SlideShare uma empresa Scribd logo
 Incremento substancial de uso de agrotóxicos nas lavouras -
Média de 4 a 6 aplicações por safra;
 Princípios do MIP foram esquecidos, seu uso praticamente
abandonado pelos produtores;
 O "uso preventivo" de inseticidas químicos em carona com
herbicidas e fungicidas;
 DERIVA
É o desvio da trajetória das gotas produzidas na pulverização,
para fora do alvo que se pretende atingir.
Desconhecimento da Legislação e/ou da Tecnologia de Aplicação.
CONTEXTUALIZAÇÃO
ESTAÇÃO 1
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS – MIP
Embrapa Trigo-EMATER/RS-CIMMA MF
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS (MIP)
É um conjunto de tecnologias baseado na amostragem
de pragas e no monitoramento da lavoura para a
tomada de decisão com relação ao controle de pragas.
Meio ambiente, Agricultor, Aplicador e Consumidor
POR QUE?
O QUE É?
 Inseticidas e acaricidas somente devem ser usados se as
pragas atingirem níveis populacionais capazes de causar
dano econômico (NC ou NA).
 A simples presença da praga não determina que se aplique
algum defensivo. Deve se fazer a amostragem antes da
decisão. NDE = Custo de operação de controle não
superior ao do dano causado pela praga .
 EMBRAPA TRIGO + EMATER/RS: UTDs
 Realizar o manejo eficiente de pragas que
atacam principalmente as lavouras do RS;
 Diminuir em um terço o número de aplicações de
agrotóxicos; ”
 Levar aos produtores a tecnologia do pano de
batida, para que a tecnologia tenha difusão em
longo prazo.
 Mostrar que é possível reduzir o número de
aplicações de agrotóxicos fazendo o
monitoramento de pragas e doenças;
 Capacitar e orientar com Parceiros os produtores
na tecnologia de aplicação de defensivos
agrícolas.
OBJETIVOS
COMO É REALIZADO?
 O monitoramento ocorre semanalmente e tem como objetivo
fazer a identificação e contagem de pragas e inimigos
naturais da cultura da soja.
 Ferrugem Asiática: Os técnicos coletam o material (folhas) e
analisam as amostras recebidas, identificando a presença
ou não da ferrugem asiática.
 Uso da Câmera Úmida
 Uso de Lupa Eletrônica
COMPONENTES DO MIP
 DIAGNOSE (Quem são as pragas?) – MONITORAMENTO -
 TOMADA DE DECISÃO (Devo ou não controlar as pragas?)NDE
 CONTROLE.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sérgio abud
Sérgio abudSérgio abud
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Geagra UFG
 
Manejo da resistência: uma visão prática
Manejo da resistência: uma visão práticaManejo da resistência: uma visão prática
Manejo da resistência: uma visão prática
IRAC-BR
 
Riscos
Riscos Riscos
vi
vivi
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Oxya Agro e Biociências
 
Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.
Geagra UFG
 
Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)
João Carraça
 
Inseticidas 1
Inseticidas 1 Inseticidas 1
Inseticidas 1
Geagra UFG
 
I.3 Prot
I.3 ProtI.3 Prot
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORESREGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
Geagra UFG
 
V WSF, Juazeiro - LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A MOSCAS-DAS-FRUTAS
V WSF, Juazeiro -  LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A  MOSCAS-DAS-FRUTASV WSF, Juazeiro -  LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A  MOSCAS-DAS-FRUTAS
V WSF, Juazeiro - LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A MOSCAS-DAS-FRUTAS
Oxya Agro e Biociências
 
Defesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o Brasil
Defesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o BrasilDefesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o Brasil
Defesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o Brasil
Izabella Menezes
 
Panorama de Segurança nas empresas do Brasil
Panorama de Segurança nas empresas do BrasilPanorama de Segurança nas empresas do Brasil
Panorama de Segurança nas empresas do Brasil
ESET Brasil
 
Comnate a pragas
Comnate a pragasComnate a pragas
Comnate a pragas
Taís Leandro
 
Combate a pragas
Combate a pragasCombate a pragas
Combate a pragas
Taís Leandro
 
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
Oxya Agro e Biociências
 

Mais procurados (17)

Sérgio abud
Sérgio abudSérgio abud
Sérgio abud
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
 
Manejo da resistência: uma visão prática
Manejo da resistência: uma visão práticaManejo da resistência: uma visão prática
Manejo da resistência: uma visão prática
 
Riscos
Riscos Riscos
Riscos
 
vi
vivi
vi
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
 
Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.
 
Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)
 
Inseticidas 1
Inseticidas 1 Inseticidas 1
Inseticidas 1
 
I.3 Prot
I.3 ProtI.3 Prot
I.3 Prot
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORESREGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
 
V WSF, Juazeiro - LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A MOSCAS-DAS-FRUTAS
V WSF, Juazeiro -  LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A  MOSCAS-DAS-FRUTASV WSF, Juazeiro -  LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A  MOSCAS-DAS-FRUTAS
V WSF, Juazeiro - LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A MOSCAS-DAS-FRUTAS
 
Defesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o Brasil
Defesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o BrasilDefesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o Brasil
Defesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o Brasil
 
Panorama de Segurança nas empresas do Brasil
Panorama de Segurança nas empresas do BrasilPanorama de Segurança nas empresas do Brasil
Panorama de Segurança nas empresas do Brasil
 
Comnate a pragas
Comnate a pragasComnate a pragas
Comnate a pragas
 
Combate a pragas
Combate a pragasCombate a pragas
Combate a pragas
 
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
 

Semelhante a Estação mip

USO RACINAL DE DEFENCIVOS.pptx
USO RACINAL DE DEFENCIVOS.pptxUSO RACINAL DE DEFENCIVOS.pptx
USO RACINAL DE DEFENCIVOS.pptx
MatheusVinciosLealdo
 
Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...
Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...
Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...
Amílcar Duarte
 
I.3 Proteção integrada.pptxppppaaaatttav
I.3 Proteção integrada.pptxppppaaaatttavI.3 Proteção integrada.pptxppppaaaatttav
I.3 Proteção integrada.pptxppppaaaatttav
Judite Silva
 
RPC TV Curitiba - Plantão Rural
RPC TV Curitiba - Plantão RuralRPC TV Curitiba - Plantão Rural
RPC TV Curitiba - Plantão Rural
Meio & Mensagem
 
I.3 Proteção integrada.pptx
I.3 Proteção integrada.pptxI.3 Proteção integrada.pptx
I.3 Proteção integrada.pptx
Judite Silva
 
produtos
produtosprodutos
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Oxya Agro e Biociências
 
Cigarrinha
CigarrinhaCigarrinha
Cigarrinha
Renato Villela
 
Apostila entomologia
Apostila entomologiaApostila entomologia
Apostila entomologia
Jean Marcel
 
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Fonte Comunicação
 
Sistema de previsão de doença: ferrugem da soja
Sistema de previsão de doença:  ferrugem da sojaSistema de previsão de doença:  ferrugem da soja
Sistema de previsão de doença: ferrugem da soja
Robson Aguiar
 
integrada
integradaintegrada
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
ApiculturaeAgricultura
 
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do BrasilCultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
IRAC-BR
 
I.1 Boas Práticas fitossanitarias.pptxCC
I.1 Boas Práticas fitossanitarias.pptxCCI.1 Boas Práticas fitossanitarias.pptxCC
I.1 Boas Práticas fitossanitarias.pptxCC
Judite Silva
 
Jornal Contra o Uso de Agrotóxicos, 2011.
Jornal Contra o Uso de Agrotóxicos, 2011.Jornal Contra o Uso de Agrotóxicos, 2011.
Jornal Contra o Uso de Agrotóxicos, 2011.
Feab Brasil
 
Andef manual boas_praticas_aplicacao_web
Andef manual boas_praticas_aplicacao_webAndef manual boas_praticas_aplicacao_web
Andef manual boas_praticas_aplicacao_web
Edwardi Steidle Neto
 
Agrotóxicos e as suas consequências
Agrotóxicos e as suas consequênciasAgrotóxicos e as suas consequências
Agrotóxicos e as suas consequências
João Siqueira da Mata
 
Aprimorando a percepção
Aprimorando a percepçãoAprimorando a percepção
Aprimorando a percepção
Helton Montechesi
 
MIP EM ALGODOEIRO (1)
MIP EM ALGODOEIRO (1)MIP EM ALGODOEIRO (1)
MIP EM ALGODOEIRO (1)
Diego Santos
 

Semelhante a Estação mip (20)

USO RACINAL DE DEFENCIVOS.pptx
USO RACINAL DE DEFENCIVOS.pptxUSO RACINAL DE DEFENCIVOS.pptx
USO RACINAL DE DEFENCIVOS.pptx
 
Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...
Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...
Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...
 
I.3 Proteção integrada.pptxppppaaaatttav
I.3 Proteção integrada.pptxppppaaaatttavI.3 Proteção integrada.pptxppppaaaatttav
I.3 Proteção integrada.pptxppppaaaatttav
 
RPC TV Curitiba - Plantão Rural
RPC TV Curitiba - Plantão RuralRPC TV Curitiba - Plantão Rural
RPC TV Curitiba - Plantão Rural
 
I.3 Proteção integrada.pptx
I.3 Proteção integrada.pptxI.3 Proteção integrada.pptx
I.3 Proteção integrada.pptx
 
produtos
produtosprodutos
produtos
 
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
 
Cigarrinha
CigarrinhaCigarrinha
Cigarrinha
 
Apostila entomologia
Apostila entomologiaApostila entomologia
Apostila entomologia
 
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
 
Sistema de previsão de doença: ferrugem da soja
Sistema de previsão de doença:  ferrugem da sojaSistema de previsão de doença:  ferrugem da soja
Sistema de previsão de doença: ferrugem da soja
 
integrada
integradaintegrada
integrada
 
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
 
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do BrasilCultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
 
I.1 Boas Práticas fitossanitarias.pptxCC
I.1 Boas Práticas fitossanitarias.pptxCCI.1 Boas Práticas fitossanitarias.pptxCC
I.1 Boas Práticas fitossanitarias.pptxCC
 
Jornal Contra o Uso de Agrotóxicos, 2011.
Jornal Contra o Uso de Agrotóxicos, 2011.Jornal Contra o Uso de Agrotóxicos, 2011.
Jornal Contra o Uso de Agrotóxicos, 2011.
 
Andef manual boas_praticas_aplicacao_web
Andef manual boas_praticas_aplicacao_webAndef manual boas_praticas_aplicacao_web
Andef manual boas_praticas_aplicacao_web
 
Agrotóxicos e as suas consequências
Agrotóxicos e as suas consequênciasAgrotóxicos e as suas consequências
Agrotóxicos e as suas consequências
 
Aprimorando a percepção
Aprimorando a percepçãoAprimorando a percepção
Aprimorando a percepção
 
MIP EM ALGODOEIRO (1)
MIP EM ALGODOEIRO (1)MIP EM ALGODOEIRO (1)
MIP EM ALGODOEIRO (1)
 

Mais de Guilherme MartinsCosta

Calibrar un pulverizador
Calibrar un pulverizadorCalibrar un pulverizador
Calibrar un pulverizador
Guilherme MartinsCosta
 
Folder 29
Folder 29Folder 29
Manual orientacao agricultura_ii
Manual orientacao agricultura_iiManual orientacao agricultura_ii
Manual orientacao agricultura_ii
Guilherme MartinsCosta
 
Instrumento para calibragem
Instrumento para calibragemInstrumento para calibragem
Instrumento para calibragem
Guilherme MartinsCosta
 
Tm410 br optimizing-your_spray_system
Tm410 br optimizing-your_spray_systemTm410 br optimizing-your_spray_system
Tm410 br optimizing-your_spray_system
Guilherme MartinsCosta
 
Producao de-feno
Producao de-fenoProducao de-feno
Producao de-feno
Guilherme MartinsCosta
 
Fotovoltaica no meio rural
Fotovoltaica no meio ruralFotovoltaica no meio rural
Fotovoltaica no meio rural
Guilherme MartinsCosta
 
Caderno silo
Caderno siloCaderno silo
269 armazenater-v1-tutorial
269 armazenater-v1-tutorial269 armazenater-v1-tutorial
269 armazenater-v1-tutorial
Guilherme MartinsCosta
 

Mais de Guilherme MartinsCosta (9)

Calibrar un pulverizador
Calibrar un pulverizadorCalibrar un pulverizador
Calibrar un pulverizador
 
Folder 29
Folder 29Folder 29
Folder 29
 
Manual orientacao agricultura_ii
Manual orientacao agricultura_iiManual orientacao agricultura_ii
Manual orientacao agricultura_ii
 
Instrumento para calibragem
Instrumento para calibragemInstrumento para calibragem
Instrumento para calibragem
 
Tm410 br optimizing-your_spray_system
Tm410 br optimizing-your_spray_systemTm410 br optimizing-your_spray_system
Tm410 br optimizing-your_spray_system
 
Producao de-feno
Producao de-fenoProducao de-feno
Producao de-feno
 
Fotovoltaica no meio rural
Fotovoltaica no meio ruralFotovoltaica no meio rural
Fotovoltaica no meio rural
 
Caderno silo
Caderno siloCaderno silo
Caderno silo
 
269 armazenater-v1-tutorial
269 armazenater-v1-tutorial269 armazenater-v1-tutorial
269 armazenater-v1-tutorial
 

Último

Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
tyciavilela
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
viictorrkk
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Aula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdf
Aula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdfAula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdf
Aula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdf
PriscilaLira27
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Geagra UFG
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Ademir36
 

Último (9)

Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
 
Aula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdf
Aula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdfAula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdf
Aula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdf
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
 

Estação mip

  • 1.  Incremento substancial de uso de agrotóxicos nas lavouras - Média de 4 a 6 aplicações por safra;  Princípios do MIP foram esquecidos, seu uso praticamente abandonado pelos produtores;  O "uso preventivo" de inseticidas químicos em carona com herbicidas e fungicidas;  DERIVA É o desvio da trajetória das gotas produzidas na pulverização, para fora do alvo que se pretende atingir. Desconhecimento da Legislação e/ou da Tecnologia de Aplicação. CONTEXTUALIZAÇÃO ESTAÇÃO 1 MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS – MIP Embrapa Trigo-EMATER/RS-CIMMA MF
  • 2. MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS (MIP) É um conjunto de tecnologias baseado na amostragem de pragas e no monitoramento da lavoura para a tomada de decisão com relação ao controle de pragas. Meio ambiente, Agricultor, Aplicador e Consumidor POR QUE? O QUE É?  Inseticidas e acaricidas somente devem ser usados se as pragas atingirem níveis populacionais capazes de causar dano econômico (NC ou NA).  A simples presença da praga não determina que se aplique algum defensivo. Deve se fazer a amostragem antes da decisão. NDE = Custo de operação de controle não superior ao do dano causado pela praga .
  • 3.  EMBRAPA TRIGO + EMATER/RS: UTDs  Realizar o manejo eficiente de pragas que atacam principalmente as lavouras do RS;  Diminuir em um terço o número de aplicações de agrotóxicos; ”  Levar aos produtores a tecnologia do pano de batida, para que a tecnologia tenha difusão em longo prazo.  Mostrar que é possível reduzir o número de aplicações de agrotóxicos fazendo o monitoramento de pragas e doenças;  Capacitar e orientar com Parceiros os produtores na tecnologia de aplicação de defensivos agrícolas. OBJETIVOS
  • 4. COMO É REALIZADO?  O monitoramento ocorre semanalmente e tem como objetivo fazer a identificação e contagem de pragas e inimigos naturais da cultura da soja.  Ferrugem Asiática: Os técnicos coletam o material (folhas) e analisam as amostras recebidas, identificando a presença ou não da ferrugem asiática.  Uso da Câmera Úmida  Uso de Lupa Eletrônica COMPONENTES DO MIP  DIAGNOSE (Quem são as pragas?) – MONITORAMENTO -  TOMADA DE DECISÃO (Devo ou não controlar as pragas?)NDE  CONTROLE.