SlideShare uma empresa Scribd logo
Egoismo
                        s   Será uma virtude?
s   “Cuida do #1—
    e não existe #2”
s




02-06-12          (c) CEFi MH                   1
Variantes do Egoismo
s   Ambivalência do amor-próprio
s   Egoismo Pessoal
    "Vou agir apenas em meu próprio interesse, e 
    os outros que façam o que quiserem.“
s   Egoismo Individualista
    “Todos deveriam agir no meu próprio 
     interesse.”
s   Egoismo Universalista
    “Cada indivíduo deve agir em seu próprio 
    interesse.”
02-06-12              (c) CEFi MH               2
Argumentos
Existem três argumentos principais a
  favor do egoismo:
s 1 Altruismo, a dedicação aos outros,
  é humilhante.
s 2 Agir egoistamente, se cada um
  cuidar de si, torna o mundo melhor.
s 3 Não faz grande diferença pensar
  nos outros; é preciso mudar um
  pouco para que tudo fique na mesma
02-06-12        (c) CEFi MH            3
1. O altruismo é humilhante
Friedrich Nietzsche 
argumentou que o 
altruísmo é humilhante, 
pois significa que os 
outros são mais 
importantes 
do que nós. É o que ele 
chama a “moral de 
escravos”…
Nietzsche considerava 
que isso era rebaixar-
se, valorizando-se o eu 
menos do que o outro. 
 02-06-12           (c) CEFi MH       4
2. Agir egoistamente torna o
                         mundo melhor.
Egoistas dizem que se cada pessoa
 cuidasse de si mesma, o resultado
 conjunto seria tornar o mundo melhor
     – Motivo Conhecimento: Cada pessoa é que
       sabe do que mais lhe convém
     – Motivo Moral: Ajudar os outros torna-os
       dependentes, o que acaba por os prejudicar
Nota de Resposta: Esta justificação apela a
 princípios utilitários e não egoístas.



02-06-12               (c) CEFi MH                  5
3. Não faz grande diferença pensar nos
                               outros.
                                      .
s   Este argumento diz que as pessoas já agem de
    modo egoísta (egoísmo psicológico) mas fingem
    ser altruístas.
    Se o egoísmo psicológico é verdade, então
    devemos acabar com a nossa hipocrisia.

    RESPOSTA : O egoísmo não faz grande diferença
    num mundo de adultos, mas num mundo com
    crianças, idosos, pessoas em risco ou com
    necessidades, o egoísmo aumentaria ainda mais
    os riscos e as carências dessas pessoas.


02-06-12              (c) CEFi MH                   6
Críticas ao Egoísmo
s   Não pode ser universalizado, válido
    para todos
s   Supõe um mundo de estranhos e
    indiferentes uns aos outros.
s   Torna quase impossível imaginar o
    amor ou a amizade.
s   Parece não ter sensibilidade moral,
    ou seja,preocupação com sofrimento
    alheio.
02-06-12          (c) CEFi MH         7
Universalizar o Egoismo
s   PERGUNTA. O egoista pode querer que
    todos os outros sigam as recomendações
    do seu egoísmo?
    – SIM. É do interesse das empresas ser egoista
      e agir para servir os seus interesses.
      Optimizar a produção….
    – SIM. Jesse Kalin diz que no desporto nós
      universalizamos o egoísmo: queremos sempre
      ganhar, mesmo que nossos opositores se
      esforcem . Expetativas artificiais!
    – NÃO. cristiano Ronaldo ou Mourinho não
      servem para modelos morais porque na vida
      não se ganha sempre; só servem para a
      estúpida publicidade dos bancos)
02-06-12              (c) CEFi MH                8
Egoismo e Amizade

s   Os egoístas podem ser bons
    amigos?
     Se a amizade implica estar preocupado
     com as outras pessoas para o bem
     próprio, isso está fora do alcance do
     egoísta. Dois egoístas não podem ser
     amigos porque a amizade implica partilha
     Mas os egoístas podem ajudar os seus
     amigos se acreditarem que há uma
     recompensa a longo prazo.
02-06-12            (c) CEFi MH             9
Egoismo e
                  Sensibilidade Moral
s   O egoista pode sentir o sofrimento
    alheio?
s   A sensibilidade moral preocupa-se
    com as outras pessoas para nosso
    próprio bem.
    A sensibilidade Moral pressupõe que
    o sofrimento dos outros exerce
    influência moral sobre o indivíduo,
    algo que o egoísta não reconhece.
02-06-12          (c) CEFi MH         10
Que verdade há no Egoísmo?
s   1. Às vezes, o interesse disfarça-se de
    altruísmo, hipocrisia, fachada. A ética
    não deve negar a importância do auto-
    interesse. O amor-próprio é uma
    virtude, uma qualidade, mas não é a
    única virtude…
    2. O erro do egoísmo não é dizer que
    devemos cuidar do nosso interesse. O
    erro é considerar essa parte da vida
    moral como sendo toda a vida moral...
    02-06-12           (c) CEFi MH        11
s O ideal seria 
 procurarmos          Egoismo, Altruismo, e
 uma sociedade em que                     o Mundo Ideal
 convergem o auto-
                                                                       Aristóteles
 interesse e respeito para 
 os outros -zona verde.                                                   e Locke
                                     Kant                    “Interesse esclarecido”
 Egoísmo à custa dos  Respeito pelo dever
                                                 Altruismo
 outros e altruísmo em                            Superior
 detrimento do auto-
 interesse criam relações                                Convergência
 em que a bondade e                   Altruismo           de interesse
                                   auto-sacrificio       pessoal e dos
 a auto-estima se                                             outros
 excluem mutuamente -  Egoismo                                             Egoismo
 zona amarela.            inferior                                          Superior
 Ninguém quer a zona                Sem beneficios          Interesse
 vermelha, que tanto é                nem para si         à custa dos
                                      nem para os             outros
 contra o auto                           outros
 interesse como contra o                         Altruismo
 respeito pelos outros.     Droga, Adições,        inferior
                                                                          Hobbes
                                     Alcoolismo, etc.           todos contra todos,
  02-06-12                          (c) CEFi MH                                12

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hegel
HegelHegel
Períodos históricos da filosofia
Períodos históricos da filosofiaPeríodos históricos da filosofia
Períodos históricos da filosofia
Tarabai
 
1 filosofia e ética
1 filosofia e ética1 filosofia e ética
1 filosofia e ética
Israel serique
 
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia MedievalFilosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
Diego Bian Filo Moreira
 
Ética Platão
Ética PlatãoÉtica Platão
Ética Platão
João Paulo Rodrigues
 
A ética objetivista
A ética objetivistaA ética objetivista
A ética objetivista
Fênix Felipe
 
1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica
Daniele Rubim
 
ética aristotélica
ética aristotélicaética aristotélica
ética aristotélica
marifonseca
 
Schopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracionalSchopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracional
Colégio Nova Geração COC
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
Edirlene Fraga
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Estude Mais
 
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul SartreFilosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Juliana Corvino de Araújo
 
Filosofia: o racionalismo de Espinosa
Filosofia: o racionalismo de EspinosaFilosofia: o racionalismo de Espinosa
Filosofia: o racionalismo de Espinosa
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
Maira Alves
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Isabella Silva
 
O anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistasO anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistas
alinesantana1422
 
37041549 a-liberdade-segundo-jean-paul-sartre
37041549 a-liberdade-segundo-jean-paul-sartre37041549 a-liberdade-segundo-jean-paul-sartre
37041549 a-liberdade-segundo-jean-paul-sartre
Adriano Machado
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
Mendo Henriques
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Turma Olímpica
 
Kant
KantKant

Mais procurados (20)

Hegel
HegelHegel
Hegel
 
Períodos históricos da filosofia
Períodos históricos da filosofiaPeríodos históricos da filosofia
Períodos históricos da filosofia
 
1 filosofia e ética
1 filosofia e ética1 filosofia e ética
1 filosofia e ética
 
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia MedievalFilosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
 
Ética Platão
Ética PlatãoÉtica Platão
Ética Platão
 
A ética objetivista
A ética objetivistaA ética objetivista
A ética objetivista
 
1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica
 
ética aristotélica
ética aristotélicaética aristotélica
ética aristotélica
 
Schopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracionalSchopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracional
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul SartreFilosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
 
Filosofia: o racionalismo de Espinosa
Filosofia: o racionalismo de EspinosaFilosofia: o racionalismo de Espinosa
Filosofia: o racionalismo de Espinosa
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
O anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistasO anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistas
 
37041549 a-liberdade-segundo-jean-paul-sartre
37041549 a-liberdade-segundo-jean-paul-sartre37041549 a-liberdade-segundo-jean-paul-sartre
37041549 a-liberdade-segundo-jean-paul-sartre
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
 
Kant
KantKant
Kant
 

Destaque

Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
Universidade Católica Portuguesa
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de Kant
Jorge Lopes
 
Ética e Deontologia
Ética e DeontologiaÉtica e Deontologia
Ética e Deontologia
Alfredo Garcia
 
éTica e moral
éTica e moral éTica e moral
éTica e moral
Julia Martins
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
Luis De Sousa Rodrigues
 
Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02
Helena Serrão
 
Emotivismo
EmotivismoEmotivismo
Emotivismo
Bruno Pedro
 
Peregrinações
PeregrinaçõesPeregrinações
Peregrinações
Shorty Mareia
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
Filazambuja
 
A necessidade de fundamentação da moral introdução
A necessidade de fundamentação da moral   introduçãoA necessidade de fundamentação da moral   introdução
A necessidade de fundamentação da moral introdução
Luis De Sousa Rodrigues
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
António Daniel
 
éTica, direito e política
éTica, direito e políticaéTica, direito e política
éTica, direito e política
Filazambuja
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo Moral
Jorge Lopes
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
Filipe Prado
 
Filosofia 4
Filosofia 4Filosofia 4
Diferença entre moral e ética
Diferença entre moral e éticaDiferença entre moral e ética
Diferença entre moral e ética
Karla Carioca
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Marcela Marangon Ribeiro
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
Secretaria da Educação
 
Uma discussão moral sobre o altruísmo
Uma discussão moral sobre o altruísmoUma discussão moral sobre o altruísmo
Uma discussão moral sobre o altruísmo
Carlos Nepomuceno (Nepô)
 

Destaque (20)

Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de Kant
 
Ética e Deontologia
Ética e DeontologiaÉtica e Deontologia
Ética e Deontologia
 
éTica e moral
éTica e moral éTica e moral
éTica e moral
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02
 
Emotivismo
EmotivismoEmotivismo
Emotivismo
 
Peregrinações
PeregrinaçõesPeregrinações
Peregrinações
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
 
A necessidade de fundamentação da moral introdução
A necessidade de fundamentação da moral   introduçãoA necessidade de fundamentação da moral   introdução
A necessidade de fundamentação da moral introdução
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
éTica, direito e política
éTica, direito e políticaéTica, direito e política
éTica, direito e política
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo Moral
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
 
Filosofia 4
Filosofia 4Filosofia 4
Filosofia 4
 
Diferença entre moral e ética
Diferença entre moral e éticaDiferença entre moral e ética
Diferença entre moral e ética
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
Uma discussão moral sobre o altruísmo
Uma discussão moral sobre o altruísmoUma discussão moral sobre o altruísmo
Uma discussão moral sobre o altruísmo
 

Semelhante a Etico egoismo

Prova cultura2010
Prova cultura2010Prova cultura2010
Prova cultura2010
Alini Teixeira
 
EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...
EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...
EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...
AntonioCesarBurnat1
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
Helena Serrão
 
Atividades- Crônica Empatia.docx
Atividades- Crônica Empatia.docxAtividades- Crônica Empatia.docx
Atividades- Crônica Empatia.docx
CreusaRosa
 
Você pode amar seus inimigos? (Portuguese)
Você pode amar seus inimigos? (Portuguese)Você pode amar seus inimigos? (Portuguese)
Você pode amar seus inimigos? (Portuguese)
Hitoshi Tsuchiyama
 
Individualismo
IndividualismoIndividualismo
Uma outra história da humanidade
Uma outra história da humanidadeUma outra história da humanidade
Uma outra história da humanidade
Paulo Freitas de Barros
 

Semelhante a Etico egoismo (7)

Prova cultura2010
Prova cultura2010Prova cultura2010
Prova cultura2010
 
EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...
EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...
EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Atividades- Crônica Empatia.docx
Atividades- Crônica Empatia.docxAtividades- Crônica Empatia.docx
Atividades- Crônica Empatia.docx
 
Você pode amar seus inimigos? (Portuguese)
Você pode amar seus inimigos? (Portuguese)Você pode amar seus inimigos? (Portuguese)
Você pode amar seus inimigos? (Portuguese)
 
Individualismo
IndividualismoIndividualismo
Individualismo
 
Uma outra história da humanidade
Uma outra história da humanidadeUma outra história da humanidade
Uma outra história da humanidade
 

Último

Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 

Último (20)

Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 

Etico egoismo

  • 1. Egoismo s Será uma virtude? s “Cuida do #1— e não existe #2” s 02-06-12 (c) CEFi MH 1
  • 2. Variantes do Egoismo s Ambivalência do amor-próprio s Egoismo Pessoal "Vou agir apenas em meu próprio interesse, e  os outros que façam o que quiserem.“ s Egoismo Individualista “Todos deveriam agir no meu próprio  interesse.” s Egoismo Universalista “Cada indivíduo deve agir em seu próprio  interesse.” 02-06-12 (c) CEFi MH 2
  • 3. Argumentos Existem três argumentos principais a favor do egoismo: s 1 Altruismo, a dedicação aos outros, é humilhante. s 2 Agir egoistamente, se cada um cuidar de si, torna o mundo melhor. s 3 Não faz grande diferença pensar nos outros; é preciso mudar um pouco para que tudo fique na mesma 02-06-12 (c) CEFi MH 3
  • 4. 1. O altruismo é humilhante Friedrich Nietzsche  argumentou que o  altruísmo é humilhante,  pois significa que os  outros são mais  importantes  do que nós. É o que ele  chama a “moral de  escravos”… Nietzsche considerava  que isso era rebaixar- se, valorizando-se o eu  menos do que o outro.  02-06-12 (c) CEFi MH 4
  • 5. 2. Agir egoistamente torna o mundo melhor. Egoistas dizem que se cada pessoa cuidasse de si mesma, o resultado conjunto seria tornar o mundo melhor – Motivo Conhecimento: Cada pessoa é que sabe do que mais lhe convém – Motivo Moral: Ajudar os outros torna-os dependentes, o que acaba por os prejudicar Nota de Resposta: Esta justificação apela a princípios utilitários e não egoístas. 02-06-12 (c) CEFi MH 5
  • 6. 3. Não faz grande diferença pensar nos outros. . s Este argumento diz que as pessoas já agem de modo egoísta (egoísmo psicológico) mas fingem ser altruístas. Se o egoísmo psicológico é verdade, então devemos acabar com a nossa hipocrisia. RESPOSTA : O egoísmo não faz grande diferença num mundo de adultos, mas num mundo com crianças, idosos, pessoas em risco ou com necessidades, o egoísmo aumentaria ainda mais os riscos e as carências dessas pessoas. 02-06-12 (c) CEFi MH 6
  • 7. Críticas ao Egoísmo s Não pode ser universalizado, válido para todos s Supõe um mundo de estranhos e indiferentes uns aos outros. s Torna quase impossível imaginar o amor ou a amizade. s Parece não ter sensibilidade moral, ou seja,preocupação com sofrimento alheio. 02-06-12 (c) CEFi MH 7
  • 8. Universalizar o Egoismo s PERGUNTA. O egoista pode querer que todos os outros sigam as recomendações do seu egoísmo? – SIM. É do interesse das empresas ser egoista e agir para servir os seus interesses. Optimizar a produção…. – SIM. Jesse Kalin diz que no desporto nós universalizamos o egoísmo: queremos sempre ganhar, mesmo que nossos opositores se esforcem . Expetativas artificiais! – NÃO. cristiano Ronaldo ou Mourinho não servem para modelos morais porque na vida não se ganha sempre; só servem para a estúpida publicidade dos bancos) 02-06-12 (c) CEFi MH 8
  • 9. Egoismo e Amizade s Os egoístas podem ser bons amigos? Se a amizade implica estar preocupado com as outras pessoas para o bem próprio, isso está fora do alcance do egoísta. Dois egoístas não podem ser amigos porque a amizade implica partilha Mas os egoístas podem ajudar os seus amigos se acreditarem que há uma recompensa a longo prazo. 02-06-12 (c) CEFi MH 9
  • 10. Egoismo e Sensibilidade Moral s O egoista pode sentir o sofrimento alheio? s A sensibilidade moral preocupa-se com as outras pessoas para nosso próprio bem. A sensibilidade Moral pressupõe que o sofrimento dos outros exerce influência moral sobre o indivíduo, algo que o egoísta não reconhece. 02-06-12 (c) CEFi MH 10
  • 11. Que verdade há no Egoísmo? s 1. Às vezes, o interesse disfarça-se de altruísmo, hipocrisia, fachada. A ética não deve negar a importância do auto- interesse. O amor-próprio é uma virtude, uma qualidade, mas não é a única virtude… 2. O erro do egoísmo não é dizer que devemos cuidar do nosso interesse. O erro é considerar essa parte da vida moral como sendo toda a vida moral... 02-06-12 (c) CEFi MH 11
  • 12. s O ideal seria  procurarmos  Egoismo, Altruismo, e uma sociedade em que  o Mundo Ideal convergem o auto- Aristóteles interesse e respeito para  os outros -zona verde. e Locke Kant “Interesse esclarecido” Egoísmo à custa dos  Respeito pelo dever Altruismo outros e altruísmo em  Superior detrimento do auto- interesse criam relações  Convergência em que a bondade e  Altruismo de interesse auto-sacrificio pessoal e dos a auto-estima se  outros excluem mutuamente -  Egoismo Egoismo zona amarela. inferior Superior Ninguém quer a zona  Sem beneficios Interesse vermelha, que tanto é  nem para si à custa dos nem para os outros contra o auto  outros interesse como contra o  Altruismo respeito pelos outros. Droga, Adições, inferior Hobbes Alcoolismo, etc. todos contra todos, 02-06-12 (c) CEFi MH 12