SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita
Programa Complementar
TOMO ÚNICO
Módulo I - Vida no mundo espiritual
Ocupações e missões dos espíritos
Os Espíritos Superiores concorrem [...]
para a harmonia do Universo,
executando as vontades de Deus, cujos
ministros eles são. A vida espírita é uma
ocupação contínua, mas que nada tem
de penosa, como a vida na Terra, porque
não há a fadiga corporal, nem as
angústias das necessidades.
KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Questão 558
558. Alguma outra coisa incumbe aos
Espíritos fazer, que não seja melhorarem-
se pessoalmente?
Os ministros de Deus são os Espíritos puros, sem
vínculo algum com a ignorância humana;
portanto, eles sabem o que fazem e o Senhor
dispensa confiança a todos os Seus
cooperadores em exercício no universo. A
ação dos Espíritos superiores é intensa, mas,
sem a fadiga que conheces. Não entra nas suas
cogitações mentais a fadiga, por não estarem
ligados a corpos materiais e, como já dissemos,
sujeitos às provas necessárias aos que ainda não
se libertaram das paixões inferiores.
FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
Eles não têm mais o que resgatar, não existem em seus
caminhos as provas que as criaturas enfrentam na Terra
para o devido despertamento das
qualidades espirituais que todos
possuímos. O trabalho os motiva para a alegria, como
prazer na cooperação ao Pai que a tudo comanda. Esses
Espíritos da confiança de Deus, sob o comando de
Jesus, obedecem às ordens do Mestre, que as recebe
diretamente de Deus, e as espraia na Terra, quando se
trata de serviço neste orbe. Quando partem para outros
mundos, o comando é do guia espiritual daquelas
regiões.
FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
Ninguém foge à ordem e à lei asseguradas pela
disciplina, regida por amor. Todos que vivem e
agem em qualquer parte da criação precisam dos
outros; somente Deus é Soberano na sustentação
da vida. No amanhã, poderás ser um ministro do
Senhor; basta que cresças compreendendo o
trabalho que deves realizar, basta que cresças no
amor para amar sem distinção, desconhecendo o
mal dentro de ti, mas compreendendo porque
existe a desarmonia nas mentes que procuram
acordar para a realidade.
FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
Começa a ser um ministro em teu
lar, sem imposição aos que vivem sob tua
proteção. Deixa desfazer em todo o teu ser
o perdão, a fraternidade pura, e não te
esqueças do trabalho honesto. Eis os
primeiros passos para que tenhas em mãos
a confiança de Deus para outras etapas de
serviço: não julgues a ninguém; ajuda a
todos em silêncio; não deixes ver uma
mão o que a outra faz.
FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
559. Também desempenham função
útil no Universo os Espíritos
inferiores e imperfeitos?
“Todos têm deveres a cumprir. Para
a construção de um edifício, não
concorre tanto o último dos
serventes de pedreiro, como o
arquiteto?”
FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
Espírito algum fica sem as bênçãos de Deus,
onde quer que seja. Todos se movem pela
vontade d'Aquele que os criou. Os Espíritos não
desconhecem que as almas foram criadas
simples e ignorantes. É justo que
compreendamos a necessidade de que elas
despertem para a vida maior, e é nessa luz de
compreensão que surge a liberdade, caminho
para a felicidade espiritual.
FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
O Universo, se podemos chamar assim toda a
criação, tem uma direção espiritual correta e pré-
estabelecida por leis, leis essas vigiadas por
Espíritos puros, interligados ao Criador que a tudo
percebe, por sentidos que escapam aos dos
homens. Ninguém, em relação a Deus, faz a sua
própria vontade. Sem a permissão do Senhor,
nada se faz na vida. Para construção de um grande
feito, milhares de mãos operam, desde os serviços
mais simples, até aos mais elevados. Assim é na
casa do Pai: todos tem obrigações a realizar.
FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
Deves, tu mesmo, achar a tua felicidade,
que não se encontra fora, mas, na
intimidade do teu ser. Somos revestidos
por casca, qual a ave a nascer, e
devemos quebrá-la para nos
libertarmos. Quando somos neófitos, o
Senhor nos ajuda por misericórdia, para
sairmos das sombras, contemplando a
luz do dia.
FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
Quem se encontra na luz, já passou pelas trevas. É nesse
sentido que os anjos têm tolerância com os Espíritos chamados
imperfeitos e inferiores. O dever do encarnado é o mesmo; quem tem
mais luz, deve servir de cicerone aos que não sabem o caminho. A
Doutrina dos Espíritos constitui facho de luz, com o dever de clarear
consciências e fazer despertar a fé esclarecida em todos os corações.
ESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptx
FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
Eis que surge para os homens
uma oportunidade de
compreender as leis de Deus
com mais profundidade, pelo
intercâmbio espiritual, ao
qual servem de instrumentos
os novos profetas, que o
progresso fez mudar o nome para
médiuns.
São incessantes as ocupações dos
Espíritos [...] atendendo-se a que
sempre ativos são os seus
pensamentos, porquanto vivem pelo
pensamento.
Não podemos, entretanto, identificar [...] as ocupações dos Espíritos com
as ocupações materiais dos homens [encarnados]. Essa mesma atividade
lhes constitui um
gozo, pela consciência que têm de ser úteis
KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Questão 563
Os Espíritos puros têm ocupações permanentes no imenso campo de atividades de
Deus. É bom que a nossa compreensão atinja as verdades espirituais: podemos
considerar a Terra como uma vinha grandiosa, uma oficina de trabalho, em que cada
um tem sua ocupação, de acordo com as possibilidades que alcançou.
Somente o trabalho nos eleva, quando a nobreza de caráter nos inspira.
Podemos verificar a que ordem
pertence um Espírito, pelo
trabalho que ele realiza, pelos
seus pensamentos e ideias.
Quando uma alma nos deseja
influenciar para o mal, ela ainda
está presa
no que pensa e faz. Notemos os
grandes
vultos da sociedade: eles são
exemplo máximo das realizações,
e as fazem
com alegria.
FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
Mesmo que as enfermidades
queiram dar um sinal
vermelho aos seus nobres
ideais, eles não param. Seus
pensamentos são cada vez
mais purificados pela
grandeza de seus corações,
para estender a fraternidade
cada vez mais, como laços
eternos nos corações.
FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
Existem Espíritos, todavia, que se conservam ociosos, [...] mas esse estado
é temporário e dependendo do desenvolvimento de suas inteligências. [...]
Pesa-lhes, porém, essa ociosidade e, cedo ou tarde, o desejo de progredir
lhes faz necessária a atividade e felizes se sentirão por poderem tornar-se
úteis.
KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Questão 564
Nada para na criação, e o próprio tempo se encarrega de despertar os que dormem
para a realidade cósmica. Quando acordamos, passamos a ativar a nossa parte, e
crescemos com a nossa boa vontade. Na profundidade do termo, não existe ociosidade;
todos caminhamos pela vontade d'Aquele que nos criou. Porém, todo sono é
transitório, e, se é transitório, mesmo quando estamos dormindo, opera-se em nós o
crescimento, por lei. Compete a nós outros observar essa verdade; é Deus em tudo
acionando a vida para dar mais vida.
FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
O tempo nos mostrará que o trabalho honesto nos dá prazer. Nele, e
por ele, nasce a esperança, porque não existe felicidade sem trabalho,
e o maior prazer dos Espíritos elevados é o labor honesto. É cumprir a
vontade de Deus na sequência que lhes é própria, sob o comando
universal. Todos fomos feitos iguais. Não há razão para a
desarmonia dos nossos sentimentos, nem para que a mecânica
universal mude o seu ritmo. Se Deus criou o amor como lei maior, o
nosso dever é amar a Ele sobre todas as coisas e ao próximo, ou a tudo,
como a nós mesmos. Segue-se daí, que, sem obediência às leis
estabelecidas, não existe paz para as consciências.
FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
O Evangelho é, acima de
tudo, um estatuto de
trabalho para a
humanidade. Trabalhar
para a humanidade é lei de
progresso e bem-estar para a
vida na Terra, e saber trabalhar
com Jesus é vida que alimenta
vidas, é tranquilidade para a
consciência.
As missões dos Espíritos têm sempre por objeto o bem. Quer como
Espíritos, quer como homens, são incumbidos de auxiliar o
progresso da Humanidade, dos povos ou dos indivíduos, dentro de
um círculo de ideias mais ou menos amplas, mais ou menos
especiais e de velar pela execução de determinadas coisas.
Alguns desempenham missões mais restritas e, de certo modo, pessoais ou
inteiramente locais, como sejam assistir os enfermos, os agonizantes, os
aflitos, velar por aqueles de quem se constituíram guias e protetores, dirigi-
los, dando-lhes conselhos ou inspirando-lhes bons pensamentos.
A importância das missões corresponde
às capacidades e à elevação do Espírito.
KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Questão 571
A Doutrina dos Espíritos, que o nosso irmão maior coordenou na Terra e deu o nome
de Espiritismo, nos favorece muitos meios, métodos variados de compreendermos
como devemos trabalhar, mas, primeiramente dentro de nós, conhecendo a verdade,
e nesse seguimento aparecerá em nós o sol da Divindade. Depois de despertados por
Cristo, temos a liberdade de pedir com consciência.
ESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptx
ESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Lei de causa e efeito
Lei de causa e efeitoLei de causa e efeito
Lei de causa e efeito
Ronaldo Pereira Rodrigues
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
Denise Aguiar
 
Terra escola dos espíritos
Terra escola dos espíritosTerra escola dos espíritos
Terra escola dos espíritos
bonattinho
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Bruno Cechinel Filho
 
Progressão dos espíritos e a Escala Espírita
Progressão dos espíritos e a Escala EspíritaProgressão dos espíritos e a Escala Espírita
Progressão dos espíritos e a Escala Espírita
Ponte de Luz ASEC
 
Onde deus escondeu a felicidade!
Onde deus escondeu a felicidade!Onde deus escondeu a felicidade!
Onde deus escondeu a felicidade!
Leonardo Pereira
 
Lei de destruição
Lei de destruiçãoLei de destruição
Lei de destruição
Izabel Cristina Fonseca
 
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Marcos Antônio Alves
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
Izabel Cristina Fonseca
 
Capitulo IV Principio vital
Capitulo IV  Principio vitalCapitulo IV  Principio vital
Capitulo IV Principio vital
Marta Gomes
 
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritualCapitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Marta Gomes
 
A vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualA vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritual
Graça Maciel
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
Rodrigo Leite
 
Lei do progresso
Lei do progressoLei do progresso
Lei do progresso
Candice Gunther
 
Espírito E Matéria
Espírito E MatériaEspírito E Matéria
Espírito E Matéria
Grupo Espírita Cristão
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
CeiClarencio
 
O Fluido Cósmico Universal
 O Fluido Cósmico Universal O Fluido Cósmico Universal
O Fluido Cósmico Universal
Denise Aguiar
 
Magnetismo e-fluido
Magnetismo e-fluidoMagnetismo e-fluido
Magnetismo e-fluido
MeDexa
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Denise Aguiar
 

Mais procurados (20)

Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
 
Lei de causa e efeito
Lei de causa e efeitoLei de causa e efeito
Lei de causa e efeito
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
 
Terra escola dos espíritos
Terra escola dos espíritosTerra escola dos espíritos
Terra escola dos espíritos
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
Progressão dos espíritos e a Escala Espírita
Progressão dos espíritos e a Escala EspíritaProgressão dos espíritos e a Escala Espírita
Progressão dos espíritos e a Escala Espírita
 
Onde deus escondeu a felicidade!
Onde deus escondeu a felicidade!Onde deus escondeu a felicidade!
Onde deus escondeu a felicidade!
 
Lei de destruição
Lei de destruiçãoLei de destruição
Lei de destruição
 
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
 
Capitulo IV Principio vital
Capitulo IV  Principio vitalCapitulo IV  Principio vital
Capitulo IV Principio vital
 
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritualCapitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
 
A vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualA vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritual
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
 
Lei do progresso
Lei do progressoLei do progresso
Lei do progresso
 
Espírito E Matéria
Espírito E MatériaEspírito E Matéria
Espírito E Matéria
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
 
O Fluido Cósmico Universal
 O Fluido Cósmico Universal O Fluido Cósmico Universal
O Fluido Cósmico Universal
 
Magnetismo e-fluido
Magnetismo e-fluidoMagnetismo e-fluido
Magnetismo e-fluido
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
 

Semelhante a ESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptx

Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
PatiSousa1
 
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
cak_sacramento
 
João nunes maia miramez - filosofia espirita i
João nunes maia   miramez - filosofia espirita iJoão nunes maia   miramez - filosofia espirita i
João nunes maia miramez - filosofia espirita i
havatar
 
6772159 joao-nunes-maia-espirito-miramez-filosofia-espirita-i
6772159 joao-nunes-maia-espirito-miramez-filosofia-espirita-i6772159 joao-nunes-maia-espirito-miramez-filosofia-espirita-i
6772159 joao-nunes-maia-espirito-miramez-filosofia-espirita-i
EWALDO DE SOUZA
 
05 ciclo basico
05 ciclo basico05 ciclo basico
05 ciclo basico
05 ciclo basico05 ciclo basico
Livro dos Espíritos Q346 ESE cap 28 3_VII
Livro dos Espíritos Q346 ESE cap 28 3_VIILivro dos Espíritos Q346 ESE cap 28 3_VII
Livro dos Espíritos Q346 ESE cap 28 3_VII
Patricia Farias
 
Palestra ESE cap17 Sede perfeitos
Palestra ESE cap17 Sede perfeitosPalestra ESE cap17 Sede perfeitos
Palestra ESE cap17 Sede perfeitos
Tiburcio Santos
 
A genese revisao capitulos 1 2 3
A genese revisao capitulos 1 2  3A genese revisao capitulos 1 2  3
A genese revisao capitulos 1 2 3
Fernando Pinto
 
Capítulo X - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.docx
Capítulo X - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.docxCapítulo X - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.docx
Capítulo X - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.docx
Marta Gomes
 
Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3
Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3
Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3
Patricia Farias
 
Estudo do livro Roteiro lição 40
Estudo do livro Roteiro lição 40Estudo do livro Roteiro lição 40
Estudo do livro Roteiro lição 40
Candice Gunther
 
Filosofia espirita volume i (psicografia joao nunes maia - espirito miramez)
Filosofia espirita   volume i (psicografia joao nunes maia - espirito miramez)Filosofia espirita   volume i (psicografia joao nunes maia - espirito miramez)
Filosofia espirita volume i (psicografia joao nunes maia - espirito miramez)
Levi Antonio Amancio
 
Sentido da vida 17jul10
Sentido da vida   17jul10Sentido da vida   17jul10
Sentido da vida 17jul10
Fraternidade Hilaríon de Monte Nebo
 
O reino do espírito
O reino do espíritoO reino do espírito
O reino do espírito
Silvio Dutra
 
Quem domina a sua mente
Quem domina a sua menteQuem domina a sua mente
Quem domina a sua mente
Vilma Longuini
 
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espíritoEsde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Elysio Laroide Lugarinho
 
A12 CBE DM - AS LEIS DA REENCARNAÇÃO E DO CARMA - A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO - 20...
A12 CBE DM - AS LEIS DA REENCARNAÇÃO E DO CARMA - A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO - 20...A12 CBE DM - AS LEIS DA REENCARNAÇÃO E DO CARMA - A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO - 20...
A12 CBE DM - AS LEIS DA REENCARNAÇÃO E DO CARMA - A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO - 20...
Daniel de Melo
 
Depois da morte - para onde vamos?
Depois da morte - para onde vamos?Depois da morte - para onde vamos?
Depois da morte - para onde vamos?
Leonardo Pereira
 
A Lei de Deus e Suas Consequências Morais
A  Lei de Deus e Suas Consequências MoraisA  Lei de Deus e Suas Consequências Morais
A Lei de Deus e Suas Consequências Morais
Cláudio Fajardo
 

Semelhante a ESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptx (20)

Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
 
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
 
João nunes maia miramez - filosofia espirita i
João nunes maia   miramez - filosofia espirita iJoão nunes maia   miramez - filosofia espirita i
João nunes maia miramez - filosofia espirita i
 
6772159 joao-nunes-maia-espirito-miramez-filosofia-espirita-i
6772159 joao-nunes-maia-espirito-miramez-filosofia-espirita-i6772159 joao-nunes-maia-espirito-miramez-filosofia-espirita-i
6772159 joao-nunes-maia-espirito-miramez-filosofia-espirita-i
 
05 ciclo basico
05 ciclo basico05 ciclo basico
05 ciclo basico
 
05 ciclo basico
05 ciclo basico05 ciclo basico
05 ciclo basico
 
Livro dos Espíritos Q346 ESE cap 28 3_VII
Livro dos Espíritos Q346 ESE cap 28 3_VIILivro dos Espíritos Q346 ESE cap 28 3_VII
Livro dos Espíritos Q346 ESE cap 28 3_VII
 
Palestra ESE cap17 Sede perfeitos
Palestra ESE cap17 Sede perfeitosPalestra ESE cap17 Sede perfeitos
Palestra ESE cap17 Sede perfeitos
 
A genese revisao capitulos 1 2 3
A genese revisao capitulos 1 2  3A genese revisao capitulos 1 2  3
A genese revisao capitulos 1 2 3
 
Capítulo X - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.docx
Capítulo X - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.docxCapítulo X - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.docx
Capítulo X - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.docx
 
Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3
Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3
Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3
 
Estudo do livro Roteiro lição 40
Estudo do livro Roteiro lição 40Estudo do livro Roteiro lição 40
Estudo do livro Roteiro lição 40
 
Filosofia espirita volume i (psicografia joao nunes maia - espirito miramez)
Filosofia espirita   volume i (psicografia joao nunes maia - espirito miramez)Filosofia espirita   volume i (psicografia joao nunes maia - espirito miramez)
Filosofia espirita volume i (psicografia joao nunes maia - espirito miramez)
 
Sentido da vida 17jul10
Sentido da vida   17jul10Sentido da vida   17jul10
Sentido da vida 17jul10
 
O reino do espírito
O reino do espíritoO reino do espírito
O reino do espírito
 
Quem domina a sua mente
Quem domina a sua menteQuem domina a sua mente
Quem domina a sua mente
 
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espíritoEsde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
 
A12 CBE DM - AS LEIS DA REENCARNAÇÃO E DO CARMA - A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO - 20...
A12 CBE DM - AS LEIS DA REENCARNAÇÃO E DO CARMA - A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO - 20...A12 CBE DM - AS LEIS DA REENCARNAÇÃO E DO CARMA - A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO - 20...
A12 CBE DM - AS LEIS DA REENCARNAÇÃO E DO CARMA - A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO - 20...
 
Depois da morte - para onde vamos?
Depois da morte - para onde vamos?Depois da morte - para onde vamos?
Depois da morte - para onde vamos?
 
A Lei de Deus e Suas Consequências Morais
A  Lei de Deus e Suas Consequências MoraisA  Lei de Deus e Suas Consequências Morais
A Lei de Deus e Suas Consequências Morais
 

Mais de Deborah Oliver

Quarto de Despejo - história da autora.pdf
Quarto de Despejo - história da autora.pdfQuarto de Despejo - história da autora.pdf
Quarto de Despejo - história da autora.pdf
Deborah Oliver
 
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
Esde x  lei de liberdade - roteiro iiEsde x  lei de liberdade - roteiro ii
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
Deborah Oliver
 
Esde x lei de liberdade - roteiro i
Esde x   lei de liberdade - roteiro iEsde x   lei de liberdade - roteiro i
Esde x lei de liberdade - roteiro i
Deborah Oliver
 
Grammar quiz reflexive pronouns
Grammar quiz   reflexive pronounsGrammar quiz   reflexive pronouns
Grammar quiz reflexive pronouns
Deborah Oliver
 
Lar, escola das almas
Lar, escola das almasLar, escola das almas
Lar, escola das almas
Deborah Oliver
 
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
Deborah Oliver
 
Sono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismo
Sono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismoSono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismo
Sono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismo
Deborah Oliver
 
Sono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da Alam
Sono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da AlamSono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da Alam
Sono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da Alam
Deborah Oliver
 
Saint patrick Day
Saint patrick DaySaint patrick Day
Saint patrick Day
Deborah Oliver
 
História da música 1
História da música 1História da música 1
História da música 1
Deborah Oliver
 
à Beira do abismo André Luiz ,Chico Xavier
à Beira do abismo   André Luiz ,Chico Xavierà Beira do abismo   André Luiz ,Chico Xavier
à Beira do abismo André Luiz ,Chico Xavier
Deborah Oliver
 
à Beira do abismo andré luiz ,chico xavier
à Beira do abismo   andré luiz ,chico xavierà Beira do abismo   andré luiz ,chico xavier
à Beira do abismo andré luiz ,chico xavier
Deborah Oliver
 
50 pinturas famosas no mundo
50 pinturas famosas no mundo50 pinturas famosas no mundo
50 pinturas famosas no mundo
Deborah Oliver
 
Mediunidade de cura
Mediunidade de curaMediunidade de cura
Mediunidade de cura
Deborah Oliver
 
áGua fluidificada
áGua fluidificadaáGua fluidificada
áGua fluidificada
Deborah Oliver
 
Nos domínios da mediunidade - Capítulo 12
Nos domínios da mediunidade - Capítulo 12Nos domínios da mediunidade - Capítulo 12
Nos domínios da mediunidade - Capítulo 12
Deborah Oliver
 
Materializações
MaterializaçõesMaterializações
Materializações
Deborah Oliver
 
percepeções de uma professora de Inglês
percepeções de uma professora de Inglêspercepeções de uma professora de Inglês
percepeções de uma professora de Inglês
Deborah Oliver
 

Mais de Deborah Oliver (18)

Quarto de Despejo - história da autora.pdf
Quarto de Despejo - história da autora.pdfQuarto de Despejo - história da autora.pdf
Quarto de Despejo - história da autora.pdf
 
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
Esde x  lei de liberdade - roteiro iiEsde x  lei de liberdade - roteiro ii
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
 
Esde x lei de liberdade - roteiro i
Esde x   lei de liberdade - roteiro iEsde x   lei de liberdade - roteiro i
Esde x lei de liberdade - roteiro i
 
Grammar quiz reflexive pronouns
Grammar quiz   reflexive pronounsGrammar quiz   reflexive pronouns
Grammar quiz reflexive pronouns
 
Lar, escola das almas
Lar, escola das almasLar, escola das almas
Lar, escola das almas
 
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
 
Sono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismo
Sono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismoSono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismo
Sono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismo
 
Sono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da Alam
Sono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da AlamSono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da Alam
Sono & Sonhos ESDE. Visão Espírita, Fenômenos da Atencipação da Alam
 
Saint patrick Day
Saint patrick DaySaint patrick Day
Saint patrick Day
 
História da música 1
História da música 1História da música 1
História da música 1
 
à Beira do abismo André Luiz ,Chico Xavier
à Beira do abismo   André Luiz ,Chico Xavierà Beira do abismo   André Luiz ,Chico Xavier
à Beira do abismo André Luiz ,Chico Xavier
 
à Beira do abismo andré luiz ,chico xavier
à Beira do abismo   andré luiz ,chico xavierà Beira do abismo   andré luiz ,chico xavier
à Beira do abismo andré luiz ,chico xavier
 
50 pinturas famosas no mundo
50 pinturas famosas no mundo50 pinturas famosas no mundo
50 pinturas famosas no mundo
 
Mediunidade de cura
Mediunidade de curaMediunidade de cura
Mediunidade de cura
 
áGua fluidificada
áGua fluidificadaáGua fluidificada
áGua fluidificada
 
Nos domínios da mediunidade - Capítulo 12
Nos domínios da mediunidade - Capítulo 12Nos domínios da mediunidade - Capítulo 12
Nos domínios da mediunidade - Capítulo 12
 
Materializações
MaterializaçõesMaterializações
Materializações
 
percepeções de uma professora de Inglês
percepeções de uma professora de Inglêspercepeções de uma professora de Inglês
percepeções de uma professora de Inglês
 

Último

Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
LaerciodeSouzaSilva1
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.pptA VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
EzeirAlvesdaSilva
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
OBrasilParaCristoRad
 

Último (20)

Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.pptA VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
 

ESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptx

  • 1. Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita Programa Complementar TOMO ÚNICO Módulo I - Vida no mundo espiritual
  • 2. Ocupações e missões dos espíritos
  • 3. Os Espíritos Superiores concorrem [...] para a harmonia do Universo, executando as vontades de Deus, cujos ministros eles são. A vida espírita é uma ocupação contínua, mas que nada tem de penosa, como a vida na Terra, porque não há a fadiga corporal, nem as angústias das necessidades. KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Questão 558 558. Alguma outra coisa incumbe aos Espíritos fazer, que não seja melhorarem- se pessoalmente?
  • 4. Os ministros de Deus são os Espíritos puros, sem vínculo algum com a ignorância humana; portanto, eles sabem o que fazem e o Senhor dispensa confiança a todos os Seus cooperadores em exercício no universo. A ação dos Espíritos superiores é intensa, mas, sem a fadiga que conheces. Não entra nas suas cogitações mentais a fadiga, por não estarem ligados a corpos materiais e, como já dissemos, sujeitos às provas necessárias aos que ainda não se libertaram das paixões inferiores. FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
  • 5. Eles não têm mais o que resgatar, não existem em seus caminhos as provas que as criaturas enfrentam na Terra para o devido despertamento das qualidades espirituais que todos possuímos. O trabalho os motiva para a alegria, como prazer na cooperação ao Pai que a tudo comanda. Esses Espíritos da confiança de Deus, sob o comando de Jesus, obedecem às ordens do Mestre, que as recebe diretamente de Deus, e as espraia na Terra, quando se trata de serviço neste orbe. Quando partem para outros mundos, o comando é do guia espiritual daquelas regiões. FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
  • 6. Ninguém foge à ordem e à lei asseguradas pela disciplina, regida por amor. Todos que vivem e agem em qualquer parte da criação precisam dos outros; somente Deus é Soberano na sustentação da vida. No amanhã, poderás ser um ministro do Senhor; basta que cresças compreendendo o trabalho que deves realizar, basta que cresças no amor para amar sem distinção, desconhecendo o mal dentro de ti, mas compreendendo porque existe a desarmonia nas mentes que procuram acordar para a realidade. FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
  • 7. Começa a ser um ministro em teu lar, sem imposição aos que vivem sob tua proteção. Deixa desfazer em todo o teu ser o perdão, a fraternidade pura, e não te esqueças do trabalho honesto. Eis os primeiros passos para que tenhas em mãos a confiança de Deus para outras etapas de serviço: não julgues a ninguém; ajuda a todos em silêncio; não deixes ver uma mão o que a outra faz. FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
  • 8. 559. Também desempenham função útil no Universo os Espíritos inferiores e imperfeitos? “Todos têm deveres a cumprir. Para a construção de um edifício, não concorre tanto o último dos serventes de pedreiro, como o arquiteto?”
  • 9. FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI Espírito algum fica sem as bênçãos de Deus, onde quer que seja. Todos se movem pela vontade d'Aquele que os criou. Os Espíritos não desconhecem que as almas foram criadas simples e ignorantes. É justo que compreendamos a necessidade de que elas despertem para a vida maior, e é nessa luz de compreensão que surge a liberdade, caminho para a felicidade espiritual.
  • 10. FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI O Universo, se podemos chamar assim toda a criação, tem uma direção espiritual correta e pré- estabelecida por leis, leis essas vigiadas por Espíritos puros, interligados ao Criador que a tudo percebe, por sentidos que escapam aos dos homens. Ninguém, em relação a Deus, faz a sua própria vontade. Sem a permissão do Senhor, nada se faz na vida. Para construção de um grande feito, milhares de mãos operam, desde os serviços mais simples, até aos mais elevados. Assim é na casa do Pai: todos tem obrigações a realizar.
  • 11. FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI Deves, tu mesmo, achar a tua felicidade, que não se encontra fora, mas, na intimidade do teu ser. Somos revestidos por casca, qual a ave a nascer, e devemos quebrá-la para nos libertarmos. Quando somos neófitos, o Senhor nos ajuda por misericórdia, para sairmos das sombras, contemplando a luz do dia.
  • 12. FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI Quem se encontra na luz, já passou pelas trevas. É nesse sentido que os anjos têm tolerância com os Espíritos chamados imperfeitos e inferiores. O dever do encarnado é o mesmo; quem tem mais luz, deve servir de cicerone aos que não sabem o caminho. A Doutrina dos Espíritos constitui facho de luz, com o dever de clarear consciências e fazer despertar a fé esclarecida em todos os corações.
  • 14. FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI Eis que surge para os homens uma oportunidade de compreender as leis de Deus com mais profundidade, pelo intercâmbio espiritual, ao qual servem de instrumentos os novos profetas, que o progresso fez mudar o nome para médiuns.
  • 15. São incessantes as ocupações dos Espíritos [...] atendendo-se a que sempre ativos são os seus pensamentos, porquanto vivem pelo pensamento. Não podemos, entretanto, identificar [...] as ocupações dos Espíritos com as ocupações materiais dos homens [encarnados]. Essa mesma atividade lhes constitui um gozo, pela consciência que têm de ser úteis KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Questão 563
  • 16. Os Espíritos puros têm ocupações permanentes no imenso campo de atividades de Deus. É bom que a nossa compreensão atinja as verdades espirituais: podemos considerar a Terra como uma vinha grandiosa, uma oficina de trabalho, em que cada um tem sua ocupação, de acordo com as possibilidades que alcançou. Somente o trabalho nos eleva, quando a nobreza de caráter nos inspira.
  • 17. Podemos verificar a que ordem pertence um Espírito, pelo trabalho que ele realiza, pelos seus pensamentos e ideias. Quando uma alma nos deseja influenciar para o mal, ela ainda está presa no que pensa e faz. Notemos os grandes vultos da sociedade: eles são exemplo máximo das realizações, e as fazem com alegria. FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
  • 18. Mesmo que as enfermidades queiram dar um sinal vermelho aos seus nobres ideais, eles não param. Seus pensamentos são cada vez mais purificados pela grandeza de seus corações, para estender a fraternidade cada vez mais, como laços eternos nos corações. FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
  • 19. Existem Espíritos, todavia, que se conservam ociosos, [...] mas esse estado é temporário e dependendo do desenvolvimento de suas inteligências. [...] Pesa-lhes, porém, essa ociosidade e, cedo ou tarde, o desejo de progredir lhes faz necessária a atividade e felizes se sentirão por poderem tornar-se úteis. KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Questão 564 Nada para na criação, e o próprio tempo se encarrega de despertar os que dormem para a realidade cósmica. Quando acordamos, passamos a ativar a nossa parte, e crescemos com a nossa boa vontade. Na profundidade do termo, não existe ociosidade; todos caminhamos pela vontade d'Aquele que nos criou. Porém, todo sono é transitório, e, se é transitório, mesmo quando estamos dormindo, opera-se em nós o crescimento, por lei. Compete a nós outros observar essa verdade; é Deus em tudo acionando a vida para dar mais vida. FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
  • 20. O tempo nos mostrará que o trabalho honesto nos dá prazer. Nele, e por ele, nasce a esperança, porque não existe felicidade sem trabalho, e o maior prazer dos Espíritos elevados é o labor honesto. É cumprir a vontade de Deus na sequência que lhes é própria, sob o comando universal. Todos fomos feitos iguais. Não há razão para a desarmonia dos nossos sentimentos, nem para que a mecânica universal mude o seu ritmo. Se Deus criou o amor como lei maior, o nosso dever é amar a Ele sobre todas as coisas e ao próximo, ou a tudo, como a nós mesmos. Segue-se daí, que, sem obediência às leis estabelecidas, não existe paz para as consciências. FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XI
  • 21. O Evangelho é, acima de tudo, um estatuto de trabalho para a humanidade. Trabalhar para a humanidade é lei de progresso e bem-estar para a vida na Terra, e saber trabalhar com Jesus é vida que alimenta vidas, é tranquilidade para a consciência.
  • 22. As missões dos Espíritos têm sempre por objeto o bem. Quer como Espíritos, quer como homens, são incumbidos de auxiliar o progresso da Humanidade, dos povos ou dos indivíduos, dentro de um círculo de ideias mais ou menos amplas, mais ou menos especiais e de velar pela execução de determinadas coisas.
  • 23. Alguns desempenham missões mais restritas e, de certo modo, pessoais ou inteiramente locais, como sejam assistir os enfermos, os agonizantes, os aflitos, velar por aqueles de quem se constituíram guias e protetores, dirigi- los, dando-lhes conselhos ou inspirando-lhes bons pensamentos.
  • 24. A importância das missões corresponde às capacidades e à elevação do Espírito. KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Questão 571
  • 25. A Doutrina dos Espíritos, que o nosso irmão maior coordenou na Terra e deu o nome de Espiritismo, nos favorece muitos meios, métodos variados de compreendermos como devemos trabalhar, mas, primeiramente dentro de nós, conhecendo a verdade, e nesse seguimento aparecerá em nós o sol da Divindade. Depois de despertados por Cristo, temos a liberdade de pedir com consciência.