemonstra, experimentalmente, por
exemplo, a existência da alma e suaexemplo, a existência da alma e sua
imortalidade, utilizando, principalmente oimortalidade, utilizando, principalmente o
intercâmbio mediúnico entre encarnados eintercâmbio mediúnico entre encarnados e
desencarnados.desencarnados.
G.2ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa
fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.17-18.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.17-18.
Resposta – Grupo 2Resposta – Grupo 2
Explique e justifique porque oExplique e justifique porque o
Espiritismo pode ser visto comoEspiritismo pode ser visto como
uma doutrina essencialmenteuma doutrina essencialmente
filosófica.filosófica.
G.3G.3
Questão proposta – Grupo 3Questão proposta – Grupo 3
O caráter filosófico do Espiritismo derivaO caráter filosófico do Espiritismo deriva
do estudo que ele faz do Homem, sobretudodo estudo que ele faz do Homem, sobretudo
do Espírito, de seus problemas, de suado Espírito, de seus problemas, de sua
origem e de sua destinação. Que somos?origem e de sua destinação. Que somos?
Donde viemos? Para onde vamos? Essas sãoDonde viemos? Para onde vamos? Essas são
perguntas clássicas que a filosofiaperguntas clássicas que a filosofia
tradicional sempre formulou e a filosofiatradicional sempre formulou e a filosofia
espírita responde com notável clareza.espírita responde com notável clareza.
G.3G.3
ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa
fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.
Resposta – Grupo 3Resposta – Grupo 3
É correto dizer que o Espiritismo éÉ correto dizer que o Espiritismo é
uma religião? Como Kardec seuma religião? Como Kardec se
posicionou diante dessa pergunta?posicionou diante dessa pergunta?
G.2G.2
ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa
fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.29-35.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.29-35.
Questão proposta – Grupo 4Questão proposta – Grupo 4
O Espiritismo é, no sentido filosófico, umaO Espiritismo é, no sentido filosófico, uma
religião. Mas não se constitui, no sentidoreligião. Mas não se constitui, no sentido
comum, em mais uma religião, visto que nãocomum, em mais uma religião, visto que não
possui cultos instituídos, igrejas, rituais,possui cultos instituídos, igrejas, rituais,
dogmas, mitos ou crendices, nem tampoucodogmas, mitos ou crendices, nem tampouco
hierarquia sacerdotal. É uma religião,hierarquia sacerdotal. É uma religião,
quando estabelece um laço moral entre osquando estabelece um laço moral entre os
homens, conduzindo-os em direção aohomens, conduzindo-os em direção ao
Criador, mediante a vivência dosCriador, mediante a vivência dos
ensinamentos morais do Cristo.ensinamentos morais do Cristo.
G.4G.4
ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa
fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p. 33-34.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p. 33-34.
Resposta – Grupo 4Resposta – Grupo 4
Apresentando o Espiritismo, como a imagemApresentando o Espiritismo, como a imagem
de o Consolador prometido por Jesusde o Consolador prometido por Jesus
Cristo, revestida nos três aspectos:Cristo, revestida nos três aspectos:
científico, filosófico, religioso, qual dessescientífico, filosófico, religioso, qual desses
aspectos pode ser considerado o maior ou oaspectos pode ser considerado o maior ou o
mais importante?mais importante?
G.2G.2
ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamentalROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental
v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.29-35.v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.29-35.
Questão proposta – Grupo 5Questão proposta – Grupo 5
(...) “No seu aspecto científico e filosófico,(...) “No seu aspecto científico e filosófico,
a doutrina será sempre um campo nobre dea doutrina será sempre um campo nobre de
investigações humanas, como outrosinvestigações humanas, como outros
movimentos coletivos, de naturezamovimentos coletivos, de natureza
intelectual, que visam o aperfeiçoamento daintelectual, que visam o aperfeiçoamento da
Humanidade. NoHumanidade. No aspecto religiosoaspecto religioso, todavia,, todavia,
repousa a sua grandeza divina, porrepousa a sua grandeza divina, por
constituir a restauração do Evangelho deconstituir a restauração do Evangelho de
Jesus Cristo, estabelecendo a renovaçãoJesus Cristo, estabelecendo a renovação
definitiva do homem (...),”definitiva do homem (...),”
G.5G.5
XAVIER, F.C. O consolador. Pelo Espírito Emmanuel. 26. ed. Rio deXAVIER, F.C. O consolador. Pelo Espírito Emmanuel. 26. ed. Rio de
Janeiro: FEB, 2006. Definição, p 19-20.Janeiro: FEB, 2006. Definição, p 19-20.
Resposta – Grupo 5Resposta – Grupo 5
Ao formular a Doutrina Espírita,Ao formular a Doutrina Espírita,
por que Allan Kardec relutou empor que Allan Kardec relutou em
dar-lhe o cunho de uma religiãodar-lhe o cunho de uma religião
formal?formal?
G.2
Questão proposta – Grupo 6Questão proposta – Grupo 6
““Se o Espiritismo se dissesse uma religião,Se o Espiritismo se dissesse uma religião,
o público não veria aí mais que uma novao público não veria aí mais que uma nova
edição (...) dos princípios absolutos emedição (...) dos princípios absolutos em
matéria de fé; uma casta sacerdotal commatéria de fé; uma casta sacerdotal com
seu cortejo de hierarquias, de cerimônias eseu cortejo de hierarquias, de cerimônias e
de privilégios; não o separaria das idéias dede privilégios; não o separaria das idéias de
misticismo e dos abusos contra os quaismisticismo e dos abusos contra os quais
tantas vezes a opinião se levantou.”tantas vezes a opinião se levantou.”
G.5G.5
KARDEC, A. Revista Espírita. Jornal de estudos psicológicos. AnoKARDEC, A. Revista Espírita. Jornal de estudos psicológicos. Ano
1868. Rio de janeiro: FEB, 2005. Ano 11, p.490-491.1868. Rio de janeiro: FEB, 2005. Ano 11, p.490-491.
Resposta – Grupo 6Resposta – Grupo 6
ConclusõesConclusões
do estudodo estudo
TRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITATRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITA
O Espiritismo é uma:O Espiritismo é uma:
CiênciaCiência de observação pelas relações quede observação pelas relações que
estabelece entre nós e os Espíritos.estabelece entre nós e os Espíritos.
Doutrina filosóficaDoutrina filosófica pelos princípios moraispelos princípios morais
em que se assentam seus fundamentos.em que se assentam seus fundamentos.
ReligiãoReligião pela aplicação desses princípiospela aplicação desses princípios
morais em prol da renovação dos homensmorais em prol da renovação dos homens
e consequentemente da humanidade.e consequentemente da humanidade.
TRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITATRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITA
O Espiritismo éO Espiritismo é ciênciaciência porque, à luzporque, à luz
da razão e de critérios lógicos eda razão e de critérios lógicos e
metodológicos, demonstra, por meiometodológicos, demonstra, por meio
do intercambio entre encarnados edo intercambio entre encarnados e
desencarnados, a existência da almadesencarnados, a existência da alma
e sua imortalidade.e sua imortalidade.
O Espiritismo éO Espiritismo é filosofiafilosofia porque, aporque, a
partir dos fenômenos e dos fatos,partir dos fenômenos e dos fatos,
utilizando, o raciocínio lógico, dáutilizando, o raciocínio lógico, dá
uma interpretação da vida,uma interpretação da vida,
explicando o porquê das dores, dosexplicando o porquê das dores, dos
sofrimentos e das desigualdadessofrimentos e das desigualdades
entre as criaturas.entre as criaturas.
O Espiritismo éO Espiritismo é religiãoreligião se analisado pelase analisado pela
finalidade que tem de proporcionar afinalidade que tem de proporcionar a
transformação moral do homem,transformação moral do homem,
retomando os ensinamentos de Cristo, pararetomando os ensinamentos de Cristo, para
que sejam aplicados na vida diária de cadaque sejam aplicados na vida diária de cada
pessoa, revivendo o Cristianismo na suapessoa, revivendo o Cristianismo na sua
verdadeira expressão de Amor e Caridade,verdadeira expressão de Amor e Caridade,
em suma, religando a criatura à suaem suma, religando a criatura à sua
origem divina. Torchi. P.92-93.origem divina. Torchi. P.92-93.
Há três tipos de adeptos aoHá três tipos de adeptos ao
Espiritismo:Espiritismo:
Aqueles que crêem nasAqueles que crêem nas manifestaçõesmanifestações
espirituaisespirituais e se limitam a comprová-las;e se limitam a comprová-las;
Aqueles que percebem asAqueles que percebem as consequênciasconsequências
moraismorais da Doutrina;da Doutrina;
Aqueles queAqueles que praticampraticam ou seou se esforçamesforçam
para praticar essa moral.para praticar essa moral.
Mensagem para nossa reflexão...Mensagem para nossa reflexão...
““ReligiãoReligião é o sentimento Divino, cujasé o sentimento Divino, cujas
exteriorizações são sempre o Amor,exteriorizações são sempre o Amor,
nas expressões mais sublimes.nas expressões mais sublimes.
Enquanto aEnquanto a CiênciaCiência e ae a FilosofiaFilosofia
operam o trabalho da experimentaçãooperam o trabalho da experimentação
e do raciocínio, ae do raciocínio, a ReligiãoReligião edifica eedifica e
ilumina os sentimentos.”ilumina os sentimentos.”
XAVIER, F.C. O consolador. Pelo Espírito Emmanuel. 26. ed. Rio deXAVIER, F.C. O consolador. Pelo Espírito Emmanuel. 26. ed. Rio de
Janeiro: FEB, 2006. Definição, p 19-20.Janeiro: FEB, 2006. Definição, p 19-20.
Fund1Mod01Rot3-[2008]euzebio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebioFund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Guto Ovsky
 
Esde 1
Esde 1Esde 1
Esde 1
amenset
 
Fundamental i módulo i - roteiro 1
Fundamental i    módulo i - roteiro 1Fundamental i    módulo i - roteiro 1
Fundamental i módulo i - roteiro 1
Shantappa Jewur
 
Geead 2011 06_08: Pontos Principais da Doutrina Espírita
Geead 2011 06_08: Pontos Principais da Doutrina EspíritaGeead 2011 06_08: Pontos Principais da Doutrina Espírita
Geead 2011 06_08: Pontos Principais da Doutrina Espírita
Geead Abu Dhabi
 
A genese revisao dos cap 1 a 3 evolucao da humanidade
A genese revisao dos cap 1 a 3 evolucao da humanidadeA genese revisao dos cap 1 a 3 evolucao da humanidade
A genese revisao dos cap 1 a 3 evolucao da humanidade
Fernando Pinto
 
Fund1Mod01Rot2-[2013]guto
Fund1Mod01Rot2-[2013]gutoFund1Mod01Rot2-[2013]guto
Fund1Mod01Rot2-[2013]guto
Guto Ovsky
 
O que é o espiritismo
O que é o espiritismoO que é o espiritismo
O que é o espiritismo
André Gonçalves
 
Esdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objetoEsdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objeto
Denise Aguiar
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02
ADEP Portugal
 
Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto
Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objetoIntrodução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto
Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto
Denise Aguiar
 
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDOESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
Denise Aguiar
 
2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b
2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b
2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b
carlos freire
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 03
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 03Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 03
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 03
ADEP Portugal
 
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de EspiritismoAula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
liliancostadias
 
Módulo I - Aula II - Mansão Espírita
Módulo I - Aula II - Mansão EspíritaMódulo I - Aula II - Mansão Espírita
Módulo I - Aula II - Mansão Espírita
brunoquadros
 
Roteiro 3 triplice aspecto da doutrina espírita
Roteiro 3   triplice aspecto da doutrina espíritaRoteiro 3   triplice aspecto da doutrina espírita
Roteiro 3 triplice aspecto da doutrina espírita
Bruno Cechinel Filho
 
Genese CAP 01 de 1 a 29
Genese CAP 01  de 1 a 29Genese CAP 01  de 1 a 29
Genese CAP 01 de 1 a 29
Fernando Pinto
 
O que é o espiritismo
O que é o espiritismoO que é o espiritismo
O que é o espiritismo
Rogerio R. Lima Cisi
 
O que é o espiritismo parte 5
O que é o espiritismo parte 5O que é o espiritismo parte 5
O que é o espiritismo parte 5
Graça Maciel
 

Mais procurados (19)

Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebioFund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
 
Esde 1
Esde 1Esde 1
Esde 1
 
Fundamental i módulo i - roteiro 1
Fundamental i    módulo i - roteiro 1Fundamental i    módulo i - roteiro 1
Fundamental i módulo i - roteiro 1
 
Geead 2011 06_08: Pontos Principais da Doutrina Espírita
Geead 2011 06_08: Pontos Principais da Doutrina EspíritaGeead 2011 06_08: Pontos Principais da Doutrina Espírita
Geead 2011 06_08: Pontos Principais da Doutrina Espírita
 
A genese revisao dos cap 1 a 3 evolucao da humanidade
A genese revisao dos cap 1 a 3 evolucao da humanidadeA genese revisao dos cap 1 a 3 evolucao da humanidade
A genese revisao dos cap 1 a 3 evolucao da humanidade
 
Fund1Mod01Rot2-[2013]guto
Fund1Mod01Rot2-[2013]gutoFund1Mod01Rot2-[2013]guto
Fund1Mod01Rot2-[2013]guto
 
O que é o espiritismo
O que é o espiritismoO que é o espiritismo
O que é o espiritismo
 
Esdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objetoEsdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objeto
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02
 
Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto
Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objetoIntrodução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto
Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto
 
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDOESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
 
2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b
2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b
2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 03
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 03Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 03
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 03
 
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de EspiritismoAula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
 
Módulo I - Aula II - Mansão Espírita
Módulo I - Aula II - Mansão EspíritaMódulo I - Aula II - Mansão Espírita
Módulo I - Aula II - Mansão Espírita
 
Roteiro 3 triplice aspecto da doutrina espírita
Roteiro 3   triplice aspecto da doutrina espíritaRoteiro 3   triplice aspecto da doutrina espírita
Roteiro 3 triplice aspecto da doutrina espírita
 
Genese CAP 01 de 1 a 29
Genese CAP 01  de 1 a 29Genese CAP 01  de 1 a 29
Genese CAP 01 de 1 a 29
 
O que é o espiritismo
O que é o espiritismoO que é o espiritismo
O que é o espiritismo
 
O que é o espiritismo parte 5
O que é o espiritismo parte 5O que é o espiritismo parte 5
O que é o espiritismo parte 5
 

Semelhante a Fund1Mod01Rot3-[2008]euzebio

AULA COMPLEMENTAR.ppt
AULA COMPLEMENTAR.pptAULA COMPLEMENTAR.ppt
AULA COMPLEMENTAR.ppt
FilipeDuartedeBem
 
O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.
O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.
O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.
Angelo Baptista
 
Aliança da ciência com a religião
Aliança da ciência com a religiãoAliança da ciência com a religião
Aliança da ciência com a religião
Fatoze
 
R1.Fund-I-M01-R1-Espiritismo-conceito-objeto-e-triplice-aspecto-EMF.pdf
R1.Fund-I-M01-R1-Espiritismo-conceito-objeto-e-triplice-aspecto-EMF.pdfR1.Fund-I-M01-R1-Espiritismo-conceito-objeto-e-triplice-aspecto-EMF.pdf
R1.Fund-I-M01-R1-Espiritismo-conceito-objeto-e-triplice-aspecto-EMF.pdf
lucianofl77
 
O triplice aspecto do espiritismo
O triplice aspecto do espiritismoO triplice aspecto do espiritismo
O triplice aspecto do espiritismo
Graça Maciel
 
Hinoshita, alice ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...
Hinoshita, alice   ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...Hinoshita, alice   ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...
Hinoshita, alice ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...
Karine Rodrigues
 
Aula 1 - Allan Kardec
Aula 1 - Allan KardecAula 1 - Allan Kardec
Aula 1 - Allan Kardec
Sergio Lima Dias Junior
 
Curso Básico de Espiritismo 5
Curso Básico de Espiritismo 5Curso Básico de Espiritismo 5
Curso Básico de Espiritismo 5
Roseli Lemes
 
( Espiritismo) # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02
( Espiritismo)   # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02( Espiritismo)   # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02
( Espiritismo) # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)
( Espiritismo)   # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)( Espiritismo)   # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)
( Espiritismo) # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)
( Espiritismo)   # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)( Espiritismo)   # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)
( Espiritismo) # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Aula 1- Mocidade Espírita Chico Xavier - Allan Kardec
Aula 1- Mocidade Espírita Chico Xavier - Allan KardecAula 1- Mocidade Espírita Chico Xavier - Allan Kardec
Aula 1- Mocidade Espírita Chico Xavier - Allan Kardec
Sergio Lima Dias Junior
 
Ere capa
Ere capaEre capa
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptx
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptxTríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptx
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptx
LuizHenriqueTDias
 
A doutrina espírita (sef)
A doutrina espírita (sef)A doutrina espírita (sef)
A doutrina espírita (sef)
Ricardo Akerman
 
A IMORTALIDADE DA ALMA
A IMORTALIDADE DA ALMAA IMORTALIDADE DA ALMA
A IMORTALIDADE DA ALMA
Vi Meirim
 
( Espiritismo) # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia
( Espiritismo)   # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia( Espiritismo)   # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia
( Espiritismo) # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia(1)
( Espiritismo)   # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia(1)( Espiritismo)   # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia(1)
( Espiritismo) # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia(1)
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Espiritualismo e espiritismo
Espiritualismo e espiritismoEspiritualismo e espiritismo
Espiritualismo e espiritismo
Fernando Oliveira
 
Vivência com consciência espírita
Vivência com consciência espíritaVivência com consciência espírita
Vivência com consciência espírita
Eduardo Manoel Araujo
 

Semelhante a Fund1Mod01Rot3-[2008]euzebio (20)

AULA COMPLEMENTAR.ppt
AULA COMPLEMENTAR.pptAULA COMPLEMENTAR.ppt
AULA COMPLEMENTAR.ppt
 
O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.
O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.
O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.
 
Aliança da ciência com a religião
Aliança da ciência com a religiãoAliança da ciência com a religião
Aliança da ciência com a religião
 
R1.Fund-I-M01-R1-Espiritismo-conceito-objeto-e-triplice-aspecto-EMF.pdf
R1.Fund-I-M01-R1-Espiritismo-conceito-objeto-e-triplice-aspecto-EMF.pdfR1.Fund-I-M01-R1-Espiritismo-conceito-objeto-e-triplice-aspecto-EMF.pdf
R1.Fund-I-M01-R1-Espiritismo-conceito-objeto-e-triplice-aspecto-EMF.pdf
 
O triplice aspecto do espiritismo
O triplice aspecto do espiritismoO triplice aspecto do espiritismo
O triplice aspecto do espiritismo
 
Hinoshita, alice ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...
Hinoshita, alice   ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...Hinoshita, alice   ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...
Hinoshita, alice ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...
 
Aula 1 - Allan Kardec
Aula 1 - Allan KardecAula 1 - Allan Kardec
Aula 1 - Allan Kardec
 
Curso Básico de Espiritismo 5
Curso Básico de Espiritismo 5Curso Básico de Espiritismo 5
Curso Básico de Espiritismo 5
 
( Espiritismo) # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02
( Espiritismo)   # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02( Espiritismo)   # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02
( Espiritismo) # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02
 
( Espiritismo) # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)
( Espiritismo)   # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)( Espiritismo)   # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)
( Espiritismo) # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)
 
( Espiritismo) # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)
( Espiritismo)   # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)( Espiritismo)   # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)
( Espiritismo) # - c e 18 de abril - estudos doutrinarios # 02(1)
 
Aula 1- Mocidade Espírita Chico Xavier - Allan Kardec
Aula 1- Mocidade Espírita Chico Xavier - Allan KardecAula 1- Mocidade Espírita Chico Xavier - Allan Kardec
Aula 1- Mocidade Espírita Chico Xavier - Allan Kardec
 
Ere capa
Ere capaEre capa
Ere capa
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptx
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptxTríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptx
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptx
 
A doutrina espírita (sef)
A doutrina espírita (sef)A doutrina espírita (sef)
A doutrina espírita (sef)
 
A IMORTALIDADE DA ALMA
A IMORTALIDADE DA ALMAA IMORTALIDADE DA ALMA
A IMORTALIDADE DA ALMA
 
( Espiritismo) # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia
( Espiritismo)   # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia( Espiritismo)   # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia
( Espiritismo) # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia
 
( Espiritismo) # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia(1)
( Espiritismo)   # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia(1)( Espiritismo)   # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia(1)
( Espiritismo) # - andre h siqueira - a forca esta na filosofia(1)
 
Espiritualismo e espiritismo
Espiritualismo e espiritismoEspiritualismo e espiritismo
Espiritualismo e espiritismo
 
Vivência com consciência espírita
Vivência com consciência espíritaVivência com consciência espírita
Vivência com consciência espírita
 

Mais de Guto Ovsky

Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporalFund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Guto Ovsky
 
Fund1Mod06Rot3
Fund1Mod06Rot3Fund1Mod06Rot3
Fund1Mod06Rot3
Guto Ovsky
 
Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2
Guto Ovsky
 
Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1
Guto Ovsky
 
Fund1Mod06Rot4
Fund1Mod06Rot4Fund1Mod06Rot4
Fund1Mod06Rot4
Guto Ovsky
 
Fund1Mod01Rot1-[2012]guto
Fund1Mod01Rot1-[2012]gutoFund1Mod01Rot1-[2012]guto
Fund1Mod01Rot1-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldoFund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Guto Ovsky
 
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebioFund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebioFund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebioFund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilsonFund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Guto Ovsky
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Guto Ovsky
 
Fund1Mod02Rot1-[2012]guto
Fund1Mod02Rot1-[2012]gutoFund1Mod02Rot1-[2012]guto
Fund1Mod02Rot1-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]gutoFund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod01Rot4-[2007]thais
Fund1Mod01Rot4-[2007]thaisFund1Mod01Rot4-[2007]thais
Fund1Mod01Rot4-[2007]thais
Guto Ovsky
 
Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebio
Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebioFund1Mod01Rot1-[2008]euzebio
Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebio
Guto Ovsky
 

Mais de Guto Ovsky (20)

Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
 
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporalFund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
 
Fund1Mod06Rot3
Fund1Mod06Rot3Fund1Mod06Rot3
Fund1Mod06Rot3
 
Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2
 
Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1
 
Fund1Mod06Rot4
Fund1Mod06Rot4Fund1Mod06Rot4
Fund1Mod06Rot4
 
Fund1Mod01Rot1-[2012]guto
Fund1Mod01Rot1-[2012]gutoFund1Mod01Rot1-[2012]guto
Fund1Mod01Rot1-[2012]guto
 
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldoFund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
 
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebioFund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
 
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
 
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebioFund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
 
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebioFund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
 
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
 
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilsonFund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilson
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
 
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
 
Fund1Mod02Rot1-[2012]guto
Fund1Mod02Rot1-[2012]gutoFund1Mod02Rot1-[2012]guto
Fund1Mod02Rot1-[2012]guto
 
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]gutoFund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
 
Fund1Mod01Rot4-[2007]thais
Fund1Mod01Rot4-[2007]thaisFund1Mod01Rot4-[2007]thais
Fund1Mod01Rot4-[2007]thais
 
Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebio
Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebioFund1Mod01Rot1-[2008]euzebio
Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebio
 

Último

Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 

Último (15)

Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 

Fund1Mod01Rot3-[2008]euzebio

  • 1. Federação Espírita BrasileiraFederação Espírita Brasileira Estudo Sistematizado da Doutrina EspíritaEstudo Sistematizado da Doutrina Espírita Programa Fundamental – Tomo IPrograma Fundamental – Tomo I MóduloMódulo II Introdução ao Estudo doIntrodução ao Estudo do Espiritismo.Espiritismo. Propiciar conhecimentos geraisPropiciar conhecimentos gerais sobre a Doutrina Espírita.sobre a Doutrina Espírita. Objetivo GeralObjetivo Geral
  • 2. RoteiroRoteiro 3 : Tríplice aspecto da3 : Tríplice aspecto da doutrina espírita.doutrina espírita. Objetivo específico do estudoObjetivo específico do estudo Identificar os aspectos científico,Identificar os aspectos científico, filosófico e religioso do Espiritismo.filosófico e religioso do Espiritismo.
  • 3. FilosofiaFilosofia ReligiãoReligião TRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITATRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITA CiênciaCiência
  • 4. 1)1) Técnicas de investigação foram usadasTécnicas de investigação foram usadas para comprovar a veracidade dospara comprovar a veracidade dos fenômenos espíritas (fenômenos espíritas (ciênciaciência);); O tríplice aspecto no estudo ...O tríplice aspecto no estudo ... 2)2) Com base na revelação dos resultadosCom base na revelação dos resultados (verdades), foram formuladas questões de(verdades), foram formuladas questões de elevado teor filosófico (elevado teor filosófico (filosofiafilosofia);); 3)3) Verificou-se que a aplicação daquelasVerificou-se que a aplicação daquelas verdades podem ser utilizadas naverdades podem ser utilizadas na transformação moral do Homem (transformação moral do Homem (religiãoreligião););
  • 5. Segundo, Emmanuel, "Podemos tomar oSegundo, Emmanuel, "Podemos tomar o Espiritismo, simbolizado como umEspiritismo, simbolizado como um triângulo de forças espirituais. Atriângulo de forças espirituais. A ciênciaciência e ae a filosofiafilosofia vinculam à Terravinculam à Terra essa figura simbólica, porém, aessa figura simbólica, porém, a religiãoreligião é o ângulo divino que a liga ao céu.“é o ângulo divino que a liga ao céu.“ Triângulo de forças espirituais...Triângulo de forças espirituais... XAVIER, F.C.XAVIER, F.C. O consoladorO consolador. Pelo Espírito Emmanuel. 26. ed. Rio de. Pelo Espírito Emmanuel. 26. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. Definição, p 19-20.Janeiro: FEB, 2006. Definição, p 19-20.
  • 6. (estuda)(estuda) CiênciaCiência (esclarece)(esclarece) FilosofiaFilosofia (sublima)(sublima) ReligiãoReligião TRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITATRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITA CONHECIMENTOCONHECIMENTO M ORAL M ORAL MORAL MORAL
  • 8. NoNo aspecto científicoaspecto científico, o Espiritismo, o Espiritismo demonstra a existência da alma e ademonstra a existência da alma e a sua imortalidade, por meio,sua imortalidade, por meio, principalmente, do intercâmbioprincipalmente, do intercâmbio mediúnico entre encarnados emediúnico entre encarnados e desencarnados.desencarnados. Espiritismo como ciênciaEspiritismo como ciência DELANE, Gabriel.DELANE, Gabriel. O fenômeno espíritaO fenômeno espírita. Tradução de F. R. E. Quadros.. Tradução de F. R. E. Quadros. 8. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Prefácio, p 13.8. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Prefácio, p 13.
  • 9. O Espiritismo preocupa-se em estudar aO Espiritismo preocupa-se em estudar a intimidade do fenômeno mediúnico, asintimidade do fenômeno mediúnico, as suas conseqüências na vida das pessoas,suas conseqüências na vida das pessoas, bem como as características do serbem como as características do ser espiritual, a sua origem, a sua naturezaespiritual, a sua origem, a sua natureza e o seu destino. Isso gera material dee o seu destino. Isso gera material de aplicação moral e filosófica.aplicação moral e filosófica. Espiritismo como ciência (cont.)Espiritismo como ciência (cont.)
  • 10. O aspecto científico do EspiritismoO aspecto científico do Espiritismo desenvolve-se em duas obras de Allandesenvolve-se em duas obras de Allan Kardec: oKardec: o Livro dos MédiunsLivro dos Médiuns ee A GêneseA Gênese.. Espiritismo como ciência (cont.)Espiritismo como ciência (cont.) (janeiro de(janeiro de (janeiro de(janeiro de
  • 12. Quando o Homem pergunta, interroga,Quando o Homem pergunta, interroga, cogita, quer saber o “como” e ocogita, quer saber o “como” e o “porquê” das coisas, dos fatos, dos“porquê” das coisas, dos fatos, dos acontecimentos, nasce a FILOSOFIAacontecimentos, nasce a FILOSOFIA que mostra o que são as coisas eque mostra o que são as coisas e porque são as coisas.porque são as coisas. Espiritismo como FilosofiaEspiritismo como Filosofia DEOLINDO, A.DEOLINDO, A. Doutrina EspíritaDoutrina Espírita. 2. ed. Salvador: CIRCULUS, 2002.. 2. ed. Salvador: CIRCULUS, 2002. Filosofia Geral, p. 7-24.Filosofia Geral, p. 7-24. ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.
  • 13.   O nome filosofia vem do grego eO nome filosofia vem do grego e significa “amor à sabedoria”. Asignifica “amor à sabedoria”. A Filosofia, segundo o novo DicionárioFilosofia, segundo o novo Dicionário Aurélio, “é um estudo que seAurélio, “é um estudo que se caracteriza pela intenção de ampliarcaracteriza pela intenção de ampliar incessantemente a compreensão daincessantemente a compreensão da realidade (...)”.realidade (...)”. Espiritismo como FilosofiaEspiritismo como Filosofia
  • 14. No aspecto filosófico, o EspiritismoNo aspecto filosófico, o Espiritismo preocupa-se com os problemas dopreocupa-se com os problemas do Homem, com as suas dúvidas, as suasHomem, com as suas dúvidas, as suas questões, a sua condição de ser eternoquestões, a sua condição de ser eterno em busca da Divindade, através deem busca da Divindade, através de múltiplas existências físicas.múltiplas existências físicas. Espiritismo como Filosofia (cont.)Espiritismo como Filosofia (cont.) ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.
  • 15. Examina os atributos de DEUS, suasExamina os atributos de DEUS, suas relações com o Homem e apresenta umrelações com o Homem e apresenta um código moral, por meio do qual a criaturacódigo moral, por meio do qual a criatura vai de encontro ao seu Criador.vai de encontro ao seu Criador. Espiritismo como Filosofia (cont.)Espiritismo como Filosofia (cont.) ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33. O aspecto filosóficoO aspecto filosófico encontra-se abordadoencontra-se abordado em O Livro dosem O Livro dos Espíritos.Espíritos. (abril de 1857)(abril de 1857)(abril de 1857)(abril de 1857)
  • 17. Como Religião, o Espiritismo seComo Religião, o Espiritismo se preocupa com as consequênciaspreocupa com as consequências morais do ensino científico-morais do ensino científico- filosófico, buscando, na éticafilosófico, buscando, na ética pregada por Jesus, os elementospregada por Jesus, os elementos que deverão nortear a conduta doque deverão nortear a conduta do Homem rumo ao Criador.Homem rumo ao Criador. Espiritismo como ReligiãoEspiritismo como Religião
  • 18. No entanto, o Espiritismo não se trata deNo entanto, o Espiritismo não se trata de uma Religião constituída, tradicional,uma Religião constituída, tradicional, estruturada com base em rituais,estruturada com base em rituais, sacramentos, dogmas e classessacramentos, dogmas e classes sacerdotais. Mas uma religião comosacerdotais. Mas uma religião como atitude de vida, como modo de proceder,atitude de vida, como modo de proceder, buscando uma identificação com Deus, porbuscando uma identificação com Deus, por meio de uma vida reta, digna e fraterna emeio de uma vida reta, digna e fraterna e não através de atitudes exteriores,não através de atitudes exteriores, artificiais, mecanizadas...artificiais, mecanizadas... Espiritismo como ReligiãoEspiritismo como Religião
  • 19. O aspecto religioso da Doutrina EspíritaO aspecto religioso da Doutrina Espírita é desenvolvido por Allan Kardec nasé desenvolvido por Allan Kardec nas obras básicas: Oobras básicas: O Evangelho Segundo oEvangelho Segundo o EspiritismoEspiritismo e oe o Céu e InfernoCéu e Inferno.. Espiritismo como ReligiãoEspiritismo como Religião (abril de 1864)(abril de 1864)(abril de 1864)(abril de 1864) (agosto de 1865)(agosto de 1865)(agosto de 1865)(agosto de 1865)
  • 20. Identificar e analisar osIdentificar e analisar os aspectos científico, filosófico easpectos científico, filosófico e religioso que caracterizam areligioso que caracterizam a Doutrina Espírita.Doutrina Espírita. O desafio de nossoO desafio de nosso estudo de hoje ...estudo de hoje ...
  • 22. TarefasTarefas a)a) Ler os subsídios do Roteiro 1 “TrípliceLer os subsídios do Roteiro 1 “Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita”, doAspecto da Doutrina Espírita”, do Módulo I “Introdução ao Estudo doMódulo I “Introdução ao Estudo do Espiritismo”;Espiritismo”; b)b) Analisar, responder e comentar aAnalisar, responder e comentar a questão proposta para o grupo.questão proposta para o grupo.
  • 23. Leitura do Item 6 da Introdução doLeitura do Item 6 da Introdução do Livro dos Espíritos para o próximoLivro dos Espíritos para o próximo Roteiro 4.Roteiro 4. Fazer resumo por escrito dosFazer resumo por escrito dos princípios espíritas assinalados porprincípios espíritas assinalados por Kardec.Kardec. ATIVIDADE EXTRACLASSEATIVIDADE EXTRACLASSE
  • 25. O tríplice aspecto da DoutrinaO tríplice aspecto da Doutrina Espírita decorre da própriaEspírita decorre da própria conceituação dada por Allan Kardecconceituação dada por Allan Kardec para o Espiritismo. Apresente parapara o Espiritismo. Apresente para a turma essa conceituação ea turma essa conceituação e identifique e comente esses trêsidentifique e comente esses três aspectos básicos da Doutrina.aspectos básicos da Doutrina. G.1G.1 Questão proposta – Grupo 1Questão proposta – Grupo 1
  • 26. O Espiritismo é, ao mesmo tempo, uma ciênciaO Espiritismo é, ao mesmo tempo, uma ciência de observação e uma doutrina filosófica comde observação e uma doutrina filosófica com conseqüências morais-religiosas para o Homem.conseqüências morais-religiosas para o Homem. ComoComo ciência práticaciência prática, ele consiste nas relações, ele consiste nas relações que se estabelecem entre nós e os Espíritos;que se estabelecem entre nós e os Espíritos; comocomo filosofiafilosofia, ele compreende todas os, ele compreende todas os resultados morais que decorrem dessasresultados morais que decorrem dessas relações; e comorelações; e como religiãoreligião, ele consiste na, ele consiste na aplicação de seus princípios para oaplicação de seus princípios para o aperfeiçoamento ético-moral da Humanidade.aperfeiçoamento ético-moral da Humanidade. G.1G.1KARDEC, Allan. O que é o espiritismo. 53. ed. Rio de Janeiro: FEB,KARDEC, Allan. O que é o espiritismo. 53. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Preâmbulo, p. 50.2005. Preâmbulo, p. 50. Resposta – Grupo 1Resposta – Grupo 1
  • 27. Explique porque os fatos ouExplique porque os fatos ou fenômenos espíritas sãofenômenos espíritas são importantes nos estudos doimportantes nos estudos do Espiritismo e identifique que tipoEspiritismo e identifique que tipo de resultado se pode obter porde resultado se pode obter por meio desses estudos.meio desses estudos. G.2 Questão proposta – Grupo 2Questão proposta – Grupo 2
  • 28. Os fatos ou fenômenos espíritas são oOs fatos ou fenômenos espíritas são o objeto de estudo da ciência espírita. É porobjeto de estudo da ciência espírita. É por meio desse tipo de estudo, o Espiritismomeio desse tipo de estudo, o Espiritismo demonstra, experimentalmente, pordemonstra, experimentalmente, por exemplo, a existência da alma e suaexemplo, a existência da alma e sua imortalidade, utilizando, principalmente oimortalidade, utilizando, principalmente o intercâmbio mediúnico entre encarnados eintercâmbio mediúnico entre encarnados e desencarnados.desencarnados. G.2ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.17-18.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.17-18. Resposta – Grupo 2Resposta – Grupo 2
  • 29. Explique e justifique porque oExplique e justifique porque o Espiritismo pode ser visto comoEspiritismo pode ser visto como uma doutrina essencialmenteuma doutrina essencialmente filosófica.filosófica. G.3G.3 Questão proposta – Grupo 3Questão proposta – Grupo 3
  • 30. O caráter filosófico do Espiritismo derivaO caráter filosófico do Espiritismo deriva do estudo que ele faz do Homem, sobretudodo estudo que ele faz do Homem, sobretudo do Espírito, de seus problemas, de suado Espírito, de seus problemas, de sua origem e de sua destinação. Que somos?origem e de sua destinação. Que somos? Donde viemos? Para onde vamos? Essas sãoDonde viemos? Para onde vamos? Essas são perguntas clássicas que a filosofiaperguntas clássicas que a filosofia tradicional sempre formulou e a filosofiatradicional sempre formulou e a filosofia espírita responde com notável clareza.espírita responde com notável clareza. G.3G.3 ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.33. Resposta – Grupo 3Resposta – Grupo 3
  • 31. É correto dizer que o Espiritismo éÉ correto dizer que o Espiritismo é uma religião? Como Kardec seuma religião? Como Kardec se posicionou diante dessa pergunta?posicionou diante dessa pergunta? G.2G.2 ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.29-35.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.29-35. Questão proposta – Grupo 4Questão proposta – Grupo 4
  • 32. O Espiritismo é, no sentido filosófico, umaO Espiritismo é, no sentido filosófico, uma religião. Mas não se constitui, no sentidoreligião. Mas não se constitui, no sentido comum, em mais uma religião, visto que nãocomum, em mais uma religião, visto que não possui cultos instituídos, igrejas, rituais,possui cultos instituídos, igrejas, rituais, dogmas, mitos ou crendices, nem tampoucodogmas, mitos ou crendices, nem tampouco hierarquia sacerdotal. É uma religião,hierarquia sacerdotal. É uma religião, quando estabelece um laço moral entre osquando estabelece um laço moral entre os homens, conduzindo-os em direção aohomens, conduzindo-os em direção ao Criador, mediante a vivência dosCriador, mediante a vivência dos ensinamentos morais do Cristo.ensinamentos morais do Cristo. G.4G.4 ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programaROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p. 33-34.fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p. 33-34. Resposta – Grupo 4Resposta – Grupo 4
  • 33. Apresentando o Espiritismo, como a imagemApresentando o Espiritismo, como a imagem de o Consolador prometido por Jesusde o Consolador prometido por Jesus Cristo, revestida nos três aspectos:Cristo, revestida nos três aspectos: científico, filosófico, religioso, qual dessescientífico, filosófico, religioso, qual desses aspectos pode ser considerado o maior ou oaspectos pode ser considerado o maior ou o mais importante?mais importante? G.2G.2 ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamentalROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.29-35.v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.29-35. Questão proposta – Grupo 5Questão proposta – Grupo 5
  • 34. (...) “No seu aspecto científico e filosófico,(...) “No seu aspecto científico e filosófico, a doutrina será sempre um campo nobre dea doutrina será sempre um campo nobre de investigações humanas, como outrosinvestigações humanas, como outros movimentos coletivos, de naturezamovimentos coletivos, de natureza intelectual, que visam o aperfeiçoamento daintelectual, que visam o aperfeiçoamento da Humanidade. NoHumanidade. No aspecto religiosoaspecto religioso, todavia,, todavia, repousa a sua grandeza divina, porrepousa a sua grandeza divina, por constituir a restauração do Evangelho deconstituir a restauração do Evangelho de Jesus Cristo, estabelecendo a renovaçãoJesus Cristo, estabelecendo a renovação definitiva do homem (...),”definitiva do homem (...),” G.5G.5 XAVIER, F.C. O consolador. Pelo Espírito Emmanuel. 26. ed. Rio deXAVIER, F.C. O consolador. Pelo Espírito Emmanuel. 26. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. Definição, p 19-20.Janeiro: FEB, 2006. Definição, p 19-20. Resposta – Grupo 5Resposta – Grupo 5
  • 35. Ao formular a Doutrina Espírita,Ao formular a Doutrina Espírita, por que Allan Kardec relutou empor que Allan Kardec relutou em dar-lhe o cunho de uma religiãodar-lhe o cunho de uma religião formal?formal? G.2 Questão proposta – Grupo 6Questão proposta – Grupo 6
  • 36. ““Se o Espiritismo se dissesse uma religião,Se o Espiritismo se dissesse uma religião, o público não veria aí mais que uma novao público não veria aí mais que uma nova edição (...) dos princípios absolutos emedição (...) dos princípios absolutos em matéria de fé; uma casta sacerdotal commatéria de fé; uma casta sacerdotal com seu cortejo de hierarquias, de cerimônias eseu cortejo de hierarquias, de cerimônias e de privilégios; não o separaria das idéias dede privilégios; não o separaria das idéias de misticismo e dos abusos contra os quaismisticismo e dos abusos contra os quais tantas vezes a opinião se levantou.”tantas vezes a opinião se levantou.” G.5G.5 KARDEC, A. Revista Espírita. Jornal de estudos psicológicos. AnoKARDEC, A. Revista Espírita. Jornal de estudos psicológicos. Ano 1868. Rio de janeiro: FEB, 2005. Ano 11, p.490-491.1868. Rio de janeiro: FEB, 2005. Ano 11, p.490-491. Resposta – Grupo 6Resposta – Grupo 6
  • 38. TRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITATRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITA
  • 39. O Espiritismo é uma:O Espiritismo é uma: CiênciaCiência de observação pelas relações quede observação pelas relações que estabelece entre nós e os Espíritos.estabelece entre nós e os Espíritos. Doutrina filosóficaDoutrina filosófica pelos princípios moraispelos princípios morais em que se assentam seus fundamentos.em que se assentam seus fundamentos. ReligiãoReligião pela aplicação desses princípiospela aplicação desses princípios morais em prol da renovação dos homensmorais em prol da renovação dos homens e consequentemente da humanidade.e consequentemente da humanidade. TRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITATRÍPLICE ASPECTO DA DOUTRINA ESPÍRITA
  • 40. O Espiritismo éO Espiritismo é ciênciaciência porque, à luzporque, à luz da razão e de critérios lógicos eda razão e de critérios lógicos e metodológicos, demonstra, por meiometodológicos, demonstra, por meio do intercambio entre encarnados edo intercambio entre encarnados e desencarnados, a existência da almadesencarnados, a existência da alma e sua imortalidade.e sua imortalidade.
  • 41. O Espiritismo éO Espiritismo é filosofiafilosofia porque, aporque, a partir dos fenômenos e dos fatos,partir dos fenômenos e dos fatos, utilizando, o raciocínio lógico, dáutilizando, o raciocínio lógico, dá uma interpretação da vida,uma interpretação da vida, explicando o porquê das dores, dosexplicando o porquê das dores, dos sofrimentos e das desigualdadessofrimentos e das desigualdades entre as criaturas.entre as criaturas.
  • 42. O Espiritismo éO Espiritismo é religiãoreligião se analisado pelase analisado pela finalidade que tem de proporcionar afinalidade que tem de proporcionar a transformação moral do homem,transformação moral do homem, retomando os ensinamentos de Cristo, pararetomando os ensinamentos de Cristo, para que sejam aplicados na vida diária de cadaque sejam aplicados na vida diária de cada pessoa, revivendo o Cristianismo na suapessoa, revivendo o Cristianismo na sua verdadeira expressão de Amor e Caridade,verdadeira expressão de Amor e Caridade, em suma, religando a criatura à suaem suma, religando a criatura à sua origem divina. Torchi. P.92-93.origem divina. Torchi. P.92-93.
  • 43. Há três tipos de adeptos aoHá três tipos de adeptos ao Espiritismo:Espiritismo: Aqueles que crêem nasAqueles que crêem nas manifestaçõesmanifestações espirituaisespirituais e se limitam a comprová-las;e se limitam a comprová-las; Aqueles que percebem asAqueles que percebem as consequênciasconsequências moraismorais da Doutrina;da Doutrina; Aqueles queAqueles que praticampraticam ou seou se esforçamesforçam para praticar essa moral.para praticar essa moral.
  • 44. Mensagem para nossa reflexão...Mensagem para nossa reflexão... ““ReligiãoReligião é o sentimento Divino, cujasé o sentimento Divino, cujas exteriorizações são sempre o Amor,exteriorizações são sempre o Amor, nas expressões mais sublimes.nas expressões mais sublimes. Enquanto aEnquanto a CiênciaCiência e ae a FilosofiaFilosofia operam o trabalho da experimentaçãooperam o trabalho da experimentação e do raciocínio, ae do raciocínio, a ReligiãoReligião edifica eedifica e ilumina os sentimentos.”ilumina os sentimentos.” XAVIER, F.C. O consolador. Pelo Espírito Emmanuel. 26. ed. Rio deXAVIER, F.C. O consolador. Pelo Espírito Emmanuel. 26. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. Definição, p 19-20.Janeiro: FEB, 2006. Definição, p 19-20.

Notas do Editor

  1. Diante de um objeto, a ciência pergunta: (a) o que é e como é feito A filosofia indaga: por que existe e para que existe.
  2. Antes de discorrer sobre o espiritismo e a religião, devemos nos perguntar o que é religião. Segundo o dicionário Aurélio (1999) religião é: 1. Crença na existência de uma força ou forças sobrenaturais, considerada(s) como criadora(s) do Universo, e que como tal deve(m) ser adoradas(s) e obedecida(s). 2. A manifestação de tal crença por meio de doutrina e ritual próprios, que envolvem em geral, preceitos éticos .Como se vê, na definição clássica de religião transparece uma dualidade que envolve uma crença num ser superior, e um aspecto de culto institucionalizado.
  3. Antes de discorrer sobre o espiritismo e a religião, devemos nos perguntar o que é religião. Segundo o dicionário Aurélio (1999) religião é: 1. Crença na existência de uma força ou forças sobrenaturais, considerada(s) como criadora(s) do Universo, e que como tal deve(m) ser adoradas(s) e obedecida(s). 2. A manifestação de tal crença por meio de doutrina e ritual próprios, que envolvem em geral, preceitos éticos .Como se vê, na definição clássica de religião transparece uma dualidade que envolve uma crença num ser superior, e um aspecto de culto institucionalizado.
  4. Inserir texto aqui.
  5. Inserir texto aqui.
  6. Inserir texto aqui.
  7. Inserir texto aqui.
  8. Diante de um objeto, a ciência pergunta: (a) o que é e como é feito A filosofia indaga: por que existe e para que existe.