SlideShare uma empresa Scribd logo
APRESENTAÇÃO
SINTÉTICA DA
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA
PÓS-SINODAL
AMORIS LAETITIA
(AAlegria do Amor)
SOBRE
O AMOR NA
Papa Francisco – Ano 2016 –
Paz Espiritualidade FAMÍLIA Confiança MATRIMÔNIO Perdão
Convivência Vocacão Oracão Deus Amor Diálogo Escuta
União Fé Amizade Igreja Vida Relacionamento Solidariedade
Sofrimento Esperança Lar
O presente documento é volumoso: tem 325 parágrafos
e mais de 200 páginas. Sua riqueza está intimamente
relacionada à amplitude da abordagem do tema “Amor
na Família”.
Nestas páginas seguimos a estrutura do documento,
condensando as reflexões e buscando preservar a
essência das principais ideias.
Espero que esse serviço lhe seja útil. Pode
compartilhá-lo e usá-lo como lhe aprouver melhorando
o que achar conveniente. Bom estudo!
Antônio de Assis Ribeiro – SDB (P. Bira).
NOTA:
INTRODUÇÃO (N. 1-7)
 Alegria do amor vivido na família é
também o júbilo da igreja.
 Apesar da situação de crise pela qual
passa hoje, as novas gerações
acreditam na família.
 A família é uma realidade muito
complexa, ampla tem diversos
aspectos: religiosos, políticos,
culturais, econômicos, jurídicos.
 A família é uma realidade poliédrica!
 A exortação apostólica recolhe contribuições de dois sínodos
sobre a família e aborda, com diferentes estilos, diversos temas;
 É preciso aprofundar pacientemente os diversos temas... Somos
chamados a cuidar com amor da vida das famílias... a família
não é problema, mas uma oportunidade.
I CAPÍTULO:
A FAMÍLIA À LUZ DA PALAVRA DE DEUS (N. 8-30)
• A família aparece abundantemente na Sagrada Escritura, que
fala de gerações, de história de amor, de crises familiares, de
violência familiar.
• Desde as primeiras páginas até o livro do Apocalipse, a
realidade da família aparece.
O Salmo 128 (127) nos propõe alguns temas interessantes:
“Feliz quem teme o Senhor e segue seus caminhos. Viverás do trabalho de tuas
mãos, comerás feliz e satisfeito. Tua esposa será como uma vinha fecunda no
interior de tua casa; teus filhos como brotos de oliveira ao redor de tua mesa.
Assim será abençoado o homem que teme o Senhor. O Senhor te abençoe!
Possas ver Jerusalém feliz todos os dias de tua vida; e veja os filhos de teus filhos.
Paz sobre Israel”(Sl128/127,1-6).
a) Tu e a tua esposa
 No centro do Salmo encontramos o casal formado pelo pai e a mãe,
com toda a sua história de amor. Isto vai ao encontro das origens:
“Deus criou o ser humano à sua imagem; à sua imagem Deus o criou,
homem e mulher ele os criou” (Gn 1,27).
 A Bíblia nos apresenta a fecundidade do casal humano, imagem viva e
eficaz, sinal visível do ato do criador;
 O casal que ama e gera vida, é capaz de manifestar Deus criador e
Salvador. O amor fecundo é símbolo das realidades íntimas de Deus;
 Deus no seu mistério mais íntimo não é solidão, mas uma família. Este
amor na família divina é o Espírito Santo.
b) Os teus filhos como brotos de
oliveira
 A expressão “brotos de Oliveira” nos fala de
energia e vitalidade: os pais são os alicerces
da família e os filhos constituem as suas
pedras vivas. A família, quando é espaço
vital, transforma-se em Igreja doméstica.
Dessa forma, pais tornam-se catequistas
dos seus filhos...
 Os pais têm o dever de cumprir com
seriedade essa missão educativa,
como ensinam frequentemente os
sábios da Bíblia: os filhos são
chamados a receber e a praticar o
mandamento “honra teu pai e tua
mãe” (Ex 20,12; Eclo 3,1-17).
 Recordemos o Salmo 78/77que nos fala dos PAIS COMO
CATEQUISTAS de seus filhos:
 “O que nós ouvimos, o que aprendemos, o que nossos pais
nos contaram, nós contaremos a nossos filhos.... Ele ordenou
a nossos pais que ensinassem a seus filhos para que
tomassem conhecimento...” (Sl 78/77,3-6).
 A família é o lugar onde pais tornam-
se os primeiros mestres da fé de
seus filhos; é uma tarefa artesanal,
pessoa a pessoa;
c) A experiência do sofrimento e sangue na família
 O Salmo 128 também fala de sofrimento na família; essa é uma
realidade presente na família desde as suas origens: Caim mata Abel
e depois surgem outros conflitos; na família dos patriarcas Abraão,
Isaac e Jacó, Davi, Salomão, Tobias, Jó...
 Em sua doença, desabafa Jó falando da sua família:
 “Meus irmãos me abandonam, e meus parentes me tratam como estranho...
meus familiares me esqueceram... A minha mulher tem nojo do meu hálito, e
os meus irmãos têm nojo do meu cheiro... pessoas mais íntimas têm horror
de mim...” (Jó 19,13-19).
 Nos Evangelhos há muitos dramas
familiares: a doença da sogra de Pedro, a
morte de Lázaro, a morte da filha de Jairo,
o drama da viúva de Naim, a falta de vinho
no casamento em Caná da Galileia...
 Nesses dramas familiares, também Jesus
se fez presente!
 A família na Bíblia não é abstrata: tem
crises, sofrimentos, tribulações,
fragilidades, dores, gritos...
 O trabalho humano aparece desde as
origens no livro do gênesis (cf. Gn 2,5);
 É do trabalho que as famílias tiram seu
sustento para viver com dignidade. O
trabalho é uma necessidade: “quem não
quer trabalhar, também não deve comer”
(2Tess 3,10; 1Tss 4,11);
 Na Bíblia, o problema econômico que afeta a família é
denunciado, gerando desequilíbrios e injustiças (cf. Gn 3,17-19;
1 Reis 21).
 O desemprego e a precariedade no trabalho geram
sofrimento para as famílias... São também problemas que
aparecem na Bíblia (cf. Rute e Mt 20,1-16 – operários desocupados).
d) O trabalho e a família
 Outro elemento presente no Salmo 128
(V.2) é a experiência do trabalho:
“viverás do trabalho de tuas mãos,
comerás feliz e satisfeito”.
II CAPÍTULO:
A REALIDADE E OS DESAFIOS DAS FAMÍLIAS (N. 31-57)
 No capítulo II o papa Francisco, auxiliado pelos
participantes do Sínodo, nos apresenta um vasto panorama
dos problemas e desafios que atualmente atingem as
famílias;
 Não há a pretensão de ser uma análise exaustiva, nem de
apresentar soluções para o problema da família;
 Vivemos atualmente num
contexto de profundas
mudanças culturais,
estruturais, organizacionais
que atingem naturalmente a
família.
Alguns fenômenos que
tocam profundamente a
família:
 o individualismo, as tensões
internas, o stress, a
diminuição do número de
matrimônios, a convivência
sem aspecto legal;
 a solidão, o narcisismo, a sexualidade vivida comercialmente,
a comercialização do corpo, as separações, o divórcio, a
queda demográfica, a mentalidade antinatalista;
 as novas configurações de famílias, o avanço da
biotecnologia, a revolução sexual, a esterilização (feminina e
masculina), o aborto, o enfraquecimento da prática religiosa;
 a pobreza, a falta de habitação digna, a carência de políticas
adequadas voltadas para a família, a precariedade no
trabalho;
Alguns fenômenos que tocam profundamente a família:
 a violência doméstica, o terrorismo, a toxicodependência,
a insegurança econômica, dependência televisiva, a
dispersão das relações familiares ,o ressentimentos, o
ódio nas relações familiares, o enfraquecimento dos
vínculos familiares;
 a poligamia, mutilação genital, a
violência verbal, física e sexual,
o abuso sexual, a discriminação,
o feminismo, o machismo, a
carência afetiva dos filhos, a
ideologia de gênero...
 O bem da família é decisivo para o bem do mundo e da
igreja (N. 31)...
 Por isso... a família deve ocupar o centro da atenção
missionária da Igreja (N.58).
III CAPÍTULO:
O OLHAR FIXO EM JESUS: A VOCAÇÃO DA FAMÍLIA (N. 58-88)
 Temos desafios no mundo da famílias: é preciso de novo o
primeiro anúncio do Evangelho; O matrimônio e a família
devem se inspirar e transfigurar-se à luz do anúncio da
ternura e do amor que vem do Evangelho; precisamos ver o
Cristo Vivo nas famílias deste mundo.
 JESUS E AS FAMÍLIAS: Jesus olhou para as mulheres e os homens do seu
tempo: encontrou-os com amor e ternura, acompanhou seus passos com
verdade, paciência e misericórdia anunciando-lhes o Reino de Deus;
 Jesus recupera e realiza plenamente o projeto de vida do Pai em relação ao
matrimônio: recupera o dom do matrimônio; repropõe a indissolubilidade,
restaura o projeto original de Deus sobre o matrimônio (cf. Mt 19,3-8);
 O exemplo de Jesus é paradigmático para a igreja: ele iniciou sua vida
pública (Caná da Galiléia), com num banquete de núpcias (cf. Jo 2,1-11);
 Jesus compartilhou momentos frequentes de amizade com a família de Lázaro e suas
irmãs (cf. Lc 10,3-8); com a família de Pedro (cf. Mt 8,1-); Jesus ouviu o pranto de pais,
restituindo a vida aos seus filhos (cf. Mc 5,41; Lc7,14-15).
a) O sacramento do matrimônio: não é uma convenção social; é um
dom para a santificação e a salvação dos esposos; é uma vocação, sinal
do amor entre Cristo e a igreja; é um compromisso que só podem cumprir
com ajuda da Graça; é o próprio Cristo (não é uma coisa!), que vem ao
encontro dos cônjuges cristãos;
 O matrimônio cristão é sinal do amor de Cristo para com a sua Igreja;
uma aliança de amor selada com seu sangue na cruz; o matrimônio
representa a aliança do filho de Deus com a natureza humana;
 Os casais são chamados a responder ao dom de Deus com esforço,
criatividade, perseverança, luta diária, oração...
 Somente fixando o olhar em Cristo conhecemos profundamente a
verdade sobre os relacionamentos humanos; por isso, o matrimônio
deve ser visto numa chave cristocêntrica;
 DIANTE DAS SITUAÇÕES DIFÍCEIS: é preciso usar o
princípio do discernimento. O grau de
responsabilidade não é igual para todos os casos;
 É preciso evitar juízos que não levam em
consideração a complexidade das situações;
 É necessário prestar atenção ao modo como as pessoas
vivem e sofrem por causa de sua condição.
b) A família e a transmissão da vida
• O matrimônio é uma comunidade de vida; e o
amor conjugal, entre homem e mulher, está
ordenado para a fecundidade;
• A família é o santuário da vida, o lugar onde a vida
é gerada e cuidada;
• É tão grande o valor de uma vida humana e é
inalienável o direito à vida do bebê inocente, que
cresce no ventre de sua mãe;
• A família protege a vida em todas as suas fases; a
Igreja defende a morte digna, por isso rejeita o abuso
terapêutico, a eutanásia, a pena de morte.
• Os esposos a quem Deus não concedeu ter
filhos podem ter uma vida cheia de sentido
(humana e cristãmente);
• É preciso rejeitar o impulso de se fechar em si
mesmos, pois o amor está sempre aberto à
fecundidade;
c) A família e a educação dos filhos
• A família é o lugar do desafio educativo; os pais são
responsáveis pela promoção da educação integral dos seus
filhos; a educação é um dever gravíssimo e direito primário
dos Pais;
• Infelizmente hoje, abriu-se uma fenda entre família e sociedade, o
pacto educativo quebrou-se, a aliança entre a sociedade e a
família está em crise;
• A Igreja é chamada colaborar através da sua ação pastoral
adequada ajudando os pais em sua missão educativa.
• O Estado deve oferecer um serviço
educativo de maneira subsidiária;
• Os pais têm direito de escolher o tipo de
educação que querem dar aos seus filhos
de acordo com suas convicções;
• A escola não pode substituir os pais, pois
serve de complemento;
d) A família e a Igreja
 A família é chamada a ser igreja doméstica, a permanecer
fiel aos ensinamentos dos Evangelhos;
 A família é chamada a amadurecer a experiência eclesial
de comunhão entre as pessoas: comunhão, perdão,
ternura, amor fraterno...Oração!
 A Igreja é família de famílias;
 A Igreja é um bem para a família
e a família é um bem para a
igreja! O amor vivido nas famílias
é uma força permanente para
vida da igreja.
IV CAPÍTULO:
O AMOR NO MATRIMÔNIO (N. 89-164)
 Neste IV capítulo, o Papa apresenta uma visão teológica
do Amor no matrimônio e na família comentando o hino
do amor:
“O amor é paciente, o amor é
prestativo; não é invejoso, não se
ostenta, não se incha de orgulho. Nada
faz de inconveniente, não procura seu
próprio interesse, não se irrita, não
guarda rancor. Não se alegra com a
injustiça, mas se regozija com a
verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo
espera, tudo suporta” (1Cor 13,4-7).
a) A paciência: a paciência não é simplesmente
suportar tudo; a paciência não é deixar que os
outros nos maltratem, nem tolerar agressões físicas,
nem deixar-se tratar como objeto;
b) Atitude de serviço: trata-se de uma relação dinâmica e criativa
perante a necessidade dos outros; o amor é beneficente, promove os
outros; o amor é benfazejo; faz o bem; o amor não é apenas um
sentimento, mas é a capacidade de fazer o bem.
c) Alegrar com o bem alheio: no amor não há espaço para o desgosto
em relação ao outro; a inveja significa tristeza em relação ao bem alheio;
quem é invejoso demonstra que não se interessa pela felicidade dos
outros; o verdadeiro amor aprecia o sucesso alheio, não o sente como
uma ameaça; o amor aprecia sinceramente cada ser humano e lhe
reconhece o seu direito à felicidade.
 Uma pessoa mostra-se paciente quando não se deixa
levar pelos próprios impulsos interiores;
 Paciência é não reagir com violência diante da
fraqueza dos outros. Faz parte da paciência não
deixar- se vencer pelo mal e nem esmorecer na
prática do bem.
d) O orgulho: o orgulho não combina com o Amor; o orgulho é desejo de
glória e de se manifestar superior aos outros, para impressionar; O amor
não é arrogante, não se engrandece diante dos outros, mas é sutil; A
ciência incha, ao passo que o amor constrói: o amor compreende, cuida,
integra, está atento aos fracos; os arrogantes são insuportáveis!
e) Amabilidade: o amor não reage de modo rude, de forma
inconveniente; o amor não se mostra duro no trato; O amor assume
gestos agradáveis: não ásperos, nem rígidos;
 A cortesia é uma escola de sensibilidade e altruísmo; ser amável não é
um estilo de vida que o cristão possa escolher ou rejeitar, faz parte das
exigências do amor; para um verdadeiro encontro com o outro é
necessário um olhar amável. Um olhar pessimista, que logo evidencia
defeitos, erros e os limites alheios, é prejudicial;
Jesus animava as pessoas... Ele dizia: “Coragem
filho, os teus seus pecados” (Mt 9,2); “Grande é a tua
fé” (Mt5,28); “Levanta-te e anda”(Mc 5,41); “Vai em paz”
(Lc 7,50); “Não tenhas medo” (Mt14,27);
f) Desprendimento: para amar os outros é preciso amar a si mesmo, todavia o
amor não procura seus próprios interesses; é preciso desapego... “Não cuide
somente do que é seu, mas também daquilo que é dos outros” (Fl2,4).
g) A prática do perdão: significa não levar em conta o mal; Trata-se de assumir
uma atitude positiva que procura compreender a fraqueza alheia e encontrar uma
desculpa para ela; assim fez Jesus: “Pai perdoa-lhes, eles não sabem o que
fazem” (Lc23,34); Para podermos perdoar precisamos passar por uma experiência
libertadora;
h) Alegrar-se com os outros: O amor se rejubila com a verdade: o amor se
alegra com bem do outro, reconhecendo sua dignidade, suas capacidades, suas
boas obras;
i) O Amor tudo desculpa: o amor não danifica a imagem do
outro; não descarrega sentimentos; é preciso cuidar da língua...
(cf. Tg 3,6-8); Os esposos devem aprender a falar bem um do
outro; O Amor acolhe o que nos incomoda, convive com a
imperfeição, desculpa e sabe guardar silêncio perante os
limites do ser amado.
j) O amor confia: Não é necessário controlar o outro, seguir
minuciosamente seus passos, para evitar que fuja dos meus
braços; O amor confia, deixa liberdade, renuncia a controlar
tudo, a possuir e dominar o outro.
ESSAS ATITUDES COMO dinâmica DE CRESCIMENTO sob o impulso da Graça (Deus que
Santifica!) É A VIVÊNCIA DA CARIDADE CONJUGAL!
 O matrimônio e a virgindade
 O amor se expressa de diversos modos e estilos de vida, de
acordo com as vocações;
 As pessoas que não se casam, consagram sua vida a serviço
de Cristo e de seus irmãos. A igreja e a sociedade são
enriquecidas pela dedicação deles; o celibato (virgindade) é
uma forma de amor; é um dom de Deus (cf. 1Cor 7,7);
 Não há superioridade e nem inferioridade
entre o matrimônio e o celibato;
 As duas vocações são complementares:
a virgindade é um sinal escatológico de
Cristo ressuscitado e o matrimônio é um
sinal histórico para nós que
caminhamos na terra, um sinal de Cristo
terreno que aceitou unir-se a nós e se
deu até o derramamento de sangue;
 As pessoas celibatárias são convidadas a viver a sua dedicação ao
Reino de Deus com generosidade e disponibilidade.
V CAPÍTULO:
O AMOR QUE SE TORNA FECUNDO (N.165 -198)
 O amor sempre está aberto para acolher uma nova vida, o amor
sempre dá vida; a família é o lugar da geração, mas também do
acolhimento da vida; Cada nova vida, chega como um presente de Deus;
 Os esposos devem ter a liberdade inviolável na responsabilidade da
procriação;
 Se uma criança chega em circunstâncias não desejadas, os pais e a
família devem fazer o possível para aceitá-la como dom de Deus e
assumir a responsabilidade de acolhê-la com magnanimidade e carinho;
 A cada mulher grávida quero pedir afetuosamente: cuide da sua alegria, que nada
lhe tire a alegria interior da maternidade, tua criança merece a tua alegria!
 A maternidade colabora com Deus para o
milagre de uma nova vida: “Tu me teceste no
seio de minha mãe” (Salmo 139,13); “Antes que
te formasse no seio de tua mãe, eu te conhecia
e antes de saíres do ventre materno, eu te
consagrei” (Jr 1,5).
 Respeitar a dignidade de uma criança significa
afirmar a sua necessidade e o seu direito
natural de ter um pai e de ter uma mãe;
 Juntos, pai e mãe ensinam o valor da
reciprocidade, do encontro de seres diferentes,
cada um contribui com sua própria identidade;
 CRISE DA PATERNIDADE: hoje sentimos a ausência dos pais,
enfraquecimento da presença materna, crise da paternidade;
 A crise da paternidade se manifesta de diversos modos: na
ausência, na atitude de pai-patrão, no autoritarismo, na
prepotência, na dispersão...
 É muito importante que o pai esteja próximo à esposa para
compartilhar com ela: alegrias, dificuldades e esperança,
acompanhando o crescimento dos filhos...
Amor de pai e de mãe
 Toda criança tem direito de receber o amor de uma mãe e de um
pai; ambos necessários para seu amadurecimento íntegro e
harmonioso;
A família alargada
 A maternidade não é uma realidade exclusivamente
biológica, mas se expressa de diversas maneiras, como
por exemplo: no ato da adoção – adotar é um ato de
amor, na abertura indo ao encontro dos abandonados, na
luta pela justiça, na manifestação de solidariedade para
com os pobres...
 Desta forma, a fecundidade do amor se alarga!
 A mística do Sacramento do
matrimônio tem uma dimensão
social;
 Participam do amor da família: os
pais, tios, primos, vizinhos, sogro,
sogra, parentes dos cônjuges...
VI CAPÍTULO:
ALGUMAS PERSPECTIVAS PASTORAIS (N. 199-258)
 É preciso uma evangelização que denuncie os desafios e condicionamentos culturais, sociais, políticos
e econômicos da atualidade; deve-se apresentar valores!
 A contribuição da Igreja para com a família passa pela pastoral familiar:
 A pastoral familiar precisa formar agentes leigos, psicopedagogos... É importante a assessoria
de médicos da família, assistentes sociais, advogados de menores e de famílias; acolher a
contribuição da psicologia, da sociologia, da sexologia, do aconselhamento de profissionais...
 A pastoral familiar deve organizar itinerários e cursos em preparação ao matrimônio considerando as
situações emergenciais, a necessidade da orientação espiritual e de orientação nos sacramentos;
 É preciso promover a formação mais adequada de presbíteros, diáconos,
religiosos, catequistas e ministros;
 Os ministros ordenados carecem de uma formação adequada para tratar
os problemas complexos atuais da família;
 Os seminaristas deveriam ter acesso a uma formação interdisciplinar
mais ampla sobre o namoro, matrimônio... Não só doutrina;
 É preciso apostar numa formação para promoção do equilíbrio psíquico;
 É importante a presença feminina na formação sacerdotal e combinar
tempos de vida no seminário e experiência pastoral, contato com as
famílias;
A preparação dos noivos ao matrimônio
 É preciso ajudar os jovens a descobrir o valor e a riqueza do
matrimônio através do processo de preparação dos noivos.
 É preciso renovar o anúncio do querígma: trata-se de iniciação ao
sacramento do matrimônio; é importante promover as famílias
missionárias;
 É importante recorrer aos recursos da pastoral popular: dia dos
namorados (São Valentim); é preciso criatividade dos pastores;
 A preparação ao matrimônio não pode ser um simples curso; mas o
verdadeiro processo de formação de conscientização ampla.
 Os noivos precisam ser conduzidos no processo de preparação para
assumirem o matrimônio como vocação;
 A pastoral pré-matrimonial deve ser uma pastoral do vínculo, oferendo
ajuda aos noivos em vista do amadurecimento no amor, para superar
momentos duros; eles precisam de orientação psicológica.
A preparação da celebração
Tantas vezes, os noivos chegam exaustos à celebração do matrimônio,
porque se preocupam com muitas coisas materiais. O processo de
preparação ao matrimônio implica também reflexão e aprofundamento da
dimensão litúrgica:
― Para compreenderem o significado dos gestos e
dos ritos celebrativos;
― Para perceberem o peso teológico e espiritual da
promessa de fidelidade para toda a vida;
― Para meditarem sobre as leituras bíblicas e
compreenderem melhor seu significado profundo;
― Para lhes favorecer a experiência da oração.
Acompanhamento dos primeiros anos de vida matrimonial
 A pastoral familiar deve acompanhar os novos casais para que não
caiam na ilusão de que já está tudo pronto, acabando com o caminho de
crescimento; com o tempo a atração física tende a diminuir;
 Encorajar os esposos a serem generosos na comunicação no dia a dia
da vida;
A paternidade e maternidade responsável
 A paternidade e maternidade devem ser escolhas responsáveis;
isso pressupõe formação da consciência dos esposos; eles são
chamados a recorrer a métodos naturais, programando o número
de filhos;
 É importante estimular a espiritualidade familiar através da oração,
da participação na Eucaristia dominical, da orientação espiritual, da
participação em retiros, da leitura Orante da Palavra de Deus;
 Os casais são chamados a preservar certos ritos diários: o beijo da
manhã, esperar um pelo outro, saída juntos, compartilhar tarefas
domésticas, vencer a rotina com a festa...
 Nas paróquias promova-se: reuniões de
vizinhos, amigos, retiros, conferências,
centro de aconselhamento conjugal,
formação de missionários e agentes da
pastoral familiar, escola de formação, visita
às famílias, benção nas casas, retiro para
casais...
VII CAPÍTULO:
REFORÇAR A EDUCAÇÃO DOS FILHOS (N. 259-290)
 Os pais incidem sempre, para o bem ou para o mal, no desenvolvimento
moral dos seus filhos. É uma responsabilidade complexa.
 Educar é gerar processo de amadurecimento da liberdade; educar é
promoção do crescimento integral, cultivo de autêntica autonomia.
 A educação dos filhos envolve a tarefa de promover a liberdade
responsável...
 A formação moral deve ser realizada com
métodos positivos, diálogo educativo que integra
a sensibilidade;
 A educação moral e cívica cultiva a liberdade
através de propostas, motivações, aplicação de
práticas, prêmios, exemplos, modelos, símbolos,
reflexões, exortações, lições, modos de agir...
A FORMAÇÃO ÉTICA DOS FILHOS
 Cabe também aos pais a promoção da formação ética dos seus filhos. A
formação moral não pode ser delegada a outros; Faz parte da educação moral o
desenvolvimento de hábitos bons... Educar a vontade, cuidar das dependências
afetivas;
 A educação sexual deve ajudar os jovens a aceitar o próprio
corpo de modo que a pessoa não precisa cancelar a diferença
sexual porque já não sabe confrontar-se consigo mesma;
 Ser masculino e feminino não é uma questão puramente
biológica ou genética, para isso concorre uma multiplicidade de
elementos... a diferenciação sexual (ser masculino e ou
feminino) é uma obra de Deus.
 Hoje há uma obsessão que reduz a
sexualidade aos órgãos genitais; é
preciso não enganar os jovens, a
educação sexual deve incluir respeito e
valorização pela diferença; o amor se
expressa de muitas formas que inclui
também o cuidado, a ternura, a
comunicação rica de sentido;
A educação sexual
 A educação sexual deve chegar ao
momento apropriado; adequada à fase;
A transmissão da Fé
 Os pais também têm a responsabilidade da
transmissão da fé para seus filhos; a família
deve continuar a ser o lugar onde se ensina
a perceber as razões e a beleza da fé;
 É muito bonito quando as mães ensinam
seus filhos, desde pequenos, a rezar, a
mandar um beijo a Jesus ou a Nossa
Senhora: quanta ternura nisso!
 A transmissão da fé pressupõe que os pais
vivam uma experiência real de confiança em
Deus, que o procuram e precisam Dele.
 Os pais são responsáveis pela transmissão
da fé a seus filhos: “cada pai há de contar a
seus filhos teus gestos de amor sempre
fiel” (Isaías 38,19);
 As crianças precisam de símbolos, gestos,
narrações... É fundamental que os filhos
vejam de maneira concreta a experiência de
fé e de oração de seus pais.
VIII CAPÍTULO:
ACOMPANHAR, DISCERNIR E INTEGRAR A FRAGILIDADE
N. 291-312)
A igreja deve acompanhar
 A Igreja é solícita no processo de acompanhamento das famílias,
infundindo nelas a confiança e a esperança... Mas há também famílias
feridas, e por isso muitas vezes, o trabalho da igreja é semelhante ao
de um hospital de campanha;
 É preciso usar a lei da gradualidade
(processos) na ação pastoral; é preciso uma
pastoral misericordiosa, encorajadora, de
diálogo, de discernimento...
 Hoje muitos preferem a simples convivência
por causa da mentalidade geral... É preciso
acompanhá-los com paciência e delicadeza
como fez Jesus com a mulher samaritana;
 A lei da gradualidade, proposta de S. João Paulo II, (Carta Familiaris Consortio, 34)
nos diz que o ser humano que tem consciência, conhece e ama, é capaz de cumprir
o bem moral, seguindo tapas de crescimento... Fazendo processo!
 Os divorciados e recasados não devem se sentir excomungados... Mas
podem viver e amadurecer como membros vivos da igreja;
 Aos sacerdotes cabe acompanhar, promover o discernimento
compreendendo o grau de responsabilidade que não é igual para
todos;
 A imputabilidade e a responsabilidade de um ato podem ser diminuídas, ou até
anuladas, pela ignorância, pela inadvertência, pela violência, pelo medo, pelos
hábitos, afeições desordenadas e outros fatores psicossociais;
 A caridade fraterna é a primeira lei dos cristão; é a lógica da misericórdia
pastoral!
 A missão dos pastores é escutar com carinho, acolher o drama das pessoas e
compreender seu ponto de vista. A misericórdia não exclui a justiça e a verdade.
Discernimento de situações
 Aos pastores cabe o discernimento das várias
situações; Ninguém deve ser condenado...
Somos chamados ao usar a pedagogia divina.
 A lógica do acompanhamento requer integração
dos casais na vida da comunidade; é necessário
distinguir casos;
IX CAPÍTULO:
A ESPIRITUALIDADE CONJUGAL E FAMILIAR (N. 313-325)
 O amor tem matizes diferentes segundo o estado
de vida a que cada um foi chamado. A
espiritualidade dos leigos deverá assumir
características próprias;
 A presença do Senhor habita na família real e
concreta com seus sofrimentos, lutas, alegrias e
propósitos...
 Quando se vive em família é difícil fingir e mentir,
não podemos mostrar uma máscara; o amor gera
autenticidade;
 A espiritualidade matrimonial é uma espiritualidade do vínculo
habitado pelo amor divino. A comunhão familiar é bem vivida como
caminho de santificação na vida diária...
Unidos pela Luz da Páscoa
 Quando a família se concentra em Cristo, Ele unifica e ilumina toda vida
familiar com seus problemas e sofrimentos; assim se evita a ruptura.
 A oração em família é um meio privilegiado para exprimir e reforçar a fé
Pascal;
Espiritualidade da solicitude e da consolação
 Os esposos cristãos são cooperadores de Deus... Deus convida os esposos a
gerar e a cuidar de toda a vida da família; é um pastoreio misericordioso;
 A pessoa amada merece toda atenção; Jesus é modelo: quando dele se
aproximava alguém para falar, Jesus olhava-o com amor (cf. Mc 10,21);
suscitava no outro a alegria de se sentir amado;
 Nenhuma família é uma realidade perfeita, por isso se requer um progressivo
amadurecimento na capacidade de amar;
Espiritualidade do amor exclusivo
 No matrimônio, os esposos vivem o sentido
de pertencer plenamente a uma única
pessoa, assumindo o desafio e o anseio de
envelhecerem juntos;
 Cada cônjuge se torna outro sinal e
instrumento da proximidade do Senhor: “eu
estarei convosco todos os dias, até o fim dos
tempos” (Mt 28, 20);
 Cada família
deve viver
constantemente
este estímulo:
 avancemos famílias!
 continuemos a caminhar...
 não percamos a esperança por causa dos nossos limites...
 não renunciemos a procura da plenitude do amor e nem a
comunhão que nos foi prometida.
Uma palavra de otimismo e Esperança:
 Sagrada Família de Nazaré, tornai também as nossas famílias
lugares de comunhão e cenáculos de oração, autênticas escolas do
Evangelho e pequenas igrejas domésticas.
 Sagrada Família de Nazaré, que nunca mais haja nas famílias
episódios de violência, de fechamento e divisão; e quem tiver sido
ferido ou escandalizado, seja rapidamente consolado e curado.
 Sagrada Família de Nazaré, fazei que todos nos tornemos
conscientes do carácter sagrado e inviolável da família e da sua
beleza no projeto de Deus. Jesus, Maria e José, ouvi-nos e acolhei
a nossa súplica. Amém!
Papa Francisco – Ano da Misericórdia, 19 de março de 2016.
CONCLUSÃO:
ORAÇÃO À SAGRADA FAMÍLIA
 Jesus, Maria e José, em vós
contemplamos o esplendor do verdadeiro
amor e, confiantes, a vós nos consagramos.
Obrigado!
Deus abençoe
nossas Famílias!
RESUMO E EDIÇÃO:
Antônio de Assis Ribeiro (Pe. Bira) – SDB
Email: birasdb@yahoo.com.br
• Coordenador da Comissão Nacional da Pastoral
Juvenil SDB
• Coordenador Inspetorial da Pastoral Juvenil e
Vocacional
www.isma.org.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação sobre o pré e pós matrim onial
Apresentação sobre o pré e pós matrim onialApresentação sobre o pré e pós matrim onial
Apresentação sobre o pré e pós matrim onial
familiaregsul4
 
Ap. pré matrimonio
Ap. pré matrimonioAp. pré matrimonio
Ap. pré matrimonio
Walter Unger
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
Catequese Anjos dos Céus
 
Pastoral Familiar Londrina
Pastoral Familiar LondrinaPastoral Familiar Londrina
Pastoral Familiar Londrina
Pastoral Familiar Londrina
 
O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2
O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2
O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2
Presentepravoce SOS
 
Setor pre matrimonial
Setor pre matrimonialSetor pre matrimonial
Setor pre matrimonial
Luiz Vicente Gargiulo
 
O sacramento do matrimônio
O sacramento do matrimônioO sacramento do matrimônio
O sacramento do matrimônio
Presentepravoce SOS
 
O trabalho de pastoreio familiar
O trabalho de pastoreio familiarO trabalho de pastoreio familiar
O trabalho de pastoreio familiar
Manoel Francisco Xavier
 
1. A realidade e os desafios da familia.pptx
1. A realidade e os desafios da familia.pptx1. A realidade e os desafios da familia.pptx
1. A realidade e os desafios da familia.pptx
Davi154451
 
Guia de-preparação-noivos-2
Guia de-preparação-noivos-2Guia de-preparação-noivos-2
Guia de-preparação-noivos-2
Marcia Mostiack
 
Ap. pós matrimonio
Ap. pós matrimonioAp. pós matrimonio
Ap. pós matrimonio
Walter Unger
 
Pastoral da Catequese
Pastoral da CatequesePastoral da Catequese
Pastoral da Catequese
José Vieira Dos Santos
 
Ecc a família na construção do mundo
Ecc   a família na construção do mundoEcc   a família na construção do mundo
Ecc a família na construção do mundo
Presentepravoce SOS
 
Pre matrimonial e preparacao ao sacramento do matrimonio 2
Pre matrimonial e preparacao ao sacramento do matrimonio 2 Pre matrimonial e preparacao ao sacramento do matrimonio 2
Pre matrimonial e preparacao ao sacramento do matrimonio 2
familiaregsul4
 
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumoCatequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequista Josivaldo
 
Apresentação Encontro de Casais com Cristo
Apresentação Encontro de Casais com CristoApresentação Encontro de Casais com Cristo
Apresentação Encontro de Casais com Cristo
psaocamilo
 
Noivos sacramento do matrimônio slides
Noivos   sacramento do matrimônio slidesNoivos   sacramento do matrimônio slides
Noivos sacramento do matrimônio slides
Mauricio Soares
 
Relacionamento familiar apresentação
Relacionamento familiar   apresentaçãoRelacionamento familiar   apresentação
Relacionamento familiar apresentação
Daniel de Carvalho Luz
 
Pastoral Famliar
Pastoral FamliarPastoral Famliar
Pastoral Famliar
admirvargas
 
Apresentação pastoral familiar
Apresentação pastoral familiarApresentação pastoral familiar
Apresentação pastoral familiar
sfamilianeopolis
 

Mais procurados (20)

Apresentação sobre o pré e pós matrim onial
Apresentação sobre o pré e pós matrim onialApresentação sobre o pré e pós matrim onial
Apresentação sobre o pré e pós matrim onial
 
Ap. pré matrimonio
Ap. pré matrimonioAp. pré matrimonio
Ap. pré matrimonio
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
 
Pastoral Familiar Londrina
Pastoral Familiar LondrinaPastoral Familiar Londrina
Pastoral Familiar Londrina
 
O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2
O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2
O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2
 
Setor pre matrimonial
Setor pre matrimonialSetor pre matrimonial
Setor pre matrimonial
 
O sacramento do matrimônio
O sacramento do matrimônioO sacramento do matrimônio
O sacramento do matrimônio
 
O trabalho de pastoreio familiar
O trabalho de pastoreio familiarO trabalho de pastoreio familiar
O trabalho de pastoreio familiar
 
1. A realidade e os desafios da familia.pptx
1. A realidade e os desafios da familia.pptx1. A realidade e os desafios da familia.pptx
1. A realidade e os desafios da familia.pptx
 
Guia de-preparação-noivos-2
Guia de-preparação-noivos-2Guia de-preparação-noivos-2
Guia de-preparação-noivos-2
 
Ap. pós matrimonio
Ap. pós matrimonioAp. pós matrimonio
Ap. pós matrimonio
 
Pastoral da Catequese
Pastoral da CatequesePastoral da Catequese
Pastoral da Catequese
 
Ecc a família na construção do mundo
Ecc   a família na construção do mundoEcc   a família na construção do mundo
Ecc a família na construção do mundo
 
Pre matrimonial e preparacao ao sacramento do matrimonio 2
Pre matrimonial e preparacao ao sacramento do matrimonio 2 Pre matrimonial e preparacao ao sacramento do matrimonio 2
Pre matrimonial e preparacao ao sacramento do matrimonio 2
 
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumoCatequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumo
 
Apresentação Encontro de Casais com Cristo
Apresentação Encontro de Casais com CristoApresentação Encontro de Casais com Cristo
Apresentação Encontro de Casais com Cristo
 
Noivos sacramento do matrimônio slides
Noivos   sacramento do matrimônio slidesNoivos   sacramento do matrimônio slides
Noivos sacramento do matrimônio slides
 
Relacionamento familiar apresentação
Relacionamento familiar   apresentaçãoRelacionamento familiar   apresentação
Relacionamento familiar apresentação
 
Pastoral Famliar
Pastoral FamliarPastoral Famliar
Pastoral Famliar
 
Apresentação pastoral familiar
Apresentação pastoral familiarApresentação pastoral familiar
Apresentação pastoral familiar
 

Destaque

Amoris letitia
Amoris letitiaAmoris letitia
Amoris letitia
Jessica Lopez M
 
Exhortación Apostólica Amoris Laetitia
Exhortación Apostólica Amoris LaetitiaExhortación Apostólica Amoris Laetitia
Exhortación Apostólica Amoris Laetitia
Luis Losada Pescador
 
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCOEXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
Bernadetecebs .
 
Amoris laetitia
Amoris laetitiaAmoris laetitia
Amoris laetitia
Nelson Pichardo
 
Exortação apostólica amoris laetitia a alegria do amor o amor na família papa...
Exortação apostólica amoris laetitia a alegria do amor o amor na família papa...Exortação apostólica amoris laetitia a alegria do amor o amor na família papa...
Exortação apostólica amoris laetitia a alegria do amor o amor na família papa...
Antonio De Assis Ribeiro
 
A alegria do evangelho
A alegria do evangelhoA alegria do evangelho
A alegria do evangelho
meloteixeira
 
Estreia 2017 Resumo somos família cada lar uma escola de vida e amor p bira
Estreia 2017  Resumo somos família cada lar uma escola de vida e amor p biraEstreia 2017  Resumo somos família cada lar uma escola de vida e amor p bira
Estreia 2017 Resumo somos família cada lar uma escola de vida e amor p bira
Antonio De Assis Ribeiro
 
Apresentação da pastoral familiar
Apresentação da pastoral familiarApresentação da pastoral familiar
Apresentação da pastoral familiar
Pastoral_Familiar
 
Trocando as Vestes - Retiro de Casais 2009
Trocando as Vestes - Retiro de Casais 2009Trocando as Vestes - Retiro de Casais 2009
Trocando as Vestes - Retiro de Casais 2009
HaroldoMaranhao
 
Ritiro no dia 08 á tarde
Ritiro no dia 08 á tardeRitiro no dia 08 á tarde
Ritiro no dia 08 á tarde
Gustavo Scheffer
 
Alegria do evangelho
Alegria do evangelhoAlegria do evangelho
Alegria do evangelho
Luiz Vicente Gargiulo
 
7º Plano de Pastoral Orgânica - Arquidiocese de Campinas
7º Plano de Pastoral Orgânica - Arquidiocese de Campinas7º Plano de Pastoral Orgânica - Arquidiocese de Campinas
7º Plano de Pastoral Orgânica - Arquidiocese de Campinas
Rodrigo Catini Flaibam
 
Programação I Retiro da Crisma 2011
Programação I Retiro da Crisma 2011Programação I Retiro da Crisma 2011
Programação I Retiro da Crisma 2011
garzella
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
Cassio Felipe
 
Pastoral familiar - Sexualidade
Pastoral familiar - SexualidadePastoral familiar - Sexualidade
Pastoral familiar - Sexualidade
familiaregsul4
 
Dinâmica para Encontro de Casais
Dinâmica para Encontro de Casais Dinâmica para Encontro de Casais
Dinâmica para Encontro de Casais
IFPA
 
Harmonia sexual e conjugal
Harmonia sexual e conjugalHarmonia sexual e conjugal
Harmonia sexual e conjugal
ministerioformacao
 
Missão do Catequista
Missão do CatequistaMissão do Catequista
Missão do Catequista
Jorge Felliphe
 
Encontro De Casais
Encontro De CasaisEncontro De Casais
Encontro De Casais
Eduardo Sales de lima
 
Apostila palestra para casais
Apostila   palestra para casaisApostila   palestra para casais
Apostila palestra para casais
Construção Edificações
 

Destaque (20)

Amoris letitia
Amoris letitiaAmoris letitia
Amoris letitia
 
Exhortación Apostólica Amoris Laetitia
Exhortación Apostólica Amoris LaetitiaExhortación Apostólica Amoris Laetitia
Exhortación Apostólica Amoris Laetitia
 
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCOEXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
 
Amoris laetitia
Amoris laetitiaAmoris laetitia
Amoris laetitia
 
Exortação apostólica amoris laetitia a alegria do amor o amor na família papa...
Exortação apostólica amoris laetitia a alegria do amor o amor na família papa...Exortação apostólica amoris laetitia a alegria do amor o amor na família papa...
Exortação apostólica amoris laetitia a alegria do amor o amor na família papa...
 
A alegria do evangelho
A alegria do evangelhoA alegria do evangelho
A alegria do evangelho
 
Estreia 2017 Resumo somos família cada lar uma escola de vida e amor p bira
Estreia 2017  Resumo somos família cada lar uma escola de vida e amor p biraEstreia 2017  Resumo somos família cada lar uma escola de vida e amor p bira
Estreia 2017 Resumo somos família cada lar uma escola de vida e amor p bira
 
Apresentação da pastoral familiar
Apresentação da pastoral familiarApresentação da pastoral familiar
Apresentação da pastoral familiar
 
Trocando as Vestes - Retiro de Casais 2009
Trocando as Vestes - Retiro de Casais 2009Trocando as Vestes - Retiro de Casais 2009
Trocando as Vestes - Retiro de Casais 2009
 
Ritiro no dia 08 á tarde
Ritiro no dia 08 á tardeRitiro no dia 08 á tarde
Ritiro no dia 08 á tarde
 
Alegria do evangelho
Alegria do evangelhoAlegria do evangelho
Alegria do evangelho
 
7º Plano de Pastoral Orgânica - Arquidiocese de Campinas
7º Plano de Pastoral Orgânica - Arquidiocese de Campinas7º Plano de Pastoral Orgânica - Arquidiocese de Campinas
7º Plano de Pastoral Orgânica - Arquidiocese de Campinas
 
Programação I Retiro da Crisma 2011
Programação I Retiro da Crisma 2011Programação I Retiro da Crisma 2011
Programação I Retiro da Crisma 2011
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
 
Pastoral familiar - Sexualidade
Pastoral familiar - SexualidadePastoral familiar - Sexualidade
Pastoral familiar - Sexualidade
 
Dinâmica para Encontro de Casais
Dinâmica para Encontro de Casais Dinâmica para Encontro de Casais
Dinâmica para Encontro de Casais
 
Harmonia sexual e conjugal
Harmonia sexual e conjugalHarmonia sexual e conjugal
Harmonia sexual e conjugal
 
Missão do Catequista
Missão do CatequistaMissão do Catequista
Missão do Catequista
 
Encontro De Casais
Encontro De CasaisEncontro De Casais
Encontro De Casais
 
Apostila palestra para casais
Apostila   palestra para casaisApostila   palestra para casais
Apostila palestra para casais
 

Semelhante a Exortação apostólica amoris laetitia a alegria do amor o amor na família papa francisco 2016

Amoris Laetitia Cap 1 À luz da Palavra.pptx
Amoris Laetitia Cap 1 À luz da Palavra.pptxAmoris Laetitia Cap 1 À luz da Palavra.pptx
Amoris Laetitia Cap 1 À luz da Palavra.pptx
Martin M Flynn
 
Setor pos matrimonio 2015
Setor pos matrimonio  2015Setor pos matrimonio  2015
Setor pos matrimonio 2015
nivaldo araujo
 
A FamíLia No Plano De Deus
A FamíLia No Plano De DeusA FamíLia No Plano De Deus
A FamíLia No Plano De Deus
Maria Thereza Tosta Camillo
 
Amoris laetitia cap 3
Amoris laetitia cap 3Amoris laetitia cap 3
Amoris laetitia cap 3
WebExecutivo1
 
Sagrada familia
Sagrada familiaSagrada familia
Sagrada familia
pr_afsalbergaria
 
Subsidio semana-da-família - Diocese de Guaxupé
Subsidio semana-da-família - Diocese de GuaxupéSubsidio semana-da-família - Diocese de Guaxupé
Subsidio semana-da-família - Diocese de Guaxupé
Bernadetecebs .
 
Aula 2 O Homem Aprovado pela família - Rev. Márcio Abreu.pptx
Aula 2 O Homem Aprovado pela família - Rev. Márcio Abreu.pptxAula 2 O Homem Aprovado pela família - Rev. Márcio Abreu.pptx
Aula 2 O Homem Aprovado pela família - Rev. Márcio Abreu.pptx
JosMauroPiresCoutinh
 
Ijmj província jesus maria josé
Ijmj   província jesus maria joséIjmj   província jesus maria josé
Ijmj província jesus maria josé
Celsio Carrocini
 
Ijmj província jesus maria josé
Ijmj   província jesus maria joséIjmj   província jesus maria josé
Ijmj província jesus maria josé
Celsio Carrocini
 
Palestra ECC Vivencia Sacramento Matrimônio .pdf
Palestra ECC Vivencia Sacramento Matrimônio .pdfPalestra ECC Vivencia Sacramento Matrimônio .pdf
Palestra ECC Vivencia Sacramento Matrimônio .pdf
mpaffetti
 
Pastoral Familiar - Setor Pós-Matrimonial.doc
Pastoral Familiar - Setor Pós-Matrimonial.docPastoral Familiar - Setor Pós-Matrimonial.doc
Pastoral Familiar - Setor Pós-Matrimonial.doc
MarceloJosRocha1
 
Exortação A alegria do Amor.ppt
Exortação A alegria do Amor.pptExortação A alegria do Amor.ppt
Exortação A alegria do Amor.ppt
CultagriLda
 
3º informativo web junho de 2015
3º informativo web   junho de 20153º informativo web   junho de 2015
3º informativo web junho de 2015
Pastor Marcello Rocha
 
A família e a igreja
 A família e a igreja A família e a igreja
A família e a igreja
Joselito Machado
 
Licao 4 3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
Licao 4   3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILALicao 4   3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
Licao 4 3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
1º ANO DE EUCARISTIA
1º ANO DE EUCARISTIA1º ANO DE EUCARISTIA
1º ANO DE EUCARISTIA
Catequista Josivaldo
 
Boletim Jovem Maio 2012
Boletim Jovem Maio 2012Boletim Jovem Maio 2012
Boletim Jovem Maio 2012
willams
 
N1302 s familia
N1302  s familiaN1302  s familia
N1302 s familia
Paroquia Arronches
 
APOSTILA SETOR PÓS-MATRIMONIAL
APOSTILA SETOR PÓS-MATRIMONIALAPOSTILA SETOR PÓS-MATRIMONIAL
APOSTILA SETOR PÓS-MATRIMONIAL
Maria Thereza Tosta Camillo
 
A FAMÍLIA E A IGREJA - LIÇÃO 12 – para escola dominical
A FAMÍLIA E A IGREJA - LIÇÃO 12 – para escola dominicalA FAMÍLIA E A IGREJA - LIÇÃO 12 – para escola dominical
A FAMÍLIA E A IGREJA - LIÇÃO 12 – para escola dominical
yosseph2013
 

Semelhante a Exortação apostólica amoris laetitia a alegria do amor o amor na família papa francisco 2016 (20)

Amoris Laetitia Cap 1 À luz da Palavra.pptx
Amoris Laetitia Cap 1 À luz da Palavra.pptxAmoris Laetitia Cap 1 À luz da Palavra.pptx
Amoris Laetitia Cap 1 À luz da Palavra.pptx
 
Setor pos matrimonio 2015
Setor pos matrimonio  2015Setor pos matrimonio  2015
Setor pos matrimonio 2015
 
A FamíLia No Plano De Deus
A FamíLia No Plano De DeusA FamíLia No Plano De Deus
A FamíLia No Plano De Deus
 
Amoris laetitia cap 3
Amoris laetitia cap 3Amoris laetitia cap 3
Amoris laetitia cap 3
 
Sagrada familia
Sagrada familiaSagrada familia
Sagrada familia
 
Subsidio semana-da-família - Diocese de Guaxupé
Subsidio semana-da-família - Diocese de GuaxupéSubsidio semana-da-família - Diocese de Guaxupé
Subsidio semana-da-família - Diocese de Guaxupé
 
Aula 2 O Homem Aprovado pela família - Rev. Márcio Abreu.pptx
Aula 2 O Homem Aprovado pela família - Rev. Márcio Abreu.pptxAula 2 O Homem Aprovado pela família - Rev. Márcio Abreu.pptx
Aula 2 O Homem Aprovado pela família - Rev. Márcio Abreu.pptx
 
Ijmj província jesus maria josé
Ijmj   província jesus maria joséIjmj   província jesus maria josé
Ijmj província jesus maria josé
 
Ijmj província jesus maria josé
Ijmj   província jesus maria joséIjmj   província jesus maria josé
Ijmj província jesus maria josé
 
Palestra ECC Vivencia Sacramento Matrimônio .pdf
Palestra ECC Vivencia Sacramento Matrimônio .pdfPalestra ECC Vivencia Sacramento Matrimônio .pdf
Palestra ECC Vivencia Sacramento Matrimônio .pdf
 
Pastoral Familiar - Setor Pós-Matrimonial.doc
Pastoral Familiar - Setor Pós-Matrimonial.docPastoral Familiar - Setor Pós-Matrimonial.doc
Pastoral Familiar - Setor Pós-Matrimonial.doc
 
Exortação A alegria do Amor.ppt
Exortação A alegria do Amor.pptExortação A alegria do Amor.ppt
Exortação A alegria do Amor.ppt
 
3º informativo web junho de 2015
3º informativo web   junho de 20153º informativo web   junho de 2015
3º informativo web junho de 2015
 
A família e a igreja
 A família e a igreja A família e a igreja
A família e a igreja
 
Licao 4 3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
Licao 4   3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILALicao 4   3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
Licao 4 3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
 
1º ANO DE EUCARISTIA
1º ANO DE EUCARISTIA1º ANO DE EUCARISTIA
1º ANO DE EUCARISTIA
 
Boletim Jovem Maio 2012
Boletim Jovem Maio 2012Boletim Jovem Maio 2012
Boletim Jovem Maio 2012
 
N1302 s familia
N1302  s familiaN1302  s familia
N1302 s familia
 
APOSTILA SETOR PÓS-MATRIMONIAL
APOSTILA SETOR PÓS-MATRIMONIALAPOSTILA SETOR PÓS-MATRIMONIAL
APOSTILA SETOR PÓS-MATRIMONIAL
 
A FAMÍLIA E A IGREJA - LIÇÃO 12 – para escola dominical
A FAMÍLIA E A IGREJA - LIÇÃO 12 – para escola dominicalA FAMÍLIA E A IGREJA - LIÇÃO 12 – para escola dominical
A FAMÍLIA E A IGREJA - LIÇÃO 12 – para escola dominical
 

Mais de Antonio De Assis Ribeiro

Resumo Estreia 2018 Salesianos A arte de escutar e acompanhar
Resumo Estreia 2018 Salesianos A arte de escutar e acompanhar Resumo Estreia 2018 Salesianos A arte de escutar e acompanhar
Resumo Estreia 2018 Salesianos A arte de escutar e acompanhar
Antonio De Assis Ribeiro
 
Mariologia: "O todo-poderoso fez em mim grandes coisas" (Lc 1,49)
Mariologia: "O todo-poderoso fez em mim grandes coisas" (Lc 1,49) Mariologia: "O todo-poderoso fez em mim grandes coisas" (Lc 1,49)
Mariologia: "O todo-poderoso fez em mim grandes coisas" (Lc 1,49)
Antonio De Assis Ribeiro
 
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto baseCampanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Antonio De Assis Ribeiro
 
Os jovens na bíblia
Os jovens na bíbliaOs jovens na bíblia
Os jovens na bíblia
Antonio De Assis Ribeiro
 
O Rosto da Misericórdia - Bula Misericordiae Vultus - Ano Santo
O Rosto da Misericórdia - Bula Misericordiae Vultus - Ano SantoO Rosto da Misericórdia - Bula Misericordiae Vultus - Ano Santo
O Rosto da Misericórdia - Bula Misericordiae Vultus - Ano Santo
Antonio De Assis Ribeiro
 
Campanha da fraternidade 2016 - RESUMO
Campanha da fraternidade 2016 - RESUMO Campanha da fraternidade 2016 - RESUMO
Campanha da fraternidade 2016 - RESUMO
Antonio De Assis Ribeiro
 
Resumo da Estreia 2016: "COM JESUS, Percorramos juntos, a Aventura do Espírito"
Resumo da Estreia 2016:  "COM JESUS, Percorramos juntos, a Aventura do Espírito"Resumo da Estreia 2016:  "COM JESUS, Percorramos juntos, a Aventura do Espírito"
Resumo da Estreia 2016: "COM JESUS, Percorramos juntos, a Aventura do Espírito"
Antonio De Assis Ribeiro
 
Aspectos teológicos da Encíclica "Laudato Sí" do Papa francisco ecologia
Aspectos teológicos da Encíclica "Laudato Sí" do Papa francisco ecologiaAspectos teológicos da Encíclica "Laudato Sí" do Papa francisco ecologia
Aspectos teológicos da Encíclica "Laudato Sí" do Papa francisco ecologia
Antonio De Assis Ribeiro
 
EDUCADOR PARA QUÊ?
EDUCADOR PARA QUÊ? EDUCADOR PARA QUÊ?
EDUCADOR PARA QUÊ?
Antonio De Assis Ribeiro
 
Síntese da Encíclica "Laudato Sì" (Louvado Seja) sobre o Cuidado da nossa Cas...
Síntese da Encíclica "Laudato Sì" (Louvado Seja) sobre o Cuidado da nossa Cas...Síntese da Encíclica "Laudato Sì" (Louvado Seja) sobre o Cuidado da nossa Cas...
Síntese da Encíclica "Laudato Sì" (Louvado Seja) sobre o Cuidado da nossa Cas...
Antonio De Assis Ribeiro
 
Evangelização e educação reflexões visita pastoral
Evangelização e educação reflexões visita pastoralEvangelização e educação reflexões visita pastoral
Evangelização e educação reflexões visita pastoral
Antonio De Assis Ribeiro
 
Informativo V Estudo 2 Notas sobre o Contexto histórico-eclesial e pastoral d...
Informativo V Estudo 2 Notas sobre o Contexto histórico-eclesial e pastoral d...Informativo V Estudo 2 Notas sobre o Contexto histórico-eclesial e pastoral d...
Informativo V Estudo 2 Notas sobre o Contexto histórico-eclesial e pastoral d...
Antonio De Assis Ribeiro
 
Estreia 2015 como Dom Bosco com os jovens, para os jovens.
Estreia 2015  como Dom Bosco com os jovens, para os jovens.Estreia 2015  como Dom Bosco com os jovens, para os jovens.
Estreia 2015 como Dom Bosco com os jovens, para os jovens.
Antonio De Assis Ribeiro
 
Significando o Natal do Senhor
Significando o Natal do SenhorSignificando o Natal do Senhor
Significando o Natal do Senhor
Antonio De Assis Ribeiro
 
Informativo IV Novembro 2014: Estudo I - Síntese: O contexto sóciocultural, p...
Informativo IV Novembro 2014: Estudo I - Síntese: O contexto sóciocultural, p...Informativo IV Novembro 2014: Estudo I - Síntese: O contexto sóciocultural, p...
Informativo IV Novembro 2014: Estudo I - Síntese: O contexto sóciocultural, p...
Antonio De Assis Ribeiro
 
Sem a formação continuada, vem a velhice. A importância da Formação.
Sem a formação continuada, vem a velhice. A importância da Formação.Sem a formação continuada, vem a velhice. A importância da Formação.
Sem a formação continuada, vem a velhice. A importância da Formação.
Antonio De Assis Ribeiro
 
A experiência da resiliência
A experiência da resiliênciaA experiência da resiliência
A experiência da resiliência
Antonio De Assis Ribeiro
 
A importância da formacão
A importância da formacãoA importância da formacão
A importância da formacão
Antonio De Assis Ribeiro
 
A suspensão da suspensão disciplina escolar reflexão pedagógica salesiana ...
A suspensão da suspensão   disciplina escolar reflexão pedagógica salesiana  ...A suspensão da suspensão   disciplina escolar reflexão pedagógica salesiana  ...
A suspensão da suspensão disciplina escolar reflexão pedagógica salesiana ...
Antonio De Assis Ribeiro
 
Maria, senhora aparecida!
Maria, senhora aparecida!Maria, senhora aparecida!
Maria, senhora aparecida!
Antonio De Assis Ribeiro
 

Mais de Antonio De Assis Ribeiro (20)

Resumo Estreia 2018 Salesianos A arte de escutar e acompanhar
Resumo Estreia 2018 Salesianos A arte de escutar e acompanhar Resumo Estreia 2018 Salesianos A arte de escutar e acompanhar
Resumo Estreia 2018 Salesianos A arte de escutar e acompanhar
 
Mariologia: "O todo-poderoso fez em mim grandes coisas" (Lc 1,49)
Mariologia: "O todo-poderoso fez em mim grandes coisas" (Lc 1,49) Mariologia: "O todo-poderoso fez em mim grandes coisas" (Lc 1,49)
Mariologia: "O todo-poderoso fez em mim grandes coisas" (Lc 1,49)
 
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto baseCampanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
 
Os jovens na bíblia
Os jovens na bíbliaOs jovens na bíblia
Os jovens na bíblia
 
O Rosto da Misericórdia - Bula Misericordiae Vultus - Ano Santo
O Rosto da Misericórdia - Bula Misericordiae Vultus - Ano SantoO Rosto da Misericórdia - Bula Misericordiae Vultus - Ano Santo
O Rosto da Misericórdia - Bula Misericordiae Vultus - Ano Santo
 
Campanha da fraternidade 2016 - RESUMO
Campanha da fraternidade 2016 - RESUMO Campanha da fraternidade 2016 - RESUMO
Campanha da fraternidade 2016 - RESUMO
 
Resumo da Estreia 2016: "COM JESUS, Percorramos juntos, a Aventura do Espírito"
Resumo da Estreia 2016:  "COM JESUS, Percorramos juntos, a Aventura do Espírito"Resumo da Estreia 2016:  "COM JESUS, Percorramos juntos, a Aventura do Espírito"
Resumo da Estreia 2016: "COM JESUS, Percorramos juntos, a Aventura do Espírito"
 
Aspectos teológicos da Encíclica "Laudato Sí" do Papa francisco ecologia
Aspectos teológicos da Encíclica "Laudato Sí" do Papa francisco ecologiaAspectos teológicos da Encíclica "Laudato Sí" do Papa francisco ecologia
Aspectos teológicos da Encíclica "Laudato Sí" do Papa francisco ecologia
 
EDUCADOR PARA QUÊ?
EDUCADOR PARA QUÊ? EDUCADOR PARA QUÊ?
EDUCADOR PARA QUÊ?
 
Síntese da Encíclica "Laudato Sì" (Louvado Seja) sobre o Cuidado da nossa Cas...
Síntese da Encíclica "Laudato Sì" (Louvado Seja) sobre o Cuidado da nossa Cas...Síntese da Encíclica "Laudato Sì" (Louvado Seja) sobre o Cuidado da nossa Cas...
Síntese da Encíclica "Laudato Sì" (Louvado Seja) sobre o Cuidado da nossa Cas...
 
Evangelização e educação reflexões visita pastoral
Evangelização e educação reflexões visita pastoralEvangelização e educação reflexões visita pastoral
Evangelização e educação reflexões visita pastoral
 
Informativo V Estudo 2 Notas sobre o Contexto histórico-eclesial e pastoral d...
Informativo V Estudo 2 Notas sobre o Contexto histórico-eclesial e pastoral d...Informativo V Estudo 2 Notas sobre o Contexto histórico-eclesial e pastoral d...
Informativo V Estudo 2 Notas sobre o Contexto histórico-eclesial e pastoral d...
 
Estreia 2015 como Dom Bosco com os jovens, para os jovens.
Estreia 2015  como Dom Bosco com os jovens, para os jovens.Estreia 2015  como Dom Bosco com os jovens, para os jovens.
Estreia 2015 como Dom Bosco com os jovens, para os jovens.
 
Significando o Natal do Senhor
Significando o Natal do SenhorSignificando o Natal do Senhor
Significando o Natal do Senhor
 
Informativo IV Novembro 2014: Estudo I - Síntese: O contexto sóciocultural, p...
Informativo IV Novembro 2014: Estudo I - Síntese: O contexto sóciocultural, p...Informativo IV Novembro 2014: Estudo I - Síntese: O contexto sóciocultural, p...
Informativo IV Novembro 2014: Estudo I - Síntese: O contexto sóciocultural, p...
 
Sem a formação continuada, vem a velhice. A importância da Formação.
Sem a formação continuada, vem a velhice. A importância da Formação.Sem a formação continuada, vem a velhice. A importância da Formação.
Sem a formação continuada, vem a velhice. A importância da Formação.
 
A experiência da resiliência
A experiência da resiliênciaA experiência da resiliência
A experiência da resiliência
 
A importância da formacão
A importância da formacãoA importância da formacão
A importância da formacão
 
A suspensão da suspensão disciplina escolar reflexão pedagógica salesiana ...
A suspensão da suspensão   disciplina escolar reflexão pedagógica salesiana  ...A suspensão da suspensão   disciplina escolar reflexão pedagógica salesiana  ...
A suspensão da suspensão disciplina escolar reflexão pedagógica salesiana ...
 
Maria, senhora aparecida!
Maria, senhora aparecida!Maria, senhora aparecida!
Maria, senhora aparecida!
 

Último

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

Exortação apostólica amoris laetitia a alegria do amor o amor na família papa francisco 2016

  • 1. APRESENTAÇÃO SINTÉTICA DA EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LAETITIA (AAlegria do Amor) SOBRE O AMOR NA Papa Francisco – Ano 2016 –
  • 2. Paz Espiritualidade FAMÍLIA Confiança MATRIMÔNIO Perdão Convivência Vocacão Oracão Deus Amor Diálogo Escuta União Fé Amizade Igreja Vida Relacionamento Solidariedade Sofrimento Esperança Lar
  • 3. O presente documento é volumoso: tem 325 parágrafos e mais de 200 páginas. Sua riqueza está intimamente relacionada à amplitude da abordagem do tema “Amor na Família”. Nestas páginas seguimos a estrutura do documento, condensando as reflexões e buscando preservar a essência das principais ideias. Espero que esse serviço lhe seja útil. Pode compartilhá-lo e usá-lo como lhe aprouver melhorando o que achar conveniente. Bom estudo! Antônio de Assis Ribeiro – SDB (P. Bira). NOTA:
  • 4. INTRODUÇÃO (N. 1-7)  Alegria do amor vivido na família é também o júbilo da igreja.  Apesar da situação de crise pela qual passa hoje, as novas gerações acreditam na família.  A família é uma realidade muito complexa, ampla tem diversos aspectos: religiosos, políticos, culturais, econômicos, jurídicos.  A família é uma realidade poliédrica!  A exortação apostólica recolhe contribuições de dois sínodos sobre a família e aborda, com diferentes estilos, diversos temas;  É preciso aprofundar pacientemente os diversos temas... Somos chamados a cuidar com amor da vida das famílias... a família não é problema, mas uma oportunidade.
  • 5. I CAPÍTULO: A FAMÍLIA À LUZ DA PALAVRA DE DEUS (N. 8-30) • A família aparece abundantemente na Sagrada Escritura, que fala de gerações, de história de amor, de crises familiares, de violência familiar. • Desde as primeiras páginas até o livro do Apocalipse, a realidade da família aparece. O Salmo 128 (127) nos propõe alguns temas interessantes: “Feliz quem teme o Senhor e segue seus caminhos. Viverás do trabalho de tuas mãos, comerás feliz e satisfeito. Tua esposa será como uma vinha fecunda no interior de tua casa; teus filhos como brotos de oliveira ao redor de tua mesa. Assim será abençoado o homem que teme o Senhor. O Senhor te abençoe! Possas ver Jerusalém feliz todos os dias de tua vida; e veja os filhos de teus filhos. Paz sobre Israel”(Sl128/127,1-6).
  • 6. a) Tu e a tua esposa  No centro do Salmo encontramos o casal formado pelo pai e a mãe, com toda a sua história de amor. Isto vai ao encontro das origens: “Deus criou o ser humano à sua imagem; à sua imagem Deus o criou, homem e mulher ele os criou” (Gn 1,27).  A Bíblia nos apresenta a fecundidade do casal humano, imagem viva e eficaz, sinal visível do ato do criador;  O casal que ama e gera vida, é capaz de manifestar Deus criador e Salvador. O amor fecundo é símbolo das realidades íntimas de Deus;  Deus no seu mistério mais íntimo não é solidão, mas uma família. Este amor na família divina é o Espírito Santo. b) Os teus filhos como brotos de oliveira  A expressão “brotos de Oliveira” nos fala de energia e vitalidade: os pais são os alicerces da família e os filhos constituem as suas pedras vivas. A família, quando é espaço vital, transforma-se em Igreja doméstica. Dessa forma, pais tornam-se catequistas dos seus filhos...
  • 7.  Os pais têm o dever de cumprir com seriedade essa missão educativa, como ensinam frequentemente os sábios da Bíblia: os filhos são chamados a receber e a praticar o mandamento “honra teu pai e tua mãe” (Ex 20,12; Eclo 3,1-17).  Recordemos o Salmo 78/77que nos fala dos PAIS COMO CATEQUISTAS de seus filhos:  “O que nós ouvimos, o que aprendemos, o que nossos pais nos contaram, nós contaremos a nossos filhos.... Ele ordenou a nossos pais que ensinassem a seus filhos para que tomassem conhecimento...” (Sl 78/77,3-6).  A família é o lugar onde pais tornam- se os primeiros mestres da fé de seus filhos; é uma tarefa artesanal, pessoa a pessoa;
  • 8. c) A experiência do sofrimento e sangue na família  O Salmo 128 também fala de sofrimento na família; essa é uma realidade presente na família desde as suas origens: Caim mata Abel e depois surgem outros conflitos; na família dos patriarcas Abraão, Isaac e Jacó, Davi, Salomão, Tobias, Jó...  Em sua doença, desabafa Jó falando da sua família:  “Meus irmãos me abandonam, e meus parentes me tratam como estranho... meus familiares me esqueceram... A minha mulher tem nojo do meu hálito, e os meus irmãos têm nojo do meu cheiro... pessoas mais íntimas têm horror de mim...” (Jó 19,13-19).  Nos Evangelhos há muitos dramas familiares: a doença da sogra de Pedro, a morte de Lázaro, a morte da filha de Jairo, o drama da viúva de Naim, a falta de vinho no casamento em Caná da Galileia...  Nesses dramas familiares, também Jesus se fez presente!  A família na Bíblia não é abstrata: tem crises, sofrimentos, tribulações, fragilidades, dores, gritos...
  • 9.  O trabalho humano aparece desde as origens no livro do gênesis (cf. Gn 2,5);  É do trabalho que as famílias tiram seu sustento para viver com dignidade. O trabalho é uma necessidade: “quem não quer trabalhar, também não deve comer” (2Tess 3,10; 1Tss 4,11);  Na Bíblia, o problema econômico que afeta a família é denunciado, gerando desequilíbrios e injustiças (cf. Gn 3,17-19; 1 Reis 21).  O desemprego e a precariedade no trabalho geram sofrimento para as famílias... São também problemas que aparecem na Bíblia (cf. Rute e Mt 20,1-16 – operários desocupados). d) O trabalho e a família  Outro elemento presente no Salmo 128 (V.2) é a experiência do trabalho: “viverás do trabalho de tuas mãos, comerás feliz e satisfeito”.
  • 10. II CAPÍTULO: A REALIDADE E OS DESAFIOS DAS FAMÍLIAS (N. 31-57)  No capítulo II o papa Francisco, auxiliado pelos participantes do Sínodo, nos apresenta um vasto panorama dos problemas e desafios que atualmente atingem as famílias;  Não há a pretensão de ser uma análise exaustiva, nem de apresentar soluções para o problema da família;  Vivemos atualmente num contexto de profundas mudanças culturais, estruturais, organizacionais que atingem naturalmente a família.
  • 11. Alguns fenômenos que tocam profundamente a família:  o individualismo, as tensões internas, o stress, a diminuição do número de matrimônios, a convivência sem aspecto legal;  a solidão, o narcisismo, a sexualidade vivida comercialmente, a comercialização do corpo, as separações, o divórcio, a queda demográfica, a mentalidade antinatalista;  as novas configurações de famílias, o avanço da biotecnologia, a revolução sexual, a esterilização (feminina e masculina), o aborto, o enfraquecimento da prática religiosa;  a pobreza, a falta de habitação digna, a carência de políticas adequadas voltadas para a família, a precariedade no trabalho;
  • 12. Alguns fenômenos que tocam profundamente a família:  a violência doméstica, o terrorismo, a toxicodependência, a insegurança econômica, dependência televisiva, a dispersão das relações familiares ,o ressentimentos, o ódio nas relações familiares, o enfraquecimento dos vínculos familiares;  a poligamia, mutilação genital, a violência verbal, física e sexual, o abuso sexual, a discriminação, o feminismo, o machismo, a carência afetiva dos filhos, a ideologia de gênero...  O bem da família é decisivo para o bem do mundo e da igreja (N. 31)...  Por isso... a família deve ocupar o centro da atenção missionária da Igreja (N.58).
  • 13. III CAPÍTULO: O OLHAR FIXO EM JESUS: A VOCAÇÃO DA FAMÍLIA (N. 58-88)  Temos desafios no mundo da famílias: é preciso de novo o primeiro anúncio do Evangelho; O matrimônio e a família devem se inspirar e transfigurar-se à luz do anúncio da ternura e do amor que vem do Evangelho; precisamos ver o Cristo Vivo nas famílias deste mundo.  JESUS E AS FAMÍLIAS: Jesus olhou para as mulheres e os homens do seu tempo: encontrou-os com amor e ternura, acompanhou seus passos com verdade, paciência e misericórdia anunciando-lhes o Reino de Deus;  Jesus recupera e realiza plenamente o projeto de vida do Pai em relação ao matrimônio: recupera o dom do matrimônio; repropõe a indissolubilidade, restaura o projeto original de Deus sobre o matrimônio (cf. Mt 19,3-8);  O exemplo de Jesus é paradigmático para a igreja: ele iniciou sua vida pública (Caná da Galiléia), com num banquete de núpcias (cf. Jo 2,1-11);  Jesus compartilhou momentos frequentes de amizade com a família de Lázaro e suas irmãs (cf. Lc 10,3-8); com a família de Pedro (cf. Mt 8,1-); Jesus ouviu o pranto de pais, restituindo a vida aos seus filhos (cf. Mc 5,41; Lc7,14-15).
  • 14. a) O sacramento do matrimônio: não é uma convenção social; é um dom para a santificação e a salvação dos esposos; é uma vocação, sinal do amor entre Cristo e a igreja; é um compromisso que só podem cumprir com ajuda da Graça; é o próprio Cristo (não é uma coisa!), que vem ao encontro dos cônjuges cristãos;  O matrimônio cristão é sinal do amor de Cristo para com a sua Igreja; uma aliança de amor selada com seu sangue na cruz; o matrimônio representa a aliança do filho de Deus com a natureza humana;  Os casais são chamados a responder ao dom de Deus com esforço, criatividade, perseverança, luta diária, oração...  Somente fixando o olhar em Cristo conhecemos profundamente a verdade sobre os relacionamentos humanos; por isso, o matrimônio deve ser visto numa chave cristocêntrica;  DIANTE DAS SITUAÇÕES DIFÍCEIS: é preciso usar o princípio do discernimento. O grau de responsabilidade não é igual para todos os casos;  É preciso evitar juízos que não levam em consideração a complexidade das situações;  É necessário prestar atenção ao modo como as pessoas vivem e sofrem por causa de sua condição.
  • 15. b) A família e a transmissão da vida • O matrimônio é uma comunidade de vida; e o amor conjugal, entre homem e mulher, está ordenado para a fecundidade; • A família é o santuário da vida, o lugar onde a vida é gerada e cuidada; • É tão grande o valor de uma vida humana e é inalienável o direito à vida do bebê inocente, que cresce no ventre de sua mãe; • A família protege a vida em todas as suas fases; a Igreja defende a morte digna, por isso rejeita o abuso terapêutico, a eutanásia, a pena de morte. • Os esposos a quem Deus não concedeu ter filhos podem ter uma vida cheia de sentido (humana e cristãmente); • É preciso rejeitar o impulso de se fechar em si mesmos, pois o amor está sempre aberto à fecundidade;
  • 16. c) A família e a educação dos filhos • A família é o lugar do desafio educativo; os pais são responsáveis pela promoção da educação integral dos seus filhos; a educação é um dever gravíssimo e direito primário dos Pais; • Infelizmente hoje, abriu-se uma fenda entre família e sociedade, o pacto educativo quebrou-se, a aliança entre a sociedade e a família está em crise; • A Igreja é chamada colaborar através da sua ação pastoral adequada ajudando os pais em sua missão educativa. • O Estado deve oferecer um serviço educativo de maneira subsidiária; • Os pais têm direito de escolher o tipo de educação que querem dar aos seus filhos de acordo com suas convicções; • A escola não pode substituir os pais, pois serve de complemento;
  • 17. d) A família e a Igreja  A família é chamada a ser igreja doméstica, a permanecer fiel aos ensinamentos dos Evangelhos;  A família é chamada a amadurecer a experiência eclesial de comunhão entre as pessoas: comunhão, perdão, ternura, amor fraterno...Oração!  A Igreja é família de famílias;  A Igreja é um bem para a família e a família é um bem para a igreja! O amor vivido nas famílias é uma força permanente para vida da igreja.
  • 18. IV CAPÍTULO: O AMOR NO MATRIMÔNIO (N. 89-164)  Neste IV capítulo, o Papa apresenta uma visão teológica do Amor no matrimônio e na família comentando o hino do amor: “O amor é paciente, o amor é prestativo; não é invejoso, não se ostenta, não se incha de orgulho. Nada faz de inconveniente, não procura seu próprio interesse, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se regozija com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” (1Cor 13,4-7).
  • 19. a) A paciência: a paciência não é simplesmente suportar tudo; a paciência não é deixar que os outros nos maltratem, nem tolerar agressões físicas, nem deixar-se tratar como objeto; b) Atitude de serviço: trata-se de uma relação dinâmica e criativa perante a necessidade dos outros; o amor é beneficente, promove os outros; o amor é benfazejo; faz o bem; o amor não é apenas um sentimento, mas é a capacidade de fazer o bem. c) Alegrar com o bem alheio: no amor não há espaço para o desgosto em relação ao outro; a inveja significa tristeza em relação ao bem alheio; quem é invejoso demonstra que não se interessa pela felicidade dos outros; o verdadeiro amor aprecia o sucesso alheio, não o sente como uma ameaça; o amor aprecia sinceramente cada ser humano e lhe reconhece o seu direito à felicidade.  Uma pessoa mostra-se paciente quando não se deixa levar pelos próprios impulsos interiores;  Paciência é não reagir com violência diante da fraqueza dos outros. Faz parte da paciência não deixar- se vencer pelo mal e nem esmorecer na prática do bem.
  • 20. d) O orgulho: o orgulho não combina com o Amor; o orgulho é desejo de glória e de se manifestar superior aos outros, para impressionar; O amor não é arrogante, não se engrandece diante dos outros, mas é sutil; A ciência incha, ao passo que o amor constrói: o amor compreende, cuida, integra, está atento aos fracos; os arrogantes são insuportáveis! e) Amabilidade: o amor não reage de modo rude, de forma inconveniente; o amor não se mostra duro no trato; O amor assume gestos agradáveis: não ásperos, nem rígidos;  A cortesia é uma escola de sensibilidade e altruísmo; ser amável não é um estilo de vida que o cristão possa escolher ou rejeitar, faz parte das exigências do amor; para um verdadeiro encontro com o outro é necessário um olhar amável. Um olhar pessimista, que logo evidencia defeitos, erros e os limites alheios, é prejudicial; Jesus animava as pessoas... Ele dizia: “Coragem filho, os teus seus pecados” (Mt 9,2); “Grande é a tua fé” (Mt5,28); “Levanta-te e anda”(Mc 5,41); “Vai em paz” (Lc 7,50); “Não tenhas medo” (Mt14,27);
  • 21. f) Desprendimento: para amar os outros é preciso amar a si mesmo, todavia o amor não procura seus próprios interesses; é preciso desapego... “Não cuide somente do que é seu, mas também daquilo que é dos outros” (Fl2,4). g) A prática do perdão: significa não levar em conta o mal; Trata-se de assumir uma atitude positiva que procura compreender a fraqueza alheia e encontrar uma desculpa para ela; assim fez Jesus: “Pai perdoa-lhes, eles não sabem o que fazem” (Lc23,34); Para podermos perdoar precisamos passar por uma experiência libertadora; h) Alegrar-se com os outros: O amor se rejubila com a verdade: o amor se alegra com bem do outro, reconhecendo sua dignidade, suas capacidades, suas boas obras; i) O Amor tudo desculpa: o amor não danifica a imagem do outro; não descarrega sentimentos; é preciso cuidar da língua... (cf. Tg 3,6-8); Os esposos devem aprender a falar bem um do outro; O Amor acolhe o que nos incomoda, convive com a imperfeição, desculpa e sabe guardar silêncio perante os limites do ser amado. j) O amor confia: Não é necessário controlar o outro, seguir minuciosamente seus passos, para evitar que fuja dos meus braços; O amor confia, deixa liberdade, renuncia a controlar tudo, a possuir e dominar o outro. ESSAS ATITUDES COMO dinâmica DE CRESCIMENTO sob o impulso da Graça (Deus que Santifica!) É A VIVÊNCIA DA CARIDADE CONJUGAL!
  • 22.  O matrimônio e a virgindade  O amor se expressa de diversos modos e estilos de vida, de acordo com as vocações;  As pessoas que não se casam, consagram sua vida a serviço de Cristo e de seus irmãos. A igreja e a sociedade são enriquecidas pela dedicação deles; o celibato (virgindade) é uma forma de amor; é um dom de Deus (cf. 1Cor 7,7);  Não há superioridade e nem inferioridade entre o matrimônio e o celibato;  As duas vocações são complementares: a virgindade é um sinal escatológico de Cristo ressuscitado e o matrimônio é um sinal histórico para nós que caminhamos na terra, um sinal de Cristo terreno que aceitou unir-se a nós e se deu até o derramamento de sangue;  As pessoas celibatárias são convidadas a viver a sua dedicação ao Reino de Deus com generosidade e disponibilidade.
  • 23. V CAPÍTULO: O AMOR QUE SE TORNA FECUNDO (N.165 -198)  O amor sempre está aberto para acolher uma nova vida, o amor sempre dá vida; a família é o lugar da geração, mas também do acolhimento da vida; Cada nova vida, chega como um presente de Deus;  Os esposos devem ter a liberdade inviolável na responsabilidade da procriação;  Se uma criança chega em circunstâncias não desejadas, os pais e a família devem fazer o possível para aceitá-la como dom de Deus e assumir a responsabilidade de acolhê-la com magnanimidade e carinho;  A cada mulher grávida quero pedir afetuosamente: cuide da sua alegria, que nada lhe tire a alegria interior da maternidade, tua criança merece a tua alegria!  A maternidade colabora com Deus para o milagre de uma nova vida: “Tu me teceste no seio de minha mãe” (Salmo 139,13); “Antes que te formasse no seio de tua mãe, eu te conhecia e antes de saíres do ventre materno, eu te consagrei” (Jr 1,5).
  • 24.  Respeitar a dignidade de uma criança significa afirmar a sua necessidade e o seu direito natural de ter um pai e de ter uma mãe;  Juntos, pai e mãe ensinam o valor da reciprocidade, do encontro de seres diferentes, cada um contribui com sua própria identidade;  CRISE DA PATERNIDADE: hoje sentimos a ausência dos pais, enfraquecimento da presença materna, crise da paternidade;  A crise da paternidade se manifesta de diversos modos: na ausência, na atitude de pai-patrão, no autoritarismo, na prepotência, na dispersão...  É muito importante que o pai esteja próximo à esposa para compartilhar com ela: alegrias, dificuldades e esperança, acompanhando o crescimento dos filhos... Amor de pai e de mãe  Toda criança tem direito de receber o amor de uma mãe e de um pai; ambos necessários para seu amadurecimento íntegro e harmonioso;
  • 25. A família alargada  A maternidade não é uma realidade exclusivamente biológica, mas se expressa de diversas maneiras, como por exemplo: no ato da adoção – adotar é um ato de amor, na abertura indo ao encontro dos abandonados, na luta pela justiça, na manifestação de solidariedade para com os pobres...  Desta forma, a fecundidade do amor se alarga!  A mística do Sacramento do matrimônio tem uma dimensão social;  Participam do amor da família: os pais, tios, primos, vizinhos, sogro, sogra, parentes dos cônjuges...
  • 26. VI CAPÍTULO: ALGUMAS PERSPECTIVAS PASTORAIS (N. 199-258)  É preciso uma evangelização que denuncie os desafios e condicionamentos culturais, sociais, políticos e econômicos da atualidade; deve-se apresentar valores!  A contribuição da Igreja para com a família passa pela pastoral familiar:  A pastoral familiar precisa formar agentes leigos, psicopedagogos... É importante a assessoria de médicos da família, assistentes sociais, advogados de menores e de famílias; acolher a contribuição da psicologia, da sociologia, da sexologia, do aconselhamento de profissionais...  A pastoral familiar deve organizar itinerários e cursos em preparação ao matrimônio considerando as situações emergenciais, a necessidade da orientação espiritual e de orientação nos sacramentos;  É preciso promover a formação mais adequada de presbíteros, diáconos, religiosos, catequistas e ministros;  Os ministros ordenados carecem de uma formação adequada para tratar os problemas complexos atuais da família;  Os seminaristas deveriam ter acesso a uma formação interdisciplinar mais ampla sobre o namoro, matrimônio... Não só doutrina;  É preciso apostar numa formação para promoção do equilíbrio psíquico;  É importante a presença feminina na formação sacerdotal e combinar tempos de vida no seminário e experiência pastoral, contato com as famílias;
  • 27. A preparação dos noivos ao matrimônio  É preciso ajudar os jovens a descobrir o valor e a riqueza do matrimônio através do processo de preparação dos noivos.  É preciso renovar o anúncio do querígma: trata-se de iniciação ao sacramento do matrimônio; é importante promover as famílias missionárias;  É importante recorrer aos recursos da pastoral popular: dia dos namorados (São Valentim); é preciso criatividade dos pastores;  A preparação ao matrimônio não pode ser um simples curso; mas o verdadeiro processo de formação de conscientização ampla.  Os noivos precisam ser conduzidos no processo de preparação para assumirem o matrimônio como vocação;  A pastoral pré-matrimonial deve ser uma pastoral do vínculo, oferendo ajuda aos noivos em vista do amadurecimento no amor, para superar momentos duros; eles precisam de orientação psicológica.
  • 28. A preparação da celebração Tantas vezes, os noivos chegam exaustos à celebração do matrimônio, porque se preocupam com muitas coisas materiais. O processo de preparação ao matrimônio implica também reflexão e aprofundamento da dimensão litúrgica: ― Para compreenderem o significado dos gestos e dos ritos celebrativos; ― Para perceberem o peso teológico e espiritual da promessa de fidelidade para toda a vida; ― Para meditarem sobre as leituras bíblicas e compreenderem melhor seu significado profundo; ― Para lhes favorecer a experiência da oração. Acompanhamento dos primeiros anos de vida matrimonial  A pastoral familiar deve acompanhar os novos casais para que não caiam na ilusão de que já está tudo pronto, acabando com o caminho de crescimento; com o tempo a atração física tende a diminuir;  Encorajar os esposos a serem generosos na comunicação no dia a dia da vida;
  • 29. A paternidade e maternidade responsável  A paternidade e maternidade devem ser escolhas responsáveis; isso pressupõe formação da consciência dos esposos; eles são chamados a recorrer a métodos naturais, programando o número de filhos;  É importante estimular a espiritualidade familiar através da oração, da participação na Eucaristia dominical, da orientação espiritual, da participação em retiros, da leitura Orante da Palavra de Deus;  Os casais são chamados a preservar certos ritos diários: o beijo da manhã, esperar um pelo outro, saída juntos, compartilhar tarefas domésticas, vencer a rotina com a festa...  Nas paróquias promova-se: reuniões de vizinhos, amigos, retiros, conferências, centro de aconselhamento conjugal, formação de missionários e agentes da pastoral familiar, escola de formação, visita às famílias, benção nas casas, retiro para casais...
  • 30. VII CAPÍTULO: REFORÇAR A EDUCAÇÃO DOS FILHOS (N. 259-290)  Os pais incidem sempre, para o bem ou para o mal, no desenvolvimento moral dos seus filhos. É uma responsabilidade complexa.  Educar é gerar processo de amadurecimento da liberdade; educar é promoção do crescimento integral, cultivo de autêntica autonomia.  A educação dos filhos envolve a tarefa de promover a liberdade responsável...  A formação moral deve ser realizada com métodos positivos, diálogo educativo que integra a sensibilidade;  A educação moral e cívica cultiva a liberdade através de propostas, motivações, aplicação de práticas, prêmios, exemplos, modelos, símbolos, reflexões, exortações, lições, modos de agir... A FORMAÇÃO ÉTICA DOS FILHOS  Cabe também aos pais a promoção da formação ética dos seus filhos. A formação moral não pode ser delegada a outros; Faz parte da educação moral o desenvolvimento de hábitos bons... Educar a vontade, cuidar das dependências afetivas;
  • 31.  A educação sexual deve ajudar os jovens a aceitar o próprio corpo de modo que a pessoa não precisa cancelar a diferença sexual porque já não sabe confrontar-se consigo mesma;  Ser masculino e feminino não é uma questão puramente biológica ou genética, para isso concorre uma multiplicidade de elementos... a diferenciação sexual (ser masculino e ou feminino) é uma obra de Deus.  Hoje há uma obsessão que reduz a sexualidade aos órgãos genitais; é preciso não enganar os jovens, a educação sexual deve incluir respeito e valorização pela diferença; o amor se expressa de muitas formas que inclui também o cuidado, a ternura, a comunicação rica de sentido; A educação sexual  A educação sexual deve chegar ao momento apropriado; adequada à fase;
  • 32. A transmissão da Fé  Os pais também têm a responsabilidade da transmissão da fé para seus filhos; a família deve continuar a ser o lugar onde se ensina a perceber as razões e a beleza da fé;  É muito bonito quando as mães ensinam seus filhos, desde pequenos, a rezar, a mandar um beijo a Jesus ou a Nossa Senhora: quanta ternura nisso!  A transmissão da fé pressupõe que os pais vivam uma experiência real de confiança em Deus, que o procuram e precisam Dele.  Os pais são responsáveis pela transmissão da fé a seus filhos: “cada pai há de contar a seus filhos teus gestos de amor sempre fiel” (Isaías 38,19);  As crianças precisam de símbolos, gestos, narrações... É fundamental que os filhos vejam de maneira concreta a experiência de fé e de oração de seus pais.
  • 33. VIII CAPÍTULO: ACOMPANHAR, DISCERNIR E INTEGRAR A FRAGILIDADE N. 291-312) A igreja deve acompanhar  A Igreja é solícita no processo de acompanhamento das famílias, infundindo nelas a confiança e a esperança... Mas há também famílias feridas, e por isso muitas vezes, o trabalho da igreja é semelhante ao de um hospital de campanha;  É preciso usar a lei da gradualidade (processos) na ação pastoral; é preciso uma pastoral misericordiosa, encorajadora, de diálogo, de discernimento...  Hoje muitos preferem a simples convivência por causa da mentalidade geral... É preciso acompanhá-los com paciência e delicadeza como fez Jesus com a mulher samaritana;  A lei da gradualidade, proposta de S. João Paulo II, (Carta Familiaris Consortio, 34) nos diz que o ser humano que tem consciência, conhece e ama, é capaz de cumprir o bem moral, seguindo tapas de crescimento... Fazendo processo!
  • 34.  Os divorciados e recasados não devem se sentir excomungados... Mas podem viver e amadurecer como membros vivos da igreja;  Aos sacerdotes cabe acompanhar, promover o discernimento compreendendo o grau de responsabilidade que não é igual para todos;  A imputabilidade e a responsabilidade de um ato podem ser diminuídas, ou até anuladas, pela ignorância, pela inadvertência, pela violência, pelo medo, pelos hábitos, afeições desordenadas e outros fatores psicossociais;  A caridade fraterna é a primeira lei dos cristão; é a lógica da misericórdia pastoral!  A missão dos pastores é escutar com carinho, acolher o drama das pessoas e compreender seu ponto de vista. A misericórdia não exclui a justiça e a verdade. Discernimento de situações  Aos pastores cabe o discernimento das várias situações; Ninguém deve ser condenado... Somos chamados ao usar a pedagogia divina.  A lógica do acompanhamento requer integração dos casais na vida da comunidade; é necessário distinguir casos;
  • 35. IX CAPÍTULO: A ESPIRITUALIDADE CONJUGAL E FAMILIAR (N. 313-325)  O amor tem matizes diferentes segundo o estado de vida a que cada um foi chamado. A espiritualidade dos leigos deverá assumir características próprias;  A presença do Senhor habita na família real e concreta com seus sofrimentos, lutas, alegrias e propósitos...  Quando se vive em família é difícil fingir e mentir, não podemos mostrar uma máscara; o amor gera autenticidade;  A espiritualidade matrimonial é uma espiritualidade do vínculo habitado pelo amor divino. A comunhão familiar é bem vivida como caminho de santificação na vida diária... Unidos pela Luz da Páscoa  Quando a família se concentra em Cristo, Ele unifica e ilumina toda vida familiar com seus problemas e sofrimentos; assim se evita a ruptura.  A oração em família é um meio privilegiado para exprimir e reforçar a fé Pascal;
  • 36. Espiritualidade da solicitude e da consolação  Os esposos cristãos são cooperadores de Deus... Deus convida os esposos a gerar e a cuidar de toda a vida da família; é um pastoreio misericordioso;  A pessoa amada merece toda atenção; Jesus é modelo: quando dele se aproximava alguém para falar, Jesus olhava-o com amor (cf. Mc 10,21); suscitava no outro a alegria de se sentir amado;  Nenhuma família é uma realidade perfeita, por isso se requer um progressivo amadurecimento na capacidade de amar; Espiritualidade do amor exclusivo  No matrimônio, os esposos vivem o sentido de pertencer plenamente a uma única pessoa, assumindo o desafio e o anseio de envelhecerem juntos;  Cada cônjuge se torna outro sinal e instrumento da proximidade do Senhor: “eu estarei convosco todos os dias, até o fim dos tempos” (Mt 28, 20);
  • 37.  Cada família deve viver constantemente este estímulo:  avancemos famílias!  continuemos a caminhar...  não percamos a esperança por causa dos nossos limites...  não renunciemos a procura da plenitude do amor e nem a comunhão que nos foi prometida. Uma palavra de otimismo e Esperança:
  • 38.  Sagrada Família de Nazaré, tornai também as nossas famílias lugares de comunhão e cenáculos de oração, autênticas escolas do Evangelho e pequenas igrejas domésticas.  Sagrada Família de Nazaré, que nunca mais haja nas famílias episódios de violência, de fechamento e divisão; e quem tiver sido ferido ou escandalizado, seja rapidamente consolado e curado.  Sagrada Família de Nazaré, fazei que todos nos tornemos conscientes do carácter sagrado e inviolável da família e da sua beleza no projeto de Deus. Jesus, Maria e José, ouvi-nos e acolhei a nossa súplica. Amém! Papa Francisco – Ano da Misericórdia, 19 de março de 2016. CONCLUSÃO: ORAÇÃO À SAGRADA FAMÍLIA  Jesus, Maria e José, em vós contemplamos o esplendor do verdadeiro amor e, confiantes, a vós nos consagramos.
  • 39. Obrigado! Deus abençoe nossas Famílias! RESUMO E EDIÇÃO: Antônio de Assis Ribeiro (Pe. Bira) – SDB Email: birasdb@yahoo.com.br • Coordenador da Comissão Nacional da Pastoral Juvenil SDB • Coordenador Inspetorial da Pastoral Juvenil e Vocacional www.isma.org.br