SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola de Milão
PSICOLOGIA DE FAMILIA – IARA NANCY RIOS
PAULO SAPUCAIA & SHEILA NAJARA
Escola de Milão - Fundação
• Psicanalista infantil
• Nos anos 60, iniciou a escola de Milão (Modelo Estratégico) fortemente
influenciada pelo grupo de Palo Alto.
• O seu enorme interesse pelo estudo dos distúrbios 1916-1999 mentais
graves e a intervenção demorada do modelo psicanalítico contribuíram
bastante para que Palazzoli e a sua equipa se debruçassem sobre a
epistemologia cibernética.
Fundaram o “Centro per lo studio della famiglia” O contributo desta escola
foi fundamental e pioneiro no universo da terapia familiar.
Terapia Familiar
Psiquiatras e psicanalistas milaneses, afastaram-se da
psicanalise na déc. 70. Davam ênfase ao tratamento da familia
como um todo, priorizando observação do “jogo
intrafamiliar". Regras internas e implicitas que regem a familia
eque, normamente servem de apoio a sintomática.
A Terapia Familiar nasceu na década de 50 e não se trata
apenas de uma técnica terapêutica, ela foi ampliada e
mostrada como poderia ser aplicada no campo da psiquiatria
ao tratar da dinâmica das relações e ao entender os
fenômenos físicos, sociais, culturais, econômicos como
interdependentes e inter-relacionados.
Terapia Familiar
O interesse no sistema familiar desenvolveu se inevitavelmente a
partir das tendências de Norbert Wiener e de Bateson,
considerando assim que a família é um osganismo vivo, com um
ciclo vital e macanismos de reprodução tanto no nível físico
quanto no psicológico e social.
O surgimento da Escola de Milão, com novas idéias e hipóteses
sistêmicas tem uma influência cricial na forma de pensar e rever
concepções teóricas e técnicas, principalmente no que se refere
às idéias de objetividade e neutralidade do terapeuta. O mesmo
passa a ser visto como observador participante, sendo um co-
construtor do processo terapêutico, tornando-se parte do
sistema.
Conceitos Básicos
HIPÓTESES
Ponto inicial das investigações;
Aqui a equipa constrói palpites, suposições ou explicações para
a situação da família com base na informação que têm até ao
momento. (Esses palpites devem permitir que cada participante
sinta-se envolvido);
Quando se rejeita uma hipótese a mesma não é considerada
como um erro mas um aprofundamento da compreensão.
“A hipótese tem que ser circular e relacional, ligando todos os
elementos da família de um modo sistémico”.
Conceitos Básicos
CIRCULARIDADE
O terapeuta envolve-se através da retroalimentação que
recebe da família, voltando-se para todos do contexto;
A informação é obtida em termos de comportamentos
interativos (processo) citados por vários membros da
família;
Modelo de questionamento triádico:
Perguntar à pessoa A qual a sua percepção sobre um aspecto
da relação entre o B e o C.
Conceitos Básicos
NEUTRALIDADE
O terapeuta deve procurar ser o mais neutro possível,
evitando estabelecer alianças com certos membros da
família e tecer juízos morais sobre o comportamento da
mesma;
Quanto mais interessado em provocar o feedback e coletar
informações, menos apto a fazer julgamentos morais;
Função Terapêutica
A ênfase está em encontrar o significado que o sistema
familiar atribui ao problema;
Na conversação, quando uma pessoa do sistema se
expressa gera possibilidades dos outros membros se auto
observarem;
As perguntas servem para desestruturar o sistema de
crenças, pois organiza-se no que ocorre na interação.
Função Terapêutica
Relacionamentos na família não são hierárquicos, são
sequências de comportamentos que emanam das regras do
jogo. O objetivo da terapia é mudar as regras do jogo para
permitir mudanças de comportamento sintomático.
Conhecer a História permite liberar mais informações no
sistemas para que os membros da família estabeleçam
conexões;
“Eles estão jogando o jogo deles. Eles estão
jogando de não jogar um jogo. Se eu lhes mostrar
que os vejo tal qual eles estão, quebrarei as regras
do seu jogo, e receberei a sua punição. O que eu
devo, pois, é jogar o jogo deles, o jogo de não ver o
jogo que eles estão jogando.”
Ronald Laing

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicodrama e dinamica_de_grupo
Psicodrama e dinamica_de_grupoPsicodrama e dinamica_de_grupo
Psicodrama e dinamica_de_grupo
Ivo Fonseca
 
Grupo Operativo
Grupo OperativoGrupo Operativo
Grupoterapias
GrupoterapiasGrupoterapias
Grupoterapias
Rayanne Chagas
 
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva InfantilTerapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Prática de Serviço Social Psicossocial
Prática de Serviço Social PsicossocialPrática de Serviço Social Psicossocial
Prática de Serviço Social Psicossocial
UTAD - Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
 
Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária    Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária
Angela Pereira de Farias
 
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposIntrodução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Claudson Cerqueira Santana
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
Rita Cristiane Pavan
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
Caio Maximino
 
Gestalt-Terapia
Gestalt-TerapiaGestalt-Terapia
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Alexandre Simoes
 
Introdução - Psicologia da Educação
Introdução - Psicologia da EducaçãoIntrodução - Psicologia da Educação
Introdução - Psicologia da Educação
Andréa Forgiarni Cechin
 
Psicoterapias miriam
Psicoterapias miriamPsicoterapias miriam
Psicoterapias miriam
Miriam Gorender
 
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICAESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
235566559 plantao-psicologico
235566559 plantao-psicologico235566559 plantao-psicologico
235566559 plantao-psicologico
Jeanne Araujo
 
Psicologia cognitiva
Psicologia cognitivaPsicologia cognitiva
Psicologia cognitiva
angelafreire
 
O psicólogo no sus
O psicólogo no susO psicólogo no sus
O psicólogo no sus
Denílson Maia
 
Avaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamentalAvaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamental
Elizabeth Barbosa
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
Aroldo Gavioli
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
GEDRBRASIL_ESTUDANDORARAS
 

Mais procurados (20)

Psicodrama e dinamica_de_grupo
Psicodrama e dinamica_de_grupoPsicodrama e dinamica_de_grupo
Psicodrama e dinamica_de_grupo
 
Grupo Operativo
Grupo OperativoGrupo Operativo
Grupo Operativo
 
Grupoterapias
GrupoterapiasGrupoterapias
Grupoterapias
 
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva InfantilTerapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
 
Prática de Serviço Social Psicossocial
Prática de Serviço Social PsicossocialPrática de Serviço Social Psicossocial
Prática de Serviço Social Psicossocial
 
Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária    Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária
 
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposIntrodução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
 
Gestalt-Terapia
Gestalt-TerapiaGestalt-Terapia
Gestalt-Terapia
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
 
Introdução - Psicologia da Educação
Introdução - Psicologia da EducaçãoIntrodução - Psicologia da Educação
Introdução - Psicologia da Educação
 
Psicoterapias miriam
Psicoterapias miriamPsicoterapias miriam
Psicoterapias miriam
 
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICAESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
 
235566559 plantao-psicologico
235566559 plantao-psicologico235566559 plantao-psicologico
235566559 plantao-psicologico
 
Psicologia cognitiva
Psicologia cognitivaPsicologia cognitiva
Psicologia cognitiva
 
O psicólogo no sus
O psicólogo no susO psicólogo no sus
O psicólogo no sus
 
Avaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamentalAvaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamental
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 

Semelhante a Escola de milão

WEBAULAS - Terapia Familiar Sistêmica - Cap 1.pdf
WEBAULAS - Terapia Familiar Sistêmica - Cap 1.pdfWEBAULAS - Terapia Familiar Sistêmica - Cap 1.pdf
WEBAULAS - Terapia Familiar Sistêmica - Cap 1.pdf
MarciaCristine2
 
psicologia familiar
psicologia familiarpsicologia familiar
psicologia familiar
faculdadeteologica
 
Grupos Terapêuticos
Grupos TerapêuticosGrupos Terapêuticos
Grupos Terapêuticos
ANA BELA DOS SANTOS
 
Constelação Familiar
Constelação Familiar Constelação Familiar
Constelação Familiar
MicheliZandon1
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
Cristiane Blanco
 
Depressão infantil 2014
Depressão infantil 2014Depressão infantil 2014
Depressão infantil 2014
kmillaalves
 
Psico higiene -cap4-blegger
Psico higiene -cap4-bleggerPsico higiene -cap4-blegger
Psico higiene -cap4-blegger
Marcelo Marinho
 
Comportamento Humano
Comportamento HumanoComportamento Humano
Comportamento Humano
Adrianadiasbrito
 
Formulação de Caso - TCC
Formulação de Caso - TCCFormulação de Caso - TCC
Formulação de Caso - TCC
Michele Santos
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
Cristiane Blanco
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
Cristiane Blanco
 
spi9 psicologia e psicanálise cristã
spi9 psicologia e psicanálise cristãspi9 psicologia e psicanálise cristã
spi9 psicologia e psicanálise cristã
faculdadeteologica
 
5174 15405-1-pb
5174 15405-1-pb5174 15405-1-pb
A enfermagem e o cuidado na saúde da família
A enfermagem e o cuidado na saúde da famíliaA enfermagem e o cuidado na saúde da família
A enfermagem e o cuidado na saúde da família
cristinadf
 
AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx
AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptxAULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx
AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx
AndraRibeiroSouza
 
Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4
Marlon Urban Flores
 
TDAH em adolescentes residentes em comunidades terapêuticas
TDAH em adolescentes residentes em comunidades terapêuticas TDAH em adolescentes residentes em comunidades terapêuticas
TDAH em adolescentes residentes em comunidades terapêuticas
Kátia Beraldi
 
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
Marcelo da Rocha Carvalho
 
4 família, psicanálise e sociedade
4 família, psicanálise e sociedade4 família, psicanálise e sociedade
4 família, psicanálise e sociedade
faculdadeteologica
 
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Marcelo da Rocha Carvalho
 

Semelhante a Escola de milão (20)

WEBAULAS - Terapia Familiar Sistêmica - Cap 1.pdf
WEBAULAS - Terapia Familiar Sistêmica - Cap 1.pdfWEBAULAS - Terapia Familiar Sistêmica - Cap 1.pdf
WEBAULAS - Terapia Familiar Sistêmica - Cap 1.pdf
 
psicologia familiar
psicologia familiarpsicologia familiar
psicologia familiar
 
Grupos Terapêuticos
Grupos TerapêuticosGrupos Terapêuticos
Grupos Terapêuticos
 
Constelação Familiar
Constelação Familiar Constelação Familiar
Constelação Familiar
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Depressão infantil 2014
Depressão infantil 2014Depressão infantil 2014
Depressão infantil 2014
 
Psico higiene -cap4-blegger
Psico higiene -cap4-bleggerPsico higiene -cap4-blegger
Psico higiene -cap4-blegger
 
Comportamento Humano
Comportamento HumanoComportamento Humano
Comportamento Humano
 
Formulação de Caso - TCC
Formulação de Caso - TCCFormulação de Caso - TCC
Formulação de Caso - TCC
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
spi9 psicologia e psicanálise cristã
spi9 psicologia e psicanálise cristãspi9 psicologia e psicanálise cristã
spi9 psicologia e psicanálise cristã
 
5174 15405-1-pb
5174 15405-1-pb5174 15405-1-pb
5174 15405-1-pb
 
A enfermagem e o cuidado na saúde da família
A enfermagem e o cuidado na saúde da famíliaA enfermagem e o cuidado na saúde da família
A enfermagem e o cuidado na saúde da família
 
AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx
AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptxAULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx
AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx
 
Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4
 
TDAH em adolescentes residentes em comunidades terapêuticas
TDAH em adolescentes residentes em comunidades terapêuticas TDAH em adolescentes residentes em comunidades terapêuticas
TDAH em adolescentes residentes em comunidades terapêuticas
 
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
 
4 família, psicanálise e sociedade
4 família, psicanálise e sociedade4 família, psicanálise e sociedade
4 família, psicanálise e sociedade
 
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
 

Mais de Paulopereiraunirb

Morte
MorteMorte
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
Paulopereiraunirb
 
Sliders.escola milao
Sliders.escola milaoSliders.escola milao
Sliders.escola milao
Paulopereiraunirb
 
TDAH
TDAH TDAH
Descartes,Hume,Pascal
Descartes,Hume,PascalDescartes,Hume,Pascal
Descartes,Hume,Pascal
Paulopereiraunirb
 
aula Freud slide
aula Freud slideaula Freud slide
aula Freud slide
Paulopereiraunirb
 

Mais de Paulopereiraunirb (6)

Morte
MorteMorte
Morte
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
Sliders.escola milao
Sliders.escola milaoSliders.escola milao
Sliders.escola milao
 
TDAH
TDAH TDAH
TDAH
 
Descartes,Hume,Pascal
Descartes,Hume,PascalDescartes,Hume,Pascal
Descartes,Hume,Pascal
 
aula Freud slide
aula Freud slideaula Freud slide
aula Freud slide
 

Escola de milão

  • 1. Escola de Milão PSICOLOGIA DE FAMILIA – IARA NANCY RIOS PAULO SAPUCAIA & SHEILA NAJARA
  • 2. Escola de Milão - Fundação • Psicanalista infantil • Nos anos 60, iniciou a escola de Milão (Modelo Estratégico) fortemente influenciada pelo grupo de Palo Alto. • O seu enorme interesse pelo estudo dos distúrbios 1916-1999 mentais graves e a intervenção demorada do modelo psicanalítico contribuíram bastante para que Palazzoli e a sua equipa se debruçassem sobre a epistemologia cibernética. Fundaram o “Centro per lo studio della famiglia” O contributo desta escola foi fundamental e pioneiro no universo da terapia familiar.
  • 3. Terapia Familiar Psiquiatras e psicanalistas milaneses, afastaram-se da psicanalise na déc. 70. Davam ênfase ao tratamento da familia como um todo, priorizando observação do “jogo intrafamiliar". Regras internas e implicitas que regem a familia eque, normamente servem de apoio a sintomática. A Terapia Familiar nasceu na década de 50 e não se trata apenas de uma técnica terapêutica, ela foi ampliada e mostrada como poderia ser aplicada no campo da psiquiatria ao tratar da dinâmica das relações e ao entender os fenômenos físicos, sociais, culturais, econômicos como interdependentes e inter-relacionados.
  • 4. Terapia Familiar O interesse no sistema familiar desenvolveu se inevitavelmente a partir das tendências de Norbert Wiener e de Bateson, considerando assim que a família é um osganismo vivo, com um ciclo vital e macanismos de reprodução tanto no nível físico quanto no psicológico e social. O surgimento da Escola de Milão, com novas idéias e hipóteses sistêmicas tem uma influência cricial na forma de pensar e rever concepções teóricas e técnicas, principalmente no que se refere às idéias de objetividade e neutralidade do terapeuta. O mesmo passa a ser visto como observador participante, sendo um co- construtor do processo terapêutico, tornando-se parte do sistema.
  • 5. Conceitos Básicos HIPÓTESES Ponto inicial das investigações; Aqui a equipa constrói palpites, suposições ou explicações para a situação da família com base na informação que têm até ao momento. (Esses palpites devem permitir que cada participante sinta-se envolvido); Quando se rejeita uma hipótese a mesma não é considerada como um erro mas um aprofundamento da compreensão. “A hipótese tem que ser circular e relacional, ligando todos os elementos da família de um modo sistémico”.
  • 6. Conceitos Básicos CIRCULARIDADE O terapeuta envolve-se através da retroalimentação que recebe da família, voltando-se para todos do contexto; A informação é obtida em termos de comportamentos interativos (processo) citados por vários membros da família; Modelo de questionamento triádico: Perguntar à pessoa A qual a sua percepção sobre um aspecto da relação entre o B e o C.
  • 7. Conceitos Básicos NEUTRALIDADE O terapeuta deve procurar ser o mais neutro possível, evitando estabelecer alianças com certos membros da família e tecer juízos morais sobre o comportamento da mesma; Quanto mais interessado em provocar o feedback e coletar informações, menos apto a fazer julgamentos morais;
  • 8. Função Terapêutica A ênfase está em encontrar o significado que o sistema familiar atribui ao problema; Na conversação, quando uma pessoa do sistema se expressa gera possibilidades dos outros membros se auto observarem; As perguntas servem para desestruturar o sistema de crenças, pois organiza-se no que ocorre na interação.
  • 9. Função Terapêutica Relacionamentos na família não são hierárquicos, são sequências de comportamentos que emanam das regras do jogo. O objetivo da terapia é mudar as regras do jogo para permitir mudanças de comportamento sintomático. Conhecer a História permite liberar mais informações no sistemas para que os membros da família estabeleçam conexões;
  • 10. “Eles estão jogando o jogo deles. Eles estão jogando de não jogar um jogo. Se eu lhes mostrar que os vejo tal qual eles estão, quebrarei as regras do seu jogo, e receberei a sua punição. O que eu devo, pois, é jogar o jogo deles, o jogo de não ver o jogo que eles estão jogando.” Ronald Laing