SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
     Faculdade de Veterinária
     Departamento de Patologia Clínica Veterinária                               Relatório de Caso Clínico
     Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121)
     http://www.ufrgs.br/favet/bioquimica



IDENTIFICAÇÃO
Caso: 2001/2/08 Procedência: Clínica Bicho Mania                                             No da ficha original: Faísca
Espécie: canina     Raça: SRD                   Idade: 4 anos                                Sexo: fêmea      Peso: 27 kg
Alunos(as): Álan Gomes Pöppl e Daniela Sperling Lubisco                                                Ano/semestre: 2001/2
Residentes/Plantonistas:
Médico(a) Veterinário(a) responsável: Daniela Segalin

ANAMNESE
Animal obeso, intolerante ao exercício, encontra-se sempre deitada e quieta, não brinca e não resiste aos
passeios. Já tomou progestágenos três vezes (última vez em dezembro de 2001), come ração comercial e
comida caseira à noite e ao meio-dia mais alguma coisa como ossos e restos com muita gordura, apresenta
oligúria, cio irregular devido aos progestágenos e monta nos outros cães.

EXAME CLÍNICO
Temperatura retal 38,5º C, fezes normais, mucosas rosadas, TPC 1 segundo, FC 70 BPM , FR 24
movimentos/minuto, cálculos nos incisivos superior e inferior, ausência de 3 incisivos e 1 canino inferior,
apresenta muitas pulgas e alguns carrapatos (Rhipicephalus sanguineus), aumento de volume abdominal à
palpação (possivelmente hepatomegalia e esplenomegalia)

EXAMES COMPLEMENTARES
Potássio: 6,62 mEq/l (4,37-5,35), Amilase 3000 U/l (185-700, a 37º C), TG 80,4 mg/dl (38,1), pesquisa de
hemocitozoários positiva para Ehrlichia.

URINÁLISE
Método de coleta: micção natural Obs.:
Exame físico
cor                  consistência       odor                aspecto                             densidade específica         (1,015-1,045)
amarelo              fluida             sui generis         turva                               1,043
Exame químico
pH (5,5-7,5)   corpos cetônicos glicose pigmentos biliares proteína                          hemoglobina           sangue          nitritos
8,5            n.d.                n.d.      +                    ++                         +                     n.d.            n.d.
Sedimento urinário (no médio de elementos por campo de 400 x)
Células epiteliais: 0 Tipo: escamosas                                                                       Hemácias:
Cilindros: 0 Tipo:                                                                                          Leucócitos:
Outros:          Tipo: Muitos cristais de fosfato triplo                                                    Bacteriúria: leve
                                                                                                                       n.d.: não determinado


BIOQUÍMICA SANGÜÍNEA
Tipo de amostra: soro                   Anticoagulante:                                         Hemólise da amostra: ausente
Proteínas totais:       g/L (54-71)     Glicose:      mg/dL (65-118)                            ALP:      U/L (0-156)
Albumina: 31,5 g/L (26-33)              Colesterol total: 156 mg/dL (135-270)                   ALT: 3 U/L (0-102)
Globulinas:       g/L (27-44)           Uréia: 36 mg/dL (21-60)                                 CPK:      U/L (0-125)
BT: 1,29 mg/dL (0,1-0,5)                Creatinina: 1,4 mg/dL (0,5-1,5)                               :        (    )
BL: 0,86 mg/dL (0,01-0,49)              Cálcio:       mg/dL (9,0-11,3)                                :        (    )
BC: 0,43 mg/dL (0,06-0,12)              Fósforo:       mg/dL (2,6-6,2)                                :        (    )
                                                 BT: bilirrubina total   BL: bilirrubina livre (indireta)   BC: bilirrubina conjugada (direta)
Caso clínico 2001/2/08                                                                                          página 2


HEMOGRAMA
Leucócitos                                                   Eritrócitos
  Quantidade: 16.500/µL (6.000-17.000)                          Quantidade: 5,27 milhões/µL (5,5-8,5)
  Tipo               Quantidade/µL              %               Hematócrito: 38,0 % (37-55)
   Mielócitos                 (0)                  (0)          Hemoglobina: 13,5 g/dL (12-18)
   Metamielócitos             (0)                  (0)          VCM (Vol. Corpuscular Médio): 72 fL (60-77)
   Bastonados              0 (0-300)           0   (0-3)        CHCM (Conc. Hb Corp. Média): 35,5 % (32-36)
   Segmentados       9.075 (3.000-11.500)     55   (60-77)      Morfologia: Anisocitose discreta
   Basófilos           330 (0)                 2   (0)          Plasma levemente ictérico
   Eosinófilos       3.300 (100-1.250)        20   (2-10)       Morfologia normal dos trombócitos
   Monócitos           330 (150-1.350)         2   (3-10)
   Linfócitos        3.300 (1.000-4.800)      20   (12-30)   Plaquetas
   Plasmócitos                (0)                  (0)         Quantidade:            /µL   (200.000-500.000)
  Morfologia: Normal                                           Observações:

TRATAMENTO E EVOLUÇÃO
Vibramicina (Doxiciclina, antibiótico) 5mg/kg BID por 3 semanas, é a droga de eleição para pacientes com
erliquiose e nefropatas, por ser a menos nefrotóxica.
Dieta hipoprotéica com a ração Canine K/d da Hill’s, indicada para cães com insuficiência renal, insuficiência
cardíaca leve a moderada e doença hepática pois apresenta fósforo reduzido, proteínas reduzidas, sódio
bastante reduzido, calorias não protéicas aumentadas, aporte ácido reduzido, vitaminas do complexo B
aumentadas e pH urinário neutro (6,8-7,2).
Remoção mecânica dos carrapatos e uso tópico de Frontline (Fipronil, ectoparasiticida) no animal.
Limpeza do ambiente com Butox (Deltamitrina, carrapaticida).
Banhos regulares no animal e escovação.

NECRÓPSIA (e histopatologia)
Patologista responsável:


DISCUSSÃO
A Erliquiose é uma moléstia infecciosa que acomete cães, eqüinos, bovinos, ovinos e felinos. O gênero
Ehrlichia é constituído por bactérias gram negativas pertencentes à família Ehrlichiae, sendo parasitas
intracelulares obrigatórios que infectam os leucócitos, podendo ser transmitidos pelos carrapatos vetores:
Amblyoma americanum, Dermacentor variabilis e Rhipicephalus sanguineus.
No desenvolvimento da erliquiose canina, a doença apresenta um período de incubação variando de 8 a 20
dias pós-inoculação, podendo se dividir em 3 fases: aguda, subclínica e crônica.
Na fase aguda, que pode durar entre 2 a 4 semanas, o microorganismo replica-se nas células
mononucleares da circulação, e o parasita dissemina-se para órgãos como baço, fígado, linfonodos. Outra
característica observada é o aumento de volume dos órgãos em conseqüência da hiperplasia linforreticular.
Os achados mais freqüentes são apatia, depressão, febre, cianose, intolerância ao exercício, dispnéia,
esplenomegalia. As anormalidades hematológicas e bioquímicas incluem trombocitopenia e anemia que pode
ser discreta. Outro achado comum é a hiperproteinemia resultante do aumento dos níveis de globulinas no
sangue sugerem uma resposta imune exacerbada que provavelmente é ineficiente.
A fase subclínica ocorre após a fase aguda e geralmente é assintomática, apesar de poderem ocorrer
anormalidades laboratoriais, e pode durar meses ou anos, mas geralmente dura de 6 a 9 semanas evoluindo
para a fase crônica. Estímulos estressantes ou tratamento imunossupressor durante esta fase podem
provocar a progressão para a fase crônica.
Na fase crônica os sinais da moléstia podem ser caracterizados como brandos ou graves nos cães
infectados. Nesta fase geralmente os animais apresentam-se apáticos e com infecções secundárias diversas,
sendo muito comum o aumento do tempo de sedimentação, coagulação do sangue e anemia, onde a
proteinúria é observada em conseqüência da lesão renal instalada devido à deposição de imunocomplexos
no rim, levando a uma azotemia com aumento dos níveis sangüíneos de uréia, creatinina e potássio.
Estes microorganismos provocam formação de anticorpos anti-eritrocitários que desencadeiam uma anemia
hemolítica que pode ser branda ou severa, sendo uma anemia do tipo arregenerativa o achado mais
freqüentemente documentado nos cães cronicamente infectados. Com isso, os níveis sangüíneos de
bilirrubina encontram-se aumentados devido ao metabolismo da hemoglobina, assim como mostram-se
presentes na urinálise bilirrubina e hemoglobina.
Geralmente a causa desencadeante da pancreatite canina e felina espontânea é desconhecida; mas, com
Caso clínico 2001/2/08                                                                            página 3


base nas causas documentadas em pacientes humanos, estudos experimentais e observações clínicas, deve
ser considerada a nutrição como um dos fatores potenciais.
O pâncreas exócrino é altamente reativo às alterações nos substratos nutricionais presentes na dieta. Foi
relatado que a pancreatite é mais prevalente em animais obesos. Há evidências de que dietas ricas em
gorduras e pobres em proteínas induzem à pancreatite, e que a pancreatite é mais grave quando induzida
em cães alimentados com dieta rica em gorduras e menos grave quando induzida em animais magros.
Desconhece-se porque a hiperlipidemia pode causar pancreatite, mas foi sugerido que ácidos graxos tóxicos
são gerados dentro do pâncreas pela ação da lipase sobre concentrações anormalmente elevadas de
triglicerídios nos capilares pancreáticos.
A azotemia está freqüentemente presente na pancreatite, em geral sendo resultante da desidratação. A
insuficiência renal aguda pode ocorrer secundariamente à hipovolemia ou a outros mecanismos. Em alguns
casos ocorre hiperbilirrubinemia e animais com pancreatite supurativa freqüentemente apresentam
hipoglicemia. Hipertrigliceridemia é ocorrência comum, principalmente associada a uma dieta rica em lipídios
como é o caso da paciente.

CONCLUSÕES
Visto o resultado positivo para Ehrlichia na pesquisa de hemocitozoários, os problemas referentes ao
aumento dos níveis sangüíneos de amilase e triglicerídios podem ser decorrentes de problemas renais e
sobrecarga de lipídios na dieta respectivamente, não caracterizando necessariamente uma pancreatite. O
tratamento instituído para erliquiose irá solucionar a afecção inflamatória do pâncreas, sendo recomendada
uma reavaliação do paciente em três semanas.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ETTINGER, S.J.; FELDMAN, E. C. Tratado de medicina interna veterinária: moléstias do cão e do
gato. 4.ed. São Paulo: Manole, 1997.
KANEKO, J.J.; HARVEY, J.W.; BRUSS, M.L. Clinical biochemistry of domestic animals. 5.ed. New
York: Academic Press, 1997.
GARCIA-NAVARRO, C.E.K.; Manual de urinálise veterinária. São Paulo: Varela, 1996.
GARCIA-NAVARRO, C.E.K.; PACHALY, J.R. Manual de hematologia veterinária. São Paulo: Varela, 1994.
LEGATZKI, K.; JORGE, P.S. Erliquiose canina: uma doença emergente? Revista Nosso Clínico, São Paulo,
março/abril 2002, p. 12-18.
NELSON, R.W.; COUTO, C.G. Fundamentos de medicina interna de pequenos animais. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 1994.
SHAW, D.; IHLE, S. Medicina interna de pequenos animais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.
SPINOSA, H.L.; GÓRNIAK, S.L.; BERNARDI, M.M. Farmacologia aplicada à medicina veterinária. 23.ed.
Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999.
STEPHEN, J.; BIRCHARD, ?.; ROBERT, G. Manual Saunders de pequenos animais. São Paulo: Rocca,
1998.
URQUHART, G.M. et al. Parasitologia veterinária. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1990.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semiologia arterial e venosa
Semiologia arterial e venosaSemiologia arterial e venosa
Semiologia arterial e venosa
Paulo Alambert
 
Aula 04 semana 1 do desenvolvimento fecundacao 001
Aula 04 semana 1 do desenvolvimento fecundacao   001Aula 04 semana 1 do desenvolvimento fecundacao   001
Aula 04 semana 1 do desenvolvimento fecundacao 001
Felipe Beijamini
 
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Ix
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo IxCóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Ix
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Ix
Antonio Luis Sanfim
 
Raças bovinas 01
Raças bovinas 01Raças bovinas 01
Raças bovinas 01
Glaucia Barbosa Coelho
 
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoParto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Caroline Reis Gonçalves
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3
Raimundo Tostes
 
DOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATAR
DOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATARDOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATAR
Atlas da urinálise
Atlas da urináliseAtlas da urinálise
Atlas da urinálise
junoeli
 
Valores de referências hemograma para animais
Valores de referências hemograma para animaisValores de referências hemograma para animais
Valores de referências hemograma para animais
Fábio Valverde
 
Aula inicial de laboratorio clínico
Aula inicial de laboratorio clínicoAula inicial de laboratorio clínico
Aula inicial de laboratorio clínico
ReginaReiniger
 
Sistema nervoso parte ii
Sistema nervoso parte iiSistema nervoso parte ii
Sistema nervoso parte ii
Michele Gonçalves
 
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Marcos Alan
 
Exame físico pediátrico
Exame físico  pediátrico Exame físico  pediátrico
Exame físico pediátrico
Débora Machado
 
Aula prática de radiologia
Aula prática de radiologiaAula prática de radiologia
Aula prática de radiologia
Flávia Salame
 
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Gustavo Oliveira
 
Hematuria enzootica bovina
Hematuria enzootica bovinaHematuria enzootica bovina
Hematuria enzootica bovina
Francismara Carreira
 
Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses
Princípios do diagnóstico laboratorial das micosesPrincípios do diagnóstico laboratorial das micoses
Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses
Universidade de Brasília
 
Abdome agudo na criança
Abdome agudo na criançaAbdome agudo na criança
Abdome agudo na criança
FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG
 
Anatomia - Sistema Imunológico
Anatomia - Sistema ImunológicoAnatomia - Sistema Imunológico
Anatomia - Sistema Imunológico
Luis Antonio Cezar Junior
 
Malformações gastrointestinais no recém-nascido
Malformações gastrointestinais no recém-nascidoMalformações gastrointestinais no recém-nascido
Malformações gastrointestinais no recém-nascido
FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG
 

Mais procurados (20)

Semiologia arterial e venosa
Semiologia arterial e venosaSemiologia arterial e venosa
Semiologia arterial e venosa
 
Aula 04 semana 1 do desenvolvimento fecundacao 001
Aula 04 semana 1 do desenvolvimento fecundacao   001Aula 04 semana 1 do desenvolvimento fecundacao   001
Aula 04 semana 1 do desenvolvimento fecundacao 001
 
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Ix
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo IxCóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Ix
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Ix
 
Raças bovinas 01
Raças bovinas 01Raças bovinas 01
Raças bovinas 01
 
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoParto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3
 
DOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATAR
DOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATARDOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATAR
DOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATAR
 
Atlas da urinálise
Atlas da urináliseAtlas da urinálise
Atlas da urinálise
 
Valores de referências hemograma para animais
Valores de referências hemograma para animaisValores de referências hemograma para animais
Valores de referências hemograma para animais
 
Aula inicial de laboratorio clínico
Aula inicial de laboratorio clínicoAula inicial de laboratorio clínico
Aula inicial de laboratorio clínico
 
Sistema nervoso parte ii
Sistema nervoso parte iiSistema nervoso parte ii
Sistema nervoso parte ii
 
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1
 
Exame físico pediátrico
Exame físico  pediátrico Exame físico  pediátrico
Exame físico pediátrico
 
Aula prática de radiologia
Aula prática de radiologiaAula prática de radiologia
Aula prática de radiologia
 
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
 
Hematuria enzootica bovina
Hematuria enzootica bovinaHematuria enzootica bovina
Hematuria enzootica bovina
 
Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses
Princípios do diagnóstico laboratorial das micosesPrincípios do diagnóstico laboratorial das micoses
Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses
 
Abdome agudo na criança
Abdome agudo na criançaAbdome agudo na criança
Abdome agudo na criança
 
Anatomia - Sistema Imunológico
Anatomia - Sistema ImunológicoAnatomia - Sistema Imunológico
Anatomia - Sistema Imunológico
 
Malformações gastrointestinais no recém-nascido
Malformações gastrointestinais no recém-nascidoMalformações gastrointestinais no recém-nascido
Malformações gastrointestinais no recém-nascido
 

Destaque

Ectoparasitas
EctoparasitasEctoparasitas
Ectoparasitas
ericmarins
 
Ectoparasitas e animais peçonhentos (2011).
Ectoparasitas e animais peçonhentos (2011).Ectoparasitas e animais peçonhentos (2011).
Ectoparasitas e animais peçonhentos (2011).
Juliana Lima
 
Ehrlichiosis canina
Ehrlichiosis caninaEhrlichiosis canina
Ehrlichiosis canina
Laura Bautista
 
Ectoparasitos
EctoparasitosEctoparasitos
Ectoparasitos
Ana Burgos Mayorga
 
Farmacologia antibioticos de uso frequente veterinaria
Farmacologia   antibioticos de uso frequente veterinariaFarmacologia   antibioticos de uso frequente veterinaria
Farmacologia antibioticos de uso frequente veterinaria
Juan Carlos Ordóñez Fernández
 
9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria
9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria
9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria
JesusCo1908
 

Destaque (6)

Ectoparasitas
EctoparasitasEctoparasitas
Ectoparasitas
 
Ectoparasitas e animais peçonhentos (2011).
Ectoparasitas e animais peçonhentos (2011).Ectoparasitas e animais peçonhentos (2011).
Ectoparasitas e animais peçonhentos (2011).
 
Ehrlichiosis canina
Ehrlichiosis caninaEhrlichiosis canina
Ehrlichiosis canina
 
Ectoparasitos
EctoparasitosEctoparasitos
Ectoparasitos
 
Farmacologia antibioticos de uso frequente veterinaria
Farmacologia   antibioticos de uso frequente veterinariaFarmacologia   antibioticos de uso frequente veterinaria
Farmacologia antibioticos de uso frequente veterinaria
 
9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria
9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria
9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria
 

Semelhante a Ehrlichia

Slides de Aula - Unidade II.pdf
Slides de Aula - Unidade II.pdfSlides de Aula - Unidade II.pdf
Slides de Aula - Unidade II.pdf
BrunoMatson1
 
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
ReginaReiniger
 
Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
 Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)  Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
Hospital de Câncer de Barretos
 
Aula proteinúria e síndrome nefrótica.ppt
Aula proteinúria e síndrome nefrótica.pptAula proteinúria e síndrome nefrótica.ppt
Aula proteinúria e síndrome nefrótica.ppt
brulou29
 
2.Hemograma.pptx
2.Hemograma.pptx2.Hemograma.pptx
2.Hemograma.pptx
AdrianoCosta696471
 
Espleno linfadeno-casos clinicos
Espleno linfadeno-casos clinicosEspleno linfadeno-casos clinicos
Espleno linfadeno-casos clinicos
dapab
 
Anemias na infância
Anemias na infânciaAnemias na infância
Anemias na infância
Maila Murad Balduino
 
Apresentação luciana
Apresentação lucianaApresentação luciana
Apresentação luciana
Cristina Vieira
 
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Prova bioquímica a3 2011   gabaritoProva bioquímica a3 2011   gabarito
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Ana Claudia Rodrigues
 
Liga acadêmica de emergências clínicas - EXAMES LABORATORIAIS COMO AUXILIO EM...
Liga acadêmica de emergências clínicas - EXAMES LABORATORIAIS COMO AUXILIO EM...Liga acadêmica de emergências clínicas - EXAMES LABORATORIAIS COMO AUXILIO EM...
Liga acadêmica de emergências clínicas - EXAMES LABORATORIAIS COMO AUXILIO EM...
LAEC UNIVAG
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
Marília Gomes
 
Estudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinicaEstudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinica
P Lima
 
Estudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinicaEstudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinica
P Lima
 
Sangue e hêmoderivâdos. Slideshare. Medi
Sangue e hêmoderivâdos. Slideshare. MediSangue e hêmoderivâdos. Slideshare. Medi
Sangue e hêmoderivâdos. Slideshare. Medi
Isaias Mavunice
 
Questionário de hemogramas - arquivo de revisão.pptx
Questionário de hemogramas - arquivo de revisão.pptxQuestionário de hemogramas - arquivo de revisão.pptx
Questionário de hemogramas - arquivo de revisão.pptx
ssuserf1aeac2
 
Interpretacao leucograma
Interpretacao leucogramaInterpretacao leucograma
Interpretacao leucograma
ReginaReiniger
 
14 Principais recursos laboratorias disponiveis para diagnosticar os processo...
14 Principais recursos laboratorias disponiveis para diagnosticar os processo...14 Principais recursos laboratorias disponiveis para diagnosticar os processo...
14 Principais recursos laboratorias disponiveis para diagnosticar os processo...
CarlaFMboa
 
Anemias carenciais na infância
Anemias carenciais na infânciaAnemias carenciais na infância
Anemias carenciais na infância
Henrique Fiorillo
 
11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_
11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_
11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_
andrime tapajós tapajós
 
Aula 1 Interpretação de exames.ppt
Aula 1 Interpretação de exames.pptAula 1 Interpretação de exames.ppt
Aula 1 Interpretação de exames.ppt
Daniele Bernard Viana
 

Semelhante a Ehrlichia (20)

Slides de Aula - Unidade II.pdf
Slides de Aula - Unidade II.pdfSlides de Aula - Unidade II.pdf
Slides de Aula - Unidade II.pdf
 
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
 
Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
 Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)  Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
 
Aula proteinúria e síndrome nefrótica.ppt
Aula proteinúria e síndrome nefrótica.pptAula proteinúria e síndrome nefrótica.ppt
Aula proteinúria e síndrome nefrótica.ppt
 
2.Hemograma.pptx
2.Hemograma.pptx2.Hemograma.pptx
2.Hemograma.pptx
 
Espleno linfadeno-casos clinicos
Espleno linfadeno-casos clinicosEspleno linfadeno-casos clinicos
Espleno linfadeno-casos clinicos
 
Anemias na infância
Anemias na infânciaAnemias na infância
Anemias na infância
 
Apresentação luciana
Apresentação lucianaApresentação luciana
Apresentação luciana
 
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Prova bioquímica a3 2011   gabaritoProva bioquímica a3 2011   gabarito
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
 
Liga acadêmica de emergências clínicas - EXAMES LABORATORIAIS COMO AUXILIO EM...
Liga acadêmica de emergências clínicas - EXAMES LABORATORIAIS COMO AUXILIO EM...Liga acadêmica de emergências clínicas - EXAMES LABORATORIAIS COMO AUXILIO EM...
Liga acadêmica de emergências clínicas - EXAMES LABORATORIAIS COMO AUXILIO EM...
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Estudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinicaEstudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinica
 
Estudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinicaEstudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinica
 
Sangue e hêmoderivâdos. Slideshare. Medi
Sangue e hêmoderivâdos. Slideshare. MediSangue e hêmoderivâdos. Slideshare. Medi
Sangue e hêmoderivâdos. Slideshare. Medi
 
Questionário de hemogramas - arquivo de revisão.pptx
Questionário de hemogramas - arquivo de revisão.pptxQuestionário de hemogramas - arquivo de revisão.pptx
Questionário de hemogramas - arquivo de revisão.pptx
 
Interpretacao leucograma
Interpretacao leucogramaInterpretacao leucograma
Interpretacao leucograma
 
14 Principais recursos laboratorias disponiveis para diagnosticar os processo...
14 Principais recursos laboratorias disponiveis para diagnosticar os processo...14 Principais recursos laboratorias disponiveis para diagnosticar os processo...
14 Principais recursos laboratorias disponiveis para diagnosticar os processo...
 
Anemias carenciais na infância
Anemias carenciais na infânciaAnemias carenciais na infância
Anemias carenciais na infância
 
11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_
11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_
11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_
 
Aula 1 Interpretação de exames.ppt
Aula 1 Interpretação de exames.pptAula 1 Interpretação de exames.ppt
Aula 1 Interpretação de exames.ppt
 

Ehrlichia

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Relatório de Caso Clínico Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www.ufrgs.br/favet/bioquimica IDENTIFICAÇÃO Caso: 2001/2/08 Procedência: Clínica Bicho Mania No da ficha original: Faísca Espécie: canina Raça: SRD Idade: 4 anos Sexo: fêmea Peso: 27 kg Alunos(as): Álan Gomes Pöppl e Daniela Sperling Lubisco Ano/semestre: 2001/2 Residentes/Plantonistas: Médico(a) Veterinário(a) responsável: Daniela Segalin ANAMNESE Animal obeso, intolerante ao exercício, encontra-se sempre deitada e quieta, não brinca e não resiste aos passeios. Já tomou progestágenos três vezes (última vez em dezembro de 2001), come ração comercial e comida caseira à noite e ao meio-dia mais alguma coisa como ossos e restos com muita gordura, apresenta oligúria, cio irregular devido aos progestágenos e monta nos outros cães. EXAME CLÍNICO Temperatura retal 38,5º C, fezes normais, mucosas rosadas, TPC 1 segundo, FC 70 BPM , FR 24 movimentos/minuto, cálculos nos incisivos superior e inferior, ausência de 3 incisivos e 1 canino inferior, apresenta muitas pulgas e alguns carrapatos (Rhipicephalus sanguineus), aumento de volume abdominal à palpação (possivelmente hepatomegalia e esplenomegalia) EXAMES COMPLEMENTARES Potássio: 6,62 mEq/l (4,37-5,35), Amilase 3000 U/l (185-700, a 37º C), TG 80,4 mg/dl (38,1), pesquisa de hemocitozoários positiva para Ehrlichia. URINÁLISE Método de coleta: micção natural Obs.: Exame físico cor consistência odor aspecto densidade específica (1,015-1,045) amarelo fluida sui generis turva 1,043 Exame químico pH (5,5-7,5) corpos cetônicos glicose pigmentos biliares proteína hemoglobina sangue nitritos 8,5 n.d. n.d. + ++ + n.d. n.d. Sedimento urinário (no médio de elementos por campo de 400 x) Células epiteliais: 0 Tipo: escamosas Hemácias: Cilindros: 0 Tipo: Leucócitos: Outros: Tipo: Muitos cristais de fosfato triplo Bacteriúria: leve n.d.: não determinado BIOQUÍMICA SANGÜÍNEA Tipo de amostra: soro Anticoagulante: Hemólise da amostra: ausente Proteínas totais: g/L (54-71) Glicose: mg/dL (65-118) ALP: U/L (0-156) Albumina: 31,5 g/L (26-33) Colesterol total: 156 mg/dL (135-270) ALT: 3 U/L (0-102) Globulinas: g/L (27-44) Uréia: 36 mg/dL (21-60) CPK: U/L (0-125) BT: 1,29 mg/dL (0,1-0,5) Creatinina: 1,4 mg/dL (0,5-1,5) : ( ) BL: 0,86 mg/dL (0,01-0,49) Cálcio: mg/dL (9,0-11,3) : ( ) BC: 0,43 mg/dL (0,06-0,12) Fósforo: mg/dL (2,6-6,2) : ( ) BT: bilirrubina total BL: bilirrubina livre (indireta) BC: bilirrubina conjugada (direta)
  • 2. Caso clínico 2001/2/08 página 2 HEMOGRAMA Leucócitos Eritrócitos Quantidade: 16.500/µL (6.000-17.000) Quantidade: 5,27 milhões/µL (5,5-8,5) Tipo Quantidade/µL % Hematócrito: 38,0 % (37-55) Mielócitos (0) (0) Hemoglobina: 13,5 g/dL (12-18) Metamielócitos (0) (0) VCM (Vol. Corpuscular Médio): 72 fL (60-77) Bastonados 0 (0-300) 0 (0-3) CHCM (Conc. Hb Corp. Média): 35,5 % (32-36) Segmentados 9.075 (3.000-11.500) 55 (60-77) Morfologia: Anisocitose discreta Basófilos 330 (0) 2 (0) Plasma levemente ictérico Eosinófilos 3.300 (100-1.250) 20 (2-10) Morfologia normal dos trombócitos Monócitos 330 (150-1.350) 2 (3-10) Linfócitos 3.300 (1.000-4.800) 20 (12-30) Plaquetas Plasmócitos (0) (0) Quantidade: /µL (200.000-500.000) Morfologia: Normal Observações: TRATAMENTO E EVOLUÇÃO Vibramicina (Doxiciclina, antibiótico) 5mg/kg BID por 3 semanas, é a droga de eleição para pacientes com erliquiose e nefropatas, por ser a menos nefrotóxica. Dieta hipoprotéica com a ração Canine K/d da Hill’s, indicada para cães com insuficiência renal, insuficiência cardíaca leve a moderada e doença hepática pois apresenta fósforo reduzido, proteínas reduzidas, sódio bastante reduzido, calorias não protéicas aumentadas, aporte ácido reduzido, vitaminas do complexo B aumentadas e pH urinário neutro (6,8-7,2). Remoção mecânica dos carrapatos e uso tópico de Frontline (Fipronil, ectoparasiticida) no animal. Limpeza do ambiente com Butox (Deltamitrina, carrapaticida). Banhos regulares no animal e escovação. NECRÓPSIA (e histopatologia) Patologista responsável: DISCUSSÃO A Erliquiose é uma moléstia infecciosa que acomete cães, eqüinos, bovinos, ovinos e felinos. O gênero Ehrlichia é constituído por bactérias gram negativas pertencentes à família Ehrlichiae, sendo parasitas intracelulares obrigatórios que infectam os leucócitos, podendo ser transmitidos pelos carrapatos vetores: Amblyoma americanum, Dermacentor variabilis e Rhipicephalus sanguineus. No desenvolvimento da erliquiose canina, a doença apresenta um período de incubação variando de 8 a 20 dias pós-inoculação, podendo se dividir em 3 fases: aguda, subclínica e crônica. Na fase aguda, que pode durar entre 2 a 4 semanas, o microorganismo replica-se nas células mononucleares da circulação, e o parasita dissemina-se para órgãos como baço, fígado, linfonodos. Outra característica observada é o aumento de volume dos órgãos em conseqüência da hiperplasia linforreticular. Os achados mais freqüentes são apatia, depressão, febre, cianose, intolerância ao exercício, dispnéia, esplenomegalia. As anormalidades hematológicas e bioquímicas incluem trombocitopenia e anemia que pode ser discreta. Outro achado comum é a hiperproteinemia resultante do aumento dos níveis de globulinas no sangue sugerem uma resposta imune exacerbada que provavelmente é ineficiente. A fase subclínica ocorre após a fase aguda e geralmente é assintomática, apesar de poderem ocorrer anormalidades laboratoriais, e pode durar meses ou anos, mas geralmente dura de 6 a 9 semanas evoluindo para a fase crônica. Estímulos estressantes ou tratamento imunossupressor durante esta fase podem provocar a progressão para a fase crônica. Na fase crônica os sinais da moléstia podem ser caracterizados como brandos ou graves nos cães infectados. Nesta fase geralmente os animais apresentam-se apáticos e com infecções secundárias diversas, sendo muito comum o aumento do tempo de sedimentação, coagulação do sangue e anemia, onde a proteinúria é observada em conseqüência da lesão renal instalada devido à deposição de imunocomplexos no rim, levando a uma azotemia com aumento dos níveis sangüíneos de uréia, creatinina e potássio. Estes microorganismos provocam formação de anticorpos anti-eritrocitários que desencadeiam uma anemia hemolítica que pode ser branda ou severa, sendo uma anemia do tipo arregenerativa o achado mais freqüentemente documentado nos cães cronicamente infectados. Com isso, os níveis sangüíneos de bilirrubina encontram-se aumentados devido ao metabolismo da hemoglobina, assim como mostram-se presentes na urinálise bilirrubina e hemoglobina. Geralmente a causa desencadeante da pancreatite canina e felina espontânea é desconhecida; mas, com
  • 3. Caso clínico 2001/2/08 página 3 base nas causas documentadas em pacientes humanos, estudos experimentais e observações clínicas, deve ser considerada a nutrição como um dos fatores potenciais. O pâncreas exócrino é altamente reativo às alterações nos substratos nutricionais presentes na dieta. Foi relatado que a pancreatite é mais prevalente em animais obesos. Há evidências de que dietas ricas em gorduras e pobres em proteínas induzem à pancreatite, e que a pancreatite é mais grave quando induzida em cães alimentados com dieta rica em gorduras e menos grave quando induzida em animais magros. Desconhece-se porque a hiperlipidemia pode causar pancreatite, mas foi sugerido que ácidos graxos tóxicos são gerados dentro do pâncreas pela ação da lipase sobre concentrações anormalmente elevadas de triglicerídios nos capilares pancreáticos. A azotemia está freqüentemente presente na pancreatite, em geral sendo resultante da desidratação. A insuficiência renal aguda pode ocorrer secundariamente à hipovolemia ou a outros mecanismos. Em alguns casos ocorre hiperbilirrubinemia e animais com pancreatite supurativa freqüentemente apresentam hipoglicemia. Hipertrigliceridemia é ocorrência comum, principalmente associada a uma dieta rica em lipídios como é o caso da paciente. CONCLUSÕES Visto o resultado positivo para Ehrlichia na pesquisa de hemocitozoários, os problemas referentes ao aumento dos níveis sangüíneos de amilase e triglicerídios podem ser decorrentes de problemas renais e sobrecarga de lipídios na dieta respectivamente, não caracterizando necessariamente uma pancreatite. O tratamento instituído para erliquiose irá solucionar a afecção inflamatória do pâncreas, sendo recomendada uma reavaliação do paciente em três semanas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ETTINGER, S.J.; FELDMAN, E. C. Tratado de medicina interna veterinária: moléstias do cão e do gato. 4.ed. São Paulo: Manole, 1997. KANEKO, J.J.; HARVEY, J.W.; BRUSS, M.L. Clinical biochemistry of domestic animals. 5.ed. New York: Academic Press, 1997. GARCIA-NAVARRO, C.E.K.; Manual de urinálise veterinária. São Paulo: Varela, 1996. GARCIA-NAVARRO, C.E.K.; PACHALY, J.R. Manual de hematologia veterinária. São Paulo: Varela, 1994. LEGATZKI, K.; JORGE, P.S. Erliquiose canina: uma doença emergente? Revista Nosso Clínico, São Paulo, março/abril 2002, p. 12-18. NELSON, R.W.; COUTO, C.G. Fundamentos de medicina interna de pequenos animais. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1994. SHAW, D.; IHLE, S. Medicina interna de pequenos animais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999. SPINOSA, H.L.; GÓRNIAK, S.L.; BERNARDI, M.M. Farmacologia aplicada à medicina veterinária. 23.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999. STEPHEN, J.; BIRCHARD, ?.; ROBERT, G. Manual Saunders de pequenos animais. São Paulo: Rocca, 1998. URQUHART, G.M. et al. Parasitologia veterinária. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1990.