SlideShare uma empresa Scribd logo
DOI: 10.5433/1981-8920.2017v22n2p389
* Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade
Federal de Minas Gerais (UFMG). E-mail: ilemar.berti@gmail.com.br
** Doutor em Ciências da Informação. Docente do Programa em Ciência da Informação da
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). E-mail: casal@eci.ufmg.br
Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017.
http:www.uel.br/revistas/informacao/
389
ESTUDOS DE USUÁRIOS E PRÁTICAS
INFORMACIONAIS: DO QUE ESTAMOS
FALANDO?
ESTUDIOS DE USUARIOS Y PRÁCTICAS
INFORMACIONALES: ¿DE QUÉ SE TRATA?
Ilemar Christina Lansoni Wey Berti*
Carlos Alberto Ávila Araújo**
RESUMO:
Introdução: O trabalho apresenta uma breve discussão acerca das diferenciações
entre estudos de Comportamento informacional e Práticas informacionais presentes no
campo de estudos de usuários de informação. Objetivo: Refletir sobre a relação das
Práticas informacionais com o campo de Usuários da informação e propor uma análise
das perguntas que as temáticas abordam e como abordam com base na Teoria social.
Metodologia: Recuperam-se alguns pontos da história do desenvolvimento do campo
e a influência da Teoria social para compreensão das Práticas informacionais,
relacionadas à formação do conhecimento e a reciprocidade das ações na sua
constituição. Resultados: Ressalta a importância da construção das significações
para compreensão das necessidades, busca e uso da informação em diferentes
contextos. Conclusões: As Práticas informacionais abordam as ações e significações
dos sujeitos informacionais, uma perspectiva social da informação presente nos
estudos de usuários.
Palavras-chave: Estudos de usuários. Práticas informacionais. Teoria social.
Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo
Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando?
Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017.
http:www.uel.br/revistas/informacao/
390
1 INTRODUÇÃO
A pertinência deste ensaio justifica-se pelo constante impasse nos
estudos de usuários da informação marcados pela distinção entre os estudos
de Comportamento informacional e os estudos de Práticas informacionais.
Localizados por diferenças no campo da teoria social e, por conseguinte, o
fazer metodológico, o conceito de cultura de Geertz (1926-2006) e o conceito
de “reciprocidade de perspectivas” de Schutz (1899-1959) podem contribuir
para responder a evidente proposição em responder questões diversas para os
estudos de usuários, concentradas nas estruturas sociais do conhecimento.
Compreender como e por que as pessoas buscam informação é questão
norteadora. Numa perspectiva, a investigação se concentra em como as
pessoas interpretam uma determinada informação em situação específica, em
outra, a importância está fundamentada em como as pessoas agem com a
informação no cotidiano de suas ações, ou seja, no contexto social e cultural,
dentro da visão micro e macrossociológica, de ação recíproca.
2 ESTUDOS DE USUÁRIOS
Para compreender as diferenças, é preciso conhecer a história do
desenvolvimento do campo em questão. Os estudos de usuários estão
consolidados como uma área de pesquisa em Ciência da Informação que se
constituiu por dois marcos na história do uso da informação, segundo Batista e
Cunha (2007). O primeiro foi na década de 1930, a partir da necessidade de se
levantar características da população da cidade de Chicago, decorrente de
uma imigração em massa, vinda de várias partes do mundo, e a necessidade
de oferecer a estes novos moradores, por meio da biblioteca (Graduate Library
School da University of Chicago) e de outros instrumentos sociais, informações
com objetivo de socialização, minimizando as diferenças políticas, sociais e
culturais na nova Chicago.
O segundo marco é considerado a Conferência da Royal Society de
Londres de 1948, que realizou reflexões sobre a necessidade, busca e uso da
Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo
Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando?
Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017.
http:www.uel.br/revistas/informacao/
391
informação por técnicos e cientistas no contexto da guerra fria, provocando
importante impacto na Ciência da Informação pelo valor da própria informação,
compreendida pelos fluxos informacionais, seus resultados e efeitos. O período
dessa conferência foi bastante fértil para os estudos desta natureza, tratando a
temática sob diferentes aspectos, uma voltada para os sistemas de informação
e outra para as pessoas que utilizavam os sistemas. Estudos como esses se
multiplicaram até o final da década de 1970, sem a percepção clara dos
conceitos e encaminhamentos metodológicos adotados.
Segundo Ferreira (1995), as investigações do campo, com
características voltadas para os usuários, inicialmente foram denominadas
estudos de comunidades, estudos dos usos de informação, comportamento
informacional e, posteriormente, com menor incidência, Práticas
informacionais. Os termos acompanharam as diferentes formas e
características de se estudar a informação sob a perspectiva dos sujeitos. No
entanto, na década de 1980, estudos começaram a apontar essa distinção nas
investigações. Um deles em 1986, realizado por Dervin e Nilan. Nesse estudo,
os autores anunciaram que, em decorrência da evolução dos estudos de
usuários, fruto da complexidade da questão informacional que envolvem os
sujeitos e suas interações, duas abordagens poderiam ser identificadas, uma
tradicional e uma alternativa.
A abordagem tradicional recebeu esse nome por ser inicialmente
hegemônica. Como uma das formas da informação ser investigada pela
Ciência da Informação, tal abordagem compreende a informação como
objetiva, aplicada especialmente na avaliação de coleções, indicadores de uso
e sistemas de informação, relacionada a “dado”, em que os significados e
importância estão em si mesmos. A abordagem tradicional dimensiona melhor
a informação de forma técnica e quantitativa, a partir de tipos ou fontes de
informação relacionados a taxas demográficas e perfil de usuários,
desconsiderando a identificação real dos significados e impactos pessoais e
sociais da informação. Essa abordagem, segundo Ferreira, não poderia ser
indicadora relevante do comportamento de busca e uso da informação
(FERREIRA, 1995, p.222).
Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo
Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando?
Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017.
http:www.uel.br/revistas/informacao/
392
Atualmente, a abordagem alternativa tem o domínio sobre o campo por
ter superado a abordagem tradicional, criticada principalmente pelo aspecto
positivista, vazia de singularidade, condição peculiar dos seres humanos.
Portanto, em resposta às necessidades de estudos que posicionassem os
usuários no centro do processo de busca da informação, surgiu a abordagem
alternativa, como crítica ao modelo tradicional, ao considerar os usuários
apenas como processadores da informação. Na abordagem alternativa, a partir
da década de 1970, várias teorias e modelos explicativos foram usados para
discutir a questão da necessidade de informação, representados por
investigações ligadas especialmente ao Comportamento informacional dos
usuários.
No primeiro momento, a abordagem alternativa não contemplou a
perspectiva das Práticas Informacionais, esse conceito apareceu
posteriormente, discutido por autores como Savolaine (1995), Tajla (1996) e
Wilson (2002) a partir do início da década de 1990, sem muita incidência no
campo. Estes autores, ancorados numa “epistemologia social” da informação,
defendida por Hjorland (2002), Capurro (2003), Rendón Rojas (2005) e
Frohmann (2008), postulam que o objeto “informação” contempla além dos
aspectos físicos e cognitivos, o aspecto social. A afirmação corresponde às
construções sociais que levam em conta o caráter individual, coletivo, cultural,
político e ideológico, de uma realidade construída reciprocamente, distinta
teórica e metodologicamente do proposto nos paradigmas físicos e cognitivos,
conforme Capurro (2003). Portanto, o entendimento a partir da epistemologia
social afeta o campo de usuários, que embasa o conceito de Práticas
informacionais, conduzindo as investigações para além da ideia de
Comportamento informacional em que os sujeitos agem a partir de estímulos
externos, calcado no behaviorismo do ponto de vista cognitivo.
3 COMPORTAMENTO INFORMACIONAL
O conceito de Comportamento Informacional, portanto, está relacionado
com a identificação da necessidade de informação, percebida pelos sujeitos
Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo
Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando?
Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017.
http:www.uel.br/revistas/informacao/
393
que estão em busca de resolver seus problemas informacionais. Conforme
Wilson (2000), um dos principais pesquisadores do Comportamento de
usuários na busca por informação, a pessoa que sente necessidade de uma
informação e a identifica pode tomar diversos caminhos, que são influenciados
por fatores internos e externos, discutidos nos diferentes modelos
desenvolvidos na área, entre eles, os de Dervin (1983), de Taylor (1986) e de
Kuhlthau (1991).
A abordagem de Dervin (1983), chamada de Sense-making, atribuiu a
condição da necessidade de informação à incompletude no sentido de falta, de
lacuna de uma determinada situação. A partir de uma realidade empírica, a
teoria do Sense-making pode ser compreendida metaforicamente como uma
“peça” do pensamento e sentimento do usuário diante da falta (lacuna) que
uma pessoa pode ter na sua realidade. Amplamente utilizada como modelo de
busca da informação, esta teoria aborda a criação de significado da
necessidade informacional. Dervin (1983) utilizou uma metáfora baseada em
quatro itens constituintes: situação, lacuna, uso e estratégias utilizadas para
transpor a situação. A teoria do Sense-making aborda a criação de significado
representada pelo vazio cognitivo e o uso da informação para preenchê-lo por
meio de estratégias utilizadas pelo indivíduo.
A abordagem de Taylor discute a informação útil ao usuário que a busca
a partir da atribuição de valor instalada nos processos de seleção, análise e
julgamento, aplicados nas tomadas de decisão e ações pessoais. Taylor
(1986), em seu modelo, acrescentou a dimensão ambiental ao processo de
busca e uso da informação. Nesse contexto, a interação com as pessoas é
fundamental, de acordo com o autor, esse pode ser fator determinante de
condições e características do processo de busca e uso da informação. São
quatro as categorias inclusas no processo: o grupo, as características comuns
dos problemas encontrados, o convívio e os condicionantes ambientais.
A abordagem de Kuhlthau (1991) propõe um modelo de observação de
busca da informação por etapas: início, seleção, exploração e formulação, além
dos aspectos cognitivos e emocionais, como sentimento de incerteza, otimismo
e satisfação. Esse modelo considera elementos emocionais ao processo de
Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo
Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando?
Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017.
http:www.uel.br/revistas/informacao/
394
busca da informação, compreendendo que as necessidades informacionais
estão imbuídas de sentimentos, além do pensamento racional. Segundo
Kuhlthau (1991), essa teoria aborda estágios atribuídos à busca informacional,
nos quais o sentimento de incerteza é destacado dentro do processo e pode
variar ao longo das etapas. A proposta de acrescentar a dimensão emocional
considera que esses sentimentos influenciam no processo de busca e na forma
com que as pessoas usam a informação.
Muitos outros modelos poderiam ser descritos para evidenciar os pontos
divergentes entre Comportamento informacional e Práticas informacionais.
Criados com o objetivo de explicar como os usuários buscam a informação a
partir de uma necessidade consciente, os modelos relacionam o
comportamento a uma situação que o usuário se encontra especialmente no
contexto da pesquisa, em bibliotecas ou espaços especializados. Estes
modelos tornaram-se importantes referências para responder questões ligadas
aos caminhos tomados pelas pessoas que necessitam de informação.
Contudo, as pessoas, usuárias de informação em seu cotidiano, não operam
apenas quando têm uma necessidade, mas em toda ação informacional,
relacionada ao conceito de informação pragmático, humanístico, baseado em
relacionamentos, interações, linguagens convencionadas, marcadas pelo social
construído reciprocamente.
4 PRÁTICAS INFORMACIONAIS
Conforme descrito anteriormente, no desenvolvimento das investigações
do campo, alguns pesquisadores começaram a verificar que os modelos de
comportamento não correspondiam a muitas situações do cotidiano, como as
investigadas por Talja (1996) e McKenzie (2003), em que a necessidade não
era explícita e a busca pela informação estava relacionada ao contexto social e
cultural. A partir nessa perspectiva, as Práticas informacionais precisam ser
compreendidas do ponto de vista de outras áreas do conhecimento, como a
antropologia e a sociologia que atribuem para a compreensão da realidade
social a concepção da construção contínua, amplamente influenciada, sendo
Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo
Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando?
Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017.
http:www.uel.br/revistas/informacao/
395
necessárias considerações mais complexas em virtude da impossibilidade de
previsão e determinação de uma única resposta.
As Práticas informacionais representam a busca por informação pautada
na relação informacional influenciada pelas interações sociais, de modo que
compreendem os usuários e a informação em espaços diferentes,
independentes, porém recíprocos. Os valores dados a informação pelos
sujeitos podem ser entendidos pela cultura semiótica, de que ao mesmo tempo
que o usuário recorre aos significados culturais, contribui para produzi-los e
reforçá-los como consideram Geertz (1978) e Wagner (1975). Em concordância
à condição da interação do usuário com a informação, com base nas
construções históricas e sociais dos sujeitos, está o paradigma social da
informação de Capurro (2003), o enfoque pragmático de Rendón Rojas (2005)
e a abordagem interacionista defendida por Araújo (2012).
Na teoria social a constituição das Práticas informacionais é igualmente
reforçada pela reciprocidade das significações ao destacar a interação como
’ação recíproca‘. O conceito põe em relevo o fato de uma ação ou influência
exercida por algo ser também afetada por esse algo. Numa perspectiva
interacionista, pragmática, o usuário não é totalmente determinado pelo
contexto em que está inserido, nem é totalmente isolado ou alheio a ele; a
determinação que o contexto exerce existe, é real, mas não é mecânica nem
absoluta, é interpretada e alterada pelo sujeito (ARAÚJO, 2012, p.149). Para
Araújo, a interação está presente no movimento de busca, seleção e atribuição
de valor à informação, tem origem no seu ambiente social e sofre interferência
dos contextos socialmente construídos, decorrentes das marcações coletivas
descritas por Roy Wagner como uma invenção social (WAGNER, 1975, p.108).
Contudo, os contextos sociais também são influenciados a partir das
relações estabelecidas por esse mesmo usuário, alterando os processos de
busca e uso da informação. Nas investigações sob essa vertente, a interação
caracteriza a complexidade percebida nos estudos de usuários e suas
dimensões individuais, coletivas, sociais, culturais e políticas, possíveis de
serem apreendidas no espaço social. A compreensão, portanto, frente aos
estudos de usuários da Ciência da Informação, é que a informação não é
Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo
Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando?
Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017.
http:www.uel.br/revistas/informacao/
396
somente determinada por um fator externo que se ajusta perfeitamente às
necessidades, de acordo com o estudo do Comportamento informacional
propõe, há um conjunto de fatores humanos, pessoais, individuais, coletivos
que determinam sua aderência, de maneira que suas características são
microssociológicas, melhor dizendo, propondo-se ao exercício de olhar para o
micro para responder ao macrossocial. .
A proposta metodológica da teoria social propõe um olhar
fenomenológico para as Práticas informacionais, possível de encontrar em
Alfred Schutz (1979). A perspectiva do autor é a observação pelo enfoque do
conhecimento constituído na intersubjetividade, ou seja, na partilha das
significações, uma prática essencialmente hermenêutica e dialética que busca
respostas nas convenções da realidade social que Schutz (1979) designa como
a “tese geral da reciprocidade de perspectivas”. Para o autor a reciprocidade
realiza-se por meio de duas idealizações, são elas, a troca de pontos de vista,
ligada a apreensão da tipificação e a idealização da congruência ou
conformidade dos sistemas de pertinência, de modo a ligar intrinsecamente o
indivíduo da ação ao outro da situação vigente.
A necessidade de considerar a informação ligada ao mundo que as
pessoas vivem e dão sentido as suas ações, ou seja, as questões devem ser
dirigidas ao contexto e não somente ao modo de pensar das pessoas. Embora
o aspecto racional do paradigma cognitivo responda a questões do
Comportamento informacional, não é suficiente para explicar as condutas e
significações humanas atribuídas aos fenômenos informacionais. As
dimensões dessa abordagem estudada por autores como Capurro (2003),
descrita como uma “epistemologia social”, abarca a teoria social de
sustentação das práticas de pesquisa ligadas ao modo como se opera o olhar
ao objeto informacional. Por ser um sistema de signos convencionados
interpretáveis, a sociologia e mesmo a cultura não é um poder, algo a que
podem ser atribuídos casualmente os acontecimentos sociais, os
comportamentos, as instituições ou os processos, trata, portanto, de atribuições
situacionais.
Compreender como que os atores sociais produzem seus significados,
Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo
Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando?
Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017.
http:www.uel.br/revistas/informacao/
397
conduz à análise sociológica como forma de conhecimento, sem, no entanto,
limitá-la a um método. O lugar ocupado pelas construções da realidade social,
representa um campo simbólico rico para a investigação das ações
informacionais, sendo este propício para a percepção da formação do
conhecimento. Nesse contexto, a informação é entendida a partir das relações
de construção interpretativa, conforme as experiências pessoais de cada
indivíduo, e da representação de significação e dimensão intersubjetiva,
baseada nas interações múltiplas, próprias dos seres humanos. À medida que
as informações provocam a ação mental do indivíduo e passam a ser aplicadas
em situações do cotidiano, reforçam o arsenal social e cultural
institucionalizado como considera Marteleto (1995), por meio do funcionamento
sócio-histórico.
5 RESULTADOS
A temática Prática informacionais, relaciona a necessidade de
informação dos usuários e envolve as práticas de busca e uso da informação
nos mais diversos contextos. No entanto, partimos do pressuposto de que a
informação não é um objeto adaptável, em virtude de cada ser humano ser
único em suas necessidades, o que provoca uma ampla complexidade
discutida independente dos ambientes formais e institucionalizados, capaz de
considerar os aspectos dinâmicos da informação e dos fundamentos sociais.
Essa abordagem dá ênfase ao terceiro paradigma reconhecido por
Capurro como “paradigma social”, o qual ele considera o que melhor
representa a informação como conhecimento em ação, ligado à maneira como
as pessoas compartilham sua realidade umas com as outras. Frohmann (2008)
também critica as abordagens que tratam o conceito da informação unicamente
mentalista, reforçando a ideia da materialidade da informação para o caráter
social da informação. Os estudos na perspectiva da análise do domínio de
Hjørland e Albrechtsen (1995) relacionam a especificidade dos sujeitos e a
intersubjetividade que denotam o caráter construtivo da informação, no qual se
dá a dimensão pragmática dos fluxos informacionais, possibilitando observar o
Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo
Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando?
Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017.
http:www.uel.br/revistas/informacao/
398
objeto também por abordagens fenomenológicas, interpretando a informação
não como coisa, mas como processo, construída histórica e culturalmente,
podendo ser vista dessa forma apenas pela perspectiva dos sujeitos.
A informação é multidimensional e a investigação das propriedades e
das Práticas informacionais, seu fluxo, processamento e aplicação é o grande
desafio para os estudos da área. Morin (1984, p.93), em concordância com
este apontamento e reforçando a complexidade da questão, considera o
conceito de informação um “encruzilhado”, sendo necessária a aproximação de
outros conceitos e fenômenos para dar respostas à análise da realidade social.
Portanto, teorias que embasam modelos, em detrimento da
compreensão de como se constroem os significados, valorizam os processos
informacionais numa visão unidimensional do pensar, principal crítica aos
estudos de Comportamento informacional, pois promovem um afastamento das
representações simbólicas observadas no campo da interação social. Nota-se,
portanto, como pressuposto da perspectiva das Práticas Informacionais, a ação
do indivíduo como aponta Talja (1996), abarcando as explicações da natureza
do conhecimento a partir dos fenômenos sociais, valorizando as estruturas de
formação do conhecimento e não do homem - informação apontada pela teoria
cognitiva.
REFERÊNCIAS
ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. Paradigma Social nos estudos de usuários da
informação: abordagem interacionista. Informação & Sociedade: Estudos,
João Pessoa, v.22, n.1, p. 145-159, jan./abr., 2012.
BAPTISTA, Sofia Galvão; CUNHA, Murilo Bastos da. Estudo de usuários: visão
global dos métodos de coleta de dados. Perspectivas em Ciência da
Informação, Belo Horizonte, v. 12, n. 2, 2007. Disponível
em:<http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S1413-
99362007000200011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 07 jul. 2016.
Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo
Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando?
Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017.
http:www.uel.br/revistas/informacao/
399
CAPURRO, Rafael. Epistemologia e Ciência da Informação. In: ENCONTRO
NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., 2003, Belo
Horizonte. Anais...Belo Horizonte: Associação Nacional de pesquisa e Pós
graduação em Ciência da Informação e Biblioteconomia, 2003.
DERVIN, Brenda; NILAN, Michael. Information needs and uses. Annual review
of information science and technology. White Plains, NY: Knowledge
Industry Publications, 1986.
FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto. Novos paradigmas e novos usuários de
informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 25, n. 2, p. 1-10, 1995.
FROHMANN, Bernd. O caráter social, material e público da informação. In:
FUJITA, Mariangela Spotti Lopes; MARTELETO, Regina Maria; LARA, Marilda
Lopes Ginez (Org.). A dimensão epistemológica da ciência da informação e
suas interfaces técnicas, políticas e institucionais nos processos de
produção, acesso e disseminação da informação. São Paulo: Cultura
Acadêmica; Marília: Fundepe, 2008.
GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
HJORLAND, Biger; Albrechtsen, Hanne. Toward a new horizon in information
science: domain analysis. Journal of the American Society for Information
Science, Washington, v. 46, n.6, p. 400-425, 1995.
HJORLAND, Biger. Epistemology and the socio-cognitive perspectives in
Information Science. Journal of the American Society for Information
Science and Technology, New York, v.53, n.4, p. 257-270, 2002.
KUHLTHAU, Carol. Inside the search process: information seeking from the
users perspective. Journal of the American Society for Information Science,
Washington, v.42, n. 5, p. 361-371, 1991.
MCKENZIE, Pamela. A model of information practices in accounts of everyday
– life information seeking. Jornal of Documentation, v. 59, n. 1, p. 19 – 40,
2003.
MORIN, Edgar. Sociologie. Paris: Fayard, 1984.
MARTELETO, Regina. Cultura informacional: construindo o objeto informação
pelo emprego dos conceitos de imaginário, instituição e campo social. Ciência
da Informação, Brasília, v. 24, n.1, 1995.
RENDÓN ROJAS, Miguel. Relación entre los conceptos: información,
conocimiento y valor. Semejanzas y diferencias. Ciência da Informação,
Brasília, v. 34, n. 2, p. 52-61, maio/ago. 2005.
SCHÜTZ, Alfred. Fenomenologia e relações sociais. Rio de Janeiro: Zahar
Editores, 1979.
Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo
Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando?
Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017.
http:www.uel.br/revistas/informacao/
400
TAYLOR, Robert S. Professional aspects of information science and
technology. In: ANNUAL REVIEW OF INFORMATION SCIENCE AND
TECHNOLOGY-ARIST, v.1, p. 15-40, 1986.
TALJA, Sanna. Constituting “Information” and “User” as Research Objects: A
Theory of Knowledge Formations as an Alternative to the Information Man –
Theory. In: VAKKARI, Perti; SAVOLAINEN, Reijo; DERVIN, Brenda (Eds).
Information Seeking in Context. Londres: Taylor Graham, 1996, p.67-80.
WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify Portátil, 1975.
WILSON, Thomas Daniel. Human Information Behavior. Informing Science,
Brookhill Court, v. 3, n. 2, p. 49-54, 2000.
______. On User Studies and Information Needs. Journal of Documentation,
London, v. 62, n. 6, p. 658-670, 2006. Disponívem em: <http://www-
emeraldinsight-
com.ez27.periodicos.capes.gov.br/journals.htm?issn=00220418&volume=62&is
sue=6&articleid=1580623&show=pdf>. Acesso em: 6 de maio 2013.
WILSON, Tom. A dimensão epistemológica da Ciência da Informação e seu
impacto sobre o ensino em Arquivologia e Biblioteconomia. Brazilian Journal
of Information Science, Marília, v. 2, n. 1, p. 3-15, jan./jun. 2008. Disponível
em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/43/2046>.
Acesso em: 6 maio 2013.
Title
User Studies and Information Practices: What we are talking about?
Abstract
Introduction: This paper presents a brief discussion on differences between
Information behavior and Information practices, concerning the field of Studies of
information users. Objective: Reflect on the relationship of Information Practices with
the field of Studies of information users and propose the analysis of questions that
these topics cover, and how it is addressed with basis on Social theory. Methodology:
Some points of history of field evolution and the influence of Social theory to
comprehension of Information Practices are recovered, related to the knowledge
generation and reciprocity of actions in its constitution. Results: It gives light to the
importance of constructions of meanings to the comprehension of needs, search and
use of information in distinct contexts. Conclusions: Information practices address the
actions and meanings of informational subjects, a social perspective of information
present in user studies.
Keywords: User studies. Informational practices. Social theory.
Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo
Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando?
Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017.
http:www.uel.br/revistas/informacao/
401
Titulo
Estudios de Usuarios y Prácticas Informacionales: ¿De qué se trata?
Resumen
Introducción: El trabajo presenta una discusión breve acerca de las diferencias entre
los estudios del Comportamiento informacional y las Prácticas informacionales
presentes en el campo de estudios de los usuarios de la información. Objetivo:
Reflexionar sobre la relación de las Prácticas informacionales y el campo de Usuarios
de la información y proponer un análisis de las preguntas que las temáticas abordan
con base en la Teoría social. Metodología: Se recuperan algunos puntos de la historia
del desarrollo del campo y de la influencia de la Teoría social para comprender las
Prácticas informacionales relacionadas a la formación del conocimiento y a la
reciprocidad de las acciones en su constitución. Resultados: Hace hincapié en la
importancia de la construcción de las significaciones para la comprensión de las
necesidades, en la búsqueda y en el uso de la información en diferentes contextos.
Conclusiones: Las Prácticas informacionales tratan sobre las acciones y
significaciones de los sujetos informacionales, una perspectiva social de la información
presente en los estudios de usuarios.
Palabras clave: Estudios de Usuarios. Prácticas Informacionales. Teoría Social.
Recebido: 30.08.2017
Aceito: 30.09.2017

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Práticas informacionais dos visitantes do Museu Itinerante Ponto UFMG
Práticas informacionais dos visitantes do Museu Itinerante Ponto UFMGPráticas informacionais dos visitantes do Museu Itinerante Ponto UFMG
Práticas informacionais dos visitantes do Museu Itinerante Ponto UFMG
Epic UFMG
 
O QUE SÃO “PRÁTICAS INFORMACIONAIS”?
O QUE SÃO “PRÁTICAS INFORMACIONAIS”?O QUE SÃO “PRÁTICAS INFORMACIONAIS”?
O QUE SÃO “PRÁTICAS INFORMACIONAIS”?
Epic UFMG
 
Práticas informacionais: nova abordagem para os estudos de usuários da inform...
Práticas informacionais: nova abordagem para os estudos de usuários da inform...Práticas informacionais: nova abordagem para os estudos de usuários da inform...
Práticas informacionais: nova abordagem para os estudos de usuários da inform...
Epic UFMG
 
PARADIGMA SOCIAL NOS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: abordagem interacionista
PARADIGMA SOCIAL NOS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: abordagem interacionistaPARADIGMA SOCIAL NOS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: abordagem interacionista
PARADIGMA SOCIAL NOS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: abordagem interacionista
Epic UFMG
 
Práticas pedagógicas na área de usuários da informação em três universidades ...
Práticas pedagógicas na área de usuários da informação em três universidades ...Práticas pedagógicas na área de usuários da informação em três universidades ...
Práticas pedagógicas na área de usuários da informação em três universidades ...
Epic UFMG
 
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
Epic UFMG
 
Necessidades de otimização dos processos de planejamento e operacionalização ...
Necessidades de otimização dos processos de planejamento e operacionalização ...Necessidades de otimização dos processos de planejamento e operacionalização ...
Necessidades de otimização dos processos de planejamento e operacionalização ...
Rodrigo Moreira Garcia
 
Informação e conhecimento em saúde no tempo das redes sociotécnicas
 Informação e conhecimento em saúde no tempo das redes sociotécnicas  Informação e conhecimento em saúde no tempo das redes sociotécnicas
Informação e conhecimento em saúde no tempo das redes sociotécnicas
Simposio Internacional Network Science
 
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dadosAula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Leticia Strehl
 
O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL DOS ALUNOS DE FONOAUDIOLOGIA DA FACULDADE DE FI...
O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL DOS ALUNOS DE FONOAUDIOLOGIA DA FACULDADE DE FI...O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL DOS ALUNOS DE FONOAUDIOLOGIA DA FACULDADE DE FI...
O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL DOS ALUNOS DE FONOAUDIOLOGIA DA FACULDADE DE FI...
Felipe Arakaki
 
TCC Vanessa Souza Pereira
TCC Vanessa Souza PereiraTCC Vanessa Souza Pereira
TCC Vanessa Souza Pereira
Vanessa Souza Pereira
 
Metodologia bom demais
Metodologia   bom demaisMetodologia   bom demais
Metodologia bom demais
Tania Regina Ribeiro
 
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do ConhecimentoContribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Paula Carina De Araújo
 
01 como elaborar-um_quesitonario
01   como elaborar-um_quesitonario01   como elaborar-um_quesitonario
01 como elaborar-um_quesitonario
gisa_legal
 
Pesquisa Intervenção - Tanikado (2010)
Pesquisa Intervenção - Tanikado (2010)Pesquisa Intervenção - Tanikado (2010)
Pesquisa Intervenção - Tanikado (2010)
Adilson Rocha
 

Mais procurados (15)

Práticas informacionais dos visitantes do Museu Itinerante Ponto UFMG
Práticas informacionais dos visitantes do Museu Itinerante Ponto UFMGPráticas informacionais dos visitantes do Museu Itinerante Ponto UFMG
Práticas informacionais dos visitantes do Museu Itinerante Ponto UFMG
 
O QUE SÃO “PRÁTICAS INFORMACIONAIS”?
O QUE SÃO “PRÁTICAS INFORMACIONAIS”?O QUE SÃO “PRÁTICAS INFORMACIONAIS”?
O QUE SÃO “PRÁTICAS INFORMACIONAIS”?
 
Práticas informacionais: nova abordagem para os estudos de usuários da inform...
Práticas informacionais: nova abordagem para os estudos de usuários da inform...Práticas informacionais: nova abordagem para os estudos de usuários da inform...
Práticas informacionais: nova abordagem para os estudos de usuários da inform...
 
PARADIGMA SOCIAL NOS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: abordagem interacionista
PARADIGMA SOCIAL NOS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: abordagem interacionistaPARADIGMA SOCIAL NOS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: abordagem interacionista
PARADIGMA SOCIAL NOS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: abordagem interacionista
 
Práticas pedagógicas na área de usuários da informação em três universidades ...
Práticas pedagógicas na área de usuários da informação em três universidades ...Práticas pedagógicas na área de usuários da informação em três universidades ...
Práticas pedagógicas na área de usuários da informação em três universidades ...
 
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
 
Necessidades de otimização dos processos de planejamento e operacionalização ...
Necessidades de otimização dos processos de planejamento e operacionalização ...Necessidades de otimização dos processos de planejamento e operacionalização ...
Necessidades de otimização dos processos de planejamento e operacionalização ...
 
Informação e conhecimento em saúde no tempo das redes sociotécnicas
 Informação e conhecimento em saúde no tempo das redes sociotécnicas  Informação e conhecimento em saúde no tempo das redes sociotécnicas
Informação e conhecimento em saúde no tempo das redes sociotécnicas
 
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dadosAula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
 
O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL DOS ALUNOS DE FONOAUDIOLOGIA DA FACULDADE DE FI...
O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL DOS ALUNOS DE FONOAUDIOLOGIA DA FACULDADE DE FI...O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL DOS ALUNOS DE FONOAUDIOLOGIA DA FACULDADE DE FI...
O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL DOS ALUNOS DE FONOAUDIOLOGIA DA FACULDADE DE FI...
 
TCC Vanessa Souza Pereira
TCC Vanessa Souza PereiraTCC Vanessa Souza Pereira
TCC Vanessa Souza Pereira
 
Metodologia bom demais
Metodologia   bom demaisMetodologia   bom demais
Metodologia bom demais
 
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do ConhecimentoContribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
 
01 como elaborar-um_quesitonario
01   como elaborar-um_quesitonario01   como elaborar-um_quesitonario
01 como elaborar-um_quesitonario
 
Pesquisa Intervenção - Tanikado (2010)
Pesquisa Intervenção - Tanikado (2010)Pesquisa Intervenção - Tanikado (2010)
Pesquisa Intervenção - Tanikado (2010)
 

Semelhante a ESTUDOS DE USUÁRIOS E PRÁTICAS INFORMACIONAIS: DO QUE ESTAMOS FALANDO?

Estudo de Usuários - Conceitos e Aplicações
Estudo de Usuários - Conceitos e AplicaçõesEstudo de Usuários - Conceitos e Aplicações
Estudo de Usuários - Conceitos e Aplicações
Claudio Diniz - Designer Gráfico
 
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
Epic UFMG
 
Cultura informacional: um estudo em uma empresa de grande porte
Cultura informacional: um estudo em uma empresa de grande porteCultura informacional: um estudo em uma empresa de grande porte
Cultura informacional: um estudo em uma empresa de grande porte
Leonardo Moraes
 
Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"
Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"
Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"
Solange Santana
 
Sense making v.2- uma abordagem atual
Sense making v.2- uma abordagem atualSense making v.2- uma abordagem atual
Sense making v.2- uma abordagem atual
Luis Ferraz
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 522023.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 522023.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 522023.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 522023.pdf
trabs57
 
Bnm am publicado 3957-6741-1-pb
Bnm am   publicado 3957-6741-1-pbBnm am   publicado 3957-6741-1-pb
Bnm am publicado 3957-6741-1-pb
Benedito Medeiros Neto
 
Estudos de usuários - UnB
Estudos de usuários  - UnBEstudos de usuários  - UnB
Estudos de usuários - UnB
Bianca Rossi
 
Seminário Sociologia na era do Big Data
Seminário Sociologia na era do Big DataSeminário Sociologia na era do Big Data
Seminário Sociologia na era do Big Data
Laboratório de Políticas Públicas Participativas
 
Sondagens de opinião como instrumentos de comunicação institucional: estudo d...
Sondagens de opinião como instrumentos de comunicação institucional: estudo d...Sondagens de opinião como instrumentos de comunicação institucional: estudo d...
Sondagens de opinião como instrumentos de comunicação institucional: estudo d...
Murilo Pinto
 
Seminário do artigo "A sociologia digital: um desafio para o século XXI"
Seminário do artigo "A sociologia digital: um desafio para o século XXI"Seminário do artigo "A sociologia digital: um desafio para o século XXI"
Seminário do artigo "A sociologia digital: um desafio para o século XXI"
Laboratório de Políticas Públicas Participativas
 
Financiamento de projetos em bibliotecas universitárias
Financiamento de projetos em bibliotecas universitáriasFinanciamento de projetos em bibliotecas universitárias
Financiamento de projetos em bibliotecas universitárias
Kleber Lima
 
As Adaptações da Etnografia Virtual à Análise de Ambientes Gráficos Online
As Adaptações da Etnografia Virtual à Análise de Ambientes Gráficos OnlineAs Adaptações da Etnografia Virtual à Análise de Ambientes Gráficos Online
As Adaptações da Etnografia Virtual à Análise de Ambientes Gráficos Online
Rafael Krambeck
 
Aula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacao
Aula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacaoAula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacao
Aula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacao
Leticia Strehl
 
Artigo projeto AlemRede
Artigo projeto AlemRedeArtigo projeto AlemRede
Artigo projeto AlemRede
AlemRede
 
Apostila pesquisa participante
Apostila pesquisa participanteApostila pesquisa participante
Apostila pesquisa participante
Gleyton Gomes
 
Pesquisa qualitativaemgeografia
Pesquisa qualitativaemgeografiaPesquisa qualitativaemgeografia
Pesquisa qualitativaemgeografia
Edilene Oliveira
 
O comportamento do usuário final na recuperação temática da informação: um es...
O comportamento do usuário final na recuperação temática da informação: um es...O comportamento do usuário final na recuperação temática da informação: um es...
O comportamento do usuário final na recuperação temática da informação: um es...
Rodrigo Moreira Garcia
 
Monitoramento e pesquisa em midias sociais parte 1
Monitoramento e pesquisa em midias sociais parte 1Monitoramento e pesquisa em midias sociais parte 1
Monitoramento e pesquisa em midias sociais parte 1
Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados
 
Lili
LiliLili

Semelhante a ESTUDOS DE USUÁRIOS E PRÁTICAS INFORMACIONAIS: DO QUE ESTAMOS FALANDO? (20)

Estudo de Usuários - Conceitos e Aplicações
Estudo de Usuários - Conceitos e AplicaçõesEstudo de Usuários - Conceitos e Aplicações
Estudo de Usuários - Conceitos e Aplicações
 
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
 
Cultura informacional: um estudo em uma empresa de grande porte
Cultura informacional: um estudo em uma empresa de grande porteCultura informacional: um estudo em uma empresa de grande porte
Cultura informacional: um estudo em uma empresa de grande porte
 
Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"
Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"
Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"
 
Sense making v.2- uma abordagem atual
Sense making v.2- uma abordagem atualSense making v.2- uma abordagem atual
Sense making v.2- uma abordagem atual
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 522023.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 522023.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 522023.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 522023.pdf
 
Bnm am publicado 3957-6741-1-pb
Bnm am   publicado 3957-6741-1-pbBnm am   publicado 3957-6741-1-pb
Bnm am publicado 3957-6741-1-pb
 
Estudos de usuários - UnB
Estudos de usuários  - UnBEstudos de usuários  - UnB
Estudos de usuários - UnB
 
Seminário Sociologia na era do Big Data
Seminário Sociologia na era do Big DataSeminário Sociologia na era do Big Data
Seminário Sociologia na era do Big Data
 
Sondagens de opinião como instrumentos de comunicação institucional: estudo d...
Sondagens de opinião como instrumentos de comunicação institucional: estudo d...Sondagens de opinião como instrumentos de comunicação institucional: estudo d...
Sondagens de opinião como instrumentos de comunicação institucional: estudo d...
 
Seminário do artigo "A sociologia digital: um desafio para o século XXI"
Seminário do artigo "A sociologia digital: um desafio para o século XXI"Seminário do artigo "A sociologia digital: um desafio para o século XXI"
Seminário do artigo "A sociologia digital: um desafio para o século XXI"
 
Financiamento de projetos em bibliotecas universitárias
Financiamento de projetos em bibliotecas universitáriasFinanciamento de projetos em bibliotecas universitárias
Financiamento de projetos em bibliotecas universitárias
 
As Adaptações da Etnografia Virtual à Análise de Ambientes Gráficos Online
As Adaptações da Etnografia Virtual à Análise de Ambientes Gráficos OnlineAs Adaptações da Etnografia Virtual à Análise de Ambientes Gráficos Online
As Adaptações da Etnografia Virtual à Análise de Ambientes Gráficos Online
 
Aula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacao
Aula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacaoAula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacao
Aula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacao
 
Artigo projeto AlemRede
Artigo projeto AlemRedeArtigo projeto AlemRede
Artigo projeto AlemRede
 
Apostila pesquisa participante
Apostila pesquisa participanteApostila pesquisa participante
Apostila pesquisa participante
 
Pesquisa qualitativaemgeografia
Pesquisa qualitativaemgeografiaPesquisa qualitativaemgeografia
Pesquisa qualitativaemgeografia
 
O comportamento do usuário final na recuperação temática da informação: um es...
O comportamento do usuário final na recuperação temática da informação: um es...O comportamento do usuário final na recuperação temática da informação: um es...
O comportamento do usuário final na recuperação temática da informação: um es...
 
Monitoramento e pesquisa em midias sociais parte 1
Monitoramento e pesquisa em midias sociais parte 1Monitoramento e pesquisa em midias sociais parte 1
Monitoramento e pesquisa em midias sociais parte 1
 
Lili
LiliLili
Lili
 

Último

Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 

ESTUDOS DE USUÁRIOS E PRÁTICAS INFORMACIONAIS: DO QUE ESTAMOS FALANDO?

  • 1. DOI: 10.5433/1981-8920.2017v22n2p389 * Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). E-mail: ilemar.berti@gmail.com.br ** Doutor em Ciências da Informação. Docente do Programa em Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). E-mail: casal@eci.ufmg.br Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017. http:www.uel.br/revistas/informacao/ 389 ESTUDOS DE USUÁRIOS E PRÁTICAS INFORMACIONAIS: DO QUE ESTAMOS FALANDO? ESTUDIOS DE USUARIOS Y PRÁCTICAS INFORMACIONALES: ¿DE QUÉ SE TRATA? Ilemar Christina Lansoni Wey Berti* Carlos Alberto Ávila Araújo** RESUMO: Introdução: O trabalho apresenta uma breve discussão acerca das diferenciações entre estudos de Comportamento informacional e Práticas informacionais presentes no campo de estudos de usuários de informação. Objetivo: Refletir sobre a relação das Práticas informacionais com o campo de Usuários da informação e propor uma análise das perguntas que as temáticas abordam e como abordam com base na Teoria social. Metodologia: Recuperam-se alguns pontos da história do desenvolvimento do campo e a influência da Teoria social para compreensão das Práticas informacionais, relacionadas à formação do conhecimento e a reciprocidade das ações na sua constituição. Resultados: Ressalta a importância da construção das significações para compreensão das necessidades, busca e uso da informação em diferentes contextos. Conclusões: As Práticas informacionais abordam as ações e significações dos sujeitos informacionais, uma perspectiva social da informação presente nos estudos de usuários. Palavras-chave: Estudos de usuários. Práticas informacionais. Teoria social.
  • 2. Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando? Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017. http:www.uel.br/revistas/informacao/ 390 1 INTRODUÇÃO A pertinência deste ensaio justifica-se pelo constante impasse nos estudos de usuários da informação marcados pela distinção entre os estudos de Comportamento informacional e os estudos de Práticas informacionais. Localizados por diferenças no campo da teoria social e, por conseguinte, o fazer metodológico, o conceito de cultura de Geertz (1926-2006) e o conceito de “reciprocidade de perspectivas” de Schutz (1899-1959) podem contribuir para responder a evidente proposição em responder questões diversas para os estudos de usuários, concentradas nas estruturas sociais do conhecimento. Compreender como e por que as pessoas buscam informação é questão norteadora. Numa perspectiva, a investigação se concentra em como as pessoas interpretam uma determinada informação em situação específica, em outra, a importância está fundamentada em como as pessoas agem com a informação no cotidiano de suas ações, ou seja, no contexto social e cultural, dentro da visão micro e macrossociológica, de ação recíproca. 2 ESTUDOS DE USUÁRIOS Para compreender as diferenças, é preciso conhecer a história do desenvolvimento do campo em questão. Os estudos de usuários estão consolidados como uma área de pesquisa em Ciência da Informação que se constituiu por dois marcos na história do uso da informação, segundo Batista e Cunha (2007). O primeiro foi na década de 1930, a partir da necessidade de se levantar características da população da cidade de Chicago, decorrente de uma imigração em massa, vinda de várias partes do mundo, e a necessidade de oferecer a estes novos moradores, por meio da biblioteca (Graduate Library School da University of Chicago) e de outros instrumentos sociais, informações com objetivo de socialização, minimizando as diferenças políticas, sociais e culturais na nova Chicago. O segundo marco é considerado a Conferência da Royal Society de Londres de 1948, que realizou reflexões sobre a necessidade, busca e uso da
  • 3. Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando? Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017. http:www.uel.br/revistas/informacao/ 391 informação por técnicos e cientistas no contexto da guerra fria, provocando importante impacto na Ciência da Informação pelo valor da própria informação, compreendida pelos fluxos informacionais, seus resultados e efeitos. O período dessa conferência foi bastante fértil para os estudos desta natureza, tratando a temática sob diferentes aspectos, uma voltada para os sistemas de informação e outra para as pessoas que utilizavam os sistemas. Estudos como esses se multiplicaram até o final da década de 1970, sem a percepção clara dos conceitos e encaminhamentos metodológicos adotados. Segundo Ferreira (1995), as investigações do campo, com características voltadas para os usuários, inicialmente foram denominadas estudos de comunidades, estudos dos usos de informação, comportamento informacional e, posteriormente, com menor incidência, Práticas informacionais. Os termos acompanharam as diferentes formas e características de se estudar a informação sob a perspectiva dos sujeitos. No entanto, na década de 1980, estudos começaram a apontar essa distinção nas investigações. Um deles em 1986, realizado por Dervin e Nilan. Nesse estudo, os autores anunciaram que, em decorrência da evolução dos estudos de usuários, fruto da complexidade da questão informacional que envolvem os sujeitos e suas interações, duas abordagens poderiam ser identificadas, uma tradicional e uma alternativa. A abordagem tradicional recebeu esse nome por ser inicialmente hegemônica. Como uma das formas da informação ser investigada pela Ciência da Informação, tal abordagem compreende a informação como objetiva, aplicada especialmente na avaliação de coleções, indicadores de uso e sistemas de informação, relacionada a “dado”, em que os significados e importância estão em si mesmos. A abordagem tradicional dimensiona melhor a informação de forma técnica e quantitativa, a partir de tipos ou fontes de informação relacionados a taxas demográficas e perfil de usuários, desconsiderando a identificação real dos significados e impactos pessoais e sociais da informação. Essa abordagem, segundo Ferreira, não poderia ser indicadora relevante do comportamento de busca e uso da informação (FERREIRA, 1995, p.222).
  • 4. Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando? Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017. http:www.uel.br/revistas/informacao/ 392 Atualmente, a abordagem alternativa tem o domínio sobre o campo por ter superado a abordagem tradicional, criticada principalmente pelo aspecto positivista, vazia de singularidade, condição peculiar dos seres humanos. Portanto, em resposta às necessidades de estudos que posicionassem os usuários no centro do processo de busca da informação, surgiu a abordagem alternativa, como crítica ao modelo tradicional, ao considerar os usuários apenas como processadores da informação. Na abordagem alternativa, a partir da década de 1970, várias teorias e modelos explicativos foram usados para discutir a questão da necessidade de informação, representados por investigações ligadas especialmente ao Comportamento informacional dos usuários. No primeiro momento, a abordagem alternativa não contemplou a perspectiva das Práticas Informacionais, esse conceito apareceu posteriormente, discutido por autores como Savolaine (1995), Tajla (1996) e Wilson (2002) a partir do início da década de 1990, sem muita incidência no campo. Estes autores, ancorados numa “epistemologia social” da informação, defendida por Hjorland (2002), Capurro (2003), Rendón Rojas (2005) e Frohmann (2008), postulam que o objeto “informação” contempla além dos aspectos físicos e cognitivos, o aspecto social. A afirmação corresponde às construções sociais que levam em conta o caráter individual, coletivo, cultural, político e ideológico, de uma realidade construída reciprocamente, distinta teórica e metodologicamente do proposto nos paradigmas físicos e cognitivos, conforme Capurro (2003). Portanto, o entendimento a partir da epistemologia social afeta o campo de usuários, que embasa o conceito de Práticas informacionais, conduzindo as investigações para além da ideia de Comportamento informacional em que os sujeitos agem a partir de estímulos externos, calcado no behaviorismo do ponto de vista cognitivo. 3 COMPORTAMENTO INFORMACIONAL O conceito de Comportamento Informacional, portanto, está relacionado com a identificação da necessidade de informação, percebida pelos sujeitos
  • 5. Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando? Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017. http:www.uel.br/revistas/informacao/ 393 que estão em busca de resolver seus problemas informacionais. Conforme Wilson (2000), um dos principais pesquisadores do Comportamento de usuários na busca por informação, a pessoa que sente necessidade de uma informação e a identifica pode tomar diversos caminhos, que são influenciados por fatores internos e externos, discutidos nos diferentes modelos desenvolvidos na área, entre eles, os de Dervin (1983), de Taylor (1986) e de Kuhlthau (1991). A abordagem de Dervin (1983), chamada de Sense-making, atribuiu a condição da necessidade de informação à incompletude no sentido de falta, de lacuna de uma determinada situação. A partir de uma realidade empírica, a teoria do Sense-making pode ser compreendida metaforicamente como uma “peça” do pensamento e sentimento do usuário diante da falta (lacuna) que uma pessoa pode ter na sua realidade. Amplamente utilizada como modelo de busca da informação, esta teoria aborda a criação de significado da necessidade informacional. Dervin (1983) utilizou uma metáfora baseada em quatro itens constituintes: situação, lacuna, uso e estratégias utilizadas para transpor a situação. A teoria do Sense-making aborda a criação de significado representada pelo vazio cognitivo e o uso da informação para preenchê-lo por meio de estratégias utilizadas pelo indivíduo. A abordagem de Taylor discute a informação útil ao usuário que a busca a partir da atribuição de valor instalada nos processos de seleção, análise e julgamento, aplicados nas tomadas de decisão e ações pessoais. Taylor (1986), em seu modelo, acrescentou a dimensão ambiental ao processo de busca e uso da informação. Nesse contexto, a interação com as pessoas é fundamental, de acordo com o autor, esse pode ser fator determinante de condições e características do processo de busca e uso da informação. São quatro as categorias inclusas no processo: o grupo, as características comuns dos problemas encontrados, o convívio e os condicionantes ambientais. A abordagem de Kuhlthau (1991) propõe um modelo de observação de busca da informação por etapas: início, seleção, exploração e formulação, além dos aspectos cognitivos e emocionais, como sentimento de incerteza, otimismo e satisfação. Esse modelo considera elementos emocionais ao processo de
  • 6. Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando? Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017. http:www.uel.br/revistas/informacao/ 394 busca da informação, compreendendo que as necessidades informacionais estão imbuídas de sentimentos, além do pensamento racional. Segundo Kuhlthau (1991), essa teoria aborda estágios atribuídos à busca informacional, nos quais o sentimento de incerteza é destacado dentro do processo e pode variar ao longo das etapas. A proposta de acrescentar a dimensão emocional considera que esses sentimentos influenciam no processo de busca e na forma com que as pessoas usam a informação. Muitos outros modelos poderiam ser descritos para evidenciar os pontos divergentes entre Comportamento informacional e Práticas informacionais. Criados com o objetivo de explicar como os usuários buscam a informação a partir de uma necessidade consciente, os modelos relacionam o comportamento a uma situação que o usuário se encontra especialmente no contexto da pesquisa, em bibliotecas ou espaços especializados. Estes modelos tornaram-se importantes referências para responder questões ligadas aos caminhos tomados pelas pessoas que necessitam de informação. Contudo, as pessoas, usuárias de informação em seu cotidiano, não operam apenas quando têm uma necessidade, mas em toda ação informacional, relacionada ao conceito de informação pragmático, humanístico, baseado em relacionamentos, interações, linguagens convencionadas, marcadas pelo social construído reciprocamente. 4 PRÁTICAS INFORMACIONAIS Conforme descrito anteriormente, no desenvolvimento das investigações do campo, alguns pesquisadores começaram a verificar que os modelos de comportamento não correspondiam a muitas situações do cotidiano, como as investigadas por Talja (1996) e McKenzie (2003), em que a necessidade não era explícita e a busca pela informação estava relacionada ao contexto social e cultural. A partir nessa perspectiva, as Práticas informacionais precisam ser compreendidas do ponto de vista de outras áreas do conhecimento, como a antropologia e a sociologia que atribuem para a compreensão da realidade social a concepção da construção contínua, amplamente influenciada, sendo
  • 7. Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando? Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017. http:www.uel.br/revistas/informacao/ 395 necessárias considerações mais complexas em virtude da impossibilidade de previsão e determinação de uma única resposta. As Práticas informacionais representam a busca por informação pautada na relação informacional influenciada pelas interações sociais, de modo que compreendem os usuários e a informação em espaços diferentes, independentes, porém recíprocos. Os valores dados a informação pelos sujeitos podem ser entendidos pela cultura semiótica, de que ao mesmo tempo que o usuário recorre aos significados culturais, contribui para produzi-los e reforçá-los como consideram Geertz (1978) e Wagner (1975). Em concordância à condição da interação do usuário com a informação, com base nas construções históricas e sociais dos sujeitos, está o paradigma social da informação de Capurro (2003), o enfoque pragmático de Rendón Rojas (2005) e a abordagem interacionista defendida por Araújo (2012). Na teoria social a constituição das Práticas informacionais é igualmente reforçada pela reciprocidade das significações ao destacar a interação como ’ação recíproca‘. O conceito põe em relevo o fato de uma ação ou influência exercida por algo ser também afetada por esse algo. Numa perspectiva interacionista, pragmática, o usuário não é totalmente determinado pelo contexto em que está inserido, nem é totalmente isolado ou alheio a ele; a determinação que o contexto exerce existe, é real, mas não é mecânica nem absoluta, é interpretada e alterada pelo sujeito (ARAÚJO, 2012, p.149). Para Araújo, a interação está presente no movimento de busca, seleção e atribuição de valor à informação, tem origem no seu ambiente social e sofre interferência dos contextos socialmente construídos, decorrentes das marcações coletivas descritas por Roy Wagner como uma invenção social (WAGNER, 1975, p.108). Contudo, os contextos sociais também são influenciados a partir das relações estabelecidas por esse mesmo usuário, alterando os processos de busca e uso da informação. Nas investigações sob essa vertente, a interação caracteriza a complexidade percebida nos estudos de usuários e suas dimensões individuais, coletivas, sociais, culturais e políticas, possíveis de serem apreendidas no espaço social. A compreensão, portanto, frente aos estudos de usuários da Ciência da Informação, é que a informação não é
  • 8. Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando? Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017. http:www.uel.br/revistas/informacao/ 396 somente determinada por um fator externo que se ajusta perfeitamente às necessidades, de acordo com o estudo do Comportamento informacional propõe, há um conjunto de fatores humanos, pessoais, individuais, coletivos que determinam sua aderência, de maneira que suas características são microssociológicas, melhor dizendo, propondo-se ao exercício de olhar para o micro para responder ao macrossocial. . A proposta metodológica da teoria social propõe um olhar fenomenológico para as Práticas informacionais, possível de encontrar em Alfred Schutz (1979). A perspectiva do autor é a observação pelo enfoque do conhecimento constituído na intersubjetividade, ou seja, na partilha das significações, uma prática essencialmente hermenêutica e dialética que busca respostas nas convenções da realidade social que Schutz (1979) designa como a “tese geral da reciprocidade de perspectivas”. Para o autor a reciprocidade realiza-se por meio de duas idealizações, são elas, a troca de pontos de vista, ligada a apreensão da tipificação e a idealização da congruência ou conformidade dos sistemas de pertinência, de modo a ligar intrinsecamente o indivíduo da ação ao outro da situação vigente. A necessidade de considerar a informação ligada ao mundo que as pessoas vivem e dão sentido as suas ações, ou seja, as questões devem ser dirigidas ao contexto e não somente ao modo de pensar das pessoas. Embora o aspecto racional do paradigma cognitivo responda a questões do Comportamento informacional, não é suficiente para explicar as condutas e significações humanas atribuídas aos fenômenos informacionais. As dimensões dessa abordagem estudada por autores como Capurro (2003), descrita como uma “epistemologia social”, abarca a teoria social de sustentação das práticas de pesquisa ligadas ao modo como se opera o olhar ao objeto informacional. Por ser um sistema de signos convencionados interpretáveis, a sociologia e mesmo a cultura não é um poder, algo a que podem ser atribuídos casualmente os acontecimentos sociais, os comportamentos, as instituições ou os processos, trata, portanto, de atribuições situacionais. Compreender como que os atores sociais produzem seus significados,
  • 9. Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando? Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017. http:www.uel.br/revistas/informacao/ 397 conduz à análise sociológica como forma de conhecimento, sem, no entanto, limitá-la a um método. O lugar ocupado pelas construções da realidade social, representa um campo simbólico rico para a investigação das ações informacionais, sendo este propício para a percepção da formação do conhecimento. Nesse contexto, a informação é entendida a partir das relações de construção interpretativa, conforme as experiências pessoais de cada indivíduo, e da representação de significação e dimensão intersubjetiva, baseada nas interações múltiplas, próprias dos seres humanos. À medida que as informações provocam a ação mental do indivíduo e passam a ser aplicadas em situações do cotidiano, reforçam o arsenal social e cultural institucionalizado como considera Marteleto (1995), por meio do funcionamento sócio-histórico. 5 RESULTADOS A temática Prática informacionais, relaciona a necessidade de informação dos usuários e envolve as práticas de busca e uso da informação nos mais diversos contextos. No entanto, partimos do pressuposto de que a informação não é um objeto adaptável, em virtude de cada ser humano ser único em suas necessidades, o que provoca uma ampla complexidade discutida independente dos ambientes formais e institucionalizados, capaz de considerar os aspectos dinâmicos da informação e dos fundamentos sociais. Essa abordagem dá ênfase ao terceiro paradigma reconhecido por Capurro como “paradigma social”, o qual ele considera o que melhor representa a informação como conhecimento em ação, ligado à maneira como as pessoas compartilham sua realidade umas com as outras. Frohmann (2008) também critica as abordagens que tratam o conceito da informação unicamente mentalista, reforçando a ideia da materialidade da informação para o caráter social da informação. Os estudos na perspectiva da análise do domínio de Hjørland e Albrechtsen (1995) relacionam a especificidade dos sujeitos e a intersubjetividade que denotam o caráter construtivo da informação, no qual se dá a dimensão pragmática dos fluxos informacionais, possibilitando observar o
  • 10. Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando? Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017. http:www.uel.br/revistas/informacao/ 398 objeto também por abordagens fenomenológicas, interpretando a informação não como coisa, mas como processo, construída histórica e culturalmente, podendo ser vista dessa forma apenas pela perspectiva dos sujeitos. A informação é multidimensional e a investigação das propriedades e das Práticas informacionais, seu fluxo, processamento e aplicação é o grande desafio para os estudos da área. Morin (1984, p.93), em concordância com este apontamento e reforçando a complexidade da questão, considera o conceito de informação um “encruzilhado”, sendo necessária a aproximação de outros conceitos e fenômenos para dar respostas à análise da realidade social. Portanto, teorias que embasam modelos, em detrimento da compreensão de como se constroem os significados, valorizam os processos informacionais numa visão unidimensional do pensar, principal crítica aos estudos de Comportamento informacional, pois promovem um afastamento das representações simbólicas observadas no campo da interação social. Nota-se, portanto, como pressuposto da perspectiva das Práticas Informacionais, a ação do indivíduo como aponta Talja (1996), abarcando as explicações da natureza do conhecimento a partir dos fenômenos sociais, valorizando as estruturas de formação do conhecimento e não do homem - informação apontada pela teoria cognitiva. REFERÊNCIAS ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. Paradigma Social nos estudos de usuários da informação: abordagem interacionista. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v.22, n.1, p. 145-159, jan./abr., 2012. BAPTISTA, Sofia Galvão; CUNHA, Murilo Bastos da. Estudo de usuários: visão global dos métodos de coleta de dados. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 12, n. 2, 2007. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S1413- 99362007000200011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 07 jul. 2016.
  • 11. Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando? Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017. http:www.uel.br/revistas/informacao/ 399 CAPURRO, Rafael. Epistemologia e Ciência da Informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., 2003, Belo Horizonte. Anais...Belo Horizonte: Associação Nacional de pesquisa e Pós graduação em Ciência da Informação e Biblioteconomia, 2003. DERVIN, Brenda; NILAN, Michael. Information needs and uses. Annual review of information science and technology. White Plains, NY: Knowledge Industry Publications, 1986. FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto. Novos paradigmas e novos usuários de informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 25, n. 2, p. 1-10, 1995. FROHMANN, Bernd. O caráter social, material e público da informação. In: FUJITA, Mariangela Spotti Lopes; MARTELETO, Regina Maria; LARA, Marilda Lopes Ginez (Org.). A dimensão epistemológica da ciência da informação e suas interfaces técnicas, políticas e institucionais nos processos de produção, acesso e disseminação da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Fundepe, 2008. GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. HJORLAND, Biger; Albrechtsen, Hanne. Toward a new horizon in information science: domain analysis. Journal of the American Society for Information Science, Washington, v. 46, n.6, p. 400-425, 1995. HJORLAND, Biger. Epistemology and the socio-cognitive perspectives in Information Science. Journal of the American Society for Information Science and Technology, New York, v.53, n.4, p. 257-270, 2002. KUHLTHAU, Carol. Inside the search process: information seeking from the users perspective. Journal of the American Society for Information Science, Washington, v.42, n. 5, p. 361-371, 1991. MCKENZIE, Pamela. A model of information practices in accounts of everyday – life information seeking. Jornal of Documentation, v. 59, n. 1, p. 19 – 40, 2003. MORIN, Edgar. Sociologie. Paris: Fayard, 1984. MARTELETO, Regina. Cultura informacional: construindo o objeto informação pelo emprego dos conceitos de imaginário, instituição e campo social. Ciência da Informação, Brasília, v. 24, n.1, 1995. RENDÓN ROJAS, Miguel. Relación entre los conceptos: información, conocimiento y valor. Semejanzas y diferencias. Ciência da Informação, Brasília, v. 34, n. 2, p. 52-61, maio/ago. 2005. SCHÜTZ, Alfred. Fenomenologia e relações sociais. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.
  • 12. Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando? Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017. http:www.uel.br/revistas/informacao/ 400 TAYLOR, Robert S. Professional aspects of information science and technology. In: ANNUAL REVIEW OF INFORMATION SCIENCE AND TECHNOLOGY-ARIST, v.1, p. 15-40, 1986. TALJA, Sanna. Constituting “Information” and “User” as Research Objects: A Theory of Knowledge Formations as an Alternative to the Information Man – Theory. In: VAKKARI, Perti; SAVOLAINEN, Reijo; DERVIN, Brenda (Eds). Information Seeking in Context. Londres: Taylor Graham, 1996, p.67-80. WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify Portátil, 1975. WILSON, Thomas Daniel. Human Information Behavior. Informing Science, Brookhill Court, v. 3, n. 2, p. 49-54, 2000. ______. On User Studies and Information Needs. Journal of Documentation, London, v. 62, n. 6, p. 658-670, 2006. Disponívem em: <http://www- emeraldinsight- com.ez27.periodicos.capes.gov.br/journals.htm?issn=00220418&volume=62&is sue=6&articleid=1580623&show=pdf>. Acesso em: 6 de maio 2013. WILSON, Tom. A dimensão epistemológica da Ciência da Informação e seu impacto sobre o ensino em Arquivologia e Biblioteconomia. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 2, n. 1, p. 3-15, jan./jun. 2008. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/43/2046>. Acesso em: 6 maio 2013. Title User Studies and Information Practices: What we are talking about? Abstract Introduction: This paper presents a brief discussion on differences between Information behavior and Information practices, concerning the field of Studies of information users. Objective: Reflect on the relationship of Information Practices with the field of Studies of information users and propose the analysis of questions that these topics cover, and how it is addressed with basis on Social theory. Methodology: Some points of history of field evolution and the influence of Social theory to comprehension of Information Practices are recovered, related to the knowledge generation and reciprocity of actions in its constitution. Results: It gives light to the importance of constructions of meanings to the comprehension of needs, search and use of information in distinct contexts. Conclusions: Information practices address the actions and meanings of informational subjects, a social perspective of information present in user studies. Keywords: User studies. Informational practices. Social theory.
  • 13. Ilemar Christina Lansoni Wey Berti, Carlos Alberto Ávila Araújo Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando? Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 2, p. 389 – 401, maio/ago., 2017. http:www.uel.br/revistas/informacao/ 401 Titulo Estudios de Usuarios y Prácticas Informacionales: ¿De qué se trata? Resumen Introducción: El trabajo presenta una discusión breve acerca de las diferencias entre los estudios del Comportamiento informacional y las Prácticas informacionales presentes en el campo de estudios de los usuarios de la información. Objetivo: Reflexionar sobre la relación de las Prácticas informacionales y el campo de Usuarios de la información y proponer un análisis de las preguntas que las temáticas abordan con base en la Teoría social. Metodología: Se recuperan algunos puntos de la historia del desarrollo del campo y de la influencia de la Teoría social para comprender las Prácticas informacionales relacionadas a la formación del conocimiento y a la reciprocidad de las acciones en su constitución. Resultados: Hace hincapié en la importancia de la construcción de las significaciones para la comprensión de las necesidades, en la búsqueda y en el uso de la información en diferentes contextos. Conclusiones: Las Prácticas informacionales tratan sobre las acciones y significaciones de los sujetos informacionales, una perspectiva social de la información presente en los estudios de usuarios. Palabras clave: Estudios de Usuarios. Prácticas Informacionales. Teoría Social. Recebido: 30.08.2017 Aceito: 30.09.2017