SlideShare uma empresa Scribd logo
Moléculas Orgânicas,
Pequenas e Grandes.



             Profa. GRAÇA PORTO
 28.1
     Grupos          Grupos Funcionais em Moléculas
    Funcionais
 28.2            Orgânicas que contêm átomos de C, O e N
     Isomeria
 28.3
     Polímeros
    Sintéticos      • Grupo funcional: é um átomo (não metálico) ou um
 28.4
     Polímeros     pequeno grupo de átomos ligados ao carbono que dá
    Naturais        determinadas características específicas a uma família
                    de compostos.
                     Ex.: Hidroxila => álcoois


                    • Veremos nesta apresentação alguns grupos
                    funcionais mais comuns:
                         Compostos organoclorados;
                         Álcoois;
                         Ácidos carboxílicos;
                         Ésteres;
                         Aminas.
 28.1
     Grupos
    Funcionais             Compostos Organoclorados
 28.2
     Isomeria
 28.3
     Polímeros   • Formação mais comum:
    Sintéticos
 28.4
                  Hidrocarbonetos + Cloro => Organoclorado + hidrogênio
     Polímeros    Exemplo: Compostos Simples:
    Naturais




                      Muitos deles são tóxicos (nocivos ao meio em
                               determinadas quantidades)
 28.1
     Grupos      Alguns compostos Organoclorados
    Funcionais
 28.2
     Isomeria
 28.3
     Polímeros
    Sintéticos
 28.4
     Polímeros
    Naturais
 28.1                                      Álcoois
     Grupos
    Funcionais
 28.2             • Podem ser considerados derivados dos hidrocarbonetos
     Isomeria     pela substituição de um ou mais átomos de H por grupos
 28.3
     Polímeros    –OH (Hidroxila).
    Sintéticos      Exemplo de dois álcoois mais importantes:
 28.4
     Polímeros
    Naturais




                   • Metanol pode ser obtido por:




                  • Uso do metanol: combustível (avião), solvente, aditivo, etc.
                  • O metanol é venenoso e pode causar cegueira ou morte.
 28.1            • Etanol pode ser obtido na fermentação de cereais ou
     Grupos      açúcar:
    Funcionais
 28.2
     Isomeria
 28.3
     Polímeros    • Uso: Bebidas alcoólicas em várias concentrações.
    Sintéticos
 28.4             • Via sintética para a produção de etanol:
     Polímeros
    Naturais




                  • Alguns álcoois têm dois ou mais grupos de –OH:




                  Glicol é usado em anticongelantes e o glicerol é usado
                  em remédios, plásticos e explosivos (Nitroglicerina).
 28.1
     Grupos
    Funcionais                   Ácidos Carboxílicos
 28.2
     Isomeria
 28.3
     Polímeros
    Sintéticos    • Podem sem considerados como derivados dos
 28.4
     Polímeros
                  hidrocarbonetos pela substituição de um ou mais átomos
    Naturais      de H por um grupo carboxila –C–OH ou –COOH.




                                              =O
                  • O ácido carboxílico mais comum é o Ácido Acético:
 28.1            • Ácidos Carboxílicos de Ocorrência Natural:
     Grupos
    Funcionais
 28.2
     Isomeria
 28.3
     Polímeros
    Sintéticos
 28.4
     Polímeros
    Naturais
 28.1                                     Ésteres
     Grupos
    Funcionais      • Resultado da reação entre um ácido carboxílico e um
 28.2
     Isomeria
                    álcool, o éster tem como grupo funcional o radial –C –O –




                                                                     =O
 28.3
     Polímeros     ou –COO–.
    Sintéticos
 28.4              • Reação típica para a formação de um éster:
     Polímeros
    Naturais




                  • Uso: Aromatizantes, solventes e plásticos.
                  • Gorduras animais e óleos vegetais são ésteres de ácidos
                  carboxílicos de cadeias longas com o glicerol.
                   Exemplo:
 28.1                                    Aminas
     Grupos       • Podem ser consideradas como derivadas da amônia, NH 3,
    Funcionais
 28.2             pela substituição de um ou mais átomos de H por grupos de
     Isomeria     hidrocarbonetos.
 28.3
     Polímeros
                   • Temos:
    Sintéticos          Aminas primárias (1 átomo de H é substituída);
 28.4                  Aminas secundárias;
     Polímeros
    Naturais            Aminas terciárias.
                    Alguns exemplos:




                  • Alguns exemplos de aminas naturais:
 28.1
     Grupos
    Funcionais
                  Isomerismo em Compostos Orgânicos
 28.2
     Isomeria
 28.3
                  • Isômeros são Compostos totalmente diferentes, com
     Polímeros   propriedades diferentes, mas que apresentam a mesma
    Sintéticos    fórmula molecular.
 28.4
     Polímeros
    Naturais
                             Isômeros Estruturais:

                  • São Compostos que apresentam diferenças em suas
                  estruturas
                   Exemplo: Isômeros de C4H8.
 28.1
     Grupos
    Funcionais              Isômeros Geométricos
 28.2
     Isomeria
 28.3
     Polímeros   • São compostos que apresentam uma ligação dupla
    Sintéticos
 28.4            ou tripla entre Carbonos, porém os grupos ligantes
     Polímeros   desses carbonos necessariamente são diferentes.
    Naturais
                  Quando os grupos ligantes de maior massa ficam
                  próximos, esse é o composto cis, e quando ficam
                  distantes, chama-se de compostos trans.
 28.1
     Grupos
    Funcionais
                                 Isômeros Óticos
 28.2
     Isomeria
 28.3            • Ocorre quando pelo menos um átomo de carbono
     Polímeros
    Sintéticos
                  está ligado a quatro grupos de átomos diferentes. Os
 28.4            isômeros são grupos “espelhados”, as moléculas não
     Polímeros
    Naturais
                  podem ser sobrepostas de modo que os grupos
                  idênticos se toquem. São chamados também de
                  enanciômeros.
 28.1              • Os isômeros óticos são definidos devido ao efeito da
     Grupos
    Funcionais
                    luz plano-polarizada. Uma mistura em que está
 28.2              presente quantidades iguais dos isômeros, é chamada
     Isomeria      de mistura racêmica.
 28.3
     Polímeros
    Sintéticos
 28.4
     Polímeros
    Naturais




            • Os enanciômeros são assemelhados por suas propriedades
            físicas e químicas, porém diferencia-se em atividades fisiológicas.
 28.1
     Grupos
    Funcionais
                               Polímeros Sintéticos
 28.2
     Isomeria
                  • Geralmente contêm apenas um ou dois tipos diferentes
 28.3
     Polímeros   de monômeros, unidos em cadeias que podem ter milhares
    Sintéticos    de unidades.
 28.4
     Polímeros
    Naturais
                  • Estes polímeros são divididos em grupos gerais:

                      Polímeros de adição, nos quais as unidades
                     monoméricas adicionam-se diretamente um a outra.
                      Polímeros de condensação, nos quais as unidades
                     monoméricas combinam-se eliminando uma molécula
                     pequena (geralmente água).
 28.1
     Grupos
    Funcionais
                                 Polímeros de adição
 28.2
     Isomeria
                  • Normalmente o monômero formador de um polímero de
 28.3
     Polímeros   adição contém uma ligação dupla que, ao ser polimerizado,
    Sintéticos    a ligação dupla é convertida em uma ligação simples:
 28.4
     Polímeros
    Naturais




                  • Como exemplo temos polietileno:




                   Obs.: n é um número inteiro bem grande, cerca de
                   2000.
 28.1
     Grupos      • Formação de polietileno via radical livre:
    Funcionais
 28.2
     Isomeria
 28.3
     Polímeros
    Sintéticos
 28.4
     Polímeros
    Naturais

                    Obs.: X é um radical livre que desencadeia a reação.


                  • As propriedades de um polímero dependem, em parte, do
                  teor de ramificação, gerando, por exemplo, polímeros mais
                  ou menos maleáveis.

                  • Como exemplo temos dois tipos de plásticos de polietileno:
                     Polietileno não ramificado ou linear (menos maleável).
                     Polietileno ramificado (mais maleável);
 28.1            • Alguns polímeros de adição comuns:
     Grupos
    Funcionais
 28.2
     Isomeria
 28.3
     Polímeros
    Sintéticos
 28.4
     Polímeros
    Naturais
 28.1
     Grupos
    Funcionais
                            Polímeros de Condensação
 28.2
     Isomeria
 28.3            • Na formação desde tipo de polímero, unidades de
       Polímeros monômero combinam-se eliminando uma molécula
      Sintéticos
   28.4
                  pequena, geralmente água.
      Polímeros
     Naturais      • De modo geral, estão envolvidos dois monômeros
                   diferentes, onde cada um deles tem um grupo funcional.




                   • Os dois polímeros mais comuns são os poliésteres e os
                   poliamidas
 28.1
     Grupos
    Funcionais
                          Poliéster
 28.2
     Isomeria    • Formado quando um álcool diidroxilico, HO–R–OH,
 28.3
                  reage com um álcool dicarboxílico, HOOC–R’–COOH:
     Polímeros
    Sintéticos
 28.4
     Polímeros
    Naturais




                  Obs.: Esta reação pode continuar, levando a formação
                  de um polímero de cadeia longa.

                  • Estrutura geral do poliéster:




                  • Uso: revestimentos de estruturas.
 28.1
     Grupos
    Funcionais
                       Poliamidas
 28.2
     Isomeria    • É obtido pela reação de uma diamina com um ácido
 28.3
                  carboxílico:
     Polímeros
    Sintéticos
 28.4
     Polímeros
    Naturais



                  • Esta condensação pode prosseguir formando um polímero
                  de cadeia longa com centenas de unidades.
                   Exemplo de poliamida: Nylon, com vários tipos de
                  estruturas , eles são usados frequentemente como matéria-
                  prima na indústria têxtil (malhas).
 28.1
     Grupos                   Polímeros Naturais
    Funcionais
 28.2
     Isomeria    • Polímeros naturais são aqueles produzidos por plantas
 28.3            e animais, como a celulose e as proteínas. Esses
     Polímeros
    Sintéticos    polímeros são essenciais a todas as formas de vida.
 28.4
     Polímeros
    Naturais
                                   Carboidratos
                  • Os carboidratos possuem fórmula geral Cn(H2O)n. Um
                  dos mais simples, a glicose, tem fórmula molecular
                  C6H12O6. A glicose em soluções aquosa consiste em um
                  equilíbrio de duas de suas formas, a alfa e a beta,
                  contendo 37% e 63% respectivamente.
 28.1
     Grupos      • Porém, a glicose geralmente é encontrada na natureza
    Funcionais    sob a forma combinada, uma molécula maior, como a
 28.2
     Isomeria    maltose.
 28.3            • A sacarose, o nosso “açúcar” familiar, é um dímero
     Polímeros
    Sintéticos
                  formado pelo α-glicose e a frutose:
 28.4
     Polímeros
    Naturais




                  • O amido é um carboidrato formado pela continuação
                  do processo de polimerização apresentado. Ele é, na
                  verdade, formado por 20% de amilose, um dos tipos de
                  polímeros de α-glicose, e o restante de amilopectina.
                  Essa união consiste em um número superior a 1000
                  monômeros
 28.1
     Grupos
    Funcionais
 28.2
     Isomeria
 28.3
     Polímeros
    Sintéticos
 28.4
     Polímeros
    Naturais




                  • A celulose diferencia-se do amido pelo modo que as
                  unidades de glicose são unidas. No amido, são unidas as
                  α-glicose, e na celulose, os β-glicose. Com isto, a celulose
                  não pode ser digerida pelo homem, pois não possuímos
                  enzimas para catalisar a hidrólise das ligações β, e estas
                  não digeridas se mantêm sobre a forma de “fibras”.
 28.1
     Grupos
    Funcionais
 28.2
     Isomeria    • A estrutura da celulose permite uma forte ligação com o
 28.3
     Polímeros
                  hidrogênio, resultando em formação de fortes fibras
    Sintéticos    resistentes à água, como as de algodão. O algodão
 28.4            possui uma resistência à tração superior à do aço!
     Polímeros
    Naturais
 28.1
     Grupos
                                      Proteínas
    Funcionais
 28.2            • As proteínas representam cerca de 15% do nosso
     Isomeria    corpo, são os cabelos, músculos, hormônios, enzimas,
 28.3
     Polímeros   entre outros.
    Sintéticos    • Os polímeros naturais conhecidos como proteínas
 28.4
                  apresentam as monômeros α-aminoácidos ou α-
     Polímeros
    Naturais
                  aminados.




                  • Existem 20 diferentes α-aminoácidos que formam as
                  proteínas. Duas moléculas de aminoácidos combinam-se
                  da seguinte forma:
 28.1            • Tabela de Aminoácidos
     Grupos
    Funcionais
 28.2
     Isomeria
 28.3
     Polímeros
    Sintéticos
 28.4
     Polímeros
    Naturais
 28.1
     Grupos         • Assim, prosseguindo a condensação, damos origem a
    Funcionais       denominadas proteínas, que são representadas por:
 28.2
     Isomeria
 28.3
     Polímeros
    Sintéticos
 28.4
     Polímeros
    Naturais




                     • A parte da proteína circulada é a chamada Ligação
                     Peptídica, característica das proteínas.

                  • Não é tarefa fácil identificar os aminoácidos presentes em
                  uma cadeia protéica. Imagine uma cadeia com 50
                  aminoácidos, então teremos 2050 = 1065 possíveis proteínas.
                  Porém, este tipo de análise tem sido feita, sendo a insulina a
                  primeira a ser seqüenciada.
 28.1
     Grupos
    Funcionais
 28.2
     Isomeria
 28.3
     Polímeros
    Sintéticos
 28.4
     Polímeros
    Naturais




                  • No corpo humano, essas proteínas são feitas por uma
                  série de reações, que produzem uma seqüência de
                  aminoácidos. Erros nessa seqüência, como a substituição
                  de um aminoácido em 146, produz a doença conhecida
                  como anemia falciforme. Outros “pequenos” erros podem
                  levar à Hemofilia e ao Albinismo.
                  • Há dois modos de orientação de uma cadeia protéica:
 28.1
     Grupos
    Funcionais
 28.2             Uma estrutura de folha pregueada, como as fibras da
     Isomeria    seda e os músculos:
 28.3
     Polímeros
    Sintéticos
 28.4
     Polímeros
    Naturais
 28.1
     Grupos       Uma estrutura espiral, denominada hélice-α, como a lã,
    Funcionais    cabelo, pele, penas e unhas.
 28.2
     Isomeria
 28.3
     Polímeros
    Sintéticos
 28.4
     Polímeros
    Naturais
Funcoes organicas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
Carlos Henrique
 
Lista de materiais de química
Lista de materiais de químicaLista de materiais de química
Lista de materiais de química
Nai Mariano
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
Marília Gomes
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
CatarinaNeivas
 
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptxAula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
ThonJovita
 
Fich informativa material de laboratorio,regras e simbolos
Fich informativa  material de laboratorio,regras e simbolosFich informativa  material de laboratorio,regras e simbolos
Fich informativa material de laboratorio,regras e simbolos
Marta Gonçalves
 
Frei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - TempoFrei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - Tempo
nelsonalves70
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
beonline5
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
Alvaro Galdos
 
Aula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento CientíficoAula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento Científico
Ghiordanno Bruno
 
Bem estar animal
Bem estar animalBem estar animal
Bem estar animal
Ana Costa
 
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
António Padrão
 
Aminoacidos e Proteinas
Aminoacidos e ProteinasAminoacidos e Proteinas
Carboidratos1.2
Carboidratos1.2Carboidratos1.2
Carboidratos1.2
alevilaca
 
Prática de Regressão no SPSS
Prática de Regressão no SPSSPrática de Regressão no SPSS
Prática de Regressão no SPSS
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obra
Helena Coutinho
 
Biodigestor na suinocultura
Biodigestor na suinoculturaBiodigestor na suinocultura
Biodigestor na suinocultura
Evangela Gielow
 
Redação científica
Redação científicaRedação científica
Redação científica
Aparecido Oliveira
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
António Daniel
 

Mais procurados (20)

Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Lista de materiais de química
Lista de materiais de químicaLista de materiais de química
Lista de materiais de química
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptxAula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
 
Fich informativa material de laboratorio,regras e simbolos
Fich informativa  material de laboratorio,regras e simbolosFich informativa  material de laboratorio,regras e simbolos
Fich informativa material de laboratorio,regras e simbolos
 
Frei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - TempoFrei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - Tempo
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
 
Aula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento CientíficoAula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento Científico
 
Bem estar animal
Bem estar animalBem estar animal
Bem estar animal
 
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
 
Aminoacidos e Proteinas
Aminoacidos e ProteinasAminoacidos e Proteinas
Aminoacidos e Proteinas
 
Carboidratos1.2
Carboidratos1.2Carboidratos1.2
Carboidratos1.2
 
Prática de Regressão no SPSS
Prática de Regressão no SPSSPrática de Regressão no SPSS
Prática de Regressão no SPSS
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obra
 
Biodigestor na suinocultura
Biodigestor na suinoculturaBiodigestor na suinocultura
Biodigestor na suinocultura
 
Redação científica
Redação científicaRedação científica
Redação científica
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
 

Destaque

Classes funcionais Profª Ana Paula (Quimíca) - 3º C
Classes funcionais Profª Ana Paula (Quimíca) - 3º CClasses funcionais Profª Ana Paula (Quimíca) - 3º C
Classes funcionais Profª Ana Paula (Quimíca) - 3º C
liceuterceiroc
 
Teoria das práticas CE0880
Teoria das práticas  CE0880Teoria das práticas  CE0880
Teoria das práticas CE0880
José Nunes da Silva Jr.
 
Aminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínasAminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínas
Rafael Gomes
 
Carboidrato e vitaminas
Carboidrato  e vitaminasCarboidrato  e vitaminas
Carboidrato e vitaminas
cristinabio
 
Proteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - Nutrição
Proteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - NutriçãoProteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - Nutrição
Proteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - Nutrição
alderlanlima
 
Interações biológicas nos ecossistemas- PROFESSORA MARIA INÊS
Interações biológicas nos ecossistemas- PROFESSORA MARIA INÊSInterações biológicas nos ecossistemas- PROFESSORA MARIA INÊS
Interações biológicas nos ecossistemas- PROFESSORA MARIA INÊS
Sala Guião
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
Valdete Zorate
 
Hidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasilHidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasil
Cica2010
 
Restinga - nacional
Restinga - nacional Restinga - nacional
Restinga - nacional
Élica Dias
 
Manguezais
ManguezaisManguezais
Origem dos oceanos
Origem dos oceanosOrigem dos oceanos
Origem dos oceanos
Pessoal
 
Aula2 caracteristicas dos oceanos e mares
Aula2 caracteristicas dos oceanos e maresAula2 caracteristicas dos oceanos e mares
Aula2 caracteristicas dos oceanos e mares
Marcos Lira
 
Dinâmica dolitoral powerpoint
Dinâmica dolitoral powerpointDinâmica dolitoral powerpoint
Dinâmica dolitoral powerpoint
Geografias Geo
 
MoléCulas OrgáNicas
MoléCulas OrgáNicasMoléCulas OrgáNicas
MoléCulas OrgáNicas
Verónica Rosso
 
A taxonomia e a nomenclatura em animais
A taxonomia e a nomenclatura em animaisA taxonomia e a nomenclatura em animais
A taxonomia e a nomenclatura em animais
Adrianne Mendonça
 
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
MenadeJesus
 
1 ocupação antrópica - zonas costeiras
1   ocupação antrópica - zonas costeiras1   ocupação antrópica - zonas costeiras
1 ocupação antrópica - zonas costeiras
margaridabt
 
Moleculas Organicas
Moleculas OrganicasMoleculas Organicas
Moleculas Organicas
quezadaana91
 
Nomenclatura zoológica Aula 2
Nomenclatura zoológica Aula 2Nomenclatura zoológica Aula 2
Nomenclatura zoológica Aula 2
Henrique Zini
 
Nomenclatura cientifica
Nomenclatura cientificaNomenclatura cientifica
Nomenclatura cientifica
afoxxy
 

Destaque (20)

Classes funcionais Profª Ana Paula (Quimíca) - 3º C
Classes funcionais Profª Ana Paula (Quimíca) - 3º CClasses funcionais Profª Ana Paula (Quimíca) - 3º C
Classes funcionais Profª Ana Paula (Quimíca) - 3º C
 
Teoria das práticas CE0880
Teoria das práticas  CE0880Teoria das práticas  CE0880
Teoria das práticas CE0880
 
Aminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínasAminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínas
 
Carboidrato e vitaminas
Carboidrato  e vitaminasCarboidrato  e vitaminas
Carboidrato e vitaminas
 
Proteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - Nutrição
Proteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - NutriçãoProteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - Nutrição
Proteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - Nutrição
 
Interações biológicas nos ecossistemas- PROFESSORA MARIA INÊS
Interações biológicas nos ecossistemas- PROFESSORA MARIA INÊSInterações biológicas nos ecossistemas- PROFESSORA MARIA INÊS
Interações biológicas nos ecossistemas- PROFESSORA MARIA INÊS
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
 
Hidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasilHidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasil
 
Restinga - nacional
Restinga - nacional Restinga - nacional
Restinga - nacional
 
Manguezais
ManguezaisManguezais
Manguezais
 
Origem dos oceanos
Origem dos oceanosOrigem dos oceanos
Origem dos oceanos
 
Aula2 caracteristicas dos oceanos e mares
Aula2 caracteristicas dos oceanos e maresAula2 caracteristicas dos oceanos e mares
Aula2 caracteristicas dos oceanos e mares
 
Dinâmica dolitoral powerpoint
Dinâmica dolitoral powerpointDinâmica dolitoral powerpoint
Dinâmica dolitoral powerpoint
 
MoléCulas OrgáNicas
MoléCulas OrgáNicasMoléCulas OrgáNicas
MoléCulas OrgáNicas
 
A taxonomia e a nomenclatura em animais
A taxonomia e a nomenclatura em animaisA taxonomia e a nomenclatura em animais
A taxonomia e a nomenclatura em animais
 
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
 
1 ocupação antrópica - zonas costeiras
1   ocupação antrópica - zonas costeiras1   ocupação antrópica - zonas costeiras
1 ocupação antrópica - zonas costeiras
 
Moleculas Organicas
Moleculas OrganicasMoleculas Organicas
Moleculas Organicas
 
Nomenclatura zoológica Aula 2
Nomenclatura zoológica Aula 2Nomenclatura zoológica Aula 2
Nomenclatura zoológica Aula 2
 
Nomenclatura cientifica
Nomenclatura cientificaNomenclatura cientifica
Nomenclatura cientifica
 

Semelhante a Funcoes organicas

INTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptx
INTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptxINTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptx
INTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptx
JorzanaMarques1
 
Polímeros (1) na era da nova educação no mundo
Polímeros (1) na era da nova educação no mundoPolímeros (1) na era da nova educação no mundo
Polímeros (1) na era da nova educação no mundo
EdnaMoreira37
 
Introdução à química orgânica
Introdução à química orgânicaIntrodução à química orgânica
Introdução à química orgânica
Maria Naves Ribeiro Lopes
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
psfescola
 
Polímeros.pptx.pdf
Polímeros.pptx.pdfPolímeros.pptx.pdf
Polímeros.pptx.pdf
JliaAndrade36
 
Aula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerizaçãoAula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerização
Profª Alda Ernestina
 

Semelhante a Funcoes organicas (6)

INTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptx
INTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptxINTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptx
INTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptx
 
Polímeros (1) na era da nova educação no mundo
Polímeros (1) na era da nova educação no mundoPolímeros (1) na era da nova educação no mundo
Polímeros (1) na era da nova educação no mundo
 
Introdução à química orgânica
Introdução à química orgânicaIntrodução à química orgânica
Introdução à química orgânica
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
 
Polímeros.pptx.pdf
Polímeros.pptx.pdfPolímeros.pptx.pdf
Polímeros.pptx.pdf
 
Aula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerizaçãoAula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerização
 

Mais de Fernando Lucas

Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
Fernando Lucas
 
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batistaForca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Fernando Lucas
 
Momento linear e impulso
Momento linear e impulsoMomento linear e impulso
Momento linear e impulso
Fernando Lucas
 
Aula4 introbusto
Aula4 introbustoAula4 introbusto
Aula4 introbusto
Fernando Lucas
 
Teoria ácido base
Teoria ácido baseTeoria ácido base
Teoria ácido base
Fernando Lucas
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
Fernando Lucas
 
As regras da cadeia
As regras da cadeiaAs regras da cadeia
As regras da cadeia
Fernando Lucas
 
Hipérbole
HipérboleHipérbole
Hipérbole
Fernando Lucas
 
Elipse
ElipseElipse
Parábola
ParábolaParábola
Parábola
Fernando Lucas
 
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavaresMovimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Fernando Lucas
 
Eletro relat - brett
Eletro relat - brettEletro relat - brett
Eletro relat - brett
Fernando Lucas
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
Fernando Lucas
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
Fernando Lucas
 
Petroleo3
Petroleo3Petroleo3
Petroleo3
Fernando Lucas
 
Petroleo2
Petroleo2Petroleo2
Petroleo2
Fernando Lucas
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
Fernando Lucas
 
Organica completa
Organica completaOrganica completa
Organica completa
Fernando Lucas
 
Nitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicosNitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicos
Fernando Lucas
 
Lipidios
LipidiosLipidios
Lipidios
Fernando Lucas
 

Mais de Fernando Lucas (20)

Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batistaForca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
 
Momento linear e impulso
Momento linear e impulsoMomento linear e impulso
Momento linear e impulso
 
Aula4 introbusto
Aula4 introbustoAula4 introbusto
Aula4 introbusto
 
Teoria ácido base
Teoria ácido baseTeoria ácido base
Teoria ácido base
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
 
As regras da cadeia
As regras da cadeiaAs regras da cadeia
As regras da cadeia
 
Hipérbole
HipérboleHipérbole
Hipérbole
 
Elipse
ElipseElipse
Elipse
 
Parábola
ParábolaParábola
Parábola
 
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavaresMovimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
 
Eletro relat - brett
Eletro relat - brettEletro relat - brett
Eletro relat - brett
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Petroleo3
Petroleo3Petroleo3
Petroleo3
 
Petroleo2
Petroleo2Petroleo2
Petroleo2
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
 
Organica completa
Organica completaOrganica completa
Organica completa
 
Nitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicosNitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicos
 
Lipidios
LipidiosLipidios
Lipidios
 

Funcoes organicas

  • 1. Moléculas Orgânicas, Pequenas e Grandes. Profa. GRAÇA PORTO
  • 2.  28.1  Grupos Grupos Funcionais em Moléculas Funcionais  28.2 Orgânicas que contêm átomos de C, O e N  Isomeria  28.3  Polímeros Sintéticos • Grupo funcional: é um átomo (não metálico) ou um  28.4  Polímeros pequeno grupo de átomos ligados ao carbono que dá Naturais determinadas características específicas a uma família de compostos. Ex.: Hidroxila => álcoois • Veremos nesta apresentação alguns grupos funcionais mais comuns:  Compostos organoclorados;  Álcoois;  Ácidos carboxílicos;  Ésteres;  Aminas.
  • 3.  28.1  Grupos Funcionais Compostos Organoclorados  28.2  Isomeria  28.3  Polímeros • Formação mais comum: Sintéticos  28.4 Hidrocarbonetos + Cloro => Organoclorado + hidrogênio  Polímeros Exemplo: Compostos Simples: Naturais Muitos deles são tóxicos (nocivos ao meio em determinadas quantidades)
  • 4.  28.1  Grupos Alguns compostos Organoclorados Funcionais  28.2  Isomeria  28.3  Polímeros Sintéticos  28.4  Polímeros Naturais
  • 5.  28.1 Álcoois  Grupos Funcionais  28.2 • Podem ser considerados derivados dos hidrocarbonetos  Isomeria pela substituição de um ou mais átomos de H por grupos  28.3  Polímeros –OH (Hidroxila). Sintéticos Exemplo de dois álcoois mais importantes:  28.4  Polímeros Naturais • Metanol pode ser obtido por: • Uso do metanol: combustível (avião), solvente, aditivo, etc. • O metanol é venenoso e pode causar cegueira ou morte.
  • 6.  28.1 • Etanol pode ser obtido na fermentação de cereais ou  Grupos açúcar: Funcionais  28.2  Isomeria  28.3  Polímeros • Uso: Bebidas alcoólicas em várias concentrações. Sintéticos  28.4 • Via sintética para a produção de etanol:  Polímeros Naturais • Alguns álcoois têm dois ou mais grupos de –OH: Glicol é usado em anticongelantes e o glicerol é usado em remédios, plásticos e explosivos (Nitroglicerina).
  • 7.  28.1  Grupos Funcionais Ácidos Carboxílicos  28.2  Isomeria  28.3  Polímeros Sintéticos • Podem sem considerados como derivados dos  28.4  Polímeros hidrocarbonetos pela substituição de um ou mais átomos Naturais de H por um grupo carboxila –C–OH ou –COOH. =O • O ácido carboxílico mais comum é o Ácido Acético:
  • 8.  28.1 • Ácidos Carboxílicos de Ocorrência Natural:  Grupos Funcionais  28.2  Isomeria  28.3  Polímeros Sintéticos  28.4  Polímeros Naturais
  • 9.  28.1 Ésteres  Grupos Funcionais • Resultado da reação entre um ácido carboxílico e um  28.2  Isomeria álcool, o éster tem como grupo funcional o radial –C –O – =O  28.3  Polímeros ou –COO–. Sintéticos  28.4 • Reação típica para a formação de um éster:  Polímeros Naturais • Uso: Aromatizantes, solventes e plásticos. • Gorduras animais e óleos vegetais são ésteres de ácidos carboxílicos de cadeias longas com o glicerol. Exemplo:
  • 10.  28.1 Aminas  Grupos • Podem ser consideradas como derivadas da amônia, NH 3, Funcionais  28.2 pela substituição de um ou mais átomos de H por grupos de  Isomeria hidrocarbonetos.  28.3  Polímeros • Temos: Sintéticos  Aminas primárias (1 átomo de H é substituída);  28.4  Aminas secundárias;  Polímeros Naturais  Aminas terciárias. Alguns exemplos: • Alguns exemplos de aminas naturais:
  • 11.  28.1  Grupos Funcionais Isomerismo em Compostos Orgânicos  28.2  Isomeria  28.3 • Isômeros são Compostos totalmente diferentes, com  Polímeros propriedades diferentes, mas que apresentam a mesma Sintéticos fórmula molecular.  28.4  Polímeros Naturais Isômeros Estruturais: • São Compostos que apresentam diferenças em suas estruturas Exemplo: Isômeros de C4H8.
  • 12.  28.1  Grupos Funcionais Isômeros Geométricos  28.2  Isomeria  28.3  Polímeros • São compostos que apresentam uma ligação dupla Sintéticos  28.4 ou tripla entre Carbonos, porém os grupos ligantes  Polímeros desses carbonos necessariamente são diferentes. Naturais Quando os grupos ligantes de maior massa ficam próximos, esse é o composto cis, e quando ficam distantes, chama-se de compostos trans.
  • 13.  28.1  Grupos Funcionais Isômeros Óticos  28.2  Isomeria  28.3 • Ocorre quando pelo menos um átomo de carbono  Polímeros Sintéticos está ligado a quatro grupos de átomos diferentes. Os  28.4 isômeros são grupos “espelhados”, as moléculas não  Polímeros Naturais podem ser sobrepostas de modo que os grupos idênticos se toquem. São chamados também de enanciômeros.
  • 14.  28.1 • Os isômeros óticos são definidos devido ao efeito da  Grupos Funcionais luz plano-polarizada. Uma mistura em que está  28.2 presente quantidades iguais dos isômeros, é chamada  Isomeria de mistura racêmica.  28.3  Polímeros Sintéticos  28.4  Polímeros Naturais • Os enanciômeros são assemelhados por suas propriedades físicas e químicas, porém diferencia-se em atividades fisiológicas.
  • 15.  28.1  Grupos Funcionais Polímeros Sintéticos  28.2  Isomeria • Geralmente contêm apenas um ou dois tipos diferentes  28.3  Polímeros de monômeros, unidos em cadeias que podem ter milhares Sintéticos de unidades.  28.4  Polímeros Naturais • Estes polímeros são divididos em grupos gerais:  Polímeros de adição, nos quais as unidades monoméricas adicionam-se diretamente um a outra.  Polímeros de condensação, nos quais as unidades monoméricas combinam-se eliminando uma molécula pequena (geralmente água).
  • 16.  28.1  Grupos Funcionais Polímeros de adição  28.2  Isomeria • Normalmente o monômero formador de um polímero de  28.3  Polímeros adição contém uma ligação dupla que, ao ser polimerizado, Sintéticos a ligação dupla é convertida em uma ligação simples:  28.4  Polímeros Naturais • Como exemplo temos polietileno: Obs.: n é um número inteiro bem grande, cerca de 2000.
  • 17.  28.1  Grupos • Formação de polietileno via radical livre: Funcionais  28.2  Isomeria  28.3  Polímeros Sintéticos  28.4  Polímeros Naturais Obs.: X é um radical livre que desencadeia a reação. • As propriedades de um polímero dependem, em parte, do teor de ramificação, gerando, por exemplo, polímeros mais ou menos maleáveis. • Como exemplo temos dois tipos de plásticos de polietileno: Polietileno não ramificado ou linear (menos maleável). Polietileno ramificado (mais maleável);
  • 18.  28.1 • Alguns polímeros de adição comuns:  Grupos Funcionais  28.2  Isomeria  28.3  Polímeros Sintéticos  28.4  Polímeros Naturais
  • 19.  28.1  Grupos Funcionais Polímeros de Condensação  28.2  Isomeria  28.3 • Na formação desde tipo de polímero, unidades de  Polímeros monômero combinam-se eliminando uma molécula Sintéticos  28.4 pequena, geralmente água.  Polímeros Naturais • De modo geral, estão envolvidos dois monômeros diferentes, onde cada um deles tem um grupo funcional. • Os dois polímeros mais comuns são os poliésteres e os poliamidas
  • 20.  28.1  Grupos Funcionais Poliéster  28.2  Isomeria • Formado quando um álcool diidroxilico, HO–R–OH,  28.3 reage com um álcool dicarboxílico, HOOC–R’–COOH:  Polímeros Sintéticos  28.4  Polímeros Naturais Obs.: Esta reação pode continuar, levando a formação de um polímero de cadeia longa. • Estrutura geral do poliéster: • Uso: revestimentos de estruturas.
  • 21.  28.1  Grupos Funcionais Poliamidas  28.2  Isomeria • É obtido pela reação de uma diamina com um ácido  28.3 carboxílico:  Polímeros Sintéticos  28.4  Polímeros Naturais • Esta condensação pode prosseguir formando um polímero de cadeia longa com centenas de unidades. Exemplo de poliamida: Nylon, com vários tipos de estruturas , eles são usados frequentemente como matéria- prima na indústria têxtil (malhas).
  • 22.  28.1  Grupos Polímeros Naturais Funcionais  28.2  Isomeria • Polímeros naturais são aqueles produzidos por plantas  28.3 e animais, como a celulose e as proteínas. Esses  Polímeros Sintéticos polímeros são essenciais a todas as formas de vida.  28.4  Polímeros Naturais Carboidratos • Os carboidratos possuem fórmula geral Cn(H2O)n. Um dos mais simples, a glicose, tem fórmula molecular C6H12O6. A glicose em soluções aquosa consiste em um equilíbrio de duas de suas formas, a alfa e a beta, contendo 37% e 63% respectivamente.
  • 23.  28.1  Grupos • Porém, a glicose geralmente é encontrada na natureza Funcionais sob a forma combinada, uma molécula maior, como a  28.2  Isomeria maltose.  28.3 • A sacarose, o nosso “açúcar” familiar, é um dímero  Polímeros Sintéticos formado pelo α-glicose e a frutose:  28.4  Polímeros Naturais • O amido é um carboidrato formado pela continuação do processo de polimerização apresentado. Ele é, na verdade, formado por 20% de amilose, um dos tipos de polímeros de α-glicose, e o restante de amilopectina. Essa união consiste em um número superior a 1000 monômeros
  • 24.  28.1  Grupos Funcionais  28.2  Isomeria  28.3  Polímeros Sintéticos  28.4  Polímeros Naturais • A celulose diferencia-se do amido pelo modo que as unidades de glicose são unidas. No amido, são unidas as α-glicose, e na celulose, os β-glicose. Com isto, a celulose não pode ser digerida pelo homem, pois não possuímos enzimas para catalisar a hidrólise das ligações β, e estas não digeridas se mantêm sobre a forma de “fibras”.
  • 25.  28.1  Grupos Funcionais  28.2  Isomeria • A estrutura da celulose permite uma forte ligação com o  28.3  Polímeros hidrogênio, resultando em formação de fortes fibras Sintéticos resistentes à água, como as de algodão. O algodão  28.4 possui uma resistência à tração superior à do aço!  Polímeros Naturais
  • 26.  28.1  Grupos Proteínas Funcionais  28.2 • As proteínas representam cerca de 15% do nosso  Isomeria corpo, são os cabelos, músculos, hormônios, enzimas,  28.3  Polímeros entre outros. Sintéticos • Os polímeros naturais conhecidos como proteínas  28.4 apresentam as monômeros α-aminoácidos ou α-  Polímeros Naturais aminados. • Existem 20 diferentes α-aminoácidos que formam as proteínas. Duas moléculas de aminoácidos combinam-se da seguinte forma:
  • 27.  28.1 • Tabela de Aminoácidos  Grupos Funcionais  28.2  Isomeria  28.3  Polímeros Sintéticos  28.4  Polímeros Naturais
  • 28.  28.1  Grupos • Assim, prosseguindo a condensação, damos origem a Funcionais denominadas proteínas, que são representadas por:  28.2  Isomeria  28.3  Polímeros Sintéticos  28.4  Polímeros Naturais • A parte da proteína circulada é a chamada Ligação Peptídica, característica das proteínas. • Não é tarefa fácil identificar os aminoácidos presentes em uma cadeia protéica. Imagine uma cadeia com 50 aminoácidos, então teremos 2050 = 1065 possíveis proteínas. Porém, este tipo de análise tem sido feita, sendo a insulina a primeira a ser seqüenciada.
  • 29.  28.1  Grupos Funcionais  28.2  Isomeria  28.3  Polímeros Sintéticos  28.4  Polímeros Naturais • No corpo humano, essas proteínas são feitas por uma série de reações, que produzem uma seqüência de aminoácidos. Erros nessa seqüência, como a substituição de um aminoácido em 146, produz a doença conhecida como anemia falciforme. Outros “pequenos” erros podem levar à Hemofilia e ao Albinismo. • Há dois modos de orientação de uma cadeia protéica:
  • 30.  28.1  Grupos Funcionais  28.2  Uma estrutura de folha pregueada, como as fibras da  Isomeria seda e os músculos:  28.3  Polímeros Sintéticos  28.4  Polímeros Naturais
  • 31.  28.1  Grupos  Uma estrutura espiral, denominada hélice-α, como a lã, Funcionais cabelo, pele, penas e unhas.  28.2  Isomeria  28.3  Polímeros Sintéticos  28.4  Polímeros Naturais