SlideShare uma empresa Scribd logo
BIOSSEGURANÇA
OBJETIVO
• Capacitar os profissionais do Laboratório Fonte Medicina para a
prática dos conceitos e preceitos de biossegurança, bem como o uso
adequado das boas práticas laboratoriais, visando assegurar a
integridade física e a qualidade dos resultados obtidos na realização
dos exames.
BIOSSEGURANÇA
• O QUE É?
É o conjunto de ações voltadas para prevenção, minimização ou
eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção,
ensino, desenvolvimento tecnológico e prestação de serviços, as
quais possam comprometer a saúde do homem, dos animais, das
plantas, do ambiente ou a qualidade dos trabalhos desenvolvidos.
CUIDADOS AO INICIAR
O TRABALHO
• O que vou fazer no laboratório?
• Conheço o ambiente em que vou trabalhar?
• Que equipamentos ou instrumentos vou utilizar?
• Recebi ou vou receber treinamento?
• Presto atenção aos símbolos?
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL (E.P.I) E SUAS UTILIDADES
NOS LABORATÓRIOS
São todos dispositivos de uso individual, destinados a proteger a
integridade física dos trabalhadores.
Quais são os - EPI's?
• Avental / Jaleco ou roupas de proteção
• Luvas
• Proteção facial/ ocular
• Proteção respiratória
Deve-se:
• Usá-lo apenas para a finalidade que se destina.
• Responsabiliza-se por sua guarda e conservação.
• Comunicar qualquer alteração que o torne impróprio para o
uso.
• Adquirir o tipo adequado a atividade do empregado.
• Treinar o trabalhador sobre seu uso adequado.
• Tornar obrigatório seu uso.
• Substituí-lo quando danificado ou extraviado.
AVENTAL / JALECO
Avental/jaleco: recomendado para manuseio de substâncias químicas
Modelo: mangas compridas com fechamento em velcro;
comprimento até os joelhos, fechamento frontal em velcro ou com
botões e sem “detalhes soltos”. Deve ser usado sempre fechado.
Aventais descartáveis : não protegem contra substâncias químicas;
são altamente inflamáveis; devem ser usados uma única vez. Os
aventais devem ser despidos quando sair do laboratório .
VESTIMENTA
• CALÇA COMPRIDA
• CAMISETA DE MANGAS
• CALÇADO BAIXO E CONFORTÁVEL
• SANDÁLIAS OU CHINELOS SÃO
INADEQUADOS
• JALECO DEVIDAMENTE ABOTOADO
UTILIZAR O JALECO
SOMENTE NO LABORATÓRIO
LUVAS
Látex: Bom para ácidos e bases diluídas, péssimo para
solventes orgânicos
PVC: Bom para ácidos e bases, ruim para a maioria dos
solvente orgânicos.
Nitrila: Bom para uma grande variedade de solventes
orgânicos e ácidos e bases.
OBS: Nenhum material protege contra todos os produtos químicos. Luvas de
látex descartáveis são permeáveis a praticamente todos os produtos químicos
• Use sempre luvas quando estiver manuseando produtos
químicos ou biológicos
PROTEÇÃO
FACIAL / OCULAR
• Deve estar disponível para todos os funcionários que trabalhem
em locais onde haja manuseio ou armazenamento de substâncias
químicas
• Todos os visitantes deste local também deverão utilizar proteção
facial/ocular
• O uso é obrigatório em atividades onde houver probabilidade de
respingos de produtos químicos.
EVITE O USO
DE LENTES DE CONTATO
PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Respiradores (Máscaras)
Deverão ser utilizadas em casos especiais:
• Em acidentes, nas operações de limpeza e salvamento
• Em operações de limpeza de almoxarifados de produtos químicos
• Na manipulação de produtos químicos
• Em procedimentos onde não seja possível a utilização de sistemas
exaustores
O QUE É UM EPC
(Equipamento de Proteção Coletiva) ?
• Extintores, hidrantes, mangueiras e sistema de combate ao
incêndio - não existe um ambiente que seja 100% seguro
contra incêndio, mesmo em alto mar ocorrem problemas com
fogo, sendo este o item mais importante, básico e essencial
para a proteção coletiva dos funcionários
• Detectores de fumaça - estes trabalham em conjunto com os
extintores, detectando e alertando todos sobre a existência de
fumaça em um ambiente
• Kit de primeiros socorros - acidentes, dos mais simples
aos mais graves, podem ocorrer em todo e qualquer
local de trabalho, sendo sempre obrigatória a presença
de um kit com os itens básicos para primeiros socorros
• Chuveiros e lava-olhos - trabalhadores que
desempenham suas funções em contato com agentes
químicos ou biológicos, podem ser intoxicados ou se
contaminarem com tais substâncias nocivas, sendo
necessário fazer uma lavagem ou limpeza correta, com
produtos específicos para tal contaminação. Muito
comum em indústrias e laboratórios químicos.
• Capela - É um equipamento utilizado para realizar
trabalhos em materiais no qual produzem vapores
tóxicos e nocivos a saúde. A função da capela de
exaustão é eliminar tais vapores utilizando exaustores
projetados, preservando a saúde do operador.
OUTROS CUIDADOS IMPORTANTES!!
• Mantenha as unhas cortadas
• Não utilize anéis, pulseiras, relógios e cordões
• Não fume
NÃO É PERMITIDO COLOCAR
COMIDA NA GELADEIRA OU NA ESTUFA
SEGURANÇA EM RELAÇÃO
AOS PRODUTOS QUÍMICOS, INCÊNDIO
E ELETRICIDADE
• O pessoal de laboratório está exposto a produtos químicos perigosos.
• É importante conhecer bem os efeitos tóxicos, as vias de exposição e
os riscos associados à manipulação e armazenagem de tais produtos.
• Os fabricantes e fornecedores de produtos químicos fornecem dados
sobre a segurança do material e outras informações sobre riscos
químicos.
• O que é FISPQ?
FISPQ
• A FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos
Químicos) é um documento que contém informações sobre
misturas e substâncias químicas que possui informações
essenciais sobre os riscos inerentes aos produtos. As
instruções de elaboração e modelo de FISPQ no Brasil são
definidas pela norma ABNT NBR14725 - Parte 4.
• Para que serve uma FISPQ? Como se trata de um documento
com informações técnicas, os leitores (profissionais técnicos)
podem utilizar seu conteúdo e desenvolver avaliações de risco
que permite a aplicação de um programa ativo de segurança,
saúde e meio ambiente, incluindo treinamentos aos usuários
dos produtos.
QUAIS SÃO AS VIAS DE
EXPOSIÇÃO?
INALAÇÃO
CONTATO
INGESTÃO
CORTES NA PELE
COMO ARMAZENAR OS
PRODUTOS QUÍMICOS?
• No laboratório só devem ser armazenadas as quantidades de
produtos químicos necessárias para uso diário.
• Seguir as recomendações da RDC, nº 306, de 7 de dezembro de
2004.
EFEITOS TÓXICOS
DOS PRODUTOS QUÍMICOS
• Certos produtos químicos são nocivos para a saúde das pessoas
que os manipulam ou que inalam os seus vapores tóxicos.
• Pode danificar gravemente: o sistema respiratório, o sangue, os
pulmões, os rins e o sistema gastrointestinal.
• Outros têm propriedades cancerígenas
COMO PROCEDER NO CASO DE
DERRAME DE PRODUTOS QUÍMICOS
• Evacuar a área;
• Prestar cuidados às pessoas que possam ter
sido atingidas;
• Se o material for inflamável, apagar todas as
chamas vivas, abrir as janelas e desligar da
corrente o equipamento elétrico que possa
produzir faíscas;
• Evitar respirar os vapores produzidos pelo
material derramado;
• Ligar o exaustor;
• Arranjar o material necessário para o derrame
DERRAME DE PRODUTOS
QUÍMICOS
• Materiais que devem estar diponíveis:
RISCO DE INCÊNDIO
• Placas com instruções sobre a maneira de proceder em caso
de incêndio e que indiquem as saídas de socorro.
• O material de incêndio deve ser colocado em pontos
estratégicos.
QUAL EXTINTOR UTILIZAR?
• Dióxido de carbono (CO2): é
utilizado em pequenos incêndios
líquidos e naqueles envolvendo
equipamento elétrico. Evite usar em
incêndios com papéis, uma vez que o
CO2 não tem efeito resfriador.
EXTINTOR A ÁGUA
• É uma das formas mais comuns de combate ao fogo. Melhor
aproveitada quando utilizada em incêndios envolvendo
madeiras, papéis e materiais têxteis. O uso em equipamento
elétrico e reagentes químicos não é recomendado.
EXTINTOR PÓ QUÍMICO SECO
• Forma eficiente de combate a incêndios envolvendo reagentes
químicos, solventes, equipamento elétrico e materiais
combustíveis como papel, plástico etc.
AREIA
• É extremamente eficiente para pequenos incêndios líquidos e
materiais metálicos em chamas.
ACETONA
IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS
Periculosidade: Substância Inflamável. Não respirar o vapor. Não jogar na
tubulação.
MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS
Em caso de contato com a pele e com olhos , lavar com água em
abundância. Nos casos de ingestão ou inalação, remover a vítima para um
local arejado e recorrer a serviço médico.
MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO
Em caso de incêndio utilizar espuma ou névoa d’água como agente
extintor. Nunca utilizar jato de água para não espalhar o líquido. A
proteção para as mãos deve ser feita com luvas de PVC ou látex.
MEDIDAS DE CONTROLE PARA O DERRAMAMENTO
Em caso de vazamento utilizar areia ou pó de serragem para conter o
líquido. Isolar a área. Não permitir que a parte derramada seja escoada
ou lançada em veios d’água.
MANUSEIO
O manuseio deve se dar em capela com exaustão. A utilização de luvas,
protetores faciais, máscaras apropriadas e roupas adequadas.
INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS
Substância irritante, para as vias aéreas, olhos e membranas mucosas.
ÁCIDO ACÉTICO
IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS
Periculosidade: Substância corrosiva/Inflamável. Causa
queimaduras graves. Tóxico por ingestão/inalação podendo causar
vomito. Não respirar o vapor.
MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS
Em caso de contato com a pele e com olhos , lavar com água em
abundância. Nos casos de ingestão ou inalação, remover a vítima
para um local arejado e recorrer a serviço médico.
MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO
Em caso de incêndio utilizar espuma ou névoa d’água como agente
extintor. Nunca utilizar jato de água para não espalhar o líquido. A
proteção para as mãos deve ser feita com luvas de PVC ou látex.
MEDIDAS DE CONTROLE PARA O DERRAMAMENTO
Em caso de vazamento utilizar areia ou pó de serragem para conter o
líquido. Isolar a área. Não permitir que a parte derramada seja escoada
ou lançada em veios d’água.
MANUSEIO
O manuseio deve se dar em capela com exaustão. A utilização de luvas,
protetores faciais, máscaras apropriadas e roupas adequadas.
INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS
Substância irritante, para as vias aéreas, olhos e membranas mucosas.
ÁCIDO CLORÍDRICO
IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS
Periculosidade: Irritante a pele e aos olhos, podendo provocar
queimaduras graves; também irritante as vias repiratórias.
MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS
Em caso de contato com a pele e com olhos , lavar com água em
abundância. Nos casos de ingestão ou inalação, remover a vítima
para um local arejado e recorrer a serviço médico.
MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO
Não aplicável. Substância não inflamável.
MEDIDAS DE CONTROLE PARA O DERRAMAMENTO
Em caso de vazamento utilizar areia. Após aplicar bicarbonato para
neutralizar. Isolar a área. Não permitir que a parte derramada seja
escoada ou lançada em veios d’água.
MANUSEIO
O manuseio deve se dar em capela com exaustão. A utilização de
luvas, protetores faciais, máscaras apropriadas e roupas
adequadas.
INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS
Substância irritante, para as vias aéreas, olhos e membranas
mucosas.
ÁLCOOL ETÍLICO
IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS
Periculosidade: Substância inflamável. Evitar contato prolongado
com a pele.
MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS
Em caso de contato com a pele e com olhos , lavar com água em
abundância. Nos casos de ingestão ou inalação, remover a vítima
para um local arejado e recorrer a serviço médico.
MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO
Em caso de incêndio utilizar espuma ou névoa d’água como agente
extintor. Nunca utilizar jato de água para não espalhar o líquido. A
proteção para as mãos deve ser feita com luvas de PVC ou látex.
MEDIDAS DE CONTROLE PARA O DERRAMAMENTO
Em caso de vazamento utilizar areia ou pó de serragem para conter
o líquido. Isolar a área. Não permitir que a parte derramada seja
escoada ou lançada em veios d’água.
MANUSEIO
O manuseio deve se dar em capela com exaustão. A utilização de
luvas, protetores faciais, máscaras apropriadas e roupas adequadas.
INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS
Substância irritante, para as vias aéreas, olhos e membranas
mucosas. Os sintomas de intoxicação com o produto pode ser
facilmente percebidos através de alterações do sistema nervoso,
causando náusea, vômito e depressão.
HIDRÓXIDO DE AMÔNIO
IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS
Periculosidade: Substância não inflamável. Muito tóxico. Evitar
inalar vapores e contatos com a pele. Não ingerir e evitar
contato com os olhos.
MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS
Em caso de contato com a pele e com olhos , lavar com água em
abundância. Nos casos de ingestão ou inalação, remover a vítima
para um local arejado e recorrer a serviço médico. Não induzir
ao vômito.
MEDIDAS DE CONTROLE PARA O DERRAMAMENTO
Em caso de vazamento utilizar areia ou pó de serragem para
conter o líquido. Isolar a área. Não permitir que a parte
derramada seja escoada ou lançada em veios d’água.
MANUSEIO
O manuseio deve se dar em capela com exaustão. A utilização de
luvas, protetores faciais, máscaras apropriadas e roupas
adequadas.
INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS
Substância irritante, para as vias aéreas, olhos e membranas
mucosas. Os sintomas de intoxicação com o produto pode ser
facilmente percebidos através de alterações do sistema nervoso,
causando náusea, vômito e depressão.
Vapor: Muito irritante para as mucosas. Causa espirros, tosse e dispneia.
Provoca lacrimejo, podendo causar conjuntivites.
• Conjuntivite causada por vapores de amoníaco
Causa dermatite, intolerância gástrica e estado de choque se ingerida.
A complicação imediata é o edema de glote.
• Dermatite provocada por amoníaco
Formoldeído
IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS
Periculosidade: Pode inflamar. Tóxico, volátil. Irritante à pele e
mucosas.
MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS
Em caso de contato com a pele e com olhos , lavar com água em
abundância. Nos casos de ingestão ou inalação, remover a vítima para
um local arejado e recorrer a serviço médico.
MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO
Em caso de incêndio utilizar pó químico seco, extintores d’água não são eficientes .
MEDIDAS DE CONTROLE PARA O DERRAMAMENTO
Em caso de vazamento utilizar areia ou pó de serragem para conter o líquido. Isolar a
área. Não permitir que a parte derramada seja escoada ou lançada em veios d’água.
MANUSEIO
O manuseio deve se dar em capela com exaustão. A utilização de luvas, protetores
faciais, máscaras com filtro e roupas adequadas.
INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS
Substância irritante, para as vias aéreas, olhos e membranas mucosas. Os sintomas de
intoxicação com o produto pode ser facilmente percebidos através de alterações do
sistema nervoso, causando náusea, vômito, insuficiência respiratória, dermatite,
conjuntivite
PRIMEIROS SOCORROS
• A caixa de primeiros socorros deve ser feita de materiais que
protejam o seu conteúdo da poeira e da umidade. Deve estar
bem à vista e ser facilmente reconhecida.
• A segurança do laboratório é igualmente da responsabilidade
de todos, e cada trabalhador é responsável pela sua própria
segurança e pela segurança dos seus colegas.
• Uma formação contínua no local de trabalho é essencial para
manter o pessoal do laboratório sensibilizados para o problema
da segurança.
RISCOS ELÉTRICOS
• É essencial que todas as instalações e equipamentos elétricos
sejam verificados e controlados regularmente.
PERGUNTAS
O QUE É BIOSSEGURANÇA?
• A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção,
minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de
pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e
prestação de serviços, visando à saúde do homem, dos animais, a
preservação do meio ambiente e a qualidade dos resultados.
Fale duas desvantagens do uso de lentes de
contato no laboratório
• Podem descolorir ou ficar turvas
• Partículas podem ficar retidas
• Alguns vapores podem ser absorvidos nas lentes
3- A imagem ao lado corresponde ao símbolo
internacional indicativo de risco, em laboratório,
devido à presença de :
A. Produto volátil.
B. Material corrosivo.
C. Substância irritante.
D. Material infectante.
4-O que significa cada símbolo?
TÓXICO CORROSIVO INFLAMÁVEL
Diga qual a alternativa que não indica um
equipamento de proteção individual.
A. Máscara.
B. Avental.
C. Luvas.
D. Protetor facial.
E. Lava-olhos.
Oque é FISPQ? Para que serve?
• A FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos
Químicos) é um documento que contém informações sobre
misturas e substâncias químicas que possui informações
essenciais sobre os riscos inerentes aos produtos. As
instruções de elaboração e modelo de FISPQ no Brasil são
definidas pela norma ABNT NBR14725 - Parte 4.
• Para que serve uma FISPQ? Como se trata de um
documento com informações técnicas, os leitores
(profissionais técnicos) podem utilizar seu conteúdo e
desenvolver avaliações de risco que permite a aplicação de
um programa ativo de segurança, saúde e meio ambiente,
incluindo treinamentos aos usuários dos produtos.
Os principais tipos de extintores de incêndio estão listados a seguir.
1. Extintor H2O
2. Extintor Co2
3. Extintor Pó químico
Um erro na escolha do extintor pode tornar inútil o esforço de combater as
chamas. Relacione as opções de extintores (listados acima) mais indicados
para acabar com incêndios envolvendo os seguintes materiais:
( ) Madeira
( ) Equipamentos elétricos
( ) Papel
( ) Produtos químicos
( ) Solventes
1
2ou 3
1ou 3
3
3
• Para fixar a tinta no tecido é necessário utilizar
ácido acético à 5%. Para fazer em segurança a
diluição em água, além de outros cuidados
como o uso de luvas, óculos de proteção e
evitar inalação dos vapores, é necessário:
1- Colocar o ácido sobre a água
2- Colocar a água sobre o ácido
FIM!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdf
Rherysonn Pantoja
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Sheilla Sandes
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Janaína Lassala
 
Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii
José Vitor Alves
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
Juliana Maciel
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Patrícia Tuneli
 
EPIs (Equipamento de Proteção Individual)
EPIs (Equipamento de Proteção Individual)EPIs (Equipamento de Proteção Individual)
EPIs (Equipamento de Proteção Individual)
PCare Fisioterapia
 
Riscos ocupacionais estrategias para evita los
Riscos ocupacionais estrategias para evita losRiscos ocupacionais estrategias para evita los
Riscos ocupacionais estrategias para evita los
Acd. Layane -UESPI Nunes de Sousa
 
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
Apresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceepsApresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceeps
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
Jose Maciel Dos Anjos
 
Biossegurança
Biossegurança Biossegurança
Análise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Análise de Riscos em um Ambiente HospitalarAnálise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Análise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Edmilson Pachêco
 
NR-32
NR-32NR-32
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
Gilson Betta Sevilha
 
Riscos Biológicos
Riscos BiológicosRiscos Biológicos
Riscos Biológicos
Renata Araújo
 
Processo de esterilização
Processo de esterilizaçãoProcesso de esterilização
Processo de esterilização
Amanda Amate
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
evandroFREITAS
 
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagemApostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Douglas Oliveira
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
sergio oliveira
 
Plano de Gerenciamento de Resíduos de Saúde.
Plano de Gerenciamento de Resíduos de Saúde.Plano de Gerenciamento de Resíduos de Saúde.
Plano de Gerenciamento de Resíduos de Saúde.
Fonte Medicina Diagnóstica
 
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
Aula 1   esterilização preparatorio aprovaAula 1   esterilização preparatorio aprova
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
Marlon Vaughan
 

Mais procurados (20)

Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdf
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
EPIs (Equipamento de Proteção Individual)
EPIs (Equipamento de Proteção Individual)EPIs (Equipamento de Proteção Individual)
EPIs (Equipamento de Proteção Individual)
 
Riscos ocupacionais estrategias para evita los
Riscos ocupacionais estrategias para evita losRiscos ocupacionais estrategias para evita los
Riscos ocupacionais estrategias para evita los
 
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
Apresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceepsApresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceeps
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
 
Biossegurança
Biossegurança Biossegurança
Biossegurança
 
Análise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Análise de Riscos em um Ambiente HospitalarAnálise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Análise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
 
NR-32
NR-32NR-32
NR-32
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Riscos Biológicos
Riscos BiológicosRiscos Biológicos
Riscos Biológicos
 
Processo de esterilização
Processo de esterilizaçãoProcesso de esterilização
Processo de esterilização
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
 
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagemApostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
 
Plano de Gerenciamento de Resíduos de Saúde.
Plano de Gerenciamento de Resíduos de Saúde.Plano de Gerenciamento de Resíduos de Saúde.
Plano de Gerenciamento de Resíduos de Saúde.
 
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
Aula 1   esterilização preparatorio aprovaAula 1   esterilização preparatorio aprova
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
 

Destaque

Manual de tecnicas de laboratorio aguas e esgotos sanitarios e industriais
Manual de tecnicas de laboratorio aguas e esgotos sanitarios e industriaisManual de tecnicas de laboratorio aguas e esgotos sanitarios e industriais
Manual de tecnicas de laboratorio aguas e esgotos sanitarios e industriais
Jordana Dorca
 
Original normas de_segurança_-_q._analitica
Original normas de_segurança_-_q._analiticaOriginal normas de_segurança_-_q._analitica
Original normas de_segurança_-_q._analitica
afermartins
 
Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.
Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.
Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.
cmecc
 
Promoção da biossegurança nas ações de saúde
Promoção da biossegurança nas ações de saúde Promoção da biossegurança nas ações de saúde
Promoção da biossegurança nas ações de saúde
Wilker Santana
 
Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013
Guilherme Terra
 
01biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp02
01biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp0201biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp02
01biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp02
malu ramos
 
Laboratorios
LaboratoriosLaboratorios
Laboratorios
Hacker32
 
Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção
dapab
 
Regras gerais de segurança em laboratório
Regras gerais de segurança em laboratórioRegras gerais de segurança em laboratório
Regras gerais de segurança em laboratório
Aldy Paula
 
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Bárbara Ostrosky de Oliveira
 
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
General Clean
 
Regras de segurança no laboratório
Regras de segurança no laboratórioRegras de segurança no laboratório
Regras de segurança no laboratório
veronicasilva
 
Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança
Juliermeson Morais
 
Limpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalarLimpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalar
B&R Consultoria Empresarial
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúde
Wheverton Teixeira
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
Mario Santos Aguiar
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
drjeffersontst
 
7 biossegurança laboratorial
7 biossegurança laboratorial7 biossegurança laboratorial
7 biossegurança laboratorial
William Dutra
 
Primeiros socorros e resgate espaço confinado
Primeiros socorros e resgate espaço confinadoPrimeiros socorros e resgate espaço confinado
Primeiros socorros e resgate espaço confinado
Tito Batalha
 
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISAManual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
redeamb
 

Destaque (20)

Manual de tecnicas de laboratorio aguas e esgotos sanitarios e industriais
Manual de tecnicas de laboratorio aguas e esgotos sanitarios e industriaisManual de tecnicas de laboratorio aguas e esgotos sanitarios e industriais
Manual de tecnicas de laboratorio aguas e esgotos sanitarios e industriais
 
Original normas de_segurança_-_q._analitica
Original normas de_segurança_-_q._analiticaOriginal normas de_segurança_-_q._analitica
Original normas de_segurança_-_q._analitica
 
Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.
Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.
Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.
 
Promoção da biossegurança nas ações de saúde
Promoção da biossegurança nas ações de saúde Promoção da biossegurança nas ações de saúde
Promoção da biossegurança nas ações de saúde
 
Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013
 
01biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp02
01biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp0201biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp02
01biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp02
 
Laboratorios
LaboratoriosLaboratorios
Laboratorios
 
Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção
 
Regras gerais de segurança em laboratório
Regras gerais de segurança em laboratórioRegras gerais de segurança em laboratório
Regras gerais de segurança em laboratório
 
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
 
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
 
Regras de segurança no laboratório
Regras de segurança no laboratórioRegras de segurança no laboratório
Regras de segurança no laboratório
 
Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança
 
Limpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalarLimpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalar
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúde
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
 
7 biossegurança laboratorial
7 biossegurança laboratorial7 biossegurança laboratorial
7 biossegurança laboratorial
 
Primeiros socorros e resgate espaço confinado
Primeiros socorros e resgate espaço confinadoPrimeiros socorros e resgate espaço confinado
Primeiros socorros e resgate espaço confinado
 
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISAManual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
 

Semelhante a (Fonte md) treinamento em biosseguranca site

laboratorios-11,l0604065424-phpapp01.pptx
laboratorios-11,l0604065424-phpapp01.pptxlaboratorios-11,l0604065424-phpapp01.pptx
laboratorios-11,l0604065424-phpapp01.pptx
Tatiane Fernandes
 
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdfK_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
KatiaRegina87
 
Biossegurança 2
Biossegurança 2Biossegurança 2
Biossegurança 2
drjeffersontst
 
Manual Biosseguranca Praticas Corretas
Manual Biosseguranca Praticas CorretasManual Biosseguranca Praticas Corretas
Manual Biosseguranca Praticas Corretas
Rodrigo Nunes
 
Treinamento NR-6 - LIMPEZA.ppt
Treinamento NR-6 - LIMPEZA.pptTreinamento NR-6 - LIMPEZA.ppt
Treinamento NR-6 - LIMPEZA.ppt
flávio barbosa
 
Treinamento produtos quimicos1
Treinamento produtos quimicos1Treinamento produtos quimicos1
Treinamento produtos quimicos1
Sara Temoteo temoteo
 
16-Curso-Produtos-quimicos.pdf
16-Curso-Produtos-quimicos.pdf16-Curso-Produtos-quimicos.pdf
16-Curso-Produtos-quimicos.pdf
FranciscoFilho399349
 
Curso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdfCurso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdf
LABOREM
 
Curso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdfCurso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdf
ssuser22319e
 
16-Curso-Produtos-quimicos.pdf
16-Curso-Produtos-quimicos.pdf16-Curso-Produtos-quimicos.pdf
16-Curso-Produtos-quimicos.pdf
EthosConsultoriaMedi
 
Manual Seguranca
Manual SegurancaManual Seguranca
Manual Seguranca
Adriano S Rodrigues
 
163-Treinamento-em-Podutos-Químicos.ppt
163-Treinamento-em-Podutos-Químicos.ppt163-Treinamento-em-Podutos-Químicos.ppt
163-Treinamento-em-Podutos-Químicos.ppt
DaniloJacomelliIesi1
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
Gilson Betta Sevilha
 
Apostila completa com algarismos significativos tecnicas basicasseglab-i_fi...
Apostila completa com algarismos significativos   tecnicas basicasseglab-i_fi...Apostila completa com algarismos significativos   tecnicas basicasseglab-i_fi...
Apostila completa com algarismos significativos tecnicas basicasseglab-i_fi...
Indi Assis
 
Segurança no laboratório(versao 2)
Segurança no laboratório(versao 2)Segurança no laboratório(versao 2)
Segurança no laboratório(versao 2)
Karina Ferreira
 
CURSO FISPQ_ATUALIZADO_FICHA_DE_SEG.pptx
CURSO FISPQ_ATUALIZADO_FICHA_DE_SEG.pptxCURSO FISPQ_ATUALIZADO_FICHA_DE_SEG.pptx
CURSO FISPQ_ATUALIZADO_FICHA_DE_SEG.pptx
CRISTIANE SILVA
 
biossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptxbiossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptx
ssuser2b53fe
 
Aula biossegurança dna
Aula biossegurança   dnaAula biossegurança   dna
Aula biossegurança dna
anadeiva
 
Biologia e programa de saúde professor admilson toscano toscanobiomais
Biologia e programa de saúde professor admilson toscano toscanobiomaisBiologia e programa de saúde professor admilson toscano toscanobiomais
Biologia e programa de saúde professor admilson toscano toscanobiomais
Raapper
 
Aula 1- Introdução ao laboratório e biossegurança.pptx
Aula 1- Introdução ao laboratório e biossegurança.pptxAula 1- Introdução ao laboratório e biossegurança.pptx
Aula 1- Introdução ao laboratório e biossegurança.pptx
Brunoaguiar97
 

Semelhante a (Fonte md) treinamento em biosseguranca site (20)

laboratorios-11,l0604065424-phpapp01.pptx
laboratorios-11,l0604065424-phpapp01.pptxlaboratorios-11,l0604065424-phpapp01.pptx
laboratorios-11,l0604065424-phpapp01.pptx
 
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdfK_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
 
Biossegurança 2
Biossegurança 2Biossegurança 2
Biossegurança 2
 
Manual Biosseguranca Praticas Corretas
Manual Biosseguranca Praticas CorretasManual Biosseguranca Praticas Corretas
Manual Biosseguranca Praticas Corretas
 
Treinamento NR-6 - LIMPEZA.ppt
Treinamento NR-6 - LIMPEZA.pptTreinamento NR-6 - LIMPEZA.ppt
Treinamento NR-6 - LIMPEZA.ppt
 
Treinamento produtos quimicos1
Treinamento produtos quimicos1Treinamento produtos quimicos1
Treinamento produtos quimicos1
 
16-Curso-Produtos-quimicos.pdf
16-Curso-Produtos-quimicos.pdf16-Curso-Produtos-quimicos.pdf
16-Curso-Produtos-quimicos.pdf
 
Curso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdfCurso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdf
 
Curso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdfCurso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdf
 
16-Curso-Produtos-quimicos.pdf
16-Curso-Produtos-quimicos.pdf16-Curso-Produtos-quimicos.pdf
16-Curso-Produtos-quimicos.pdf
 
Manual Seguranca
Manual SegurancaManual Seguranca
Manual Seguranca
 
163-Treinamento-em-Podutos-Químicos.ppt
163-Treinamento-em-Podutos-Químicos.ppt163-Treinamento-em-Podutos-Químicos.ppt
163-Treinamento-em-Podutos-Químicos.ppt
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
 
Apostila completa com algarismos significativos tecnicas basicasseglab-i_fi...
Apostila completa com algarismos significativos   tecnicas basicasseglab-i_fi...Apostila completa com algarismos significativos   tecnicas basicasseglab-i_fi...
Apostila completa com algarismos significativos tecnicas basicasseglab-i_fi...
 
Segurança no laboratório(versao 2)
Segurança no laboratório(versao 2)Segurança no laboratório(versao 2)
Segurança no laboratório(versao 2)
 
CURSO FISPQ_ATUALIZADO_FICHA_DE_SEG.pptx
CURSO FISPQ_ATUALIZADO_FICHA_DE_SEG.pptxCURSO FISPQ_ATUALIZADO_FICHA_DE_SEG.pptx
CURSO FISPQ_ATUALIZADO_FICHA_DE_SEG.pptx
 
biossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptxbiossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptx
 
Aula biossegurança dna
Aula biossegurança   dnaAula biossegurança   dna
Aula biossegurança dna
 
Biologia e programa de saúde professor admilson toscano toscanobiomais
Biologia e programa de saúde professor admilson toscano toscanobiomaisBiologia e programa de saúde professor admilson toscano toscanobiomais
Biologia e programa de saúde professor admilson toscano toscanobiomais
 
Aula 1- Introdução ao laboratório e biossegurança.pptx
Aula 1- Introdução ao laboratório e biossegurança.pptxAula 1- Introdução ao laboratório e biossegurança.pptx
Aula 1- Introdução ao laboratório e biossegurança.pptx
 

(Fonte md) treinamento em biosseguranca site

  • 2. OBJETIVO • Capacitar os profissionais do Laboratório Fonte Medicina para a prática dos conceitos e preceitos de biossegurança, bem como o uso adequado das boas práticas laboratoriais, visando assegurar a integridade física e a qualidade dos resultados obtidos na realização dos exames.
  • 3. BIOSSEGURANÇA • O QUE É? É o conjunto de ações voltadas para prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e prestação de serviços, as quais possam comprometer a saúde do homem, dos animais, das plantas, do ambiente ou a qualidade dos trabalhos desenvolvidos.
  • 4. CUIDADOS AO INICIAR O TRABALHO • O que vou fazer no laboratório? • Conheço o ambiente em que vou trabalhar? • Que equipamentos ou instrumentos vou utilizar? • Recebi ou vou receber treinamento? • Presto atenção aos símbolos?
  • 5. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (E.P.I) E SUAS UTILIDADES NOS LABORATÓRIOS São todos dispositivos de uso individual, destinados a proteger a integridade física dos trabalhadores. Quais são os - EPI's? • Avental / Jaleco ou roupas de proteção • Luvas • Proteção facial/ ocular • Proteção respiratória
  • 6.
  • 7. Deve-se: • Usá-lo apenas para a finalidade que se destina. • Responsabiliza-se por sua guarda e conservação. • Comunicar qualquer alteração que o torne impróprio para o uso. • Adquirir o tipo adequado a atividade do empregado. • Treinar o trabalhador sobre seu uso adequado. • Tornar obrigatório seu uso. • Substituí-lo quando danificado ou extraviado.
  • 8. AVENTAL / JALECO Avental/jaleco: recomendado para manuseio de substâncias químicas Modelo: mangas compridas com fechamento em velcro; comprimento até os joelhos, fechamento frontal em velcro ou com botões e sem “detalhes soltos”. Deve ser usado sempre fechado. Aventais descartáveis : não protegem contra substâncias químicas; são altamente inflamáveis; devem ser usados uma única vez. Os aventais devem ser despidos quando sair do laboratório .
  • 9. VESTIMENTA • CALÇA COMPRIDA • CAMISETA DE MANGAS • CALÇADO BAIXO E CONFORTÁVEL • SANDÁLIAS OU CHINELOS SÃO INADEQUADOS • JALECO DEVIDAMENTE ABOTOADO
  • 10. UTILIZAR O JALECO SOMENTE NO LABORATÓRIO
  • 11. LUVAS Látex: Bom para ácidos e bases diluídas, péssimo para solventes orgânicos PVC: Bom para ácidos e bases, ruim para a maioria dos solvente orgânicos. Nitrila: Bom para uma grande variedade de solventes orgânicos e ácidos e bases. OBS: Nenhum material protege contra todos os produtos químicos. Luvas de látex descartáveis são permeáveis a praticamente todos os produtos químicos
  • 12. • Use sempre luvas quando estiver manuseando produtos químicos ou biológicos
  • 13. PROTEÇÃO FACIAL / OCULAR • Deve estar disponível para todos os funcionários que trabalhem em locais onde haja manuseio ou armazenamento de substâncias químicas • Todos os visitantes deste local também deverão utilizar proteção facial/ocular • O uso é obrigatório em atividades onde houver probabilidade de respingos de produtos químicos.
  • 14. EVITE O USO DE LENTES DE CONTATO
  • 15. PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA Respiradores (Máscaras) Deverão ser utilizadas em casos especiais: • Em acidentes, nas operações de limpeza e salvamento • Em operações de limpeza de almoxarifados de produtos químicos • Na manipulação de produtos químicos • Em procedimentos onde não seja possível a utilização de sistemas exaustores
  • 16. O QUE É UM EPC (Equipamento de Proteção Coletiva) ? • Extintores, hidrantes, mangueiras e sistema de combate ao incêndio - não existe um ambiente que seja 100% seguro contra incêndio, mesmo em alto mar ocorrem problemas com fogo, sendo este o item mais importante, básico e essencial para a proteção coletiva dos funcionários • Detectores de fumaça - estes trabalham em conjunto com os extintores, detectando e alertando todos sobre a existência de fumaça em um ambiente
  • 17. • Kit de primeiros socorros - acidentes, dos mais simples aos mais graves, podem ocorrer em todo e qualquer local de trabalho, sendo sempre obrigatória a presença de um kit com os itens básicos para primeiros socorros • Chuveiros e lava-olhos - trabalhadores que desempenham suas funções em contato com agentes químicos ou biológicos, podem ser intoxicados ou se contaminarem com tais substâncias nocivas, sendo necessário fazer uma lavagem ou limpeza correta, com produtos específicos para tal contaminação. Muito comum em indústrias e laboratórios químicos. • Capela - É um equipamento utilizado para realizar trabalhos em materiais no qual produzem vapores tóxicos e nocivos a saúde. A função da capela de exaustão é eliminar tais vapores utilizando exaustores projetados, preservando a saúde do operador.
  • 18.
  • 19. OUTROS CUIDADOS IMPORTANTES!! • Mantenha as unhas cortadas • Não utilize anéis, pulseiras, relógios e cordões • Não fume
  • 20.
  • 21. NÃO É PERMITIDO COLOCAR COMIDA NA GELADEIRA OU NA ESTUFA
  • 22. SEGURANÇA EM RELAÇÃO AOS PRODUTOS QUÍMICOS, INCÊNDIO E ELETRICIDADE • O pessoal de laboratório está exposto a produtos químicos perigosos. • É importante conhecer bem os efeitos tóxicos, as vias de exposição e os riscos associados à manipulação e armazenagem de tais produtos. • Os fabricantes e fornecedores de produtos químicos fornecem dados sobre a segurança do material e outras informações sobre riscos químicos. • O que é FISPQ?
  • 23. FISPQ • A FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) é um documento que contém informações sobre misturas e substâncias químicas que possui informações essenciais sobre os riscos inerentes aos produtos. As instruções de elaboração e modelo de FISPQ no Brasil são definidas pela norma ABNT NBR14725 - Parte 4. • Para que serve uma FISPQ? Como se trata de um documento com informações técnicas, os leitores (profissionais técnicos) podem utilizar seu conteúdo e desenvolver avaliações de risco que permite a aplicação de um programa ativo de segurança, saúde e meio ambiente, incluindo treinamentos aos usuários dos produtos.
  • 24. QUAIS SÃO AS VIAS DE EXPOSIÇÃO? INALAÇÃO
  • 28. COMO ARMAZENAR OS PRODUTOS QUÍMICOS? • No laboratório só devem ser armazenadas as quantidades de produtos químicos necessárias para uso diário. • Seguir as recomendações da RDC, nº 306, de 7 de dezembro de 2004.
  • 29.
  • 30. EFEITOS TÓXICOS DOS PRODUTOS QUÍMICOS • Certos produtos químicos são nocivos para a saúde das pessoas que os manipulam ou que inalam os seus vapores tóxicos. • Pode danificar gravemente: o sistema respiratório, o sangue, os pulmões, os rins e o sistema gastrointestinal. • Outros têm propriedades cancerígenas
  • 31. COMO PROCEDER NO CASO DE DERRAME DE PRODUTOS QUÍMICOS • Evacuar a área; • Prestar cuidados às pessoas que possam ter sido atingidas; • Se o material for inflamável, apagar todas as chamas vivas, abrir as janelas e desligar da corrente o equipamento elétrico que possa produzir faíscas; • Evitar respirar os vapores produzidos pelo material derramado; • Ligar o exaustor; • Arranjar o material necessário para o derrame
  • 32. DERRAME DE PRODUTOS QUÍMICOS • Materiais que devem estar diponíveis:
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36. RISCO DE INCÊNDIO • Placas com instruções sobre a maneira de proceder em caso de incêndio e que indiquem as saídas de socorro. • O material de incêndio deve ser colocado em pontos estratégicos.
  • 38. • Dióxido de carbono (CO2): é utilizado em pequenos incêndios líquidos e naqueles envolvendo equipamento elétrico. Evite usar em incêndios com papéis, uma vez que o CO2 não tem efeito resfriador.
  • 39. EXTINTOR A ÁGUA • É uma das formas mais comuns de combate ao fogo. Melhor aproveitada quando utilizada em incêndios envolvendo madeiras, papéis e materiais têxteis. O uso em equipamento elétrico e reagentes químicos não é recomendado.
  • 40. EXTINTOR PÓ QUÍMICO SECO • Forma eficiente de combate a incêndios envolvendo reagentes químicos, solventes, equipamento elétrico e materiais combustíveis como papel, plástico etc.
  • 41. AREIA • É extremamente eficiente para pequenos incêndios líquidos e materiais metálicos em chamas.
  • 42. ACETONA IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS Periculosidade: Substância Inflamável. Não respirar o vapor. Não jogar na tubulação. MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS Em caso de contato com a pele e com olhos , lavar com água em abundância. Nos casos de ingestão ou inalação, remover a vítima para um local arejado e recorrer a serviço médico.
  • 43. MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO Em caso de incêndio utilizar espuma ou névoa d’água como agente extintor. Nunca utilizar jato de água para não espalhar o líquido. A proteção para as mãos deve ser feita com luvas de PVC ou látex. MEDIDAS DE CONTROLE PARA O DERRAMAMENTO Em caso de vazamento utilizar areia ou pó de serragem para conter o líquido. Isolar a área. Não permitir que a parte derramada seja escoada ou lançada em veios d’água. MANUSEIO O manuseio deve se dar em capela com exaustão. A utilização de luvas, protetores faciais, máscaras apropriadas e roupas adequadas. INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS Substância irritante, para as vias aéreas, olhos e membranas mucosas.
  • 44. ÁCIDO ACÉTICO IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS Periculosidade: Substância corrosiva/Inflamável. Causa queimaduras graves. Tóxico por ingestão/inalação podendo causar vomito. Não respirar o vapor. MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS Em caso de contato com a pele e com olhos , lavar com água em abundância. Nos casos de ingestão ou inalação, remover a vítima para um local arejado e recorrer a serviço médico.
  • 45. MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO Em caso de incêndio utilizar espuma ou névoa d’água como agente extintor. Nunca utilizar jato de água para não espalhar o líquido. A proteção para as mãos deve ser feita com luvas de PVC ou látex. MEDIDAS DE CONTROLE PARA O DERRAMAMENTO Em caso de vazamento utilizar areia ou pó de serragem para conter o líquido. Isolar a área. Não permitir que a parte derramada seja escoada ou lançada em veios d’água. MANUSEIO O manuseio deve se dar em capela com exaustão. A utilização de luvas, protetores faciais, máscaras apropriadas e roupas adequadas. INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS Substância irritante, para as vias aéreas, olhos e membranas mucosas.
  • 46. ÁCIDO CLORÍDRICO IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS Periculosidade: Irritante a pele e aos olhos, podendo provocar queimaduras graves; também irritante as vias repiratórias. MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS Em caso de contato com a pele e com olhos , lavar com água em abundância. Nos casos de ingestão ou inalação, remover a vítima para um local arejado e recorrer a serviço médico.
  • 47. MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO Não aplicável. Substância não inflamável. MEDIDAS DE CONTROLE PARA O DERRAMAMENTO Em caso de vazamento utilizar areia. Após aplicar bicarbonato para neutralizar. Isolar a área. Não permitir que a parte derramada seja escoada ou lançada em veios d’água. MANUSEIO O manuseio deve se dar em capela com exaustão. A utilização de luvas, protetores faciais, máscaras apropriadas e roupas adequadas. INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS Substância irritante, para as vias aéreas, olhos e membranas mucosas.
  • 48. ÁLCOOL ETÍLICO IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS Periculosidade: Substância inflamável. Evitar contato prolongado com a pele. MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS Em caso de contato com a pele e com olhos , lavar com água em abundância. Nos casos de ingestão ou inalação, remover a vítima para um local arejado e recorrer a serviço médico.
  • 49. MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO Em caso de incêndio utilizar espuma ou névoa d’água como agente extintor. Nunca utilizar jato de água para não espalhar o líquido. A proteção para as mãos deve ser feita com luvas de PVC ou látex. MEDIDAS DE CONTROLE PARA O DERRAMAMENTO Em caso de vazamento utilizar areia ou pó de serragem para conter o líquido. Isolar a área. Não permitir que a parte derramada seja escoada ou lançada em veios d’água. MANUSEIO O manuseio deve se dar em capela com exaustão. A utilização de luvas, protetores faciais, máscaras apropriadas e roupas adequadas. INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS Substância irritante, para as vias aéreas, olhos e membranas mucosas. Os sintomas de intoxicação com o produto pode ser facilmente percebidos através de alterações do sistema nervoso, causando náusea, vômito e depressão.
  • 50. HIDRÓXIDO DE AMÔNIO IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS Periculosidade: Substância não inflamável. Muito tóxico. Evitar inalar vapores e contatos com a pele. Não ingerir e evitar contato com os olhos. MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS Em caso de contato com a pele e com olhos , lavar com água em abundância. Nos casos de ingestão ou inalação, remover a vítima para um local arejado e recorrer a serviço médico. Não induzir ao vômito.
  • 51. MEDIDAS DE CONTROLE PARA O DERRAMAMENTO Em caso de vazamento utilizar areia ou pó de serragem para conter o líquido. Isolar a área. Não permitir que a parte derramada seja escoada ou lançada em veios d’água. MANUSEIO O manuseio deve se dar em capela com exaustão. A utilização de luvas, protetores faciais, máscaras apropriadas e roupas adequadas. INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS Substância irritante, para as vias aéreas, olhos e membranas mucosas. Os sintomas de intoxicação com o produto pode ser facilmente percebidos através de alterações do sistema nervoso, causando náusea, vômito e depressão.
  • 52. Vapor: Muito irritante para as mucosas. Causa espirros, tosse e dispneia. Provoca lacrimejo, podendo causar conjuntivites. • Conjuntivite causada por vapores de amoníaco
  • 53. Causa dermatite, intolerância gástrica e estado de choque se ingerida. A complicação imediata é o edema de glote. • Dermatite provocada por amoníaco
  • 54. Formoldeído IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS Periculosidade: Pode inflamar. Tóxico, volátil. Irritante à pele e mucosas. MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS Em caso de contato com a pele e com olhos , lavar com água em abundância. Nos casos de ingestão ou inalação, remover a vítima para um local arejado e recorrer a serviço médico.
  • 55. MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO Em caso de incêndio utilizar pó químico seco, extintores d’água não são eficientes . MEDIDAS DE CONTROLE PARA O DERRAMAMENTO Em caso de vazamento utilizar areia ou pó de serragem para conter o líquido. Isolar a área. Não permitir que a parte derramada seja escoada ou lançada em veios d’água. MANUSEIO O manuseio deve se dar em capela com exaustão. A utilização de luvas, protetores faciais, máscaras com filtro e roupas adequadas. INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS Substância irritante, para as vias aéreas, olhos e membranas mucosas. Os sintomas de intoxicação com o produto pode ser facilmente percebidos através de alterações do sistema nervoso, causando náusea, vômito, insuficiência respiratória, dermatite, conjuntivite
  • 56. PRIMEIROS SOCORROS • A caixa de primeiros socorros deve ser feita de materiais que protejam o seu conteúdo da poeira e da umidade. Deve estar bem à vista e ser facilmente reconhecida.
  • 57.
  • 58.
  • 59. • A segurança do laboratório é igualmente da responsabilidade de todos, e cada trabalhador é responsável pela sua própria segurança e pela segurança dos seus colegas. • Uma formação contínua no local de trabalho é essencial para manter o pessoal do laboratório sensibilizados para o problema da segurança.
  • 60. RISCOS ELÉTRICOS • É essencial que todas as instalações e equipamentos elétricos sejam verificados e controlados regularmente.
  • 61.
  • 62.
  • 64. O QUE É BIOSSEGURANÇA? • A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e prestação de serviços, visando à saúde do homem, dos animais, a preservação do meio ambiente e a qualidade dos resultados.
  • 65. Fale duas desvantagens do uso de lentes de contato no laboratório • Podem descolorir ou ficar turvas • Partículas podem ficar retidas • Alguns vapores podem ser absorvidos nas lentes
  • 66. 3- A imagem ao lado corresponde ao símbolo internacional indicativo de risco, em laboratório, devido à presença de : A. Produto volátil. B. Material corrosivo. C. Substância irritante. D. Material infectante.
  • 67. 4-O que significa cada símbolo? TÓXICO CORROSIVO INFLAMÁVEL
  • 68. Diga qual a alternativa que não indica um equipamento de proteção individual. A. Máscara. B. Avental. C. Luvas. D. Protetor facial. E. Lava-olhos.
  • 69. Oque é FISPQ? Para que serve? • A FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) é um documento que contém informações sobre misturas e substâncias químicas que possui informações essenciais sobre os riscos inerentes aos produtos. As instruções de elaboração e modelo de FISPQ no Brasil são definidas pela norma ABNT NBR14725 - Parte 4. • Para que serve uma FISPQ? Como se trata de um documento com informações técnicas, os leitores (profissionais técnicos) podem utilizar seu conteúdo e desenvolver avaliações de risco que permite a aplicação de um programa ativo de segurança, saúde e meio ambiente, incluindo treinamentos aos usuários dos produtos.
  • 70. Os principais tipos de extintores de incêndio estão listados a seguir. 1. Extintor H2O 2. Extintor Co2 3. Extintor Pó químico Um erro na escolha do extintor pode tornar inútil o esforço de combater as chamas. Relacione as opções de extintores (listados acima) mais indicados para acabar com incêndios envolvendo os seguintes materiais: ( ) Madeira ( ) Equipamentos elétricos ( ) Papel ( ) Produtos químicos ( ) Solventes 1 2ou 3 1ou 3 3 3
  • 71. • Para fixar a tinta no tecido é necessário utilizar ácido acético à 5%. Para fazer em segurança a diluição em água, além de outros cuidados como o uso de luvas, óculos de proteção e evitar inalação dos vapores, é necessário: 1- Colocar o ácido sobre a água 2- Colocar a água sobre o ácido
  • 72. FIM!!