SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Pedagógica – Niassa
Faculdade de Ciências de Educação e Psicologia
Curso: Psicologia Educacional
Psicologia do Desenvolvimento do Adulto e do Idoso
Elaborado por: Bruno de Alegria Vasques Gurué
A fase adulta
Fenómeno do desenvolvimento humano que apresenta-se
com novas responsabilidades, em novos referenciais de
existência, em novas conquistas, em busca de um maior
entendimento desta importante e mais abrangente etapa
da vida humana. Por ser a fase mais longa da existência do
ser humano, merece especial atenção, mesmo porque há
pouco tempo vem sendo entendida e percebida com tais
referenciais.
Cont.
Assim, compreender as interacções que passam o
fenómeno da vida adulta, em cada ser humano, é entender
o processo de desenvolvimento, com suas aprendizagens e
singularidades. É conceber que estar aprendendo é estar
vivo, é ter vida, é não envelhecer na sua interioridade. É
distinguir-se no social com responsabilidades, com direitos
e deveres, com necessidades de partilhar desejos e novas
conquistas.
Cont.
Contudo, são diferenciadas as responsabilidades sociais que
advêm ao indivíduo adulto. Tanto pelas conquistas, pelas
lutas de classe, pelos preconceitos de raça e género, quanto
pelas divisões de tarefas dentro do contexto familiar.
Essa responsabilidade pessoal, revelada ao indivíduo na
fase adulta de sua vida, pode constituir-se parâmetro para
novas aprendizagens e renovadas conquistas, apontando
motivações externas para cada pessoa em sua época e
momento próprio de vida.
Cont.
Os aspectos fisiológicos e psicológicos são os que
impulsionam a conduta do ser humano. Quando tentamos
entender as necessidades básicas de cada ser humano, e
como elas são saciadas, devemos compreender que estas
fazem parte da interacção complexa de mecanismos
fisiológicos e processos psicológicos de cada um.
Para Schaie e Willis (2003, p. 298), “como adultos, as nossas
condutas relacionadas com as necessidades físicas básicas,
tais como comer, beber e tomar banho, reflectem as
expectativas culturais, as experiências de socialização e as
condutas aprendidas, além de factores fisiológicos”.
Cont.
Assim, as características pessoais, a dinâmica do aprender e
os fenómenos biológicos fundamentam e envolvem todas
as dimensões do ser humano, em total integração do corpo
e do espírito, e do ser com o fazer. Quando isso não ocorre,
produz-se alienação e perda do sentido social e individual
no viver de cada ser humano.
Cont.
Mosquera (1982), apresenta as fases da vida adulta em
idade adulta jovem, idade adulta média e idade adulta
velha.
Dentro dessas três divisões e concepções de vida adulta,
apresentam-se outras subcategorias, cronologicamente.
Cont.
No entanto, o autor esclarece “que cada fase tem uma
problemática específica, dividida em sob problemáticas que
atingem as pessoas nos seus momentos decisivos entre o
seu próprio projecto vital e as suas relações com os outros”.
Cabe ressaltar que a questão cronológica, que divide cada
fase na vida, parece estar ligada à época em que a
sociedade vivencia historicamente até à actualidade, ou
seja, as divisões de faixa etária podem ser distribuídas de
acordo com o contexto social em que a pessoa estiver
inserida.
Idade Adulta Jovem
Então, conforme Mosquera, a idade adulta jovem
subdivide-se em fase inicial denominada idade adulta
jovem inicial, com idade aproximada entre 20 e 25 anos. Em
seguida, a idade adulta jovem plena, que compreende dos
25 a 35 anos, e, por fim, a idade adulta jovem final,
abrangendo dos 35 aos 40 anos de idade.
Cont.
No que se refere ao adulto jovem, as suas características
físicas e psicológicas, bem como, as suas características
únicas, Mosquera elucida que há nesta fase da vida uma
grande vitalidade e uma valorização da individualidade.
A alegria de viver e o prazer da existência fornecem-lhe
perspectivas. Logo, parece que na idade adulta jovem o ser
humano busca uma valoração pessoal, objectivando um
desejo intrínseco da avaliação positiva de si mesmo pelos
conhecimentos até então adquiridos e construídos, sempre
numa expectativa de alcançar uma avaliação positiva frente
ao social, a respeito de si mesmo.
Cont.
O adulto jovem deseja recompensas rápidas e externas das
suas motivações e busca experimentar e demonstrar muita
competência, entre produções próprias dos seus
investimentos socioeconómicos e desejos intrínsecos.
Cont.
Ainda, entre as subdivisões da vida adulta jovem salienta-
se, que na subfase da idade adulta jovem plena, o adulto
toma consciência da chegada na sua existencialidade adulta
e procura dar significado pessoal. No entanto, ao final da
idade adulta jovem, o indivíduo vivencia situações que lhe
atribuem o verdadeiro valor de sua existência e
compreende, ou pelo menos idealiza, o que constituirá a
sua realização.
Idade Adulta Média
A idade adulta média inicial compreendendo a faixa etária
dos 40 aos 50 anos, a fase dos 50 aos 60, nomeada de idade
adulta média plena e a idade adulta média final,
aproximadamente, dos 60 aos 65 anos de idade
cronológica.
Nesta segunda fase da vida da idade adulta média,
provavelmente o homem tenha conseguido alcançar os
seus objectivos particulares de família constituída, de
empregabilidade e de moradia, e entre outras percepções
acerca da vida, a idade adulta média revela-lhe a
temporalidade humana fazendo-se consciente a
imortalidade.
Cont.
No adulto médio, segundo Mosquera (1987, p. 96), parece
existir, predominantemente, uma tendência à extroversão,
isto é, uma visualização para o mundo exterior.
Provavelmente para dar mais firmeza e conteúdo à
segurança da sua própria pessoa.
Nisso, provavelmente, percebe a utilidade de suas
construções pessoais frente ao social, num ímpeto de ser
útil e aprender o que é ser útil. O que motiva o adulto,
nesta fase é, possivelmente, a própria disponibilidade.
Cont.
Na idade adulta média inicial revele-se um adulto que se
preocupa mais com os outros indivíduos à sua volta do que
propriamente com seus desejos e perspectivas, que
resultem em consequências positivas ou negativas nas suas
subjectividades.
O ser humano, com o seu potencial resiliente abrangerá
distintas aprendizagens. “Muitos dramas se escondem
entre os 40 e 50 anos de idade: fracassos afectivos, sexuais,
medos, ansiedades e angústias” (crise da média idade).
Cont.
Significativamente, dos 60 aos 65 anos, na idade adulta
média final, agrava-se a preocupação com a idade da
reforma, assim como fica enaltecida a percepção pelo
desempenho das ocupações socioculturais. Enfim, há um
desejo intrínseco de ser recompensado por tudo de útil que
tenha produzido ou que se a perceba capaz de realizar.
Cont.
Na fase posterior, na idade adulta média plena, os mesmos
sentimentos pessoais, apresentados anteriormente na fase
entre os 40 e 50 anos, ficam mais evidentes pelas
percepções clarificadas das acções sociais. Estas atitudes
tornam-se mais dificultadas pelas características próprias
dos 50 aos 60 anos, aproximadamente, pois as condições
físicas já não acompanham os desejos intrínsecos de cada
ser humano.
Idade Adulta Velha
Seguidamente, encontra-se a subdivisão da idade adulta
velha, em idade adulta velha inicial, seguida da idade adulta
velha plena e por último, idade adulta velha final. Com as
respectivas faixas etárias cronológicas de 65 a 70, depois de
70 a 75 anos e por fim, aproximadamente dos 75 anos até a
morte.
Referências Bibliográficas
Araújo, M. J. A. & Oliveira, P. R. de. (2009) Psicologia do
desenvolvimento. In. Psicologia da Educação. Aracaju:
Gráfica Gutemberg. Pp. 49-81.
Pela atenção dispensada
Muito obrigado
Kanimambo
Assante sana
koxukuru

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
psicologiaazambuja
 
Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Desenvolvimento humano e ciclo vital –Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Viviane Pasqualeto
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
Luis Davi Salomao
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
marta12l
 
Desenvolvimento Humano
Desenvolvimento HumanoDesenvolvimento Humano
Desenvolvimento Humano
andressa bonn
 
O início da idade adulta
O início da idade adultaO início da idade adulta
O início da idade adulta
Bruno Gurué
 
Donald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalDonald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissional
psicologiaazambuja
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Psicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimentoPsicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimento
Ana Larissa Perissini
 
Vida adulta intermediária
Vida adulta intermediáriaVida adulta intermediária
Vida adulta intermediária
Viviane Pasqualeto
 
Psicologia do desenvolvimento- Idoso
Psicologia  do desenvolvimento- IdosoPsicologia  do desenvolvimento- Idoso
Psicologia do desenvolvimento- Idoso
Marcioveras
 
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
Jorge Barbosa
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
Amanda da Silveira
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Manô Araújo
 
Módulo 1 - Aula 4
Módulo 1 - Aula 4Módulo 1 - Aula 4
Módulo 1 - Aula 4
agemais
 
1 apostila metodologia de técnicas de exame psicológico prof. lele 12010
1 apostila metodologia de técnicas de exame  psicológico prof. lele 120101 apostila metodologia de técnicas de exame  psicológico prof. lele 12010
1 apostila metodologia de técnicas de exame psicológico prof. lele 12010
Sarha Vasquez
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
Cassia Dias
 
Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogasAdolescentes e drogas
Adolescentes e drogas
ariadnemonitoria
 
As teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoAs teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humano
Bruno Gurué
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
Cristiane Thiel
 

Mais procurados (20)

Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Desenvolvimento humano e ciclo vital –Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Desenvolvimento humano e ciclo vital –
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
 
Desenvolvimento Humano
Desenvolvimento HumanoDesenvolvimento Humano
Desenvolvimento Humano
 
O início da idade adulta
O início da idade adultaO início da idade adulta
O início da idade adulta
 
Donald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalDonald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissional
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
 
Psicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimentoPsicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimento
 
Vida adulta intermediária
Vida adulta intermediáriaVida adulta intermediária
Vida adulta intermediária
 
Psicologia do desenvolvimento- Idoso
Psicologia  do desenvolvimento- IdosoPsicologia  do desenvolvimento- Idoso
Psicologia do desenvolvimento- Idoso
 
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
 
Módulo 1 - Aula 4
Módulo 1 - Aula 4Módulo 1 - Aula 4
Módulo 1 - Aula 4
 
1 apostila metodologia de técnicas de exame psicológico prof. lele 12010
1 apostila metodologia de técnicas de exame  psicológico prof. lele 120101 apostila metodologia de técnicas de exame  psicológico prof. lele 12010
1 apostila metodologia de técnicas de exame psicológico prof. lele 12010
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
 
Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogasAdolescentes e drogas
Adolescentes e drogas
 
As teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoAs teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humano
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 

Destaque

Projecto de pesquisa
Projecto de pesquisaProjecto de pesquisa
Projecto de pesquisa
Bruno Gurué
 
Biologia virus
Biologia virusBiologia virus
PALESTRA MOTIVAÇÃO PARA VENDAS
PALESTRA MOTIVAÇÃO PARA VENDAS PALESTRA MOTIVAÇÃO PARA VENDAS
PALESTRA MOTIVAÇÃO PARA VENDAS
Moacir Moura
 
A energia da motivação em tempos de crise
A energia da motivação em tempos de criseA energia da motivação em tempos de crise
A energia da motivação em tempos de crise
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Para onde iremos nós
Para onde iremos nósPara onde iremos nós
Para onde iremos nós
Elton Melo
 
Fases da Vida
Fases da VidaFases da Vida
Fases da Vida
Rogério Nunes
 
Apresentação de psicologia oganizacional (motivação intrínseca)
Apresentação de psicologia oganizacional (motivação intrínseca)Apresentação de psicologia oganizacional (motivação intrínseca)
Apresentação de psicologia oganizacional (motivação intrínseca)
Rafaela Sampaio
 
DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES NO SETOR AUTOMOTIVO
DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES NO SETOR AUTOMOTIVODESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES NO SETOR AUTOMOTIVO
DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES NO SETOR AUTOMOTIVO
Danilo Goulart Silva
 
Palestra "Os desafios das diferentes fases da vida"
Palestra "Os desafios das diferentes fases da vida"Palestra "Os desafios das diferentes fases da vida"
Palestra "Os desafios das diferentes fases da vida"
Sustentare Escola de Negócios
 
Biologia - O Reino dos Vírus
Biologia - O Reino dos VírusBiologia - O Reino dos Vírus
Biologia - O Reino dos Vírus
Kelvi Dalmazo
 
Biologia vírus
Biologia   vírusBiologia   vírus
Biologia vírus
Pedro Pereira
 
Os virus
Os virusOs virus
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANOOS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
Zoel Alvarenga
 
Etapas da vida humana finito
Etapas da vida humana   finitoEtapas da vida humana   finito
Etapas da vida humana finito
Sara Bagagem
 
Palestra business e motivação
Palestra business e motivaçãoPalestra business e motivação
Palestra business e motivação
Eduardo Maróstica
 
Etapas do Desenvolvimento Humano
Etapas do Desenvolvimento HumanoEtapas do Desenvolvimento Humano
Etapas do Desenvolvimento Humano
Sveikata
 
FASES DA VIDA
FASES DA VIDAFASES DA VIDA
FASES DA VIDA
GEORGE NIEMEYER
 
VíRus Aula
VíRus AulaVíRus Aula
VíRus Aula
guesta61019
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Ligia Coppetti
 
Vírus Biologia
Vírus BiologiaVírus Biologia
Vírus Biologia
Andrea Barreto
 

Destaque (20)

Projecto de pesquisa
Projecto de pesquisaProjecto de pesquisa
Projecto de pesquisa
 
Biologia virus
Biologia virusBiologia virus
Biologia virus
 
PALESTRA MOTIVAÇÃO PARA VENDAS
PALESTRA MOTIVAÇÃO PARA VENDAS PALESTRA MOTIVAÇÃO PARA VENDAS
PALESTRA MOTIVAÇÃO PARA VENDAS
 
A energia da motivação em tempos de crise
A energia da motivação em tempos de criseA energia da motivação em tempos de crise
A energia da motivação em tempos de crise
 
Para onde iremos nós
Para onde iremos nósPara onde iremos nós
Para onde iremos nós
 
Fases da Vida
Fases da VidaFases da Vida
Fases da Vida
 
Apresentação de psicologia oganizacional (motivação intrínseca)
Apresentação de psicologia oganizacional (motivação intrínseca)Apresentação de psicologia oganizacional (motivação intrínseca)
Apresentação de psicologia oganizacional (motivação intrínseca)
 
DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES NO SETOR AUTOMOTIVO
DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES NO SETOR AUTOMOTIVODESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES NO SETOR AUTOMOTIVO
DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES NO SETOR AUTOMOTIVO
 
Palestra "Os desafios das diferentes fases da vida"
Palestra "Os desafios das diferentes fases da vida"Palestra "Os desafios das diferentes fases da vida"
Palestra "Os desafios das diferentes fases da vida"
 
Biologia - O Reino dos Vírus
Biologia - O Reino dos VírusBiologia - O Reino dos Vírus
Biologia - O Reino dos Vírus
 
Biologia vírus
Biologia   vírusBiologia   vírus
Biologia vírus
 
Os virus
Os virusOs virus
Os virus
 
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANOOS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
 
Etapas da vida humana finito
Etapas da vida humana   finitoEtapas da vida humana   finito
Etapas da vida humana finito
 
Palestra business e motivação
Palestra business e motivaçãoPalestra business e motivação
Palestra business e motivação
 
Etapas do Desenvolvimento Humano
Etapas do Desenvolvimento HumanoEtapas do Desenvolvimento Humano
Etapas do Desenvolvimento Humano
 
FASES DA VIDA
FASES DA VIDAFASES DA VIDA
FASES DA VIDA
 
VíRus Aula
VíRus AulaVíRus Aula
VíRus Aula
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
 
Vírus Biologia
Vírus BiologiaVírus Biologia
Vírus Biologia
 

Semelhante a Fases da vida adulta

Juventude: Socialização e Sociabilidade
Juventude: Socialização e SociabilidadeJuventude: Socialização e Sociabilidade
Juventude: Socialização e Sociabilidade
christianceapcursos
 
Acompanhamento e animação da pessoa idosa manual
Acompanhamento e animação da pessoa idosa   manualAcompanhamento e animação da pessoa idosa   manual
Acompanhamento e animação da pessoa idosa manual
Margarida Pires
 
Algumas considerações sobre a teoria de vigotsky e o processo de aprendizagem...
Algumas considerações sobre a teoria de vigotsky e o processo de aprendizagem...Algumas considerações sobre a teoria de vigotsky e o processo de aprendizagem...
Algumas considerações sobre a teoria de vigotsky e o processo de aprendizagem...
Elisms88
 
Teoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Teoria do desenvolvimento psicossocial eriksonTeoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Teoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Geiza F. Barbosa
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
A construção do pensamento crítico e reflexivo em crianças das séries iniciais
A construção do pensamento crítico e reflexivo em crianças das séries iniciaisA construção do pensamento crítico e reflexivo em crianças das séries iniciais
A construção do pensamento crítico e reflexivo em crianças das séries iniciais
Marisol Villalonga Aguilera
 
Proj8
Proj8Proj8
Proj8
renatotf
 
Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536
apolonianunes
 
Adolescência parte I trabalho de psicologia
Adolescência parte I trabalho de psicologia Adolescência parte I trabalho de psicologia
Adolescência parte I trabalho de psicologia
Sara Avelinos
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
Kuita
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
António Costa
 
socialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptx
socialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptxsocialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptx
socialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptx
CarladeOliveira25
 
Volume VII
Volume VIIVolume VII
Volume VII
estevaofernandes
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
Kuita
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
UFC
 
aula 02 psico adolescencia vida adulta.pptx
aula 02 psico adolescencia vida adulta.pptxaula 02 psico adolescencia vida adulta.pptx
aula 02 psico adolescencia vida adulta.pptx
GabrielaCordeiro34
 
Rituais de passagem segundo adolescentes
Rituais de passagem segundo adolescentesRituais de passagem segundo adolescentes
Rituais de passagem segundo adolescentes
Gecopros
 
Modulo 4
Modulo 4Modulo 4
Uma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentes
Uma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentesUma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentes
Uma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentes
erlonmoreira
 
Mudancas na adolescencia
Mudancas na adolescenciaMudancas na adolescencia
Mudancas na adolescencia
Gutenberg Carvalho
 

Semelhante a Fases da vida adulta (20)

Juventude: Socialização e Sociabilidade
Juventude: Socialização e SociabilidadeJuventude: Socialização e Sociabilidade
Juventude: Socialização e Sociabilidade
 
Acompanhamento e animação da pessoa idosa manual
Acompanhamento e animação da pessoa idosa   manualAcompanhamento e animação da pessoa idosa   manual
Acompanhamento e animação da pessoa idosa manual
 
Algumas considerações sobre a teoria de vigotsky e o processo de aprendizagem...
Algumas considerações sobre a teoria de vigotsky e o processo de aprendizagem...Algumas considerações sobre a teoria de vigotsky e o processo de aprendizagem...
Algumas considerações sobre a teoria de vigotsky e o processo de aprendizagem...
 
Teoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Teoria do desenvolvimento psicossocial eriksonTeoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Teoria do desenvolvimento psicossocial erikson
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
A construção do pensamento crítico e reflexivo em crianças das séries iniciais
A construção do pensamento crítico e reflexivo em crianças das séries iniciaisA construção do pensamento crítico e reflexivo em crianças das séries iniciais
A construção do pensamento crítico e reflexivo em crianças das séries iniciais
 
Proj8
Proj8Proj8
Proj8
 
Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536
 
Adolescência parte I trabalho de psicologia
Adolescência parte I trabalho de psicologia Adolescência parte I trabalho de psicologia
Adolescência parte I trabalho de psicologia
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
socialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptx
socialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptxsocialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptx
socialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptx
 
Volume VII
Volume VIIVolume VII
Volume VII
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
aula 02 psico adolescencia vida adulta.pptx
aula 02 psico adolescencia vida adulta.pptxaula 02 psico adolescencia vida adulta.pptx
aula 02 psico adolescencia vida adulta.pptx
 
Rituais de passagem segundo adolescentes
Rituais de passagem segundo adolescentesRituais de passagem segundo adolescentes
Rituais de passagem segundo adolescentes
 
Modulo 4
Modulo 4Modulo 4
Modulo 4
 
Uma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentes
Uma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentesUma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentes
Uma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentes
 
Mudancas na adolescencia
Mudancas na adolescenciaMudancas na adolescencia
Mudancas na adolescencia
 

Último

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 

Último (20)

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 

Fases da vida adulta

  • 1. Universidade Pedagógica – Niassa Faculdade de Ciências de Educação e Psicologia Curso: Psicologia Educacional Psicologia do Desenvolvimento do Adulto e do Idoso Elaborado por: Bruno de Alegria Vasques Gurué
  • 2. A fase adulta Fenómeno do desenvolvimento humano que apresenta-se com novas responsabilidades, em novos referenciais de existência, em novas conquistas, em busca de um maior entendimento desta importante e mais abrangente etapa da vida humana. Por ser a fase mais longa da existência do ser humano, merece especial atenção, mesmo porque há pouco tempo vem sendo entendida e percebida com tais referenciais.
  • 3. Cont. Assim, compreender as interacções que passam o fenómeno da vida adulta, em cada ser humano, é entender o processo de desenvolvimento, com suas aprendizagens e singularidades. É conceber que estar aprendendo é estar vivo, é ter vida, é não envelhecer na sua interioridade. É distinguir-se no social com responsabilidades, com direitos e deveres, com necessidades de partilhar desejos e novas conquistas.
  • 4. Cont. Contudo, são diferenciadas as responsabilidades sociais que advêm ao indivíduo adulto. Tanto pelas conquistas, pelas lutas de classe, pelos preconceitos de raça e género, quanto pelas divisões de tarefas dentro do contexto familiar. Essa responsabilidade pessoal, revelada ao indivíduo na fase adulta de sua vida, pode constituir-se parâmetro para novas aprendizagens e renovadas conquistas, apontando motivações externas para cada pessoa em sua época e momento próprio de vida.
  • 5. Cont. Os aspectos fisiológicos e psicológicos são os que impulsionam a conduta do ser humano. Quando tentamos entender as necessidades básicas de cada ser humano, e como elas são saciadas, devemos compreender que estas fazem parte da interacção complexa de mecanismos fisiológicos e processos psicológicos de cada um. Para Schaie e Willis (2003, p. 298), “como adultos, as nossas condutas relacionadas com as necessidades físicas básicas, tais como comer, beber e tomar banho, reflectem as expectativas culturais, as experiências de socialização e as condutas aprendidas, além de factores fisiológicos”.
  • 6. Cont. Assim, as características pessoais, a dinâmica do aprender e os fenómenos biológicos fundamentam e envolvem todas as dimensões do ser humano, em total integração do corpo e do espírito, e do ser com o fazer. Quando isso não ocorre, produz-se alienação e perda do sentido social e individual no viver de cada ser humano.
  • 7. Cont. Mosquera (1982), apresenta as fases da vida adulta em idade adulta jovem, idade adulta média e idade adulta velha. Dentro dessas três divisões e concepções de vida adulta, apresentam-se outras subcategorias, cronologicamente.
  • 8. Cont. No entanto, o autor esclarece “que cada fase tem uma problemática específica, dividida em sob problemáticas que atingem as pessoas nos seus momentos decisivos entre o seu próprio projecto vital e as suas relações com os outros”. Cabe ressaltar que a questão cronológica, que divide cada fase na vida, parece estar ligada à época em que a sociedade vivencia historicamente até à actualidade, ou seja, as divisões de faixa etária podem ser distribuídas de acordo com o contexto social em que a pessoa estiver inserida.
  • 9. Idade Adulta Jovem Então, conforme Mosquera, a idade adulta jovem subdivide-se em fase inicial denominada idade adulta jovem inicial, com idade aproximada entre 20 e 25 anos. Em seguida, a idade adulta jovem plena, que compreende dos 25 a 35 anos, e, por fim, a idade adulta jovem final, abrangendo dos 35 aos 40 anos de idade.
  • 10. Cont. No que se refere ao adulto jovem, as suas características físicas e psicológicas, bem como, as suas características únicas, Mosquera elucida que há nesta fase da vida uma grande vitalidade e uma valorização da individualidade. A alegria de viver e o prazer da existência fornecem-lhe perspectivas. Logo, parece que na idade adulta jovem o ser humano busca uma valoração pessoal, objectivando um desejo intrínseco da avaliação positiva de si mesmo pelos conhecimentos até então adquiridos e construídos, sempre numa expectativa de alcançar uma avaliação positiva frente ao social, a respeito de si mesmo.
  • 11. Cont. O adulto jovem deseja recompensas rápidas e externas das suas motivações e busca experimentar e demonstrar muita competência, entre produções próprias dos seus investimentos socioeconómicos e desejos intrínsecos.
  • 12. Cont. Ainda, entre as subdivisões da vida adulta jovem salienta- se, que na subfase da idade adulta jovem plena, o adulto toma consciência da chegada na sua existencialidade adulta e procura dar significado pessoal. No entanto, ao final da idade adulta jovem, o indivíduo vivencia situações que lhe atribuem o verdadeiro valor de sua existência e compreende, ou pelo menos idealiza, o que constituirá a sua realização.
  • 13. Idade Adulta Média A idade adulta média inicial compreendendo a faixa etária dos 40 aos 50 anos, a fase dos 50 aos 60, nomeada de idade adulta média plena e a idade adulta média final, aproximadamente, dos 60 aos 65 anos de idade cronológica. Nesta segunda fase da vida da idade adulta média, provavelmente o homem tenha conseguido alcançar os seus objectivos particulares de família constituída, de empregabilidade e de moradia, e entre outras percepções acerca da vida, a idade adulta média revela-lhe a temporalidade humana fazendo-se consciente a imortalidade.
  • 14. Cont. No adulto médio, segundo Mosquera (1987, p. 96), parece existir, predominantemente, uma tendência à extroversão, isto é, uma visualização para o mundo exterior. Provavelmente para dar mais firmeza e conteúdo à segurança da sua própria pessoa. Nisso, provavelmente, percebe a utilidade de suas construções pessoais frente ao social, num ímpeto de ser útil e aprender o que é ser útil. O que motiva o adulto, nesta fase é, possivelmente, a própria disponibilidade.
  • 15. Cont. Na idade adulta média inicial revele-se um adulto que se preocupa mais com os outros indivíduos à sua volta do que propriamente com seus desejos e perspectivas, que resultem em consequências positivas ou negativas nas suas subjectividades. O ser humano, com o seu potencial resiliente abrangerá distintas aprendizagens. “Muitos dramas se escondem entre os 40 e 50 anos de idade: fracassos afectivos, sexuais, medos, ansiedades e angústias” (crise da média idade).
  • 16. Cont. Significativamente, dos 60 aos 65 anos, na idade adulta média final, agrava-se a preocupação com a idade da reforma, assim como fica enaltecida a percepção pelo desempenho das ocupações socioculturais. Enfim, há um desejo intrínseco de ser recompensado por tudo de útil que tenha produzido ou que se a perceba capaz de realizar.
  • 17. Cont. Na fase posterior, na idade adulta média plena, os mesmos sentimentos pessoais, apresentados anteriormente na fase entre os 40 e 50 anos, ficam mais evidentes pelas percepções clarificadas das acções sociais. Estas atitudes tornam-se mais dificultadas pelas características próprias dos 50 aos 60 anos, aproximadamente, pois as condições físicas já não acompanham os desejos intrínsecos de cada ser humano.
  • 18. Idade Adulta Velha Seguidamente, encontra-se a subdivisão da idade adulta velha, em idade adulta velha inicial, seguida da idade adulta velha plena e por último, idade adulta velha final. Com as respectivas faixas etárias cronológicas de 65 a 70, depois de 70 a 75 anos e por fim, aproximadamente dos 75 anos até a morte.
  • 19. Referências Bibliográficas Araújo, M. J. A. & Oliveira, P. R. de. (2009) Psicologia do desenvolvimento. In. Psicologia da Educação. Aracaju: Gráfica Gutemberg. Pp. 49-81.
  • 20. Pela atenção dispensada Muito obrigado Kanimambo Assante sana koxukuru