SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudo e Prática da
Mediunidade
Módulo I
Roteiro 6
Fundamentação Espírita:
Introdução ao Estudo da
Mediunidade
Os fenômenos de emancipação da
alma
A Doutrina Espírita nos esclarece a respeito da existência de dois
tipos de fenômenos psíquicos, patrimônio do ser humano: os
anímicos (de anima, alma) – produzidos pelo próprio Espírito
encarnado, e os mediúnicos (de médium, meio) – decorrentes da
intervenção de Espíritos desencarnados – que utilizam um veiculo
ou instrumento humano (médium) para se manifestar. (22) Em O
Livro dos Espíritos, Kardec denomina os fenômenos anímicos de
fenômenos de emancipação da alma, porque, nessa condição, o
Espírito se revela mais livre, ou independente, do jugo do corpo
físico.
Nos fenômenos anímicos, o Espírito encarnado desprende-se
momentaneamente do seu corpo físico e entra em comunicação
com outros Espíritos, desencarnados ou encarnados. Durante esse
desprendimento – que pode ser mais ou menos duradouro – o
Espírito encarnado desprendido ou desdobrado tem consciência
das ocorrências desenvolvidas tanto no plano físico quanto no plano
espiritual, podendo participar ativamente delas. (19)
Os fenômenos anímicos podem ser facilmente confundidos com os
de natureza mediúnica, por trazerem em si as impressões do media-
neiro que os veicula. É oportuno lembrar que, em todo e qualquer
fenômeno mediúnico, a presença do fator anímico é inevitável, pelo
fato de o comunicante espiritual valer-se dos elementos biológicos,
psicológicos e culturais do médium, para elaborar e exteriorizar a
sua mensagem (...).Espera-se que a interferência anímica não ultra-
passe as linhas do admissível, digamos, do suportável(...). (24)
No estudo dos fenômenos psíquicos é importante saber distinguir
fenômeno anímico de mistificação mediúnica. A mistificação mediú-
nica é intencional. Significa dizer que não há um Espírito comunican-
te, o pseudo-médium simula, conscientemente, uma comunicação
mediúnica. Essa condição representa um dos mais sérios entraves
encontrados na pratica mediúnica, capaz de preocupar e mesmo
perturbar a muito seareiros. (23) Pode haver, no entanto, um
Espírito comunicante, mas, devido à inexperiência ou despreparo do
médium, este pode interferir na comunicação com suas idéias, mais
do que é desejável.
A preponderância do fenômeno anímico está bem caracterizado
em duas situações especificas:
a) No inicio da pratica mediúnica, quando os canais mediúnicos
estão sendo desobstruídos pelos Espíritos. Nessa situação, o
médium principiante encontra barreiras físicas paulatinamente
superáveis ao longo do tempo.
b) Nas desarmonias psíquico-emocionais geradas por erros ou
crimes que a pessoa cometeu no passado, em outras existências.
A pessoa imobiliza grande coeficiente de forças do seu mundo
emotivo, em torno de uma experiência infeliz, a ponto de gerar
cristalização mental não superada pelo choque biológico do
renascimento, em novo corpo físico. (24) Fixando-se nessas
lembranças, passa a comportar-se qual se estivesse ainda no
passado, que teima em ressuscitar, agindo como se fosse um
espírito que se estivesse comunicando, (26) num estado que
simula o sonambulismo. (25)
Devemos, portanto, diferenciar fenômeno anímico propriamente
dito, que é a manifestação de uma faculdade psíquica natural e
que faz parte das conquistas evolutivas do ser humano, de
mistificação do fenômeno mediúnico, de forma intencional, ou da
evidenciação de um desequilíbrio psíquico originado em ações
cometidas no passado, pela pessoa em questão. Os fenômenos
anímicos autênticos, verdadeiros, entendidos como reveladores
de uma atividade extra corpórea, são variáveis. Estudaremos, a
seguir, os mais conhecidos.
1-O Sonho
O Sonho é a lembrança do que o Espírito viu durante o sono,(...)
(3) A liberdade do Espírito é julgada pelos sonhos.
O Espírito jamais está inativo. Durante o sono, afrouxam-se os
laços que o prendem ao corpo e, não precisando este então da
sua presença, ele se lança pelo espaço e entra em relação mais
direta com os outros Espíritos. (1) Quando o corpo repousa,
acredita-o, tem o Espírito mais faculdades do que no estado de
vigília. Lembra-se do passado e algumas vezes prevê o futuro.
Adquire maior potencialidade e pode pôr-se em comunicação
com os demais Espíritos, quer deste mundo, quer do outro.
Estando entorpecido o corpo, o Espírito trata de quebrar seus
grilhões e de investigar no passado ou no futuro. (2) O sono
liberta a alma parcialmente do corpo. Quando dorme, o homem
se acha por algum tempo no estado em que fica
permanentemente depois que morre.
Os Espíritos adiantados, quando dormem, vão para junto dos que
lhe são iguais ou superiores. Com este viajam, conversam e se
instruem. Trabalham mesmo em obras que se lhes deparam
concluídas, quando volvem, morrendo na Terra, ao mundo espiritual.
O sonho deles traduz-se por lembranças agradáveis e felizes. (2)
Os Espíritos mais imperfeitos vão, (...) enquanto dormem, ou a
mundos inferiores à Terra, onde os chamam velhas afeiçoes, ou em
busca de gozos quiçá mais baixos do que os em que aqui tanto se
deleitam. Os seus sonhos são pesados, confusos, atormentados,
muitos deles sob a forma de pesadelos.
2 – Sonambulismo
O Sonambulismo é um estado de independência do Espírito, mais
completo do que no sonho, estado em que maior amplitude adquirem
suas faculdades. A alma tem então percepções de que não dispõe no
sonho, que é um estado de sonambulismo imperfeito. No sonambulis-
mo, o Espírito está na posse plena de si mesmo (…). Quando se produ-
zem os fatos do sonambulismo, é que o Espírito, preocupado com uma
coisa ou outra, se aplica a uma acao qualquer, para cuja pratica
necessita de utilizar-se do corpo. Serve-se então deste, como se serve
de uma mesa ou de outro objeto material no fenômeno das manifesta-
ções físicas, ou mesmo como se utiliza da mão do médium nas comu-
nicações escritas. (9)
Os fenômenos de sonambulismo natural se produzem espontaneamen-
te e independem de qualquer causa exterior conhecida. Mas, em certas
pessoas dotadas de especial organização, podem ser provocadas ar-
tificialmente, pela ação do agente magnético [hipnose]. O estado que se
designa pelo nome de sonambulismo magnético apenas difere do so-
nambulismo natural em que um é provocado, enquanto o outro é
espontâneo. (10)
É importante não confundir sonambulismo, natural ou provocado, com
mediunidade sonambúlica. No primeiro caso ocorre um fenômeno
anímico de emancipação da alma, o Espírito encarnado obra por si
mesmo. No segundo caso, os médiuns em estado de sonambulismo
são assistidos por Espíritos. (18)
3 – Telepatia
A telepatia ou transmissão do pensamento é uma faculdade anímica
que ocorre entre as pessoas, independentemente de estarem dormindo
ou acordadas. O Espírito comunica-se telepaticamente porque ele não
se acha encerrado no corpo como numa caixa; irradia para todos os
lados. Segue-se que pode comunicar-se com outros Espíritos, mesmo
em estado de vigília, se bem que mais dificilmente. (4) A telepatia,
linguagem inarticulada do pensamento, é uma forma de comunicação
que dá causa a que duas pessoas se vejam e compreendem sem
precisarem dos sinais ostensivos da linguagem. Poder-se-ia dizer que
falam entre si a linguagem dos Espíritos. (5)
4 – Letargia e catalepsia
A letargia e a catalepsia derivam do mesmo principio, que é a perda temporária da
sensibilidade e do movimento, por uma causa fisiológica ainda inexplicada. Diferem
uma da outra em que, na letargia, a suspensão das forças vitais é geral e dá ao
corpo todas as aparências da morte; na catalepsia, fica localizada, podendo atingir
uma parte mais ou menos extensa do corpo, de sorte a permitir que a inteli-gência
se manifeste livremente, o que a torna inconfundível com a morte. A letargia é
sempre natural; a catalepsia é por vezes magnética. (8)
Alguém que estiver sob um estado letárgico, ou mesmo cataléptico, não consegue
ver ou ouvir pelos órgãos físicos. O Espírito tem consciência de si, mas não pode
comunicar-se. (6) Na letargia, o corpo não está morto, porquanto há funções que
continuam a executar-se. Sua vitalidade se encontra em estado latente, como na
crisálida, porem não aniquilada. Ora, enquanto o corpo vive, o Espírito se lhe acha
ligado(...). Desde que o homem aparentemente morte, volve à vida, é que não era
completa a morte. (7) A letargia, segunda a Medicina é uma sonolência patológica
ou estupor, torpor mental. A letargia pode manifestar-se também no estado de
coma profundo, situação em que a pessoa não reage a qualquer estimulo
(luminoso, verbal, de dor, de calor,etc.) Nota-se que ate alguns movimentos
involuntários foram comprometidos. A catalepsia é entendida como uma doença
cerebral intermitente, caracterizada pela suspensão mais ou menos completa da
sensibilidade externa e dos movimentos voluntários, e principalmente, por uma
extrema rigidez dos músculos.
5 – Êxtase
O êxtase é o estado em que a independência da alma, com relação ao
corpo, se manifesta de modo mais sensível e se torna, de certa forma,
palpável. No sonho e no sonambulismo, o Espírito anda em giro pelos
mundos terrestres. No êxtase, penetra em um mundo desconhecido, o dos
Espíritos etéreos, com os quais entra em comunicação, sem que, todavia,
lhe seja licito ultrapassar certos limites, porque, se os transpusesse
totalmente, se partiriam os laços que o prendem ao corpo. Cerca-o então
resplendente e desusado fulgor, inebriam-no harmonias que na Terra se
desconhecem, indefinível bem-estar o invade (...). No estado de êxtase, o
aniquilamento do corpo é quase completo. Fica-lhe somente, pode-se
dizer, a vida orgânica. Sente-se que a alma se lhe acha presa unicamente
por um fio (...). (12)
6 – Bicorporeidade
Na bicorporeidade, o Espírito afasta-se do corpo, tornando-se visível e
tangível. Enquanto isso, o corpo permanece adormecido, vivendo a vida
orgânica. (14)
Isolado do corpo, o Espírito de um vivo [encarnado] pode, como o de um
morto, mostrar-se com todas as aparências da realidade. Demais (...) pode
adquirir momentânea tangibilidade. Este fenômeno, conhecido pelo nome
de bicorporeidade, foi que deu azo às historias de homens duplos, isto é,
de indivíduos cuja aparição simultânea em dois lugares diferente se chegou
a comprovar. (15) Antonio de Pádua, padre italiano canonizado pela igreja
católica, e Eurípides Barsanulfo, espírita mineiro de Sacramento, são dois
grandes exemplos de Espíritos que, quando encarnados, possuíam, em
grau de elevado desenvolvimento, esse tipo de fenômeno anímico.
7 – Dupla Vista ou segunda vista
É (...) a faculdade graças à qual quem a possui vê, ouve, e sente além dos
limites dos sentidos humanos. Percebe o que existe até onde estende a
alma a sua ação. Vê, por assim dizer, através da vista ordinária e como por
uma espécie de miragem. No momento em que o fenômeno da segunda
vista se produz, o estado físico do individuo se acha sensivelmente
modificado. O olhar apresenta alguma coisa de vago. Ele olha sem ver.
Toda a sua fisionomia reflete uma como exaltação. Nota-se que os órgãos
visuais se conservam alheios ao fenômeno, pelo fato de a visão persistir
mau grado a oclusão dos olhos. (13)
8 – Transfiguração
O fenômeno da transfiguração consiste na mudança do aspecto de um
corpo vivo. (16) A transfiguração, em certos casos, pode originar-se de
uma simples contração muscular, capaz de dar à fisionomia expressão
muito diferente da habitual, ao ponto de tornar quase irreconhecível a
pessoa. (17) A mais bela transfiguração de que temos noticia foi, sem
duvida, a de Jesus, no Tabor, ocorrida em presença dos apóstolos Pedro,
Tiago e João. (Mateus, 17:1-9) Segundo o texto evangélico, no momento
da transfigura-ção, o rosto de Jesus resplandeceu como o sol, suas vestes
se tornaram brancas como a neve (Mateus, 17: 1-9) (21)
Concluindo, os fenômenos anímicos são tão importantes quanto os mediú-
nicos, uma vez que ambos fazem parte da estrutura psíquica da espécie
humana. Se é certo afirmar que todo fenômeno mediúnico tem o seu com-
ponente anímico, é igualmente correto dizer que os fenômenos anímicos
são secundados por ação mediúnica. É difícil, para não dizer impossível,
estabelecer limites onde começa um e onde termina o outro. Devemos es-
tar atentos para não dificultar ou, até mesmo inviabilizar a prática mediúni-
ca, temerosos das mistificações ou do conteúdo anímico das mensagens
mediúnicas. O médium bem-intencionado aprende, com estudo e perseve-
rança, a interferir menos nas comunicações que veicula.
A tese animista é respeitável. Partiu de investigadores conscienciosos e
sinceros, e nasceu para coibir os prováveis abusos da imaginação; entre-
tanto, vem sendo usada cruelmente pela maioria dos nossos colaboradores
encarnados, que fazem dela um órgão inquisitorial, quando deveriam apro-
veitá-la como elemento educativo, na ação fraterna. Milhares de compa-
nheiros fogem ao trabalho, amedrontados, recuam ante os percalços, da
iniciação mediúnica, porque o animismo se converteu em Cérbero. Afirma-
ções sérias e edificantes, tornadas em opressivo sistema, impedem a
passagem dos candidatos ao serviço pela gradação natural do aprendizado
e da aplicação.
Reclama-se deles precisão absoluta, olvidando-se lições elementares da
natureza. Recolhidos ao castelo teórico, inúmeros amigos nossos, em se
reunindo para o elevado serviço de intercâmbio com a nossa esfera, não
aceitam comumente os servidores, que hão de crescer e aperfeiçoar-se
com o tempo e com o esforço. (27)
Os fenômenos mediúnicos, em suas múltiplas apresentações, no inicio dos
grupos humanos, mostraram sua origem, praticamente, como resultado de
ampliações anímicas. Os pensamentos, os sonhos, as lucubrações em
face dos acontecimentos externos foram propiciando verdadeiras
expansões de consciência, como que procurando sintonizar com o mundo
espiritual. (...) Com a evolução da humanidade, os fenômenos mediúnicos
se foram alargando e tornando-se mais consistentes; isto é, os fenômenos
mediúnicos, bastante misturados com as fontes anímicos dos mais sensí-
veis, se foram tornando mais independentes e cada vez mais apurados
(...). Assim, o médium, com o tempo, saberá perfeitamente avaliar, em
suas mais intimas sensações, as oscilações entre os fenômenos anímicos
e os mediúnicos(...). (20)
Estudo e Prática da
Mediunidade
Prática I
Roteiro 6
Exercícios sobre prece
Prece
Fontes de Consulta
1. KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Questão 401
2. _______, questão 402
3. _______, questão 402
4. _______, questão 420
5. _______, questão 421
6. _______, questão 422
7. _______, questão 423
8. _______, questão 424
9. _______, questão 425
10. _______, questão 455
11. _______, p 239
12. _______, p 243
13. _______, p 244
14. _______. O Livro dos Médiuns, itens 114 a 118
15. _______, item 119
16. _______, item 122
17. _______, item 123
18. _______, Cap XVI, item 190
19. _______, Cap XIX, item 223, perguntas 1 a 5
20. PERALVA, Martins. Mediunidade e Evolução , item Animismo, p 55-56
21. SANTOS, Jorge Andrea. Lastro Espiritual nos Fatos Científicos , p 125
22. SCHUTEL, Caibar. Médiuns e Mediunidade , p 103
23. TEIXEIRA, Raul. Correnteza de Luz , p 99
24. ________, p 100
25. XAVIER, Chico. Nos Domínios da Mediunidade. Cap 22, p 246-247
26. ________, p 247
27. ________. No Mundo Maior. Cap (Mediunidade), p 150

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A comunicacao mediunica-eduardo_w
A comunicacao mediunica-eduardo_wA comunicacao mediunica-eduardo_w
A comunicacao mediunica-eduardo_w
carlos freire
 
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6   Mecanismo das Comunicações MediúnicasAula 6   Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
EHMANA
 
Sintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidadeSintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidade
jcevadro
 
O médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo Barros
O médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo BarrosO médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo Barros
O médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo Barros
ADEP Portugal
 
Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismo
jcevadro
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
jcevadro
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
Kleber Galo
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
jcevadro
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
Leonardo Pereira
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
Wagner Quadros
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
O médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnicoO médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnico
home
 
Psicofonia
PsicofoniaPsicofonia
Psicofonia
paikachambi
 
Curso básico sobre mediunidade
Curso básico sobre mediunidadeCurso básico sobre mediunidade
Curso básico sobre mediunidade
Dirceu Jackson
 
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
Wagner Quadros
 
Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!
Leonardo Pereira
 
Sintomas da mediunidade
Sintomas da mediunidadeSintomas da mediunidade
Sintomas da mediunidade
Comprador DVD Blu ray P1600
 
Diversidade dos Carismas - Aura (segunda parte)
Diversidade dos Carismas - Aura (segunda parte)Diversidade dos Carismas - Aura (segunda parte)
Diversidade dos Carismas - Aura (segunda parte)
Patricia Farias
 
Aula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/MediunidadeAula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/Mediunidade
Sergio Lima Dias Junior
 
Espiritismo e mediunidade 01
Espiritismo e mediunidade 01Espiritismo e mediunidade 01
Espiritismo e mediunidade 01
Leonardo Pereira
 

Mais procurados (20)

A comunicacao mediunica-eduardo_w
A comunicacao mediunica-eduardo_wA comunicacao mediunica-eduardo_w
A comunicacao mediunica-eduardo_w
 
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6   Mecanismo das Comunicações MediúnicasAula 6   Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
 
Sintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidadeSintomas precursores da mediunidade
Sintomas precursores da mediunidade
 
O médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo Barros
O médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo BarrosO médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo Barros
O médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo Barros
 
Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismo
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
O médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnicoO médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnico
 
Psicofonia
PsicofoniaPsicofonia
Psicofonia
 
Curso básico sobre mediunidade
Curso básico sobre mediunidadeCurso básico sobre mediunidade
Curso básico sobre mediunidade
 
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
 
Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!
 
Sintomas da mediunidade
Sintomas da mediunidadeSintomas da mediunidade
Sintomas da mediunidade
 
Diversidade dos Carismas - Aura (segunda parte)
Diversidade dos Carismas - Aura (segunda parte)Diversidade dos Carismas - Aura (segunda parte)
Diversidade dos Carismas - Aura (segunda parte)
 
Aula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/MediunidadeAula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/Mediunidade
 
Espiritismo e mediunidade 01
Espiritismo e mediunidade 01Espiritismo e mediunidade 01
Espiritismo e mediunidade 01
 

Semelhante a Estudo Sistematizado da Mediunidade

Terceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismo
Terceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismoTerceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismo
Terceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismo
CeiClarencio
 
Sonhos na visão espírita
Sonhos na visão espíritaSonhos na visão espírita
Sonhos na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
dariosr40
 
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da almaCapitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Marta Gomes
 
Emancipação parcial da alma 1
Emancipação parcial da alma 1Emancipação parcial da alma 1
Emancipação parcial da alma 1
Graça Maciel
 
Evangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e SonhosEvangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e Sonhos
Antonino Silva
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
CeiClarencio
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
2.8.4 sonambulismo
2.8.4   sonambulismo2.8.4   sonambulismo
2.8.4 sonambulismo
Marta Gomes
 
Estados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hsEstados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hs
home
 
Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2
Graça Maciel
 
O SONO E OS SONHOS
O SONO E OS SONHOSO SONO E OS SONHOS
O SONO E OS SONHOS
Isnande Mota Barros
 
Desdobramento
DesdobramentoDesdobramento
Desdobramento
cab3032
 
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
Carlos Alberto Freire De Souza
 
2.8.1 O sono e os sonhos
2.8.1   O sono e os sonhos2.8.1   O sono e os sonhos
2.8.1 O sono e os sonhos
Marta Gomes
 
( Espiritismo) # - allan kardec - quadro sinotico da nomenclatura espirita
( Espiritismo)   # - allan kardec - quadro sinotico da nomenclatura espirita( Espiritismo)   # - allan kardec - quadro sinotico da nomenclatura espirita
( Espiritismo) # - allan kardec - quadro sinotico da nomenclatura espirita
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Maria Salete da Cunha
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Maria Salete da Cunha
 
07 sono e sonhos
07   sono e sonhos07   sono e sonhos
07 sono e sonhos
jcevadro
 

Semelhante a Estudo Sistematizado da Mediunidade (20)

Terceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismo
Terceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismoTerceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismo
Terceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismo
 
Sonhos na visão espírita
Sonhos na visão espíritaSonhos na visão espírita
Sonhos na visão espírita
 
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
 
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da almaCapitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
 
Emancipação parcial da alma 1
Emancipação parcial da alma 1Emancipação parcial da alma 1
Emancipação parcial da alma 1
 
Evangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e SonhosEvangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e Sonhos
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
 
2.8.4 sonambulismo
2.8.4   sonambulismo2.8.4   sonambulismo
2.8.4 sonambulismo
 
Estados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hsEstados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hs
 
Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2
 
O SONO E OS SONHOS
O SONO E OS SONHOSO SONO E OS SONHOS
O SONO E OS SONHOS
 
Desdobramento
DesdobramentoDesdobramento
Desdobramento
 
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
 
2.8.1 O sono e os sonhos
2.8.1   O sono e os sonhos2.8.1   O sono e os sonhos
2.8.1 O sono e os sonhos
 
( Espiritismo) # - allan kardec - quadro sinotico da nomenclatura espirita
( Espiritismo)   # - allan kardec - quadro sinotico da nomenclatura espirita( Espiritismo)   # - allan kardec - quadro sinotico da nomenclatura espirita
( Espiritismo) # - allan kardec - quadro sinotico da nomenclatura espirita
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
 
07 sono e sonhos
07   sono e sonhos07   sono e sonhos
07 sono e sonhos
 

Mais de Leonardo Pereira

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
Leonardo Pereira
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Leonardo Pereira
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
Leonardo Pereira
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
Leonardo Pereira
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
Leonardo Pereira
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
Leonardo Pereira
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
Leonardo Pereira
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 

Mais de Leonardo Pereira (20)

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 

Último

Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 

Último (10)

Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 

Estudo Sistematizado da Mediunidade

  • 1.
  • 2. Estudo e Prática da Mediunidade Módulo I Roteiro 6 Fundamentação Espírita: Introdução ao Estudo da Mediunidade Os fenômenos de emancipação da alma
  • 3. A Doutrina Espírita nos esclarece a respeito da existência de dois tipos de fenômenos psíquicos, patrimônio do ser humano: os anímicos (de anima, alma) – produzidos pelo próprio Espírito encarnado, e os mediúnicos (de médium, meio) – decorrentes da intervenção de Espíritos desencarnados – que utilizam um veiculo ou instrumento humano (médium) para se manifestar. (22) Em O Livro dos Espíritos, Kardec denomina os fenômenos anímicos de fenômenos de emancipação da alma, porque, nessa condição, o Espírito se revela mais livre, ou independente, do jugo do corpo físico. Nos fenômenos anímicos, o Espírito encarnado desprende-se momentaneamente do seu corpo físico e entra em comunicação com outros Espíritos, desencarnados ou encarnados. Durante esse desprendimento – que pode ser mais ou menos duradouro – o Espírito encarnado desprendido ou desdobrado tem consciência das ocorrências desenvolvidas tanto no plano físico quanto no plano espiritual, podendo participar ativamente delas. (19)
  • 4. Os fenômenos anímicos podem ser facilmente confundidos com os de natureza mediúnica, por trazerem em si as impressões do media- neiro que os veicula. É oportuno lembrar que, em todo e qualquer fenômeno mediúnico, a presença do fator anímico é inevitável, pelo fato de o comunicante espiritual valer-se dos elementos biológicos, psicológicos e culturais do médium, para elaborar e exteriorizar a sua mensagem (...).Espera-se que a interferência anímica não ultra- passe as linhas do admissível, digamos, do suportável(...). (24) No estudo dos fenômenos psíquicos é importante saber distinguir fenômeno anímico de mistificação mediúnica. A mistificação mediú- nica é intencional. Significa dizer que não há um Espírito comunican- te, o pseudo-médium simula, conscientemente, uma comunicação mediúnica. Essa condição representa um dos mais sérios entraves encontrados na pratica mediúnica, capaz de preocupar e mesmo perturbar a muito seareiros. (23) Pode haver, no entanto, um Espírito comunicante, mas, devido à inexperiência ou despreparo do médium, este pode interferir na comunicação com suas idéias, mais do que é desejável.
  • 5. A preponderância do fenômeno anímico está bem caracterizado em duas situações especificas: a) No inicio da pratica mediúnica, quando os canais mediúnicos estão sendo desobstruídos pelos Espíritos. Nessa situação, o médium principiante encontra barreiras físicas paulatinamente superáveis ao longo do tempo. b) Nas desarmonias psíquico-emocionais geradas por erros ou crimes que a pessoa cometeu no passado, em outras existências. A pessoa imobiliza grande coeficiente de forças do seu mundo emotivo, em torno de uma experiência infeliz, a ponto de gerar cristalização mental não superada pelo choque biológico do renascimento, em novo corpo físico. (24) Fixando-se nessas lembranças, passa a comportar-se qual se estivesse ainda no passado, que teima em ressuscitar, agindo como se fosse um espírito que se estivesse comunicando, (26) num estado que simula o sonambulismo. (25)
  • 6. Devemos, portanto, diferenciar fenômeno anímico propriamente dito, que é a manifestação de uma faculdade psíquica natural e que faz parte das conquistas evolutivas do ser humano, de mistificação do fenômeno mediúnico, de forma intencional, ou da evidenciação de um desequilíbrio psíquico originado em ações cometidas no passado, pela pessoa em questão. Os fenômenos anímicos autênticos, verdadeiros, entendidos como reveladores de uma atividade extra corpórea, são variáveis. Estudaremos, a seguir, os mais conhecidos.
  • 7. 1-O Sonho O Sonho é a lembrança do que o Espírito viu durante o sono,(...) (3) A liberdade do Espírito é julgada pelos sonhos. O Espírito jamais está inativo. Durante o sono, afrouxam-se os laços que o prendem ao corpo e, não precisando este então da sua presença, ele se lança pelo espaço e entra em relação mais direta com os outros Espíritos. (1) Quando o corpo repousa, acredita-o, tem o Espírito mais faculdades do que no estado de vigília. Lembra-se do passado e algumas vezes prevê o futuro. Adquire maior potencialidade e pode pôr-se em comunicação com os demais Espíritos, quer deste mundo, quer do outro. Estando entorpecido o corpo, o Espírito trata de quebrar seus grilhões e de investigar no passado ou no futuro. (2) O sono liberta a alma parcialmente do corpo. Quando dorme, o homem se acha por algum tempo no estado em que fica permanentemente depois que morre.
  • 8. Os Espíritos adiantados, quando dormem, vão para junto dos que lhe são iguais ou superiores. Com este viajam, conversam e se instruem. Trabalham mesmo em obras que se lhes deparam concluídas, quando volvem, morrendo na Terra, ao mundo espiritual. O sonho deles traduz-se por lembranças agradáveis e felizes. (2) Os Espíritos mais imperfeitos vão, (...) enquanto dormem, ou a mundos inferiores à Terra, onde os chamam velhas afeiçoes, ou em busca de gozos quiçá mais baixos do que os em que aqui tanto se deleitam. Os seus sonhos são pesados, confusos, atormentados, muitos deles sob a forma de pesadelos.
  • 9. 2 – Sonambulismo O Sonambulismo é um estado de independência do Espírito, mais completo do que no sonho, estado em que maior amplitude adquirem suas faculdades. A alma tem então percepções de que não dispõe no sonho, que é um estado de sonambulismo imperfeito. No sonambulis- mo, o Espírito está na posse plena de si mesmo (…). Quando se produ- zem os fatos do sonambulismo, é que o Espírito, preocupado com uma coisa ou outra, se aplica a uma acao qualquer, para cuja pratica necessita de utilizar-se do corpo. Serve-se então deste, como se serve de uma mesa ou de outro objeto material no fenômeno das manifesta- ções físicas, ou mesmo como se utiliza da mão do médium nas comu- nicações escritas. (9) Os fenômenos de sonambulismo natural se produzem espontaneamen- te e independem de qualquer causa exterior conhecida. Mas, em certas pessoas dotadas de especial organização, podem ser provocadas ar- tificialmente, pela ação do agente magnético [hipnose]. O estado que se designa pelo nome de sonambulismo magnético apenas difere do so- nambulismo natural em que um é provocado, enquanto o outro é espontâneo. (10)
  • 10. É importante não confundir sonambulismo, natural ou provocado, com mediunidade sonambúlica. No primeiro caso ocorre um fenômeno anímico de emancipação da alma, o Espírito encarnado obra por si mesmo. No segundo caso, os médiuns em estado de sonambulismo são assistidos por Espíritos. (18) 3 – Telepatia A telepatia ou transmissão do pensamento é uma faculdade anímica que ocorre entre as pessoas, independentemente de estarem dormindo ou acordadas. O Espírito comunica-se telepaticamente porque ele não se acha encerrado no corpo como numa caixa; irradia para todos os lados. Segue-se que pode comunicar-se com outros Espíritos, mesmo em estado de vigília, se bem que mais dificilmente. (4) A telepatia, linguagem inarticulada do pensamento, é uma forma de comunicação que dá causa a que duas pessoas se vejam e compreendem sem precisarem dos sinais ostensivos da linguagem. Poder-se-ia dizer que falam entre si a linguagem dos Espíritos. (5)
  • 11. 4 – Letargia e catalepsia A letargia e a catalepsia derivam do mesmo principio, que é a perda temporária da sensibilidade e do movimento, por uma causa fisiológica ainda inexplicada. Diferem uma da outra em que, na letargia, a suspensão das forças vitais é geral e dá ao corpo todas as aparências da morte; na catalepsia, fica localizada, podendo atingir uma parte mais ou menos extensa do corpo, de sorte a permitir que a inteli-gência se manifeste livremente, o que a torna inconfundível com a morte. A letargia é sempre natural; a catalepsia é por vezes magnética. (8) Alguém que estiver sob um estado letárgico, ou mesmo cataléptico, não consegue ver ou ouvir pelos órgãos físicos. O Espírito tem consciência de si, mas não pode comunicar-se. (6) Na letargia, o corpo não está morto, porquanto há funções que continuam a executar-se. Sua vitalidade se encontra em estado latente, como na crisálida, porem não aniquilada. Ora, enquanto o corpo vive, o Espírito se lhe acha ligado(...). Desde que o homem aparentemente morte, volve à vida, é que não era completa a morte. (7) A letargia, segunda a Medicina é uma sonolência patológica ou estupor, torpor mental. A letargia pode manifestar-se também no estado de coma profundo, situação em que a pessoa não reage a qualquer estimulo (luminoso, verbal, de dor, de calor,etc.) Nota-se que ate alguns movimentos involuntários foram comprometidos. A catalepsia é entendida como uma doença cerebral intermitente, caracterizada pela suspensão mais ou menos completa da sensibilidade externa e dos movimentos voluntários, e principalmente, por uma extrema rigidez dos músculos.
  • 12. 5 – Êxtase O êxtase é o estado em que a independência da alma, com relação ao corpo, se manifesta de modo mais sensível e se torna, de certa forma, palpável. No sonho e no sonambulismo, o Espírito anda em giro pelos mundos terrestres. No êxtase, penetra em um mundo desconhecido, o dos Espíritos etéreos, com os quais entra em comunicação, sem que, todavia, lhe seja licito ultrapassar certos limites, porque, se os transpusesse totalmente, se partiriam os laços que o prendem ao corpo. Cerca-o então resplendente e desusado fulgor, inebriam-no harmonias que na Terra se desconhecem, indefinível bem-estar o invade (...). No estado de êxtase, o aniquilamento do corpo é quase completo. Fica-lhe somente, pode-se dizer, a vida orgânica. Sente-se que a alma se lhe acha presa unicamente por um fio (...). (12)
  • 13. 6 – Bicorporeidade Na bicorporeidade, o Espírito afasta-se do corpo, tornando-se visível e tangível. Enquanto isso, o corpo permanece adormecido, vivendo a vida orgânica. (14) Isolado do corpo, o Espírito de um vivo [encarnado] pode, como o de um morto, mostrar-se com todas as aparências da realidade. Demais (...) pode adquirir momentânea tangibilidade. Este fenômeno, conhecido pelo nome de bicorporeidade, foi que deu azo às historias de homens duplos, isto é, de indivíduos cuja aparição simultânea em dois lugares diferente se chegou a comprovar. (15) Antonio de Pádua, padre italiano canonizado pela igreja católica, e Eurípides Barsanulfo, espírita mineiro de Sacramento, são dois grandes exemplos de Espíritos que, quando encarnados, possuíam, em grau de elevado desenvolvimento, esse tipo de fenômeno anímico.
  • 14. 7 – Dupla Vista ou segunda vista É (...) a faculdade graças à qual quem a possui vê, ouve, e sente além dos limites dos sentidos humanos. Percebe o que existe até onde estende a alma a sua ação. Vê, por assim dizer, através da vista ordinária e como por uma espécie de miragem. No momento em que o fenômeno da segunda vista se produz, o estado físico do individuo se acha sensivelmente modificado. O olhar apresenta alguma coisa de vago. Ele olha sem ver. Toda a sua fisionomia reflete uma como exaltação. Nota-se que os órgãos visuais se conservam alheios ao fenômeno, pelo fato de a visão persistir mau grado a oclusão dos olhos. (13)
  • 15. 8 – Transfiguração O fenômeno da transfiguração consiste na mudança do aspecto de um corpo vivo. (16) A transfiguração, em certos casos, pode originar-se de uma simples contração muscular, capaz de dar à fisionomia expressão muito diferente da habitual, ao ponto de tornar quase irreconhecível a pessoa. (17) A mais bela transfiguração de que temos noticia foi, sem duvida, a de Jesus, no Tabor, ocorrida em presença dos apóstolos Pedro, Tiago e João. (Mateus, 17:1-9) Segundo o texto evangélico, no momento da transfigura-ção, o rosto de Jesus resplandeceu como o sol, suas vestes se tornaram brancas como a neve (Mateus, 17: 1-9) (21)
  • 16. Concluindo, os fenômenos anímicos são tão importantes quanto os mediú- nicos, uma vez que ambos fazem parte da estrutura psíquica da espécie humana. Se é certo afirmar que todo fenômeno mediúnico tem o seu com- ponente anímico, é igualmente correto dizer que os fenômenos anímicos são secundados por ação mediúnica. É difícil, para não dizer impossível, estabelecer limites onde começa um e onde termina o outro. Devemos es- tar atentos para não dificultar ou, até mesmo inviabilizar a prática mediúni- ca, temerosos das mistificações ou do conteúdo anímico das mensagens mediúnicas. O médium bem-intencionado aprende, com estudo e perseve- rança, a interferir menos nas comunicações que veicula. A tese animista é respeitável. Partiu de investigadores conscienciosos e sinceros, e nasceu para coibir os prováveis abusos da imaginação; entre- tanto, vem sendo usada cruelmente pela maioria dos nossos colaboradores encarnados, que fazem dela um órgão inquisitorial, quando deveriam apro- veitá-la como elemento educativo, na ação fraterna. Milhares de compa- nheiros fogem ao trabalho, amedrontados, recuam ante os percalços, da iniciação mediúnica, porque o animismo se converteu em Cérbero. Afirma- ções sérias e edificantes, tornadas em opressivo sistema, impedem a passagem dos candidatos ao serviço pela gradação natural do aprendizado e da aplicação.
  • 17. Reclama-se deles precisão absoluta, olvidando-se lições elementares da natureza. Recolhidos ao castelo teórico, inúmeros amigos nossos, em se reunindo para o elevado serviço de intercâmbio com a nossa esfera, não aceitam comumente os servidores, que hão de crescer e aperfeiçoar-se com o tempo e com o esforço. (27) Os fenômenos mediúnicos, em suas múltiplas apresentações, no inicio dos grupos humanos, mostraram sua origem, praticamente, como resultado de ampliações anímicas. Os pensamentos, os sonhos, as lucubrações em face dos acontecimentos externos foram propiciando verdadeiras expansões de consciência, como que procurando sintonizar com o mundo espiritual. (...) Com a evolução da humanidade, os fenômenos mediúnicos se foram alargando e tornando-se mais consistentes; isto é, os fenômenos mediúnicos, bastante misturados com as fontes anímicos dos mais sensí- veis, se foram tornando mais independentes e cada vez mais apurados (...). Assim, o médium, com o tempo, saberá perfeitamente avaliar, em suas mais intimas sensações, as oscilações entre os fenômenos anímicos e os mediúnicos(...). (20)
  • 18. Estudo e Prática da Mediunidade Prática I Roteiro 6 Exercícios sobre prece Prece
  • 19. Fontes de Consulta 1. KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Questão 401 2. _______, questão 402 3. _______, questão 402 4. _______, questão 420 5. _______, questão 421 6. _______, questão 422 7. _______, questão 423 8. _______, questão 424 9. _______, questão 425 10. _______, questão 455 11. _______, p 239 12. _______, p 243 13. _______, p 244 14. _______. O Livro dos Médiuns, itens 114 a 118 15. _______, item 119 16. _______, item 122 17. _______, item 123
  • 20. 18. _______, Cap XVI, item 190 19. _______, Cap XIX, item 223, perguntas 1 a 5 20. PERALVA, Martins. Mediunidade e Evolução , item Animismo, p 55-56 21. SANTOS, Jorge Andrea. Lastro Espiritual nos Fatos Científicos , p 125 22. SCHUTEL, Caibar. Médiuns e Mediunidade , p 103 23. TEIXEIRA, Raul. Correnteza de Luz , p 99 24. ________, p 100 25. XAVIER, Chico. Nos Domínios da Mediunidade. Cap 22, p 246-247 26. ________, p 247 27. ________. No Mundo Maior. Cap (Mediunidade), p 150