SlideShare uma empresa Scribd logo
Bibliografia Colégio Pedro II – Unidade Escolar Realengo II Nomes : Julia  21  Turma : 705  Henrique  13 Brenda  05 Carlos C.  07  Profª – Isabel  Fontes : www.brasilescola.com pt.wikipedia.org/wiki
Missa Trabalho de musica – Formas musicais
O que é ? Gênero sacro católico. Quando possui caráter fúnebre e, também é conhecido como Réquiem. É dividido nas seguintes partes: Kyrie, Glória, Credo, Sanctus, Agnus Del, Beneditus, etc.
Senhor, tende piedade de nós Cristo, tende piedade de nós Senhor, tende piedade de nós  Kyrie (Perdão)
Glória a Deus nas alturas E paz na terra aos homens de boa vontade. Senhor Deus, Rei dos céus, Deus Pai onipotente. Nós vos louvamos. Nós vos bendizemos. Nós vos adoramos. Nós vos glorificamos. Nós vos damos graças, por vossa imensa glória. Senhor Jesus Cristo, Filho Unigênito. Senhor Deus, Cordeiro de Deus, Filho de Deus Pai. Vós que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós. Glória Continua ...
Vós que tirais o pecado do mundo,  acolhei a nossa súplica. Vós que estais à direita do Pai,  tende piedade de nós. Só vós sois Santo. Só vós sois o Senhor. Só vós o Altíssimo, Jesus Cristo. Com o Espírito Santo,  na glória de Deus Pai. Amém
Creio em um só Deus Pai Todo-Poderoso Criador dos céus e da terra De tudo o que é visível e invisível E no Senhor Jesus Cristo Filho Unigênito de Deus E nascido do Pai antes de todos os séculos Deus de Deus, Luz da Luz Deus verdadeiro do Deus verdadeiro Foi gerado e não criado, consubstancial ao Pai: Por quem tudo foi feito E que, por nós, homens Para nossa salvação Desceu dos céus E encarnou pelo poder do Espírito Santo, Nascendo da Virgem Maria: e fez-se homem. Crucificado também por nós: Sob ordem de Pôncio Pilatos, Padeceu e foi sepultado. Credo Continua ...
E ressuscitou ao terceiro dia Conforme as escrituras. E subiu aos céus Onde está sentado à direita do Pai Voltará novamente com glória, Para julgar os vivos e os mortos, E o seu Reino não terá fim. Creio no Espírito Santo Senhor que dá a vida. Que provém do Pai e do Filho E com o Pai e o Filho É adorado e glorificado: Ele que falou pelos profetas. Creio numa única, santa, católica E apostólica Igreja Confesso único batismo, Para remissão dos pecados E espero pela ressurreição dos mortos E a vida no mundo que há-de vir.
Santo, Santo, Santo é o Senhor, Deus do universo Os céus e a terra proclamam Vossa glória Hosana nas alturas, Hosana nas alturas Santo, Santo, Santo é o Senhor, Deus do universo Bendito o que vem, em nome do Senhor Hosana nas alturas, Hosana nas alturas Sanctus (Santo)
Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo Tem piedade de nós Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo Tem piedade de nós Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo Dá-nos a paz AGNUS DEI (CORDEIRO DE DEUS)
Bendito é aquele que vem Em nome do Senhor Hosana nas alturas Benedictus (Bendito)
Como surgiu ? A música sempre foi um elemento indispensável para "religar" - no sentido primitivo da palavra "religião" -  o homem à Deus. Nas pirâmides do Egito foram encontrados trompetes, o que indica o acompanhamento musical das cerimônias fúnebres.  Na Bíblia, sei lá aonde, fala-se de um tal Jubal, "pai dos que tocam cítara e órgão".  Na Grécia antiga vários deuses estavam relacionados à elementos musicais. Continua …
Muitos compositores dedicaram-se à escrever  música religiosa, associando ao fervor místico dos  cultos religiosos o poder arrebatador da música. Em  alguns casos, eles pouco ligaram para a religião,  criando obras musicais que transcendem em muito  qualquer significado estritamente religioso. A época renascentista ainda foi marcada pelo  Canto Gregoriano ou cantochão, uma linha melódica  simples e sem acompanhamento, no qual a  entonação das palavras fornecia a entonação e ritmo  da música. Há pouco tempo ouve uma espécie de  "renascimento" do canto gregoriano, que tornou-se  moda no mesmo filão "eu-me-amo-eu-me-auto-  ajudo"  de Lair Ribeiro ou Paulo Coelho. Graças a  Deus, como toda moda estúpida, caiu já no  esquecimento do público. Continua ...
Nos séculos XVI e XVII, muitos compositores criaram música para os ofícios religiosos, fossem católicos ou protestantes. A princípio essas músicas eram cantadas pela congregação, com um sentido devocional superior ao artístico. (Algo comparável - não em qualidade, mas na forma - aos rituais evangélicos de hoje em dia. Vide o popstar Padre Marcelo.) Todavia, essas composições cresceram em tamanho e complexidade, passando a exigir que um grupo especializado se responsabilizasse por sua execução, enquanto a maior parte da assembleia se limitaria a acompanhar.    Com a reforma protestante, Lutero quis quebrar o monopólio da Igreja sobre os hinos religiosos. Que fez? Adaptou uma série de melodias profanas para servirem como canções religiosas, utilizando-se de ritmos e temas populares. Depois, há quem considere a música gospel original... Continua ...
O resultado pretendido por Lutero teve resultado efêmero: logo os compositores passaram a criar introduções e floreios para esses hinos, dispensando novamente a participação da comunidade e requerendo um grupo de cantores especializados. Nos séculos XIX e XX a música religiosa já estava bastante distante de seu sentido original, convertendo-se em mais uma peça de concerto. Algumas missas ou réquiens chegam a durar mais de duas horas, retirando-lhes qualquer possibilidade de uso como música litúrgica. A religião perdeu uma forma, mas a música ganhou.
A Missa era a forma musical mais importante para os compositores da ARS Nova e Renascença. Durante a Idade Média, a música tinha evoluído da monodia gregoriana para a polifonia vocal e instrumental. Em termos modernos, diríamos que a missa era o contexto onde os compositores aplicavam mais significativamente os seus esforços criativos. Algumas missas caracterizavam-se por usarem um tema base - o  cantus firmus  - geralmente tomado de empréstimo, e que funcionava como uma espécie de viga melódica sobre a qual se construía o edifício polifônico. A fonte podia ser sagrada ou profana; depois era isorritmicamente tornada irreconhecível e colocada, com o texto litúrgico, nas vozes interiores (tenor e alto) ao longo da missa, unificando assim as várias partes: Kyrie, Gloria, Credo, Sanctus & Agnus Dei. Como era organizada ? Continua …
No século de Joana D`Arc, em plena guerra dos 100 Anos, com a soldadesca à solta pelos campos, estava na moda em toda a Europa a canção popular “ L`homme armé ”, que, segundo alguns, era de origem inglesa e da autoria de Robert Morton. Esta canção serviu de  cantus firmus  a muitas missas que passavam a designar-se pelo nome da melodia que tinham por base. (Na nossa versão, o  cantus firmus  é teatralizado.) Quase todos os grandes compositores renascentistas entre os séculos XV e XVI - Dufay, Ockeghem, Josquin Desprez, Obrecht, Palestrina, entre outros - escreveram  missas do homem armado . Mas a tradição continuou até a atualidade com compositores como Peter Maxwell Davies e Thierry Pécou.
Contexto religioso, como já mostrado ao longo. Em que contexto social surgiu ?
Significado Missa (Dicionario Michaelis) Missa :  1   Cerimônia eucarística com que a Igreja Católica comemora o sacrifício de Jesus Cristo pela humanidade.  2   Música composta para uma missa de festa.
Fotos Paróquia São Francisco – SP  Igreja evangélica Assembleia de Deus Coral da universidade católica de SP
Exemplos musicais • Padre Marcelo Rossi e Belo – Noites traiçoeiras Obs – Grande parte das missas do Padre Marcelo são cantadas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sophia de Mello Breyner
Sophia de Mello BreynerSophia de Mello Breyner
Sophia de Mello Breyner
Dina Baptista
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
António Fraga
 
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena NikéCaso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Hca Faro
 
RIMAS Camões.pptx
RIMAS Camões.pptxRIMAS Camões.pptx
RIMAS Camões.pptx
AnabelaMoiteiro
 
Matriz de Exame de HCA - Módulo 10
Matriz de Exame de HCA - Módulo 10Matriz de Exame de HCA - Módulo 10
Matriz de Exame de HCA - Módulo 10
Carlos Ferreira
 
O Modernismo na pintura e na literatura
O Modernismo na pintura e na literaturaO Modernismo na pintura e na literatura
O Modernismo na pintura e na literatura
Dina Baptista
 
A música barroca
A música barrocaA música barroca
A música barroca
Isabella Silva
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
JMTCS
 
Ficha informativa_ Recursos Expressivos
Ficha informativa_ Recursos ExpressivosFicha informativa_ Recursos Expressivos
Ficha informativa_ Recursos Expressivos
Raquel Antunes
 
Classical Forms
Classical FormsClassical Forms
Classical Forms
Lumen Learning
 
Análisis del kyrie misa de notre dame
Análisis del kyrie misa de notre dameAnálisis del kyrie misa de notre dame
Análisis del kyrie misa de notre dame
alexner
 
Camões
CamõesCamões
Arte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalArte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em Portugal
Maria Gomes
 
La musica nel Barocco (Alex)
La musica nel Barocco (Alex)La musica nel Barocco (Alex)
La musica nel Barocco (Alex)
26digitali
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
guest1a60537
 
The World Of Arabic Music
The World Of Arabic MusicThe World Of Arabic Music
The World Of Arabic Music
Ankita Mehrotra
 
"Regresso às fragas" de Miguel Torga
"Regresso às fragas" de Miguel Torga"Regresso às fragas" de Miguel Torga
"Regresso às fragas" de Miguel Torga
Mateus Ferraz
 
Teste 12 Ano
Teste  12 Ano Teste  12 Ano
Teste 12 Ano
Victor Nunes
 
Mh Bach Js
Mh Bach JsMh Bach Js
Mh Bach Js
jansonke
 

Mais procurados (20)

Jacopone+da+todi
Jacopone+da+todiJacopone+da+todi
Jacopone+da+todi
 
Sophia de Mello Breyner
Sophia de Mello BreynerSophia de Mello Breyner
Sophia de Mello Breyner
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena NikéCaso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
 
RIMAS Camões.pptx
RIMAS Camões.pptxRIMAS Camões.pptx
RIMAS Camões.pptx
 
Matriz de Exame de HCA - Módulo 10
Matriz de Exame de HCA - Módulo 10Matriz de Exame de HCA - Módulo 10
Matriz de Exame de HCA - Módulo 10
 
O Modernismo na pintura e na literatura
O Modernismo na pintura e na literaturaO Modernismo na pintura e na literatura
O Modernismo na pintura e na literatura
 
A música barroca
A música barrocaA música barroca
A música barroca
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Ficha informativa_ Recursos Expressivos
Ficha informativa_ Recursos ExpressivosFicha informativa_ Recursos Expressivos
Ficha informativa_ Recursos Expressivos
 
Classical Forms
Classical FormsClassical Forms
Classical Forms
 
Análisis del kyrie misa de notre dame
Análisis del kyrie misa de notre dameAnálisis del kyrie misa de notre dame
Análisis del kyrie misa de notre dame
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Arte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalArte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em Portugal
 
La musica nel Barocco (Alex)
La musica nel Barocco (Alex)La musica nel Barocco (Alex)
La musica nel Barocco (Alex)
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
 
The World Of Arabic Music
The World Of Arabic MusicThe World Of Arabic Music
The World Of Arabic Music
 
"Regresso às fragas" de Miguel Torga
"Regresso às fragas" de Miguel Torga"Regresso às fragas" de Miguel Torga
"Regresso às fragas" de Miguel Torga
 
Teste 12 Ano
Teste  12 Ano Teste  12 Ano
Teste 12 Ano
 
Mh Bach Js
Mh Bach JsMh Bach Js
Mh Bach Js
 

Destaque

História da Música I: 2ª e 3ª aulas
História da Música I: 2ª e 3ª aulasHistória da Música I: 2ª e 3ª aulas
História da Música I: 2ª e 3ª aulas
Leonardo Brum
 
A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
Jean
 
Santo Santo santo é o Senhor Cleidimar
Santo Santo santo é o Senhor CleidimarSanto Santo santo é o Senhor Cleidimar
Santo Santo santo é o Senhor Cleidimar
Fernando Machniewicz Knapik
 
I formação ministerial 2.0
I formação ministerial 2.0I formação ministerial 2.0
I formação ministerial 2.0
João Pedro Cunha
 
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Leandro Couto
 
Apostila de liturgia completo
Apostila de liturgia completoApostila de liturgia completo
Apostila de liturgia completo
Francisco Ferreira
 
A santa missa parte por parte
A santa missa parte por parteA santa missa parte por parte
A santa missa parte por parte
Francisco Rodrigues
 
Musica e liturgia
Musica e liturgiaMusica e liturgia
Musica e liturgia
Blog VALDERI
 
Formas sacras, por Marcos Filho
Formas sacras, por Marcos FilhoFormas sacras, por Marcos Filho
Formas sacras, por Marcos Filho
Marcos Filho
 
3º encontro catequese - As maravilhas de Deus
3º encontro catequese - As maravilhas de Deus3º encontro catequese - As maravilhas de Deus
3º encontro catequese - As maravilhas de Deus
Catequese Anjos dos Céus
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
BE/CRE
 
Power point da formação
Power point da formaçãoPower point da formação
Power point da formação
acolitosdeparanhos
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
Jean
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
iaymesobrino
 
Historia da musica
Historia da musica Historia da musica
Historia da musica
Shinnayder
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
mbsilva1971
 

Destaque (17)

História da Música I: 2ª e 3ª aulas
História da Música I: 2ª e 3ª aulasHistória da Música I: 2ª e 3ª aulas
História da Música I: 2ª e 3ª aulas
 
A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
 
Santo Santo santo é o Senhor Cleidimar
Santo Santo santo é o Senhor CleidimarSanto Santo santo é o Senhor Cleidimar
Santo Santo santo é o Senhor Cleidimar
 
I formação ministerial 2.0
I formação ministerial 2.0I formação ministerial 2.0
I formação ministerial 2.0
 
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
 
Apostila de liturgia completo
Apostila de liturgia completoApostila de liturgia completo
Apostila de liturgia completo
 
A santa missa parte por parte
A santa missa parte por parteA santa missa parte por parte
A santa missa parte por parte
 
Musica e liturgia
Musica e liturgiaMusica e liturgia
Musica e liturgia
 
Formas sacras, por Marcos Filho
Formas sacras, por Marcos FilhoFormas sacras, por Marcos Filho
Formas sacras, por Marcos Filho
 
3º encontro catequese - As maravilhas de Deus
3º encontro catequese - As maravilhas de Deus3º encontro catequese - As maravilhas de Deus
3º encontro catequese - As maravilhas de Deus
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 
Power point da formação
Power point da formaçãoPower point da formação
Power point da formação
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
 
Historia da musica
Historia da musica Historia da musica
Historia da musica
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
 

Semelhante a Forma Musical Missa

W ir música_e_canto_litúrgica
W ir música_e_canto_litúrgicaW ir música_e_canto_litúrgica
W ir música_e_canto_litúrgica
lccoletta
 
O canto-e-a-evolução-litúrgica
O canto-e-a-evolução-litúrgicaO canto-e-a-evolução-litúrgica
O canto-e-a-evolução-litúrgica
Taciano do Nascimento Rolim
 
Canto liturgico
Canto liturgicoCanto liturgico
Canto liturgico
Douglas Sandy Bonafé
 
História da Música I: aula inaugural
História da Música I:   aula inauguralHistória da Música I:   aula inaugural
História da Música I: aula inaugural
Leonardo Brum
 
Advento 2017 ano-B-pdf
Advento 2017 ano-B-pdfAdvento 2017 ano-B-pdf
Advento 2017 ano-B-pdf
Pascom Paroquia Nssc
 
Hinario Episcopal
Hinario EpiscopalHinario Episcopal
Hinario Episcopal
Diocese Anglicana do Paraná
 
Música Liturgica
Música LiturgicaMúsica Liturgica
Música Liturgica
Caio César
 
Musica e adoração. parte 1
Musica e adoração. parte 1Musica e adoração. parte 1
Musica e adoração. parte 1
josecidade
 
6. livro de partituras solenidades - ano a
6. livro de partituras   solenidades - ano a6. livro de partituras   solenidades - ano a
6. livro de partituras solenidades - ano a
wesley59
 
Artigo 5 os instrumentos musicais do senhor - md ed 54
Artigo 5   os instrumentos musicais do senhor - md ed 54Artigo 5   os instrumentos musicais do senhor - md ed 54
Artigo 5 os instrumentos musicais do senhor - md ed 54
Társis Iraídes
 
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoA Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
Jofran Lirio
 
Reforma do Breviário Romano
Reforma do Breviário Romano Reforma do Breviário Romano
Reforma do Breviário Romano
Oswaldo Michaelano
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
be23ceb
 
RASTROS HISTÓRICOS PENTECOSTAIS_Prof. Jamierson Oliveira
RASTROS HISTÓRICOS PENTECOSTAIS_Prof. Jamierson OliveiraRASTROS HISTÓRICOS PENTECOSTAIS_Prof. Jamierson Oliveira
RASTROS HISTÓRICOS PENTECOSTAIS_Prof. Jamierson Oliveira
Jamierson Oliveira
 
Musica Liturgica
Musica LiturgicaMusica Liturgica
Musica Liturgica
Daniel Linhares
 
Workshop sobre Advento.pptx
Workshop sobre Advento.pptxWorkshop sobre Advento.pptx
Workshop sobre Advento.pptx
EisenhowerSouza1
 
O Arauto 119, maio 2016
O Arauto 119, maio 2016O Arauto 119, maio 2016
O Arauto 119, maio 2016
Igreja Árvore da Vida
 
2010 11 14 culto matutino - orquestra e coro tchaikovski pdf.web
2010 11 14   culto matutino - orquestra e coro tchaikovski pdf.web2010 11 14   culto matutino - orquestra e coro tchaikovski pdf.web
2010 11 14 culto matutino - orquestra e coro tchaikovski pdf.web
Paulo Dias Nogueira
 
Com corações, mentes e vozes mac arthur
Com corações, mentes e vozes  mac arthurCom corações, mentes e vozes  mac arthur
Com corações, mentes e vozes mac arthur
edsonjsmarques
 
Música mais um pouco de história
Música   mais um pouco de históriaMúsica   mais um pouco de história
Música mais um pouco de história
Dimithry Sousa
 

Semelhante a Forma Musical Missa (20)

W ir música_e_canto_litúrgica
W ir música_e_canto_litúrgicaW ir música_e_canto_litúrgica
W ir música_e_canto_litúrgica
 
O canto-e-a-evolução-litúrgica
O canto-e-a-evolução-litúrgicaO canto-e-a-evolução-litúrgica
O canto-e-a-evolução-litúrgica
 
Canto liturgico
Canto liturgicoCanto liturgico
Canto liturgico
 
História da Música I: aula inaugural
História da Música I:   aula inauguralHistória da Música I:   aula inaugural
História da Música I: aula inaugural
 
Advento 2017 ano-B-pdf
Advento 2017 ano-B-pdfAdvento 2017 ano-B-pdf
Advento 2017 ano-B-pdf
 
Hinario Episcopal
Hinario EpiscopalHinario Episcopal
Hinario Episcopal
 
Música Liturgica
Música LiturgicaMúsica Liturgica
Música Liturgica
 
Musica e adoração. parte 1
Musica e adoração. parte 1Musica e adoração. parte 1
Musica e adoração. parte 1
 
6. livro de partituras solenidades - ano a
6. livro de partituras   solenidades - ano a6. livro de partituras   solenidades - ano a
6. livro de partituras solenidades - ano a
 
Artigo 5 os instrumentos musicais do senhor - md ed 54
Artigo 5   os instrumentos musicais do senhor - md ed 54Artigo 5   os instrumentos musicais do senhor - md ed 54
Artigo 5 os instrumentos musicais do senhor - md ed 54
 
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoA Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
 
Reforma do Breviário Romano
Reforma do Breviário Romano Reforma do Breviário Romano
Reforma do Breviário Romano
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 
RASTROS HISTÓRICOS PENTECOSTAIS_Prof. Jamierson Oliveira
RASTROS HISTÓRICOS PENTECOSTAIS_Prof. Jamierson OliveiraRASTROS HISTÓRICOS PENTECOSTAIS_Prof. Jamierson Oliveira
RASTROS HISTÓRICOS PENTECOSTAIS_Prof. Jamierson Oliveira
 
Musica Liturgica
Musica LiturgicaMusica Liturgica
Musica Liturgica
 
Workshop sobre Advento.pptx
Workshop sobre Advento.pptxWorkshop sobre Advento.pptx
Workshop sobre Advento.pptx
 
O Arauto 119, maio 2016
O Arauto 119, maio 2016O Arauto 119, maio 2016
O Arauto 119, maio 2016
 
2010 11 14 culto matutino - orquestra e coro tchaikovski pdf.web
2010 11 14   culto matutino - orquestra e coro tchaikovski pdf.web2010 11 14   culto matutino - orquestra e coro tchaikovski pdf.web
2010 11 14 culto matutino - orquestra e coro tchaikovski pdf.web
 
Com corações, mentes e vozes mac arthur
Com corações, mentes e vozes  mac arthurCom corações, mentes e vozes  mac arthur
Com corações, mentes e vozes mac arthur
 
Música mais um pouco de história
Música   mais um pouco de históriaMúsica   mais um pouco de história
Música mais um pouco de história
 

Último

- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 

Último (20)

- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 

Forma Musical Missa

  • 1. Bibliografia Colégio Pedro II – Unidade Escolar Realengo II Nomes : Julia 21 Turma : 705 Henrique 13 Brenda 05 Carlos C. 07 Profª – Isabel Fontes : www.brasilescola.com pt.wikipedia.org/wiki
  • 2. Missa Trabalho de musica – Formas musicais
  • 3. O que é ? Gênero sacro católico. Quando possui caráter fúnebre e, também é conhecido como Réquiem. É dividido nas seguintes partes: Kyrie, Glória, Credo, Sanctus, Agnus Del, Beneditus, etc.
  • 4. Senhor, tende piedade de nós Cristo, tende piedade de nós Senhor, tende piedade de nós  Kyrie (Perdão)
  • 5. Glória a Deus nas alturas E paz na terra aos homens de boa vontade. Senhor Deus, Rei dos céus, Deus Pai onipotente. Nós vos louvamos. Nós vos bendizemos. Nós vos adoramos. Nós vos glorificamos. Nós vos damos graças, por vossa imensa glória. Senhor Jesus Cristo, Filho Unigênito. Senhor Deus, Cordeiro de Deus, Filho de Deus Pai. Vós que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós. Glória Continua ...
  • 6. Vós que tirais o pecado do mundo,  acolhei a nossa súplica. Vós que estais à direita do Pai,  tende piedade de nós. Só vós sois Santo. Só vós sois o Senhor. Só vós o Altíssimo, Jesus Cristo. Com o Espírito Santo,  na glória de Deus Pai. Amém
  • 7. Creio em um só Deus Pai Todo-Poderoso Criador dos céus e da terra De tudo o que é visível e invisível E no Senhor Jesus Cristo Filho Unigênito de Deus E nascido do Pai antes de todos os séculos Deus de Deus, Luz da Luz Deus verdadeiro do Deus verdadeiro Foi gerado e não criado, consubstancial ao Pai: Por quem tudo foi feito E que, por nós, homens Para nossa salvação Desceu dos céus E encarnou pelo poder do Espírito Santo, Nascendo da Virgem Maria: e fez-se homem. Crucificado também por nós: Sob ordem de Pôncio Pilatos, Padeceu e foi sepultado. Credo Continua ...
  • 8. E ressuscitou ao terceiro dia Conforme as escrituras. E subiu aos céus Onde está sentado à direita do Pai Voltará novamente com glória, Para julgar os vivos e os mortos, E o seu Reino não terá fim. Creio no Espírito Santo Senhor que dá a vida. Que provém do Pai e do Filho E com o Pai e o Filho É adorado e glorificado: Ele que falou pelos profetas. Creio numa única, santa, católica E apostólica Igreja Confesso único batismo, Para remissão dos pecados E espero pela ressurreição dos mortos E a vida no mundo que há-de vir.
  • 9. Santo, Santo, Santo é o Senhor, Deus do universo Os céus e a terra proclamam Vossa glória Hosana nas alturas, Hosana nas alturas Santo, Santo, Santo é o Senhor, Deus do universo Bendito o que vem, em nome do Senhor Hosana nas alturas, Hosana nas alturas Sanctus (Santo)
  • 10. Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo Tem piedade de nós Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo Tem piedade de nós Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo Dá-nos a paz AGNUS DEI (CORDEIRO DE DEUS)
  • 11. Bendito é aquele que vem Em nome do Senhor Hosana nas alturas Benedictus (Bendito)
  • 12. Como surgiu ? A música sempre foi um elemento indispensável para "religar" - no sentido primitivo da palavra "religião" -  o homem à Deus. Nas pirâmides do Egito foram encontrados trompetes, o que indica o acompanhamento musical das cerimônias fúnebres.  Na Bíblia, sei lá aonde, fala-se de um tal Jubal, "pai dos que tocam cítara e órgão".  Na Grécia antiga vários deuses estavam relacionados à elementos musicais. Continua …
  • 13. Muitos compositores dedicaram-se à escrever música religiosa, associando ao fervor místico dos cultos religiosos o poder arrebatador da música. Em alguns casos, eles pouco ligaram para a religião, criando obras musicais que transcendem em muito qualquer significado estritamente religioso. A época renascentista ainda foi marcada pelo Canto Gregoriano ou cantochão, uma linha melódica simples e sem acompanhamento, no qual a entonação das palavras fornecia a entonação e ritmo da música. Há pouco tempo ouve uma espécie de "renascimento" do canto gregoriano, que tornou-se moda no mesmo filão "eu-me-amo-eu-me-auto- ajudo"  de Lair Ribeiro ou Paulo Coelho. Graças a Deus, como toda moda estúpida, caiu já no esquecimento do público. Continua ...
  • 14. Nos séculos XVI e XVII, muitos compositores criaram música para os ofícios religiosos, fossem católicos ou protestantes. A princípio essas músicas eram cantadas pela congregação, com um sentido devocional superior ao artístico. (Algo comparável - não em qualidade, mas na forma - aos rituais evangélicos de hoje em dia. Vide o popstar Padre Marcelo.) Todavia, essas composições cresceram em tamanho e complexidade, passando a exigir que um grupo especializado se responsabilizasse por sua execução, enquanto a maior parte da assembleia se limitaria a acompanhar.    Com a reforma protestante, Lutero quis quebrar o monopólio da Igreja sobre os hinos religiosos. Que fez? Adaptou uma série de melodias profanas para servirem como canções religiosas, utilizando-se de ritmos e temas populares. Depois, há quem considere a música gospel original... Continua ...
  • 15. O resultado pretendido por Lutero teve resultado efêmero: logo os compositores passaram a criar introduções e floreios para esses hinos, dispensando novamente a participação da comunidade e requerendo um grupo de cantores especializados. Nos séculos XIX e XX a música religiosa já estava bastante distante de seu sentido original, convertendo-se em mais uma peça de concerto. Algumas missas ou réquiens chegam a durar mais de duas horas, retirando-lhes qualquer possibilidade de uso como música litúrgica. A religião perdeu uma forma, mas a música ganhou.
  • 16. A Missa era a forma musical mais importante para os compositores da ARS Nova e Renascença. Durante a Idade Média, a música tinha evoluído da monodia gregoriana para a polifonia vocal e instrumental. Em termos modernos, diríamos que a missa era o contexto onde os compositores aplicavam mais significativamente os seus esforços criativos. Algumas missas caracterizavam-se por usarem um tema base - o  cantus firmus  - geralmente tomado de empréstimo, e que funcionava como uma espécie de viga melódica sobre a qual se construía o edifício polifônico. A fonte podia ser sagrada ou profana; depois era isorritmicamente tornada irreconhecível e colocada, com o texto litúrgico, nas vozes interiores (tenor e alto) ao longo da missa, unificando assim as várias partes: Kyrie, Gloria, Credo, Sanctus & Agnus Dei. Como era organizada ? Continua …
  • 17. No século de Joana D`Arc, em plena guerra dos 100 Anos, com a soldadesca à solta pelos campos, estava na moda em toda a Europa a canção popular “ L`homme armé ”, que, segundo alguns, era de origem inglesa e da autoria de Robert Morton. Esta canção serviu de  cantus firmus  a muitas missas que passavam a designar-se pelo nome da melodia que tinham por base. (Na nossa versão, o  cantus firmus  é teatralizado.) Quase todos os grandes compositores renascentistas entre os séculos XV e XVI - Dufay, Ockeghem, Josquin Desprez, Obrecht, Palestrina, entre outros - escreveram  missas do homem armado . Mas a tradição continuou até a atualidade com compositores como Peter Maxwell Davies e Thierry Pécou.
  • 18. Contexto religioso, como já mostrado ao longo. Em que contexto social surgiu ?
  • 19. Significado Missa (Dicionario Michaelis) Missa : 1  Cerimônia eucarística com que a Igreja Católica comemora o sacrifício de Jesus Cristo pela humanidade.  2   Música composta para uma missa de festa.
  • 20. Fotos Paróquia São Francisco – SP Igreja evangélica Assembleia de Deus Coral da universidade católica de SP
  • 21. Exemplos musicais • Padre Marcelo Rossi e Belo – Noites traiçoeiras Obs – Grande parte das missas do Padre Marcelo são cantadas.