SlideShare uma empresa Scribd logo
ASSUNTO 3.   Materiais cristalinos   - Estrutura cristalina: conceitos fundamentais,  célula unitária,  -   Sistemas cristalinos,  -   Polimorfismo e alotropia  -   Direções e planos cristalográficos, anisotropia,  - Determinação das estruturas cristalinas por difração de raios-x.
ESTRUTURA CRISTALINA
ARRANJAMENTO ATÔMICO Por quê estudar? As propriedades de alguns materiais estão diretamente associadas à sua estrutura cristalina (ex: magnésio e berílio que têm a mesma estrutura se deformam muito menos que ouro e prata que têm outra estrutura cristalina) Explica a diferença significativa nas propriedades de materiais cristalinos e não cristalinos de mesma composição (materiais cerâmicos e poliméricos não-cristalinos tendem a ser opticamente transparentes enquanto cristalinos não)
ARRANJAMENTO ATÔMICO Os materiais sólidos podem ser classificados em  cristalinos ou não-cristalinos  de acordo com a regularidade na qual os átomos ou íons se dispõem em relação à seus vizinhos. Material cristalino  é aquele no qual os átomos encontram-se  ordenados sobre longas distâncias atômicas  formando uma estrutura tridimensional que se chama de  rede cristalina Todos os metais, muitas cerâmicas e alguns polímeros formam estruturas cristalinas sob condições normais de solidificação
ARRANJAMENTO ATÔMICO Nos  materiais não-cristalinos ou amorfos  não existe ordem de longo alcance na disposição dos átomos As propriedades dos materiais sólidos cristalinos depende da estrutura cristalina, ou seja, da maneira na qual os átomos, moléculas ou íons estão espacialmente dispostos. Há um número grande de diferentes estruturas cristalinas, desde estruturas simples exibidas pelos metais até estruturas mais complexas exibidas pelos cerâmicos e polímeros
CÉLULA UNITÁRIA (unidade básica repetitiva da estrutura tridimensional) Consiste num pequeno grupos de átomos que formam um modelo repetitivo ao longo da estrutura tridimensional (analogia com elos da corrente) A célula unitária é escolhida para representar a simetria da estrutura cristalina
CÉLULA UNITÁRIA (unidade básica repetitiva da estrutura tridimensional) Célula Unitária Os átomos são representados como esferas rígidas
ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS Como a ligação metálica é não-direcional não há restrições quanto ao número e posições dos vizinhos mais próximos. Então, a estrutura cristalina dos metais têm geralmente um  número grande de vizinhos e alto empacotamento atômico . Três são as estruturas cristalinas mais comuns em metais:  Cúbica de corpo centrado, cúbica de face centrada e hexagonal compacta .
SISTEMA CÚBICO Os átomos podem ser agrupados dentro do sistema cúbico em 3 diferentes tipos de repetição Cúbico simples Cúbico de corpo centrado Cúbico de face centrada
SISTEMA CÚBICO SIMPLES Apenas 1/8 de cada átomo cai dentro da célula unitária, ou seja, a célula unitária contém apenas 1 átomo. Essa é a razão que os metais não cristalizam na estrutura cúbica simples (devido ao baixo empacotamento atômico) Parâmetro de rede a
NÚMERO DE COORDENAÇÃO PARA CCC Número de coordenação   corresponde ao número de átomos vizinhos mais próximos Para a estrutura cúbica simples o número de coordenação é 6.
RELAÇÃO ENTRE O RAIO ATÔMICO (R) E O PARÂMETRO DE REDE (a) PARA O SITEMA CÚBICO SIMPLES No sistema cúbico simples os átomos se tocam na face a= 2 R
FATOR DE EMPACOTAMENTO ATÔMICO PARA CÚBICO SIMPLES Fator de empacotamento= Número de átomos x Volume dos átomos Volume da célula unitária Vol.  dos átomos=número de átomos x Vol. Esfera ( 4  R 3 /3) Vol.  Da célula=Vol. Cubo =  a 3 Fator de empacotamento =  4  R 3 /3   (2R)  3 O FATOR DE EMPACOTAMENTO PARA A EST. CÚBICA SIMPLES É O,52
EST. CÚBICA DE CORPO CENTRADO O PARÂMETRO DE REDE E O RAIO ATÔMICO ESTÃO RELACIONADOS NESTE SISTEMA POR: a ccc = 4R /(3) 1/2 Na est. ccc cada átomo dos vertices do cubo é dividido com 8 células unitárias Já o átomo do centro pertence somente a sua célula unitária. Cada átomo de uma estrutura ccc é cercado por 8 átomos adjacentes Há 2 átomos por célula unitária na estrutura ccc O Fe, Cr, W cristalizam em ccc Filme
RELAÇÃO ENTRE O RAIO ATÔMICO (R) E O PARÂMETRO DE REDE (a) PARA O SITEMA CCC No sistema CCC os átomos se tocam ao longo da diagonal do cubo: (3)  1/2 .a=4R a ccc = 4R/ (3) 1/2
NÚMERO DE COORDENAÇÃO PARA CCC Número de coordenação   corresponde ao número de átomos vizinhos mais próximos Para a estrutura ccc o número de coordenação é 8.
NÚMERO DE COORDENAÇÃO Para a estrutura ccc o número de coordenação é 8 1/8 de átomo 1 átomo inteiro
FATOR DE EMPACOTAMENTO ATÔMICO PARA CCC Fator de empacotamento= Número de átomos x Volume dos átomos Volume da célula unitária O FATOR DE EMPACOTAMENTO PARA A EST. CC É O,68 (demonstre)
EST. CÚBICA DE FACE CENTRADA O PARÂMETRO DE REDE E O RAIO ATÔMICO ESTÃO RELACIONADOS PARA ESTE SISTEMA POR: a cfc  = 4R/(2) 1/2  =2R . (2) 1/2 Na est. cfc cada átomo dos vertices do cubo é dividido com 8 células unitátias Já os átomos das faces pertencem somente a duas células unitárias Há 4 átomos por célula unitária na estrutura cfc É o sistema mais comum encontrado nos metais (Al, Fe, Cu, Pb, Ag, Ni,...) Filme 25
NÚMERO DE COORDENAÇÃO PARA CFC Número de coordenação corresponde ao número de átomos vizinhos mais próximo Para a estrutura cfc o número de coordenação é 12 .
NÚMERO DE COORDENAÇÃO PARA CFC Para a estrutura cfc o número de coordenação é 12 .
Demonstre que  a cfc  = 2R (2) 1/2   a 2  + a 2  = (4R) 2   2 a 2  = 16 R 2 a 2 =  16/2 R 2 a 2 =  8 R 2 a=  2R (2) 1/2
FATOR DE EMPACOTAMENTO ATÔMICO PARA CFC Fator de empacotamento= Número de átomos X Volume dos átomos Volume da célula unitária O FATOR DE EMPACOTAMENTO PARA A EST. CFC É O,74
DEMONSTRE QUE   O FATOR DE EMPACOTAMENTO PARA A EST. CFC É O,74 Fator de empacotamento= Número de átomos X Volume dos átomos Volume da célula unitária Vol.  dos átomos=Vol. Esfera=  4  R 3 /3 Vol.  Da célula=Vol. Cubo =  a 3 Fator de empacotamento = 4 X  4  R 3 /3   ( 2R (2) 1/2 ) 3   Fator de empacotamento = 16/3  R 3   16 R 3 (2) 1/2 Fator de empacotamento = 0,74
CÁLCULO DA DENSIDADE O conhecimento da estrutura cristalina permite o cálculo da densidade (  ):    =  nA   VcN A n= número de átomos da célula unitária A= peso atômico Vc= Volume da célula unitária NA= Número de Avogadro (6,02 x 10 23  átomos/mol)
EXEMPLO: Cobre têm raio atômico de 0,128nm (1,28  Å ), uma estrutura cfc, um peso atômico de 63,5 g/mol. Calcule a densidade do cobre. Resposta: 8,89 g/cm 3 Valor da densidade medida= 8,94 g/cm 3
TABELA RESUMO PARA O SISTEMA CÚBICO Átomos    Número de   Parâmetro  Fator de    por célula   coordenação    de rede empacotamento CS  1 6   2R  0,52 CCC   2  8   4R/(3) 1/2   0,68 CFC   4  12   4R/(2) 1/2   0,74
SISTEMA HEXAGONAL SIMPLES Os metais não cristalizam no sistema hexagonal simples porque o fator de empacotamento é muito baixo Entretanto, cristais com mais de um tipo de átomo cristalizam neste sistema
EST. HEXAGONAL COMPACTA Os metais em geral não cristalizam no   sistema hexagonal simples pq o fator de empacotamento é muito baixo, exceto cristais com mais de um tipo de átomo  O sistema Hexagonal Compacta é mais comum nos metais (ex: Mg, Zn)  Na HC cada átomo de uma dada camada está diretamente abaixo ou acima dos interstícios formados entre as camadas   adjacentes
EST. HEXAGONAL COMPACTA Cada átomo tangencia 3 átomos da camada de cima, 6 átomos no seu próprio plano e 3 na camada de baixo do seu plano O número de coordenação para a estrutura HC é 12 e, portanto, o fator de empacotamento é o mesmo da cfc, ou seja, 0,74. Relação entre R e a: a= 2R
EST. HEXAGONAL COMPACTA Há 2 parâmetros de rede representando os parâmetros  Basais (a) e de altura (c)
RAIO ATÔMICO E ESTRUTURA CRISTALINA DE ALGUNS METAIS
SISTEMAS CRISTALINOS Estes sistemas incluem todas as possíveis geometrias de divisão do espaço por superfícies planas contínuas
OS 7 SISTEMAS CRISTALINOS
AS 14 REDES DE BRAVAIS Dos 7 sistemas cristalinos podemos identificar 14 tipos diferentes de células unitárias, conhecidas com redes de Bravais. Cada uma destas células unitárias tem certas características que ajudam a diferenciá-las das outras células unitárias. Além do mais, estas características também auxiliam na definição das propriedades de um material particular.
POLIMORFISMO OU ALOTROPIA Alguns metais e não-metais podem ter mais de uma estrutura cristalina dependendo da temperatura e pressão. Esse fenômeno é conhecido como polimorfismo. Geralmente as transformações polimorficas são acompanhadas de mudanças na densidade e mudanças de outras propriedades físicas.
EXEMPLO DE MATERIAIS QUE EXIBEM POLIMORFISMO Ferro Titânio Carbono (grafite e diamente) SiC (chega ter 20 modificações cristalinas) Etc.
ALOTROPIA DO FERRO Na temperatura ambiente, o  Ferro têm estrutura ccc, número de coordenação 8, fator de empacotamento de 0,68 e um raio atômico de 1,241 Å. A 910 ° C, o  Ferro passa para  estrutura cfc, número de coordenação 12, fator de empacotamento de 0,74 e um raio atômico de 1,292 Å. A 1394 ° C o ferro passa novamente para ccc. ccc cfc ccc Até  910 ° C De  910-1394 ° C De  1394 ° C-PF
ALOTROPIA DO TITÂNIO FASE   Existe até 883ºC Apresenta estrutura hexagonal compacta É mole FASE   Existe a partir de  883ºC Apresenta estrutura ccc É dura
EXERCÍCIO O ferro passa de ccc para cfc a 910  ºC. Nesta temperatura os raios atômicos são respectivamente ,  1,258 Å e  1,292 Å. Qual a percentagem de variação de volume percentual provocada pela mudança de estrutura?  Vccc= 2 a 3 Vcfc=  a 3 a ccc = 4R/ (3) 1/2   a cfc  = 2R (2) 1/2  Vccc= 49,1  Å 3 Vcfc= 48,7  Å 3 V%= 48,7 - 49,1 /48,7 = - 0,8% de variação Para o cálculo foi tomado como base 2 células unitárias ccc, por isso Vccc= 2 a 3   uma vez que na passagem do sistema ccc para cfc há uma contração de volume
DIREÇÕES NOS CRISTAIS a, b e c definem os eixos de um sistema de coordenadas em 3D. Qualquer linha (ou direção) do sistema de coordenadas pode ser especificada através de dois pontos: · um deles sempre é tomado como sendo a origem do sistema de coordenadas, geralmente (0,0,0) por convenção;
Origem do sistema de coordenadas O espaço lático é infinito...  A escolha de uma origem é completamente arbitrária, uma vez que cada ponto do reticulado cristalino  idêntico.  A designação de pontos, direções e planos específicos fixados no espaço absoluto serão alterados caso a origem seja mudada, MAS ...  todas as designações serão auto-consistentes se partirem da origem como uma referência absoluta.  Exemplo: Dada uma origem qualquer, haverá sempre uma direção [110] definida univocamente, e [110] sempre fará exatamente o mesmo ângulo com a direção [100].
DIREÇÕES NOS CRISTAIS São representadas entre colchetes=[uvw] Família de direções: <uvw>
DIREÇÕES? (o,o,o)
Algumas direções da  família de direções <100>
DIREÇÕES NOS CRISTAIS São representadas entre colchetes= [hkl] Se a  subtração  der negativa, coloca-se uma barra sobre o número
As duas direções  pertencem a mesma família? [101]
DIREÇÕES NOS CRISTAIS São representadas entre colchetes= [hkl] Quando passa pela origem
DIREÇÕES NOS CRISTAIS São representadas entre colchetes= [hkl] Os números devem ser divididos ou multiplicados por um fator comum para dar números  inteiros
DIREÇÕES PARA O SISTEMA CÚBICO A simetria desta estrutura permite que as direções equivalentes sejam agrupadas para formar uma família de direções: <100> para as faces <110> para as diagonais das faces <111> para a diagonal do cubo <110> <100> <111>
DIREÇÕES PARA O SISTEMA CCC No sistema ccc os átomos se tocam ao longo da diagonal do cubo, que corresponde a família de direções <111> Então, a direção <111> é a de maior empacotamento atômico para o sistema ccc
DIREÇÕES PARA O SISTEMA CFC No sistema cfc os átomos se tocam ao longo da diagonal da face, que corresponde a família de direções <110> Então, a direção <110> é a de maior empacotamento atômico para o sistema cfc Filme 22
PLANOS CRISTALINOS  Por quê são importantes? ·  Para a determinação da estrutura cristalina  Os métodos de difração medem diretamente a distância entre planos paralelos de pontos do reticulado cristalino. Esta informação é usada para determinar os parâmetros do reticulado de um cristal.  Os métodos de difração também medem os ângulos entre os planos do reticulado. Estes são usados para determinar os ângulos interaxiais de um cristal.  · Para a deformação plástica  A deformação plástica (permanente) dos metais ocorre pelo deslizamento dos átomos, escorregando uns sobre os outros no cristal. Este deslizamento tende a acontecer preferencialmente ao longo de planos direções específicos do cristal.  · Para as propriedades de transporte  Em certos materiais, a estrutura atômica em determinados planos causa o transporte de elétrons e/ou acelera a condução nestes planos, e, relativamente, reduz a velocidade em planos distantes destes.  Exemplo 1: Grafita  A condução de calor é mais rápida nos planos unidos covalentemente sp2 do que nas direções perpendiculares a esses planos.  Exemplo 2: supercondutores a base de YBa2Cu3O7  Alguns planos contêm somente Cu e O. Estes planos conduzem pares de elétrons (chamados pares de cobre) que são os responsáveis pela supercondutividade. Estes supercondutores são eletricamente isolantes em direções perpendiculares as dos planos Cu-O.
PLANOS CRISTALINOS São representados de maneira similar às direções São representados pelos índices de Miller = (hkl) Planos paralelos são equivalentes tendos os mesmos índices
PLANOS CRISTALINOS
PLANOS CRISTALINOS Planos (010) São paralelos aos eixos x e z (paralelo à face) Cortam um eixo (neste exemplo: y em 1 e os eixos x e z em   ) 1/   , 1/1, 1/    = (010)
PLANOS CRISTALINOS Planos (110) São paralelos a um eixo (z) Cortam dois eixos  (x e  y)  1/ 1, 1/1, 1/    = (110)
PLANOS CRISTALINOS Planos (111) Cortam os 3 eixos cristalográficos 1/ 1, 1/1, 1/ 1 = (111)
PLANOS CRISTALINOS Quando as intercessões não são óbvias desloca-se o plano até obter as intercessões corretas Fonte: Prof. Sidnei Paciornik, Departamento de  Ciência dos Materiais e Metalurgia da PUC-Rio
FAMÍLIA DE PLANOS {110} É paralelo à um eixo
FAMÍLIA DE PLANOS {111} Intercepta os 3 eixos
PLANOS NO SISTEMA CÚBICO A simetria do sistema cúbico faz com que a família de planos tenham o mesmo arranjamento e densidade Deformação em metais envolve deslizamento de planos atômicos. O deslizamento  ocorre mais facilmente nos planos e direções de maior densidade atômica
PLANOS DE MAIOR DENSIDADE ATÔMICA NO SISTEMA CCC A família de planos {110} no sistema ccc é o de maior densidade atômica
PLANOS DE MAIOR DENSIDADE ATÔMICA NO SISTEMA CFC A família de planos {111} no sistema cfc é o de maior densidade atômica
DENSIDADE ATÔMICA LINEAR E PLANAR Densidade linear= átomos/cm (igual ao fator de empacotamento em uma dimensão) Densidade planar= átomos/unidade de área (igual ao fator de empacotamento em duas dimensões)
DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA CRISTALINA POR DIFRAÇÃO DE RAIO X Raíos-x tem comprimento de onda similar a distância interplanar 0,1nm
DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA CRISTALINA POR DIFRAÇÃO DE RAIO X O FENÔMENO DA DIFRAÇÃO: Quando um feixe de raios x é dirigido à um material cristalino, esses raios são difratados pelos planos dos átomos ou íons dentro do cristal
DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA CRISTALINA POR DIFRAÇÃO DE RAIO X Fonte: Prof. Sidnei Paciornik, Departamento de Ciência dos Materiais e Metalurgia da PUC-Rio
DIFRAÇÃO DE RAIOS X LEI DE BRAGG n  = 2 d hkl .sen  É comprimento de onda N é um número inteiro de ondas d é a distância interplanar     O ângulo de incidência d hkl =  a (h 2 +k 2 +l 2 ) 1/2 Válido para sistema cúbico
DISTÂNCIA INTERPLANAR (d hkl ) É uma função dos índices de Miller e do parâmetro de rede d hkl =  a (h 2 +k 2 +l 2 ) 1/2
TÉCNICAS DE DIFRAÇÃO Técnica do pó: É bastante comum, o material a ser analisado encontra-se na forma de pó (partículas finas orientadas ao acaso) que são expostas à radiação x monocromática. O grande número de partículas com orientação diferente assegura que a lei de Bragg seja satisfeita para alguns planos cristalográficos
O DIFRATOMÊTRO DE RAIOS X T= fonte de raio X S= amostra C= detector O= eixo no qual a amostra e o detector giram Detector Fonte Amostra
DIFRATOGRAMA Fonte: Prof. Sidnei Paciornik, Departamento de  Ciência dos Materiais e Metalurgia da PUC-Rio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

- Propriedades - Ligas metálicas - Metais
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais - Propriedades - Ligas metálicas - Metais
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais
Giullyanno Felisberto
 
Ligação metálica
Ligação metálicaLigação metálica
Ligação metálica
Paulo Correia
 
Materiais cerâmicos
Materiais cerâmicosMateriais cerâmicos
Materiais cerâmicos
Lívio Bruno
 
Lista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabaritoLista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabarito
Anyzete Galdino
 
6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad
Wilson Xavier
 
Materiais modernos
Materiais modernosMateriais modernos
Materiais modernos
Fernando Lucas
 
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Adrianne Mendonça
 
Ceramica
CeramicaCeramica
Ceramica
Mayara Marques
 
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Ajudar Pessoas
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Eliando Oliveira
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
1997antonio
 
Aula 2: Estrutura atômica e ligação interatômica
Aula 2: Estrutura atômica e ligação interatômicaAula 2: Estrutura atômica e ligação interatômica
Aula 2: Estrutura atômica e ligação interatômica
Faculdade Pitágoras de Maceió
 
Ciências dos Materiais - Aula 1 - Introdução
Ciências dos Materiais - Aula 1 - IntroduçãoCiências dos Materiais - Aula 1 - Introdução
Ciências dos Materiais - Aula 1 - Introdução
Felipe Machado
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
Rebeca Vale
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Cerâmicas
CerâmicasCerâmicas
Cerâmicas
Aquiles Campagnaro
 
Deformação por deslizamento
Deformação por deslizamentoDeformação por deslizamento
Deformação por deslizamento
Nayara Neres
 
Exercícios de infravermelho com tabela de correlação
Exercícios de infravermelho com tabela de correlaçãoExercícios de infravermelho com tabela de correlação
Exercícios de infravermelho com tabela de correlação
Luis Henrique Bembo Filho
 
Aula - Ligação Química
Aula - Ligação QuímicaAula - Ligação Química
Aula - Ligação Química
alisozinho
 
proc mat ceramicos
 proc mat ceramicos proc mat ceramicos
proc mat ceramicos
Junior Fernandes
 

Mais procurados (20)

- Propriedades - Ligas metálicas - Metais
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais - Propriedades - Ligas metálicas - Metais
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais
 
Ligação metálica
Ligação metálicaLigação metálica
Ligação metálica
 
Materiais cerâmicos
Materiais cerâmicosMateriais cerâmicos
Materiais cerâmicos
 
Lista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabaritoLista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabarito
 
6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad
 
Materiais modernos
Materiais modernosMateriais modernos
Materiais modernos
 
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
 
Ceramica
CeramicaCeramica
Ceramica
 
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Aula 2: Estrutura atômica e ligação interatômica
Aula 2: Estrutura atômica e ligação interatômicaAula 2: Estrutura atômica e ligação interatômica
Aula 2: Estrutura atômica e ligação interatômica
 
Ciências dos Materiais - Aula 1 - Introdução
Ciências dos Materiais - Aula 1 - IntroduçãoCiências dos Materiais - Aula 1 - Introdução
Ciências dos Materiais - Aula 1 - Introdução
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
 
Cerâmicas
CerâmicasCerâmicas
Cerâmicas
 
Deformação por deslizamento
Deformação por deslizamentoDeformação por deslizamento
Deformação por deslizamento
 
Exercícios de infravermelho com tabela de correlação
Exercícios de infravermelho com tabela de correlaçãoExercícios de infravermelho com tabela de correlação
Exercícios de infravermelho com tabela de correlação
 
Aula - Ligação Química
Aula - Ligação QuímicaAula - Ligação Química
Aula - Ligação Química
 
proc mat ceramicos
 proc mat ceramicos proc mat ceramicos
proc mat ceramicos
 

Semelhante a estrutura cristalina

A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
davi almeida
 
Ciências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas Cristalinas
Ciências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas CristalinasCiências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas Cristalinas
Ciências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas Cristalinas
Felipe Machado
 
aula 6- estrutura cristalina dos metais.pdf
aula 6- estrutura cristalina dos metais.pdfaula 6- estrutura cristalina dos metais.pdf
aula 6- estrutura cristalina dos metais.pdf
MaxSantos72
 
02 estrutura introdução ciência materiais
02   estrutura introdução ciência materiais02   estrutura introdução ciência materiais
02 estrutura introdução ciência materiais
Breno Felipe Lopes
 
aula sobre cristalografia e materiais cristalinos.pdf
aula sobre cristalografia e materiais cristalinos.pdfaula sobre cristalografia e materiais cristalinos.pdf
aula sobre cristalografia e materiais cristalinos.pdf
WagnerdaSilveira
 
6430-02.ppt
6430-02.ppt6430-02.ppt
6430-02.ppt
Oswaldo Gonzales
 
Aula estrutura cristalina
Aula estrutura cristalinaAula estrutura cristalina
Aula estrutura cristalina
Rita de Cássia Leal
 
Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Introducao e conteudo_ceramicos_v02Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Priscila Praxedes
 
8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx
8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx
8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx
trabalhocasa3
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
Brenno Henrique
 
QUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
QUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdfQUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
QUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
Luiz Avelar
 
Estrutura cristalina de sólidos
Estrutura cristalina de sólidosEstrutura cristalina de sólidos
Estrutura cristalina de sólidos
Instituto Federal de Minas Gerais
 
Estrutura cristalina de sólidos
Estrutura cristalina de sólidosEstrutura cristalina de sólidos
Estrutura cristalina de sólidos
Instituto Federal de Minas Gerais
 
Exercicios ciencia dos metais
Exercicios   ciencia dos metaisExercicios   ciencia dos metais
Exercicios ciencia dos metais
Valdo Halib
 
Estrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metaisEstrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metais
José Geraldo Vicente da Silva
 
Unidade 01 Teoria Estrutural
Unidade 01   Teoria EstruturalUnidade 01   Teoria Estrutural
Unidade 01 Teoria Estrutural
José Nunes da Silva Jr.
 
2012 cap01 estrutura e ligação
2012 cap01  estrutura e ligação2012 cap01  estrutura e ligação
2012 cap01 estrutura e ligação
Associazione Rosaemente
 
ciencia dos materiais aula 04-05
ciencia dos materiais aula 04-05ciencia dos materiais aula 04-05
ciencia dos materiais aula 04-05
Helio Santos
 
126
126126
Aula de Quimica -Do curso de engenharia mecanica
Aula de Quimica -Do curso de engenharia mecanicaAula de Quimica -Do curso de engenharia mecanica
Aula de Quimica -Do curso de engenharia mecanica
MarceloAugustoLeonez
 

Semelhante a estrutura cristalina (20)

A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
 
Ciências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas Cristalinas
Ciências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas CristalinasCiências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas Cristalinas
Ciências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas Cristalinas
 
aula 6- estrutura cristalina dos metais.pdf
aula 6- estrutura cristalina dos metais.pdfaula 6- estrutura cristalina dos metais.pdf
aula 6- estrutura cristalina dos metais.pdf
 
02 estrutura introdução ciência materiais
02   estrutura introdução ciência materiais02   estrutura introdução ciência materiais
02 estrutura introdução ciência materiais
 
aula sobre cristalografia e materiais cristalinos.pdf
aula sobre cristalografia e materiais cristalinos.pdfaula sobre cristalografia e materiais cristalinos.pdf
aula sobre cristalografia e materiais cristalinos.pdf
 
6430-02.ppt
6430-02.ppt6430-02.ppt
6430-02.ppt
 
Aula estrutura cristalina
Aula estrutura cristalinaAula estrutura cristalina
Aula estrutura cristalina
 
Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Introducao e conteudo_ceramicos_v02Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Introducao e conteudo_ceramicos_v02
 
8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx
8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx
8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
QUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
QUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdfQUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
QUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
 
Estrutura cristalina de sólidos
Estrutura cristalina de sólidosEstrutura cristalina de sólidos
Estrutura cristalina de sólidos
 
Estrutura cristalina de sólidos
Estrutura cristalina de sólidosEstrutura cristalina de sólidos
Estrutura cristalina de sólidos
 
Exercicios ciencia dos metais
Exercicios   ciencia dos metaisExercicios   ciencia dos metais
Exercicios ciencia dos metais
 
Estrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metaisEstrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metais
 
Unidade 01 Teoria Estrutural
Unidade 01   Teoria EstruturalUnidade 01   Teoria Estrutural
Unidade 01 Teoria Estrutural
 
2012 cap01 estrutura e ligação
2012 cap01  estrutura e ligação2012 cap01  estrutura e ligação
2012 cap01 estrutura e ligação
 
ciencia dos materiais aula 04-05
ciencia dos materiais aula 04-05ciencia dos materiais aula 04-05
ciencia dos materiais aula 04-05
 
126
126126
126
 
Aula de Quimica -Do curso de engenharia mecanica
Aula de Quimica -Do curso de engenharia mecanicaAula de Quimica -Do curso de engenharia mecanica
Aula de Quimica -Do curso de engenharia mecanica
 

estrutura cristalina

  • 1. ASSUNTO 3.   Materiais cristalinos - Estrutura cristalina: conceitos fundamentais, célula unitária, -   Sistemas cristalinos, -   Polimorfismo e alotropia -   Direções e planos cristalográficos, anisotropia, - Determinação das estruturas cristalinas por difração de raios-x.
  • 3. ARRANJAMENTO ATÔMICO Por quê estudar? As propriedades de alguns materiais estão diretamente associadas à sua estrutura cristalina (ex: magnésio e berílio que têm a mesma estrutura se deformam muito menos que ouro e prata que têm outra estrutura cristalina) Explica a diferença significativa nas propriedades de materiais cristalinos e não cristalinos de mesma composição (materiais cerâmicos e poliméricos não-cristalinos tendem a ser opticamente transparentes enquanto cristalinos não)
  • 4. ARRANJAMENTO ATÔMICO Os materiais sólidos podem ser classificados em cristalinos ou não-cristalinos de acordo com a regularidade na qual os átomos ou íons se dispõem em relação à seus vizinhos. Material cristalino é aquele no qual os átomos encontram-se ordenados sobre longas distâncias atômicas formando uma estrutura tridimensional que se chama de rede cristalina Todos os metais, muitas cerâmicas e alguns polímeros formam estruturas cristalinas sob condições normais de solidificação
  • 5. ARRANJAMENTO ATÔMICO Nos materiais não-cristalinos ou amorfos não existe ordem de longo alcance na disposição dos átomos As propriedades dos materiais sólidos cristalinos depende da estrutura cristalina, ou seja, da maneira na qual os átomos, moléculas ou íons estão espacialmente dispostos. Há um número grande de diferentes estruturas cristalinas, desde estruturas simples exibidas pelos metais até estruturas mais complexas exibidas pelos cerâmicos e polímeros
  • 6. CÉLULA UNITÁRIA (unidade básica repetitiva da estrutura tridimensional) Consiste num pequeno grupos de átomos que formam um modelo repetitivo ao longo da estrutura tridimensional (analogia com elos da corrente) A célula unitária é escolhida para representar a simetria da estrutura cristalina
  • 7. CÉLULA UNITÁRIA (unidade básica repetitiva da estrutura tridimensional) Célula Unitária Os átomos são representados como esferas rígidas
  • 8. ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS Como a ligação metálica é não-direcional não há restrições quanto ao número e posições dos vizinhos mais próximos. Então, a estrutura cristalina dos metais têm geralmente um número grande de vizinhos e alto empacotamento atômico . Três são as estruturas cristalinas mais comuns em metais: Cúbica de corpo centrado, cúbica de face centrada e hexagonal compacta .
  • 9. SISTEMA CÚBICO Os átomos podem ser agrupados dentro do sistema cúbico em 3 diferentes tipos de repetição Cúbico simples Cúbico de corpo centrado Cúbico de face centrada
  • 10. SISTEMA CÚBICO SIMPLES Apenas 1/8 de cada átomo cai dentro da célula unitária, ou seja, a célula unitária contém apenas 1 átomo. Essa é a razão que os metais não cristalizam na estrutura cúbica simples (devido ao baixo empacotamento atômico) Parâmetro de rede a
  • 11. NÚMERO DE COORDENAÇÃO PARA CCC Número de coordenação corresponde ao número de átomos vizinhos mais próximos Para a estrutura cúbica simples o número de coordenação é 6.
  • 12. RELAÇÃO ENTRE O RAIO ATÔMICO (R) E O PARÂMETRO DE REDE (a) PARA O SITEMA CÚBICO SIMPLES No sistema cúbico simples os átomos se tocam na face a= 2 R
  • 13. FATOR DE EMPACOTAMENTO ATÔMICO PARA CÚBICO SIMPLES Fator de empacotamento= Número de átomos x Volume dos átomos Volume da célula unitária Vol. dos átomos=número de átomos x Vol. Esfera ( 4  R 3 /3) Vol. Da célula=Vol. Cubo = a 3 Fator de empacotamento = 4  R 3 /3 (2R) 3 O FATOR DE EMPACOTAMENTO PARA A EST. CÚBICA SIMPLES É O,52
  • 14. EST. CÚBICA DE CORPO CENTRADO O PARÂMETRO DE REDE E O RAIO ATÔMICO ESTÃO RELACIONADOS NESTE SISTEMA POR: a ccc = 4R /(3) 1/2 Na est. ccc cada átomo dos vertices do cubo é dividido com 8 células unitárias Já o átomo do centro pertence somente a sua célula unitária. Cada átomo de uma estrutura ccc é cercado por 8 átomos adjacentes Há 2 átomos por célula unitária na estrutura ccc O Fe, Cr, W cristalizam em ccc Filme
  • 15. RELAÇÃO ENTRE O RAIO ATÔMICO (R) E O PARÂMETRO DE REDE (a) PARA O SITEMA CCC No sistema CCC os átomos se tocam ao longo da diagonal do cubo: (3) 1/2 .a=4R a ccc = 4R/ (3) 1/2
  • 16. NÚMERO DE COORDENAÇÃO PARA CCC Número de coordenação corresponde ao número de átomos vizinhos mais próximos Para a estrutura ccc o número de coordenação é 8.
  • 17. NÚMERO DE COORDENAÇÃO Para a estrutura ccc o número de coordenação é 8 1/8 de átomo 1 átomo inteiro
  • 18. FATOR DE EMPACOTAMENTO ATÔMICO PARA CCC Fator de empacotamento= Número de átomos x Volume dos átomos Volume da célula unitária O FATOR DE EMPACOTAMENTO PARA A EST. CC É O,68 (demonstre)
  • 19. EST. CÚBICA DE FACE CENTRADA O PARÂMETRO DE REDE E O RAIO ATÔMICO ESTÃO RELACIONADOS PARA ESTE SISTEMA POR: a cfc = 4R/(2) 1/2 =2R . (2) 1/2 Na est. cfc cada átomo dos vertices do cubo é dividido com 8 células unitátias Já os átomos das faces pertencem somente a duas células unitárias Há 4 átomos por célula unitária na estrutura cfc É o sistema mais comum encontrado nos metais (Al, Fe, Cu, Pb, Ag, Ni,...) Filme 25
  • 20. NÚMERO DE COORDENAÇÃO PARA CFC Número de coordenação corresponde ao número de átomos vizinhos mais próximo Para a estrutura cfc o número de coordenação é 12 .
  • 21. NÚMERO DE COORDENAÇÃO PARA CFC Para a estrutura cfc o número de coordenação é 12 .
  • 22. Demonstre que a cfc = 2R (2) 1/2 a 2 + a 2 = (4R) 2 2 a 2 = 16 R 2 a 2 = 16/2 R 2 a 2 = 8 R 2 a= 2R (2) 1/2
  • 23. FATOR DE EMPACOTAMENTO ATÔMICO PARA CFC Fator de empacotamento= Número de átomos X Volume dos átomos Volume da célula unitária O FATOR DE EMPACOTAMENTO PARA A EST. CFC É O,74
  • 24. DEMONSTRE QUE O FATOR DE EMPACOTAMENTO PARA A EST. CFC É O,74 Fator de empacotamento= Número de átomos X Volume dos átomos Volume da célula unitária Vol. dos átomos=Vol. Esfera= 4  R 3 /3 Vol. Da célula=Vol. Cubo = a 3 Fator de empacotamento = 4 X 4  R 3 /3 ( 2R (2) 1/2 ) 3 Fator de empacotamento = 16/3  R 3 16 R 3 (2) 1/2 Fator de empacotamento = 0,74
  • 25. CÁLCULO DA DENSIDADE O conhecimento da estrutura cristalina permite o cálculo da densidade (  ):  = nA VcN A n= número de átomos da célula unitária A= peso atômico Vc= Volume da célula unitária NA= Número de Avogadro (6,02 x 10 23 átomos/mol)
  • 26. EXEMPLO: Cobre têm raio atômico de 0,128nm (1,28 Å ), uma estrutura cfc, um peso atômico de 63,5 g/mol. Calcule a densidade do cobre. Resposta: 8,89 g/cm 3 Valor da densidade medida= 8,94 g/cm 3
  • 27. TABELA RESUMO PARA O SISTEMA CÚBICO Átomos Número de Parâmetro Fator de por célula coordenação de rede empacotamento CS 1 6 2R 0,52 CCC 2 8 4R/(3) 1/2 0,68 CFC 4 12 4R/(2) 1/2 0,74
  • 28. SISTEMA HEXAGONAL SIMPLES Os metais não cristalizam no sistema hexagonal simples porque o fator de empacotamento é muito baixo Entretanto, cristais com mais de um tipo de átomo cristalizam neste sistema
  • 29. EST. HEXAGONAL COMPACTA Os metais em geral não cristalizam no sistema hexagonal simples pq o fator de empacotamento é muito baixo, exceto cristais com mais de um tipo de átomo O sistema Hexagonal Compacta é mais comum nos metais (ex: Mg, Zn) Na HC cada átomo de uma dada camada está diretamente abaixo ou acima dos interstícios formados entre as camadas adjacentes
  • 30. EST. HEXAGONAL COMPACTA Cada átomo tangencia 3 átomos da camada de cima, 6 átomos no seu próprio plano e 3 na camada de baixo do seu plano O número de coordenação para a estrutura HC é 12 e, portanto, o fator de empacotamento é o mesmo da cfc, ou seja, 0,74. Relação entre R e a: a= 2R
  • 31. EST. HEXAGONAL COMPACTA Há 2 parâmetros de rede representando os parâmetros Basais (a) e de altura (c)
  • 32. RAIO ATÔMICO E ESTRUTURA CRISTALINA DE ALGUNS METAIS
  • 33. SISTEMAS CRISTALINOS Estes sistemas incluem todas as possíveis geometrias de divisão do espaço por superfícies planas contínuas
  • 34. OS 7 SISTEMAS CRISTALINOS
  • 35. AS 14 REDES DE BRAVAIS Dos 7 sistemas cristalinos podemos identificar 14 tipos diferentes de células unitárias, conhecidas com redes de Bravais. Cada uma destas células unitárias tem certas características que ajudam a diferenciá-las das outras células unitárias. Além do mais, estas características também auxiliam na definição das propriedades de um material particular.
  • 36. POLIMORFISMO OU ALOTROPIA Alguns metais e não-metais podem ter mais de uma estrutura cristalina dependendo da temperatura e pressão. Esse fenômeno é conhecido como polimorfismo. Geralmente as transformações polimorficas são acompanhadas de mudanças na densidade e mudanças de outras propriedades físicas.
  • 37. EXEMPLO DE MATERIAIS QUE EXIBEM POLIMORFISMO Ferro Titânio Carbono (grafite e diamente) SiC (chega ter 20 modificações cristalinas) Etc.
  • 38. ALOTROPIA DO FERRO Na temperatura ambiente, o Ferro têm estrutura ccc, número de coordenação 8, fator de empacotamento de 0,68 e um raio atômico de 1,241 Å. A 910 ° C, o Ferro passa para estrutura cfc, número de coordenação 12, fator de empacotamento de 0,74 e um raio atômico de 1,292 Å. A 1394 ° C o ferro passa novamente para ccc. ccc cfc ccc Até 910 ° C De 910-1394 ° C De 1394 ° C-PF
  • 39. ALOTROPIA DO TITÂNIO FASE  Existe até 883ºC Apresenta estrutura hexagonal compacta É mole FASE  Existe a partir de 883ºC Apresenta estrutura ccc É dura
  • 40. EXERCÍCIO O ferro passa de ccc para cfc a 910 ºC. Nesta temperatura os raios atômicos são respectivamente , 1,258 Å e 1,292 Å. Qual a percentagem de variação de volume percentual provocada pela mudança de estrutura? Vccc= 2 a 3 Vcfc= a 3 a ccc = 4R/ (3) 1/2 a cfc = 2R (2) 1/2 Vccc= 49,1 Å 3 Vcfc= 48,7 Å 3 V%= 48,7 - 49,1 /48,7 = - 0,8% de variação Para o cálculo foi tomado como base 2 células unitárias ccc, por isso Vccc= 2 a 3 uma vez que na passagem do sistema ccc para cfc há uma contração de volume
  • 41. DIREÇÕES NOS CRISTAIS a, b e c definem os eixos de um sistema de coordenadas em 3D. Qualquer linha (ou direção) do sistema de coordenadas pode ser especificada através de dois pontos: · um deles sempre é tomado como sendo a origem do sistema de coordenadas, geralmente (0,0,0) por convenção;
  • 42. Origem do sistema de coordenadas O espaço lático é infinito... A escolha de uma origem é completamente arbitrária, uma vez que cada ponto do reticulado cristalino idêntico. A designação de pontos, direções e planos específicos fixados no espaço absoluto serão alterados caso a origem seja mudada, MAS ... todas as designações serão auto-consistentes se partirem da origem como uma referência absoluta. Exemplo: Dada uma origem qualquer, haverá sempre uma direção [110] definida univocamente, e [110] sempre fará exatamente o mesmo ângulo com a direção [100].
  • 43. DIREÇÕES NOS CRISTAIS São representadas entre colchetes=[uvw] Família de direções: <uvw>
  • 45. Algumas direções da família de direções <100>
  • 46. DIREÇÕES NOS CRISTAIS São representadas entre colchetes= [hkl] Se a subtração der negativa, coloca-se uma barra sobre o número
  • 47. As duas direções pertencem a mesma família? [101]
  • 48. DIREÇÕES NOS CRISTAIS São representadas entre colchetes= [hkl] Quando passa pela origem
  • 49. DIREÇÕES NOS CRISTAIS São representadas entre colchetes= [hkl] Os números devem ser divididos ou multiplicados por um fator comum para dar números inteiros
  • 50. DIREÇÕES PARA O SISTEMA CÚBICO A simetria desta estrutura permite que as direções equivalentes sejam agrupadas para formar uma família de direções: <100> para as faces <110> para as diagonais das faces <111> para a diagonal do cubo <110> <100> <111>
  • 51. DIREÇÕES PARA O SISTEMA CCC No sistema ccc os átomos se tocam ao longo da diagonal do cubo, que corresponde a família de direções <111> Então, a direção <111> é a de maior empacotamento atômico para o sistema ccc
  • 52. DIREÇÕES PARA O SISTEMA CFC No sistema cfc os átomos se tocam ao longo da diagonal da face, que corresponde a família de direções <110> Então, a direção <110> é a de maior empacotamento atômico para o sistema cfc Filme 22
  • 53. PLANOS CRISTALINOS Por quê são importantes? · Para a determinação da estrutura cristalina Os métodos de difração medem diretamente a distância entre planos paralelos de pontos do reticulado cristalino. Esta informação é usada para determinar os parâmetros do reticulado de um cristal. Os métodos de difração também medem os ângulos entre os planos do reticulado. Estes são usados para determinar os ângulos interaxiais de um cristal. · Para a deformação plástica A deformação plástica (permanente) dos metais ocorre pelo deslizamento dos átomos, escorregando uns sobre os outros no cristal. Este deslizamento tende a acontecer preferencialmente ao longo de planos direções específicos do cristal. · Para as propriedades de transporte Em certos materiais, a estrutura atômica em determinados planos causa o transporte de elétrons e/ou acelera a condução nestes planos, e, relativamente, reduz a velocidade em planos distantes destes. Exemplo 1: Grafita A condução de calor é mais rápida nos planos unidos covalentemente sp2 do que nas direções perpendiculares a esses planos. Exemplo 2: supercondutores a base de YBa2Cu3O7 Alguns planos contêm somente Cu e O. Estes planos conduzem pares de elétrons (chamados pares de cobre) que são os responsáveis pela supercondutividade. Estes supercondutores são eletricamente isolantes em direções perpendiculares as dos planos Cu-O.
  • 54. PLANOS CRISTALINOS São representados de maneira similar às direções São representados pelos índices de Miller = (hkl) Planos paralelos são equivalentes tendos os mesmos índices
  • 56. PLANOS CRISTALINOS Planos (010) São paralelos aos eixos x e z (paralelo à face) Cortam um eixo (neste exemplo: y em 1 e os eixos x e z em  ) 1/  , 1/1, 1/  = (010)
  • 57. PLANOS CRISTALINOS Planos (110) São paralelos a um eixo (z) Cortam dois eixos (x e y) 1/ 1, 1/1, 1/  = (110)
  • 58. PLANOS CRISTALINOS Planos (111) Cortam os 3 eixos cristalográficos 1/ 1, 1/1, 1/ 1 = (111)
  • 59. PLANOS CRISTALINOS Quando as intercessões não são óbvias desloca-se o plano até obter as intercessões corretas Fonte: Prof. Sidnei Paciornik, Departamento de Ciência dos Materiais e Metalurgia da PUC-Rio
  • 60. FAMÍLIA DE PLANOS {110} É paralelo à um eixo
  • 61. FAMÍLIA DE PLANOS {111} Intercepta os 3 eixos
  • 62. PLANOS NO SISTEMA CÚBICO A simetria do sistema cúbico faz com que a família de planos tenham o mesmo arranjamento e densidade Deformação em metais envolve deslizamento de planos atômicos. O deslizamento ocorre mais facilmente nos planos e direções de maior densidade atômica
  • 63. PLANOS DE MAIOR DENSIDADE ATÔMICA NO SISTEMA CCC A família de planos {110} no sistema ccc é o de maior densidade atômica
  • 64. PLANOS DE MAIOR DENSIDADE ATÔMICA NO SISTEMA CFC A família de planos {111} no sistema cfc é o de maior densidade atômica
  • 65. DENSIDADE ATÔMICA LINEAR E PLANAR Densidade linear= átomos/cm (igual ao fator de empacotamento em uma dimensão) Densidade planar= átomos/unidade de área (igual ao fator de empacotamento em duas dimensões)
  • 66. DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA CRISTALINA POR DIFRAÇÃO DE RAIO X Raíos-x tem comprimento de onda similar a distância interplanar 0,1nm
  • 67. DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA CRISTALINA POR DIFRAÇÃO DE RAIO X O FENÔMENO DA DIFRAÇÃO: Quando um feixe de raios x é dirigido à um material cristalino, esses raios são difratados pelos planos dos átomos ou íons dentro do cristal
  • 68. DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA CRISTALINA POR DIFRAÇÃO DE RAIO X Fonte: Prof. Sidnei Paciornik, Departamento de Ciência dos Materiais e Metalurgia da PUC-Rio
  • 69. DIFRAÇÃO DE RAIOS X LEI DE BRAGG n  = 2 d hkl .sen  É comprimento de onda N é um número inteiro de ondas d é a distância interplanar  O ângulo de incidência d hkl = a (h 2 +k 2 +l 2 ) 1/2 Válido para sistema cúbico
  • 70. DISTÂNCIA INTERPLANAR (d hkl ) É uma função dos índices de Miller e do parâmetro de rede d hkl = a (h 2 +k 2 +l 2 ) 1/2
  • 71. TÉCNICAS DE DIFRAÇÃO Técnica do pó: É bastante comum, o material a ser analisado encontra-se na forma de pó (partículas finas orientadas ao acaso) que são expostas à radiação x monocromática. O grande número de partículas com orientação diferente assegura que a lei de Bragg seja satisfeita para alguns planos cristalográficos
  • 72. O DIFRATOMÊTRO DE RAIOS X T= fonte de raio X S= amostra C= detector O= eixo no qual a amostra e o detector giram Detector Fonte Amostra
  • 73. DIFRATOGRAMA Fonte: Prof. Sidnei Paciornik, Departamento de Ciência dos Materiais e Metalurgia da PUC-Rio