SlideShare uma empresa Scribd logo
1
ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO FERNANDO FERRARI
POESIA INFANTIL NA INTERNET
MORGANA PORTO
Português
Projeto de Poesia Infantil
Campo Bom, 25 de maio de 2012.
2
1. SUMÁRIO
2. DELIMITAÇÃO DO TEMA.........................................................................................02
3. OBJETIVOS...................................................................................................................03
3.1. GERAL........................................................................................................................03
3.2 ESPECÍFICOS..............................................................................................................03
4. JUSTIFICATIVA............................................................................................................03
5. INTRODUÇÃO..............................................................................................................04
6. METODOLOGIA...........................................................................................................05
7. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES............................................................................05
8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS............................................................................05
9. ANEXOS........................................................................................................................06
2. DELIMITAÇÃO DO TEMA
O tema central deste trabalho é analisar a poesia infantil, a sua forma impressa e a sua
forma digital, com o objetivo de comparar as diferenças existentes entre essas duas formas.
Para realizar a análise das diferenças da poesia infantil no papel e na tela, será
realizado um estudo sobre os conceitos de poesia infantil impressa, poesia digital e imagem.
Em seguida, alguns poemas serão analisados tanto na forma impressa quanto na forma digital,
a fim de evidenciar as diferenças entre eles e averiguar de que maneira eles influenciam o
resultado da poesia. Entre alguns poemas escolhidos estão: “Aquarela” de Toquinho e “A
casa” de Vinicius de Moraes.
3
3. OBJETIVOS
3.1 Geral
Analisar a poesia infantil impressa e digital, a fim de comparar as diferenças existentes
entre essas duas formas e averiguar de que maneira essas diferenças alteram o resultado final
da poesia.
3.2 Específicos
 Conceituar poesia infantil, poesia digital e imagem;
 Analisar poesias em versão impressa e digital;
 Comparar as diferenças entre a poesia impressa e a poesia digital;
 Instigar a leitura literária da poesia infantil.
4. JUSTIFICATIVA
O avanço da tecnologia proporciona às crianças e aos jovens um mundo de
possibilidades na tela do computador e uma delas é a leitura. O acesso à web permite à pessoa
conectar-se com o mundo e participar ativamente do meio virtual. Se a internet faz “viajar” e
a poesia é a “viagem”, por que não unir arte poética e mundo digital e usar os recursos da
internet - especialmente os audiovisuais - para fazer o pequeno leitor se encantar com as
cores, as formas, as animações, os sons e os movimentos, e, assim, instigar a leitura literária
da poesia infantil?
A leitura poética envolve a métrica, a rima, o jogo com as palavras, o que faz com que
o leitor se sinta capaz de alcançar o inesperado. A poesia é uma arte sem explicação, sem
justificativa; ela existe para sonhar, inspirar, criar e se apaixonar. Quem não se lembra das
brincadeiras de rodas, das cantigas de ninar, das trava-línguas, experiências inesquecíveis da
infância? É uma pena que esse universo chamado “poesia” não receba a merecida
importância. Por que, enfim, ao chegar a uma certa idade deixamos de lado o mundo da
imaginação infantil?
4
É preciso, em especial nas séries iniciais, quando a criança aprende a ler, incentivar a
leitura poética; esse é o melhor momento de despertar o gosto da criança pela poesia. O texto
poético auxilia a criança a desenvolver-se no mundo em que vive, já que a experiência da
leitura de poemas desenvolve o senso crítico do qual ela precisa para compreender o lugar
onde está inserida. A leitura poética faz isso de maneira única!
Atualmente, existem muitos olhares sobre o conceito de poesia, mas o que se percebe
é que o poema, tanto na forma escrita quanto na forma digital, continua sendo poesia. As
imagens estão presentes no inconsciente do leitor e também na tela do computador, basta dar
uma lida no poema ou simplesmente dar um clique para visualizar a imagem e a partir dela
criar outras.
A internet facilita a aproximação das crianças com a leitura poética, pois elas se
identificam cada vez mais com o meio digital. Esse instrumento possibilita efeitos
diferenciados através de animações audiovisuais, o que reflete um maior entusiasmo por parte
do pequeno leitor, que visa apenas descobrir o poema como forma de brincadeira. Assim,
inconscientemente, os pequeninos desenvolvem, através do lúdico proporcionado pelos
recursos audiovisuais, o gosto pela leitura poética.
5. INTRODUÇÃO
1 Poesia
1.1 O que é poesia infantil?
1.2 O que é poesia digital?
2 Imagem na poesia
2.1 Conceito de imagem
2.2 Imagem nos poemas digitais
3 Poesia impressa e digital
3.1 Poema impresso
3.2 Poema digital
3.3 Comparação e análise entre as diferenças do poema impresso e do poema digital
A poesia é de suma importância para o leitor; é a partir dela que se conhece o mundo
da imaginação e da criatividade. Quem entra em contato com a poesia encontra o essencial
5
perante as coisas simples, ou seja, o poema desperta o lado sensível que a criança tem, pois a
poesia está em tudo.
De acordo com Nelly Novaes Coelho (1981), em seu livro A literatura infantil, a
leitura é o meio que os jovens têm de descobrir o mundo e o meio de formar cidadãos críticos
capazes de refletir sobre a sociedade em que estão inseridos.
(...) a importância da Literatura Infantil, nestes tempos de crise cultural: cumprindo
sua tarefa de alegrar, divertir ou emocionar o espírito de seus pequenos leitores ou
ouvintes, leva-os, de maneira lúdica, fácil, a perceberem e a interrogarem a si
mesmos e ao mundo que os rodeia, orientando seus interesses, suas aspirações, sua
necessidade de auto-afirmação ou de segurança, ao lhes propor objetivos, ideais .
6. METODOLOGIA
Consiste em pesquisa bibliográfica e análise de poemas infantis impressos e poemas
digitais.
7. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES
10/06/2012 – Entrega do Trabalho
8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AGUIAR, Vera (Coord.) ; ASSUMPÇÃO, Simone de (Org.); JACOBY, Sissa (Org.). Poesia
fora da estante. Porto Alegre: Projeto, 2000.
AVERBUCK, Ligia Morrone. A poesia e a escola. In: ZILBERMAN, Regina (Org.). Leitura
em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993, p. 63-
83.
BELEI, Sérgio Luiz Prado. A biblioteca eletrônica e o trauma do fim do livro. In:______. O
livro, a literatura e o computador. São Paulo: EDUC; Florianópolis, SC: UFSC, 2002, p. 9-
42.
BORDINI, Maria da Glória. Poesia infantil. São Paulo: Ática, 1991.
6
CAMARGO, Luís. Livro de imagem: alfabetização visual e narrativa. In: Revista semestral da
associação de leitura do Brasil. Leitura: teoria & prática, São Paulo, ano 10, n. 17, p. 7-23,
Junho, 1991.
CAMPOS, Augusto de; PIGNATARI, Décio; CAMPOS, Haroldo de. Teoria da poesia
concreta: textos críticos e manifestos 1950-1960. São Paulo: brasiliense, [1965 ou 1975].
COELHO, Nelly Novaes. A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova
mentalidade. In:______. A literatura infantil: história, teoria e análise: das origens orientais
ao Brasil de hoje. São Paulo: Quíron; Brasília: INL, 1981, p. 3-10.
______. A poesia destinada às crianças. In:______. A literatura infantil: história, teoria e
análise: das origens orientais ao Brasil de hoje. São Paulo: Quíron; Brasília: INL, 1981,
p.147-170.
CORRÊA, Alamir Aquino (org). Ciberespaço: mistificação e paranóia. Londrina:
Universidade Estadual de Londrina, 2008.
FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo:
Cortez, 1999.
LAJOLO, Marisa. Literatura: leitores & leitura. São Paulo: Moderna, 2001.
LAJOLO, Marisa. Poesia: uma frágil vítima da escola. In:______. Do mundo da leitura para
a leitura do mundo. 6ª edição, 3ª impressão. São Paulo: Ática, 2001, p. 41-51.
LYRA, Pedro. Conceito de poesia. São Paulo: Ática, 1986.
OBERG, Silvia. Como vai a poesia? Uma conversa com mediadores de leitura. In: Tigre
albino:revista de poesia infantil. v.1, n.2, julho, 2008. Disponível em <http:
www.tigrealbino.com.br > Acesso em 12 set. 2008.
TEIXEIRA, Madalena; RETTENMAIER, Miguel. Palavras e imagens: da oralidade ao
hipertexto. In: Tigre albino:revista de poesia infantil. v.1, n.2, julho.2008. Disponível em
<http: www.tigrealbino.com.br > Acesso em 12 set. 2008.
XAVIER, Antônio Carlos dos Santos. Leitura, texto e hipertexto. In: MARCUSHI, Luiz
Antônio; XAVIER, Antônio Carlos dos Santos (orgs). Hipertexto e gêneros digitais: novas
formas de construção do sentido. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004, p. 170-180.
9. ANEXOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Quem conta um conto aumenta um ponto
Quem conta um conto aumenta um pontoQuem conta um conto aumenta um ponto
Quem conta um conto aumenta um ponto
raimundapequeno
 
Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma
Norma Almeida
 
Percurso lit infanto
Percurso lit infantoPercurso lit infanto
Percurso lit infanto
Eneida da Rosa
 
A natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantilA natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantil
Rosemary Batista
 
Literatura infantil brasileira
Literatura infantil brasileiraLiteratura infantil brasileira
Literatura infantil brasileira
Silvana Aranda
 
Sequência as várias faces do amor
Sequência   as várias faces do amorSequência   as várias faces do amor
Sequência as várias faces do amor
Monalisa Barboza
 
Sequência didática 19 (identidade feminina) semestre 2016.2
Sequência didática 19 (identidade feminina) semestre 2016.2Sequência didática 19 (identidade feminina) semestre 2016.2
Sequência didática 19 (identidade feminina) semestre 2016.2
Monalisa Barboza
 
LITERATURA
LITERATURALITERATURA
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitoresA literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
marcia cristina da silva souza
 
IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE LITERATURA INFANTIL E JUVENIL “Celebrando a Lei...
IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE LITERATURA INFANTIL E JUVENIL “Celebrando a Lei...IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE LITERATURA INFANTIL E JUVENIL “Celebrando a Lei...
IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE LITERATURA INFANTIL E JUVENIL “Celebrando a Lei...
Joel E Michelle Schlemper
 
Sequência - LITERATURA MARGINAL
Sequência - LITERATURA MARGINALSequência - LITERATURA MARGINAL
Sequência - LITERATURA MARGINAL
Monalisa Barboza
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
Patrícia Éderson Dias
 
Literatura infantil e juvenil aula2
Literatura  infantil e juvenil   aula2Literatura  infantil e juvenil   aula2
Literatura infantil e juvenil aula2
Carla Karinne Oliveira
 
Artigo “LITERATURA PARA CRIANÇAS E JOVENS E EDUCAÇÃO PELA ARTE” - Bernardett...
Artigo  “LITERATURA PARA CRIANÇAS E JOVENS E EDUCAÇÃO PELA ARTE” - Bernardett...Artigo  “LITERATURA PARA CRIANÇAS E JOVENS E EDUCAÇÃO PELA ARTE” - Bernardett...
Artigo “LITERATURA PARA CRIANÇAS E JOVENS E EDUCAÇÃO PELA ARTE” - Bernardett...
Magda Borges
 
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolarLeitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Ana Paula Cecato
 
A Literatura Infantil na Escola
A Literatura Infantil na EscolaA Literatura Infantil na Escola
A Literatura Infantil na Escola
Universidade do Estado de Minas Gerais
 
O perigo da história unica
O perigo da história unicaO perigo da história unica
O perigo da história unica
André Batista
 
Literatura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativaLiteratura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativa
Ana Paula Cecato
 
A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO
A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDOA REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO
A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO
Gisele Souza
 
Slide seminário
Slide seminárioSlide seminário
Slide seminário
Silvana Menezes
 

Mais procurados (20)

Quem conta um conto aumenta um ponto
Quem conta um conto aumenta um pontoQuem conta um conto aumenta um ponto
Quem conta um conto aumenta um ponto
 
Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma
 
Percurso lit infanto
Percurso lit infantoPercurso lit infanto
Percurso lit infanto
 
A natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantilA natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantil
 
Literatura infantil brasileira
Literatura infantil brasileiraLiteratura infantil brasileira
Literatura infantil brasileira
 
Sequência as várias faces do amor
Sequência   as várias faces do amorSequência   as várias faces do amor
Sequência as várias faces do amor
 
Sequência didática 19 (identidade feminina) semestre 2016.2
Sequência didática 19 (identidade feminina) semestre 2016.2Sequência didática 19 (identidade feminina) semestre 2016.2
Sequência didática 19 (identidade feminina) semestre 2016.2
 
LITERATURA
LITERATURALITERATURA
LITERATURA
 
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitoresA literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
 
IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE LITERATURA INFANTIL E JUVENIL “Celebrando a Lei...
IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE LITERATURA INFANTIL E JUVENIL “Celebrando a Lei...IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE LITERATURA INFANTIL E JUVENIL “Celebrando a Lei...
IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE LITERATURA INFANTIL E JUVENIL “Celebrando a Lei...
 
Sequência - LITERATURA MARGINAL
Sequência - LITERATURA MARGINALSequência - LITERATURA MARGINAL
Sequência - LITERATURA MARGINAL
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
Literatura infantil e juvenil aula2
Literatura  infantil e juvenil   aula2Literatura  infantil e juvenil   aula2
Literatura infantil e juvenil aula2
 
Artigo “LITERATURA PARA CRIANÇAS E JOVENS E EDUCAÇÃO PELA ARTE” - Bernardett...
Artigo  “LITERATURA PARA CRIANÇAS E JOVENS E EDUCAÇÃO PELA ARTE” - Bernardett...Artigo  “LITERATURA PARA CRIANÇAS E JOVENS E EDUCAÇÃO PELA ARTE” - Bernardett...
Artigo “LITERATURA PARA CRIANÇAS E JOVENS E EDUCAÇÃO PELA ARTE” - Bernardett...
 
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolarLeitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
 
A Literatura Infantil na Escola
A Literatura Infantil na EscolaA Literatura Infantil na Escola
A Literatura Infantil na Escola
 
O perigo da história unica
O perigo da história unicaO perigo da história unica
O perigo da história unica
 
Literatura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativaLiteratura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativa
 
A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO
A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDOA REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO
A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO
 
Slide seminário
Slide seminárioSlide seminário
Slide seminário
 

Semelhante a Exemplo trabalho

Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
marinaldaaraujo
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
prof.aldemir2010
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
prof.aldemir2010
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
prof.aldemir2010
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
prof.aldemir2010
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
prof.aldemir2010
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
prof.aldemir2010
 
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENILCRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENIL
prof.aldemir2010
 
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENILCRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENIL
prof.aldemir2010
 
E-book Permita Que Eu Fale Vol.II.pdf
E-book Permita Que Eu Fale Vol.II.pdfE-book Permita Que Eu Fale Vol.II.pdf
E-book Permita Que Eu Fale Vol.II.pdf
PermitaQueEuFale
 
Atps lite (2)
Atps lite (2)Atps lite (2)
Atps lite (2)
Hosana Souza
 
projeto; Era uma vez... As creches no mundo da imaginação.pdf
projeto; Era uma vez... As creches no mundo da imaginação.pdfprojeto; Era uma vez... As creches no mundo da imaginação.pdf
projeto; Era uma vez... As creches no mundo da imaginação.pdf
Emiliamarques
 
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Projeto Oficina de Pintura
 
Pnaic infancia criança
Pnaic infancia criançaPnaic infancia criança
Pnaic infancia criança
Claudio Pessoa
 
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Nuno Quaresma
 
Técnicas em artes visuais
Técnicas em artes visuaisTécnicas em artes visuais
Técnicas em artes visuais
Cris Akemi
 
Em busca de escritores
Em busca de escritoresEm busca de escritores
Em busca de escritores
Katia Cristina
 
Newsletter março (2)
Newsletter março (2)Newsletter março (2)
Newsletter março (2)
mfsdias
 
Brincando-com-poesias_Guia (1) slide em foco
Brincando-com-poesias_Guia (1) slide em focoBrincando-com-poesias_Guia (1) slide em foco
Brincando-com-poesias_Guia (1) slide em foco
Jhany2
 
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina AbibCom quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
institutobrincante
 

Semelhante a Exemplo trabalho (20)

Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENILCRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENIL
 
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENILCRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENIL
 
E-book Permita Que Eu Fale Vol.II.pdf
E-book Permita Que Eu Fale Vol.II.pdfE-book Permita Que Eu Fale Vol.II.pdf
E-book Permita Que Eu Fale Vol.II.pdf
 
Atps lite (2)
Atps lite (2)Atps lite (2)
Atps lite (2)
 
projeto; Era uma vez... As creches no mundo da imaginação.pdf
projeto; Era uma vez... As creches no mundo da imaginação.pdfprojeto; Era uma vez... As creches no mundo da imaginação.pdf
projeto; Era uma vez... As creches no mundo da imaginação.pdf
 
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
 
Pnaic infancia criança
Pnaic infancia criançaPnaic infancia criança
Pnaic infancia criança
 
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
 
Técnicas em artes visuais
Técnicas em artes visuaisTécnicas em artes visuais
Técnicas em artes visuais
 
Em busca de escritores
Em busca de escritoresEm busca de escritores
Em busca de escritores
 
Newsletter março (2)
Newsletter março (2)Newsletter março (2)
Newsletter março (2)
 
Brincando-com-poesias_Guia (1) slide em foco
Brincando-com-poesias_Guia (1) slide em focoBrincando-com-poesias_Guia (1) slide em foco
Brincando-com-poesias_Guia (1) slide em foco
 
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina AbibCom quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
 

Último

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 

Último (20)

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 

Exemplo trabalho

  • 1. 1 ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO FERNANDO FERRARI POESIA INFANTIL NA INTERNET MORGANA PORTO Português Projeto de Poesia Infantil Campo Bom, 25 de maio de 2012.
  • 2. 2 1. SUMÁRIO 2. DELIMITAÇÃO DO TEMA.........................................................................................02 3. OBJETIVOS...................................................................................................................03 3.1. GERAL........................................................................................................................03 3.2 ESPECÍFICOS..............................................................................................................03 4. JUSTIFICATIVA............................................................................................................03 5. INTRODUÇÃO..............................................................................................................04 6. METODOLOGIA...........................................................................................................05 7. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES............................................................................05 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS............................................................................05 9. ANEXOS........................................................................................................................06 2. DELIMITAÇÃO DO TEMA O tema central deste trabalho é analisar a poesia infantil, a sua forma impressa e a sua forma digital, com o objetivo de comparar as diferenças existentes entre essas duas formas. Para realizar a análise das diferenças da poesia infantil no papel e na tela, será realizado um estudo sobre os conceitos de poesia infantil impressa, poesia digital e imagem. Em seguida, alguns poemas serão analisados tanto na forma impressa quanto na forma digital, a fim de evidenciar as diferenças entre eles e averiguar de que maneira eles influenciam o resultado da poesia. Entre alguns poemas escolhidos estão: “Aquarela” de Toquinho e “A casa” de Vinicius de Moraes.
  • 3. 3 3. OBJETIVOS 3.1 Geral Analisar a poesia infantil impressa e digital, a fim de comparar as diferenças existentes entre essas duas formas e averiguar de que maneira essas diferenças alteram o resultado final da poesia. 3.2 Específicos  Conceituar poesia infantil, poesia digital e imagem;  Analisar poesias em versão impressa e digital;  Comparar as diferenças entre a poesia impressa e a poesia digital;  Instigar a leitura literária da poesia infantil. 4. JUSTIFICATIVA O avanço da tecnologia proporciona às crianças e aos jovens um mundo de possibilidades na tela do computador e uma delas é a leitura. O acesso à web permite à pessoa conectar-se com o mundo e participar ativamente do meio virtual. Se a internet faz “viajar” e a poesia é a “viagem”, por que não unir arte poética e mundo digital e usar os recursos da internet - especialmente os audiovisuais - para fazer o pequeno leitor se encantar com as cores, as formas, as animações, os sons e os movimentos, e, assim, instigar a leitura literária da poesia infantil? A leitura poética envolve a métrica, a rima, o jogo com as palavras, o que faz com que o leitor se sinta capaz de alcançar o inesperado. A poesia é uma arte sem explicação, sem justificativa; ela existe para sonhar, inspirar, criar e se apaixonar. Quem não se lembra das brincadeiras de rodas, das cantigas de ninar, das trava-línguas, experiências inesquecíveis da infância? É uma pena que esse universo chamado “poesia” não receba a merecida importância. Por que, enfim, ao chegar a uma certa idade deixamos de lado o mundo da imaginação infantil?
  • 4. 4 É preciso, em especial nas séries iniciais, quando a criança aprende a ler, incentivar a leitura poética; esse é o melhor momento de despertar o gosto da criança pela poesia. O texto poético auxilia a criança a desenvolver-se no mundo em que vive, já que a experiência da leitura de poemas desenvolve o senso crítico do qual ela precisa para compreender o lugar onde está inserida. A leitura poética faz isso de maneira única! Atualmente, existem muitos olhares sobre o conceito de poesia, mas o que se percebe é que o poema, tanto na forma escrita quanto na forma digital, continua sendo poesia. As imagens estão presentes no inconsciente do leitor e também na tela do computador, basta dar uma lida no poema ou simplesmente dar um clique para visualizar a imagem e a partir dela criar outras. A internet facilita a aproximação das crianças com a leitura poética, pois elas se identificam cada vez mais com o meio digital. Esse instrumento possibilita efeitos diferenciados através de animações audiovisuais, o que reflete um maior entusiasmo por parte do pequeno leitor, que visa apenas descobrir o poema como forma de brincadeira. Assim, inconscientemente, os pequeninos desenvolvem, através do lúdico proporcionado pelos recursos audiovisuais, o gosto pela leitura poética. 5. INTRODUÇÃO 1 Poesia 1.1 O que é poesia infantil? 1.2 O que é poesia digital? 2 Imagem na poesia 2.1 Conceito de imagem 2.2 Imagem nos poemas digitais 3 Poesia impressa e digital 3.1 Poema impresso 3.2 Poema digital 3.3 Comparação e análise entre as diferenças do poema impresso e do poema digital A poesia é de suma importância para o leitor; é a partir dela que se conhece o mundo da imaginação e da criatividade. Quem entra em contato com a poesia encontra o essencial
  • 5. 5 perante as coisas simples, ou seja, o poema desperta o lado sensível que a criança tem, pois a poesia está em tudo. De acordo com Nelly Novaes Coelho (1981), em seu livro A literatura infantil, a leitura é o meio que os jovens têm de descobrir o mundo e o meio de formar cidadãos críticos capazes de refletir sobre a sociedade em que estão inseridos. (...) a importância da Literatura Infantil, nestes tempos de crise cultural: cumprindo sua tarefa de alegrar, divertir ou emocionar o espírito de seus pequenos leitores ou ouvintes, leva-os, de maneira lúdica, fácil, a perceberem e a interrogarem a si mesmos e ao mundo que os rodeia, orientando seus interesses, suas aspirações, sua necessidade de auto-afirmação ou de segurança, ao lhes propor objetivos, ideais . 6. METODOLOGIA Consiste em pesquisa bibliográfica e análise de poemas infantis impressos e poemas digitais. 7. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES 10/06/2012 – Entrega do Trabalho 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AGUIAR, Vera (Coord.) ; ASSUMPÇÃO, Simone de (Org.); JACOBY, Sissa (Org.). Poesia fora da estante. Porto Alegre: Projeto, 2000. AVERBUCK, Ligia Morrone. A poesia e a escola. In: ZILBERMAN, Regina (Org.). Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993, p. 63- 83. BELEI, Sérgio Luiz Prado. A biblioteca eletrônica e o trauma do fim do livro. In:______. O livro, a literatura e o computador. São Paulo: EDUC; Florianópolis, SC: UFSC, 2002, p. 9- 42. BORDINI, Maria da Glória. Poesia infantil. São Paulo: Ática, 1991.
  • 6. 6 CAMARGO, Luís. Livro de imagem: alfabetização visual e narrativa. In: Revista semestral da associação de leitura do Brasil. Leitura: teoria & prática, São Paulo, ano 10, n. 17, p. 7-23, Junho, 1991. CAMPOS, Augusto de; PIGNATARI, Décio; CAMPOS, Haroldo de. Teoria da poesia concreta: textos críticos e manifestos 1950-1960. São Paulo: brasiliense, [1965 ou 1975]. COELHO, Nelly Novaes. A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade. In:______. A literatura infantil: história, teoria e análise: das origens orientais ao Brasil de hoje. São Paulo: Quíron; Brasília: INL, 1981, p. 3-10. ______. A poesia destinada às crianças. In:______. A literatura infantil: história, teoria e análise: das origens orientais ao Brasil de hoje. São Paulo: Quíron; Brasília: INL, 1981, p.147-170. CORRÊA, Alamir Aquino (org). Ciberespaço: mistificação e paranóia. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2008. FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1999. LAJOLO, Marisa. Literatura: leitores & leitura. São Paulo: Moderna, 2001. LAJOLO, Marisa. Poesia: uma frágil vítima da escola. In:______. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. 6ª edição, 3ª impressão. São Paulo: Ática, 2001, p. 41-51. LYRA, Pedro. Conceito de poesia. São Paulo: Ática, 1986. OBERG, Silvia. Como vai a poesia? Uma conversa com mediadores de leitura. In: Tigre albino:revista de poesia infantil. v.1, n.2, julho, 2008. Disponível em <http: www.tigrealbino.com.br > Acesso em 12 set. 2008. TEIXEIRA, Madalena; RETTENMAIER, Miguel. Palavras e imagens: da oralidade ao hipertexto. In: Tigre albino:revista de poesia infantil. v.1, n.2, julho.2008. Disponível em <http: www.tigrealbino.com.br > Acesso em 12 set. 2008. XAVIER, Antônio Carlos dos Santos. Leitura, texto e hipertexto. In: MARCUSHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio Carlos dos Santos (orgs). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção do sentido. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004, p. 170-180. 9. ANEXOS