SlideShare uma empresa Scribd logo
FRANCISCOPOLIS
Vigilância Entomo/Epidemiológica/ Profilaxia/ Controle Vetorial

1-Vigilancia Entomológica: As atividades de vigilância entomológica devem
ser executadas frequentemente em toda a área urbana do município, com a
finalidade de levantar os índices e Infestação predial e traçar estratégia,
promover ações e medidas no sentido de reduzir os criadouros de larvas do
mosquito.

2-Profilaxia

Profilaxia, para entender: do grego- Cautela (cuidado), ou seja, é aplicação de
meios que evite doenças ou a propagação da mesma. Toda e qualquer medida
que procure impedir esta interação pode ser chamada de medida profilática.
Como exemplo; antes da coletividade entender as estruturas, a observação
mostrou uma serie de medidas profiláticas eficientes. Os primeiros livros da
Bíblia, contem uma serie de recomendações codificadas por Moisés aos
Hebreus que doenças como Teníase e cisticercose deixam de ocorrer quando
as pessoas deixam de utilizar carne suína. A fidelidade Conjugal
recomendadas nos dez mandamentos mosaicos previne doenças sexualmente
transmissíveis. Vale lembrar que nem sempre as medidas profiláticas foram
bem vindas e que esta tese não é suficiente para a aceitação da população, em
que se deve levar em conta a necessidade do respeito e a cultura de local no
que se refere a utilização de medidas profiláticas e em especial no casos da
Dengue.

3-Controle Vetorial

  Consiste na visita domiciliar casa a casa. É atribuição do Agente de
Endemias; 1º vistoriar os quarteirões existentes, 2º Apresentar para o morador
(a), informar ao mesmo sobre a importância do seu trabalho, e posteriormente,
iniciar a inspeção por todos os cômodos dos imóveis existentes, começando
pelo lado externo da moradia, direito para o esquerdo em sentido horário, intra
e Peri domiciliar descobrindo e eliminando na medida do possível tudo que
possa acumular água. Realizar mutirão de limpeza uso de parricidas, e
inseticidas devem ser usadas em ultimo caso, ou quando necessário e por
ultimo realizar pratica sanitária, reunir com Agentes comunitários de Saúde
com a população e outras instituições.

3-1 atividades Complementares

 Atividades de emergência como força tarefa, aplicações de inseticida
ultrabaixo volume (UBV), são utilizadas em caso de surtos, ou seja, é de uso
restrito em epidemias ou quando o índice de Infestação predial atingir os 5% ou
se ainda confirmar pelo menos um caso de Dengue confirmado por critério
Laboratorial numa localidade, para interromper a transmissão, e eliminar as
fêmeas infectadas. Segundo a Planilha de avaliação e monitoramento do
Programa Nacional do Controle da Dengue da SRS/TO, em 2009, os índices
de infestação Predial no Município mantiveram patamares baixíssimos, ou seja,
em números aceitáveis pelo Ministério da Saúde. Vale lembrar que somente no
2º e no 3º Levantamento de índice é que houve infestação Predial onde o 2º
(Li) mediu cerca de 0,40% e o 3º (Li) 0,50%. Apesar da presença do vetor
ainda que em baixa escala, no referido período, não houve registro de casos
Confirmados por dengue nessa Localidade, e portanto, é a certeza que neste
período não houve circulação do vírus, e portanto reforça-se a tese em que
para a ocorrência da doença, não basta apenas a presença do mosquito. Faz-
se necessário o conjunto desses fatores: (Vetor) Presencia do mosquito, Vírus,
e população. De acordo com o Núcleo de Informações Epidemiológicas (NIE)
da Superintendência Regional de Saúde (SRS/TO), No decorrer do ano 2007,
2008, 2009, não houve ocorrência de casos de Dengue em Francisco polis. Em
2010, no 1º Levantamento, o Índice de Infestação Predial aumentou
drasticamente medindo cerca de 2% em relação ao mesmo período do ano
anterior que foi de, 0% O 3º levantamento de Índice do ano anterior teve um
amplo perfil entomológico, ou seja os números variaram entre 0,50% e 0,57%.
Em 2011, o 1º Levantamento de Índice foi de apenas 0,21%. O 2º houve um
aumento nos níveis de infestação em que ultrapassou 1%. Em 2012, os níveis
de infestação mantiveram satisfatórios oscilando entre 0% e, 3% em relação ao
1º ao 3º. do ano de 2007 a 2012.Veja a seguir.

Figura 01- Índice de Infestação Predial por Aedes aegypti Município de
Franciscópolis                                                     Ano




Fonte: Programa Nacional de Controle da Dengue SRS/TO.
Figura 02- Índice de Infestação Predial por Aedes aegypti Município de
Franciscópolis                       Ano                         2010.




Fonte: Programa Nacional de Controle Dengue/SRS/TO.

Figura 03- Índices de Infestação predial por Aedes aegypti Município
Franciscópolis                                                  Ano
2011




Fonte: Programa Nacional de Controle da Dengue/SRS/TO.

Em 2011, podemos verificar que no segundo levantamento de índice, a
infestação predial mediu acima de 1%,o aceitável pelo Ministério da Saúde. O
1º, 2º, 3º Li obtiveram resultado satisfatório na casa de 0,0%
Figura 04- Índices de Infestação predial por Aedes aegypti Município
Franciscópolis                      Ano                       2012.




Fonte: PNCD/SRS/TO.

A única garantia para que não exista a dengue é a ausência do vetor. Embora
não esteja determinado um limite do qual se possa ter a certeza de que não
ocorrerão surtos de dengue, este nível deve ser bem próximo de zero. Dessa
forma, em áreas com Aedes, o monitoramento do vetor deve ser realizado
rotineiramente para conhecer as áreas infestadas e desencadear as medidas
de controle manejo ambiental: mudanças no meio ambiente que impeçam ou
minimizem a propagação do vetor, evitando ou destruindo os criadouros
potenciais do Aedes; melhoria de saneamento básico, participação comunitária,
no sentido de evitar a infestação domiciliar do Aedes, através da redução de
criadouros potenciais do vetor (saneamento domiciliar);controle químico em
pontos estratégicos de difícil acesso e por ultra baixo volume (elimina alados)
com uso restrito em epidemia. A participação comunitária é um elemento
fundamental na luta contra a dengue, sendo difícil que uma comunidade pobre
cuja população tem um baixo nível cultural e educacional, com um sistema de
coleta de resíduos deficiente, preocupe-se pelo controle do vetor quando sua
prioridade é lutar por sua subsistência. Na situação atual de nossa região, esta
realidade constitui um desafio para o controle do mosquito vetor e, portanto a
doença.

                          Vigilância Epidemiológica

Em estudo retrospectivo dos trinta e dois municípios da Superintendência
Regional de Saúde SRSTO até Vigésima terceira semana epidemiologia de
2012, o município de Francisco polis, registrou cerca de 50 notificações com as
quais 18 tiveram diagnostico positivo por Critério Laboratorial.
Tabela 05- Notificações de Casos suspeitos Dengue Município Franciscópolis
até a vigésima semana epidemiológica ano, 2012.

Semana      2ª   3ª   4ª    5ª   6ª   7ª   9ª   11ª     13ª   14ª   15ª    16ª    17ª   19ª    20ª   Tota
s Epid                                                                                               l
Nº     de   1    1    2     1    10   5    5    5       3     1     2      3      2     1      1     43
Notificaç
ões
Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/T

Gráfico 05- Curva Endêmica da distribuição semanal de Notificações de Casos
suspeitos      de      Dengue         município      Franciscipolis     ano




Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/

                                  Medidas de Frequência

Tabela 06- Medidas de Frequência. Incidência: refere-se aos casos novos.
Para o conhecimento da incidência, especifica-se a duração do tempo de
observação de surgimento de casos como, por exemplo, a incidência de casos
de Dengue durante um mês, ou semanas. Ela reflete a dinâmica como os
casos vão aparecendo.

Medida                     Numerador            Denominador               Unidades            de
                                                                          Referencia

                           Casos Novos          População Total            10* 10 elevado á
                                                                          3ª Potencia

                           16                   5.800                     1.000

Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/Tabwin.*
De acordo com especialistas (...), Os valore s de N podem variar entre 1.000,
10.000, e 100.000.como a população de Franciscipolis é menor que 10.000,
Multiplica-se 16X1000=16000, e divide-se pelo numero total da população que
é de 5.800 pessoas que igual 2,8. Isto que dizer que de cada mil pessoas
dessa população quase três contraíram dengue neste período.

Tabela 07- Semanas Epidemiológicas com Registros de casos de Dengue
Confirmados por Critério Laboratorial, Município Francisco polis Ano, 2012.

Nº de Casos 2ª        6º   9ª    11ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª                Total
Confirmado
s
Nº Casos       1      2    1     4     1      1    3    2      1        16
confirmado
s
Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/Tabwin.*

Gráfico 07- Curva Endêmica da distribuição Semanal de Casos confirmados de
Dengue por Critério Laboratorial segundo Município Franciscópolis Ano2012. .




Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/ Tabwin*.

     Caracteres Epidemiológicos Relativos á pessoa Tabela 08- Frequência
                       por sexo segundo Município

Masculino   Feminino    Ignorado   Total       Total em Masculino      Feminino
                                               %
19          25          0          44          100%     43,2%          56,8%

Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/ Tabwin*.
De acordo com a figura 07, entre estas duas categorias (Homens, Mulheres),
determinou um numero de situações em que as mulheres, foram submetidas
ao risco mais elevados da totalidade das notificações tendo em vista, que elas
foram as mais atingidas pela dengue até o presente momento. Ao analisar
dados segundo característica das pessoas podemos utilizar diversas
categorias”. Algumas delas são essencial sexo, idade, etnia.

Gráfico 09-Casos Notificados em 2012. Frequência por sexo segundo
Município.




Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/ Tabwin*

Tabela 010- Frequência por Faixa Etária segundo Munícipio Francisco polis
ano 2012.

Idade   <1    1-4   5-9   10-14   15-19   20-34   35-49   50-64   65-79   80+   Total
        Ano
Nº de   1     0     2     5       8       8       9       6       2       3     44
Pesso
as
Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/ Tabwin*.

Tabela 11- Evolução da Série Histórica de Casos Confirmados de Dengue por
Critério Laboratorial no Município de Francisco polis, Período de 2007 a 2012.

Ano        da 2007      200     2009     2010      2011       2012
Notificação             8
Nº de Casos 0           0       0        82        4          16
Confirmados
Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINAN-NET/ Tabwin*
Gráfico 11- Curva Endêmica da Distribuição de Casos confirmados de Dengue
por Critério Laboratorial por Ano da Notificação segundo Município Francisco
polis.




Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas-SINAN/NET/ Tawin*



Gráfico 12- Serie histórica da Distribuição por ano da notificação de Casos de
Dengue                                 por                              Critério
Laboratorial




Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SI NA-NET/ Tabwin.
Na figura nº 12, podemos ver a trajetória histórica dos casos
dengue no município de Franciscopolis desde de 2007 a 2012.
Nela verificamos períodos Endêmicos, Epidêmicos. Entende-se por
Nível Endêmico, de um agravo relacionado á Saúde a situação na
qual sua frequência e distribuição em grupos de Pessoas
mantenham padrões regulares de variações, vide figura abaixo
anos 2007, 2008, 2009. Em 2012 o nº de casos de Dengue foram
maior que 2011, portanto teve um caso Endêmico Nos momentos
em que essas variações apresentam –se de forma irregular, temos
uma Epidemia que pode ser definida como excesso de casos em
relação ao esperado conforme figura ano de 2010 com cerca de 82
casos confirmados de Dengue por critério laboratorial.

                            Materiais e Métodos

 Os materiais utilizados deste estudo são Dados de ocorrência de
dengue, obtida da Superintendência Regional de Saúde de Teófilo
Otoni, através de Planilhas semanais de notificações de casos de
dengue e coleta de dados gerados do Núcleo de Informação
Epidemiológico (NIE) da Superintendência Regional de Saúde,
SRSTO, até a Décima primeira semana Epidemiológica de 2012.
De acordo com a Coordenadora de Epidemiologia do referido
Município-Quênia Moreira, - todos os casos, Notificados foram
investigados. Importante Informar, que a Cidade tem “ampla
aproximação comercial com o Município” de Malacacheta com um
Histórico recente de Epidemia da referente patologia, e, portanto
acredita-se em que os casos confirmados por critério Laboratorial
foram importados Emigração ou Imigração do referido Município.




Obs. Ainda poderá sofrer alterações. Falta concluir.

Org. Xavante

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arbovirosesLia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Alerta dengue: Sistema de alertas de surtos usando dados híbridos
Alerta dengue: Sistema de alertas de surtos usando dados híbridosAlerta dengue: Sistema de alertas de surtos usando dados híbridos
Alerta dengue: Sistema de alertas de surtos usando dados híbridos
Flávio Codeço Coelho
 
Doença de chagas no brasil
Doença de chagas no brasilDoença de chagas no brasil
Doença de chagas no brasil
Lucas Almeida Sá
 
8ª Assembleia do CONASS – Vacina da Dengue - informe SES/PR
8ª Assembleia do CONASS – Vacina da Dengue - informe SES/PR8ª Assembleia do CONASS – Vacina da Dengue - informe SES/PR
8ª Assembleia do CONASS – Vacina da Dengue - informe SES/PR
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Sarampo.pdf
Sarampo.pdfSarampo.pdf
Sarampo.pdf
Emannuel Bento
 
Dengue ok
Dengue okDengue ok
Guia PráTico Sobre Leishmaniose
Guia PráTico Sobre LeishmanioseGuia PráTico Sobre Leishmaniose
Guia PráTico Sobre Leishmaniose
Leishmaniose Canina
 
Apresentação johansen igor_01-07-2011_11h
Apresentação johansen igor_01-07-2011_11hApresentação johansen igor_01-07-2011_11h
Apresentação johansen igor_01-07-2011_11h
Igor Johansen
 
Febre tifoide
Febre tifoideFebre tifoide
Febre tifoide
HelenaDias26
 
Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6
Gabriel Nascimento
 
Situação Epidemiológica das Paralisias Flácidas Agudas no Brasil
Situação Epidemiológica das Paralisias Flácidas Agudas no BrasilSituação Epidemiológica das Paralisias Flácidas Agudas no Brasil
Situação Epidemiológica das Paralisias Flácidas Agudas no Brasil
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Professor iveraldo
Professor iveraldoProfessor iveraldo
Professor iveraldo
Renato Villela
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Mario Gandra
 
Objeto de aprendizagem linha do tempo ie-2
Objeto de aprendizagem linha do tempo ie-2Objeto de aprendizagem linha do tempo ie-2
Objeto de aprendizagem linha do tempo ie-2
bilaoliveira
 
Novo(a) documento do microsoft office word
Novo(a) documento do microsoft office wordNovo(a) documento do microsoft office word
Novo(a) documento do microsoft office word
catagerio
 
Cartilha dengue
Cartilha dengueCartilha dengue
Cartilha dengue
Ricardo Valério
 
Crescem casos de hepatites
Crescem casos de hepatitesCrescem casos de hepatites
Crescem casos de hepatites
CleideeAndrey Pais Do Eros
 
Ministério da Saúde lança campanha de Mobilização Nacional Contra Dengue
Ministério da Saúde lança campanha de Mobilização Nacional Contra DengueMinistério da Saúde lança campanha de Mobilização Nacional Contra Dengue
Ministério da Saúde lança campanha de Mobilização Nacional Contra Dengue
Ministério da Saúde
 

Mais procurados (18)

Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arbovirosesLia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
 
Alerta dengue: Sistema de alertas de surtos usando dados híbridos
Alerta dengue: Sistema de alertas de surtos usando dados híbridosAlerta dengue: Sistema de alertas de surtos usando dados híbridos
Alerta dengue: Sistema de alertas de surtos usando dados híbridos
 
Doença de chagas no brasil
Doença de chagas no brasilDoença de chagas no brasil
Doença de chagas no brasil
 
8ª Assembleia do CONASS – Vacina da Dengue - informe SES/PR
8ª Assembleia do CONASS – Vacina da Dengue - informe SES/PR8ª Assembleia do CONASS – Vacina da Dengue - informe SES/PR
8ª Assembleia do CONASS – Vacina da Dengue - informe SES/PR
 
Sarampo.pdf
Sarampo.pdfSarampo.pdf
Sarampo.pdf
 
Dengue ok
Dengue okDengue ok
Dengue ok
 
Guia PráTico Sobre Leishmaniose
Guia PráTico Sobre LeishmanioseGuia PráTico Sobre Leishmaniose
Guia PráTico Sobre Leishmaniose
 
Apresentação johansen igor_01-07-2011_11h
Apresentação johansen igor_01-07-2011_11hApresentação johansen igor_01-07-2011_11h
Apresentação johansen igor_01-07-2011_11h
 
Febre tifoide
Febre tifoideFebre tifoide
Febre tifoide
 
Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6
 
Situação Epidemiológica das Paralisias Flácidas Agudas no Brasil
Situação Epidemiológica das Paralisias Flácidas Agudas no BrasilSituação Epidemiológica das Paralisias Flácidas Agudas no Brasil
Situação Epidemiológica das Paralisias Flácidas Agudas no Brasil
 
Professor iveraldo
Professor iveraldoProfessor iveraldo
Professor iveraldo
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Objeto de aprendizagem linha do tempo ie-2
Objeto de aprendizagem linha do tempo ie-2Objeto de aprendizagem linha do tempo ie-2
Objeto de aprendizagem linha do tempo ie-2
 
Novo(a) documento do microsoft office word
Novo(a) documento do microsoft office wordNovo(a) documento do microsoft office word
Novo(a) documento do microsoft office word
 
Cartilha dengue
Cartilha dengueCartilha dengue
Cartilha dengue
 
Crescem casos de hepatites
Crescem casos de hepatitesCrescem casos de hepatites
Crescem casos de hepatites
 
Ministério da Saúde lança campanha de Mobilização Nacional Contra Dengue
Ministério da Saúde lança campanha de Mobilização Nacional Contra DengueMinistério da Saúde lança campanha de Mobilização Nacional Contra Dengue
Ministério da Saúde lança campanha de Mobilização Nacional Contra Dengue
 

Destaque

PavelMaslov_Abstract_MS
PavelMaslov_Abstract_MSPavelMaslov_Abstract_MS
PavelMaslov_Abstract_MS
Pavel Maslov
 
Franciscopolis 3
Franciscopolis 3Franciscopolis 3
Franciscopolis 3
joelma88
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
joelma88
 
Franciscopolis 3
Franciscopolis 3Franciscopolis 3
Franciscopolis 3
joelma88
 
Hiranandani Devanahalli Bangalore
Hiranandani Devanahalli BangaloreHiranandani Devanahalli Bangalore
Hiranandani Devanahalli Bangalore
CommonFloor.com
 
referente a estatística
referente a estatísticareferente a estatística
referente a estatística
Delmo Sintracap Santos
 
Visionen 2020
Visionen 2020Visionen 2020
Visionen 2020
hauszerm
 

Destaque (9)

Julia UK Diploma
Julia UK DiplomaJulia UK Diploma
Julia UK Diploma
 
PavelMaslov_Abstract_MS
PavelMaslov_Abstract_MSPavelMaslov_Abstract_MS
PavelMaslov_Abstract_MS
 
Franciscopolis 3
Franciscopolis 3Franciscopolis 3
Franciscopolis 3
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Fit Im Internet
Fit Im InternetFit Im Internet
Fit Im Internet
 
Franciscopolis 3
Franciscopolis 3Franciscopolis 3
Franciscopolis 3
 
Hiranandani Devanahalli Bangalore
Hiranandani Devanahalli BangaloreHiranandani Devanahalli Bangalore
Hiranandani Devanahalli Bangalore
 
referente a estatística
referente a estatísticareferente a estatística
referente a estatística
 
Visionen 2020
Visionen 2020Visionen 2020
Visionen 2020
 

Semelhante a Franciscopolis 3

FATORES DETERMINANTES E CONDICIONANTES DE ENDEMIAS E EPIDEMIAS
FATORES DETERMINANTES E CONDICIONANTES DE ENDEMIAS E EPIDEMIASFATORES DETERMINANTES E CONDICIONANTES DE ENDEMIAS E EPIDEMIAS
FATORES DETERMINANTES E CONDICIONANTES DE ENDEMIAS E EPIDEMIAS
CamilaPinheiro96
 
Plano de contingencia dengue 2010 smsdc rio
Plano de contingencia dengue 2010 smsdc rioPlano de contingencia dengue 2010 smsdc rio
Plano de contingencia dengue 2010 smsdc rio
Steban Freire
 
Apresentação Dengue Completa PET
Apresentação Dengue Completa PETApresentação Dengue Completa PET
Apresentação Dengue Completa PET
aline_galucio
 
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
Débora Freire
 
Situação Epidemiológica Atual da Dengue - Março 2010
Situação Epidemiológica Atual da Dengue - Março 2010Situação Epidemiológica Atual da Dengue - Março 2010
Situação Epidemiológica Atual da Dengue - Março 2010
Governo de Sergipe
 
Por que não é momento de flexibilizar isolamento social
Por que não é momento de flexibilizar isolamento socialPor que não é momento de flexibilizar isolamento social
Por que não é momento de flexibilizar isolamento social
Paulo Souza
 
Perfil clínico-epidemiológico da leptospirose humana, no município de Belém, ...
Perfil clínico-epidemiológico da leptospirose humana, no município de Belém, ...Perfil clínico-epidemiológico da leptospirose humana, no município de Belém, ...
Perfil clínico-epidemiológico da leptospirose humana, no município de Belém, ...
Neuder Wesley
 
Texto Dengue - Tocantins
Texto   Dengue - TocantinsTexto   Dengue - Tocantins
Texto Dengue - Tocantins
CLEAN LOURENÇO
 
1º boletim hanseníase sesdf_2013
1º boletim  hanseníase   sesdf_20131º boletim  hanseníase   sesdf_2013
1º boletim hanseníase sesdf_2013
Secretaria de Saúde do Distrito Federal - SES/DF
 
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res MedAula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Sandra Flôr
 
Doenças infecciosas 2010 a 2017
Doenças infecciosas 2010 a 2017Doenças infecciosas 2010 a 2017
Doenças infecciosas 2010 a 2017
Marselle Amadio
 
Tcc gilberto santos 556108
Tcc gilberto santos 556108Tcc gilberto santos 556108
Tcc gilberto santos 556108
Gilberto Santos
 
apresentacao artigo SGH.pptx
apresentacao artigo SGH.pptxapresentacao artigo SGH.pptx
apresentacao artigo SGH.pptx
ssuserc9ef031
 
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdfEPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
JooMarceloFerreiraBr
 
Sus
SusSus
9314
93149314
Doenças Negligenciadas
Doenças NegligenciadasDoenças Negligenciadas
Doenças Negligenciadas
ThamiresLackmann1
 
Apostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdf
Apostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdfApostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdf
Apostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdf
AdrieneDelduck
 
Big dengue
Big dengueBig dengue
Aula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptxAula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptx
Glaydson Reis
 

Semelhante a Franciscopolis 3 (20)

FATORES DETERMINANTES E CONDICIONANTES DE ENDEMIAS E EPIDEMIAS
FATORES DETERMINANTES E CONDICIONANTES DE ENDEMIAS E EPIDEMIASFATORES DETERMINANTES E CONDICIONANTES DE ENDEMIAS E EPIDEMIAS
FATORES DETERMINANTES E CONDICIONANTES DE ENDEMIAS E EPIDEMIAS
 
Plano de contingencia dengue 2010 smsdc rio
Plano de contingencia dengue 2010 smsdc rioPlano de contingencia dengue 2010 smsdc rio
Plano de contingencia dengue 2010 smsdc rio
 
Apresentação Dengue Completa PET
Apresentação Dengue Completa PETApresentação Dengue Completa PET
Apresentação Dengue Completa PET
 
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
 
Situação Epidemiológica Atual da Dengue - Março 2010
Situação Epidemiológica Atual da Dengue - Março 2010Situação Epidemiológica Atual da Dengue - Março 2010
Situação Epidemiológica Atual da Dengue - Março 2010
 
Por que não é momento de flexibilizar isolamento social
Por que não é momento de flexibilizar isolamento socialPor que não é momento de flexibilizar isolamento social
Por que não é momento de flexibilizar isolamento social
 
Perfil clínico-epidemiológico da leptospirose humana, no município de Belém, ...
Perfil clínico-epidemiológico da leptospirose humana, no município de Belém, ...Perfil clínico-epidemiológico da leptospirose humana, no município de Belém, ...
Perfil clínico-epidemiológico da leptospirose humana, no município de Belém, ...
 
Texto Dengue - Tocantins
Texto   Dengue - TocantinsTexto   Dengue - Tocantins
Texto Dengue - Tocantins
 
1º boletim hanseníase sesdf_2013
1º boletim  hanseníase   sesdf_20131º boletim  hanseníase   sesdf_2013
1º boletim hanseníase sesdf_2013
 
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res MedAula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res Med
 
Doenças infecciosas 2010 a 2017
Doenças infecciosas 2010 a 2017Doenças infecciosas 2010 a 2017
Doenças infecciosas 2010 a 2017
 
Tcc gilberto santos 556108
Tcc gilberto santos 556108Tcc gilberto santos 556108
Tcc gilberto santos 556108
 
apresentacao artigo SGH.pptx
apresentacao artigo SGH.pptxapresentacao artigo SGH.pptx
apresentacao artigo SGH.pptx
 
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdfEPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
 
Sus
SusSus
Sus
 
9314
93149314
9314
 
Doenças Negligenciadas
Doenças NegligenciadasDoenças Negligenciadas
Doenças Negligenciadas
 
Apostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdf
Apostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdfApostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdf
Apostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdf
 
Big dengue
Big dengueBig dengue
Big dengue
 
Aula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptxAula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptx
 

Franciscopolis 3

  • 1. FRANCISCOPOLIS Vigilância Entomo/Epidemiológica/ Profilaxia/ Controle Vetorial 1-Vigilancia Entomológica: As atividades de vigilância entomológica devem ser executadas frequentemente em toda a área urbana do município, com a finalidade de levantar os índices e Infestação predial e traçar estratégia, promover ações e medidas no sentido de reduzir os criadouros de larvas do mosquito. 2-Profilaxia Profilaxia, para entender: do grego- Cautela (cuidado), ou seja, é aplicação de meios que evite doenças ou a propagação da mesma. Toda e qualquer medida que procure impedir esta interação pode ser chamada de medida profilática. Como exemplo; antes da coletividade entender as estruturas, a observação mostrou uma serie de medidas profiláticas eficientes. Os primeiros livros da Bíblia, contem uma serie de recomendações codificadas por Moisés aos Hebreus que doenças como Teníase e cisticercose deixam de ocorrer quando as pessoas deixam de utilizar carne suína. A fidelidade Conjugal recomendadas nos dez mandamentos mosaicos previne doenças sexualmente transmissíveis. Vale lembrar que nem sempre as medidas profiláticas foram bem vindas e que esta tese não é suficiente para a aceitação da população, em que se deve levar em conta a necessidade do respeito e a cultura de local no que se refere a utilização de medidas profiláticas e em especial no casos da Dengue. 3-Controle Vetorial Consiste na visita domiciliar casa a casa. É atribuição do Agente de Endemias; 1º vistoriar os quarteirões existentes, 2º Apresentar para o morador (a), informar ao mesmo sobre a importância do seu trabalho, e posteriormente, iniciar a inspeção por todos os cômodos dos imóveis existentes, começando pelo lado externo da moradia, direito para o esquerdo em sentido horário, intra e Peri domiciliar descobrindo e eliminando na medida do possível tudo que possa acumular água. Realizar mutirão de limpeza uso de parricidas, e inseticidas devem ser usadas em ultimo caso, ou quando necessário e por ultimo realizar pratica sanitária, reunir com Agentes comunitários de Saúde com a população e outras instituições. 3-1 atividades Complementares Atividades de emergência como força tarefa, aplicações de inseticida ultrabaixo volume (UBV), são utilizadas em caso de surtos, ou seja, é de uso restrito em epidemias ou quando o índice de Infestação predial atingir os 5% ou
  • 2. se ainda confirmar pelo menos um caso de Dengue confirmado por critério Laboratorial numa localidade, para interromper a transmissão, e eliminar as fêmeas infectadas. Segundo a Planilha de avaliação e monitoramento do Programa Nacional do Controle da Dengue da SRS/TO, em 2009, os índices de infestação Predial no Município mantiveram patamares baixíssimos, ou seja, em números aceitáveis pelo Ministério da Saúde. Vale lembrar que somente no 2º e no 3º Levantamento de índice é que houve infestação Predial onde o 2º (Li) mediu cerca de 0,40% e o 3º (Li) 0,50%. Apesar da presença do vetor ainda que em baixa escala, no referido período, não houve registro de casos Confirmados por dengue nessa Localidade, e portanto, é a certeza que neste período não houve circulação do vírus, e portanto reforça-se a tese em que para a ocorrência da doença, não basta apenas a presença do mosquito. Faz- se necessário o conjunto desses fatores: (Vetor) Presencia do mosquito, Vírus, e população. De acordo com o Núcleo de Informações Epidemiológicas (NIE) da Superintendência Regional de Saúde (SRS/TO), No decorrer do ano 2007, 2008, 2009, não houve ocorrência de casos de Dengue em Francisco polis. Em 2010, no 1º Levantamento, o Índice de Infestação Predial aumentou drasticamente medindo cerca de 2% em relação ao mesmo período do ano anterior que foi de, 0% O 3º levantamento de Índice do ano anterior teve um amplo perfil entomológico, ou seja os números variaram entre 0,50% e 0,57%. Em 2011, o 1º Levantamento de Índice foi de apenas 0,21%. O 2º houve um aumento nos níveis de infestação em que ultrapassou 1%. Em 2012, os níveis de infestação mantiveram satisfatórios oscilando entre 0% e, 3% em relação ao 1º ao 3º. do ano de 2007 a 2012.Veja a seguir. Figura 01- Índice de Infestação Predial por Aedes aegypti Município de Franciscópolis Ano Fonte: Programa Nacional de Controle da Dengue SRS/TO.
  • 3. Figura 02- Índice de Infestação Predial por Aedes aegypti Município de Franciscópolis Ano 2010. Fonte: Programa Nacional de Controle Dengue/SRS/TO. Figura 03- Índices de Infestação predial por Aedes aegypti Município Franciscópolis Ano 2011 Fonte: Programa Nacional de Controle da Dengue/SRS/TO. Em 2011, podemos verificar que no segundo levantamento de índice, a infestação predial mediu acima de 1%,o aceitável pelo Ministério da Saúde. O 1º, 2º, 3º Li obtiveram resultado satisfatório na casa de 0,0%
  • 4. Figura 04- Índices de Infestação predial por Aedes aegypti Município Franciscópolis Ano 2012. Fonte: PNCD/SRS/TO. A única garantia para que não exista a dengue é a ausência do vetor. Embora não esteja determinado um limite do qual se possa ter a certeza de que não ocorrerão surtos de dengue, este nível deve ser bem próximo de zero. Dessa forma, em áreas com Aedes, o monitoramento do vetor deve ser realizado rotineiramente para conhecer as áreas infestadas e desencadear as medidas de controle manejo ambiental: mudanças no meio ambiente que impeçam ou minimizem a propagação do vetor, evitando ou destruindo os criadouros potenciais do Aedes; melhoria de saneamento básico, participação comunitária, no sentido de evitar a infestação domiciliar do Aedes, através da redução de criadouros potenciais do vetor (saneamento domiciliar);controle químico em pontos estratégicos de difícil acesso e por ultra baixo volume (elimina alados) com uso restrito em epidemia. A participação comunitária é um elemento fundamental na luta contra a dengue, sendo difícil que uma comunidade pobre cuja população tem um baixo nível cultural e educacional, com um sistema de coleta de resíduos deficiente, preocupe-se pelo controle do vetor quando sua prioridade é lutar por sua subsistência. Na situação atual de nossa região, esta realidade constitui um desafio para o controle do mosquito vetor e, portanto a doença. Vigilância Epidemiológica Em estudo retrospectivo dos trinta e dois municípios da Superintendência Regional de Saúde SRSTO até Vigésima terceira semana epidemiologia de 2012, o município de Francisco polis, registrou cerca de 50 notificações com as quais 18 tiveram diagnostico positivo por Critério Laboratorial.
  • 5. Tabela 05- Notificações de Casos suspeitos Dengue Município Franciscópolis até a vigésima semana epidemiológica ano, 2012. Semana 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 9ª 11ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª 19ª 20ª Tota s Epid l Nº de 1 1 2 1 10 5 5 5 3 1 2 3 2 1 1 43 Notificaç ões Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/T Gráfico 05- Curva Endêmica da distribuição semanal de Notificações de Casos suspeitos de Dengue município Franciscipolis ano Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/ Medidas de Frequência Tabela 06- Medidas de Frequência. Incidência: refere-se aos casos novos. Para o conhecimento da incidência, especifica-se a duração do tempo de observação de surgimento de casos como, por exemplo, a incidência de casos de Dengue durante um mês, ou semanas. Ela reflete a dinâmica como os casos vão aparecendo. Medida Numerador Denominador Unidades de Referencia Casos Novos População Total 10* 10 elevado á 3ª Potencia 16 5.800 1.000 Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/Tabwin.*
  • 6. De acordo com especialistas (...), Os valore s de N podem variar entre 1.000, 10.000, e 100.000.como a população de Franciscipolis é menor que 10.000, Multiplica-se 16X1000=16000, e divide-se pelo numero total da população que é de 5.800 pessoas que igual 2,8. Isto que dizer que de cada mil pessoas dessa população quase três contraíram dengue neste período. Tabela 07- Semanas Epidemiológicas com Registros de casos de Dengue Confirmados por Critério Laboratorial, Município Francisco polis Ano, 2012. Nº de Casos 2ª 6º 9ª 11ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª Total Confirmado s Nº Casos 1 2 1 4 1 1 3 2 1 16 confirmado s Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/Tabwin.* Gráfico 07- Curva Endêmica da distribuição Semanal de Casos confirmados de Dengue por Critério Laboratorial segundo Município Franciscópolis Ano2012. . Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/ Tabwin*. Caracteres Epidemiológicos Relativos á pessoa Tabela 08- Frequência por sexo segundo Município Masculino Feminino Ignorado Total Total em Masculino Feminino % 19 25 0 44 100% 43,2% 56,8% Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/ Tabwin*.
  • 7. De acordo com a figura 07, entre estas duas categorias (Homens, Mulheres), determinou um numero de situações em que as mulheres, foram submetidas ao risco mais elevados da totalidade das notificações tendo em vista, que elas foram as mais atingidas pela dengue até o presente momento. Ao analisar dados segundo característica das pessoas podemos utilizar diversas categorias”. Algumas delas são essencial sexo, idade, etnia. Gráfico 09-Casos Notificados em 2012. Frequência por sexo segundo Município. Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/ Tabwin* Tabela 010- Frequência por Faixa Etária segundo Munícipio Francisco polis ano 2012. Idade <1 1-4 5-9 10-14 15-19 20-34 35-49 50-64 65-79 80+ Total Ano Nº de 1 0 2 5 8 8 9 6 2 3 44 Pesso as Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINA-NET/ Tabwin*. Tabela 11- Evolução da Série Histórica de Casos Confirmados de Dengue por Critério Laboratorial no Município de Francisco polis, Período de 2007 a 2012. Ano da 2007 200 2009 2010 2011 2012 Notificação 8 Nº de Casos 0 0 0 82 4 16 Confirmados Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SINAN-NET/ Tabwin*
  • 8. Gráfico 11- Curva Endêmica da Distribuição de Casos confirmados de Dengue por Critério Laboratorial por Ano da Notificação segundo Município Francisco polis. Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas-SINAN/NET/ Tawin* Gráfico 12- Serie histórica da Distribuição por ano da notificação de Casos de Dengue por Critério Laboratorial Fonte: Núcleo de Informações Epidemiológicas/SI NA-NET/ Tabwin.
  • 9. Na figura nº 12, podemos ver a trajetória histórica dos casos dengue no município de Franciscopolis desde de 2007 a 2012. Nela verificamos períodos Endêmicos, Epidêmicos. Entende-se por Nível Endêmico, de um agravo relacionado á Saúde a situação na qual sua frequência e distribuição em grupos de Pessoas mantenham padrões regulares de variações, vide figura abaixo anos 2007, 2008, 2009. Em 2012 o nº de casos de Dengue foram maior que 2011, portanto teve um caso Endêmico Nos momentos em que essas variações apresentam –se de forma irregular, temos uma Epidemia que pode ser definida como excesso de casos em relação ao esperado conforme figura ano de 2010 com cerca de 82 casos confirmados de Dengue por critério laboratorial. Materiais e Métodos Os materiais utilizados deste estudo são Dados de ocorrência de dengue, obtida da Superintendência Regional de Saúde de Teófilo Otoni, através de Planilhas semanais de notificações de casos de dengue e coleta de dados gerados do Núcleo de Informação Epidemiológico (NIE) da Superintendência Regional de Saúde, SRSTO, até a Décima primeira semana Epidemiológica de 2012. De acordo com a Coordenadora de Epidemiologia do referido Município-Quênia Moreira, - todos os casos, Notificados foram investigados. Importante Informar, que a Cidade tem “ampla aproximação comercial com o Município” de Malacacheta com um Histórico recente de Epidemia da referente patologia, e, portanto acredita-se em que os casos confirmados por critério Laboratorial foram importados Emigração ou Imigração do referido Município. Obs. Ainda poderá sofrer alterações. Falta concluir. Org. Xavante