SlideShare uma empresa Scribd logo
Estado-
Nação
Escola Secundária Dom Manuel Martins
2014/2015
História A
12ºC
Aline Araújo Nº1
Catarina Ferreira
Nº4
Marco Rodrigues
Nº13
Índice
 Introdução;
 Estado-Nação;
 A Explosão Das Realidades
Étnicas;
 O Terrorismo;
 Migrações, Segurança e
Ambiente;
 Movimentos separatistas.
Introdução
Este trabalho é no âmbito do módulo 9 da disciplina de
História A, este módulo tem como tema “Alterações
geoestratégicas, tensões políticas e transformações
socioculturais no mundo atual” e nosso trabalho tem como
subtema: Problematizar questão Estado-Nação; A
explosão das realidades étnicas e as Questões
transnacionais, tai como as migrações, segurança e
ambiente.
Pretendemos com este trabalho dar a conhecer aos
nossos colegas a matéria que se encontra no manual de
uma forma dinâmica e simplificada.
Estado-
Nação
• O que é o Estado?
• O que é a Nação?
• Estado-Nação
O que é o
Estado?São designadas por Estado, cada uma das divisões político-geográfica de uma república
federativa. Estas divisões são autónomas e possuem um governo próprio regido por uma
estrutura administrativa local.
O que é a
Nação?Nação é um conjunto de pessoas, geralmente
do mesmo grupo étnico, que falam a mesma
língua e têm os mesmos costumes, formando
assim, um povo. Uma nação mantém-se unida
pelos hábitos, traduções, religião, língua e
consciência nacional.
Os elementos: Território; Religião; Costumes
e Tradição, por si sós não são suficientes para
constituir uma nação. O principal elemento
deve ser a convicção de um modo de vida
coletivo, ou seja, quando a população sente
que faz parte de um grupo, distinto de
qualquer outro, com vida própria, interesses e
necessidades.
Estado-
NaçãoO Estado-Nação surge como um dos principais legados do liberalismo no
séc. XIX. No séc. XX, os Estado-Nação registam uma expansão planetária,
tornando-se o elemento estruturador da ordem política internacional.
Estado-
NaçãoA Razão passou a ser a força constituinte da dinâmica do Estado-Nação,
principalmente ao nível da administração dos povos. A ideia de pertencer
a um grupo com uma cultura, língua e história própria (uma nação), foi
sempre uma das marcas dos europeus nos últimos séculos, um ideal que
acabaria por ser transportado para as suas projeções coloniais.
O Estado-Nação afirma-se por meio de uma ideologia, a capacidade de
impor uma soberania sobre o povo, num dado território com fronteiras,
uma moeda própria e forças armadas próprias também.
É na sua essência, algo conservador e tendencialmente totalitário.
PORQUE JUNTOS, SOMOS UM SÓ.
Estado-
Nação
O aparecimento do Estado-Nação corresponde à fase nacionalista do
Ocidente e ao seu processo de industrialização. Assim, justificou
investimentos tecnológicos e com eles lucrou, incentivando as economias
nacionais e gerando capacidades militares de defesa e até de ataque. Para
além disso, transformou o nacionalismo numa ideologia que não parou de
ganhar adeptos e permitiu aspirações de natureza económica e territorial.
Marx defendeu ainda que o proletariado era internacional, no entanto com
a Primeira Guerra Mundial na sua origem como também nas suas
consequências, acabou por reforçar a ideia de Estado-Nação e dos
nacionalismos.
Atualmente, a situação é um pouco diferente, pois como podemos ver, as nações ajudam-se umas às
outras, e para nós, isso é bastante normal porque como cidadãos da comunidade global, temos o
dever de nos interajudar. Por exemplo, em Dezembro de 2004 quando aconteceu o grande tsunami na
Indonésia, varias nações internacionais uniram esforços para que este país conseguisse reerguer-se e
recuperar a sua economia, ajudar com comida, e entre vários outros bens essenciais para lação
sobreviver enquanto o país estava em uma crise catastrófica. no entanto, hoje e m dia os Estados-
Nação pretendem cada vez mais afirmarem-se na comunidade Internacional, por modo de obter mais
poder, mais território, mais riquezas, mais comercio, etc. Cada Estado Nação deseja ter mais poder,
sendo que o poder se tornou um factor decisivo na direção que o estado Nação está a tomar.
Com o passar do tempo, o conceito de nação foi mudando, e até hoje torna-se um pouco difícil
designar corretamente o que é uma nação, como ela deve agir e quando deve agir.
A Explosão Das
Realidades Étnicas
Nas últimas décadas do século XX foi bastante visível o aumento do
agrupamento de identidades e etnias, sobretudo devido ao fator da
globalização.
Em ambientes de pobreza e marginalidade em que vivem os vários
agrupamentos étnicos, com religiões e opiniões diferentes, a população
residente nesses locais fica bastante propícia ao aparecimento de conflitos.
A Explosão Das
Realidades Étnicas
Estes tipos de conflito têm sido mais avistados em regiões como os
Balcãs, a África, o Médio Oriente, o Cáucaso, Ásia Central e Oriental,
desde meados dos anos de 1980.
Os conflitos étnicos têm sido fortemente marcados pelos genocídios
praticados pelas etnias nacionalistas, e isto não aconteceu apenas com a
Alemanha que matou milhões pessoas que não eram da raça ariana a
mando de Hitler.
A Explosão Das
Realidades Étnicas
Os genocídios são praticados desde o início dos tempos, sendo que o
maior de todos aconteceu quando os espanhóis chegaram ao continente
americano, onde se estimava que viviam 70 milhões de Incas, Mais,
Aztecas e muitos outros povos que foram brutalmente mortos pelas
armas, devido ao trabalho forçado que sofreram, e às doenças que lhes
transmitiram intencionalmente. Tendo este sido o maior genocídio da
história, só sobraram 7 milhões das 70 milhões de pessoas que habitavam
essas regiões.
A Explosão Das
Realidades Étnicas
Atualmente, os Estados têm-se mostrado
incapazes de controlar grandes redes
mafiosas e terroristas que se infiltram nos
seus territórios e atuam de forma brutal com
a sua população, causando assim,
desigualdades sociais e conflitos onde a
violência normalmente é a única táctica
usada para as etnias se imporem umas contra
as outras.
É necessária uma forte intervenção do
Estado para algumas dessas desigualdades e
violências serem travadas imediatamente.
O terrorismo
 Nas últimas duas décadas podemos perceber que os números de
ataques terroristas aumentaram significativamente, tornando-se assim
uma ameaça a nível mundial.
 A Europa atualmente depara-se com o terrorismo Basco, um grupo étnico
situado entre a Espanha e a França que age violentamente na sua luta pela
independência, sendo eles na maioria cristãos católicos romanos e com os
grupos Jihadistas que tentam infiltrar-se pelas áreas do Mediterrâneo ;
 A América Latina tem tentado acabar com os terrorismos acontecidos na
Colômbia;
 A América do Norte já teve um infeliz encontro com aquilo que é chamado
o maior ataque terrorista de todos os tempos, a 11 de Setembro de 2001;
 A Ásia depara-se com um tipo de terrorismo religioso e político, na Índia,
Paquistão, Israel..
O terrorismo
Por todo o mundo, espalha-se um mercado negro de armamento,
controlado por redes mafiosas, que abastece os grupos terroristas. A
moeda de troca é, frequentemente, a droga, fomentando-se, assim, um
outro perigoso tráfico para a segurança da Humanidade, e que move
milhões de dólares por ano.
Migrações,
Segurança E
As questões transnacionais são questões que ultrapassam uma nação e
que não podem ser resolvidas pela mesma isoladamente, ou seja, quer
dizer que nós nunca estamos imunes aos acontecimentos que vão
afetando outras partes do planeta. Isto faz-nos finalmente lembrar que
apesar de o mundo estar divido por países, os problemas destes mesmos
países poderão afetar outros países distantes de si, o que significa que
apesar de estarmos subdivididos, pertencemos a um só planeta e que
temos este forte elo de ligação, pois somos humanos e não devemos olhar
raças ou nações para nos ajudarmos uns aos outros, e ainda mais nos dias
de hoje, onde tudo o que acontece no mundo nunca passa despercebido
devido aos media, que nos trazem informações quase que
instantaneamente.
De forma a resolver ou diminuir certas questões, às vezes é necessária
a intervenção de organizações internacionais, com missões de paz e
soluções para ajudar alguns Estado-Nação a controlar os seus problemas
internos. Uma das organizações mais famosas que atua nesse sentido é a
ONU, que surgiu após a segunda Guerra Mundial, que auxilia vários
Estados a obterem a paz e atenuar os conflitos surgidos no mesmo.
Questões
transnacionais
Migrações
Pode-se dizer que o surto das migrações surgiu devido à globalização,
que tornou mais fácil o nosso acesso e enquadramento em outras
sociedades, e podemos até mesmo referir que atualmente vivemos numa
‘’Aldeia Global’’ visto que o desenvolvimento dos meios de comunicação,
dos transportes e os sistemas de informação ajudaram-nos a ter uma
acesso muito mais facilitado a várias partes do globo.
Migrações
- Os motivos económicos são o maior fator determinante para que as
pessoas decidam emigrar em busca de uma vida melhor, e emprego.
- Os motivos políticos também são fatores cruciais para as migrações
ocorridas, por causa dos grandes conflitos regionais ocorridos em certos
pontos nas últimas décadas, o que levam a desigualdades sociais, políticas e
económicas, sendo que apenas no século XXI foram contados cerca de 20
milhões de refugiados em várias partes do mundo.
- As catástrofes naturais também fazem com que os surtos de migração
aumentem com a população em busca de uma vida melhor.
Migrações
Normalmente os países do Norte, são os países que obtiveram uma grande
quantidade de imigrantes nos seus territórios, isto porque os países com os
maiores níveis de IDH encontram-se no Norte, ou seja, têm populações mais
satisfeitas com os seus salários, com mais formação académica qualificada e
com melhores condições de vida em geral.
Porém estes mesmos países não têm conseguido assegurar o bem estar das
populações recém- chegadas e têm lutado para que esta tenha tendência a
mudar.
Como assegurar o bem estar dos
imigrantes?
Para garantir o bem estar e a segurança dos imigrantes que chegam aos novos países é
necessário que o governo toma algumas medidas como:
- Criação de associações de apoio ao imigrante e doação de cabazes alimentares todos os
meses;
- Criação de empresas de trabalho temporário que tenha como principal foco, o emprego
de imigrantes;
- Garantir a saúde e educação;
- Fazer rusgas frequentes de modo a impedir
o avanço da criminalidade e conflitos étnicos
entre a população.
Ambientalismo
O ambientalismo é uma questão que tem vindo a despertar a atenção mundial,
visto que temos cada vez mais que enfrentar problemas ambientais, como a
poluição, os desastres naturais, o efeito estufa, e muitos outros que estão
relacionados com as utilizações abusivas e incorretas dos seres humanos em
relação aos recursos que a natureza nos fornece.
No último século, o crescimento demográfico foi enorme, só para termos uma noção, em
1950, a população mundial atingia os 2,5 bilhões de pessoas, e no final do século XX, esta
mesma população quase duplicou, e é óbvio que houveram consequências acrescentadas a
um crescimento tão exorbitante, e com isto também surgiram as várias transformações
económicas sentidas pela humanidade. A soma de todos estes fatores significa um aumento
da utilização de recursos naturais, quer dos solos, da água, eletricidade e todas as outras
matérias-primas destinadas ao fabrico de bens essenciais à população, e muitos desses bens,
digamos que são até supérfluos.
A destruição de florestas tem sido um dos maiores efeitos do crescimento demográfico, o
que acresce também a procura de recursos. A busca incessante de terras e a sua exploração
excessiva acarretam a destruição de ecossistemas a tornam os solos bastante vulneráveis a
males como a erosão e a seca, e quando isto acontece, a população abandona estes locais,
deixando-os totalmente improdutivos e inabitáveis.
O progresso industrial e tecnológico têm trazido gastos gigantescos danos à natureza,
tal como a poluição e a escassez de recursos energéticos ( gás natural, petróleo..).
Desde a década de 70, a destruição da camada de ozono começou a tornar-se um
problema impossível de ignorar, e o efeito de estufa é outra ameaça que paira sobre a
Terra. O efeito de estufa ocorre devido às grandes concentrações de dióxido de carbono
na atmosfera, resultante do crescimento demográfico, criação de fábricas e veículos que
poluem cada vez mais o planeta.
De forma a resolver problemas como estes, que transcendem uma nação, e que as
mesmas não podem resolver sozinhas, como a poluição e o terrorismo, é necessária a
criação de reuniões, ou seja, as ditas cimeiras que procuram criar soluções para os
problemas que aterrorizam o futuro da humanidade.
CIMEIRA DA TERRA:
Em 1992, foi criada a Cimeira da Terra, onde foi discutido um conjunto de propostas que
ajudasse a haver uma melhor gestão de recursos da Terra, para que desta forma fosse
assegurada o futuro da nossa geração, assim como das gerações vindouras. A isto
chamou-se o ‘’desenvolvimento sustentável’’.
Alguns países desde então gastam fortunas para a existência de um desenvolvimento
económico equilibrado e sustentável apostando assim na limpeza de rios e edifícios, no
controlo de gases tóxicos, na reciclagem e em algumas cidades europeias até tornou-se
proibido a circulação de carros que liberassem altos níveis de gases poluidores para a
atmosfera.
TRATADO DA NÃO PROLIFERAÇÃO DE ARMAS NUCLEARES:
O Tratado da Não Proliferação de Armas Nucleares foi assinado em 1968, porém só
entrou em vigor a 5 de Março de 1970, e atualmente conta com a participação de 189
países signatários. Este tratado tem como objetivo:
 Diminuir o armamento de 5 países signatários que eram portadores de armas
nucleares, detendo 90% das armas existentes (França, Reino Unido, Rússia, Estados
Unidos e China)
 Impedir a exportação das armas a países ‘’não-nucleares’’ e também a não ajuda-los
a obtê-las.
Em 2010 foi feita uma conferência com todos os países signatários na sede da ONU, em
Nova Iorque e chegaram ao seguinte acordo:
 A diminuição progressiva das armas de destruição massiva utilizada no Oriente
Médio;
 Desarmamento;
 Utilização pacífica da energia atómica;
Estes movimentos acontecem quando colónias ou territórios de pequenas dimensões
sentem-se desvalorizados em relação aos governos principais dos seus países, e sendo assim,
estes pequenos territórios tentam encontrar umas forma de garantir a sua independência de
forma e beneficiarem a sua população com mais direitos e maiores investimentos
financeiros.
Geralmente os movimentos separatistas surgem por diversos motivos, como:
• Religiosos;
• Sociais;
• Políticos;
• Étnicos e raciais.
Na Europa podemos ver que é o continente que mais tem presenciado a existência de
movimentos separatistas, e esta situação tem sido motivo de grande preocupação por parte
dos governos europeus, visto que a União Europeia tem receio de que um grupo separatista
vença a causa e isto provoque um sentimento independentista em outras regiões e que isto
provoque o surgimento de mais movimentos separatistas.
Movimentos
Separatistas
Quando um território ou região torna-se independente, consequentemente mudam-se as
fronteiras, as alianças, as relações económicas e os novos países têm que formular uma série
de estratégias de reformas internas, com a criação de bancos centrais, forças armadas e
várias infraestruturas necessárias para a formação, sobrevivência e reconhecimento do novo
país na comunidade internacional.
Atualmente ainda existem muitas regiões que lutam pela independência, aqui temos alguns
dos principais casos que decorrem na atualidade
Movimentos
Separatistas
País Basco: Localizado no Norte da Espanha e a sul de França, este território busca a separação
desde 1959, quando nasceu um grupo que utilizou a violência para demonstrar o seu desejo de
independência e assim foi considerado uma organização terrorista pela União Europeia e E.U.A. Em
2011, o País Basco pôs o fim da sua luta armada, mas continua a lutar pela separação.
Movimentos
Separatistas
Tibete (China): O Tibete foi um país independente entre 1911 e 1950, porém este status de
independência mudou quando Mao Tsé-Tung entrou no poder. Em 1963, Tibete foi
reconhecido como região autónoma e hoje mantém um governo onde têm o apoio da China,
que na verdade nunca abriu mão de controlar o território tibetano. A população desta região
tem estado a lutar perante uma grande concorrência chinesa na busca por emprego e vêm as
suas tradições religiosas ameaçadas pela política chinesa.
Movimentos
Separatistas
Escócia: A Escócia pretende a separação porque buscam uma maior liberdade constitucional
e autonomia fiscal, que estão muito centralizados na Inglaterra. A Escócia também tem o
objectivo de criar um fundo de reserva com o dinheiro que obtiveram com a exploração do
Mar do Norte, que foi cerca de 1 bilhão de libras.
Em 2014 foi realizado um plesbicito para este território tornar-se independente em relação
ao Reino Unido, porém 53% dos 3,6 milhões de eleitores votaram pelo ‘’não’’.
Movimentos
Separatistas
Conclusão
Nós gostamos de fazer este trabalho, no inicio pensamos que era um
trabalho chato e desinteressante mas fomos felizmente surpreendidos pois
tivemos a oportunidade de abordar temas que são do nosso interesse.
Conseguimos perceber o porquê de haver vários conflitos entre as etnias
e como se desenvolvem as suas rivalidades, assim como também
percebemos que a falta de emprego, as guerras e outros vários desastres
que ocorrem em alguns países são fatores determinantes para a saída da
população dos seus países de origem, para emigrarem e irem à procura de
melhores oportunidades que não tiveram na sua terra.
Problemas como o ambientalismo e o terrorismo chamaram a nossa
atenção, pois estes problemas começaram a acontecer fortemente
principalmente nas últimas duas décadas e cada vez tem piorado mais.
No que toca ao Estado Nação, vemos que como era visto antigamente e
como é visto hoje em dia, é bastante diferente. Hoje em dia, um Estado
Nação procura cada vez mais poder para se poder afirmar no mundo,
antigamente, Estado-Nação era uma definição de uma nação politicamente
organizada. Hoje em dia, apesar de continuar a haver organização,
a busca de poder continua a ser o que mais os define.
Bibliografia
http://viajandonotempo.blogs.sapo.pt/9709.html 14.04.2015
http://www.infopedia.pt/$estado-nacao 14.04.2015
http://www.significados.com.br/nacao/ 14.04.2015
http://www.significados.com.br/estado/ 14.04.2015

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerraA reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerra
Patrícia Alves
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
Vítor Santos
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
Vítor Santos
 
A guerra fria
A guerra friaA guerra fria
A guerra fria
Joana Melo
 
Conflitos Regionais
Conflitos RegionaisConflitos Regionais
Conflitos Regionais
fabiofatudatrabalhos
 
PP Os regimes ditatoriais na Europa
PP Os regimes ditatoriais na EuropaPP Os regimes ditatoriais na Europa
PP Os regimes ditatoriais na Europa
isabel mgm
 
Globalização t2
Globalização t2Globalização t2
Globalização t2
Anabelafernandes
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
home
 
I vaga de descolonização
I vaga de descolonizaçãoI vaga de descolonização
I vaga de descolonização
Carlos Vieira
 
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANOSocialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Drew Mello
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
Ilda Bicacro
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
home
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
Vítor Santos
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
Vítor Santos
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
Joana Filipa Rodrigues
 
Mundo comunista
Mundo comunistaMundo comunista
Mundo comunista
home
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
home
 
Pobreza e exclusão social (2)
Pobreza e exclusão social (2)Pobreza e exclusão social (2)
Pobreza e exclusão social (2)
Alcina Barbosa
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
gofontoura
 
Tipos de migrações
Tipos de migraçõesTipos de migrações
Tipos de migrações
8ºC
 

Mais procurados (20)

A reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerraA reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerra
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
A guerra fria
A guerra friaA guerra fria
A guerra fria
 
Conflitos Regionais
Conflitos RegionaisConflitos Regionais
Conflitos Regionais
 
PP Os regimes ditatoriais na Europa
PP Os regimes ditatoriais na EuropaPP Os regimes ditatoriais na Europa
PP Os regimes ditatoriais na Europa
 
Globalização t2
Globalização t2Globalização t2
Globalização t2
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
I vaga de descolonização
I vaga de descolonizaçãoI vaga de descolonização
I vaga de descolonização
 
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANOSocialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
 
Mundo comunista
Mundo comunistaMundo comunista
Mundo comunista
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
 
Pobreza e exclusão social (2)
Pobreza e exclusão social (2)Pobreza e exclusão social (2)
Pobreza e exclusão social (2)
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
 
Tipos de migrações
Tipos de migraçõesTipos de migrações
Tipos de migrações
 

Destaque

Estado nação
Estado naçãoEstado nação
Estado nação
Fernanda Lopes
 
Estado nação, território e poder
Estado nação, território e poderEstado nação, território e poder
Estado nação, território e poder
Vinicius Coelho
 
Estado nação - país - território - etnia - raça
Estado   nação - país - território - etnia - raçaEstado   nação - país - território - etnia - raça
Estado nação - país - território - etnia - raça
Julio Siqueira
 
Estado nação e território
Estado nação e territórioEstado nação e território
Estado nação e território
Geová da Silva
 
Ifes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicas
Ifes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicasIfes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicas
Ifes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicas
Kéliton Ferreira
 
Globalização e Estado-Nação
Globalização e Estado-NaçãoGlobalização e Estado-Nação
Globalização e Estado-Nação
João Lima
 
O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25
O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25
O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25
Paes Viana
 
Estado, território e nação
Estado, território e naçãoEstado, território e nação
Estado, território e nação
João Couto
 
Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?
Alfredo Garcia
 
Estado nação
Estado naçãoEstado nação
Estado nação
Carol Pires
 
Povo é o conjunto de pessoas que
Povo   é o conjunto de pessoas quePovo   é o conjunto de pessoas que
Povo é o conjunto de pessoas que
ivonefrancca
 
Estado
EstadoEstado
Estado
darcy arruda
 
Tubo de pitot
Tubo de pitotTubo de pitot
Tubo de pitot
Valdemir Antunes
 
Hino da escola dario catunda fontenele
Hino da escola dario catunda fonteneleHino da escola dario catunda fontenele
Hino da escola dario catunda fontenele
Paes Viana
 
Singularidades de uma rapariga loura
Singularidades de uma rapariga louraSingularidades de uma rapariga loura
Singularidades de uma rapariga loura
Aline Araújo
 
Hidrodinamica
HidrodinamicaHidrodinamica
Hidrodinamica
PauloMaiaCampos
 
Povos e nações 2
Povos e nações 2Povos e nações 2
Povos e nações 2
Giovana Gina Almeida
 
Hidrodinamica...
Hidrodinamica...Hidrodinamica...
Hidrodinamica...
stebanj
 
Povos e Identidades
Povos e IdentidadesPovos e Identidades
Povos e Identidades
ProfMario De Mori
 
Povos e nações 4
Povos e nações 4Povos e nações 4
Povos e nações 4
Giovana Gina Almeida
 

Destaque (20)

Estado nação
Estado naçãoEstado nação
Estado nação
 
Estado nação, território e poder
Estado nação, território e poderEstado nação, território e poder
Estado nação, território e poder
 
Estado nação - país - território - etnia - raça
Estado   nação - país - território - etnia - raçaEstado   nação - país - território - etnia - raça
Estado nação - país - território - etnia - raça
 
Estado nação e território
Estado nação e territórioEstado nação e território
Estado nação e território
 
Ifes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicas
Ifes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicasIfes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicas
Ifes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicas
 
Globalização e Estado-Nação
Globalização e Estado-NaçãoGlobalização e Estado-Nação
Globalização e Estado-Nação
 
O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25
O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25
O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25
 
Estado, território e nação
Estado, território e naçãoEstado, território e nação
Estado, território e nação
 
Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?
 
Estado nação
Estado naçãoEstado nação
Estado nação
 
Povo é o conjunto de pessoas que
Povo   é o conjunto de pessoas quePovo   é o conjunto de pessoas que
Povo é o conjunto de pessoas que
 
Estado
EstadoEstado
Estado
 
Tubo de pitot
Tubo de pitotTubo de pitot
Tubo de pitot
 
Hino da escola dario catunda fontenele
Hino da escola dario catunda fonteneleHino da escola dario catunda fontenele
Hino da escola dario catunda fontenele
 
Singularidades de uma rapariga loura
Singularidades de uma rapariga louraSingularidades de uma rapariga loura
Singularidades de uma rapariga loura
 
Hidrodinamica
HidrodinamicaHidrodinamica
Hidrodinamica
 
Povos e nações 2
Povos e nações 2Povos e nações 2
Povos e nações 2
 
Hidrodinamica...
Hidrodinamica...Hidrodinamica...
Hidrodinamica...
 
Povos e Identidades
Povos e IdentidadesPovos e Identidades
Povos e Identidades
 
Povos e nações 4
Povos e nações 4Povos e nações 4
Povos e nações 4
 

Semelhante a Estado-Nação; Realidades étnicas; Terrorismo; Migrações e ambientalismo; Movimentos separatistas

O mundo em conflito
O mundo em conflitoO mundo em conflito
O mundo em conflito
alinesantana1422
 
2014 nação-povo-estado-territorio
2014 nação-povo-estado-territorio2014 nação-povo-estado-territorio
2014 nação-povo-estado-territorio
Jorge Marcos Oliveira
 
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneoComo impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Fernando Alcoforado
 
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneoComo impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Fernando Alcoforado
 
Migrações, nacionalismo e xenofobia
Migrações, nacionalismo e xenofobiaMigrações, nacionalismo e xenofobia
Migrações, nacionalismo e xenofobia
Colégio Nova Geração COC
 
Desenvolvimento e a questão demográfica
Desenvolvimento e a questão demográficaDesenvolvimento e a questão demográfica
Desenvolvimento e a questão demográfica
jovensnaeconomia
 
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluçõesMobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
slide sobre America latina no século XXI.ppt
slide sobre America latina no século XXI.pptslide sobre America latina no século XXI.ppt
slide sobre America latina no século XXI.ppt
GameManiaBM
 
Cooperar, verbo infinito?
Cooperar, verbo infinito?Cooperar, verbo infinito?
Cooperar, verbo infinito?
Patrícia Pinheiro
 
N aula desigualdade
N aula desigualdadeN aula desigualdade
N aula desigualdade
Péricles Penuel
 
GLOBALIZAÇÃO
GLOBALIZAÇÃOGLOBALIZAÇÃO
GLOBALIZAÇÃO
Rosane Domingues
 
Palestra Globalização e Cidadania
Palestra Globalização e CidadaniaPalestra Globalização e Cidadania
Palestra Globalização e Cidadania
Faculdade Maurício de Nassau
 
Folhetim do Estudante - Ano VIII - Núm. 62
Folhetim do Estudante - Ano VIII - Núm. 62Folhetim do Estudante - Ano VIII - Núm. 62
Folhetim do Estudante - Ano VIII - Núm. 62
Valter Gomes
 
GlobalizaçAo
GlobalizaçAoGlobalizaçAo
GlobalizaçAo
Formação FURB
 
O mundo unipolar
O mundo unipolarO mundo unipolar
O mundo unipolar
Escola Quinta Nova da Telha
 
Densidade populacional
Densidade populacionalDensidade populacional
Densidade populacional
Jéssica Pett
 
Multiculturalismo e a sociologia
Multiculturalismo e a sociologiaMulticulturalismo e a sociologia
Multiculturalismo e a sociologia
Leonardo de Barros
 
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (1)
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (1)Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (1)
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (1)
GRAZIA TANTA
 
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptxMigrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
CidaPereiradeSousa
 
GuimarãEs Conflitos Internacionais
GuimarãEs   Conflitos InternacionaisGuimarãEs   Conflitos Internacionais
GuimarãEs Conflitos Internacionais
ProfMario De Mori
 

Semelhante a Estado-Nação; Realidades étnicas; Terrorismo; Migrações e ambientalismo; Movimentos separatistas (20)

O mundo em conflito
O mundo em conflitoO mundo em conflito
O mundo em conflito
 
2014 nação-povo-estado-territorio
2014 nação-povo-estado-territorio2014 nação-povo-estado-territorio
2014 nação-povo-estado-territorio
 
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneoComo impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
 
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneoComo impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
 
Migrações, nacionalismo e xenofobia
Migrações, nacionalismo e xenofobiaMigrações, nacionalismo e xenofobia
Migrações, nacionalismo e xenofobia
 
Desenvolvimento e a questão demográfica
Desenvolvimento e a questão demográficaDesenvolvimento e a questão demográfica
Desenvolvimento e a questão demográfica
 
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluçõesMobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
 
slide sobre America latina no século XXI.ppt
slide sobre America latina no século XXI.pptslide sobre America latina no século XXI.ppt
slide sobre America latina no século XXI.ppt
 
Cooperar, verbo infinito?
Cooperar, verbo infinito?Cooperar, verbo infinito?
Cooperar, verbo infinito?
 
N aula desigualdade
N aula desigualdadeN aula desigualdade
N aula desigualdade
 
GLOBALIZAÇÃO
GLOBALIZAÇÃOGLOBALIZAÇÃO
GLOBALIZAÇÃO
 
Palestra Globalização e Cidadania
Palestra Globalização e CidadaniaPalestra Globalização e Cidadania
Palestra Globalização e Cidadania
 
Folhetim do Estudante - Ano VIII - Núm. 62
Folhetim do Estudante - Ano VIII - Núm. 62Folhetim do Estudante - Ano VIII - Núm. 62
Folhetim do Estudante - Ano VIII - Núm. 62
 
GlobalizaçAo
GlobalizaçAoGlobalizaçAo
GlobalizaçAo
 
O mundo unipolar
O mundo unipolarO mundo unipolar
O mundo unipolar
 
Densidade populacional
Densidade populacionalDensidade populacional
Densidade populacional
 
Multiculturalismo e a sociologia
Multiculturalismo e a sociologiaMulticulturalismo e a sociologia
Multiculturalismo e a sociologia
 
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (1)
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (1)Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (1)
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (1)
 
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptxMigrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
 
GuimarãEs Conflitos Internacionais
GuimarãEs   Conflitos InternacionaisGuimarãEs   Conflitos Internacionais
GuimarãEs Conflitos Internacionais
 

Último

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 

Último (20)

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 

Estado-Nação; Realidades étnicas; Terrorismo; Migrações e ambientalismo; Movimentos separatistas

  • 1. Estado- Nação Escola Secundária Dom Manuel Martins 2014/2015 História A 12ºC Aline Araújo Nº1 Catarina Ferreira Nº4 Marco Rodrigues Nº13
  • 2. Índice  Introdução;  Estado-Nação;  A Explosão Das Realidades Étnicas;  O Terrorismo;  Migrações, Segurança e Ambiente;  Movimentos separatistas.
  • 3. Introdução Este trabalho é no âmbito do módulo 9 da disciplina de História A, este módulo tem como tema “Alterações geoestratégicas, tensões políticas e transformações socioculturais no mundo atual” e nosso trabalho tem como subtema: Problematizar questão Estado-Nação; A explosão das realidades étnicas e as Questões transnacionais, tai como as migrações, segurança e ambiente. Pretendemos com este trabalho dar a conhecer aos nossos colegas a matéria que se encontra no manual de uma forma dinâmica e simplificada.
  • 4. Estado- Nação • O que é o Estado? • O que é a Nação? • Estado-Nação
  • 5. O que é o Estado?São designadas por Estado, cada uma das divisões político-geográfica de uma república federativa. Estas divisões são autónomas e possuem um governo próprio regido por uma estrutura administrativa local.
  • 6. O que é a Nação?Nação é um conjunto de pessoas, geralmente do mesmo grupo étnico, que falam a mesma língua e têm os mesmos costumes, formando assim, um povo. Uma nação mantém-se unida pelos hábitos, traduções, religião, língua e consciência nacional. Os elementos: Território; Religião; Costumes e Tradição, por si sós não são suficientes para constituir uma nação. O principal elemento deve ser a convicção de um modo de vida coletivo, ou seja, quando a população sente que faz parte de um grupo, distinto de qualquer outro, com vida própria, interesses e necessidades.
  • 7. Estado- NaçãoO Estado-Nação surge como um dos principais legados do liberalismo no séc. XIX. No séc. XX, os Estado-Nação registam uma expansão planetária, tornando-se o elemento estruturador da ordem política internacional.
  • 8. Estado- NaçãoA Razão passou a ser a força constituinte da dinâmica do Estado-Nação, principalmente ao nível da administração dos povos. A ideia de pertencer a um grupo com uma cultura, língua e história própria (uma nação), foi sempre uma das marcas dos europeus nos últimos séculos, um ideal que acabaria por ser transportado para as suas projeções coloniais. O Estado-Nação afirma-se por meio de uma ideologia, a capacidade de impor uma soberania sobre o povo, num dado território com fronteiras, uma moeda própria e forças armadas próprias também. É na sua essência, algo conservador e tendencialmente totalitário. PORQUE JUNTOS, SOMOS UM SÓ.
  • 9. Estado- Nação O aparecimento do Estado-Nação corresponde à fase nacionalista do Ocidente e ao seu processo de industrialização. Assim, justificou investimentos tecnológicos e com eles lucrou, incentivando as economias nacionais e gerando capacidades militares de defesa e até de ataque. Para além disso, transformou o nacionalismo numa ideologia que não parou de ganhar adeptos e permitiu aspirações de natureza económica e territorial. Marx defendeu ainda que o proletariado era internacional, no entanto com a Primeira Guerra Mundial na sua origem como também nas suas consequências, acabou por reforçar a ideia de Estado-Nação e dos nacionalismos.
  • 10. Atualmente, a situação é um pouco diferente, pois como podemos ver, as nações ajudam-se umas às outras, e para nós, isso é bastante normal porque como cidadãos da comunidade global, temos o dever de nos interajudar. Por exemplo, em Dezembro de 2004 quando aconteceu o grande tsunami na Indonésia, varias nações internacionais uniram esforços para que este país conseguisse reerguer-se e recuperar a sua economia, ajudar com comida, e entre vários outros bens essenciais para lação sobreviver enquanto o país estava em uma crise catastrófica. no entanto, hoje e m dia os Estados- Nação pretendem cada vez mais afirmarem-se na comunidade Internacional, por modo de obter mais poder, mais território, mais riquezas, mais comercio, etc. Cada Estado Nação deseja ter mais poder, sendo que o poder se tornou um factor decisivo na direção que o estado Nação está a tomar. Com o passar do tempo, o conceito de nação foi mudando, e até hoje torna-se um pouco difícil designar corretamente o que é uma nação, como ela deve agir e quando deve agir.
  • 12. Nas últimas décadas do século XX foi bastante visível o aumento do agrupamento de identidades e etnias, sobretudo devido ao fator da globalização. Em ambientes de pobreza e marginalidade em que vivem os vários agrupamentos étnicos, com religiões e opiniões diferentes, a população residente nesses locais fica bastante propícia ao aparecimento de conflitos.
  • 13. A Explosão Das Realidades Étnicas Estes tipos de conflito têm sido mais avistados em regiões como os Balcãs, a África, o Médio Oriente, o Cáucaso, Ásia Central e Oriental, desde meados dos anos de 1980. Os conflitos étnicos têm sido fortemente marcados pelos genocídios praticados pelas etnias nacionalistas, e isto não aconteceu apenas com a Alemanha que matou milhões pessoas que não eram da raça ariana a mando de Hitler.
  • 14. A Explosão Das Realidades Étnicas Os genocídios são praticados desde o início dos tempos, sendo que o maior de todos aconteceu quando os espanhóis chegaram ao continente americano, onde se estimava que viviam 70 milhões de Incas, Mais, Aztecas e muitos outros povos que foram brutalmente mortos pelas armas, devido ao trabalho forçado que sofreram, e às doenças que lhes transmitiram intencionalmente. Tendo este sido o maior genocídio da história, só sobraram 7 milhões das 70 milhões de pessoas que habitavam essas regiões.
  • 15. A Explosão Das Realidades Étnicas Atualmente, os Estados têm-se mostrado incapazes de controlar grandes redes mafiosas e terroristas que se infiltram nos seus territórios e atuam de forma brutal com a sua população, causando assim, desigualdades sociais e conflitos onde a violência normalmente é a única táctica usada para as etnias se imporem umas contra as outras. É necessária uma forte intervenção do Estado para algumas dessas desigualdades e violências serem travadas imediatamente.
  • 17.  Nas últimas duas décadas podemos perceber que os números de ataques terroristas aumentaram significativamente, tornando-se assim uma ameaça a nível mundial.  A Europa atualmente depara-se com o terrorismo Basco, um grupo étnico situado entre a Espanha e a França que age violentamente na sua luta pela independência, sendo eles na maioria cristãos católicos romanos e com os grupos Jihadistas que tentam infiltrar-se pelas áreas do Mediterrâneo ;  A América Latina tem tentado acabar com os terrorismos acontecidos na Colômbia;  A América do Norte já teve um infeliz encontro com aquilo que é chamado o maior ataque terrorista de todos os tempos, a 11 de Setembro de 2001;  A Ásia depara-se com um tipo de terrorismo religioso e político, na Índia, Paquistão, Israel..
  • 18. O terrorismo Por todo o mundo, espalha-se um mercado negro de armamento, controlado por redes mafiosas, que abastece os grupos terroristas. A moeda de troca é, frequentemente, a droga, fomentando-se, assim, um outro perigoso tráfico para a segurança da Humanidade, e que move milhões de dólares por ano.
  • 20. As questões transnacionais são questões que ultrapassam uma nação e que não podem ser resolvidas pela mesma isoladamente, ou seja, quer dizer que nós nunca estamos imunes aos acontecimentos que vão afetando outras partes do planeta. Isto faz-nos finalmente lembrar que apesar de o mundo estar divido por países, os problemas destes mesmos países poderão afetar outros países distantes de si, o que significa que apesar de estarmos subdivididos, pertencemos a um só planeta e que temos este forte elo de ligação, pois somos humanos e não devemos olhar raças ou nações para nos ajudarmos uns aos outros, e ainda mais nos dias de hoje, onde tudo o que acontece no mundo nunca passa despercebido devido aos media, que nos trazem informações quase que instantaneamente. De forma a resolver ou diminuir certas questões, às vezes é necessária a intervenção de organizações internacionais, com missões de paz e soluções para ajudar alguns Estado-Nação a controlar os seus problemas internos. Uma das organizações mais famosas que atua nesse sentido é a ONU, que surgiu após a segunda Guerra Mundial, que auxilia vários Estados a obterem a paz e atenuar os conflitos surgidos no mesmo. Questões transnacionais
  • 21. Migrações Pode-se dizer que o surto das migrações surgiu devido à globalização, que tornou mais fácil o nosso acesso e enquadramento em outras sociedades, e podemos até mesmo referir que atualmente vivemos numa ‘’Aldeia Global’’ visto que o desenvolvimento dos meios de comunicação, dos transportes e os sistemas de informação ajudaram-nos a ter uma acesso muito mais facilitado a várias partes do globo.
  • 22. Migrações - Os motivos económicos são o maior fator determinante para que as pessoas decidam emigrar em busca de uma vida melhor, e emprego. - Os motivos políticos também são fatores cruciais para as migrações ocorridas, por causa dos grandes conflitos regionais ocorridos em certos pontos nas últimas décadas, o que levam a desigualdades sociais, políticas e económicas, sendo que apenas no século XXI foram contados cerca de 20 milhões de refugiados em várias partes do mundo. - As catástrofes naturais também fazem com que os surtos de migração aumentem com a população em busca de uma vida melhor.
  • 23. Migrações Normalmente os países do Norte, são os países que obtiveram uma grande quantidade de imigrantes nos seus territórios, isto porque os países com os maiores níveis de IDH encontram-se no Norte, ou seja, têm populações mais satisfeitas com os seus salários, com mais formação académica qualificada e com melhores condições de vida em geral. Porém estes mesmos países não têm conseguido assegurar o bem estar das populações recém- chegadas e têm lutado para que esta tenha tendência a mudar.
  • 24. Como assegurar o bem estar dos imigrantes? Para garantir o bem estar e a segurança dos imigrantes que chegam aos novos países é necessário que o governo toma algumas medidas como: - Criação de associações de apoio ao imigrante e doação de cabazes alimentares todos os meses; - Criação de empresas de trabalho temporário que tenha como principal foco, o emprego de imigrantes; - Garantir a saúde e educação; - Fazer rusgas frequentes de modo a impedir o avanço da criminalidade e conflitos étnicos entre a população.
  • 25. Ambientalismo O ambientalismo é uma questão que tem vindo a despertar a atenção mundial, visto que temos cada vez mais que enfrentar problemas ambientais, como a poluição, os desastres naturais, o efeito estufa, e muitos outros que estão relacionados com as utilizações abusivas e incorretas dos seres humanos em relação aos recursos que a natureza nos fornece.
  • 26. No último século, o crescimento demográfico foi enorme, só para termos uma noção, em 1950, a população mundial atingia os 2,5 bilhões de pessoas, e no final do século XX, esta mesma população quase duplicou, e é óbvio que houveram consequências acrescentadas a um crescimento tão exorbitante, e com isto também surgiram as várias transformações económicas sentidas pela humanidade. A soma de todos estes fatores significa um aumento da utilização de recursos naturais, quer dos solos, da água, eletricidade e todas as outras matérias-primas destinadas ao fabrico de bens essenciais à população, e muitos desses bens, digamos que são até supérfluos. A destruição de florestas tem sido um dos maiores efeitos do crescimento demográfico, o que acresce também a procura de recursos. A busca incessante de terras e a sua exploração excessiva acarretam a destruição de ecossistemas a tornam os solos bastante vulneráveis a males como a erosão e a seca, e quando isto acontece, a população abandona estes locais, deixando-os totalmente improdutivos e inabitáveis.
  • 27. O progresso industrial e tecnológico têm trazido gastos gigantescos danos à natureza, tal como a poluição e a escassez de recursos energéticos ( gás natural, petróleo..). Desde a década de 70, a destruição da camada de ozono começou a tornar-se um problema impossível de ignorar, e o efeito de estufa é outra ameaça que paira sobre a Terra. O efeito de estufa ocorre devido às grandes concentrações de dióxido de carbono na atmosfera, resultante do crescimento demográfico, criação de fábricas e veículos que poluem cada vez mais o planeta. De forma a resolver problemas como estes, que transcendem uma nação, e que as mesmas não podem resolver sozinhas, como a poluição e o terrorismo, é necessária a criação de reuniões, ou seja, as ditas cimeiras que procuram criar soluções para os problemas que aterrorizam o futuro da humanidade.
  • 28. CIMEIRA DA TERRA: Em 1992, foi criada a Cimeira da Terra, onde foi discutido um conjunto de propostas que ajudasse a haver uma melhor gestão de recursos da Terra, para que desta forma fosse assegurada o futuro da nossa geração, assim como das gerações vindouras. A isto chamou-se o ‘’desenvolvimento sustentável’’. Alguns países desde então gastam fortunas para a existência de um desenvolvimento económico equilibrado e sustentável apostando assim na limpeza de rios e edifícios, no controlo de gases tóxicos, na reciclagem e em algumas cidades europeias até tornou-se proibido a circulação de carros que liberassem altos níveis de gases poluidores para a atmosfera.
  • 29. TRATADO DA NÃO PROLIFERAÇÃO DE ARMAS NUCLEARES: O Tratado da Não Proliferação de Armas Nucleares foi assinado em 1968, porém só entrou em vigor a 5 de Março de 1970, e atualmente conta com a participação de 189 países signatários. Este tratado tem como objetivo:  Diminuir o armamento de 5 países signatários que eram portadores de armas nucleares, detendo 90% das armas existentes (França, Reino Unido, Rússia, Estados Unidos e China)  Impedir a exportação das armas a países ‘’não-nucleares’’ e também a não ajuda-los a obtê-las. Em 2010 foi feita uma conferência com todos os países signatários na sede da ONU, em Nova Iorque e chegaram ao seguinte acordo:  A diminuição progressiva das armas de destruição massiva utilizada no Oriente Médio;  Desarmamento;  Utilização pacífica da energia atómica;
  • 30.
  • 31. Estes movimentos acontecem quando colónias ou territórios de pequenas dimensões sentem-se desvalorizados em relação aos governos principais dos seus países, e sendo assim, estes pequenos territórios tentam encontrar umas forma de garantir a sua independência de forma e beneficiarem a sua população com mais direitos e maiores investimentos financeiros. Geralmente os movimentos separatistas surgem por diversos motivos, como: • Religiosos; • Sociais; • Políticos; • Étnicos e raciais. Na Europa podemos ver que é o continente que mais tem presenciado a existência de movimentos separatistas, e esta situação tem sido motivo de grande preocupação por parte dos governos europeus, visto que a União Europeia tem receio de que um grupo separatista vença a causa e isto provoque um sentimento independentista em outras regiões e que isto provoque o surgimento de mais movimentos separatistas. Movimentos Separatistas
  • 32. Quando um território ou região torna-se independente, consequentemente mudam-se as fronteiras, as alianças, as relações económicas e os novos países têm que formular uma série de estratégias de reformas internas, com a criação de bancos centrais, forças armadas e várias infraestruturas necessárias para a formação, sobrevivência e reconhecimento do novo país na comunidade internacional. Atualmente ainda existem muitas regiões que lutam pela independência, aqui temos alguns dos principais casos que decorrem na atualidade Movimentos Separatistas
  • 33. País Basco: Localizado no Norte da Espanha e a sul de França, este território busca a separação desde 1959, quando nasceu um grupo que utilizou a violência para demonstrar o seu desejo de independência e assim foi considerado uma organização terrorista pela União Europeia e E.U.A. Em 2011, o País Basco pôs o fim da sua luta armada, mas continua a lutar pela separação. Movimentos Separatistas
  • 34. Tibete (China): O Tibete foi um país independente entre 1911 e 1950, porém este status de independência mudou quando Mao Tsé-Tung entrou no poder. Em 1963, Tibete foi reconhecido como região autónoma e hoje mantém um governo onde têm o apoio da China, que na verdade nunca abriu mão de controlar o território tibetano. A população desta região tem estado a lutar perante uma grande concorrência chinesa na busca por emprego e vêm as suas tradições religiosas ameaçadas pela política chinesa. Movimentos Separatistas
  • 35. Escócia: A Escócia pretende a separação porque buscam uma maior liberdade constitucional e autonomia fiscal, que estão muito centralizados na Inglaterra. A Escócia também tem o objectivo de criar um fundo de reserva com o dinheiro que obtiveram com a exploração do Mar do Norte, que foi cerca de 1 bilhão de libras. Em 2014 foi realizado um plesbicito para este território tornar-se independente em relação ao Reino Unido, porém 53% dos 3,6 milhões de eleitores votaram pelo ‘’não’’. Movimentos Separatistas
  • 36. Conclusão Nós gostamos de fazer este trabalho, no inicio pensamos que era um trabalho chato e desinteressante mas fomos felizmente surpreendidos pois tivemos a oportunidade de abordar temas que são do nosso interesse. Conseguimos perceber o porquê de haver vários conflitos entre as etnias e como se desenvolvem as suas rivalidades, assim como também percebemos que a falta de emprego, as guerras e outros vários desastres que ocorrem em alguns países são fatores determinantes para a saída da população dos seus países de origem, para emigrarem e irem à procura de melhores oportunidades que não tiveram na sua terra. Problemas como o ambientalismo e o terrorismo chamaram a nossa atenção, pois estes problemas começaram a acontecer fortemente principalmente nas últimas duas décadas e cada vez tem piorado mais. No que toca ao Estado Nação, vemos que como era visto antigamente e como é visto hoje em dia, é bastante diferente. Hoje em dia, um Estado Nação procura cada vez mais poder para se poder afirmar no mundo, antigamente, Estado-Nação era uma definição de uma nação politicamente organizada. Hoje em dia, apesar de continuar a haver organização, a busca de poder continua a ser o que mais os define.