SlideShare uma empresa Scribd logo
Federação Espírita Brasileira Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita   Programa Fundamental – Tomo I Módulo  III Deus Apresentar Deus como a inteligência suprema e a causa primeira de todas as coisas.  Objetivo Geral
Roteiro  1 –  Existência de DEUS;   Programa Fundamental – Tomo I Módulo III – Deus - Quatro Roteiros Roteiro  2 –  Provas da existência de Deus ;  Roteiro  3 –  Atributos da divindade ;  Roteiro  4 –  A providência divina .
Idéias Principais Estudadas A existência de Deus é um sentimento inato em todos nós. Deus não se mostra, mas se revela pelas suas obras. Não há efeito sem causa. Deus é a inteligência suprema, causa primeira de todas as coisas.
Citar os atributos da divindade, segundo o Espiritismo, analisando-os; Programa Fundamental – Tomo I Módulo III  -  Deus Roteiro 3 – Atributos da Divindade Objetivos Específicos: Destacar a idéia de Deus ensinada por Jesus.
DEUS Quem, senão Deus, criou obra tamanha, O espaço e o tempo, as amplidões e as eras, Onde se agitam turbilhões de esferas,  Que a luz, a excelsa luz, aquece e banha?   Quem, senão ELE fez a esfinge estranha No segredo inviolável das moneras, No coração dos homens e das feras, No coração do mar e da montanha?   Deus!... somente o Eterno, o Impenetrável,  Poderia criar o imensurável E o Universo infinito criaria!...   Suprema paz, intérmina piedade, E que habita na eterna claridade Das torrentes da Luz e da Harmonia! Antero de Quental
Quais as principais idéias de Antero de Quental (espírito) nessa poesia acerca de DEUS?
Antero de Quental, procura em sua poesia estabelecer alguns traços entre o Criador e sua obra, identificando características de ambos, as quais revelam o poder de Deus e de suas Leis no Universo.
Embora ainda não possa o ser humano compreender a natureza íntima de Deus, porque lhe falta para isso o sentido, pode formar idéia de alguns de seus atributos. LE Q.10 Esclarecimentos Doutrinários Pode o homem compreender a natureza íntima de Deus? “Não; falta-lhe, para tanto, o sentido.”
Mas, no estágio em que ele se encontra , a idéia que faz dos atributos divinos ainda é imperfeita, embora creia abranger tudo, no entanto, há coisas que estão acima da inteligência do homem mais inteligente. Esclarecimentos Doutrinários Será dado um dia ao homem compreender o mistério da Divindade? (LE q.11) Quando seu espírito não mais estiver obscurecido pela matéria e, pela sua perfeição, se houver aproximado de Deus, então o verá e o compreenderá.”
“ (...) A razão, com efeito, vos diz que Deus deve possuir essas perfeições em grau supremo, por que, se tivesse uma só de menos, ou não a tivesse em grau infinito, não seria superior a tudo e, por conseguinte, não seria Deus. Para estar acima de todas as coisas, Deus não pode achar-se sujeito a nenhuma vicissitude, nem sofrer nenhuma das imperfeições que a imaginação possa conceber.” Quando dizemos que Deus é eterno, infinito, imutável, imaterial, único, onipotente, soberanamente justo e bom, não temos uma idéia completa de seus atributos? LE Q. 13 Esclarecimentos Doutrinários
Atividades dos participantes
Atividades dos participantes 1. Ler os subsídios do Roteiro; 2. Estudar o atributo divino indicado; 3. Elaborar um texto que analise o atributo   estudado; 4. Destacar a argumentação que liga o   atributo à divindade.
Conclusões
Vamos reler a poesia, DEUS, de Antero de Quental, e identificar no texto os atributos da Divindade
DEUS Quem, senão Deus, criou obra tamanha, O espaço e o tempo, as amplidões e as eras, Onde se agitam turbilhões de esferas,  Que a luz, a excelsa luz, aquece e banha?   Quem, senão ELE fez a esfinge estranha No segredo inviolável das moneras, No coração dos homens e das feras, No coração do mar e da montanha?   Deus!... somente o Eterno, o Impenetrável,  Poderia criar o imensurável E o Universo infinito criaria!...   Suprema paz, intérmina piedade, E que habita na eterna claridade Das torrentes da Luz e da Harmonia! Antero de Quental
Eternidade; Atributos da Divindade Imutabilidade e imaterialidade; Unicidade e Onipotência; Suprema e soberana inteligência; Soberana justiça e bondade; Perfeição infinita;
Deus é eterno : Argumentação Se tivesse tido um começo, teria saído do nada, ou, então, teria sido criado por um ser anterior. Deus é imutável : Se estivesse sujeito a mudanças, as leis que regem o Universo não teriam nenhuma estabilidade. Deus é imaterial : Se fosse de natureza material estaria sujeito às transformações da matéria e, portanto, não seria imutável. LE Q.13
Deus é único : Argumentação Se houvesse muitos deuses, não haveria unidade de vistas, nem unidade de poder na ordenação do Universo. Deus é onipotente : Se não tivesse o soberano poder, algo haveria mais poderoso ou tão poderoso quanto Ele, ou seja, poderia não ter feito todas as coisas e as que não tivesse feito seriam obra de outro Deus. Deus é soberanamente justo e bom : A sabedoria providencial das leis divinas, reveladas tanto nas menores com nas maiores coisas, não permite duvidar nem de sua justiça, nem de sua bondade. LE Q.13
Finalmente ... Jesus, ao nos apresentar Deus como nosso Pai amoroso e justo, à espera de nossa contribuição no aperfeiçoamento da Obra Divina, como irmãos de uma grande família universal, nos deu a orientação segura do nosso papel na construção de um mundo fraterno para a suprema felicidade de todos nós.
Fim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Enfermidades mentais e obsessão--_v2.pptx
Enfermidades mentais e obsessão--_v2.pptxEnfermidades mentais e obsessão--_v2.pptx
Enfermidades mentais e obsessão--_v2.pptx
DayaneSantana27
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismo
paikachambi
 
3 palestra sobre transição planetaria
3 palestra sobre transição planetaria3 palestra sobre transição planetaria
3 palestra sobre transição planetaria
umecamaqua
 
Palestra mágoa
Palestra mágoaPalestra mágoa
Palestra mágoa
Leonardo Pereira
 
Capitulo XX - OS Obreiros do Senhor
Capitulo XX - OS  Obreiros do SenhorCapitulo XX - OS  Obreiros do Senhor
Capitulo XX - OS Obreiros do Senhor
Jean Dias
 
Obsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espíritaObsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Tentação
TentaçãoTentação
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Doenças da alma
Doenças da almaDoenças da alma
Doenças da alma
João Lister Pereira
 
O que é Deus?
O que é Deus?O que é Deus?
O que é Deus?
grupodepaisceb
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Aula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De Rosa
Aula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De RosaAula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De Rosa
Aula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De Rosa
Rosana De Rosa
 
L.E Q647 e ESE Cap 5 item 29
L.E Q647 e ESE Cap 5 item 29L.E Q647 e ESE Cap 5 item 29
L.E Q647 e ESE Cap 5 item 29
Patricia Farias
 
Deus Mamom e o Evangelho ( segundo o espiritismo).
Deus Mamom e o Evangelho ( segundo o espiritismo). Deus Mamom e o Evangelho ( segundo o espiritismo).
Deus Mamom e o Evangelho ( segundo o espiritismo).
Leonardo Pereira
 
Aula 8 Identidade dos Espíritos
Aula 8   Identidade dos EspíritosAula 8   Identidade dos Espíritos
Aula 8 Identidade dos Espíritos
EHMANA
 
Evangeliza - O Livro dos Médiuns
Evangeliza - O Livro dos MédiunsEvangeliza - O Livro dos Médiuns
Evangeliza - O Livro dos Médiuns
Antonino Silva
 
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Bem aventurança sermão do monte
Bem aventurança sermão do monteBem aventurança sermão do monte
Bem aventurança sermão do monte
Maxuel Alves
 
Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!
Leonardo Pereira
 
2.9.6 acao dos espiritos sobre os fenomenos da natureza
2.9.6   acao dos espiritos sobre os fenomenos da natureza2.9.6   acao dos espiritos sobre os fenomenos da natureza
2.9.6 acao dos espiritos sobre os fenomenos da natureza
Marta Gomes
 

Mais procurados (20)

Enfermidades mentais e obsessão--_v2.pptx
Enfermidades mentais e obsessão--_v2.pptxEnfermidades mentais e obsessão--_v2.pptx
Enfermidades mentais e obsessão--_v2.pptx
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismo
 
3 palestra sobre transição planetaria
3 palestra sobre transição planetaria3 palestra sobre transição planetaria
3 palestra sobre transição planetaria
 
Palestra mágoa
Palestra mágoaPalestra mágoa
Palestra mágoa
 
Capitulo XX - OS Obreiros do Senhor
Capitulo XX - OS  Obreiros do SenhorCapitulo XX - OS  Obreiros do Senhor
Capitulo XX - OS Obreiros do Senhor
 
Obsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espíritaObsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espírita
 
Tentação
TentaçãoTentação
Tentação
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
 
Doenças da alma
Doenças da almaDoenças da alma
Doenças da alma
 
O que é Deus?
O que é Deus?O que é Deus?
O que é Deus?
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
 
Aula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De Rosa
Aula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De RosaAula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De Rosa
Aula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De Rosa
 
L.E Q647 e ESE Cap 5 item 29
L.E Q647 e ESE Cap 5 item 29L.E Q647 e ESE Cap 5 item 29
L.E Q647 e ESE Cap 5 item 29
 
Deus Mamom e o Evangelho ( segundo o espiritismo).
Deus Mamom e o Evangelho ( segundo o espiritismo). Deus Mamom e o Evangelho ( segundo o espiritismo).
Deus Mamom e o Evangelho ( segundo o espiritismo).
 
Aula 8 Identidade dos Espíritos
Aula 8   Identidade dos EspíritosAula 8   Identidade dos Espíritos
Aula 8 Identidade dos Espíritos
 
Evangeliza - O Livro dos Médiuns
Evangeliza - O Livro dos MédiunsEvangeliza - O Livro dos Médiuns
Evangeliza - O Livro dos Médiuns
 
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
 
Bem aventurança sermão do monte
Bem aventurança sermão do monteBem aventurança sermão do monte
Bem aventurança sermão do monte
 
Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!
 
2.9.6 acao dos espiritos sobre os fenomenos da natureza
2.9.6   acao dos espiritos sobre os fenomenos da natureza2.9.6   acao dos espiritos sobre os fenomenos da natureza
2.9.6 acao dos espiritos sobre os fenomenos da natureza
 

Semelhante a Fund I Mód III Rot 3

AULA 5 E 6.ppt
AULA 5 E 6.pptAULA 5 E 6.ppt
AULA 5 E 6.ppt
FilipeDuartedeBem
 
Deus existência e provas.ppt
Deus existência e provas.pptDeus existência e provas.ppt
Deus existência e provas.ppt
FilipeDuartedeBem
 
Atributos da divindade
Atributos da divindadeAtributos da divindade
Atributos da divindade
Denise Aguiar
 
Capitulo I Deus
Capitulo I   DeusCapitulo I   Deus
Capitulo I Deus
Marta Gomes
 
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Alberto Barth
 
Atributos da Divindade - Instituto Espírita de Educação
Atributos da Divindade - Instituto Espírita de EducaçãoAtributos da Divindade - Instituto Espírita de Educação
Atributos da Divindade - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Roteiro 3 atributos da divindade
Roteiro 3   atributos da divindadeRoteiro 3   atributos da divindade
Roteiro 3 atributos da divindade
Bruno Cechinel Filho
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
Deus
DeusDeus
D 01 Deus
D 01   DeusD 01   Deus
D 01 Deus
JPS Junior
 
080806 le-parte i-cap.1
080806 le-parte i-cap.1080806 le-parte i-cap.1
080806 le-parte i-cap.1
Carlos Alberto Freire De Souza
 
080806 le-parte i-cap.1-de deus
080806 le-parte i-cap.1-de deus080806 le-parte i-cap.1-de deus
080806 le-parte i-cap.1-de deus
Carlos Alberto Freire De Souza
 
1.1 - Deus
1.1 - Deus1.1 - Deus
1.1 - Deus
Marta Gomes
 
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
CeiClarencio
 
Espiritismo e mediunidade 04
Espiritismo e mediunidade 04Espiritismo e mediunidade 04
Espiritismo e mediunidade 04
Leonardo Pereira
 
A existencia de deus
A existencia de deusA existencia de deus
A existencia de deus
Danier Müller
 
ATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptx
ATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptxATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptx
ATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptx
M.R.L
 
2273714 pr-junior-os-atributos-de-deus-e-outros-artigos
2273714 pr-junior-os-atributos-de-deus-e-outros-artigos2273714 pr-junior-os-atributos-de-deus-e-outros-artigos
2273714 pr-junior-os-atributos-de-deus-e-outros-artigos
antonio ferreira
 
Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2
Shantappa Jewur
 

Semelhante a Fund I Mód III Rot 3 (20)

AULA 5 E 6.ppt
AULA 5 E 6.pptAULA 5 E 6.ppt
AULA 5 E 6.ppt
 
Deus existência e provas.ppt
Deus existência e provas.pptDeus existência e provas.ppt
Deus existência e provas.ppt
 
Atributos da divindade
Atributos da divindadeAtributos da divindade
Atributos da divindade
 
Capitulo I Deus
Capitulo I   DeusCapitulo I   Deus
Capitulo I Deus
 
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
 
Atributos da Divindade - Instituto Espírita de Educação
Atributos da Divindade - Instituto Espírita de EducaçãoAtributos da Divindade - Instituto Espírita de Educação
Atributos da Divindade - Instituto Espírita de Educação
 
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
 
Roteiro 3 atributos da divindade
Roteiro 3   atributos da divindadeRoteiro 3   atributos da divindade
Roteiro 3 atributos da divindade
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
Deus
DeusDeus
Deus
 
D 01 Deus
D 01   DeusD 01   Deus
D 01 Deus
 
080806 le-parte i-cap.1
080806 le-parte i-cap.1080806 le-parte i-cap.1
080806 le-parte i-cap.1
 
080806 le-parte i-cap.1-de deus
080806 le-parte i-cap.1-de deus080806 le-parte i-cap.1-de deus
080806 le-parte i-cap.1-de deus
 
1.1 - Deus
1.1 - Deus1.1 - Deus
1.1 - Deus
 
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
 
Espiritismo e mediunidade 04
Espiritismo e mediunidade 04Espiritismo e mediunidade 04
Espiritismo e mediunidade 04
 
A existencia de deus
A existencia de deusA existencia de deus
A existencia de deus
 
ATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptx
ATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptxATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptx
ATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptx
 
2273714 pr-junior-os-atributos-de-deus-e-outros-artigos
2273714 pr-junior-os-atributos-de-deus-e-outros-artigos2273714 pr-junior-os-atributos-de-deus-e-outros-artigos
2273714 pr-junior-os-atributos-de-deus-e-outros-artigos
 
Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2
 

Mais de Shantappa Jewur

Os mediuns precursores
Os mediuns precursoresOs mediuns precursores
Os mediuns precursores
Shantappa Jewur
 
Obstaculos a reprodução
Obstaculos a reproduçãoObstaculos a reprodução
Obstaculos a reprodução
Shantappa Jewur
 
Justiça e direitos naturais
Justiça e direitos naturaisJustiça e direitos naturais
Justiça e direitos naturais
Shantappa Jewur
 
Instinto e inteligência
Instinto e inteligênciaInstinto e inteligência
Instinto e inteligência
Shantappa Jewur
 
Desigualdades sociais
Desigualdades sociaisDesigualdades sociais
Desigualdades sociais
Shantappa Jewur
 
Obsessão conceitos causas e graus
Obsessão conceitos causas e grausObsessão conceitos causas e graus
Obsessão conceitos causas e graus
Shantappa Jewur
 
Programa de Esde 1 fern 2012.2
Programa de Esde 1 fern 2012.2Programa de Esde 1 fern 2012.2
Programa de Esde 1 fern 2012.2
Shantappa Jewur
 
Esde 7 2012.2 Folha de Freq
Esde 7 2012.2 Folha de FreqEsde 7 2012.2 Folha de Freq
Esde 7 2012.2 Folha de Freq
Shantappa Jewur
 
Esde 6 2012.2 Folha de Freq
Esde 6 2012.2 Folha de FreqEsde 6 2012.2 Folha de Freq
Esde 6 2012.2 Folha de Freq
Shantappa Jewur
 
Esde 5 2012.2 Folha de Freq
Esde 5 2012.2 Folha de FreqEsde 5 2012.2 Folha de Freq
Esde 5 2012.2 Folha de Freq
Shantappa Jewur
 
Esde 4 2012.2 Folha de Freq
Esde 4 2012.2 Folha de FreqEsde 4 2012.2 Folha de Freq
Esde 4 2012.2 Folha de Freq
Shantappa Jewur
 
Esde 3 2012.2
Esde 3 2012.2Esde 3 2012.2
Esde 3 2012.2
Shantappa Jewur
 
Esde 2 B 2012.2
Esde 2 B 2012.2Esde 2 B 2012.2
Esde 2 B 2012.2
Shantappa Jewur
 
Programa do ESDE 3
Programa do ESDE 3Programa do ESDE 3
Programa do ESDE 3
Shantappa Jewur
 
Programa do ESDE 2
Programa do ESDE 2Programa do ESDE 2
Programa do ESDE 2
Shantappa Jewur
 
Programa do ESDE 1
Programa do ESDE 1Programa do ESDE 1
Programa do ESDE 1
Shantappa Jewur
 
Ficha de Cadastro ESDE
Ficha de Cadastro ESDEFicha de Cadastro ESDE
Ficha de Cadastro ESDE
Shantappa Jewur
 
Programa ESDE 2 FERN 2012.1
Programa ESDE 2 FERN 2012.1Programa ESDE 2 FERN 2012.1
Programa ESDE 2 FERN 2012.1
Shantappa Jewur
 
Programa EADE 1 FERN 2012.1
Programa EADE 1 FERN 2012.1Programa EADE 1 FERN 2012.1
Programa EADE 1 FERN 2012.1
Shantappa Jewur
 
Programa ESDE 7 FERN 2012.1
Programa ESDE 7 FERN 2012.1Programa ESDE 7 FERN 2012.1
Programa ESDE 7 FERN 2012.1
Shantappa Jewur
 

Mais de Shantappa Jewur (20)

Os mediuns precursores
Os mediuns precursoresOs mediuns precursores
Os mediuns precursores
 
Obstaculos a reprodução
Obstaculos a reproduçãoObstaculos a reprodução
Obstaculos a reprodução
 
Justiça e direitos naturais
Justiça e direitos naturaisJustiça e direitos naturais
Justiça e direitos naturais
 
Instinto e inteligência
Instinto e inteligênciaInstinto e inteligência
Instinto e inteligência
 
Desigualdades sociais
Desigualdades sociaisDesigualdades sociais
Desigualdades sociais
 
Obsessão conceitos causas e graus
Obsessão conceitos causas e grausObsessão conceitos causas e graus
Obsessão conceitos causas e graus
 
Programa de Esde 1 fern 2012.2
Programa de Esde 1 fern 2012.2Programa de Esde 1 fern 2012.2
Programa de Esde 1 fern 2012.2
 
Esde 7 2012.2 Folha de Freq
Esde 7 2012.2 Folha de FreqEsde 7 2012.2 Folha de Freq
Esde 7 2012.2 Folha de Freq
 
Esde 6 2012.2 Folha de Freq
Esde 6 2012.2 Folha de FreqEsde 6 2012.2 Folha de Freq
Esde 6 2012.2 Folha de Freq
 
Esde 5 2012.2 Folha de Freq
Esde 5 2012.2 Folha de FreqEsde 5 2012.2 Folha de Freq
Esde 5 2012.2 Folha de Freq
 
Esde 4 2012.2 Folha de Freq
Esde 4 2012.2 Folha de FreqEsde 4 2012.2 Folha de Freq
Esde 4 2012.2 Folha de Freq
 
Esde 3 2012.2
Esde 3 2012.2Esde 3 2012.2
Esde 3 2012.2
 
Esde 2 B 2012.2
Esde 2 B 2012.2Esde 2 B 2012.2
Esde 2 B 2012.2
 
Programa do ESDE 3
Programa do ESDE 3Programa do ESDE 3
Programa do ESDE 3
 
Programa do ESDE 2
Programa do ESDE 2Programa do ESDE 2
Programa do ESDE 2
 
Programa do ESDE 1
Programa do ESDE 1Programa do ESDE 1
Programa do ESDE 1
 
Ficha de Cadastro ESDE
Ficha de Cadastro ESDEFicha de Cadastro ESDE
Ficha de Cadastro ESDE
 
Programa ESDE 2 FERN 2012.1
Programa ESDE 2 FERN 2012.1Programa ESDE 2 FERN 2012.1
Programa ESDE 2 FERN 2012.1
 
Programa EADE 1 FERN 2012.1
Programa EADE 1 FERN 2012.1Programa EADE 1 FERN 2012.1
Programa EADE 1 FERN 2012.1
 
Programa ESDE 7 FERN 2012.1
Programa ESDE 7 FERN 2012.1Programa ESDE 7 FERN 2012.1
Programa ESDE 7 FERN 2012.1
 

Último

2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
LaerciodeSouzaSilva1
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
OBrasilParaCristoRad
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
EzeirAlvesdaSilva
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
AlexandreJr7
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 

Último (20)

2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 

Fund I Mód III Rot 3

  • 1. Federação Espírita Brasileira Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita Programa Fundamental – Tomo I Módulo III Deus Apresentar Deus como a inteligência suprema e a causa primeira de todas as coisas. Objetivo Geral
  • 2. Roteiro 1 – Existência de DEUS; Programa Fundamental – Tomo I Módulo III – Deus - Quatro Roteiros Roteiro 2 – Provas da existência de Deus ; Roteiro 3 – Atributos da divindade ; Roteiro 4 – A providência divina .
  • 3. Idéias Principais Estudadas A existência de Deus é um sentimento inato em todos nós. Deus não se mostra, mas se revela pelas suas obras. Não há efeito sem causa. Deus é a inteligência suprema, causa primeira de todas as coisas.
  • 4. Citar os atributos da divindade, segundo o Espiritismo, analisando-os; Programa Fundamental – Tomo I Módulo III - Deus Roteiro 3 – Atributos da Divindade Objetivos Específicos: Destacar a idéia de Deus ensinada por Jesus.
  • 5. DEUS Quem, senão Deus, criou obra tamanha, O espaço e o tempo, as amplidões e as eras, Onde se agitam turbilhões de esferas, Que a luz, a excelsa luz, aquece e banha?   Quem, senão ELE fez a esfinge estranha No segredo inviolável das moneras, No coração dos homens e das feras, No coração do mar e da montanha?   Deus!... somente o Eterno, o Impenetrável, Poderia criar o imensurável E o Universo infinito criaria!...   Suprema paz, intérmina piedade, E que habita na eterna claridade Das torrentes da Luz e da Harmonia! Antero de Quental
  • 6. Quais as principais idéias de Antero de Quental (espírito) nessa poesia acerca de DEUS?
  • 7. Antero de Quental, procura em sua poesia estabelecer alguns traços entre o Criador e sua obra, identificando características de ambos, as quais revelam o poder de Deus e de suas Leis no Universo.
  • 8. Embora ainda não possa o ser humano compreender a natureza íntima de Deus, porque lhe falta para isso o sentido, pode formar idéia de alguns de seus atributos. LE Q.10 Esclarecimentos Doutrinários Pode o homem compreender a natureza íntima de Deus? “Não; falta-lhe, para tanto, o sentido.”
  • 9. Mas, no estágio em que ele se encontra , a idéia que faz dos atributos divinos ainda é imperfeita, embora creia abranger tudo, no entanto, há coisas que estão acima da inteligência do homem mais inteligente. Esclarecimentos Doutrinários Será dado um dia ao homem compreender o mistério da Divindade? (LE q.11) Quando seu espírito não mais estiver obscurecido pela matéria e, pela sua perfeição, se houver aproximado de Deus, então o verá e o compreenderá.”
  • 10. “ (...) A razão, com efeito, vos diz que Deus deve possuir essas perfeições em grau supremo, por que, se tivesse uma só de menos, ou não a tivesse em grau infinito, não seria superior a tudo e, por conseguinte, não seria Deus. Para estar acima de todas as coisas, Deus não pode achar-se sujeito a nenhuma vicissitude, nem sofrer nenhuma das imperfeições que a imaginação possa conceber.” Quando dizemos que Deus é eterno, infinito, imutável, imaterial, único, onipotente, soberanamente justo e bom, não temos uma idéia completa de seus atributos? LE Q. 13 Esclarecimentos Doutrinários
  • 12. Atividades dos participantes 1. Ler os subsídios do Roteiro; 2. Estudar o atributo divino indicado; 3. Elaborar um texto que analise o atributo estudado; 4. Destacar a argumentação que liga o atributo à divindade.
  • 14. Vamos reler a poesia, DEUS, de Antero de Quental, e identificar no texto os atributos da Divindade
  • 15. DEUS Quem, senão Deus, criou obra tamanha, O espaço e o tempo, as amplidões e as eras, Onde se agitam turbilhões de esferas, Que a luz, a excelsa luz, aquece e banha?   Quem, senão ELE fez a esfinge estranha No segredo inviolável das moneras, No coração dos homens e das feras, No coração do mar e da montanha?   Deus!... somente o Eterno, o Impenetrável, Poderia criar o imensurável E o Universo infinito criaria!...   Suprema paz, intérmina piedade, E que habita na eterna claridade Das torrentes da Luz e da Harmonia! Antero de Quental
  • 16. Eternidade; Atributos da Divindade Imutabilidade e imaterialidade; Unicidade e Onipotência; Suprema e soberana inteligência; Soberana justiça e bondade; Perfeição infinita;
  • 17. Deus é eterno : Argumentação Se tivesse tido um começo, teria saído do nada, ou, então, teria sido criado por um ser anterior. Deus é imutável : Se estivesse sujeito a mudanças, as leis que regem o Universo não teriam nenhuma estabilidade. Deus é imaterial : Se fosse de natureza material estaria sujeito às transformações da matéria e, portanto, não seria imutável. LE Q.13
  • 18. Deus é único : Argumentação Se houvesse muitos deuses, não haveria unidade de vistas, nem unidade de poder na ordenação do Universo. Deus é onipotente : Se não tivesse o soberano poder, algo haveria mais poderoso ou tão poderoso quanto Ele, ou seja, poderia não ter feito todas as coisas e as que não tivesse feito seriam obra de outro Deus. Deus é soberanamente justo e bom : A sabedoria providencial das leis divinas, reveladas tanto nas menores com nas maiores coisas, não permite duvidar nem de sua justiça, nem de sua bondade. LE Q.13
  • 19. Finalmente ... Jesus, ao nos apresentar Deus como nosso Pai amoroso e justo, à espera de nossa contribuição no aperfeiçoamento da Obra Divina, como irmãos de uma grande família universal, nos deu a orientação segura do nosso papel na construção de um mundo fraterno para a suprema felicidade de todos nós.
  • 20. Fim

Notas do Editor

  1. O termo doutrina pode ser definido como o conjunto de princípios que servem de base a um sistema religioso , político , filosófico , científico , entre outros. A doutrina espírita, de modo geral, fundamenta-se nos seguintes pontos: a) na existência e unicidade de Deus, desconstruindo o dogma da Santíssima Trindade; b) na existência e imortalidade do Espírito, compreendido como individualidade inteligente da Criação Divina; c) na defesa da Reencarnação, como o mecanismo natural de aperfeiçoamento dos Espíritos; d) no conceito de criação igualitária para de todos os Espíritos, "simples e ignorantes" em sua origem, e destinados invariavelmente à perfeição ; e) na possibilidade de comunicação entre os espíritos encarnados ("vivos") e os espíritos desencarnados ("mortos"), através da mediunidade; f) na lei de causa e efeito, compreendida como mecanismo de retribuição ética universal a todos os espíritos.
  2. O termo doutrina pode ser definido como o conjunto de princípios que servem de base a um sistema religioso , político , filosófico , científico , entre outros. A doutrina espírita, de modo geral, fundamenta-se nos seguintes pontos: a) na existência e unicidade de Deus, desconstruindo o dogma da Santíssima Trindade; b) na existência e imortalidade do Espírito, compreendido como individualidade inteligente da Criação Divina; c) na defesa da Reencarnação, como o mecanismo natural de aperfeiçoamento dos Espíritos; d) no conceito de criação igualitária para de todos os Espíritos, "simples e ignorantes" em sua origem, e destinados invariavelmente à perfeição ; e) na possibilidade de comunicação entre os espíritos encarnados ("vivos") e os espíritos desencarnados ("mortos"), através da mediunidade; f) na lei de causa e efeito, compreendida como mecanismo de retribuição ética universal a todos os espíritos.
  3. O termo doutrina pode ser definido como o conjunto de princípios que servem de base a um sistema religioso , político , filosófico , científico , entre outros. A doutrina espírita, de modo geral, fundamenta-se nos seguintes pontos: a) na existência e unicidade de Deus, desconstruindo o dogma da Santíssima Trindade; b) na existência e imortalidade do Espírito, compreendido como individualidade inteligente da Criação Divina; c) na defesa da Reencarnação, como o mecanismo natural de aperfeiçoamento dos Espíritos; d) no conceito de criação igualitária para de todos os Espíritos, "simples e ignorantes" em sua origem, e destinados invariavelmente à perfeição ; e) na possibilidade de comunicação entre os espíritos encarnados ("vivos") e os espíritos desencarnados ("mortos"), através da mediunidade; f) na lei de causa e efeito, compreendida como mecanismo de retribuição ética universal a todos os espíritos.