SlideShare uma empresa Scribd logo
Parte II




Prof. Fabio Graciute da Rocha
Estrutura geologica relevo2
   Eluvial – Argiloso, rico em nutrientes

   Aluvial – Sedimentos, rico em matéria
    orgânica – várzeas

   Latossolo – Profundo, alto intemperismo
    químico – áreas úmidas

   Litossolo – Raso, intemperismo físico,
    árido/semi árido
   Massapé – decomposição do gnaisse e do calcário – argiloso,
    castanho escuro, ocorre na Zona da Mata –NE – Utilizado no
    plantio de cana, cacau e fumo principalmente
   Terra Roxa – decomposição do basalto e do diabásio – argiloso,
    vermelho escuro, ocorre no Centro sul do país – Utilizado no
    plantio de café, cana, algodão e laranja principalmente
   Solo de várzea (Aluvial) – arenoso, rico em humus, ocorre junto às
    várzeas dos rios – Utilizado para o cultivo de arroz, cabola, juta
   Salmourão – decomposição do granito em áreas úmidas –
    argiloso, certa fertilidade, ocorre no Planalto Atlântico e Centro
    sul
 Erosão
 Esgotamento
 Lixiviação
 Laterização
Minério          Principal Componente
                                      Argentita: Ag2S             Prata
                                       Bauxita: Al2O3            Alumínio

                                        Blenda: ZnS               Zinco

                                     Calcopirita: CuFeS2
                                      Bornita: Cu5FeS4            Cobre
   Todo mineral com componente        Calcocite: Cu2S
    metálico    que     apresente,    Cassiterita: SnO2          Estanho
    concentração suficiente, para       Galena: PbS              Chumbo
    exploração econômica              Hematita: Fe2O3
                                      Ilmenita: FeTiO3            Ferro
                                     Magnetita: Fe3O4

                                     Calaverita: AuTe2
                                                                  Ouro
                                         Ouro: Au

                                      Pirolusita:MnO2           Manganês
                                       Uraninita: UO2             Urânio
   Serra do Carajás
   Quadrilátero Ferrífero
   Maciço do Urucum
   Cassiterita (Sn) – AM, RO, RR, MG, PA
   Calcopirita (Cu) – BA, PA(Carajás), RS
   Níquel – GO
   Bauxita – MG (Poços de Caldas, Mariana,
    Oriximiná)
   Nióbio – Araxá
   Urânio – Poços de Caldas, Ceará
   Ouro/Diamantes – MT, MG
Estrutura geologica relevo2
Estrutura geologica relevo2
Composição


Tipo         % O2   % H2   %C



Celulose     49,4   6,2    44,4



Turfa        40,0   6,0    54 a 60



Linhito      25,0   5,0    65 a 75



Hulha        15,0   4,5    75 a 85



Antracito    3,0    2,0    95,0
Estrutura geologica relevo2
 (Puccamp) Não, é nossa terra, a terra do índio. Isso que a gente quer mostrar pro
  Brasil: gostamos muito do Brasil, amamos o Brasil, valorizamos as coisas do
  Brasil porque o adubo do Brasil são os corpos dos nossos antepassados e todo o
  patrimônio ecológico que existe por aqui foi protegido pelos povos indígenas.
  Quando Cabral chegou, a gente o recebeu com sinceridade, com a verdade, e o
  pessoal achou que a gente era inocente demais e aí fomos traídos: aquilo que era
  nosso, que a gente queria repartir, passou a ser objeto de ambição. Do ponto de
  vista do colonizador, era tomar para dominar a terra, dominar nossa cultura,
  anulando a gente como civilização.
 (Revista "Caros Amigos". ano 4. nŽ. 37. Abril/2000. p. 36).

   1. Objeto de ambição, eis uma expressão que cabe perfeitamente quando nos
    referimos ao subsolo brasileiro. Explica a afirmação, dentre outras causas,
   a) a extensa área de terrenos pré-cambrianos ricos em minérios.
   b) a ocorrência de combustíveis fósseis no escudo cristalino.
   c) a baixa altimetria, responsável pela concentração mineral.
   d) a ausência de alterações geológicas desde o Mesozóico.
   e) os vários períodos de glaciação durante o Cenozóico.
   2. (Fatec) Observe o perfil topográfico e o mapa a seguir.




                                   (Adaptado de Ferreira. Atlas geográfico, 2003.)
   Assinale a alternativa que identifica no mapa a seqüência encontrada no perfil topográfico apresentado.
   a) 1.
   b) 2.
   c) 3.
   d) 4.
   e) 5.
   3. (Fatec 2007) São as únicas unidades do relevo brasileiro
    cujo arcabouço consiste em bacias de sedimentação
    recente, formadas por deposições do período
    Quaternário. As superfícies apresentam-se notavelmente
    aplainadas e ainda em processo de consolidação.
    (Demétrio Magnoli e Regina Araújo. "Geografia - a
    construção do mundo".)
   No Brasil, o relevo descrito está presente nas feições
   a) do Pantanal Mato-grossense.
   b) da Chapada Diamantina.
   c) do Planalto da Borborema.
   d) da Serra do Mar.
   e) da Depressão Sertaneja.
   4. (Fgv) Transitando por estradas de São Paulo ou de outros estados brasileiros, é comum observar-se o
    fenômeno apresentado na ilustração.




   Esse fenômeno recebe a denominação de
   a) voçoroca, que é formada a partir de erosão intensa, provocada pelo desmatamento e uso inadequado do solo.
   b) voçoroca, que ocorre em áreas onde a agricultura é praticada sem o uso de máquinas que revolvam o solo em
    profundidade.
   c) orogênia, formada pela ação dos lençóis freáticos nas rochas do subsolo, que são lentamente dissolvidas.
   d) sulco laterítico, que ocorre em áreas de várzeas fluviais, facilmente alagadas durante as cheias dos rios.
   e) sulco lixiviado, que é formado pelo processo de intemperismo físico em áreas de clima tropical com estações
    bem definidas.
   5. (Fgv 2007) Observe o mapa e a ilustração.




Trata-se de um relevo típico de rochas cristalinas sob sistemas morfogenéticos tropicais úmidos.
   No território brasileiro, o relevo retratado na ilustração é encontrado, apenas, em
   a) I.
   b) II.
   c) III.
   d) IV.
   e) V.
   6. (Fgv 2007) Graben e Horst são formas de relevo associadas às falhas
    tectônicas.




   No Brasil, os exemplos para I e II são, respectivamente,
   a) Vale do Itajaí e Serra Geral.
   b) Vale do Paraíba e Serra do Mar.
   c) Planície Amazônica e Serra do Cachimbo.
   d) Vale do São Francisco e Chapada Diamantina.
   e) Planície Costeira e Serra do Espinhaço.
   7. (Fuvest) Considere o mapa e selecione a alternativa que
    apresenta corretamente as características das áreas mais
    suscetíveis a esse processo erosivo.
   8. (Fuvest 2007) Observe os mapas.




   A correspondência existente entre as áreas dos principais estoques subterrâneos de água e as áreas de bacias
    sedimentares pode ser explicada, dentre outros, pelo fato de
   a) a porosidade ser, em geral, maior em terrenos sedimentares, possibilitando maior armazenamento.
   b) o grau de fraturamento ser, em geral, maior em terrenos sedimentares, possibilitando maior infiltração.
   c) as bacias sedimentares estarem localizadas em áreas de maiores volumes anuais de precipitação.
   d) as bacias sedimentares serem constituídas por terrenos mais antigos, armazenando mais água.
   e) as bacias sedimentares apresentarem materiais mais impermeáveis, facilitando a infiltração.
 9. (Ufpel 2007) Relevo é o conjunto de diferentes formas apresentadas pela
  superfície terrestre, as quais são definidas pela estrutura geológica a partir da
  combinação de ações da dinâmica externa e interna da Terra.
 Com base no texto anterior e em seus conhecimentos, é correto afirmar que


   a) as modificações ocorridas no relevo brasileiro devem-se à intensa atividade
    geológica interna no passado, como vulcanismo, terremoto e dobramentos,
    verificadas no Brasil.
   b) considerando que planícies são relevos em construção e planaltos relevos em
    destruição, no caso brasileiro, não devemos levar em conta os processos que os
    constituíram para tal classificação.
   c) o clima tipicamente quente e úmido do Brasil não condiciona os mecanismos
    externos de atuação do intemperismo e da erosão sobre as rochas cristalinas e
    sedimentares.
   d) o relevo não exerce influência sobre a pecuária e as atividades agrícolas no
    caso brasileiro, por sua característica de baixas altitudes.
   e) predominam baixas altitudes no relevo brasileiro, e isso se deve à inexistência
    de dobramentos modernos durante o período terciário.
   10. (Ufla 2007) Com base no esquema a seguir, pode-se
    classificar o movimento de criação da dorsal identificada
    como




   a) Movimento convergente.
   b) Movimento tangencial.
   c) Movimento transformante.
   d) Movimento divergente.
   11. (Ufmg 2007) Analise esta seqüência de figuras, em que está representada a formação do solo
    ao longo do tempo geológico, sabendo que as divisões que aparecem em cada figura e na
    legenda representam as etapas dessa evolução:




   A partir dessa análise, é INCORRETO afirmar que essa seqüência de figuras sugere que
   a) a evolução e o aumento da espessura do solo estão condicionados à escala do tempo
    geológico.
   b) o crescimento aéreo e subterrâneo da vegetação é inversamente proporcional ao
    desenvolvimento do solo.
   c) o desenvolvimento do solo, ao longo do tempo, resulta na sua diferenciação em horizontes.
   d) o material inorgânico presente no solo resulta de alterações ocorridas na rocha.
   12. (Fatec 2005) Observe a figura.




(Suertegaray, D. M. A. - "Terra: Feições Ilustradas". Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.)

   Sobre a forma de relevo representada é correto afirmar que se trata de
   a) um planalto cristalino bastante erodido pela ação das águas.
   b) uma chapada ou planalto sedimentar com topos aplainados.
   c) uma planície formada por camadas sedimentares horizontais.
   d) um planalto tabular sobre rochas magmáticas e metamórficas.
   e) uma planície fortemente erodida pelo intemperismo físico.
   13. (Fgv 2006) A questão está relacionada ao perfil topográfico e ao mapa apresentados a seguir.




   O perfil topográfico apresentado corresponde, no mapa, ao trajeto indicado pelo número
   a) 1.
   b) 2.
   c) 3.
   d) 4.
   e) 5.
   14. (G1 - cftmg 2005) Observe as figuras a seguir.




         FONTE: FERREIRA, Graça M. L. "Geografia em mapas." São Paulo: SP, Moderna, 2000.
   Os agentes do intemperismo predominantes nas figuras 1, 2, 3 e 4 são, respectivamente, de
    origem
   a) pluvial, fluvial, nival, glacial.
   b) glacial, eólica, pluvial, nival.
   c) fluvial, marinha, eólica, nival.
   d) fluvial, pluvial, marinha, eólica.
   15. (Uel 2006) Analise a imagem e leia o texto a seguir.




   "O dinamismo da superfície da Terra é fruto da atuação antagônica de duas forças ou de duas fontes energéticas - as forças endógenas ou internas
    e as forças exógenas ou externas. Do jogo dessas duas forças opostas resulta toda dinâmica da crosta terrestre ou litosfera.[...] Esse processo de
    criação de formas estruturais pelas forças endógenas e de esculturação pelas forças exógenas é permanente ao longo do tempo e do espaço".
             (ROSS, Jurandyr L. S. (Org.). "Geografia do Brasil". Edusp: São Paulo, 1995. p. 17.)
   Com base na imagem, no texto e nos conhecimentos sobre o tema, é correto afirmar:
   a) A orogênese, processo causado pela ação das forças exógenas, é responsável pelo padrão de esculturação das formas de relevo mostradas na
    imagem.
   b) Os morros com topos convexos apresentados na imagem são causados pelas forças endógenas próprias de climas áridos, atuantes no Sudeste
    brasileiro.
   c) As formas de relevo apresentadas na imagem decorrem da ação de forças exógenas, relacionadas a climas úmidos, sobre áreas de dobramentos
    antigos nas quais estão presentes rochas cristalinas.
   d) As formas de relevo presentes na imagem decorrem da predominância do intemperismo físico, força endógena que, por meio da desagregação
    mecânica, atua sobre as rochas sedimentares da região.
   e) A orogênese, processo decorrente da ação das forças exógenas, é responsável pelo tipo de intemperismo que definiu o modelado do tipo "mares
    de morro" que a imagem mostra.
   16. (Ufpe 2005) Observe o desenho esquemático a seguir.




   Sobre essa paisagem, é correto afirmar que:
 a) ela não apresenta vestígios de tectonismo.
 b) a área 1 representa um talvegue, que, pelas características morfológicas, não
  apresenta erosão.
 c) a área 2 funciona como nível de base para a erosão.
 d) no talvegue 3, não estão ocorrendo processos erosivos, mas, apenas,
  deposicionais.
 e) ela não exibe marcas de processos morfogenéticos fluviais.
   17. (Ufpe 2007) Na Região Sudeste do Brasil, existem dois tipos bem
    definidos de paisagem fisiográfica, representados, de um lado, pelas
    "serras" do Mar e da Mantiqueira e, do outro, pela serra do Espinhaço.
    Essas duas primeiras "serras" originaram-se em conseqüência do
    tectonismo. Quais as evidências dessa formação tectônica?
   1- Solos bem desenvolvidos, sobretudo nas escarpas.
   2- Adaptação da drenagem a uma rede de falhas.
   3- Assimetria do relevo.
   4- Domínio de colinas convexas e vales em V.
   5- Patamares escalonados.
   Estão corretas apenas:
   a) 1 e 2
   b) 3 e 4
   c) 1, 2 e 3
   d) 2, 3 e 5
   e) 1, 2, 4 e 5
   18. (Ufrs 2006) A classificação do relevo brasileiro feita por Jurandyr L. S. Ross (1995) constitui um grande avanço
    no estudo geomorfológico do Brasil, por contribuir para o planejamento territorial.
   Com base nessa classificação, associe adequadamente as características apresentadas no bloco inferior, a seguir,
    às respectivas unidades do relevo brasileiro listadas no bloco superior.

   1 - Planaltos e Chapadas da Bacia do Paraná
   2 - Planaltos e Serras do Atlântico Leste e Sudeste
   3 - Planalto da Borborema
   4 - Depressão Periférica Sul-Rio-Grandense
   5 - Planícies e Tabuleiros Litorâneos

   ( ) Esta unidade, drenada pelo rio Jacuí, para leste, e pelo rio Ibicuí, para oeste, apresenta altitude média em
    torno de 200 m.
   ( ) O contato desta unidade com as depressões circundantes é feito através de escarpas que, do Rio Grande do
    Sul a São Paulo, são sustentadas predominantemente por rochas vulcânicas.
   ( ) Esta unidade é constituída por morros com formas de topos convexos, tem elevada densidade de drenagem
    e vales profundos - área definida por Aziz Ab'Saber como "domínio dos mares de morros".

   A seqüência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é
   a) 3 - 5 - 2.
   b) 4 - 1 - 2.
   c) 4 - 2 - 1.
   d) 5 - 1 - 3.
   e) 5 - 1 - 4.
   19. (Ufrs 2006) Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações a seguir,
    referentes à classificação genética das rochas.
 ( ) A rocha ígnea intrusiva mais abundante no crosta terrestre é o granito.
 ( ) As rochas sedimentares são formadas a partir da compactação de
  fragmentos provenientes somente das rochas ígneas e metamórficas.
 ( ) Quando ocorrer a litificação do material magmático em áreas profundas da
  crosta terrestre, a rocha resultante será do tipo ígnea vulcânica.
 ( ) O gnaisse e o mármore são rochas metamórficas resultantes da
  transformação de outras rochas devido ao aumento de pressão e temperatura
  sobre a rocha preexistente.
   A seqüência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é
   a) V - F - F - V.
   b) F - F - V - V.
   c) V - V - F - F.
   d) V - F - V - V.
   e) F - V - F - F.
   20. (Fgv 2007) Considere o mapa apresentado.




   A partir dos dados apresentados, assinale a alternativa correta.
   a) A maior quantidade de minerais concentra-se em áreas sedimentares, situadas em região de clima tropical de
    estações contrastadas e, em menor grau, na Amazônia.
   b) As áreas de escudos são responsáveis por grandes reservas de minerais, sendo as localizadas no Brasil-Central
    e no Atlântico as mais abundantes.
   c) Na Bacia do Paraná, encontram-se as maiores reservas de manganês no Brasil, associadas também a reservas
    de ouro e prata.
   d) No Maciço de Urucum, no Mato Grosso, as reservas de ferro e manganês situam-se em áreas sedimentares.
   e) O clima semi-árido encontrado no Nordeste é o responsável pela ausência de grandes reservas de minerais
    metálicos.
   1. [A]       11. [B]
   2. [C]       12. [B]
   3. [A]       13. [D]
   4. [A]
                 14. [D]
   5. [C]
                 15. [C]
   6. [B]
                 16. [C]
   7. [C]
   8. [A]
                 17. [D]

   9. [E]       18. [B]
   10. [D]      19. [A]
   11. [B]      20. [B]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ft power point rochas e minerais
Ft power point rochas e mineraisFt power point rochas e minerais
Ft power point rochas e minerais
Tânia Reis
 
FT6 - Rochas e Minerais
FT6 - Rochas e MineraisFT6 - Rochas e Minerais
FT6 - Rochas e Minerais
Gabriela Bruno
 
7º ano minerais
7º ano  minerais7º ano  minerais
7º ano minerais
Andreia Margarido
 
Ficha 4 dac_minerais
Ficha 4 dac_mineraisFicha 4 dac_minerais
Ficha 4 dac_minerais
Sandra Gonçalves
 
4th Reunião Bienal Latinmag 2015
4th Reunião Bienal Latinmag 20154th Reunião Bienal Latinmag 2015
4th Reunião Bienal Latinmag 2015
Astrid Siachoque
 
FT9 - ROCHAS MAGMÁTICAS
FT9 - ROCHAS MAGMÁTICASFT9 - ROCHAS MAGMÁTICAS
FT9 - ROCHAS MAGMÁTICAS
sandranascimento
 
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochasciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
Catarina Pereira
 
1 tv1 out 2011_12
1 tv1 out 2011_121 tv1 out 2011_12
1 tv1 out 2011_12
Estela Costa
 
Teste 5 versão ii
Teste 5 versão iiTeste 5 versão ii
Teste 5 versão ii
joseeira
 
14 Simpósio de Geologia da Amazônia
14 Simpósio de Geologia da Amazônia 14 Simpósio de Geologia da Amazônia
14 Simpósio de Geologia da Amazônia
Astrid Siachoque
 
FT10 - DEFORMAÇÕES
FT10 - DEFORMAÇÕESFT10 - DEFORMAÇÕES
FT10 - DEFORMAÇÕES
sandranascimento
 
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO AORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
Astrid Siachoque
 
FT metamórficas
FT metamórficasFT metamórficas
FT metamórficas
Sónia Santos
 
Bg11 teste 5
Bg11 teste 5Bg11 teste 5
Bg11 teste 5
odetefernandes
 
2º teste rochas 7º ano
2º teste rochas 7º ano2º teste rochas 7º ano
2º teste rochas 7º ano
Sofia Ribeiro
 
Revisão prova 4ª etapa 6º ano
Revisão prova 4ª etapa 6º anoRevisão prova 4ª etapa 6º ano
Revisão prova 4ª etapa 6º ano
Márcia Dutra
 
Exercícios-Rochas Metamórficas
Exercícios-Rochas MetamórficasExercícios-Rochas Metamórficas
Exercícios-Rochas Metamórficas
Sara Carvalhosa
 
5 t 11_abc_2014_15estela versão 1
5 t 11_abc_2014_15estela versão 15 t 11_abc_2014_15estela versão 1
5 t 11_abc_2014_15estela versão 1
Estela Costa
 
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperaçãoTeste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Estela Costa
 

Mais procurados (20)

Ft power point rochas e minerais
Ft power point rochas e mineraisFt power point rochas e minerais
Ft power point rochas e minerais
 
FT6 - Rochas e Minerais
FT6 - Rochas e MineraisFT6 - Rochas e Minerais
FT6 - Rochas e Minerais
 
7º ano minerais
7º ano  minerais7º ano  minerais
7º ano minerais
 
Ficha 4 dac_minerais
Ficha 4 dac_mineraisFicha 4 dac_minerais
Ficha 4 dac_minerais
 
4th Reunião Bienal Latinmag 2015
4th Reunião Bienal Latinmag 20154th Reunião Bienal Latinmag 2015
4th Reunião Bienal Latinmag 2015
 
FT9 - ROCHAS MAGMÁTICAS
FT9 - ROCHAS MAGMÁTICASFT9 - ROCHAS MAGMÁTICAS
FT9 - ROCHAS MAGMÁTICAS
 
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
 
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochasciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
 
1 tv1 out 2011_12
1 tv1 out 2011_121 tv1 out 2011_12
1 tv1 out 2011_12
 
Teste 5 versão ii
Teste 5 versão iiTeste 5 versão ii
Teste 5 versão ii
 
14 Simpósio de Geologia da Amazônia
14 Simpósio de Geologia da Amazônia 14 Simpósio de Geologia da Amazônia
14 Simpósio de Geologia da Amazônia
 
FT10 - DEFORMAÇÕES
FT10 - DEFORMAÇÕESFT10 - DEFORMAÇÕES
FT10 - DEFORMAÇÕES
 
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO AORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
 
FT metamórficas
FT metamórficasFT metamórficas
FT metamórficas
 
Bg11 teste 5
Bg11 teste 5Bg11 teste 5
Bg11 teste 5
 
2º teste rochas 7º ano
2º teste rochas 7º ano2º teste rochas 7º ano
2º teste rochas 7º ano
 
Revisão prova 4ª etapa 6º ano
Revisão prova 4ª etapa 6º anoRevisão prova 4ª etapa 6º ano
Revisão prova 4ª etapa 6º ano
 
Exercícios-Rochas Metamórficas
Exercícios-Rochas MetamórficasExercícios-Rochas Metamórficas
Exercícios-Rochas Metamórficas
 
5 t 11_abc_2014_15estela versão 1
5 t 11_abc_2014_15estela versão 15 t 11_abc_2014_15estela versão 1
5 t 11_abc_2014_15estela versão 1
 
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperaçãoTeste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
 

Destaque

Camões
CamõesCamões
Estrutura Interna Da Terra
Estrutura Interna Da TerraEstrutura Interna Da Terra
Estrutura Interna Da Terra
Giovana Pimentel
 
Planeta terra Turmas (11 e 12)
Planeta terra Turmas (11 e 12)Planeta terra Turmas (11 e 12)
Planeta terra Turmas (11 e 12)
Jose Luiz de Oliveira
 
Prova do 2º dia do vestibular da UPE 2015
Prova do 2º dia do vestibular da UPE 2015Prova do 2º dia do vestibular da UPE 2015
Prova do 2º dia do vestibular da UPE 2015
mariabrassan
 
Estrutura interna da terra 2013
Estrutura interna da terra 2013Estrutura interna da terra 2013
Estrutura interna da terra 2013
João José Ferreira Tojal
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terra
catiacsantos
 
Estrutura da Terra
Estrutura da TerraEstrutura da Terra
Estrutura da Terra
Débora Sales
 

Destaque (7)

Camões
CamõesCamões
Camões
 
Estrutura Interna Da Terra
Estrutura Interna Da TerraEstrutura Interna Da Terra
Estrutura Interna Da Terra
 
Planeta terra Turmas (11 e 12)
Planeta terra Turmas (11 e 12)Planeta terra Turmas (11 e 12)
Planeta terra Turmas (11 e 12)
 
Prova do 2º dia do vestibular da UPE 2015
Prova do 2º dia do vestibular da UPE 2015Prova do 2º dia do vestibular da UPE 2015
Prova do 2º dia do vestibular da UPE 2015
 
Estrutura interna da terra 2013
Estrutura interna da terra 2013Estrutura interna da terra 2013
Estrutura interna da terra 2013
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terra
 
Estrutura da Terra
Estrutura da TerraEstrutura da Terra
Estrutura da Terra
 

Semelhante a Estrutura geologica relevo2

RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
Diego Timoteo
 
IEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptx
IEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptxIEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptx
IEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptx
Alayana2023
 
Geologia de Roraima
Geologia de RoraimaGeologia de Roraima
Geologia de Roraima
Ezequias Guimaraes
 
Teste 1 cn7 2018-2019_final
Teste 1 cn7 2018-2019_finalTeste 1 cn7 2018-2019_final
Teste 1 cn7 2018-2019_final
Ordem dos Biólogos
 
1 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v11 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v1
Estela Costa
 
Sumario executivo
Sumario executivoSumario executivo
Sumario executivo
Sergio Rodriguez
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
Camila Brito
 
Reserva mineral do solo
Reserva mineral do soloReserva mineral do solo
Reserva mineral do solo
Sabrina Nascimento
 
Estudar p2-genese
Estudar p2-geneseEstudar p2-genese
Estudar p2-genese
Ana Rita Paim
 
Pedologia 2008
Pedologia 2008Pedologia 2008
Pedologia 2008
Rogerio Silveira
 
Ficha de estudo
Ficha de estudoFicha de estudo
Ficha de estudo
Angela Boucinha
 
Formação e uso dos solos
Formação e uso dos solosFormação e uso dos solos
Formação e uso dos solos
BriefCase
 
1VD GEOLOGIA - LORENA
1VD GEOLOGIA - LORENA1VD GEOLOGIA - LORENA
1VD GEOLOGIA - LORENA
CETEP RECÔNCAVO SAJ/BAHIA
 
Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...
Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...
Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...
ssuser371e961
 
Obj geografia - cartografia formação geológica do brasil-lista
Obj   geografia - cartografia formação geológica do brasil-listaObj   geografia - cartografia formação geológica do brasil-lista
Obj geografia - cartografia formação geológica do brasil-lista
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
bg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docxbg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docx
Isaura Mourão
 
Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...
Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...
Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...
Roberto Cambruzzi
 
Geologia e Geomorfologia
Geologia e GeomorfologiaGeologia e Geomorfologia
Geologia e Geomorfologia
Esquadrão Do Conhecimento
 
Geo 12 preparação para o teste de avaliação
Geo 12   preparação para o teste de avaliaçãoGeo 12   preparação para o teste de avaliação
Geo 12 preparação para o teste de avaliação
Nuno Correia
 
A3 - classif. - Depositos Magmaticos.pdf
A3 - classif. - Depositos Magmaticos.pdfA3 - classif. - Depositos Magmaticos.pdf
A3 - classif. - Depositos Magmaticos.pdf
FrancineSilva42
 

Semelhante a Estrutura geologica relevo2 (20)

RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
 
IEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptx
IEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptxIEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptx
IEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptx
 
Geologia de Roraima
Geologia de RoraimaGeologia de Roraima
Geologia de Roraima
 
Teste 1 cn7 2018-2019_final
Teste 1 cn7 2018-2019_finalTeste 1 cn7 2018-2019_final
Teste 1 cn7 2018-2019_final
 
1 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v11 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v1
 
Sumario executivo
Sumario executivoSumario executivo
Sumario executivo
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 
Reserva mineral do solo
Reserva mineral do soloReserva mineral do solo
Reserva mineral do solo
 
Estudar p2-genese
Estudar p2-geneseEstudar p2-genese
Estudar p2-genese
 
Pedologia 2008
Pedologia 2008Pedologia 2008
Pedologia 2008
 
Ficha de estudo
Ficha de estudoFicha de estudo
Ficha de estudo
 
Formação e uso dos solos
Formação e uso dos solosFormação e uso dos solos
Formação e uso dos solos
 
1VD GEOLOGIA - LORENA
1VD GEOLOGIA - LORENA1VD GEOLOGIA - LORENA
1VD GEOLOGIA - LORENA
 
Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...
Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...
Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...
 
Obj geografia - cartografia formação geológica do brasil-lista
Obj   geografia - cartografia formação geológica do brasil-listaObj   geografia - cartografia formação geológica do brasil-lista
Obj geografia - cartografia formação geológica do brasil-lista
 
bg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docxbg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docx
 
Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...
Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...
Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...
 
Geologia e Geomorfologia
Geologia e GeomorfologiaGeologia e Geomorfologia
Geologia e Geomorfologia
 
Geo 12 preparação para o teste de avaliação
Geo 12   preparação para o teste de avaliaçãoGeo 12   preparação para o teste de avaliação
Geo 12 preparação para o teste de avaliação
 
A3 - classif. - Depositos Magmaticos.pdf
A3 - classif. - Depositos Magmaticos.pdfA3 - classif. - Depositos Magmaticos.pdf
A3 - classif. - Depositos Magmaticos.pdf
 

Estrutura geologica relevo2

  • 1. Parte II Prof. Fabio Graciute da Rocha
  • 3. Eluvial – Argiloso, rico em nutrientes  Aluvial – Sedimentos, rico em matéria orgânica – várzeas  Latossolo – Profundo, alto intemperismo químico – áreas úmidas  Litossolo – Raso, intemperismo físico, árido/semi árido
  • 4. Massapé – decomposição do gnaisse e do calcário – argiloso, castanho escuro, ocorre na Zona da Mata –NE – Utilizado no plantio de cana, cacau e fumo principalmente  Terra Roxa – decomposição do basalto e do diabásio – argiloso, vermelho escuro, ocorre no Centro sul do país – Utilizado no plantio de café, cana, algodão e laranja principalmente  Solo de várzea (Aluvial) – arenoso, rico em humus, ocorre junto às várzeas dos rios – Utilizado para o cultivo de arroz, cabola, juta  Salmourão – decomposição do granito em áreas úmidas – argiloso, certa fertilidade, ocorre no Planalto Atlântico e Centro sul
  • 5.  Erosão  Esgotamento  Lixiviação  Laterização
  • 6. Minério Principal Componente Argentita: Ag2S Prata Bauxita: Al2O3 Alumínio Blenda: ZnS Zinco Calcopirita: CuFeS2 Bornita: Cu5FeS4 Cobre  Todo mineral com componente Calcocite: Cu2S metálico que apresente, Cassiterita: SnO2 Estanho concentração suficiente, para Galena: PbS Chumbo exploração econômica Hematita: Fe2O3 Ilmenita: FeTiO3 Ferro Magnetita: Fe3O4 Calaverita: AuTe2 Ouro Ouro: Au Pirolusita:MnO2 Manganês Uraninita: UO2 Urânio
  • 7. Serra do Carajás
  • 8. Quadrilátero Ferrífero
  • 9. Maciço do Urucum
  • 10. Cassiterita (Sn) – AM, RO, RR, MG, PA  Calcopirita (Cu) – BA, PA(Carajás), RS  Níquel – GO  Bauxita – MG (Poços de Caldas, Mariana, Oriximiná)  Nióbio – Araxá  Urânio – Poços de Caldas, Ceará  Ouro/Diamantes – MT, MG
  • 13. Composição Tipo % O2 % H2 %C Celulose 49,4 6,2 44,4 Turfa 40,0 6,0 54 a 60 Linhito 25,0 5,0 65 a 75 Hulha 15,0 4,5 75 a 85 Antracito 3,0 2,0 95,0
  • 15.  (Puccamp) Não, é nossa terra, a terra do índio. Isso que a gente quer mostrar pro Brasil: gostamos muito do Brasil, amamos o Brasil, valorizamos as coisas do Brasil porque o adubo do Brasil são os corpos dos nossos antepassados e todo o patrimônio ecológico que existe por aqui foi protegido pelos povos indígenas. Quando Cabral chegou, a gente o recebeu com sinceridade, com a verdade, e o pessoal achou que a gente era inocente demais e aí fomos traídos: aquilo que era nosso, que a gente queria repartir, passou a ser objeto de ambição. Do ponto de vista do colonizador, era tomar para dominar a terra, dominar nossa cultura, anulando a gente como civilização.  (Revista "Caros Amigos". ano 4. nŽ. 37. Abril/2000. p. 36).  1. Objeto de ambição, eis uma expressão que cabe perfeitamente quando nos referimos ao subsolo brasileiro. Explica a afirmação, dentre outras causas,  a) a extensa área de terrenos pré-cambrianos ricos em minérios.  b) a ocorrência de combustíveis fósseis no escudo cristalino.  c) a baixa altimetria, responsável pela concentração mineral.  d) a ausência de alterações geológicas desde o Mesozóico.  e) os vários períodos de glaciação durante o Cenozóico.
  • 16. 2. (Fatec) Observe o perfil topográfico e o mapa a seguir. (Adaptado de Ferreira. Atlas geográfico, 2003.)  Assinale a alternativa que identifica no mapa a seqüência encontrada no perfil topográfico apresentado.  a) 1.  b) 2.  c) 3.  d) 4.  e) 5.
  • 17. 3. (Fatec 2007) São as únicas unidades do relevo brasileiro cujo arcabouço consiste em bacias de sedimentação recente, formadas por deposições do período Quaternário. As superfícies apresentam-se notavelmente aplainadas e ainda em processo de consolidação. (Demétrio Magnoli e Regina Araújo. "Geografia - a construção do mundo".)  No Brasil, o relevo descrito está presente nas feições  a) do Pantanal Mato-grossense.  b) da Chapada Diamantina.  c) do Planalto da Borborema.  d) da Serra do Mar.  e) da Depressão Sertaneja.
  • 18. 4. (Fgv) Transitando por estradas de São Paulo ou de outros estados brasileiros, é comum observar-se o fenômeno apresentado na ilustração.  Esse fenômeno recebe a denominação de  a) voçoroca, que é formada a partir de erosão intensa, provocada pelo desmatamento e uso inadequado do solo.  b) voçoroca, que ocorre em áreas onde a agricultura é praticada sem o uso de máquinas que revolvam o solo em profundidade.  c) orogênia, formada pela ação dos lençóis freáticos nas rochas do subsolo, que são lentamente dissolvidas.  d) sulco laterítico, que ocorre em áreas de várzeas fluviais, facilmente alagadas durante as cheias dos rios.  e) sulco lixiviado, que é formado pelo processo de intemperismo físico em áreas de clima tropical com estações bem definidas.
  • 19. 5. (Fgv 2007) Observe o mapa e a ilustração. Trata-se de um relevo típico de rochas cristalinas sob sistemas morfogenéticos tropicais úmidos.  No território brasileiro, o relevo retratado na ilustração é encontrado, apenas, em  a) I.  b) II.  c) III.  d) IV.  e) V.
  • 20. 6. (Fgv 2007) Graben e Horst são formas de relevo associadas às falhas tectônicas.  No Brasil, os exemplos para I e II são, respectivamente,  a) Vale do Itajaí e Serra Geral.  b) Vale do Paraíba e Serra do Mar.  c) Planície Amazônica e Serra do Cachimbo.  d) Vale do São Francisco e Chapada Diamantina.  e) Planície Costeira e Serra do Espinhaço.
  • 21. 7. (Fuvest) Considere o mapa e selecione a alternativa que apresenta corretamente as características das áreas mais suscetíveis a esse processo erosivo.
  • 22. 8. (Fuvest 2007) Observe os mapas.  A correspondência existente entre as áreas dos principais estoques subterrâneos de água e as áreas de bacias sedimentares pode ser explicada, dentre outros, pelo fato de  a) a porosidade ser, em geral, maior em terrenos sedimentares, possibilitando maior armazenamento.  b) o grau de fraturamento ser, em geral, maior em terrenos sedimentares, possibilitando maior infiltração.  c) as bacias sedimentares estarem localizadas em áreas de maiores volumes anuais de precipitação.  d) as bacias sedimentares serem constituídas por terrenos mais antigos, armazenando mais água.  e) as bacias sedimentares apresentarem materiais mais impermeáveis, facilitando a infiltração.
  • 23.  9. (Ufpel 2007) Relevo é o conjunto de diferentes formas apresentadas pela superfície terrestre, as quais são definidas pela estrutura geológica a partir da combinação de ações da dinâmica externa e interna da Terra.  Com base no texto anterior e em seus conhecimentos, é correto afirmar que  a) as modificações ocorridas no relevo brasileiro devem-se à intensa atividade geológica interna no passado, como vulcanismo, terremoto e dobramentos, verificadas no Brasil.  b) considerando que planícies são relevos em construção e planaltos relevos em destruição, no caso brasileiro, não devemos levar em conta os processos que os constituíram para tal classificação.  c) o clima tipicamente quente e úmido do Brasil não condiciona os mecanismos externos de atuação do intemperismo e da erosão sobre as rochas cristalinas e sedimentares.  d) o relevo não exerce influência sobre a pecuária e as atividades agrícolas no caso brasileiro, por sua característica de baixas altitudes.  e) predominam baixas altitudes no relevo brasileiro, e isso se deve à inexistência de dobramentos modernos durante o período terciário.
  • 24. 10. (Ufla 2007) Com base no esquema a seguir, pode-se classificar o movimento de criação da dorsal identificada como  a) Movimento convergente.  b) Movimento tangencial.  c) Movimento transformante.  d) Movimento divergente.
  • 25. 11. (Ufmg 2007) Analise esta seqüência de figuras, em que está representada a formação do solo ao longo do tempo geológico, sabendo que as divisões que aparecem em cada figura e na legenda representam as etapas dessa evolução:  A partir dessa análise, é INCORRETO afirmar que essa seqüência de figuras sugere que  a) a evolução e o aumento da espessura do solo estão condicionados à escala do tempo geológico.  b) o crescimento aéreo e subterrâneo da vegetação é inversamente proporcional ao desenvolvimento do solo.  c) o desenvolvimento do solo, ao longo do tempo, resulta na sua diferenciação em horizontes.  d) o material inorgânico presente no solo resulta de alterações ocorridas na rocha.
  • 26. 12. (Fatec 2005) Observe a figura. (Suertegaray, D. M. A. - "Terra: Feições Ilustradas". Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.)  Sobre a forma de relevo representada é correto afirmar que se trata de  a) um planalto cristalino bastante erodido pela ação das águas.  b) uma chapada ou planalto sedimentar com topos aplainados.  c) uma planície formada por camadas sedimentares horizontais.  d) um planalto tabular sobre rochas magmáticas e metamórficas.  e) uma planície fortemente erodida pelo intemperismo físico.
  • 27. 13. (Fgv 2006) A questão está relacionada ao perfil topográfico e ao mapa apresentados a seguir.  O perfil topográfico apresentado corresponde, no mapa, ao trajeto indicado pelo número  a) 1.  b) 2.  c) 3.  d) 4.  e) 5.
  • 28. 14. (G1 - cftmg 2005) Observe as figuras a seguir.  FONTE: FERREIRA, Graça M. L. "Geografia em mapas." São Paulo: SP, Moderna, 2000.  Os agentes do intemperismo predominantes nas figuras 1, 2, 3 e 4 são, respectivamente, de origem  a) pluvial, fluvial, nival, glacial.  b) glacial, eólica, pluvial, nival.  c) fluvial, marinha, eólica, nival.  d) fluvial, pluvial, marinha, eólica.
  • 29. 15. (Uel 2006) Analise a imagem e leia o texto a seguir.  "O dinamismo da superfície da Terra é fruto da atuação antagônica de duas forças ou de duas fontes energéticas - as forças endógenas ou internas e as forças exógenas ou externas. Do jogo dessas duas forças opostas resulta toda dinâmica da crosta terrestre ou litosfera.[...] Esse processo de criação de formas estruturais pelas forças endógenas e de esculturação pelas forças exógenas é permanente ao longo do tempo e do espaço".  (ROSS, Jurandyr L. S. (Org.). "Geografia do Brasil". Edusp: São Paulo, 1995. p. 17.)  Com base na imagem, no texto e nos conhecimentos sobre o tema, é correto afirmar:  a) A orogênese, processo causado pela ação das forças exógenas, é responsável pelo padrão de esculturação das formas de relevo mostradas na imagem.  b) Os morros com topos convexos apresentados na imagem são causados pelas forças endógenas próprias de climas áridos, atuantes no Sudeste brasileiro.  c) As formas de relevo apresentadas na imagem decorrem da ação de forças exógenas, relacionadas a climas úmidos, sobre áreas de dobramentos antigos nas quais estão presentes rochas cristalinas.  d) As formas de relevo presentes na imagem decorrem da predominância do intemperismo físico, força endógena que, por meio da desagregação mecânica, atua sobre as rochas sedimentares da região.  e) A orogênese, processo decorrente da ação das forças exógenas, é responsável pelo tipo de intemperismo que definiu o modelado do tipo "mares de morro" que a imagem mostra.
  • 30. 16. (Ufpe 2005) Observe o desenho esquemático a seguir.  Sobre essa paisagem, é correto afirmar que:  a) ela não apresenta vestígios de tectonismo.  b) a área 1 representa um talvegue, que, pelas características morfológicas, não apresenta erosão.  c) a área 2 funciona como nível de base para a erosão.  d) no talvegue 3, não estão ocorrendo processos erosivos, mas, apenas, deposicionais.  e) ela não exibe marcas de processos morfogenéticos fluviais.
  • 31. 17. (Ufpe 2007) Na Região Sudeste do Brasil, existem dois tipos bem definidos de paisagem fisiográfica, representados, de um lado, pelas "serras" do Mar e da Mantiqueira e, do outro, pela serra do Espinhaço. Essas duas primeiras "serras" originaram-se em conseqüência do tectonismo. Quais as evidências dessa formação tectônica?  1- Solos bem desenvolvidos, sobretudo nas escarpas.  2- Adaptação da drenagem a uma rede de falhas.  3- Assimetria do relevo.  4- Domínio de colinas convexas e vales em V.  5- Patamares escalonados.  Estão corretas apenas:  a) 1 e 2  b) 3 e 4  c) 1, 2 e 3  d) 2, 3 e 5  e) 1, 2, 4 e 5
  • 32. 18. (Ufrs 2006) A classificação do relevo brasileiro feita por Jurandyr L. S. Ross (1995) constitui um grande avanço no estudo geomorfológico do Brasil, por contribuir para o planejamento territorial.  Com base nessa classificação, associe adequadamente as características apresentadas no bloco inferior, a seguir, às respectivas unidades do relevo brasileiro listadas no bloco superior.   1 - Planaltos e Chapadas da Bacia do Paraná  2 - Planaltos e Serras do Atlântico Leste e Sudeste  3 - Planalto da Borborema  4 - Depressão Periférica Sul-Rio-Grandense  5 - Planícies e Tabuleiros Litorâneos   ( ) Esta unidade, drenada pelo rio Jacuí, para leste, e pelo rio Ibicuí, para oeste, apresenta altitude média em torno de 200 m.  ( ) O contato desta unidade com as depressões circundantes é feito através de escarpas que, do Rio Grande do Sul a São Paulo, são sustentadas predominantemente por rochas vulcânicas.  ( ) Esta unidade é constituída por morros com formas de topos convexos, tem elevada densidade de drenagem e vales profundos - área definida por Aziz Ab'Saber como "domínio dos mares de morros".   A seqüência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é  a) 3 - 5 - 2.  b) 4 - 1 - 2.  c) 4 - 2 - 1.  d) 5 - 1 - 3.  e) 5 - 1 - 4.
  • 33. 19. (Ufrs 2006) Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações a seguir, referentes à classificação genética das rochas.  ( ) A rocha ígnea intrusiva mais abundante no crosta terrestre é o granito.  ( ) As rochas sedimentares são formadas a partir da compactação de fragmentos provenientes somente das rochas ígneas e metamórficas.  ( ) Quando ocorrer a litificação do material magmático em áreas profundas da crosta terrestre, a rocha resultante será do tipo ígnea vulcânica.  ( ) O gnaisse e o mármore são rochas metamórficas resultantes da transformação de outras rochas devido ao aumento de pressão e temperatura sobre a rocha preexistente.  A seqüência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é  a) V - F - F - V.  b) F - F - V - V.  c) V - V - F - F.  d) V - F - V - V.  e) F - V - F - F.
  • 34. 20. (Fgv 2007) Considere o mapa apresentado.  A partir dos dados apresentados, assinale a alternativa correta.  a) A maior quantidade de minerais concentra-se em áreas sedimentares, situadas em região de clima tropical de estações contrastadas e, em menor grau, na Amazônia.  b) As áreas de escudos são responsáveis por grandes reservas de minerais, sendo as localizadas no Brasil-Central e no Atlântico as mais abundantes.  c) Na Bacia do Paraná, encontram-se as maiores reservas de manganês no Brasil, associadas também a reservas de ouro e prata.  d) No Maciço de Urucum, no Mato Grosso, as reservas de ferro e manganês situam-se em áreas sedimentares.  e) O clima semi-árido encontrado no Nordeste é o responsável pela ausência de grandes reservas de minerais metálicos.
  • 35. 1. [A]  11. [B]  2. [C]  12. [B]  3. [A]  13. [D]  4. [A]  14. [D]  5. [C]  15. [C]  6. [B]  16. [C]  7. [C]  8. [A]  17. [D]  9. [E]  18. [B]  10. [D]  19. [A]  11. [B]  20. [B]