SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudo de aderência entre padrões de
representação de dados sobre entidades
Estudio de adherencia entre los estándares de representación de datos
sobre entidades
Prof. M.S. Fernando de Assis Rodrigues
fernando(at)elleth.org
Universidade Estadual Paulista – UNESP
Prof. Dr. Ricardo César Gonçalves Sant'Ana
ricardosantana(at)marilia.unesp.br
Universidade Estadual Paulista – UNESP
2
●
Demanda de acesso a dados:
– Aumento da complexidade de construção e análise de
estruturas de coleta, armazenamento e recuperação.
●
Ciclo de Vida dos Dados para a Ciência da
Informação – CVD (SANT'ANA, 2013);
Introdução
3
Introdução
Armazenamento: atividades
relacionadas ao
processamento, a inserção, a
manipulação, a migração e a
transmissão na persistência de
dados.
P/ este estudo: foco nos dados.
4
Introdução
“Entidade/Atributo/Valor <E, A, V>” e
que, inclusive, foi base conceitual para
modelagens de banco de dados e
conteúdos voltados à Web Semântica.
[…]
- entidade, um objeto do mundo real;
- atributo, características intrínsecas da
entidade;
- valor, que representa um valor de um
atributo de uma entidade específica
5
Projetos de sistemas de informação voltados à divulgação de dados originários e destinados para setores específicos
necessitam de estruturas na fase de armazenamento que propiciem esta disseminação.
Problema
SGBD
Pessoas
Site (HTML)
Padrão “X” em XML
Padrão “Y” em JSON
Armazenamento Recuperação
6
[…] estudar a aderência entre os padrões de
representação de dados vCard e o vocabulário Friend of a
Friend (FOAF), identificando um núcleo comum para a
explicitação de entidades desta temática para setores
específicos – com independência tecnológica –
necessárias à estruturação de bases de dados na fase de
armazenamento destes conjuntos de dados.
Objetivo
7
●
vCard: https://www.imc.org/pdi/
●
Friend of a Friend (FOAF): http://www.foaf-project.org/
Universo de
Pesquisa
● Web semântica, web de dados, indexação
automática (crawlers/bots) …
● Sistemas Operacionais, Aplicativos de e-
mail, exportações/importações, listas ...
8
●
Análise documental:
– Caráter qualitativo;
– Recomendações para representação de dados;
– Identificação de similaridades dos atributos propostos
por estas representações (ponto de intersecção);
– Identificação de atributos obrigatórios e recomendados
para a explicitação destas entidades.
●
Criar independência na forma de recuperação proposta
por estas recomendações.
Metodologia
9
● Consórcio Versit (~1990):
– Apple Computer, AT&T, International Bussiness
Machine (IBM) e Siemens;
– vCard e vCalendar;
– A partir de 1996 → Internet Mail Consortium;
– A partir de 2002 → Internet Engineering Task Force
(IETF).
vCard
10
●
Documento:
– 12 seções: ‘Introdução’, ‘Convenções’, ‘Especificações do
formato vCard’, ‘Tipos valor para propriedade de dados’,
‘Parâmetros de Propriedade’, ‘Propriedades do vCard’,
‘Sincronização’, ‘Exemplo’, ‘Considerações de
Segurança’, ‘Considerações da Internet Assigned
Numbers Authority (IANA)’, ‘Agradecimentos’ e
‘Referências’.
●
Independente de linguagem de marcação específica:
– XML, JSON ou até o HTML.
vCard
11
●
Níveis de requisitos indicativos:
– MUST, REQUIRED e SHALL: obrigatórios;
– MUST NOT e SHALL NOT: proibitivos;
– SHOULD e RECOMMENDED: recomendados;
– SHOULD NOT e NOT RECOMMENDED: não
recomendados;
– MAY e OPTIONAL: opcionais.
vCard - Atributos
12
●
Cardinalidade:
– ‘1’: só devem aparecer uma única vez para a entidade;
– ‘*1’ :se utilizados, só devem aparecer uma única vez
para a entidade;
– ‘1*’: devem aparecer uma ou mais vezes para a
entidade;
– ‘*’: se utilizados, podem aparecer uma ou mais vezes
para a entidade.
vCard - Atributos
13
vCard - Atributos
Nome
do
Atributo
Cardi
nalida
de
Obrigatorie
dade
Descrição Tipo de Dado
N *1 Não
Nome da entidade representada, em formato
para processamento por automático
máquinas.
Texto de tamanho variável, com
subelementos separados por signo
pré-definido (;).
PHOTO * Não Vínculo com fotografia em formato digital. Universal Resource Identifier (URI).
BDAY *1 Não Data de nascimento.
Data ou data e horário, incluindo o
fuso horário.
EMAIL * Não Endereço de e-mail.
Texto de tamanho variável, com
subelementos separados por signo
pré-definido (;).
● Atributos (4.0):
– Total de 38
● 4 Obrigatórios: BEGIN, END, FN, VERSION
14
●
Dan Brickley e Libby Miller (2002):
– XMLNS;
– 0.99 (alpha/beta)
FOAF
15
●
Documento:
– 13 seções: ‘FOAF em resumo’, ‘Introdução’, ‘Web Semântica’,
‘FOAF e a Web Semântica’, ‘Serventia do FOAF’, ‘Contexto’,
‘FOAF e padrões’, ‘Evolução e Extensibilidade do FOAF’,
‘Descobrimento do FOAF’, ‘Referências cruzadas do FOAF’,
‘Referências a Vocabulários Externos’, ‘Agradecimentos’ e
‘Mudanças Recentes’.
●
Depende de linguagem de marcação específica:
– XML, JSON-LD, Turtle aplicado...
– + RDF
FOAF
16
● Níveis de requisitos indicativos
● Cardinalidade
– Descritos no documento, sem simbologia própria.
FOAF - Atributos
17
FOAF - Atributos
● Atributos (0.99):
– Total de 31
Nome da Propriedade Descrição Tipo de Dado
birthday Dia e mês de aniversário.
Data, no formato (MM-DD),
onde MM representa o mês
com dois dígitos e DD
representa o dia, com dois
dígitos.
lastName Sobrenome da pessoa. Texto de tamanho variável.
firstName Primeiro nome. Texto de tamanho variável.
18
Resultados
19
●
Cardinalidade:
– ‘1..1’: só devem aparecer uma única vez para a
entidade;
– ‘0..1’: se utilizados, só devem aparecer uma única vez
para a entidade;
– ‘1..N’: devem aparecer uma ou mais vezes para a
entidade;
– ‘0..N’: se utilizados, podem aparecer uma ou mais
vezes para a entidade.
Resultados
20
Conjuntos de dados a serem coletados C Atributo vCard Propriedade da Classe Person – FOAF
Nome 1..1 FN, N firstName
Sobrenome 1..N FN, N familyName, lastName
Apelido 0..N NICKNAME N/A4
Sexo 0..1 GENDER gender
Fotografia 0..N PHOTO img
Data de Nascimento 0..1 BDAY, ANNIVERSARY age, birthday
Telefone 0..N TEL N/A4
Endereço de Correspondência 0..N ADR N/A4
E-mail 1..N EMAIL mbox
Site Pessoal/Blog 0..N N/A4 weblog
Cargo 0..N TITLE N/A4
Atuação 0..N ROLE N/A4
Instituição 0..N ORG workplaceHomepage
Instituições de Ensino frequentadas/que
frequenta
0..N N/A4 schoolHomepage
Áudio com descrição de informações sobre a
pessoa
0..N SOUND N/A4
Tags/Palavras-Chave (Folksonomia) 0..N CATEGORIES N/A4
Localização 0..N TZ, GEO N/A4
Identificadores em contas de Redes Sociais e
de Mensageiros Instantâneos
0..N IMPP account, aimChatID, icqChatID, jabberID,
msnChatID, openid, skypeID, yahooChatID
Hiperlinks para Redes de Colaboração
(ResearchGate, Plataforma Lattes e outras
plataformas)
0..N N/A4 currentProject, pastProject
Demais Interesses 0..N N/A4 interest, topic_interest
Produção de Bens e Serviços 0..N N/A4 made
Produção Científica 0..N N/A4 made, publications
Outras informações 0..N NOTE N/A
21
●
Preenchimento automático:
Resultados
Esquem
a
Atributo/Pr
oprie-dade
Tipo Características do Valor
vCard BEGIN Texto Fixo Texto fixo ‘VCARD’.
vCard END Texto Fixo Texto fixo ‘VCARD’.
vCard KIND Texto Fixo Texto fixo ‘individual’.
vCard SOURCE
Preenchimento
Automático
Geração da URN na qual estará disponível o recurso no
web site.
vCard XML
Preenchimento
Automático
Conversão dos atributos do vCard para o padrão xCard.
vCard LANG
Preenchimento
Automático
Idioma adotado pelo web site.
vCard PROID
Preenchimento
Automático
Nome do sistema de informação que gerou o vCard.
vCard REV
Preenchimento
Automático
Número do controle de versão do vCard individual.
vCard UID
Preenchimento
Automático
Identificador único do recurso no formato vCard no web site.
22
●
Preenchimento automático:
Resultados
Esquem
a
Atributo/Pr
oprie-dade
Tipo Características do Valor
vCard
CLIENTPID
MAP
Preenchimento
Automático
Identificador único do recurso no formato vCard no web
site, contendo a lista de identificadores de revisões do
conteúdo.
vCard URL
Preenchimento
Automático
Concatenação dos atributos SOURCE e UID.
vCard VERSION
Preenchimento
Automático
Versão do vCard utilizado.
vCard KEY
Preenchimento
Automático
Chave pública para autenticidade, gerada a partir da função
matemática MD5 ou SHA1.
FOAF
mbox_sha1
sum
Preenchimento
Automático
Chave pública para autenticidade do e-mail, gerada a partir
da função matemática SHA1.
23
● Descartados:
Resultados
Esque
ma
Atributo/Pro
prie-dade
Justificativa
vCard LOGO Logotipo não é aplicável a descrição de pessoas.
vCard MEMBER Membros contidos na Instituição não é aplicável a descrição de pessoas.
vCard RELATED
Relacionamento da Instituição com membros não é aplicável a descrição de
pessoas.
vCard FBURL
Controle de agenda pública não aplicável ao universo de pesquisa do estudo
proposto.
vCard CALADRURI
Controle de agenda pública não aplicável ao universo de pesquisa do estudo
proposto.
vCard CALURI
Controle de agenda pública não aplicável ao universo de pesquisa do estudo
proposto.
FOAF knows
Controle de vínculos com outros colaboradores não aplicável ao universo de
pesquisa do estudo proposto.
FOAF myersBriggs
Elementos de descrição de personalidade não aplicável ao universo de pesquisa do
estudo proposto.
FOAF plan
Arquivos de extensão .plan não aplicável ao universo de pesquisa do estudo
proposto.
FOAF status Estado emocional não aplicável ao universo de pesquisa do estudo proposto.
FOAF tipjar
Vínculo a sistemas de pagamentos para receber doações e demais tipos de
remuneração não aplicável ao universo de pesquisa do estudo proposto.
24
●
A aderência entre os elementos que compõem os padrões de
representação vCard e FOAF:
– Pode propiciar um atendimento mais eficiente às necessidades geradas pelos
fluxos informacionais dos sistemas de informação, em especial na fase de
armazenamento, ampliando a independência em relação ao tipo de
recuperação a ser construída.
●
A partir de uma única base de dados amplia-se a possibilidade
de construir múltiplas visualizações:
– No caso de estruturas voltadas ao intercâmbio de dados, viabilizando a
utilização de: estruturas vCard associadas à linguagens de marcação XML ou
JSON; estruturas apropriadas para realização de consultas via SPARQL Protocol
and RDF Query Language, com o uso do FOAF; estruturas de descrição RDF e
XML, ou; consultas visuais em formato HTML.
Considerações
Finais
25
Referências
BERNERS-LEE, T.; HENDLER, J.; LASSILA, O. The
semantic web. Scientific american, v. 284, n. 5, p. 28–37,
2001.
BRADNER, S. Key words for use in RFCs to Indicate
Requirement Levels. Best Current Practice, Network
Working Group. mar. 1997.
BRICKLEY, D.; MILLER, L. FOAF Vocabulary
Specification 0.99. [s.l: s.n.].
BRIGGS, K. C.; MYERS, I. B. Myers-Briggs type
indicator. Palo Alto, CA: Consulting Psychologist Press,
Inc, p. 4, 1977.
COAD, P.; YOURDON, E. Object-oriented analysis. 2nd
ed ed. Englewood Cliffs, N.J: Yourdon Press, 1991.
CODD, E. F. Data models in database management.
ACM Sigmod Record, v. 11, n. 2, p. 112–114, 1981.
CYGANIAK, R. et al. RDF 1.1 Concepts and Abstract
Syntax World Wide Web Consortium, , 25 fev. 2014.
DAVIS, M.; PHILLIPS, A. Tags for identifying languages.
Network Working Group, Best Current Practice. set. 2009.
INTERNET MAIL CONSORTIUM. vCard and vCalendar
Internet Mail Consortium, , 1996.
MOREIRA, F. M. et al. Tecnologias da Web Semântica
para a recuperação de dados agrícolas: um estudo
sobre o International Information System of the
Agricultural Science and Technology (AGRIS). Em
Questão, v. 21, n. 1, p. 173–192, 2015.
PERREAULT, S. vCard Format Specification. Internet
Engineering Task Force (IETF), Standards Track. 2011.
ROHDE, D. Versit founders hope to smooth CTI path,
bond with rival forum. Network World, p. 72, 8 jul. 1995.
SANT’ANA, R. C. G. Ciclo de Vida dos Dados e o papel
da Ciência da Informação. Anais do XIV Encontro
Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Anais...
In: XIV ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM
CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. Florianópolis: ANCIB, 2013.
SANTOS, P. L. V. A. DA C.; SANT’ANA, R. C. G.
Transferência da Informação: análise para valoração
de unidades de conhecimento. DataGramaZero -
Revista de Ciência da Informação, v. 3, n. 2, abr. 2002.
SANTOS, P. L. V. A. DA C.; SANT’ANA, R. C. G. Dado e
Granularidade na perspectiva da Informação e
Tecnologia: uma interpretação pela Ciência da
Informação. Ciência da Informação, v. 42, n. 2, p. 11,
maio 2015.
VASA, Y. Mobile-initiated number information query
and delivery. [s.l.] Google Patents, 2004.
WERSIG, G. Information science: the study of
postmodern knowledge usage. Information processing &
management, v. 29, n. 2, p. 229–239, 1993.
WERSIG, G.; NEVELING, U. The phenomena of interest
to information science. Information Scientist, v. 9, n. 4, p.
127–140, 1975.
fernando(at)elleth.org | ricardosantana(at)marilia.unesp.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogaçãoFalando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Fabrício Silva Assumpção
 
MARCXML
MARCXMLMARCXML
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Fabrício Silva Assumpção
 
Resource Description and Access (RDA)
Resource Description and Access (RDA)Resource Description and Access (RDA)
Resource Description and Access (RDA)
Fabrício Silva Assumpção
 
RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...
RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...
RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...
Fabrício Silva Assumpção
 
RDA: questões iniciais sobre o novo código de catalogação
RDA: questões iniciais sobre o novo código de catalogaçãoRDA: questões iniciais sobre o novo código de catalogação
RDA: questões iniciais sobre o novo código de catalogação
Fabrício Silva Assumpção
 
Conversão de registros em XML para MARC 21: um modelo baseado em XSLT (ENANCI...
Conversão de registros em XML para MARC 21:um modelo baseado em XSLT (ENANCI...Conversão de registros em XML para MARC 21:um modelo baseado em XSLT (ENANCI...
Conversão de registros em XML para MARC 21: um modelo baseado em XSLT (ENANCI...
Fabrício Silva Assumpção
 
Resource Description and Access (RDA) (UFSC 2020)
Resource Description and Access (RDA) (UFSC 2020)Resource Description and Access (RDA) (UFSC 2020)
Resource Description and Access (RDA) (UFSC 2020)
Fabrício Silva Assumpção
 
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
Fabrício Silva Assumpção
 
RDA Element Sets e RDA Value Vocabularies
RDA Element Sets e RDA Value VocabulariesRDA Element Sets e RDA Value Vocabularies
RDA Element Sets e RDA Value Vocabularies
Fabrício Silva Assumpção
 
SKOS: Interoperabilidade de linguagens documentais
SKOS: Interoperabilidade de linguagens documentaisSKOS: Interoperabilidade de linguagens documentais
SKOS: Interoperabilidade de linguagens documentais
Fabrício Silva Assumpção
 
Eu ainda preciso aprender AACR2 e MARC 21?
Eu ainda preciso aprender AACR2 e MARC 21? Eu ainda preciso aprender AACR2 e MARC 21?
Eu ainda preciso aprender AACR2 e MARC 21?
Fabrício Silva Assumpção
 
Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...
Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...
Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...
Fabrício Silva Assumpção
 
Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...
Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...
Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...
Fabrício Silva Assumpção
 
Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências
Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendênciasCatalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências
Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências
Fabrício Silva Assumpção
 
Anotacao Semântica em Documentos Não Estruturados
Anotacao Semântica em Documentos Não EstruturadosAnotacao Semântica em Documentos Não Estruturados
Anotacao Semântica em Documentos Não Estruturados
Celso Fontes
 
Banco de Dados II: MER (aula 1)
Banco de Dados II: MER (aula 1)Banco de Dados II: MER (aula 1)
Banco de Dados II: MER (aula 1)
Gustavo Zimmermann
 

Mais procurados (17)

Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogaçãoFalando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
 
MARCXML
MARCXMLMARCXML
MARCXML
 
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
 
Resource Description and Access (RDA)
Resource Description and Access (RDA)Resource Description and Access (RDA)
Resource Description and Access (RDA)
 
RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...
RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...
RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...
 
RDA: questões iniciais sobre o novo código de catalogação
RDA: questões iniciais sobre o novo código de catalogaçãoRDA: questões iniciais sobre o novo código de catalogação
RDA: questões iniciais sobre o novo código de catalogação
 
Conversão de registros em XML para MARC 21: um modelo baseado em XSLT (ENANCI...
Conversão de registros em XML para MARC 21:um modelo baseado em XSLT (ENANCI...Conversão de registros em XML para MARC 21:um modelo baseado em XSLT (ENANCI...
Conversão de registros em XML para MARC 21: um modelo baseado em XSLT (ENANCI...
 
Resource Description and Access (RDA) (UFSC 2020)
Resource Description and Access (RDA) (UFSC 2020)Resource Description and Access (RDA) (UFSC 2020)
Resource Description and Access (RDA) (UFSC 2020)
 
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
 
RDA Element Sets e RDA Value Vocabularies
RDA Element Sets e RDA Value VocabulariesRDA Element Sets e RDA Value Vocabularies
RDA Element Sets e RDA Value Vocabularies
 
SKOS: Interoperabilidade de linguagens documentais
SKOS: Interoperabilidade de linguagens documentaisSKOS: Interoperabilidade de linguagens documentais
SKOS: Interoperabilidade de linguagens documentais
 
Eu ainda preciso aprender AACR2 e MARC 21?
Eu ainda preciso aprender AACR2 e MARC 21? Eu ainda preciso aprender AACR2 e MARC 21?
Eu ainda preciso aprender AACR2 e MARC 21?
 
Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...
Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...
Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...
 
Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...
Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...
Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...
 
Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências
Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendênciasCatalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências
Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências
 
Anotacao Semântica em Documentos Não Estruturados
Anotacao Semântica em Documentos Não EstruturadosAnotacao Semântica em Documentos Não Estruturados
Anotacao Semântica em Documentos Não Estruturados
 
Banco de Dados II: MER (aula 1)
Banco de Dados II: MER (aula 1)Banco de Dados II: MER (aula 1)
Banco de Dados II: MER (aula 1)
 

Semelhante a Estudo de aderência entre padrões de representação de dados sobre entidades

Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel BrandãoIntrodução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
Daniel Brandão
 
Plataformas eGov em CTI: experiências nacionais e internacionais
Plataformas eGov em CTI: experiências nacionais e internacionaisPlataformas eGov em CTI: experiências nacionais e internacionais
Plataformas eGov em CTI: experiências nacionais e internacionais
Roberto C. S. Pacheco
 
Flisol 2016 fidelis - Curitiba - PR - Brazil
Flisol 2016   fidelis - Curitiba - PR - BrazilFlisol 2016   fidelis - Curitiba - PR - Brazil
Flisol 2016 fidelis - Curitiba - PR - Brazil
Marcos Vinicius Fidelis
 
Mer - Modelo Entidade Relacionamento
Mer - Modelo Entidade RelacionamentoMer - Modelo Entidade Relacionamento
Mer - Modelo Entidade Relacionamento
Rademaker Siena
 
CV - Andre De Conto Matter
CV - Andre De Conto MatterCV - Andre De Conto Matter
CV - Andre De Conto Matter
Andre Matter
 
TDC2017 - Misturando dados com Pentaho para insights mais significativos
TDC2017 - Misturando dados com Pentaho para insights mais significativosTDC2017 - Misturando dados com Pentaho para insights mais significativos
TDC2017 - Misturando dados com Pentaho para insights mais significativos
Ambiente Livre
 
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informaçãoUsabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Alan Vasconcelos
 
Apresentação Senac
Apresentação SenacApresentação Senac
Apresentação Senac
Marcos Ferreira
 
Bancos de Dados para Bibliotecarios
Bancos de Dados para BibliotecariosBancos de Dados para Bibliotecarios
Bancos de Dados para Bibliotecarios
Luciano Ramalho
 
Bancos de Dados para Bibliotecários
Bancos de Dados para BibliotecáriosBancos de Dados para Bibliotecários
Bancos de Dados para Bibliotecários
Luciano Ramalho
 
Fundamentos da Computação para o DCOMP - Departamento de Computação da UFS
Fundamentos da Computação para o DCOMP - Departamento de Computação da UFSFundamentos da Computação para o DCOMP - Departamento de Computação da UFS
Fundamentos da Computação para o DCOMP - Departamento de Computação da UFS
Rogerio P C do Nascimento
 
Metadados
MetadadosMetadados
Metadados
lulinha
 
Virtualização de dados para Advanced Analytics e Machine Learning
Virtualização de dados para Advanced Analytics e Machine LearningVirtualização de dados para Advanced Analytics e Machine Learning
Virtualização de dados para Advanced Analytics e Machine Learning
Denodo
 
Base de Dados - Introdução
Base de Dados - IntroduçãoBase de Dados - Introdução
Base de Dados - Introdução
Mariana Hiyori
 
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
Fernando de Assis Rodrigues
 
3 oo-concepts
3 oo-concepts3 oo-concepts
3 oo-concepts
jorge600
 
TDC2017 | São Paulo - Trilha BigData How we figured out we had a SRE team at ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha BigData How we figured out we had a SRE team at ...TDC2017 | São Paulo - Trilha BigData How we figured out we had a SRE team at ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha BigData How we figured out we had a SRE team at ...
tdc-globalcode
 
Projeto Piloto de Web Semântica com Dados da Secretaria da Saúde
Projeto Piloto de Web Semântica com Dados da Secretaria da SaúdeProjeto Piloto de Web Semântica com Dados da Secretaria da Saúde
Projeto Piloto de Web Semântica com Dados da Secretaria da Saúde
inovaDay .
 
Introdução à Neo4j
Introdução à Neo4j Introdução à Neo4j
Introdução à Neo4j
Neo4j
 
Bdii aula01 apresentacao
Bdii aula01 apresentacaoBdii aula01 apresentacao
Bdii aula01 apresentacao
samuel1562314
 

Semelhante a Estudo de aderência entre padrões de representação de dados sobre entidades (20)

Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel BrandãoIntrodução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
 
Plataformas eGov em CTI: experiências nacionais e internacionais
Plataformas eGov em CTI: experiências nacionais e internacionaisPlataformas eGov em CTI: experiências nacionais e internacionais
Plataformas eGov em CTI: experiências nacionais e internacionais
 
Flisol 2016 fidelis - Curitiba - PR - Brazil
Flisol 2016   fidelis - Curitiba - PR - BrazilFlisol 2016   fidelis - Curitiba - PR - Brazil
Flisol 2016 fidelis - Curitiba - PR - Brazil
 
Mer - Modelo Entidade Relacionamento
Mer - Modelo Entidade RelacionamentoMer - Modelo Entidade Relacionamento
Mer - Modelo Entidade Relacionamento
 
CV - Andre De Conto Matter
CV - Andre De Conto MatterCV - Andre De Conto Matter
CV - Andre De Conto Matter
 
TDC2017 - Misturando dados com Pentaho para insights mais significativos
TDC2017 - Misturando dados com Pentaho para insights mais significativosTDC2017 - Misturando dados com Pentaho para insights mais significativos
TDC2017 - Misturando dados com Pentaho para insights mais significativos
 
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informaçãoUsabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
 
Apresentação Senac
Apresentação SenacApresentação Senac
Apresentação Senac
 
Bancos de Dados para Bibliotecarios
Bancos de Dados para BibliotecariosBancos de Dados para Bibliotecarios
Bancos de Dados para Bibliotecarios
 
Bancos de Dados para Bibliotecários
Bancos de Dados para BibliotecáriosBancos de Dados para Bibliotecários
Bancos de Dados para Bibliotecários
 
Fundamentos da Computação para o DCOMP - Departamento de Computação da UFS
Fundamentos da Computação para o DCOMP - Departamento de Computação da UFSFundamentos da Computação para o DCOMP - Departamento de Computação da UFS
Fundamentos da Computação para o DCOMP - Departamento de Computação da UFS
 
Metadados
MetadadosMetadados
Metadados
 
Virtualização de dados para Advanced Analytics e Machine Learning
Virtualização de dados para Advanced Analytics e Machine LearningVirtualização de dados para Advanced Analytics e Machine Learning
Virtualização de dados para Advanced Analytics e Machine Learning
 
Base de Dados - Introdução
Base de Dados - IntroduçãoBase de Dados - Introdução
Base de Dados - Introdução
 
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
 
3 oo-concepts
3 oo-concepts3 oo-concepts
3 oo-concepts
 
TDC2017 | São Paulo - Trilha BigData How we figured out we had a SRE team at ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha BigData How we figured out we had a SRE team at ...TDC2017 | São Paulo - Trilha BigData How we figured out we had a SRE team at ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha BigData How we figured out we had a SRE team at ...
 
Projeto Piloto de Web Semântica com Dados da Secretaria da Saúde
Projeto Piloto de Web Semântica com Dados da Secretaria da SaúdeProjeto Piloto de Web Semântica com Dados da Secretaria da Saúde
Projeto Piloto de Web Semântica com Dados da Secretaria da Saúde
 
Introdução à Neo4j
Introdução à Neo4j Introdução à Neo4j
Introdução à Neo4j
 
Bdii aula01 apresentacao
Bdii aula01 apresentacaoBdii aula01 apresentacao
Bdii aula01 apresentacao
 

Mais de Fernando de Assis Rodrigues

Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais OnlineInterseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
Fernando de Assis Rodrigues
 
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Fernando de Assis Rodrigues
 
2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
Fernando de Assis Rodrigues
 
Processo de Acesso a Dados e suas fases
Processo de Acesso a Dados e suas fasesProcesso de Acesso a Dados e suas fases
Processo de Acesso a Dados e suas fases
Fernando de Assis Rodrigues
 
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais onlineFundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
Fernando de Assis Rodrigues
 
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Coleta de Dados em Redes Sociais
Coleta de Dados em Redes SociaisColeta de Dados em Redes Sociais
Coleta de Dados em Redes Sociais
Fernando de Assis Rodrigues
 
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na WebMetadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
Fernando de Assis Rodrigues
 
Metadados e Interoperabilidade
Metadados e InteroperabilidadeMetadados e Interoperabilidade
Metadados e Interoperabilidade
Fernando de Assis Rodrigues
 
Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados
Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dadosAplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados
Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados
Fernando de Assis Rodrigues
 
Raspagem de dados em websites governamentais
Raspagem de dados em websites governamentaisRaspagem de dados em websites governamentais
Raspagem de dados em websites governamentais
Fernando de Assis Rodrigues
 
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Fernando de Assis Rodrigues
 
ANÁLISE DA COLETA DE DADOS EM REDES SOCIAIS: aspectos de privacidade de dados...
ANÁLISE DA COLETA DE DADOS EM REDES SOCIAIS: aspectos de privacidade de dados...ANÁLISE DA COLETA DE DADOS EM REDES SOCIAIS: aspectos de privacidade de dados...
ANÁLISE DA COLETA DE DADOS EM REDES SOCIAIS: aspectos de privacidade de dados...
Fernando de Assis Rodrigues
 
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEBACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
Fernando de Assis Rodrigues
 
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTARO USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
Fernando de Assis Rodrigues
 

Mais de Fernando de Assis Rodrigues (20)

Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
 
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
 
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais OnlineInterseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
 
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
 
2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
 
Processo de Acesso a Dados e suas fases
Processo de Acesso a Dados e suas fasesProcesso de Acesso a Dados e suas fases
Processo de Acesso a Dados e suas fases
 
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais onlineFundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
 
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
 
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
 
Coleta de Dados em Redes Sociais
Coleta de Dados em Redes SociaisColeta de Dados em Redes Sociais
Coleta de Dados em Redes Sociais
 
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na WebMetadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
 
Metadados e Interoperabilidade
Metadados e InteroperabilidadeMetadados e Interoperabilidade
Metadados e Interoperabilidade
 
Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados
Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dadosAplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados
Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados
 
Raspagem de dados em websites governamentais
Raspagem de dados em websites governamentaisRaspagem de dados em websites governamentais
Raspagem de dados em websites governamentais
 
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
 
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
 
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
 
ANÁLISE DA COLETA DE DADOS EM REDES SOCIAIS: aspectos de privacidade de dados...
ANÁLISE DA COLETA DE DADOS EM REDES SOCIAIS: aspectos de privacidade de dados...ANÁLISE DA COLETA DE DADOS EM REDES SOCIAIS: aspectos de privacidade de dados...
ANÁLISE DA COLETA DE DADOS EM REDES SOCIAIS: aspectos de privacidade de dados...
 
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEBACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
 
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTARO USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
 

Estudo de aderência entre padrões de representação de dados sobre entidades

  • 1. Estudo de aderência entre padrões de representação de dados sobre entidades Estudio de adherencia entre los estándares de representación de datos sobre entidades Prof. M.S. Fernando de Assis Rodrigues fernando(at)elleth.org Universidade Estadual Paulista – UNESP Prof. Dr. Ricardo César Gonçalves Sant'Ana ricardosantana(at)marilia.unesp.br Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • 2. 2 ● Demanda de acesso a dados: – Aumento da complexidade de construção e análise de estruturas de coleta, armazenamento e recuperação. ● Ciclo de Vida dos Dados para a Ciência da Informação – CVD (SANT'ANA, 2013); Introdução
  • 3. 3 Introdução Armazenamento: atividades relacionadas ao processamento, a inserção, a manipulação, a migração e a transmissão na persistência de dados. P/ este estudo: foco nos dados.
  • 4. 4 Introdução “Entidade/Atributo/Valor <E, A, V>” e que, inclusive, foi base conceitual para modelagens de banco de dados e conteúdos voltados à Web Semântica. […] - entidade, um objeto do mundo real; - atributo, características intrínsecas da entidade; - valor, que representa um valor de um atributo de uma entidade específica
  • 5. 5 Projetos de sistemas de informação voltados à divulgação de dados originários e destinados para setores específicos necessitam de estruturas na fase de armazenamento que propiciem esta disseminação. Problema SGBD Pessoas Site (HTML) Padrão “X” em XML Padrão “Y” em JSON Armazenamento Recuperação
  • 6. 6 […] estudar a aderência entre os padrões de representação de dados vCard e o vocabulário Friend of a Friend (FOAF), identificando um núcleo comum para a explicitação de entidades desta temática para setores específicos – com independência tecnológica – necessárias à estruturação de bases de dados na fase de armazenamento destes conjuntos de dados. Objetivo
  • 7. 7 ● vCard: https://www.imc.org/pdi/ ● Friend of a Friend (FOAF): http://www.foaf-project.org/ Universo de Pesquisa ● Web semântica, web de dados, indexação automática (crawlers/bots) … ● Sistemas Operacionais, Aplicativos de e- mail, exportações/importações, listas ...
  • 8. 8 ● Análise documental: – Caráter qualitativo; – Recomendações para representação de dados; – Identificação de similaridades dos atributos propostos por estas representações (ponto de intersecção); – Identificação de atributos obrigatórios e recomendados para a explicitação destas entidades. ● Criar independência na forma de recuperação proposta por estas recomendações. Metodologia
  • 9. 9 ● Consórcio Versit (~1990): – Apple Computer, AT&T, International Bussiness Machine (IBM) e Siemens; – vCard e vCalendar; – A partir de 1996 → Internet Mail Consortium; – A partir de 2002 → Internet Engineering Task Force (IETF). vCard
  • 10. 10 ● Documento: – 12 seções: ‘Introdução’, ‘Convenções’, ‘Especificações do formato vCard’, ‘Tipos valor para propriedade de dados’, ‘Parâmetros de Propriedade’, ‘Propriedades do vCard’, ‘Sincronização’, ‘Exemplo’, ‘Considerações de Segurança’, ‘Considerações da Internet Assigned Numbers Authority (IANA)’, ‘Agradecimentos’ e ‘Referências’. ● Independente de linguagem de marcação específica: – XML, JSON ou até o HTML. vCard
  • 11. 11 ● Níveis de requisitos indicativos: – MUST, REQUIRED e SHALL: obrigatórios; – MUST NOT e SHALL NOT: proibitivos; – SHOULD e RECOMMENDED: recomendados; – SHOULD NOT e NOT RECOMMENDED: não recomendados; – MAY e OPTIONAL: opcionais. vCard - Atributos
  • 12. 12 ● Cardinalidade: – ‘1’: só devem aparecer uma única vez para a entidade; – ‘*1’ :se utilizados, só devem aparecer uma única vez para a entidade; – ‘1*’: devem aparecer uma ou mais vezes para a entidade; – ‘*’: se utilizados, podem aparecer uma ou mais vezes para a entidade. vCard - Atributos
  • 13. 13 vCard - Atributos Nome do Atributo Cardi nalida de Obrigatorie dade Descrição Tipo de Dado N *1 Não Nome da entidade representada, em formato para processamento por automático máquinas. Texto de tamanho variável, com subelementos separados por signo pré-definido (;). PHOTO * Não Vínculo com fotografia em formato digital. Universal Resource Identifier (URI). BDAY *1 Não Data de nascimento. Data ou data e horário, incluindo o fuso horário. EMAIL * Não Endereço de e-mail. Texto de tamanho variável, com subelementos separados por signo pré-definido (;). ● Atributos (4.0): – Total de 38 ● 4 Obrigatórios: BEGIN, END, FN, VERSION
  • 14. 14 ● Dan Brickley e Libby Miller (2002): – XMLNS; – 0.99 (alpha/beta) FOAF
  • 15. 15 ● Documento: – 13 seções: ‘FOAF em resumo’, ‘Introdução’, ‘Web Semântica’, ‘FOAF e a Web Semântica’, ‘Serventia do FOAF’, ‘Contexto’, ‘FOAF e padrões’, ‘Evolução e Extensibilidade do FOAF’, ‘Descobrimento do FOAF’, ‘Referências cruzadas do FOAF’, ‘Referências a Vocabulários Externos’, ‘Agradecimentos’ e ‘Mudanças Recentes’. ● Depende de linguagem de marcação específica: – XML, JSON-LD, Turtle aplicado... – + RDF FOAF
  • 16. 16 ● Níveis de requisitos indicativos ● Cardinalidade – Descritos no documento, sem simbologia própria. FOAF - Atributos
  • 17. 17 FOAF - Atributos ● Atributos (0.99): – Total de 31 Nome da Propriedade Descrição Tipo de Dado birthday Dia e mês de aniversário. Data, no formato (MM-DD), onde MM representa o mês com dois dígitos e DD representa o dia, com dois dígitos. lastName Sobrenome da pessoa. Texto de tamanho variável. firstName Primeiro nome. Texto de tamanho variável.
  • 19. 19 ● Cardinalidade: – ‘1..1’: só devem aparecer uma única vez para a entidade; – ‘0..1’: se utilizados, só devem aparecer uma única vez para a entidade; – ‘1..N’: devem aparecer uma ou mais vezes para a entidade; – ‘0..N’: se utilizados, podem aparecer uma ou mais vezes para a entidade. Resultados
  • 20. 20 Conjuntos de dados a serem coletados C Atributo vCard Propriedade da Classe Person – FOAF Nome 1..1 FN, N firstName Sobrenome 1..N FN, N familyName, lastName Apelido 0..N NICKNAME N/A4 Sexo 0..1 GENDER gender Fotografia 0..N PHOTO img Data de Nascimento 0..1 BDAY, ANNIVERSARY age, birthday Telefone 0..N TEL N/A4 Endereço de Correspondência 0..N ADR N/A4 E-mail 1..N EMAIL mbox Site Pessoal/Blog 0..N N/A4 weblog Cargo 0..N TITLE N/A4 Atuação 0..N ROLE N/A4 Instituição 0..N ORG workplaceHomepage Instituições de Ensino frequentadas/que frequenta 0..N N/A4 schoolHomepage Áudio com descrição de informações sobre a pessoa 0..N SOUND N/A4 Tags/Palavras-Chave (Folksonomia) 0..N CATEGORIES N/A4 Localização 0..N TZ, GEO N/A4 Identificadores em contas de Redes Sociais e de Mensageiros Instantâneos 0..N IMPP account, aimChatID, icqChatID, jabberID, msnChatID, openid, skypeID, yahooChatID Hiperlinks para Redes de Colaboração (ResearchGate, Plataforma Lattes e outras plataformas) 0..N N/A4 currentProject, pastProject Demais Interesses 0..N N/A4 interest, topic_interest Produção de Bens e Serviços 0..N N/A4 made Produção Científica 0..N N/A4 made, publications Outras informações 0..N NOTE N/A
  • 21. 21 ● Preenchimento automático: Resultados Esquem a Atributo/Pr oprie-dade Tipo Características do Valor vCard BEGIN Texto Fixo Texto fixo ‘VCARD’. vCard END Texto Fixo Texto fixo ‘VCARD’. vCard KIND Texto Fixo Texto fixo ‘individual’. vCard SOURCE Preenchimento Automático Geração da URN na qual estará disponível o recurso no web site. vCard XML Preenchimento Automático Conversão dos atributos do vCard para o padrão xCard. vCard LANG Preenchimento Automático Idioma adotado pelo web site. vCard PROID Preenchimento Automático Nome do sistema de informação que gerou o vCard. vCard REV Preenchimento Automático Número do controle de versão do vCard individual. vCard UID Preenchimento Automático Identificador único do recurso no formato vCard no web site.
  • 22. 22 ● Preenchimento automático: Resultados Esquem a Atributo/Pr oprie-dade Tipo Características do Valor vCard CLIENTPID MAP Preenchimento Automático Identificador único do recurso no formato vCard no web site, contendo a lista de identificadores de revisões do conteúdo. vCard URL Preenchimento Automático Concatenação dos atributos SOURCE e UID. vCard VERSION Preenchimento Automático Versão do vCard utilizado. vCard KEY Preenchimento Automático Chave pública para autenticidade, gerada a partir da função matemática MD5 ou SHA1. FOAF mbox_sha1 sum Preenchimento Automático Chave pública para autenticidade do e-mail, gerada a partir da função matemática SHA1.
  • 23. 23 ● Descartados: Resultados Esque ma Atributo/Pro prie-dade Justificativa vCard LOGO Logotipo não é aplicável a descrição de pessoas. vCard MEMBER Membros contidos na Instituição não é aplicável a descrição de pessoas. vCard RELATED Relacionamento da Instituição com membros não é aplicável a descrição de pessoas. vCard FBURL Controle de agenda pública não aplicável ao universo de pesquisa do estudo proposto. vCard CALADRURI Controle de agenda pública não aplicável ao universo de pesquisa do estudo proposto. vCard CALURI Controle de agenda pública não aplicável ao universo de pesquisa do estudo proposto. FOAF knows Controle de vínculos com outros colaboradores não aplicável ao universo de pesquisa do estudo proposto. FOAF myersBriggs Elementos de descrição de personalidade não aplicável ao universo de pesquisa do estudo proposto. FOAF plan Arquivos de extensão .plan não aplicável ao universo de pesquisa do estudo proposto. FOAF status Estado emocional não aplicável ao universo de pesquisa do estudo proposto. FOAF tipjar Vínculo a sistemas de pagamentos para receber doações e demais tipos de remuneração não aplicável ao universo de pesquisa do estudo proposto.
  • 24. 24 ● A aderência entre os elementos que compõem os padrões de representação vCard e FOAF: – Pode propiciar um atendimento mais eficiente às necessidades geradas pelos fluxos informacionais dos sistemas de informação, em especial na fase de armazenamento, ampliando a independência em relação ao tipo de recuperação a ser construída. ● A partir de uma única base de dados amplia-se a possibilidade de construir múltiplas visualizações: – No caso de estruturas voltadas ao intercâmbio de dados, viabilizando a utilização de: estruturas vCard associadas à linguagens de marcação XML ou JSON; estruturas apropriadas para realização de consultas via SPARQL Protocol and RDF Query Language, com o uso do FOAF; estruturas de descrição RDF e XML, ou; consultas visuais em formato HTML. Considerações Finais
  • 25. 25 Referências BERNERS-LEE, T.; HENDLER, J.; LASSILA, O. The semantic web. Scientific american, v. 284, n. 5, p. 28–37, 2001. BRADNER, S. Key words for use in RFCs to Indicate Requirement Levels. Best Current Practice, Network Working Group. mar. 1997. BRICKLEY, D.; MILLER, L. FOAF Vocabulary Specification 0.99. [s.l: s.n.]. BRIGGS, K. C.; MYERS, I. B. Myers-Briggs type indicator. Palo Alto, CA: Consulting Psychologist Press, Inc, p. 4, 1977. COAD, P.; YOURDON, E. Object-oriented analysis. 2nd ed ed. Englewood Cliffs, N.J: Yourdon Press, 1991. CODD, E. F. Data models in database management. ACM Sigmod Record, v. 11, n. 2, p. 112–114, 1981. CYGANIAK, R. et al. RDF 1.1 Concepts and Abstract Syntax World Wide Web Consortium, , 25 fev. 2014. DAVIS, M.; PHILLIPS, A. Tags for identifying languages. Network Working Group, Best Current Practice. set. 2009. INTERNET MAIL CONSORTIUM. vCard and vCalendar Internet Mail Consortium, , 1996. MOREIRA, F. M. et al. Tecnologias da Web Semântica para a recuperação de dados agrícolas: um estudo sobre o International Information System of the Agricultural Science and Technology (AGRIS). Em Questão, v. 21, n. 1, p. 173–192, 2015. PERREAULT, S. vCard Format Specification. Internet Engineering Task Force (IETF), Standards Track. 2011. ROHDE, D. Versit founders hope to smooth CTI path, bond with rival forum. Network World, p. 72, 8 jul. 1995. SANT’ANA, R. C. G. Ciclo de Vida dos Dados e o papel da Ciência da Informação. Anais do XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Anais... In: XIV ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. Florianópolis: ANCIB, 2013. SANTOS, P. L. V. A. DA C.; SANT’ANA, R. C. G. Transferência da Informação: análise para valoração de unidades de conhecimento. DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação, v. 3, n. 2, abr. 2002. SANTOS, P. L. V. A. DA C.; SANT’ANA, R. C. G. Dado e Granularidade na perspectiva da Informação e Tecnologia: uma interpretação pela Ciência da Informação. Ciência da Informação, v. 42, n. 2, p. 11, maio 2015. VASA, Y. Mobile-initiated number information query and delivery. [s.l.] Google Patents, 2004. WERSIG, G. Information science: the study of postmodern knowledge usage. Information processing & management, v. 29, n. 2, p. 229–239, 1993. WERSIG, G.; NEVELING, U. The phenomena of interest to information science. Information Scientist, v. 9, n. 4, p. 127–140, 1975. fernando(at)elleth.org | ricardosantana(at)marilia.unesp.br