SlideShare uma empresa Scribd logo
Antropologia
Se institucionaliza como ciência no período
  da Primeira Guerra Mundial

   Cultural Norte-americana:

   Social Inglesa

   Social Francesa
Antropologia
 Cultural Norte-americana:
Fundador: Franz Boas (1858-1942). Ele rejeita
   a ligação tradicional entre raça e cultura. Crítico
   ao evolucionismo.
Elabora o conceito de cultura como uma estrutura
   relativista, pluralista, integrada e historicamente
   condicionada para o estudo da determinação do
   comportamento humano.

   Mostra as inúmeras possibilidades de
    variação cultural produzidas social e
    historicamente
Antropologia cultural norte-americana
  estabeleceu profundas relações com a
  história e a psicologia social – adquire uma
  dimensão prática e política. Desenvolve
  duas áreas de estudo:

-Estudos sobre cultura e personalidade:
  Ruth Benedict, Margaret Mead

- Estudos dos contatos culturais: Robert
   Redfield, Oscar Lewis, Melville Herskowitz
Escola de Cultura e Personalidade
   A partir dos anos 20 do século XX
   A formação dos padrões de personalidade e
    temperamento baseiam-se nos condicionantes da
    cultura, da história e da psicologia
   Pesquisa de Ruth Benedict (1887-1948): Padrões de
    cultura (1934): fala dos estilos de personalidades
    desenvolvidos nas culturas humanas.
Entende a cultura como um “grande arco” sob o qual se
   colocam os interesses e as possibilidades humanas. O
   sentido dado aos fenômenos depende da escolha e da
   organização produzida pelos homens, dos elementos e
   instituições depositados no fundo do arco.
Escola de Cultura e Personalidade
   Pesquisa de Margaret Mead (1901-1978)
    com adolescentes das ilhas Samoa e Manu.
    Livros importantes: Coming of age in
    Samoa (1928); Growing up in New Guinea
    (1930); Sexo e Temperamento (1935) e
    Macho e fêmea (1947): contribuíram na
    formulação do campo da antropologia da
    criança e a antropologia da educação
Características principais dessa
            “escola”
   Enfase no estudo das especificidades
    culturais locais em termos de uma
    totalidade coerente e integrada
   Enfase na interdisciplinaridade, sobretudo
    com a psicologia
   Enfase na relação indivíduo-sociedade
    resultando na caracterização de
    configuraçõesculturais e tipos psicológicos
   Enfase nos processos de socialização,em
    particular, a educação infantil
   Antropólogos e psicólogos: estudos sobre
    cultura e personalidade, principalmente
    estudos de formação do “caráter nacional”
    de um povo ou país

   Impacto da Segunda Guerra mundial
    nesses estudos
   Ciências sociais postulam que as diferenças
    entre os gêneros são socialmente construídas

   Não há um padrão universal para
    comportamentos sexuais ou de gênero que seja
    considerado normal, certo ou superior

   Arbitrariedade cultural: o gênero só pode ser
    compreendido em relação a uma cultura
    específica
   Na cultura ocidental, supoe-se que o masculino
    seja dotado de maior agressividade e o feminino
    de maior suavidade e delicadeza
Margaret Mead, na década de 193O, estudou
 esta questão em outras culturas e
 descobriu que não existe relação direta
 entre sexo, conduta social e personalidade
   Demonstrou que os papéis sexuais eram
    determinados pelas expectativas sociais

   Exemplo: 3 culturas de Nová Guiné:

- Arapesh: “cultura maternal”
-Mundugumor: comportamento agressivo
-Tchambuli: personalidades invertidas em
   relação ao padrão ocidental
“Aqui, procurando reconhecidamente alguma luz sobre a
  questão das diferenças sexuais, encontrei três tribos,
  todas convenientemente situadas dentro de uma área
  de cem milhas. Numa delas, homens e mulheres
  agiam como esperamos que as mulheres ajam: de
  um suave modo parental e sensível; na segunda,
  ambos agiam como esperamos que os homens
  ajam: com bravia iniciativa; e na terceira, os homens
  agem segundo o nosso estereótipo para as
  mulheres, são fingidos, usam cachos e vão às
  compras, enquanto as mulheres são enérgicas,
  administradoras, parceiros desadornados”. (1969;
  10)
 A proposta, segundo Mead, era o estudo do
  “condicionamento das personalidades sociais dos
  dois sexos”. (1969; 09).
Em outras palavras, podemos dizer que Margaret Mead
  estava interessada em saber como uma sociedade
  poderia moldar os comportamentos de homens e
  mulheres, o que significa dizer que os
  comportamentos de homens e mulheres podem
  variar de acordo com seu contexto social.
 O modo como homens e mulheres se comportam em
  sociedade corresponde a um intenso aprendizado
  sociocultural que nos ensina a agir conforme as
  prescrições de cada gênero
   O papel que a biologia desempenha na determinação
    dos comportamentos humanos é fraco. Contudo, de
    acordo com o senso comum, as condutas de homens
    e mulheres originam-se de uma dimensão natural
    inscrita nos corpos

   A natureza humana é incrivelmente maleável,
    respondendo diferentemente a condições
    culturais contrastantes

   As diferenças entre indivíduos de diferentes
    culturas devem ser atribuídas às diferenças de
    condicionamento, em particular durante a
    primeira infância
As pessoas nascem pertencendo a um dos
 sexos, mas elas só passam a pertencer ao
 gênero masculino ou feminino através de
 um processo de aprendizado, ou seja, de
 socialização. O sexo, neste sentido, é um
 conceito biológico, ao passo que o gênero é
 um conceito que enfatiza os aspectos sócio-
 culturais, sendo, portanto, sociológico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Juventude no cenário brasileiro
Juventude no cenário brasileiroJuventude no cenário brasileiro
Juventude no cenário brasileiro
Gisele Finatti Baraglio
 
Método Etnográfico
Método EtnográficoMétodo Etnográfico
Método Etnográfico
Anita Rink
 
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Manoelito Filho Soares
 
Aula 1 laraia - intro e cap1 - det. biologico - cópia
Aula 1   laraia - intro e cap1 - det. biologico - cópiaAula 1   laraia - intro e cap1 - det. biologico - cópia
Aula 1 laraia - intro e cap1 - det. biologico - cópia
Jose Uchoa
 
Mapa conceitual antropologia 2
Mapa conceitual antropologia 2Mapa conceitual antropologia 2
Mapa conceitual antropologia 2
Biosfera MS
 
Relações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexualRelações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexual
Flávia Cunha Lima
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
Edenilson Morais
 
Cultura e informação roque laraia
Cultura e informação   roque laraiaCultura e informação   roque laraia
Cultura e informação roque laraia
Portal do Vestibulando
 
Vygotsky
VygotskyVygotsky
Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedade
carlosbidu
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
Over Lane
 
Cultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológicoCultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológico
Direito Nabuco
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Saulo Lucena
 
Aula 1 antropologia
Aula 1   antropologiaAula 1   antropologia
Aula 1 antropologia
Ludmila Moura
 
Aula 05 escola de frankfurt e teoria crítica 01
Aula 05   escola de frankfurt e teoria crítica 01Aula 05   escola de frankfurt e teoria crítica 01
Aula 05 escola de frankfurt e teoria crítica 01
Elizeu Nascimento Silva
 
mapa antropologia
mapa antropologiamapa antropologia
mapa antropologia
ze_flavio
 
Slide de didática
Slide de didáticaSlide de didática
Etnia, diversidade cultural e conflitos
Etnia, diversidade cultural e conflitos Etnia, diversidade cultural e conflitos
Etnia, diversidade cultural e conflitos
Professora Verônica Santos
 
Cultura um conceito antropológico Roque Laraia
Cultura um conceito antropológico  Roque LaraiaCultura um conceito antropológico  Roque Laraia
Cultura um conceito antropológico Roque Laraia
Gisele Da Fonseca
 
O que é cultura?
O que é cultura?O que é cultura?
O que é cultura?
Renata Telha
 

Mais procurados (20)

Juventude no cenário brasileiro
Juventude no cenário brasileiroJuventude no cenário brasileiro
Juventude no cenário brasileiro
 
Método Etnográfico
Método EtnográficoMétodo Etnográfico
Método Etnográfico
 
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
 
Aula 1 laraia - intro e cap1 - det. biologico - cópia
Aula 1   laraia - intro e cap1 - det. biologico - cópiaAula 1   laraia - intro e cap1 - det. biologico - cópia
Aula 1 laraia - intro e cap1 - det. biologico - cópia
 
Mapa conceitual antropologia 2
Mapa conceitual antropologia 2Mapa conceitual antropologia 2
Mapa conceitual antropologia 2
 
Relações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexualRelações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexual
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
 
Cultura e informação roque laraia
Cultura e informação   roque laraiaCultura e informação   roque laraia
Cultura e informação roque laraia
 
Vygotsky
VygotskyVygotsky
Vygotsky
 
Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedade
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Cultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológicoCultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológico
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
 
Aula 1 antropologia
Aula 1   antropologiaAula 1   antropologia
Aula 1 antropologia
 
Aula 05 escola de frankfurt e teoria crítica 01
Aula 05   escola de frankfurt e teoria crítica 01Aula 05   escola de frankfurt e teoria crítica 01
Aula 05 escola de frankfurt e teoria crítica 01
 
mapa antropologia
mapa antropologiamapa antropologia
mapa antropologia
 
Slide de didática
Slide de didáticaSlide de didática
Slide de didática
 
Etnia, diversidade cultural e conflitos
Etnia, diversidade cultural e conflitos Etnia, diversidade cultural e conflitos
Etnia, diversidade cultural e conflitos
 
Cultura um conceito antropológico Roque Laraia
Cultura um conceito antropológico  Roque LaraiaCultura um conceito antropológico  Roque Laraia
Cultura um conceito antropológico Roque Laraia
 
O que é cultura?
O que é cultura?O que é cultura?
O que é cultura?
 

Destaque

Ruth benedict
Ruth benedictRuth benedict
Ruth benedict
barbarabessa
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
Carlos Pessoa
 
Ficha Informativa 2 Pessoa E Cultura
Ficha Informativa   2 Pessoa E CulturaFicha Informativa   2 Pessoa E Cultura
Ficha Informativa 2 Pessoa E Cultura
abarros
 
Pessoa e cultura
Pessoa e culturaPessoa e cultura
Pessoa e cultura
Tânia Pinho
 
Ficha Informativa 1 Pessoa E Cultura
Ficha Informativa   1 Pessoa E CulturaFicha Informativa   1 Pessoa E Cultura
Ficha Informativa 1 Pessoa E Cultura
abarros
 
Pessoa e Cultura - Luís Rodrigues
Pessoa e Cultura - Luís RodriguesPessoa e Cultura - Luís Rodrigues
Pessoa e Cultura - Luís Rodrigues
Nuno Cunha
 
Ai 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e culturaAi 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e cultura
Carlos Henrique Tavares
 
OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...
OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...
OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...
Claudia Elisabete Silva
 
Metodo etnografico ok
Metodo etnografico okMetodo etnografico ok
Metodo etnografico ok
HIRÃ SOARES JUSTO
 
Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014
Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014
Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014
Douglas Barreto
 
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Patricia Martins
 
Pessoa E Cultura MóDulo 1
Pessoa E Cultura   MóDulo 1Pessoa E Cultura   MóDulo 1
Pessoa E Cultura MóDulo 1
abarros
 
LA PSICOLOGIA DE ARISTOTELES
LA PSICOLOGIA DE ARISTOTELESLA PSICOLOGIA DE ARISTOTELES
LA PSICOLOGIA DE ARISTOTELES
Alexis Duarte Castilla
 
O crisântemo e a espada, Ruth Benedict.
O crisântemo e a espada, Ruth Benedict.O crisântemo e a espada, Ruth Benedict.
O crisântemo e a espada, Ruth Benedict.
Amanda Gonçalves
 
Mead presentation
Mead presentationMead presentation
Mead presentation
acg34
 
Margaret mead presentation
Margaret mead presentationMargaret mead presentation
Margaret mead presentation
Niente Ellis
 
Margaret Mead
Margaret MeadMargaret Mead
Margaret Mead
Cecilia Berro
 
Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)
Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)
Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)
Adalene Sales
 
Tfg filipe oliveira - pavilhões de identidade e cultura
Tfg   filipe oliveira - pavilhões de identidade e culturaTfg   filipe oliveira - pavilhões de identidade e cultura
Tfg filipe oliveira - pavilhões de identidade e cultura
Filipe Oliveira
 

Destaque (20)

Ruth benedict
Ruth benedictRuth benedict
Ruth benedict
 
Ruth Benedict
Ruth BenedictRuth Benedict
Ruth Benedict
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
 
Ficha Informativa 2 Pessoa E Cultura
Ficha Informativa   2 Pessoa E CulturaFicha Informativa   2 Pessoa E Cultura
Ficha Informativa 2 Pessoa E Cultura
 
Pessoa e cultura
Pessoa e culturaPessoa e cultura
Pessoa e cultura
 
Ficha Informativa 1 Pessoa E Cultura
Ficha Informativa   1 Pessoa E CulturaFicha Informativa   1 Pessoa E Cultura
Ficha Informativa 1 Pessoa E Cultura
 
Pessoa e Cultura - Luís Rodrigues
Pessoa e Cultura - Luís RodriguesPessoa e Cultura - Luís Rodrigues
Pessoa e Cultura - Luís Rodrigues
 
Ai 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e culturaAi 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e cultura
 
OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...
OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...
OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...
 
Metodo etnografico ok
Metodo etnografico okMetodo etnografico ok
Metodo etnografico ok
 
Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014
Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014
Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014
 
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
 
Pessoa E Cultura MóDulo 1
Pessoa E Cultura   MóDulo 1Pessoa E Cultura   MóDulo 1
Pessoa E Cultura MóDulo 1
 
LA PSICOLOGIA DE ARISTOTELES
LA PSICOLOGIA DE ARISTOTELESLA PSICOLOGIA DE ARISTOTELES
LA PSICOLOGIA DE ARISTOTELES
 
O crisântemo e a espada, Ruth Benedict.
O crisântemo e a espada, Ruth Benedict.O crisântemo e a espada, Ruth Benedict.
O crisântemo e a espada, Ruth Benedict.
 
Mead presentation
Mead presentationMead presentation
Mead presentation
 
Margaret mead presentation
Margaret mead presentationMargaret mead presentation
Margaret mead presentation
 
Margaret Mead
Margaret MeadMargaret Mead
Margaret Mead
 
Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)
Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)
Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)
 
Tfg filipe oliveira - pavilhões de identidade e cultura
Tfg   filipe oliveira - pavilhões de identidade e culturaTfg   filipe oliveira - pavilhões de identidade e cultura
Tfg filipe oliveira - pavilhões de identidade e cultura
 

Semelhante a Escola cultura e personalidade

Gênero e outras formas de classificação social.
Gênero e outras formas de classificação social.Gênero e outras formas de classificação social.
Gênero e outras formas de classificação social.
Fábio Fernandes
 
Conceito de gênero.
Conceito de gênero.Conceito de gênero.
Conceito de gênero.
Fábio Fernandes
 
Conceito de gênero.
Conceito de gênero.Conceito de gênero.
Conceito de gênero.
Fábio Fernandes
 
N21a03
N21a03N21a03
N21a03
Geraa Ufms
 
N21a03
N21a03N21a03
N21a03
Geraa Ufms
 
Plano de Trabalho EF 2013
Plano de Trabalho EF 2013Plano de Trabalho EF 2013
Plano de Trabalho EF 2013
Eduarda Bonora Kern
 
Cultura e sexualidade resumo
Cultura e sexualidade resumoCultura e sexualidade resumo
Cultura e sexualidade resumo
Tradicao Viva
 
Sociologia Gênero e Saúde
Sociologia Gênero e Saúde Sociologia Gênero e Saúde
Sociologia Gênero e Saúde
Cláudia Hellena Ribeiro
 
A Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e Invisível
A Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e InvisívelA Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e Invisível
A Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e Invisível
Phillipe Xavier
 
GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.
GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.
GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.
Juliana Anacleto
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
Aline Vaz
 
Questões de Gênero.pdf
Questões de Gênero.pdfQuestões de Gênero.pdf
Questões de Gênero.pdf
MillaGoncalves1
 
A sociologia e o senso comum - Sexo e Gênero
A sociologia e o senso comum - Sexo e GêneroA sociologia e o senso comum - Sexo e Gênero
A sociologia e o senso comum - Sexo e Gênero
José Amaral
 
cultura e alteridadade (itinerário).pptx
cultura e alteridadade (itinerário).pptxcultura e alteridadade (itinerário).pptx
cultura e alteridadade (itinerário).pptx
Antonio Gilberto De Aquino e Silva
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Texto 3
Texto 3Texto 3
Texto 3
30071968
 
2-serie-sociologia-atividades-5e7bc29874857.pdf
2-serie-sociologia-atividades-5e7bc29874857.pdf2-serie-sociologia-atividades-5e7bc29874857.pdf
2-serie-sociologia-atividades-5e7bc29874857.pdf
MarcosVtorAbreuFerre
 
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
firminomaissociologiafilosofia2019
 
Aula 6 adolescência e relações de gênero
Aula 6   adolescência e relações de gêneroAula 6   adolescência e relações de gênero
Aula 6 adolescência e relações de gênero
ariadnemonitoria
 
2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...
2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...
2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...
SandraBarbosa101
 

Semelhante a Escola cultura e personalidade (20)

Gênero e outras formas de classificação social.
Gênero e outras formas de classificação social.Gênero e outras formas de classificação social.
Gênero e outras formas de classificação social.
 
Conceito de gênero.
Conceito de gênero.Conceito de gênero.
Conceito de gênero.
 
Conceito de gênero.
Conceito de gênero.Conceito de gênero.
Conceito de gênero.
 
N21a03
N21a03N21a03
N21a03
 
N21a03
N21a03N21a03
N21a03
 
Plano de Trabalho EF 2013
Plano de Trabalho EF 2013Plano de Trabalho EF 2013
Plano de Trabalho EF 2013
 
Cultura e sexualidade resumo
Cultura e sexualidade resumoCultura e sexualidade resumo
Cultura e sexualidade resumo
 
Sociologia Gênero e Saúde
Sociologia Gênero e Saúde Sociologia Gênero e Saúde
Sociologia Gênero e Saúde
 
A Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e Invisível
A Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e InvisívelA Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e Invisível
A Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e Invisível
 
GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.
GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.
GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
 
Questões de Gênero.pdf
Questões de Gênero.pdfQuestões de Gênero.pdf
Questões de Gênero.pdf
 
A sociologia e o senso comum - Sexo e Gênero
A sociologia e o senso comum - Sexo e GêneroA sociologia e o senso comum - Sexo e Gênero
A sociologia e o senso comum - Sexo e Gênero
 
cultura e alteridadade (itinerário).pptx
cultura e alteridadade (itinerário).pptxcultura e alteridadade (itinerário).pptx
cultura e alteridadade (itinerário).pptx
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Texto 3
Texto 3Texto 3
Texto 3
 
2-serie-sociologia-atividades-5e7bc29874857.pdf
2-serie-sociologia-atividades-5e7bc29874857.pdf2-serie-sociologia-atividades-5e7bc29874857.pdf
2-serie-sociologia-atividades-5e7bc29874857.pdf
 
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
 
Aula 6 adolescência e relações de gênero
Aula 6   adolescência e relações de gêneroAula 6   adolescência e relações de gênero
Aula 6 adolescência e relações de gênero
 
2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...
2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...
2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...
 

Mais de ozgauche

Ppp mar
Ppp marPpp mar
Ppp mar
ozgauche
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
ozgauche
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
ozgauche
 
O que é IPHAN
O que é IPHANO que é IPHAN
O que é IPHAN
ozgauche
 
teste
testeteste
teste
ozgauche
 
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
ozgauche
 
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
ozgauche
 
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
ozgauche
 

Mais de ozgauche (8)

Ppp mar
Ppp marPpp mar
Ppp mar
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
O que é IPHAN
O que é IPHANO que é IPHAN
O que é IPHAN
 
teste
testeteste
teste
 
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
 
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
 
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
 

Último

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 

Último (20)

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 

Escola cultura e personalidade

  • 1. Antropologia Se institucionaliza como ciência no período da Primeira Guerra Mundial  Cultural Norte-americana:  Social Inglesa  Social Francesa
  • 2. Antropologia  Cultural Norte-americana: Fundador: Franz Boas (1858-1942). Ele rejeita a ligação tradicional entre raça e cultura. Crítico ao evolucionismo. Elabora o conceito de cultura como uma estrutura relativista, pluralista, integrada e historicamente condicionada para o estudo da determinação do comportamento humano.  Mostra as inúmeras possibilidades de variação cultural produzidas social e historicamente
  • 3. Antropologia cultural norte-americana estabeleceu profundas relações com a história e a psicologia social – adquire uma dimensão prática e política. Desenvolve duas áreas de estudo: -Estudos sobre cultura e personalidade: Ruth Benedict, Margaret Mead - Estudos dos contatos culturais: Robert Redfield, Oscar Lewis, Melville Herskowitz
  • 4. Escola de Cultura e Personalidade  A partir dos anos 20 do século XX  A formação dos padrões de personalidade e temperamento baseiam-se nos condicionantes da cultura, da história e da psicologia  Pesquisa de Ruth Benedict (1887-1948): Padrões de cultura (1934): fala dos estilos de personalidades desenvolvidos nas culturas humanas. Entende a cultura como um “grande arco” sob o qual se colocam os interesses e as possibilidades humanas. O sentido dado aos fenômenos depende da escolha e da organização produzida pelos homens, dos elementos e instituições depositados no fundo do arco.
  • 5. Escola de Cultura e Personalidade  Pesquisa de Margaret Mead (1901-1978) com adolescentes das ilhas Samoa e Manu. Livros importantes: Coming of age in Samoa (1928); Growing up in New Guinea (1930); Sexo e Temperamento (1935) e Macho e fêmea (1947): contribuíram na formulação do campo da antropologia da criança e a antropologia da educação
  • 6. Características principais dessa “escola”  Enfase no estudo das especificidades culturais locais em termos de uma totalidade coerente e integrada  Enfase na interdisciplinaridade, sobretudo com a psicologia  Enfase na relação indivíduo-sociedade resultando na caracterização de configuraçõesculturais e tipos psicológicos  Enfase nos processos de socialização,em particular, a educação infantil
  • 7. Antropólogos e psicólogos: estudos sobre cultura e personalidade, principalmente estudos de formação do “caráter nacional” de um povo ou país  Impacto da Segunda Guerra mundial nesses estudos
  • 8. Ciências sociais postulam que as diferenças entre os gêneros são socialmente construídas  Não há um padrão universal para comportamentos sexuais ou de gênero que seja considerado normal, certo ou superior  Arbitrariedade cultural: o gênero só pode ser compreendido em relação a uma cultura específica  Na cultura ocidental, supoe-se que o masculino seja dotado de maior agressividade e o feminino de maior suavidade e delicadeza
  • 9. Margaret Mead, na década de 193O, estudou esta questão em outras culturas e descobriu que não existe relação direta entre sexo, conduta social e personalidade
  • 10. Demonstrou que os papéis sexuais eram determinados pelas expectativas sociais  Exemplo: 3 culturas de Nová Guiné: - Arapesh: “cultura maternal” -Mundugumor: comportamento agressivo -Tchambuli: personalidades invertidas em relação ao padrão ocidental
  • 11. “Aqui, procurando reconhecidamente alguma luz sobre a questão das diferenças sexuais, encontrei três tribos, todas convenientemente situadas dentro de uma área de cem milhas. Numa delas, homens e mulheres agiam como esperamos que as mulheres ajam: de um suave modo parental e sensível; na segunda, ambos agiam como esperamos que os homens ajam: com bravia iniciativa; e na terceira, os homens agem segundo o nosso estereótipo para as mulheres, são fingidos, usam cachos e vão às compras, enquanto as mulheres são enérgicas, administradoras, parceiros desadornados”. (1969; 10)
  • 12.  A proposta, segundo Mead, era o estudo do “condicionamento das personalidades sociais dos dois sexos”. (1969; 09). Em outras palavras, podemos dizer que Margaret Mead estava interessada em saber como uma sociedade poderia moldar os comportamentos de homens e mulheres, o que significa dizer que os comportamentos de homens e mulheres podem variar de acordo com seu contexto social.  O modo como homens e mulheres se comportam em sociedade corresponde a um intenso aprendizado sociocultural que nos ensina a agir conforme as prescrições de cada gênero
  • 13. O papel que a biologia desempenha na determinação dos comportamentos humanos é fraco. Contudo, de acordo com o senso comum, as condutas de homens e mulheres originam-se de uma dimensão natural inscrita nos corpos  A natureza humana é incrivelmente maleável, respondendo diferentemente a condições culturais contrastantes  As diferenças entre indivíduos de diferentes culturas devem ser atribuídas às diferenças de condicionamento, em particular durante a primeira infância
  • 14. As pessoas nascem pertencendo a um dos sexos, mas elas só passam a pertencer ao gênero masculino ou feminino através de um processo de aprendizado, ou seja, de socialização. O sexo, neste sentido, é um conceito biológico, ao passo que o gênero é um conceito que enfatiza os aspectos sócio- culturais, sendo, portanto, sociológico.