SlideShare uma empresa Scribd logo
Fisiopatologia e dietoterapia nos Distúrbios Renais 
NEFRITE GLOMERULAR AGUDA 
Fisiopatologia: 
A Nefrite Glomerular aguda aparece como resultado de uma reação 
antígeno-anticorpo, na qual formam-se complexos que circulam através do 
organismo. Alguns desses complexos ficam retidos nos glomérulos renais e 
provocam uma resposta inflamatória. A inflamação aguda se caracteriza por 
edema, hiperemia e infiltração leucocitária, levando a fibrose e a perda da 
superfície filtrante no interior do glomérulo. Devido a estes processos, perde-se 
sangue e albumina pela urina, a excreção urinaria é reduzida, a pressão 
sanguínea se eleva e a função renal é prejudicada, como evidencia a elevação 
do nível de nitrogênio úreico do sangue. 
Dietoterapia: 
Manutenção do suporte nutricional adequado, até quando a doença 
esteja circunscrita. Entretanto, deve-se fazer modificações na dieta, quando as 
analises químicas do soro indicarem que resíduos metabólicos estão se 
acumulando no sangue. O aporte protéico deverá ser restrito em pacientes com 
oligúria e também para evitar encefalopatia hipertensiva, insuficiência cardíaca 
congestiva e edema pulmonar. A restrição de potássio pode também ser 
necessária, quando a excreção urinária estiver grandemente reduzida. 
Passada a fase de oligúrica, a ingesta de proteína é geralmente aumentada, 
para compensar as perdas protéicas por urina. Os líquidos que serão restritos 
durante a fase de oligúrica, devem ser fornecidos em quantidade proporcional à 
eliminação urinaria da véspera. Quando a fase oligúrica tiver passado, será 
permitida uma quantidade adicional de 500 a 1000 mililitros acima da 
eliminação do dia anterior.
NEFRITE GLOMERULAR CRÔNICA: 
Fisiopatologia: 
Crises repetidas de nefrite levam à perda do tecido renal e da função 
dos rins; os glomérulos, propriamente, desaparecem e cessam a capacidade 
de filtração normal. Os rins perdem sua propriedade de concentrar urina e 
grandes quantidades de urina são eliminadas, numa tentativa de desafogar o 
organismo de produtos residuais. Proteína e sangue são perdidos através da 
urina. A pressão artéria se eleva, causando danos vasculares. 
Dietoterapia: 
Na nefrite glomerular crônica, a dieta vai se modificando de acordo com 
a evolução da doença. Enquanto os rins se mantiverem capazes de eliminar os 
produtos residuais do metabolismo protéico, o aporte de proteína é mantido em 
nível elevado. A prática usual é calcular o requerimento normal de proteínas 
para o paciente e aumentar este requerimento de uma quantidade de proteína 
idêntica à que for perdida dela urina nas 24horas anteriores. Quando o nível de 
nitrogênio ureíco sanguíneo se eleva, o aporte de proteína torna-se restrito a 
40 gramas, ou menos, por dia. 
O aporte de hidrato de carbono e gorduras é feito para completar o restante 
dos requerimentos energéticos do organismo. Quantidades suficientes de 
hidratos de carbono e gorduras devem ser consumidas, para prevenir o 
catabolismo protéico orgânico com a finalidade de produzir energia. Este 
catabolismo protéico orgânico contribuirá para a produção de uréia e de outros 
produtos residuais protéicos. 
O sódio deve ser restrito em pacientes com edema. A cuidadosa avaliação dos 
níveis de sódio sanguíneo é importante, porque pode ocorrer depleção de 
sódio, durante a fase diurética da nefrite glomerular crônica.
SINDROME NEFROTICA: 
Fisiopatologia: 
A síndrome nefrótica é um complexo de sintomas bioquímicos e clínicos 
que se originam de um numero variável de doenças. O resultado final dessas 
doenças é uma lesão glomerular, que permite que as proteínas do plasma, que 
normalmente não ultrapassam o filtro glomerular, passem para urina, 
acarretando um proteinúria maciça, hipoalbuminemia e um nível sérico elevado 
de colesterol também é típico dessa síndrome . 
Dietoterapia: 
Comumente, prescreve-se uma dieta hipercalórica e hiperprotéica. Dá-se pelo 
menos 1,5 gramas de proteína por quilo de peso corporal e mais uma cota 
adicional para repor as quantidades perdidas pela urina. Tal dieta geralmente 
terá que ser dada através de uma alimentação por sonda, devido a sua falta de 
palatabilidade e pela anorexia do paciente. 
O sódio geralmente é restrito. Na síndrome nefrótica a prática de limitar a 
ingesta de colesterol, para diminuir os níveis sanguíneos, é discutida. 
PIELONEFRITE CRÔNICA: 
Fisiopatologia: 
Uma infecção bacteriana crônica dos rins leva a fibrose, a formação de 
cicatrizes e à dilatação dos túbulos, o que resulta em prejuízo da função renal. 
Comumente, se encontram presentes: hipertensão e certo grau de insuficiência 
renal. 
Dietoterapia: 
A restrição de sal é geralmente prescrita, para controlar a pressão 
sanguínea. Entretanto, alguns pacientes com pielonefrite crônica perdem 
grandes quantidade de sódio pela urina e devem ser observados 
continuamente, para que não tenha uma depleção, quando foram limitadas
suas ingestas de sódio. O aporte protéico pode ser restringido, se o nível de 
nitrogênio uréico sanguíneo indicar incapacidade para descartar os resíduos 
protéicos. A ingesta de potássio deve ser restrita, quando o nível de potássio 
sérico estiver elevado. 
CALCULOS RENAIS (NEFROLITÍASE) 
Fisiopatologia: 
Em pacientes com infecção, estase urinária ou imobilização prolongada, 
algumas substancias cristalinas, normalmente presentes na urina, podem 
precipitar-se como areia ou cálculos. Estas substâncias cristalinas são 
principalmente cálcio, fósforo, oxalato de cálcio, e acido úrico. Um nível muito 
elevado de cálcio e acido úrico no sangue favorece a precipitação de cálculos 
formados principalmente dessas substâncias. Os cálculos podem se alojar em 
qualquer ponto do trato urinário, causando obstrução, infecção e dores. 
Dietoterapia: 
Recomenda-se a ingestão de 3 a 4 litros de água por dia, distribuídos 
pelas 24 horas do dia. Modificações na dieta, em relação a composição do 
cálculo, são mais efetivas quando há aumento, na urina, do nível dos 
componentes do calculo. Uma dieta pobre em cálcio (250 a 400 miligramas) é 
as vezes usada pra reduzir a excreção urinaria de cálcio. Quando taxas 
elevadas de oxalatos são encontradas na urina, poderá ser prescrita uma dieta 
pobre em oxalatos. Os cálculos de acido úrico podem ser tratados por uma 
dieta pobre em purinas, porém o alopurinol seja mais eficiente. A acidez ou a 
alcalinidade da urina tem influência sobre a solubilidade dos cristais que 
formam os calculos, é possível baixar o pH urinário através da dieta. Uma urina 
acida favorece a excreção do cálcio
NEFROSCLEROSE 
Fisiopatologia: 
Nefroesclerose vem a ser o endurecimento das artérias renais, 
geralmente como resultado da hipertensão renal e da arteriosclerose 
generalizada. Na nefrosclerose perde-se albumina pela urina, residos 
nitrogenados são retidos e ocorrem modificações na retina. A morte geralmente 
ocorre por insuficiência circulatória ou por seqüelas da hipertensão. 
Dietoterapia: 
A ingesta normal deve ser mantida o maior tempo possível. Dieta 
hipocalórica deverá ser prescrita para pacientes obesos, porque a perda de 
peso reduz a carda circulatória sobre o rim. A ingestão de proteínas é 
orientada pelo nível sanguíneo do nitrogênio úreico; é normal nos primeiros 
estágios da doença e reduzida, quando a função renal falha. O aporte de 
liquidos é comumente estimulado, para possibilitar o paciente a manter a 
excreção urinaria adequada, necessária para excretar os resíduos. Em 
paciente com retenção de líquidos, estes podem ser restritos a restrição de 
sódio é indicada para reduzir edema e controlar a pressão arterial. 
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA 
Fisiopatologia: 
A insuficiência da função renal devido à insuficiência circulatória, 
glomerular ou tubular é chamada insuficiência renal. Quando essa insuficiência 
ocorre abruptamente ela é chamada de aguda. A insuficiência renal aguda 
muitas vezes ocorre após queimaduras, graves contusões por esmagamentos, 
nefrotoxidade, estado de choque ou sépsis. Os rins excretam menos de 500 
mililitros de urina por dia, na insuficiência renal aguda. Pelo menos, 600 
mililitros por dia devem ser eliminados para excretar os resíduos metabólicos 
dissolvidos. Na insuficiência renal estes resíduos se acumulam no sangue, 
atingindo níveis tóxicos. A insuficiência renal aguda apresenta três fazes, 
classificadas com base no volume urinário eliminado. A primeira fase é a da 
oligúria, que dura cerca de 10 dias; a excreção urinaria diária é menor que 500
mililitros. A segunda fase, a diurética, se caracteriza pelo aumento gradual da 
excreção urinaria. A excreção pode ser normal durante essa fase, embora a 
função renal permaneça alterada. A fase final é o período de recuperação e é 
caracterizada pela melhora da função renal, não obstante possa estar presente 
alguma perda permanente de filtração, de concentração ou de acidificação. O 
período de recuperação pode durar de 3 meses a 1 ano. 
Dietoterapia: 
As necessidades energéticas dos pacientes com insuficiência renal 
aguda estão aumentadas e eles devem receber um número suficiente de 
calorias para impedir o catabolismo das proteínas corpóreas. O aporte calórico 
diário pode oscilar de 2000 a 2500 kcal e deverá incluir, pelo menos, 100 
gramas de hidratos de carbono. O aporte calórico alto está Frequentemente 
ligado à uma restrição de líquidos. As soluções endovenosas de glicose de 
25% a 50% ou nutrição parenteral total podem ser necessárias, para obter os 
requerimentos associados ou combinados. 
Se houver a possibilidade de usar via oral, fornece-se, de inicio uma dieta 
concentrada em hidratos de carbono e gorduras, porém pobre em proteínas. A 
proteína será limitada, inicialmente, em 0,5 grama por quilo de peso, mas deve 
ser aumentada a medida que a função renal melhore, porque o organismo 
necessita de proteína para reparar os tecidos danificados e fazer frente ao 
stress da terrível doença. A maior parte das proteínas será de alto valor 
biológico. 
Na fase oligúrica os líquidos serão os suficiente para compensar a perda de 
líquidos da pele ( aproximadamente 600 mililitros) mais uma quantidade de 
líquidos igual à eliminada no dia anterior. Durante a fase diurética o aporte de 
líquidos é aumentado, para contrabalancear as perdas liquidas. A pesagem 
diária é essencial para controlar as condições do balanço hídrico. 
O aporte de potássio deve ser restrito durante a fase anúrica e os seus níveis 
devem ser controlados de perto. Muitas causas da insuficiência renal aguda 
são caracterizadas pela destruição e estas causam liberam potássio das 
células danificas. A principal via de excreção do potássio são os rins . Em
pacientes com anúria poderá ser necessário usar resinas de intercambio para 
livrar –se do organismo do potássio , via intestino. Glicose endovenosa, 
insulina ou gluconato de cálcio podem ser usados para impelir o potássio para 
dentro das células, com a finalidade de reduzir os níveis séricos dos pacientes 
que não se encontram submetidos à diálise. Durante a fase diurética os níveis 
de potássio são avaliados, para vigiar as perdas excessivas. As perdas 
excessivas de sódio podem, também, ocorrer durante a fase diurética. Quando 
as resinas de intercambio são usadas no tratamento da hipercalemia, pode 
ocorrer excessiva retenção de sódio. 
INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA 
Fisiopatologia: 
A insuficiência da função dos rins, depois de uma insuficiência renal 
aguda, ou a perda progressiva da função dos rins devido a doenças renais, 
resulta na insuficiência renal crônica.Os rins não são mais capazes de 
promover seu papel na remoção dos resíduos metabólicos do sangue e o 
mecanismo homeostático do organismo está irreversivelmente transtornado. 
Quando 60 a 70% dos néfrons não estão funcionando, a perda da função dos 
rins é grave bastante para interferir com a homeostase . Os rins excretam 
normalmente 70% dos resíduos de proteína do organismo. Quando os rins 
falham em suas funções, eles não podem excretar uréia e outros produtos 
nitrogenados e o nível uréico de nitrogênio do sangue se eleva. Os níveis 
séricos da creatina e dos fosfatos também se elevam. A insuficiência renal 
crônica é dividida em quatro estágios. O primeiro se caracteriza pelas reservas 
renais reduzidas, com perda de metade a dois terços do funcionamento dos 
néfrons. No segundo estagio a destruição dos néfrons progrediu a tal ponto, 
que os rins não podem mais manter a homeostase e observa-se uma 
moderada azotemia (níveis excessivos de uréia e resíduos nitrogenados no 
sangue) . O terceiro estagio da insuficiência renal é caracterizado pela 
azotemia, que vai de moderada a grave. O quarto estagio é a uremia, no qual 
90% da função renal esta perdida.
Dietoterapia: 
Quando os rins não podem mais excretar adequadamente os resíduos 
metabólicos, são feitas alterações na dieta, no sentido de regular o aporte de 
proteínas. De líquidos, de sódio, de potássio e de fosfato, visando manter a 
homeostase. No primeiro estagio da insuficiência renal crônica, comumente 
não são feitas restrições dietéticas, a menos que se deseje redução de peso, 
para baixar os níveis da pressão arterial. Um aporte calórico adequado é 
essencial, para evitar que as proteínas do corpo sejam utilizadas a fim de 
atender às necessidades energéticas, o que poderá aumentra a carga de 
resíduos protéicos a serem eliminados por rins insuficientes. 
No segundo estagio da insuficiência renal crônica, a restrição de sódio PE 
prescrita frequentemente. O grau de restrição depende do grau de hidratação e 
de hipertensão . O aporte de potássio e de fosfato é também restringindo, 
quando a excreção urinaria se encontra reduzida. 
Nos terceiro e quarto estágios da insuficiência renal crônica, o aporte protéico 
será limitado a 0,6 a 1,0 grama por quilo de peso teórico. Três quartos da 
proteína devem provir de proteínas de alto valor biológico. A razão do aporte 
restrito de proteína é controlar o metabolismo protéico, de modo a que a 
quantidade de produtos residuais nitrogenados seja minimizada. Teoricamente, 
toda proteína e nitrogênio oferecidos pela dieta devem ser usados pelo 
organismo para elaborar hormônio e enzimas, e também para repara e manter 
os tecidos. 
Dietoterapia no tratamento pela diálise peritoneal: 
A diálise peritoneal remove os resíduos metabólicos e o excesso de 
líquidos do organismo de um paciente com insuficiência renal, porém isso não 
implica em considerar a dietoterapia como desnecessária. Quantidades 
consideráveis de proteína e aminoácidos acompanham o liquido dialisado, de 
modo que o aporte protéico deve ser grande para compensar estas perdas. Um 
grama de proteína por quilo de peso teórico é recomendado; são preferidos as 
proteínas de alto valor biológico. Se necessário, podem ser ministradas por via 
endovenosa.
Pelo menos 35 a 45 kcal por quilo de peso dia são recomendadas, com 1/3 
delas provenientes de hidratos de carbono. O aporte de sódio é comumente 
generoso, mas os dados relativos a hidratação, a pressão arterial e as perdas 
de líquidos dialisados são essenciais na determinação das necessidades 
individuais . 
O aporte de potássio e de fósforo está relacionado, diretamente, com os níveis 
séricos desses minerais. A quantidade de líquidos depende do estado de 
hidratação e pode ser aumentada ou restrita. A dieta será suplementada por 
multivitaminas, principalmente as vitaminas do complexo B, acido fólico, a 
piridoxina e a vitamina C. 
Dietoterapia no período de tratamento pela hemodiálise: 
Na hemodiálise a menos perda de proteína que na diálise peritoneal; entretanto 
ainda assim ocorrem perdas, especialmente de aminoácidos. Comumente de 1 
a 1,5 gramas por quilo de peso teórico de proteínas são prescritas, sendo que 
60 a 70%, constituídas de proteínas de alto valor biológico. O aporte de sódio 
acha-se comumente limitado, a menos que haja grandes perdas urinarias deste 
mineral. As quantidades de potássio e fósforo são determinadas, comumente, 
com base nos valores químicos do soro sanguíneo obtidos antes da diálise e 
frequentemente devem ser limitados. A taxa de líquidos dada diariamente é de 
500 a 1000 mililitros, mais uma quantidade igual a eliminada no dia anterior, ou 
melhor, uma taxa de líquidos suficiente para permitir um ganho de 1 a 1,5 
quilos entre os tratamentos. Os requerimentos energéticos são comumente 
calculados na base de 30 a 35 kcal por quilo de peso. A suplementação 
vitamínica é importante, pelo fato das vitaminas, principalmente as 
hidrossolúveis, serem removidas pela hemodiálise. 
Crianças submetidas à hemodiálise precisão de proteínas para seu 
crescimento; 3 a 4 gramas por quilo de peso teórico é geralmente aconselhado. 
Se o potássio e o fósforo forem restringidos, a quantidade de proteína pode ser 
reduzida, já que o conteúdo de potássio e sódio dos alimentos protéicos é alto. 
O aporte de sódio será determinado com base na pressão arterial e no estado 
de hidratação. A ingestão de potássio será baseada nos níveis séricos antes da 
diálise, mas geralmente é limitada. O aporte de fósforo é mantido tão baixo
quanto possível e o leite geralmente é limitado a 120 gramas por dia. As dietas 
infantis geralmente proporcionam de 100 a 150 kcal por quilo de peso, para 
estimular o crescimento. O aporte de líquidos é de 20 mililitros por quilo de 
peso, mais uma quantidade igual à eliminada no dia anterior. Suplementos 
multivitamínicos e de acido fólico são necessários. 
Dietoterapia após o transplante renal: 
Após o transplante renal, a dieta deve ser generosa no que diz respeito às 
proteínas: 2 gramas por quilo de peso teórico. O sódio Serpa limitado a 
2.000/4.000por dia. A ingesta de cálcio será aumentada: 800/1.200miligramas 
por dia, por dia para compensar a fraca absorção. O aporte de fósforo está 
também aumentado: de 800 a 1.200 miligramas por dia. A cota de hidratos de 
carbono estará restringida : de 1 a 1,5 gramas por quilo de peso teórico. A 
restrição de hidratos de carbonos esta ligada a prevenir a hiperglicemia 
associada com a redução da tolerância à glicose; entretanto, deverá ser 
fornecida uma quantidade suficiente de hidratos de carbono, para prevenir um 
excesso catabolismo das proteínas corporais. O cálcio, a vitamina D, a tiamina 
e o magnésio deverão ser dados sob forma de suplementos. Uma quantidade 
adequada de cálcio é de particular importância nas crianças, para prevenir a 
parada de crescimento, como resultado da redução do crescimento epifisário. A 
dieta deve ser interrompida, quando a dosagem dos medicamentos for 
reduzida a níveis de manutenção.
Fisiopatologia e dietoterapia nos Distúrbios Hepáticos 
HEPATITE 
Fisiopatologia: 
A inflamação do fígado poderá resultar na destruição das células 
hepáticas. Normalmente, o fígado é capaz de regenerar células destruídas. A 
destruição excessiva dos tecidos do fígado influi nas variadas e extensas 
funções do fígado. 
Dietoterapia: 
Em pacientes com vômito, poderá ser usada uma solução de glicose a 5 
e a10% para fornecer calorias Aminoácidos podem ser dados 
endovenosamente, como fonte de proteínas, podem também ser usados 
plasma ou albumina. Uma forma concentrada pode ser usada oralmente, ou 
através de sonda para fornecer uma dieta hipercalórica (3000 a 4000 kcal) os 
componentes da dieta incluem generosas quantidades de hidratos de carbono 
(300 a 400 gramas) para promover a síntese e o armazenamento do glicogênio 
e para poupar proteínas para o reparo das células hepáticas. A cota de 
proteínas será elevada (1,5 a 2 gramas por quilo de peso corporal) para a 
regeneração dos tecidos. O aporte de gordura não precisará ser restrito, se 
adequadas quantidades de hidratos de carbono e proteínas forem fornecidas. A 
gordura aumenta tanto a palatabilidade, como o valor calórico da dieta. É 
aconselhável a suplementação com vitaminas do complexo B, que participa do 
metabolismo dos hidratos de carbono, proteínas e gorduras e vitamina B12, 
que normalmente é armazenada no fígado. A vitamina K é dada para impedir a 
tendência a hemorragias. 
Progressivamente, passa-se para uma dieta na qual os componentes acima 
serão dados em pequenas e em freqüentes refeições. 
CIRROSE 
Fisiopatologia:
Quando o fígado regenera desordenadamente suas células destruídas, 
estas são substituídas, parcialmente por tecido conjuntivo fibroso, que não tem 
função. A cirrose é o estagio final de múltiplos surtos e lesões hepáticas 
causadas pelo alcoolismo e hepatites virais e tóxicas. 
Dietoterapia: 
Um paciente cuja cirrose se relacione com o alcoolismo, geralmente tem 
uma longa historia de má alimentação e isto porque grande parte dos alimentos 
que deveria receber foi substituída pelo álcool que interfere negativamente na 
absorção da tiamina, da Vitamina B12, do acido fólico e da vitamina C. Ao 
mesmo tempo em que a absorção dessas vitaminas diminuem, aumentam as 
necessidades das vitaminas do complexo B para metabolizar o álcool. A 
deficiência de magnésio esta frequentemente presente, porque o álcool 
aumenta a excreção desse elemento. 
A prescrição adotada é de uma dieta hipercalórica, hiperproteíca e hiper-hidrocarbonada. 
A cota de proteínas deve ser coberta, o mais possível, com 
proteínas de alto valor biológico e rica em aminoácidos metionina e colina. A 
metionina e a colina metabolizam a gordura no fígado e reduzem a degradação 
gorda do órgão. O teor de proteína deve situar-se entre a cota máxima 
necessária para promover a regeneração do fígado e a cota mínima para 
impedir o aparecimento do coma hepático. Uma quantidade moderada de 
gordura é permitida para pacientes cujo o aporte de proteínas e hidratos de 
carbono é adequado. Os triglicérides de cadeia média podem ser usados para 
cobrir as necessidades de gordura na dieta; entretanto, eles não devem ser 
usados em caso avançado de cirrose. O aporte de gordura também é reduzido 
quando houver esteatorréia, sintoma que acompanha a cirrose em mais da 
metade dos casos. 
A presença de ascite pode indicar a necessidade de limitar o aporte de sódio e 
de líquidos.
COMA HEPATICO: ENCEFALOPATIA HEPATICA 
Fisiopatologia: 
Coma hepático é uma alteração do nível de consciência que resulta do 
dano cerebral, de corrente da degeneração das células das células hepáticas. 
Os níveis sanguíneos da amônia se elevam quando há um grave dano no 
fígado ou quando o sangue é desviado do fígado por circulação colateral , ou 
por desvio cirúrgico. Nesta situação, o fígado é incapaz de converter amônia 
em uréia. Os níveis séricos de amônia, quando elevados, exercem um efeito 
tóxico sobre as células do cérebro, produzindo distúrbios no sistema nervoso 
central e distúrbios psiquiátricos. 
Dietoterapia: 
A ingestão de proteína pode ser abolida ou severamente restrita, dependendo 
do nível sérico de amônia. O período de restrição protéica será tão curto 
quanto o possível, já que a proteína é necessária para regeneração das células 
hepáticas. A ingestão de proteínas vai sendo gradualmente aumentada à 
medida que o paciente melhore., O nível sérico da amônia é usado como 
elemento de orientação para este aumento. Alimentos que exerçam uma 
grande influência sobre o nível sérico da amônia deverão ser proibidos. A 
lactulose (um açúcar de 5 átomos de carbono) ou a neomicina poderão ser 
usados para diminuir a absorção da amônia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
Cíntia Costa
 
Nutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da EnfermagemNutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da Enfermagem
Abilio Cardoso Teixeira
 
AlimentaçãO SaudáVel(1)
AlimentaçãO SaudáVel(1)AlimentaçãO SaudáVel(1)
AlimentaçãO SaudáVel(1)
Daniel Sousa
 
SUPLEMENTAÇÃO E ATIVIDADE FÍSICA
SUPLEMENTAÇÃO E ATIVIDADE FÍSICASUPLEMENTAÇÃO E ATIVIDADE FÍSICA
SUPLEMENTAÇÃO E ATIVIDADE FÍSICA
Laerson Psico
 
Nutricão
NutricãoNutricão
Nutricão
Rosa Vinteesete
 
Slides nutrição
Slides nutriçãoSlides nutrição
Slides nutrição
melodilva
 
Vitaminas Hidrossolúveis B1, B2, B3, B5, e B6
Vitaminas Hidrossolúveis  B1, B2, B3, B5, e B6Vitaminas Hidrossolúveis  B1, B2, B3, B5, e B6
Vitaminas Hidrossolúveis B1, B2, B3, B5, e B6
nenhuma
 
Os diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietasOs diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietas
Túlio Arantes
 
01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética
Eliane Cristina
 
Avaliação Nutricional de Idoso
 Avaliação Nutricional de Idoso Avaliação Nutricional de Idoso
Avaliação Nutricional de Idoso
Keylla Tayne
 
Lazer
LazerLazer
Lazer
ntecaxambu
 
Tipos de dietas
Tipos de dietasTipos de dietas
Tipos de dietas
Rosa Vinteesete
 
Fisiopatologia e dieto aula iii
Fisiopatologia e dieto aula iiiFisiopatologia e dieto aula iii
Fisiopatologia e dieto aula iii
Carlos Patricio
 
Carências Nutricionais: Vitamina A e Zinco
Carências Nutricionais: Vitamina A e ZincoCarências Nutricionais: Vitamina A e Zinco
Anorexia
Anorexia Anorexia
Educacao Fisica Escolar
Educacao Fisica EscolarEducacao Fisica Escolar
Educacao Fisica Escolar
teixeirajuciane
 
Nutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Nutrição Enteral vs Nutrição ParenteralNutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Nutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Abilio Cardoso Teixeira
 
Alimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vidaAlimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vida
Katiucia Ferreira
 
Relatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica NutriçãoRelatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica Nutrição
cristiane1981
 
Aula+4+ +necessidades+nutricionais+na+gesta
Aula+4+ +necessidades+nutricionais+na+gestaAula+4+ +necessidades+nutricionais+na+gesta
Aula+4+ +necessidades+nutricionais+na+gesta
Livia Damasceno Silva
 

Mais procurados (20)

Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
 
Nutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da EnfermagemNutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da Enfermagem
 
AlimentaçãO SaudáVel(1)
AlimentaçãO SaudáVel(1)AlimentaçãO SaudáVel(1)
AlimentaçãO SaudáVel(1)
 
SUPLEMENTAÇÃO E ATIVIDADE FÍSICA
SUPLEMENTAÇÃO E ATIVIDADE FÍSICASUPLEMENTAÇÃO E ATIVIDADE FÍSICA
SUPLEMENTAÇÃO E ATIVIDADE FÍSICA
 
Nutricão
NutricãoNutricão
Nutricão
 
Slides nutrição
Slides nutriçãoSlides nutrição
Slides nutrição
 
Vitaminas Hidrossolúveis B1, B2, B3, B5, e B6
Vitaminas Hidrossolúveis  B1, B2, B3, B5, e B6Vitaminas Hidrossolúveis  B1, B2, B3, B5, e B6
Vitaminas Hidrossolúveis B1, B2, B3, B5, e B6
 
Os diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietasOs diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietas
 
01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética
 
Avaliação Nutricional de Idoso
 Avaliação Nutricional de Idoso Avaliação Nutricional de Idoso
Avaliação Nutricional de Idoso
 
Lazer
LazerLazer
Lazer
 
Tipos de dietas
Tipos de dietasTipos de dietas
Tipos de dietas
 
Fisiopatologia e dieto aula iii
Fisiopatologia e dieto aula iiiFisiopatologia e dieto aula iii
Fisiopatologia e dieto aula iii
 
Carências Nutricionais: Vitamina A e Zinco
Carências Nutricionais: Vitamina A e ZincoCarências Nutricionais: Vitamina A e Zinco
Carências Nutricionais: Vitamina A e Zinco
 
Anorexia
Anorexia Anorexia
Anorexia
 
Educacao Fisica Escolar
Educacao Fisica EscolarEducacao Fisica Escolar
Educacao Fisica Escolar
 
Nutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Nutrição Enteral vs Nutrição ParenteralNutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Nutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
 
Alimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vidaAlimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vida
 
Relatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica NutriçãoRelatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica Nutrição
 
Aula+4+ +necessidades+nutricionais+na+gesta
Aula+4+ +necessidades+nutricionais+na+gestaAula+4+ +necessidades+nutricionais+na+gesta
Aula+4+ +necessidades+nutricionais+na+gesta
 

Destaque

Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
Laboratório Sérgio Franco
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
cuidadoaoadulto
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
Jucie Vasconcelos
 
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renalCuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
roberta55dantas
 
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda GobbiInsuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Eduarda Gobbi
 
Suporte Nutricional No Paciente com Lesão Renal Aguda
Suporte Nutricional No Paciente com Lesão Renal AgudaSuporte Nutricional No Paciente com Lesão Renal Aguda
Suporte Nutricional No Paciente com Lesão Renal Aguda
Federal University of Bahia
 
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARESNUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
Márcio Borges
 
Aula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal AgudaAula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal Aguda
Jucie Vasconcelos
 
Fisiologia humana insuficiência renal
Fisiologia humana insuficiência renalFisiologia humana insuficiência renal
Fisiologia humana insuficiência renal
x.x Costa
 
Insuficiência renal aguda
Insuficiência renal agudaInsuficiência renal aguda
Insuficiência renal aguda
Ana Nataly
 
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Andressa Santos
 
A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem
Cleiton Ribeiro Alves
 
Nefrite lúpica
Nefrite lúpicaNefrite lúpica
Nefrite lúpica
Josué Neto Vieira
 
Glomerulopatias atualizacao
Glomerulopatias atualizacaoGlomerulopatias atualizacao
Glomerulopatias atualizacao
PUCPR
 
Revisão -Lesão renal aguda
Revisão -Lesão renal aguda Revisão -Lesão renal aguda
Revisão -Lesão renal aguda
janinemagalhaes
 
Vida sem glúten
Vida sem glútenVida sem glúten
Vida sem glúten
gikapp88
 
Doenças renais.
Doenças renais.Doenças renais.
Doenças renais.
Juliana Lima
 
Riñón
RiñónRiñón
Intolerância à lactose
Intolerância à lactoseIntolerância à lactose
Intolerância à lactose
Felipe Cavalcante
 
MANUAL DE ALERGIA ALIMENTAR PROFESSOR ADERBAL SABRÁ
MANUAL DE ALERGIA ALIMENTAR PROFESSOR ADERBAL SABRÁMANUAL DE ALERGIA ALIMENTAR PROFESSOR ADERBAL SABRÁ
MANUAL DE ALERGIA ALIMENTAR PROFESSOR ADERBAL SABRÁ
Adriana Gaspre
 

Destaque (20)

Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
 
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renalCuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
 
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda GobbiInsuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
 
Suporte Nutricional No Paciente com Lesão Renal Aguda
Suporte Nutricional No Paciente com Lesão Renal AgudaSuporte Nutricional No Paciente com Lesão Renal Aguda
Suporte Nutricional No Paciente com Lesão Renal Aguda
 
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARESNUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
 
Aula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal AgudaAula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal Aguda
 
Fisiologia humana insuficiência renal
Fisiologia humana insuficiência renalFisiologia humana insuficiência renal
Fisiologia humana insuficiência renal
 
Insuficiência renal aguda
Insuficiência renal agudaInsuficiência renal aguda
Insuficiência renal aguda
 
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
 
A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem
 
Nefrite lúpica
Nefrite lúpicaNefrite lúpica
Nefrite lúpica
 
Glomerulopatias atualizacao
Glomerulopatias atualizacaoGlomerulopatias atualizacao
Glomerulopatias atualizacao
 
Revisão -Lesão renal aguda
Revisão -Lesão renal aguda Revisão -Lesão renal aguda
Revisão -Lesão renal aguda
 
Vida sem glúten
Vida sem glútenVida sem glúten
Vida sem glúten
 
Doenças renais.
Doenças renais.Doenças renais.
Doenças renais.
 
Riñón
RiñónRiñón
Riñón
 
Intolerância à lactose
Intolerância à lactoseIntolerância à lactose
Intolerância à lactose
 
MANUAL DE ALERGIA ALIMENTAR PROFESSOR ADERBAL SABRÁ
MANUAL DE ALERGIA ALIMENTAR PROFESSOR ADERBAL SABRÁMANUAL DE ALERGIA ALIMENTAR PROFESSOR ADERBAL SABRÁ
MANUAL DE ALERGIA ALIMENTAR PROFESSOR ADERBAL SABRÁ
 

Semelhante a FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS

Aula 7 - Avaliação da Função renal.pptx
Aula 7 - Avaliação  da Função renal.pptxAula 7 - Avaliação  da Função renal.pptx
Aula 7 - Avaliação da Função renal.pptx
KarolSilva622082
 
O rim
O rimO rim
Ira irc pdf ok
Ira irc pdf okIra irc pdf ok
Ira irc pdf ok
Tatiane Vicente
 
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - Apresentação
Cíntia Costa
 
Questões de concurso dieto
Questões de concurso dietoQuestões de concurso dieto
Questões de concurso dieto
Murilo Silva
 
Cirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Cirrose Hepática - Compreendendo e PrevenindoCirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Cirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Eugênia
 
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
anacristinadias
 
Pacientes Graves - 13.pdf
Pacientes Graves - 13.pdfPacientes Graves - 13.pdf
Pacientes Graves - 13.pdf
JosPauloFerreiraVial
 
Apresentação cirrose hepatica
Apresentação cirrose hepaticaApresentação cirrose hepatica
Apresentação cirrose hepatica
Ana Paula Ferreira Silva
 
Exames Laboratoriais
Exames LaboratoriaisExames Laboratoriais
Exames Laboratoriais
Biomedicina
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
Maria Jaqueline Mesquita
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
Fernanda Assunção
 
Enzimologia Hepática
Enzimologia HepáticaEnzimologia Hepática
Enzimologia Hepática
lira1234
 
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente críticoNutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Eduardo Tibali
 
Complicacoes TNE e NPT
Complicacoes TNE e NPTComplicacoes TNE e NPT
Complicacoes TNE e NPT
lucianajunqueira
 
diabetes
diabetesdiabetes
diabetes
vivianfasp
 
Gastroenterite
GastroenteriteGastroenterite
Gastroenterite
MalenBarroso
 
Estudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - HepatopataEstudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - Hepatopata
Cíntia Costa
 
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
VeridyanaValverde1
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
Mel Medina
 

Semelhante a FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS (20)

Aula 7 - Avaliação da Função renal.pptx
Aula 7 - Avaliação  da Função renal.pptxAula 7 - Avaliação  da Função renal.pptx
Aula 7 - Avaliação da Função renal.pptx
 
O rim
O rimO rim
O rim
 
Ira irc pdf ok
Ira irc pdf okIra irc pdf ok
Ira irc pdf ok
 
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - Apresentação
 
Questões de concurso dieto
Questões de concurso dietoQuestões de concurso dieto
Questões de concurso dieto
 
Cirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Cirrose Hepática - Compreendendo e PrevenindoCirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Cirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
 
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
 
Pacientes Graves - 13.pdf
Pacientes Graves - 13.pdfPacientes Graves - 13.pdf
Pacientes Graves - 13.pdf
 
Apresentação cirrose hepatica
Apresentação cirrose hepaticaApresentação cirrose hepatica
Apresentação cirrose hepatica
 
Exames Laboratoriais
Exames LaboratoriaisExames Laboratoriais
Exames Laboratoriais
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
 
Enzimologia Hepática
Enzimologia HepáticaEnzimologia Hepática
Enzimologia Hepática
 
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente críticoNutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
 
Complicacoes TNE e NPT
Complicacoes TNE e NPTComplicacoes TNE e NPT
Complicacoes TNE e NPT
 
diabetes
diabetesdiabetes
diabetes
 
Gastroenterite
GastroenteriteGastroenterite
Gastroenterite
 
Estudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - HepatopataEstudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - Hepatopata
 
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 

Último

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 

Último (20)

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 

FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS

  • 1. Fisiopatologia e dietoterapia nos Distúrbios Renais NEFRITE GLOMERULAR AGUDA Fisiopatologia: A Nefrite Glomerular aguda aparece como resultado de uma reação antígeno-anticorpo, na qual formam-se complexos que circulam através do organismo. Alguns desses complexos ficam retidos nos glomérulos renais e provocam uma resposta inflamatória. A inflamação aguda se caracteriza por edema, hiperemia e infiltração leucocitária, levando a fibrose e a perda da superfície filtrante no interior do glomérulo. Devido a estes processos, perde-se sangue e albumina pela urina, a excreção urinaria é reduzida, a pressão sanguínea se eleva e a função renal é prejudicada, como evidencia a elevação do nível de nitrogênio úreico do sangue. Dietoterapia: Manutenção do suporte nutricional adequado, até quando a doença esteja circunscrita. Entretanto, deve-se fazer modificações na dieta, quando as analises químicas do soro indicarem que resíduos metabólicos estão se acumulando no sangue. O aporte protéico deverá ser restrito em pacientes com oligúria e também para evitar encefalopatia hipertensiva, insuficiência cardíaca congestiva e edema pulmonar. A restrição de potássio pode também ser necessária, quando a excreção urinária estiver grandemente reduzida. Passada a fase de oligúrica, a ingesta de proteína é geralmente aumentada, para compensar as perdas protéicas por urina. Os líquidos que serão restritos durante a fase de oligúrica, devem ser fornecidos em quantidade proporcional à eliminação urinaria da véspera. Quando a fase oligúrica tiver passado, será permitida uma quantidade adicional de 500 a 1000 mililitros acima da eliminação do dia anterior.
  • 2. NEFRITE GLOMERULAR CRÔNICA: Fisiopatologia: Crises repetidas de nefrite levam à perda do tecido renal e da função dos rins; os glomérulos, propriamente, desaparecem e cessam a capacidade de filtração normal. Os rins perdem sua propriedade de concentrar urina e grandes quantidades de urina são eliminadas, numa tentativa de desafogar o organismo de produtos residuais. Proteína e sangue são perdidos através da urina. A pressão artéria se eleva, causando danos vasculares. Dietoterapia: Na nefrite glomerular crônica, a dieta vai se modificando de acordo com a evolução da doença. Enquanto os rins se mantiverem capazes de eliminar os produtos residuais do metabolismo protéico, o aporte de proteína é mantido em nível elevado. A prática usual é calcular o requerimento normal de proteínas para o paciente e aumentar este requerimento de uma quantidade de proteína idêntica à que for perdida dela urina nas 24horas anteriores. Quando o nível de nitrogênio ureíco sanguíneo se eleva, o aporte de proteína torna-se restrito a 40 gramas, ou menos, por dia. O aporte de hidrato de carbono e gorduras é feito para completar o restante dos requerimentos energéticos do organismo. Quantidades suficientes de hidratos de carbono e gorduras devem ser consumidas, para prevenir o catabolismo protéico orgânico com a finalidade de produzir energia. Este catabolismo protéico orgânico contribuirá para a produção de uréia e de outros produtos residuais protéicos. O sódio deve ser restrito em pacientes com edema. A cuidadosa avaliação dos níveis de sódio sanguíneo é importante, porque pode ocorrer depleção de sódio, durante a fase diurética da nefrite glomerular crônica.
  • 3. SINDROME NEFROTICA: Fisiopatologia: A síndrome nefrótica é um complexo de sintomas bioquímicos e clínicos que se originam de um numero variável de doenças. O resultado final dessas doenças é uma lesão glomerular, que permite que as proteínas do plasma, que normalmente não ultrapassam o filtro glomerular, passem para urina, acarretando um proteinúria maciça, hipoalbuminemia e um nível sérico elevado de colesterol também é típico dessa síndrome . Dietoterapia: Comumente, prescreve-se uma dieta hipercalórica e hiperprotéica. Dá-se pelo menos 1,5 gramas de proteína por quilo de peso corporal e mais uma cota adicional para repor as quantidades perdidas pela urina. Tal dieta geralmente terá que ser dada através de uma alimentação por sonda, devido a sua falta de palatabilidade e pela anorexia do paciente. O sódio geralmente é restrito. Na síndrome nefrótica a prática de limitar a ingesta de colesterol, para diminuir os níveis sanguíneos, é discutida. PIELONEFRITE CRÔNICA: Fisiopatologia: Uma infecção bacteriana crônica dos rins leva a fibrose, a formação de cicatrizes e à dilatação dos túbulos, o que resulta em prejuízo da função renal. Comumente, se encontram presentes: hipertensão e certo grau de insuficiência renal. Dietoterapia: A restrição de sal é geralmente prescrita, para controlar a pressão sanguínea. Entretanto, alguns pacientes com pielonefrite crônica perdem grandes quantidade de sódio pela urina e devem ser observados continuamente, para que não tenha uma depleção, quando foram limitadas
  • 4. suas ingestas de sódio. O aporte protéico pode ser restringido, se o nível de nitrogênio uréico sanguíneo indicar incapacidade para descartar os resíduos protéicos. A ingesta de potássio deve ser restrita, quando o nível de potássio sérico estiver elevado. CALCULOS RENAIS (NEFROLITÍASE) Fisiopatologia: Em pacientes com infecção, estase urinária ou imobilização prolongada, algumas substancias cristalinas, normalmente presentes na urina, podem precipitar-se como areia ou cálculos. Estas substâncias cristalinas são principalmente cálcio, fósforo, oxalato de cálcio, e acido úrico. Um nível muito elevado de cálcio e acido úrico no sangue favorece a precipitação de cálculos formados principalmente dessas substâncias. Os cálculos podem se alojar em qualquer ponto do trato urinário, causando obstrução, infecção e dores. Dietoterapia: Recomenda-se a ingestão de 3 a 4 litros de água por dia, distribuídos pelas 24 horas do dia. Modificações na dieta, em relação a composição do cálculo, são mais efetivas quando há aumento, na urina, do nível dos componentes do calculo. Uma dieta pobre em cálcio (250 a 400 miligramas) é as vezes usada pra reduzir a excreção urinaria de cálcio. Quando taxas elevadas de oxalatos são encontradas na urina, poderá ser prescrita uma dieta pobre em oxalatos. Os cálculos de acido úrico podem ser tratados por uma dieta pobre em purinas, porém o alopurinol seja mais eficiente. A acidez ou a alcalinidade da urina tem influência sobre a solubilidade dos cristais que formam os calculos, é possível baixar o pH urinário através da dieta. Uma urina acida favorece a excreção do cálcio
  • 5. NEFROSCLEROSE Fisiopatologia: Nefroesclerose vem a ser o endurecimento das artérias renais, geralmente como resultado da hipertensão renal e da arteriosclerose generalizada. Na nefrosclerose perde-se albumina pela urina, residos nitrogenados são retidos e ocorrem modificações na retina. A morte geralmente ocorre por insuficiência circulatória ou por seqüelas da hipertensão. Dietoterapia: A ingesta normal deve ser mantida o maior tempo possível. Dieta hipocalórica deverá ser prescrita para pacientes obesos, porque a perda de peso reduz a carda circulatória sobre o rim. A ingestão de proteínas é orientada pelo nível sanguíneo do nitrogênio úreico; é normal nos primeiros estágios da doença e reduzida, quando a função renal falha. O aporte de liquidos é comumente estimulado, para possibilitar o paciente a manter a excreção urinaria adequada, necessária para excretar os resíduos. Em paciente com retenção de líquidos, estes podem ser restritos a restrição de sódio é indicada para reduzir edema e controlar a pressão arterial. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA Fisiopatologia: A insuficiência da função renal devido à insuficiência circulatória, glomerular ou tubular é chamada insuficiência renal. Quando essa insuficiência ocorre abruptamente ela é chamada de aguda. A insuficiência renal aguda muitas vezes ocorre após queimaduras, graves contusões por esmagamentos, nefrotoxidade, estado de choque ou sépsis. Os rins excretam menos de 500 mililitros de urina por dia, na insuficiência renal aguda. Pelo menos, 600 mililitros por dia devem ser eliminados para excretar os resíduos metabólicos dissolvidos. Na insuficiência renal estes resíduos se acumulam no sangue, atingindo níveis tóxicos. A insuficiência renal aguda apresenta três fazes, classificadas com base no volume urinário eliminado. A primeira fase é a da oligúria, que dura cerca de 10 dias; a excreção urinaria diária é menor que 500
  • 6. mililitros. A segunda fase, a diurética, se caracteriza pelo aumento gradual da excreção urinaria. A excreção pode ser normal durante essa fase, embora a função renal permaneça alterada. A fase final é o período de recuperação e é caracterizada pela melhora da função renal, não obstante possa estar presente alguma perda permanente de filtração, de concentração ou de acidificação. O período de recuperação pode durar de 3 meses a 1 ano. Dietoterapia: As necessidades energéticas dos pacientes com insuficiência renal aguda estão aumentadas e eles devem receber um número suficiente de calorias para impedir o catabolismo das proteínas corpóreas. O aporte calórico diário pode oscilar de 2000 a 2500 kcal e deverá incluir, pelo menos, 100 gramas de hidratos de carbono. O aporte calórico alto está Frequentemente ligado à uma restrição de líquidos. As soluções endovenosas de glicose de 25% a 50% ou nutrição parenteral total podem ser necessárias, para obter os requerimentos associados ou combinados. Se houver a possibilidade de usar via oral, fornece-se, de inicio uma dieta concentrada em hidratos de carbono e gorduras, porém pobre em proteínas. A proteína será limitada, inicialmente, em 0,5 grama por quilo de peso, mas deve ser aumentada a medida que a função renal melhore, porque o organismo necessita de proteína para reparar os tecidos danificados e fazer frente ao stress da terrível doença. A maior parte das proteínas será de alto valor biológico. Na fase oligúrica os líquidos serão os suficiente para compensar a perda de líquidos da pele ( aproximadamente 600 mililitros) mais uma quantidade de líquidos igual à eliminada no dia anterior. Durante a fase diurética o aporte de líquidos é aumentado, para contrabalancear as perdas liquidas. A pesagem diária é essencial para controlar as condições do balanço hídrico. O aporte de potássio deve ser restrito durante a fase anúrica e os seus níveis devem ser controlados de perto. Muitas causas da insuficiência renal aguda são caracterizadas pela destruição e estas causam liberam potássio das células danificas. A principal via de excreção do potássio são os rins . Em
  • 7. pacientes com anúria poderá ser necessário usar resinas de intercambio para livrar –se do organismo do potássio , via intestino. Glicose endovenosa, insulina ou gluconato de cálcio podem ser usados para impelir o potássio para dentro das células, com a finalidade de reduzir os níveis séricos dos pacientes que não se encontram submetidos à diálise. Durante a fase diurética os níveis de potássio são avaliados, para vigiar as perdas excessivas. As perdas excessivas de sódio podem, também, ocorrer durante a fase diurética. Quando as resinas de intercambio são usadas no tratamento da hipercalemia, pode ocorrer excessiva retenção de sódio. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA Fisiopatologia: A insuficiência da função dos rins, depois de uma insuficiência renal aguda, ou a perda progressiva da função dos rins devido a doenças renais, resulta na insuficiência renal crônica.Os rins não são mais capazes de promover seu papel na remoção dos resíduos metabólicos do sangue e o mecanismo homeostático do organismo está irreversivelmente transtornado. Quando 60 a 70% dos néfrons não estão funcionando, a perda da função dos rins é grave bastante para interferir com a homeostase . Os rins excretam normalmente 70% dos resíduos de proteína do organismo. Quando os rins falham em suas funções, eles não podem excretar uréia e outros produtos nitrogenados e o nível uréico de nitrogênio do sangue se eleva. Os níveis séricos da creatina e dos fosfatos também se elevam. A insuficiência renal crônica é dividida em quatro estágios. O primeiro se caracteriza pelas reservas renais reduzidas, com perda de metade a dois terços do funcionamento dos néfrons. No segundo estagio a destruição dos néfrons progrediu a tal ponto, que os rins não podem mais manter a homeostase e observa-se uma moderada azotemia (níveis excessivos de uréia e resíduos nitrogenados no sangue) . O terceiro estagio da insuficiência renal é caracterizado pela azotemia, que vai de moderada a grave. O quarto estagio é a uremia, no qual 90% da função renal esta perdida.
  • 8. Dietoterapia: Quando os rins não podem mais excretar adequadamente os resíduos metabólicos, são feitas alterações na dieta, no sentido de regular o aporte de proteínas. De líquidos, de sódio, de potássio e de fosfato, visando manter a homeostase. No primeiro estagio da insuficiência renal crônica, comumente não são feitas restrições dietéticas, a menos que se deseje redução de peso, para baixar os níveis da pressão arterial. Um aporte calórico adequado é essencial, para evitar que as proteínas do corpo sejam utilizadas a fim de atender às necessidades energéticas, o que poderá aumentra a carga de resíduos protéicos a serem eliminados por rins insuficientes. No segundo estagio da insuficiência renal crônica, a restrição de sódio PE prescrita frequentemente. O grau de restrição depende do grau de hidratação e de hipertensão . O aporte de potássio e de fosfato é também restringindo, quando a excreção urinaria se encontra reduzida. Nos terceiro e quarto estágios da insuficiência renal crônica, o aporte protéico será limitado a 0,6 a 1,0 grama por quilo de peso teórico. Três quartos da proteína devem provir de proteínas de alto valor biológico. A razão do aporte restrito de proteína é controlar o metabolismo protéico, de modo a que a quantidade de produtos residuais nitrogenados seja minimizada. Teoricamente, toda proteína e nitrogênio oferecidos pela dieta devem ser usados pelo organismo para elaborar hormônio e enzimas, e também para repara e manter os tecidos. Dietoterapia no tratamento pela diálise peritoneal: A diálise peritoneal remove os resíduos metabólicos e o excesso de líquidos do organismo de um paciente com insuficiência renal, porém isso não implica em considerar a dietoterapia como desnecessária. Quantidades consideráveis de proteína e aminoácidos acompanham o liquido dialisado, de modo que o aporte protéico deve ser grande para compensar estas perdas. Um grama de proteína por quilo de peso teórico é recomendado; são preferidos as proteínas de alto valor biológico. Se necessário, podem ser ministradas por via endovenosa.
  • 9. Pelo menos 35 a 45 kcal por quilo de peso dia são recomendadas, com 1/3 delas provenientes de hidratos de carbono. O aporte de sódio é comumente generoso, mas os dados relativos a hidratação, a pressão arterial e as perdas de líquidos dialisados são essenciais na determinação das necessidades individuais . O aporte de potássio e de fósforo está relacionado, diretamente, com os níveis séricos desses minerais. A quantidade de líquidos depende do estado de hidratação e pode ser aumentada ou restrita. A dieta será suplementada por multivitaminas, principalmente as vitaminas do complexo B, acido fólico, a piridoxina e a vitamina C. Dietoterapia no período de tratamento pela hemodiálise: Na hemodiálise a menos perda de proteína que na diálise peritoneal; entretanto ainda assim ocorrem perdas, especialmente de aminoácidos. Comumente de 1 a 1,5 gramas por quilo de peso teórico de proteínas são prescritas, sendo que 60 a 70%, constituídas de proteínas de alto valor biológico. O aporte de sódio acha-se comumente limitado, a menos que haja grandes perdas urinarias deste mineral. As quantidades de potássio e fósforo são determinadas, comumente, com base nos valores químicos do soro sanguíneo obtidos antes da diálise e frequentemente devem ser limitados. A taxa de líquidos dada diariamente é de 500 a 1000 mililitros, mais uma quantidade igual a eliminada no dia anterior, ou melhor, uma taxa de líquidos suficiente para permitir um ganho de 1 a 1,5 quilos entre os tratamentos. Os requerimentos energéticos são comumente calculados na base de 30 a 35 kcal por quilo de peso. A suplementação vitamínica é importante, pelo fato das vitaminas, principalmente as hidrossolúveis, serem removidas pela hemodiálise. Crianças submetidas à hemodiálise precisão de proteínas para seu crescimento; 3 a 4 gramas por quilo de peso teórico é geralmente aconselhado. Se o potássio e o fósforo forem restringidos, a quantidade de proteína pode ser reduzida, já que o conteúdo de potássio e sódio dos alimentos protéicos é alto. O aporte de sódio será determinado com base na pressão arterial e no estado de hidratação. A ingestão de potássio será baseada nos níveis séricos antes da diálise, mas geralmente é limitada. O aporte de fósforo é mantido tão baixo
  • 10. quanto possível e o leite geralmente é limitado a 120 gramas por dia. As dietas infantis geralmente proporcionam de 100 a 150 kcal por quilo de peso, para estimular o crescimento. O aporte de líquidos é de 20 mililitros por quilo de peso, mais uma quantidade igual à eliminada no dia anterior. Suplementos multivitamínicos e de acido fólico são necessários. Dietoterapia após o transplante renal: Após o transplante renal, a dieta deve ser generosa no que diz respeito às proteínas: 2 gramas por quilo de peso teórico. O sódio Serpa limitado a 2.000/4.000por dia. A ingesta de cálcio será aumentada: 800/1.200miligramas por dia, por dia para compensar a fraca absorção. O aporte de fósforo está também aumentado: de 800 a 1.200 miligramas por dia. A cota de hidratos de carbono estará restringida : de 1 a 1,5 gramas por quilo de peso teórico. A restrição de hidratos de carbonos esta ligada a prevenir a hiperglicemia associada com a redução da tolerância à glicose; entretanto, deverá ser fornecida uma quantidade suficiente de hidratos de carbono, para prevenir um excesso catabolismo das proteínas corporais. O cálcio, a vitamina D, a tiamina e o magnésio deverão ser dados sob forma de suplementos. Uma quantidade adequada de cálcio é de particular importância nas crianças, para prevenir a parada de crescimento, como resultado da redução do crescimento epifisário. A dieta deve ser interrompida, quando a dosagem dos medicamentos for reduzida a níveis de manutenção.
  • 11. Fisiopatologia e dietoterapia nos Distúrbios Hepáticos HEPATITE Fisiopatologia: A inflamação do fígado poderá resultar na destruição das células hepáticas. Normalmente, o fígado é capaz de regenerar células destruídas. A destruição excessiva dos tecidos do fígado influi nas variadas e extensas funções do fígado. Dietoterapia: Em pacientes com vômito, poderá ser usada uma solução de glicose a 5 e a10% para fornecer calorias Aminoácidos podem ser dados endovenosamente, como fonte de proteínas, podem também ser usados plasma ou albumina. Uma forma concentrada pode ser usada oralmente, ou através de sonda para fornecer uma dieta hipercalórica (3000 a 4000 kcal) os componentes da dieta incluem generosas quantidades de hidratos de carbono (300 a 400 gramas) para promover a síntese e o armazenamento do glicogênio e para poupar proteínas para o reparo das células hepáticas. A cota de proteínas será elevada (1,5 a 2 gramas por quilo de peso corporal) para a regeneração dos tecidos. O aporte de gordura não precisará ser restrito, se adequadas quantidades de hidratos de carbono e proteínas forem fornecidas. A gordura aumenta tanto a palatabilidade, como o valor calórico da dieta. É aconselhável a suplementação com vitaminas do complexo B, que participa do metabolismo dos hidratos de carbono, proteínas e gorduras e vitamina B12, que normalmente é armazenada no fígado. A vitamina K é dada para impedir a tendência a hemorragias. Progressivamente, passa-se para uma dieta na qual os componentes acima serão dados em pequenas e em freqüentes refeições. CIRROSE Fisiopatologia:
  • 12. Quando o fígado regenera desordenadamente suas células destruídas, estas são substituídas, parcialmente por tecido conjuntivo fibroso, que não tem função. A cirrose é o estagio final de múltiplos surtos e lesões hepáticas causadas pelo alcoolismo e hepatites virais e tóxicas. Dietoterapia: Um paciente cuja cirrose se relacione com o alcoolismo, geralmente tem uma longa historia de má alimentação e isto porque grande parte dos alimentos que deveria receber foi substituída pelo álcool que interfere negativamente na absorção da tiamina, da Vitamina B12, do acido fólico e da vitamina C. Ao mesmo tempo em que a absorção dessas vitaminas diminuem, aumentam as necessidades das vitaminas do complexo B para metabolizar o álcool. A deficiência de magnésio esta frequentemente presente, porque o álcool aumenta a excreção desse elemento. A prescrição adotada é de uma dieta hipercalórica, hiperproteíca e hiper-hidrocarbonada. A cota de proteínas deve ser coberta, o mais possível, com proteínas de alto valor biológico e rica em aminoácidos metionina e colina. A metionina e a colina metabolizam a gordura no fígado e reduzem a degradação gorda do órgão. O teor de proteína deve situar-se entre a cota máxima necessária para promover a regeneração do fígado e a cota mínima para impedir o aparecimento do coma hepático. Uma quantidade moderada de gordura é permitida para pacientes cujo o aporte de proteínas e hidratos de carbono é adequado. Os triglicérides de cadeia média podem ser usados para cobrir as necessidades de gordura na dieta; entretanto, eles não devem ser usados em caso avançado de cirrose. O aporte de gordura também é reduzido quando houver esteatorréia, sintoma que acompanha a cirrose em mais da metade dos casos. A presença de ascite pode indicar a necessidade de limitar o aporte de sódio e de líquidos.
  • 13. COMA HEPATICO: ENCEFALOPATIA HEPATICA Fisiopatologia: Coma hepático é uma alteração do nível de consciência que resulta do dano cerebral, de corrente da degeneração das células das células hepáticas. Os níveis sanguíneos da amônia se elevam quando há um grave dano no fígado ou quando o sangue é desviado do fígado por circulação colateral , ou por desvio cirúrgico. Nesta situação, o fígado é incapaz de converter amônia em uréia. Os níveis séricos de amônia, quando elevados, exercem um efeito tóxico sobre as células do cérebro, produzindo distúrbios no sistema nervoso central e distúrbios psiquiátricos. Dietoterapia: A ingestão de proteína pode ser abolida ou severamente restrita, dependendo do nível sérico de amônia. O período de restrição protéica será tão curto quanto o possível, já que a proteína é necessária para regeneração das células hepáticas. A ingestão de proteínas vai sendo gradualmente aumentada à medida que o paciente melhore., O nível sérico da amônia é usado como elemento de orientação para este aumento. Alimentos que exerçam uma grande influência sobre o nível sérico da amônia deverão ser proibidos. A lactulose (um açúcar de 5 átomos de carbono) ou a neomicina poderão ser usados para diminuir a absorção da amônia.