SlideShare uma empresa Scribd logo
Frutos & Pseudofrutos Anderson, Angélica, Francielly, Lorena e Marielly
Frutos Após a fertilização, o óvulo se desenvolve e dá origem à semente, enquanto o ovário se transforma em frutos que quando maduros apresentam-se constituídos de pericarpo.
Estrutura dos Frutos Pericarpo
Frutos Na maioria dos casos é assim, porém há frutos que não têm semente em seu interior. São chamados frutos partenocárpicos (do grego parthenos, virgem, e karpos, fruto), que se desenvolvem sem a formação da sementes, como nas linhagens cultivadas de banana.
Classificação dos frutos – Quanto à origem carpelar Frutos simples: origina-se de uma flor com um único ovário. Ex.: tomate, pêssego e berinjela.
Classificação dos frutos – Quanto à origem carpelar Fruto agregado: origina-se de uma flor com vários ovários. Ex.: framboesa e morango.
Classificação dos frutos – Quanto à origem carpelar Fruto múltiplo: compõe-se de ovários de diversas flores. Ex.: Jaca, abacaxi.
Classificação dos frutos – Quanto à natureza do pericarpo Fruto carnoso: apresenta pericarpo suculento; pode ser do tipo baga ou tipo drupa.
Frutos Carnosos Baga: apresenta sementes livres, facilmente separáveis do fruto. Ex.: melancia, berinjela, pepino, uva, tomate, goiaba e laranja.
Frutos Carnosos Drupa: apresenta geralmente uma única semente aderida ao endocarpo, que é espesso e duro. Ex.: pêssego, azeitona, manga, abacate e coco-da-baía.
Frutos Secos Apresentam pericarpo não-suculento; podendo ser deiscente ou indeiscente.
Pseudofrutos Em algumas espécies, além do ovário, outras partes da flor crescem depois da fecundação e podem tornar-se comestíveis. Essas partes são denominadas pseudofrutos (do grego pseudes, falso). O cajú, é a parte dura no qual em seu interior se localiza a castanha-de-caju. A parte suculenta e comestível do cajú origina-se do desenvolvimento do pedicelo da flor e é, portanto um pseudofruto.
Pseudofrutos A  maçã e a pêra são outros exemplos de pseudofruto. O fruto verdadeiro é a parte central endurecida, de revestimento coriáceo,dentro do qual se localiza as sementes. As partes suculentas são pseudofrutos, uma vez que se originam do receptáculo floral.
Desenvolvimento do receptáculo floral na maçã
Pseudofruto Agregado O morango é um fruto agregado pois se origina de uma única flor com vários ovários. O desenvolvimento de cada ovário produz um frutículo,cada um dos pequenos pontos escuros localizados na superfície do morango. A porção suculenta e comestível do morango origina-se do receptáculo floral, tratando-se, portanto, de um pseudofruto.
Pseudofruto Múltiplo O abacaxi é um fruto múltiplo ou infrutescência, originando-se a partir de várias flores reunidas em uma inflorescência. Na época da floração, o curtíssimo caule da planta se alonga, engrossa e forma pequenas flores vermelhas reunidas em uma inflorescência. Cada flor começa a desenvolver-se em um pequeno fruto que, ao crescer, funde-se com os vizinhos. O resultado é uma estrutura cônica que lembra o estróbilo de uma conífera. Outro exemplo de infrutescência é o figo.
Papel Evolutivo dos Frutos O papel principal do fruto é a proteção da semente, posteriormente, ocorreram adaptações que conferiram ao fruto a função de disseminar as sementes, fazendo-as chegar a lugares distantes da planta que as produziu. Isso garante que novas plantas não concorram com sua genitora e suas irmãs pelos recursos do ambiente; por outro lado, permite que elas se espalhem e colonizem novos ambientes, com maior chance de sobrevivência da espécie.
Papel Evolutivo dos Frutos Quando as sementes terminam seu desenvolvimento, o ovário de certas espécies da planta acumula açúcares e cresce, tornando-se vistoso e muitas vezes perfumado. Isso sinaliza os animais, inclusive aos seres humanos, a presença de alimento disponível. Ao comer ao fruto, o animal libera as sementes e as dispersa pelo ambiente.
Quanto a dispersão das sementes pode ocorrer Anemocoria – Quando os frutos ou as sementes apresentam projeções em forma de asas (frutos alados ou sementes aladas), sendo transportados pelo vento. Zoocoria – Quando os frutos com apêndices aderem aos pelos ou às penas de animais, que cumprem assim o papel de disseminá-los.
Quanto a dispersão das sementes pode ocorrer Hidrocoria – Outros frutos como o coco-da-baía, são adaptados à dispersão pela água. O mesocarpo fibroso do coco retém ar e possibilita a flutuação. ep = epicarpo ms = mesocarpo fibroso es= endocarpo associado à casca da semente end = a parte comestível e a “agua” constituem o   endosperma da semente
Trabalho à respeito de frutos e pseudofrutos  apresentado pelos discentes Anderson Angélica Francielly Lorena Marielly Sob orientação da Profª Maria Cristina. Escola Estadual “Heronides Araújo” Barra do Garças – MT Junho de 2009

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiospermaGimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiosperma
LarissaVian
 
Gimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiospermaGimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiosperma
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
Bruna Medeiros
 
Flores
FloresFlores
Flores
Jézili Dias
 
Aula 7 Prof. Guth Berger
Aula 7 Prof. Guth BergerAula 7 Prof. Guth Berger
Aula 7 Prof. Guth Berger
Matheus Yuri
 
Classificação das Plantas
Classificação das PlantasClassificação das Plantas
Classificação das Plantas
Leandro A. Machado de Moura
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
Escola do Recife
 
Briofitas E Pteridofitas
Briofitas E PteridofitasBriofitas E Pteridofitas
Briofitas E Pteridofitas
Andrea Barreto
 
Reino plantae resumo
Reino plantae resumoReino plantae resumo
Reino plantae resumo
CARMELITAMATOS
 
Hormonios vegetal
Hormonios vegetalHormonios vegetal
Hormonios vegetal
URCA
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
Isabella Silva
 
Gimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermasGimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermas
Grazi Grazi
 
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth BergerAula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Matheus Yuri
 
Anatomia vegetal
Anatomia vegetalAnatomia vegetal
Organologia vegetal
Organologia vegetalOrganologia vegetal
Organologia vegetal
Elisa Margarita Orlandi
 
Raiz
RaizRaiz
Aula flor
Aula florAula flor
Aula flor
Francione Gomes
 
Reprodução plantas
Reprodução plantasReprodução plantas
Reprodução plantas
Sofia Mendes
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
Teresa Cristina
 
Anatomia do Fruto e da Semente
Anatomia do Fruto e da SementeAnatomia do Fruto e da Semente
Anatomia do Fruto e da Semente
Diego Santos
 

Mais procurados (20)

Gimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiospermaGimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiosperma
 
Gimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiospermaGimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiosperma
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
 
Flores
FloresFlores
Flores
 
Aula 7 Prof. Guth Berger
Aula 7 Prof. Guth BergerAula 7 Prof. Guth Berger
Aula 7 Prof. Guth Berger
 
Classificação das Plantas
Classificação das PlantasClassificação das Plantas
Classificação das Plantas
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
 
Briofitas E Pteridofitas
Briofitas E PteridofitasBriofitas E Pteridofitas
Briofitas E Pteridofitas
 
Reino plantae resumo
Reino plantae resumoReino plantae resumo
Reino plantae resumo
 
Hormonios vegetal
Hormonios vegetalHormonios vegetal
Hormonios vegetal
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Gimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermasGimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermas
 
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth BergerAula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
 
Anatomia vegetal
Anatomia vegetalAnatomia vegetal
Anatomia vegetal
 
Organologia vegetal
Organologia vegetalOrganologia vegetal
Organologia vegetal
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 
Aula flor
Aula florAula flor
Aula flor
 
Reprodução plantas
Reprodução plantasReprodução plantas
Reprodução plantas
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Anatomia do Fruto e da Semente
Anatomia do Fruto e da SementeAnatomia do Fruto e da Semente
Anatomia do Fruto e da Semente
 

Destaque

Folha
FolhaFolha
Fruto
FrutoFruto
Os Frutos
Os FrutosOs Frutos
Os Frutos
osbenjamins
 
Frutos biologia
Frutos biologiaFrutos biologia
Frutos biologia
Danielle Souza
 
Folha
FolhaFolha
Folha
nando_ngd
 
As Plantas, Folha E Flor
As Plantas, Folha E FlorAs Plantas, Folha E Flor
As Plantas, Folha E Flor
Tânia Reis
 

Destaque (6)

Folha
FolhaFolha
Folha
 
Fruto
FrutoFruto
Fruto
 
Os Frutos
Os FrutosOs Frutos
Os Frutos
 
Frutos biologia
Frutos biologiaFrutos biologia
Frutos biologia
 
Folha
FolhaFolha
Folha
 
As Plantas, Folha E Flor
As Plantas, Folha E FlorAs Plantas, Folha E Flor
As Plantas, Folha E Flor
 

Semelhante a Frutos & Pseudofrutos

Frutos e sementes
Frutos e sementesFrutos e sementes
Frutos e sementes
UERGS
 
O fruto - About The Fruits
O fruto  -  About The FruitsO fruto  -  About The Fruits
O fruto - About The Fruits
Lídia Pavan
 
FRUTO-ANGIOSPERMAS
FRUTO-ANGIOSPERMASFRUTO-ANGIOSPERMAS
FRUTO-ANGIOSPERMAS
DCRDANYLA
 
Fruto
FrutoFruto
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
infoeducp2
 
Trabalho de frutos e frutas
Trabalho de frutos e frutasTrabalho de frutos e frutas
Trabalho de frutos e frutas
LecioKamila2F
 
Angio mono dico
Angio mono dicoAngio mono dico
Angio mono dico
caca-filho
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
biologando
 
Futos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersãoFutos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersão
CotucaAmbiental
 
Fruto 2012 aula
Fruto 2012 aulaFruto 2012 aula
Fruto 2012 aula
Priscila Belintani
 
Sementes - Morfologia Vegetal
Sementes - Morfologia VegetalSementes - Morfologia Vegetal
Sementes - Morfologia Vegetal
José Teles Monteiro
 
Reprodução das plantas com flor
Reprodução das plantas com florReprodução das plantas com flor
Reprodução das plantas com flor
Sandra Soeiro
 
Reino vegetal
Reino vegetalReino vegetal
Reino vegetal
Elizabete Costa
 
Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
infoeducp2
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
infoeducp2
 
Angiospermas - Renato Paiva
Angiospermas - Renato PaivaAngiospermas - Renato Paiva
Angiospermas - Renato Paiva
Turma Olímpica
 
Frente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e II
Frente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e IIFrente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e II
Frente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e II
Colégio Batista de Mantena
 
Reino vegetal7ºcd
Reino vegetal7ºcdReino vegetal7ºcd
Reino vegetal7ºcd
Neila
 
Fruto
FrutoFruto
Botânica
BotânicaBotânica

Semelhante a Frutos & Pseudofrutos (20)

Frutos e sementes
Frutos e sementesFrutos e sementes
Frutos e sementes
 
O fruto - About The Fruits
O fruto  -  About The FruitsO fruto  -  About The Fruits
O fruto - About The Fruits
 
FRUTO-ANGIOSPERMAS
FRUTO-ANGIOSPERMASFRUTO-ANGIOSPERMAS
FRUTO-ANGIOSPERMAS
 
Fruto
FrutoFruto
Fruto
 
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
 
Trabalho de frutos e frutas
Trabalho de frutos e frutasTrabalho de frutos e frutas
Trabalho de frutos e frutas
 
Angio mono dico
Angio mono dicoAngio mono dico
Angio mono dico
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Futos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersãoFutos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersão
 
Fruto 2012 aula
Fruto 2012 aulaFruto 2012 aula
Fruto 2012 aula
 
Sementes - Morfologia Vegetal
Sementes - Morfologia VegetalSementes - Morfologia Vegetal
Sementes - Morfologia Vegetal
 
Reprodução das plantas com flor
Reprodução das plantas com florReprodução das plantas com flor
Reprodução das plantas com flor
 
Reino vegetal
Reino vegetalReino vegetal
Reino vegetal
 
Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 
Angiospermas - Renato Paiva
Angiospermas - Renato PaivaAngiospermas - Renato Paiva
Angiospermas - Renato Paiva
 
Frente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e II
Frente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e IIFrente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e II
Frente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e II
 
Reino vegetal7ºcd
Reino vegetal7ºcdReino vegetal7ºcd
Reino vegetal7ºcd
 
Fruto
FrutoFruto
Fruto
 
Botânica
BotânicaBotânica
Botânica
 

Último

Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Leonardo Espírito Santo
 
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptxAPRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
thiago718348
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
E-Commerce Brasil
 
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
EMERSON BRITO
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
E-Commerce Brasil
 

Último (14)

Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
 
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptxAPRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
 
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
 
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
 
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
 
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
 
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
 

Frutos & Pseudofrutos

  • 1. Frutos & Pseudofrutos Anderson, Angélica, Francielly, Lorena e Marielly
  • 2. Frutos Após a fertilização, o óvulo se desenvolve e dá origem à semente, enquanto o ovário se transforma em frutos que quando maduros apresentam-se constituídos de pericarpo.
  • 4. Frutos Na maioria dos casos é assim, porém há frutos que não têm semente em seu interior. São chamados frutos partenocárpicos (do grego parthenos, virgem, e karpos, fruto), que se desenvolvem sem a formação da sementes, como nas linhagens cultivadas de banana.
  • 5. Classificação dos frutos – Quanto à origem carpelar Frutos simples: origina-se de uma flor com um único ovário. Ex.: tomate, pêssego e berinjela.
  • 6. Classificação dos frutos – Quanto à origem carpelar Fruto agregado: origina-se de uma flor com vários ovários. Ex.: framboesa e morango.
  • 7. Classificação dos frutos – Quanto à origem carpelar Fruto múltiplo: compõe-se de ovários de diversas flores. Ex.: Jaca, abacaxi.
  • 8. Classificação dos frutos – Quanto à natureza do pericarpo Fruto carnoso: apresenta pericarpo suculento; pode ser do tipo baga ou tipo drupa.
  • 9. Frutos Carnosos Baga: apresenta sementes livres, facilmente separáveis do fruto. Ex.: melancia, berinjela, pepino, uva, tomate, goiaba e laranja.
  • 10. Frutos Carnosos Drupa: apresenta geralmente uma única semente aderida ao endocarpo, que é espesso e duro. Ex.: pêssego, azeitona, manga, abacate e coco-da-baía.
  • 11. Frutos Secos Apresentam pericarpo não-suculento; podendo ser deiscente ou indeiscente.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15. Pseudofrutos Em algumas espécies, além do ovário, outras partes da flor crescem depois da fecundação e podem tornar-se comestíveis. Essas partes são denominadas pseudofrutos (do grego pseudes, falso). O cajú, é a parte dura no qual em seu interior se localiza a castanha-de-caju. A parte suculenta e comestível do cajú origina-se do desenvolvimento do pedicelo da flor e é, portanto um pseudofruto.
  • 16. Pseudofrutos A maçã e a pêra são outros exemplos de pseudofruto. O fruto verdadeiro é a parte central endurecida, de revestimento coriáceo,dentro do qual se localiza as sementes. As partes suculentas são pseudofrutos, uma vez que se originam do receptáculo floral.
  • 18. Pseudofruto Agregado O morango é um fruto agregado pois se origina de uma única flor com vários ovários. O desenvolvimento de cada ovário produz um frutículo,cada um dos pequenos pontos escuros localizados na superfície do morango. A porção suculenta e comestível do morango origina-se do receptáculo floral, tratando-se, portanto, de um pseudofruto.
  • 19. Pseudofruto Múltiplo O abacaxi é um fruto múltiplo ou infrutescência, originando-se a partir de várias flores reunidas em uma inflorescência. Na época da floração, o curtíssimo caule da planta se alonga, engrossa e forma pequenas flores vermelhas reunidas em uma inflorescência. Cada flor começa a desenvolver-se em um pequeno fruto que, ao crescer, funde-se com os vizinhos. O resultado é uma estrutura cônica que lembra o estróbilo de uma conífera. Outro exemplo de infrutescência é o figo.
  • 20. Papel Evolutivo dos Frutos O papel principal do fruto é a proteção da semente, posteriormente, ocorreram adaptações que conferiram ao fruto a função de disseminar as sementes, fazendo-as chegar a lugares distantes da planta que as produziu. Isso garante que novas plantas não concorram com sua genitora e suas irmãs pelos recursos do ambiente; por outro lado, permite que elas se espalhem e colonizem novos ambientes, com maior chance de sobrevivência da espécie.
  • 21. Papel Evolutivo dos Frutos Quando as sementes terminam seu desenvolvimento, o ovário de certas espécies da planta acumula açúcares e cresce, tornando-se vistoso e muitas vezes perfumado. Isso sinaliza os animais, inclusive aos seres humanos, a presença de alimento disponível. Ao comer ao fruto, o animal libera as sementes e as dispersa pelo ambiente.
  • 22. Quanto a dispersão das sementes pode ocorrer Anemocoria – Quando os frutos ou as sementes apresentam projeções em forma de asas (frutos alados ou sementes aladas), sendo transportados pelo vento. Zoocoria – Quando os frutos com apêndices aderem aos pelos ou às penas de animais, que cumprem assim o papel de disseminá-los.
  • 23. Quanto a dispersão das sementes pode ocorrer Hidrocoria – Outros frutos como o coco-da-baía, são adaptados à dispersão pela água. O mesocarpo fibroso do coco retém ar e possibilita a flutuação. ep = epicarpo ms = mesocarpo fibroso es= endocarpo associado à casca da semente end = a parte comestível e a “agua” constituem o endosperma da semente
  • 24. Trabalho à respeito de frutos e pseudofrutos apresentado pelos discentes Anderson Angélica Francielly Lorena Marielly Sob orientação da Profª Maria Cristina. Escola Estadual “Heronides Araújo” Barra do Garças – MT Junho de 2009