SlideShare uma empresa Scribd logo
Ensaio Pesquisa-Ação 
Programa de Iniciação Artística - PIÁ 
Italo Alenquer de Oliveira 
Artista educador - Música 
Centro Cultural da Juventude 
A EDUCAÇÃO NÃO FORMAL ASSOCIADA 
AS INTERLINGUAGENS 
São Paulo 
Novembro de 2014
Introdução 
Define-se educação não-formal como “toda atividade educacional 
organizada, sistemática, executada fora do quadro do sistema formal para 
oferecer tipos selecionados de ensino a determinados subgrupos da 
população” (La Belle, 1982:2). 
Diante desta definição e da verticalização da educação brasileira 
proponho três questões com relação ao tema descrito. A primeira questão: A 
educação não formal encontra-se em oposição (negação) a educação 
formal? A segunda : Aceita-se a educação não formal apenas no âmbito 
extraescolar? E ainda, estão as interlinguagens diretamente relacionadas ao 
aprendizado não formalizado? 
Estas questões surgiram logo após minha primeira experiência em 
sala de aula como educador, através de um estágio oferecido pela UNESP 
juntamente à secretaria de ensino de Mogi das Cruzes - SP. Era a 
oportunidade de colocar em prática todos os conceitos e práticas recebidos 
na universidade. 
Considero esta como parte primordial para meu desenvolvimento 
como educador. Primeiro por ter a oportunidade de vivenciar a sala de aula, o 
ambiente e a organização da escola como uma unidade, segundo para 
descobrir o quão distante me encontrava de me adaptar ao modelo de 
educação tradicional. Então eu estudava licenciatura em educação musical, e 
não enxergava a sala de aula como um ambiente de trabalho futuro. 
Surge então a oportunidade de atuação como artista educador no PIÁ 
(Programa de Iniciação Artística da secretaria do município de São Paulo). 
Um programa que nos proporciona uma clara ampliação nos horizontes como 
artista e como educador e mais fortemente as mesmas questões. 
Questões que neste ensaio têm o propósito reflexivo acima do 
conclusivo, sem a intenção de sedimentar conceitos. 
"Leva tempo para chegar a ser jovem." 
Pablo Picasso
A educação não formal encontra-se em oposição (negação) à educação 
formal? 
Destaco a afirmativa que inicia este ensaio pois a mesma exprime 
clara ambiguidade. Discordo em parte da definição de La Belle, baseado em 
minha primeira experiência como educador musical. 
Em um projeto de formação de professores da rede municipal de 
ensino de Mogi das Cruzes-SP, nós pesquisadores de música atuávamos em 
sala de aula em duplas, o professor contratado pelo município e nós 
graduandos. Porém, diferentemente do que é proposto no PIÁ, a maioria dos 
professores apenas nos observava fazendo anotações, e infelizmente com 
pouca participação no desenvolvimento das aulas. 
Acreditando que este distanciamento ocorria pela falta de diálogo, 
propusemos um debate com os professores e as frases mais recorrentes 
eram: “ não estudei música”, “já sou muito velho para aprender música” ou 
ainda “ o município não me paga para aprender a ensinar música”. 
Sentindo que os professores necessitavam de formação musical, 
procurei atrelar as atividades musicais aos seus conteúdos programáticos, 
promovendo assim a interdisciplinaridade. Criando musicas que envolviam 
números junto ao professor de matemática, fazendo paródias com bichos e 
figuras do folclore brasileiro nas aulas de ciências, foram alternativas 
adotadas. 
Mesmo buscando compartilhar os conteúdos musicais de forma lúdica 
e atrativa, ainda estava restrito aos planos de aula dos professores, sem 
deixar de mencionar as apresentações nas festividades escolares ligadas as 
datas comemorativas, que por vezes interrompiam a continuidade de 
determinado aprendizado . 
O registro escrito das atividades propostas tornou-se um alternativa 
encontrada para a falta de iniciativa dos professores. É interessante perceber 
que, formatando os conteúdos em texto semelhante a uma cartilha, ou seja 
caracterizando o ensino formal, conseguimos que assim os professores que 
não possuíam determinado conhecimento pudessem dar continuidade ao 
conteúdo proposto. Nesta situação, o ensino de música informal de maneira 
formalizada pôde ser transmitido as crianças.
De acordo com a forma de trabalho de cada professor, era nítida a 
diferença entre o educador que utilizava o registro das aulas apenas como 
um guia, e assim desenvolvia outros conteúdos de acordo com a própria 
experiência, e o professor que fazia uso do material escrito apenas como 
uma manual de instruções. 
Portanto, o ensino formal não anula as experiências não formais , nem 
impossibilita que ambas coexistam. Mas não havendo flexibilidade por parte 
do educador, é possível que se caracterize uma oposição entre as mesmas. 
Aceita-se a educação não formal apenas no âmbito extraescolar ? 
Esta questão torna-se complexa a partir do pensamento de que a 
educação é um direito da criança, direito este reconhecido pelo estatuto da 
criança e do adolescente, particularmente nos átrios 28 e 29 da convenção 
dos direitos da infância. 
Especialmente no átrio 29 é possível notar a palavra “imbuir” por mais 
de duas vezes, como se as crianças não fossem indivíduos igualmente 
providos de histórias de vida. 
Procurando ainda pelo significado da palavra “imbuir” iremos encontrar 
definição semelhante como : infundir , entranhar ou fazer entrar uma ideia 
ou um sentimento (AURÉLIO ,1988) 
Imbuir respeito ao meio ambiente, aos pais e a própria identidade 
cultural da criança acabam tornando-se medidas de caráter emergencial 
diante de uma crise educacional estabelecida. Permitir que a criança e o 
adolescente a desenvolvam esses conceitos certamente seria uma forma 
mais humanizada de aprendizado. 
Sendo a educação um direito, e acreditando na importância da 
educação não formal, por que razão a mesma não deveria ser garantida aos 
jovens tanto no ambiente escolar como em outras situações ? 
É possível vislumbrar no PIÁ boa parte desta resposta, e imaginar o 
quão importante seria se programas semelhantes proporcionassem esta 
vivencia e enriquecida pelo encontro entre artistas, jovens e a comunidade.
Estão as interlinguagens diretamente relacionadas ao aprendizado não 
formalizado? 
Se analisarmos racionalmente sim. Vejamos o exemplo do ensino de 
música nas escolas por exemplo. Apenas recentemente o ensino de música 
foi implementado à grade curricular. 
Uma obrigatoriedade ainda em processo de adaptação, pois é muito 
comum encontrar professores de outras linguagens exercendo esta função 
de professor de música nas escolas. 
Apesar de existir uma forte tradição brasileira no que se diz respeito ao 
teatro e a dança, com aporte de metodologias e inúmeros livros sobre jogos 
teatrais; como o fichário de Viola Spolin; ambas linguagens recebem menor 
atenção das secretarias de ensino. A prova disto é que diferentemente do 
ensino de música as mesmas ainda não conquistaram o mesmo espaço à 
grade curricular de ensino 
Diante disso é possível perceber o quanto o aprendizado não formal 
se faz necessário, pois um educador que se vê obrigado a ensinar 
determinados conteúdos que não domina, certamente irá recorrer a métodos 
não formais de ensino. 
Concluindo, a experiência como artista educador no Programa de 
Iniciação Artística ( PIÁ ) torna-se transformadora e questionadora. A partir 
dos conhecimentos adquiridos na universidade; e da forma como os mesmos 
nos eram propostos; pude reavaliar a forma como os transmitia, estando 
aberto as outras linguagens e respeitando o tempo e o espaço dos encontros.
Referências Bibliográficas 
______. Decreto no 99.710, de 21 de novembro de 1990. Promulga a 
Convenção sobre os Direitos da Criança. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 
22 nov. 1990. Acesso em 10 nov 2014 
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio Básico da Língua 
Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988, p. 462. 
FREIRE, Paulo (1993). Política e educação. São Paulo: Cortez. 
FREIRE, Paulo (1997). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à 
prática educativa. São 
Paulo: Paz e Terra. 
LA BELLE, Thomas (1986). Nonformal Education in Latin American and the 
Caribbean. 
Stability, Reform or Revolution? New York, Praeger.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artigo olivia CONEDU
Artigo olivia CONEDUArtigo olivia CONEDU
Artigo olivia CONEDU
PIBIDSolondeLucena
 
Universidade do estado dabahia
Universidade do estado dabahiaUniversidade do estado dabahia
Universidade do estado dabahia
Jucélia Da Hora
 
Escola da ponte
Escola da ponteEscola da ponte
Escola da ponte
Priscila Aristimunha
 
Projeto PIBID
Projeto PIBIDProjeto PIBID
Projeto PIBID
Beto Batis
 
Multiplicando saberes
Multiplicando saberesMultiplicando saberes
Multiplicando saberes
Marcia Gomes
 
Ebook Paulo Freire – A Educação como prática da Liberdade – 50 Anos Depois
Ebook Paulo Freire – A Educação como prática da Liberdade – 50 Anos DepoisEbook Paulo Freire – A Educação como prática da Liberdade – 50 Anos Depois
Ebook Paulo Freire – A Educação como prática da Liberdade – 50 Anos Depois
Joaquim Melro
 
Revista Educatrix - Cartilha musical - Ed02
Revista Educatrix - Cartilha musical - Ed02Revista Educatrix - Cartilha musical - Ed02
Revista Educatrix - Cartilha musical - Ed02
Editora Moderna
 
Paulo Freire, o Patrono da Educaçao Brasileira, AD1 Glaucia, Kianny, Márith, ...
Paulo Freire, o Patrono da Educaçao Brasileira, AD1 Glaucia, Kianny, Márith, ...Paulo Freire, o Patrono da Educaçao Brasileira, AD1 Glaucia, Kianny, Márith, ...
Paulo Freire, o Patrono da Educaçao Brasileira, AD1 Glaucia, Kianny, Márith, ...
GluciaGarciaDaSilva
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Rtinoco15
 
PORTFÓLIO PALAVRA CANTADA - 2014 (PARTE III)
PORTFÓLIO PALAVRA CANTADA - 2014 (PARTE III)PORTFÓLIO PALAVRA CANTADA - 2014 (PARTE III)
PORTFÓLIO PALAVRA CANTADA - 2014 (PARTE III)
Izabel Sampaio
 
Trabalho projetos
Trabalho   projetosTrabalho   projetos
Trabalho projetos
Espaco_Pedagogia
 
Projeto 4º bimestre musical
Projeto 4º bimestre musicalProjeto 4º bimestre musical
Projeto 4º bimestre musical
Rita Jales
 
Relatório Segundo Encontro
Relatório Segundo EncontroRelatório Segundo Encontro
Relatório Segundo Encontro
Universidade Aberta Do Brasil - UAB
 
Relatório PNAIC FRANCISCO
Relatório PNAIC FRANCISCORelatório PNAIC FRANCISCO
Relatório PNAIC FRANCISCO
FRANCISCO FERREIRA
 
Dissertação sobre teatro na escola
Dissertação sobre teatro na escolaDissertação sobre teatro na escola
Dissertação sobre teatro na escola
Doriana Bez Fontana Búrigo
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Naysa Taboada
 
P.E.P.E. II
P.E.P.E. II P.E.P.E. II
P.E.P.E. II
Wellington Silva
 
Portfolio graziele genilhú
Portfolio graziele genilhúPortfolio graziele genilhú
Portfolio graziele genilhú
Portfolio2015
 

Mais procurados (18)

Artigo olivia CONEDU
Artigo olivia CONEDUArtigo olivia CONEDU
Artigo olivia CONEDU
 
Universidade do estado dabahia
Universidade do estado dabahiaUniversidade do estado dabahia
Universidade do estado dabahia
 
Escola da ponte
Escola da ponteEscola da ponte
Escola da ponte
 
Projeto PIBID
Projeto PIBIDProjeto PIBID
Projeto PIBID
 
Multiplicando saberes
Multiplicando saberesMultiplicando saberes
Multiplicando saberes
 
Ebook Paulo Freire – A Educação como prática da Liberdade – 50 Anos Depois
Ebook Paulo Freire – A Educação como prática da Liberdade – 50 Anos DepoisEbook Paulo Freire – A Educação como prática da Liberdade – 50 Anos Depois
Ebook Paulo Freire – A Educação como prática da Liberdade – 50 Anos Depois
 
Revista Educatrix - Cartilha musical - Ed02
Revista Educatrix - Cartilha musical - Ed02Revista Educatrix - Cartilha musical - Ed02
Revista Educatrix - Cartilha musical - Ed02
 
Paulo Freire, o Patrono da Educaçao Brasileira, AD1 Glaucia, Kianny, Márith, ...
Paulo Freire, o Patrono da Educaçao Brasileira, AD1 Glaucia, Kianny, Márith, ...Paulo Freire, o Patrono da Educaçao Brasileira, AD1 Glaucia, Kianny, Márith, ...
Paulo Freire, o Patrono da Educaçao Brasileira, AD1 Glaucia, Kianny, Márith, ...
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
PORTFÓLIO PALAVRA CANTADA - 2014 (PARTE III)
PORTFÓLIO PALAVRA CANTADA - 2014 (PARTE III)PORTFÓLIO PALAVRA CANTADA - 2014 (PARTE III)
PORTFÓLIO PALAVRA CANTADA - 2014 (PARTE III)
 
Trabalho projetos
Trabalho   projetosTrabalho   projetos
Trabalho projetos
 
Projeto 4º bimestre musical
Projeto 4º bimestre musicalProjeto 4º bimestre musical
Projeto 4º bimestre musical
 
Relatório Segundo Encontro
Relatório Segundo EncontroRelatório Segundo Encontro
Relatório Segundo Encontro
 
Relatório PNAIC FRANCISCO
Relatório PNAIC FRANCISCORelatório PNAIC FRANCISCO
Relatório PNAIC FRANCISCO
 
Dissertação sobre teatro na escola
Dissertação sobre teatro na escolaDissertação sobre teatro na escola
Dissertação sobre teatro na escola
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
 
P.E.P.E. II
P.E.P.E. II P.E.P.E. II
P.E.P.E. II
 
Portfolio graziele genilhú
Portfolio graziele genilhúPortfolio graziele genilhú
Portfolio graziele genilhú
 

Semelhante a A educação não formal associada as interlinguagens

Jogos tcc pós
Jogos tcc pósJogos tcc pós
Jogos tcc pós
Juliana soares
 
MEMÓRIAS DAS MINHAS PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS COMO DOCENTE DE MÚSICA NO ENSINO R...
MEMÓRIAS DAS MINHAS PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS COMO DOCENTE DE MÚSICA NO ENSINO R...MEMÓRIAS DAS MINHAS PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS COMO DOCENTE DE MÚSICA NO ENSINO R...
MEMÓRIAS DAS MINHAS PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS COMO DOCENTE DE MÚSICA NO ENSINO R...
ProfessorPrincipiante
 
#6 paulo ulrich julho 2014
#6 paulo ulrich   julho 2014#6 paulo ulrich   julho 2014
#6 paulo ulrich julho 2014
Paulo Ulrich
 
As canções como instrumento lúdico didático nas aulas de ele
As canções como instrumento lúdico didático nas aulas de eleAs canções como instrumento lúdico didático nas aulas de ele
As canções como instrumento lúdico didático nas aulas de ele
Rogério Almeida
 
PNAIC - Ano 01 unidade 7
PNAIC - Ano 01 unidade 7PNAIC - Ano 01 unidade 7
PNAIC - Ano 01 unidade 7
ElieneDias
 
Slide didática
Slide didáticaSlide didática
Slide didática
phamella barbaroto
 
Texto artur gomes de morais
Texto artur gomes de moraisTexto artur gomes de morais
Texto artur gomes de morais
gizaflexa
 
Anais sille 2008
Anais sille 2008Anais sille 2008
Anais sille 2008
Thais Pereira
 
ENSINO TRADICIONAL X CONSTRUTIVISTA: A PERSPECTIVA DO LETRAMENTO NA ALFABETIZ...
ENSINO TRADICIONAL X CONSTRUTIVISTA: A PERSPECTIVA DO LETRAMENTO NA ALFABETIZ...ENSINO TRADICIONAL X CONSTRUTIVISTA: A PERSPECTIVA DO LETRAMENTO NA ALFABETIZ...
ENSINO TRADICIONAL X CONSTRUTIVISTA: A PERSPECTIVA DO LETRAMENTO NA ALFABETIZ...
christianceapcursos
 
Atps educação de jovens e adultos - (eja)
Atps   educação de jovens e adultos - (eja)Atps   educação de jovens e adultos - (eja)
Atps educação de jovens e adultos - (eja)
leticiamenezesmota
 
Revista musica educacao_basica 1
Revista musica educacao_basica 1Revista musica educacao_basica 1
Revista musica educacao_basica 1
Soraia
 
Portfólio pronto
Portfólio prontoPortfólio pronto
Portfólio pronto
familiaestagio
 
2º encontro
2º encontro2º encontro
2º encontro
Naysa Taboada
 
Morais concepções e metodologias de alfabetização
Morais   concepções e metodologias de alfabetizaçãoMorais   concepções e metodologias de alfabetização
Morais concepções e metodologias de alfabetização
adridaleffi121212
 
Morais concepções e metodologias de alfabetização
Morais   concepções e metodologias de alfabetizaçãoMorais   concepções e metodologias de alfabetização
Morais concepções e metodologias de alfabetização
adridaleffi121212
 
Música na prática
Música na práticaMúsica na prática
Música na prática
Alex Mesquita
 
A musica na escola
A musica na escolaA musica na escola
A musica na escola
Denisson Miranda
 
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramentoFundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Susanne Messias
 
Alfabetização slides
Alfabetização slidesAlfabetização slides
Alfabetização slides
AVM
 
Projeto interdisciplinar
Projeto interdisciplinarProjeto interdisciplinar
Projeto interdisciplinar
AVM
 

Semelhante a A educação não formal associada as interlinguagens (20)

Jogos tcc pós
Jogos tcc pósJogos tcc pós
Jogos tcc pós
 
MEMÓRIAS DAS MINHAS PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS COMO DOCENTE DE MÚSICA NO ENSINO R...
MEMÓRIAS DAS MINHAS PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS COMO DOCENTE DE MÚSICA NO ENSINO R...MEMÓRIAS DAS MINHAS PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS COMO DOCENTE DE MÚSICA NO ENSINO R...
MEMÓRIAS DAS MINHAS PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS COMO DOCENTE DE MÚSICA NO ENSINO R...
 
#6 paulo ulrich julho 2014
#6 paulo ulrich   julho 2014#6 paulo ulrich   julho 2014
#6 paulo ulrich julho 2014
 
As canções como instrumento lúdico didático nas aulas de ele
As canções como instrumento lúdico didático nas aulas de eleAs canções como instrumento lúdico didático nas aulas de ele
As canções como instrumento lúdico didático nas aulas de ele
 
PNAIC - Ano 01 unidade 7
PNAIC - Ano 01 unidade 7PNAIC - Ano 01 unidade 7
PNAIC - Ano 01 unidade 7
 
Slide didática
Slide didáticaSlide didática
Slide didática
 
Texto artur gomes de morais
Texto artur gomes de moraisTexto artur gomes de morais
Texto artur gomes de morais
 
Anais sille 2008
Anais sille 2008Anais sille 2008
Anais sille 2008
 
ENSINO TRADICIONAL X CONSTRUTIVISTA: A PERSPECTIVA DO LETRAMENTO NA ALFABETIZ...
ENSINO TRADICIONAL X CONSTRUTIVISTA: A PERSPECTIVA DO LETRAMENTO NA ALFABETIZ...ENSINO TRADICIONAL X CONSTRUTIVISTA: A PERSPECTIVA DO LETRAMENTO NA ALFABETIZ...
ENSINO TRADICIONAL X CONSTRUTIVISTA: A PERSPECTIVA DO LETRAMENTO NA ALFABETIZ...
 
Atps educação de jovens e adultos - (eja)
Atps   educação de jovens e adultos - (eja)Atps   educação de jovens e adultos - (eja)
Atps educação de jovens e adultos - (eja)
 
Revista musica educacao_basica 1
Revista musica educacao_basica 1Revista musica educacao_basica 1
Revista musica educacao_basica 1
 
Portfólio pronto
Portfólio prontoPortfólio pronto
Portfólio pronto
 
2º encontro
2º encontro2º encontro
2º encontro
 
Morais concepções e metodologias de alfabetização
Morais   concepções e metodologias de alfabetizaçãoMorais   concepções e metodologias de alfabetização
Morais concepções e metodologias de alfabetização
 
Morais concepções e metodologias de alfabetização
Morais   concepções e metodologias de alfabetizaçãoMorais   concepções e metodologias de alfabetização
Morais concepções e metodologias de alfabetização
 
Música na prática
Música na práticaMúsica na prática
Música na prática
 
A musica na escola
A musica na escolaA musica na escola
A musica na escola
 
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramentoFundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
 
Alfabetização slides
Alfabetização slidesAlfabetização slides
Alfabetização slides
 
Projeto interdisciplinar
Projeto interdisciplinarProjeto interdisciplinar
Projeto interdisciplinar
 

Mais de piaprograma

Muros e Pontes - Ensaio pia 2015 - inicio - elisabeth belisario
Muros e Pontes - Ensaio pia 2015 - inicio -  elisabeth belisarioMuros e Pontes - Ensaio pia 2015 - inicio -  elisabeth belisario
Muros e Pontes - Ensaio pia 2015 - inicio - elisabeth belisario
piaprograma
 
SER PIÁ: DESVELAR O ÍNTIMO, TRANSVER O MUNDO
SER PIÁ: DESVELAR O ÍNTIMO, TRANSVER O MUNDOSER PIÁ: DESVELAR O ÍNTIMO, TRANSVER O MUNDO
SER PIÁ: DESVELAR O ÍNTIMO, TRANSVER O MUNDO
piaprograma
 
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímidaDEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
piaprograma
 
Piá - espaço de encontro Fabi Ribeiro
Piá - espaço de encontro Fabi RibeiroPiá - espaço de encontro Fabi Ribeiro
Piá - espaço de encontro Fabi Ribeiro
piaprograma
 
Ensaio pesquisa ac a-o italo a. de oliveira - final
Ensaio pesquisa ac a-o italo a. de oliveira - finalEnsaio pesquisa ac a-o italo a. de oliveira - final
Ensaio pesquisa ac a-o italo a. de oliveira - final
piaprograma
 
O corpo do PIÁ no CCJ
O corpo do PIÁ no CCJO corpo do PIÁ no CCJ
O corpo do PIÁ no CCJ
piaprograma
 
O piá e a história
O piá e a históriaO piá e a história
O piá e a história
piaprograma
 
O corpo do PIÁ no CCJ
O corpo do PIÁ no CCJO corpo do PIÁ no CCJ
O corpo do PIÁ no CCJ
piaprograma
 
Abordagem em espiral e ensino de arte
Abordagem em espiral e ensino de arteAbordagem em espiral e ensino de arte
Abordagem em espiral e ensino de arte
piaprograma
 
Encruzilhadas da infância
Encruzilhadas da infânciaEncruzilhadas da infância
Encruzilhadas da infância
piaprograma
 
A criança é performer
A criança é performer  A criança é performer
A criança é performer
piaprograma
 
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educaçãoArte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
piaprograma
 
A ação cultural e a dimensão criadora
A ação cultural e a dimensão criadoraA ação cultural e a dimensão criadora
A ação cultural e a dimensão criadora
piaprograma
 
Cartografia ou de como pensar com o corpo vibrátil - Suely Rolnik
Cartografia ou de como pensar com o corpo vibrátil  - Suely RolnikCartografia ou de como pensar com o corpo vibrátil  - Suely Rolnik
Cartografia ou de como pensar com o corpo vibrátil - Suely Rolnik
piaprograma
 

Mais de piaprograma (14)

Muros e Pontes - Ensaio pia 2015 - inicio - elisabeth belisario
Muros e Pontes - Ensaio pia 2015 - inicio -  elisabeth belisarioMuros e Pontes - Ensaio pia 2015 - inicio -  elisabeth belisario
Muros e Pontes - Ensaio pia 2015 - inicio - elisabeth belisario
 
SER PIÁ: DESVELAR O ÍNTIMO, TRANSVER O MUNDO
SER PIÁ: DESVELAR O ÍNTIMO, TRANSVER O MUNDOSER PIÁ: DESVELAR O ÍNTIMO, TRANSVER O MUNDO
SER PIÁ: DESVELAR O ÍNTIMO, TRANSVER O MUNDO
 
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímidaDEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
 
Piá - espaço de encontro Fabi Ribeiro
Piá - espaço de encontro Fabi RibeiroPiá - espaço de encontro Fabi Ribeiro
Piá - espaço de encontro Fabi Ribeiro
 
Ensaio pesquisa ac a-o italo a. de oliveira - final
Ensaio pesquisa ac a-o italo a. de oliveira - finalEnsaio pesquisa ac a-o italo a. de oliveira - final
Ensaio pesquisa ac a-o italo a. de oliveira - final
 
O corpo do PIÁ no CCJ
O corpo do PIÁ no CCJO corpo do PIÁ no CCJ
O corpo do PIÁ no CCJ
 
O piá e a história
O piá e a históriaO piá e a história
O piá e a história
 
O corpo do PIÁ no CCJ
O corpo do PIÁ no CCJO corpo do PIÁ no CCJ
O corpo do PIÁ no CCJ
 
Abordagem em espiral e ensino de arte
Abordagem em espiral e ensino de arteAbordagem em espiral e ensino de arte
Abordagem em espiral e ensino de arte
 
Encruzilhadas da infância
Encruzilhadas da infânciaEncruzilhadas da infância
Encruzilhadas da infância
 
A criança é performer
A criança é performer  A criança é performer
A criança é performer
 
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educaçãoArte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
 
A ação cultural e a dimensão criadora
A ação cultural e a dimensão criadoraA ação cultural e a dimensão criadora
A ação cultural e a dimensão criadora
 
Cartografia ou de como pensar com o corpo vibrátil - Suely Rolnik
Cartografia ou de como pensar com o corpo vibrátil  - Suely RolnikCartografia ou de como pensar com o corpo vibrátil  - Suely Rolnik
Cartografia ou de como pensar com o corpo vibrátil - Suely Rolnik
 

A educação não formal associada as interlinguagens

  • 1. Ensaio Pesquisa-Ação Programa de Iniciação Artística - PIÁ Italo Alenquer de Oliveira Artista educador - Música Centro Cultural da Juventude A EDUCAÇÃO NÃO FORMAL ASSOCIADA AS INTERLINGUAGENS São Paulo Novembro de 2014
  • 2. Introdução Define-se educação não-formal como “toda atividade educacional organizada, sistemática, executada fora do quadro do sistema formal para oferecer tipos selecionados de ensino a determinados subgrupos da população” (La Belle, 1982:2). Diante desta definição e da verticalização da educação brasileira proponho três questões com relação ao tema descrito. A primeira questão: A educação não formal encontra-se em oposição (negação) a educação formal? A segunda : Aceita-se a educação não formal apenas no âmbito extraescolar? E ainda, estão as interlinguagens diretamente relacionadas ao aprendizado não formalizado? Estas questões surgiram logo após minha primeira experiência em sala de aula como educador, através de um estágio oferecido pela UNESP juntamente à secretaria de ensino de Mogi das Cruzes - SP. Era a oportunidade de colocar em prática todos os conceitos e práticas recebidos na universidade. Considero esta como parte primordial para meu desenvolvimento como educador. Primeiro por ter a oportunidade de vivenciar a sala de aula, o ambiente e a organização da escola como uma unidade, segundo para descobrir o quão distante me encontrava de me adaptar ao modelo de educação tradicional. Então eu estudava licenciatura em educação musical, e não enxergava a sala de aula como um ambiente de trabalho futuro. Surge então a oportunidade de atuação como artista educador no PIÁ (Programa de Iniciação Artística da secretaria do município de São Paulo). Um programa que nos proporciona uma clara ampliação nos horizontes como artista e como educador e mais fortemente as mesmas questões. Questões que neste ensaio têm o propósito reflexivo acima do conclusivo, sem a intenção de sedimentar conceitos. "Leva tempo para chegar a ser jovem." Pablo Picasso
  • 3. A educação não formal encontra-se em oposição (negação) à educação formal? Destaco a afirmativa que inicia este ensaio pois a mesma exprime clara ambiguidade. Discordo em parte da definição de La Belle, baseado em minha primeira experiência como educador musical. Em um projeto de formação de professores da rede municipal de ensino de Mogi das Cruzes-SP, nós pesquisadores de música atuávamos em sala de aula em duplas, o professor contratado pelo município e nós graduandos. Porém, diferentemente do que é proposto no PIÁ, a maioria dos professores apenas nos observava fazendo anotações, e infelizmente com pouca participação no desenvolvimento das aulas. Acreditando que este distanciamento ocorria pela falta de diálogo, propusemos um debate com os professores e as frases mais recorrentes eram: “ não estudei música”, “já sou muito velho para aprender música” ou ainda “ o município não me paga para aprender a ensinar música”. Sentindo que os professores necessitavam de formação musical, procurei atrelar as atividades musicais aos seus conteúdos programáticos, promovendo assim a interdisciplinaridade. Criando musicas que envolviam números junto ao professor de matemática, fazendo paródias com bichos e figuras do folclore brasileiro nas aulas de ciências, foram alternativas adotadas. Mesmo buscando compartilhar os conteúdos musicais de forma lúdica e atrativa, ainda estava restrito aos planos de aula dos professores, sem deixar de mencionar as apresentações nas festividades escolares ligadas as datas comemorativas, que por vezes interrompiam a continuidade de determinado aprendizado . O registro escrito das atividades propostas tornou-se um alternativa encontrada para a falta de iniciativa dos professores. É interessante perceber que, formatando os conteúdos em texto semelhante a uma cartilha, ou seja caracterizando o ensino formal, conseguimos que assim os professores que não possuíam determinado conhecimento pudessem dar continuidade ao conteúdo proposto. Nesta situação, o ensino de música informal de maneira formalizada pôde ser transmitido as crianças.
  • 4. De acordo com a forma de trabalho de cada professor, era nítida a diferença entre o educador que utilizava o registro das aulas apenas como um guia, e assim desenvolvia outros conteúdos de acordo com a própria experiência, e o professor que fazia uso do material escrito apenas como uma manual de instruções. Portanto, o ensino formal não anula as experiências não formais , nem impossibilita que ambas coexistam. Mas não havendo flexibilidade por parte do educador, é possível que se caracterize uma oposição entre as mesmas. Aceita-se a educação não formal apenas no âmbito extraescolar ? Esta questão torna-se complexa a partir do pensamento de que a educação é um direito da criança, direito este reconhecido pelo estatuto da criança e do adolescente, particularmente nos átrios 28 e 29 da convenção dos direitos da infância. Especialmente no átrio 29 é possível notar a palavra “imbuir” por mais de duas vezes, como se as crianças não fossem indivíduos igualmente providos de histórias de vida. Procurando ainda pelo significado da palavra “imbuir” iremos encontrar definição semelhante como : infundir , entranhar ou fazer entrar uma ideia ou um sentimento (AURÉLIO ,1988) Imbuir respeito ao meio ambiente, aos pais e a própria identidade cultural da criança acabam tornando-se medidas de caráter emergencial diante de uma crise educacional estabelecida. Permitir que a criança e o adolescente a desenvolvam esses conceitos certamente seria uma forma mais humanizada de aprendizado. Sendo a educação um direito, e acreditando na importância da educação não formal, por que razão a mesma não deveria ser garantida aos jovens tanto no ambiente escolar como em outras situações ? É possível vislumbrar no PIÁ boa parte desta resposta, e imaginar o quão importante seria se programas semelhantes proporcionassem esta vivencia e enriquecida pelo encontro entre artistas, jovens e a comunidade.
  • 5. Estão as interlinguagens diretamente relacionadas ao aprendizado não formalizado? Se analisarmos racionalmente sim. Vejamos o exemplo do ensino de música nas escolas por exemplo. Apenas recentemente o ensino de música foi implementado à grade curricular. Uma obrigatoriedade ainda em processo de adaptação, pois é muito comum encontrar professores de outras linguagens exercendo esta função de professor de música nas escolas. Apesar de existir uma forte tradição brasileira no que se diz respeito ao teatro e a dança, com aporte de metodologias e inúmeros livros sobre jogos teatrais; como o fichário de Viola Spolin; ambas linguagens recebem menor atenção das secretarias de ensino. A prova disto é que diferentemente do ensino de música as mesmas ainda não conquistaram o mesmo espaço à grade curricular de ensino Diante disso é possível perceber o quanto o aprendizado não formal se faz necessário, pois um educador que se vê obrigado a ensinar determinados conteúdos que não domina, certamente irá recorrer a métodos não formais de ensino. Concluindo, a experiência como artista educador no Programa de Iniciação Artística ( PIÁ ) torna-se transformadora e questionadora. A partir dos conhecimentos adquiridos na universidade; e da forma como os mesmos nos eram propostos; pude reavaliar a forma como os transmitia, estando aberto as outras linguagens e respeitando o tempo e o espaço dos encontros.
  • 6. Referências Bibliográficas ______. Decreto no 99.710, de 21 de novembro de 1990. Promulga a Convenção sobre os Direitos da Criança. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 nov. 1990. Acesso em 10 nov 2014 FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988, p. 462. FREIRE, Paulo (1993). Política e educação. São Paulo: Cortez. FREIRE, Paulo (1997). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra. LA BELLE, Thomas (1986). Nonformal Education in Latin American and the Caribbean. Stability, Reform or Revolution? New York, Praeger.