SlideShare uma empresa Scribd logo
Enfermeira Isadora Pereira
FINITUDE, MORTE, MORRER E LUTO
conceitos, aspectos ético, legais, culturais, religiosos e espirituais.
fases da vida
infância;
adolescência;
fase adulta;
senescência.
As principais etapas da vida humana são:
Todos os seres vivos passam por duas etapas da vida: o nascimento, que é
quando ela começa; e a morte, que é quando ela se encerra
Senilidade x Senescência
A senescência abrange todas as alterações produzidas no organismo de um ser
vivo e que são diretamente relacionadas a sua evolução no tempo, sem nenhum
mecanismo de doença reconhecido.
A senilidade é um complemento da senescência no fenômeno do envelhecimento.
Condições que acometem o indivíduo no decorrer da vida baseadas em mecanismos
fisiopatológicos.
Senilidade x Senescência
São, dessa forma, doenças que comprometem a qualidade de vida das pessoas, mas
não são comuns a todas elas em uma mesma faixa etária. Assim são a perda hormonal
no homem que impede a fertilidade, a osteoartrose, a depressão e o diabetes, entre
outros comprometimentos. Todas essas circunstâncias não são normais da idade e
nem comuns a todos os idosos, por isso são caracterizadas como quadro de senilidade.
FINITUDE
substantivo feminino
1.
qualidade, propriedade ou condição do que é finito.
2.
fato de ser qualitativamente finito, limitado.
FINITUDE
Finitude é ter a consciência de que o amanhã pode não chegar. Que ‘amanhã’ pode ser
tarde demais.
Finitude é conhecer a preciosidade do dia de hoje e de todas as oportunidades que a
vida traz. É entender que muita coisa pode acontecer num intervalo de tempo muito
curto (horas, minutos ou até segundos). E que estes acontecimentos podem mudar para
sempre o destino e o rumo de nossas vidas e de todos que nos cercam.
É por isso que as pessoas que se depararam com a morte – de muito perto – têm maior
chance de compreender a finitude, pois a vida mostrou a elas que o amanhã pode não
existir.
Dra. Ana Cláudia Quintana, especialista em Tratamento Paliativo na palestra ‘A morte é um dia que vale a pena viver’
no TEDx
FINITUDE
SOMOS FINITOS...
Mas como lidamos com a morte?
a morte
SOMOS FINITOS...
Mas como lidamos com a morte?
O QUE É A MORTE?
“Parar de viver”, ou “aquilo que cada pessoa aprende que ela é”. As tentativas científicas,
ou mesmo religiosas, de conceituá-la vão falhar indefinidamente. No fim das contas, o
bem-estar com relação à morte depende da força com que se acredita no que ela é.
A morte e a senhora
a morte
“Ninguém quer morrer, entretanto, todo mundo morre. É uma eterna
contradição. A religião oferece às pessoas uma esperança de que a vida
não termina”.
(Renold Blank – prof. teologia Fac. de São Paulo)
a morte
O QUE ACONTECE QUANDO A VIDA HUMANA FINDA?
As pessoas ressuscitam ou reencarnam? E depois?
Em todas as religiões a morte não representa o fim:
a morte e a religião
CATOLICISMO: A vida depois da morte está inserida na crença de um Céu, de um
Inferno e de um Purgatório.
JUDAÍSMO: Crê na sobrevivência da alma, mas não oferece um retrato claro da
vida após a morte, e nem mesmo se existe de fato.
CANDOMBLÉ: Vê o poder de Deus em todas as coisas e, principalmente na
natureza. Morrer é passar para outra dimensão e permanecer junto como os
outros espíritos, orixás e guias.
a morte e a religião
UMBANDA: Sofre influências de crenças cristãs, espíritas e de cultos afros e
orientais. Como não existe uma unidade ou um 'livro sagrado', alguns
umbandistas admitem o céu e o inferno dos cristãos, enquanto outros falam
apenas em reencarnação e Carma.
ESPIRITISMO: Defende a continuação da vida após a morte num novo plano
espiritual ou pela reencarnação em outro corpo. Aqueles que praticam o bem
evoluem mais rapidamente.
a morte e a religião
IGREJA EVANGÉLICA: Acreditam no julgamento, na condenação (céu ou inferno)
e na eternidade da alma.
IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA: os mortos dormem profundamente até o
momento da ressurreição. Quem cumpriu seu papel na Terra recebe a graça da
vida eterna, do contrário desaparece.
SLAMISMO - ALÁ (DEUS): criou o mundo e trará de volta a vida todos os mortos no
último dia. As pessoas serão julgadas e uma nova vida começará depois da avaliação
divina. Esta vida seria então uma preparação para outra existência, seja no céu ou no
inferno.
TANATOLOGIA
Etimologia: Tanatos = morte + Logos = Estudo.
Relevância: Determinação da realidade de morte (atestado de óbito), transplante de
órgãos na morte cerebral e tempo de morte (Cronotanatognose).
Definição de morte: Cessação dos fenômenos vitais consecutiva a perdas das funções
cerebrais, cardíacas e respiratórias (latu sensu).
Morte aparente: estados patológicos do organismo simulam a morte, podendo
durar horas, sendo possível a recuperação pelo emprego imediato e adequado de
socorro médico;
Morte relativa: estado em que ocorre parada efetiva e duradora das funções
circulatórias, respiratórias e nervosas, associada à cianose e palidez marmórea,
porém acontecendo a reanimação com manobras terapêutica;
Classificações da morte
Morte intermédia: é a que precede a absoluta e sucede à relativa. Experiências de
Quase Morte são relatadas aqui;
Morte absoluta: estado que se caracteriza pelo desaparecimento definitivo de toda
atividade biológica do organismo e com a presença de fenômenos cadavéricos.
Classificações da morte
Os fenômenos cadavéricos podem ser divididos em abióticos e transformativos. Os
abióticos por sua vez são subdivididos em imediatos e consecutivos.
fenômenos cadavéricos
Fenômenos abióticos Fenômenos abióticos
imediatos:
Perda da consciência,
imobilidade,
relaxamento muscular,
relaxamento dos esfíncteres,
parada cardíaca e ausência de
pulso,
parada respiratória,
insensibilidade,
fáceis hipocrática, entre outros.
consecutivos:
resfriamento do corpo,
rigidez cadavérica,
presença de livores e
manchas de hipóstases.
autólise ( (diminuição ph);
putrefação (decomposição fermentativa
por ação de microorganismos).
mumificação,
saponificação (consistência untuosa)
calcificação.
Fenômenos transformativos destrutivos
Fenômenos transformativos conservadores
o luto
O luto é algo inerente e intrínseco a qualquer ser humano. Ele ocorre quando um
vínculo afetivo é rompido de forma abrupta e geralmente está associado à perda de
uma pessoa querida. Entretanto, o luto também pode ocorrer ao término de um
relacionamento amoroso ou à perda do emprego, por exemplo.
Quando há este rompimento, inicia-se uma jornada emocional de 5 fases, de acordo
com o retratado no livro da psiquiatra Elisabeth Kübler-Ross, ‘Sobre a Morte e o Morrer’,
há 50 anos.
o luto
as fases do luto
1. Negação
A primeira reação esperada à uma perda é negar que ela ocorreu. Rejeitamos o fato de
dizemos a nós mesmos que aquilo não aconteceu, que é um pesadelo, ou que aquilo
era impossível de se suceder.
o luto
as fases do luto
2. Raiva
Quando começa a assimilação do fato como sendo verdade, superando a negação,
outros sentimentos tendem a povoar as emoções do enlutado, chegando a culpa, medo,
angústia e raiva. A pessoa tende a revoltar-se por aquilo ter acontecido, já que, por mais
que aceitou, ainda vê o ocorrido como algo injusto e que ninguém fez nada para que
aquele desfecho mudasse, talvez nem ela mesma.
o luto
as fases do luto
3. Barganha
Na terceira fase do luto, há uma tentativa desesperada de reaver aquilo que foi
perdido. É quando a pessoa tende a retomar um pouco de consciência e pensar o que
ela pode fazer para mudar aquela situação de alguma forma.
No caso de morte, há uma tentativa de pedir a pessoa de volta às entidades dívidas ou
forças superiores.
o luto
as fases do luto
4. Depressão
Se o luto fosse como uma escada, a primeira fase seria um degrau alto e a depressão o
seu degrau mais baixo. É nesta fase que a pessoa tende a assimilar muito mais a
tristeza, que pode durar dias ou semanas. É aqui que a dor e o sentimento da perda é
revivida constantemente nas lembranças, objetos e atitudes. Encara-se o vazio da perda
e os sentimentos de solidão e tristeza profunda costumam ser os companheirosNo caso
de morte, há uma tentativa de pedir a pessoa de volta às entidades dívidas ou forças
superiores.
o luto
as fases do luto
5. Aceitação
Na última fase do luto, a aceitação, é hora de seguir em frente definitivamente. É
quando a pessoa percebe que não vai mais conseguir voltar no tempo e ter de novo
aquilo que perdeu ali por perto, mas que vai tocar sua vida sem aquela presença. Não
esquecendo da companhia ou das coisas boas, pelo contrário, levando aquilo com
muito carinho na memória, mas conseguindo tocar a vida como antes.
o luto
o luto
https://cursosescon.com.br/aluno/estudar
1
Referências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Assistência Multidisciplinar à Saúde
Assistência Multidisciplinar à SaúdeAssistência Multidisciplinar à Saúde
Assistência Multidisciplinar à Saúde
Centro Universitário Ages
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Heberth Macedo
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
Eliane Santos
 
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Marcelo Palmier
 
Terapias Complementares em Cuidados Paliativos
Terapias Complementares em Cuidados PaliativosTerapias Complementares em Cuidados Paliativos
Terapias Complementares em Cuidados Paliativos
Luciana Mateus
 
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-spManual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Viviane da Silva
 
Finitude nossa de cada dia
Finitude nossa de cada diaFinitude nossa de cada dia
Finitude nossa de cada dia
Mara Suassuna
 
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasiaA ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
Hamilton Souza
 
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúdeComo trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Associação Viva e Deixe Viver
 
Cuidados Paliativos - Morrer com dignidade
Cuidados Paliativos - Morrer com dignidadeCuidados Paliativos - Morrer com dignidade
Cuidados Paliativos - Morrer com dignidade
Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda (ESTGA)
 
ApresentaçãO Morte
ApresentaçãO MorteApresentaçãO Morte
ApresentaçãO Morte
guestb58853
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
Ana Hollanders
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Fabricio Marques Moreira
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
Aliny Lima
 
Prontuário
ProntuárioProntuário
Morte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto HospitalarMorte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto Hospitalar
Washington Costa
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
Sonara Pereira
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
Ismael Costa
 

Mais procurados (20)

Assistência Multidisciplinar à Saúde
Assistência Multidisciplinar à SaúdeAssistência Multidisciplinar à Saúde
Assistência Multidisciplinar à Saúde
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
 
Terapias Complementares em Cuidados Paliativos
Terapias Complementares em Cuidados PaliativosTerapias Complementares em Cuidados Paliativos
Terapias Complementares em Cuidados Paliativos
 
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-spManual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
 
Finitude nossa de cada dia
Finitude nossa de cada diaFinitude nossa de cada dia
Finitude nossa de cada dia
 
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasiaA ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
 
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúdeComo trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
 
Cuidados Paliativos - Morrer com dignidade
Cuidados Paliativos - Morrer com dignidadeCuidados Paliativos - Morrer com dignidade
Cuidados Paliativos - Morrer com dignidade
 
ApresentaçãO Morte
ApresentaçãO MorteApresentaçãO Morte
ApresentaçãO Morte
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Prontuário
ProntuárioProntuário
Prontuário
 
Morte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto HospitalarMorte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto Hospitalar
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
 

Semelhante a FINITUDE, MORTE E MORRER.pdf

Seminário A Morte e o Morrer.pptx
Seminário A Morte e o Morrer.pptxSeminário A Morte e o Morrer.pptx
Seminário A Morte e o Morrer.pptx
SamilaAlves7
 
A morte - Curso de Escatologia (6)
A morte - Curso de Escatologia (6)A morte - Curso de Escatologia (6)
A morte - Curso de Escatologia (6)
Afonso Murad (FAJE)
 
Vida e-morte
Vida e-morteVida e-morte
Vida e-morte
Mário Oliveira
 
Como lidar com a morte
Como lidar com a morte Como lidar com a morte
Como lidar com a morte
Felipe Cruz
 
Morte e Luto
Morte e Luto Morte e Luto
Morte e Luto
KARINA ROCHA GALDF
 
Suicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenirSuicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenir
Abel Sidney Souza
 
A elaboração da morte
A elaboração da morteA elaboração da morte
A elaboração da morte
Doroteia Múrcia Souza
 
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira). A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
Leonardo Pereira
 
A alma é imortal
A alma é imortalA alma é imortal
A alma é imortal
Leonardo Pereira
 
Aulas sobre rituais funebres nas religiões.ppt
Aulas sobre rituais funebres nas religiões.pptAulas sobre rituais funebres nas religiões.ppt
Aulas sobre rituais funebres nas religiões.ppt
AntnioCsarBurnat
 
Morte blog
Morte blogMorte blog
Morte blog
Simone Cristina
 
estudo_morte.ppt
estudo_morte.pptestudo_morte.ppt
estudo_morte.ppt
AntnioCsarBurnat
 
Morte Filos ApresentaçãO
Morte Filos ApresentaçãOMorte Filos ApresentaçãO
Morte Filos ApresentaçãO
elvira.sequeira
 
Até que a morte nos separe 4
Até que a morte nos separe 4Até que a morte nos separe 4
Até que a morte nos separe 4
Adriana Soczek Sampaio
 
Mediunidade o que é isso apostila 038
Mediunidade o que é isso   apostila 038Mediunidade o que é isso   apostila 038
Mediunidade o que é isso apostila 038
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Até que a morte nos separe
Até que a morte nos separeAté que a morte nos separe
Até que a morte nos separe
Adriana Soczek Sampaio
 
Vestibular 2010 sem respostas
Vestibular 2010 sem respostasVestibular 2010 sem respostas
Vestibular 2010 sem respostas
3d2012
 
Vestibular 2010 sem respostas
Vestibular 2010 sem respostasVestibular 2010 sem respostas
Vestibular 2010 sem respostas
Natália Santos
 
O luto slid ucan.2016
O luto slid   ucan.2016O luto slid   ucan.2016
O luto slid ucan.2016
Dilson Francisco
 

Semelhante a FINITUDE, MORTE E MORRER.pdf (20)

Seminário A Morte e o Morrer.pptx
Seminário A Morte e o Morrer.pptxSeminário A Morte e o Morrer.pptx
Seminário A Morte e o Morrer.pptx
 
A morte - Curso de Escatologia (6)
A morte - Curso de Escatologia (6)A morte - Curso de Escatologia (6)
A morte - Curso de Escatologia (6)
 
Vida e-morte
Vida e-morteVida e-morte
Vida e-morte
 
Como lidar com a morte
Como lidar com a morte Como lidar com a morte
Como lidar com a morte
 
Morte e Luto
Morte e Luto Morte e Luto
Morte e Luto
 
Suicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenirSuicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenir
 
A elaboração da morte
A elaboração da morteA elaboração da morte
A elaboração da morte
 
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira). A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
 
A alma é imortal
A alma é imortalA alma é imortal
A alma é imortal
 
Aulas sobre rituais funebres nas religiões.ppt
Aulas sobre rituais funebres nas religiões.pptAulas sobre rituais funebres nas religiões.ppt
Aulas sobre rituais funebres nas religiões.ppt
 
Morte blog
Morte blogMorte blog
Morte blog
 
estudo_morte.ppt
estudo_morte.pptestudo_morte.ppt
estudo_morte.ppt
 
Morte Filos ApresentaçãO
Morte Filos ApresentaçãOMorte Filos ApresentaçãO
Morte Filos ApresentaçãO
 
Até que a morte nos separe 4
Até que a morte nos separe 4Até que a morte nos separe 4
Até que a morte nos separe 4
 
Mediunidade o que é isso apostila 038
Mediunidade o que é isso   apostila 038Mediunidade o que é isso   apostila 038
Mediunidade o que é isso apostila 038
 
Até que a morte nos separe
Até que a morte nos separeAté que a morte nos separe
Até que a morte nos separe
 
Vestibular 2010 sem respostas
Vestibular 2010 sem respostasVestibular 2010 sem respostas
Vestibular 2010 sem respostas
 
Vestibular 2010 sem respostas
Vestibular 2010 sem respostasVestibular 2010 sem respostas
Vestibular 2010 sem respostas
 
O luto slid ucan.2016
O luto slid   ucan.2016O luto slid   ucan.2016
O luto slid ucan.2016
 

Mais de IsadoraPereira32

Primeiros Socorros Básicos: RCP e desengasgo.pptx
Primeiros Socorros Básicos: RCP e desengasgo.pptxPrimeiros Socorros Básicos: RCP e desengasgo.pptx
Primeiros Socorros Básicos: RCP e desengasgo.pptx
IsadoraPereira32
 
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissãoParasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
IsadoraPereira32
 
Acreditação hospitalar.pptx
Acreditação hospitalar.pptxAcreditação hospitalar.pptx
Acreditação hospitalar.pptx
IsadoraPereira32
 
Mediacao_de_conflitos_.pptx
Mediacao_de_conflitos_.pptxMediacao_de_conflitos_.pptx
Mediacao_de_conflitos_.pptx
IsadoraPereira32
 
Parasitologia.pptx
Parasitologia.pptxParasitologia.pptx
Parasitologia.pptx
IsadoraPereira32
 
Tecnologias_de_infusao.pptx
Tecnologias_de_infusao.pptxTecnologias_de_infusao.pptx
Tecnologias_de_infusao.pptx
IsadoraPereira32
 
Tecnologias em Saúde.pptx
Tecnologias em Saúde.pptxTecnologias em Saúde.pptx
Tecnologias em Saúde.pptx
IsadoraPereira32
 
Sistema Digestório.pptx
Sistema Digestório.pptxSistema Digestório.pptx
Sistema Digestório.pptx
IsadoraPereira32
 
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptxFinitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
IsadoraPereira32
 
calculos enfermagem.pptx.pdf
calculos enfermagem.pptx.pdfcalculos enfermagem.pptx.pdf
calculos enfermagem.pptx.pdf
IsadoraPereira32
 
Cancer.ppt
Cancer.pptCancer.ppt
Cancer.ppt
IsadoraPereira32
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
IsadoraPereira32
 

Mais de IsadoraPereira32 (12)

Primeiros Socorros Básicos: RCP e desengasgo.pptx
Primeiros Socorros Básicos: RCP e desengasgo.pptxPrimeiros Socorros Básicos: RCP e desengasgo.pptx
Primeiros Socorros Básicos: RCP e desengasgo.pptx
 
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissãoParasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
 
Acreditação hospitalar.pptx
Acreditação hospitalar.pptxAcreditação hospitalar.pptx
Acreditação hospitalar.pptx
 
Mediacao_de_conflitos_.pptx
Mediacao_de_conflitos_.pptxMediacao_de_conflitos_.pptx
Mediacao_de_conflitos_.pptx
 
Parasitologia.pptx
Parasitologia.pptxParasitologia.pptx
Parasitologia.pptx
 
Tecnologias_de_infusao.pptx
Tecnologias_de_infusao.pptxTecnologias_de_infusao.pptx
Tecnologias_de_infusao.pptx
 
Tecnologias em Saúde.pptx
Tecnologias em Saúde.pptxTecnologias em Saúde.pptx
Tecnologias em Saúde.pptx
 
Sistema Digestório.pptx
Sistema Digestório.pptxSistema Digestório.pptx
Sistema Digestório.pptx
 
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptxFinitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
 
calculos enfermagem.pptx.pdf
calculos enfermagem.pptx.pdfcalculos enfermagem.pptx.pdf
calculos enfermagem.pptx.pdf
 
Cancer.ppt
Cancer.pptCancer.ppt
Cancer.ppt
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
 

FINITUDE, MORTE E MORRER.pdf

  • 1. Enfermeira Isadora Pereira FINITUDE, MORTE, MORRER E LUTO conceitos, aspectos ético, legais, culturais, religiosos e espirituais.
  • 2. fases da vida infância; adolescência; fase adulta; senescência. As principais etapas da vida humana são: Todos os seres vivos passam por duas etapas da vida: o nascimento, que é quando ela começa; e a morte, que é quando ela se encerra
  • 3. Senilidade x Senescência A senescência abrange todas as alterações produzidas no organismo de um ser vivo e que são diretamente relacionadas a sua evolução no tempo, sem nenhum mecanismo de doença reconhecido. A senilidade é um complemento da senescência no fenômeno do envelhecimento. Condições que acometem o indivíduo no decorrer da vida baseadas em mecanismos fisiopatológicos.
  • 4. Senilidade x Senescência São, dessa forma, doenças que comprometem a qualidade de vida das pessoas, mas não são comuns a todas elas em uma mesma faixa etária. Assim são a perda hormonal no homem que impede a fertilidade, a osteoartrose, a depressão e o diabetes, entre outros comprometimentos. Todas essas circunstâncias não são normais da idade e nem comuns a todos os idosos, por isso são caracterizadas como quadro de senilidade.
  • 5. FINITUDE substantivo feminino 1. qualidade, propriedade ou condição do que é finito. 2. fato de ser qualitativamente finito, limitado.
  • 6. FINITUDE Finitude é ter a consciência de que o amanhã pode não chegar. Que ‘amanhã’ pode ser tarde demais. Finitude é conhecer a preciosidade do dia de hoje e de todas as oportunidades que a vida traz. É entender que muita coisa pode acontecer num intervalo de tempo muito curto (horas, minutos ou até segundos). E que estes acontecimentos podem mudar para sempre o destino e o rumo de nossas vidas e de todos que nos cercam. É por isso que as pessoas que se depararam com a morte – de muito perto – têm maior chance de compreender a finitude, pois a vida mostrou a elas que o amanhã pode não existir.
  • 7. Dra. Ana Cláudia Quintana, especialista em Tratamento Paliativo na palestra ‘A morte é um dia que vale a pena viver’ no TEDx
  • 8. FINITUDE SOMOS FINITOS... Mas como lidamos com a morte?
  • 9. a morte SOMOS FINITOS... Mas como lidamos com a morte? O QUE É A MORTE? “Parar de viver”, ou “aquilo que cada pessoa aprende que ela é”. As tentativas científicas, ou mesmo religiosas, de conceituá-la vão falhar indefinidamente. No fim das contas, o bem-estar com relação à morte depende da força com que se acredita no que ela é.
  • 10. A morte e a senhora
  • 11. a morte “Ninguém quer morrer, entretanto, todo mundo morre. É uma eterna contradição. A religião oferece às pessoas uma esperança de que a vida não termina”. (Renold Blank – prof. teologia Fac. de São Paulo)
  • 12. a morte O QUE ACONTECE QUANDO A VIDA HUMANA FINDA? As pessoas ressuscitam ou reencarnam? E depois? Em todas as religiões a morte não representa o fim:
  • 13. a morte e a religião CATOLICISMO: A vida depois da morte está inserida na crença de um Céu, de um Inferno e de um Purgatório. JUDAÍSMO: Crê na sobrevivência da alma, mas não oferece um retrato claro da vida após a morte, e nem mesmo se existe de fato. CANDOMBLÉ: Vê o poder de Deus em todas as coisas e, principalmente na natureza. Morrer é passar para outra dimensão e permanecer junto como os outros espíritos, orixás e guias.
  • 14. a morte e a religião UMBANDA: Sofre influências de crenças cristãs, espíritas e de cultos afros e orientais. Como não existe uma unidade ou um 'livro sagrado', alguns umbandistas admitem o céu e o inferno dos cristãos, enquanto outros falam apenas em reencarnação e Carma. ESPIRITISMO: Defende a continuação da vida após a morte num novo plano espiritual ou pela reencarnação em outro corpo. Aqueles que praticam o bem evoluem mais rapidamente.
  • 15. a morte e a religião IGREJA EVANGÉLICA: Acreditam no julgamento, na condenação (céu ou inferno) e na eternidade da alma. IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA: os mortos dormem profundamente até o momento da ressurreição. Quem cumpriu seu papel na Terra recebe a graça da vida eterna, do contrário desaparece. SLAMISMO - ALÁ (DEUS): criou o mundo e trará de volta a vida todos os mortos no último dia. As pessoas serão julgadas e uma nova vida começará depois da avaliação divina. Esta vida seria então uma preparação para outra existência, seja no céu ou no inferno.
  • 16. TANATOLOGIA Etimologia: Tanatos = morte + Logos = Estudo. Relevância: Determinação da realidade de morte (atestado de óbito), transplante de órgãos na morte cerebral e tempo de morte (Cronotanatognose). Definição de morte: Cessação dos fenômenos vitais consecutiva a perdas das funções cerebrais, cardíacas e respiratórias (latu sensu).
  • 17. Morte aparente: estados patológicos do organismo simulam a morte, podendo durar horas, sendo possível a recuperação pelo emprego imediato e adequado de socorro médico; Morte relativa: estado em que ocorre parada efetiva e duradora das funções circulatórias, respiratórias e nervosas, associada à cianose e palidez marmórea, porém acontecendo a reanimação com manobras terapêutica; Classificações da morte
  • 18. Morte intermédia: é a que precede a absoluta e sucede à relativa. Experiências de Quase Morte são relatadas aqui; Morte absoluta: estado que se caracteriza pelo desaparecimento definitivo de toda atividade biológica do organismo e com a presença de fenômenos cadavéricos. Classificações da morte Os fenômenos cadavéricos podem ser divididos em abióticos e transformativos. Os abióticos por sua vez são subdivididos em imediatos e consecutivos.
  • 19. fenômenos cadavéricos Fenômenos abióticos Fenômenos abióticos imediatos: Perda da consciência, imobilidade, relaxamento muscular, relaxamento dos esfíncteres, parada cardíaca e ausência de pulso, parada respiratória, insensibilidade, fáceis hipocrática, entre outros. consecutivos: resfriamento do corpo, rigidez cadavérica, presença de livores e manchas de hipóstases. autólise ( (diminuição ph); putrefação (decomposição fermentativa por ação de microorganismos). mumificação, saponificação (consistência untuosa) calcificação. Fenômenos transformativos destrutivos Fenômenos transformativos conservadores
  • 20. o luto O luto é algo inerente e intrínseco a qualquer ser humano. Ele ocorre quando um vínculo afetivo é rompido de forma abrupta e geralmente está associado à perda de uma pessoa querida. Entretanto, o luto também pode ocorrer ao término de um relacionamento amoroso ou à perda do emprego, por exemplo. Quando há este rompimento, inicia-se uma jornada emocional de 5 fases, de acordo com o retratado no livro da psiquiatra Elisabeth Kübler-Ross, ‘Sobre a Morte e o Morrer’, há 50 anos.
  • 21. o luto as fases do luto 1. Negação A primeira reação esperada à uma perda é negar que ela ocorreu. Rejeitamos o fato de dizemos a nós mesmos que aquilo não aconteceu, que é um pesadelo, ou que aquilo era impossível de se suceder.
  • 22. o luto as fases do luto 2. Raiva Quando começa a assimilação do fato como sendo verdade, superando a negação, outros sentimentos tendem a povoar as emoções do enlutado, chegando a culpa, medo, angústia e raiva. A pessoa tende a revoltar-se por aquilo ter acontecido, já que, por mais que aceitou, ainda vê o ocorrido como algo injusto e que ninguém fez nada para que aquele desfecho mudasse, talvez nem ela mesma.
  • 23. o luto as fases do luto 3. Barganha Na terceira fase do luto, há uma tentativa desesperada de reaver aquilo que foi perdido. É quando a pessoa tende a retomar um pouco de consciência e pensar o que ela pode fazer para mudar aquela situação de alguma forma. No caso de morte, há uma tentativa de pedir a pessoa de volta às entidades dívidas ou forças superiores.
  • 24. o luto as fases do luto 4. Depressão Se o luto fosse como uma escada, a primeira fase seria um degrau alto e a depressão o seu degrau mais baixo. É nesta fase que a pessoa tende a assimilar muito mais a tristeza, que pode durar dias ou semanas. É aqui que a dor e o sentimento da perda é revivida constantemente nas lembranças, objetos e atitudes. Encara-se o vazio da perda e os sentimentos de solidão e tristeza profunda costumam ser os companheirosNo caso de morte, há uma tentativa de pedir a pessoa de volta às entidades dívidas ou forças superiores.
  • 25. o luto as fases do luto 5. Aceitação Na última fase do luto, a aceitação, é hora de seguir em frente definitivamente. É quando a pessoa percebe que não vai mais conseguir voltar no tempo e ter de novo aquilo que perdeu ali por perto, mas que vai tocar sua vida sem aquela presença. Não esquecendo da companhia ou das coisas boas, pelo contrário, levando aquilo com muito carinho na memória, mas conseguindo tocar a vida como antes.