SlideShare uma empresa Scribd logo
Energia jovem
As fontes de energia não renováveis são aquelas que se encontram na natureza
em quantidades limitadas e se extinguem com a sua utilização. Uma vez
esgotadas, as reservas não podem ser regeneradas. Consideram-se fontes de
energia não renováveis os combustíveis fósseis (carvão, petróleo, gás
natural, entre outros).

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Os Combustíveis fósseis são das
fontes de energia mais utilizadas
a nível mundial. São substâncias
de origem mineral, originados
pela decomposição de resíduos
orgânicos.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2

Porém, este processo leva
milhões de anos, logo são
considerados recursos não
renováveis. Os combustíveis
fósseis mais conhecidos são: gás
natural, carvão mineral e
petróleo.
A queima dos combustíveis
fósseis gera altos índices de
poluição atmosférica. Logo, são
os grandes responsáveis pelo
efeito de estufa e aquecimento
global.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2

Além disso, a queima destes
combustíveis é altamente
prejudicial à saúde e ao
ambiente. A extração do carvão
e do petróleo podem causar
contaminação do solo, da água e
da atmosfera.
o Provém de recursos naturais como o sol, o vento, a água, entre outras;
o É inesgotável, pois apesar de ser consumida, consegue-se renovar na
Natureza.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
É a energia que provém do vento.
É utilizada para mover
aerogeradores (grandes turbinas)
colocados em locais com muito
vento, produzindo energia
elétrica.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Vantagens:
É inesgotável;
Não emite gases poluentes nem gera resíduos;
Diminui a emissão de gases de efeito de estufa (GEE);
É uma das fontes de energia renovável mais baratas.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Desvantagens:
Nem sempre existe vento para mover o
aerogeradores;
Provoca uma considerável alteração na
paisagem;
Pode provocar impacto sobre as aves, devido
ao choque destas com os aerogeradores.
Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
É a designação dada a qualquer
tipo de captação de energia
luminosa proveniente do sol.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Esta energia é posteriormente
transformada de forma a ser útil
ao Homem, seja diretamente para
aquecimento de água ou ainda
como energia elétrica ou energia
térmica.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Vantagens:
É pouco poluente;

Os painéis solares precisam de pouca manutenção;

Em países soalheiros, os painéis são muito
viáveis, pois permitem uma grande poupança.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Desvantagens:
Em dias de chuva ou em dias nublados há
pouca geração de energia;
No período da noite não ocorre a
produção de energia;
O custo e a instalação dos equipamentos
ainda é bastante elevado.
Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
A Biomassa é a massa total de
organismos vivos numa dada área.
Constitui uma importante reserva
de energia, originada a partir de
processos de combustão da
matéria orgânica.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Algumas das principais fontes de
energia da biomassa são: a
madeira (e seus resíduos), os
resíduos agrícolas, os resíduos
dos animais, os resíduos da
produção alimentar e as algas.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Existem 3 tipos:
- a biomassa sólida;
- os biocombustíveis líquidos;
- os biocombustíveis gasosos
(biogás).

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Vantagens:
É pouco poluente, não emitindo dióxido de
carbono;

A biomassa é extremamente barata;

As emissões não contribuem para o efeito estufa.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Desvantagens:
Contribui para a desflorestação, para além
da destruição de habitats;

Possui um menor poder calorífico quando
comparado com outros combustíveis;
Dificuldades no transporte e no
armazenamento.
Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
(Geo – Terra; Térmica – Calor)
É a energia adquirida a partir do calor
proveniente do interior da Terra.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Devido à necessidade de se obterem
quantidades cada vez maiores de
energia, foi desenvolvida uma forma de
aproveitar esse calor para a produção de
eletricidade.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Vantagens:
É inesgotável;
Não é poluente;
É das mais seguras e de fácil manutenção;

Permite uma poupança de energia considerável.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Desvantagens:
Odor desagradável;

Custo inicial elevado;
Manutenção das tubagens avultada devido à
corrosão e à deposição de minerais.
Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
O Mar possui energia potencial devido à
altura das ondas e energia cinética
devido ao movimento das águas.
Assim a energia elétrica é obtida através
do movimento oscilatório provocado
pelas ondas e marés.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Vantagens:
A previsibilidade da ocorrência das marés;
O facto das marés serem uma fonte
inesgotável de energia;
São uma fonte de energia não poluente.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Desvantagens:
Os custos das instalações são bastante
elevados;
A construção desta tecnologia pode
originar grandes impactos ambientais;
As instalações só podem ser construídas
em locais muitos específicos.
Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
É a energia que podemos obter
através da movimentação das
águas dos rios.
É a energia mais utilizada no
Mundo.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
A produção de energia hídrica é

efetuada principalmente através
de centrais hidro-elétricas.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Vantagens:
Produção de energia elétrica sem que
exista poluição;
As barragens permitem regular os cursos de
água;
A energia produzida pode ser armazenada.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Desvantagens:
Grande impacto geográfico e biológico;

Inundação de grandes áreas;

Elevados custos de construção.
Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
É a energia que se obtém da
combinação do hidrogénio com o
oxigénio produzindo vapor de água e
libertando energia que é convertida em
eletricidade. Existem automóveis que já
são movidos a hidrogénio.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Vantagens:
Não é tóxico;
Grande densidade energética;
Menor emissão de partículas para a atmosfera,
como fumos e poeiras;

Grande utilidade ao nível dos transportes.

Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Desvantagens:
Tecnologia dispendiosa;
O Hidrogénio não se encontra isolado na
Natureza;
O Hidrogénio é obtido através de fontes de energia
primárias (gasóleo, petróleo, gás natural, entre
outros).
Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Evita banhos quentes demorados;

Evita dormir com aparelhos ligados ou
em stand by;
Mantém ligado apenas o aparelho que
estás a utilizar;
Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Evita acender lâmpadas durante o dia;
abre bem as cortinas e persianas e usa
ao máximo a luz do sol;
Utiliza lâmpadas económicas, em vez
de lâmpadas incandescentes.
Não deixes as luzes ligadas quando
não forem necessárias;
Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Reduz ao máximo o número de vezes que
abres a porta do frigorífico e o tempo que
esta permanece aberta;
Evita colocar alimentos quentes no frigorífico
ou no congelador;

Escolhe equipamentos de eficiência
energética A+++.
Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
Energia Jovem!
Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Energias renováveis
Energias renováveisEnergias renováveis
Energias renováveis
goretemendes
 
Eficiência energéticaguia edp
Eficiência energéticaguia edpEficiência energéticaguia edp
Eficiência energéticaguia edp
Maria Santos
 
Recursos Energéticos Renováveis
Recursos Energéticos RenováveisRecursos Energéticos Renováveis
Recursos Energéticos Renováveis
guest119781
 
Apresentação mini-conferência ESL
Apresentação mini-conferência ESLApresentação mini-conferência ESL
Apresentação mini-conferência ESL
guest97444b
 
O Protocolo de Kyoto, Copenhaguem e os meios de Iluminação
O Protocolo de Kyoto, Copenhaguem e os meios de IluminaçãoO Protocolo de Kyoto, Copenhaguem e os meios de Iluminação
O Protocolo de Kyoto, Copenhaguem e os meios de Iluminação
Valmir Mondejar
 
Um processo eco-compatível do inicio ao fim
Um processo eco-compatível do inicio ao fimUm processo eco-compatível do inicio ao fim
Um processo eco-compatível do inicio ao fim
Valmir Mondejar
 
Recursos Energéticos Renováveis
Recursos  Energéticos  RenováveisRecursos  Energéticos  Renováveis
Recursos Energéticos Renováveis
cotochanaabilio
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
Jean Silva
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
Beatriz de Almeida
 
Bioenergias
BioenergiasBioenergias
Bioenergias
Isabella Galdino
 
Energias Renovaveis e Nao Renovaveis
Energias Renovaveis e Nao RenovaveisEnergias Renovaveis e Nao Renovaveis
Energias Renovaveis e Nao Renovaveis
Miguel Santos
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
mauricio1906scp
 
G9 trabalho física
G9   trabalho físicaG9   trabalho física
G9 trabalho física
cristbarb
 
Um Business Verde!
Um Business Verde!Um Business Verde!
Um Business Verde!
Valmir Mondejar
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
vallmachado
 
Energias Renováveis - Biomassa
Energias Renováveis - BiomassaEnergias Renováveis - Biomassa
Energias Renováveis - Biomassa
ap8bgrp11
 
energias renováveis e não renováveis
energias renováveis e não renováveisenergias renováveis e não renováveis
energias renováveis e não renováveis
guest93f705
 
Energias renovaveis
Energias renovaveisEnergias renovaveis
Energias renovaveis
chiclete23
 
Energia conservacao
Energia conservacao   Energia conservacao
Energia conservacao
Charlles Moreira
 
Energia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovávelEnergia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovável
Wanessa Veloso
 

Mais procurados (20)

Energias renováveis
Energias renováveisEnergias renováveis
Energias renováveis
 
Eficiência energéticaguia edp
Eficiência energéticaguia edpEficiência energéticaguia edp
Eficiência energéticaguia edp
 
Recursos Energéticos Renováveis
Recursos Energéticos RenováveisRecursos Energéticos Renováveis
Recursos Energéticos Renováveis
 
Apresentação mini-conferência ESL
Apresentação mini-conferência ESLApresentação mini-conferência ESL
Apresentação mini-conferência ESL
 
O Protocolo de Kyoto, Copenhaguem e os meios de Iluminação
O Protocolo de Kyoto, Copenhaguem e os meios de IluminaçãoO Protocolo de Kyoto, Copenhaguem e os meios de Iluminação
O Protocolo de Kyoto, Copenhaguem e os meios de Iluminação
 
Um processo eco-compatível do inicio ao fim
Um processo eco-compatível do inicio ao fimUm processo eco-compatível do inicio ao fim
Um processo eco-compatível do inicio ao fim
 
Recursos Energéticos Renováveis
Recursos  Energéticos  RenováveisRecursos  Energéticos  Renováveis
Recursos Energéticos Renováveis
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
 
Bioenergias
BioenergiasBioenergias
Bioenergias
 
Energias Renovaveis e Nao Renovaveis
Energias Renovaveis e Nao RenovaveisEnergias Renovaveis e Nao Renovaveis
Energias Renovaveis e Nao Renovaveis
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
 
G9 trabalho física
G9   trabalho físicaG9   trabalho física
G9 trabalho física
 
Um Business Verde!
Um Business Verde!Um Business Verde!
Um Business Verde!
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
 
Energias Renováveis - Biomassa
Energias Renováveis - BiomassaEnergias Renováveis - Biomassa
Energias Renováveis - Biomassa
 
energias renováveis e não renováveis
energias renováveis e não renováveisenergias renováveis e não renováveis
energias renováveis e não renováveis
 
Energias renovaveis
Energias renovaveisEnergias renovaveis
Energias renovaveis
 
Energia conservacao
Energia conservacao   Energia conservacao
Energia conservacao
 
Energia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovávelEnergia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovável
 

Destaque

Escuela normal experimental de
Escuela normal experimental deEscuela normal experimental de
Escuela normal experimental de
Daniel Medina
 
Bacterias
BacteriasBacterias
Bacterias
UO
 
Livros 4º ano
Livros 4º anoLivros 4º ano
Livros 4º ano
profjaque
 
T9.1 términos kant
T9.1 términos kantT9.1 términos kant
T9.1 términos kant
Manuel Fuentes
 
SESSIONS FORMATIVES IRTA DE LES MILLORS PRÀCTIQUES DE CULTIU DE L’ARRÒS. PROG...
SESSIONS FORMATIVES IRTA DE LES MILLORS PRÀCTIQUES DE CULTIU DE L’ARRÒS. PROG...SESSIONS FORMATIVES IRTA DE LES MILLORS PRÀCTIQUES DE CULTIU DE L’ARRÒS. PROG...
SESSIONS FORMATIVES IRTA DE LES MILLORS PRÀCTIQUES DE CULTIU DE L’ARRÒS. PROG...
Irta
 
Jazminreyes
JazminreyesJazminreyes
Jazminreyes
jazmin reyes
 
Liderança de Equipas num Contexto Exigente
Liderança de Equipas num Contexto Exigente Liderança de Equipas num Contexto Exigente
Liderança de Equipas num Contexto Exigente
CJA Business Consulting
 
Testes intermédios
Testes intermédiosTestes intermédios
Testes intermédios
anabela
 
Manual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLEManual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLE
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Hackers2r
Hackers2rHackers2r
Hackers2r
XaviOrantes
 
A recuperação do homem natural em feurbach
A recuperação do homem natural em feurbachA recuperação do homem natural em feurbach
A recuperação do homem natural em feurbach
ricardogeo11
 
Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2
Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2
Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2
zkcarvalho
 
Edição 1522
Edição 1522Edição 1522
Edição 1522
Jornal ChelaPress
 
Anexo 008 construção de um perfil conceitual de vida
Anexo 008   construção de um perfil conceitual de vidaAnexo 008   construção de um perfil conceitual de vida
Anexo 008 construção de um perfil conceitual de vida
Regina Helena Souza Ferreira
 
Novena
NovenaNovena
Reciclaje
ReciclajeReciclaje
Reciclaje
yazmaringarcia
 
Modelo Tarefa Semana3 4 Projeto777
Modelo Tarefa Semana3 4 Projeto777Modelo Tarefa Semana3 4 Projeto777
Modelo Tarefa Semana3 4 Projeto777
Anderson V N Soares
 
Introduccion al mercado
Introduccion al mercadoIntroduccion al mercado
Introduccion al mercado
Facebook
 
Folleto cosechamaiz2007 2008
Folleto cosechamaiz2007 2008Folleto cosechamaiz2007 2008
Folleto cosechamaiz2007 2008
Samuel Alcala
 
Protocolos de la capas del modelo osi
Protocolos de la capas del modelo osiProtocolos de la capas del modelo osi
Protocolos de la capas del modelo osi
taniannz
 

Destaque (20)

Escuela normal experimental de
Escuela normal experimental deEscuela normal experimental de
Escuela normal experimental de
 
Bacterias
BacteriasBacterias
Bacterias
 
Livros 4º ano
Livros 4º anoLivros 4º ano
Livros 4º ano
 
T9.1 términos kant
T9.1 términos kantT9.1 términos kant
T9.1 términos kant
 
SESSIONS FORMATIVES IRTA DE LES MILLORS PRÀCTIQUES DE CULTIU DE L’ARRÒS. PROG...
SESSIONS FORMATIVES IRTA DE LES MILLORS PRÀCTIQUES DE CULTIU DE L’ARRÒS. PROG...SESSIONS FORMATIVES IRTA DE LES MILLORS PRÀCTIQUES DE CULTIU DE L’ARRÒS. PROG...
SESSIONS FORMATIVES IRTA DE LES MILLORS PRÀCTIQUES DE CULTIU DE L’ARRÒS. PROG...
 
Jazminreyes
JazminreyesJazminreyes
Jazminreyes
 
Liderança de Equipas num Contexto Exigente
Liderança de Equipas num Contexto Exigente Liderança de Equipas num Contexto Exigente
Liderança de Equipas num Contexto Exigente
 
Testes intermédios
Testes intermédiosTestes intermédios
Testes intermédios
 
Manual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLEManual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLE
 
Hackers2r
Hackers2rHackers2r
Hackers2r
 
A recuperação do homem natural em feurbach
A recuperação do homem natural em feurbachA recuperação do homem natural em feurbach
A recuperação do homem natural em feurbach
 
Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2
Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2
Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2
 
Edição 1522
Edição 1522Edição 1522
Edição 1522
 
Anexo 008 construção de um perfil conceitual de vida
Anexo 008   construção de um perfil conceitual de vidaAnexo 008   construção de um perfil conceitual de vida
Anexo 008 construção de um perfil conceitual de vida
 
Novena
NovenaNovena
Novena
 
Reciclaje
ReciclajeReciclaje
Reciclaje
 
Modelo Tarefa Semana3 4 Projeto777
Modelo Tarefa Semana3 4 Projeto777Modelo Tarefa Semana3 4 Projeto777
Modelo Tarefa Semana3 4 Projeto777
 
Introduccion al mercado
Introduccion al mercadoIntroduccion al mercado
Introduccion al mercado
 
Folleto cosechamaiz2007 2008
Folleto cosechamaiz2007 2008Folleto cosechamaiz2007 2008
Folleto cosechamaiz2007 2008
 
Protocolos de la capas del modelo osi
Protocolos de la capas del modelo osiProtocolos de la capas del modelo osi
Protocolos de la capas del modelo osi
 

Semelhante a Energia jovem

Fontes de energia.pdf
Fontes de energia.pdfFontes de energia.pdf
Fontes de energia.pdf
EvertonMendez
 
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série CTrabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
luisfernandobevilacqua
 
Fontes de energia completo - g4 certo
Fontes de energia   completo - g4 certoFontes de energia   completo - g4 certo
Fontes de energia completo - g4 certo
blog_setimaf
 
Paineis solares
Paineis solaresPaineis solares
Paineis solares
joanatoky
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
tavarok86
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
Banib00
 
Energias Renovaveis
Energias RenovaveisEnergias Renovaveis
Energias Renovaveis
João Duarte
 
Atividade geografia
Atividade geografiaAtividade geografia
Atividade geografia
Núbia Maciel
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
Artur Lara
 
Paineis solares pdf
Paineis solares pdfPaineis solares pdf
Paineis solares pdf
joanatoky
 
Energias renováveis e não renováveis - Ana Filipa, Matilde e Miguel Espadinha
Energias renováveis e não renováveis - Ana Filipa, Matilde e Miguel EspadinhaEnergias renováveis e não renováveis - Ana Filipa, Matilde e Miguel Espadinha
Energias renováveis e não renováveis - Ana Filipa, Matilde e Miguel Espadinha
jmabp4
 
Fontes alternativas e Energia no Brasil
Fontes alternativas e Energia no BrasilFontes alternativas e Energia no Brasil
Fontes alternativas e Energia no Brasil
Tais Santana
 
Energias alternativas
Energias alternativasEnergias alternativas
Energias alternativas
Espa Cn 8
 
Energias renováveis e desenvolvimento sustentável
Energias renováveis e desenvolvimento sustentávelEnergias renováveis e desenvolvimento sustentável
Energias renováveis e desenvolvimento sustentável
António Matias
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
alecarneiro87
 
Fontes de energia.
Fontes de energia.Fontes de energia.
Fontes de energia.
Robs
 
Energias Limpas.pptx
Energias Limpas.pptxEnergias Limpas.pptx
Energias Limpas.pptx
Ilma302808
 
Fontes de energia renováveis - proinfo 2013
Fontes de energia renováveis - proinfo 2013Fontes de energia renováveis - proinfo 2013
Fontes de energia renováveis - proinfo 2013
feluvadagd
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
feluvadagd
 
energias renováveis
energias renováveisenergias renováveis
energias renováveis
veronicasilva
 

Semelhante a Energia jovem (20)

Fontes de energia.pdf
Fontes de energia.pdfFontes de energia.pdf
Fontes de energia.pdf
 
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série CTrabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
 
Fontes de energia completo - g4 certo
Fontes de energia   completo - g4 certoFontes de energia   completo - g4 certo
Fontes de energia completo - g4 certo
 
Paineis solares
Paineis solaresPaineis solares
Paineis solares
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
Energias Renovaveis
Energias RenovaveisEnergias Renovaveis
Energias Renovaveis
 
Atividade geografia
Atividade geografiaAtividade geografia
Atividade geografia
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
Paineis solares pdf
Paineis solares pdfPaineis solares pdf
Paineis solares pdf
 
Energias renováveis e não renováveis - Ana Filipa, Matilde e Miguel Espadinha
Energias renováveis e não renováveis - Ana Filipa, Matilde e Miguel EspadinhaEnergias renováveis e não renováveis - Ana Filipa, Matilde e Miguel Espadinha
Energias renováveis e não renováveis - Ana Filipa, Matilde e Miguel Espadinha
 
Fontes alternativas e Energia no Brasil
Fontes alternativas e Energia no BrasilFontes alternativas e Energia no Brasil
Fontes alternativas e Energia no Brasil
 
Energias alternativas
Energias alternativasEnergias alternativas
Energias alternativas
 
Energias renováveis e desenvolvimento sustentável
Energias renováveis e desenvolvimento sustentávelEnergias renováveis e desenvolvimento sustentável
Energias renováveis e desenvolvimento sustentável
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
Fontes de energia.
Fontes de energia.Fontes de energia.
Fontes de energia.
 
Energias Limpas.pptx
Energias Limpas.pptxEnergias Limpas.pptx
Energias Limpas.pptx
 
Fontes de energia renováveis - proinfo 2013
Fontes de energia renováveis - proinfo 2013Fontes de energia renováveis - proinfo 2013
Fontes de energia renováveis - proinfo 2013
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
energias renováveis
energias renováveisenergias renováveis
energias renováveis
 

Último

Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 

Energia jovem

  • 2. As fontes de energia não renováveis são aquelas que se encontram na natureza em quantidades limitadas e se extinguem com a sua utilização. Uma vez esgotadas, as reservas não podem ser regeneradas. Consideram-se fontes de energia não renováveis os combustíveis fósseis (carvão, petróleo, gás natural, entre outros). Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 3. Os Combustíveis fósseis são das fontes de energia mais utilizadas a nível mundial. São substâncias de origem mineral, originados pela decomposição de resíduos orgânicos. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2 Porém, este processo leva milhões de anos, logo são considerados recursos não renováveis. Os combustíveis fósseis mais conhecidos são: gás natural, carvão mineral e petróleo.
  • 4. A queima dos combustíveis fósseis gera altos índices de poluição atmosférica. Logo, são os grandes responsáveis pelo efeito de estufa e aquecimento global. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2 Além disso, a queima destes combustíveis é altamente prejudicial à saúde e ao ambiente. A extração do carvão e do petróleo podem causar contaminação do solo, da água e da atmosfera.
  • 5. o Provém de recursos naturais como o sol, o vento, a água, entre outras; o É inesgotável, pois apesar de ser consumida, consegue-se renovar na Natureza. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 6. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 7. É a energia que provém do vento. É utilizada para mover aerogeradores (grandes turbinas) colocados em locais com muito vento, produzindo energia elétrica. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 8. Vantagens: É inesgotável; Não emite gases poluentes nem gera resíduos; Diminui a emissão de gases de efeito de estufa (GEE); É uma das fontes de energia renovável mais baratas. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 9. Desvantagens: Nem sempre existe vento para mover o aerogeradores; Provoca uma considerável alteração na paisagem; Pode provocar impacto sobre as aves, devido ao choque destas com os aerogeradores. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 10. É a designação dada a qualquer tipo de captação de energia luminosa proveniente do sol. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 11. Esta energia é posteriormente transformada de forma a ser útil ao Homem, seja diretamente para aquecimento de água ou ainda como energia elétrica ou energia térmica. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 12. Vantagens: É pouco poluente; Os painéis solares precisam de pouca manutenção; Em países soalheiros, os painéis são muito viáveis, pois permitem uma grande poupança. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 13. Desvantagens: Em dias de chuva ou em dias nublados há pouca geração de energia; No período da noite não ocorre a produção de energia; O custo e a instalação dos equipamentos ainda é bastante elevado. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 14. A Biomassa é a massa total de organismos vivos numa dada área. Constitui uma importante reserva de energia, originada a partir de processos de combustão da matéria orgânica. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 15. Algumas das principais fontes de energia da biomassa são: a madeira (e seus resíduos), os resíduos agrícolas, os resíduos dos animais, os resíduos da produção alimentar e as algas. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 16. Existem 3 tipos: - a biomassa sólida; - os biocombustíveis líquidos; - os biocombustíveis gasosos (biogás). Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 17. Vantagens: É pouco poluente, não emitindo dióxido de carbono; A biomassa é extremamente barata; As emissões não contribuem para o efeito estufa. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 18. Desvantagens: Contribui para a desflorestação, para além da destruição de habitats; Possui um menor poder calorífico quando comparado com outros combustíveis; Dificuldades no transporte e no armazenamento. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 19. (Geo – Terra; Térmica – Calor) É a energia adquirida a partir do calor proveniente do interior da Terra. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 20. Devido à necessidade de se obterem quantidades cada vez maiores de energia, foi desenvolvida uma forma de aproveitar esse calor para a produção de eletricidade. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 21. Vantagens: É inesgotável; Não é poluente; É das mais seguras e de fácil manutenção; Permite uma poupança de energia considerável. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 22. Desvantagens: Odor desagradável; Custo inicial elevado; Manutenção das tubagens avultada devido à corrosão e à deposição de minerais. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 23. O Mar possui energia potencial devido à altura das ondas e energia cinética devido ao movimento das águas. Assim a energia elétrica é obtida através do movimento oscilatório provocado pelas ondas e marés. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 24. Vantagens: A previsibilidade da ocorrência das marés; O facto das marés serem uma fonte inesgotável de energia; São uma fonte de energia não poluente. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 25. Desvantagens: Os custos das instalações são bastante elevados; A construção desta tecnologia pode originar grandes impactos ambientais; As instalações só podem ser construídas em locais muitos específicos. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 26. É a energia que podemos obter através da movimentação das águas dos rios. É a energia mais utilizada no Mundo. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 27. A produção de energia hídrica é efetuada principalmente através de centrais hidro-elétricas. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 28. Vantagens: Produção de energia elétrica sem que exista poluição; As barragens permitem regular os cursos de água; A energia produzida pode ser armazenada. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 29. Desvantagens: Grande impacto geográfico e biológico; Inundação de grandes áreas; Elevados custos de construção. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 30. É a energia que se obtém da combinação do hidrogénio com o oxigénio produzindo vapor de água e libertando energia que é convertida em eletricidade. Existem automóveis que já são movidos a hidrogénio. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 31. Vantagens: Não é tóxico; Grande densidade energética; Menor emissão de partículas para a atmosfera, como fumos e poeiras; Grande utilidade ao nível dos transportes. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 32. Desvantagens: Tecnologia dispendiosa; O Hidrogénio não se encontra isolado na Natureza; O Hidrogénio é obtido através de fontes de energia primárias (gasóleo, petróleo, gás natural, entre outros). Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 33. Evita banhos quentes demorados; Evita dormir com aparelhos ligados ou em stand by; Mantém ligado apenas o aparelho que estás a utilizar; Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 34. Evita acender lâmpadas durante o dia; abre bem as cortinas e persianas e usa ao máximo a luz do sol; Utiliza lâmpadas económicas, em vez de lâmpadas incandescentes. Não deixes as luzes ligadas quando não forem necessárias; Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 35. Reduz ao máximo o número de vezes que abres a porta do frigorífico e o tempo que esta permanece aberta; Evita colocar alimentos quentes no frigorífico ou no congelador; Escolhe equipamentos de eficiência energética A+++. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 36. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2
  • 37. Energia Jovem! Ana Machado, Luís Pato, Miguel Lampreia | Centro de Saúde de Beja 2