SlideShare uma empresa Scribd logo
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS
          PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA
     SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE CAXAMBU




     Encontro com os
      Professores de
Matemática dos anos finais
 (6º ao 9º ano) do Ensino
  Fundamental e Ensino
           Médio
                                            PIP II
                                    IMPLEMENTAÇÃO CBC
       Analista Pedagógico            Anos Finais do EF
       Ruanna Reis Guido
Aluno como foco no
      processo de ensino
        aprendizagem.
     “Cada vez me convenço mais de que na
educação o incentivo, o apoio é mais importante
que a cobrança, o controle. Quando consegui-
mos motivar, incentivar o aluno ele aprende
sem nós, ele aprende sozinho, ele corre atrás do
que precisa. Alunos motivados vão mais longe,
caminham com mais autonomia.”
                            José Manuel Moran
Encontro de Professores de Matemática e Especialistas - Outubro 2011
Conversando...
 O que é CBC?

 Vocês conhecem o CBC de Matemática?


 Utilizam o CBC para nortear suas aulas?

 Quais as dificuldades encontradas na imple-
mentação do CBC em sala de aula?
O que é o CBC?
 O CBC ( Conteúdo Básico Comum ) é uma
proposta curricular e, como tal, apresenta descri-
ção dos conteúdos e habilidades que os alunos
devem aprender em cada disciplina.
Resolução SEE nº666
                                 De 07 de Abril de 2005


RESOLVE:
     Art. 1º: Ficam estabelecidos os Conteúdos
Básicos Comuns – CBC’s, para séries finais do
ensino fundamental e para o ensino médio,
constantes no Anexo 1 desta Resolução, a serem
ensinados obrigatoriamente por todas as
unidades estaduais de ensino.
Importância do CBC
 “Não esgotam todos os conteúdos a serem a-
bordados na escola, mas expressam os aspectos
fundamentais de cada disciplina, que não podem
deixar de ser ensinados e que o aluno não pode
deixar de aprender.”
Implantação bem
           sucedida
 Centro de Referência Virtual do Professor.
  Portal com recursos de apoio ao
 professor na implantação do CBC,
           favorecendo o:




Planejamento, execução e avaliação
     das atividades de ensino.
Revelância e benefícios
        do CRV:
 Auxílio na implantação do CBC.
 Apoio aos processos de ensino e aprendizagem.
 Interação com a comunidade educacional:
Fo-co no contexto e necessidades do professor.
 Promove a redução das desigualdades regionais.
 Oportunidade de trabalho colaborativo entre
educadores ( Fórum e STR) .
 Oportunidade de uso de tecnologias
contemporâneas no contexto educacional.
Estrutura do CRV:
 Centro de Referência Virtual do Professor.
     Orientações Pedagógicas
     Roteiros de Atividades
     Sugestões de Planejamento de Aulas
     Fórum de discussões
     Textos Didáticos
     Experiências simuladas
     Vídeos Educacionais
     Banco de Itens
         http://crv.educacao.mg.gov.br
O CBC, como proposta
curricular, responde as questões:
 O que ensinar? (Quais conteúdos, habilidades e com-
petências).
Por que ensinar? (Importância da disciplina na vida
social e cultural).
Quando ensinar? (Faixa etária, ordenamento dos
conteúdos e habilidades).
Como ensinar? (Procedimentos, metodologias, recur-
sos didáticos).
Como avaliar? (Verificar se os alunos estão apren-
dendo).
A estrutura do CBC:
 Eixos Temáticos
  Temas
     Tópicos
       Habilidades
          Ano / Carga horária (seriação)
A estrutura do CBC:
EIXO TEMÁTICO I :
Tema 1: Conjuntos numéricos
NÚMEROS E OPERAÇÕES
Metodologia para Matemática:
 Leitura de
                        Estudos
  Textos
                        Dirigidos
Matemáticos


Trabalhos
em grupo
                 CBC
  Recursos             Recursos
Computacionais         Didáticos
Qual a associação do CBC
com a Matriz de Referência?
     A Matriz de Referência para a Avaliação é
utilizada para elaborar os testes de larga escala.
    Ela surge do CBC e contempla apenas habili-
dades consideradas fundamentais e possíveis de
serem alocadas em testes de múltipla escolha.
O que é a Matriz de
          Referência?
 É um documento que se organiza em subcon-
juntos (temas) de habilidades correspondentes
ao nível do ano dos alunos a serem avaliados.
As habilidades são decompostas em descritores,
que têm a função de avaliar as unidades míninas
de cada habilidade.

 Foco na Matriz de Referência de Matemática
é a resolução de problemas.
A estrutura da Matriz de
                    Referência:
   TEMA




HABILIDADES
A estrutura da Matriz de
                    Referência:
      TE
        MA




HABILIDADES
A estrutura da Matriz de
                    Referência:
   TEMA




HABILIDADES
A estrutura da Matriz de
                    Referência:
   TEM
      A




HABILIDADES
Esclarecimentos:
 Tema: Representa uma subdivisão de acordo
com o conteúdo, competências e habilidades.
Esclarecimentos:
 Descritores: Não é o conteúdo de ensino, mas
o detalhamento de uma habilidade cognitiva, ou
seja, que descrevem uma habilidade, que está
sempre associado a um conteúdo que o estudan-
te deve dominar na etapa de ensino. Embora está
diretamente relacionado à habilidade e por con-
seguinte, à capacidade, é uma nomenclatura
própria da avaliação externa.
Esclarecimentos:
 Item: É a unidade do teste de uma avaliação
em larga escala, pode ser de múltipla escolha ou
aberto. Na avaliação externa, um item avalia
somente um descritor.
Esclarecimentos:
 Habilidades: São inseparáveis da ação, mas
exigem domínio de conhecimentos; estão
relacionadas ao saber fazer.
Esclarecimentos:
 Competências: Pressupõe operações mentais,
capacidades para usar as habilidades, emprego
de atitudes, adequadas à realização de tarefas e
conhecimentos. (Conjunto da aprendizagem do
aluno: CHA – Conhecimento, Habilidade,
Atitude).
Elementos que compõem a
    Matriz de Referência
Matriz de    Área de Conhecimento:
Referência         Matemática



     Tema     Agrupamento de Descritores




         Descritor   Avalia uma única habilidade
Os grandes Temas (ou Eixos
Temáticos) da Matemática:
    ESPAÇO E    GRANDEZAS E
     FORMA        MEDIDAS




    NÚMEROS
       E       TRATAMENTO DA
   OPERAÇÕES    INFORMAÇÃO
Espaço e Forma:
  O trabalho com este eixo possibilitará aos alunos:
Compreender, descrever e representar o mundo em
que vivemos;

 Desenvolver habilidades de percepção espacial,
descobrindo conceitos de modo experimental;

 Apreciar, com outro olhar as formas geométricas
presentes na natureza, nas construções e nas diferentes
manifestações artísticas;
 Estabelecer conexões entre a matemática e outras
áreas de conhecimento.
Atividade de Avaliação:
    D8 – Utilizar propriedades dos polígonos regulares (soma de
seus ângulos internos, número de diagonais, cálculo da medida
de cada ângulo interno).
   Observe o triângulo abaixo.




   O valor de x é:
(A) 110°.
(B) 80°.
(C) 60°.
(D) 50º.
Como trabalhar essa
  habilidade em sala de aula
   De acordo com o teorema do ângulo externo que diz que um
ângulo externo ao triângulo é igual à soma dos ângulos internos
não adjacentes a ele, calcule o valor de x:

                                      x + (x + 10º) = 110º
                                        2x = 110º - 10º
                                          2x = 100º
                                           x = 100º
                                                2
                                            x = 50º
Como trabalhar essa
  habilidade em sala de aula
     Sabendo que a soma dos ângulos internos de um triângulo é
igual a 180º e que um ângulo raso também é 180º, calcule o va-
lor de x:

                                  x + (x + 10º) + 70º = 180º
                                    2x = 180º - 80º
                                      2x = 100º
                                       x = 100º
                                            2
                                        x = 50º
Grandezas e Medidas:
  O trabalho com este eixo possibilitará aos alunos:
Conhecer aspectos históricos na construção deste
conhecimento;

Compreender:
    • conceito de medidas;
    • processos de medição;
    • necessidades de unidades-padrão.

 Resolver situações-problema utilizando as unidades
de medida;

Estabelecer conexões com outros eixos temáticos.
Atividade de Avaliação:
   D12 – Resolver situações-problema envolvendo o cálculo do
perímetro e da área de figuras planas.

    O piso de entrada de um prédio está sendo reformado. Serão
feitas duas jardineiras nas laterais, conforme indicado na figura,
e o piso restante será revestido de cerâmica.
   Qual é a área do piso que será revestido de cerâmica?

(A) 3 m²
(B) 6 m²
(C) 9 m²
(D) 12 m²
Como trabalhar essa
   habilidade em sala de aula
    Sabendo que o piso de entrada de um prédio tem a forma de
um trapézio isósceles conforme mostra a figura abaixo, calcule
sua área.
A (trap.)= (B + b) . h
                2
A = (4 + 2) . 3
        2
A = 18
     2
A = 9m²
Como trabalhar essa
   habilidade em sala de aula
       O piso de entrada de um prédio esta sendo reformado.
Saben-do que a área total é 12m² e que serão construídas duas
jardinei-ras com área igual a 1,5m² , calcule a área do piso de
entrada do prédio.

A (total) = 2.A (jard.) + A (piso)
12 = 2 . 1,5 + A (piso)
12 = 3 + A (piso)
A (piso) = 12 - 3
A (piso) = 9m²
Números e Operações /
      Álgebra e Funções:
  O trabalho com este eixo possibilitará aos alunos:

 Construir significados e ampliar os já existentes para
os números naturais e racionais;

 Conhecer as operações e suas aplicações è resolução
de problemas.
Atividade de Avaliação:
      D18 – Resolver situações-problema com números inteiros,
envolvendo as operações (adição, subtração, multiplicação, divi-
são, potenciação).
      Cíntia conduzia um carrinho de brinquedo por controle
remoto em linha reta. Ela anotou em uma tabela os metros que o
carrinho andava cada vez que ela acionava o controle. Escreveu
valores positivos para as idas e negativos
para as vindas.
   Após Cíntia acionar o controle pela
sexta vez, a distância entre ela e o carri-
nho era de
(A) -11 m.
(B) 11 m.
(C) -27 m.
(D) 27 m.
Como trabalhar essa
  habilidade em sala de aula
      Cíntia conduzia um carrinho de brinquedo por controle
remoto em linha reta. Ela anotou em uma tabela os metros que o
carrinho andava cada vez que ela acionava o controle. Escreveu
valores positivos para as idas e negativos para as vindas.

a)Qual distância Cíntia se encontrava do
carrinho na segunda vez que acionou o
controle?      (+ 17 – 8 = + 9)

b) Quantos metros o carrinho andou nas
idas?    (+17+13+4+7 = +41)

c)Quantos metros andou nas vindas?
            (-8-22 = -30)
Tratamento da Informação:
  O trabalho com este eixo possibilitará aos alunos:
 Desenvolver habilidades de fazer uso, expor, prepara
e/ou discutir determinado conjunto de dados;
 Articular conceitos e fatos, ajudando no desenvolvi-
mento da capacidade de estimar, formular opinião e to-
mar decisões;

Observar e estabelecer comparações sobre assuntos
tratados;

Organizar listas e tabelas;

Construir gráficos.
Atividade de Avaliação:
    D31 – Interpretar e utilizar informações apresentadas em ta-
belas e/ou gráficos.
   Três restaurantes populares disputam a clientela numa região central
do Rio de Janeiro nos finais de semana. Observe abaixo os pratos
oferecidos.
             Restaurante A     Restaurante B          Restaurante C

    Sábado      Feijoada       Filé com fritas   Peito de frango grelhado
                R$ 4,50            R$ 6,80             com legumes
                                                          R$ 5,70
   Domingo   Espaguete com   Frango ensopado           Lombo com
              almôndegas        com quiabo            tutu de feijão
                R$ 4,90           R$ 5,30                R$ 6,20

Qual restaurante serve o prato mais barato?
A) O restaurante A, no domingo.
B) O restaurante B, no domingo.
C) O restaurante A, no sábado.
D) O restaurante C, no sábado.
Como trabalhar essa
   habilidade em sala de aula
    Três restaurantes populares disputam a clientela numa região
central do Rio de Janeiro nos finais de semana. Observe abaixo os
pratos oferecidos.
             Restaurante A    Restaurante B          Restaurante C

   Sábado      Feijoada       Filé com fritas   Peito de frango grelhado
               R$ 4,50            R$ 6,80             com legumes
                                                         R$ 5,70
  Domingo   Espaguete com    Frango ensopado          Lombo com
             almôndegas         com quiabo           tutu de feijão
               R$ 4,90            R$ 5,30               R$ 6,20

   Com base nos dados apresentados na tabela, responda:
a)Qual prato mais barato de sábado? (Feijoada)
b)Qual prato mais caro de domingo? (Lombo com tutu de feijão)
c)Qual o preço do prato mais caro do restaurante C? (R$ 6,20)
d)Qual o preço do prato mais barato do restaurante B? (R$ 5,30)
Devemos considerar:
 O aluno como sujeito da aprendizagem.
(O aluno constrói seu conhecimento relacionando o que
sabe com o novo).

 Valorização das vivências do aluno.
(Os conhecimentos prévios devem ser valorizados).

 Necessidade de contextualização.
(As atividades contextualizadas possibilitam a compre-
ensão. O conteúdo matemático torna-se significativo ao
ser inserido em contextos).
PLANO DE AULA



Como planejar utilizando o CBC?
Para que um Plano de
          Aula?
        A principal função garantir a
coerência entre as atividades que o
professor faz com seus alunos e as
aprendizagens que pretende proporcionar
a eles.
Escrevendo o plano de
          aula
     Ao elaborar o Plano de aula o professor
deve fazer opções quanto aos conteúdos, às
atividades, ao modo como elas serão
desenvolvidas, distribuir o tempo adequada-
mente, assim como fazer escolhas a respeito
da avaliação pretendida.
Escrevendo o plano de
        aula
 EIXO/TÓPICO/TEMA
 HABILIDADES
 CONTEÚDO
 OBJETIVOS
 DESENVOLVIMENTO (Estratégias,
Metodologia, Atividades, Recursos)
 AVALIAÇÃO
 OBSERVAÇÃO (Retomada)
Ministrar aula não é apenas
fazer aquilo de que se gosta. É,
verdadeiramente, fazer aquilo a
quem se gosta.
                     Celso Antunes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rp mat 2_em
Rp mat 2_emRp mat 2_em
Rp mat 2_em
CNT_2013
 
6º ANO 2009
6º ANO 20096º ANO 2009
6º ANO 2009
Prof CidaAlves
 
Plano de ensino para o fund ii
Plano de ensino para o fund iiPlano de ensino para o fund ii
Plano de ensino para o fund ii
alunosderoberto
 
Planos de aula 2011 -pdf
Planos de aula   2011 -pdfPlanos de aula   2011 -pdf
Planos de aula 2011 -pdf
qcavalcante
 
Plano de trabalho – Números reais
Plano de trabalho – Números reaisPlano de trabalho – Números reais
Plano de trabalho – Números reais
Luciane Oliveira
 
Matriz curric. matematica e.médio 2010
Matriz curric. matematica  e.médio 2010Matriz curric. matematica  e.médio 2010
Matriz curric. matematica e.médio 2010
Creison
 
Plano de curso de matemática ensino médio
Plano de curso de matemática ensino médioPlano de curso de matemática ensino médio
Plano de curso de matemática ensino médio
Tammi Kirk
 
Apostila rec campo aditivo
Apostila rec   campo aditivoApostila rec   campo aditivo
Apostila rec campo aditivo
Marisa Mary
 
Plano aula matematica_adm_estela_giro
Plano aula  matematica_adm_estela_giroPlano aula  matematica_adm_estela_giro
Plano aula matematica_adm_estela_giro
Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS
 
Rp mat 1_em
Rp mat 1_emRp mat 1_em
Rp mat 1_em
CNT_2013
 
Estatística ii emerson josé jung
Estatística ii   emerson josé jungEstatística ii   emerson josé jung
Estatística ii emerson josé jung
Leandro Berto
 
Planejamento de matemática completo do 2º grau
Planejamento de matemática completo do 2º grauPlanejamento de matemática completo do 2º grau
Planejamento de matemática completo do 2º grau
Antonio Carneiro
 
Rp mat 7_ef (1)
Rp mat 7_ef (1)Rp mat 7_ef (1)
Rp mat 7_ef (1)
CNT_2013
 
A matriz de referência para avaliação (1)
A matriz de referência para avaliação (1)A matriz de referência para avaliação (1)
A matriz de referência para avaliação (1)
Osiel Oliveira
 
Rp mat 8_ef
Rp mat 8_efRp mat 8_ef
Rp mat 8_ef
CNT_2013
 
Avaliação da aprendizagem em processo (aap) julho 2013
Avaliação da aprendizagem em processo  (aap) julho 2013Avaliação da aprendizagem em processo  (aap) julho 2013
Avaliação da aprendizagem em processo (aap) julho 2013
Mari_Saracchini
 
Planejamento de matemática completo do 2º grau
Planejamento de matemática completo do 2º grauPlanejamento de matemática completo do 2º grau
Planejamento de matemática completo do 2º grau
Antonio Carneiro
 
Seja estagio-i
Seja estagio-iSeja estagio-i
Seja estagio-i
Cris Lago
 
Seja estagio-ii
Seja estagio-iiSeja estagio-ii
Seja estagio-ii
Cris Lago
 
Seja estagio-iv
Seja estagio-ivSeja estagio-iv
Seja estagio-iv
Cris Lago
 

Mais procurados (20)

Rp mat 2_em
Rp mat 2_emRp mat 2_em
Rp mat 2_em
 
6º ANO 2009
6º ANO 20096º ANO 2009
6º ANO 2009
 
Plano de ensino para o fund ii
Plano de ensino para o fund iiPlano de ensino para o fund ii
Plano de ensino para o fund ii
 
Planos de aula 2011 -pdf
Planos de aula   2011 -pdfPlanos de aula   2011 -pdf
Planos de aula 2011 -pdf
 
Plano de trabalho – Números reais
Plano de trabalho – Números reaisPlano de trabalho – Números reais
Plano de trabalho – Números reais
 
Matriz curric. matematica e.médio 2010
Matriz curric. matematica  e.médio 2010Matriz curric. matematica  e.médio 2010
Matriz curric. matematica e.médio 2010
 
Plano de curso de matemática ensino médio
Plano de curso de matemática ensino médioPlano de curso de matemática ensino médio
Plano de curso de matemática ensino médio
 
Apostila rec campo aditivo
Apostila rec   campo aditivoApostila rec   campo aditivo
Apostila rec campo aditivo
 
Plano aula matematica_adm_estela_giro
Plano aula  matematica_adm_estela_giroPlano aula  matematica_adm_estela_giro
Plano aula matematica_adm_estela_giro
 
Rp mat 1_em
Rp mat 1_emRp mat 1_em
Rp mat 1_em
 
Estatística ii emerson josé jung
Estatística ii   emerson josé jungEstatística ii   emerson josé jung
Estatística ii emerson josé jung
 
Planejamento de matemática completo do 2º grau
Planejamento de matemática completo do 2º grauPlanejamento de matemática completo do 2º grau
Planejamento de matemática completo do 2º grau
 
Rp mat 7_ef (1)
Rp mat 7_ef (1)Rp mat 7_ef (1)
Rp mat 7_ef (1)
 
A matriz de referência para avaliação (1)
A matriz de referência para avaliação (1)A matriz de referência para avaliação (1)
A matriz de referência para avaliação (1)
 
Rp mat 8_ef
Rp mat 8_efRp mat 8_ef
Rp mat 8_ef
 
Avaliação da aprendizagem em processo (aap) julho 2013
Avaliação da aprendizagem em processo  (aap) julho 2013Avaliação da aprendizagem em processo  (aap) julho 2013
Avaliação da aprendizagem em processo (aap) julho 2013
 
Planejamento de matemática completo do 2º grau
Planejamento de matemática completo do 2º grauPlanejamento de matemática completo do 2º grau
Planejamento de matemática completo do 2º grau
 
Seja estagio-i
Seja estagio-iSeja estagio-i
Seja estagio-i
 
Seja estagio-ii
Seja estagio-iiSeja estagio-ii
Seja estagio-ii
 
Seja estagio-iv
Seja estagio-ivSeja estagio-iv
Seja estagio-iv
 

Destaque

Artigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casos
Artigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casosArtigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casos
Artigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casos
Ruanna Guido
 
Construindo itens de forma contextualizada
Construindo itens de forma contextualizadaConstruindo itens de forma contextualizada
Construindo itens de forma contextualizada
Ruanna Guido
 
Agenda do encontro
Agenda do encontroAgenda do encontro
Agenda do encontro
Ruanna Guido
 
Estudo dos descritores - PROEB
Estudo dos descritores - PROEBEstudo dos descritores - PROEB
Estudo dos descritores - PROEB
Ruanna Guido
 
Direitos de Aprendizagem em Leitura e Escrita
Direitos de Aprendizagem em Leitura e EscritaDireitos de Aprendizagem em Leitura e Escrita
Direitos de Aprendizagem em Leitura e Escrita
Ruanna Guido
 
Jogo: Corrida Pitagórica
Jogo: Corrida PitagóricaJogo: Corrida Pitagórica
Jogo: Corrida Pitagórica
Ruanna Guido
 
Jogo: Dominó de Ângulos
Jogo: Dominó de ÂngulosJogo: Dominó de Ângulos
Jogo: Dominó de Ângulos
Ruanna Guido
 
Jogo: Frações Equivalentes
Jogo: Frações EquivalentesJogo: Frações Equivalentes
Jogo: Frações Equivalentes
Ruanna Guido
 
Resolução SEE/MG nº 2197/12
Resolução SEE/MG nº 2197/12Resolução SEE/MG nº 2197/12
Resolução SEE/MG nº 2197/12
Ruanna Guido
 
Investigação Matemática
Investigação MatemáticaInvestigação Matemática
Investigação Matemática
Ruanna Guido
 
O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.
O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.
O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.
Ruanna Guido
 

Destaque (11)

Artigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casos
Artigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casosArtigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casos
Artigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casos
 
Construindo itens de forma contextualizada
Construindo itens de forma contextualizadaConstruindo itens de forma contextualizada
Construindo itens de forma contextualizada
 
Agenda do encontro
Agenda do encontroAgenda do encontro
Agenda do encontro
 
Estudo dos descritores - PROEB
Estudo dos descritores - PROEBEstudo dos descritores - PROEB
Estudo dos descritores - PROEB
 
Direitos de Aprendizagem em Leitura e Escrita
Direitos de Aprendizagem em Leitura e EscritaDireitos de Aprendizagem em Leitura e Escrita
Direitos de Aprendizagem em Leitura e Escrita
 
Jogo: Corrida Pitagórica
Jogo: Corrida PitagóricaJogo: Corrida Pitagórica
Jogo: Corrida Pitagórica
 
Jogo: Dominó de Ângulos
Jogo: Dominó de ÂngulosJogo: Dominó de Ângulos
Jogo: Dominó de Ângulos
 
Jogo: Frações Equivalentes
Jogo: Frações EquivalentesJogo: Frações Equivalentes
Jogo: Frações Equivalentes
 
Resolução SEE/MG nº 2197/12
Resolução SEE/MG nº 2197/12Resolução SEE/MG nº 2197/12
Resolução SEE/MG nº 2197/12
 
Investigação Matemática
Investigação MatemáticaInvestigação Matemática
Investigação Matemática
 
O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.
O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.
O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.
 

Semelhante a Encontro de Professores de Matemática e Especialistas - Outubro 2011

Apostila 2
Apostila 2Apostila 2
Apostila 2
luciaoliv
 
Orientações _Pedagógicas_Matemática .pdf
Orientações _Pedagógicas_Matemática .pdfOrientações _Pedagógicas_Matemática .pdf
Orientações _Pedagógicas_Matemática .pdf
LucicleiaBarbosa
 
Projeto executado
Projeto executadoProjeto executado
Projeto executado
Scheila Gomes
 
Relato Winplot Eliane M Cristovão 2008
Relato Winplot Eliane M Cristovão 2008Relato Winplot Eliane M Cristovão 2008
Relato Winplot Eliane M Cristovão 2008
Vanessa Crecci
 
9º ano do e. f. jordão souza
9º ano do e. f. jordão souza9º ano do e. f. jordão souza
9º ano do e. f. jordão souza
Aug33
 
Plano de trabalho - Números Reais
Plano de trabalho - Números ReaisPlano de trabalho - Números Reais
Plano de trabalho - Números Reais
Luciane Oliveira
 
Matemática - Formação Continuada.pdf
Matemática - Formação Continuada.pdfMatemática - Formação Continuada.pdf
Matemática - Formação Continuada.pdf
HELENO FAVACHO
 
Matemática - Formação Continuada.docx
Matemática - Formação Continuada.docxMatemática - Formação Continuada.docx
Matemática - Formação Continuada.docx
HELENO FAVACHO
 
6. anexos
6. anexos6. anexos
Sis pae roteiro de elaboração e revisão de itens
Sis pae roteiro de elaboração e revisão de itensSis pae roteiro de elaboração e revisão de itens
Sis pae roteiro de elaboração e revisão de itens
monicaosanches
 
Ot apresentação final mat
Ot apresentação final matOt apresentação final mat
Ot apresentação final mat
diretoriabragpta
 
Elaboração de questões objetivas Avançada
Elaboração de questões objetivas AvançadaElaboração de questões objetivas Avançada
Elaboração de questões objetivas Avançada
excelenciaunifacs
 
Plano de aula sistema modificado (2)
Plano de aula sistema   modificado (2)Plano de aula sistema   modificado (2)
Plano de aula sistema modificado (2)
patpincarodagloria
 
Plano de aula sistema modificado (2)
Plano de aula sistema   modificado (2)Plano de aula sistema   modificado (2)
Plano de aula sistema modificado (2)
patpincarodagloria
 
Oficina de Questões Padrão ENADE
Oficina de Questões Padrão ENADEOficina de Questões Padrão ENADE
Oficina de Questões Padrão ENADE
Renata Homem de Mello
 
Função poliomial do 1 grau gabarito
Função poliomial do 1 grau gabaritoFunção poliomial do 1 grau gabarito
Função poliomial do 1 grau gabarito
CIEP 456 - E.M. Milcah de Sousa
 
Função poliomial do 1 grau gabarito
Função poliomial do 1 grau gabaritoFunção poliomial do 1 grau gabarito
Função poliomial do 1 grau gabarito
CIEP 456 - E.M. Milcah de Sousa
 
Matematica No Contexto Atual
Matematica No Contexto Atual   Matematica No Contexto Atual
Matematica No Contexto Atual
Editora Moderna
 
diretrizes curriculares do PR.ppt
diretrizes curriculares do PR.pptdiretrizes curriculares do PR.ppt
diretrizes curriculares do PR.ppt
ThasGomesNovaes
 
Plano de aula grupo4
Plano de aula grupo4Plano de aula grupo4
Plano de aula grupo4
Anazaniboni
 

Semelhante a Encontro de Professores de Matemática e Especialistas - Outubro 2011 (20)

Apostila 2
Apostila 2Apostila 2
Apostila 2
 
Orientações _Pedagógicas_Matemática .pdf
Orientações _Pedagógicas_Matemática .pdfOrientações _Pedagógicas_Matemática .pdf
Orientações _Pedagógicas_Matemática .pdf
 
Projeto executado
Projeto executadoProjeto executado
Projeto executado
 
Relato Winplot Eliane M Cristovão 2008
Relato Winplot Eliane M Cristovão 2008Relato Winplot Eliane M Cristovão 2008
Relato Winplot Eliane M Cristovão 2008
 
9º ano do e. f. jordão souza
9º ano do e. f. jordão souza9º ano do e. f. jordão souza
9º ano do e. f. jordão souza
 
Plano de trabalho - Números Reais
Plano de trabalho - Números ReaisPlano de trabalho - Números Reais
Plano de trabalho - Números Reais
 
Matemática - Formação Continuada.pdf
Matemática - Formação Continuada.pdfMatemática - Formação Continuada.pdf
Matemática - Formação Continuada.pdf
 
Matemática - Formação Continuada.docx
Matemática - Formação Continuada.docxMatemática - Formação Continuada.docx
Matemática - Formação Continuada.docx
 
6. anexos
6. anexos6. anexos
6. anexos
 
Sis pae roteiro de elaboração e revisão de itens
Sis pae roteiro de elaboração e revisão de itensSis pae roteiro de elaboração e revisão de itens
Sis pae roteiro de elaboração e revisão de itens
 
Ot apresentação final mat
Ot apresentação final matOt apresentação final mat
Ot apresentação final mat
 
Elaboração de questões objetivas Avançada
Elaboração de questões objetivas AvançadaElaboração de questões objetivas Avançada
Elaboração de questões objetivas Avançada
 
Plano de aula sistema modificado (2)
Plano de aula sistema   modificado (2)Plano de aula sistema   modificado (2)
Plano de aula sistema modificado (2)
 
Plano de aula sistema modificado (2)
Plano de aula sistema   modificado (2)Plano de aula sistema   modificado (2)
Plano de aula sistema modificado (2)
 
Oficina de Questões Padrão ENADE
Oficina de Questões Padrão ENADEOficina de Questões Padrão ENADE
Oficina de Questões Padrão ENADE
 
Função poliomial do 1 grau gabarito
Função poliomial do 1 grau gabaritoFunção poliomial do 1 grau gabarito
Função poliomial do 1 grau gabarito
 
Função poliomial do 1 grau gabarito
Função poliomial do 1 grau gabaritoFunção poliomial do 1 grau gabarito
Função poliomial do 1 grau gabarito
 
Matematica No Contexto Atual
Matematica No Contexto Atual   Matematica No Contexto Atual
Matematica No Contexto Atual
 
diretrizes curriculares do PR.ppt
diretrizes curriculares do PR.pptdiretrizes curriculares do PR.ppt
diretrizes curriculares do PR.ppt
 
Plano de aula grupo4
Plano de aula grupo4Plano de aula grupo4
Plano de aula grupo4
 

Encontro de Professores de Matemática e Especialistas - Outubro 2011

  • 1. SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE CAXAMBU Encontro com os Professores de Matemática dos anos finais (6º ao 9º ano) do Ensino Fundamental e Ensino Médio PIP II IMPLEMENTAÇÃO CBC Analista Pedagógico Anos Finais do EF Ruanna Reis Guido
  • 2. Aluno como foco no processo de ensino aprendizagem. “Cada vez me convenço mais de que na educação o incentivo, o apoio é mais importante que a cobrança, o controle. Quando consegui- mos motivar, incentivar o aluno ele aprende sem nós, ele aprende sozinho, ele corre atrás do que precisa. Alunos motivados vão mais longe, caminham com mais autonomia.” José Manuel Moran
  • 4. Conversando...  O que é CBC?  Vocês conhecem o CBC de Matemática?  Utilizam o CBC para nortear suas aulas?  Quais as dificuldades encontradas na imple- mentação do CBC em sala de aula?
  • 5. O que é o CBC?  O CBC ( Conteúdo Básico Comum ) é uma proposta curricular e, como tal, apresenta descri- ção dos conteúdos e habilidades que os alunos devem aprender em cada disciplina.
  • 6. Resolução SEE nº666 De 07 de Abril de 2005 RESOLVE: Art. 1º: Ficam estabelecidos os Conteúdos Básicos Comuns – CBC’s, para séries finais do ensino fundamental e para o ensino médio, constantes no Anexo 1 desta Resolução, a serem ensinados obrigatoriamente por todas as unidades estaduais de ensino.
  • 7. Importância do CBC  “Não esgotam todos os conteúdos a serem a- bordados na escola, mas expressam os aspectos fundamentais de cada disciplina, que não podem deixar de ser ensinados e que o aluno não pode deixar de aprender.”
  • 8. Implantação bem sucedida  Centro de Referência Virtual do Professor. Portal com recursos de apoio ao professor na implantação do CBC, favorecendo o: Planejamento, execução e avaliação das atividades de ensino.
  • 9. Revelância e benefícios do CRV:  Auxílio na implantação do CBC.  Apoio aos processos de ensino e aprendizagem.  Interação com a comunidade educacional: Fo-co no contexto e necessidades do professor.  Promove a redução das desigualdades regionais.  Oportunidade de trabalho colaborativo entre educadores ( Fórum e STR) .  Oportunidade de uso de tecnologias contemporâneas no contexto educacional.
  • 10. Estrutura do CRV:  Centro de Referência Virtual do Professor.  Orientações Pedagógicas  Roteiros de Atividades  Sugestões de Planejamento de Aulas  Fórum de discussões  Textos Didáticos  Experiências simuladas  Vídeos Educacionais  Banco de Itens http://crv.educacao.mg.gov.br
  • 11. O CBC, como proposta curricular, responde as questões:  O que ensinar? (Quais conteúdos, habilidades e com- petências). Por que ensinar? (Importância da disciplina na vida social e cultural). Quando ensinar? (Faixa etária, ordenamento dos conteúdos e habilidades). Como ensinar? (Procedimentos, metodologias, recur- sos didáticos). Como avaliar? (Verificar se os alunos estão apren- dendo).
  • 12. A estrutura do CBC:  Eixos Temáticos Temas Tópicos Habilidades Ano / Carga horária (seriação)
  • 13. A estrutura do CBC: EIXO TEMÁTICO I : Tema 1: Conjuntos numéricos NÚMEROS E OPERAÇÕES
  • 14. Metodologia para Matemática: Leitura de Estudos Textos Dirigidos Matemáticos Trabalhos em grupo CBC Recursos Recursos Computacionais Didáticos
  • 15. Qual a associação do CBC com a Matriz de Referência? A Matriz de Referência para a Avaliação é utilizada para elaborar os testes de larga escala. Ela surge do CBC e contempla apenas habili- dades consideradas fundamentais e possíveis de serem alocadas em testes de múltipla escolha.
  • 16. O que é a Matriz de Referência?  É um documento que se organiza em subcon- juntos (temas) de habilidades correspondentes ao nível do ano dos alunos a serem avaliados. As habilidades são decompostas em descritores, que têm a função de avaliar as unidades míninas de cada habilidade.  Foco na Matriz de Referência de Matemática é a resolução de problemas.
  • 17. A estrutura da Matriz de Referência: TEMA HABILIDADES
  • 18. A estrutura da Matriz de Referência: TE MA HABILIDADES
  • 19. A estrutura da Matriz de Referência: TEMA HABILIDADES
  • 20. A estrutura da Matriz de Referência: TEM A HABILIDADES
  • 21. Esclarecimentos:  Tema: Representa uma subdivisão de acordo com o conteúdo, competências e habilidades.
  • 22. Esclarecimentos:  Descritores: Não é o conteúdo de ensino, mas o detalhamento de uma habilidade cognitiva, ou seja, que descrevem uma habilidade, que está sempre associado a um conteúdo que o estudan- te deve dominar na etapa de ensino. Embora está diretamente relacionado à habilidade e por con- seguinte, à capacidade, é uma nomenclatura própria da avaliação externa.
  • 23. Esclarecimentos:  Item: É a unidade do teste de uma avaliação em larga escala, pode ser de múltipla escolha ou aberto. Na avaliação externa, um item avalia somente um descritor.
  • 24. Esclarecimentos:  Habilidades: São inseparáveis da ação, mas exigem domínio de conhecimentos; estão relacionadas ao saber fazer.
  • 25. Esclarecimentos:  Competências: Pressupõe operações mentais, capacidades para usar as habilidades, emprego de atitudes, adequadas à realização de tarefas e conhecimentos. (Conjunto da aprendizagem do aluno: CHA – Conhecimento, Habilidade, Atitude).
  • 26. Elementos que compõem a Matriz de Referência Matriz de Área de Conhecimento: Referência Matemática Tema Agrupamento de Descritores Descritor Avalia uma única habilidade
  • 27. Os grandes Temas (ou Eixos Temáticos) da Matemática: ESPAÇO E GRANDEZAS E FORMA MEDIDAS NÚMEROS E TRATAMENTO DA OPERAÇÕES INFORMAÇÃO
  • 28. Espaço e Forma: O trabalho com este eixo possibilitará aos alunos: Compreender, descrever e representar o mundo em que vivemos;  Desenvolver habilidades de percepção espacial, descobrindo conceitos de modo experimental;  Apreciar, com outro olhar as formas geométricas presentes na natureza, nas construções e nas diferentes manifestações artísticas;  Estabelecer conexões entre a matemática e outras áreas de conhecimento.
  • 29. Atividade de Avaliação: D8 – Utilizar propriedades dos polígonos regulares (soma de seus ângulos internos, número de diagonais, cálculo da medida de cada ângulo interno). Observe o triângulo abaixo. O valor de x é: (A) 110°. (B) 80°. (C) 60°. (D) 50º.
  • 30. Como trabalhar essa habilidade em sala de aula De acordo com o teorema do ângulo externo que diz que um ângulo externo ao triângulo é igual à soma dos ângulos internos não adjacentes a ele, calcule o valor de x: x + (x + 10º) = 110º 2x = 110º - 10º 2x = 100º x = 100º 2 x = 50º
  • 31. Como trabalhar essa habilidade em sala de aula Sabendo que a soma dos ângulos internos de um triângulo é igual a 180º e que um ângulo raso também é 180º, calcule o va- lor de x: x + (x + 10º) + 70º = 180º 2x = 180º - 80º 2x = 100º x = 100º 2 x = 50º
  • 32. Grandezas e Medidas: O trabalho com este eixo possibilitará aos alunos: Conhecer aspectos históricos na construção deste conhecimento; Compreender: • conceito de medidas; • processos de medição; • necessidades de unidades-padrão.  Resolver situações-problema utilizando as unidades de medida; Estabelecer conexões com outros eixos temáticos.
  • 33. Atividade de Avaliação: D12 – Resolver situações-problema envolvendo o cálculo do perímetro e da área de figuras planas. O piso de entrada de um prédio está sendo reformado. Serão feitas duas jardineiras nas laterais, conforme indicado na figura, e o piso restante será revestido de cerâmica. Qual é a área do piso que será revestido de cerâmica? (A) 3 m² (B) 6 m² (C) 9 m² (D) 12 m²
  • 34. Como trabalhar essa habilidade em sala de aula Sabendo que o piso de entrada de um prédio tem a forma de um trapézio isósceles conforme mostra a figura abaixo, calcule sua área. A (trap.)= (B + b) . h 2 A = (4 + 2) . 3 2 A = 18 2 A = 9m²
  • 35. Como trabalhar essa habilidade em sala de aula O piso de entrada de um prédio esta sendo reformado. Saben-do que a área total é 12m² e que serão construídas duas jardinei-ras com área igual a 1,5m² , calcule a área do piso de entrada do prédio. A (total) = 2.A (jard.) + A (piso) 12 = 2 . 1,5 + A (piso) 12 = 3 + A (piso) A (piso) = 12 - 3 A (piso) = 9m²
  • 36. Números e Operações / Álgebra e Funções: O trabalho com este eixo possibilitará aos alunos:  Construir significados e ampliar os já existentes para os números naturais e racionais;  Conhecer as operações e suas aplicações è resolução de problemas.
  • 37. Atividade de Avaliação: D18 – Resolver situações-problema com números inteiros, envolvendo as operações (adição, subtração, multiplicação, divi- são, potenciação). Cíntia conduzia um carrinho de brinquedo por controle remoto em linha reta. Ela anotou em uma tabela os metros que o carrinho andava cada vez que ela acionava o controle. Escreveu valores positivos para as idas e negativos para as vindas. Após Cíntia acionar o controle pela sexta vez, a distância entre ela e o carri- nho era de (A) -11 m. (B) 11 m. (C) -27 m. (D) 27 m.
  • 38. Como trabalhar essa habilidade em sala de aula Cíntia conduzia um carrinho de brinquedo por controle remoto em linha reta. Ela anotou em uma tabela os metros que o carrinho andava cada vez que ela acionava o controle. Escreveu valores positivos para as idas e negativos para as vindas. a)Qual distância Cíntia se encontrava do carrinho na segunda vez que acionou o controle? (+ 17 – 8 = + 9) b) Quantos metros o carrinho andou nas idas? (+17+13+4+7 = +41) c)Quantos metros andou nas vindas? (-8-22 = -30)
  • 39. Tratamento da Informação: O trabalho com este eixo possibilitará aos alunos:  Desenvolver habilidades de fazer uso, expor, prepara e/ou discutir determinado conjunto de dados;  Articular conceitos e fatos, ajudando no desenvolvi- mento da capacidade de estimar, formular opinião e to- mar decisões; Observar e estabelecer comparações sobre assuntos tratados; Organizar listas e tabelas; Construir gráficos.
  • 40. Atividade de Avaliação: D31 – Interpretar e utilizar informações apresentadas em ta- belas e/ou gráficos. Três restaurantes populares disputam a clientela numa região central do Rio de Janeiro nos finais de semana. Observe abaixo os pratos oferecidos. Restaurante A Restaurante B Restaurante C Sábado Feijoada Filé com fritas Peito de frango grelhado R$ 4,50 R$ 6,80 com legumes R$ 5,70 Domingo Espaguete com Frango ensopado Lombo com almôndegas com quiabo tutu de feijão R$ 4,90 R$ 5,30 R$ 6,20 Qual restaurante serve o prato mais barato? A) O restaurante A, no domingo. B) O restaurante B, no domingo. C) O restaurante A, no sábado. D) O restaurante C, no sábado.
  • 41. Como trabalhar essa habilidade em sala de aula Três restaurantes populares disputam a clientela numa região central do Rio de Janeiro nos finais de semana. Observe abaixo os pratos oferecidos. Restaurante A Restaurante B Restaurante C Sábado Feijoada Filé com fritas Peito de frango grelhado R$ 4,50 R$ 6,80 com legumes R$ 5,70 Domingo Espaguete com Frango ensopado Lombo com almôndegas com quiabo tutu de feijão R$ 4,90 R$ 5,30 R$ 6,20 Com base nos dados apresentados na tabela, responda: a)Qual prato mais barato de sábado? (Feijoada) b)Qual prato mais caro de domingo? (Lombo com tutu de feijão) c)Qual o preço do prato mais caro do restaurante C? (R$ 6,20) d)Qual o preço do prato mais barato do restaurante B? (R$ 5,30)
  • 42. Devemos considerar:  O aluno como sujeito da aprendizagem. (O aluno constrói seu conhecimento relacionando o que sabe com o novo).  Valorização das vivências do aluno. (Os conhecimentos prévios devem ser valorizados).  Necessidade de contextualização. (As atividades contextualizadas possibilitam a compre- ensão. O conteúdo matemático torna-se significativo ao ser inserido em contextos).
  • 43. PLANO DE AULA Como planejar utilizando o CBC?
  • 44. Para que um Plano de Aula? A principal função garantir a coerência entre as atividades que o professor faz com seus alunos e as aprendizagens que pretende proporcionar a eles.
  • 45. Escrevendo o plano de aula Ao elaborar o Plano de aula o professor deve fazer opções quanto aos conteúdos, às atividades, ao modo como elas serão desenvolvidas, distribuir o tempo adequada- mente, assim como fazer escolhas a respeito da avaliação pretendida.
  • 46. Escrevendo o plano de aula  EIXO/TÓPICO/TEMA  HABILIDADES  CONTEÚDO  OBJETIVOS  DESENVOLVIMENTO (Estratégias, Metodologia, Atividades, Recursos)  AVALIAÇÃO  OBSERVAÇÃO (Retomada)
  • 47. Ministrar aula não é apenas fazer aquilo de que se gosta. É, verdadeiramente, fazer aquilo a quem se gosta. Celso Antunes