SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Cirineu José da Costa – MSc
Estudos de Estratégia:
Erros estratégicos da
Seleção Brasileira na
Copa de 2014
1
A POSTULAÇÃO DO BRASIL PARA SER SEDE DA COPA DE 2014
 Em Junho de 2003 a Confederação Sul-Americana de Futebol anunciaou que
a Argentina, o Brasil e a Colômbia seriam candidatos à sede da Copa FIFA
2014. Em março de 2006 foi votada de forma unânime a adoção do Brasil
como único candidato.
 Em Julho de 2006 o presidente da FIFA disse que,a Copa do Mundo de 2014
provavelmente seria sediada no Brasil mas que o país tinha que provar sua
capacidade antes de tomar uma decisão.
 Em abril de 2007 após visitar o Maracanã, o Morumbi, o Mineirão e o Beira-Rio
a FIFA disse que o país não tinha nenhum estádio em condições de sediar a
Copa.
 Lula afirmou em setembro de 2006 que o Brasil deveria construir doze novos
estádios para ser capaz de sediar a Copa.
 O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) disse que recuperar
estádios e/ou construir novos estádios seria responsabilidade da iniciativa
privada.
 Em julho de 2007 a CBF entregou na sede da FIFA em Zurique, na Suíça, os
documentos da proposta, na qual apareciam as dezoito cidades selecionadas.
 Em outubro de 2007 a FIFA ratificou o Brasil como país-sede da Copa do
Mundo de 2014.
A PREPARAÇÃO DO BRASIL PARA SEDIAR A COPA DE 2014
 Nosso país foi candidato único para sediar a Copa FIFA 2014. Os governantes
sabiam das exigências da FIFA para que as competições fossem aqui
realizadas.
 Construções de novos estádios, denominados de ARENAS, dotados de uma
infras-estrutura que não existiam até então nos nossos campos de futebol
eram pontos cruciais para o evento.
 Visitantes, turistas, torcedores...não importa o nome que tenham, precisam
chegar ao país, ter acomodações, transporte, alimentação, comunicação,
segurança e receptividade.
2
 As cidades precisavam ter um plano de mobilidade urbana, infra-estrutura de
transportes, segurança pública, apoio em saúde, telecomunicações, hotelaria e
demais facilities para aqueles que viessem assistir aos jogos, para queles que
viessem trabalhar na cobertura dos jogos e para as equipes que seriam as
figuras principais do torneio.
 O planejamento nunca foi o forte do Estado Brasileiro. Quando o planejamento
é feito, dificilmente é cumprido. Cronograma de atividades são feitos e não
cumpridos.
 Nossa preparação para a Copa foi um fiasco. Ficamos anos parados à espera
de que as obras e os serviços brotassem espontaneamente não se sabe de
onde. Só começaram a aparecer alguns sinais de atividade quando a FIFA
posicionou-se dizendo que, naquela velocidade em que estávamos, não
haveria Copa do Mundo no Brasil.
 Só a partir daí as autoridades governamentais que se propuseram a realizar o
evento no país começaram a procurar por parceiros da iniciativa privada para
realizar as obras prometidas e comprometidas com a FIFA. Viu-se então que
não havia parceiros privados. O sonho de uma Copa sem a injeção de
recursos públicos foi para o buraco. O Governo Federal passou então a
procurar Governadores e Prefeitos, empresas estatais e bancos públicos para
tentar viabilizar o que havia sido comprometido.
 A população passou a manifestar-se contra a realização da Copa e contra os
gastos públicos com o evento. O Brasil passou por momentos dificeis com
manifestações violentas e acéfalas, combinadas através de redes sociais que
se mostraram como ferramentas eficientes de mobilização popular.
 Os Partidos políticos e os políticos ficaram sem ação. Não havia uma liderança
dos movimentos para ser condenada, para ser chamada à mesa de
negociação. E a revolta popular só recrudescia a cada momento que se
passava.
 Os governos locais tentavam agir seguindo uma linha político-partidária que na
maioria das vezes não era alinhada com o governo central do PT.
 As polícias ou agiam com violência ou não agiam de acordo com a
conveniência do governador. As Guardas municipais seguiam a mesma linha.
E as manifestações ficavam cada dia mais violentas e passaram a ser
consideradas um problena nacional de segurança. As medidas de contenção
passaram a ser estudadas e tomadas com mais eficiência. As cidades do Rio
de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Brasília viraram campos de batalha
como nunca vistos no nosso País.
 Faltou diálogo prévio com a Sociedade. O Governo foi autoritário e não discutiu
com a sociedade brasileira as decisões que foram tomadas de gastar as
3
verbas públicas com arenas de futebol estando a sociedade carente de ações
públicas nas áreas de saúde, educação, transporte e segurança.
OS PRÉ-REQUISITOS PARA SER UM JOGADOR DA SELEÇÃO BRASILEIRA
 Saber jogar bola;
 Ter experiência na função;
 Ter preparação física;
 Ter equilíbrio mental e psicológico;
 Ter espírito de equipe e sentimento de sacrifício;
 Ter garra e vontade de vencer;
 Ter amor à camisa;
 ...poderíamos preencher páginas de pré-requisitos, mas sabemos que todos os
requisitos somados tem que resultar num elemento que dê o rsultado desejado
ao final do jogo, ou seja, que o somatório do trabalho de todos os jogadores
resulte na vitória do time pelo qual jogam.
 É necessário ser famoso?
 É essencial ter um valor de mercado fenomenal?
 É imprescindível atuar ou ter atuado em times de outros países?
 É fundamental ter porte físico avantajado?
 É imperativo ter conquistado títulos importantes?
 Na verdade, o jogador de futebol, para ser convocado para a seleção
brasileira, precisaria ter todos os requisitos citados e possuir GARRA.
 Mas a convocação para a seleção leva em conta critérios ininteligíveis e às
vezes obscuros, levados às vezes por interesses comerciais de patrocinadores
que atropelam todos os demais interesses justos e legais.
 Nós, pobres torcedores, ficamos à mercê..... Vejam abaixo a lista de 2014:

Recomendado para você

Adm. de Marketing I - Planejamento de aula 09.09
Adm. de Marketing I - Planejamento de aula   09.09Adm. de Marketing I - Planejamento de aula   09.09
Adm. de Marketing I - Planejamento de aula 09.09

O documento discute planejamento estratégico de marketing, apresentando um caso sobre o futebol brasileiro para exercício prático. O grupo deve desenvolver uma missão, objetivos e portfólio para fortalecer a marca do futebol brasileiro internacionalmente, aumentando investimentos e preparação de jogadores.

marketingadministraçãofuneso
Ctratk
Ctratk Ctratk
Ctratk

O documento discute a força global do futebol americano, seu crescimento no Brasil e oportunidades de investimento no esporte no país. Ele destaca que o futebol americano tem ganhado popularidade fora dos EUA, com cerca de 100 associações e 5 mil praticantes no Brasil. Também aponta que o esporte atrai principalmente jovens de 16 a 29 anos e pode ser uma boa forma para as marcas associarem seus valores.

Curso de Gestão Esportiva Norte-Americana Aplicada ao Mercado Brasileiro
Curso de Gestão Esportiva Norte-Americana Aplicada ao Mercado BrasileiroCurso de Gestão Esportiva Norte-Americana Aplicada ao Mercado Brasileiro
Curso de Gestão Esportiva Norte-Americana Aplicada ao Mercado Brasileiro

O primeiro curso de gestão esportiva norte-americana do Brasil, visa trazer aos participantes, as melhores práticas de organização, gestão, marketing e entretenimento das principais ligas esportivas do mundo. NFL, MLB, NBA, MLS e NHL abordadas por especialistas, além de profissionais atuantes no cenário, como Thiago Ramos, scout do Houston Astros da MLB.

footballmarketingnfl
4
5
 Dos 23 convocados apenas 2 goleiros e dois jogadores atuavam no Brasil. O
Brasil que é o país que tem o maior número de times de futebol do mundo
forneceu apenas 2 jogadores e dois goleiros reservas. Será que não temos
jogadores que atuam no Brasil com padrão de Seleção Brasileira? Ou serão
injunções externas que obrigam as convocações de figurinhas carimbadas
pelos patrocinadores?
 Convocando jogadores nacionais não ficaria mais fácil para a Comissão
Técnica ter acesso aos mesmos e poder executar um programa de treinamento
efetivo por um tempo continuo e prolongado?
 Nossa Seleção contem uma pléiade de jogadores excelentes individualmente
mas que, infelizmente, não conseguem, ao jogar, dar uma formação de TIME,
de EQUIPE ou de CONJUNTO, pois não sabem jogar juntos.
OS PRÉ-REQUISITOS PARA SER TÉCNICO DA SELEÇÃO BRASILEIRA
 A Seleção Brasileira necessita de um Técnico. O Técnico, para bem executar o
seu trabalho, necessita ter à sua disposição um conjunto de jogadores para
chamar de Seleção.
 Qual seria o perfil do Técnico ideal para nossa Seleção?
 O Técnico da Seleção precisa obrigatoriamente ser um LIDER. Para ser um
bom líder ele deve pelo menos:
-Respeitar e confiar na sua equipe
-Saber ouvir e orientar
-Ter empatia
-Ser motivado e saber motivar
-Ser inovador
-Ser flexível
-Ter conhecimento
-Saber dar e receber feed-back
-Ser um bom planejador e estrategista
-Saber delegar
 O Técnico deve ter sempre em primeiro plano o OJBETIVO PRINCIPAL do seu
trabalho: Levar a Seleção à conquista da Copa!
 Nada menos que isso interessa ao grupo e muito menos para os torcedores.
Se a equipe não ganhar o campeonato o objetivo não foi atingido.
6
 Como então motivar jogadores com salários tão diferenciados, com contratos
publicitários estratosféricos, com o ego inflado pelo estrelismo a dar sangue
pela seleção nacional?
 Como convence-los que precisam treinar mais, melhorar o preparo físico,
melhorar o aspecto psicológico, sacrificar-se no relacionamento pessoal e
familiar e lutar pelo OBJETIVO do grupo: ganhar a COPA?
 Assim vemos que a missão do Técnico e da sua equipe de trabalho não é
simples e nem fácil. Talvez ele conte com os melhores jogadores do mundo
mas tem a missão quase impossível de transformá-los numa EQUIPE, num
TIME de futebol. Nivelar os egos individuais, dividir a carga de trabalho, cobrar
resultados e aplicação independentemente do nível estrelar que o jogador
esteja....não é tarefa fácil para um Técnico qualquer.
 Precisamos de um TÉCNICO! Mas com quais competências? Será que iremos
pelo velho método de tentativa-e-erro?
 Será que serão estabelecidos critérios basilares mínimos para que um
postulante possa ser convidado?
 Qual é o nível de liberdade que o Técnico realmente tem para desenvolver o
seu trabalho? Será que a CBF dá o grau de liberdade necessária ao Técnico
ou será que ele tem a obrigação de trabalhar com a matéria-prima imposta
pelo comando da Confederação?
COMO FAZER A COMPOSIÇÃO DA COMISS/AO TÉCNICA?
Normalmente a CBF compõe assim a comissão técnica:
01 Coordenador Técnico
01 Técnico
01 Assistente Técnico
02 Preparadores Físicos
01 Treinador de Goleiros
03 Médicos
02 Fisioterapeutas
01 Administrador
01 Assessoria de Comunicação e Imprensa
01 Analista de Desempenho Tático
01 Chefe da Segurança
01 Massagista
02 Roupeiros
7
 Será que esta composição está adequada para o tipo de competição atual que
a Copa do Mundo apresenta?
 Falta Preparador Físico (pelo menos 3), Massagista (pelo menos 3) e Analista
de Desempenho Tático (pelo menos 2)
 A preparação física dos jogadores deve objetivar primeiramente o nivelamento
da condição física de todos. Alcançado o nivelamento passa-se para o
segunda etapa que é levar cada jogador ao condicionamento específico para a
sua posição. A última etapa é dar a cada um deles um adicional de preparação
para que possam cobrir toda a área do campo possibilitando que um jogador
de defesa possa surpreender o adversário na área defensiva oposta levando
perigo do gol e possa retornar para sua posição imediatamente. Da mesma
forma possibilitar ao jogador ofensivo condições de, caso perca a bola no
ataque, possa, imediatamente chegar na sua área defensiva reforçando a
defesa e diminuindo o perigo de gol. Aos jogadores intermediários este
condicionamento extra possibilita a movimentação rápida cobrindo uma
extensão maior do campo, diminuindo as possibilidades do adversário no
campo intermediário, podendo reforçar a defesa ou partir para uma posição de
ataque auxiliando a zaga e o ataque simultaneamente.
 Preparação física é alcançada com dedicação, entrega e muito suor. Cabe à
equipe fazer a motivação. O jogador vai sentir muito no início e no meio do
condicionamento mas terá a recompensa no final quando conseguirá fazer
percursos extraordinários dentro de campo e superar a dor de ter mais dois
tempos de prorrogação e cobrança de penalidades, saindo de campo vitorioso
e inteiro para uma nova partida.
COMO PLANEJAR A PREPARAÇÃO DA EQUIPE
 Algumas seleções possuem mais tempo para iniciar o treinamento específico
para a competição COPA DO MUNDO.
 Como fazer se não possuir o tempo ideal?
 Não possuindo o tempo ideal deve-se programar o tempo disponível para um
aproveitamento máximo da disponibilidade dos atletas.
 Fala-se muito em “período de descanso” mas o importante é focar no período
disponível para treinar. Treinar sempre nem que seja com a equipe incompleta.
Esta filosofia de trabalho deve ser incutida em toda a equipe técnica e em
todos os atletas que se disponham a conquistar uma COPA DO MUNDO.
 Os jogadores brasileiros nesta copa de 2014, especialmente os que atuam em
clubes do exterior, aproveitaram o período de descanso para visitar familiares.

Recomendado para você

CtrAtk -B1
CtrAtk -B1CtrAtk -B1
CtrAtk -B1

O documento discute o crescimento do futebol americano no Brasil e no mundo, com mais de 100 milhões de telespectadores assistindo ao Super Bowl e 44% desses fora dos EUA. Também destaca o potencial do esporte no Brasil com cerca de 100 associações, 5 mil praticantes e aumento de audiência na ESPN. A Contra Ataque oferece oportunidades de patrocínio esportivo e marketing para empresas investirem no esporte.

Ctr atk petrorian
Ctr atk petrorianCtr atk petrorian
Ctr atk petrorian

O documento discute o crescimento do futebol americano no Brasil e no mundo, destacando números sobre o esporte nos Estados Unidos e internacionalmente. Também apresenta estatísticas sobre o crescimento do futebol americano no Brasil, com cerca de 100 associações e 5 mil praticantes, e o potencial para investimentos e parcerias no esporte no país.

Eu quero o sporting de volta
Eu quero o sporting de voltaEu quero o sporting de volta
Eu quero o sporting de volta

1) O autor defende a necessidade de mudanças urgentes no Sporting Clube de Portugal para reverter a má situação desportiva e financeira. 2) São propostas 10 medidas, incluindo o presidente ir para o banco em todos os jogos, reestruturar a estrutura de futebol, adequar remunerações a objetivos e renegociar a dívida da SAD. 3) Defende que é preciso uma nova cultura de exigência e resultados para garantir o sucesso desportivo e financeiro do clube.

sportingsporting clube de portugalfutebol
8
 O treinamento, a organização e o planejamento minuciosos da conquista de 70
são esquecidos ou secundarizados nos jornais de hoje.
 O Comandante e Professor Lamartine Pereira da Costa auxiliou e deu suporte
teórico ao planejamento da Comissão Técnica, formada por Admildo Chirol,
Carlos Alberto Parreira, Cláudio Coutinho, Kleber Camerino e Raul Carlesso.
Estes três últimos integrantes faziam parte da Escola de Educação Física do
Exército(EsEFEx), solicitados pela então Confederação Brasileira de Desportos
(CBD).
 Na Copa de 70 o trabalho mais perfeito realizado pela Comissão Técnica foi o
da preparação física. Pela primeira vez na história do futebol brasileiro, um
programa de trabalho baseado no melhor que a ciência da educação física
podia oferecer ao futebol foi utilizado.
 Objetividade, organização, disciplina e competência técnica foram itens
priorizados pela Comissão Técnica. Estudos de fisiologia do esforço, estudos
táticos e treinamento técnico foram duramente aplicados durante a preparação.
 O Capitão Cláudio Coutinho foi o grande nome que, com habilidade, soube
fazer bem o trabalho. Ele deu a dimensão do cientista no campo. Tudo era
organizado, com a medicina esportiva dando apoio e não dizendo como devem
ser as coisas. O esquema de treinamento funcionou aliado com o
conhecimento científico, com o trabalho de equipe e com a motivação dos
atletas para a conquista do título.
 A seleção brasileira começou os treinamentos para a Copa do Mundo atrasada
em relação a diversos adversários, inclusive a Croácia, rival da estreia, e as
concorrentes ao título Alemanha, Itália e França.
 Por decisão da comissão técnica brasileira, os jogadores convocados por
Scolari ganharam pelo menos uma semana livre e só se apresentaram ao
treinador em 26 de maio para iniciar os preparativos na Granja Comary, em
Teresópolis (RJ).
 Até o dia do jogo contra a Croácia, em 12 de junho, o time teve 17 dias de
preparação, o período mais curto das últimas Copas -- foram 25 dias para o
Mundial na África do Sul (2010), 22 dias para a Copa da Alemanha (2006) e 22
dias a caminho da conquista do penta na Coreia do Sul e no Japão (2002).
 Apenas após o encerramento do Campeonato Espanhol o nosso Técnico pode
contar com todos os atletas. A única exceção foi o Marcelo, que vai defendeu o
Real Madrid na final da Liga dos Campeões contra o Atlético de Madri.
 Itália, França, Inglaterra, Alemanha, Holanda, Uruguai, Chile, Portugal e
Croácia começaram a treinar para a Copa do Mundo bem antes do Brasil, pelo
menos com parte dos jogadores que disputarão o Mundial.
9
 A CBF deveria elaborar um Plano de Trabalho para a Equipe Técnica e para os
Jogadores a partir do dia “D”, considerado o início das atividades do Projeto
Copa do Mundo.
 Tentar acordo com as equipes de futebol onde atuam os jogadores que
interessam à Equipe Técnica para a liberação dos mesmos para cumprir o
Plano de Trabalho. Descartar os jogadores cujos clubes não se comprometam
na liberação dos mesmos. Dar prioridade aos jogadores que atuam no Brasil
para facilitar a liberação junto aos clubes. Não concentrar a convocação num
número reduzido de clubes.
COMO JOGOU A SELEÇÃO BRASILEIRA ?
 O jogo de estreia começou com um gol contra... Seria um prenúncio? A
seleção ganhou de 3 x 1 da Croácia mas não convenceu.
 Na sequencia a seleção empatou com o México em 0 x 0 e ganhou de
Camarões de 4 x 1. A equipe continuou a não empolgar os torcedores.
 Nas oitavas empatou com o Chile, ganhando nas penalidades e nas quartas
ganhou da Colômbia por 2 x 1. A equipe continuou morna e não convencia a
torcida, apesar dos resultados. Contra a Colômbia Neymar foi lesionado e ficou
de fora do restante da Copa. Thiago Silva por causa de cartões ficou fora do
jogo contra a Alemanha.
 O jogo contra a Alemanha era esperado como um jogo crucial para a equipe
brasileira. Esperava-se uma motivação extra da equipe devido ao fato de Neymar
estar fora da Copa. Foram decepcionantes 7 x 1 para a Alemanha.
10
11
 Nas fotos acima nós podemos ver a perplexidade dos jogadores brasileiros e a
paralisia chocante do líder e sua comissão técnica. O que fizeram? Nada...

Recomendado para você

Economia copa f gv
Economia copa f gvEconomia copa f gv
Economia copa f gv

O documento lista os nomes de diversas pessoas e suas respectivas funções relacionadas à organização de um evento sobre futebol e desenvolvimento no Brasil.

Rp nos mega eventos esportivos, luciano viana
Rp nos mega eventos esportivos, luciano vianaRp nos mega eventos esportivos, luciano viana
Rp nos mega eventos esportivos, luciano viana

O documento discute as oportunidades do Brasil em áreas como turismo, esportes e negócios devido aos grandes eventos como Copa do Mundo e Olimpíadas. Também apresenta como as estratégias de relações públicas podem ser usadas para aproveitar essas oportunidades, promovendo a imagem positiva do país e facilitando o entendimento entre diferentes públicos e organizações.

Basta futebol clube
Basta futebol clubeBasta futebol clube
Basta futebol clube

No texto BASTA FUTEBOL CLUBE o autor pondera sobre a atual estrutura do futebol mundial, norteado na sua organização e estrutura pela FIFA, em função de que esta modalidade esportiva assuma uma nova, mais comprometida e democrática função de protagonista do desenvolvimento humano e de princípios mais éticos e benéficos ao esporte e para a humanidade.

futebolpolítica global
12
 Não existe nada em termos de Liderança e Chefia que justifique uma atitude
como essa de toda a equipe da Comissão Técnica, responsável por organizar
a equipe tática e estratégicamente.
 Fizeram o impossível: pior do que a derrota honrosa frente ao uruguai em
1950. A equipe Alemã só não ampliou mais o placar para não desmoralizar
ainda mais os penta-campeões mundiais. Foi horrível....
13
COMO JOGARAM AS OUTRAS SELEÇÕES?
 Jogo compacto, jogo limpo, jogo com foco e jogo com objetivo. Todas as
equipes que vieram para o Mundial vieram para vencer. Nenhuma equipe saiu
de seu país simplesmente para disputar um campeonato. Vieram com o
objetivo de GANHAR, GANAR ou WIN.
 Nossa seleção, por estar disputando em casa, pensou que seria tudo muito
mais fácil. Não se prepararam adequadamente para enfrentar adversários
duros, determinados, calculistas e frios.
 A partida de futebol, numa copa do mundo, hoje em dia é um jogo estratégico
que precisa ser jogado (e não disputado). O jogo estratégico é muito mais
amplo do que um jogo simplesmente disputado onde as duas equipes partem
para abrir o placar a qualquer custo e no menor tempo possível. É preciso
analisar o adversário e esta tarefa não é só do técnico. Os jogadores precisam
aprender a analisar os adversários que marcam e passar para a comissão
técnica a sua avaliação. As informações, após analisadas, transformam-se em
ações para melhorar o desempenho da equipe no tempo seguinte.
O QUE FALTOU PARA A SELEÇÃO NOS JOGOS FINAIS?
 Na fase de Grupos da Copa as partidas são de 90 minutos somadas as
prorrogações dadas pelos árbitros. Nesta fase a Comissão Técnica tem que
desenvolver uma estratégia para acumular os pontos necessários para que a
equipe fique entre as duas primeiras do grupo.
 A Estratégia passa pelo estudo minucioso de cada equipe adversária e de
cada componente individualmente. Saber como cada adversário joga, como
cada jogador da equipe adversária atua dentro do campo, saber o perfil
psicológico de cada componente da equipe adversária e PASSAR PARA OS
JOGADORES todas as informações conhecidas. Os jogadores precisam, além
de saber jogar bola, saber conhecer o adversário que irá marcar e o adversário
que o marcará. Então, hoje, o jogador precisa ter um nível intelectual elevado
para poder receber, repassar e processar informações rapidamente. O jogador
precisa, em campo, ter condições intelectuais de tomar decisões táticas
baseadas nas orientações previamente recebidas da comissão técnica e nas
informações colhidas por ele ou pelos outros componentes da equipe durante
o desenrolar o jogo, sem precisar da intervenção do Técnico.
 No jogo contra a Alemanha nós vimos uma equipe acéfala dentro e fora do
campo. Perdeu-se todo o conjunto tático. Os responsáveis por tomar decisão e
reorganizar o time não souberam fazê-lo. Os jogadores, despreparados, foram
abandonados à própria sorte em frente a uma equipe fria e calculista e que só
não humilhou mais a nossa seleção por que não quiseram. Poderiam ter feito
mais de uma dúzia de gols.
14
 Faltou OBJETIVO.
 Faltou estudar o adversário.
 Faltou orientar a equipe.
 Faltou aplicação tática.
 Faltou ação estratégica. Se a Comissão Técnica tivesse mandado a equipe
retrair e segurar 2 x 0 até o final do 1º tempo, poderiam estudar a situação,
estimular os jogadores, reorientar o time e pensar que ainda teriam o segundo
tempo para empatar e mais 2 prorrogações para tentar vencer e após ainda
teriam a cobrança de penalidades. Mas nada foi feito. Vimos o Técnico com a
cabeça entre as mãos, entregando o caso para o ser Divino resolver.
QUAIS ENSINAMENTOS PODEMOS TIRAR DOS ERROS COMETIDOS?
 É necessário um PLANEJAMENTO prévio para alcançar um objetivo, por mais
simples que seja.
 Para bem executar uma tarefa é necessário TREINAR quantas vezes
necessário até atingir a perfeição. Como dificilmente a perfeição é atingida,
temos que treinar e treinar sempre.
 Podemos considerar os jogadores que chegam para a seleção como uma
travessa cheia de frutos diferentes. Podemos deixar cada fruto como veio e
saboreá-los separadamente, podemos fazer uma salada de frutas e sentir
ainda o sabor individual de cada fruto, apesar de misturados ou ainda
podemos triturar todos eles num belo suco e sentir um sabor único e
harmonioso (ISSO É A EQUIPE!). Faltou equipe, sobrou Neymar!
 Quando um grupo de jogadores forma uma EQUIPE, a Comissão Técnica tem
condições de olhar para os jogadores que estão no banco de reserva e ver um
outro time inteiro à sua disposição, terá plena liberdade de substituir qualquer
um sem que a equipe perca produtividade, visando melhorar um aspecto tático
ou então visando aproveitar uma vantagem estratégica sobre o adversário.
 FALTOU À SELEÇÃO BRASILEIRA ESPÍRITO DE CORPO, SENTIDO DE
EQUIPE, GARRA E DETERMINAÇÃO.
 O Brasil pode reunir os melhores jogadores que possui mas se não conseguir
incutir em cada um deles estes sentimentos, dificilmente conseguiremos
conquistar outra COPA do mundo

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Estudos de estratégia erros da seleção na copa de 2013

A política da bola texto
A política da bola textoA política da bola texto
A política da bola texto
Luciane Mota
 
Planejamento Estratégico de RP no mercado de esportes
Planejamento Estratégico de RP no mercado de esportesPlanejamento Estratégico de RP no mercado de esportes
Planejamento Estratégico de RP no mercado de esportes
Marcus Vinicius Bonfim
 
Adm de Marketing I - Planejamento de aula 09.09
Adm de Marketing I - Planejamento de aula   09.09Adm de Marketing I - Planejamento de aula   09.09
Adm de Marketing I - Planejamento de aula 09.09
Elton Rodrigues
 
Adm. de Marketing I - Planejamento de aula 09.09
Adm. de Marketing I - Planejamento de aula   09.09Adm. de Marketing I - Planejamento de aula   09.09
Adm. de Marketing I - Planejamento de aula 09.09
Elton Rodrigues
 
Ctratk
Ctratk Ctratk
Ctratk
ContraAtaque
 
Curso de Gestão Esportiva Norte-Americana Aplicada ao Mercado Brasileiro
Curso de Gestão Esportiva Norte-Americana Aplicada ao Mercado BrasileiroCurso de Gestão Esportiva Norte-Americana Aplicada ao Mercado Brasileiro
Curso de Gestão Esportiva Norte-Americana Aplicada ao Mercado Brasileiro
Thiago Viana
 
CtrAtk -B1
CtrAtk -B1CtrAtk -B1
CtrAtk -B1
ContraAtaque
 
Ctr atk petrorian
Ctr atk petrorianCtr atk petrorian
Ctr atk petrorian
ContraAtaque
 
Eu quero o sporting de volta
Eu quero o sporting de voltaEu quero o sporting de volta
Eu quero o sporting de volta
Gonçalo Nascimento Rodrigues
 
Economia copa f gv
Economia copa f gvEconomia copa f gv
Economia copa f gv
Studiesfree
 
Rp nos mega eventos esportivos, luciano viana
Rp nos mega eventos esportivos, luciano vianaRp nos mega eventos esportivos, luciano viana
Rp nos mega eventos esportivos, luciano viana
ldviana
 
Basta futebol clube
Basta futebol clubeBasta futebol clube
Basta futebol clube
Fernando Zornitta
 
Livro de regras 2014 2015
Livro de regras 2014 2015Livro de regras 2014 2015
Livro de regras 2014 2015
Vinicius Eef
 
Futebol de campo
Futebol de campoFutebol de campo
Futebol de campo
Jeferson René
 
Regras Fifa Futebol
Regras Fifa FutebolRegras Fifa Futebol
Regras Fifa Futebol
LEONARDO VITORINO
 
Aaa processo decisório-grupo
Aaa processo decisório-grupoAaa processo decisório-grupo
Aaa processo decisório-grupo
Monica Firmino
 
Futebol - Projeto CAT Taquaritinga
Futebol - Projeto CAT TaquaritingaFutebol - Projeto CAT Taquaritinga
Futebol - Projeto CAT Taquaritinga
InnovateSports
 
Governança de Fairplay - Projeto Final FIFA-FGV
Governança de Fairplay - Projeto Final FIFA-FGVGovernança de Fairplay - Projeto Final FIFA-FGV
Governança de Fairplay - Projeto Final FIFA-FGV
Domingos Torres
 
A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...
A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...
A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Apresentação de Kelly Nagaoka sobre tênis de mesa e mídias sociais
Apresentação de Kelly Nagaoka sobre tênis de mesa e mídias sociais Apresentação de Kelly Nagaoka sobre tênis de mesa e mídias sociais
Apresentação de Kelly Nagaoka sobre tênis de mesa e mídias sociais
Kelly Nagaoka
 

Semelhante a Estudos de estratégia erros da seleção na copa de 2013 (20)

A política da bola texto
A política da bola textoA política da bola texto
A política da bola texto
 
Planejamento Estratégico de RP no mercado de esportes
Planejamento Estratégico de RP no mercado de esportesPlanejamento Estratégico de RP no mercado de esportes
Planejamento Estratégico de RP no mercado de esportes
 
Adm de Marketing I - Planejamento de aula 09.09
Adm de Marketing I - Planejamento de aula   09.09Adm de Marketing I - Planejamento de aula   09.09
Adm de Marketing I - Planejamento de aula 09.09
 
Adm. de Marketing I - Planejamento de aula 09.09
Adm. de Marketing I - Planejamento de aula   09.09Adm. de Marketing I - Planejamento de aula   09.09
Adm. de Marketing I - Planejamento de aula 09.09
 
Ctratk
Ctratk Ctratk
Ctratk
 
Curso de Gestão Esportiva Norte-Americana Aplicada ao Mercado Brasileiro
Curso de Gestão Esportiva Norte-Americana Aplicada ao Mercado BrasileiroCurso de Gestão Esportiva Norte-Americana Aplicada ao Mercado Brasileiro
Curso de Gestão Esportiva Norte-Americana Aplicada ao Mercado Brasileiro
 
CtrAtk -B1
CtrAtk -B1CtrAtk -B1
CtrAtk -B1
 
Ctr atk petrorian
Ctr atk petrorianCtr atk petrorian
Ctr atk petrorian
 
Eu quero o sporting de volta
Eu quero o sporting de voltaEu quero o sporting de volta
Eu quero o sporting de volta
 
Economia copa f gv
Economia copa f gvEconomia copa f gv
Economia copa f gv
 
Rp nos mega eventos esportivos, luciano viana
Rp nos mega eventos esportivos, luciano vianaRp nos mega eventos esportivos, luciano viana
Rp nos mega eventos esportivos, luciano viana
 
Basta futebol clube
Basta futebol clubeBasta futebol clube
Basta futebol clube
 
Livro de regras 2014 2015
Livro de regras 2014 2015Livro de regras 2014 2015
Livro de regras 2014 2015
 
Futebol de campo
Futebol de campoFutebol de campo
Futebol de campo
 
Regras Fifa Futebol
Regras Fifa FutebolRegras Fifa Futebol
Regras Fifa Futebol
 
Aaa processo decisório-grupo
Aaa processo decisório-grupoAaa processo decisório-grupo
Aaa processo decisório-grupo
 
Futebol - Projeto CAT Taquaritinga
Futebol - Projeto CAT TaquaritingaFutebol - Projeto CAT Taquaritinga
Futebol - Projeto CAT Taquaritinga
 
Governança de Fairplay - Projeto Final FIFA-FGV
Governança de Fairplay - Projeto Final FIFA-FGVGovernança de Fairplay - Projeto Final FIFA-FGV
Governança de Fairplay - Projeto Final FIFA-FGV
 
A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...
A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...
A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...
 
Apresentação de Kelly Nagaoka sobre tênis de mesa e mídias sociais
Apresentação de Kelly Nagaoka sobre tênis de mesa e mídias sociais Apresentação de Kelly Nagaoka sobre tênis de mesa e mídias sociais
Apresentação de Kelly Nagaoka sobre tênis de mesa e mídias sociais
 

Mais de CIRINEU COSTA

Aene project a medium city public students obesity study
Aene project   a medium city public students obesity studyAene project   a medium city public students obesity study
Aene project a medium city public students obesity study
CIRINEU COSTA
 
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderesTeoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
CIRINEU COSTA
 
O custo do dinheiro taxa de juros
O custo do dinheiro taxa de jurosO custo do dinheiro taxa de juros
O custo do dinheiro taxa de juros
CIRINEU COSTA
 
Reflexões sobre a política
Reflexões sobre a políticaReflexões sobre a política
Reflexões sobre a política
CIRINEU COSTA
 
A reforma previdenciária
A reforma previdenciáriaA reforma previdenciária
A reforma previdenciária
CIRINEU COSTA
 
Recessão versus estabilidade econômica
Recessão versus estabilidade econômicaRecessão versus estabilidade econômica
Recessão versus estabilidade econômica
CIRINEU COSTA
 
Análise de risco e retorno
Análise de  risco e retornoAnálise de  risco e retorno
Análise de risco e retorno
CIRINEU COSTA
 
O bem monetário versus tempo
O bem monetário versus tempoO bem monetário versus tempo
O bem monetário versus tempo
CIRINEU COSTA
 
Demonstrações financeiras
Demonstrações financeirasDemonstrações financeiras
Demonstrações financeiras
CIRINEU COSTA
 
Educação um salto para o futuro
Educação    um salto para o futuroEducação    um salto para o futuro
Educação um salto para o futuro
CIRINEU COSTA
 
O apetite do governo e a fome do povo
O apetite do governo e a fome do povoO apetite do governo e a fome do povo
O apetite do governo e a fome do povo
CIRINEU COSTA
 
Brasil – o resultado da marolinha do lula
Brasil – o resultado da marolinha do lulaBrasil – o resultado da marolinha do lula
Brasil – o resultado da marolinha do lula
CIRINEU COSTA
 
Física fácil(4)
Física fácil(4)Física fácil(4)
Física fácil(4)
CIRINEU COSTA
 
A miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileiraA miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileira
CIRINEU COSTA
 
Brasil o que fazer para crescer
Brasil o que fazer para crescerBrasil o que fazer para crescer
Brasil o que fazer para crescer
CIRINEU COSTA
 
Brazil internal war between powers the equilibrium theory
Brazil  internal war between powers  the equilibrium theoryBrazil  internal war between powers  the equilibrium theory
Brazil internal war between powers the equilibrium theory
CIRINEU COSTA
 
Brasil a guerra interna entre os poderes a teoria do equilibrio
Brasil  a guerra interna entre os poderes  a teoria do equilibrioBrasil  a guerra interna entre os poderes  a teoria do equilibrio
Brasil a guerra interna entre os poderes a teoria do equilibrio
CIRINEU COSTA
 
Análise do cenário da política tributária nacional
Análise do cenário da política tributária nacionalAnálise do cenário da política tributária nacional
Análise do cenário da política tributária nacional
CIRINEU COSTA
 
Física fácil(3)
Física fácil(3)Física fácil(3)
Física fácil(3)
CIRINEU COSTA
 
São paulo falta de água ou de ação governamental
São paulo falta de água ou de ação governamentalSão paulo falta de água ou de ação governamental
São paulo falta de água ou de ação governamental
CIRINEU COSTA
 

Mais de CIRINEU COSTA (20)

Aene project a medium city public students obesity study
Aene project   a medium city public students obesity studyAene project   a medium city public students obesity study
Aene project a medium city public students obesity study
 
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderesTeoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
 
O custo do dinheiro taxa de juros
O custo do dinheiro taxa de jurosO custo do dinheiro taxa de juros
O custo do dinheiro taxa de juros
 
Reflexões sobre a política
Reflexões sobre a políticaReflexões sobre a política
Reflexões sobre a política
 
A reforma previdenciária
A reforma previdenciáriaA reforma previdenciária
A reforma previdenciária
 
Recessão versus estabilidade econômica
Recessão versus estabilidade econômicaRecessão versus estabilidade econômica
Recessão versus estabilidade econômica
 
Análise de risco e retorno
Análise de  risco e retornoAnálise de  risco e retorno
Análise de risco e retorno
 
O bem monetário versus tempo
O bem monetário versus tempoO bem monetário versus tempo
O bem monetário versus tempo
 
Demonstrações financeiras
Demonstrações financeirasDemonstrações financeiras
Demonstrações financeiras
 
Educação um salto para o futuro
Educação    um salto para o futuroEducação    um salto para o futuro
Educação um salto para o futuro
 
O apetite do governo e a fome do povo
O apetite do governo e a fome do povoO apetite do governo e a fome do povo
O apetite do governo e a fome do povo
 
Brasil – o resultado da marolinha do lula
Brasil – o resultado da marolinha do lulaBrasil – o resultado da marolinha do lula
Brasil – o resultado da marolinha do lula
 
Física fácil(4)
Física fácil(4)Física fácil(4)
Física fácil(4)
 
A miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileiraA miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileira
 
Brasil o que fazer para crescer
Brasil o que fazer para crescerBrasil o que fazer para crescer
Brasil o que fazer para crescer
 
Brazil internal war between powers the equilibrium theory
Brazil  internal war between powers  the equilibrium theoryBrazil  internal war between powers  the equilibrium theory
Brazil internal war between powers the equilibrium theory
 
Brasil a guerra interna entre os poderes a teoria do equilibrio
Brasil  a guerra interna entre os poderes  a teoria do equilibrioBrasil  a guerra interna entre os poderes  a teoria do equilibrio
Brasil a guerra interna entre os poderes a teoria do equilibrio
 
Análise do cenário da política tributária nacional
Análise do cenário da política tributária nacionalAnálise do cenário da política tributária nacional
Análise do cenário da política tributária nacional
 
Física fácil(3)
Física fácil(3)Física fácil(3)
Física fácil(3)
 
São paulo falta de água ou de ação governamental
São paulo falta de água ou de ação governamentalSão paulo falta de água ou de ação governamental
São paulo falta de água ou de ação governamental
 

Estudos de estratégia erros da seleção na copa de 2013

  • 1. Prof. Cirineu José da Costa – MSc Estudos de Estratégia: Erros estratégicos da Seleção Brasileira na Copa de 2014
  • 2. 1 A POSTULAÇÃO DO BRASIL PARA SER SEDE DA COPA DE 2014  Em Junho de 2003 a Confederação Sul-Americana de Futebol anunciaou que a Argentina, o Brasil e a Colômbia seriam candidatos à sede da Copa FIFA 2014. Em março de 2006 foi votada de forma unânime a adoção do Brasil como único candidato.  Em Julho de 2006 o presidente da FIFA disse que,a Copa do Mundo de 2014 provavelmente seria sediada no Brasil mas que o país tinha que provar sua capacidade antes de tomar uma decisão.  Em abril de 2007 após visitar o Maracanã, o Morumbi, o Mineirão e o Beira-Rio a FIFA disse que o país não tinha nenhum estádio em condições de sediar a Copa.  Lula afirmou em setembro de 2006 que o Brasil deveria construir doze novos estádios para ser capaz de sediar a Copa.  O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) disse que recuperar estádios e/ou construir novos estádios seria responsabilidade da iniciativa privada.  Em julho de 2007 a CBF entregou na sede da FIFA em Zurique, na Suíça, os documentos da proposta, na qual apareciam as dezoito cidades selecionadas.  Em outubro de 2007 a FIFA ratificou o Brasil como país-sede da Copa do Mundo de 2014. A PREPARAÇÃO DO BRASIL PARA SEDIAR A COPA DE 2014  Nosso país foi candidato único para sediar a Copa FIFA 2014. Os governantes sabiam das exigências da FIFA para que as competições fossem aqui realizadas.  Construções de novos estádios, denominados de ARENAS, dotados de uma infras-estrutura que não existiam até então nos nossos campos de futebol eram pontos cruciais para o evento.  Visitantes, turistas, torcedores...não importa o nome que tenham, precisam chegar ao país, ter acomodações, transporte, alimentação, comunicação, segurança e receptividade.
  • 3. 2  As cidades precisavam ter um plano de mobilidade urbana, infra-estrutura de transportes, segurança pública, apoio em saúde, telecomunicações, hotelaria e demais facilities para aqueles que viessem assistir aos jogos, para queles que viessem trabalhar na cobertura dos jogos e para as equipes que seriam as figuras principais do torneio.  O planejamento nunca foi o forte do Estado Brasileiro. Quando o planejamento é feito, dificilmente é cumprido. Cronograma de atividades são feitos e não cumpridos.  Nossa preparação para a Copa foi um fiasco. Ficamos anos parados à espera de que as obras e os serviços brotassem espontaneamente não se sabe de onde. Só começaram a aparecer alguns sinais de atividade quando a FIFA posicionou-se dizendo que, naquela velocidade em que estávamos, não haveria Copa do Mundo no Brasil.  Só a partir daí as autoridades governamentais que se propuseram a realizar o evento no país começaram a procurar por parceiros da iniciativa privada para realizar as obras prometidas e comprometidas com a FIFA. Viu-se então que não havia parceiros privados. O sonho de uma Copa sem a injeção de recursos públicos foi para o buraco. O Governo Federal passou então a procurar Governadores e Prefeitos, empresas estatais e bancos públicos para tentar viabilizar o que havia sido comprometido.  A população passou a manifestar-se contra a realização da Copa e contra os gastos públicos com o evento. O Brasil passou por momentos dificeis com manifestações violentas e acéfalas, combinadas através de redes sociais que se mostraram como ferramentas eficientes de mobilização popular.  Os Partidos políticos e os políticos ficaram sem ação. Não havia uma liderança dos movimentos para ser condenada, para ser chamada à mesa de negociação. E a revolta popular só recrudescia a cada momento que se passava.  Os governos locais tentavam agir seguindo uma linha político-partidária que na maioria das vezes não era alinhada com o governo central do PT.  As polícias ou agiam com violência ou não agiam de acordo com a conveniência do governador. As Guardas municipais seguiam a mesma linha. E as manifestações ficavam cada dia mais violentas e passaram a ser consideradas um problena nacional de segurança. As medidas de contenção passaram a ser estudadas e tomadas com mais eficiência. As cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Brasília viraram campos de batalha como nunca vistos no nosso País.  Faltou diálogo prévio com a Sociedade. O Governo foi autoritário e não discutiu com a sociedade brasileira as decisões que foram tomadas de gastar as
  • 4. 3 verbas públicas com arenas de futebol estando a sociedade carente de ações públicas nas áreas de saúde, educação, transporte e segurança. OS PRÉ-REQUISITOS PARA SER UM JOGADOR DA SELEÇÃO BRASILEIRA  Saber jogar bola;  Ter experiência na função;  Ter preparação física;  Ter equilíbrio mental e psicológico;  Ter espírito de equipe e sentimento de sacrifício;  Ter garra e vontade de vencer;  Ter amor à camisa;  ...poderíamos preencher páginas de pré-requisitos, mas sabemos que todos os requisitos somados tem que resultar num elemento que dê o rsultado desejado ao final do jogo, ou seja, que o somatório do trabalho de todos os jogadores resulte na vitória do time pelo qual jogam.  É necessário ser famoso?  É essencial ter um valor de mercado fenomenal?  É imprescindível atuar ou ter atuado em times de outros países?  É fundamental ter porte físico avantajado?  É imperativo ter conquistado títulos importantes?  Na verdade, o jogador de futebol, para ser convocado para a seleção brasileira, precisaria ter todos os requisitos citados e possuir GARRA.  Mas a convocação para a seleção leva em conta critérios ininteligíveis e às vezes obscuros, levados às vezes por interesses comerciais de patrocinadores que atropelam todos os demais interesses justos e legais.  Nós, pobres torcedores, ficamos à mercê..... Vejam abaixo a lista de 2014:
  • 5. 4
  • 6. 5  Dos 23 convocados apenas 2 goleiros e dois jogadores atuavam no Brasil. O Brasil que é o país que tem o maior número de times de futebol do mundo forneceu apenas 2 jogadores e dois goleiros reservas. Será que não temos jogadores que atuam no Brasil com padrão de Seleção Brasileira? Ou serão injunções externas que obrigam as convocações de figurinhas carimbadas pelos patrocinadores?  Convocando jogadores nacionais não ficaria mais fácil para a Comissão Técnica ter acesso aos mesmos e poder executar um programa de treinamento efetivo por um tempo continuo e prolongado?  Nossa Seleção contem uma pléiade de jogadores excelentes individualmente mas que, infelizmente, não conseguem, ao jogar, dar uma formação de TIME, de EQUIPE ou de CONJUNTO, pois não sabem jogar juntos. OS PRÉ-REQUISITOS PARA SER TÉCNICO DA SELEÇÃO BRASILEIRA  A Seleção Brasileira necessita de um Técnico. O Técnico, para bem executar o seu trabalho, necessita ter à sua disposição um conjunto de jogadores para chamar de Seleção.  Qual seria o perfil do Técnico ideal para nossa Seleção?  O Técnico da Seleção precisa obrigatoriamente ser um LIDER. Para ser um bom líder ele deve pelo menos: -Respeitar e confiar na sua equipe -Saber ouvir e orientar -Ter empatia -Ser motivado e saber motivar -Ser inovador -Ser flexível -Ter conhecimento -Saber dar e receber feed-back -Ser um bom planejador e estrategista -Saber delegar  O Técnico deve ter sempre em primeiro plano o OJBETIVO PRINCIPAL do seu trabalho: Levar a Seleção à conquista da Copa!  Nada menos que isso interessa ao grupo e muito menos para os torcedores. Se a equipe não ganhar o campeonato o objetivo não foi atingido.
  • 7. 6  Como então motivar jogadores com salários tão diferenciados, com contratos publicitários estratosféricos, com o ego inflado pelo estrelismo a dar sangue pela seleção nacional?  Como convence-los que precisam treinar mais, melhorar o preparo físico, melhorar o aspecto psicológico, sacrificar-se no relacionamento pessoal e familiar e lutar pelo OBJETIVO do grupo: ganhar a COPA?  Assim vemos que a missão do Técnico e da sua equipe de trabalho não é simples e nem fácil. Talvez ele conte com os melhores jogadores do mundo mas tem a missão quase impossível de transformá-los numa EQUIPE, num TIME de futebol. Nivelar os egos individuais, dividir a carga de trabalho, cobrar resultados e aplicação independentemente do nível estrelar que o jogador esteja....não é tarefa fácil para um Técnico qualquer.  Precisamos de um TÉCNICO! Mas com quais competências? Será que iremos pelo velho método de tentativa-e-erro?  Será que serão estabelecidos critérios basilares mínimos para que um postulante possa ser convidado?  Qual é o nível de liberdade que o Técnico realmente tem para desenvolver o seu trabalho? Será que a CBF dá o grau de liberdade necessária ao Técnico ou será que ele tem a obrigação de trabalhar com a matéria-prima imposta pelo comando da Confederação? COMO FAZER A COMPOSIÇÃO DA COMISS/AO TÉCNICA? Normalmente a CBF compõe assim a comissão técnica: 01 Coordenador Técnico 01 Técnico 01 Assistente Técnico 02 Preparadores Físicos 01 Treinador de Goleiros 03 Médicos 02 Fisioterapeutas 01 Administrador 01 Assessoria de Comunicação e Imprensa 01 Analista de Desempenho Tático 01 Chefe da Segurança 01 Massagista 02 Roupeiros
  • 8. 7  Será que esta composição está adequada para o tipo de competição atual que a Copa do Mundo apresenta?  Falta Preparador Físico (pelo menos 3), Massagista (pelo menos 3) e Analista de Desempenho Tático (pelo menos 2)  A preparação física dos jogadores deve objetivar primeiramente o nivelamento da condição física de todos. Alcançado o nivelamento passa-se para o segunda etapa que é levar cada jogador ao condicionamento específico para a sua posição. A última etapa é dar a cada um deles um adicional de preparação para que possam cobrir toda a área do campo possibilitando que um jogador de defesa possa surpreender o adversário na área defensiva oposta levando perigo do gol e possa retornar para sua posição imediatamente. Da mesma forma possibilitar ao jogador ofensivo condições de, caso perca a bola no ataque, possa, imediatamente chegar na sua área defensiva reforçando a defesa e diminuindo o perigo de gol. Aos jogadores intermediários este condicionamento extra possibilita a movimentação rápida cobrindo uma extensão maior do campo, diminuindo as possibilidades do adversário no campo intermediário, podendo reforçar a defesa ou partir para uma posição de ataque auxiliando a zaga e o ataque simultaneamente.  Preparação física é alcançada com dedicação, entrega e muito suor. Cabe à equipe fazer a motivação. O jogador vai sentir muito no início e no meio do condicionamento mas terá a recompensa no final quando conseguirá fazer percursos extraordinários dentro de campo e superar a dor de ter mais dois tempos de prorrogação e cobrança de penalidades, saindo de campo vitorioso e inteiro para uma nova partida. COMO PLANEJAR A PREPARAÇÃO DA EQUIPE  Algumas seleções possuem mais tempo para iniciar o treinamento específico para a competição COPA DO MUNDO.  Como fazer se não possuir o tempo ideal?  Não possuindo o tempo ideal deve-se programar o tempo disponível para um aproveitamento máximo da disponibilidade dos atletas.  Fala-se muito em “período de descanso” mas o importante é focar no período disponível para treinar. Treinar sempre nem que seja com a equipe incompleta. Esta filosofia de trabalho deve ser incutida em toda a equipe técnica e em todos os atletas que se disponham a conquistar uma COPA DO MUNDO.  Os jogadores brasileiros nesta copa de 2014, especialmente os que atuam em clubes do exterior, aproveitaram o período de descanso para visitar familiares.
  • 9. 8  O treinamento, a organização e o planejamento minuciosos da conquista de 70 são esquecidos ou secundarizados nos jornais de hoje.  O Comandante e Professor Lamartine Pereira da Costa auxiliou e deu suporte teórico ao planejamento da Comissão Técnica, formada por Admildo Chirol, Carlos Alberto Parreira, Cláudio Coutinho, Kleber Camerino e Raul Carlesso. Estes três últimos integrantes faziam parte da Escola de Educação Física do Exército(EsEFEx), solicitados pela então Confederação Brasileira de Desportos (CBD).  Na Copa de 70 o trabalho mais perfeito realizado pela Comissão Técnica foi o da preparação física. Pela primeira vez na história do futebol brasileiro, um programa de trabalho baseado no melhor que a ciência da educação física podia oferecer ao futebol foi utilizado.  Objetividade, organização, disciplina e competência técnica foram itens priorizados pela Comissão Técnica. Estudos de fisiologia do esforço, estudos táticos e treinamento técnico foram duramente aplicados durante a preparação.  O Capitão Cláudio Coutinho foi o grande nome que, com habilidade, soube fazer bem o trabalho. Ele deu a dimensão do cientista no campo. Tudo era organizado, com a medicina esportiva dando apoio e não dizendo como devem ser as coisas. O esquema de treinamento funcionou aliado com o conhecimento científico, com o trabalho de equipe e com a motivação dos atletas para a conquista do título.  A seleção brasileira começou os treinamentos para a Copa do Mundo atrasada em relação a diversos adversários, inclusive a Croácia, rival da estreia, e as concorrentes ao título Alemanha, Itália e França.  Por decisão da comissão técnica brasileira, os jogadores convocados por Scolari ganharam pelo menos uma semana livre e só se apresentaram ao treinador em 26 de maio para iniciar os preparativos na Granja Comary, em Teresópolis (RJ).  Até o dia do jogo contra a Croácia, em 12 de junho, o time teve 17 dias de preparação, o período mais curto das últimas Copas -- foram 25 dias para o Mundial na África do Sul (2010), 22 dias para a Copa da Alemanha (2006) e 22 dias a caminho da conquista do penta na Coreia do Sul e no Japão (2002).  Apenas após o encerramento do Campeonato Espanhol o nosso Técnico pode contar com todos os atletas. A única exceção foi o Marcelo, que vai defendeu o Real Madrid na final da Liga dos Campeões contra o Atlético de Madri.  Itália, França, Inglaterra, Alemanha, Holanda, Uruguai, Chile, Portugal e Croácia começaram a treinar para a Copa do Mundo bem antes do Brasil, pelo menos com parte dos jogadores que disputarão o Mundial.
  • 10. 9  A CBF deveria elaborar um Plano de Trabalho para a Equipe Técnica e para os Jogadores a partir do dia “D”, considerado o início das atividades do Projeto Copa do Mundo.  Tentar acordo com as equipes de futebol onde atuam os jogadores que interessam à Equipe Técnica para a liberação dos mesmos para cumprir o Plano de Trabalho. Descartar os jogadores cujos clubes não se comprometam na liberação dos mesmos. Dar prioridade aos jogadores que atuam no Brasil para facilitar a liberação junto aos clubes. Não concentrar a convocação num número reduzido de clubes. COMO JOGOU A SELEÇÃO BRASILEIRA ?  O jogo de estreia começou com um gol contra... Seria um prenúncio? A seleção ganhou de 3 x 1 da Croácia mas não convenceu.  Na sequencia a seleção empatou com o México em 0 x 0 e ganhou de Camarões de 4 x 1. A equipe continuou a não empolgar os torcedores.  Nas oitavas empatou com o Chile, ganhando nas penalidades e nas quartas ganhou da Colômbia por 2 x 1. A equipe continuou morna e não convencia a torcida, apesar dos resultados. Contra a Colômbia Neymar foi lesionado e ficou de fora do restante da Copa. Thiago Silva por causa de cartões ficou fora do jogo contra a Alemanha.  O jogo contra a Alemanha era esperado como um jogo crucial para a equipe brasileira. Esperava-se uma motivação extra da equipe devido ao fato de Neymar estar fora da Copa. Foram decepcionantes 7 x 1 para a Alemanha.
  • 11. 10
  • 12. 11  Nas fotos acima nós podemos ver a perplexidade dos jogadores brasileiros e a paralisia chocante do líder e sua comissão técnica. O que fizeram? Nada...
  • 13. 12  Não existe nada em termos de Liderança e Chefia que justifique uma atitude como essa de toda a equipe da Comissão Técnica, responsável por organizar a equipe tática e estratégicamente.  Fizeram o impossível: pior do que a derrota honrosa frente ao uruguai em 1950. A equipe Alemã só não ampliou mais o placar para não desmoralizar ainda mais os penta-campeões mundiais. Foi horrível....
  • 14. 13 COMO JOGARAM AS OUTRAS SELEÇÕES?  Jogo compacto, jogo limpo, jogo com foco e jogo com objetivo. Todas as equipes que vieram para o Mundial vieram para vencer. Nenhuma equipe saiu de seu país simplesmente para disputar um campeonato. Vieram com o objetivo de GANHAR, GANAR ou WIN.  Nossa seleção, por estar disputando em casa, pensou que seria tudo muito mais fácil. Não se prepararam adequadamente para enfrentar adversários duros, determinados, calculistas e frios.  A partida de futebol, numa copa do mundo, hoje em dia é um jogo estratégico que precisa ser jogado (e não disputado). O jogo estratégico é muito mais amplo do que um jogo simplesmente disputado onde as duas equipes partem para abrir o placar a qualquer custo e no menor tempo possível. É preciso analisar o adversário e esta tarefa não é só do técnico. Os jogadores precisam aprender a analisar os adversários que marcam e passar para a comissão técnica a sua avaliação. As informações, após analisadas, transformam-se em ações para melhorar o desempenho da equipe no tempo seguinte. O QUE FALTOU PARA A SELEÇÃO NOS JOGOS FINAIS?  Na fase de Grupos da Copa as partidas são de 90 minutos somadas as prorrogações dadas pelos árbitros. Nesta fase a Comissão Técnica tem que desenvolver uma estratégia para acumular os pontos necessários para que a equipe fique entre as duas primeiras do grupo.  A Estratégia passa pelo estudo minucioso de cada equipe adversária e de cada componente individualmente. Saber como cada adversário joga, como cada jogador da equipe adversária atua dentro do campo, saber o perfil psicológico de cada componente da equipe adversária e PASSAR PARA OS JOGADORES todas as informações conhecidas. Os jogadores precisam, além de saber jogar bola, saber conhecer o adversário que irá marcar e o adversário que o marcará. Então, hoje, o jogador precisa ter um nível intelectual elevado para poder receber, repassar e processar informações rapidamente. O jogador precisa, em campo, ter condições intelectuais de tomar decisões táticas baseadas nas orientações previamente recebidas da comissão técnica e nas informações colhidas por ele ou pelos outros componentes da equipe durante o desenrolar o jogo, sem precisar da intervenção do Técnico.  No jogo contra a Alemanha nós vimos uma equipe acéfala dentro e fora do campo. Perdeu-se todo o conjunto tático. Os responsáveis por tomar decisão e reorganizar o time não souberam fazê-lo. Os jogadores, despreparados, foram abandonados à própria sorte em frente a uma equipe fria e calculista e que só não humilhou mais a nossa seleção por que não quiseram. Poderiam ter feito mais de uma dúzia de gols.
  • 15. 14  Faltou OBJETIVO.  Faltou estudar o adversário.  Faltou orientar a equipe.  Faltou aplicação tática.  Faltou ação estratégica. Se a Comissão Técnica tivesse mandado a equipe retrair e segurar 2 x 0 até o final do 1º tempo, poderiam estudar a situação, estimular os jogadores, reorientar o time e pensar que ainda teriam o segundo tempo para empatar e mais 2 prorrogações para tentar vencer e após ainda teriam a cobrança de penalidades. Mas nada foi feito. Vimos o Técnico com a cabeça entre as mãos, entregando o caso para o ser Divino resolver. QUAIS ENSINAMENTOS PODEMOS TIRAR DOS ERROS COMETIDOS?  É necessário um PLANEJAMENTO prévio para alcançar um objetivo, por mais simples que seja.  Para bem executar uma tarefa é necessário TREINAR quantas vezes necessário até atingir a perfeição. Como dificilmente a perfeição é atingida, temos que treinar e treinar sempre.  Podemos considerar os jogadores que chegam para a seleção como uma travessa cheia de frutos diferentes. Podemos deixar cada fruto como veio e saboreá-los separadamente, podemos fazer uma salada de frutas e sentir ainda o sabor individual de cada fruto, apesar de misturados ou ainda podemos triturar todos eles num belo suco e sentir um sabor único e harmonioso (ISSO É A EQUIPE!). Faltou equipe, sobrou Neymar!  Quando um grupo de jogadores forma uma EQUIPE, a Comissão Técnica tem condições de olhar para os jogadores que estão no banco de reserva e ver um outro time inteiro à sua disposição, terá plena liberdade de substituir qualquer um sem que a equipe perca produtividade, visando melhorar um aspecto tático ou então visando aproveitar uma vantagem estratégica sobre o adversário.  FALTOU À SELEÇÃO BRASILEIRA ESPÍRITO DE CORPO, SENTIDO DE EQUIPE, GARRA E DETERMINAÇÃO.  O Brasil pode reunir os melhores jogadores que possui mas se não conseguir incutir em cada um deles estes sentimentos, dificilmente conseguiremos conquistar outra COPA do mundo