SlideShare uma empresa Scribd logo
Fluxo de energia e ciclo de matéria

Deverás ser capaz de:
     Definir cadeia alimentar.
     Identificar o nível trófico numa cadeia alimentar.
     Compreender que numa cadeia alimentar circula matéria e energia.
     Distinguir ciclo de matéria de fluxo de energia unidirecional.
     Referir a importância dos decompositores no ciclod e matéria.
     Compreender os macanismos fundamentais subjacentes ao funcionamento e
      ao equilíbrio dos ecossistemas.
     Relacionar a dinâmica dos ecossistemas com os processos de sucessão
      ecológica.
     Compreender que o número de indivíduos de uma população á condicionado
      pelos fatores do ambiente.
     Conhecer o efeito de catástrofes no equilíbrio dos ecossistemas.
     Conhecer medidas de proteção das populações face a um acontecimento
      catastrófico.
     Reconhecer a poluição como principal causa de desiquilíbrio nos ecossistemas.
     Conhecer fontes de poluição.
     Compreender o conceito de poluente.
     Reconhecer a responsabilidade dos países insdustrializados no aumento do
      efeito de estufa., no buraco do ozono e na existência de chuvas ácidas.
     Conhecer algumas ações que podem contribuir para a sustentabilidade da
      Terra.



Conceitos/ Termos fundamentais do capítulo
     Cadeia alimentar                             Sucessão ecológica
     Nível trófico                                Espécie pioneira
     Produtores                                   Comunidade pioneira
     Seres autotróficos                           Comunidade clímax
     Consumidores                                 Catástrofe
     Seres heterotróficos                         Catástrofe natural
     Hervíboros                                   Tempestades
     Carnívoros                                   Inundações
     Decompositores                               Desertificação
     Teia alimentar                               Sismos
     Fluxo unidirecional                          Vulcões
     Ciclo de matéria                             Incêndios
     Ciclo biogeoquímico                          Guerra
     Ciclo da água                                Terrorismo
   Poluição                                      Buraco na camada de ozono
      Fonte de poluição                             Clorofluorcaobonetos (CFC)
      Poluente                                      Chuvas ácidas
      Efeito de estufa                              Dióxido de enxofre
      Dióxido de carbono                            Óxidos de azoto
      Metano                                        Desflorestação
      Aquecimento global



O que deves saber sobre esta matéria:
A energia necessária à vida na Terra provém, praticamente toda, do Sol.

Os seres vivos, quando se alimentam e servem de alimento uns aos outros, realizam
transferências de energia e de matéria.

Autotróficos são seres vivos capazes de produzir a sua própria matéria orgânica a
partir dos constituintes inorgânicos (matéria mineral, água e dióxido de carbono) que
existem no meio ambiente, utilizando como forma de energia externa, na sua grande
maioria, a energia luminosa (ex: plantas).

Heterotróficos são seres vivos que precisam consumir matéria orgânica para obter
energia e nutrientes (ex: animais).

Matéria orgânica engloba um conjunto de moléculas fabricadas pelos seres vivos,
constituídas por carbono, hidrogénio, oxigénio, azoto e outros elementos químicos.

Um conjunto de seres vivos de uma comunidade que se alimentam e servem de
alimento uns aos outros constitui uma cadeia alimentar (ou cadeia trófica).

Nível trófico é a posição na cadeia alimentar que cada ser vivo ocupa, de acordo com a
fonte principal de alimento..

Produtores são seres vivos capazes de produzir o seu próprio alimento. Ocupam o 1º
nível trófico (ex: alga).

Consumidores são seres vivos que se alimentam, direta ou indiretamente, da matéria
orgânica produzida pelos produtores.

Consumidores primários ou consumidores de 1ª ordem são hervíboros e alimentam-
se exclusivamente dos produtores. Ocupam o 2º nível trófico (ex: gafanhoto e ovelha
que se alimentam de plantas).

Consumidores secundários ou de 2ª ordem são os predadores ou carnívoros que
subsistem à custa dos hervíboros. Ocupam o 3º nivel trófico ( polvo e aranha, que se
alimentam de consumidores da 1ª ordem).
Existem ainda consumidores de 3ª e 4ª ordem e assim sucessivamente, contudo, as
  cadeias são geralmente curtas, não tendo mais de seis níves tróficos.

  Decompositores são seres vivos heterotróficos capazes de transformar a matéria
  orgânica, de que se alimentam (cadáveres e produtos de excreção, como as fezes e
  urina de todos os seres tróficos), em matéria mineral, que é devolvida ao solo (ex.
  fungos (cogumelos) e bactérias).




                                           Consumidores           Consumidores
        Produtores                          de 1ª ordem            de 2ª ordem




                                                                     Decompositores
A cadeia alimentar. O sentido as setas parte de quem serve de alimento para quem se
alimenta, isto é, no sentido em que ocorre a transformação de energia e de matéria.


  Várias         cadeias
  alimentares
                            Consumidores
                            secundários




  interligadas
  constituem uma rede
  ou teia alimentar.
                                                                                        Decompositores
                            Consumidores
                            primários
                            Produtores
O fluxo de energia tem um percurso unidirecional nos ecossistemas, visto que a
       energia utilizada não é reaproveitada pelos seres vivos.



                                                                           Energia
                                                                         contida nas
                                                                            folhas
Ao alimentar-se, o coelho obtém a
energia contida nos tecidos das
folhas. No entanto, o coelho não                              Energia
ingere algumas partes da folha.                            contida nas
                                                                                Energia
                                                            folhas não
Da energia contida nos alimentos                             digeridas          perdida
                                                                                  nas
ingeridos, uma parte é excretada e                                             excreções
grande parte é utilizada nas suas                                   Energia
atividades vitais.                                                 gasta em
                                                                  atividades
                                                                     vitais



A energia contida na matéria
orgânica que constitui o organismo                         Energia armazenada no
do coelho pode ser transferida para                         organismo do coelho
o nível trófico seguinte.



       O percurso da matéria nos ecossistemas é cíclico.

       Ciclos biogeoquímicos representam um conjunto de processos que asseguram a
       reciclagem permanente e relativamente rápida da matéria, passando do estado
       orgânico ao estado mineral e viceversa (ex: ciclo da água)

                                                                 Ciclo da água: o Sol
                                                                 fornece      a     energia
                                                                 necessária para que a água
                                                                 contida nos lagos e nos
                                                                 rios      se     evapore,.
                                                                 Juntamente com a água
                                                                 que é libertada pelas
                                                                 plantas, animais e solo na
                                                                         evapotranspiração,
                                                                 formam-se,             por
                                                                 condensação, nuvens que
                                                                 devolvem à terra, aos rios
                                                                 e aos mares, através da
                                                                 precipitação.    A    água
                                                                 evaporada voltará, assim,
                                                                 ao ponto de partida.
Uma sucessão ecológica é um processo através do qual as comunidades se vão
substituindo umas às outras, num determinado local, até se atingir um equilíbrio
dinâmico.

Espécies pioneiras são as primeiras espécies a instalar-se num local que se encontra
desprovido de vida.

Comunidade pioneira é a primeira comunidade a instalar-se num local desprovido de
vida (ex: líquenes e musgo).

A comunidade clímax é uma comunidade estável, adaptada ao meio ambiente.




                                     Tempo




Sucessão ecológica primária ocorre quando um local colonizado estava anteriormente
desprovido de vida.

Sucessão ecológica secundária ocorre quando o local sofre novo povoamento, devido
ao facto da comunidade anterior ter sido, total ou parcialmente, destruída (ex: um solo
a seguir a um incêndio e um ano após o incêndio, já com vegetação rasteira)

A inserção ou extinção de uma espécie de uma comunidade tem repercussões em
todas as outras, afetando o equilíbrio do ecossistema e provocando, por vezes, a sua
destruição.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
s1lv1alouro
 
Fluxo de Energia
Fluxo de EnergiaFluxo de Energia
Fluxo de Energia
Turma Olímpica
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Angela Boucinha
 
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemasFluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
isabelalexandrapinto
 
Fluxo de energia
Fluxo de energiaFluxo de energia
Fluxo de energia
Catir
 
Apresentação cadeias
Apresentação cadeiasApresentação cadeias
Apresentação cadeias
Angela Boucinha
 
Cap 03 a transferência de energia e de matéria num ecossistema.
Cap 03   a transferência de energia e de matéria num ecossistema.Cap 03   a transferência de energia e de matéria num ecossistema.
Cap 03 a transferência de energia e de matéria num ecossistema.
rafaelcef3
 
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Marcelo Gomes
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Cristina Vitória
 
Fluxo de matéria e energia
Fluxo de matéria e energiaFluxo de matéria e energia
Fluxo de matéria e energia
Jonathan Nóbrega
 
Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]
Roberto Bagatini
 
Fluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materiaFluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materia
Rita Pereira
 
Ciencias 8ºano - 3º teste
Ciencias   8ºano - 3º testeCiencias   8ºano - 3º teste
Ciencias 8ºano - 3º teste
anocas_rita
 
Ppt 13
Ppt 13Ppt 13
Ppt 13
zicoset
 
Fluxos de energia e ciclos de matéria
Fluxos de energia e ciclos de matériaFluxos de energia e ciclos de matéria
Fluxos de energia e ciclos de matéria
Tânia Reis
 
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
Allef B. Santos
 
Resumo fluxos de energia e ciclo de matéria
Resumo fluxos de energia e ciclo de matériaResumo fluxos de energia e ciclo de matéria
Resumo fluxos de energia e ciclo de matéria
Nuno Coelho
 
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
Teresa Monteiro
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Tia Fátima Assis Lepesqueur
 

Mais procurados (19)

Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
 
Fluxo de Energia
Fluxo de EnergiaFluxo de Energia
Fluxo de Energia
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
 
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemasFluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
 
Fluxo de energia
Fluxo de energiaFluxo de energia
Fluxo de energia
 
Apresentação cadeias
Apresentação cadeiasApresentação cadeias
Apresentação cadeias
 
Cap 03 a transferência de energia e de matéria num ecossistema.
Cap 03   a transferência de energia e de matéria num ecossistema.Cap 03   a transferência de energia e de matéria num ecossistema.
Cap 03 a transferência de energia e de matéria num ecossistema.
 
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
 
Fluxo de matéria e energia
Fluxo de matéria e energiaFluxo de matéria e energia
Fluxo de matéria e energia
 
Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]
 
Fluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materiaFluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materia
 
Ciencias 8ºano - 3º teste
Ciencias   8ºano - 3º testeCiencias   8ºano - 3º teste
Ciencias 8ºano - 3º teste
 
Ppt 13
Ppt 13Ppt 13
Ppt 13
 
Fluxos de energia e ciclos de matéria
Fluxos de energia e ciclos de matériaFluxos de energia e ciclos de matéria
Fluxos de energia e ciclos de matéria
 
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
 
Resumo fluxos de energia e ciclo de matéria
Resumo fluxos de energia e ciclo de matériaResumo fluxos de energia e ciclo de matéria
Resumo fluxos de energia e ciclo de matéria
 
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
 

Destaque

3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
Margarida Cardoso
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
mariacarmoteixeira
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
Catir
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Factores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - LuzFactores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - Luz
Catir
 
Factores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - TemperaturaFactores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - Temperatura
Catir
 
4 ecossistemas
4 ecossistemas4 ecossistemas
4 ecossistemas
Catir
 
Factores Abióticos - Água
Factores Abióticos - ÁguaFactores Abióticos - Água
Factores Abióticos - Água
Catir
 
Ciencias 8ºano - 3º teste
Ciencias   8ºano - 3º testeCiencias   8ºano - 3º teste
Ciencias 8ºano - 3º teste
anocas_rita
 
Ciclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azoto
Ciclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azotoCiclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azoto
Ciclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azoto
Domingos Oliveira
 
IV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOSIV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOS
sandranascimento
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
Luís Filipe Marinho
 
8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas
Maria Rocha R
 
8ºano relações intra-específicas
8ºano relações intra-específicas8ºano relações intra-específicas
8ºano relações intra-específicas
Maria Rocha R
 
Ciclo da matéria e fluxo energia
Ciclo da matéria e fluxo energiaCiclo da matéria e fluxo energia
Ciclo da matéria e fluxo energia
Ana Castro
 
Considerações Gerais - 8º Ano
Considerações Gerais - 8º AnoConsiderações Gerais - 8º Ano
Considerações Gerais - 8º Ano
Cristina Couto Varela
 
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos EcossistemasFluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
Cristina Couto Varela
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
inessalgado
 
8 fluxo energia-teias-alimentares
8 fluxo energia-teias-alimentares8 fluxo energia-teias-alimentares
8 fluxo energia-teias-alimentares
Maria João Drumond
 
teste de avaliação - 8ºano - Ciências Naturais
teste de avaliação - 8ºano - Ciências Naturaisteste de avaliação - 8ºano - Ciências Naturais
teste de avaliação - 8ºano - Ciências Naturais
Andrea Japoneza
 

Destaque (20)

3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
 
Factores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - LuzFactores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - Luz
 
Factores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - TemperaturaFactores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - Temperatura
 
4 ecossistemas
4 ecossistemas4 ecossistemas
4 ecossistemas
 
Factores Abióticos - Água
Factores Abióticos - ÁguaFactores Abióticos - Água
Factores Abióticos - Água
 
Ciencias 8ºano - 3º teste
Ciencias   8ºano - 3º testeCiencias   8ºano - 3º teste
Ciencias 8ºano - 3º teste
 
Ciclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azoto
Ciclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azotoCiclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azoto
Ciclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azoto
 
IV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOSIV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOS
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
 
8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas
 
8ºano relações intra-específicas
8ºano relações intra-específicas8ºano relações intra-específicas
8ºano relações intra-específicas
 
Ciclo da matéria e fluxo energia
Ciclo da matéria e fluxo energiaCiclo da matéria e fluxo energia
Ciclo da matéria e fluxo energia
 
Considerações Gerais - 8º Ano
Considerações Gerais - 8º AnoConsiderações Gerais - 8º Ano
Considerações Gerais - 8º Ano
 
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos EcossistemasFluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
8 fluxo energia-teias-alimentares
8 fluxo energia-teias-alimentares8 fluxo energia-teias-alimentares
8 fluxo energia-teias-alimentares
 
teste de avaliação - 8ºano - Ciências Naturais
teste de avaliação - 8ºano - Ciências Naturaisteste de avaliação - 8ºano - Ciências Naturais
teste de avaliação - 8ºano - Ciências Naturais
 

Semelhante a Fluxo de energia e ciclo de matéria

Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Nanda Freitas
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Particular
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Carla Brites
 
Funcionamento dos ecossistemas1
Funcionamento dos ecossistemas1Funcionamento dos ecossistemas1
Funcionamento dos ecossistemas1
Xico Sousa
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Magali Feldmann
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Tia Fátima Assis Lepesqueur
 
Fluxo de-energia-e-ciclos-de-matc3a9ria
Fluxo de-energia-e-ciclos-de-matc3a9riaFluxo de-energia-e-ciclos-de-matc3a9ria
Fluxo de-energia-e-ciclos-de-matc3a9ria
Carla Carneiro
 
Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
Suely namaste
 
1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf
1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf
1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf
DanielDias872409
 
Ecologia socorro
Ecologia socorroEcologia socorro
Ecologia socorro
Flávia Fernandes
 
2 estudos das relações entre os seres vivos - março
2 estudos das relações entre os seres vivos - março 2 estudos das relações entre os seres vivos - março
2 estudos das relações entre os seres vivos - março
Luiza Collet
 
Semi ecologia geral
Semi ecologia geralSemi ecologia geral
Semi ecologia geral
aulasdotubao
 
Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)
Jose Aldo Ramires
 
Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)
Jose Aldo Ramires
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentar Cadeia alimentar
Cadeia alimentar
Lucilo Campos
 
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e EcossitemasConceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
Antonio Fernandes
 
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Andrey Moreira
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
Andrea Barreto
 

Semelhante a Fluxo de energia e ciclo de matéria (20)

Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
 
Funcionamento dos ecossistemas1
Funcionamento dos ecossistemas1Funcionamento dos ecossistemas1
Funcionamento dos ecossistemas1
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
 
Fluxo de-energia-e-ciclos-de-matc3a9ria
Fluxo de-energia-e-ciclos-de-matc3a9riaFluxo de-energia-e-ciclos-de-matc3a9ria
Fluxo de-energia-e-ciclos-de-matc3a9ria
 
Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
 
1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf
1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf
1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf
 
Ecologia socorro
Ecologia socorroEcologia socorro
Ecologia socorro
 
2 estudos das relações entre os seres vivos - março
2 estudos das relações entre os seres vivos - março 2 estudos das relações entre os seres vivos - março
2 estudos das relações entre os seres vivos - março
 
Semi ecologia geral
Semi ecologia geralSemi ecologia geral
Semi ecologia geral
 
Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)
 
Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentar Cadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e EcossitemasConceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
 
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
 

Mais de anacrmachado

Ficha final 1º período Est. Meio
Ficha final 1º período Est. MeioFicha final 1º período Est. Meio
Ficha final 1º período Est. Meio
anacrmachado
 
A família e árvore genealógica
A família e árvore genealógicaA família e árvore genealógica
A família e árvore genealógica
anacrmachado
 
3º ano mat
3º ano mat3º ano mat
3º ano mat
anacrmachado
 
Diversidade nos animais variedade de formas e revestimento
Diversidade nos animais   variedade de formas e revestimentoDiversidade nos animais   variedade de formas e revestimento
Diversidade nos animais variedade de formas e revestimento
anacrmachado
 
Tipos e formas de frase
Tipos e formas de fraseTipos e formas de frase
Tipos e formas de frase
anacrmachado
 
English test 03
English test 03English test 03
English test 03
anacrmachado
 
Soluções da ficha 01 de inglês
Soluções da ficha 01 de inglêsSoluções da ficha 01 de inglês
Soluções da ficha 01 de inglês
anacrmachado
 
English test 01
English test 01English test 01
English test 01
anacrmachado
 
Resolução do teste 02
Resolução do teste 02Resolução do teste 02
Resolução do teste 02
anacrmachado
 
Teste 02
Teste 02Teste 02
Teste 02
anacrmachado
 
Resolução do teste 01
Resolução do teste 01Resolução do teste 01
Resolução do teste 01
anacrmachado
 
Teste 01
Teste 01Teste 01
Teste 01
anacrmachado
 
Esquema resumo da vida dos primeiros povos na p.i.
Esquema resumo da vida dos primeiros povos na p.i.Esquema resumo da vida dos primeiros povos na p.i.
Esquema resumo da vida dos primeiros povos na p.i.
anacrmachado
 

Mais de anacrmachado (13)

Ficha final 1º período Est. Meio
Ficha final 1º período Est. MeioFicha final 1º período Est. Meio
Ficha final 1º período Est. Meio
 
A família e árvore genealógica
A família e árvore genealógicaA família e árvore genealógica
A família e árvore genealógica
 
3º ano mat
3º ano mat3º ano mat
3º ano mat
 
Diversidade nos animais variedade de formas e revestimento
Diversidade nos animais   variedade de formas e revestimentoDiversidade nos animais   variedade de formas e revestimento
Diversidade nos animais variedade de formas e revestimento
 
Tipos e formas de frase
Tipos e formas de fraseTipos e formas de frase
Tipos e formas de frase
 
English test 03
English test 03English test 03
English test 03
 
Soluções da ficha 01 de inglês
Soluções da ficha 01 de inglêsSoluções da ficha 01 de inglês
Soluções da ficha 01 de inglês
 
English test 01
English test 01English test 01
English test 01
 
Resolução do teste 02
Resolução do teste 02Resolução do teste 02
Resolução do teste 02
 
Teste 02
Teste 02Teste 02
Teste 02
 
Resolução do teste 01
Resolução do teste 01Resolução do teste 01
Resolução do teste 01
 
Teste 01
Teste 01Teste 01
Teste 01
 
Esquema resumo da vida dos primeiros povos na p.i.
Esquema resumo da vida dos primeiros povos na p.i.Esquema resumo da vida dos primeiros povos na p.i.
Esquema resumo da vida dos primeiros povos na p.i.
 

Último

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 

Fluxo de energia e ciclo de matéria

  • 1. Fluxo de energia e ciclo de matéria Deverás ser capaz de:  Definir cadeia alimentar.  Identificar o nível trófico numa cadeia alimentar.  Compreender que numa cadeia alimentar circula matéria e energia.  Distinguir ciclo de matéria de fluxo de energia unidirecional.  Referir a importância dos decompositores no ciclod e matéria.  Compreender os macanismos fundamentais subjacentes ao funcionamento e ao equilíbrio dos ecossistemas.  Relacionar a dinâmica dos ecossistemas com os processos de sucessão ecológica.  Compreender que o número de indivíduos de uma população á condicionado pelos fatores do ambiente.  Conhecer o efeito de catástrofes no equilíbrio dos ecossistemas.  Conhecer medidas de proteção das populações face a um acontecimento catastrófico.  Reconhecer a poluição como principal causa de desiquilíbrio nos ecossistemas.  Conhecer fontes de poluição.  Compreender o conceito de poluente.  Reconhecer a responsabilidade dos países insdustrializados no aumento do efeito de estufa., no buraco do ozono e na existência de chuvas ácidas.  Conhecer algumas ações que podem contribuir para a sustentabilidade da Terra. Conceitos/ Termos fundamentais do capítulo  Cadeia alimentar  Sucessão ecológica  Nível trófico  Espécie pioneira  Produtores  Comunidade pioneira  Seres autotróficos  Comunidade clímax  Consumidores  Catástrofe  Seres heterotróficos  Catástrofe natural  Hervíboros  Tempestades  Carnívoros  Inundações  Decompositores  Desertificação  Teia alimentar  Sismos  Fluxo unidirecional  Vulcões  Ciclo de matéria  Incêndios  Ciclo biogeoquímico  Guerra  Ciclo da água  Terrorismo
  • 2. Poluição  Buraco na camada de ozono  Fonte de poluição  Clorofluorcaobonetos (CFC)  Poluente  Chuvas ácidas  Efeito de estufa  Dióxido de enxofre  Dióxido de carbono  Óxidos de azoto  Metano  Desflorestação  Aquecimento global O que deves saber sobre esta matéria: A energia necessária à vida na Terra provém, praticamente toda, do Sol. Os seres vivos, quando se alimentam e servem de alimento uns aos outros, realizam transferências de energia e de matéria. Autotróficos são seres vivos capazes de produzir a sua própria matéria orgânica a partir dos constituintes inorgânicos (matéria mineral, água e dióxido de carbono) que existem no meio ambiente, utilizando como forma de energia externa, na sua grande maioria, a energia luminosa (ex: plantas). Heterotróficos são seres vivos que precisam consumir matéria orgânica para obter energia e nutrientes (ex: animais). Matéria orgânica engloba um conjunto de moléculas fabricadas pelos seres vivos, constituídas por carbono, hidrogénio, oxigénio, azoto e outros elementos químicos. Um conjunto de seres vivos de uma comunidade que se alimentam e servem de alimento uns aos outros constitui uma cadeia alimentar (ou cadeia trófica). Nível trófico é a posição na cadeia alimentar que cada ser vivo ocupa, de acordo com a fonte principal de alimento.. Produtores são seres vivos capazes de produzir o seu próprio alimento. Ocupam o 1º nível trófico (ex: alga). Consumidores são seres vivos que se alimentam, direta ou indiretamente, da matéria orgânica produzida pelos produtores. Consumidores primários ou consumidores de 1ª ordem são hervíboros e alimentam- se exclusivamente dos produtores. Ocupam o 2º nível trófico (ex: gafanhoto e ovelha que se alimentam de plantas). Consumidores secundários ou de 2ª ordem são os predadores ou carnívoros que subsistem à custa dos hervíboros. Ocupam o 3º nivel trófico ( polvo e aranha, que se alimentam de consumidores da 1ª ordem).
  • 3. Existem ainda consumidores de 3ª e 4ª ordem e assim sucessivamente, contudo, as cadeias são geralmente curtas, não tendo mais de seis níves tróficos. Decompositores são seres vivos heterotróficos capazes de transformar a matéria orgânica, de que se alimentam (cadáveres e produtos de excreção, como as fezes e urina de todos os seres tróficos), em matéria mineral, que é devolvida ao solo (ex. fungos (cogumelos) e bactérias). Consumidores Consumidores Produtores de 1ª ordem de 2ª ordem Decompositores A cadeia alimentar. O sentido as setas parte de quem serve de alimento para quem se alimenta, isto é, no sentido em que ocorre a transformação de energia e de matéria. Várias cadeias alimentares Consumidores secundários interligadas constituem uma rede ou teia alimentar. Decompositores Consumidores primários Produtores
  • 4. O fluxo de energia tem um percurso unidirecional nos ecossistemas, visto que a energia utilizada não é reaproveitada pelos seres vivos. Energia contida nas folhas Ao alimentar-se, o coelho obtém a energia contida nos tecidos das folhas. No entanto, o coelho não Energia ingere algumas partes da folha. contida nas Energia folhas não Da energia contida nos alimentos digeridas perdida nas ingeridos, uma parte é excretada e excreções grande parte é utilizada nas suas Energia atividades vitais. gasta em atividades vitais A energia contida na matéria orgânica que constitui o organismo Energia armazenada no do coelho pode ser transferida para organismo do coelho o nível trófico seguinte. O percurso da matéria nos ecossistemas é cíclico. Ciclos biogeoquímicos representam um conjunto de processos que asseguram a reciclagem permanente e relativamente rápida da matéria, passando do estado orgânico ao estado mineral e viceversa (ex: ciclo da água) Ciclo da água: o Sol fornece a energia necessária para que a água contida nos lagos e nos rios se evapore,. Juntamente com a água que é libertada pelas plantas, animais e solo na evapotranspiração, formam-se, por condensação, nuvens que devolvem à terra, aos rios e aos mares, através da precipitação. A água evaporada voltará, assim, ao ponto de partida.
  • 5. Uma sucessão ecológica é um processo através do qual as comunidades se vão substituindo umas às outras, num determinado local, até se atingir um equilíbrio dinâmico. Espécies pioneiras são as primeiras espécies a instalar-se num local que se encontra desprovido de vida. Comunidade pioneira é a primeira comunidade a instalar-se num local desprovido de vida (ex: líquenes e musgo). A comunidade clímax é uma comunidade estável, adaptada ao meio ambiente. Tempo Sucessão ecológica primária ocorre quando um local colonizado estava anteriormente desprovido de vida. Sucessão ecológica secundária ocorre quando o local sofre novo povoamento, devido ao facto da comunidade anterior ter sido, total ou parcialmente, destruída (ex: um solo a seguir a um incêndio e um ano após o incêndio, já com vegetação rasteira) A inserção ou extinção de uma espécie de uma comunidade tem repercussões em todas as outras, afetando o equilíbrio do ecossistema e provocando, por vezes, a sua destruição.