SlideShare uma empresa Scribd logo
Pág. 1/3 Nutrição bloco V
FACULDADE PIAUIENSE PARNAÍBA
CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM
DISCIPLINA: BIOQUÍMICA DE ALIMENTOS
Estudo Dirigido
Questão 1- As funções vitais do sistema muscular não cessam no momento do abate de alguns animais,
tais como bovinos e suínos. Uma série de modificações bioquímicas e estruturais ocorre
simultaneamente neste processo que conduz a conversão do músculo em carne. Descreva, de forma
detalhada, quais as principais modificações químicas e físicas que ocorrem post mortem na estrutura
muscular. Destaque quais os tipos anômalos de carne que poderão ser obtidas e apresente as suas
características, além disso, destaque os aspectos positivos e negativos de cada tipo apresentado.
Logo após a morte do animal ocorre a interrupção, irreversível, do abastecimento sanguíneo, e
consequentemente, de oxigênio e dos diversos nutrientes que são levados por meio deste. Contudo alguns
processos físicos e químicos continuam a ocorrer, a fim de retomar a homeostase do organismo.
Com o a supressão do oxigênio, dá-se inicio a um processo de degradação e síntese de energia
(ATP/adenosina trifosfato). O organismo passa a utilizar o sistema respiratório anaeróbio, abastecido por
meio de três fontes, o ATP, a creatina fosfato (CP) e as reservas de glicogênio. Como as duas primeiras
existem em pouquíssima quantidade no músculo, são rapidamente esgotados e o glicogênio passa a ser a
principal fonte energética disponível (mediante a glicólise). Essa energia é utilizada para permitir que em um
processo ativo, ou seja, com gasto de ATP, as células musculares sejam capazes de manter o balanço
hidroeletrolítico, equilibrando principalmente as concentrações de cálcio no seu interior. Isso permite que
imediato à morte do animal, a carne mantenha-se com capacidade de extensão e elasticidade normal, ou seja
a carne é macia e elástica. Essa reação só é preservada na presença de ATP, que progressivamente reduzido,
até que o então rigor mortis se instale. A literatura explica que o resfriamento da carne lentifica essa reação e
no caso do congelamento ele cessa até que seja descongelada.
No processo de respiração anaeróbica o ácido pirúvico sai das vias de formação de acetil coenzima A
e é transformado em ácido lático, por meio de oxi-redução. Esse por sua vez, continua abastecendo o
músculo, permitindo que haja a contração. Contudo, o acúmulo desta substância, devido ao afluxo sanguíneo
no interior do músculo, faz com que o meio se torne cada vez mais ácido. Além desse, outro fator que
contribui para a redução do pH, é que as enzimas que atuavam como receptoras de hidrogênio já não atuam
no post mortem. A velocidade com que essas reações ocorrem é progressiva, porém descontínua e depende
muito da quantidade de glicogênio do animal no momento do abate. (OBS O TEXTO DE REFERÊNCIA
DIZ Q AS ENZIMAS AUMENTAM O Ph)
A queda do pH, aumenta a atividade da mioquinase, inativa a troponina, o que acelera a atividade da
miosina-ATPase e consequentemente a hidrólise do ATP. Num dado momento essa queda de pH promove a
perda de resistência das membranas musculares, o que impossibilita a contração. A partir desse ponto, a
glicólise é progressivamente reduzida até o instante em que cessam as reservas de glicogênio ou que as
enzimas glicolíticas sejam inibidas. Isso pode ocorrem em um pH menor que 4,5.
Com o esgotamento das reservas anaeróbias de energia, não há mais ATP e consequentemente não há
a retirada de íons cálcio do citoplasma. Como esse é o mineral responsável pela contração muscular, seu
acumulo dentro desta estrutura impossibilita o relaxamento das fibras, visto que a actina e a miosina formam
ALUNO MATRÍCULA
DISCIPLINA DATA DA PROVA
PROFESSOR TIPO DE PROVA
TURMA
CÓDIGO DA
TURMA
NOTA
Pág. 2/3 Nutrição bloco V
um complexo irreversível chamado actomiosina, que promove o enrijecimento muscular. Instala-se então o
chamado rigor morti. O tempo de duração desse rigor depende de fatores como as reservas de glicogênio e
creatina fosfato presentes no organismo ainda vivo, pois quanto maior forem mais tarde se dará essa reação e
vice versa, a temperatura também influencia, visto que quanto maior for, mais acelerado será o processo,
enquanto que a baixas temperaturas há o retarda dos mesmos. Após o fim do rigor mortis, há o amaciamento
da musculatura, que resulta da degradação da ultraestrutura da fibra, com ruptura da linha Z, outras proteínas
do citoesquelento e etruturas miofibrilares, porém as actomiosinas não são degradadas. Apenas a partir desse
ponto, após a queda do pH e o fim do rigor mortis, passa-se a considerar a transformação de músculo em
carne.
A carne por sua vez, têm seus aspectos físicos e sensoriais influenciados pelos processos acima
detalhados, que serão terminantes para a aquisição de uma carne com maciez, textura, coloração, um pH
entre 5,4 e 5,8, que são ideais para inibir microrganismos proteolíticos, o que diminui a sua permissibilidade
e a capacidade de retenção de água excelente. Além desses, a velocidade com que ocorre a queda do pH,
também é um importante fator a ser considerado, visto que quanto mais rápida for essa queda após a morte
do animal, é provável que esta se torne defeituosa, a chamada: carne PSE (suínos), e carnes DFD ( de
bovinos e ouvínos) lembrando que quanto menor as reservas de glicogênio mais rápido é esse processo.
As carnes PSE caracterizam-se por serem pálidas, flácidas e exsudativas, comum em raças suínas,
que são mais sensíveis ao estresse e a hipertermia, que são responsáveis por acelerar a degradação do
glicogênio. Essas carnes possui pH em torno de 5.5 e suas membranas são mais permeáveis.
Pontos negativos: desvalorização de mercado por serem de aspecto desagradável ao consumidor, pálida,
flácida e exsudativa, sofre desnaturação proteica excessiva, o baixo pH aumenta a propensão a oxidação de
gorduras, possui grande perda por gotejamento pela capacidade de retenção de água. Já os aspectos positivos
são: podem ser utilizadas em produtos em que se pretende reter água, a exemplo de salames, o baixo pH
favorece a conservação da carne.
Já as carnes DFD possui um aspecto enegrecido, são mais secas e firmes. Apresenta superfície de
corte pegajosa em bovinos, enquanto nos suínos a carne escura pode dar um aspecto vitrificado. Esses
defeitos apresentam relação hereditária, e é comum em animais sensíveis ao estresse e ao calor ambiental,
esforço e forte excitação, como no estresse causado antes do abate, o que pode esgotar as reservas
glicogênicas, não permitindo a acidificação do músculo após o abate. O pH nelas é acima de 6,0.
Pontos negativos: o elevado pH aumentado e a elevada capacidade de retenção de água favorece a
proliferação microbiológica, diminuído a vida útil do produto, o sabor é diminuído, pela baixa formação de
compostos de sabor, especialmente açucares para a reação de Maillard. Os pontos positivos: a uma elevada
capacidade de retenção de água, assim a carne não é exsudativa, o que favorece seu rendimento, é mais
firme, a coloração é mais escura. Também possui uma menor propensão à oxidação de gorduras, que são
favorecidas em meio ácido.
O encurtamento pelo frio é outra anomalia provocada nas carnes, tanto de bovinos, quanto de ovinos,
quando armazenadas a uma temperatura inferior a 14ºC, nos primeiros processos pós mortem,
interrompendo os processo bioquímicos do músculo post mortem, quando o pH ainda esta acima de 6,8, pois
apresenta uma predisposição a contração intensa. A dureza da carne será maior, quanto mais próximo esteja
à temperatura do ponto de congelamento. O frio, em excesso, estimula uma maior liberação de cálcio pelo
retículo sarcoplasmático, impedindo sua retirada, mesmo na presença de ATP.
O que mais desfavorece esse tipo cárneo é a textura extremamente rígida após o cozimento. Para
evitar essa reação, é necessário evitar temperaturas a baixo de 10ºC, nas primeiras 10 horas após realizado o
abate de ovinos e bovinos e também pode-se utilizar a estimulação por voltagem elétrica, baixa 10 min pós
morte ou alta, com 400 a 1000V por 1 a 2 minutos, produzindo um efeito mecânico na maciez.
Finalmente o rigor do descongelamento, que é resultado de uma liberação intensa e repentina de íons
cálcio, isso promove a forte atividade ATPásica, gerando forte contração, o que encurta as fibras e gera
grande perda de sulco. Uma das formas de evitara é por meio de estimulação elétrica das carcaças, ela
acelera a glicólise post mortem diminuído o pH rapidamente, ocorre então a liberação do cálcio, contraindo
as fibras, que logo são relaxadas pela recaptação do íons, devido as altas concentrações de ATP e ADP que
permitem as trocas.
Questão 2- A coloração e a maciez da carne são os dois principais atributos analisados pelo
consumidor quando adquire e consome o produto. Discorra sobre os principais aspectos que
Pág. 3/3 Nutrição bloco V
interferem na cor da carne destacando a forma com que os pigmentos se encontram, bem como os
fatores que conduzem a formação de cores anormais no tecido cárneo.
A coloração da carne é um fator determinante de alguns processos ocorridos na carne, tanto pré, quanto após
o abate, bem como o tipo de carne, a exemplo das vermelhas, como a de bovinos e suínos e a carne branca
de aves e peixes. Dentro disso a mioglobina, presente na hemoglobina do sangue, é fundamental no processo
de coloração da carne, ela é uma proteína transportadora de oxigênio e tem a função de transporte e
armazenamento de oxigênio, contém uma cadeia polipeptídica e um grupo heme. O ferro contido no grupo
heme se liga ao oxigênio, e pode assumir várias formas, que são reversíveis. A mioglobina pode se
apresentar na forma reduzida, de coloração vermelho púrpura; a mioglobina oxigenada ou oximioglobina, de
coloração vermelho brilhante e a mioglobina oxidada ou metamioglobina, de coloração marrom. A carne
fresca possui um ciclo de cor dinâmico, permitindo constante interconversão das três formas do pigmento,
até que a carne seja aquecida à temperatura de cozimento, estabelecendo a cor da metamioglobina
irreversível. A MetMb desnaturada pode sofrer oxidação e transformar-se em porfirina oxidada de coloração
verde amarelada. A carne em ambiente anaeróbio e mantida na forma de mioglobina reduzida, quando
exposta ao ar ocorre o "bloom" das carnes frescas, passando para a forma oxidada. Esta condição e mantida
com altas pressões de oxigênio. Quando a pressão diminui resulta na forma de metamioglobina. Muitos
fatores afetam a cor da carne. A falta de higiene no abate aumenta a probabilidade de crescimento
bacteriano, que tem relação positiva com a formação de metamioglobina.
A elevada temperatura da carne, a intensidade e o tipo de luz também são fatores que podem
prejudicar na cor. As condições de abate e susceptibilidade do animal ao estresse pode acarretar em anomalia
nos valores de pH da carne, e este por sua vez, alterar a cor. Quando o pH final apresenta um alto valor a cor
da carne é escura, denominamos esta carne de DFD, possuindo aspecto escuro, firme e seco. Na situação
oposta, com uma queda brusca do pH, já na primeira hora post mortem, resultará em uma carne de cor
pálida, flácida e exudativa, denominada de PSE, as características da cor podem ser classificadas da seguinte
maneira: Saturação, refere-se a quantidade de pigmentos ligada a fatores ante mortem, como a espécie, a
raça,sexo, a idade e a alimentação. Matiz é o estado químico do pigmento ligado a fatores post mortem,
como por exemplo, o grau de frescura do corte, as transformações tecnológicas, mesmo que esteja ligado
também à própria biologia do músculo. A claridade é o estado físico da carne especialmente de sua
superfície. Ligada ao pH e outros fatores post mortem que determinam o grau de hidratação e o estado das
proteínas musculares.
O próprio sistema de produção pode influenciar na cor da carne, com fatores como a nutrição, o
percentual de gordura corporal e a idade de abate, os exercícios a que os animais são expostos e a própria
diferença entre as espécies, os bovinos por exemplo são mais ricos em mioglobina, seguindos dos ovinos e
suinos. Em animais criados livres no pasto, os músculos são mais exigidos e por isso apresentam maior
quantidade de mioglobina, aumentando a proporção de fibras vermelhas entre as fibras brancas. O fato de
estes animais serem abatidos com maior maturidade auxilia na maior concentração de mioglobina no
músculo e conseqüentemente uma carne mais escura do que os animais confinados.
Além disso, os processos de congelamento, o tempo de maturação pode alterar a cor da carne, como
no aumento do tempo de estocagem, a formação de metamioglobina aumenta sem ocorrer reversão,
deixando a carne com coloração escura.
Questão 3- Além da coloração a maciez da carne também consiste em um atributo muito apreciado
pelo consumidor. No entanto, fatores prévios ao abate e fatores pós-abate irão interferir diretamente
neste processo de amaciamento. Além disso, o amaciamento poderá também ocorrer de forma
artificial. Discorra detalhadamente sobre estes fatores e sobre as formas de conseguir o amaciamento
artificial. (Apresente sobre as classes de enzimas e onde atuam).
A maciez da carne é um importante fator, especial determinante quanto ao valor de mercado e a preferência
do consumidor. Por isso a carne, além do já mencionado processo de maciez natura, após o rigor mortem,
Pág. 4/3 Nutrição bloco V
também pode sofrer amaciamento artificial. Este por sua vez pode ser feito por meios químicos, mecânicos
ou enzimáticos. O amaciamento via processos mecânicos é quando ocorre a quebra ou fragmentação das
fibras da carne, por atividades simples como o bater, o cortar, o picar e o moer. O amaciamento térmico
também é um processo físico que melhora a digestibilidade da carne e a maciez, pois o efeito do calor ao
desconfigurar a estrutura da proteína expõe as ligações peptídicas, facilitando o acesso das proteases
digestivas e, assim, aumentando o aproveitamento deste nutriente, com o calor, o colágeno transforma-se em
gelatina, favorecendo a maciez da carne. Existe também o amaciamento químico, que utiliza enzimas para
digerir a proteína da carne com a função de amaciá-la. Dentre as enzimas, as mais conhecidas são a papaína,
ficina e a bromelina, provenientes do mamão e do abacaxi, respectivamente. Elas geram hidrólise geral dos
componentes estruturais da carne, sem que esta perca o seu valor nutritivo. Essas enzimas são aplicadas na
superfície da carne ou ainda através de injeção de solução enzimática no sistema circulatório do animal.
A papaína é uma enzima proteolítica que causa a hidrólise geral de todos os componentes estruturais
do músculo da carne bovina. Sua penetração é baixa (de 0,5 a 2,0 mm), necessitando-se, assim, a perfuração
da carne durante sua preparação, para que esta enzima penetre mais facilmente. A maior ação da papaína
ocorre durante a cocção da carne (à temperatura de 60-80oC).
A ficina é uma enzima proteolítica obtida do látex de figos imaturos. Assim como a papaína, a ficina
atua sobre as proteínas estruturais da carne, promovendo o amaciamento de carnes. Entretanto, o seu método
de aplicação mais usado é através de injeções ante mortem da solução de enzima na veia jugular 15-20
minutos antes do abate, sendo o método mais eficiente para se obter carnes macias devido à circulação fazer
a melhor distribuição da enzima pelo corpo do animal.
A bromelina é o nome genérico dado às enzimas proteolíticas encontradas no abacaxi, bem como em
outras espécies da família bromeliaceae. O uso da bromelina é variado, sendo utilizado em alimentos, na
indústria para aumentar a solubilidade das proteínas.
Também podem ser utilizadas as catepsinas, enzimas lisossômicas com ação proteolítica que atuam
em condições de pH ácido, quando o nível de ATP intracelular cai abaixo de 0,1 mM, normalmente com um
pH perto de 6,2, momento em que ocorre a liberação do cálcio que estava ligado ao retículo sarcoplasmático
e à mitocôndria. Nessas condições, os íons cálcio podem ativar as calpaínas. Quando o pH ao redor de 5,5 é
atingido, membranas lisossômicas são quebradas,liberando as enzimas catepsinas que atuam no processo de
amaciamento.
As calpaínas são enzimas endógenas responsáveis por uma maciez prolongada. Elas e as catepsinas
são capazes de hidrolisar as proteínas miofibrilares. O principal mecanismo ou sistema relacionado com a
maciez é o das calpaínas, estas são enzimas dependentes de cálcio que apresentam três componentes
principais, a calpaína tipo I, enzima que requer baixos níveis de cálcio, é ativada quando o pH decai de 6,8
para aproximadamente 5,7; e a calpaína tipo II, são enzimas que requer níveis mais levados de cálcio, são
ativadas quando o pH está em torno de 5,7 e é responsável pela continuidade do processo de amaciamento,
estando ativa em torno das 16 horas post mortem e assim permanecendo por longos períodos.
Uma das principais evidências, que apontam para as calpaínas, como reguladoras do processo de
amaciamento, é o fato de que durante o processo de maturação da carne as calpaínas degradam as proteínas
miofibrilares em determinados pontos internos das moléculas melhorando a maciez da carne, porém, não são
capazes de levar o processo de hidrólise até aminoácidos. Grandes mudanças na maturação são causadas
pelas calpaínas, entre 3 a 4 dias post mortem.O inibidor da calpaína é a calpastatina.
Referências Bibliográficas
BRASIL, Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuária, Noções de Ciência da Carne. Disponível em <
http://www.cnpgc.embrapa.br/publicacoes/doc/doc77/03nocoescarne.html>, Acessado em 1 de março, 2015.
DOMINGUES, José Luiz. Produção de Bovinos de Corte e Fatores. Revista Eletônica Nutritime, v.02, n.
2, p.183-192. 2005.
Pág. 5/3 Nutrição bloco V
LAGE, Josiane Fonseca et al.,Papel do sistema calpaína-calpastatina sobre a proteólise muscular e sua
relação com a maciez da carne em bovinos de corte. Revista Eletônica de Veterinária. V.10, n.12, Viçosa,
2009.
PEDREIRA, Carla M. S., Enzimas proteolíticas de plantas usadas no amaciamento da carne: bromelina,
ficina e papaína. Disponível em< http://www.beefpoint.com.br/radares-tecnicos/qualidade-da-
carne/enzimas-proteoliticas-de-plantas-usadas-no-amaciamento-da-carne-bromelina-ficina-e-papaina-
4977/>. Acessado, em 2 de março, 2015.
POLLONIO, Marise A. Rodrigues., Principios de processamento, qualidade e segurança de emulsionados
cozidos. Universidade Estadual de Campinas, Engenharia de Alimentos.
Questão 4 - o que é rigor mortis?
Questão 5- como são formadas a actina e a miosina?
Questão 6 -a importância do Ca ++ na contração muscular?

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a estudo dirigido - CARNES - resposta.pdf

Propriedades da Carne Fresca e Embalagem ATM
Propriedades da Carne Fresca e Embalagem ATMPropriedades da Carne Fresca e Embalagem ATM
Propriedades da Carne Fresca e Embalagem ATM
BIONOV BIOPRODUTOS
 
Metabolismo de lipídeos
Metabolismo de lipídeosMetabolismo de lipídeos
Metabolismo de lipídeos
Joao Alexandre Berigo
 
Tecido adiposo
Tecido adiposoTecido adiposo
Tecido adiposo
Talita Dezidério
 
Catalase 3
Catalase 3Catalase 3
Catalase 3
TA 10
 
Alterações post mortem do pescado
Alterações post mortem do pescadoAlterações post mortem do pescado
Alterações post mortem do pescado
Luis Dantas
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
GenerosoBR
 
Técnicas de manejo, abate e amaciamento
Técnicas de manejo, abate e amaciamentoTécnicas de manejo, abate e amaciamento
Técnicas de manejo, abate e amaciamento
Daiane Pacheco
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Killer Max
 
AULA 8 - GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.ppt
AULA 8 -  GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.pptAULA 8 -  GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.ppt
AULA 8 - GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.ppt
SuilanMoreiraFerreir
 
AULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.ppt
AULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.pptAULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.ppt
AULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.ppt
MariledaRodrigues
 
Apostila i bioquímica iii
Apostila i   bioquímica iiiApostila i   bioquímica iii
Apostila i bioquímica iii
Leonardo Duarte
 
O citoplasma celular
O citoplasma celularO citoplasma celular
O citoplasma celular
Altair Hoepers
 
a composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivosa composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivos
Luciana Menezes de Oliveira
 
Q. Alimentos Proteinas Reações
Q. Alimentos Proteinas ReaçõesQ. Alimentos Proteinas Reações
Q. Alimentos Proteinas Reações
Ricardo Stefani
 
Lipídios
LipídiosLipídios
Lipídios
Lara Lídia
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
Alvaro Galdos
 
AULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdf
AULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdfAULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdf
AULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdf
francineyfg
 
AULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdf
AULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdfAULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdf
AULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdf
francineyfg
 
Nh aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Nh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológicoNh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Nh aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Eric Liberato
 
Tema 3 biologia pdf
Tema 3   biologia pdfTema 3   biologia pdf
Tema 3 biologia pdf
Silvia Couto
 

Semelhante a estudo dirigido - CARNES - resposta.pdf (20)

Propriedades da Carne Fresca e Embalagem ATM
Propriedades da Carne Fresca e Embalagem ATMPropriedades da Carne Fresca e Embalagem ATM
Propriedades da Carne Fresca e Embalagem ATM
 
Metabolismo de lipídeos
Metabolismo de lipídeosMetabolismo de lipídeos
Metabolismo de lipídeos
 
Tecido adiposo
Tecido adiposoTecido adiposo
Tecido adiposo
 
Catalase 3
Catalase 3Catalase 3
Catalase 3
 
Alterações post mortem do pescado
Alterações post mortem do pescadoAlterações post mortem do pescado
Alterações post mortem do pescado
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Técnicas de manejo, abate e amaciamento
Técnicas de manejo, abate e amaciamentoTécnicas de manejo, abate e amaciamento
Técnicas de manejo, abate e amaciamento
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
 
AULA 8 - GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.ppt
AULA 8 -  GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.pptAULA 8 -  GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.ppt
AULA 8 - GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.ppt
 
AULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.ppt
AULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.pptAULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.ppt
AULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.ppt
 
Apostila i bioquímica iii
Apostila i   bioquímica iiiApostila i   bioquímica iii
Apostila i bioquímica iii
 
O citoplasma celular
O citoplasma celularO citoplasma celular
O citoplasma celular
 
a composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivosa composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivos
 
Q. Alimentos Proteinas Reações
Q. Alimentos Proteinas ReaçõesQ. Alimentos Proteinas Reações
Q. Alimentos Proteinas Reações
 
Lipídios
LipídiosLipídios
Lipídios
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
 
AULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdf
AULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdfAULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdf
AULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdf
 
AULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdf
AULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdfAULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdf
AULA_1_COMPOSICAO_DO_PESCADO_E_ALTERACOES_POS_MORTE.pdf
 
Nh aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Nh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológicoNh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Nh aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
 
Tema 3 biologia pdf
Tema 3   biologia pdfTema 3   biologia pdf
Tema 3 biologia pdf
 

estudo dirigido - CARNES - resposta.pdf

  • 1. Pág. 1/3 Nutrição bloco V FACULDADE PIAUIENSE PARNAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: BIOQUÍMICA DE ALIMENTOS Estudo Dirigido Questão 1- As funções vitais do sistema muscular não cessam no momento do abate de alguns animais, tais como bovinos e suínos. Uma série de modificações bioquímicas e estruturais ocorre simultaneamente neste processo que conduz a conversão do músculo em carne. Descreva, de forma detalhada, quais as principais modificações químicas e físicas que ocorrem post mortem na estrutura muscular. Destaque quais os tipos anômalos de carne que poderão ser obtidas e apresente as suas características, além disso, destaque os aspectos positivos e negativos de cada tipo apresentado. Logo após a morte do animal ocorre a interrupção, irreversível, do abastecimento sanguíneo, e consequentemente, de oxigênio e dos diversos nutrientes que são levados por meio deste. Contudo alguns processos físicos e químicos continuam a ocorrer, a fim de retomar a homeostase do organismo. Com o a supressão do oxigênio, dá-se inicio a um processo de degradação e síntese de energia (ATP/adenosina trifosfato). O organismo passa a utilizar o sistema respiratório anaeróbio, abastecido por meio de três fontes, o ATP, a creatina fosfato (CP) e as reservas de glicogênio. Como as duas primeiras existem em pouquíssima quantidade no músculo, são rapidamente esgotados e o glicogênio passa a ser a principal fonte energética disponível (mediante a glicólise). Essa energia é utilizada para permitir que em um processo ativo, ou seja, com gasto de ATP, as células musculares sejam capazes de manter o balanço hidroeletrolítico, equilibrando principalmente as concentrações de cálcio no seu interior. Isso permite que imediato à morte do animal, a carne mantenha-se com capacidade de extensão e elasticidade normal, ou seja a carne é macia e elástica. Essa reação só é preservada na presença de ATP, que progressivamente reduzido, até que o então rigor mortis se instale. A literatura explica que o resfriamento da carne lentifica essa reação e no caso do congelamento ele cessa até que seja descongelada. No processo de respiração anaeróbica o ácido pirúvico sai das vias de formação de acetil coenzima A e é transformado em ácido lático, por meio de oxi-redução. Esse por sua vez, continua abastecendo o músculo, permitindo que haja a contração. Contudo, o acúmulo desta substância, devido ao afluxo sanguíneo no interior do músculo, faz com que o meio se torne cada vez mais ácido. Além desse, outro fator que contribui para a redução do pH, é que as enzimas que atuavam como receptoras de hidrogênio já não atuam no post mortem. A velocidade com que essas reações ocorrem é progressiva, porém descontínua e depende muito da quantidade de glicogênio do animal no momento do abate. (OBS O TEXTO DE REFERÊNCIA DIZ Q AS ENZIMAS AUMENTAM O Ph) A queda do pH, aumenta a atividade da mioquinase, inativa a troponina, o que acelera a atividade da miosina-ATPase e consequentemente a hidrólise do ATP. Num dado momento essa queda de pH promove a perda de resistência das membranas musculares, o que impossibilita a contração. A partir desse ponto, a glicólise é progressivamente reduzida até o instante em que cessam as reservas de glicogênio ou que as enzimas glicolíticas sejam inibidas. Isso pode ocorrem em um pH menor que 4,5. Com o esgotamento das reservas anaeróbias de energia, não há mais ATP e consequentemente não há a retirada de íons cálcio do citoplasma. Como esse é o mineral responsável pela contração muscular, seu acumulo dentro desta estrutura impossibilita o relaxamento das fibras, visto que a actina e a miosina formam ALUNO MATRÍCULA DISCIPLINA DATA DA PROVA PROFESSOR TIPO DE PROVA TURMA CÓDIGO DA TURMA NOTA
  • 2. Pág. 2/3 Nutrição bloco V um complexo irreversível chamado actomiosina, que promove o enrijecimento muscular. Instala-se então o chamado rigor morti. O tempo de duração desse rigor depende de fatores como as reservas de glicogênio e creatina fosfato presentes no organismo ainda vivo, pois quanto maior forem mais tarde se dará essa reação e vice versa, a temperatura também influencia, visto que quanto maior for, mais acelerado será o processo, enquanto que a baixas temperaturas há o retarda dos mesmos. Após o fim do rigor mortis, há o amaciamento da musculatura, que resulta da degradação da ultraestrutura da fibra, com ruptura da linha Z, outras proteínas do citoesquelento e etruturas miofibrilares, porém as actomiosinas não são degradadas. Apenas a partir desse ponto, após a queda do pH e o fim do rigor mortis, passa-se a considerar a transformação de músculo em carne. A carne por sua vez, têm seus aspectos físicos e sensoriais influenciados pelos processos acima detalhados, que serão terminantes para a aquisição de uma carne com maciez, textura, coloração, um pH entre 5,4 e 5,8, que são ideais para inibir microrganismos proteolíticos, o que diminui a sua permissibilidade e a capacidade de retenção de água excelente. Além desses, a velocidade com que ocorre a queda do pH, também é um importante fator a ser considerado, visto que quanto mais rápida for essa queda após a morte do animal, é provável que esta se torne defeituosa, a chamada: carne PSE (suínos), e carnes DFD ( de bovinos e ouvínos) lembrando que quanto menor as reservas de glicogênio mais rápido é esse processo. As carnes PSE caracterizam-se por serem pálidas, flácidas e exsudativas, comum em raças suínas, que são mais sensíveis ao estresse e a hipertermia, que são responsáveis por acelerar a degradação do glicogênio. Essas carnes possui pH em torno de 5.5 e suas membranas são mais permeáveis. Pontos negativos: desvalorização de mercado por serem de aspecto desagradável ao consumidor, pálida, flácida e exsudativa, sofre desnaturação proteica excessiva, o baixo pH aumenta a propensão a oxidação de gorduras, possui grande perda por gotejamento pela capacidade de retenção de água. Já os aspectos positivos são: podem ser utilizadas em produtos em que se pretende reter água, a exemplo de salames, o baixo pH favorece a conservação da carne. Já as carnes DFD possui um aspecto enegrecido, são mais secas e firmes. Apresenta superfície de corte pegajosa em bovinos, enquanto nos suínos a carne escura pode dar um aspecto vitrificado. Esses defeitos apresentam relação hereditária, e é comum em animais sensíveis ao estresse e ao calor ambiental, esforço e forte excitação, como no estresse causado antes do abate, o que pode esgotar as reservas glicogênicas, não permitindo a acidificação do músculo após o abate. O pH nelas é acima de 6,0. Pontos negativos: o elevado pH aumentado e a elevada capacidade de retenção de água favorece a proliferação microbiológica, diminuído a vida útil do produto, o sabor é diminuído, pela baixa formação de compostos de sabor, especialmente açucares para a reação de Maillard. Os pontos positivos: a uma elevada capacidade de retenção de água, assim a carne não é exsudativa, o que favorece seu rendimento, é mais firme, a coloração é mais escura. Também possui uma menor propensão à oxidação de gorduras, que são favorecidas em meio ácido. O encurtamento pelo frio é outra anomalia provocada nas carnes, tanto de bovinos, quanto de ovinos, quando armazenadas a uma temperatura inferior a 14ºC, nos primeiros processos pós mortem, interrompendo os processo bioquímicos do músculo post mortem, quando o pH ainda esta acima de 6,8, pois apresenta uma predisposição a contração intensa. A dureza da carne será maior, quanto mais próximo esteja à temperatura do ponto de congelamento. O frio, em excesso, estimula uma maior liberação de cálcio pelo retículo sarcoplasmático, impedindo sua retirada, mesmo na presença de ATP. O que mais desfavorece esse tipo cárneo é a textura extremamente rígida após o cozimento. Para evitar essa reação, é necessário evitar temperaturas a baixo de 10ºC, nas primeiras 10 horas após realizado o abate de ovinos e bovinos e também pode-se utilizar a estimulação por voltagem elétrica, baixa 10 min pós morte ou alta, com 400 a 1000V por 1 a 2 minutos, produzindo um efeito mecânico na maciez. Finalmente o rigor do descongelamento, que é resultado de uma liberação intensa e repentina de íons cálcio, isso promove a forte atividade ATPásica, gerando forte contração, o que encurta as fibras e gera grande perda de sulco. Uma das formas de evitara é por meio de estimulação elétrica das carcaças, ela acelera a glicólise post mortem diminuído o pH rapidamente, ocorre então a liberação do cálcio, contraindo as fibras, que logo são relaxadas pela recaptação do íons, devido as altas concentrações de ATP e ADP que permitem as trocas. Questão 2- A coloração e a maciez da carne são os dois principais atributos analisados pelo consumidor quando adquire e consome o produto. Discorra sobre os principais aspectos que
  • 3. Pág. 3/3 Nutrição bloco V interferem na cor da carne destacando a forma com que os pigmentos se encontram, bem como os fatores que conduzem a formação de cores anormais no tecido cárneo. A coloração da carne é um fator determinante de alguns processos ocorridos na carne, tanto pré, quanto após o abate, bem como o tipo de carne, a exemplo das vermelhas, como a de bovinos e suínos e a carne branca de aves e peixes. Dentro disso a mioglobina, presente na hemoglobina do sangue, é fundamental no processo de coloração da carne, ela é uma proteína transportadora de oxigênio e tem a função de transporte e armazenamento de oxigênio, contém uma cadeia polipeptídica e um grupo heme. O ferro contido no grupo heme se liga ao oxigênio, e pode assumir várias formas, que são reversíveis. A mioglobina pode se apresentar na forma reduzida, de coloração vermelho púrpura; a mioglobina oxigenada ou oximioglobina, de coloração vermelho brilhante e a mioglobina oxidada ou metamioglobina, de coloração marrom. A carne fresca possui um ciclo de cor dinâmico, permitindo constante interconversão das três formas do pigmento, até que a carne seja aquecida à temperatura de cozimento, estabelecendo a cor da metamioglobina irreversível. A MetMb desnaturada pode sofrer oxidação e transformar-se em porfirina oxidada de coloração verde amarelada. A carne em ambiente anaeróbio e mantida na forma de mioglobina reduzida, quando exposta ao ar ocorre o "bloom" das carnes frescas, passando para a forma oxidada. Esta condição e mantida com altas pressões de oxigênio. Quando a pressão diminui resulta na forma de metamioglobina. Muitos fatores afetam a cor da carne. A falta de higiene no abate aumenta a probabilidade de crescimento bacteriano, que tem relação positiva com a formação de metamioglobina. A elevada temperatura da carne, a intensidade e o tipo de luz também são fatores que podem prejudicar na cor. As condições de abate e susceptibilidade do animal ao estresse pode acarretar em anomalia nos valores de pH da carne, e este por sua vez, alterar a cor. Quando o pH final apresenta um alto valor a cor da carne é escura, denominamos esta carne de DFD, possuindo aspecto escuro, firme e seco. Na situação oposta, com uma queda brusca do pH, já na primeira hora post mortem, resultará em uma carne de cor pálida, flácida e exudativa, denominada de PSE, as características da cor podem ser classificadas da seguinte maneira: Saturação, refere-se a quantidade de pigmentos ligada a fatores ante mortem, como a espécie, a raça,sexo, a idade e a alimentação. Matiz é o estado químico do pigmento ligado a fatores post mortem, como por exemplo, o grau de frescura do corte, as transformações tecnológicas, mesmo que esteja ligado também à própria biologia do músculo. A claridade é o estado físico da carne especialmente de sua superfície. Ligada ao pH e outros fatores post mortem que determinam o grau de hidratação e o estado das proteínas musculares. O próprio sistema de produção pode influenciar na cor da carne, com fatores como a nutrição, o percentual de gordura corporal e a idade de abate, os exercícios a que os animais são expostos e a própria diferença entre as espécies, os bovinos por exemplo são mais ricos em mioglobina, seguindos dos ovinos e suinos. Em animais criados livres no pasto, os músculos são mais exigidos e por isso apresentam maior quantidade de mioglobina, aumentando a proporção de fibras vermelhas entre as fibras brancas. O fato de estes animais serem abatidos com maior maturidade auxilia na maior concentração de mioglobina no músculo e conseqüentemente uma carne mais escura do que os animais confinados. Além disso, os processos de congelamento, o tempo de maturação pode alterar a cor da carne, como no aumento do tempo de estocagem, a formação de metamioglobina aumenta sem ocorrer reversão, deixando a carne com coloração escura. Questão 3- Além da coloração a maciez da carne também consiste em um atributo muito apreciado pelo consumidor. No entanto, fatores prévios ao abate e fatores pós-abate irão interferir diretamente neste processo de amaciamento. Além disso, o amaciamento poderá também ocorrer de forma artificial. Discorra detalhadamente sobre estes fatores e sobre as formas de conseguir o amaciamento artificial. (Apresente sobre as classes de enzimas e onde atuam). A maciez da carne é um importante fator, especial determinante quanto ao valor de mercado e a preferência do consumidor. Por isso a carne, além do já mencionado processo de maciez natura, após o rigor mortem,
  • 4. Pág. 4/3 Nutrição bloco V também pode sofrer amaciamento artificial. Este por sua vez pode ser feito por meios químicos, mecânicos ou enzimáticos. O amaciamento via processos mecânicos é quando ocorre a quebra ou fragmentação das fibras da carne, por atividades simples como o bater, o cortar, o picar e o moer. O amaciamento térmico também é um processo físico que melhora a digestibilidade da carne e a maciez, pois o efeito do calor ao desconfigurar a estrutura da proteína expõe as ligações peptídicas, facilitando o acesso das proteases digestivas e, assim, aumentando o aproveitamento deste nutriente, com o calor, o colágeno transforma-se em gelatina, favorecendo a maciez da carne. Existe também o amaciamento químico, que utiliza enzimas para digerir a proteína da carne com a função de amaciá-la. Dentre as enzimas, as mais conhecidas são a papaína, ficina e a bromelina, provenientes do mamão e do abacaxi, respectivamente. Elas geram hidrólise geral dos componentes estruturais da carne, sem que esta perca o seu valor nutritivo. Essas enzimas são aplicadas na superfície da carne ou ainda através de injeção de solução enzimática no sistema circulatório do animal. A papaína é uma enzima proteolítica que causa a hidrólise geral de todos os componentes estruturais do músculo da carne bovina. Sua penetração é baixa (de 0,5 a 2,0 mm), necessitando-se, assim, a perfuração da carne durante sua preparação, para que esta enzima penetre mais facilmente. A maior ação da papaína ocorre durante a cocção da carne (à temperatura de 60-80oC). A ficina é uma enzima proteolítica obtida do látex de figos imaturos. Assim como a papaína, a ficina atua sobre as proteínas estruturais da carne, promovendo o amaciamento de carnes. Entretanto, o seu método de aplicação mais usado é através de injeções ante mortem da solução de enzima na veia jugular 15-20 minutos antes do abate, sendo o método mais eficiente para se obter carnes macias devido à circulação fazer a melhor distribuição da enzima pelo corpo do animal. A bromelina é o nome genérico dado às enzimas proteolíticas encontradas no abacaxi, bem como em outras espécies da família bromeliaceae. O uso da bromelina é variado, sendo utilizado em alimentos, na indústria para aumentar a solubilidade das proteínas. Também podem ser utilizadas as catepsinas, enzimas lisossômicas com ação proteolítica que atuam em condições de pH ácido, quando o nível de ATP intracelular cai abaixo de 0,1 mM, normalmente com um pH perto de 6,2, momento em que ocorre a liberação do cálcio que estava ligado ao retículo sarcoplasmático e à mitocôndria. Nessas condições, os íons cálcio podem ativar as calpaínas. Quando o pH ao redor de 5,5 é atingido, membranas lisossômicas são quebradas,liberando as enzimas catepsinas que atuam no processo de amaciamento. As calpaínas são enzimas endógenas responsáveis por uma maciez prolongada. Elas e as catepsinas são capazes de hidrolisar as proteínas miofibrilares. O principal mecanismo ou sistema relacionado com a maciez é o das calpaínas, estas são enzimas dependentes de cálcio que apresentam três componentes principais, a calpaína tipo I, enzima que requer baixos níveis de cálcio, é ativada quando o pH decai de 6,8 para aproximadamente 5,7; e a calpaína tipo II, são enzimas que requer níveis mais levados de cálcio, são ativadas quando o pH está em torno de 5,7 e é responsável pela continuidade do processo de amaciamento, estando ativa em torno das 16 horas post mortem e assim permanecendo por longos períodos. Uma das principais evidências, que apontam para as calpaínas, como reguladoras do processo de amaciamento, é o fato de que durante o processo de maturação da carne as calpaínas degradam as proteínas miofibrilares em determinados pontos internos das moléculas melhorando a maciez da carne, porém, não são capazes de levar o processo de hidrólise até aminoácidos. Grandes mudanças na maturação são causadas pelas calpaínas, entre 3 a 4 dias post mortem.O inibidor da calpaína é a calpastatina. Referências Bibliográficas BRASIL, Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuária, Noções de Ciência da Carne. Disponível em < http://www.cnpgc.embrapa.br/publicacoes/doc/doc77/03nocoescarne.html>, Acessado em 1 de março, 2015. DOMINGUES, José Luiz. Produção de Bovinos de Corte e Fatores. Revista Eletônica Nutritime, v.02, n. 2, p.183-192. 2005.
  • 5. Pág. 5/3 Nutrição bloco V LAGE, Josiane Fonseca et al.,Papel do sistema calpaína-calpastatina sobre a proteólise muscular e sua relação com a maciez da carne em bovinos de corte. Revista Eletônica de Veterinária. V.10, n.12, Viçosa, 2009. PEDREIRA, Carla M. S., Enzimas proteolíticas de plantas usadas no amaciamento da carne: bromelina, ficina e papaína. Disponível em< http://www.beefpoint.com.br/radares-tecnicos/qualidade-da- carne/enzimas-proteoliticas-de-plantas-usadas-no-amaciamento-da-carne-bromelina-ficina-e-papaina- 4977/>. Acessado, em 2 de março, 2015. POLLONIO, Marise A. Rodrigues., Principios de processamento, qualidade e segurança de emulsionados cozidos. Universidade Estadual de Campinas, Engenharia de Alimentos. Questão 4 - o que é rigor mortis? Questão 5- como são formadas a actina e a miosina? Questão 6 -a importância do Ca ++ na contração muscular?